Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº /97.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97."

Transcrição

1 Processo nº Acórdão 106/2013 Recurso VOL/CRF- nº 066/2010 Recorrente: LOJAS INSINUANTE LTDA. Recorrida: GERÊNCIA EXEC. DE TRIBUTAÇÃO. Preparadora: RECEBEDORIA DE RENDAS DE JOÃO PESSOA. Consª. Relatora: CONSª. MARIA DAS GRAÇAS D. DE OLIVEIRA LIMA. RECURSO VOLUNTÁRIO DESPROVIDO. CONSULTA FISCAL. ICMS. BASE DE CÁLCULO. VENDAS A PRAZO DE MERCADORIAS. CONCOMITÂNCIA COM OPERAÇÃO FINANCEIRA. NEGÓCIOS JURÍDICOS DISTINTOS. TRATAMENTO TRIBUTÁRIO. Na operação de venda realizada pela vendedora sob a modalidade de financiamento de CDCI-Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência, o tratamento tributário relativo à base de cálculo do ICMS deve considerar, no seu cômputo, o valor total das mercadorias, compreendendo-se neste a importância que o cliente ou consumidor final se compromete a pagar parceladamente à vendedora, porquanto se trata de negócio jurídico distinto do financiamento firmado entre a vendedora e o sistema bancário, o qual consiste de uma abertura de linha de crédito para que a recorrente facilite a venda de mercadorias a seus clientes. Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... A C O R D A M os membros deste Conselho de Recursos Fiscais, à unanimidade, e, de acordo com o voto da relatora pelo recebimento do RECURSO VOLUNTÁRIO, por regular e tempestivo, e quanto ao mérito pelo seu DESPROVIMENTO, para manter o entendimento emitido pela Gerência Executiva de Tributação, da Secretaria de Estado da Receita, no Parecer nº , de 20 de outubro de 2009, objeto do Processo nº , em Consulta formulada por LOJAS INSINUANTE LTDA., inscrita no CCICMS, neste Estado, sob o nº Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº /97. P.R.I

2 Continuação do Acórdão nº 106/ Sala das Sessões Pres. Gildemar Pereira de Macedo, em 05 de abril de MARIA DAS GRAÇAS D. DE OLIVEIRA LIMA - CONSª. RELATORA RELATÓRIO Trata-se de Recurso Voluntário interposto pela empresa LOJAS INSINUANTE LTDA., nos moldes do art. 763, inciso II, do RICMS/PB, em decorrência da resposta dada (fls. 34/38) à consulta formalizada pela recorrida acerca do tratamento tributário apropriado às operações de vendas sob a modalidade de financiamento denominado Crédito Direto a Consumidor com Interveniência CDCI com emissão de ORPAG de bandeira de cartão de crédito da utilização do consumidor. O ponto nevrálgico do questionamento da empresa consiste em saber qual a base de cálculo do ICMS a ser considerada nessas operações que pretende adotar na atividade que exerce no mercado local, cujos procedimentos, em síntese, consistem no seguinte, segundo relato da consulente: - Nas operações de vendas sob a modalidade proposta, denominada CDCI Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência, o lojista no primeiro momento assume o risco do negócio, passando a ser o fiador principal como devedor solidário e responsável pelo pagamento das prestações contraídas pelo cliente (comprador), e por essa razão as taxas cobradas no financiamento caem de % a.a. para % a.a. - O risco do negócio e a responsabilidade da vendedora pela liquidação das prestações do cliente (comprador) se dão mediante uma operação casada, onde o cliente que possui cartão de crédito com limite devidamente aprovado pela operadora do respectivo cartão de crédito, além de assinar um contrato de financiamento com a instituição financeira (CDCI), também assina com o lojista (consulente) um acordo particular que prevê que o cliente também assinará uma operação com a operadora de cartão de crédito para pagamento em parcelas iguais ao do financiamento contratado na modalidade CDCI. - Essa operação é devidamente registrada na contabilidade da consulente de forma centralizada, conforme demonstrado no anexo denominado lançamentos contábeis da operação CDCI (grifo do original). - A consulente recebe as parcelas da operadora de cartão de crédito e liquida em nome do cliente o valor da parcela financiada, de forma que o risco da operação, inicialmente assumido pela instituição financeira que passou para o lojista em um segundo momento, no final ficou todo com a operadora de cartão de crédito.

3 Continuação do Acórdão nº 106/ Em face desse novo modelo de negócio o custo efetivo da operação, que se situava no patamar de % a.a, passa para % a.a., proporcionando crescimento para as vendas, em virtude de menores encargos financeiros bem como menor prestação praticada no mercado, e via de conseqüência, acréscimo na receita tributária para o Estado. A vendedora terá como receita apenas o valor da operação à vista, pois os juros incidentes sobre a operação CDCI continuarão a pertencer à instituição financeira e o valor recebido pela vendedora da operadora de cartão de crédito servirá apenas para liquidar a parcela junto à instituição financeira por conta e ordem do adquirente da mercadoria (cliente). Informa ter desenvolvido um relatório explicitando os valores da operação a fim de afastar dúvidas quanto aos valores das vendas e os da ORPAG (boleto do cartão de crédito). Adiante, procurando demonstrar como se processa o negócio objeto da consulta, propõe uma simulação em um ECF e acosta aos autos os seguintes documentos (fls. 07/31): Cupom Fiscal, Acordo Particular de Fixação das Condições Gerais do Sistema Insinuante de Vendas Típicas de Varejo em Regime de Financiamento, Contrato de Promessa de Abertura de Crédito pelo Banco Bradesco S.A., Parecer do Governo do Estado da Bahia, e outros documentos. A Gerência Executiva de Tributação GET proferiu resposta mediante o Parecer nº , concluindo que, caso a consulente decida se utilizar do novo instrumento de vendas nas operações de vendas de mercadorias na modalidade CDCI, deve considerar no cômputo da base de cálculo do ICMS os juros incidentes na operação, conforme de infere na ementa infra: CONSULTA FISCAL. ICMS. BASE DE CÁLCULO. OPERAÇÃO MERCANTIL CASADA COM OPERAÇÃO FINANCEIRA. Integram a base de cálculo do ICMS os juros e demais importâncias pagas, recebidas ou debitadas pelo contribuinte diretamente ao destinatário das mercadorias. Inteligência emergente do art. 13, 1º, II, a, da Lei nº 6.379/96. Inconformada com a resposta dada pela primeira instância, a consulente recorre ordinariamente a esta Corte, objetivando melhor sorte diante da sua proposição. Nesse desiderato, alega os seguintes fatos: - Existem dois negócios jurídicos distintos, na concretização da compra da mercadoria escolhida o adquirente busca a recorrente que lhe expõe várias modalidades de vendas, dentre as quais a que se efetua a prazo, financiada por instituição financeira, com juros estipulados pela mesma. - Na venda financiada o consumidor assina uma ORPAG que informa todos os detalhes do plano de financiamento por ele escolhido, inclusive os juros devidos à instituição financeira, o valor da parcela do seu plano de financiamento, ao passo que a vendedora encaminha todas as informações dos financiados para registro na instituição financeira, posto que esta paga à vendedora o valor à vista pela venda e passa a receber o valor devido pelo consumidor em parcelas, através dos repasses dos valores assegurados pela administradora de cartão de crédito utilizada pelo cliente (sic.). Continuando, argumenta a existência de equívocos da decisão a quo, no que concerne à interpretação dos fatos apresentados na consulta, em relação aos quais apresenta os seguintes esclarecimentos: - Os consumidores aderentes à modalidade de compra CDCI conhecem os detalhes da operação quando assinam a COF/ORPAG e sabem que no valor constante do contrato estão incluídos os juros.

4 Continuação do Acórdão nº 106/ venda à vista. - A vendedora recebe imediatamente da instituição financeira os valores relativos a uma - São distintos os valores pagos pelos consumidores e os recebidos pela vendedora. encargos financeiros. - Os juros pertencem à instituição financeira e, por isso, o ICMS não incide sobre os - Há dois contratos distintos o de compra e venda e o de financiamento - celebrados com pessoas igualmente distintas o primeiro, celebrado entre o consumidor e o lojista, e o segundo, acordado este e a instituição de financiamento, com a interveniência da vendedora que garantem o repasse dos valores recebidos da administradora de cartão de crédito para a instituição financeira, reduzindo o risco da operação e, por consequência, os juros da mesma. - O objetivo da operação não é a antecipação de fluxo de caixa, pois não ocorre redução do valor recebido uma vez que o valor pertencente à vendedora é igual ao que a mesma receberia numa venda à vista e seu papel é repassar ao banco o valor pago pelo cliente, seja diretamente ou indiretamente, através do cartão de crédito. - Todo o recurso pago pelo cliente, tanto o principal como os juros, pertence ao banco e é a ele repassado mediante interveniência da vendedora que assumiu essa responsabilidade. Na sequência, apresenta fundamentos legais, jurisprudenciais e doutrinários em função dos quais defende a não incidência do ICMS sobre o valor total da operação efetuada sob os moldes propostos e traz à lume decisão de secretarias de outras unidades da Federação, que são favoráveis ao seu entendimento. Ao final, pede a reforma da resposta dada à consulta em exame, esperando que seja reconhecida a não existência de financiamento próprio da vendedora, e que os encargos financeiros pertencentes à instituição financeira não integram a base de cálculo do ICMS e acosta documentos às fls. 20/33. Remetidos os autos a esta Corte, os mesmos foram inicialmente distribuídos ao Cons. Rodrigo Antonio Alves Araújo, que solicitou diligência, conforme despacho de fl. 75, objetivando esclarecimentos junto às Secretarias de Fazenda dos Estados da Bahia, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro sobre a operacionalização in concreto do modelo proposto pela recorrente nos estabelecimentos situados no território dessas unidades federadas, ao que se deu a disponibilização de cópia dos pareceres exarados pelos órgãos consultivos dos citados Estados (fls. 85/108), logo após as providências enveredadas por esta Secretaria de Estado, conforme documentos de fls.39/83, no sentido de viabilizar a citada diligência. Retornados os autos a este Colegiado, os mesmos foram a mim redistribuídos para exame de decisão, segundo critério regimentalmente previsto. EIS O RELATÓRIO. VOTO

5 Continuação do Acórdão nº 106/ O cerne do recurso interposto versa sobre o questionamento acerca do tratamento tributário conferido às operações de vendas de mercadorias realizadas sob a nova modalidade, denominada CDCI Crédito Direto ao Consumidor com Interveniência, com emissão de ORPAG de bandeira do cartão de crédito utilizado pelo adquirente, considerando a legislação do ICMS, neste Estado. A consulente, após considerações acerca da atual conjuntura econômica instalada no nosso país, explicita a modalidade de vendas financiadas através da qual impulsiona sua atividade - CDC (crédito direto ao consumidor), onde o risco total pelo negócio é assumido pela financeira. Na sequência descreve a forma de operacionalizar uma nova modalidade de financiamento, denominada CDCI (crédito direto ao consumidor com interveniência), com emissão de ORPAG de bandeira de cartão de crédito, com a qual pretende atuar no mercado local. Pois bem. De acordo com os elementos constantes nos autos, nessa forma de financiamento vislumbram-se dois negócios jurídicos distintos e independentes: - o primeiro consiste na abertura de crédito junto a uma instituição financeira, da escolha da consulente, no caso, Banco Bradesco S/A., destinado exclusivamente ao financiamento da venda de bens adquiridos pelos financiados da creditada (Cláusula 1ª do Contrato de Abertura de Crédito); - com base na operação supra, a operação realizada a prazo entre a consulente e seus clientes, cujo valor é o da compra à vista acrescido de todos os encargos relativos à venda a prazo, prédeterminados pela consulente, a qual será concretizada mediante operação com cartão de crédito, cujo financiamento é por ela suportado, consoante se observa na expressão Compra Parcelada Estab., inserta no comprovante. De ambos os negócios, destacam-se os seguintes pontos: no primeiro momento a relação contratual se dá entre a consulente e a instituição financeira da sua livre escolha, e no segundo, a venda a prazo, realizada por meio de cartão de crédito, envolve a consulente e seu cliente. Donde se infere que se trata de uma operação híbrida, onde não se cogita de vínculo de responsabilidade entre os consumidores e a instituição bancária, pois que se caracteriza por um financiamento bancário, celebrado entre a consulente e uma instituição financeira (sem nenhuma intervenção do cliente, quanto à responsabilidade pelo pagamento), e uma venda a prazo através de cartão de crédito, concretizada entre a consulente e o cliente. consumidores e banco: Há, ainda, outros aspectos que, pela sua tônica, descaracterizam a vinculação entre - os sócios proprietários da empresa consulente se firmam como devedores solidários perante a instituição financeira; - o contrato será considerado vencido e a consulente deverá pagar integralmente o saldo existente, em caso de falência, protesto de títulos, execução ou arresto de seus bens ou transferência do controle acionário da empresa; - a assunção de responsabilidade, pela consulente, na qualidade de fiadora e principal pagadora, pelo pagamento dos débitos decorrentes do contrato firmado com os financiados;

6 Continuação do Acórdão nº 106/ a forma de pagamento do principal e dos encargos financeiros e moratórios opera-se por meio de débito direto na conta corrente da consulente, mantida junto ao Banco; - não há intervenção do cliente/consumidor quanto ao acerto dos encargos financeiros incidentes na operação, posto que estes são firmados previamente apenas entre a consulente (creditada) e a instituição financeira (creditadora); - o consumidor não responde perante o Banco pelo inadimplemento do negócio jurídico; - nas operações realizadas pela consulente com seus clientes, mediante compra parcelada estabelecimento, através de cartão de crédito, ocorre um único negócio jurídico, ou seja, a compra e venda entre o cliente e a consulente, onde esta oferece ao comprador (cliente) a possibilidade de pagamento parcelado do produto, acrescentando-lhe ao preço final os encargos acordados entre as duas partes. aspectos: Sobre a operacionalização do negócio em exame, chamam atenção, ainda, os seguintes - no primeiro momento, a empresa realiza a venda de mercadorias e financia o pagamento através de cartão de crédito, sendo-lhe repassadas mensalmente, pela administradora do cartão, as parcelas sem cobrança ou desconto dos juros de financiamento; - dando seguimento a essa operação, a empresa antecipa junto ao banco o valor total que receberá de forma parcelada através da administradora do cartão de crédito e, mensalmente, promove a liquidação do empréstimo, por ela contraído, utilizando-se, para tanto, das parcelas mensais que receberá do comprador por intermédio da administradora de cartão de crédito. Nesse contexto, não obstante a negativa da recorrente quanto à natureza dos fatos, forçoso é atribuir razão à decisão a quo, segundo a qual, a novel modalidade de CDCI, que nada mais é senão uma linha de crédito bancário concedida às empresas para que financiem, de forma indireta, seus clientes, ficando, a própria empresa, em último caso, como garantidora pela liquidação do empréstimo junto ao Banco. Assemelha-se a velha operação de desconto de duplicatas, eis que a finalidade de ambas consiste simplesmente em antecipar o fluxo de caixa. Com efeito, nas vendas financiadas por meio de CDCI, a consulente recebe através da operadora de cartão de crédito o valor total financiado (valor da mercadoria + juros + encargos do parcelamento) e utiliza parte desses recursos para liquidação do empréstimo tomado junto ao banco, a quem deu como garantia as parcelas mensais a receber dos seus clientes. Ao que se percebe, no caso em apreço, tomando por base o exemplo trazido pela própria consulente, a operação de venda é realizada pelo valor total cobrado, através de cartão de crédito, e esta venda ocorre a prazo, a ser recebida em dez parcelas consecutivas de R$ 153,87, cada, totalizando R$ 1.538,70. O banco financiador deposita antecipadamente, na conta da vendedora (consulente) o valor líquido, correspondente a R$ 1.299,00, ou seja, abatido dos juros contratuais. Por ocasião do vencimento, a administradora do cartão de crédito, através de depósito em conta corrente bancária, efetua o pagamento de cada uma das parcelas, abatendo deste, apenas o valor correspondente à Taxa de Administração, no exemplo dado, R$ 30,77. Confirmam a assertiva as informações prestadas pela recorrente, no documento de fls. 24 e 28, que expõe os lançamentos contábeis da operação e traz as seguintes afirmativas nos itens 2.3 e 2.4:

7 Continuação do Acórdão nº 106/ PELA ASSUNÇÃO PELO LOJISTA DA DÍVIDA DO CLIENTE JUNTO A INSTITUIÇÃO FINANCEIRA E O CRÉDITO QUE O LOJISTA TEM, JUNTO AO CARTÃO DE CRÉDITO. Na escrituração contábil do LOJISTA deverá ser registrado o compromisso assumido em liquidar junto a INSTITUIÇÃO FINACEIRA as parcelas de financiamentos contraídas pelo cliente e em contrapartida deverá ser registrado nesse mesmo momento o crédito que o LOJISTA terá, junto ao Cartão de Crédito. D Cartão de Crédito (Ativo Circ.) C Banco Bradesco dívida de terceiros (Passivo Circ.) 1.538,70 Como foi efetuada uma operação com cartão de crédito o LOJISTA deverá arcar com uma despesa administrativa junto à operadora do cartão de crédito. Suponhamos que a taxa pactuada com a operadora seja de 2%, então o valor da operação efetuada através de cartão de crédito, cuja transação foi feita unicamente visando reduzir as taxas de juros praticadas na operação, cujo valor recebido pelo LOJISTA da OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO servirá para quitação financiamento efetuado pelo cliente junto a INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. Então, com o desconto da taxa de administração do cartão de crédito equivalente a 2%, o LOJISTA receberá da OPERADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO um valor menor equivalente a R$ 30,77. Cada parcela a receber do cartão de crédito será de R$ 153,87 em 10 x (deduzida a taxa de administração). 2.4 REGISTRO DA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO PAGA PELO LOJISTA. D Despesas C/Vendas (Conta de Result.) Taxa Administração Cartão de Crédito C Cartão Visa a Receber (Ativo Circ.) 30,77 Após o lançamento da taxa de administração, o valor a receber do cartão Visa que era inicialmente de R$ 1.538,70 passou a ser de R$ 1.507,93 que deverá ser recebido em 10x de R$ 150,79, enquanto o valor que o LOJISTA deve ao Bradesco é de R$ 1.538,70 em 10x de R$ 153,87. Frente a essas circunstâncias, a partir do contrato firmado entre a recorrente e a instituição financeira, infere-se que o CDCI caracteriza uma linha de crédito concedida pelo banco à recorrente para que esta financie seus clientes, compradores de seus produtos, ficando a recorrente responsável pela liquidação com o banco. Veja-se a dicção da cláusula 1ª do contrato bancário (fl. 14): Cláusula 1ª O creditador [banco] promete abrir um crédito rotativo até o limite mencionado no campo 10 à Creditada [vendedora], pelo prazo mencionado no campo 12, destinado exclusivamente ao financiamento de venda de bens comprados pelos Financiados da Creditada e/ou financiamento de serviços prestados pela Creditada aos Financiados que aderirem ao competente Termo Particular de Fixação das Condições gerais do Sistema Insinuante de Vendas Típicas de Varejo em regime de Financiamento, doravante designado Acordo de Adesão, conforme minuta constante no Anexo 1. (grifos do original). Ou seja, o CDCI busca pagar à vista parte de uma venda realizada a prazo, onde no valor pago pelos consumidores estão embutidos os encargos do financiamento tomado pela recorrente perante o banco. Pelo exemplo dado nos autos, pela própria recorrente, evidencia-se que a operação de venda foi realizada pelo valor total cobrado (R$ 1.538,70) dos consumidores, através do cartão de crédito, e essa

8 Continuação do Acórdão nº 106/ venda ocorreu a prazo, em 10 parcelas de R$ 153,87, cada, totalizando R$ 1.538,70, descontando-se da recorrente o valor da taxa de administração: R$ 30,77. O banco financiador deposita antecipadamente, na conta corrente da vendedora, o valor líquido, correspondente a R$ 1.299,00, ou seja, excluídos os juros contratuais. Diante dessa realidade, restam demonstrados dois fatos distintos: 1) a compra e venda a prazo realizada pela recorrente a seus clientes; e 2) a abertura de crédito, negócio entre a empresa e a instituição bancária de sua eleição. Trata-se, prima facie, de contrato de abertura de crédito concedida ao consumidor final, no qual a recorrente se responsabiliza pelo repasse do crédito ao financiado e, posteriormente, pelo recebimento dos valores como procuradora da instituição bancária. Entretanto, em realidade, que se infere do referido contrato, o objeto consiste na abertura de linha de crédito à recorrente, de acordo com as vendas realizadas a prazo ao consumidor final, que paga à empresa vendedora o total da mercadoria acrescido dos encargos do financiamento por ela tomado junto ao banco. Ressalte-se, para afastar quaisquer dúvidas porventura advindas, que não se está a falar dos encargos de financiamento do valor de R$ 1.538,70 eventualmente devidos pelo consumidor à administradora de cartão de crédito. Nessa operação ocorrem, sim, dois negócios jurídicos distintos: o de compra e venda entre o cliente e a vendedora e outro de financiamento entre a administradora de cartão de crédito e seu usuário. No caso em foco, também ocorre um único negócio jurídico entre o cliente e a recorrente: o de compra e venda parcelada. Posteriormente, há outro negócio jurídico distinto: a empresa (recorrente) negocia, através de uma linha de crédito específica, com o sistema bancário, os títulos originados por estas vendas. O crédito, conforme a Cláusula 1ª do contrato de financiamento é aberto pela financiadora e a recorrente para que esta facilite a venda de mercadorias a seus clientes. Não se trata, no meu sentir, de contrato de financiamento entre consumidor e financeira, conforme os motivos acima expendidos, inclusive. Trata-se, isto sim, de mútuo do banco à recorrente, posto que, aliadas às razões supra, recai sobre esta a responsabilidade de fiadora e principal pagadora solidariamente responsável com os financiados por todos os débitos decorrentes do Contrato de Adesão. Além disso, a forma de pagamento do principal e dos encargos financeiros e moratórios por meio de débito direto na conta corrente que mantém junto ao banco (Cláusula 2º, alínea a fl. 15). Em suma, a chamada relação contratual de crédito direto a consumidor com interveniência envolve apenas a recorrente e a instituição financeira, não respondendo o consumidor perante o banco pelo inadimplemento de obrigação desse negócio jurídico. Em face da legislação de regência, infere-se que para fins de incidência do ICMS importa a circulação de mercadorias entre a recorrente e seus clientes. O pagamento, no caso, é efetuado diretamente à recorrente, de forma parcelada.

9 Continuação do Acórdão nº 106/ A relação jurídica decorrente do contrato de financiamento que a vendedora firma perante o sistema bancário não se confunde com a relação jurídica estabelecida entre esta e o seus clientes, de corrente de compra e venda das mercadorias. Pelo que, há que atribuir tratamento tributário distinto para ambas as situações. Em idêntico sentido transcrevo fragmento do voto exarado no Recurso Especial nº RS (2008/ , da relatoria do Exmº. Ministro Herman Benjamin, por ocasião do julgamento de questão semelhante. Ei-lo: O financiamento que a recorrente conseguiu na instituição financeira não se confunde com a relação jurídica de compra e venda das mercadorias. Trata-se de decisão empresarial-financeira que não se interfere na realidade aferida pelas instâncias de origem: há simples venda a prazo. (...) A conclusão jurídica a que se chega, a partir dos fatos, é incontroversa: há venda a prazo e, portanto, incidência do ICMS sobre o valor total da operação, conforme jurisprudência pacífica do STJ. Isso considerando, entendo que o tratamento tributário a ser conferido à operação de venda proposta pela recorrente, na modalidade CDCI, deve ser o mesmo dispensado a vendas a prazo, de modo que a base de cálculo do ICMS a ser oferecida à tributação deve consistir do valor total das mercadorias, o qual o consumidor se compromete a pagar parceladamente, sem desconto, à recorrente. Aplicação do art. 13, 1º, II, a, da Lei estadual nº 6.379/96, verbis: Art.13. A base de cálculo do imposto é: (...) 1º Integra a base de cálculo do imposto: (...) II - o valor correspondente a: a) seguros, juros e demais importâncias pagas, recebidas ou debitadas, bem como descontos concedidos sob condição. Isso posto, VOTO pelo recebimento do RECURSO VOLUNTÁRIO, por regular e tempestivo, e quanto ao mérito pelo seu DESPROVIMENTO, para manter o entendimento emitido pela Gerência Executiva de Tributação, da Secretaria de Estado da Receita, no Parecer nº , de 20 de outubro de 2009, objeto do Processo nº , em Consulta formulada por LOJAS INSINUANTE LTDA., inscrita no CCICMS, neste Estado, sob o nº Sala das Sessões do Conselho de Recursos Fiscais, em 05 de abril de 2013.

10 Continuação do Acórdão nº 106/ MARIA DAS GRAÇAS D. DE OLIVEIRA LIMA Conselheira Relatora

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 023.940.2014-8 Acórdão 192/2014 Recurso VOL/nº 496/2014 Recorrente: Recorrida: Preparadora: Consª. Relatora:

Leia mais

Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97.

Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97. Processo nº 1049402010-5 Acórdão 041/2013 Recurso HIE/CRF- nº 143/2011 RECORRENTE : GERÊNCIA EXEC. DE JULG. DE PROC. FISCAIS GEJUP RECORRIDA : TRANSPORTES REAL LTDA. PREPARADORA: RECEBEDORIA DE RENDAS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005 PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 01 /12 /2005 Fls. Processo nº: E04/261.891/1998 Data: 11/09/1998 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Processo nº 0126452009-3 Acórdão nº 059/2012 Recurso HIE/VOL/CRF-427/2010 1ª RECORRENTE: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS GEJUP 1ª RECORRIDA: LOJAS PRIMAVERA COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA.

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 014.186.2012-2 Acórdão 282/2013 Recurso HIE/CRF- nº 341/2012 RECORRENTE: GERÊNCIA EXEC. DE JULGAMENTO DE PROCESSOS

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 146.875.2011-1 Acórdão 281/2014 Recurso VOL/CRF 221/2013 RECORRENTE: GOLDEN IMPORTADORA E EXPORTADORA LTDA. RECORRIDA:

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 047.944.2014-5 /178.659.2013-0 Acórdão 350/2014 Recurso VOL/CRF-366/2014 RECORRENTE: COMPANHIA SISAL DO BRASIL

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40.010130113-59 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Reipel Comercial Ltda IE: 702765776.00-10 Luciomar Alves de Oliveira/Outro

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo n 134.923.2011-2 Acórdão 402/2014 Recurso HIE/CRF-513/2013 RECORRENTE: GERÊNCIA EXEC. DE JULGAMENTO DE PROC. FISCAIS

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 12 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 2 Data 14 de janeiro de 2014 Origem DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DE SÃO PAULO DERAT. ASSUNTO:

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os. autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os. autos deste Processo, etc... Acórdão nº 159/2011 Recurso HIE/CRF-204/2010 RECORRENTE: GERÊNCIA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS GEJUP RECORRIDA: MAXIM S PERFUMARIA LTDA PREPARADORA: RECEBEDORIA DE RENDAS DE JOÃO PESSOA AUTUANTE:

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Processo nº 0572132008-7 Acórdão nº 333/2011 Recurso HIE/CRF-351/2010 RECORRENTE: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS GEJUP. RECORRIDA: CCB CIMPOR CIMENTOS DO BRASIL LTDA. PREPARADORA:

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Acórdão nº 272/2010 Recurso VOL/CRF-384/2009 Recorrente : TRANSPORTADORA JPN LTDA. Recorrida : GERÊNCIA EXECUTIVO DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS. Preparadora : COLETORIA ESTADUAL DE ALHANDRA. Autuante

Leia mais

DO Ó CATÃO E MARIA JOSÉ LOURENÇO DA SILVA

DO Ó CATÃO E MARIA JOSÉ LOURENÇO DA SILVA GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 121.778.2012-0 Acórdão 401/2013 Recurso VOL/CRF- nº102/2013 Recorrente: GLOBAL VILLAGE TELECOM LTDA Recorrida:

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS RELATÓRIO O Excelentíssimo Senhor Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS (Relator): Trata-se de recurso de apelação interposto por JOSÉ PINTO DA NÓBREGA contra a sentença que, em sede de mandado de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 20/07/2010 Fls. 08 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 08 de dezembro de 2009 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 36.007 (26.807) ACÓRDÃO

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 Introduz alterações no RICMS/ES, aprovado pelo Decreto n.º 1.090- R, de 25 de outubro de 2002. O GOVERNADOR

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DA BAHIA PROCESSO- A.I. Nº 09157409/00 RECORRENTE- GERDAU S.A. RECORRIDA- FAZENDA PUBLICA ESTADUAL

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DA BAHIA PROCESSO- A.I. Nº 09157409/00 RECORRENTE- GERDAU S.A. RECORRIDA- FAZENDA PUBLICA ESTADUAL CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DA BAHIA PROCESSO- A.I. Nº 09157409/00 RECORRENTE- GERDAU S.A. RECORRIDA- FAZENDA PUBLICA ESTADUAL RECURSO- RECURSO VOLUNTTARIO - ACÓRDAO 2ª JJF Nº 0240/01 ORIGEM- IFMT-DAT/NORTE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 068/2015 IMPUGNAÇÃO Nº 113 PROCESSO N o : 2012/6010/501013

Leia mais

A empresa formalizou consulta acerca da utilização de créditos relacionados à entrada de combustíveis, aos seguintes termos, em síntese:

A empresa formalizou consulta acerca da utilização de créditos relacionados à entrada de combustíveis, aos seguintes termos, em síntese: Assunto : Consulta utilização de créditos de combustíveis. EMENTA: CONSULTA EMPRESA TRANSPORTADORA - CRÉDITOS DE COMBUSTÍVEIS. ANÁLISE. 1. RELATÓRIO: A empresa formalizou consulta acerca da utilização

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40.010133151-29 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Modelo Comércio e Exportação de Açúcar Ltda IE: 515302633.00-13 Marcelo

Leia mais

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROC: 1/004193/2004 \ AL: 1/200410475 ESTADO DO CEARA SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROCESSO DE RECURSO N 1/004193/2004 AUTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951 MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10950.000992/2007-74 Recurso nº 148.951 Matéria IOF - Base de Cálculo e Decadência Acórdão nº 201-81.317 Sessão de 08

Leia mais

,." \,J ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS

,. \,J ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS ,.".. PROC: 1/4305/2005 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃON bt:t 'i /2007 la CÂMARA SESSÃODE 25/10/2007 PROCESSODE RECURSO N 1/4305/2005 AUTO DE INFRAÇÃO: 1/200516884

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-2219-65.2011.5.03.0139. A C Ó R D Ã O (5ª Turma) GMCB/jar

PROCESSO Nº TST-RR-2219-65.2011.5.03.0139. A C Ó R D Ã O (5ª Turma) GMCB/jar A C Ó R D Ã O (5ª Turma) GMCB/jar RECURSO DE REVISTA COMISSÕES. BASE DE CÁLCULO. VENDA COM CARTÕES DE CRÉDITO. TAXA PARA A ADMINISTRADORA. "REVERSÃO". NÃO PROVIMENTO. A prática realizada pela reclamada

Leia mais

RELATÓRIO VOTO DO RELATOR (VOTO VENCIDO)

RELATÓRIO VOTO DO RELATOR (VOTO VENCIDO) PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 07 / 12 / 2011 Fls. 24 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 04 de outubro de 2011 QUARTA CÂMARA RECURSO Nº - 41.675 ACÓRDÃO Nº 9.676

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

VOL/CRF-326/2009 RECORRENTE: JMA COMÉRCIO

VOL/CRF-326/2009 RECORRENTE: JMA COMÉRCIO Acórdão nº 156/2010 Recurso VOL/CRF-326/2009 RECORRENTE: JMA COMÉRCIO DE MATERIAIS ELÉTRICOS E FERRAGENS LTDA. EPP RECORRIDA: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS PREPARADORA RECEBEDORIA

Leia mais

ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal

ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal ECF - Equipamento Emissor de Cupom Fiscal INTRODUÇÃO Um dos objetivos do uso de equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF é a automação comercial. O ECF é, sem dúvida, um instrumento importante nesse processo.

Leia mais

Troca de mercadorias adquiridas na mesma e em outras lojas da rede. - PROCEDIMENTOS FISCAIS.

Troca de mercadorias adquiridas na mesma e em outras lojas da rede. - PROCEDIMENTOS FISCAIS. Troca de mercadorias adquiridas na mesma e em outras lojas da rede. - PROCEDIMENTOS FISCAIS. Reposta à Consulta nº 907, de fevereiro de 2001. 1. A Consulente, empresa importadora que atua no ramo de roupas,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA Contencioso Administrativo Tributário Conselho de RecursosTributários 1a Câmara de Julgamento

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA Contencioso Administrativo Tributário Conselho de RecursosTributários 1a Câmara de Julgamento / I PROCESSO: 1/1115/2006 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA Contencioso Administrativo Tributário Conselho de RecursosTributários 1a Câmara de Julgamento ReSOlução N0. 15f'/2007 Sessão: 34a Sessão

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 60 59 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta nº 29 Data 02 de julho de 2013 Processo 13154.720567/2012 36 Interessado UNIMED RONDONÓPOLIS COOPERATIVA DE

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS PROC.: 1/004275/2005 I ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃON obs/2008 la CÂMARA SESSÃODE 23/11/2007 PROCESSODE RECURSO N 1/004275/2005 AUTO DE INFRAÇÃO: 1/200517776

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA E CONTROLE GERAL CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal. - Conselheiro Sylvio de Siqueira Cunha

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA E CONTROLE GERAL CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal. - Conselheiro Sylvio de Siqueira Cunha PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de / / Fls. SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA E CONTROLE GERAL CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 02 de março de 2000 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 16.348 ACÓRDÃO Nº

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 116.404.2010-0 Acórdão 353/2014 Recurso HIE/CRF-303/2013 Recorrente: GERÊNCIA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS.

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO Nº PAT Nº RECURSO RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO RELATORA RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS 133/2013-CRF 3025/2013-1ª URT VOLUNTÁRIO ITALIAN COFFEE DO BRASIL

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.784/02/2 a Impugnação: 40.010105525-11 Impugnante: Gafor Ltda. Proc. do Suj. Passivo: João Batista Julião/Outro PTA/AI: 01.000138918-70 Inscrição Estadual: 518.058253.00-10 Origem: AF/III/Poços

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0538-44/99-2 Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. MAS. Prefeitura Municipal de Jardim

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 147/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.953 PROCESSO N

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais. Processo nº 180.388.2013-4 Acórdão 103/2014 Recurso AGR/nº 141/2014

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais. Processo nº 180.388.2013-4 Acórdão 103/2014 Recurso AGR/nº 141/2014 GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 180.388.2013-4 Acórdão 103/2014 Recurso AGR/nº 141/2014 AGRAVANTE: RANDON IMPLEMENTOS PARA O TRANSPORTE LTDA

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.710/01/2ª Impugnação: 40.010105776-02 Impugnante: CTBC Celular S.A. Proc. S. Passivo: José Roberto Camargo/Outros PTA/AI: 01.000138911-28 Inscrição Estadual: 702.042559.0063 Origem: AF/Uberlândia

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.365/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000165296-41 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.365/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000165296-41 Impugnação: 40. Acórdão: 20.365/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000165296-41 Impugnação: 40.010127511-54 Impugnante: Origem: EMENTA Alessandro de Oliveira Guerra IE: 011958516.00-46 DF/Governador Valadares MERCADORIA ENTRADA,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de / / Fls. Processo n.º: E-04/897.015/1999 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 07 de Novembro de 2000 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO N.º

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.223/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000187343-81 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.223/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000187343-81 Impugnação: 40. Acórdão: 21.223/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000187343-81 Impugnação: 40.010133905-11 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA VBLOG - Logística e Transportes Ltda IE: 001036599.00-86 Pedro Luiz

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.038/01/2 a Impugnação: 40.10054225-91 Impugnante: Ancena Comércio de Roupas Ltda.(Autuada) Coobrigado: Ocean Tropical Criações Ltda. Advogado: Adriano Campos Caldeira/Outros PTA/AI: 01.000115008-49

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO, EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES VITAL HELP

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO, EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES VITAL HELP CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO, EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES VITAL HELP Pelo presente instrumento contratual de um lado, VITAL HELP BENEFÍCIOS LTDA emissora e administradora de

Leia mais

CONTRATO DO CLIENTE AO SISTEMA DE CARTÃO PRÓPRIO REDE VIVO SUPERMERCADOS

CONTRATO DO CLIENTE AO SISTEMA DE CARTÃO PRÓPRIO REDE VIVO SUPERMERCADOS CONTRATO DO CLIENTE AO SISTEMA DE CARTÃO PRÓPRIO REDE VIVO SUPERMERCADOS O presente documento contempla as cláusulas aplicadas no Contrato para aquisição de mercadorias do mix de produtos de todas as lojas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 29/11/2006 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 25 de outubro de 2006 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 500.369 ACÓRDÃO Nº 4.824

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 074/2013 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 8.125 PROCESSO

Leia mais

Processo nº: 0000018-42.2014.8.26.0968 ACÓRDÃO

Processo nº: 0000018-42.2014.8.26.0968 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2014.0000019861 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei nº 0000018-42.2014.8.26.0968, da Comarca de São Carlos, em que é MICHELLE

Leia mais

Empreendimento: Condomínio Residencial Vila Branca. Localização: Rua Jaú, nº. 125, bairro Parque Universitário, Americana, Estado de São Paulo.

Empreendimento: Condomínio Residencial Vila Branca. Localização: Rua Jaú, nº. 125, bairro Parque Universitário, Americana, Estado de São Paulo. CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VILA BRANCA QUADRO RESUMO CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA PARA ENTREGA FUTURA DE APARTAMENTO, VAGA DE GARAGEM E CESSÃO DE FRAÇÃO IDEAL DE TERRENO. Empreendimento: Condomínio

Leia mais

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional

Vamos lá... *** a) Artigo 168: No caso de interrupção de pagamento de débito parcelado, o saldo proporcional Olá pessoal, tudo bem? Muitos estudos? Espero que sim. Vou começar a trabalhar com vocês alguns aspectos importantes da Legislação do ICMS RJ que podem ser cobrados no próximo concurso para Auditor Fiscal

Leia mais

Programa Especial de Parcelamento - PEP

Programa Especial de Parcelamento - PEP Programa Especial de Parcelamento - PEP Eduardo José Fagundes Marcia Aparecida de Andrade Freixo Subprocuradoria Geral do Estado Área do Contencioso Tributário-Fiscal Legislação Convênio CONFAZ nº 108,

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 16.913/06/2 a Rito: Sumário Impugnação: 40.010115952-56 Impugnante: MADAL Palfinger S/A Proc. S. Passivo: Alessandra Machado Brandão Teixeira/Outros PTA/AI: 02.000209779-61 CNPJ: 88.613.856/0003-45

Leia mais

RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 682.278 / RS

RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 682.278 / RS Procuradoria Geral da República Nº 7801 RJMB / tvm RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 682.278 / RS RELATOR : Ministro LUIZ FUX RECORRENTE : Município de Nonoai RECORRIDA : União RECURSO EXTRAORDINÁRIO. I PRELIMINAR

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO INTERNO (AC/RN: 0079391-19.2012.8.19.0021) AGRAVANTE: MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS AGRAVADA: HOCHTIEF DO BRASIL S.A.

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO INTERNO (AC/RN: 0079391-19.2012.8.19.0021) AGRAVANTE: MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS AGRAVADA: HOCHTIEF DO BRASIL S.A. PODER JUDICIÁRIO PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO INTERNO (AC/RN: 0079391-19.2012.8.19.0021) AGRAVANTE: MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS AGRAVADA: HOCHTIEF DO BRASIL S.A. R E L A T Ó R I O Trata-se de agravo interno

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS Pela presente CÉDULA DE CRÉDITO BANCARIO, doravante designada como CÉDULA, pagarei ao Banco Ibi S.A. Banco Múltiplo, com sede na Alameda Rio Negro, 585,

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013.

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. Institui o Projeto Piloto da Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final (NFC-e), que possibilita a emissão da Nota

Leia mais

Empreendimento: Lacqua Residencial.

Empreendimento: Lacqua Residencial. LACQUA RESIDENCIAL QUADRO RESUMO CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA PARA ENTREGA FUTURA DE APARTAMENTO, VAGA DE GARAGEM E CESSÃO DE FRAÇÃO IDEAL DE TERRENO. Empreendimento: Lacqua Residencial. Localização:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 24/07/2006 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 12 de abril de 2006 CONSELHO PLENO RECURSO Nº - 16.348 ACÓRDÃO Nº 4.811 I.E.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 23 /10 /2012 Fls. 12 Processo nº E-04/073.00572011 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 19 de julho de 2012 QUARTA CÂMARA RECURSO

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 14 de outubro de 2009 RECURSO Nº - 35.771 ACÓRDÃO Nº 7.907

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 14 de outubro de 2009 RECURSO Nº - 35.771 ACÓRDÃO Nº 7.907 PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 12/11/2009 Fls. 04 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 14 de outubro de 2009 QUARTA CÂMARA RECURSO Nº - 35.771 ACÓRDÃO Nº 7.907

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS.

DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS. Processo nº 0737382010-7 Acórdão 004/2013 Recurso HIE/CRF- nº 091/2011 Recorrente: GERÊNCIA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS. Recorrida: JOSELIA CORREIA DA SILVA NASCIMENTO ME Preparadora: COLETORIA

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 2.179/00/CE Recurso de Revisão: 40.60002934-44 Recorrente: Fazenda Pública Estadual Recorrida: TV Vídeo Cabo de Uberlândia Ltda PTA/AI: 01.000009896-12 Origem: AF/Uberlândia Rito: Ordinário EMENTA

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INFORMAÇÕES ÚTEIS SOBRE CONSIGNADO EMPRÉSTIMO, CARTÃO DE CRÉDITO E/OU SERVIÇOS CONTRATADOS - ANO 2015. 1) O que é Margem Consignável? Resposta: É o dado que indica os limites estabelecidos por lei específica

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo)

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 01/03/2013 Disciplina os procedimentos administrativos necessários à liquidação de débitos fiscais do Imposto sobre Operações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Processo n 177.130.2014-4 Acórdão 115/2015 Recurso AGR/CRF-060/2015 AGRAVANTE: FSEG CURSOS EM FORMAÇAO DE VIGILANTES LIMITADA - ME

Processo n 177.130.2014-4 Acórdão 115/2015 Recurso AGR/CRF-060/2015 AGRAVANTE: FSEG CURSOS EM FORMAÇAO DE VIGILANTES LIMITADA - ME GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo n 177.130.2014-4 Acórdão 115/2015 Recurso AGR/CRF-060/2015 AGRAVANTE: FSEG CURSOS EM FORMAÇAO DE VIGILANTES LIMITADA

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais

GOVERNO DA PARAÍBA. Secretaria de Estado da Receita. Conselho de Recursos Fiscais GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Receita Conselho de Recursos Fiscais Processo nº 123.380.2009-0 Acórdão 149/2015 Recurso HIE/CRF-049/2014 Recorrente: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom Operações com Mercadorias em Hotéis - ICMS ISS - Cupom 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência dos

Leia mais