Aspetos Específicos da Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software de Patient Relationship Management

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspetos Específicos da Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software de Patient Relationship Management"

Transcrição

1 Dissertação Mestrado em Controlo de Gestão Aspetos Específicos da Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software de Patient Relationship Management Miguel da Silva Canedo Delgado Martins Leiria, novembro de 2013

2

3 Dissertação Mestrado em Controlo de Gestão Aspetos Específicos da Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software de Patient Relationship Management Miguel da Silva Canedo Delgado Martins Dissertação de Mestrado realizada sob a orientação do Doutor Rui Pedro Charters Lopes Rijo, Professor da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Leiria Leiria, novembro de 2013

4

5 Somos o que fazemos. Nos dias em que fazemos realmente existimos. Nos outros apenas duramos. Padre António Vieira

6 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo

7 Agradecimentos Obrigado ao Doutor Rui Rijo, meu orientador, pela incansável disponibilidade e pela capacidade que evidenciou de me iluminar o caminho sempre que o breu da noite o envolvia, dificultando a progressão. Agradeço ao Engenheiro Tomé Vardasca e aos outros dois entrevistados pelo seu precioso contributo e colaboração. Relativamente aos meus pais, não posso deixar de manifestar um particular sentimento de gratidão pelo apoio incondicional e pela atitude de abnegação que colocaram ao serviço da minha educação e formação, sem a qual este empreendimento não teria sido possível. A todos aqueles que me são queridos e que, de algum modo, foram afetados pela indisponibilidade que surge associada a uma atividade desta natureza, dirijo também uma palavra de sincero agradecimento pela compreensão nas ausências e nas presenças de fugida, pela tolerância nos momentos de mau-humor e nervosismo, pelas palavras de incentivo e pela lealdade inabalável. Por fim, gostaria de agradecer ainda à equipa de professores do Mestrado em Controlo de Gestão da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria pelo profissionalismo, competência e constante solicitude que empregaram ao serviço da sua nobre função. I

8 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo II

9 Resumo A presente pesquisa consiste num trabalho exploratório de análise dos aspetos específicos da gestão de projetos de desenvolvimento de software de Patient Relationship Management (PRM), tendo em vista contribuir para a definição, no futuro, de um framework específico. Uma revisão de literatura sistemática permitiu concluir a inexistência de referências neste âmbito inseridas, tendo-se procurado suprir esta lacuna através da realização de um estudo de caso suportado em três entrevistas a peritos de reconhecida competência. As conclusões remetem para a necessidade e pertinência de um framework de gestão de projetos de desenvolvimento de software de PRM, evidenciando também um controlo do projeto de reduzida complexidade. Propõe-se e discute-se, neste aspeto, a utilização do sistema de controlo Balanced Scorecard. Esta pesquisa fornece um importante contributo para o conhecimento, compreensão e orientação da gestão e da tomada de decisão subjacentes a projetos de PRM no setor da saúde. Palavras-chave gestão de projetos, desenvolvimento de software, patient relationship management, balanced scorecard III

10 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo IV

11 Abstract This research emerges as an exploratory work that analyzes the specific aspects of Patient Relationship Management (PRM) software Project Management, in order to contribute, in the future, to the definition of a specific framework. As a result of a systematic literature review, it is possible to conclude the absence of specific references. To fill this gap, a case study was conducted, supported in three interviews with experts. The findings highlight the need and the relevance of a specific framework for PRM projects, also suggesting a low complexity project control. In this aspect, it is proposed the use of the Balanced Scorecard as a control system. This research provides an important contribution to knowledge, understanding and guidance of management and decision making underlying PRM projects in the health sector. Keywords - project management, customer relationship management, software development, patient relationship management, balanced scorecard V

12 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo VI

13 Índice de Figuras Figura 1 Balanced Scorecard de Kaplan & Norton (1996, p.76) adaptado Traduzindo Visão e Estratégia: Quatro perspetivas...34 Figura 2 Arquitetura de um Sistema de PRM (Vardasca & Martins, 2011, p.3)...57 VII

14 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo VIII

15 Índice de Quadros Quadro 1. Benefícios da Gestão de Projetos (Kerzner, 2003, p.50)...16 Quadro 2. Fatores de Sucesso de Projetos de Grude Quadro 3. Fatores de Sucesso de Projetos de Morris (Stevens, 2002, p.20-10)...22 Quadro 4. Abordagem Simples ao Project Scorecard (Keyes, 2010, p.6)...35 Quadro 5. Drivers e KPIs Representativos de um Projeto Padrão (Keyes, 2010, p.19)...36 Quadro 6. Objetivos, Medidas e Metas para as Quatro Perspetivas do Balanced Scorecard (Keyes, 2005, p.18)...39 Quadro 7. Quadro-resumo das Principais Conclusões das Entrevistas Realizadas...80 IX

16 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo X

17 Lista de Siglas API Application Programming Interface BSC Balanced Scorecard CMMI Capability Maturity Model Integration CNPD Comissão Nacional de Proteção de Dados CPM Critical Path Method CRM Customer Relationship Management C/SCSC Cost/Schedule Control Systems Criteria DE Departamento de Energia Eletronic Mail ERP Enterprise Resource Planning ESA Ethics, Standards and Accreditation project EV Earned Value EVM Earned Value Management IPMA Institute of Project Management Associations ITL Information Technology Infrastructure Library KPI Key Performance Indicator MRP Materials Resource Planning XI

18 PCE Processo Clínico Eletrónico PDM Precedence Diagramming Method PDS Plataforma de Dados de Saúde PERT Program Evolution and Review Technique PMBOK Project Management Body of Knowledge PMI Project Management Institute PRM Patient Relationship Management ROI Return on Investment ROA Return on Assets SICL Sistemas de Informação de Compras Locais SMS Short Message Service TI Tecnologias da informação WBS Work Breakdown Structure XII

19 Índice Geral Agradecimentos... I Resumo...III Abstract...V Índice de Figuras... VII Índice de Quadros...IX Lista de Siglas...XI Índice Geral...XIII 1.Introdução Contextualização Customer Relationship Management versus Patient Relationship Management Desafio e Objetivos Estrutura da Dissertação Gestão de Projetos Evolução Histórica Dos tempos primordiais a Henry Fayol De Adamiecki ao Conceito de Gestão Ágil de Projetos...8 XIII

20 Desafios da Gestão de Projetos Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Controlo de Projetos Tipos de Controlo Reporting e Mensurabilidade dos Produtos e Processos do Projeto Métricas e Indicadores Do Balanced Scorecard ao Project Management Scorecard Customer Relationship Management Contextualização histórica Patient Relationship Management Definição e Objetivos Características/ Serviços de um Sistema de PRM Arquitetura de um Sistema de PRM Impactos de Implementação Metodologia Objetivos da Pesquisa Abordagem de Pesquisa Seleção da Amostra Validade e Fiabilidade Resumo das Entrevistas Conclusão Síntese Discussão dos Resultados Obtidos Considerações sobre a pesquisa...94 XIV

21 7.4. Considerações finais...95 Bibliografia...97 Anexos Anexo A. Guião das Entrevistas Anexo B. Transcrição da Entrevista nº Anexo C. Transcrição da Entrevista nº Anexo D. Transcrição da Entrevista nº XV

22 Esst taa ppáággi innaa fooi f i innt i teenncci ioonnaal lmeennt tee ddeei ixxaaddaa eem bbrraannccoo XVI

23 1.Introdução No setor da saúde, a questão do paperless hospital tem sido um importante tema de debate. Muitos são aqueles que defendem a digitalização e automação da gestão dos processos administrativos e dos registos médicos. Porém, apesar de serem quase evidentes os benefícios de uma tal prática, baseada nas tecnologias da informação, para uma eficaz gestão de projetos visando essa implementação é fundamental compreender a complexidade de todo o processo, o que requer um estudo aprofundado no sentido de se obter a solução mais adequada a cada instituição. Cada uma tem diferentes motivações e almeja diferentes benefícios e resultados, não sendo por isso fácil a concepção de uma solução única, capaz de dar resposta a todos os tipos de necessidades e respetivos riscos Contextualização É inegável que os serviços de saúde desempenham um importantíssimo papel no bem-estar público, o que remete para a pertinência e imperatividade de estratégias susceptíveis de alavancar a qualidade desses serviços. Intimamente relacionada com a qualidade dos serviços de saúde está a satisfação dos utentes, a qual tem sido já amplamente reconhecida como um driver de negócio dotado de grande força. Do ponto de vista do negócio, é possível afirmar que os utentes de um hospital são os seus principais clientes. Neste contexto, a sua satisfação é crucial para manter o equilíbrio das 1

24 contas, uma vez que a escolha de um hospital por parte dos utentes é muitas vezes influenciada pelas experiências dos seus familiares, amigos, ou colegas. É ao serviço desta realidade que o Patient Relationship Management (PRM) tem afirmado a sua preponderância. O PRM consubstancia a aplicação do Customer Relationship Management (CRM) ao setor da saúde, tendo como finalidade, muito genericamente falando, a gestão das relações de uma instituição de saúde com os seus utentes. É no cumprimento deste desiderato que esta abordagem de gestão se revela capaz de aumentar a satisfação dos utentes, ao mesmo tempo que torna possível ganhos de eficiência e eficácia organizacionais, bem como a identificação de novas oportunidades de intervenção. Contudo, as especificidades de concepção e controlo de um sistema de PRM, resultantes de características, serviços, arquiteturas e impactos que lhe são muito próprios, remetem para a criação de um framework capaz de orientar a gestão de projetos dessa natureza. A Gestão de Projetos envolve a divisão do trabalho em várias tarefas a realizar, bem como a coordenação dessas tarefas. A divisão do trabalho em várias tarefas exige que as atividades do projeto sejam planeadas e estimadas e que uma adequada alocação de recursos se verifique previamente à sua calendarização. Tipicamente, gerir um projeto inclui (PMBOK, 2008): Identificação dos requisitos; Satisfação das necessidades, preocupações e expectativas dos stakeholders do projeto; Gestão do âmbito, da qualidade, da calendarização, do orçamento, de recursos e do risco. Os projetos de desenvolvimento de software partilham muitas das características dos demais projetos, havendo contudo dois atributos que os distinguem: a sua complexidade e imaterialidade. 2

25 1.2. Customer Relationship Management versus Patient Relationship Management O facto de tanto o PRM como o CRM se ocuparem da gestão das relações organizacionais com os clientes não quer dizer que as duas abordagens sejam iguais. Em primeiro lugar, distingue-as o seu objeto e contexto de aplicação. Enquanto que o CRM se assume como uma estratégia nuclear ao serviço da gestão das relações comerciais entre uma empresa e os seus clientes, o PRM, tal como já referido, gere as relações de uma instituição de saúde com os seus utentes, tendo como fim último a identificação e satisfação das suas necessidades. Em segundo lugar, apesar de em ambas as abordagens a informação dos clientes ser mantida e utilizada no fornecimento de serviços individualizados, o facto de o PRM lidar com históricos e serviços médicos remete para uma maior responsabilidade na gestão da informação pessoal, no fornecimento de conselhos ou orientações e na prestação de serviços. Em terceiro lugar, as relações entre uma instituição de saúde e os seus utentes apresentam especificidades que justificam um tratamento diferenciado. Mais concretamente, tal como referem Hung et al (2009), o poder de negociação dos utentes relativamente à forma como um determinado serviço ou tratamento será aplicado é reduzido, resultando este fraco poder negocial, sobretudo, de uma grande assimetria informacional entre os fornecedores de serviços médicos e os utentes Desafio e Objetivos Atualmente, a maior parte dos modelos ou guias de gestão de projetos, tal como o Project Management Body of Knowledge (PMBOK), não apresentam soluções específicas para os processos de desenvolvimento de software na área da saúde. Além disso, apesar de já muita investigação se ter desenvolvido em torno da Gestão de Projetos de desenvolvimento de software, quando reduzindo o âmbito até ao nível da gestão de projetos específicos na área de desenvolvimento de sistemas de PRM, não se identificam 3

26 referências, apesar da sua relevância. A literatura disponível remete apenas para processos de desenvolvimento de soluções de software genéricos, que não têm em consideração as particularidades associadas ao desenvolvimento de soluções de software de PRM, tais como a sensibilidade e o volume dos dados, a complexidade dos processos, a natureza critica dos serviços prestados e a grande assimetria informacional entre fornecedores de serviços e utentes. Neste contexto, é objetivo da presente pesquisa estudar os aspetos específicos à gestão de projetos de desenvolvimento de software de PRM, tendo em vista a contribuição para a criação futura de um framework. Esta pesquisa procura ainda explorar a possibilidade de se realizar o controlo do projeto com recurso ao Balanced Scorecard, já que autores como Norrie e Walker (2004, p. 53) remetem para a possível simbiose entre o Balanced Scorecard e a Gestão de Projetos, sugerindo que a utilização do Balanced Scorecard para tornar os indicadores e as ligações estratégicas mais claras, pode melhorar o desempenho interna da equipa de um projeto, contribuindo para a obtenção de entregáveis dentro do prazo, do orçamento e da qualidade pretendidas Estrutura da Dissertação A presente pesquisa é composta por duas grandes partes. A primeira parte é constituída por três capítulos, nos quais se procede a uma exaustiva revisão de literatura sobre Gestão de Projetos (capítulo 2), Controlo de Projetos (capítulo 3) e Customer Relationship Managment (capítulo 4). A segunda parte debruça-se sobre o estudo de caso que se realizou, baseado em três entrevistas a peritos da área de investigação em questão. A metodologia de investigação é apresentada no capítulo 5 e os seus resultados podem ser encontrados no capítulo 6, sendo posteriormente debatidos no capítulo 7. 4

27 2. Gestão de Projetos Este capítulo tem como objetivo fornecer uma perspetiva abrangente da terminologia da Gestão de Projetos, começando com uma síntese dos seus principais marcos evolutivos, e terminando com uma abordagem à gestão de projetos de desenvolvimento de software Evolução Histórica De forma mais ou menos evidente, inúmeros projetos têm sido levados a cabo ao longo dos milénios. Contudo, só a partir de meados do século XX se começou a falar sobre gestão de projetos. Até essa altura, os empreendimentos eram vistos como atos de culto, de engenharia e de construção de nações, e as pessoas responsáveis por esses empreendimentos encaravam-se como membros de grupos, focados em objetivos específicos, tais como padres, arquitetos e generais Dos tempos primordiais a Henry Fayol A construção de grandes empreendimentos, como são exemplo os das pirâmides egípcias, ou o sistema de água no Império Romano, ficou gravada ao longo da história. De uma forma ou de outra, ao longo dos milénios, inúmeros projetos têm sido levados a cabo (Weaver, 2007): 5

28 Sun Tzu escreveu sobre o planeamento e estratégia há cerca de 2500 anos (toda a batalha é um projeto); Numerosos caminhos-de-ferro intercontinentais foram construídos ao longo do século XIX; Edifícios de diferentes tamanhos e complexidade foram erguidos pelo Homem ao longo dos tempos. A disponibilidade de recursos, proporcionada pelo desenvolvimento tecnológico, possibilitou àqueles com capacidades de visão e liderança a concepção de maiores e mais complexos empreendimentos. Os chineses e os egípcios construíram complexas civilizações há milhares de anos atrás. Os romanos estenderam o seu império ao longo da Europa e do norte de África. Colombo analisou o padrão dos ventos em cada um dos lados do equador e arriscou tudo num projeto para atravessar o Atlântico, estabelecendo uma nova rota para a Índia oriental. Apesar dos seus pressupostos estarem corretos, descobriu, para sua surpresa, a Índia ocidental, em vez da oriental (Todhunter, 2011). Tais empreendimentos ilustram a evolução daquilo que nós hoje conhecemos como gestão de projetos: articularam-se objetivos; atribuíram-se responsabilidades pelo alcance desses objetivos; alocaram-se recursos; desenvolveram-se tecnologias de apoio; identificou-se e geriu-se o risco; definiu-se uma estratégia integrada de sucesso (Todhunter, 2011). Assim, a necessidade de gestão de projetos não é nova. Contudo, só a partir do século XX é que essa gestão se tornou alvo de um estudo mais sério. De acordo com Chiu (2010), as técnicas mais elementares de gestão desenvolveram-se por volta de 5000 AC, com o registo escrito das transações de negócios, efetuado pelos padres sumérios, possibilitando a inventariação da sua pecuária, produtos, propriedade de terra e dízimos. Os padres eram obrigados prestar contas formalmente ao padre-chefe relativamente às transações pelas quais eram responsáveis, constituindo isso mais uma obrigação de gestão do templo do que uma de natureza religiosa. 6

29 Também o Código de Hammurabi, surgido no oitavo século AC, constituiu uma importante ferramenta de gestão, sendo reconhecido como o primeiro instrumento consagrando de forma escrita leis, com relevância ao nível da construção (Chiu, 2010). Portanto, uma conjugação de fatores tornou possível que a Mesopotâmia se tornasse uma plataforma privilegiada para o desenvolvimento da construção e da gestão de projetos, tendo sido lá que se assistiu a invenções cruciais como a escrita, a organização legal e a roda, com impacto claro na organização do trabalho e no transporte de materiais (Chiu, 2010). Segundo Weaver (2007), a génese das ideias que conduziram à moderna gestão de projetos, remonta à reforma protestante do século XV, à qual surge associada a introdução de conceitos como o reducionismo, individualismo e ética laboral protestante, fortemente presentes no espírito da moderna gestão de projetos. O reducionismo remete para a remoção dos elementos acessórios de um determinado processo e para a decomposição desse processo até à sua mais elementar tarefa, tendo em vista a sua melhor compreensão. O individualismo surge associado à ideia de que o Homem, agente ativo e independente, é capaz de assumir responsabilidades. A ética laboral protestante foca-se no valor intrínseco do trabalho. Previamente à reforma protestante, o trabalho era encarado como um mal necessário, ou como um mero meio para um fim. Para os protestantes, servir Deus incluía participar e trabalhar arduamente nas atividades da sociedade, como se isso fosse parte do objetivo de Deus relativamente a cada indivíduo. No âmbito da análise da evolução da moderna gestão de projetos, importa referir que estas ideias foram incorporadas em duas correntes: Liberalismo e o Newtonianismo (Weaver, 2007). O Liberalismo relaciona-se com as ideias de capitalismo de Adam Smith, com a divisão do trabalho e com a industrialização que viria a conduzir às sociedades ricas (Weaver, 2007). O Newtonianismo marca a era da investigação científica. Para Newton o mundo era um mecanismo harmonioso controlado por uma lei universal. Da aplicação da ciência à análise das partes resultaria uma melhor compreensão do todo (Weaver, 2007). O Puritanismo, o Liberalismo e o Newtonianismo influenciaram claramente as teorias de gestão científica de Taylor: Taylor era de origem puritana, trabalhou numa sociedade 7

30 fortemente capitalista (liberal) e utilizou a abordagem científica própria do Newtonianismo no seu trabalho, desenvolvendo a Escola Clássica da gestão científica (Weaver, 2007). Chiu (2010) considera ainda como grande antepassado da gestão de projetos do século XX, Henry Fayol ( ). Foi ele quem definiu as cinco funções primárias da gestão (planear, organizar, comandar, coordenar, controlar), que mais tarde viriam a constituir a base da gestão de projetos, lançando-a num trilho mais científico. Fayol e, mais tarde, Gantt foram inspirados pelas teorias de Frederick Winslow Taylor, vertidas em texto de sua autoria, designado Gestão Cientifica, tendo antecipado conceitos como alocação de recursos e decomposição do trabalho. O desenvolvimento da automação associado à Revolução Industrial conduziu a uma execução mais eficiente do trabalho, tornando o sucesso das atividades incluindo os projetos, dependente das capacidades de gestão de recursos, finanças e pessoas, em diferentes contextos (Chiu, 2010) De Adamiecki ao Conceito de Gestão Ágil de Projetos Antes do século XX, os projetos eram dirigidos por arquitetos e engenheiros, a quem era atribuída a designação de mestres-de-obras. O gestor de projetos não existia. O trabalho era planeado e gerido por pessoas com experiência na área da construção. Só a partir do século XX é que se começou a assistir a uma investigação no âmbito da forma como era levado a cabo o trabalho, o que conduziu à proposta de abordagens remetendo para uma mudança de procedimentos. Consequentemente, o mestre-de-obras desapareceu, graças à separação dos papéis de arquiteto e engenheiro responsável pelo projeto (Chiu, 2010). No início do século, verificaram-se os seguintes marcos na história da gestão de projetos: a publicação do harmonograma ou barra de progresso por Adamiecki, em 1903; o desenvolvimento por Henry Gantt do famoso gráfico de Gantt, em 1917 (Morris et al., 2011). Mais tarde, tornou-se claro que o gráfico de Gantt podia também ser aplicado ao planeamento das atividades de um projeto, apresentando informação sobre a agenda do projeto, listando as atividades do projeto, às quais se faz corresponder uma data de início e de fim, em formato de 8

31 calendário. Inicialmente, gráficos de Gantt eram desenhados manualmente pelos gestores, servindo como poderosas ferramentas de planeamento e revisão do trabalho em projetos militares (Schwalbe, 2010). Atualmente, este gráfico continua a ser utilizado pelos gestores de projeto como a principal ferramenta de comunicação de informações sobre a agenda do projeto. Felizmente, graças à preciosa ajuda dos computadores, já não é necessário o seu desenho manual, sendo também mais fácil a sua partilha e disseminação pelos stakeholders do projeto (Schwalbe, 2010). São também precursores da emergência do conceito de gestão de projetos o surgimento de papeis formais de coordenador de projeto, como na Força Aérea norte-americana por volta de 1920, de engenheiros de projeto e oficiais de projeto, de engenheiros de projeto na Exxon e de outras empresas de engenharia de processos, na década de 30 (Morris et al., 2011). Segundo Schwalbe (2010), o moderno conceito de gestão de projetos começou com o Projeto Manhattan, dirigido pelas forças armadas norte-americanas com o objetivo de desenvolver a bomba atómica, durante a Segunda Guerra Mundial. O Projeto Manhattan teve custos de cerca de 2 biliões de dólares americanos e, nos seus períodos mais intensos, envolveu mais de pessoas. Ao analisar este projeto, facilmente nos apercebemos de alguns aspectos que se relacionam com os princípios da moderna gestão de projetos: era orientado para objetivos, constituído por organizações temporárias inter-funcionais e independentes e baseava-se na assumção de que era possível planear e gerir o futuro (Lilliesköld, 2002). A terminologia de gestão de projetos foi desenvolvida no seio da mais inovadora indústria do seu tempo: durante o desenvolvimento do primeiro robot nuclear, em meados da década de 50, o míssil Atlas (Lilliesköld, 2002; Morris et al., 2011). Há mesmo quem atribua o início da designada era do projeto ao programa de desenvolvimento deste míssil, e não ao Projeto Manhattan, uma vez que o programa Atlas conduziu muitas empresas a adotar a abordagem de projeto (Lilliesköld, 2002). Durante os primeiros vinte anos da Guerra Fria (décadas de 50 e 60 do século XX), o militares continuaram a ser a chave do desenvolvimento de diversas técnicas de gestão de projetos. Os 9

32 membros da Marinha americana, no desenvolvimento do programa Polaris (projeto de lançamento mísseis a partir de submarinos), foram os primeiros a utilizar diagramas de rede, em 1958 diagramas que ajudaram os gestores a relacionar as tarefas dos projetos, o que lhes possibilitou um planeamento mais rigoroso. Os diagramas de rede são compostos por setas que traduzem a relação entre as tarefas e a sequência pela qual deverão ser levadas a cabo as tarefas do projeto, por parte dos membros da equipa. O estabelecimento de relações entre as tarefas do projeto é fundamental na promoção da eficiência da sua calendarização, conduzindo à definição e controlo do designado caminho crítico o caminho mais longo do diagrama de rede, que traduz a conclusão do projeto no menor tempo possível (Schwalbe, 2010). O Método do Caminho Crítico (Critical Path Method, CPM a partir daqui), foi desenvolvido ao longo de um período de 27 meses (dezembro de 1956 a fevereiro de 1959), no Integrated Engineering Control Group, na E. I. du Pont de Nemours, em Newark, Delaware, em conjunto com um grupo na Remington Rand Univac, liderada por John Maunchly, fazendo face a problemas de calendarização nos grandes negócios de engenharia de du Pont (Stretton, 2007). Segundo Kelley and Walker (1989), esse método, tendo sido aplicado aos turnarounds 1 na du Pont, reduziu o tempo de paragem associado ao turnaround em cerca de 25%, aumentando as vendas o suficiente para sustentar os esforços de desenvolvimento do CPM. O CPM foca-se na representação das atividades por setas, tendo surgido em resposta ao desenvolvimento inicial de um modelo de programação linear paramétrica para fazer resolver problemas de planeamento da construção de du Pont (Stretton, 2007). Foi também no seio do programa Polaris que se desenvolveu a ferramenta computorizada de controlo Program Evolution and Review Technique (PERT) (Morris et al., 2011). O PERT é similar aos métodos matemáticos de planeamento e análise de redes (e.g., sistemas elétricos) (Lilliesköld, 2002). No PERT o ênfase era colocado mais nos marcos do projeto do que nas suas atividades. Por outras palavras, definiam-se certos pontos-chave de progresso que eram utilizados ao serviço 1 Segundo Arpi & Wejke (1999), o turnaround diz respeito à rápida e sistmática implementação de um conjunto de medidas para corrigir, numa organização, uma situação financeira desfavorável. 10

33 do controlo global do projeto. O PERT caracteriza-se ainda pela utilização de estimativas de duração probabilísticas (Stretton, 2007). Tanto o PERT como o CPM tornaram-se ícones da nova disciplina de gestão de projetos (Morris et al., 2011). Raborn, diretor do Special Projects Office do programa Polaris, inteligentemente utilizou o PERT ao serviço dos stakeholders desse programa, divulgando-o no Congresso e na Imprensa como a primeira ferramenta de gestão da era nuclear e computacional (Archibald, 1987; Morris et al., 2011). Segundo Wideman (Lilliesköld, 2002), o programa Polaris foi o responsável pela larga divulgação do PERT pela Imprensa, o que, por sua vez, conduziu à proliferação de outras técnicas de planeamento de rede e, com elas, de ideias no âmbito da gestão de projetos. Consequentemente, são diversas as opiniões quanto ao primeiro projeto orientado segundo padrões da moderna gestão de projetos. Apesar disso, de uma coisa se pode ter a certeza: a moderna gestão de projetos nasceu nas Forças Armadas norte-americanas, no âmbito de projetos militares de larga escala. Como consequência do desenvolvimento do diagrama de rede, surgiu o Método do Diagrama de Precedência (ou Precedence Diagramming Method, PDM a partir daqui). Segundo Sanghera (2007), o PDM consiste no método de construir um diagrama de rede do projeto, em que cada atividade é representada por uma caixa (nó), sendo as dependências entre duas atividades representadas por setas. O professor John W. Fondahl, da Universidade de Stanford, perito de soluções não computorizadas para o CPM e redes PERT, foi um dos primeiros apoiantes do método de precedência (O Brien & Plotnick, 2006). O desenvolvimento informático deste método foi da responsabilidade da IBM, em cooperação com a H. B. Zachry Company (Morris et al., 2011; O Brien & Plotnick, 2006). O conceito de gestão de projetos começou a estender-se a outras atividades, de tal forma que, em 1959, P.O. Gaddis publica na Harvard Business Review um artigo intitulado The Project Manager. O artigo começa da seguinte forma (traduzido do inglês): 11

34 Em campos novos e em expansão como a eletrónica, a física nuclear, a astronomia, aeronáutica e a criogenia, nasce um novo tipo de gestor. Apesar de se lhe referirem de diferentes formas, o título mais vulgarmente utilizado é o de gestor de projeto. O seu papel na indústria moderna merece mais escrutínio do que aquele que tem recebido por parte dos estudantes da gestão e dos gestores profissionais (Gaddis, 1959). Segundo Baccarini (1999), na década de 60 assistiu-se a um rápido crescimento de dois dos grandes desenvolvimentos da década anterior: a integração dos sistemas e as ferramentas de planeamento e controlo. Cresceu também a base organizacional teórica da gestão de projetos. Em 1960 a Força Aérea norte-americana, através dos seus departamentos de I&D, aplicou os métodos de Schriever Diretor do programa Atlas, documentando-os como normas 375- series: uma abordagem de ciclo de vida faseado; planeamento holístico; gabinetes de projeto com autonomia de gestão, apoiados por empreiteiros de apoio ao sistema (Morris et al., 2011). Segundo Johnson (Morris et al., 2011), o projeto e a sua gestão tornaram-se nos principais meios de gestão de sistemas complexos, e a engenharia de sistemas o seu grande mecanismo de coordenação. Os princípios da gestão de projetos ganharam peso com a chegada de Robert McNamara a Secretário da Defesa dos EUA, em 1960 e com o projeto Apollo, da NASA, os quais foram os responsáveis pelo seu alargamento aos EUA e, posteriormente, às indústrias aeroespaciais e eletrónicas da NATO (Morris et al., 2011). McNamara, com o designado The Program Planning and Budgeting System ferramenta que utilizou ao serviço dos seus desejos de centralização, introduziu práticas como o Custeio do Ciclo de Vida, Apoio Logístico Integrado, Certificação da Qualidade, Engenharia de Valor, Gestão da Configuração e a Work Breakdown Structure (WBS), sendo esta última promovida num guia de Departamento de Defesa, designado PERT/Cost Systems Design, tendo originado uma proliferação de sistemas de resposta às queixas provenientes da indústria. Consequentemente, o conceito de Earned Value (EV) foi introduzido em 1964 como uma abordagem de gestão do desempenho (Morris et al., 2011). 12

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Ajudamos os nossos clientes a criar valor a longo prazo. www.pwc.com/pt

Ajudamos os nossos clientes a criar valor a longo prazo. www.pwc.com/pt Ajudamos os nossos clientes a criar valor a longo prazo www.pwc.com/pt A atual crise financeira veio demonstrar que os mercados e as empresas são realidades muito mais complexas e interrelacionadas do

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais