CONTRIBUIÇÃO DAS MICRODELEÇÕES/MICRODUPLICAÇÕES INTERSTICIAIS PARA O FENÓTIPO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO DAS MICRODELEÇÕES/MICRODUPLICAÇÕES INTERSTICIAIS PARA O FENÓTIPO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA GERAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CONTRIBUIÇÃO DAS MICRODELEÇÕES/MICRODUPLICAÇÕES INTERSTICIAIS PARA O FENÓTIPO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA ORIENTADA: Gabriela Chadid Salazar ORIENTADORA: Profª Drª Maria Raquel Santos Carvalho Belo Horizonte - MG Julho de 2013

2 II GABRIELA CHADID SALAZAR CONTRIBUIÇÃO DAS MICRODELEÇÕES/MICRODUPLICAÇÕES INTERSTICIAIS PARA O FENÓTIPO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Dissertação apresentada ao programa de Pós- Graduação em Genética do Departamento de Biologia Geral do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do grau de mestre em Genética. Orientadora: Profª. Drª. Maria Raquel Santos Carvalho Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte - MG 2013

3 III Dedico este trabalho ao meu eterno anjo BÁRBARA CHADID SALAZAR

4 IV AGRADECIMENTOS O meu muito obrigada. À Deus, por todas as bênçãos em minha vida e por permitir essa conquista; À professora Dra. Maria Raquel Santos Carvalho, pela oportunidade, confiança, apoio e principalmente a orientação e os ensinamentos para a concretização deste; À colega de trabalho, amiga e exemplo Izinara Rosse, pela dedicação, ajuda, explicações, correção da dissertação, por cada palavra de apoio, carinho, incentivo e principalmente por acreditar em mim; Aos colegas do LGHM, Pablo, Fernanda, Laura, Pedro, Luana, Paula e principalmente Aline, pela ajuda e apoio no dia a dia. Em especial à Marlene, que desde o primeiro dia de laboratório tanto me ajudou e apoiou, e que com suas doces palavras me deu força nos momentos difíceis; Aos alunos do Prof. Dr. Vitor Geraldi Haase pelas coletas e os testes realizados para triagem e diagnóstico neuropsicológico das amostras. Em especial à Flávia Neves pela ajuda na compreensão dos testes; À todos os professores, colegas e amigos da pós-graduação pelos ensinamentos e que de alguma forma contribuíram para o meu aprendizado. Em especial Michelle Alves, Raiana Silva e Raphael Steinberg; Aos colegas do LBMM em especial a Isa e Anderson e à Elisangela Monteiro e Mariana Eduarda Lopes da Fiocruz, pela amizade e ajuda na genotipagem das amostras; À Silvia Costa e Carla Rosenberg do Instituto de Biociências, USP, pela ajuda com a análise do acgh; Aos membros da Banca Examinadora por aceitarem meu convite; À CAPES e CNPq pelo apoio financeiro; À minha família, em especial meus pais pelo amor incondicional. À minha mãe pelo carinho, paciência, incentivo, apoio, ajuda, por nunca me deixar desistir e por ser meu alicerce; À minhas amigas Rê, Lívia, Pri e Jú pelo apoio e entenderem os momentos de ausência; Em especial ao Thiago Romão por compartilhar cada momento difícil, pela compreensão, paciência, incentivo e por tornar meus dias mais alegres.

5 V Nunca existiu uma grande inteligência sem uma veia de loucura. Aristóteles

6 VI SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E UNIDADES DE MEDIDA VIII IX X 1 INTRODUÇÃO A dificuldade de aprendizagem da matemática Modelos neuro-cognitivos da DAM Evidências para um componente genético A DAM em síndromes genéticas Estudos moleculares Estratégia de investigação das bases genético-moleculares em desenvolvimento pelo grupo de pesquisa A técnica de MLPA Justificativa e relevância Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos 27 2 MATERIAIS E MÉTODOS Aspectos éticos A amostra Amostra ambulatorial A amostra de base populacional Triagem pelo TDE Testagem neuropsicológica e cognitiva Sistemática de classificação dos pacientes Métodos moleculares Extração de DNA A técnica MLPA Analise dos resultados Confirmação dos resultados 37 3 RESULTADOS Padronização da MLPA Redução do protocolo original Validação do kit P245-A Genotipagem por MLPA Confirmação dos resultados Técnica MLPA Técnica de array-cgh 45

7 VII 4 DISCUSSÃO Padronização da MLPA Avaliação do desempenho da técnica Redução do protocolo original Validação do kit P245-A Genotipagem por MLPA Confirmação dos resultados Contribuição das síndromes de microdeleção para a DAM PERSPECTIVAS CONCLUSÕES 55 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 56 ANEXO 1 - APROVAÇÃO PELA COEP/UFMG 61 ANEXO 2 - TCLE 63 ANEXO 3 - PROTOCOLO ADAPTADO PARA A TÉCNICA DE MLPA 67

8 VIII LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Modelo neurocognitivo do Código Triplo 15 Figura 2 - Hipótese dos genes generalistas 16 Figura 3 - Redes de interação 17 Figura 4 - Constituição dos oligonucleotídeos das sondas da MLPA 23 Figura 5 - Etapa de anelamento e ligação da MLPA 23 Figura 6 - Etapa de ligação da MLPA 23 Figura 7 - Etapa de amplificação da MLPA 24 Figura 8 - Eletroferograma para interpretação dos resultados finais da MLPA 24 Figura 9 - Estratégias de avaliação utilizadas e grupos de estudo 32 Figura 10 - Ciclo utilizado na MLPA para amplificação dos fragmentos 36 Figura 11 - Gráficos de padronização da técnica de MLPA 41 Figura 12 - Gráfico de validação da MLPA com controles positivos do kit P245-A2 42 Figura 13 - Gráfico de validação da MLPA com os controles internos 43 Figura 14 - Deleção da sonda CLPTM1L na região da síndrome Cri du Chat 44 Figura 15 - Ideograma do cromossoma 5 46 Figura 16 - Gráficos para confirmação da deleção do indivíduo Figura 17 - acgh para confirmação da deleção do indivíduo Figura 18 - Representação esquemática do braço curto do cromossoma 5 51 Figura 19 - Imagem do gene CLPTM1L e sonda do kit SALSA MLPA P245-A2 52

9 IX LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Tarefas de avaliação cognitiva e domínios avaliados 30 Tabela 2 - Tarefas de avaliação neuropsicológica e domínios avaliados 30 Tabela 3 - Descrição do kit SALSA MLPA P245-A2 34 Tabela 4 - Descrição do kit SALSA MLPA P245-B1 38 Tabela 5 - Descrição do kit SALSA MLPA P070-B2 39 Tabela 6 - Descrição das sondas da síndrome Cri du Chat dos kits de MLPA 44

10 X LISTA DE ABREVIATURAS, SIGLAS E UNIDADES DE MEDIDA acgh Array-Based Comparative Genomic Hybridization APA American Psichiatric Association CCDC127 Coiled-Coil Domain Containing 127 CID Classificação Internacional Das Doenças CLPTM1L Cleft Lip and Palate Transmembrane Protein 1-Like COEP Comitê de Ética em Pesquisa CRR9 Cisplatin Resistance-Related 9 DAM Dificuldade de Aprendizagem da Matemática DD Fragmentos de Controle de Desnaturação de DNA (MLPA) DI Deficiência Intelectual DSM-IV Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 4th DNA Desoxyribonucleic Acid (Ácido Desoxirribonucleico) DNAH5 Dynein, Axonemal, Heavy Chain 5 DQ Fragmentos de Controle de Quantidade de DNA (MLPA) EDTA Ácido Etilenodiaminotetracético FISH Fluorescence In Situ Hybridization FMR1 Fragil X Mental Retardation GWAS Genome Wide Association Study Kb Kilobases LGHM Laboratório de Genética Humana e Médica Mb Milhões de Pares De Bases MLPA Multiplex Ligation-dependent Probe Amplification NCBI National Center for Biotechnology Information NSD1 Nuclear receptor binding SET Domain protein 1 ng Nanograma NGRL National Genetics Reference Laboratory nm Nanomol OMIM Online Mendelian Inheritance in Man pb Pares de Base PCR Polymerase Chain Reaction QI Quociente de Inteligência qpcr PCR quantitativa SEMA5A Semaphorin-5A SNP Single Nucleotide Polymorphisms SVCF Síndrome Velocardiofacial

11 XI SWB TCLE TDE TE TERT UFMG λ μl Síndrome de Williams-Beuren Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Teste de Desempenho Escolar Tris-EDTA Telomerase Reverse Transcriptase Universidade Federal de Minas Gerais Lambda Microlitros

12 XII RESUMO A dificuldade de aprendizagem da Matemática (DAM) é um transtorno cognitivo que afeta as habilidades aritméticas em cerca de 7% das crianças em idade escolar. Os impactos decorrentes do fracasso escolar na Matemática podem repercutir na autoestima, na empregabilidade e na renda. A DAM pode ser causada por fatores ambientais, como baixo nível sócio-econômico, má qualidade do ensino, deficiência intelectual, embriopatia fetal alcoólica, entre outros. Entretanto, há casos nos quais nenhuma outra etiologia ambiental pode ser identificada. Em função disto, sugere-se etiologia genética, multifatorial e heterogênea. Uma evidência de heterogeneidade vem do surgimento da DAM como endofenótipo de várias síndromes de microdeleções, como Síndrome de Velocardiofacial, Síndrome de Tuner, Síndrome do X frágil, Síndrome de Williams, Síndrome NF1, Síndrome de Sotos, entre outras. Há poucos estudos investigando a contribuição dessas e outras síndromes para o fenótipo DAM. Este é um estudo de base populacional, caso-controle, com o objetivo de averiguar a frequência de microdeleções/microduplicações intertisciais em crianças de idade escolar com DAM. A pesquisa foi previamente aprovada pela COEP/UFMG. A amostragem foi feita em duas etapas.a primeira, de rastreio, foi feita com o Teste de Desempenho Escolar (TDE) e teste de transcodificação numérica, aplicados em grupo na sala de aula. A segunda etapa foi uma testagem neuropsicológica completa. A amostra foi composta pelos grupos: Controle Normal Testado, (com TDE e toda a testagem neuropsicológica normal), DAM (TDE<P25 e QI>P15) e Controle Positivo (previamente diagnosticados com alguma das síndromes detectadas pelo kit de MLPA usado, mas não submetidos a testagem neuropsicológica). A extração do DNA foi realizada a partir de sangue periférico ou saliva, no Laboratório de Genética Humana e Médica da UFMG.Todas as crianças foram genotipadas com o kit SALSA MLPA P245-A2. Uma criança, cujos resultados foram alterados com este kit, foi também testada com os kit SALSA MLPA P070 e SALSA MLPA P245-B1 e pela técnica de hibridização genômica comparativa baseada em microarranjos (acgh) com um chip de 60K. Não foram identificadas alterações entre os 90 controles normais testados. Entre os 90 indivíduos com DAM, foi detectada uma microdeleção do cromossoma 5p, detectada pela sonda CLPTM1L. Uma outra sonda do cromossoma 5 presente no kit SALSA MLPA P245-A2 (TERT) assim como os demais métodos usados para confirmar e/ou avaliar a extensão desta deleção apresentaram resultados normais. Entretanto, nenhum destes métodos apresenta sondas se sobrepondo exatamente com a região da sonda CLPTM1L. Consequentemente, pode se tratar de uma deleção pequena ou de um artefato. Se confirmada, trata-se de uma microdeleção entre 70 bp (o tamanho da sonda usada na MLPA) e 70 kb (a distância entre os fragmentos com sinal positivo no acgh). Os resultados relatados aqui, ou seja, uma frequência de 0/90 microdeleções intersticiais entre os indivíduos com DAM(ou 1/90, caso se confirme a microdeleção em 5p), sugerem que o conjunto de síndromes de microdeleção detectadas pelo kit SALSA MLPA P245-A2 (incluindo as síndromes Velocardiofacial, de Tuner, de Williams, da neurofibromatose tipo 1, de Sotos, entre outras) não sejam etiologia frequente da dificuldade de aprendizagem da Matemática não-sindrômica. Palavras chave: genética, dificuldade de aprendizagem, dificuldade de aprendizagem da Matemática, discalculia do desenvolvimento, microdeleção intersticial, MLPA.

13 XIII ABSTRACT Mathematical learning disability (MLD) is a disorder that affects arithmetic cognitive abilities in about 7% of school-age children. The impacts of failure in mathematics can affect selfesteem, employability and income. The DAM can be caused by environmental factors such as low social and economical status, poor quality of education, intellectual disabilities, and fetal alcohol embryopathy, among others. However, there are cases in which no environmental etiology can be identified. Because of this, a multifactorial and heterogeneous etiologyhas been suggested. Evidence of heterogeneity comes from the emergence of MLD as endophenotype of several microdeletion Syndromes, such Velocardiofacial Syndrome, Tuner Syndrome, Fragile X Syndrome, Williams Syndrome, NF1 Syndrome, Sotos Syndrome, among others. There are few studies investigating the contribution of these and other syndromes for MLD phenotype. This study is a population based, case-control, aiming to ascertain the frequency of interstitial microdeletions/microduplications in school-age children with MLD. This study was approved by the Ethics in Research Committee of the Universidade Federal de Minas Gerais. Sampling was done in two stages. The first one was a school achievement test (TDE) and a numerical transcoding test. The second stage of sampling was a complete neuropsychological testing. The sample was composed by three groups: Normal controls (children with both normal school development and neuropsychological tests), MLD (children with TDE<P25 and IQ>P15) and Positive Control (children, who have been previously diagnosed with any of the syndromes detected by the kit used in MLPA. These children were not submitted to neuropsychological tests). DNA extraction was performed from peripheral blood or saliva. All children were genotyped with the SALSA MLPA kit P245-A2. One child, whose results with this MLPA kit were abnormal, was also tested using the kit SALSA MLPA P070, SALSA MLPA P245-B1, and an arraybased comparative genomic hybridization (acgh), with a 60K chip. No molecular changes were identified among 90 normal controls tested. Among the 90 individuals with MLD, one child presented a chromosome 5p microdeletion detected by the probe CLPTM1L. Another probe mapping to 5p TERT, produced normal results, as well as the kit SALSA MLPA P070, SALSA MLPA P245-B1, and the 60K acgh. However, none of these methods provides probe exactly the same region as SALSA MLPA kit P245-A2. Therefore, the deletion detected by CLPTM1L probe may be a small deletion or an artifact of the technique. If confirmed, this microdeletion pans less than 70 kb according to acgh results. The results reported here, a frequency of 0/90 interstitial microdeletions among individuals with MLD (or 1/90, considering the putative chromosome 5p microdeletion), suggest that the group of interstitial microdeletion syndromes detected by SALSA MLPA kit P245-A2 (which includes Velocardiofacial Syndrome, Tuner Syndrome, Williams Syndrome, NF1 Syndrome, Sotos Syndrome, among others) are not common etiologies of the non-syndromic MLD. Key words: genetics, learning disability, Math learning disability, developmental dyscalculia, interstitial microdeletion, MLPA.

14 14 1 INTRODUÇÃO 1.1 A dificuldade de aprendizagem da matemática As dificuldades de aprendizagem afetam cerca de 10% da população e possuem um papel fundamental nos resultados dos processos educacionais (BUTTERWORTH & KOVAS, 2013). Essa manifestação pode ser definida como uma desordem em um ou mais processo psicológicos básicos envolvidos na compreensão ou no uso da linguagem, falada ou escrita, que pode manifestar-se em uma habilidade incompleta para ouvir, pensar, falar, ler, escrever, soletrar, ou fazer cálculos matemáticos (FEDERAL REGISTER US, 1999). Dentre as desordens de aprendizagem mais comuns, está a dificuldade de aprendizagem na matemática (DAM), com uma frequência que varia de 3,5 a 6,5 % entre as crianças em idade escolar (BADIAN, 1983; SHALEV & GROSS-TSUR, 2001; KOUMOULA et al., 2004). Apesar das divergências quanto a sua definição, de acordo com o Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 4th Edition (DSM-IV, APA; 1994), a DAM é definida pela diferença entre o resultado dos testes de desempenho na Matemática e o desempenho esperado baseado na idade, inteligência e anos de escolarização. Entretanto, devem-se utilizar testes padronizados para a população em estudo, pois através dessa avaliação, é possível observar se o aluno está abaixo de um ponto de corte em relação a seus pares. A DAM pode ocorrer em função de diversos fatores, como carências nutricionais ou socioeconômicas de maneira geral, baixa qualidade do ensino, exposição a agentes teratogênicos, como o álcool, déficits sensório-motor, prematuridade e gemelaridade. Entretanto, há indivíduos com DAM nos quais os sintomas não podem ser atribuídos a quaisquer destes fatores (SHALEV & GROSS-TSUR, 2001; BUTTERWORTH, 2005). Estes indivíduos apresentam múltiplos déficits cognitivos, afetando as funções necessárias à aquisição da Matemática (déficit de senso numérico, estimação de magnitude simbólica e não simbólica, subtizing, orientação especial etc). Por esses motivos essa desordem é classificada, por diversos autores, como um transtorno de aprendizagem heterogêneo (GEARY, 1993; MAZZOCO & MYERS, 2003; BUTTERWORTH, 2005; RUBINSTEN & HENIK, 2009). Considerando a heterogeneidade etiológica da DAM e sua natureza multifatorial, foi proposta a existência de substratos neurais distintos responsáveis pelos processamentos dos números. Dessa forma, alterações em uma ou mais redes neurais podem contribuir para os diferentes fenótipos de déficits cognitivos (RUBINSTEN & HENIK, 2009). Diversos estudos sobre o desenvolvimento cognitivo mostraram que essas crianças poderiam deixar de atingir padrões aceitáveis em importantes áreas do currículo, como a

15 15 alfabetização e aritmética (BUTTERWORTH, 2005). O fracasso escolar na Matemática pode gerar perda da autoestima, afetar na empregabilidade e na renda do indivíduo (JORDAN & LEVINE, 2009) Modelos neuro-cognitivos da DAM Com o objetivo de explicar os mecanismos de cognição relacionados ao aprendizado da Matemática, foram propostos os modelos neuro-cognitivos, Esses modelos são importantes também porque permitem construir uma ponte entre o nível genético/neurobiológico e a expressão comportamental (HAASE, WOOD & WILMES, 2010). O Modelo do Código Triplo, desenvolvido por Dehaene (1992), é considerado o mais influente e validado para a compreensão da cognição matemática (DEHAENE & COHEN, 1995). Esse modelo prevê a existência de três sistemas interligados de representação mental numérica: duas formas de representação simbólica a representação numérica visual arábica (ex: 3) e a representação numérica verbal (ex: três) e uma representação analógica, aproximativa e não simbólica (ex: ), conforme demonstrado na figura 1. Figura 1 - Modelo neurocognitivo do Código Triplo CATEGORIAS DE REPRESENTAÇÃO MENTAL CÓDIGO VERBAL TRÊS CÓDIGO DE MAGNITUDE CÓDIGO VISUAL-ARÁBICO 3 Legenda - Modelo neurocognitivo do código triplo, com os três sistemas de representação mental numérica interligados: duas formas de representação simbólica a representação numérica visual arábica e a representação numérica verbal e uma representação analógica não simbólica Fonte: adaptado de Dehaene, 1992.

16 16 Outro modelo é a Hipótese de Genes Generalistas, que pressupõe que o conjunto dos traços cognitivos que fazem parte do fenótipo DAM seja poligênico. Neste caso, a maioria dos genes seria expressa por toda a extensão cerebral e não apenas em uma região específica. Além disso, esses genes poderiam ser modulados por mecanismos como a pleiotropia e epistasia (KOVAS & PLOMIM, 2006) (Figura 2). Um modelo etiológico geral interessante foi proposto recentemente por Butterworth & Kovas (2013). Este modelo busca integrar os níveis genéticos, neurais, cognitivo, e comportamental. Nesta rede de interação, pode haver diversos tipos de relações entre os níveis. Assim, um processo cognitivo de domínio geral e um processo cognitivo de núcleo específico podem ter efeitos sobre mais de um teste comportamental, e o desempenho no teste comportamental pode ser afetado por mais de um processo cognitivo. Além disso, um processo cognitivo pode depender do outro (por exemplo, a memória na atenção), e um comportamento pode causar efeito em outro (por exemplo, uma deficiência na interpretação da leitura pode prejudicar a resolução de problemas matemáticos) (Figura 3). A hipótese de um componente genético tem motivado uma séria de estudos investigando as bases genéticas da DAM. Figura 2 - Hipótese dos genes generalistas Legenda - Contraste das três hipóteses dos mecanismos de efeitos de um único gene no cérebro, associado a diversos processos cognitivos (pleiotropia). Esta imagem pode ser estendida através da substituição do único gene por múltiplos genes, para ilustrar o efeito poligênico. Fonte adaptado de Kovas & Plomim, 2006

17 17 Figura 3 - Redes de interação Legenda Modelo esquemático das relações entre os níveis de explicação (genético, neural, cognitivo e comportamental) seguindo a rede de modelo causal. Fonte: Adaptado de Butterworth & Kovas, Evidências para um componente genético Uma das principais abordagens utilizadas para a investigação de fenótipos complexos quando se desconhece a etiologia, é o estudo de agregação familiar (WILLCUTT et al., 2010). A agregação familiar pode surgir devido ao compartilhamento de genes e de fatores ambientais entre membros da família (FEITOSA & KRIEGER, 2002). Por exemplo, através da estimativa do risco relativo, lambda (λ), é possível relacionar a frequência de afetados nas famílias com o grau de parentesco e comparar a frequência do fenótipo na população em geral. Quanto maior for o valor de λ, maior é a agregação familiar, sugerindo um componente genético (BURTON, TOBIN & HOPPER, 2005). Agregação familiar tem sido descrita para a DAM em diversas populações e condições socioeconômicas, o que sugere um componente genético (BADIAN, 1983; GROSS-TSUR et al., 1996; SHALEV, 2000; BUTTERWORTH, 2005; MIRANDA, 2011).

18 18 Outra abordagem utilizada são os estudos com pares de gêmeos monozigóticos e dizigóticos. Esses estudos permitem separar fatores genéticos e ambientais responsáveis por doenças em humanos. Através da comparação de gêmeos monozigóticos criados em um mesmo ambiente ou em ambiente diferente é possível avaliar o efeito ambiental. Por outro lado, a comparação da frequência do fenótipo entre gêmeos monozigóticos e dizigóticos permite estimar a contribuição genética para o fenótipo (WILLCUTT et al., 2010). Os estudos de gêmeos com DAM mostraram haver tanto influência genética quanto ambiental, levando a proposição de um modelo de herança multifatorial (ALARCON et al., 1997; RUBINSTEN & HENIK, 2009; KOVAS et al., 2007) A DAM em síndromes genéticas A compreensão dos mecanismos cognitivos subjacentes, que levam à DAM pode ser reforçada pelo estudo de síndromes genéticas e/ou ambientais associadas a um desempenho ruim em Matemática, tais como, a Síndrome Fetal Alcoólica, Síndrome do X- frágil, Síndrome de Turner, a Neurofibromatose Tipo 1, Síndrome de Sotos, Síndrome de Williams-Beuren (SWB), Síndrome do Velocardiofacial (SVCF), Síndrome de Prader- Willi/Angelman, Síndrome de Gerstmann (KOPERA-FRYE, DEHAENE & STREISSGUTH, 1996; SOTOS, 1997; MAZZOCCO, 2001; MURPHY et al., 2006; PATERSON et al., 2006; SEMENZA et al., 2008; DeSMEDT et al., 2009; RUSCONI et al., 2009). A síndrome fetal alcoólica é resultante do uso do álcool durante a gravidez. A exposição do feto ao álcool durante o período pré-natal pode comprometer o desenvolvimento cerebral e desencadear prejuízos nas habilidades numéricas, o que gera atraso na aprendizagem da Matemática, além de problemas comportamentais (KOPERA- FRYE, DEHAENE & STREISSGUTH, 1996; KODITUWAKKU, 2010). Síndrome de Sotos pode ser causada por uma mutação de ponto ou deleção no gene NSD1 localizado na região 5q35. É caracterizada, dentre outros fatores, pelo crescimento excessivo durante a infância, macrocefalia e pode apresentar diferentes graus de dificuldade de aprendizagem. Além disso, podem ser observados atrasos no desenvolvimento cognitivo e motor, mais especificamente déficits na linguagem e Matemática e também problemas de coordenação motora visual (SOTOS, 1997; BAUJAT & CORMIER-DAIRE, 2007). Síndrome do X frágil é conhecida como a mais comum causa hereditária de retardo mental e dificuldade de aprendizagem ocorrendo em aproximadamente 1:4.000 nascidovivos. É caracterizada pela mutação do gene FMR1, localizado no cromossoma X e mulheres portadoras dessa síndrome apresentam maior dificuldade de aprendizagem na Matemática, quando comparada à leitura e escrita. Além disso, apresentam um

19 19 desempenho fraco em tarefas de rotação visual mental, mas não em todas as áreas de desempenho de habilidades visos-espaciais (MAZZOCCO, 2001; MURPHY et al., 2006; MURPHY & MAZZOCCO, 2008) A Síndrome de Turner é causada pela perda total ou parcial de um dos cromossomas X e ocorre em aproximadamente 1:1900 mulheres nascidas vivas. Embora tenham inteligência normal, os indivíduos tendem a apresentar desempenho relativamente mais baixo na Matemática, além disso, podem apresentar déficit de atenção e viso-espacial (MAZZOCCO, 2001; MURPHY et al., 2006; MURPHY & MAZZOCCO, 2008). A Neurofibromatose tipo 1 (NF1) é causada por uma mutação de um único gene no cromossoma 17 e pode ocorrer esporadicamente ou de forma familiar. É uma das mais comuns desordens de gene único que conduz a alterações do sistema nervoso central. A prevalência da NF1 é de aproximadamente 1:4.000 nascido-vivos e a dificuldade de aprendizagem é relatada em cerca de 30% a 56% dos indivíduos afetados. A NF1 tem sido descrita como uma desordem não verbal com base nas dificuldades visos-espaciais e visomotoras. São relatados déficits na Matemática, escrita e linguagem (MAZZOCCO et al., 1995; MAZZOCCO, 2001). A SWB é causada por uma microdeleção em 7q11.23, uma região contendo aproximadamente 28 genes. Trata-se de uma doença genética rara, que ocorre em aproximadamente 1: nascido-vivos (STRØMME, BJØRNSTAD & RAMSTAD, 2002). Suas características clínicas incluem várias anormalidades físicas, acompanhadas de DI leve a moderada e um perfil de personalidade específica. Os indivíduos afetados mantêm preservadas as habilidades de linguagem, apesar do déficit no processamento numérico e viso-espacial (PATERSON et al., 2006; O HEARN & LUNA, 2009). A SVCF resulta de uma microdeleção na região 22q11.2. É considerada a mais comum síndrome de microdeleção com uma prevalência de aproximadamente 1:6.000 nascido-vivos (DeSMEDT et al., 2009). Os indivíduos afetados frequentemente apresentam dificuldade de aprendizagem, sendo relatado o desempenho melhor na leitura e escrita do que na aritmética (WANG et al., 2000). Além disso, podem apresentar deficiência na representação de magnitude (DeSMEDT et al., 2007) As síndromes de Prader-Willi e Angelman podem ser causadas pela mesma deleção na região 15q11-q13. Os efeitos são dependentes da origem parental do cromossoma deletado. Na Síndrome de Prader-Willi, a grande maioria dos casos é devida à deleção no cromossoma de origem paterna. Na Síndrome de Angelman, a etiologia é mais complexa, podendo envolver deleção do cromossoma de origem materna (70-75% dos casos), dissomia uniparental materna do cromossoma 15 (20-25%), ou um defeito no centro de impressão genômica (2%) (BUTLER E THOMPSON, 2000). Ela tem uma prevalência estimada em cerca de 1:8000-1:16,000 nascido-vivos. Todos os pacientes sofrem algum

20 20 grau de comprometimento intelectual. Há relatos de dificuldades desproporcionais com tarefas matemáticas (BERTELLA et al. 2005; SEMENZA et al., 2008). A Síndrome de Gerstmann é um transtorno do desenvolvimento ou adquirido, causado pela lesão do giro angular esquerdo. Os indivíduos afetados apresentam déficits em quatro domínios funcionais distintos: cálculo, escrita, agnosia digital e orientação esquerdo-direita (RUSCONI et al., 2009). Considerando o fato de que a dificuldade da aprendizagem da Matemática faz parte do fenótipo cognitivo de diversas doenças genéticas, surgiram estudos com o objetivo de investigar as bases moleculares da DAM Estudos moleculares Compreender a etiologia da habilidade e da dificuldade da Matemática se pode revelar um passo essencial na luta contra o fracasso matemático, e, além disso, fornecer novos insights sobre o funcionamento do cérebro humano (DOCHERTY et al., 2009). O único estudo recente de associação do genoma completo (genome wide association study, GWAS) desenvolvido até o momento para habilidades e dificuldades matemáticas, detectou 10 polimorfismos de nucleotídeos únicos (single nucleotide polymorphism; SNPs) significativamente associados com o desempenho na Matemática em uma amostra de 2356 pares de gêmeos. Esses SNPs, quando combinados, foram responsáveis por 2,9% da variância fenotípica, sugerindo que as influências genéticas para as habilidades e dificuldades na Matemática sejam causadas por múltiplos loci de características quantitativas de pequenos efeitos através de um espectro de habilidades (DOCHERTY et al., 2010). Quatro dos dez SNPs de maior significância estatística, encontrados nesse estudo, foram localizados nos genes DNAH5 (dynein, axonemal, heavy chain 5), NRCAM (neuronal cell adhesion molecule), MMP7 (matrix metaloproteinases) e GRIK1 (receptor de glutamate ionotropic kainate 1). Estes genes se expressam no período do desenvolvimento e atuam nos processos de reparo de tecidos, distribuição celular e na formação das estruturas do sistema nervoso. Desse modo, podem contribuir como genes candidatos para as habilidades e dificuldades matemáticas. No entanto, seria necessário para confirmar estes achados, o sequenciamento das regiões exônicas, intrônicas, dos sítios de splicing, elementos regulatórios e sítios de ligação de moléculas de interesse, na busca de variantes causais, e estudos de expressão em nível de RNA e proteína. Dessa forma, vemos a necessidade de novos estudos a fim de identificar os genes ou variações genômicas envolvidas na DAM.

21 Estratégia de investigação das bases genético-moleculares em desenvolvimento pelo grupo de pesquisa Com o objetivo de investigar as bases moleculares da DAM estão sendo desenvolvidos alguns trabalhos pelo nosso grupo de pesquisa. Vianna (2011) avaliou a contribuição das microdeleções/microduplicações em 22q11.2 para o fenótipo DAM. Foram genotipadas, com a técnica de Amplificação de Múltiplas Sondas Dependente de Ligação (Multiplex Ligation-dependent Probe Amplification; MLPA) 82 crianças com DAM e 130 controles normais, testados, pareados por sexo, idade e turma, da população escolar de Belo Horizonte. Foi observada uma frequência de microdeleções de 1:82 indivíduos com DAM/DAME sugerindo a SD22q11.2 como a etiologia genética mais comum identificada até o momento para dificuldade de aprendizado da Matemática. Miranda (2011), com o objetivo de investigar as bases genéticas da DAM, avaliou a história familiar de 34 crianças com DAM e 24 controles normais da amostra referida no parágrafo anterior. Foi encontrado agregação familiar e alguns heredogramas foram compatíveis com herança autossômica dominante com penetrância incompleta, outros com herança recessiva ligada ao cromossoma X. Em outros, ainda, havia apenas um afetado, não sendo possível inferir padrão de herança. Atualmente, está sendo desenvolvido um projeto pela mestranda Aline Aparecida Martins com o objetivo de analisar a frequência de pré-mutação e mutações completas, caudadas pela expansão do trinucleotídeo CGG na 5 UTR do gene FMR1 em indivíduos que apresentam DAM. Serão utilizados três métodos de diagnóstico, que foram selecionados com o intuito de que, juntos, fossem confiáveis e pouco onerosos e permitissem detectar mesmo alelos com expansão completa e fora da faixa de amplificação da PCR (Polymerase Chain Reaction) convencional. O primeiro método é baseado em uma PCR gene-específica, e permite identificar o alelo normal. O segundo método é uma tri-primer PCR, e permite a detecção dos alelos expandidos. O terceiro e último método é uma análise de metilação baseada em real-time PCR através do uso de TaqMan, que permite inferir o padrão expressão do gene FMR1 e é importante para a confirmação diagnóstica em meninos, quando as duas PCRs descritas acima não gerarem amplificação. As evidências apresentadas acima, em conjunto, sugerem que a DAM apresente uma base genética heterogênea. Neste trabalho, optamos por investigar a contribuição das síndromes de microdeleções/microduplicações intersticiais para o fenótipo DAM, através da MLPA.

22 A técnica de MLPA A técnica denominada MLPA é um método sensível, econômico, rápido e simples. Através da MLPA, é possível estudar mais de 50 sequências de ácidos nucléicos em uma única reação de PCR e assim detectar, simultaneamente, microdeleções e microduplicações de diversos genes ou mutações de ponto já conhecidas (SCHOUTEN et al., 2002; SØRENSEN et al., 2008). A MLPA foi descrita inicialmente por Schouten et al. (2002) e posteriormente comercializada pela empresa holandesa MRC-Holland. A técnica descrita é constituída por quatro passos: desnaturação, hibridização do DNA, reação de ligação, amplificação por PCR. E para interpretação dos resultados ainda são realizadas as etapas de separação dos produtos por eletroforese capilar e a análise dos dados pro programas específicos (SCHOUTEN et al., 2002).. Inicialmente, a amostra de DNA é desnaturada e em seguida hibridizada a uma mistura de sondas específicas para cada região. Cada sonda é formada por dois oligonucleotídeos sintéticos, que são contíguos ao se anelarem ao DNA. Esses oligonucleotídeos são compostos por três regiões: uma que se anela ao segmento de DNA de interesse, um segmento espaçador, que não possui homologia com o DNA alvo, e uma cauda de M13 (SCHOUTEN et al., 2002; ROOMS et al., 2005) (Figura 4). O oligonucleotídeo A tem tamanho variável de pb e contém um marcador fluorescente (para reconhecimento à eletroforese capilar), seguido de uma sequência homóloga ao primer universal X (correspondendo à região pela qual esses primers universais serão anelados, posteriormente) (em preto; Figura 4 ), além da sequência de hibridização homóloga ao DNA alvo (em azul; Figura 4). O oligonucleotídeo B, com tamanho variável entre pb, contém um fragmento homólogo ao primer universal Y (em cinza, Figura 4), seguido de uma sequência-coringa (com extensão diferente para cada sonda, o que definirá o tamanho do fragmento final) (em laranja, Figura 4) e também a sequência de hibridização homóloga ao DNA-alvo (em azul, Figura 4). Esses oligonucleotídeos, ao serem submetidos à temperatura de anelamento, hibridizam-se a sequências complementares no DNA alvo e, em seguida, são unidos por uma enzima DNA-ligase termoestável, formando um único fragmento (Figura 5) (SCHOUTEN et al., 2002; ROOMS et al., 2005). Como resultado da reação de ligação, são obtidos fragmentos únicos, dispostos da seguinte forma: fluoróforo região de ligação ao primer universal sequência complementar ao DNA alvo sequência coringa região de ligação ao primer universal (Figura 6) (SCHOUTEN et al., 2002; ROOMS et al., 2005).

23 23 Figura 4 - Constituição dos oligonucleotídeos das sondas da MLPA Legenda- Oligo A, em verde o marcador fluorescente seguido de uma sequência homóloga ao primer universal X em preto e de azul a sequência de hibridização homóloga ao DNA alvo; Oligo B, em cinza o fragmento homólogo ao primer universal Y, seguido de uma sequênciacoringa em laranja, com extensão diferente para cada sonda, e também possui uma sequência de hibridização homóloga ao DNA alvo em azul Fonte: Modificado de Willis et al., 2012 Figura 5 - Etapa de anelamento e ligação da MLPA Legenda: Anelamento dos oligonucleotídeos na sequência de DNA e posterior ligação pela enzima DNA-ligase dependente de temperatura Fonte: Modificado de Willis et al., 2012 Figura 6 - Fragmento único resultado da reação de ligação da MLPA Legenda - Disposição do fragmento único resultado da reação de ligação, intermediada pela enzima ligase Fonte: Modificado de Willis et al., 2012

24 24 Em seguida, inicia-se a fase de amplificação. Nessa etapa, os fragmentos formados pelas duas sondas, agora unidas, são amplificados por PCR, utilizando-se o par de primers universais, que se anelam às sequências não homólogas, situadas nas duas extremidades dos produtos de ligação (Figura 7) (SCHOUTEN et al., 2002; ROOMS et al., 2005). Ao final da MLPA, os produtos amplificados são separados e visualizados em eletroforese capilar (SCHOUTEN et al., 2002). A interpretação dos resultados é feita comparando-se os picos obtidos nos eletroferogramas dos pacientes aos picos dos controles, usando-se programas específicos para análise de dados de genotipagem ou planilhas específicas, sendo possível a quantificação relativa ao número de cópias gênicas (Figura 8) (SCHOUTEN et al., 2002; ROOMS et al., 2005). Figura 7 - Etapa de amplificação da MLPA Figura 7 - Resultado da amplificação de diferentes produtos de ligação, através de PCR, com a utilização de primers universais Fonte: Modificado de Willis et al., 2012 Figura 8 - Eletroferograma para interpretação dos resultados finais da MLPA Legenda Exemplo da imagem dos picos do eletroferograma obtidos para um indivíduo, produzida com o Software GeneMarker. As setas indicam os picos alterados do individuo avaliado (em azul) quando comparado à média do pico dos controles (em vermelho). Fonte: Adaptado de Softgenetics

25 25 A técnica de MLPA possui algumas vantagens em relação a outras metodologias já utilizadas para detecção de alterações genômicas. Dentre elas, destacam-se: baixo custo, alto rendimento, simplicidade e facilidade de operação, rapidez, reprodutibilidade e sensibilidade. Além disso, o método não requer exame dos pais, pois a detecção de deleções e duplicações é feita baseada em um sistema de controles internos (SCHOUTEN et al., 2002; ROOMS et al., 2005). Diversos estudos de investigação de microdeleções/microduplicações, usando a técnica de MLPA, tiveram resultados similares àqueles baseados em outros métodos, como PCR quantitativa (qpcr) ou hibridização genômica comparativa baseada em microarranjos (array-based comparative genomic hybridization - acgh) (KOOLEN et al., 2004; LAM et al., 2006; ROOMS et al., 2006). Um estudo com MLPA analisando 258 indivíduos com deficiência intelectual, que apresentavam cariótipo convencional normal, identificou alterações cromossômicas em 5,8% dos casos. Entre esses pacientes, 10 apresentaram as síndromes de deleção 1p36, deleção 22q11, síndromes de Angelman/Prader-Willi, Miller- Dieker, Smith-Magenis, Sotos e Williams-Beurens, e outros cinco tinham duplicações. Tais resultados são indicativos de que a técnica de MLPA quando utilizada para identificação de alterações específicas, pode ser uma ferramenta importante na investigação diagnóstica inicial (KIRCHHOFF et al., 2006). Outras técnicas, como o a-cgh, seguramente podem aumentar a detecção de anomalias, mas devido ao seu alto custo, a técnica de MLPA se apresenta como a melhor alternativa disponível na triagem de microdeleções/microduplicações (AHN et al., 2007). 1.4 Justificativa e relevância Classificada por diversos autores como uma síndrome genética (GEARY, 1993; RUBINSTEN & HENIK, 2009), a DAM é uma desordem que merece atenção, pois afeta cerca de 7% das crianças e adolescentes em idade escolar (BADIAN, 1983; SHALEV & GROSS-TSUR, 2001; KOUMOULA et al., 2004). Até o momento, não se sabe ao certo quais os genes e os mecanismo moleculares envolvidos na etiologia da doença. Compreender a heterogeneidade genética da DAM é importante para estimar a contribuição dos diversos fatores de risco. Além disso, os perfis encontrados podem ser úteis no auxílio de equipes interdisciplinares para delineamento de estratégias de reabilitação dessas crianças e para o aconselhamento genético. O diagnóstico etiológico precoce da DAM é importante para fornecer intervenções eficazes, como programas de reabilitação, e até mesmo para um planejamento mais adequado do processo educativo. Além disso, permitiria aos indivíduos um acompanhamento multidisciplinar, que pode proporcionar-lhes um impacto positivo nas

26 26 habilidades matemáticas e contribuir para elevar a autoestima das crianças (BUTTERWORTH e YEO, 2004; GERSTEN, JORDAN & FLOJO, 2005). O método de MLPA tem sido amplamente utilizado em laboratórios de pesquisa e de diagnóstico, por ser uma técnica de baixo custo, simples, rápida, sensível e de fácil operação (SHEN, 2009). Além disso, é possível detectar tanto deleções quanto duplicações de até 50 sequências de DNA em um único ensaio (SCHOUTEN et al., 2002; SØRENSEN et al., 2008). Sendo assim, a MLPA pode ser considerada a técnica de melhor custobenefício para a identificação de alterações cromossômicas numa triagem inicial, quando não há uma suspeita clínica específica. Por se tratar de uma condição frequentemente encontrada na população, alguns estudos vêm sendo realizados a fim de compreender as bases genéticas da DAM. Há trabalhos relacionando a associação entre síndromes genéticas e as dificuldades de aprendizagem (KOPERA-FRYE, DEHAENE & STREISSGUTH, 1996; SOTOS, 1997; MAZZOCCO, 2001; MURPHY et al., 2006; PATERSON et al., 2006; SEMENZA et al., 2008; DeSMEDT et al., 2009; RUSCONI et al., 2009). Entretanto, nenhum deles investigou a frequência das síndromes de microdeleção/microduplicação, que se associam a DAM, entre indivíduos averiguados com dificuldade de aprendizagem da Matemática. Os relatos quanto à etiologia indicam que pode haver ao menos duas formas de DAM, uma associada a síndromes ambientais ou genéticas e outra forma etiológica é relacionada a mecanismos multifatoriais, havendo interação de pequenos efeitos de múltiplos genes com fatores ambientais (HAASE et al, 2012). A principal hipótese desse projeto é de que na amostra de crianças com DAM pode haver casos causados pelas síndromes mencionadas acima. Neste caso, o transtorno de aprendizagem da Matemática constitui parte do fenótipo ampliado das síndromes genéticas. As síndromes de microdeleção/microduplicação intersticial foram selecionadas para análise porque constituem o grupo das síndromes mais frequentes na população e que apresentam dificuldades relativamente específicas de aprendizagem da Matemática como parte do fenótipo (Velocardiofacial/DiGeorge, Williams-Beuren, Prader-Willi/Angelman, Sotos, Neurofibromatose tipo 1). 1.5 Objetivos Objetivo geral Averiguar, através da MLPA, a frequência de microdeleções/microduplicações intersticiais em crianças de idade escolar com dificuldade de aprendizagem na Matemática.

27 Objetivos específicos Padronizar a técnica MLPA; Validar do kit SALSA MLPA P245-A2; Genotipar crianças de idade escolar com DAM e controles; Analisar os resultados através do programa GeneMarker; Calcular a frequência de microdeleção/microduplicação intersticiais em ambas as amostras; Confirmar as microdeleções/microduplicações encontradas.

28 28 2 MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 Aspectos éticos Este trabalho é parte de dois projetos de pesquisa intitulados: Discalculia do Desenvolvimento em crianças de idade escolar: triagem populacional e caracterização de aspectos cognitivos e genéticos moleculares, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFMG (COEP-MG) através do parecer nº ETIC 42/08 (Anexo I) e Avaliação de estratégia de diagnóstico neuropsicológico e genético-molecular dos transtornos do desenvolvimento cognitivo (retardo mental), aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFMG através do Parecer nº ETIC A participação no estudo foi condicionada à leitura e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Anexo II). 2.2 A amostra A amostra analisada no presente estudo tem duas origens: parte dela foi averiguada em um estudo de base populacional e parte de um ambulatório especializado em dificuldade de aprendizagem da Matemática, conforme descrito abaixo Amostra ambulatorial Ao longo deste estudo, foi criado um ambulatório específico para atendimento de crianças com dificuldade de aprendizado da Matemática, o Número, na FAFICH/UFMG, sob supervisão do Prof. Vitor Haase, do Departamento de Psicologia da UFMG. Neste ambulatório, são atendidas crianças/adolescentes, encaminhados por psicólogos, psicopedagogos ou professores, com a suspeita específica de dificuldade de aprendizagem da Matemática. Esta amostra foi submetida ao mesmo conjunto de testes descrito abaixo. Os critérios de diagnóstico usados também foram similares A amostra de base populacional Trata-se de um estudo epidemiológico, que teve como objetivo identificar as crianças, que apresentavam dificuldades de aprendizagem na Matemática. A fim de evitar vieses, foi selecionada uma amostra aleatória da população de crianças matriculadas entre a 1ª e a 6ª séries (2º ao 7º ano) do ensino fundamental de Belo Horizonte MG. Esses dados fizeram parte do trabalho de doutorado da Psicóloga Fernanda de Oliveira Ferreira,

29 29 defendido junto a Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, da Faculdade de Medicina da UFMG, sob orientação do Prof. Dr. Vitor Geraldi Haase, Departamento de Psicologia, UFMG (FERREIRA, 2010; FERREIRA et al., 2012) A amostra foi composta por estudantes de dez escolas públicas e duas escolas particulares de Belo Horizonte e foi coletada em duas etapas: triagem pelo Teste do Desempenho Escolar (TDE) e avaliação cognitiva e neuropsicológica Triagem pelo TDE Na primeira etapa, as crianças foram avaliadas quanto ao desempenho escolar em linguagem e aritmética através de dois instrumentos de rastreio: o TDE (STEIN, 1994) e a tarefa de transcodificação numérica (MOURA, 2010). O TDE é um teste individual de aplicação coletiva, que compara o desempenho médio dos estudantes por série e idade. O teste classificou as crianças em três categorias de acordo com o percentil de aproveitamento (P). Foram elas, inferior (P<25), médio (P25<X<P75%) e superior (>P75) (STEIN, 1994, p.19). A tarefa de transcodificação numérica tem como objetivo avaliar a habilidade do aluno em escrever, na forma arábica, o algarismo apresentado oralmente pelo experimentador Testagem neuropsicológica e cognitiva Nessa etapa, foram avaliados: inteligência, habilidades somatosensoriais como orientação direito-esquerda e percepção tátil, habilidades viso construtivas e viso espaciais, memória e funções executivas, conforme descrito na Tabela 1. Além disso, as habilidades numéricas foram avaliadas por uma bateria experimental (Tabela 2) Os testes cognitivos e neuropsicológicos foram realizados pelos estudantes da Pós- Graduação de Neurociências ou da Saúde da Criança e do Adolescente e da Graduação em Psicologia da UFMG, em treinamento no Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento da FAFICH-UFMG, sob supervisão do Prof. Vitor Haase.

30 30 Tabela 1 - Tarefas de avaliação cognitiva e domínios avaliados DOMÍNIO AVALIADO TESTE Inteligência RAVEN Destreza motora 9-Hole Peg Test Habilidades somatosensoriais Gnosias digitais e Orientação direita-esquerda Habilidades viso construtivas Memória de curto prazo e memória de trabalho Funções executivas Figura Complexa de Rey Dígitos do WISC-III e Cubos de Corsi Fluência verbal, Fluência de desenhos e TMT A e B Processamento fonológico Repetição de pseudopalavras, Leitura de pseudopalavras e Supressão de fonemas Fonte: Adaptado de Haase et al., 2008; Costa et al., 2011 Tabela 2 - Tarefas de avaliação neuropsicológica e domínios avaliados DOMÍNIO AVALIADO Tempo de reação Senso numérico Cálculo aproximado TESTE Tempo de reação simples Comparação de magnitudes não simbólica, Comparação de magnitude simbólica e Estimação não simbólica. Adição não simbólica e Subtração não simbólica Fatos aritméticos Cálculos Cálculos verbais Problemas matemáticos Fonte: adaptado de COSTA et al., 2011

31 Sistemática de classificação dos pacientes DAM O grupo DAM foi constituído pelas crianças, que apresentaram classificação inferior ao P25 no TDE e superior a P15 no Teste das Matrizes Progressivas Coloridas de Raven e que, ao final da avaliação cognitiva e neuropsicológica, apresentaram dificuldades de aprendizagem de Matemática, podendo ser também de Matemática e escrita. CONTROLE NORMALTESTADO O grupo controles normais testados foi composto por crianças, que apresentaram um aproveitamento superior a P25 no subteste de aritmética do TDE e superior a P15 no Teste das Matrizes Progressivas Coloridas de Raven. Essas crianças não apresentaram dificuldade de aprendizagem e preencheram os critérios padrões para um bom desempenho escolar, de acordo com a média esperada para a série escolar e idade nos subtestes de aritmética do TDE. Para cada criança, que apresentava DAM, foi selecionada uma criança controle, da mesma série, idade e preferencialmente da mesma sala de aula, sempre que possível. Essas crianças também foram submetidas à testagem neuropsicológica completa. CRITÉRIO DE EXCLUSÂO Os participantes que obtiveram resultado significativamente baixo no Teste das Matrizes Progressivas Coloridas de Raven (P15) foram classificados com deficiência intelectual e por esse motivo foram excluídos desta amostra. Estas crianças passaram a integrar a amostra do projeto de pesquisa Avaliação de estratégia de diagnóstico neuropsicológico e genético-molecular dos transtornos do desenvolvimento cognitivo (retardo mental), referido acima. Além disto, receberam o laudo de avaliação neuropsicológica e foram referenciados a outros profissionais, para investigação ou assistência, conforme necessário. CONTROLE POSITIVO DO KIT SALSA MLPA P245-A2 O grupo controle positivo foi composto por cinco pacientes de ambos os sexos previamente diagnosticados com alguma síndrome genética detectável pelo kit Salsa MLPA P245-A2. Assim, foram dois pacientes com SWB e a SVCF, um de cada sexo, e um menino afetado pela síndrome de WARG. CONTROLE INTERNO DA TÉCNICA DE MLPA Foram selecionados cinco indivíduos de cada sexo de uma amostra sem alteração (deleção/duplicação), já disponível no Laboratório de Genética Humana e Médica (LGHM)

32 32 da UFMG, que constituiu o grupo controle interno exigido para padronização da técnica de exame molecular utilizada na pesquisa, a MLPA. Na Figura 9, estão ilustrados os grupos acima descritos e as estratégias de averiguação utilizadas. Figura 9 - Estratégias de avaliação utilizadas e grupos de estudo Legenda - Das 1520 crianças avaliadas na triagem por TDE e teste de transcodificação numérica foram diagnosticadas 78 crianças com dificuldade de aprendizagem em Matemática e selecionadas 90 controles com avaliação neuropsicológica normal, pareados por sexo e idade; e excluídos os indivíduos diagnosticados com Deficiência Intelectual. Para padronização da técnica e validação do kit P245-A2 foram utilizados cinco controles internos de cada sexo e cinco controles positivos. Fonte: Elaborada pela autora

33 Métodos moleculares Extração de DNA Foram coletados 5mL de sangue em tubo com EDTA ou saliva, para os casos em que as crianças apresentavam resistência à coleta de sangue. A extração de DNA foi realizada pelo método de precipitação salina (MILLER et al., 1988), método usado rotineiramente no laboratório, para quaisquer tipos de material biológico. Os DNA foram quantificados, utilizando-se o espectrômetro NanoDrop ND-2000 (Thermo Scientific, Wilmington, EUA) sendo que a razão das absorbâncias 260 nm e 280 nm, assim como a razão das absorbâncias 260 nm e 230 nm foram avaliadas a fim de verificar a qualidade do DNA e garantir que fossem utilizados em uma concentração uniforme A técnica MLPA Para a padronização da técnica de MLPA, foi utilizado o kit SALSA MLPA P245-A2 Microdeletion Syndromes-1 (MRC HOLLAND, Amsterdã, Holanda), e posteriormente para detecção de microdeleções/microduplicações intersticiais foi utilizado o mesmo kit. Esse kit permite o diagnóstico de 21 síndromes de microdeleção, sendo estas as mais comuns em humanos. A composição do kit, em termos de sondas, posições cromossômicas e doenças investigadas são apresentadas na Tabela 3.

34 34 Tabela 3 - Descrição do kit SALSA MLPA P245-A2 Fonte: MRC - Holland

35 35 O kit SALSA MLPA P245-A2 é composto por 49 sondas, que geram fragmentos entre 130 a 484 pb. O kit inclui ainda dez fragmentos-controle, com produtos de amplificação menores do que 120 pb: quatro fragmentos específicos para a análise da quantidade de DNA (DQ) com 64, 70, 76 e 82 pb; três para controle de desnaturação de DNA (DD) com 88, 92 e 96 pb, um fragmento específico para o cromossoma X com 100 pb e dois fragmentos específicos para o cromossoma Y, com 105 e 118 pb (MRC Holland b. v., Amsterdã, Holanda). O protocolo utilizado encontra-se em conformidade ao descrito por Schouten et al., 2002, com mínimas modificações. As reações da MLPA foram realizadas no termociclador (Applied Biosystems Veriti 96-Well Thermal Cycler) e realizadas em quatro passos: desnaturação e hibridização do DNA, reação de ligação, amplificação por PCR. DESNATURAÇÃO E HIBRIDIZAÇÃO Na desnaturação e hibridização cada amostra de DNA utilizada foi diluída em TE na proporção de ng para 2,5 μl e mantida em termociclador a temperatura de 98 C por cinco minutos. Posteriormente, as amostras foram resfriadas a 25 C, e foram acrescentados 0,75 μl de SALSA Probe-mix e 1,5 μl de MLPA buffer. Em seguida, foram mantidas a 95ºC por um minuto e incubada a 60 C durante horas. LIGAÇÃO Após a hibridização, foi realizada a etapa de ligação. A princípio foi preparado o Mix Ligase com 1,5 μl de Ligase-65 buffer A, 1,5 μl Ligase-65 buffer B, 12,5 μl de água Milli-Q e por último 0,5 μl da enzima Ligase-65. Logo após, a temperatura do termociclador foi reduzida a 54 C, e acrescentados 16 μl de Mix Ligase-65 a cada amostra. Em seguida, a mistura foi incubada a uma temperatura de 54 C por 15 min e a 98 C por 5 min. PCR E finalmente, em um novo tubo, foi preparado o Mix de PCR com 1,0 μl SALSA PCR primer, 0,25 μl de SALSA DNA Polymerase e 3,75 μl de água Milli-Q e em seguida, foram adicionados 5 μl dessa solução em cada amostra no termociclador. Por fim, foi iniciada a reação de PCR segundo o protocolo descrito na Figura 10.

36 36 Figura 10 - Ciclo utilizado na MLPA para amplificação dos fragmentos Fonte: Produzida pela autora Analise dos resultados As amostras foram genotipadas pela MLPA, para detecção de possíveis microdeleções/microduplicações intersticiais, conforme a técnica descrita e posterior padronização. Nesta etapa, também foram utilizados os controles internos, como recomenda o fabricante. Os produtos amplificados na MLPA foram separados e visualizados em aparelho de eletroforese capilar ABI 3130 ou ABI 3137 (Applied Biosystems-Applera Corporation, Estados Unidos). Foi adicionado 0,5 µl do padrão de peso molecular ROX 500 (ABI 3130) ou LIZ 500 (ABI 3137) e 8,5 µl de Formamida Hi-Di (Applied Biosystems-Applera Corporation, Estados Unidos) para 1,0 µl dos produtos amplificados. Essa mistura foi submetida a choque térmico a 95 o C por 3 min e resfriada rapidamente a 4 o C antes da eletroforese capilar. A interpretação dos perfis gerados foi feita com o software GeneMarker V2 2.0 (Softgenetics, LLC, EUA). Os dados foram normalizados dividindo-se o valor da altura do pico de cada sonda pela soma dos picos de todas as sondas presentes em cada amostra. Esta etapa é denominada de normalização intra-amostral. Em seguida, o valor prénormalizado é dividido pela média da altura do pico da sonda correspondente nas amostras controles. Esta segunda etapa é denominada de normalização inter-amostral. Para valores de picos entre 0,7 e 1,3 foram considerados normais. Valores superiores a 1,3 foram considerados indicativos de microduplicação cromossômica nas regiões cobertas pelas sondas e valores inferiores a 0,7 foram considerados indicativos de microdeleção.

37 Confirmação dos resultados De acordo com o fabricante, para confirmação dos resultados é indicado utilizar outro kit de MLPA confirmatório ou outra técnica de biologia molecular. Sendo assim, para a confirmação, foi usado a versão atualizada do mesmo kit, o kit SALSA MLPA P245-B1 MICRODELETION SYNDROMES-1 (Tabela 4) e também o kit SALSA MLPA P070-B2 HUMAN TELOMERE-5 (MRC Holland, Amsterdã, Holanda), que contém uma sonda para cada região subtelomérica dos cromossomas autossômicos 1 ao 22, além das regiões pseudo-autossômicas dos cromossomas X e Y (Tabela 5). Outro método utilizado para confirmação foi o acgh. Essa técnica foi realizada pelo Centro de Estudos do Genoma Humano, no Instituto de Biociências Universidade de São Paulo, utilizando a plataforma Human Genome CGH Microarray 60K (Agilent Technologies, Santa Clara CA, EUA), contendo cerca de oligonucleotídeos distribuídos pelo genoma humano).

38 38 Tabela 4 - Descrição do kit SALSA MLPA P245-B1 Fonte: MRC Holland

39 39 Tabela 5 - Descrição do kit SALSA MLPA P070-B2 Fonte: MRC Holland

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL UFC CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II 1- Esta atividade corresponderá à 2ª avaliação da disciplina

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético TPNIs usam DNA livre de células. Amostra de sangue materno cfdna materno cfdna fetal TPNIs usam DNA livre

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1) e Elisangela

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7 Nos últimos anos, graças às técnicas de biologia molecular, os cientistas vêm constatando que diversas doenças caracterizadas por deficiências mentais e anormalidades físicas estão associadas à ausência

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO Mulher portadora Homem não afectado Gene normal Gene alterado Mulher portadora Mulher não afectada Homem não afectado Homem afectado Homem afectado

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

Dificuldades de aprendizagem

Dificuldades de aprendizagem Dificuldades de aprendizagem Dificuldades versus distúrbios Dificuldades escolares ou de aprendizagem Origem externa: no ambiente e no outro. Distúrbios/transtornos Origem interna: disfunção do Sistema

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

3 Método. 3.1 Sujeitos

3 Método. 3.1 Sujeitos 30 3 Método 3.1 Sujeitos A amostra deste estudo foi composta de idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital público do estado do Rio de Janeiro. Foram investigados 51 idosos com diagnóstico

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos

A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. A educação sexual para pessoas com distúrbios genéticos.

Leia mais

Avaliação do Processamento Numérico e de Cálculo em Pacientes com Afasia

Avaliação do Processamento Numérico e de Cálculo em Pacientes com Afasia Avaliação do Processamento Numérico e de Cálculo em Pacientes com Afasia Resumo Introdução: A alteração da habilidade de calcular, subseqüente a lesão cerebral, é conhecida como acalculia. Esta alteração

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2

PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2 PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2 Gonçalves MG 1, Fukasawa LO 1, Alencar WK 2, Caterino-de-Araujo A 1 1 Instituto

Leia mais

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica)

Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia (interação génica) Dominância Incompleta Codominância Alelos Múltiplos (polialelismo) Alelos Letais Epistasia

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NO PROCESSAMENTO DO TRANSTORNO AUDITIVO CENTRAL ESTUDO DE CASO. CURITIBA 2005 FERNANDO WOLFF MENDONÇA A APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM

Leia mais

Mutações Cromossômicas Estruturais

Mutações Cromossômicas Estruturais Genética Básica Mutações Cromossômicas Estruturais Aline Intorne Definição: Mudança substancial na estrutura do cromossomo, possivelmente, afetando mais do que um único gene. Segmentos de cromossomos podem

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA, ESPECIAL E POLÍTICAS DE INCLUSÃO

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA, ESPECIAL E POLÍTICAS DE INCLUSÃO Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INCLUSIVA, ESPECIAL E POLÍTICAS DE INCLUSÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Inclusiva, Especial

Leia mais

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Marisa R. Cantarino 1 Julia M. P. Soler (orientadora) 2 1 Introdução Um dos principais desafios da pesquisa genética atualmente é estabelecer

Leia mais

As alterações cognitivas da esquizofrenia

As alterações cognitivas da esquizofrenia 1 As alterações cognitivas da esquizofrenia As primeiras descrições da esquizofrenia foram feitas por Emil Kraepelin, um influente psiquiatra alemão, e Eugen Bleuler, seu colega suíço. Kraepelin, considerado

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração Resumo A Trissomia XXI caracteriza-se por um distúrbio de origem genética causado pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração generalizada do Sistema Nervoso Central

Leia mais

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood As Escolas Públicas de Norwood acolhem estudantes de diversas origens e experiências culturais. Nós estamos atualmente prestando

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental O Uso do Computador por Pessoas com Deficiência Sensorial (Surdez Congênita), Distúrbios Motores (Paralisia Cerebral, Esclerose Múltipla e Lateral Amiotrófica, Tetraplegia), e Distúrbios de Processamento

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

PROPOSTA PARA MESA-REDONDA POTENCIAIS RELACIONADOS A EVENTO DA AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS ÀS FUNÇÕES COGNITIVAS E SOCIAIS COMPLEXAS.

PROPOSTA PARA MESA-REDONDA POTENCIAIS RELACIONADOS A EVENTO DA AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS ÀS FUNÇÕES COGNITIVAS E SOCIAIS COMPLEXAS. PROPOSTA PARA MESA-REDONDA POTENCIAIS RELACIONADOS A EVENTO DA AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS BÁSICOS ÀS FUNÇÕES COGNITIVAS E SOCIAIS COMPLEXAS. Coordenador: Prof. Dr. Paulo Sérgio Boggio Email:

Leia mais

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA)

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Introdução: O álcool é um depressor do sistema neuronal, e o seu uso pode acarretar alterações cognitivas,

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas INTERAÇÃO GÊNICA Ocorre quando dois ou mais pares de genes, situados em cromossomos homólogos diferentes, interagem entre si para determinar uma mesma característica. FENÓTIPOS Crista ervilha Crista rosa

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Instituto de Ciências Biológicas ICB Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Alunos: Bárbara Luiza Júlia Miranda Marina Amaral Priscilla

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Atenção! Os

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO Edinéia Terezinha de Jesus Miranda PPGEC - UNESP/Bauru Neia.terezinha@gmail.com Nesse

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Genética Conceitos Básicos

Genética Conceitos Básicos Genética Conceitos Básicos O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É dividida em: Genética Clássica Mendel (1856 1865) Genética Moderna Watson e Crick (1953).

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais