Palavras-Chave: Oficinas Terapêuticas; Sofrimento Mental. Reabilitação Psicossocial; Saúde Mental.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-Chave: Oficinas Terapêuticas; Sofrimento Mental. Reabilitação Psicossocial; Saúde Mental."

Transcrição

1 1 OFICINAS TERAPÊUTICAS NO PROCESSO DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL Silva, Luciana * Firmino, Roberta ** RESUMO As oficinas terapêuticas enquanto dispositivos da atual política de Saúde Mental do Brasil, inspirada na reforma italiana, prima por promover a cidadania das pessoas com sofrimento mental, buscando a reinserção social reabilitando o sujeito para a vida. Esta Pesquisa buscou por meio da revisão bibliográfica refletir sobre a importância das oficinas terapêuticas na reabilitação psicossocial do indivíduo com sofrimento mental. Identificou-se entre os trabalhos científicos que os profissionais da saúde mental consideram como relevantes as oficinas terapêuticas como um dos modelos substitutivos em saúde mental. Como resultado da pesquisa pode-se evidenciar a relevância das oficinas no processo de reabilitação tanto no âmbito da saúde mental, no social e na convivência. Tal reflexão nos permite refletir sobre a contribuição das oficinas no processo de reabilitação psicossocial. Palavras-Chave: Oficinas Terapêuticas; Sofrimento Mental. Reabilitação Psicossocial; Saúde Mental. * Enfermeira. 1 INTRODUÇÃO ** Docente do curso de Especialização em Saúde Mental e Internvenção Psicossocial, terapeuta ocupacional, especialista em Terapia Ocupacional com Ênfase em Saúde Mental pela Universidade Federal de Minas Gerais.

2 2 1 INTRODUÇÃO No atual contexto da reforma psiquiátrica, torna-se cada vez mais premente a discussão acerca das estratégias inclusivas de pessoas com sofrimento mental em dispositivos voltados à reabilitação e inserção social. Estes dispositivos têm como objetivo que o sujeito com sofrimento mental seja visto a partir de um novo paradigma, o da reabilitação psicossocial, considerando a vida em seus diferentes âmbitos: pessoal, social e familiar. Sob este novo olhar surgem os serviços substitutivos ao modelo asilar, formando uma rede de atenção à saúde mental. Rede esta constituída tanto pela atenção básica em saúde, como as unidades básicas de saúde os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), hospital-dia, serviços de urgência e emergência psiquiátricas, leito ou unidade em hospital geral, serviços residenciais terapêuticos, centros de convivência, cooperativas de trabalho e associações de usuários. Os Centros de Atenção Psicossociais (CAPS) são serviços de atendimento diário, de caráter substitutivo ao hospital psiquiátrico. Devem atender pessoas com transtornos mentais severos e persistentes, dentro de sua territorialidade. Estes serviços são regulamentados pela portaria ministerial GM nº 336, de 19 de fevereiro de Nos CAPS trabalham equipes multiprofissionais que desenvolvem atividades diversificadas como atendimentos individuais e/ou em grupo, acompanhamento em atividades externas, atendimento as famílias dos usuários, oficinas terapêuticas e de criação, atividades físicas, atividades lúdicas, além da assistência medicamentosa, que antes era considerada a principal forma de tratamento. Entre as atividades desenvolvidas identificam-se as oficinas terapêuticas, no campo da reabilitação psicossocial, como espaços destinados aos usuários onde a singularidade é respeitada, em um processo que visa resgatar a cidadania da pessoa com sofrimento mental através da atividade criativa. Dessa maneira, as oficinas passam a exercer um papel fundamental no projeto terapêutico por meio de diversas ações que visam dar autonomia e qualidade de vida ao indivíduo.

3 3 Tais oficinas tornam-se positivas quando possibilitam a transformação da realidade minimizando o sofrimento que a doença mental causa. Entre saberes e fazeres nas oficinas terapêuticas o atendimento implica o criar e o recriar constantes. Nesta proposta de educação terapêutica o importante é fomentar a capacidade de poder viver e vivenciar a individualidade dos participantes. Acrescenta-se ainda que seja por meio da troca de experimentações no coletivo, na relação com o outro que o sujeito se enxerga como parte do processo da vida. Considerando que na assistência em saúde mental a remissão de sintomas é importante na estabilização de pacientes, é preciso transformar essa vivencia em produção de vida, de forma a ser possível inserir este sujeito no contexto social, familiar e comunidade. Neste aspecto as oficinas terapêuticas se apresentam como mais uma ferramenta, que somada a outras colaboram para reabilitação psicossocial do sujeito.valorizando a história de vida com suas peculiaridades e regionalidades de forma que este sujeito sinta-se acolhido, neste contexto, entende-se que as oficinas possibilitam esta ponte entre a loucura e a lucidez, respeitando o ritmo de cada um. Segundo Pitta (1996), a reabilitação psicossocial é um processo que facilita ao usuário com limitações, melhor reestruturação de autonomia de suas funções na comunidade e Sarraceno (1999) acrescenta que a reabilitação psicossocial precisa contemplar três vértices da vida de qualquer cidadão: casa, trabalho e lazer. Desta forma, propor a reabilitação psicossocial dos indivíduos em sofrimento mental é promover a cidadania, através do acolhimento nos serviços de atenção em saúde mental a fim de minimizar o sofrimento causado pela doença. O presente estudo teve como metodologia de pesquisa a revisão bibliográfica e seu principal objetivo é refletir sobre este importante dispositivo de intervenção psicossocial, as oficinas. Questiona-se qual o papel das oficinas terapêuticas no processo de reabilitação do portador de transtorno mental.

4 4 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 BREVE HISTÓRICO DA LOUCURA E DO USO DA ATIVIDADE NO TRATAMENTO ÀS DOENÇAS MENTAIS Retomando a história pode-se perceber que o mundo da loucura foi se tornando o mundo da prisão. Segundo Guerra (2004), houve um período da Idade média que a burguesia condenou o ócio, assim qualquer forma de improdutividade era sentenciada ao enclausuramento. Criaram-se, então, casas correcionais que impediam a mendicância e qualquer comportamento que denotasse desordem social. Nestas casas impunham o trabalho aos ociosos entre eles os loucos. Com a Revolução francesa e os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade trouxeram transformações a estas casas, rompendo assim com a idéia do antigo regime. Neste contexto surge o hospital no conceito que hoje conhecemos, onde os pesquisadores podiam agrupar e estudar as moléstias (AMARANTE, 2003). O pai da Psiquiatria, Pinel, contemporânio da Revolução Francesa, via a doença mental como um desequilíbrio das paixões. Acreditava, ele, que, a cura consistia em trazer o alienado de volta à realidade, dominar seus impulsos e afastar suas ilusões. Por isso, objetivando uma reeducação da mente alienada, defendia a adoção de um Tratamento Moral que consistia entre outras práticas a imposição do trabalho como recurso pretensamente terapêutico (AMARANTE, 1996). O médico francês deu ao trabalho uma associação a saúde. Com a ascensão do Capitalismo, segundo Foucault (1997), a loucura foi transformada em "doença mental. Para o capitalismo o louco não tinha valor no mundo do trabalho. Se o louco não é útil então trancafiá-lo num asilo seria o mais prudente. No Brasil, foi criado o primeiro hospício em 05 de dezembro de 1852, através do decreto nº 82 de julho de 1841 devido à necessidade de tirar loucos das ruas e da Santa Casa de Misericórdia. Na verdade, não se pensou em tratamento, mas numa forma de transferir

5 5 responsabilidades. O Hospício Pedro II localizava-se propositalmente afastado do meio urbano, ficando evidente a forma de exclusão adotada para tratamento dos doentes mentais. Com a República, em 1890, o Hospício Pedro II passou a se chamar Hospício Nacional dos Alienados. Foram criadas Colônias anexadas ao Hospital Nacional que tinham por finalidade resolver o problema da superlotação do hospício, oferecendo tratamento através do trabalho agropecuário e de diversos artesanatos. Em 1902, em função de irregularidades, foi aberto um inquérito e nomeado o Dr. Juliano Moreira, professor de psiquiatria da Bahia para diretor. Este doutor fez várias críticas às condições das instalações o que provocou melhoras. Mais tarde nasceu a Colônia das Alienadas, também para resolver a superlotação do Hospício Nacional. Sempre com o objetivo principal, isolar os loucos dos centros urbanos. Somente em 1918, por iniciativa de Gustavo Riedel é criado na Colônia de Alienadas o primeiro ambulatório psiquiátrico da América Latina (SAMPAIO, 1988). Muita coisa mudou e a forma de pensar, num processo histórico e crítico traz a concepção do homem como ser biopsicossocial. Este pensamento após a Segunda Grande Guerra sinalizava para a transformação do paradigma da Psiquiatria Clássica (AMARANTE, 1995). Esta transformação iniciada na Europa e Estados Unidos chegou ao Brasil, inspirada no modelo da Reforma Psiquiátrica Italiana. Conta-nos Losboque (2001) que, as vertentes anteriores à italiana eram fortemente marcadas pelo discurso "psi" (Psiquiatria, Psicopatologia, Psicologia, Psicanálise), enquanto a reflexão orientada por Basaglia (ícone da Reforma na Itália) consistia em uma crítica radical sobre tais discursos. Esses discursos se constituíam na prática como instrumentos de saber e poder, de controle e segregação. Se a perspectiva da desinstitucionalização visa romper com a violência da objetivação do homem em síndromes e doenças construídas pela psiquiatria, então, pode-se, como diz Amarante (1996), colocar a doença entre parênteses e enxergar o sujeito em sua experiência da loucura. No Brasil, o projeto de lei Paulo Delgado, propôs a extinção progressiva dos hospitais psiquiátricos, através do impedimento da abertura de novos ou financiamento de outros leitos

6 6 além dos já existentes. Também propôs a criação de recursos assistenciais alternativos, estruturas não manicomiais, como unidades psiquiátricas em hospitais gerais, hospitais-dia, hospitais-noite, centros de convivência etc. (Amarante, 2003; Curso Básico de Acompanhamento Domiciliar em Saúde Mental - Ministério da Saúde, 1998). Tal projeto de lei foi, em 1997, rejeitado pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Seu substituto - Lucídio Portela - mantém a internação psiquiátrica como uma intervenção terapêutica válida, caso os recursos extra-hospitalares não sejam suficientes para o tratamento. Além disso, impede que a internação seja considerada exclusivamente um ato médico (Curso Básico de Acompanhamento Domiciliar em Saúde Mental - Ministério da Saúde, 1998). Desta forma, no Brasil, uma grande reforma da assistência à saúde mental foi colocada em marcha, principalmente, a partir da década de O resgate das pessoas internadas nos manicômios, enquanto sujeitos de direitos e cidadãos, e a preconização do respeito às diferenças e maneiras de vivenciar o sofrimento psíquico foram pressupostos para as ações desenvolvidas pelos serviços de saúde mental que despontavam como substitutivos às instituições asilares. Pode-se dizer que o direito à cidadania e o seu reconhecimento nos espaços públicos e privados para todas as pessoas, entre elas as que vivenciam o transtorno mental, exigiu o estabelecimento e a criação de espaços de escuta e diálogo onde fosse possível questionar estereótipos e condutas comportamentais impostas como adequadas. Desta forma contribui para o desvelamento de discursos e ações que insistem em negar o direito à diferença, à diversidade, à dúvida e ao conflito existencial. Tradicionalmente a reabilitação era compreendida como a restituição a um estado anterior ou à normalidade do convívio social ou de atividades profissionais. Na proposta atual da Reforma Psiquiátrica no Brasil, têm-se como objetivo a desinstitucionalização e inclusão, integrando as pessoas com sofrimento psíquico nos diferentes espaços da sociedade. Anterior a essa reforma da assistência em saúde mental, tratamentos com o eletro choque, choque insulínico, hiper dosagens medicamentosas, lobotomia, entre outros, eram pensados como o máximo de recurso para as pessoas com sofrimentos mentais. A Dra. Nise da Silveira, psiquiatra vanguardista da reforma psiquiátrica brasileira, se colocou radicalmente contrária a essas terapêuticas e apresentou formas diferenciadas e humanizadas de lidar com o sofrimento mental, utilizando-se de atividades diversificadas como tratamento. Essa psiquiatra tornou-se precursora da terapia ocupacional e das oficinas terapêuticas utilizadas no campo da reabilitação psicossocial. Mais tarde, o termo terapêutica

7 7 ocupacional, por ser considerado pesado e sem emoção no próprio termo, é substituído por "emoção de lidar". Lidar com tinta, papel, dança, costura, lidar com a horta, lidar com os sentimentos, com a emoção, com os medos e com os prazeres. Lidar com o diferente. As oficinas terapêuticas são o espaço onde a interação com o material e com a atividade provoca emoções que posteriormente poderão promover transformação de vida e de sentido. 2.2 OFICINAS TERAPÊUTICAS NO CONTEXTO DA SAÚDE MENTAL E SUAS IMPORTÂNCIAS Mas por que oficinas? O termo oficina vem sendo muito empregado para designar atividades desenvolvidas em diversos espaços de cuidados em saúde mental. Neste sentido, as oficinas podem ser um meio para os usuários sentirem-se sujeitos de suas vidas. As oficinas se sustentam, segundo Ribeiro (2004 p.105): Na possibilidade de representarem dispositivos que sejam catalisadores da produção psíquica dos sujeitos envolvidos, facilitando o trânsito social deles na família, na cultura, bem como sua inserção ou reinserção no trabalho produtivo.. Dessa maneira, os estatutos que regulamentam as oficinas terapêuticas mostram que elas são a estratégia por meio da qual a reabilitação psicossocial deve se realizar. Minzoni (1974), já utilizava o termo terapia psicossocial e o conceituava como atividades terapêuticas que envolvem o atendimento do usuário, tanto a nível individual como em grupo, atividades de trabalho ou recreação. A autora cita como exemplos às atividades de trabalho e recreação e as subdivide em motoras (ginástica, voleibol, trabalho em couro e madeira, entre outros), sociais (festas e datas civis, cinema, teatro e outras) e auto-expressivas (atividades espontâneas e não orientadas, como por exemplo, cerâmica, pintura e dança). Minzoni (1974) tentava organizar as atividades, categorizando-as de acordo com os seus objetivos. Entende-se que estas atividades sejam equivalentes as hoje denominadas oficinas. Vê-se que estas atividades, associadas à terapia clínica e tratamento medicamentoso, contribuíram para desinstitucionalização em saúde mental. Enfim, enquanto a reabilitação

8 8 objetiva reinserir o indivíduo na sociedade, a desinstitucionalização se preocupa em transformar esta sociedade. Desinstitucionalizar não pode resumir-se em desospitalizar, do contrário, teremos pequenos manicômios espalhados por todo o país. É importante ressaltar que a desinstitucionalização é a reconstrução de um novo pensar, uma forma de despir preconceitos institucionalizados na sociedade. Repensar o trabalho, a família, as políticas públicas na contemporaneidade exige um questionamento acerca das nossas ações e se estabelece como um acolhimento ao outro, com suas peculiaridades e diferenças culturais e cognitivas. As oficinas terapêuticas podem promover a reaquisição das competências para realização das atividades de vida diária e prática que são perdidas ao longo do processo de adoecimento mental, favorecendo a relação do usuário consigo e com os outros. As habilidades sociais podem ser reaprendidas. As dificuldades que os sujeitos portadores de transtorno mental encontram no lidar do cotidiano podem ser cumulativas e ele se enclausurar, precarizando cada vez mais o seu relacionamento na família e comunidade. Este conjunto de competências como escovar os dentes, ir à padaria, comprar uma roupa, visitar um amigo, enfim, se aprendido e exercitado melhora a auto-estima de qualquer sujeito que antes se sentia incapaz. O cotidiano pode começar a ser reconstruído dentro das oficinas terapêuticas no lidar com o outro e com os objetos. A competência social adquirida ao longo da vida implica numa compreensão e integração com o mundo que o sujeito vive. Além das competências que podem ser aprendidas no ambiente das oficinas terapêuticas o produto destas oficinas poderá ser utilizado como objeto de troca material ou simbólica a partir do momento em que a produção reinscreve o usuário como sujeito de valor, capaz de criar e produzir. Promover competências sociais e pessoais é estimular a observar, compreender as situações, trabalhar uma melhor realização de tarefas e idéias. Para Guerra (2004) o que diferencia as oficinas como recurso terapêutico é a possibilidade de o sujeito trabalhar com o concreto, segundo sua definição é a Materialidade do Produto. Neste sentido as oficinas podem produzir efeitos subjetivos e socializantes. Estariam as oficinas, segundo a autora, num campo inédito onde se une cliníca e política. Pode se entender aí como política o lidar nas relações dos participantes das oficinas.

9 9 Nesta convivência das oficinas o sujeito vai se introduzindo na cultura, "inserir-se em alguma forma de liame social, ou seja, participar de um conjunto de signos que o inscrevam enquanto ser social e político à medida que lhe for possível" (GUERRA, 2004). Portanto, percebe-se a importância das oficinas terapêuticas que ao se apropriarem das variadas formas de atividades, serão facilitadoras de uma expressão do indivíduo. Neste espaço terapêutico tem se priorizado a expressão livre e espontânea, onde a técnica e a estética aparecerão como coadjuvante salvo se solicitadas pelo participante. Segundo Ribeiro (2004) as oficinas terapêuticas são catalizadoras da produção psíquica do sujeito e favorecedoras de formas singulares de enlaçamento social, marcada pela relação estabelecida pelo sujeito com seu sintoma. Na perspectiva da proposta de reabilitação psicossocial, a inclusão subjetiva aparece em uma "prática feita por muitos". Sustentar o lugar social do sujeito a partir de sua diferença é enxergá-lo como cidadão. Nos serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, é através do acolhimento que o tratamento é singularizado. A função de acolher corrobora a idéia de que o fundamental é o sujeito e o desafio das oficinas terapêuticas é de propor algumas vias de acesso à produção subjetiva. As vias de acesso à produção subjetiva são fundamentais na medida em que na psicose o sujeito não comparece nas tradicionais formações do inconsciente (sonhos, atos falhos, sintomas etc.). Nas oficinas as diferenças serão acolhidas com liberdade, facilitando o desbloqueio da criatividade e estimulando à autonomia. As oficinas, por sua vez, remontam aos primórdios da psiquiatria, mas foram ressignificadas como recurso terapêutico no contexto da reforma psiquiátrica. Assim nas oficinas surgem um veículo de expressão e elaboração de idéias e afetos, como espaço de aprendizagem e como espaço de promoção de atividades culturais (GUERRA, 2004). Vale ressaltar que, enquanto os grupos terapêuticos geralmente são realizados no espaço interno do CAPS, por sua especificidade, as oficinas não necessariamente precisam ocorrer intramuros. Pelo contrário, é importante que algumas sejam realizadas na comunidade (promovidas pelo CAPS ou não) e que possam integrar usuários e outros sujeitos que habitam o mesmo território.

10 10 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Do exposto, é possível evidenciar que muitos avanços aconteceram na assistência em saúde mental em nosso país na última década. Também é possível constatar, na prática, alguns avanços culturais e sociais no que diz respeito à saúde mental. Mas todas as conquistas, sem dúvida, representam muito pouco na luta pela integração dos portadores de sofrimento mental. Vale ressaltar que estas conquistas só se tornaram realidade com o advento da reforma psiquiátrica. Assim foi cada vez mais sendo questionadas as abordagens de tratamento que eram realizadas nos manicômios. Esse movimento de luta pela desinstitucionalização visa restabelecer a cidadania das pessoas com transtornos mentais, por meio da desconstrução do modelo asilar e dos preconceitos. Vários espaços e experiências para a atenção em saúde mental têm sido efetivados nessa perspectiva, tanto como elementos terapêuticos quanto como promotores de reinserção social, por meio de ações que envolvem o trabalho, a geração de renda e a autonomia do sujeito. Porém, há que se tomar cuidado a fim de não se incorrer em uma nova institucionalização que pode vir a criar pequenos manicômios na sociedade. Há muito a ser feito, pessoas continuam à margem da vida, escondidas atrás de dificuldades e barreiras, que são mínimas e imperceptíveis para alguns, mas que se constituem em obstáculos intransponíveis nas atividades do cotidiano das pessoas portadores de sofrimento mental. A solução da maioria dos problemas enfrentados passa por uma mudança do ponto de vista sócio-cultural e político. O desafio é de toda a coletividade, a sociedade precisa exigir que o Estado cumpra o seu papel de agente financeiro e regulador; mas deve, também, participar ativamente, colocando em prática às idéias. A reabilitação e reinserção social implicam no "desmonte" de uma prática na restrição dos espaços sociais ou mesmo a exclusão social dos usuários da saúde mental e na medicalização. Agora existem novas possibilidades para o paciente em sofrimento mental. É a ruptura do processo em que a doença os colocou e a reconstrução de vida com a capacidade de ter experiências culturais diversas. Não basta que tenhamos belas leis como sistema de

11 11 compensação das desigualdades, de programas de integração aos portadores de sofrimento mental à comunidade, sociedade. É preciso que tudo isso seja efetivamente implementado através da participação ativa da sociedade civil. De acordo com o Ministério da Saúde, Portaria 189 de 19/11/1991, as oficinas terapêuticas se caracterizam como atividades grupais de socialização, expressão e inserção social e acontecem num espaço onde se preza a valorização do sujeito, no qual se deve visar a aceitação das diferenças. Assim, há um resgate da cidadania desse sujeito, para que consiga exercer da melhor forma possível suas funções ocupacionais e sociais. A oficina terapêutica é um espaço de construção de saberes mútuos, onde todos aprendem e todos ensinam. As oficinas terapêuticas são atividades de encontro de vidas entre pessoas em sofrimento psíquico, promovendo o exercício da cidadania à expressão de liberdade e convivência dos diferentes através preferencialmente da inclusão pela arte. Essas referidas oficinas aparecem ao longo do processo histórico da psiquiatria, mas tinham um objetivo diferenciado do referencial da reabilitação psicossocial. Atualmente vem se constituindo através de princípios específicos, ou seja, a partir da reinserção das pessoas em sofrimento psíquico, mas na prerogativa do respeito à singularidade de cada instituição, de acordo com suas peculiaridades e regionalidades. Nesse sentido Guerra (2004) relata que a ênfase das oficinas está nas particularidades de cada caso, na escuta, na invenção de novas estratégias de acolhimento e intervenção sobre o campo social, e no trabalho multiprofissional. As oficinas, articulando com o conceito de rede social, têm contribuído para a reabilitação psicossocial por meio da interação social com a comunidade. A oficina terapêutica faz parte do processo reabilitador e, desta forma, se mostra como experiência positiva, atuando no campo da cidadania. É uma maneira também de incentivar a preparação para o mercado de trabalho, fazendo com que o usuário retome suas atividades e descubra novas habilidades, na busca por sua independência. O sentido das oficinas terapêuticas se torna claros na fala de Rauter (2000, p. 271): As oficinas, o trabalho e a arte possam funcionar como catalisadores da construção de territórios existenciais (inserir ou reinserir socialmente os usuários, torná-los cidadãos...), ou de mundos nos quais os usuários possam reconquistar ou conquistar seu cotidiano... de cresse que está se falando não de adaptação à ordem estabelecida, mas de fazer com que trabalho e arte se reconectem com o primado da criação, ou com o desejo ou com o plano de produção da vida.

12 12 A experiência do trabalho das oficinas é positiva quando uma de suas funções é uma intervenção no âmbito social como transformadora da realidade excludente. Ao longo da história o homem elaborou diversas idéias acerca da loucura. Porém o louco como alienado surgiu com a urbanização e o capitalismo que rotulou indivíduos que não se adequavam as convenções sociais impostas. A sociedade o privou de liberdade, desejos, escolhas. Foram trancados em asilos e a eles eram aplicados corretivos para se enquadrarem ao padrão social imposto. A reforma psiquiátrica busca dar a este louco cidadania, a partir de uma lógica de inclusão social. Porém não basta fechar os hospitais psiquiátricos, é preciso descontruir preconceitos, verdadeiros manicômios mentais. Fala-nos Pelbart (1989) do Manicômio Mental, como crítica a todos os nossos preconceitos, para isso é necessário criar um método para que profissionais da área possam aprender a lidar com o inesperado. O trabalho exige do profissional, envolvimento, não basta que tenha conhecimento. Por conta disto esta equipe necessita permanentemente rever seus parâmetros repensando diariamente estratégias no lidar com o outro. Conta-nos Rauter (2000, p. 269) que, na sociedade em que vivemos: Ocorre à prevalência dos aspectos técnico-econômico ou dos aspectos jurídicos sobre aqueles referentes à produção desejante é o que está condenando nosso mundo à desertificação das relações amorosas e do sexo, esvaziamento do campo coletivo, produção de um número cada vez maior de excluídos, não apenas do mercado de trabalho, mas de um cotidiano, já que muitos modos de ser não se adequam a um mundo que coloca em primeiro plano aspectos ligados à produtividade técnico-econômico. Portanto, para desenvolver este novo paradigma, que é um dos substitutivos em Saúde Mental, e estas oficinas serem efetivamente terapêuticas, deve-se aprender a convivência com os não iguais dentro e fora da equipe. A equipe de saúde, a família, a sociedade, devem estar abertas a um novo equilíbrio social, com a geração e reestruturação de valores. É preciso mais que uma Reforma Psiquiátrica. É preciso urgente de uma Reforma de Pensamento e neste sentido, este novo paradigma denominado oficinas terapêuticas, propõem interdisciplinaridade com equipe multiprofissional. Sob essa perspectiva, descentraliza-se da doença do indivíduo e faz-se um resgate de aspectos positivos, isto é, a atenção deixa de ser a doença e passa a ser o da reconstrução da vida. Com esse entendimento uma nova abordagem no tratamento, valoriza o ser humano resgatando a sua história e sua vida cotidiana. É aí que entram as oficinas como fundamentais

13 13 no processo de reabilitação do indivíduo. O modelo biomédico vem se caracterizando, ao longo dos tempos, por dar ênfase aos aspectos físicos, ter uma visão fragmentada do ser humano e se colocar como saber hegemônico frente ao saber popular. Estes fatos mostram-se opostos à idéia de cuidado integral e acolhimento dispensado durante as oficinas terapêuticas. CONCLUSÃO Pode-se evidenciar ao longo do estudo a relevância das oficinas terapêuticas na reabilitação psicossocial, pois é o momento em que o usuário pode ser ele mesmo e expressar seus sentimentos sem julgamento, dessa forma estabelece relações, compartilha emoções e interage com o outro. Enfim as oficinas são fundamentais, pois restabelece a convivência, a comunicação e faz com que o sujeito seja parte do processo de gestão de sua vida. As oficinas visam resgatar a cidadania do portador de transtorno mental porque passa a exercer papel fundamental tanto como elemento terapêutico como promotor de reinserção social através de ações que envolvem trabalho, criação de produto, geração de renda e a autonomia do sujeito de pensar, planejar e agir. THERAPEUTIC WORKSHOP IN PROCESS OF REABILITATION PSYCHOSOCIAL ABSTRACT This paper intends to reflect on the importance of therapeutic workshops on psychosocial rehabilitation of individuals with mental distress. Currently, mental health professionals such as doctors, psychologists, nurses, social workers and others perceive the relevance of therapeutic workshops as a substitute of the models in mental health. The current policy of Mental Health of Brazil, inspired by the Italian reform press for giving citizenship to patients. In this process we seek to rehabilitate the social reintegration subject to life. In this aspect the

14 14 therapeutic workshops serve as a vehicle for socialization and interaction, hence the work in the workshops will become a therapeutic resource. Key Words: Workshops Therapy, Mental Distress, Psychosocial Rehabilitation, Mental Health. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMARANTE, Paulo. A (clínica) e a Reforma Psiquiátrica, pp In P Amarante (coord.). Archivos de saúde mental e atenção psicossocial. Ed. Nau, Engenheiro Paulo de Frontin. Disponível em: <http://www.scielo.br/scieloorg/php/reflinks.php?refpid=s1413-brasil. Portaria GM n 336, de 19 de fevereiro de 2002.> Acesso em: 19 maio AMARANTE, Paulo. O homem e a serpente - outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro. FIOCRUZ,1996. AMARANTE, Paulo (org). Loucos Pela Vida: A Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro. Panorama/ENSP,1995. CARVALHO, Rosita Edler. Temas em educação especial. Ed. 2., R. de Janeiro, WVA Editora,1998. Centros de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União 2002; 20 fev DELGADO, P.; LEAL, E.; VENÂNCIO, A. O campo da atenção psicossocial- Anais do 1º Congresso de Saúde Mental do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, TeCora, 1997.

15 15 FOUCAULT, Michel. A História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo, Perspectiva,1997. GUERRA, A. M. C. Oficinas em Saúde Mental: Percurso de uma História, Fundamentos de uma Prática. In Oficinas Terapêuticas em Saúde Mental Sujeito, Produção e Cidadania. Rio de Janeiro.Contracapa JONES, Maxwell. A Comunidade Terapêutica. Rio de Janeiro, Editora Vozes, LOBOSQUE,Ana Marta. Neuroses X Psicoses. In Experiências da Loucura. Rio de Janeiro, Garamond MANTOAN, Maria Teresa Eglér. A integração de Pessoas com Deficiência. São Paulo Ed. Memnon, MEDEIROS, Tácito A. Formação do modelo assistencial psiquiátrico no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,1977. MINZONI, M.P. Assistência ao doente mental. Ribeirão Preto. Guarani,1974. PÉLBART, Peter Pal. Da Clausura do Fora ao Fora da Clausura. Loucura e Desrazão. São Paulo.Editora Brasiliense PITTA, A.M.F. O que é reabilitação psicossocial no Brasil, hoje? In: Pitta, A.Org). Reabilitação psicossocial no Brasil. São Paulo, Hucitec, 1996.

16 16 RAUTER, C. Oficinas para quê? Uma proposta ético-estético política para oficinas terapêuticas. In P. Amarante Org., Ensaios:Subjetividade, saúde mental, sociedade (pp ). Rio de Janeiro: Fiocruz RIBAS, João Baptista Cintra. O que são pessoas deficientes? São Paulo,Ed. Brasiliense, RIBEIRO, R. C. F. Oficinas e redes sociais na reabilitação psicossocial. In Costa C. M.; Figueiredo A. C. (Orgs.), Oficinas terapêuticas em saúde mental: Sujeito, produção e cidadania.rio de Janeiro, p SARACENO, B.A Reabilitação como cidadania. In:Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro. TeCorá, 1999.

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE OFICINAS. Palavras chave: Inclusão, Transformação, Auto estima, Oficinas, Limitações.

INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE OFICINAS. Palavras chave: Inclusão, Transformação, Auto estima, Oficinas, Limitações. INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE OFICINAS Regina Célia de Oliveira Santos¹ A realidade no contexto escolar, público, envolvendo aprendentes com dilemas éticos, interpessoais, com necessidades educacionais

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios

A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte. por uma sociedade sem manicômios A Política de Saúde Mental de Belo Horizonte por uma sociedade sem manicômios UMA PÁTRIA SEM FRONTEIRAS, UMA CIDADE SEM PORTAS, DE CASAS SEM ARMADILHAS. UM JEITO SÓ DE VIVER, MAS NESSE JEITO, A VARIEDADE,

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; 2 SOUZA, Ana Lúcia Rezende; 3 SOUZA, Marise Ramos de; 4 BORGES, Cristiane

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Cintia Santos Nery dos Anjos 1 O tema deste estudo refere-se a operacionalização da intersetorialidade no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: saúde mental. Desinstitucionalização, hospital dia, terapia ocupacional INTRODUÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE TERAPIA OCUPACIONAL EM SAÚDE MENTAL E PSIQUIATRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Deyse Paula de Almeida Silva Juliana de Fátima Faria Patrícia Vilse Luzetti Vânia Oliveira Burocco Ana

Leia mais

A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil

A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil A SAÚDE MENTAL NO ÂMBITO JÚRIDICO: a árdua Luta Antimanicomial no Brasil GIANESINI, Huilla Mariana Salviano * RESUMO Este artigo científico pretende analisar a situação do doente mental, considerado incapaz

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL

O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL O APOIO MATRICIAL COMO PROCESSO DE CUIDADO NA SAÚDE MENTAL Patrícia de Bitencourt Toscani 1 Durante a década de 70, o processo da Reforma Psiquiátrica possibilitou construir uma nova política de saúde

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL

INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL INTERDIÇÃO E CURATELA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ANGRA DOS REIS RJ BRASIL INSTITUCIÓN: Prefeitura Municipal de Angra dos Reis Estado do Rio de Janeiro Brasil ÁREA TEÓRICO/PRÁCTICO:

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA.

SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO (SRT): UM AVANÇO NO PROCESSO ANTIMANICOMIAL E REFORMA PSIQUIÁTRICA. Josiane F. Lozigia Carrapato 1 Sueli Cavicchioli Azevedo 2 INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA A Saúde Mental vem

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 A REFORMA PSIQUIATRICA E A (DES) ATENÇÃO A FAMÍLIA CUIDADORA Diuslene Rodrigues Fabris 1 RESUMO: O artigo visa proporcionar uma aproximação acerca da realidade socialmente construída no que diz respeito

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO

O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO O TRABALHO EM OFICINAS TERAPÊUTICAS DO CAPSI DE CASCAVEL: CARACTERIZAÇÃO DE UM SERVIÇO Valéria Leite Soares de Araújo 1 RESUMO Este trabalho será apresentado em forma de comunicação oral e tem por objetivo

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS Partindo do ponto de que a saúde mental está vivendo, há alguns anos,

Leia mais

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO

PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO PALHAÇADA E LOUCURA: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DE PALHAÇOS CUIDADORES EM UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO CARVALHO, Lucas Emmanuel 1 COSTEIRA, Aldenildo A. M. F. 2 DIAS, Gustavo Vieira 3 NASCIMENTO, Janine

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO?

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? Autor(a): Fernando Antonio Pereira Leite Coautor(es): Fernanda Guarany Mendonça Leite Email: fernando.leite1@gmail.com Este trabalho está

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA VIII Colegiado Nacional de Saúde da Pessoa Idosa CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA CUCA FRESCA Marla Borges de Castro Terapeuta ocupacional, sanitarista Secretaria Municipal de Saúde Centro de Convivência

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE A LOUCURA E A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL

ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE A LOUCURA E A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE A LOUCURA E A REFORMA PSIQUIÁTRICA NO BRASIL Joselice Moreira de Souza Carvalho 1, Líscia Moreira Carvalho 2, Luciana Alves Oliveira Weber 3 Universidade Estadual do Sudoeste da

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!&

li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!& li'm(i)~mr:.\r&~ ~[~ ~~~ ~~~.l, ~~~:r,,~{íe.c.~ ~~ ~@)g ~ 1liiJ~mmrl!& A RENTEGRACÃOSOCAL ~ É O MELHOR TRATAMENTO Na história da atenção às pessoas com transtornos mentais no Brasil, por muito tempo o

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Abril, 2009. Clínica de Projetos

Abril, 2009. Clínica de Projetos Abril, 2009 Clínica de Projetos Apresentação O Programa Clínica de Projetos Dispositivos da Clínica Ampliada: - Tramando a Rede - Site - Interlocuções - Eventos Clínica de Projetos Clínica de Projetos

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Arte e Saúde Mental: mapeamento e análise de trabalhos na Região Sudeste

Arte e Saúde Mental: mapeamento e análise de trabalhos na Região Sudeste Arte e Saúde Mental: mapeamento e análise de trabalhos na Região Sudeste Patrícia Fonseca de Oliveira (PIBIC/FAPEMIG) Walter Melo Júnior (Orientador/DPSIC) pattypsiche@hotmail.com wmelojr@gmail.com Resumo:

Leia mais