A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA"

Transcrição

1 A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA INCLUSIVA? 5- PORQUE EXISTEM ESCOLAS REGULARES E ESCOLAS ESPECIAIS? 6- A APAE PODE CONTRIBUIR COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? COMO ISSO É POSSÍVEL? 7- O QUE VOCÊ - PROFESSORA, DIRETORA, PRESIDENTE - DA APAE PODE FAZER PARA QUE AS ESCOLAS DO SEU MUNICÍPIO SEJAM ESCOLAS INCLUSIVAS? E PARA QUE A ESCOLA DA APAE NÃO SEJA SEGREGADA? 8- E VOCÊ, ALUNO DA APAE, O QUE PODE FAZER? E SUAS FAMÍLIAS, PODEM COLABORAR? 9- A EDUCAÇÃO INCLUSIVA VAI ACABAR COM A ESCOLA DA APAE? QUE PAPEL VAI CABER A ELA, QUANDO ESSE MODELO ESTIVER IMPLEMENTADO? 10- COMO E PORQUE NÓS TODOS DEVEMOS COLABORAR COM A CONSTRUÇÃO DA ESCOLA INCLUSIVA?

2 APRESENTAÇÃO A EDUCAÇÃO INCLUSIVA É, NO MOMENTO, UM ENORME DESAFIO PARA O NOSSO SISTEMA EDUCACIONAL. ELA REPRESENTA UM NOVO CAMINHO QUE ESTÁ SENDO CONSTRUÍDO POR TANTAS E TANTAS PESSOAS QUE SONHAM COM UMA SOCIEDADE JUSTA, SOLIDÁRIA E PRONTA PARA GARANTIR OS DIREITOS DE TODAS AS PESSOAS QUE NELA VIVEM. QUANDO FALAMOS EM VIVER, ESTAMOS PREOCUPADAS COM O SENTIDO PLENO DA PALAVRA VIVER: VIVER SIGNIFICA CONVIVER, COMPARTILHAR, DESFRUTAR, PARTICIPAR, RELACIONAR, INTERAGIR, TROCAR. SABEMOS QUE ESSAS VIVÊNCIAS CONTINUAM SENDO, SENÃO NEGADAS, AINDA DIFICULTADAS PARA UM NÚMERO SIGNIFICATIVO DE CRIANÇAS, JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA. A EDUCAÇÃO INCLUSIVA É, SEM DÚVIDA, UMA CONQUISTA QUE VAI FACILITAR QUE ESSAS VIVÊNCIAS PASSEM A FAZER PARTE DA VIDA DE TODAS ESSAS PESSOAS, CIDADÃOS DE DIREITOS E DEVERES, COMO TODOS. AS APAES DE MINAS GERAIS, CUJA MISSÃO MAIOR ESTÁ NA DEFESA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, QUEREM SER PARCEIRAS NA CONSTRUÇÃO DESSE CAMINHO----LONGO E MUITAS VEZES AINDA ÁRIDO----- DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM NOSSO ESTADO. PARA ISSO, PENSAMOS EM COLOCAR NAS MÃOS DE TODOS OS NOSSOS PROFESSORES, E QUEM SABE, TAMBÉM NA DE TANTOS OUTROS EDUCADORES ENVOLVIDOS COM ESSA NOVA CAMINHADA DA EDUCAÇÃO, UMA CARTILHA SOBRE O TEMA. ESTA CARTILHA, ELABORADA SOB A FORMA DE QUESTÕES PROBLEMATIZADORAS, PRETENDE PROVOCAR E ESTIMULAR A DISCUSSÃO COM OS NOSSOS ALUNOS E SUAS FAMÍLIAS, PARA QUE TAMBÉM ELES POSSAM COMPREENDER DE QUE ESCOLA ESTAMOS FALANDO, QUANDO FALAMOS DA ESCOLA INCLUSIVA. E AO COMPREENDER, POSSAM TAMBÉM OPINAR SOBRE A ESCOLA QUE DESEJAM TER. PENSAMOS AINDA QUE, AO DISCUTIRMOS AS QUESTÕES PROPOSTAS, ESTAREMOS ENFRENTANDO OS NOSSOS PRÓPRIOS MEDOS E CONFLITOS PESSOAIS E POR QUE NÃO, NOSSAS PRÓPRIAS BARREIRAS E RESISTÊNCIAS INTERIORES. ESPERAMOS QUE CADA PROFESSOR, SENTINDO-SE MOTIVADO POR ESSAS QUESTÕES, POSSA ACRESCENTAR MUITAS E MUITAS OUTRAS, SURGIDAS NO COTIDIANO DE SUA CONVIVÊNCIA COM SEUS ALUNOS, FAZENDO COM QUE ESSA CARTILHA SEJA MAIS UM INSTRUMENTO FACILITADOR DE UM DEBATE SÉRIO E COMPROMETIDO, DENTRO DO NOSSO PROGRAMA DE ORGANIZAÇÃO DOS AUTO-DEFENSORES. MARIA DO CARMO MENICUCCI COORDENADORA PEDAGÓGICA

3 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA INCLUSÃO ESCOLAR? A INCLUSÃO ESCOLAR FAZ PARTE DE UM MOVIMENTO MUITO MAIOR, QUE É A INCLUSÃO SOCIAL DE TODAS AS PESSOAS QUE, AO LONGO DA HISTÓRIA, FORAM DISCRIMINADAS, SEGREGADAS E AFASTADAS DA CONVIVÊNCIA COM OUTRAS PESSOAS CONSIDERADAS NORMAIS : AS PESSOAS MUITO POBRES, MUITO FEIAS, OS NEGROS, AS MULHERES, AS PESSOAS ABANDONADAS, AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. ESSES GRUPOS FORAM ENTÃO EXCLUÍDOS DOS AMBIENTES SOCIAIS PÚBLICOS, PORQUE ACREDITAVA-SE QUE ELES ERAM MUITO DIFERENTES DOS OUTROS, CONSIDERADOS ENTÃO COMO PESSOAS INFERIORES E INCAPAZES DE CONVIVEREM NA SOCIEDADE. E A ESCOLA TAMBÉM OS DISCRIMINOU. NÃO OS RECEBEU, PORQUE NÃO SABIA COMO LIDAR COM SUAS DIFERENÇAS. COM A MUDANÇA DAS SOCIEDADES, QUE FORAM SE TRANSFORMANDO EM SOCIEDADES MAIS DEMOCRÁTICAS, ESSAS PESSOAS E SUAS FAMÍLIAS PASSARAM A SE ORGANIZAR E A EXIGIR OS SEUS DIREITOS. FOI ENTÃO QUE TAMBÉM AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SUAS FAMÍLIAS INICIARAM A SUA LUTA PELO DIREITO À ESCOLA. COMO A ESCOLA REGULAR NÃO SE ABRIA PARA A MAIORIA DAS PESSOAS ENTÃO CONSIDERADAS DOENTES, SURGIRAM AS ESCOLAS ESPECIAIS, COMO ESPAÇO EXCLUSIVO PARA AS CRIANÇAS E JOVENS CUJA DEFICIÊNCIA MOTIVOU A SUA EXCLUSÃO DA ESCOLA REGULAR, SOB A JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE DE UM ATENDIMENTO ESPECIALIZADO. DURANTE MUITOS ANOS A ESCOLA ESPECIAL FOI A ÚNICA ALTERNATIVA DISPONÍVEL PARA ESSES ALUNOS, EMBORA AINDA HOJE, SEJAM POUCOS OS QUE MESMO A ELA CONSEGUEM TER ACESSO. COM O AVANÇO DA SOCIEDADE, A LUTA PELA INCLUSÃO SOCIAL E PELO RESPEITO Á DIVERSIDADE SE FORTALECE E FAZ CRESCER, EM TODO O MUNDO, A LUTA POR UMA ESCOLA QUE POSSA ATENDER A TODOS OS ALUNOS, SEM RÓTULOS E SEM CLASSIFICAÇÕES DISCRIMINATÓRIAS. ESTA É A ESCOLA INCLUSIVA, QUE A DECLARAÇÃO DE SALAMANCA DEFENDEU EM 1994, NA ESPANHA E QUE O BRASIL ADOTOU COMO DIRETRIZ PAR SUA POLÍTICA EDUCACIONAL A EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÁ AINDA EM CONSTRUÇÃO. O CAMINHO NÃO ESTÁ PRONTO. ESTÁ SENDO TRAÇADO, POUCO A POUCO, EM CADA MUNICÍPIO, EM CADA ESCOLA, POR TODOS AQUELES QUE QUEREM CONTRIBUIR COM UM SISTEMA EDUCACIONAL DE QUALIDADE PARA TODOS OS ALUNOS. A INCLUSÃO ESCOLAR É, PORTANTO, UM CAMINHO A SER BUSCADO POR TODOS, COM COMPROMISSO, RESPONSABILIDADE E SOBRETUDO COM A CRENÇA DE QUE ESSA CONSTRUÇÃO É POSSÍVEL. VAMOS DISCUTIR MELHOR ESSA IDÉIA?

4 2- O QUE SIGNIFICA A INCLUSÃO ESCOLAR? A INCLUSÃO ESCOLAR SIGNIFICA QUE TODAS AS CRIANÇAS E JOVENS EM IDADE ESCOLAR DEVEM FREQUENTAR A MESMA ESCOLA, E QUE ESTA ESCOLA DEVE ESTAR ORGANIZADA PARA ATENDER AS NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE TODOS OS SEUS ALUNOS. NO ENTANTO, A INCLUSÃO ESCOLAR NÃO SIGNIFICA APENAS COLOCAR TODOS OS ALUNOS NA ESCOLA COMUM, FAZENDO ASSIM UMA INCLUSÃO APENAS FÍSICA. A INCLUSÃO ESCOLAR SIGNIFICA GARANTIR O ACESSO, A PERMANÊNCIA E O SUCESSO ESCOLAR TAMBÉM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA. PARA ISSO, A ESCOLA TEM DE OFERECER OS SUPORTES QUE O ALUNO VAI PRECISAR PARA QUE ELE POSSA, DE FATO, ESTAR INCLUÍDO. ESSES SUPORTES SÃO OS APOIOS PEDAGÓGICOS, OS APOIOS CLÍNICOS, A REMOÇÃO DAS BARREIRAS, OS RECURSOS MATERIAIS E TUDO O QUE FOR NECESSÁRIO PARA QUE O ALUNO POSSA APRENDER COMO E COM OS OUTROS. PARA GARANTIR ESSES SUPORTES, É PRECISO QUE OS ÓRGÃOS PÚBLICOS DE EDUCAÇÃO, AS SECRETARIAS DE EDUCAÇÃO ESTADUAL E MUNICIPAL ESTEJAM TAMBÉM COMPROMETIDAS COM A INCLUSÃO ESCOLAR, PARA QUE GARANTAM ALGUMAS CONDIÇÕES QUE POSSAM FACILITAR A ENTRADA DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA ESCOLA COMUM: ESCOLAS ACESSÍVEIS, SEM BARREIRAS, PROFESSORES MELHOR PREPARADOS, NÚMERO MENOR DE ALUNOS NAS SALAS INCLUSIVAS, APOIOS PEDAGÓGICOS, COMO E QUANDO NECESSÁRIO, O PROFESSOR DE APOIO, MATERIAIS ESPECÍFICOS ( BRAILLE, SOROBÃ, DENTRE OUTROS) PROFESSOR INTÉRPRETE. ESSAS.SÃO AS CHAMADAS ADAPTAÇÕES DE GRANDE PORTE. NA ESCOLA, AS ADAPTAÇÕES NECESSÁRIAS, SÃO AS CHAMADAS DE PEQUENO PORTE, OU SEJA, AQUELAS QUE O PROFESSOR MESMO DEVE PROVIDENCIAR: NOVAS FORMAS DE ENSINAR, DE AVALIAR, DE ACOMPANHAR O DESENVOLVIMENTO DE SEUS ALUNOS, DE SE RELACIONAR COM AS SUAS DIFERENÇAS, DE TRABALHAR DE FORMA COOPERATIVA, DE BUSCAR APOIOS ATRAVÉS DE PARCERIAS COM OUTRAS INSTITUIÇÕES E OUTROS PROFISSIONAIS. ESTAS DEPENDEM DAS NECESSIDADES QUE CADA ALUNO APRESENTA. VAMOS COMPRENDER MELHOR ESTE SIGNIFICADO?

5 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? HOJE NÓS PODEMOS AFIRMAR QUE O BRASIL TEM UM ARCABOUÇO LEGAL MUITO AVANÇADO, NO QUE SE REFERE Á GARANTIA DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. NOSSA LUTA, NO ENTANTO, É PARA QUE ELAS SEJAM RESPEITADAS E IMPLEMENTADAS. PARA ISSO, TORNA-SE NECESSÁRIO CONHECER E MULTIPLICAR O CONHECIMENTO DAS LEGISLAÇÕES EM CADA ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA. NA ÁREA DA EDUCAÇÃO PODEMOS DESTACAR: - A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ( 1998) ART A LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL ( LDBN )- LEI Nº 9394 DE A LEI DOS DIREITOS DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA - LEI Nº 7853 / O DECRETO Nº 3298 / 1999, QUE REGULAMENTA A LEI A LEI Nº10098 / 2000 SOBRE A ACESSIBILIDADE - AS DIRETRIZES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA ( MEC / 2000 ) - AS DIRETRIZES ESTADUAIS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM MINAS GERAIS. ( A SEREM PUBLICADAS ) TODAS ESSAS LEIS E DECRETOS DETERMINAM QUE A EDUCAÇÃO DAS PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DEVE SER OFERECIDA PREFERENCIALMENTE NA REDE REGULAR DE ENSINO E SÓ EXTRAORDINÁRIAMENTE EM ESCOLAS ESPECIAIS, PARA AQUELES ALUNOS QUE REQUEIRAM APOIOS INTENSOS E PERMANENTES, QUE A ESCOLA COMUM NÃO CONSEGUE PROVER. VAMOS PROCURAR CONHECÊ-LAS E DIVULGÁ-LAS?

6 4- O QUE É UMA ESCOLA INCLUSIVA? É AQUELA ESCOLA QUE NÃO REJEITA A MATRÍCULA DE NENHUM ALUNO, INDEPENDENTE DAS CONDIÇÕES QUE ELE APRESENTA. É AQUELA QUE SE PREOCUPA COM A PERMANÊNCIA DE SEUS ALUNOS, DE FORMA A NÃO EXCLUÍ-LOS NO PERCURSO ESCOLAR. É AQUELA ESCOLA QUE SE PREOCUPA COM O DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS SEUS ALUNOS, BUSCANDO SEMPRE CRIAR SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA TODOS. É AQUELA QUE ESTÁ PREOCUPADA COM FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CONSCIENTES, PREPARADOS PARA A VIDA FORA DOS MUROS DA ESCOLA. É AQUELA QUE ESTÁ COMPROMETIDA COM A FORMAÇÃO CONTINUADA DE SEUS PROFESSORES, QUE INCENTIVA O TRABALHO COOPERATIVO, QUE RESPEITA A DIVERSIDADE HUMANA, QUE SE ORGANIZA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DE SEUS ALUNOS. É AQUELA QUE OFERECE OS APOIOS E SUPORTES NECESSÁRIOS AO SUCESSO ESCOLAR DE SEUS ALUNOS. É AQUELA QUE BUSCA A PARCERIA DISPONÍVEL PARA PODER OFERECER UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PARA TODOS. É A ESCOLA ACOLHEDORA, CUJO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO ESTÁ FUNDAMENTADO NUMA PEDAGOGIA HUMANISTA E INCLUSIVISTA. ENFIM, É A ESCOLA QUE BUSCAMOS E QUE ESTAMOS COMEÇANDO A COLOCAR AS BASES PARA SUSTENTAR A SUA CONSTRUÇÃO. VAMOS AJUDAR A CONSTRUÍR ESTA ESCOLA INCLUSIVA?

7 5- PORQUE AS ESCOLAS REGULARES E AS ESCOLAS ESPECIAIS SÃO DIFERENTES? HOUVE UM TEMPO EM QUE AS ESCOLAS PÚBLICAS SÓ RECEBIAM AS CRIANÇAS E JOVENS PERTENCENTES Á FAMÍLIAS QUE TINHAM BOAS CONDIÇÕES FINANCEIRAS, BOA SITUAÇÃO SOCIAL, ERAM INTELIGENTES, ENFIM, A CRIANÇAS E JOVENS SEM PROBLEMAS. QUANDO OUTRAS CRIANÇAS E JOVENS, VINDAS DE OUTRAS CLASSES SOCIAIS COMEÇARAM A CHEGAR NAS ESCOLAS PÚBLICAS, ELAS COMEÇARAM A AFASTAR E A RECUSAR AS CRIANÇAS CHAMADAS PROBLEMÁTICAS. DENTRE ESSAS, ESTAVAM AS CRIANÇAS QUE APRESENTAVAM FRACASSO NA APRENDIZAGEM, AS QUE APRESENTAVAM CARACTERISTICAS MUITO DIFERENTES DA MAIORIA, AS QUE APRESENTAVAM DEFICIÊNCIAS. FOI ASSIM QUE ENTÃO SURGIU A EDUCAÇÃO ESPECIAL, QUE SE EXPANDIU EM CLASSES E ESCOLAS ESPECIAIS, PARA ATENDER AQUELAS CRIANÇAS E JOVENS QUE NÃO TINHAM ACESSO ÁS ESCOLAS REGULARES. ESTAS ESCOLAS SE ORGANIZARAM DE FORMA DIFERENCIADA E COM O TEMPO, FORAM CONSTITUINDO UM OUTRO SISTEMA DE EDUCAÇÃO : O SISTEMA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, QUE FOI FICANDO DISTANTE E DIFERENCIADO DO SISTEMA EDUCACIONAL REGULAR. ESTE NÃO FOI UM DESDOBRAMENTO POSITIVO, POIS FORTALECEU O RÓTULO, A SEGREGAÇÃO E A SEPARAÇÃO ENTRE DEFICIENTES E NÃO DEFICIENTES, ENTRE NORMAIS E ANORMAIS. AS ESCOLAS ESPECIAIS OFERECIAM VANTAGENS E DESVANTAGENS AOS ALUNOS : ERAM ESCOLAS MENORES, COM TURMAS REDUZIDAS, COM ATENDIMENTO ESPECIALIZADO, COM CUIDADOS E PROTEÇÃO INDIVIDUAIS. PORÉM NÃO PRIVILEGIAVAM A EDUCAÇÃO ESCOLAR E NÃO GARANTIAM A VIDA ESCOLAR QUE TODO ALUNO TEM DIREITO. A PRIORIDADE SEMPRE FOI O CUIDADO PESSOAL, A CLÍNICA, A SOCIALIZAÇÃO, PECANDO NO QUE SE REFERE À INFORMALIDADE NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A ESCOLA REGULAR, CUMPRE NORMAS ESCOLARES DEFINIDAS PELO SISTEMA E, EMBORA NÃO SENDO AINDA SUFICIENTEMENTE CAPAZ DE ENFRENTAR O FRACASO ESCOLAR DE MUITOS, ASSEGURA UMA VIDA ESCOLAR RECONHECIDA NO PAÍS COMO E EDUCAÇÃO ESCOLAR FORMAL. A ESCOLA ESPECIAL, NA MAIORIA DAS VEZES, NÃO ESTIMULAVA A CONVIVÊNCIA DE SEUS ALUNOS COM OS SEUS PARES NÃO DEFICIENTES ALÉM DISSO, ELA PASSOU A RECEBER OS ALUNOS QUE A ESCOLA COMUM ENCAMINHA, FORTALECENDO, DESSA FORMA, A NÃO REORGANIZAÇÃO DE TODAS AS ESCOLAS. VAMOS CONHECER MELHOR ESSAS ESCOLAS?

8 6- COMO A APAE PODE CONTRIBUIR COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? È POSSÍVEL A INTERLOCUÇÃO ENTRE AS ESCOLAS? A APAE, COMO INSTITUIÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA TEM O DEVER DE SE COMPROMETER E DE CONTRIBUIR COM A CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM NOSSO PAÍS. A EDUCAÇÃO INCLUSIVA É NECESSÁRIA E FUNDAMENTAL PARA A INCLUSÃO SOCIAL. SEM O ACESSO À ESCOLA, DIFICILMENTE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA CONSEGUIRÃO EXERCER A SUA CIDADANIA COM PLENITUDE. AS APAES DE MINAS GERAIS TÊM UMA VASTA EXPERIÊNCIA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA. AS APAES DE MINAS GERAIS TÊM UM QUADRO DE PROFISSIONAIS COMPETENTES E EXPERIENTES TANTO NO ATENDIMENTO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR QUANTO NO ATENDIMENTO CLÍNICO. AS APAES DE MNAS GERAIS CONTAM COM MUITOS AMBIENTES EQUIPADOS PARA DAR SUPORTE ÁS MUITAS DAS NECESSIDADES ESPECÍFICAS QUE OS ALUNOS APRESENTAM AO GHEGAREM NAS ESCOLAS. AS APAES DE MINAS GERAIS TÊM HOJE, AS SUAS ESCOLAS ESPECIAIS REGULARIZADAS, DE FORMA A PERMITIR A TRANSFERÊNCIA DE MUITOS DE SEUS ALUNOS PARA AS ESCOLAS COMUNS, E DE FORMA A GARANTIR, PARA OS QUE NELA PERMANECEREM, UM PERCURSO ESCOLAR RECONHECIDO COMO VÁLIDO. MAIS IMPORTANTE DO QUE TUDO ISSO, AS APAES DE MINAS GERAIS PODEM DISPONIBILIZAR OS SEUS ESFORÇOS, A SUA EXPERIÊNCIA E OS SEUS RECURSOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO QUE NÃO SEGREGUE, QUE NÃO ROTULE, QUE NÃO DISCRIMINE. AS ESCOLAS DAS APAES DE MINAS GERAIS PODEM E QUEREM SER PARCEIRAS DAS ESCOLAS PÚBLICAS, FORTALECENDO A CRIAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO À INCLUSÃO ESCOLAR VAMOS CONHECER MELHOR O PROGRAMA APAE EDUCADORA? VAMOS FORTALECER A PARCERIA COM AS ESCOLAS PÚBLICAS?

9 7- O QUE VOCÊ -PROFESSORA, DIRETORA, PRESIDENTE, PROFISSIONAL DA APAE-- PODE FAZER PARA QUE AS ESCOLAS DO SEU MUNICÍPIO POSSAM SE TRANSFORMAR EM ESCOLAS INCLUSIVAS? E A ESCOLA DA APAE, COMO PODE SE ENVOLVER NESSA CONSTRUÇÃO? A EDUCAÇÃO INCLUSIVA SÓ VAI ACONTECER A PARTIR DE UMA DECISÃO DO MUNICÍPIO. É NO MUNICÍPIO QUE A MUDANÇA SE FARÁ DE FATO. ESTA MUDANÇA IMPLICA NUMA REORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS, TANTO DA ESCOLA ESPECIAL QUANTO DA ESCOLA COMUM E ISSO EXIGE QUE SEJA FIRMADO UM PACTO, QUE SEJA EXPLICITADO O ACOLHIMENTO DA ESCOLA E DOS EDUCADORES Á ESSE PARADIGMA DA INCLUSÃO ESCOLAR SEM A ADESÃO DAS ESCOLAS E DOS EDUCADORES, A INCLUSÃO ESCOLAR NÃO ESTARÁ PRESENTE NO COTIDIANO DAS ESCOLAS. E SERÁ MAIS UM DISCURSO POLÌTICAMENTE CORRETO. A APAE, PODE E DEVE, A EXEMPLO DO QUE JÁ VEM ACONTECENDO EM INÚMEROS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE MG, SE COLOCAR COMO A INSTITUIÇÃO FACILITADORA DESSA MUDANÇA. ELA PODE PROVOCAR A ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE INCLUSÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO, TENDO COMO REFERÊNCIA A SUGESTÃO ANEXADA A ESSA CARTILHA. ELA PODE TAMBÉM SER PARCEIRA DAS ESCOLAS COMUNS DA REDE PÚBLICA, ORGANIZANDO OS SEUS SERVIÇOS DE APOIO Á INCLUSÃO ESCOLAR, PARTICIPANDO DOS EVENTOS DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES, BEM COMO ORGANIZANDO EVENTOS COLETIVOS DE CAPACITAÇÃO----ESCOLA DA APAE E ESCOLAS COMUNS----- ONDE A INCLUSÃO SEJA O FOCO DAS DISCUSSÓES. OS MUNICÍPIOS QUE SE ENVOLVERAM COM ESSA PROPOSTA JÁ REGISTRAM UMA MOVIMENTAÇÃO INVERSA DOS ALUNOS ENTRE A ESCOLA COMUM E A APAE: APRESENTAM REDUÇÃO DOS ENCAMINHAMENTOS DAS ESCOLAS COMUNS PARA A APAE E AMPLIAÇÃO DA TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS DA APAE PARA A ESCOLA COMUM! COM ISSO, A APAE ESTÁ SE ORGANIZANDO PARA AMPLIAR AS SUAS VAGAS PARA MUITOS ALUNOS COM COMPROMETIMENTOS GRAVES, QUE SE ENCONTRAM FORA DE QUALQUER ATENDIMENTO ESCOLAR. ESSA È UMA RESPONSABILIDADE COLETIVA: DEPENDE MUITO DA CONTRIBUIÇÃO DE CADA UM DE NÓS. VAMOS ORGANIZAR A NOSSA CONTRIBUIÇÃO? VAMOS REGISTRAR E SOCIALIZAR A NOSSA EXPERIÊNCIA?

10 8- E VOCÊ, ALUNO DA APAE, COMO PODE PARTICIPAR DESSE MOVIMENTO PELA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? E SUA FAMÍLIA, PODE AJUDAR? COMO? CADA ALUNO DEVE ESTAR ATENTO AO PROGRAMA DE ORGANIZAÇÃO DOS AUTO-DEFENSORES EM SUA APAE. CASO ELE AINDA NÃO TENHA SIDO IMPLANTADO, COMECE A FAZÊ-LO. ESTE PROGRAMA VAI AJUDÁ-LO A SER UMA PESSOA MAIS ATUANTE, MAIS PARTICIPATIVA E MAIS RESPEITADA EM TODOS OS ESPAÇOS QUE FREQUENTAR. VAI AJUDÁ-LO A CONHECER OS SEUS DIREITOS E OS SEUS DEVERES. CONHECENDO OS SEUS DIREITOS, CADA ALUNO VAI LUTAR PELO CUMPRIMENTO DELES E QUANTO MAIS ALUNOS ESTIVEREM PREPARADOS PARA ISSO, MAIS CONQUISTAS SERÃO ATINGIDAS. O DIREITO A UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÁ ESCRITO NA LDBEN ( LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL ) E É IMPORTANTE CONHECÊ-LA! O PROGRAMA DE ORGANIZAÇÃO DOS AUTO-DEFENSORES TAMBÉM VAI AJUDÁ-LO A SER MAIS PARTICIPATIVO DENTRO DA ESCOLA DA APAE : VOCÊ VAI SE SENTIR MAIS SEGURO PARA DIZER E MOSTRAR O QUE DESEJA APRENDER NA ESCOLA PARA VIVER MELHOR NA SUA COMUNIDADE. PROCURE TAMBÉM CONHECER OUTRAS ESCOLAS DE SUA CIDADE. SUA FAMÍLIA TAMBÉM DEVE PROCURAR INFORMAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO INCLUSIVA. ELA TAMBÉM DEVE PARTICIPAR E OPINAR SOBRE A ESCOLA E SOBRE A SUA APRENDIZAGEM. A EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA E PARA NÃO HAVER PREJUÍZOS, É PRECISO QUE VOCÊ E SUA FAMÍLIA ESTEJAM INFORMADOS E DISCUTAM ESSA CONSTRUÇÃO. VAMOS FALAR SOBRE A ESCOLA QUE QUEREMOS E SOBRE O QUE QUEREMOS DA ESCOLA?

11 9- A EDUCAÇÃO INCLUSIVA VAI ACABAR COM A ESCOLA DA APAE? QUE PAPEL CABE Á ESCOLA ESPECIAL NESSE PROCESSO? ALGUNS ESTUDIOSOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL TÊM SE PREOCUPADO COM O QUE ESTÃO CHAMANDO DE RESSIGNIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA MUITOS DESSES EDUCADORES, NÃO CONSTRUIREMOS AS ESCOLAS INCLUSIVAS NO BRASIL ATRAVÉS DO DESMONTE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL, MAS SIM ATRAVÉS DA REDEFINIÇÃO DO PAPEL QUE VAI CABER A CADA UMA DAS AGÊNCIAS EDUCACIONAIS. NESTA ÓTICA, A RESSIGNIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL VAI EXIGIR UMA INTERLOCUÇÃO PERMANENTE ENTRE A ESCOLA COMUM E A ESCOLA ESPECIAL, DE FORMA A QUE SEJA CONSTRUÍDA UMA PRÁTICA COOPERATIVA ENTRE ELAS E QUE SEJA POSSÍVEL ORGANIZAR OS SERVIÇOS DE APOIO MÚTUO. ESSA INTERLOCUÇÃO, QUE SE TORNA TÃO NECESSÁRIA NESSE MOMENTO DE TRANSIÇÃO DE UM MODELO EDUCACIONAL PARA OUTRO, DEVERÁ SE CONCRETIZAR MEDIANTE A SUA INCLUSÃO NOS EVENTOS DE PLANEJAMENTO, AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DA AÇÃO PEDAGÓGICA DE AMBAS AS ESCOLAS. É PRECISO ACREDITAR QUE AS DUAS TÊM MUITO O QUE APRENDER E O QUE ENSINAR MUTUAMENTE. QUEM SABE CHEGARÁ O DIA EM QUE TODAS AS ESCOLAS SERÃO ESPECIAIS NA QUALIDADE DO ATENDIMENTO, NA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA, PRONTAS A ATENDER, SEM RESTRIÇÕES, À TODAS AS NECESSIDADES ESPECIAIS DE TODOS OS ALUNOS? NESSE DIA ENTÃO, A APAE NÃO MAIS VAI PRECISAR OFERECER SERVIÇOS DE ATENDIMENTO ESCOLAR, DE SAÚDE, DE ESPORTE, DE LAZER, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE PREPARAÇÃO PARA O TRABALHO A ESTA PARCELA DA POPULAÇÃO COM DEFICIÊNCIA, PORQUE ELES ESTARÃO TENDO AS SUAS NECESSIDADES BEM ATENDIDAS PELAS POLÍTICAS PÚBLICAS UNIVERSAIS, EM ESPAÇOS PÚBLICOS SEM RESTRIÇÕES. NESSE DIA, VIVEREMOS NUMA SOCIEDADE ONDE NÃO HAVERÁ ESPAÇO PARA A EXCLUSÃO, PORQUE A DIVERSIDADE SERÁ RESPEITADA POR TODOS. NESSE NOVO TEMPO, A APAE PODERÁ DEIXAR DE TER UMA ESCOLA PARA SER, ACIMA DE TUDO, UM MOVIMENTO VIGILANTE DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA! VAMOS SONHAR E TRABALHAR JUNTOS POR UMA SOCIEDADE INCLUSIVA?

12 10- COMO E POR QUE DEVEMOS, TODOS NÓS, COLABORAR COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? PORQUE TEMOS DE ESTAR EM CONSONÂNCIA, CONTRA TODAS AS FORMAS DE EXCLUSÃO. PORQUE A INCLUSÃO SE FARÁ PELA INQUIETAÇÃO COLETIVA DE EDUCADORES E EDUCANDOS. PORQUE A ESCOLA INCLUSIVA SERÁ CONSTRUÍDA PELOS DESAFIOS QUE ESTÃO MOBILIZANDO PROFISSIONAIS, ALUNOS E PAIS. PORQUE A NOSSA FORÇA COLETIVA SERÁ CAPAZ DE COMPROMETER OS GOVERNOS COM A REORGANIZAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL, PARA TORNÁ-LO ACESSÍVEL A TODOS. PORQUE TEMOS DE ABRIR ESPAÇOS PARA A CONVIVÊNCIA RESPEITOSA COM A DIVERSIDADE HUMANA. PORTANTO, NÓS CONVIDAMOS A TODOS, EDUCADORES, DIRIGENTES, FAMILIARES E ALUNOS A REFIRMAREM, DIA APÓS DIA, O COMPROMISSO COM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM NOSSO MUNICÍPIO, ACREDITANDO QUE ENTRE ERROS, ACERTOS E CONSERTOS ESTAMOS AVANÇANDO NESSA CAMINHADA. VAMOS TODOS FAZER PARTE DESSA CAMINHADA EM DIREÇÃO À JUSTIÇA SOCIAL?

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS 1 OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS Patrícia Oliveira Fontes Pedagoga. Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Libras. Professora Tutora da Universidade Tiradentes (UNIT) e Professora

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE Ana Carolina Marques de GOES 1 RESUMO: A educação inclusiva, especificamente relativa às pessoas com deficiência, é um assunto muito

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SILVA, N. S. - Bolsista PIBIC/UFRB-CFP 1 OLIVEIRA, T. C. B. C. - Professora Adjunta/ UFRB-CFP 2 RESUMO: Este artigo objetiva trazer

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Oficina: Articulação de propostas de políticas públicas para inclusão escolar de alunos portadores

Leia mais

BREVE DISCUSSÃO SOBRE INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS: ALGUNS CAMINHOS TRAÇADOS EM BUSCA DA EQUIDADE SOCIAL

BREVE DISCUSSÃO SOBRE INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS: ALGUNS CAMINHOS TRAÇADOS EM BUSCA DA EQUIDADE SOCIAL BREVE DISCUSSÃO SOBRE INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS: ALGUNS CAMINHOS TRAÇADOS EM BUSCA DA EQUIDADE SOCIAL RESUMO Francisco Roberto Diniz Araújo Universidade Estadual do Rio Grande do Norte E-mail: Antonio

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Página1 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA E EQUIPE MULTI FUNCIONAL PARA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - 2011 PROVA PARA PSICOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01

Leia mais

A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA Laís PALHARES ALVES Claudio PALMA SANCHEZ

A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA Laís PALHARES ALVES Claudio PALMA SANCHEZ A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA Laís PALHARES ALVES Claudio PALMA SANCHEZ RESUMO: Os direitos de uma criança com deficiência estão prescritos na Constituição Federal Brasileira, mas nem

Leia mais

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: APAE - Belo Horizonte /MG Categoria: Escolas de Educação Profissional Trabalho Escola de Qualificação Profissional Básica: Dignidade, Autonomia e Renda A associação de pais e amigos dos excepcionais

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

ENTREVISTA. Acesso e permanência de pessoas com necessidades especiais no Ensino Superior

ENTREVISTA. Acesso e permanência de pessoas com necessidades especiais no Ensino Superior ENTREVISTA Acesso e permanência de pessoas com necessidades especiais no Ensino Superior Entrevista concedida por Laura Ceretta Moreira* (UFPR), à jornalista Maria José Baldessar** (UFSC) em 15 de fevereiro

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN Gislene de Araújo Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte gislene_artes@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EDUCAÇÃO ESPECIAL. Júlio Romero Ferreira UNIMEP SP

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EDUCAÇÃO ESPECIAL. Júlio Romero Ferreira UNIMEP SP POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EDUCAÇÃO ESPECIAL Júlio Romero Ferreira UNIMEP SP RESUMO: o trabalho analisa a evolução do atendimento aos alunos com necessidades educativas especiais na realidade brasileira,

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO MÓDULO CURRÍCULO

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO MÓDULO CURRÍCULO PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO MÓDULO CURRÍCULO 1º Momento Boas Vindas - Apresentações Prezada Orientadora de Estudo Desejo que a nossa Formação seja repleta de momentos felizes, cooperação e aprendizagem.

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

Iniciando nossa conversa

Iniciando nossa conversa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Garantindo acesso e permanência de todos os alunos na escola Necessidades educacionais especiais dos alunos Iniciando nossa conversa Brasília 2005

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

INCLUSÃO: AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BELO HORIZONTE

INCLUSÃO: AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BELO HORIZONTE INCLUSÃO: AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BELO HORIZONTE Lenise Maria Ribeiro Ortega 1 Luís Augusto Alves Miranda 2 Rua Via P6, nº50, Bairro Minas Caixa Belo Horizonte / MG 31615-655

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

INCLUSÃO ON-LINE: CURSO VIA INTERNET SOBRE INCLUSÃO ESCOLAR PARA ALUNOS DE LICENCIATURA NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE PÚBLICA

INCLUSÃO ON-LINE: CURSO VIA INTERNET SOBRE INCLUSÃO ESCOLAR PARA ALUNOS DE LICENCIATURA NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE PÚBLICA INCLUSÃO ON-LINE: CURSO VIA INTERNET SOBRE INCLUSÃO ESCOLAR PARA ALUNOS DE LICENCIATURA NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE PÚBLICA 135-TC-F3 05/2005 Josiberti Flávio Ap. Monteiro da Silva Unesp Universidade Estadual

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Bárbara Lea Guahyba 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O artigo aqui apresentado tem como tema a inclusão social de pessoas portadoras de síndrome de

Leia mais

Juliana Cristina Ruaro 2 Ana Marieli dos Santos 3. Introdução

Juliana Cristina Ruaro 2 Ana Marieli dos Santos 3. Introdução UM NOVO OLHAR SOBRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA: CONTEXTUALIZAÇÃO, IMPLICAÇÕES E PERSPECTIVAS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS 1 Introdução Juliana Cristina Ruaro 2 Ana

Leia mais

A inclusão na escola: um projeto além das leis"

A inclusão na escola: um projeto além das leis Não podemos falar de educação sem falar de amor! (Paulo Freire) Marise Miranda Gomes Orientadora Educacional do CEC e atual presidente da ASFOE www.asfoe.com.br 1 É do buscar e não do achar que nasce o

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1 EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Tendo em vista a construção do PNE e do SNE como política de Estado, são apresentadas, a seguir, proposições e estratégias, indicando

Leia mais

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL Resumo Fabiana Grassi Mayca UFSC fabiana.mayca@gmail.com Aprendizagem nas Diferentes Dimensões

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA Resumo MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Clara Celina Ferreira Dias Universidade Federal de Santa Maria UFSM claracelinafd@professor.rs.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial RELATÓRIO DE ATIVIDADES O CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

AÇÕES FACILITADORAS DA INCLUSÃO NA ESCOLA

AÇÕES FACILITADORAS DA INCLUSÃO NA ESCOLA AÇÕES FACILITADORAS DA INCLUSÃO NA ESCOLA Jaluza de Souza Duarte Instituto de educação Olavo Bilac 1 Resumo O projeto que vem sendo desenvolvido durante o ano de dois mil e seis, na Escola Estadual de

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Jessica Fernanda Gonçalves Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Mariane Pereira Graduanda em Administração Faculdades

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE MINORIAS ÉTNICAS E SOCIAIS DELIBERAÇÃO Nº 291, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004. Estabelece normas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 4PRACOUT03 CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Alan Leite Moreira (1); Patrícia Roque Lemos (1); Profª. Vilma

Leia mais

E POR FALAR EM INCLUSÃO: QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS?

E POR FALAR EM INCLUSÃO: QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS? E POR FALAR EM INCLUSÃO: QUAIS SÃO SEUS OBJETIVOS? Sabrina Fernandes de Castro Cleonice Machado de Pellegrini Soraia Napoleão Freitas Universidade Federal de Santa Maria O que ora iremos apresentar são

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos 20 Propostas para oaprofundamento da Democracia e da Participação Social no MERCOSUL Preâmbulo Nós, os movimentos e organizações da sociedade civil do MERCOSUL reunidos em Brasília, de 4 a 6 de dezembro

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 02/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 1 ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO AUTORES Antônio Roberto Silva Santos arsilvasantos@gmail.com Elisângela Santana Nascimento esna_1@yahoo.com.br Fânia

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal.

DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA. PALAVRAS-CHAVES: Deficiência, Trabalho, Proteção Legal. DIREITOS DO TRABALHADOR COM DEFICIENCIA Acimarney Correia Silva Freitas¹, Cecília Grabriela Bittencourt², Érika Rocha Chagas 3, Maria do Rosário da Silva Ramos 4 ¹Orientador deste Artigo e Professor de

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO TÂNIA DUBOU HANSEL INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Política de Inclusão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica O Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR.

A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCATIVAS NAS SÉRIES INICIAIS SOB A VISÃO DO PROFESSOR. Autores: FRANCISCO MACHADO GOUVEIA LINS NETO e CELIA MARIA MARTINS DE SOUZA Introdução Atualmente,

Leia mais

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO Falar em democracia e silenciar o povo é uma farsa. Falar em humanismo e negar os homens é uma mentira.

Leia mais

Belém/PA, 28 de novembro de 2015.

Belém/PA, 28 de novembro de 2015. CARTA DE BELÉM Reuniram-se em Belém, Conselheiros de Educação de 24 Unidades da Federação, formando a plenária do Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação, que ocorreu no período de 25 a 28 de

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade Programa 1377 Educação para a Diversidade e Cidadania Objetivo Combater as desigualdades étnico-racial, de gênero, orientação sexual, geracional, regional e cultural no espaço escolar. Justificativa Público

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I - ATIVIDADE DE OBSERVAÇÃO ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO SOBRE

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COLETIVO JOVEM DE MEIO AMBIENTE: implantando COM-VIDAS no entorno da em escolas de Educação Infantil Maria Helena Ferreira Pastor Cruz lenafcruz@gmail.com Aline da Silva Ferreira aline.s.ferreira@hotmail.com

Leia mais

QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4

QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4 QUAL A (RE)ORIENTAÇÃO POLÍTICO-PEDAGÓGICA DA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE ITAGUAÍ/RJ? REFLETINDO SOBRE A META 4 Patrícia Ferreira de Andrade. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/UFRRJ

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2004

PROJETO DE LEI N O, DE 2004 PROJETO DE LEI N O, DE 2004 (Do Sr. Wladimir Costa) Dispõe sobre o atendimento educacional especializado em classes hospitalares e por meio de atendimento pedagógico domiciliar. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOAO PESSOA Secretaria Municipal de Planejamento EXERCÍCIO: 20 ANEXO DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ÓRGÃO: Projeto/Atividade Objetivo Denominação da Meta Unid.

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: REFLEXÃO NO ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: REFLEXÃO NO ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES O DESAFIO DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: REFLEXÃO NO ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Resumo DANTAS, Nozângela Maria Rolim 1 - UFCG Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora:

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO D E C R E T A

A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO D E C R E T A PROJETO DE LEI Nº 912/2011 EMENTA: ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS EM TURMAS REGULARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICO MUNICIPAL. Autor(es): VEREADOR ELIOMAR COELHO

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Foto: João Bittar PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito -

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito - POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE - Não seja portador de Preconceito - 2014 1 OBJETO As Políticas Institucionais de Acessibilidade Não seja portador de preconceito tem como objetivo promover ações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Comissão de Ensino Médio, Modalidades e Normas Gerais Parecer CME/PoA nº 022/2014 Processo nº 001.021680.14.0

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE COSTA, Efigênia Maria Dias 1 NEVES, Elidiana Oliveira das 2 OLIVEIRA, Marta Luis de 3 SANTOS, Jefferson Silva de Barros 4 SILVA, Luiz Eduardo

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais