A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA"

Transcrição

1 A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA INCLUSIVA? 5- PORQUE EXISTEM ESCOLAS REGULARES E ESCOLAS ESPECIAIS? 6- A APAE PODE CONTRIBUIR COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? COMO ISSO É POSSÍVEL? 7- O QUE VOCÊ - PROFESSORA, DIRETORA, PRESIDENTE - DA APAE PODE FAZER PARA QUE AS ESCOLAS DO SEU MUNICÍPIO SEJAM ESCOLAS INCLUSIVAS? E PARA QUE A ESCOLA DA APAE NÃO SEJA SEGREGADA? 8- E VOCÊ, ALUNO DA APAE, O QUE PODE FAZER? E SUAS FAMÍLIAS, PODEM COLABORAR? 9- A EDUCAÇÃO INCLUSIVA VAI ACABAR COM A ESCOLA DA APAE? QUE PAPEL VAI CABER A ELA, QUANDO ESSE MODELO ESTIVER IMPLEMENTADO? 10- COMO E PORQUE NÓS TODOS DEVEMOS COLABORAR COM A CONSTRUÇÃO DA ESCOLA INCLUSIVA?

2 APRESENTAÇÃO A EDUCAÇÃO INCLUSIVA É, NO MOMENTO, UM ENORME DESAFIO PARA O NOSSO SISTEMA EDUCACIONAL. ELA REPRESENTA UM NOVO CAMINHO QUE ESTÁ SENDO CONSTRUÍDO POR TANTAS E TANTAS PESSOAS QUE SONHAM COM UMA SOCIEDADE JUSTA, SOLIDÁRIA E PRONTA PARA GARANTIR OS DIREITOS DE TODAS AS PESSOAS QUE NELA VIVEM. QUANDO FALAMOS EM VIVER, ESTAMOS PREOCUPADAS COM O SENTIDO PLENO DA PALAVRA VIVER: VIVER SIGNIFICA CONVIVER, COMPARTILHAR, DESFRUTAR, PARTICIPAR, RELACIONAR, INTERAGIR, TROCAR. SABEMOS QUE ESSAS VIVÊNCIAS CONTINUAM SENDO, SENÃO NEGADAS, AINDA DIFICULTADAS PARA UM NÚMERO SIGNIFICATIVO DE CRIANÇAS, JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA. A EDUCAÇÃO INCLUSIVA É, SEM DÚVIDA, UMA CONQUISTA QUE VAI FACILITAR QUE ESSAS VIVÊNCIAS PASSEM A FAZER PARTE DA VIDA DE TODAS ESSAS PESSOAS, CIDADÃOS DE DIREITOS E DEVERES, COMO TODOS. AS APAES DE MINAS GERAIS, CUJA MISSÃO MAIOR ESTÁ NA DEFESA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, QUEREM SER PARCEIRAS NA CONSTRUÇÃO DESSE CAMINHO----LONGO E MUITAS VEZES AINDA ÁRIDO----- DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM NOSSO ESTADO. PARA ISSO, PENSAMOS EM COLOCAR NAS MÃOS DE TODOS OS NOSSOS PROFESSORES, E QUEM SABE, TAMBÉM NA DE TANTOS OUTROS EDUCADORES ENVOLVIDOS COM ESSA NOVA CAMINHADA DA EDUCAÇÃO, UMA CARTILHA SOBRE O TEMA. ESTA CARTILHA, ELABORADA SOB A FORMA DE QUESTÕES PROBLEMATIZADORAS, PRETENDE PROVOCAR E ESTIMULAR A DISCUSSÃO COM OS NOSSOS ALUNOS E SUAS FAMÍLIAS, PARA QUE TAMBÉM ELES POSSAM COMPREENDER DE QUE ESCOLA ESTAMOS FALANDO, QUANDO FALAMOS DA ESCOLA INCLUSIVA. E AO COMPREENDER, POSSAM TAMBÉM OPINAR SOBRE A ESCOLA QUE DESEJAM TER. PENSAMOS AINDA QUE, AO DISCUTIRMOS AS QUESTÕES PROPOSTAS, ESTAREMOS ENFRENTANDO OS NOSSOS PRÓPRIOS MEDOS E CONFLITOS PESSOAIS E POR QUE NÃO, NOSSAS PRÓPRIAS BARREIRAS E RESISTÊNCIAS INTERIORES. ESPERAMOS QUE CADA PROFESSOR, SENTINDO-SE MOTIVADO POR ESSAS QUESTÕES, POSSA ACRESCENTAR MUITAS E MUITAS OUTRAS, SURGIDAS NO COTIDIANO DE SUA CONVIVÊNCIA COM SEUS ALUNOS, FAZENDO COM QUE ESSA CARTILHA SEJA MAIS UM INSTRUMENTO FACILITADOR DE UM DEBATE SÉRIO E COMPROMETIDO, DENTRO DO NOSSO PROGRAMA DE ORGANIZAÇÃO DOS AUTO-DEFENSORES. MARIA DO CARMO MENICUCCI COORDENADORA PEDAGÓGICA

3 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA INCLUSÃO ESCOLAR? A INCLUSÃO ESCOLAR FAZ PARTE DE UM MOVIMENTO MUITO MAIOR, QUE É A INCLUSÃO SOCIAL DE TODAS AS PESSOAS QUE, AO LONGO DA HISTÓRIA, FORAM DISCRIMINADAS, SEGREGADAS E AFASTADAS DA CONVIVÊNCIA COM OUTRAS PESSOAS CONSIDERADAS NORMAIS : AS PESSOAS MUITO POBRES, MUITO FEIAS, OS NEGROS, AS MULHERES, AS PESSOAS ABANDONADAS, AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. ESSES GRUPOS FORAM ENTÃO EXCLUÍDOS DOS AMBIENTES SOCIAIS PÚBLICOS, PORQUE ACREDITAVA-SE QUE ELES ERAM MUITO DIFERENTES DOS OUTROS, CONSIDERADOS ENTÃO COMO PESSOAS INFERIORES E INCAPAZES DE CONVIVEREM NA SOCIEDADE. E A ESCOLA TAMBÉM OS DISCRIMINOU. NÃO OS RECEBEU, PORQUE NÃO SABIA COMO LIDAR COM SUAS DIFERENÇAS. COM A MUDANÇA DAS SOCIEDADES, QUE FORAM SE TRANSFORMANDO EM SOCIEDADES MAIS DEMOCRÁTICAS, ESSAS PESSOAS E SUAS FAMÍLIAS PASSARAM A SE ORGANIZAR E A EXIGIR OS SEUS DIREITOS. FOI ENTÃO QUE TAMBÉM AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS INICIARAM A SUA LUTA PELO DIREITO À ESCOLA. COMO A ESCOLA REGULAR NÃO SE ABRIA PARA A MAIORIA DAS PESSOAS ENTÃO CONSIDERADAS DOENTES, SURGIRAM AS ESCOLAS ESPECIAIS, COMO ESPAÇO EXCLUSIVO PARA AS CRIANÇAS E JOVENS CUJA DEFICIÊNCIA MOTIVOU A SUA EXCLUSÃO DA ESCOLA REGULAR, SOB A JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE DE UM ATENDIMENTO ESPECIALIZADO. DURANTE MUITOS ANOS A ESCOLA ESPECIAL FOI A ÚNICA ALTERNATIVA DISPONÍVEL PARA ESSES ALUNOS, EMBORA AINDA HOJE, SEJAM POUCOS OS QUE MESMO A ELA CONSEGUEM TER ACESSO. COM O AVANÇO DA SOCIEDADE, A LUTA PELA INCLUSÃO SOCIAL E PELO RESPEITO Á DIVERSIDADE SE FORTALECE E FAZ CRESCER, EM TODO O MUNDO, A LUTA POR UMA ESCOLA QUE POSSA ATENDER A TODOS OS ALUNOS, SEM RÓTULOS E SEM CLASSIFICAÇÕES DISCRIMINATÓRIAS. ESTA É A ESCOLA INCLUSIVA, QUE A DECLARAÇÃO DE SALAMANCA DEFENDEU EM 1994, NA ESPANHA E QUE O BRASIL ADOTOU COMO DIRETRIZ PAR SUA POLÍTICA EDUCACIONAL A EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÁ AINDA EM CONSTRUÇÃO. O CAMINHO NÃO ESTÁ PRONTO. ESTÁ SENDO TRAÇADO, POUCO A POUCO, EM CADA MUNICÍPIO, EM CADA ESCOLA, POR TODOS AQUELES QUE QUEREM CONTRIBUIR COM UM SISTEMA EDUCACIONAL DE QUALIDADE PARA TODOS OS ALUNOS. A INCLUSÃO ESCOLAR É, PORTANTO, UM CAMINHO A SER BUSCADO POR TODOS, COM COMPROMISSO, RESPONSABILIDADE E SOBRETUDO COM A CRENÇA DE QUE ESSA CONSTRUÇÃO É POSSÍVEL. VAMOS DISCUTIR MELHOR ESSA IDÉIA?

4 2- O QUE SIGNIFICA A INCLUSÃO ESCOLAR? A INCLUSÃO ESCOLAR SIGNIFICA QUE TODAS AS CRIANÇAS E JOVENS EM IDADE ESCOLAR DEVEM FREQUENTAR A MESMA ESCOLA, E QUE ESTA ESCOLA DEVE ESTAR ORGANIZADA PARA ATENDER AS NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE TODOS OS SEUS ALUNOS. NO ENTANTO, A INCLUSÃO ESCOLAR NÃO SIGNIFICA APENAS COLOCAR TODOS OS ALUNOS NA ESCOLA COMUM, FAZENDO ASSIM UMA INCLUSÃO APENAS FÍSICA. A INCLUSÃO ESCOLAR SIGNIFICA GARANTIR O ACESSO, A PERMANÊNCIA E O SUCESSO ESCOLAR TAMBÉM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA. PARA ISSO, A ESCOLA TEM DE OFERECER OS SUPORTES QUE O ALUNO VAI PRECISAR PARA QUE ELE POSSA, DE FATO, ESTAR INCLUÍDO. ESSES SUPORTES SÃO OS APOIOS PEDAGÓGICOS, OS APOIOS CLÍNICOS, A REMOÇÃO DAS BARREIRAS, OS RECURSOS MATERIAIS E TUDO O QUE FOR NECESSÁRIO PARA QUE O ALUNO POSSA APRENDER COMO E COM OS OUTROS. PARA GARANTIR ESSES SUPORTES, É PRECISO QUE OS ÓRGÃOS PÚBLICOS DE EDUCAÇÃO, AS SECRETARIAS DE EDUCAÇÃO ESTADUAL E MUNICIPAL ESTEJAM TAMBÉM COMPROMETIDAS COM A INCLUSÃO ESCOLAR, PARA QUE GARANTAM ALGUMAS CONDIÇÕES QUE POSSAM FACILITAR A ENTRADA DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA ESCOLA COMUM: ESCOLAS ACESSÍVEIS, SEM BARREIRAS, PROFESSORES MELHOR PREPARADOS, NÚMERO MENOR DE ALUNOS NAS SALAS INCLUSIVAS, APOIOS PEDAGÓGICOS, COMO E QUANDO NECESSÁRIO, O PROFESSOR DE APOIO, MATERIAIS ESPECÍFICOS ( BRAILLE, SOROBÃ, DENTRE OUTROS) PROFESSOR INTÉRPRETE. ESSAS.SÃO AS CHAMADAS ADAPTAÇÕES DE GRANDE PORTE. NA ESCOLA, AS ADAPTAÇÕES NECESSÁRIAS, SÃO AS CHAMADAS DE PEQUENO PORTE, OU SEJA, AQUELAS QUE O PROFESSOR MESMO DEVE PROVIDENCIAR: NOVAS FORMAS DE ENSINAR, DE AVALIAR, DE ACOMPANHAR O DESENVOLVIMENTO DE SEUS ALUNOS, DE SE RELACIONAR COM AS SUAS DIFERENÇAS, DE TRABALHAR DE FORMA COOPERATIVA, DE BUSCAR APOIOS ATRAVÉS DE PARCERIAS COM OUTRAS INSTITUIÇÕES E OUTROS PROFISSIONAIS. ESTAS DEPENDEM DAS NECESSIDADES QUE CADA ALUNO APRESENTA. VAMOS COMPRENDER MELHOR ESTE SIGNIFICADO?

5 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? HOJE NÓS PODEMOS AFIRMAR QUE O BRASIL TEM UM ARCABOUÇO LEGAL MUITO AVANÇADO, NO QUE SE REFERE Á GARANTIA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. NOSSA LUTA, NO ENTANTO, É PARA QUE ELAS SEJAM RESPEITADAS E IMPLEMENTADAS. PARA ISSO, TORNA-SE NECESSÁRIO CONHECER E MULTIPLICAR O CONHECIMENTO DAS LEGISLAÇÕES EM CADA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA. NA ÁREA DA EDUCAÇÃO PODEMOS DESTACAR: - A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ( 1998) ART A LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL ( LDBN )- LEI Nº 9394 DE A LEI DOS DIREITOS DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA - LEI Nº 7853 / O DECRETO Nº 3298 / 1999, QUE REGULAMENTA A LEI A LEI Nº10098 / 2000 SOBRE A ACESSIBILIDADE - AS DIRETRIZES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA ( MEC / 2000 ) - AS DIRETRIZES ESTADUAIS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM MINAS GERAIS. ( A SEREM PUBLICADAS ) TODAS ESSAS LEIS E DECRETOS DETERMINAM QUE A EDUCAÇÃO DAS PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DEVE SER OFERECIDA PREFERENCIALMENTE NA REDE REGULAR DE ENSINO E SÓ EXTRAORDINÁRIAMENTE EM ESCOLAS ESPECIAIS, PARA AQUELES ALUNOS QUE REQUEIRAM APOIOS INTENSOS E PERMANENTES, QUE A ESCOLA COMUM NÃO CONSEGUE PROVER. VAMOS PROCURAR CONHECÊ-LAS E DIVULGÁ-LAS?

6 4- O QUE É UMA ESCOLA INCLUSIVA? É AQUELA ESCOLA QUE NÃO REJEITA A MATRÍCULA DE NENHUM ALUNO, INDEPENDENTE DAS CONDIÇÕES QUE ELE APRESENTA. É AQUELA QUE SE PREOCUPA COM A PERMANÊNCIA DE SEUS ALUNOS, DE FORMA A NÃO EXCLUÍ-LOS NO PERCURSO ESCOLAR. É AQUELA ESCOLA QUE SE PREOCUPA COM O DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS SEUS ALUNOS, BUSCANDO SEMPRE CRIAR SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA TODOS. É AQUELA QUE ESTÁ PREOCUPADA COM FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CONSCIENTES, PREPARADOS PARA A VIDA FORA DOS MUROS DA ESCOLA. É AQUELA QUE ESTÁ COMPROMETIDA COM A FORMAÇÃO CONTINUADA DE SEUS PROFESSORES, QUE INCENTIVA O TRABALHO COOPERATIVO, QUE RESPEITA A DIVERSIDADE HUMANA, QUE SE ORGANIZA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DE SEUS ALUNOS. É AQUELA QUE OFERECE OS APOIOS E SUPORTES NECESSÁRIOS AO SUCESSO ESCOLAR DE SEUS ALUNOS. É AQUELA QUE BUSCA A PARCERIA DISPONÍVEL PARA PODER OFERECER UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PARA TODOS. É A ESCOLA ACOLHEDORA, CUJO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO ESTÁ FUNDAMENTADO NUMA PEDAGOGIA HUMANISTA E INCLUSIVISTA. ENFIM, É A ESCOLA QUE BUSCAMOS E QUE ESTAMOS COMEÇANDO A COLOCAR AS BASES PARA SUSTENTAR A SUA CONSTRUÇÃO. VAMOS AJUDAR A CONSTRUÍR ESTA ESCOLA INCLUSIVA?

7 5- PORQUE AS ESCOLAS REGULARES E AS ESCOLAS ESPECIAIS SÃO DIFERENTES? HOUVE UM TEMPO EM QUE AS ESCOLAS PÚBLICAS SÓ RECEBIAM AS CRIANÇAS E JOVENS PERTENCENTES Á FAMÍLIAS QUE TINHAM BOAS CONDIÇÕES FINANCEIRAS, BOA SITUAÇÃO SOCIAL, ERAM INTELIGENTES, ENFIM, A CRIANÇAS E JOVENS SEM PROBLEMAS. QUANDO OUTRAS CRIANÇAS E JOVENS, VINDAS DE OUTRAS CLASSES SOCIAIS COMEÇARAM A CHEGAR NAS ESCOLAS PÚBLICAS, ELAS COMEÇARAM A AFASTAR E A RECUSAR AS CRIANÇAS CHAMADAS PROBLEMÁTICAS. DENTRE ESSAS, ESTAVAM AS CRIANÇAS QUE APRESENTAVAM FRACASSO NA APRENDIZAGEM, AS QUE APRESENTAVAM CARACTERISTICAS MUITO DIFERENTES DA MAIORIA, AS QUE APRESENTAVAM DEFICIÊNCIAS. FOI ASSIM QUE ENTÃO SURGIU A EDUCAÇÃO ESPECIAL, QUE SE EXPANDIU EM CLASSES E ESCOLAS ESPECIAIS, PARA ATENDER AQUELAS CRIANÇAS E JOVENS QUE NÃO TINHAM ACESSO ÁS ESCOLAS REGULARES. ESTAS ESCOLAS SE ORGANIZARAM DE FORMA DIFERENCIADA E COM O TEMPO, FORAM CONSTITUINDO UM OUTRO SISTEMA DE EDUCAÇÃO : O SISTEMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, QUE FOI FICANDO DISTANTE E DIFERENCIADO DO SISTEMA EDUCACIONAL REGULAR. ESTE NÃO FOI UM DESDOBRAMENTO POSITIVO, POIS FORTALECEU O RÓTULO, A SEGREGAÇÃO E A SEPARAÇÃO ENTRE DEFICIENTES E NÃO DEFICIENTES, ENTRE NORMAIS E ANORMAIS. AS ESCOLAS ESPECIAIS OFERECIAM VANTAGENS E DESVANTAGENS AOS ALUNOS : ERAM ESCOLAS MENORES, COM TURMAS REDUZIDAS, COM ATENDIMENTO ESPECIALIZADO, COM CUIDADOS E PROTEÇÃO INDIVIDUAIS. PORÉM NÃO PRIVILEGIAVAM A EDUCAÇÃO ESCOLAR E NÃO GARANTIAM A VIDA ESCOLAR QUE TODO ALUNO TEM DIREITO. A PRIORIDADE SEMPRE FOI O CUIDADO PESSOAL, A CLÍNICA, A SOCIALIZAÇÃO, PECANDO NO QUE SE REFERE À INFORMALIDADE NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A ESCOLA REGULAR, CUMPRE NORMAS ESCOLARES DEFINIDAS PELO SISTEMA E, EMBORA NÃO SENDO AINDA SUFICIENTEMENTE CAPAZ DE ENFRENTAR O FRACASO ESCOLAR DE MUITOS, ASSEGURA UMA VIDA ESCOLAR RECONHECIDA NO PAÍS COMO E EDUCAÇÃO ESCOLAR FORMAL. A ESCOLA ESPECIAL, NA MAIORIA DAS VEZES, NÃO ESTIMULAVA A CONVIVÊNCIA DE SEUS ALUNOS COM OS SEUS PARES NÃO DEFICIENTES ALÉM DISSO, ELA PASSOU A RECEBER OS ALUNOS QUE A ESCOLA COMUM ENCAMINHA, FORTALECENDO, DESSA FORMA, A NÃO REORGANIZAÇÃO DE TODAS AS ESCOLAS. VAMOS CONHECER MELHOR ESSAS ESCOLAS?

8 6- COMO A APAE PODE CONTRIBUIR COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? È POSSÍVEL A INTERLOCUÇÃO ENTRE AS ESCOLAS? A APAE, COMO INSTITUIÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA TEM O DEVER DE SE COMPROMETER E DE CONTRIBUIR COM A CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM NOSSO PAÍS. A EDUCAÇÃO INCLUSIVA É NECESSÁRIA E FUNDAMENTAL PARA A INCLUSÃO SOCIAL. SEM O ACESSO À ESCOLA, DIFICILMENTE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA CONSEGUIRÃO EXERCER A SUA CIDADANIA COM PLENITUDE. AS APAES DE MINAS GERAIS TÊM UMA VASTA EXPERIÊNCIA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA. AS APAES DE MINAS GERAIS TÊM UM QUADRO DE PROFISSIONAIS COMPETENTES E EXPERIENTES TANTO NO ATENDIMENTO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR QUANTO NO ATENDIMENTO CLÍNICO. AS APAES DE MNAS GERAIS CONTAM COM MUITOS AMBIENTES EQUIPADOS PARA DAR SUPORTE ÁS MUITAS DAS NECESSIDADES ESPECÍFICAS QUE OS ALUNOS APRESENTAM AO GHEGAREM NAS ESCOLAS. AS APAES DE MINAS GERAIS TÊM HOJE, AS SUAS ESCOLAS ESPECIAIS REGULARIZADAS, DE FORMA A PERMITIR A TRANSFERÊNCIA DE MUITOS DE SEUS ALUNOS PARA AS ESCOLAS COMUNS, E DE FORMA A GARANTIR, PARA OS QUE NELA PERMANECEREM, UM PERCURSO ESCOLAR RECONHECIDO COMO VÁLIDO. MAIS IMPORTANTE DO QUE TUDO ISSO, AS APAES DE MINAS GERAIS PODEM DISPONIBILIZAR OS SEUS ESFORÇOS, A SUA EXPERIÊNCIA E OS SEUS RECURSOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO QUE NÃO SEGREGUE, QUE NÃO ROTULE, QUE NÃO DISCRIMINE. AS ESCOLAS DAS APAES DE MINAS GERAIS PODEM E QUEREM SER PARCEIRAS DAS ESCOLAS PÚBLICAS, FORTALECENDO A CRIAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO À INCLUSÃO ESCOLAR VAMOS CONHECER MELHOR O PROGRAMA APAE EDUCADORA? VAMOS FORTALECER A PARCERIA COM AS ESCOLAS PÚBLICAS?

9 7- O QUE VOCÊ -PROFESSORA, DIRETORA, PRESIDENTE, PROFISSIONAL DA APAE-- PODE FAZER PARA QUE AS ESCOLAS DO SEU MUNICÍPIO POSSAM SE TRANSFORMAR EM ESCOLAS INCLUSIVAS? E A ESCOLA DA APAE, COMO PODE SE ENVOLVER NESSA CONSTRUÇÃO? A EDUCAÇÃO INCLUSIVA SÓ VAI ACONTECER A PARTIR DE UMA DECISÃO DO MUNICÍPIO. É NO MUNICÍPIO QUE A MUDANÇA SE FARÁ DE FATO. ESTA MUDANÇA IMPLICA NUMA REORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS, TANTO DA ESCOLA ESPECIAL QUANTO DA ESCOLA COMUM E ISSO EXIGE QUE SEJA FIRMADO UM PACTO, QUE SEJA EXPLICITADO O ACOLHIMENTO DA ESCOLA E DOS EDUCADORES Á ESSE PARADIGMA DA INCLUSÃO ESCOLAR SEM A ADESÃO DAS ESCOLAS E DOS EDUCADORES, A INCLUSÃO ESCOLAR NÃO ESTARÁ PRESENTE NO COTIDIANO DAS ESCOLAS. E SERÁ MAIS UM DISCURSO POLÌTICAMENTE CORRETO. A APAE, PODE E DEVE, A EXEMPLO DO QUE JÁ VEM ACONTECENDO EM INÚMEROS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE MG, SE COLOCAR COMO A INSTITUIÇÃO FACILITADORA DESSA MUDANÇA. ELA PODE PROVOCAR A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO, TENDO COMO REFERÊNCIA A SUGESTÃO ANEXADA A ESSA CARTILHA. ELA PODE TAMBÉM SER PARCEIRA DAS ESCOLAS COMUNS DA REDE PÚBLICA, ORGANIZANDO OS SEUS SERVIÇOS DE APOIO Á INCLUSÃO ESCOLAR, PARTICIPANDO DOS EVENTOS DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES, BEM COMO ORGANIZANDO EVENTOS COLETIVOS DE CAPACITAÇÃO----ESCOLA DA APAE E ESCOLAS COMUNS----- ONDE A INCLUSÃO SEJA O FOCO DAS DISCUSSÓES. OS MUNICÍPIOS QUE SE ENVOLVERAM COM ESSA PROPOSTA JÁ REGISTRAM UMA MOVIMENTAÇÃO INVERSA DOS ALUNOS ENTRE A ESCOLA COMUM E A APAE: APRESENTAM REDUÇÃO DOS ENCAMINHAMENTOS DAS ESCOLAS COMUNS PARA A APAE E AMPLIAÇÃO DA TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS DA APAE PARA A ESCOLA COMUM! COM ISSO, A APAE ESTÁ SE ORGANIZANDO PARA AMPLIAR AS SUAS VAGAS PARA MUITOS ALUNOS COM COMPROMETIMENTOS GRAVES, QUE SE ENCONTRAM FORA DE QUALQUER ATENDIMENTO ESCOLAR. ESSA È UMA RESPONSABILIDADE COLETIVA: DEPENDE MUITO DA CONTRIBUIÇÃO DE CADA UM DE NÓS. VAMOS ORGANIZAR A NOSSA CONTRIBUIÇÃO? VAMOS REGISTRAR E SOCIALIZAR A NOSSA EXPERIÊNCIA?

10 8- E VOCÊ, ALUNO DA APAE, COMO PODE PARTICIPAR DESSE MOVIMENTO PELA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? E SUA FAMÍLIA, PODE AJUDAR? COMO? CADA ALUNO DEVE ESTAR ATENTO AO PROGRAMA DE ORGANIZAÇÃO DOS AUTO-DEFENSORES EM SUA APAE. CASO ELE AINDA NÃO TENHA SIDO IMPLANTADO, COMECE A FAZÊ-LO. ESTE PROGRAMA VAI AJUDÁ-LO A SER UMA PESSOA MAIS ATUANTE, MAIS PARTICIPATIVA E MAIS RESPEITADA EM TODOS OS ESPAÇOS QUE FREQUENTAR. VAI AJUDÁ-LO A CONHECER OS SEUS DIREITOS E OS SEUS DEVERES. CONHECENDO OS SEUS DIREITOS, CADA ALUNO VAI LUTAR PELO CUMPRIMENTO DELES E QUANTO MAIS ALUNOS ESTIVEREM PREPARADOS PARA ISSO, MAIS CONQUISTAS SERÃO ATINGIDAS. O DIREITO A UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÁ ESCRITO NA LDBEN ( LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL ) E É IMPORTANTE CONHECÊ-LA! O PROGRAMA DE ORGANIZAÇÃO DOS AUTO-DEFENSORES TAMBÉM VAI AJUDÁ-LO A SER MAIS PARTICIPATIVO DENTRO DA ESCOLA DA APAE : VOCÊ VAI SE SENTIR MAIS SEGURO PARA DIZER E MOSTRAR O QUE DESEJA APRENDER NA ESCOLA PARA VIVER MELHOR NA SUA COMUNIDADE. PROCURE TAMBÉM CONHECER OUTRAS ESCOLAS DE SUA CIDADE. SUA FAMÍLIA TAMBÉM DEVE PROCURAR INFORMAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO INCLUSIVA. ELA TAMBÉM DEVE PARTICIPAR E OPINAR SOBRE A ESCOLA E SOBRE A SUA APRENDIZAGEM. A EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA E PARA NÃO HAVER PREJUÍZOS, É PRECISO QUE VOCÊ E SUA FAMÍLIA ESTEJAM INFORMADOS E DISCUTAM ESSA CONSTRUÇÃO. VAMOS FALAR SOBRE A ESCOLA QUE QUEREMOS E SOBRE O QUE QUEREMOS DA ESCOLA?

11 9- A EDUCAÇÃO INCLUSIVA VAI ACABAR COM A ESCOLA DA APAE? QUE PAPEL CABE Á ESCOLA ESPECIAL NESSE PROCESSO? ALGUNS ESTUDIOSOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL TÊM SE PREOCUPADO COM O QUE ESTÃO CHAMANDO DE RESSIGNIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA MUITOS DESSES EDUCADORES, NÃO CONSTRUIREMOS AS ESCOLAS INCLUSIVAS NO BRASIL ATRAVÉS DO DESMONTE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL, MAS SIM ATRAVÉS DA REDEFINIÇÃO DO PAPEL QUE VAI CABER A CADA UMA DAS AGÊNCIAS EDUCACIONAIS. NESTA ÓTICA, A RESSIGNIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL VAI EXIGIR UMA INTERLOCUÇÃO PERMANENTE ENTRE A ESCOLA COMUM E A ESCOLA ESPECIAL, DE FORMA A QUE SEJA CONSTRUÍDA UMA PRÁTICA COOPERATIVA ENTRE ELAS E QUE SEJA POSSÍVEL ORGANIZAR OS SERVIÇOS DE APOIO MÚTUO. ESSA INTERLOCUÇÃO, QUE SE TORNA TÃO NECESSÁRIA NESSE MOMENTO DE TRANSIÇÃO DE UM MODELO EDUCACIONAL PARA OUTRO, DEVERÁ SE CONCRETIZAR MEDIANTE A SUA INCLUSÃO NOS EVENTOS DE PLANEJAMENTO, AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DA AÇÃO PEDAGÓGICA DE AMBAS AS ESCOLAS. É PRECISO ACREDITAR QUE AS DUAS TÊM MUITO O QUE APRENDER E O QUE ENSINAR MUTUAMENTE. QUEM SABE CHEGARÁ O DIA EM QUE TODAS AS ESCOLAS SERÃO ESPECIAIS NA QUALIDADE DO ATENDIMENTO, NA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA, PRONTAS A ATENDER, SEM RESTRIÇÕES, À TODAS AS NECESSIDADES ESPECIAIS DE TODOS OS ALUNOS? NESSE DIA ENTÃO, A APAE NÃO MAIS VAI PRECISAR OFERECER SERVIÇOS DE ATENDIMENTO ESCOLAR, DE SAÚDE, DE ESPORTE, DE LAZER, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE PREPARAÇÃO PARA O TRABALHO A ESTA PARCELA DA POPULAÇÃO COM DEFICIÊNCIA, PORQUE ELES ESTARÃO TENDO AS SUAS NECESSIDADES BEM ATENDIDAS PELAS POLÍTICAS PÚBLICAS UNIVERSAIS, EM ESPAÇOS PÚBLICOS SEM RESTRIÇÕES. NESSE DIA, VIVEREMOS NUMA SOCIEDADE ONDE NÃO HAVERÁ ESPAÇO PARA A EXCLUSÃO, PORQUE A DIVERSIDADE SERÁ RESPEITADA POR TODOS. NESSE NOVO TEMPO, A APAE PODERÁ DEIXAR DE TER UMA ESCOLA PARA SER, ACIMA DE TUDO, UM MOVIMENTO VIGILANTE DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA! VAMOS SONHAR E TRABALHAR JUNTOS POR UMA SOCIEDADE INCLUSIVA?

12 10- COMO E POR QUE DEVEMOS, TODOS NÓS, COLABORAR COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? PORQUE TEMOS DE ESTAR EM CONSONÂNCIA, CONTRA TODAS AS FORMAS DE EXCLUSÃO. PORQUE A INCLUSÃO SE FARÁ PELA INQUIETAÇÃO COLETIVA DE EDUCADORES E EDUCANDOS. PORQUE A ESCOLA INCLUSIVA SERÁ CONSTRUÍDA PELOS DESAFIOS QUE ESTÃO MOBILIZANDO PROFISSIONAIS, ALUNOS E PAIS. PORQUE A NOSSA FORÇA COLETIVA SERÁ CAPAZ DE COMPROMETER OS GOVERNOS COM A REORGANIZAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL, PARA TORNÁ-LO ACESSÍVEL A TODOS. PORQUE TEMOS DE ABRIR ESPAÇOS PARA A CONVIVÊNCIA RESPEITOSA COM A DIVERSIDADE HUMANA. PORTANTO, NÓS CONVIDAMOS A TODOS, EDUCADORES, DIRIGENTES, FAMILIARES E ALUNOS A REFIRMAREM, DIA APÓS DIA, O COMPROMISSO COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM NOSSO MUNICÍPIO, ACREDITANDO QUE ENTRE ERROS, ACERTOS E CONSERTOS ESTAMOS AVANÇANDO NESSA CAMINHADA. VAMOS TODOS FAZER PARTE DESSA CAMINHADA EM DIREÇÃO À JUSTIÇA SOCIAL?

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

Iniciando nossa conversa

Iniciando nossa conversa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Garantindo acesso e permanência de todos os alunos na escola Necessidades educacionais especiais dos alunos Iniciando nossa conversa Brasília 2005

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito -

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito - POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE - Não seja portador de Preconceito - 2014 1 OBJETO As Políticas Institucionais de Acessibilidade Não seja portador de preconceito tem como objetivo promover ações

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação Política de Formação da SEDUC A escola como lócus da formação A qualidade da aprendizagem como objetivo estratégico A qualidade de uma escola é o resultado da qualidade da relação de ensino e aprendizagem

Leia mais

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR.

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. Autores: FRANCISCO MACHADO GOUVEIA LINS NETO e CELIA MARIA MARTINS DE SOUZA Introdução Atualmente,

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE Ana Carolina Marques de GOES 1 RESUMO: A educação inclusiva, especificamente relativa às pessoas com deficiência, é um assunto muito

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Bárbara Lea Guahyba 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O artigo aqui apresentado tem como tema a inclusão social de pessoas portadoras de síndrome de

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2004

PROJETO DE LEI N O, DE 2004 PROJETO DE LEI N O, DE 2004 (Do Sr. Wladimir Costa) Dispõe sobre o atendimento educacional especializado em classes hospitalares e por meio de atendimento pedagógico domiciliar. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO BOM PROGRESSO- RS 2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM PROGRESSO Administração: Armindo Heinle CNPJ. 94726353/0001-17 End. Av. Castelo Branco, n 658 Centro CEP:

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 1 ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO AUTORES Antônio Roberto Silva Santos arsilvasantos@gmail.com Elisângela Santana Nascimento esna_1@yahoo.com.br Fânia

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Oficina: Articulação de propostas de políticas públicas para inclusão escolar de alunos portadores

Leia mais

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França amandi'a_07@hotmail.com Jaqueline dos Santos Costa santoscosta_jaqueline@hotmail.com Mirsa Gabriela gabiflorosa@hotmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO O atual modelo econômico e social tem gerado enormes desequilíbrios ambientais. O

INTRODUÇÃO O atual modelo econômico e social tem gerado enormes desequilíbrios ambientais. O RELATO DE CASO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E FORMAÇÃO DE DOCENTES Ribeiro, Lucas Soares Vilas Boas 1, Leite, Eugenio Batista 2 INTRODUÇÃO O atual modelo econômico e social tem gerado enormes desequilíbrios ambientais.

Leia mais

Projeto em Capacitação ao Atendimento de Educação Especial

Projeto em Capacitação ao Atendimento de Educação Especial Projeto em Capacitação ao Atendimento de Educação Especial Prof.: Sírio Chies Aluna: Talita Tichz TEMA: Educação Inclusiva. PROBLEMA: Quais são as situações, dificuldades e limitações enfrentadas pelos

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE COSTA, Efigênia Maria Dias 1 NEVES, Elidiana Oliveira das 2 OLIVEIRA, Marta Luis de 3 SANTOS, Jefferson Silva de Barros 4 SILVA, Luiz Eduardo

Leia mais

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Poliana Helena Batista Thomaz PUC-Campinas Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid PUC-Campinas Na pesquisa

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, estamos no período em que se comemoram os vinte anos de promulgação da Constituição Cidadã de

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS IDENTIFICAÇÃO O presente projeto de intervenção está sendo desenvolvido na Escola Municipal Professor

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

difusão de idéias QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção

difusão de idéias QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias janeiro/2007 página 1 QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção Maria Lucia Machado e Maria Malta Campos: Na maioria dos países

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS)

Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) Tecnologia sociais entrevista com Larissa Barros (RTS) A capacidade de gerar tecnologia e inovação é um dos fatores que distinguem os países ricos dos países pobres. Em sua maioria, essas novas tecnologias

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal.

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal. DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA Acimarney Correia Silva Freitas¹, Cecília Grabriela Bittencourt², Érika Rocha Chagas 3, Maria do Rosário da Silva Ramos 4 ¹Orientador deste Artigo e Professor de

Leia mais

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO TÂNIA DUBOU HANSEL INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Política de Inclusão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica O Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA UMA PRÁTICA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA INOVADORA

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA UMA PRÁTICA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA INOVADORA 1 O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA UMA PRÁTICA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA INOVADORA CEZÁRIO, Maria Angélica mangelicacezario@gmail.com 1 RESUMO O escopo desse texto

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO ESPECIAL: uma experiência de inclusão

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO ESPECIAL: uma experiência de inclusão EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO ESPECIAL: uma experiência de inclusão TEIXEIRA, Carolina Terribile; CASTRO, Maira Marchi de; SILVA, Ivete Souza da Universidade Federal de Santa Maria Departamento

Leia mais

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes.

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes. ONG S E ASSOCIAÇÕES PARA COMEÇAR Você tem vontade de participar mais do que acontece ao seu redor, dar uma força para resolver questões que fazem parte da rotina de certos grupos e comunidades e colocar

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA PARTE III DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA Gilberto Carvalho Crescer distribuindo renda, reduzindo desigualdades e promovendo a inclusão social. Esse foi o desafio assumido pela presidente Dilma Rousseff

Leia mais

www.belcorp.biz VIII/09

www.belcorp.biz VIII/09 CÓDIGO DE ÉTICA www.belcorp.biz VIII/09 Na Belcorp acreditamos que cada pessoa tem o poder de transformar seus sonhos em realidade. Assumir este poder significa reconhecer que nossas ações e decisões têm

Leia mais

Para um projeto de educação em valores 1

Para um projeto de educação em valores 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Para um projeto de educação em valores 1 Josep Maria Puig 2 Dar à educação em valores um lugar claro e forte dentro da escola requer

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Investimento a serviço da transformação social

Investimento a serviço da transformação social Investimento a serviço da transformação social Objetivo Central Formular, implantar e disseminar metodologias voltadas à melhoria de políticas públicas na área educacional e à avaliação de projetos sociais.

Leia mais

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO.

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. CARVALHO, Tereza Cristina de Secretaria Municipal de Educação Município de Araçatuba/SP. Resumo:Partindo

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO D E C R E T A

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO D E C R E T A PROJETO DE LEI Nº 912/2011 EMENTA: ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EM TURMAS REGULARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICO MUNICIPAL. Autor(es): VEREADOR ELIOMAR COELHO

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Foto: João Bittar PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

Gestão diária da pobreza ou inclusão social sustentável?

Gestão diária da pobreza ou inclusão social sustentável? ARTIGO Gestão diária da pobreza ou inclusão social sustentável? Marcelo Garcia. Este ano, a Lei Orgânica da Assistência Social faz 17 anos. Já não é tão menina como a professora Aldaíza Sposatti da PUC

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Universidade Federal de Itajubá Título da dissertação: OS MANUAIS DOS PROFESSORES DOS LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

DESAFIOS DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PARINTINS-AM.

DESAFIOS DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PARINTINS-AM. DESAFIOS DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PARINTINS-AM. Autor: Bruna Azevedo de Andrade, ICSEZ brunaazevedoa92@gmail.com Coautor: Gilmara dos Santos Oliveira, ICSEZ gilmarapedagogiaana@gmail.com Orientador:

Leia mais

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL Adriana de Souza Lemos dryycalemos@hotmail.com Paulo Cesar Soares de Oliveira libras.paulo@hotmail.com FACULDADE ALFREDO NASSER RESUMO: O objetivo dessa pesquisa

Leia mais

Health Innovation. 54 HEALTHCARE Management 36 julho agosto 2015 healthcaremanagement.com.br

Health Innovation. 54 HEALTHCARE Management 36 julho agosto 2015 healthcaremanagement.com.br Health Innovation 54 HEALTHCARE Management 36 julho agosto 2015 healthcaremanagement.com.br Inovação na Saúde Um vasto território a ser explorado Ainda há uma longa estrada a ser percorrida quando o assunto

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N. 15/2014 TÓPICO DE ESTUDO: PLANO DE TRABALHO/PLANO DE AÇÃO OS SENTIDOS E AS RAZÕES! 1 INICIANDO...

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N. 15/2014 TÓPICO DE ESTUDO: PLANO DE TRABALHO/PLANO DE AÇÃO OS SENTIDOS E AS RAZÕES! 1 INICIANDO... ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N. 15/2014 OS SENTIDOS E AS RAZÕES! 1 INICIANDO... TÓPICO DE ESTUDO: PLANO DE TRABALHO/PLANO DE AÇÃO O que dá sentido ao trabalho administrativo/supervisor em educação é o seu caráter

Leia mais

Brasil. 5 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no

Brasil. 5 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no Introdução A convivência familiar e comunitária é um dos direitos fundamentais 1 garantidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, 1990). A lei ainda enfatiza que: Toda criança ou adolescente

Leia mais

Pesquisa e Prática Profissional: Educação Especial. Direitos Humanos. Contextualização. Quem são os Excluídos? Vídeo: Um Sonho Possível.

Pesquisa e Prática Profissional: Educação Especial. Direitos Humanos. Contextualização. Quem são os Excluídos? Vídeo: Um Sonho Possível. Pesquisa e Prática Profissional: Educação Especial Teleaula 2 Profa. Me. Regiane B. Bergamo tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Direitos Humanos Pedagogia Contextualização Para que possamos discutir sobre

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA Paloma Cristina Gadens de Almeida UNICENTRO, CAPES palomagadens@gmail.com

Leia mais

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino Wérica Pricylla de Oliveira VALERIANO 1 Mestrado em Educação em Ciências e Matemática wericapricylla@gmail.com

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

Exercício de cidadania

Exercício de cidadania 1 2 Exercício de cidadania Na década de 1980, tivemos no Brasil as primeiras experiências de Conselhos Comunitários de Segurança, sendo o Paraná precursor na constituição de CONSEGs e Mobilização Social.

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação

Programa de Pós-Graduação em Educação 52 URIARTE, Mônica Zewe. 33 Programa de Pós-Graduação em Educação Resumo: Este artigo apresenta informações sobre a experiência da UNIVALI quanto ao ensino de artes no Curso de Pedagogia, preparado para

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO?

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? Autor(a): Fernando Antonio Pereira Leite Coautor(es): Fernanda Guarany Mendonça Leite Email: fernando.leite1@gmail.com Este trabalho está

Leia mais

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES?

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? Jakson Luis Galdino Dourado (UFPB) jaksonpsi@gmail.com Emília Galdino Ferraz (UFPB) emilia_271@hotmail.com Herbert Costa do Rêgo (UEPB)

Leia mais

QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4

QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4 QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4 Patrícia Ferreira de Andrade. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/UFRRJ

Leia mais

PEDAGOGO E A PROFISSÃO DO MOMENTO

PEDAGOGO E A PROFISSÃO DO MOMENTO PEDAGOGO E A PROFISSÃO DO MOMENTO Vivemos numa era em que o conhecimento assume novas configurações. Ele se modifica permanentemente, sendo atualizado dia-a-dia pelas descobertas das ciências e pelas inteligências

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO

AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO MORAES Violeta Porto Resumo KUBASKI Cristiane O presente artigo tem como objetivo colocar em pauta

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo. Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes

DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo. Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes O SR. FRANCISCO BATISTA JÚNIOR (PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) Bom-dia, Excelentíssimo Senhor Ministro-Presidente, bom-dia aos demais integrantes da nossa Mesa que, neste momento, estão dividindo

Leia mais

Educação Acessível para Todos

Educação Acessível para Todos Educação Acessível para Todos Instituto Paradigma A inclusão das crianças com deficiência nas escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental não constitui um debate diferente da inclusão social de todos

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 ATENDIMENTO ÀS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PROPOSTA DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA. Helena Maria Gomes Maria Isabel de Araújo Maria do Socorro A. da Silva (autora)

Leia mais

Belém/PA, 28 de novembro de 2015.

Belém/PA, 28 de novembro de 2015. CARTA DE BELÉM Reuniram-se em Belém, Conselheiros de Educação de 24 Unidades da Federação, formando a plenária do Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação, que ocorreu no período de 25 a 28 de

Leia mais

Guia Prático ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA BANCAR A FACULDADE

Guia Prático ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA BANCAR A FACULDADE Guia Prático ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA BANCAR A FACULDADE ÍNDICE 1 Introdução 2 Qual a importância da educação financeira para estudantes? 3 Comece definindo onde é possível economizar 4 Poupar é muito

Leia mais

Orientações Gerais para o Mobilizador 1

Orientações Gerais para o Mobilizador 1 Orientações Gerais para o Mobilizador 1 Índice CADERNO 1: ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O MOBILIZADOR 1.1. Mensagem ao mobilizador... 03 1.2. Materiais de implantação do Ciclo 4... 05 1.3. As reuniões: quantas

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais