PLANTAS VIAJANTES O LEGADO DO NOVO MUNDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANTAS VIAJANTES O LEGADO DO NOVO MUNDO"

Transcrição

1 PLANTAS VIAJANTES O LEGADO DO NOVO MUNDO José E. Mendes Ferrão Rui Manuel Loureiro * Texto Publicado originalmente o Catálogo da Exposição Plantas Viajantes Cores e Sabores do Novo Mundo que decorreu no Centro Cultural de Lagos em 2006 A agricultura portuguesa era, no inicio da nacionalidade, pobre e primitiva. Assentava num número muito limitado de plantas, a maioria das quais, e talvez as mais importantes, havia chegado ao território em épocas mais ou menos longínquas, trazida pelos povos invasores vindos do norte e do leste, ou atingindo o território por via marítima. Entre as plantas endémicas do solo português, o sobreiro e a azinheira representavam um lugar importante na alimentação, porque os seus frutos, inteiros ou reduzidos a uma farinha grosseira, entravam em percentagem elevada no sustento de populaçães e animais. Pelo norte e pelo Mediterrâneo chegaram nos os cereais praganosos de sequeiro o trigo, a cevada, o centeio e a aveia, não necessariamente por esta ordem, que ocuparam grande parte dos terrenos agrícolas no período do Outono ao principio do Verão. Pelo Mediterrâneo, os fenícios, gregos, romanos e árabes trouxeram nos a vinha e a oliveira, bem como diversas outras fruteiras figueira, amendoeira, pessegueiro; e ainda outras plantas que, embora não sendo originárias da zona mediterrânica, já aí eram conhecidas e cultivadas, como o arroz, citrinos, bananeira e cana do açúcar. A alimentação portuguesa, que nos primeiros tempos seria pobre e pouco diversificada, assentaria nos produtos de produção local, complementados pela carne e peixe, sempre que as condições económicas o permitiam. O mar já nesse tempo era complemento da economia portuguesa. O peixe fresco não sairia do litoral, o peixe salgado penetraria no interior, mas a costa portuguesa dispunha de várias instalações de salga que garantiam uma exportação importante de peixe salgado. A terra era pobre, a agricultura era uma actividade pouco dignificada, os campos estavam mal aproveitados, os alimentos não seriam abundantes e, muito menos, excedentários. Alguns reis procuraram dinamizar o sector agrícola e tirar partido dos recursos existentes:

2 D. Dinis, para defender os campos próximos do mar do avanço das areias, mandou secar pântanos e criar feiras e mercados; e D. Fernando, com a lei das Sesmarias, combateu ou, melhor dizendo, tentou combater a vadiagem e cultivar os campos incultos ou mal aproveitados. Foi nesta situação de agricultura pobre e pouco diversificada que se iniciou a expansão portuguesa com as primeiras viagens de descobrimentos. Outro caminho não seria viável, como se compreende. A procura de alimentos, nomeadamente de cereais, constitui uma das diversificadas motivações dos descobrimentos. As referências implícitas ou explicitas ao interesse dos portugueses pelos cereais são inúmeras e esclarecedoras nos nossos primeiros cronistas. A cana sacarina impõe se como cultura de rendimento nas novas terras descobertas (arquipélagos atlânticos e Brasil). O açúcar era na Europa um produto raro e caro, fabricado na Sicília, e passando o seu comércio maioritariamente pelas cidades italianas do Mediterrâneo, trazendo lhes grande prosperidade. Os navegadores levavam consigo sementes e propágulos das plantas que conheciam, para garantirem a sua própria sobrevivência e para saberem em que medida se adaptavam às novas terras descobertas. Este esforço foi notável e utilitário, não podendo considerar se entre aqueles que menos terão motivado os descobrimentos ou terão tido menos peso nas consequências deles. Assim, para além dos cereais e da cana sacarina, os portugueses experimentaram nas novas terras as plantas alimentares, hortícolas e frutícolas, que conheciam. Com umas tiveram sucesso total; com outras apenas parcial, quando as plantas se desenvolviam bem mas não frutificavam; e com outras houve completo insucesso, como era natural admitir se, principalmente por razões de ordem ecológica. Os cronistas da época referem a introdução em Cabo Verde, São Tomé, Costa Africana e Brasil de laranjeiras, limoeiros e «outras árvores de espinho», figueira, alfarrobeira, oliveira, amendoeira, romãzeira, vinha e «hortaliças diversas», entre aquelas que faziam parte de longas e pormenorizadas listas e que muito influenciaram a agricultura e a alimentação dos povos onde foram introduzidas. Mas, naturalmente, os portugueses encontraram nas novas terras plantas que desconheciam, resultantes de novas condições ecológicas ede inter comunicações já realizadas entre os povos aí existentes, quando existiam, cujos usos procuraram conhecer: umas alimentares; outras medicinais, que tanto procuravam para remédio de doenças que

3 na Europa não haviam cedido aos remédios conhecidos (drogas); outras ornamentais; e outras ainda fornecedoras de matérias primas industriais, como os corantes (anil, urzela, pau brasil). Algumas outras não foram capazes de avaliar, numa primeira análise, para que poderiam servir, mas trouxeram nas porque as populações locais as utilizavam ou as tinham em grande conta, ou porque representavam provas concretas que traziam do achamento de novas terras. Certas plantas vieram sob a forma de propágulos que poderiam não suportar, viáveis, tantos dias de viagem; de outras traziam sementes; e de algumas o poder germinativo perdeu se com o tempo e chegaram a Portugal inviáveis. Assim, em paralelo com estas acções, era costume deixar em pontos estratégicos, ou estações intermédias, como as ilhas de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe, habitualmente tocadas pelas armadas que iam e vinham de Portugal, parte dessas sementes ou propágulos, que aí se reproduziam e multiplicavam, e outra armada completaria a viagem, assim dividida em etapas. Quer as plantas que foram de Portugal para as regiões tropicais quer aquelas que seguiram percurso inverso, tiveram de encarar situações ecológicas diversas, pelo que nem todas se adaptaram; mas algumas das que o conseguiram produziram autênticas revoluções na agricultura e na economia das regiões onde foram introduzidas. Já mais fácil foi trocar plantas entre Continentes à mesma latitude, e muitas foram do Oriente para a América e África e vice versa, sendo que algumas destas também influenciaram decisivamente a economia e a alimentação das regiões onde foram introduzidas e mais ou menos rapidamente cultivadas. Nesse aspecto é notável referir a contribuição reduzida dada pela costa ocidental africana ao sul do Sara em plantas que se trocaram entre continentes. Ainda baseia em plantas que foram quase todas introduzidas pelos portugueses, a maioria vinda do continente americano. Este facto é tão surpreendente que vários estudiosos nestas matérias, como por exemplo o Conde de Ficalho, se interrogavam como se alimentariam os habitantes desta vasta região antes de lá chegarem as plantas que os portugueses lhes levaram. O contacto dos portugueses com o Oriente não lhes trouxe plantas novas adaptadas às zonas temperadas, uma vez que a maior parte das plantas cultivadas na Europa são de origem asiática e chegaram às nossas latitudes trazidas pelas migrações dos povos que

4 vieram precisamente de regiões orientais. Foi no continente americano que os europeus encontraram um maior numero de plantas de que tiraram imediatamente partido; foi do continente americano que se trouxeram aquelas que mais profundamente modificaram o panorama agrícola e alimentar do mundo, como o «milho americano», a batata doce, a batata, e a mandioca; foi do continente americano que saiu a maior soma de plantas que percorreu o mundo após a chegada dos europeus. Algumas delas foram grande vedetas logo nos primeiros tempos e a sua difusão pelo mundo realizou se a uma velocidade fantástica, tendo em conta os meios da época; outras foram aceites de forma mais moderada e a sua dispersão pelo mundo levou séculos a concretizar se; outras chegaram ao nosso tempo sem terem merecido grande atenção fora das suas áreas de origem. Sabia se que existiam, conheciam se os seus méritos mas ainda não tinha chegado, ou ainda nem sequer chegou, a grande oportunidade da sua difusão. * * * * * * * Apresentam se de seguida breves notas sobre algumas das principais plantas de origem americana difundidas pelo mundo após a chegada dos europeus ao Novo Mundo, centrando as referências na cultura das plantas e na forma como os seus produtos entram na alimentação local, nos circuitos regionais e na industrialização. Para a arrumação destas plantas podem seguir se vários critérios, todos discutíveis. Respeitar se ão alguns que pareceram mais práticos e utilitários, tendo em conta as plantas escolhidas. 1) Plantas de maior impacto agrícola e económico social: milho americano, mandioca, batata doce, batata, cajueiro, tomateiro, cacaueiro, girassol, tabaco, ananaseiro. 2) Plantas de maior impacto na agricultura europeia: milho, batata, tomateiro, abóboras, feijoeiros, girassol, tabaco, pimentos. 3) Plantas de maior influência na alimentação humana nos trópicos: mandioca, batata doce, milho. 4) Fruteiras americanas mais rapidamente difundidas: ananás, abacateiro, papaeira, goiabeira, maracujaseiro. 5) Plantas que se supõe terem sido difundidas mais rapidamente: milho, tabaco, batata doce, papaeira, amendoim, ananaseiro, anato.

5 ABACATEIRO (Persea americana Mill.) Originário da América, duma vasta região compreendendo o sul da América do Norte, a América Central e o norte da América do Sul, desde o nível do mar até zonas de altitude, o que fez criar formas ou tipos com características distintas, nomeadamente sensibilidades diferentes às baixas temperaturas. São árvores de pequeno e médio porte, de folhagem persistente e densa, que sempre foram muito estimadas pelas populações nativas americanas. Aos seus frutos atribuem se propriedades afrodisíacas e de aumento da virilidade e à infusões das suas folhas propriedades medicinais diversas. Parece que os europeus não terão apreciado muito o fruto, que não é açucarado. O naturalista espanhol Francisco Hérnandez escreveria na década de 1570: «É árvore grande com folhas como de limoeiro, mais verdes, mais largas e mais ásperas; de flor pequena, branca e amarela; de fruto em forma de ovo [...], negro por fora, esverdeado por dentro, de natureza gordurosa, como a manteiga, e sabor a nozes verdes». Há referências da chegada desta planta a Espanha em Só pelos fins do século XIX se começou a difundir realmente a cultura do abacateiro, logo que se conheceram melhor as suas altas qualidades nutritivas, devido ao alto teor de gordura e de vitaminas liposolúveis na polpa do fruto. O abacate passou a ser valorizado pelo seu valor nutritivo, estando hoje o seu consumo amplamente difundido. Como complemento do consumo em fresco, e tendo se verificado que o óleo da polpa, além de alimentar tem propriedades muito interessantes na área de protecção da pele, passou a integrar quase todos os produtos de beleza. AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) O amendoim, originário da América do Sul, é referido por Cristóvão Colombo no diário da sua primeira viagem, onde lhe chama «junça avelanada». Nicolás Monardes, naturalista espanhol, escrevia por volta de 1570 que «é fruto saboroso e de bom gosto, que no sabor se assemelha a avelãs». Já era muito conhecido e utilizado no Brasil antes da chegada dos portugueses. Gabriel Soares de Sousa, um tratadista português do século XVI, refere se lhe com muito pormenor: «é coisa que se não sabe haver se não no Brasil»; e curiosamente escreve, por má observação, que os amendoins «nascem nas pontas das raízes». Essa mesma má observação da planta encontramos no desenho de Frei Cristóvão de Lisboa, outro observador português seiscentista da flora americana, que apresenta frutos nos ramos, conjuntamente com frutos junto das raízes (mas não nas raízes). Este autor não dá

6 ao amendoim grande importância como planta alimentar, mas recomenda o «para quem tiver perna ou braço quebrado, pisando os verdes e pondo os em riba da quebradura, solda muito bem». Foi introduzido em África pelos portugueses, começando possivelmente pela região da Guiné. Alguns autores defendem que a introdução do amendoim em África terá sido feita pelos negreiros para alimentarem os escravos durante as suas penosas viagens entre África e a América, mas há referências mais antigas. Os portugueses difundiram o amendoim por todo o Oriente, chegando mesmo até à China logo nas primeiras décadas do século XVI. O amendoim constitui hoje uma cultura de enorme importância mundial, quer para alimentação, pois é rico em vitaminas, quer como matéria prima para a extracção de óleo alimentar, quer para a preparação da manteiga de amendoim (peanut butter). ANANASEIRO (Ananas comosus L.) Originário do núcleo central do continente sul americano, onde ainda hoje se encontram formas silvestres, nomeadamente no nordeste brasileiro. Já era cultivado e muito estimado na América Central em épocas pré colombianas, e dele dão os cronistas antigos descrições muito pormenorizadas, nomeadamente quanto ao aspecto do fruto, que surpreendeu a maior parte dos europeus pelo seu sabor e perfume e pela coroa com que está ornado. O próprio Colombo fala do ananás num dos seus escritos, escrevendo em 1493 que na ilha de Guadalupe «havia uma espécie de alcachofras, mas quatro vezes mais altas, que davam uma fruta em forma de pinha, mas duas vezes maior, a qual é excelente, podendo cortar se com uma faca tal como um nabo; parece que é muito saudável». As características de aroma e sabor que o fruto exibe, a estima que as populações nativas lhe davam e as diversas utilizações em que o empregavam, nomeadamente como fruto fresco, como fruto produtor de sumo para fermentar e como medicinal, devem ter dado ao ananás, desde logo, uma importância muito grande entre as novas plantas encontradas pelos europeus na América. Pêro de Magalhães de Gândavo, um dos primeiros escritores portugueses a descrever as terras brasileiras, fala de «uma fruta [que] se dá nesta província do Brasil muito saborosa e mais prezada de quantas há na terra». Portugueses e espanhóis difundiram o ananaseiro muito rapidamente e de uma forma muito intensa. Há referências à introdução do ananaseiro pelos portugueses logo em 1506 na ilha de Santa Helena e poderá ter chegado à Índia por volta de 1518, de imediato se espalhando por outras regiões asiáticas.

7 ANATO (Bixa orellana L.) O anato é de origem americana, oriundo de uma vasta área que se estende da Guiana às terras brasileiras da Bahia. É o urucú dos brasileiros e o quisafú dos santomeses. Os portugueses, como se lê na célebre carta escrita por Pêro Vaz de Caminha em 1500 a el Rei D. Manuel I, verificaram que a planta já tinha grande importância no contexto social local da Terra de Vera Cruz. Como refere este documento, «os índios traziam alguns deles ouriços verdes de árvores que na côr queriam parecer de castanheiros». Esses ouriços «eram cheios de uns grãos vermelhos pequenos que esmagando os entre os dedos, fazia tinta muito vermelha de que eles andavam tintos». A matéria corante, extraída do arilo da semente, utilizavam na os índios brasileiros não só para pintarem o corpo, especialmente precedendo grandes cerimónias, mas também para corarem as moringas (vasos de barro), os tecidos e os alimentos. Era considerada também um remédio contra queimaduras e um repelente para insectos. Não admira que, desde logo, os portugueses dessem importância à planta e sobretudo à matéria corante, não só pela estima que recebia das populações locais, mas também pela enorme importância económica que os produtos corantes então detinham. É muito possível que esta matéria corante fosse trazida desde logo para a Europa. Frei Cristóvão de Lisboa apresenta um desenho da planta e nos seus apontamentos refere que os naturais do Maranhão «a estimam tanto como as mulheres em Portugal estimam o vermelhão», o que dá uma ideia da sua já possível utilização na Europa, como produto de beleza feminina. Não se sabe em que época se difundiu a planta que hoje é muito frequente em todas as regiões tropicais, não só como produtora de matéria corante mas principalmente como ornamental para vedações e sebes. O corante também pode ser utilizado para corar pratos de arroz. Nos países industrializados, da matéria prima extraem se dois corantes, de grande utilização na indústria alimentar, porquanto, além de eficientes, se têm revelado inócuos. Usam se muito em margarinas, queijos, molhos diversos e até nas rações para aves, por comunicarem à carne e à gema dos ovos uma acentuada coloração amarela. ANONEIRAS (Annona spp.) A maior parte das espécies de anoneiras que tem expressão relevante como produtoras de frutos comestíveis são de origem americana, quase todas da América Central, incluindo as

8 Caraíbas, algumas delas das terras montanhosas e mais frescas da América do Sul. A maioria das espécies, senão a totalidade, já se encontrava muito dispersa e os frutos eram muito utilizados em épocas pré colombinas. As anonas são no geral frutos muito perfumados, ricos em sumo e muito saborosos. Os naturalistas espanhóis do século XVI descrevem na amiúde, nomeadamente o padre José de Acosta, que em 1590 referia: «A anona é do tamanho de uma pêra grande [...], todo o interior é branco e tenro como manteiga, e doce, e de um gosto muito requintado». E acrescentava: «segundo o juízo de alguns, é a melhor fruta das Índias». Não há referências à sua existência no Brasil, sabendo se que pelo menos algumas espécies foram introduzidas pelos portugueses em épocas já relativamente recentes. A Annona muricata L., a graviola ou gravoleira, encontra se hoje muito difundida em todo o mundo tropical. O sumo é utilizado em sumos e gelados. A Annonna cherimola Mill., a cherimolia ou anona da Madeira, é de polpa firme e agradável, facilmente adaptável nos climas temperados. A Annona squamosa L., fruta pinha ou ateira, é das mais saborosas e difundidas. Pode dizer se que não há quintal nos trópicos onde não exista uma anona desta espécie. Os frutos são de conservação difícil. Conhecida na Índia desde 1627, chamam lhe jaca de Manila, o que faz admitir que a introdução terá sido feita no Oriente pelos espanhóis. A Annona reticulata L., conhecida na Índia como jaca dos portugueses, leva a supor que teria sido por eles introduzida. As anonas, apesar de darem frutos de excelente qualidade, de polpa fina e sabor agradável, não têm conseguido conquistar os mercados das zonas temperadas por dificuldades de conservação. BATATA DOCE (Ipomea batatas L. ) Originária de uma região muito vasta, que se estende desde a Península do Iucatão ao norte até ao sul do rio Orinoco, compreendendo o território da Colômbia, Equador e norte do Peru. Não admira que se tivessem diferenciado, em área tão vasta, tipos de características morfológicas e produtivas algo diferentes. Os espanhóis já encontraram a batata doce cultivada na América Central e ela fez parte das provas de achamento de novas terras que Colombo trouxe aos Reis Católicos ao regressar do Novo Mundo. José de Anchieta, religioso jesuíta que missionou no Brasil no século XVI, refere a existência da batata doce naquele território americano, onde as raízes tuberosas «se comem assadas ou cozidas, são de bom gosto, servem de pão a quem não tem outro»; e Gabriel Soares de Sousa, que foi um conhecido e progressivo agricultor em terras brasileiras na mesma época, chama a atenção para a facilidade com que a planta se reproduz, porquanto sendo «naturais da terra se dão

9 nela de tal maneira que onde se plantam uma vez nunca mais se desinçam». Reconheceram lhe os portugueses boas características alimentares e até de alimento fresco, e devem ter providenciado para uma sua difusão imediata. Em 1538 a cultura da batata doce já estava instalada nos Açores, nomeadamente na Terceira. De acordo com um anónimo escritor português quinhentista, as raízes parecem se «com inhame e tem quase o sabor de castanhas». Na segunda metade do século XVI já há referências à cultura da batata doce nalguns países do continente europeu, nomeadamente Portugal, Espanha e Itália. No que diz respeito à introdução em África, refira se que antes de 1550 já um anónimo piloto português citava a sua existência em São Tomé, onde a população a aceitou bem, «fazendo dela o principal sustento». Ao Oriente a batata doce chegou por dois caminhos diferentes. Um, o dos portugueses, que levaram a partir do Brasil, através do Atlântico e do Índico, os clones antilhanos, que passaram da Índia à Indonésia, à China e ao Japão. Outro, o dos espanhóis, que levaram para o Oriente os clones mexicanos pelos galeões de comércio que faziam ligações entre o porto mexicano de Acapulco e a cidade de Manila, nas Filipinas. BATATEIRA (Solanum tuberosum L.) A batateira é originária da América do Sul, das terras altas andinas, possivelmente do Chile à Colômbia, onde, em regiões de elevada altitude, ainda hoje é possível encontrar formas silvestres. Só no Peru conhecem se cerca de dez mil cultivares de batateira. O tubérculo desta planta já era muito utilizado pelas populações, americanas antes da chegada dos europeus. Admite se também que os portugueses já teriam encontrado a batateira cultivada no Brasil, possivelmente em regiões mais frescas. O vocábulo batata já é utilizado por cronistas ibéricos do século XVI e de uma análise dos textos parece poder concluir se que se refeririam a esta solanácea. É curiosa a expressão de Pêro de Magalhães de Gândavo, referente ao Brasil, de que «há outras raízes como batatas», que não parece referir se à batata doce. Supõe se que a batateira terá sido introduzida pelos portugueses e espanhóis na Europa logo a seguir ao descobrimento do Novo Mundo, e depois por outros povos europeus, mas a realidade é que a cultura não se consolidou. Há referências à introdução da batata em Espanha em Por volta de 1590 iniciou se a cultura na Irlanda e na Inglaterra, tendo como ponto de partida tubérculos recolhidos nos

10 barcos espanhóis que vinham da América. Há também referências à batateira no século XVII em vários países do Centro da Europa. Supõe se hoje que a cultura da batateira só se difundiu tardiamente na Europa, sobretudo a partir do século XVIII, por estar difundida a crença de que o seu consumo provocaria a lepra. Este argumento pode ter assumido considerável peso, mas também será de ter em conta os hábitos alimentares dos europeus, que não incluíam produtos, como a batata, que tinham dificuldades de conservação, salvo aqueles que se destinavam ao consumo imediato, como a cenoura e o nabo. Com o tempo, a batateira conseguiu impor se nos climas temperados de todo o mundo, constituindo hoje uma cultura do maior interesse na alimentação humana e animal e como matéria prima para várias indústrias. Alimento de fácil digestão, a batata é actualmente um produto essencial na alimentação dos portugueses, sendo consumida cozida, assada, frita, ou utilizada como matéria prima em numerosas indústrias (farinha, puré, dextrina, glucose, álcool, amido, etc.). BAUNILHA (Vanilla planifolia Andr.) A baunilha parece ser originária das florestas tropicais do México, mas é provável que essa ou outra espécie semelhante estivesse difundida numa área mais vasta, que incluía as terras do norte do Brasil. Na década de 1520, o soberano azteca Moctezuma ofereceu ao conquistador Hernán Cortez uma papa à base de cacau e milho moídos aromatizada com baunilha. Os frutos foram depois trazidos para a Europa, onde o seu perfume foi muito apreciado, sendo a baunilha utilizada como condimento aromático, em pastelaria, doçaria e na confecção de licores. Os europeus, nomeadamente os ingleses, franceses e holandeses, logo que estabeleceram contactos mais estáveis com a América, deverão ter também introduzido a baunilha noutros continentes. Mas o sucesso destas transplantações foi relativo, por dificuldades de fecundação, pois embora a planta crescesse nalguns locais em boas condições, não frutificava. Descobriu se mais tarde que a flor da baunilha era fecundada por uma espécie de insectos existente apenas nas regiões de origem americanas. O processo de fecundação artificial desta orquídea exótica seria descoberto apenas em meados do século XIX, permitindo a partir de então uma maior difusão da cultura da baunilha, que foi nomeadamente introduzida pelos portugueses em São Tomé, onde chegou a sua cultura a assumir apreciável

11 interesse. CACAUEIRO (Theobroma cacao L.) Originário das partes superiores das bacias do Orinoco e do Amazonas. Admite se que durante muito tempo a planta foi valorizada apenas pela polpa açucarada que envolve as sementes, que são amargas na maior parte dos casos e a partir da qual se produziam bebidas doces ou fermentadas. Terá sido depois de se descobrir o elevado valor alimentar e aromático da semente que o cacaueiro se expandiu, sobretudo para norte e para leste, tendo desempenhado entre as populações da América Central um lugar de indiscutível mérito, a tal ponto que as sementes não apenas serviam de iguaria, mas também funcionavam como moeda de troca. Cristóvão Colombo escrevia em 1492, no diário da sua primeira viagem, que os habitantes das terras novamente descobertas «deitavam um grão numa escudela de água e bebiam na», dizendo os índios que o acompanhavam que «era coisa muito sã». Mais tarde, na sua última viagem ao Novo Mundo, cruzou se com uma embarcação de índios que, entre outras mercadorias, transportava essas estranhas sementes. Na década de 1520, Hérnan Cortez foi recebido na corte do soberano azteca Moctezuma com xocoatl, uma bebida produzida a partir de sementes de cacau trituradas e torradas, misturadas com farinha de milho (americano), e aromatizada com baunilha. Os espanhóis não apreciaram muito a bebida. Utilizando as sementes de cacau torradas e moídas, suprimiram lhe a farinha de milho e outros produtos nela usados e juntaram lhe o açúcar produzido pela cana sacarina que entretanto haviam introduzido, e assim prepararam uma bebida agradável que difundiram pela Europa. Hernán Cortez escreveria depois para Espanha que o «cacau é uma fruta como amêndoas, que eles vendem moída, e têm na em tanta consideração que serve de moeda em toda a terra, e com ela compram todas as coisas necessárias nos mercados». Para adquirir o aroma que lhe era próprio, a semente de cacau era sujeita a uma tecnologia que envolvia uma destruição do sabor amargo e o aparecimento de compostos que, durante a torra, exibiam o flavour a chocolate, tão apreciado. Os espanhóis trouxeram as sementes do cacaueiro para Espanha e com elas o processo de torra das sementes, e assim difundiram na Europa, durante muitos anos em sistema de exclusivo, a bebida do cacau, extraordinariamente aromática e estimulante. Sobretudo nas cidades portuárias europeias, e também em

12 Portugal, apareceram estabelecimentos onde se servia o chocolate, cujo número de apreciadores não parou de crescer. Mais tarde, generalizar se ia o uso do cacau com leite e o fabrico das mais variadas pastas de chocolate. Esta bebida deu lugar a intensos debates entre teólogos e naturalistas, que discutiam se com a sua ingestão se quebravam ou não os jejuns religiosos. Ciente das propriedades estimulantes e afrodisíacas do cacau, o padre José de Acosta escrevia na década de 1590 que no Novo Mundo «os espanhóis, e mais ainda as espanholas feitas à terra, perdem se pelo negro chocolate». Há informações vagas de que o cacaueiro terá sido introduzido pelos europeus no Oriente e possivelmente também África logo após a descobrimento da América, mas sem qualquer sucesso. Também no Brasil a cultura, visando a obtenção da semente, levou tempo a consolidar se, apesar de se tratar de uma planta nativa das suas terras do norte interior. A cultura do cacau em regiões de influência portuguesa, como o Brasil, São Tomé e Angola, generalizar se ia apenas nos século XIX e XX. A teobromina e a cafeína são responsáveis pelas propriedades tónicas e estimulantes das sementes do cacaueiro. CAJUEIRO (Anacardium occidentale L.) Originário do litoral atlântico da América tropical, incluindo as Antilhas, ou somente do nordeste do Brasil, como defendem alguns autores. Os espanhóis não referem o cajueiro nas suas primeiras descrições da América Central, o que faz admitir que o não conheciam. Os portugueses encontraram no no Brasil, onde se integrava no conjunto das árvores mais estimadas pelas populações locais, que dele tudo obtinham, da raiz aos frutos: alimentos, remédios, madeira, lenha, gomas, repelentes para animais, conservantes para barcos e redes, etc. Os índios do Brasil já preparavam uma bebida açucarada e alcoólica a partir do sumo do falso fruto, que os portugueses também apreciaram e usaram. Introduzido muito cedo em Cabo Verde, possivelmente daqui seguiu para a Índia, onde tão facilmente se adaptou que se comportou como subespontâneo. Outros autores fazem admitir que o cajueiro também passou directamente do Brasil para a Índia, o que até tem lógica, tendo em conta os trajectos das navegações da época. Garcia de Orta, numa obra publicada em Goa em 1563, não faz qualquer referência ao cajueiro, admitindo se que no tempo em que escreveu ainda não tivesse chegado à Índia; mas o naturalista Cristóvão da Costa, que em

13 1578 publicou um tratado sobre a história natural asiática, já menciona o cajueiro, dizendo que em Cochim se encontrava «em muitos jardins e hortas». Um pouco mais tarde, em 1585, o padre Fernão Cardim referia se ao cajueiro do Brasil: «Estas árvores são muito grandes e formosas»; e acrescentava: «a flor se dá em cachos que fazem umas pontas como dedos, e nas ditas pontas nasce uma flor vermelha de bom cheiro, e após ela nasce uma castanha, e da castanha nasce um pomo do tamanho de um repinaldo, ou maça camoeza; é fruta muito formosa, e são alguns amarelos, e outros vermelhos, e tudo é sumo». Esta planta, que tinha principal merecimento na semente e no falso fruto, adquiriu importância devido ao bálsamo que contém no mesocarpo, rico em fenóis. É matéria prima de numerosos produtos industriais. CUCURBITÁCEAS (Cucurbita spp.) Pertencentes a esta família conhecem se espécies diversas, vulgamente designadas por abóboras, originárias de vários continentes e cultivadas há milhares de anos. Para algumas, de cultura muito antiga e muito difundidas, é hoje muito difícil precisar a sua origem e explicar como se espalharam pelo mundo. Pensa se que as espécies do género Cucurbita eram desconhecidas na Europa antes do descobrimento da América. Os portugueses e os espanhóis deverão ter introduzido muito cedo estas plantas na Europa e será possivelmente da mesma época a consociação com o milho que ainda hoje se mantém no norte litoral de Portugal. Frei Cristóvão de Lisboa e Gabriel Soares de Sousa, dois autores portugueses que escreveram sobre o Brasil, referem a existência naquele território dos gerimús (abóboras meninas), «das quais há dez ou doze castas, cada uma de sua feição [...], mas não tão tamanhas como as da casta de Portugal». As abóboras eram uma importante componente da dieta dos povos ameríndios, que comiam a polpa cozida e as pevides torradas; as cascas eram utilizadas como recipientes. FEIJOEIROS (Phaseolus spp.) O termo feijão é substantivo comum que designa sementes de plantas de géneros e espécies diferentes, originárias de vários continentes e conhecidas na Europa em épocas não inteiramente coincidentes. O Phaseolus vulgaris L., ou feijoeiro vulgar, é de indiscutível origem americana, tendo sido desde cedo introduzido na Europa, onde modificou

14 profundamente os hábitos alimentares das populações rurais, fazendo concorrência à fava, à ervilha e à lentilha, já muito utilizadas. O feijão fazia parte da alimentação das populações do império azteca, aparecendo o seu cultivo frequentemente associado ao do milho. Esta espécie já era cultivada no Brasil quando lá chegaram os portugueses. Gabriel Soares de Sousa escreve no seu tratado sobre o Brasil que se dão «nesta terra infinidade de feijões naturais dela, uns são brancos, outros pretos, outros vermelhos e outros pintados de branco e preto, os quais se plantam à mão e quando nascem põem lhe[s] a cada um, um pau por onde trepam». Outro tratadista português do século XVI, Pêro de Magalhães de Gândavo, refere a existência de feijões «nesta província» do Brasil, enquanto Frei Cristóvão de Lisboa, já no século XVII, se refere à «comenda que quer dizer feijão havendo o de quatro ou cinco castas e a comendagura que também são feijões de pau». É hoje geralmente assente que os portugueses trouxeram o Phaseolus vulgaris para a Europa e o difundiram pelo mundo tropical logo no século XVI. O feijoeiro e o feijão provocaram profundas transformações na agricultura e na alimentação em quase todo o mundo, sobretudo pela facilidade de conservação, armazenamento e transporte. Outras espécies do mesmo género já eram cultivadas na europa e no Oriente antes das grandes viagens dos descobrimentos, e a maioria ainda hoje se cultiva, embora com menor importância económica que o feijoeiro vulgar. GIRASSOL (Helianthus annus L.) Planta de origem americana, que na época dos descobrimentos já se estendia por uma vasta região compreendida entre o Peru e o sul dos Estados Unidos. As populações ameríndias utilizavam na como planta ornamental, devido às suas vistosas e grandes folhas, usando também as sementes na alimentação, torradas ou moídas em farinha. Os aztecas chamavam lhe chimalacatl ou flor do sol. Foi rapidamente importada para a Europa por espanhóis e portugueses, difundindo se com relativa facilidade como planta ornamental. O naturalista espanhol Nicólas Monardes escrevia na década de 1570 que «é uma planta de invulgar grandeza, pois alcança duas lanças de altura, sendo a flor igualmente invulgar, pois é a maior e mais singular flor que já vi, pois é maior que um prato». Só nos princípios do século

15 XVIII se verificou que era economicamente possível extrair das sementes um óleo utilizável na alimentação humana e para fins industriais. O óleo de girassol actualmente faz parte da dieta alimentar de uma grande parte da população mundial. GOIABEIRA (Psidium gujava L.) Originária de uma vasta região do território americano que vai do sul do México até à Colômbia e ao Peru. O cronista espanhol Gonzalo Fernández de Oviedo, na década de 1520, dá pela primeira vez a conhecer a existência da planta aos europeus através dos seus escritos: «dá umas maçãs mais maciças que as maçãs de cá [de Espanha], e de maior peso, embora de idêntico tamanho, que têm muitas pepitas, ou melhor dizendo, estão cheias de uns grãos muito pequenos e duros». Mais tarde, o naturalista sevilhano Nicólas Monardes fará referência num dos seus tratados à «semente daquele fruto tão celebrado pelos índios e pelos espanhóis, a que chamam goiaba», dizendo que «é fruta agradável, sã e de boa digestão». Gabriel Soares de Sousa, um dos maiores agricultores do Brasil quinhentista, anota esta planta, parecendo lhe ser muito vulgar, pelo que é de admitir que as terras brasileiras do norte possam também estar incluídas na respectiva área de origem. Compara as goiabeiras a «macieiras», dizendo que «esta fruta se come toda e tem a ponta de azedo muito saboroso, da qual se faz marmelada que é muito boa». Talvez por isso a planta tenha sido muito estimada pelos portugueses, numa época em era fundamental dispor de alimentos que se pudessem conservar e utilizar durante as longas viagens marítimas, como a goiabada. Foi largamente difundida no mundo tropical por portugueses e espanhóis, de tal forma se adaptando que em quase todos os locais se comporta como subespontânea, aparecendo nos terrenos abandonados e até na mata, resultante de sementes deixadas pelos pássaros. Os frutos da goiabeira constituem uma das fontes mais importantes de vitamina C nas regiões tropicais, sendo por isso regularmente consumidos pelas populações regularmente consumidos pelas populações. MANDIOQUEIRA (Manihot esculenta Krantze)

16 Planta originária da América do Sul, conhecida e utilizada desde tempos muito antigos pelos índios guaranis. Ainda hoje é possível encontrar formas silvestres nos campos e nas terras do Paraguai e do Brasil. Os portugueses já encontraram esta planta muito cultivada ou explorada no Brasil, pois a partir dela obtinham se produtos muito diversificados, desde as folhas, que eram consumidas como hortaliça, até uma farinha alimentar, passando por uma bebida fermentada, que, com modificações mais ou menos intensas, ainda hoje se prepara. Pêro de Magalhães de Gândavo, em 1576, descreve o processo de fabrico desta curiosa bebida: «a qual fervem primeiro, e depois de cozida mastigam na umas moças virgens e espremem na em uns potes grandes e daí a três ou quatro dias a bebem». As farinhas de mandioca eram a principal fonte de subsistência de alguns povos ameríndios. As descrições dos primeiros cronistas ibéricos são algos confusas quando se referem a diversas plantas produtoras de tubérculos e raízes tuberculosas. Numa das suas viagens ao Novo Mundo, Colombo recebeu de um cacique da Española (Haiti) um pão a que chamavam caçabi, preparado a partir da raiz de mandioca. Para a elaboração deste alimento era necessário ralar a raiz e prensar a pasta assim obtida, para dela se extraírem os componentes venenosos. Este processo é claramente apresentado por um escritor espanhol nos princípios do século XVII, António Vásquez de Espinosa, num texto referente também à ilha de Española: «o principal e vulgar pão que nela se come é o cazabe, que se faz a partir de uma raiz chamada yuca, uma espécie de nabo galego; para fazerem o pão ou cazabe, que é o principal sustento dos índios, ralam a yuca e espremem o suco, que é um mortal veneno. Com a yuca ralada fazem umas tortilhas grandes, espécie de rodelas brancas e finas, que constituem o vulgar pão desta ilha e das demais». Os autores da época citam a existência de duas espécies: uma, a mandioca, que contém ácido cianídrico que se retira por maceração e lavagem, ficando uma «água peçonhenta» que mata quem a bebe, e que corresponde às actuais mandiocas amargas, muito mais produtivas e mais cultivadas, depois de se conhecer como se elimina o princípio tóxico; outra, é o aipim, que corresponde às actuais mandiocas doces, isentas de ácido cianídrico. Os portugueses desde cedo exportaram a mandioca para outros continentes, e nomeadamente para a África ocidental, onde ainda hoje constitui uma das bases da alimentação das populações. Não se dispõe de informação muito segura quanto à forma como a mandioca foi recebida no oriente, onde certamente também terá sido introduzida durante o século XVI. Como escrevia o padre José de Acosta em 1590, «estas tortilhas conservam se durante muito tempo, pelo

17 que são trazidas nos navios que vêm daquelas partes [...], servindo de biscoito a toda a gente». MARACUJASEIROS (Passiflora spp.) Este nome é dado a mais de 400 espécies distintas, todas elas trepadeiras, pertencentes à família das passifloráceas, originárias da América do Sul, algumas delas, senão a maioria, do território brasileiro. O padre Fernão Cardim referia se em 1585 ao maracujá brasileiro: «Dá uma fruta redonda como laranjas, outras à feição de ovo, uns amarelos, outros pretos». Frei Cristóvão de Lisboa, referindo se no século XVII às espécies de «frutos pequenos» da região do Maranhão, cita cinco variedades de maracujaseiros, que alastram pelo chão e vão também «por riba das árvores e pode[m] fazer latada». Os frutos contêm no seu interior um conjunto de sementes envolvidas num arilo e mergulhado num líquido ácido e muito aromático. A planta é essencialmente utilizada pelo sumo, hoje muito apreciado. Sob o ponto de vista da sua utilização, encontram se hoje essencialmente duas espécies: uma mais vulgar e mais difundida, o chamado maracujá pequeno, de frutos amarelo laranja ou roxos; e outra menos vulgar, e também menos difundida, o maracujá grande, de maiores dimensões, usado na produção de geleias e compotas. As folhas utilizam se na preparação de uma infusão calmante e sedativa. Das sementes extrai se um óleo alimentar, que também é utilizado no fabrico de verniz. MILHO AMERICANO (Zea mays L.) Embora no Antigo Mundo existissem diversos milhos, o chamado milho americano é indiscutivelmente originário do Novo Mundo, passando a ser conhecido e consumido na Europa apenas depois das viagens de Colombo. Constituía a base da alimentação das grandes civilizações pré colombinas, estendendo se o seu cultivo por todo o continente americano. O cronista espanhol Francisco López de Gomara, referindo se em meados do século XVI à viagem de descobrimento de 1492, afirma que Colombo trouxe de volta «dez índios, quarenta papagaios [...], maíz, de que fazem pão [...], como testemunho do que havia descoberto». Os soberanos espanhóis, de acordo com o mesmo cronista, «ficaram

18 maravilhados por naquelas partes não se encontrar trigo e por todos comerem pão feito daquele maíz». Os espanhóis rapidamente transplantaram o milho para Sevilha, e em 1498 o próprio Colombo escrevia sobre «uma semente que produz uma espiga como maçaroca, que eu levei para lá, e que já se cultiva muito em Castela». Os portugueses foram buscar o milho a Espanha, havendo notícias de plantações de milho em Portugal já no século XVI. Também terão trazido milho directamente do Brasil para Cabo Verde e para a costa africana. Um anónimo piloto português, que escrevia antes de 1550, refere que em «Cabo Verde se dá muito milho branco e grado de maçaroca e tanto que carregam nele navios para muitas partes». O mesmo autor precisa que na ilha da Santiago «quando chega o mês de Agosto começa se a semear o grão que chamam milho zaburro; nas Índias ocidentais chama se mahis», o que significa que por volta de 1545 já o milho americano tinha chegado a África, já era cultivado e já se tinha alguma experiência da sua cultura. O tratadista Gabriel Soares de Sousa, escrevendo em 1587, refere se ao milho como planta muito conhecida no Brasil. Considera o natural da terra e transmite importantes informações sobre a forma de consumo: «Este milho come o gentio assado por fruta e fazem seus vinhos com ele cozido, com o qual se embebedam, e os portugueses que comunicam com o gentio não se desprezam dele, e bebem no mui valentemente». Actualmente, muitos derivados do milho americano fazem parte da alimentação de largas camadas da população mundial, quer sejam as maçarocas, os preparados à base de farinha de milho (caldos, papas e pão) ou os óleos de milho. As folhas secas eram muito usadas para encher colchões e travesseiros, enquanto as canas servem para aquecimento dos fornos de pão. As barbas de milho são utilizadas como sedativos e diuréticos. PAPAIEIRA (Carica papaya L.) A papaieira ou mamoeiro é originária do sul do México, sendo referida pelos cronistas espanhóis da primeira metade do século XVI. Em finais desta centúria já era cultivada em lugares tão diferentes como o Brasil ou as Filipinas. Com efeito, levada por portugueses e espanhóis, a papaeira difundiu se por todo o mundo tropical. Para o seu sucesso contribuiu decerto a curiosa particularidade de produzir frutos todo o ano. Frei Cristóvão de Lisboa, screvendo sobre o Brasil no século XVII, mencionava «uma casta de árvore que dá uma fruta a modo de marmelos grandes mas costeados como o melão, a cor é amarela dentro, tem

19 uma semente negra do tamanho de munição, pequena, redonda; dela se faz conserva e se come». A papaia é um fruto muito aquoso, relativamente pobre em açúcares, mas muito refrescante e muito digestivo. Como se conserva dificilmente, é utilizada como fruta de consumo ou como matéria prima para fabrico de compotas. As folhas da papaeira podem ser usadas para tirar nódoas ou manchas da roupa, enquanto a polpa é utilizada no fabrico de cremes faciais e de champôs. Das camadas superficiais do fruto retira se a papaína, que é largamente utilizada na indústria (cerveja, fiação, atenuamento de carnes). PIMENTEIROS (Capsicum spp.) Os pimenteiros são de origem americana e já entravam em grandes doses na alimentação das populações locais antes da chegada dos europeus. Considera se que eram uma das suas principais fontes de algumas vitaminas, funcionando como tempero da comida, tal como o sal entre os europeus. O pimenteiro mais conhecido é o Capsicum annuum L., de cultura anual, que dá frutos normalmente de maiores dimensões e de tecidos mais espessos e suculentos. Algumas variedades dão frutos picantes (pimento picante ou malagueta), que são comidos ao natural ou integrados em molhos; outras, dão frutos não picantes (pimento doce), que podem ser comidos crus, em saladas, assados ou fritos, ou integrados em pratos tradicionais. Os frutos bem maduros, depois de secos e moídos, dão origem ao pimentão (ou colorau), picante ou doce conforme a natureza dos frutos de que provém. Os portugueses e os espanhóis introduziram os pimenteiros americanos na Europa, onde fazem hoje parte integrante da horticultura tradicional. O Capsicum frutescens L., que produz frutos pequenos, oblongos e fortemente picantes, é uma planta vivaz, muito rústica, que hoje se comporta como subespontânea em todo o mundo tropical. Colombo trouxe a para a Europa logo em 1493 e refere a nos seus escritos, ao descrever a ilha Española: «existe muito axi, que é a sua pimenta [...], e toda a gente a utiliza, pois é muito saudável». Tanto uma como outra espécie só muito recentemente são referidas em África, mas tudo indica que fizeram parte do lote das que ali foram introduzidas logo no século XVI pelos portugueses. Existem muitas formas e tipos de pimentos, diferentes pelo porte, pelo tamanho e pela forma, porque é entre eles muito frequente a fecundação cruzada. Os pimentos na indústria podem ser valorizados pela matéria corante (vitamina A)

20 ou pelo picante, devido à capsaicina, que é um composto muito irritante para os olhos. Tanto os pimentos doces como os picantes fazem hoje parte integrante da nossa alimentação, havendo muita gente que não dispensa o piripiri como condimento. QUINEIRAS (Cinchona spp.) Existem diversas espécies de quineiras, todas elas originárias das terras altas da América do Sul. Os extractos das suas cascas eram utilizados pelas populações locais no combate contra o paludismo, mas esse segredo não foi revelado pelos ameríndios aos invasores espanhóis, talvez por admitirem vencê los pela doença, já que seria mais difícil levá los de vencida pelas armas. Os missionários jesuítas em serviço no Peru parece terem estado na origem da difusão mundial do pó preparado a partir da casca de quineira, utilizado para o tratamento do paludismo. O imperador chinês Kangxi, em finais do século XVII, terá sido curado de febres palúdicas pelos jesuítas que residiam em Pequim. A quineira é bem o exemplo da aplicação pelos europeus dos conhecimentos empíricos que no Novo Mundo obtiveram acerca das propriedades medicinais de certos produtos de origem americana. TABACO (Nicotiana tabacum L.) O tabaco tem origem americana, possivelmente muito alargada na área, e já estava profundamente integrado nos hábitos de praticamente todas as populações ameríndias quando os europeus aportaram ao Novo Mundo. Diversos observadores referem o consumo desta planta em locais variados da América, logo a seguir à viagem inaugural de Colombo. O almirante genovês refere se ao tabaco no diário da sua primeira viagem, dizendo que nalgumas ilhas das Antilhas «mulheres e homens andam com um tição nas mãos, de certas ervas, para tomarem seus fumos». O cronista Bartolomé de Las Casas, que mais tarde se baseou nos escritos de Colombo, acrescenta mais pormenores: «são umas ervas secas, metidas numa certa folha, seca também [...], e acendem nas por uma parte e pela outra chupam ou sorvem ou recebem para dentro aquele fumo, com o qual se adormecem as carnes e quase que embebeda, e dizem que assim não sentem o cansaço. A estes canudos chamam eles tabacos». Em certas regiões, as folhas de tabaco eram queimadas em fogueiras, para se aspirar o fumo produzido; noutras regiões, o tabaco era inalado com o auxílio de canas, de cachimbos ou de instrumentos em forma de Y; e noutras regiões, o

21 tabaco moído era enrolado em folhas de tabaco secas e assim fumado. De qualquer forma, os primeiros testemunhos ibéricos são unânimes em afirmar que o fumo do tabaco provocava alteração dos sentidos, embriaguez e mesmo delírios. Os espanhóis trouxeram as folhas de tabaco para a Europa como produto medicinal, já que lhes reconheciam uma série de propriedades benéficas para uma grande variedade de doenças. Nicólas Monardes foi um dos primeiros médicos europeus a estudar o tabaco, defendendo, numa obra publicada em meados do século XVI, as imensas virtudes curativas das suas folhas para fins tão diversos como: catarro, vertigens, remela dos olhos, cefaleias, nebulosidades da vista, surdez, úlcera do nariz, dores de dentes, úlceras e aftas das gengivas, reumatismo, tosse rebelde, mal do estômago, síncope, cólica, hidropisia, vermes, hemorróidas, dores uterinas, ciáticas, tumores, úlceras profundas, hemorragias, úlceras varicosas, gangrena, sarna, escrófulas, carbúnculo, mordedura de cobras venenosas e cães raivosos e venenos das flechas. Também os portugueses encontraram no Brasil uma larga utilização da planta do tabaco pelo ameríndios, com objectivos medicinais e rituais. O padre Fernão Cardim, em 1585, escreve sobre a «erva santa» do Brasil, que «é umas das delícias, e mimos desta terra», acrescentando que «são todos os naturais, e ainda os portugueses, perdidos por ela, e têm por grande vício estar todo o dia e noite deitados nas redes a beber fumo, e assim se embebedam dela, como se fora vinho». O jesuíta Luís de Goes trouxe pela primeira vez sementes de tabaco do Brasil para Portugal, que foram plantadas com sucesso. Jean Nicot, embaixador de França em Lisboa entre 1559 e 1561, conheceu aqui o tabaco e, alertado para as propriedades curativas notáveis que lhe atribuíam, levou folhas para Paris, que foram usadas para tratamento das enxaquecas da rainha Catarina de Médicis. Por isso anda hoje o seu nome associado à nicotina, um dos princípios activos do tabaco. Os portugueses introduziram o tabaco em África, onde foi bem aceite, e no Oriente, onde a sua cultura se difundiu com relativa facilidade. O contacto dos europeus com os povos americanos levou os a substituir nos cigarros, já conhecidos no Velho Mundo há muitos séculos, as ervas aromáticas, ópio e outros produtos que já usavam, pelo tabaco. A difusão do hábito de fumar tabaco na Europa, trazido da América por portugueses e espanhóis que regressavam do Novo Mundo, provocou enormes controvérsias sociais e científicas, debatendo se intensamente desde o século XVI as virtudes e os malefícios deste hábito. Nos primeiros anos do século XVII, James I de Inglaterra propunha a proibição do fumo do tabaco, «esse hábito nojento à vista, desagradável ao cheiro, perigoso ao cérebro e nocivo ao peito, que espalha em roda do fumo exalações tão infectas como se saíssem das cavernas do inferno». Curiosamente, esta posição não andava longe dos actuais conhecimentos médicos, que

Exposição o minério de Barroso

Exposição o minério de Barroso batata Exposição o minério de Barroso PAÇOS DO CONCELHO 22 FEVEREIRO A 12 MARÇO 2010 74 BATATA - MINÉRIO DO BARROSO Volta a Câmara Municipal de Boticas a poder contar com mais uma exposição, e esta de

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e

Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e Urakepe. Olá. Meu nome é Romel. Sou uma índia Chachi. Eu moro no vilarejo de São Salvador, no oeste do Equador. Eu tenho cinco irmãos, duas irmãs e muitos primos. Existem cerca de 60 famílias em São Salvador

Leia mais

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas.

A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. A noz-moscada é uma das especiarias mais apreciadas e valorizadas desde a antiguidade por suas propriedades aromáticas, afrodisíacas e curativas. Sua história remonta ao século I, como evidenciado nos

Leia mais

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 03 FEV 2014 Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão Já pensou em tomar sorvete de mandioca? E doce de casca de maracujá?

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERD ÍCIO ALIMENTAR

SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERD ÍCIO ALIMENTAR SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERDÍCIO ALIMENTAR Legumes cozidos ( ± 0,5 kg, variados) 250 gr de farinha 2dl de leite

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

Sustentável. Alimentação: Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Dicas orientadas pela nutricionista Miriam Abdel Latif - CRN 3152

Sustentável. Alimentação: Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Dicas orientadas pela nutricionista Miriam Abdel Latif - CRN 3152 Alimentação: Sustentável Dicas orientadas pela nutricionista Miriam Abdel Latif - CRN 3152 Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. NÚMERO 4 Bolo de Maçã com casca 3 ovos 1 xícara (chá)

Leia mais

Fruta em Taça de Meloa (4 a 6 doses) Iogurte Tropical Gelado (6 a 8 doses) Preparação: 10m

Fruta em Taça de Meloa (4 a 6 doses) Iogurte Tropical Gelado (6 a 8 doses) Preparação: 10m Fruta em Taça de Meloa (4 a 6 doses) ½ meloa grande 150-200g de fruta cortada: ameixas, alperces frescos, uvas, morangos, amoras, nectarinas, pêssegos, laranjas, maçãs ou kiwis. 4 c. sopa de sumo de laranja

Leia mais

Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof

Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof Clique aqui http://emagrecaki.com.br/emagrecimentom Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof ÍNDICE Pasta & Feijões 3 Perú 4 O Roti Saudável 5 Massa De

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

VEGANISMO. Ideias Receitas Anticapitalismo

VEGANISMO. Ideias Receitas Anticapitalismo VEGANISMO Ideias Receitas Anticapitalismo O que é Veganismo? Veganismo é uma palavra que foi criada para diferenciar o Vegetarianismo Estrito, dieta contínua em que não se consome nada de origem animal,

Leia mais

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV Alimentação: Sustentável NÚMERO 3 Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Risoto de casca de Abóbora Cascas de 2kg de abóbora (ralada ) 3 xicaras de arroz cozido 1 cebola grande (picada)

Leia mais

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES Classe 30 Café, chá, cacau, açúcar, arroz, tapioca, sagu, sucedâneos do café; farinhas e preparações feitas de cereais, pão, pastelaria e confeitaria, gelados; mel,

Leia mais

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE Data: 25/6/2008 AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VI PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE Nome: Turma: Valor da prova: 3,5 Nota: Eixo temático

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO no 1º ano de vida INÍCIO DA DIVERSIFICAÇÃO A diversificação pode ser iniciada após os 4 meses. Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou caldo de legumes (antes

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Início da Diversificação A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou sopa de legumes (antes dos 6 meses) Papa

Leia mais

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução Comida 25 - Introdução 63 4 Comida suficiente e nutritiva 25 Introdução Existem vários sistemas simples e de baixo custo que podem melhorar a segurança alimentar e a nutrição. Estes incluem, por exemplo,

Leia mais

Exemplos de pratos rápidos e simples para levar num piquenique:

Exemplos de pratos rápidos e simples para levar num piquenique: Vamos piquenicar? Com o Verão, chega a fervorosa vontade de sair de casa e aproveitar o sol. Os dias outrora passados entre quatro paredes para o abrigo a chuva, frio e vento, são agora passados ao ar

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Unidade de Saúde do Afonsoeiro DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR

Unidade de Saúde do Afonsoeiro DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR Unidade de Saúde do Afonsoeiro DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR GRUPO A Batata Cenoura Abóbora Dente de alho Nabo Cebola 4 5 meses SOPA DE LEGUMES GRUPO B Alho Francês Alface Brócolos Nabiça Agrião Espinafres

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS... um guia para a escolha alimentar diária! 1-3 3-5 2-3 1,5-4,5 1-2 3-5 4-11 COMA BEM, VIVA MELHOR! O QUE É UMA PORÇÃO?* POR DIA quantas são necessárias? ** Cereais e derivados, tubérculos

Leia mais

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.!

História!do!café! O!café!começou!a!ser!consumido!em!meados!do!século!IX!na!Etiópia!e,!esse! é!um!hábito!que!ainda!hoje!se!mantém!atual.! Índice Históriadocafé...3 Espéciesbotânicasdecafé...5 OProcessodeTorrefaçãoeMisturadocafé...7 MoagemdoCafé...9 MáquinasdeCafé...10 QueCaféComprar?...11 Qualamelhorformadeguardarocafé?...13 Caféinstantâneo...14

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

Almoços Saudáveis Para Uma Semana De Moura

Almoços Saudáveis Para Uma Semana De Moura Índice Índice Massa & Feijões Perú O Roti Saudável Almoço Mexicano Pizza Saudável Vegetais Grelhados Almoços Saudáveis Para Uma Semana De Moura Massa & Feijões Este prato saudável combina feijão que enchem

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

Segredo do Emagrecimento Rápido http://www.coisasqueemagrecem.com.br/segredoemagrecimentorapido

Segredo do Emagrecimento Rápido http://www.coisasqueemagrecem.com.br/segredoemagrecimentorapido ÍNDICE Pasta & Feijões 3 Perú 4 O Roti Saudável 5 Massa De Gergelin Com Frango 7 Almoço Mexicano 8 Pizza Saudável 9 Vegetais Grelhados 10 Imformações importantes! Este Ebook não pode ser modificado / editado,

Leia mais

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012 Alimentação saudável Nídia Braz Outubro, 2012 A alimentação tradicional portuguesa é variada, usa matérias primas diversas, preparadas de modos muito variado, quer pela indústria quer em casa. 2 Nídia

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 PRODUTOS Jan-Jun 2013 Jan-Jun 2014 Crescimento 2013/2014 Outras frutas de casca rija e outras sementes, preparadas ou

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS

APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS APROVEITAMENTO INTEGRAL DE ALIMENTOS A fome e o desperdício de alimentos são dois dos maiores problemas que o Brasil enfrenta, constituindo-se em um dos paradoxos de nosso país. Produzimos 140 milhões

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Cardápio nº 2455 - BISCOITO CASEIRO DE NATA E SUCO DE POLPA DE FRUTA os C Ca Mg Fe Zn Custo Açúcar g 8 30,96 7,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Açúcar (suco) g 10 38,70 9,96 0,00

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Alimentação. no primeiro ano de vida

Alimentação. no primeiro ano de vida Alimentação Trv. Noronha, nº5 A Lisboa Telef: 21 394 73 10 Fax: 21 394 73 18 Email: usf.arco@arslvt.minsaude.pt no primeiro ano de vida A diversificação alimentar deve ser iniciada entre os 4-6 meses de

Leia mais

RECEITAS SEM GLÚTEN ALERGIAS ALIMENTARES RECEITAS

RECEITAS SEM GLÚTEN ALERGIAS ALIMENTARES RECEITAS RECEITAS Souflê de brócolis (4 - Porção(ões) - 120 - Caloria(s)) Ingredientes: 100 g de queijo minas ou tofu 1 xícara de leite ou extrato de soja 2 ovos 1 colher de sopa de amido de milho (maisena) 1 pitada

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

MENOS SAL! MAIS SAÚDE!

MENOS SAL! MAIS SAÚDE! MENOS SAL! MAIS SAÚDE! Jogo da Glória Unidade de Saúde Pública ACES Espinho/Gaia REGRAS: Jogadores: 2 a 6 Objetivo: Ser o primeiro a chegar à casa final! Cada casa possui um tipo de alimentos. Em algumas

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

Livro de receitas para os novos

Livro de receitas para os novos Livro de receitas para os novos Ficha Técnica Título: Direcção Editorial: Concepção: Corpo Redactorial: Produção Gráfica: Propriedade: Redacção: Livro de Receitas para os mais novos Alexandra Bento Helena

Leia mais

Lição N o 5. Vitaminas. Objectivos de Aprendizagem. introdução. No final desta lição, você será capaz de:

Lição N o 5. Vitaminas. Objectivos de Aprendizagem. introdução. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 5 Vitaminas Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Mencionar algumas vitaminas, as suas propriedades, respectivas fontes e funções. Identificar algumas doenças causadas

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

Docinho de abacaxi...4 Cheesecake de goiabada...5 Pavê de doce de leite com amendoim...6 Torta de chocolate...7 Bolo de fubá...8 Pão de coco...

Docinho de abacaxi...4 Cheesecake de goiabada...5 Pavê de doce de leite com amendoim...6 Torta de chocolate...7 Bolo de fubá...8 Pão de coco... www.liquigas.com.br Docinho de abacaxi...4 Cheesecake de goiabada...5 Pavê de doce de leite com amendoim...6 Torta de chocolate...7 Bolo de fubá...8 Pão de coco...9 Cocada de forno...10 Petit gateau...11

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Caderno de actividades

Caderno de actividades Caderno de actividades Para responderes correctamente às perguntas que se seguem, talvez queiras ler o livro Era uma Vez uma Casa, à venda no Sítio do Livro, e também visitar o sítio infanto-juvenil www.barry4kids.net.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

Este nível de insulina baixo também o ajuda a controlar a sua fome pois é o nível de insulina que diz ao seu cérebro que está na hora de comer.

Este nível de insulina baixo também o ajuda a controlar a sua fome pois é o nível de insulina que diz ao seu cérebro que está na hora de comer. A dieta da Toranja já vem sendo discutida por algum tempo, mas não se sabia ao certo porque a Toranja possui tantas capacidades para a perda de gordura e mesmo os cientistas se dividem sobre esse assunto.

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

Origem da vida. Valdir estava doido para ir à praia e curtir. A voz do professor

Origem da vida. Valdir estava doido para ir à praia e curtir. A voz do professor A UU L AL A Origem da vida Valdir estava doido para ir à praia e curtir suas férias. Antes de viajar, porém, tomou todos os cuidados necessários: trancou bem as portas e as janelas, desligou todos os aparelhos

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim. Inclui receitas

Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim. Inclui receitas Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim Inclui receitas Ficha Técnica Título: Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim Concepção: Mariana Barbosa Corpo redactorial: Mariana Barbosa Revisão:

Leia mais

Uma autêntica refeição italiana é uma verdadeira experiência culinária: um enriquecimento aos olhos e ao paladar.

Uma autêntica refeição italiana é uma verdadeira experiência culinária: um enriquecimento aos olhos e ao paladar. Uma autêntica refeição italiana é uma verdadeira experiência culinária: um enriquecimento aos olhos e ao paladar. Os italianos desfrutam de várias e prazerosas refeições ao longo do dia, com uma grande

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS São substancias psicoativas que agem no Sistema Nervoso Central. Produz

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

Sagres, a sede que se deseja como bem disse o escritor feito publicitário J.C. Ary dos Santos aquando da 1ª campanha publicitária da marca em 1963.

Sagres, a sede que se deseja como bem disse o escritor feito publicitário J.C. Ary dos Santos aquando da 1ª campanha publicitária da marca em 1963. Pack Estudantes História da Sagres Sagres, a sede que se deseja como bem disse o escritor feito publicitário J.C. Ary dos Santos aquando da 1ª campanha publicitária da marca em 1963. Desde 1940, quando

Leia mais

CARDÁPIO ESCOLAR. Arroz/Feijão Bife à rolê Chuchu gratinado Salada: Rúcula SUCO

CARDÁPIO ESCOLAR. Arroz/Feijão Bife à rolê Chuchu gratinado Salada: Rúcula SUCO 1º SEMANA DE JUNHO 2014 02/06/2014 03/06/2014 04/06/2014 05/06/2014 06/06/2014 Bife de panela Abobrinha refogada Salada: Repolho Iscas de frango grelhada Brócolis Bife à rolê Chuchu gratinado Salada: Rúcula

Leia mais

ANEXO A.1 Formulário Dietético

ANEXO A.1 Formulário Dietético ANEXO A.1 Formulário Dietético I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo A.2 (Capitações dos alimentos de refeições confecionadas e preparações culinárias) e do anexo

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

TERMOS E CONDIÇO ES. Sempre que houver dúvidas procure um profissional de saúde e leve o material para avaliar. Página 1

TERMOS E CONDIÇO ES. Sempre que houver dúvidas procure um profissional de saúde e leve o material para avaliar. Página 1 TERMOS E CONDIÇO ES Todas as Receitas incluídas nesse e-book foram retiradas de fontes seguras que são referências no assunto, não nos responsabilizamos pelo uso dessas receitas caso o seu estado de Diabetes

Leia mais

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS (ALUNOS) Público Alvo: 6ºs E 7ºs ANOS (DISCIPLINA) Área de Conhecimento: MATEMÁTICA e LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORES: JANAINA ROSEMBERG

Leia mais

2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira. Legumes com frango Legumes com peixe Legumes com ovo Legumes com Perú ou vitela. Maça ou Pera cozidas

2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira. Legumes com frango Legumes com peixe Legumes com ovo Legumes com Perú ou vitela. Maça ou Pera cozidas Sobrenesa Sopa C E N T R O S O C I A L J E S U S M A R I A J O S É 2012-2013 Ementa da Creche 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira Legumes com frango Legumes com peixe Legumes com ovo Legumes com

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

AS MELHORES RECEITAS para a Bimby

AS MELHORES RECEITAS para a Bimby AS MELHORES RECEITAS para a Bimby Clube Top Chefe edição limitada Bolo de Chocolate com Calda 200 gr de farinha 50 gr chocolate em pó 200 gr de açucar 100 gr de margarina derretida 200 gr leite 3 ovos

Leia mais

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS.

CORTE O AÇÚCAR, ELIMINE GRÃOS E FARINHAS, NÃO CONSUMA NADA PROCESSADO E CORTE LATICÍNIOS. Desafio: Whole30 INTRODUÇÃO Seja bem-vindo ao seu novo programa de reeducação alimentar Whole30! A partir de hoje durante 30 dias você vai seguir essa dieta exatamente como está aqui. Cada vez que você

Leia mais

Tabule Rendimento 4 porções

Tabule Rendimento 4 porções Tabule Rendimento 4 porções - 4 tomates picados - 1 xícara (chá) de trigo para quibe - 1 cebola picada - 1 pepino com casca picado em cubos - 1/2 xícara (chá) de salsinha picada - 1/4 xícara (chá) de cebolinha

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

ANIMAIS EXÓTICOS COELHO

ANIMAIS EXÓTICOS COELHO ANIMAIS EXÓTICOS COELHO Sabia que todos os animais exóticos deveriam consultar o médico veterinário e efetuar um check up, após a sua aquisição, e pelo menos uma vez por ano, mesmo que estejam saudáveis?

Leia mais

Pimenta Capsicum sp. Uma das especiarias mais consumidas no mundo.

Pimenta Capsicum sp. Uma das especiarias mais consumidas no mundo. Pimenta Capsicum sp Uma das especiarias mais consumidas no mundo. Eloisa Casadei Fernanda Ascencio Pace Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP 2005 Família: Solanaceae Introdução Uso: tempero dos

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

LIVRO DE RECEITAS. 3ª Edição

LIVRO DE RECEITAS. 3ª Edição LIVRO DE RECEITAS 3ª Edição Os produtos Purinha vêm mais uma vez presentear você com um novo livro de receitas. Esta é a terceira edição de uma coleção com sabores incríveis conseguidos a partir das combinações

Leia mais

INOVAÇÃO ABERTA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

INOVAÇÃO ABERTA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS Tendências DE INOVAÇÃO de mercado NO SECTOR Agro-alimentar

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA UTENTES COM LITÍASE URINÁRIA

QUESTIONÁRIO PARA UTENTES COM LITÍASE URINÁRIA QUESTIONÁRIO PARA UTENTES COM LITÍASE URINÁRIA Código da doação A. Comportamentos Alimentares 1. Em média, quantos copos de leite bebe por dia? 00 Número de copos 02 Não sabe 01 Menos de um copo 03 Prefere

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

Praça do Município, Posto de Turismo 5470-214 Montalegre Tel: 276-510-200 Fax: 276-510-201 Correio electrónico: fernandopreira@iol.

Praça do Município, Posto de Turismo 5470-214 Montalegre Tel: 276-510-200 Fax: 276-510-201 Correio electrónico: fernandopreira@iol. Praça do Município, Posto de Turismo 5470-214 Montalegre Tel: 276-510-200 Fax: 276-510-201 Correio electrónico: fernandopreira@iol.pt 1 2 Boaventura Silva Mendes Moura Manuel João Soeira de Moura Germano

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Livro Bonus de Receitas Ecológicas

Livro Bonus de Receitas Ecológicas Livro Bonus de Receitas Ecológicas Daniel Queijo de Amendoim 2 xícaras de amendoim germinado descascado; 1 Dente de Alho; 1/2 Cebola branca; 6 Colheres de Azeite; 1 Limão (suco e a raspa da casca de uma

Leia mais

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate)

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) são conservadas pela indústria alimentar, de modo a aumentar a sua estabilidade e o seu tempo de prateleira. 1

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais