Direito Empresarial. Professora Carolina Lima. (facebook idem)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito Empresarial. Professora Carolina Lima. (facebook idem)"

Transcrição

1 Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professora: Carolina Lima AULA 01 Direito Empresarial Professora Carolina Lima (facebook idem) Bibliografia: a professora recomenda ler o caderno. Mas para quem quer uma: André Luís Ramos Santa Cruz Teoria Geral do Direito de Empresa (art. 966 do CC) Art Considera se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Esse dispositivo trata o que é ser empresário, mas, vai falar sobre o empresário individual. Esse artigo, na verdade, conceitua atividade empresária. Pressupostos: exercer de forma profissional; atividade econômica; organizada; prestação de serviços ou circulação de mercadorias. Zé é taxista (não é empresário individual porque falta na atividade o desenvolvimento de forma organizada) Organização quando a atividade empresarial manipula os fatores de produção Fatores de produção:

2 mão de obra (na realização da atividade fim); tecnologia; insumo; capital Zé não tem vínculo de subordinação. Logo não explora os fatores de produção (não a explora de forma organizada, portanto, ele não é empresário, é um autônomo). Se Zé divide o carro com Pedro e dividir os lucros. Estará constituída uma sociedade. Mas a atividade não é desenvolvida de forma organizada. Estaremos diante de uma sociedade simples. Maria é dona de padaria. Ela reúne todos os fatores de produção, logo a atividade é organizada, e ela é empresária individual. Se Maria pedir ajuda a Joaquina visando lucro e dividir os prejuízos, estaremos diante de uma sociedade organizada, logo sociedade empresária. Do profissional intelectual (art. 966, PU do CC) Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. É aquele que vai fazer uso de um atributo/característica pessoal para desenvolver sua atividade. Ex: médico/engenheiro/arquiteto/artista. Não há presença de organização. Logo não pode ser chamado de empresário ou de sociedade empresária. Portanto, é um profissional liberal. O profissional intelectual, em regra, não será considerado empresário ou sociedade empresária, ainda que tenha a presença de colaborador (exploração da mão de obra para realização de atividade meio). Entretanto, a organização se fará presente quando este profissional passar a explorar a mão de obra alheia na sua atividade fim. Logo, a partir desse momento, este profissional passará a ser chamado de empresário ou sociedade empresária. OBS: quanto ao advogado, mesmo que este explore mão de obra alheia na realização da atividade fim e, por isso, presente a organização, não poderemos chamá lo de empresário ou de sociedade empresária porque o estatuto da OAB dispõe que o advogado não pode exercer atividade mercantil.

3 Sociedade X Empresário Individual Ambos realizam registro na Junta Comercial (ou Registro Público de Empresas Mercantis), logo adquirem personalidade jurídica. A pessoa física (empresário individual) passa a ter um CNPJ. Cuidado: o empresário individual (pessoa física) não ganha personalidade jurídica, pois quem desenvolve a atividade é a pessoa física. A responsabilidade do empresário individual é ilimitada. Pois ele assume as obrigações em seu próprio nome e com seus próprios bens (particulares). Pessoa jurídica: quando realiza o registro da sociedade, existe a figura da pessoa jurídica (sócios + a pessoa jurídica que nasceu). Os contratos são no nome da pessoa jurídica. O empresário individual é quem realiza/desenvolve a atividade (pessoa física) Na sociedade é a pessoa jurídica quem realiza/desenvolve a atividade. Em 2011 surgiu a figura da EIRELI. Cuidado: ela não matou a figura do empresário individual. Na EIRELI, a pessoa física age sozinha, mas tem responsabilidade limitada porque ela tem personalidade jurídica (art. 44, VI do CC) Art. 44. São pessoas jurídicas de direito privado VI as empresas individuais de responsabilidade limitada EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada: precisa ser constituída por 1 pessoa física; a pessoa física só pode ter apenas uma EIRELI; o capital da EIRELI tem que ser igual ou superior a 100 vezes o maior salário mínimo vigente no país (art. 980 A do CC) Art. 980 A. A empresa individual de responsabilidade limitada será constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que não será inferior a 100 (cem) vezes o maior salário mínimo vigente no País

4 OBS: existe uma ADI proposta no STF questionando a constitucionalidade da expressão inferior a 100 vezes o maior salário mínimo vigente no País. Fundamento: impossibilidade de vinculação do salário mínimo para qualquer fim (principal) e outros que a professora não lembra. subscrição = compromisso assumido de contribuir com certas quantia em dinheiro. Integralizar pagar aquilo que se prometeu (acima) capital precisa estar integralizado no momento da constituição da EIRELI a EIRELI tem personalidade jurídica (própria, diferente/distinta do instituidor) a responsabilidade do constituinte será limitada aplicação subsidiária das regras da limitada naquilo que lhe for compatível doutrina majoritária entende que a EIRELI também poderá ser constituída para receber a remuneração do seu constituinte na prestação de serviços (cessão de direitos art. 980 A, 5º do CC) 5º Poderá ser atribuída à empresa individual de responsabilidade limitada constituída para a prestação de serviços de qualquer natureza a remuneração decorrente da cessão de direitos patrimoniais de autor ou de imagem, nome, marca ou voz de que seja detentor o titular da pessoa jurídica, vinculados à atividade profissional. a integralização necessariamente deve ser feita em pecúnia ou bens suscetíveis de avaliação pecuniária. OBS: marca, voz, imagem e nome não podem ser utilizados para a integralização de EIRELI. Do Registro (art. 967 do CC) Art É obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de sua atividade. Para o empresário ou sociedade empresária é ato obrigatório e deve anteceder ao início da atividade (não é o registro que vai conferir o status efeito declaratório) Para o (empresário ou sociedade empresária) Rural (art. 971 do CC) pode realizar o registro na Junta Comercial (é uma faculdade). Se não fizer, ainda que a atividade seja organizada, não será chamado de empresário ou sociedade empresária. Logo depende do

5 registro na Junta Comercial para ganhar esse status (ser chamado de empresário ou sociedade empresária). Estamos diante de um efeito constitutivo. Sem o registro, a responsabilidade é ilimitada. Art O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode, observadas as formalidades de que tratam o art. 968 e seus parágrafos, requerer inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, caso em que, depois de inscrito, ficará equiparado, para todos os efeitos, ao empresário sujeito a registro. O empresário individual adquire os bens da atividade em seu nome civil. Para o direito civil, os bens adquiridos na constância do casamento, para serem alienados dependerão da outorga conjugal. Entretanto, esta exigência será afastada quando o bem imóvel for afeto a atividade empresarial. Assim, o empresário individual poderá alienar ou onerar (dar em garantia) o bem imóvel afeto a atividade sem a outorga conjugal. Dos requisitos para ser empresário individual Não pode ser impedido (art. 1011, 1º do CC) 1 o Não podem ser administradores, além das pessoas impedidas por lei especial, os condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade, enquanto perdurarem os efeitos da condenação. Para ser administrador de uma sociedade também não pode ser impedido como empresário individual. É a pessoa física que assume a administração do negócio (é o empresário individual quem administra a própria sociedade. Ele não representa nenhuma pessoa jurídica. Por conta disso, se ele não pode ser administrador de sociedade também não poderá ser empresário individual). Quando impedido assume a direção de uma sociedade ou é empresário individual, ele responderá por todas as obrigações assumidas como empresário individual. Ter capacidade civil (18 anos ou emancipado) Exceções: incapaz como empresário individual: casos de sucessão (mãe morre e deixa a administração para a filha de 3 anos) e caso de incapacidade superveniente (empresária sofre acidente de carro e fica em coma). O incapaz jamais dará início a uma atividade empresarial como empresário individual. Ele sempre a pega no meio do caminho.

6 Pressupostos para que o incapaz seja empresário individual: Autorização judicial será materializada através de alvará (precário, pois pode ser revogado a qualquer momento). O incapaz será representado ou assistido. Se o incapaz for representado ou assistido, este (representante ou assistente) deverá nomear um gerente. Essa nomeação (do gerente) deverá ser aprovada pelo juiz. O assistente ou representante é quem responde por todos os atos praticados pelo gerente.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. DIREITO EMPRESARIAL I Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. Empresário Empresário é a pessoa que toma a iniciativa de organizar uma atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. Pode Ser

Leia mais

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais.

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Profissionais liberais que prestam os serviços de forma direta e profissionais

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 7 Empresário e estabelecimento empresarial Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Evolução - Empresa Teoria subjetiva Corporações de ofício Teoria objetiva atos de comércio lista taxativa

Leia mais

Empresário Irregular:

Empresário Irregular: ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade

Leia mais

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012.

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - EXIGÊNCIAS PARA CONSTITUIÇÃO 2.1 - Nome Empresarial

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010).

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Prof. Thiago Gomes Empresariais O que é uma sociedade? Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Qual o foco de nosso estudo? As sociedades cujo o objetivo é lucro para seus sócios.

Leia mais

HOPI HARI S.A. CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta

HOPI HARI S.A. CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta HOPI HARI S.A. CNPJ/MF nº 00.924.432/0001-99 NIRE 35.300.143.515 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 11 DE JANEIRO DE 2016 1. DATA, HORA E LOCAL: Aos 11 dias do mês

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL A SOCIEDADE NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha,

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 6 Personalidade e direitos pessoa física e jurídica Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Personalidade pessoas naturais Código Civil pessoa física sujeito de direitos e deveres Pessoas naturais

Leia mais

HOPI HARI S.A. CNPJ/MF n. º / NIRE Companhia Aberta

HOPI HARI S.A. CNPJ/MF n. º / NIRE Companhia Aberta HOPI HARI S.A. CNPJ/MF n. º 00.924.432/0001-99 NIRE 353001435-15 Companhia Aberta ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 02 DE SETEMBRO DE 2015 1. Data, Hora e Local: Aos 02 dias do mês de

Leia mais

Curso Direito Empresarial Administração

Curso Direito Empresarial Administração AULA 4 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 4.1. As sociedades empresárias A pessoa jurídica Sociedade empresária é um agrupamento

Leia mais

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016.

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 1 EIRELI: Análise Legal e os Resultados Práticos Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 2 Conteúdo Programático: - Análise Histórica da Introdução das EIRELI s no Direito Brasileiro; - Conceito

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos. Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP

Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos. Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP Constituição de Pessoa Jurídica para a prestação de serviços personalíssimos Rosana Oleinik Mestre e doutoranda PUC/SP Forma x conteúdo? Forma x conteúdo A forma é o que aparece ao interlocutor e pressupõe

Leia mais

SLC AGRÍCOLA S.A. CNPJ Nº / NIRE Ata de Reunião do Conselho de Administração realizada em 10 de dezembro de 2012

SLC AGRÍCOLA S.A. CNPJ Nº / NIRE Ata de Reunião do Conselho de Administração realizada em 10 de dezembro de 2012 SLC AGRÍCOLA S.A. CNPJ Nº. 89.096.457/0001-55 NIRE 43.300.047.521 Ata de Reunião do Conselho de Administração realizada em 10 de dezembro de 2012 Data e Hora: 10 de dezembro de 2012, às nove horas. Local:

Leia mais

Considerações gerais sobre a EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Omar Augusto Leite Melo*

Considerações gerais sobre a EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Omar Augusto Leite Melo* Imprimir Enviar por E-mail Curtir 3 Compartilhe: Omar Augusto Leite Melo Advogado e Consultor Tributário. Pós Graduado em Direito Tributário pelo Centro de Extensão Universitária CEU de São Paulo. Professor.

Leia mais

ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA Pelo presente instrumento, - [Nome do Advogado], [nacionalidade], [estado civil], advogado(a), inscrito(a) na OAB/Ba sob n. [...], inscrito(a) no CPF/MF

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Cargo de confiança 1) A determinação do empregador para que

Leia mais

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis:

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis: Proposição n. 49.0000.2016.000773-1/COP Origem: Presidente do Conselho Federal da OAB. Protocolo n. 49.0000.2016.000764-4. Assunto: Proposta de Provimento. Sociedades Individuais de Advocacia. Relator:

Leia mais

ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (MODELO)

ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (MODELO) ATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA (MODELO) Pelo presente instrumento, - [Nome do Advogado], [nacionalidade], [estado civil], advogado (a), inscrito(a) na OAB/RN sob n. [...], inscrito(a)

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA

CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA CONCEITO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA 1 CONCEITO DE SOCIEDADE Código Civil - Art. 981 Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício

Leia mais

EDITORA ABRIL S.A. CNPJ/MF n.º / NIRE N.º ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2007

EDITORA ABRIL S.A. CNPJ/MF n.º / NIRE N.º ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2007 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2007 LOCAL E HORA: Na sede da Sociedade, na Avenida Otaviano Alves de Lima, 4400, Nossa Senhora do Ó, em São Paulo/SP, às 11:00 horas. PRESENÇA:

Leia mais

O CONTRATO DE SOCIEDADE

O CONTRATO DE SOCIEDADE O CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONCEITO DE CONTRATO contrato é o acordo de vontade de duas ou mais pessoas com a finalidade de adquirir, resguardar, modificar ou extinguir direitos. (Bevilacqua, 1916 p. 245)

Leia mais

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias Michele Schwan Advogada OAB/RS 86.749 As três modalidades de constituição de empresa mais utilizadas no Rio Grande do Sul, conforme a Junta

Leia mais

Um verdadeiro líder, deve dar elementos para que cada um na equipe encontre sua própria motivação. Eugênio Mussak

Um verdadeiro líder, deve dar elementos para que cada um na equipe encontre sua própria motivação. Eugênio Mussak Um verdadeiro líder, deve dar elementos para que cada um na equipe encontre sua própria motivação. Eugênio Mussak Prof. Flávio Barbosa flavio062004@hotmail.com http://fbdesenvolvimento.eti.br 1.3 DADOS

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

AULA 16. Tem como obrigação integralizar a quota-parte dele (aquilo que foi subscrito por ele).

AULA 16. Tem como obrigação integralizar a quota-parte dele (aquilo que foi subscrito por ele). Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professor: Carolina Lima Monitor: André Manso AULA 16 Dos Acionistas Tem como obrigação integralizar a quota-parte dele (aquilo que foi subscrito

Leia mais

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo TABELA DE PREÇOS DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO JUCESP RATIFICADA, NOS TERMOS DO ARTIGO 4º DA DELIBERAÇÃO JUCESP N. 1/2015, PELO COLÉGIO DE VOGAIS DA JUCESP EM SESSÃO PLENÁRIA REALIZADA EM 22/12/2015.

Leia mais

ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS...(nome da Sociedade)... [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem conter o número de registro da sociedade no CNPJ e

Leia mais

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HAPKIDO TRADICIONAL ANHT REGULAMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HAPKIDO TRADICIONAL ANHT REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HAPKIDO TRADICIONAL ANHT REGULAMENTO INTERNO Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O presente regulamento tem por finalidade determinar os critérios fundamentais que possibilitem as

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no de 05/12/02 DOU de 06/12/02 CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Direito Empresarial I Código: DIR-461 Pré-requisito: - CH Total: 60 h Período Letivo: 2016.1 Turma:

Leia mais

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 2014 SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS. SOCIEDADES EM COMUM. SOCIEDADES SIMPLES. SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. SOCIEDADES EMPRESARIAIS CLASSIFICAÇÕES DAS SOCIEDADES QUANTO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS PERTINENTES AO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS.

ESPECIFICAÇÃO DE ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS PERTINENTES AO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS. S ESPECIFICAÇÃO DE INTEGRANTES DA TABELA DE S DOS SERVIÇOS PERTINENTES AO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS. Resolução Plenária n.º 006/2016, que reajustou a tabela de preços da

Leia mais

Constituição formal de empresa

Constituição formal de empresa Constituição formal de empresa Aula 02 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

1 de 5 28/06/2011 20:15 Direito de empresa - Sociedade simples 28 de Junho de 2011 Este procedimento foi elaborado com base na Lei nº 10.406/2002 - DOU de 11.01.2002. Direito de empresa - Sociedade simples

Leia mais

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente:

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: DIREITO EMPRESARIAL 1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: A) O juiz dissolve a sociedade, se acolher o pedido; B) Mesmo se acolhido o pedido,

Leia mais

Capítulo 5. Quem serão os meus aliados?

Capítulo 5. Quem serão os meus aliados? PESSOA FÍSICA OU PESSOA JURÍDICA Pessoa física É o indivíduo ou pessoa individual com seus direitos e obrigações perante o Estado. Pessoa jurídica Éaassociaçãodeduasoumaispessoasemumaentidade,comseus direitos

Leia mais

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva

Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público. Diana Pinto e Pinheiro da Silva Concessão, Permissão e Autorização de Serviço Público Diana Pinto e Pinheiro da Silva 1. Execução de Serviço Público Execução de serviço público Dificuldade de definição [...] o conceito de serviço público

Leia mais

A tributação do direito de imagem

A tributação do direito de imagem A tributação do direito de imagem Rodrigo de Macedo e Burgos PGFN/COCAT (debatedor) Art. 129. Para fins fiscais e previdenciários, a prestação de serviços intelectuais, inclusive os de natureza científica,

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001

Leia mais

AREZZO INDÚSTRIA E COMÉRCIO S.A. CNPJ/MF nº / NIRE

AREZZO INDÚSTRIA E COMÉRCIO S.A. CNPJ/MF nº / NIRE AREZZO INDÚSTRIA E COMÉRCIO S.A. CNPJ/MF nº 16.590.234/0001-76 NIRE 31.300.025.91-8 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA, REALIZADA EM 29 DE ABRIL DE 2010 1. DATA, HORA E LOCAL: Realizada às 10:00 (dez) horas

Leia mais

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS O contrato social é o regulador das relações obrigacionais entre os sócios, alicerçada na Constituição Federal, nas leis e nos princípios gerais do Direito, sendo os

Leia mais

LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA. Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão

LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA. Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Advogado

Leia mais

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito

Filosofia e Direito. Filosofia e Direito 2016-2 HORÁRIO DO 1º SEMESTRE 1ª Aula Humanidades em Direito Redação e Linguagem Jurídica Filosofia e Direito Ciência Política e Teoria do Estado Introdução ao Estudo do Direito 2ª Aula Humanidades em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Ciências Jurídicas Departamento de Direito Público Geral e Processual

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Ciências Jurídicas Departamento de Direito Público Geral e Processual SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Ciências Jurídicas Departamento de Direito Público Geral e Processual CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº

Leia mais

DR. JONAS DA COSTA MATOS

DR. JONAS DA COSTA MATOS DR. JONAS DA COSTA MATOS DEFINIÇÃO LEGAL A Contribuição Sindical Urbana ou Rural, antigo Imposto Sindical, não é um imposto, mas uma contribuição compulsória (obrigatória) que deve ser recolhida anualmente,

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ;

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ; x Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social Empresa : 1. empreendimento ; 2. organização econômica destinada à produção ou venda de mercadoria ou serviços,

Leia mais

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa SUMÁRIO Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa... 17 1. Origens do Direito Empresarial.... 17 2. Autonomia do Direito Empresarial... 20 3. Fontes do Direito Empresarial... 21 4. Do Direito de Empresa...

Leia mais

PARTE I SOCIEDADE LIMITADA

PARTE I SOCIEDADE LIMITADA PARTE I Art. 1.052. Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. Código Civil. Vamos

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO DA LEI Nº /2002 LIVRO II DO DIREITO DE EMPRESA TÍTULO I DO EMPRESÁRIO

ÍNDICE SISTEMÁTICO DA LEI Nº /2002 LIVRO II DO DIREITO DE EMPRESA TÍTULO I DO EMPRESÁRIO ÍNDICE SISTEMÁTICO DA LEI Nº 10.406/2002 LIVRO II DO DIREITO DE EMPRESA TÍTULO I DO EMPRESÁRIO Capítulo I - Da Caracterização e da Inscrição - arts. 966 a 971.. 67 Capítulo II - Da Capacidade - arts. 972

Leia mais

Exercícios - ESAF Direito Empresarial Exercício Giovani Magalhães Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Exercícios - ESAF Direito Empresarial Exercício Giovani Magalhães Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Exercícios - ESAF Direito Empresarial Exercício Giovani Magalhães 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. AEP FISCAL: DIREITO EMPRESARIAL Questões Esaf Prof. Giovani

Leia mais

PROFESSORA CAROLINA LIMA CORRÊA DIREITO EMPRESARIAL ( TEORIA GERAL PARTE 1) TEORIA GERAL: EMPRESA / EMPRESÁRIO / ESTABELECIMENTO

PROFESSORA CAROLINA LIMA CORRÊA DIREITO EMPRESARIAL ( TEORIA GERAL PARTE 1) TEORIA GERAL: EMPRESA / EMPRESÁRIO / ESTABELECIMENTO DIREITO COMERCIAL PROFESSORA: CAROLINA LIMA ASSUNTO: TEORIA GERAL: EMPRESA / EMPRESÁRIO / ESTABELECIMENTO DO CONCEITO: Para iniciarmos esta aula, será necessário responder à seguinte pergunta: O que é

Leia mais

BANCO INDUSVAL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ nº / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS

BANCO INDUSVAL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ nº / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS BANCO INDUSVAL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ nº 61.024.352/0001-71 NIRE 353.000.242-90 AVISO AOS ACIONISTAS Comunicamos aos senhores acionistas que em Assembleia Geral Extraordinária

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Conceito de empresário - Art. 966, CC/2002 (Lei n. 10.406, 10 de janeiro de 2002) - Profissionalismo: a. Habitualidade b. Pessoalidade

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

O que é terceirização?

O que é terceirização? TERCEIRIZAÇÃO A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (8) o projeto de lei 4330/2004, que regulamenta contratos de terceirização no mercado de trabalho. Agora, o projeto será encaminhado diretamente

Leia mais

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Regimes Previdenciários Principal Complementar Setor Público Setor Privado RGPS Oficial (União, Estados, Municípios e DF) Privado Civil (União, Estados, Municípios e DF) Militar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo ANEXO I A QUE SE REFERE À PORTARIA JUCESP Nº 49, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015. Republicado por não ter sido atualizado o valor correspondente ao arquivamento de debênture e demais informações complementares.

Leia mais

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Pessoas Jurídicas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Pessoas Jurídicas Pessoas Jurídicas Pessoas jurídicas são entidades criadas para a realização de um fim e reconhecidas pela ordem jurídica como sujeitos de direitos e deveres. Pessoas Jurídicas Características:

Leia mais

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA, CONSULTORIA E INTERMEDIAÇÃO Pelo presente instrumento, são partes, de um lado LOCADORA DE VEICULOS LTDA. LOCADORA RENT, pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Direito Empresarial II Código: DIR-467

PLANO DE CURSO. CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Direito Empresarial II Código: DIR-467 CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Direito Empresarial II Código: DIR-467 CH Total: 60 h Pré-requisito: Direito Empresarial I Período Letivo: 2016.2 Turma: 8º semestre Professor: Luciana de Oliveira

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Direito em ação, Brasilia, v.8 n.1, janeiro 2012

Direito em ação, Brasilia, v.8 n.1, janeiro 2012 167 DIREITO EMPRESARIAL 169 Tentativa de Superação da Responsabilidade Ilimitada do Empresário Individual como Forma de Fomentar a Economia. Amaury Walquer Ramos de Moraes* 1 Ruth Marlen da C. Pedrosa*

Leia mais

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. Conceito

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. Conceito Conceito CRÉDITO TRIBUTÁRIO O crédito tributário corresponde ao direito do Estado de exigir o tributo, ou melhor, de exigir o objeto da obrigação tributária principal do sujeito. Contribuição do crédito

Leia mais

REGULAMENTO DUX COWORKING E FREELANCER PARCERIA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS São Paulo, 03 de dezembro de TÍTULO I GENERALIDADES

REGULAMENTO DUX COWORKING E FREELANCER PARCERIA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS São Paulo, 03 de dezembro de TÍTULO I GENERALIDADES REGULAMENTO DUX COWORKING E FREELANCER PARCERIA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS São Paulo, 03 de dezembro de 2012. TÍTULO I GENERALIDADES CONSIDERANDO a intenção de atender, com excelência, as demandas do

Leia mais

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica:

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: 1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: a) sociedade em nome coletivo b) sociedade em comandita simples c) sociedade de capital e indústria

Leia mais

Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Fazenda Junta Comercial do Estado de Santa Catarina Procuradoria Geral Parecer n.

Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Fazenda Junta Comercial do Estado de Santa Catarina Procuradoria Geral Parecer n. Parecer n.º 94/07 Processo nº 07/186378-8. Empresário individual. Falecimento. Partilha formalizada em escritura pública, na forma da Lei 11.441/07. Nomeação de inventariante. Pretendido arquivamento do

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

DIREITOS DOS ACIONISTAS

DIREITOS DOS ACIONISTAS DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO Mário Tavernard Martins de Carvalho Patrocinadores: 2 Direitos essenciais

Leia mais

IX Contratos de Assunção de Obrigações

IX Contratos de Assunção de Obrigações CIRCULAR 3.427 Dispõe sobre o recolhimento compulsório e o encaixe obrigatório sobre recursos a prazo de que trata a Circular nº 3.091, de 1º de março de 2002. A Diretoria Colegiada do Banco Central do

Leia mais

Resolução nº 004/2015

Resolução nº 004/2015 Resolução nº 004/2015 Dispõe sobre estágio de prática docente para os alunos do Mestrado em Direito e Instituições do Sistema de Justiça. Art. 1º O Estágio de Prática Docente (EPD) tem por objetivo aperfeiçoar

Leia mais

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil.

Organograma do Direito de Empresa no Código Civil. Organograma do Direito de Empresa no Código Civil www.mariacelesteadv.com.br CÓDIGO CIVIL (LEI 10.406/02) DO DIREITO DE EMPRESA Livro II, arts 966 a 1.195 SOCIEDADE - arts. 981 segs. EMPRESÁRIO - arts.966

Leia mais

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado * O Poder Constituinte * Processo Legislativo

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Contrato individual de trabalho é o acordo, tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego. Relação de emprego entre EMPREGADOR e EMPREGADO. DEFINIÇÃO LEGAL: O

Leia mais

para concurso de Juiz Federal

para concurso de Juiz Federal para concurso de Juiz Federal O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira Alexandre da Silva Arruda para concurso de Juiz Federal De acordo com a Resolução nº 67, de 3 de

Leia mais

Certificados de Crédito Cooperativo (CCC)

Certificados de Crédito Cooperativo (CCC) Certificados de Crédito Cooperativo (CCC) Conceito: título de crédito nominativo, transferível e de livre negociação, que representa promessa de pagamento em dinheiro e constitui título executivo extrajudicial.

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM. RESOLUÇÃO CSA N 06/2010 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENFERMAGEM, BACHARELADO, DA FACULDADE DO MARANHÃO FACAM. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso

Leia mais

CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS

CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS CURSO ONLINE APERFEIÇOAMENTO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE EMPRESAS 1 1 2 Aula 6 - RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS - STAY - CRÉDITOS EXCLUÍDOS - TRAVA BANCÁRIA Parte 4 3 Travas bancárias alienação fiduciária e penhor

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Rio Grande do Sul

Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Rio Grande do Sul I TORNEIO ESPORTIVO DE VOLEI DE AREIA DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO RIO GRANDE DO SUL - CAARS REGULAMENTO GERAL Art. 1º - O I Torneio Esportivo de Vôlei de Areia da Caixa de Assistência dos

Leia mais

RESOLUÇÃO 22/ (vinte) horas semanais de trabalho; 40 (quarenta) horas semanais de trabalho;

RESOLUÇÃO 22/ (vinte) horas semanais de trabalho; 40 (quarenta) horas semanais de trabalho; Regulamenta o Regime de Trabalho na UESB, 20(vinte) 40 (quarenta) horas e de Tempo Integral com Dedicação Exclusiva. O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso de suas atribuições,

Leia mais

FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. CNPJ/MF N / NIRE (Companhia Aberta)

FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. CNPJ/MF N / NIRE (Companhia Aberta) FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. CNPJ/MF N 00.924.429/0001-75 NIRE 31.300.011.879 (Companhia Aberta) ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 22 DE OUTUBRO DE 2015. DATA, HORA E LOCAL: Aos 22

Leia mais

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas Administrador Judicial O administrador judicial será profissional idôneo, preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO

TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Facebook: Armindo Castro Celular/WhatsApp: (82) 99143-7312 1. SOCIEDADE EMPRESÁRIA

Leia mais

Direito Civil. Empréstimo. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Empréstimo. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Empréstimo Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Civil LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002. Institui o Código Civil. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO

ESCOLA DE DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO 3ª. Série 06 09 21 22 25 38 CONHECIMENTOS GERAIS DIR. ADMINISTRATIVO DIR. PENAL DIR. PENAL DIR. PENAL DIR. (conteúdo cumulado) A questão trata da temática do Êxodo, decorrente de infortúnios provisórios,

Leia mais