MAGENTAKONCEPT. CONSULTORES, Lda. Contacto:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAGENTAKONCEPT. CONSULTORES, Lda. Contacto: +351 962 749 907 geral@magentakoncept.com www.magentakoncept.com"

Transcrição

1 MAGENTAKONCEPT CONSULTORES, Lda Contacto: NIPC

2 Information Technology Solutions MAGENTAKONCEPT CONSULTORES, Lda Contacto: NIPC

3 Information Technology Solutions Formação Vasto leque de formação de qualidade a nível superior em diversas àreas. ACTUARIADO VIDA Também disponível, a pedido, formação a nível básico em diversas àreas (Matemática, Cálculo Integral, Probabilidade e Estatística, Processos Estocásticos, ) ACTUARIADO NÃO-VIDA FUNDOS DE PENSÕES RESSEGURO FINANÇAS Destinatários: Actuários, Gestores do Risco em qualquer àrea, financeira, operacional, Profissionais ligados as àreas de Fundos de Pensões, Segurança Social, Bancos, Seguradoras,... Metodologia de Ensino: Contempla um conjunto de instrumentos e técnicas que asseguram o cumprimento dos objectives de cada plano de estudo, destacando-se: aulas expositivas, estudos de casos, seminários. INVESTIGAÇÃO OPERA- CIONAL Duração dos Cursos: Determinado caso a caso, assim como o horário de funcionamento. Plano de Estudo: Adaptáveis à duração do curso e elaborados de acordo com as necessidades e conhecimentos prévios dos destinatários. Corpo Docente: Corpo docente altamente qualificado com vasta experiência no ensino bem como na aplicação prática dos modelos ensinados. Documentação: A cada participante sera fornecido um conjunto de documentação de apoio a cada curso. Os dados constantes nas fichas de inscrição serão tratados informaticamente para efeitos da gestão administrativa do curso e em respeito pela Lei Portuguesa de Protecção de Dados Pessoais (Lei nº 67/98, de 26 de Outubro).

4 Cálculo Financeiro Objectivos: Entender os princípios do cálculo financeiro e aplicá-los num vasto leque de operações financeiras de investimento ou financiamento (o investimento de poupanças em depósitos a prazo, os empréstimos à habitação ou ao consumo etc.). Aplicar métodos específicos relativos a rendas financeiras, amortizações de empréstimos, avaliação financeira de investimentos e medidas de risco da taxa de juro. CÁLCULO FINANCEIRO Introdução de conceitos de taxa de juro, capitalização e actualização. Cálculo de rendas certas. Conceitos Básicos Regimes de Capitalização Equivalência de Capitais Rendas Reembolso de Empréstimos Empréstimos por Obrigações O Cálculo Financeiro e as Aplicações de Capital Medidas de Risco de Taxa de Juro Aplicações mais usuais de cálculo financeiro. Útil como base para o Cálculo Actuarial.

5 Cálculo Actuarial Vida CÁLCULO ACTUARIAL VIDA A análise e estudo de diversas contingências bem como as rendas vitalícias são a ferramenta base e fundamental para os seguros de vida, saúde e pensões. Objectivos: Entender os modelos de sobrevivência. Outras contingências ( invalidez, rotatividade, ). Proporcionar formação em técnicas matemáticas que são de particular relevância para o trabalho actuarial em seguros de vida, saúde e pensões. Demografia actuarial O tempo de vida futura Funções actuariais de mortalidade Tabelas de mortalidade Outras contingências Função de sobrevivência composta Rendas vitalícias Rendas sobre uma vida Rendas sobre um grupo de vidas

6 Actuariado Vida Objectivos: Pretende-se aplicar os conhecimentos de Cálculo Actuarial aos Seguros Vida. Introdução da modalidade de contrasseguro de prémios, cálculo de provisões, valores de resgate e redução e outras quantidades de relevo para a actividade seguradora vida. Estudo das coberturas adicionais às formas tradicionais de seguros, a análise do agravamento do risco nomeadamente ao nível do prémio e técnicas actuariais de determinação dos resultados esperados com uma determinada modalidade de seguro. Rendas vitalícias. Modalidades de Seguros Vida. Prémios. Contrasseguro de prémios. Encargos. Provisões matemáticas. Valores de resgate e de redução. Técnicas de profit testing. Embedded value. ACTUARIADO VIDA Estudo dos consceitos básicos, da formalização matemática e da derivação das fórmulas essenciais à compreensão e desenvolvimento de produtos onde a morte ou sobrevivência sejam as contigências relevantes.

7 Fundos de Pensões FUNDOS DE PENSÕES Toda a envolvente, iniciando nos conceitos, passando pela avaliação e terminando no ALM, relacionada com a temática de Planos e Fundos de Pensões. Objectivos: Entender os conceitos de Teoria de Planos de Pensões. Reconhecer os dados necessários, pressupostos importantes e o seu impacto na avaliação de um Plano de Pensões. Proceder à avaliaçao de responsabilidades actuariais recorrendo aos métodos reconhecidos internacionalmente. Apuramento de ganhos e perdas actuariais. Gestão de responsabilidades actuariais e activos financeiros. Elaborar e compreender o relatório actuarial. Teoria do Ciclo de Vida. Sistemas de repartição e de capitalização. Teoria dos três pilares. Tipos de Planos de Pensões. Pressupostos Actuariais e Financeiros e Avaliação actuarial. Análise dos principais decrementos associados às responsabilidades actuariais. Teoria das populações. Avaliação de responsabilidades inerentes a pensões de morte e invalidez. Métodos de financiamento. Custo normal e Responsabilidade actuarial. O relatório actuarial. Conceitos sobre Gestão de Fundos de Pensões. Ganhos e Perdas actuariais. Metodologias de Gestão. Asset Liability Management

8 Riscos de Mortalidade e de Longevidade Objectivos: Compreender a natureza dos riscos de mortalidade e de longevidade e as suas implicações económicas e financeiras. Analisar as ferramentas, os métodos e os algoritmos usados na quantificação e gestão dos riscos de mortalidade e de longevidade. Avaliar as consequências em termos de requisitos de adequação do capital. Desenvolver um conjunto de ferramentas que fundamentam a adopção de estratégias de hedging dos riscos de longevidade ou de transferência do risco RISCO DE MORTALIDADE E LONGEVIDADE Modelação e gestão dos Riscos de Mortalidade e de Longevidade no Ramo Vida e em Fundos de Pensões. Tábuas de Mortalidade e Conceitos chave em Demografia e Análise de Sobrevivência. Riscos demográficos em seguros do ramo vida e fundos de pensões. Conceitos chave em demografia e análise de sobrevivência. Avaliação dos riscos de mortalidade/longevidade: Tábuas de mortalidade. Tábuas de Mortalidade Contemporâneas. Construção de Tábuas de Mortalidade Contemporâneas. Métodos de graduação (alisamento) da tábua de mortalidade. Métodos de projecção da mortalidade nas idades avançadas e de fecho das tábuas. Aplicações actuariais. Tábuas de Mortalidade Prospectivas. Modelação da mortalidade num contexto dinâmico. Métodos de projecção da mortalidade. Aplicações actuariais.

9 R como ferramenta no Cálculo Actuarial: Ramos Vida e Não Vida R e CÁLCULO ACTUARIAL Utilizar toda a potencialidade do R (software gratuito) para ajudar o actuário nos seus projectos nos ramos vida e não vida. Objectivos: Entender os conceitos de Teoria de Planos de Pensões. Reconhecer os dados necessários, pressupostos importantes e o seu impacto na avaliação de um Plano de Pensões. Proceder à avaliaçao de responsabilidades actuariais recorrendo aos métodos reconhecidos internacionalmente. Apuramento de ganhos e perdas actuariais. Gestão de responsabilidades actuariais e activos financeiros. Elaborar e compreender o relatório actuarial. Breve introdução ao R. Actuariado Vida: Análise de sobrevivência e modelização dos riscos de mortalidade/longevidade. Tarifação. Cálculo de Provisões Matemáticas. Métodos de simulação de Monte Carlo, VaR e Tail-VaR. Actuariado Não Vida: Modelação estatística de frequência e severidade. Credibilidade. Sistemas de Bonus-malus. Determinação de Provisões para Sinistros. Princípios de Construção de Tarifas. Séries temporais.

10 Modelos Lineares Generalizados aplicados à Tarifação a priori utilizando o R Objectivos: Aplicar os Modelos Lineares Generarizados na construção de tarifas. Case study. Introdução às Técnicas de Construção de Tarifas. Exemplos no âmbito no Seguro de Responsabilidade Civil Automóvel. Modelação da Frequência da Sinistralidade e da Severidade dos Sinistros. As distribuições de probabilidade mais importantes. Factores Tarifários. Tarifa e Estrutura Tarifária. Modelos Lineares Generalizados utilizados na Construção de Tarifas. O software R Project na construção de Tarifas. Exemplos de aplicação. Os modelos multiplicativo e aditivo na construção de Tarifas. O papel da função de ligação nas Estruturas Tarifárias. Cálculo de Prémios nos modelos multiplicativo e aditivo. Construção de uma Estrutura Tarifária de Responsabilidade Civil Automóvel. R e GLM na TARIFAÇÃO A PRIORI Utilizar toda a potencialidade dos Modelos Lineares Generalizados disponíveis no R (software gratuito) para ajudar o actuário na tarifação a priori.

11 Sistemas de Bonus Malus SISTEMAS DE BONUS MALUS De importância fundamental na tarifação a posterior no ramo automóvel os Sistemas de Bonus Malus permitem um ajustamento no prémio dependendo do historial de sinistros do segurado. Objectivos: Os Sistemas de Bonus Malus têm a vantagem de calibrar o risco individual a posteriori com base no historial de sinistros do segurado. São o sistema de tarifação mais utilizado em automóvel. Dada a relevância no estudo da tarifação, pretende-se entender os aspectos fundamentais desta ferramenta combinando a explicação dos conceitos com o cálculo e interpretação de um caso real prático. Extensão do modelo no caso em que se consideram entradas e saídas do sistema (modelo aberto). Tarifação a posteriori. Importância e Fundamentos. Sistemas de Bonus Malus: definição e metodologia clássica. Regras de Transição. Matriz das Regras e das Probabilidades de Transição. Distribuição Estacionária e Distribuição Ponderada em Sistemas de Bonus Malus. Prémio Médio e Prémio Estacionário. Medidas de avaliação de Sistemas de Bonus Malus: RSAL, CV; Elasticidade Global. Escalas Óptimas de Prémios: os modelos de Norberg, Borgan et al. e Gilde e Sundt. Medidas de Eficiência em Sistemas de Bonus Malus. O modelo aberto.

12 Provisões para Sinistros utilizando o R Objectivos: Compreensão dos conceitos e das diversas metodologias de avaliação de responsabilidades com provisões para sinistros. Distinção entre modelos determinísticos e estocásticos. Aplicação de diversos modelos, com compreensão das hipoteses de cada modelo a exemplos práticos. Sempre que possível utilização do software R para cálculo das provisões. Interpretação de resultados. PROVISÕES PARA SINIS- TROS Aplicação de métodos determinísticos e estocásticos, com recurso ao R, no apuramento do valor esperado e respectivo Conceitos e inflação. Modelos determinísticos. Método de Chain Ladder. Métodos Link Ratio. Métodos Grossing Up. Modelos estocásticos. Modelo Thomas Mack. Modelo Loglinear. Modelo Benktander. Modelo Bootstrap. Outros modelos que se entendam adequados. desvio da provisão para sinistros.

13 Teoria da Credibilidade utilizando o R R e TEORIA DA CREDI- BILIDADE Objectivos: Aplicar as técnicas matemáticas da teoria da credibilidade para tarifar grupos hererogéneos de apólices. Recorrendo ao software R entender e aplicar os modelos de Modelo de Bühlmann e de Bühlmann- Straub. Teoria da credibilidade é uma àrea das ciências actuariais aplicada essencialmente a seguros não vida. Permite a tarifação de grupos de apólices heterogéneos tendo por base os dados do próprio grupo e os dados da totalidade da carteira. Prémios de credibilidade. O Modelo de Bühlmann. O Modelo de Bühlmann- Straub. O modelo hierárquico de Jewell. Aplicações.

14 Avaliação de Contratos de Seguro com Garantias e Opções Implicítas Objectivos: Caracterização das garantias e opções mais comuns implícitas em contratos de seguro do ramo vida. Aquisição dos conceitos essenciais na avaliação de opções financeiras nos seguros do ramo vida. Desenvolver e analisar as ferramentas, os métodos e os algoritmos usados na quantificação e gestão dos riscos de mortalidade, longevidade, mercado e taxa de juro. Avaliar as consequências em termos de requisitos de adequação do capital. OPÇÕES e CONTRATOS DE SEGURO VIDA Desenvolver as competências necessárias a uma adequada medição e gestão dos riscos associados às garantias e opções em contratos de seguro. Introdução às Opções Financeiras. Opções Implícitas em Contratos de Seguro do Ramo Vida. Modelos de Avaliação de Opções. Modelo Binomial. Modelo de Black-Scholes. Monte-Carlo. Aplicações Actuariais. Contrato com Garantia de Rentabilidade. Contrato com Garantia em Caso de Morte. Requisitos de Capital no âmbito Solvência II.

15 Risco Operacional RISCO OPERACIONAL Introdução à modelação e gestão do Risco Operacional desenvolvendo competências necessárias, para, de acordo com as melhores práticas, realizar uma adequada medição e Objectivos: Analisar a evolução do conceito de risco e a sua importância na gestão em ambientes de incerteza onde muitas decisões, em particular as decisões estratégicas, implicam a tomada de riscos. Perceber, numa abordagem geral, quais os principais modelos para a mensurização dos riscos, nas perspectivas clássica e moderna e, deste modo, compreender a natureza dos riscos e as suas implicações económicas e financeiras. Analisar as ferramentas, os métodos e os algoritmos usados na quantificação e gestão dos riscos. Desenvolver capacidade para fundamentar a adopção de estratégias de hedging ou de transferência dos riscos. gestão. Conceito de Risco. Modelos de Avaliação de Número de Perdas e de Perda Total. Definição de Value-at-Risk e de Tail Value-at-Risk Estimativa do e Teoria dos Valores Extremos Aplicada à Quantificação do Risco.

16 Mercados e Instrumentos de Taxas de Juro Objectivos: Caracterização dos mercados e principais instrumentos de taxas de juro. MERCADOS E INSTRUMENTOS DE Conceitos Gerais do Mercado Financeiro. Mercados Obrigacionistas. Gestão do Risco de Taxas de Juro de Curto Prazo. FRA s Forward Rate Agreement. Mercado de Futuros e Swaps Contratos a prazo e futuros: elementos distintivos. Mercado de Opções Conceitos e Terminologia. Opções sobre Taxa de Juro: Caps, Floor e Collars. Contratos da Taxa de juro de curto e longo prazo. TAXAS DE JURO Conhecer os diversos mercados e os principais instrumentos de taxas de juro.

17 Simulação SIMULAÇÃO Nem sempre os modelos teóricos podem ser testados numa situação real, devido ao custo ou ao perigo envolvidos. Noutras situações, ainda não existem Objectivos: Fornecer ferramentas para a construção de modeles de de simulação digital, a sua afinação e exploração no estudo do comportamento estatístico de um sistema real. Utilizar modelos computacionais que simulam o comportamento estocástico das componentes de um sistema real, com o objetivo de se estudar estatisticamente o seu desempenho modelos analíticos que possam ser aplicados. Nestas circunstâncias, uma das possibilidades de se conseguir estudar o comportamento de um sistema real é através da Simulação. Distribuições Estatísticas mais conhecidas. Métodos de Geranção de Números Pseudo-Aleatórios Uniformes[0,1]. Técnicas de Geração de NPA com distribuição conhecida. Cuidados a ter com a construção de um modelo de Simulação. Aplicaçõesde acordo com as necessidades ( por exemplo: à Gestão de Stocks, Gestão de Projetos, Processos de Poisson e Fiabilidade).

18 Programação Linear Objectivos: Fornecer as ferramentas elementares e computacionais para a resolução de problemas de Programação Linear. PROGRAMAÇÃO LINEAR Muitos problemas de otimização originados numa atividade Formulação de Problemas de Programação Linear. Método Gráfico. Algoritmo do Simplex. Análise Económica das soluções do Algoritmo. Análise de Sensibilidade. Dualidade. económica podem ser modelados através de um modelo linear. A Programação Linear é a técnica base de resolução deste tipo de modelos.

19 Teoria da Decisão TEORIA DA DECISÃO Apoio às tomadas de decisão em Objectivos: Apresentar técnicas de apoio à tomada da decisão, seja a seleção do candidato mais adequado, a seriação de uma lista de candidatos, ou apenas a escolha do conjunto de candidatos mais promissores, com a incorporação de diferentes pontos de vista. ambiente multi-objetivo Decisão uni-objetivo em situação de Incerteza e em situação de Risco. Critérios Otimista, Pessimista, de Lagrange, de Savage e do Valor Esperado. Custos de Oportunidade. Decisões sequênciais: Árvores de Decisão. Funções de Utilidade e Funções de Valor. Técnicas Multi-Critério: SMART, ELECTRE, AHP.

20 Previsão Objectivos: Apresentar técnicas que permitam detetar comportamentos estocásticos dependentes do tempo, a modelação desses comportamentos e a extração de conclusões sobre comportamentamentos médios no futuro. PREVISÃO Algumas variáveis evoluem de forma previsível com o tempo. É possível construir-se modelos matemáticos que permitem tirar ilações sobre o comportamento Modelos Clássicos de Previsão Decomposição. Médias Móveis. Alisamento Exponencial. Trigg & Leach. Holt-Winters. ARIMA. futuro dessas variáveis, com base no seu comportamento passado.

21 Formação a Nível Básico OUTRA FORMAÇÃO Objectivos: Revisão e consolidação de conceitos matemáticos necessários à formação avançada. Também disponível, a pedido, formação a nível básico em diversas àreas da Matemática. Alguns Temas: Matemática Geral. Cálculo Integral. Probabilidades. Estatística. Processos Estocásticos. Algebra Linear.

22 Outros Serviços ACTUARIADO VIDA ACTUARIADO NÃO-VIDA FUNDOS DE PENSÕES RESSEGURO Actuariado Não Vida Análise e construção de tarifas. Plano e Fundos de Pensões Apoio no desenho, implementação e explicação aos Avaliação de provisões técnicas recorrendo a RH de um Plano de Pensões adequado às suas métodos estocásticos, permitindo análise de capacidades e necessidades bem como sensibilidade. actualização de Planos de Pensões existentes com Avaliação e desenho de Sistemas de Bonus Malus. o objectivo de motivar, reter e premiar os executivos com melhores desempenhos. Actuariado Vida Análise e construção de tarifas. na avaliação das Responsabilidades inerentes a um Análise de Profit Testing e Asset Liability Matching. Plano de Pensões. Análise com vista a uma Optimização dos Resultados de Resseguro. Análise da adequação da estratégia usada ou proposta de nova estratégia por forma a garantir o Resseguro Acompanhamento actuarial, económico e financeiro cumprimento dos objectivos do Plano de Pensões. Aconselhamento na forma de financiar os custos Utilidade do Resseguro. inerentes aos objectivos do Plano, Análise de riscos ressegurados. acompanhamento dinâmico de modificações à Prémio de Resseguro. Participação nos resultados do Ressegurador. legislação. Análise do desempenho dos investimentos e sua Impacto de eventos catastróficos. adequação às Responsabilidades a curto, médio e Adequação das coberturas relativas a Catástrofes. longo prazo (ALM).

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS 1ª Edição a realizar no ano lectivo 2008/2009 Departamento de Matemática da FCTUC Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (Curso de Mestrado aprovado

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

2 o Ciclo Matemática Aplicada - Matemática Actuarial

2 o Ciclo Matemática Aplicada - Matemática Actuarial 2 o Ciclo Matemática Aplicada - Matemática Actuarial 17 de Julho de 2006 1 Estrutura proposta 7 o Semestre Designação Área Científica T TP P ECTS Matemática Financeira Matemática - 4-6 Actuariado Vida

Leia mais

Gestão de Empresas: Ramo de Organização e Gestão de Empresas

Gestão de Empresas: Ramo de Organização e Gestão de Empresas Gestão de Empresas: Ramo de Organização e Gestão de Empresas 1º Ano / 1º Semestre Matemática I Introdução à Gestão de Empresas Economia Informática de Gestão Contabilidade Financeira I I O Corpo dos complexos

Leia mais

Cursos para Quadros de Empresas (monitoria de Rui Assis) 2015/16

Cursos para Quadros de Empresas (monitoria de Rui Assis) 2015/16 para Quadros de Empresas (monitoria de Rui Assis) 2015/16 Estes cursos apoiam-se no software EXCEL e podem contemplar casos adaptados à realidade de cada empresa Área: Gestão Operacional 1. Análise Económica

Leia mais

1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos 2. Classificação dos Projetos de Investimento 3. Estudos prévios

1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos 2. Classificação dos Projetos de Investimento 3. Estudos prévios 1. Conceitos Básicos de Avaliação de Projetos... 1.1. Valor Atual... 1.2. Capital Investido... 1.3. Cash Flow... 1.4. Valor residual do investimento... 1.5. Vida económica do equipamento... 2. Classificação

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

Métodos de Previsão de Sinistros

Métodos de Previsão de Sinistros Apresentação no âmbito da disciplina Seminário de Modelação Métodos de Previsão de Sinistros Orientador: Margarida Brito - FCUP Coorientador: Maria do Carmo Guedes - CMUP, Luís Maranhão - AXA Ana Pinto

Leia mais

Mini MBA de Especialização em Análise e Gestão de Seguros de Vida Pedro Milheiro Galha

Mini MBA de Especialização em Análise e Gestão de Seguros de Vida Pedro Milheiro Galha Mini MBA de Especialização em Análise e Gestão de Seguros de Vida Pedro Milheiro Galha www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designação do Curso... 2 Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

Gestão de Comércio e Serviços 1.º ANO 1.º SEMESTRE

Gestão de Comércio e Serviços 1.º ANO 1.º SEMESTRE Gestão de Comércio e Serviços 1.º ANO 1.º SEMESTRE Contabilidade Geral Conceitos contabilísticos fundamentais. O Balanço e Demonstração de Resultados. Conta: noção; estudo das principais contas. Introdução

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Para fundamentar o presente trabalho, serão apresentados três trabalhos que serviram de inspiração para o desenvolvimento desta dissertação: os estudos da LIMRA International e SOA,

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE SEGURADORAS E FUNDOS DE PENSÕES

MESTRADO EM GESTÃO DE SEGURADORAS E FUNDOS DE PENSÕES MESTRADO EM GESTÃO DE SEGURADORAS E FUNDOS DE PENSÕES 2ª Edição no Porto / 4ª Edição em Lisboa Outubro de 2006 Objectivos do Mestrado em Gestão de Seguradoras e Fundos de Pensões Os sectores dos seguros

Leia mais

MBA Finanças (Turma II)

MBA Finanças (Turma II) MBA Finanças (Turma II) O MBA Executivo em Finanças do Ibmec é um programa de pós-graduação lato sensu para profissionais que necessitam de conhecimentos aprofundados na área de finanças. Ao longo do curso,

Leia mais

Curso de Especialização em

Curso de Especialização em Curso de Especialização em CÁLCULO FINANCEIRO OBJECTIVOS A liberalização dos mercados financeiros, a crescente concorrência entre instituições financeiras, a inovação e diversificação ao nível dos serviços

Leia mais

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento

dissertação. 2 Credibilidade total, em linhas gerais, seria a capacidade de representar o comportamento 13 1 Introdução Esta dissertação é o estudo de um problema estatístico de classificação que diz respeito à precificação de seguros de automóveis. Devido às particularidades deste ramo, a formação dos contratos,

Leia mais

PROGRAMA DAS CADEIRAS

PROGRAMA DAS CADEIRAS MESTRADO EXECUTIVO EM GESTÃO COM ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS PROGRAMA DAS CADEIRAS 1º CICLO ESTRATÉGIA TRONCO COMUM Compreender a importância do raciocínio estratégico, mais formal ou menos formal Desenhar

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Análise de Dados e Data Mining Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Análise de Dados e Data Mining Inscrições Abertas Início das Aulas: 24/03/2015 Dias e horários das aulas: Terça-Feira 19h00 às 22h45 Semanal Quinta-Feira 19h00

Leia mais

1.1 Planos do tipo Benefício Definido

1.1 Planos do tipo Benefício Definido 1 Introdução O estudo de persistência equivale a verificar o comportamento dos participantes de uma Entidade Aberta de Previdência Privada ou Seguradora quanto à saída do plano por resgates, cancelamentos

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária

Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária Enquadramento/Apresentação O curso de Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária é um curso de Pós-graduação, cujo objetivo é formar ativos na área da avaliação

Leia mais

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo:

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo: A Faculdade de Economia e Finanças Ibmec/RJ torna pública a abertura de processo seletivo para contratação de professores PJ para o curso de Pós Graduação Executiva - CBA. I Das vagas abertas para seleção

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS E GESTÃO DE INFORMAÇÃO Grupo de trabalho Armando Mendes Áurea Sousa Fátima Brilhante Rita Marques Brandão Osvaldo Silva Fevereiro 2010 Enquadramento e justificação

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. 2013/2014 GESTÃO DE BANCOS E SEGURADORAS WWW.IDEFE.PT PÁG. 1

PÓS-GRADUAÇÃO ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. 2013/2014 GESTÃO DE BANCOS E SEGURADORAS WWW.IDEFE.PT PÁG. 1 PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE BANCOS E SEGURADORAS 2013/2014 ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. WWW.IDEFE.PT PÁG. 1 GESTÃO DE BANCOS E SEGURADORAS 17ª EDIÇÃO COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Prof. Doutor Jorge Landeiro de Vaz

Leia mais

Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização

Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização (4o Encontro Nacional de Atuários) 16/09/2015 A resolução sobre Capital para Risco de Mercado foi publicada no final de 2014 (e revogada pela

Leia mais

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

Prof. Josenildo dos Santos Coordenador

Prof. Josenildo dos Santos Coordenador Prof. Josenildo dos Santos Coordenador Palestrantes Prof. Josenildo dos Santos Prof. Cícero Rafael Dias Colegiado Josenildo dos Santos Álvaro Pereira de Andrade Cacilda Soares de Andrade Severino Pessoa

Leia mais

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões

Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões O Decreto-Lei n.º 12/2006, de 20 de Janeiro - que estabelece o regime jurídico da constituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS.

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. O Instituto IDEAS apresenta o Curso Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Este curso

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Orientações sobre a avaliação de provisões técnicas

Orientações sobre a avaliação de provisões técnicas EIOPA-BoS-14/166 PT Orientações sobre a avaliação de provisões técnicas EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax. + 49 69-951119-19; email: info@eiopa.europa.eu

Leia mais

Coordenação Científica

Coordenação Científica 18ª Edição Coordenação Científica Prof. Doutor Jorge Landeiro de Vaz Natureza do curso e perfil da formação O desenvolvimento dos mercados de produtos e serviços financeiros (bancários, seguros e de fundos

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Seguros Ramos Vida e Planos de Poupança. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Seguros Ramos Vida e Planos de Poupança. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Seguros Ramos Vida e Planos de Poupança Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Gestão e Administração de Serviços de Saúde 1.º ANO 1º SEMESTRE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Gestão e Administração de Serviços de Saúde 1.º ANO 1º SEMESTRE Gestão e Administração de Serviços de Saúde 1.º ANO 1º SEMESTRE Conceitos básicos em ciência económica. Contabilidade nacional como técnica de medição da actividade económica. Diferentes correntes de pensamento

Leia mais

Curso de Especialização e Atualização em Financial Economics - CEAFE. Master in Financial Economics

Curso de Especialização e Atualização em Financial Economics - CEAFE. Master in Financial Economics Curso de Especialização e Atualização em Financial Economics - CEAFE Master in Financial Economics A ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO FGV/EESP Tendo sempre em vista a missão maior orientadora de suas atividades,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO AVALIAÇÃO DE BENS IMOBILIÁRIOS EDIÇÃO Nº01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Avaliação de Bens Imobiliários. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação, os participantes deverão

Leia mais

SEGUROS. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGUROS. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGUROS ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões 1 SEGUROS DO RAMO VIDA 2 Conceitos importantes 2 Pagamento do prémio do seguro 3 Como é pago o prémio? 3 Quando e como deve ser feito

Leia mais

MENSURAÇÃO DE PASSIVO ATUARIAL DE FUNDOS DE PENSÃO: UMA VISÃO ESTOCÁSTICA RESUMO

MENSURAÇÃO DE PASSIVO ATUARIAL DE FUNDOS DE PENSÃO: UMA VISÃO ESTOCÁSTICA RESUMO MENSURAÇÃO DE PASSIVO ATUARIAL DE FUNDOS DE PENSÃO: UMA VISÃO ESTOCÁSTICA Cícero Rafael Barros Dias UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Josenildo dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO RESUMO Este

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos

1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos 1 Introdução 1.1. Motivação e conceitos básicos Uma seguradora ou companhia de seguros, segundo o Dicionário de Seguros, define-se como uma instituição que tem como objetivo indenizar prejuízos involuntários.

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Curso de. Pós-Graduação em Gestão de Bancos. e Seguradoras. Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa

Curso de. Pós-Graduação em Gestão de Bancos. e Seguradoras. Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa Curso de Pós-Graduação em Gestão de Bancos e Seguradoras Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa 2 O desenvolvimento dos mercados de produtos e serviços financeiros (bancários,

Leia mais

MODELOS INTERNOS RICARDO GARCIA 1. 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP

MODELOS INTERNOS RICARDO GARCIA 1. 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP MODELOS INTERNOS RICARDO GARCIA 1 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 1. INTRODUÇÃO Um dos princípios basilares do Solvência II assenta no reconhecimento da utilização de modelos internos.

Leia mais

Metodologias de Avaliação de Investimentos

Metodologias de Avaliação de Investimentos Índice Introdução 15 PARTE I Metodologias de Avaliação de Investimentos Capítulo 1 Conceitos fundamentais 1. Noção de investimento real 22 1.1. Investimento real versus investimento financeiro 23 1.2.

Leia mais

Índice. Introdução 15

Índice. Introdução 15 Índice Introdução 15 Capítulo 1 OPÇÕES FINANCEIRAS E A MODERNA TEORIA DAS FINANÇAS 1. A moderna teoria das finanças e os derivados financeiros 17 2. Teorias de base da moderna teoria das finanças 19 3.

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

Mestrado em Economia Monetária e

Mestrado em Economia Monetária e Mestrado em Economia Monetária e Financeira Ficha de Unidade Curricular Nome da Unidade Curricular (NUC) Departamento Área Científica Activa nos Planos Curriculares Estado Código da disciplina Nome (pt)

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIMENTO

PROJECTO DE INVESTIMENTO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECONOMIA & GESTÃO 2001/2002 3.º TRABALHO ANÁLISE DE UM PROJECTO

Leia mais

A utilização do VaR como Ferramenta de Previsão do Risco Orçamentário no Processode ALM das Empresas Seguradoras

A utilização do VaR como Ferramenta de Previsão do Risco Orçamentário no Processode ALM das Empresas Seguradoras A utilização do VaR como Ferramenta de Previsão do Risco Orçamentário no Processode ALM das Empresas Seguradoras FrederikeMonikaBudiner di Mette Frederike M. B. Mette Marco A. S. Martins 08/11/11 Gilberto

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO >> Voltar ao índice ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO O presente Anexo apresenta um conjunto de modelos que as instituições devem considerar no âmbito das divulgações

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Contabilidade / Ciências Económicas e Empresariais Unidade Curricular Cálculo Comercial e Financeiro Semestre: 3 Nº ECTS: 6,0

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS - Instituto SERPRO de Seguridade Social

ESTUDO DE ALM SERPROS - Instituto SERPRO de Seguridade Social ESTUDO DE ALM SERPROS - Instituto SERPRO de Seguridade Social Dezembro/2013 Este Relatório foi elaborado com base em informações fornecidas pelo SERPROS que foram tratadas por procedimento estatístico

Leia mais

MBA GESTÃO ATUARIAL E FINANCEIRA. (Turmas Abertas - São Paulo) Aulas: 2ªs, 3ªs e 5ªs, das 19h30 às 22h30

MBA GESTÃO ATUARIAL E FINANCEIRA. (Turmas Abertas - São Paulo) Aulas: 2ªs, 3ªs e 5ªs, das 19h30 às 22h30 MBA GESTÃO ATUARIAL E FINANCEIRA (Turmas Abertas - São Paulo) Aulas: 2ªs, 3ªs e 5ªs, das 19h30 às 22h30 APRESENTAÇÃO FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Advisory(Assessoria de Gestão)

Advisory(Assessoria de Gestão) Advisory(Assessoria de Gestão) Explorar a floresta aproveitando a incerteza, sem se perder entre as árvores As empresas que estão claramente focadas na criação de valor demonstram que sabem o que fazem,

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Contabilidade Unidade Curricular Gestão de Carteiras e Mercado de Capitais Semestre: 6 Nº ECTS: 3,0 Regente Prof. Doutor Júlio

Leia mais

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português

A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE ECONOMIA A Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social Português Carlos M. Pereira da Silva Catedrático do ISEG 26 de Maio de 2006 1. Do Livro Branco da Segurança

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA

INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA 5 o EXAME DE ADMISSÃO - 2010 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES A SEGUIR: Você recebeu do fiscal o seguinte material: um caderno com 60 questões e um cartão de respostas personalizado

Leia mais

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Simulação Estocástica

Simulação Estocástica Simulação Estocástica O que é Simulação Estocástica? Simulação: ato ou efeito de simular Disfarce, fingimento,... Experiência ou ensaio realizado com o auxílio de modelos. Aleatório: dependente de circunstâncias

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

INFORMAÇÕES FUNDAMENTAIS AO INVESTIDOR PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO MAPFRE INVEST CRESCENTE 2015 NÃO NORMALIZADO Entidade gestora: Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Contrato de Seguro ligado a Fundo de Investimento MAPFRE Seguros de Vida, S.A., com sede social:

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Conferência - Investidor Privado 2012 Soluções de Poupança e Protecção Mutualistas

Conferência - Investidor Privado 2012 Soluções de Poupança e Protecção Mutualistas MUTUALISMO MARCAR A DIFERENÇA Conferência - Investidor Privado 2012 Soluções de Poupança e Protecção Mutualistas Quem somos O Montepio Geral Associação Mutualista (Montepio) foi criado em 1840 e começou

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A.

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. INTRODUÇÃO A GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. (ex GAN PORTUGAL VIDA Companhia de Seguros, S.A.) foi constituída em 1991 com um capital social inicial de 1.5. contos, sendo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONTROLO DE GESTÃO E FINANÇAS EMPRESARIAIS

PÓS-GRADUAÇÃO CONTROLO DE GESTÃO E FINANÇAS EMPRESARIAIS PÓS-GRADUAÇÃO CONTROLO DE GESTÃO E FINANÇAS EMPRESARIAIS 2015-2016 2 PÓS-GRADUAÇÃO CONTROLO DE GESTÃO E FINANÇAS EMPRESARIAIS COORDENAÇÃO Prof. Doutor Eduardo Barbosa do Couto Mestre António Samagaio APRESENTAÇÃO

Leia mais