Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R"

Transcrição

1 Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Marisa R. Cantarino 1 Julia M. P. Soler (orientadora) 2 1 Introdução Um dos principais desafios da pesquisa genética atualmente é estabelecer uma linguagem compreensível para geneticistas, estatísticos e bioinformatas, uma vez que métodos computacionais são essenciais para a interpretação estatística e genética de dados. Desse modo, o presente projeto de Iniciação Científica propõe a construção de um material didático que tem como objetivo contribuir para a interação entre os acadêmicos nesta área de fronteira do conhecimento. Para esse fim, são desenvolvidos exercícios nos quais deve ser feita uma simulação de dados, que recebem um tratamento estatístico e são interpretados geneticamente. Estes exercícios farão o papel de introduzir noções básicas das três áreas abrangidas, de modo a permitir a discussão integrada e a aquisição de conhecimentos das três áreas a qualquer pesquisador de uma delas. Agirão, portanto, como um material facilitador. 2 Material e métodos A partir dos exercícios propostos em [3], foram adaptados e reescritos dois exercícios nesta iniciação científica. Todos os exercícios propostos apresentam a seguinte estrutura: Motivação: colocação de um problema genético. Estruturação: formalização teórica do problema, com explicação de conceitos necessários para o entendimento deste, apresentados, em geral, em linguagem estatística. Simulação de dados: feita via implementação computacional de rotinas usando recursos do R, a partir da formalização teórica descrita. Análise dos dados: também feita via implementação computacional de procedimentos usando recursos do R, em geral, envolvendo cálculos de estatísticas descritivas, construção de gráficos e ajuste de modelos de regressão. 1 Departamento de Matemática Aplicada, Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo 2 Departamento de Estatística, Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo 1

2 Discussão dos resultados: após a análise dos dados, serão respondidas as questões apresentadas na motivação, alterando parâmetros do código do programa R e observando as alterações resultantes. 2.1 Exercício 1 Gerar aleatoriamente o genótipo de n indivíduos independentes. Gerar primeiro a sequência de bases nitrogenadas (A, C, T, G) para formar um trecho de DNA, e depois codificá-las, onde as letras A e T recebem 1 e as letras C e G recebem 0, formando assim uma matriz de genótipos G n m = {0,1,2} onde n é o número de indivíduos e m é o tamanho da sequência Motivação Entendimento da estrutura do genoma humano e do equilíbrio de Hardy-Weinberg na distribuição dos genótipos dos indivíduos e entendimento da codificação de um marcador do tipo SNP (Single Nucleotide Polymorphisms) Estruturação teórica O genoma humano é formado por duas sequências com cerca de três bilhões de bases nitrogenadas. As bases nitrogenadas que formam o DNA são adenina(a), citosina(c), timina(t) e guanina (G). O genótipo é o conjunto de determinadas características genéticas de um indivíduo, chamadas de genes, que são constituídos pelas bases nitrogenadas. O fenótipo, por sua vez, em geral, corresponde a uma característica física, observável de um indivíduo, podendo ser determinada ou influenciada por seu genótipo, além do ambiente. A simulação de sequências de bases nitrogenadas aleatórias é feita com base numa variável aleatória de distribuição uniforme de probabilidade Y U[0, 1]. Dado um valor para PA (probabilidade de ocorrer a base A) e para PC (probabilidade de C), de modo que PA = PT, PC = PG e PA + PC = 0,5, então as bases são geradas do seguinte modo: Se y [0,PA), a base é A; Se y [PA,0.5), a base é C; Se y [0.5,(0.5 + PC)), a base é G; Se y [(0.5 + PC),1], a base é T. Cada indivíduo possui um par de cromossomos homólogos, que se mantêm juntos por ligações entre as bases A e T e ligações entre as bases C e G. A codificação das sequências é feita, portanto, do seguinte modo: Contamos o alelo de interesse (no caso, A) e seu correspondente no pareamento (T) em cada fita numa posição do genótipo, e atribuímos 1 quando um dos dois (A ou T) ocorre e 0 se não ocorrem. Esta codificação resulta em dois tipos de genótipo: 2

3 0 - CC, CG, GC, GG P(0) = 4 PC AC, AG, TC, TG, CA, GA, CT, GT P(1) = 8 PA PC 2 - AA, AT, TA, TT P(2) = 4 PA 2 O equilíbrio de Hardy-Weinberg é estabelecido sob a hipótese de independência entre os alelos na formação dos genótipos. Deste modo, espera-se que a proporção de genótipos 0, 1 e 2 siga a probabilidade acima. Fugas desta lei, isto é, o desequilíbrio na composição alélica de um gene, podem ocorrer devido a fatores evolutivos, mutações, seleção natural, deriva genética e influência de populações migrantes [1]. 2.2 Exercício 2 Gerar um efeito genético, por exemplo a altura, para n indíviduos independentes, onde esse efeito será modelado por uma distribuição normal de probabilidade com base num modelo aditivo. Após gerar tais dados para os indivíduos, aplicar um modelo de regressão linear para estimar o valor aditivo associado ao fenótipo de interesse Motivação Proporcionar um entendimento geral de como o genótipo pode influenciar o fenótipo de um indivíduo, bem como o entendimento do modelo de efeitos genéticos aditivos ou lineares e de como estimar a variação do genótipo de acordo com o fenótipo observado Estruturação Teórica Efeitos genéticos são formas de medir uma determinada característica do fenótipo de um indivíduo, que é influenciado tanto por seu genótipo quanto por fatores externos, como alimentação, modo de vida, medicamentos, etc. [3]. Como feito no Exercício 1, os genótipos dos indivíduos são codificados de modo a formar uma matriz G n m = {0,1,2}. Feito isso, desejamos atribuir um valor de fenótipo (simularemos a altura em centímetros) para cada indivíduo, de acordo com seu genótipo. Essa atribuição é feita com base numa distribuição normal. Desse modo, seja Y i j a altura do indivíduo j que tem genótipo i, Y i j N(b + ax i,σ 2 ), onde X i é o valor genótipo do indivíduo (0, 1 ou 2) decrementado de 1 ( 1, 0 ou 1, respectivamente), b é a média populacional do fenótipo e a é o valor aditivo. As simulações são as seguintes: se o genótipo é 0, Y j N(b a,σ 2 ); se o genótipo é 1, Y j N(b,σ 2 ); se o genótipo é 2, Y j N(b + a,σ 2 ). 3

4 A segunda parte do exercício é, após a simulação dos valores dos fenótipos, aplicar uma função que estima o valor aditivo dos dados gerados. 3 Resultados e discussões 3.1 Exercício 1 Fixando o tamanho da sequência em m = 10, PA = 0,1 e PC = 0,4, e calculando a frequência relativa dos genótipos para 500 indivíduos, temos a Figura 1. É possível observar que, quanto maior o número de indivíduos gerados, mais as frequências relativas dos genótipos se aproximam dos correspondentes valores teóricos (probabilidades) adotados na simulação (sob equilíbrio). Figura 1: Distribuição do genótipo para 500 indivíduos 3.2 Exercício 2 Fixando PA = PC = 0,25, b = 165, a = 15 e σ 2 = 8. Ao simular o efeito genétipo para 60 indivíduos, com 5 colunas de alelos, levando em consideração primeira coluna e repetindo a simulação 50 vezes, obtemos o gráfico de perfis médios da Figura 2. Então, os dados gerados na primeira parte do exercício são interpretatos para que se estime o valor aditivo a. Os valores obtidos para a deste modo em cada uma das 50 simulações, sao ilustrados na Figura 3. 4 Conclusões Este trabalho está em fase inicial e sua utilidade principal está na introdução de conceitos das áreas de Genética, Estatística e Bioinformática para alunos em fase introdutória de áreas afins. Pretende-se expandir o conteúdo dos exercícios para a construção de um material didático mais amplo, compreendendo a análise de indivíduos relacionados e o ajuste de modelos lineares. 4

5 Figura 2: Gráfico de perfis médios das alturas de 60 indivíduos, simuladas 50 vezes Referências Figura 3: Gráfico da estimação do valor aditivo, simulado 50 vezes [1] BEIGUELMAN, R. A Lei de Hardy e Weinberg (2005). Disponível em: lineu.icb.usp.br/ bbeiguel/geneticapopulacoes/cap.1.pdf. Acessado em: 23 de outubro de [2] FOULKES, A. S. Applied Statistical Genetics with R: For Population-based Association Studies. Springer, [3] SOUZA, M. de. Título: Modelos mistos no mapeamento genético de fatores de risco cardiovascular em famílias brasileiras usando dados de SNPs. Dissertação - Univeridade de São Paulo. São Paulo, [4] TORGO, L. Data mining with R: learning with case studies. Chapman and Hall/CRC,

Novas Tecnologias de Sequenciamento

Novas Tecnologias de Sequenciamento Novas Tecnologias de Sequenciamento Tecnologias de sequenciamento Sanger (Capilaridade) Uma das inovações tecnológicas de maior influência na pesquisa biológica, desde que foi lançada em 1977 Abordagem

Leia mais

Modelos BioMatemáticos

Modelos BioMatemáticos Modelos BioMatemáticos http://correio.fc.ul.pt/~mcg/aulas/biopop/ Pedro J.N. Silva Sala 4.1.16 Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Pedro.Silva@fc.ul.pt Genética

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística 1. IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: Estatística Multivariada Código: PGMAT568 Pré-Requisito: No. de Créditos: 4 Número de Aulas Teóricas: 60 Práticas: Semestre: 1º Ano: 2015 Turma(s): 01 Professor(a):

Leia mais

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos.

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. Diogo Gonçalves Neder 1 1 Introdução O melhoramento de plantas visa principalmente identificar combinações genotípicas com performance superior quando

Leia mais

Algoritmos Genéticos

Algoritmos Genéticos UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Algoritmos Genéticos Rafael Xavier e Willyan Abilhoa Outubro/2012 www.computacaonatural.com.br

Leia mais

3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS

3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS 3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS 3.1 - Conceitos Básicos Entendemos como algoritmo um conjunto predeterminado e bem definido de regras

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

- Computação Evolutiva -

- Computação Evolutiva - - Computação Evolutiva - Prof. Dr. Cícero Garrozi DEINFO - UFRPE PPGIA@UFRPE cicerog@gmail.com Site da disciplina: http://cicerog.blogspot.com Sumário Situando a Computação Evolucionária Metáfora principal

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1) e Elisangela

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

PAPERPET. Caio Mayrink Maio/2011

PAPERPET. Caio Mayrink Maio/2011 PAPERPET Caio Mayrink Maio/2011 RAD51 G135C POLYMORPHISM IS ASSOCIATED WITH BREAST CANCER SUSCEPTIBILITY: A META-ANALYSIS INVOLVING 22,399 SUBJECTS Haiming Sun, Jing Bai, Feng Chen, Yan Jin, Yang Yu, Lianhong

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA 136 ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA FILITTO, Danilo 1 Resumo: Os algoritmos Genéticos inspiram-se no processo de evolução natural e são utilizados para resolver problemas de busca e otimização

Leia mais

Conexões entre matemática e biologia

Conexões entre matemática e biologia EB-207 Matemática Biológica 1 Conexões entre matemática e biologia Prof. Rodrigo Sávio Pessoa Sumário 2 1. Introdução 2. A nanotecnologia aplicada as ciências biológicas 3. Algumas questões biológicas

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

Capítulo 2 Endogamia. Acasalamentos Preferenciais. Introdução

Capítulo 2 Endogamia. Acasalamentos Preferenciais. Introdução Capítulo 2 Endogamia Acasalamentos Preferenciais Introdução No capítulo anterior foi demonstrado que se os acasalamentos forem aleatórios, as populações têm proporções genotípicas equivalentes às calculadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FUNÇÃO NO R PARA ANÁLISE DE TRILHA

DESENVOLVIMENTO DE UMA FUNÇÃO NO R PARA ANÁLISE DE TRILHA DESENVOLVIMENTO DE UMA FUNÇÃO NO R PARA ANÁLISE DE TRILHA Édimo F. A. Moreira 1 ; Luiz Alexandre Peternelli 2 ; Laís M. A. Barroso 1 INTRODUÇÃO A análise de trilha, desenvolvida por Wright (1923) consiste

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Projeto Gene: Ambiente de Apoio à Aprendizagem de Genética Baseado em Tamagotchi

Leia mais

Curso: Veterinária 2 Semestre Campus Palotina. Professor. Dr. Robson Fernando Missio rfmissio@yahoo.com.br

Curso: Veterinária 2 Semestre Campus Palotina. Professor. Dr. Robson Fernando Missio rfmissio@yahoo.com.br Curso: Veterinária 2 Semestre Campus Palotina Professor Dr. Robson Fernando Missio rfmissio@yahoo.com.br Alelo formas alternativas de um gene; Os genes podem existir em diferentes versões chamadas alelos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FUNÇÃO NO R PARA ANÁLISE DE TRILHA RESUMO

DESENVOLVIMENTO DE UMA FUNÇÃO NO R PARA ANÁLISE DE TRILHA RESUMO DESENVOLVIMENTO DE UMA FUNÇÃO NO R PARA ANÁLISE DE TRILHA Édimo F. A. Moreira 1 ; Luiz Alexandre Peternelli 2 ; Laís M. A. Barroso 1 RESUMO A análise de trilha é uma metodologia bastante útil para a identificação

Leia mais

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética Variação genética Origem da variação Professor Fabrício R Santos fsantos@icb.ufmg.br Departamento de Biologia Geral, UFMG 2012 Variação fenotípica hereditária Variação fenotípica causada pelo ambiente

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

Genética de Populações

Genética de Populações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Genética de Populações COMO SE CONSEGUE ATINGIR OS OBJETIVOS DO

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

Geração de Números Aleatórios e Simulação

Geração de Números Aleatórios e Simulação Departamento de Informática Geração de Números Aleatórios e imulação Métodos Quantitativos LEI 26/27 usana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) usana

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral

Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral Genética de Populações Genética Básica - Bio 240 Profa. Karla Yotoko Capítulo 1 Introdução à Genética de Populações Equilíbrio de Hardy-Weinberg

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2012-B

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2012-B Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas Seleção de Mestrado 2012-B INSTRUÇÕES (LEIA ATENTAMENTE ANTES DE PREENCHER A PROVA): a. Identifique sua prova unicamente com

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Ajuste de Curvas. Ajuste de Curvas

Ajuste de Curvas. Ajuste de Curvas Ajuste de Curvas 2 AJUSTE DE CURVAS Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações em que conhecemos uma tabela de pontos (x; y). Nessa tabela os valores de y são obtidos experimentalmente

Leia mais

GENÉTICA HISTÓRICO CARACTERÍSTICAS LEIS DE MENDEL PROBABILIDADE

GENÉTICA HISTÓRICO CARACTERÍSTICAS LEIS DE MENDEL PROBABILIDADE GENÉTICA HISTÓRICO CARACTERÍSTICAS LEIS DE MENDEL PROBABILIDADE DEFINIÇÃO Palavra de origem grega gennos (fazer nascer- geração). Estudo dos mecanismos de transmissão de características de uma espécie,

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Algoritmos Genéticos (GA s)

Algoritmos Genéticos (GA s) Algoritmos Genéticos (GA s) 1 Algoritmos Genéticos (GA s) Dado um processo ou método de codificar soluções de um problema na forma de cromossomas e dada uma função de desempenho que nos dá um valor de

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Genética clássica: mono, di e polihibridismo, alelismo múltiplo. A PRIMEIRA LEI DE MENDEL OU PRINCÍPIO DA

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

Bioinformática Histórico e conceitos básicos

Bioinformática Histórico e conceitos básicos Bioinformática Histórico e conceitos básicos Raimundo Lima da S. Júnior M.Sc. Departamento de Biologia Núcleo de Pesquisas Replicon PUC-GO Silva Jr., RL Casamento entre a ciência da computação e a biologia

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Mapas de Ligação e de. Marcadores Moleculares a Programas de Melhoramento

Mapas de Ligação e de. Marcadores Moleculares a Programas de Melhoramento Mapas de Ligação e de Desequilíbrio, Identificação de QTL e Integração de Marcadores Moleculares a Programas de Melhoramento de Alógamas Prof. José Marcelo Soriano Viana DBG/UFV População (Geração 0) Fragmentos

Leia mais

Giacomazzi J, Schmidt AV, Aguiar E, Bock H, Pereira MLS, Schuler- Faccini L, Giugliani R, Caleffi M, Camey SA, Ashton-Prolla P.

Giacomazzi J, Schmidt AV, Aguiar E, Bock H, Pereira MLS, Schuler- Faccini L, Giugliani R, Caleffi M, Camey SA, Ashton-Prolla P. Polimorfismos nos Genes do Receptor de Estrogênio, Receptor de Progesterona e Serina- Treonina Quinase e fatores de risco para câncer de mama em mulheres submetidas a mamografia Giacomazzi J, Schmidt AV,

Leia mais

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO EXPERIMENTAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação Mestranda:

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

OS GENES NAS POPULAÇÕES. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

OS GENES NAS POPULAÇÕES. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas OS GENES NAS POPULAÇÕES Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas GENÉTICA POPULACIONAL Estudo dos genes e frequência dos alelos nas populações EQUILÍBRIO DE HARDY-WEINBERG

Leia mais

Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos.

Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Ambiente Genótipo Caixa Preta Fenótipo Complexidade A grande maioria

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R Roberta Bessa Veloso 1, Daniel Furtado Ferreira 2, Eric Batista Ferreira 3 INTRODUÇÃO A inferência estatística

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2006 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2006 www.planetabio.com 1-No processo evolutivo, centenas de espécies podem ser criadas em um tempo relativamente curto. Esse fenômeno é conhecido como radiação adaptativa. No grupo dos répteis, ocorreu uma grande radiação adaptativa

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES

DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES LUIZ CLAUDIO BENCK KEVIN WONG TAMARA CANDIDO DISTRIBUIÇÃO DE WEIBULL CONCEITOS BÁSICOS APLICAÇÕES Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de Estatística e Métodos Numéricos do Curso de Administração

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 30 Fone: (061) 3443-7878 Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Elizangela (B1), Guilherme (B) Série: 3º Turmas: 301, 30, 303, 304 PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 013

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Aulas passadas Modelagem de sistemas via cadeias de Markov Aula de hoje Introdução à simulação Gerando números pseudo-aleatórios 1 O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Alcides Carneiro 2 Lucia Santos 3 Palavras Chaves: Metodologia científica; análise estatística;

Leia mais

Análise de uma seqüência de DNA

Análise de uma seqüência de DNA Análise de uma seqüência de DNA Statistics for Biology and Health (Ewens, W.J. & Grant, G.R.) Capítulo 5 Carla Rêgo Monteiro # Construção de uma seqüência # Modelar DNA # Verificar Sinais de um DNA # Long

Leia mais

Genética de Populações e Evolução

Genética de Populações e Evolução Genética de Populações e Evolução Populações Genética de populações a palavra população geralmente não se refere a todos os indivíduos de uma espécie, mas sim a um grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

A Genética Mendeliana

A Genética Mendeliana MATERIAL DE APOIO A Genética Mendeliana O conceito de um fator hereditário como determinante das características de um indivíduo foi introduzido primeiramente por Gregor Mendel em 1865, embora ele não

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Genômica. O que chamou mais atenção no filme?

Genômica. O que chamou mais atenção no filme? Genômica O que chamou mais atenção no filme? Tempo para sequenciamento do genoma Predição do fenótipo com base no genótipo Como este conhecimento pode ser usado para gerar novas tecnologias? Sequenciamento

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

Fundamentos da Evolução

Fundamentos da Evolução Fundamentos da Evolução UNIDADE VIII EVOLUÇÃO CAPÍTULO 24 Aula 02 Teorias evolucionistas Teoria Sintética Fatores evolutivos TEORIA SINTÉTICA DA EVOLUÇÃO Neodarwinismo Século XX Combina seleção natural

Leia mais

Complexidade. Fenótipo é qualquer característica mensurável.

Complexidade. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Fenótipo é qualquer característica mensurável. Genótipos Mendelianos são sempre discretos, mas fenótipos podem ser discretos ou contínuos. Isto se tornou um problema sério para o Mendelismo e para a teoria

Leia mais

Inferência Estatística-Macs11ºano

Inferência Estatística-Macs11ºano INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Inferência Estatística-Macs11ºano Estatística Descritiva: conjunto de métodos para sintetizar e representar de forma compreensível a informação contida num conjunto de dados. Usam-se,

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel 1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel Quadrado de Punnet Segregação fenotípica 3/4 Preto 1/4 marron

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo www.odnavaiaescola.org Todos os direitos reservados à DNA Goes to School, Inc. 2003 Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia Quarto Módulo Multiplicando o nosso DNA Kary Mullis A técnica

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas Departamento de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS E GESTÃO DE INFORMAÇÃO Grupo de trabalho Armando Mendes Áurea Sousa Fátima Brilhante Rita Marques Brandão Osvaldo Silva Fevereiro 2010 Enquadramento e justificação

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA SÉRIES, TABELAS E GRÁFICOS ESTATÍSTICOS Departamento de Estatística Tarciana Liberal TABELAS TABELAS TABELAS TABELAS TABELAS SÉRIES ESTATÍSTICAS Um gerente de produção da

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Uso do calcário no solo Desenvolvimento de pesticidas e fertilizantes. Máquinas a vapor substituindo a força animal

Uso do calcário no solo Desenvolvimento de pesticidas e fertilizantes. Máquinas a vapor substituindo a força animal Fepagro em foco Samuel Mazzinghy Alvarenga Histórico recente da Agropecuária Era científica: a partir de ~ 1.700 Rotação de culturas e métodos de cultivo intensivo Drenagem Utilização de arado, máquinas

Leia mais

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ano lectivo: 2008/2009 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ficha de exercícios 1 Validação de Pré-Requisitos: Estatística Descritiva Curso: Psicologia

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações...

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... Classificação Genética Heterogênicos = outbred Isogênicos = Inbred Acasalamento Aleatório Não-Consangüíneos Acasalamento

Leia mais

BIOLOGIA. Ano Lectivo 2013/2014. Aula 11

BIOLOGIA. Ano Lectivo 2013/2014. Aula 11 BIOLOGIA Ano Lectivo 2013/2014 Aula 11 Sumário (2 de Dezembro de 2013) Interpretação das primeiras experiências, descrição das segundas experiências e enunciados das leis de Mendel. Retrocruzamentos e

Leia mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha

Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Otimização de Funções Não Lineares por Meio do Algoritmo Árvore da Montanha Amarildo de Vicente Colegiado do Curso de Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Algoritmos Genéticos: Aspectos Práticos. Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009

Algoritmos Genéticos: Aspectos Práticos. Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009 : Aspectos Práticos Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009 Principais Tópicos População Inicial Funções Objetivo de Alto Custo Critérios de Parada Convergência Prematura Diversidade Tipos de Substituição

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091.01 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

16.02. A recombinação genética ocorre em todos os pares de cromossomos das células humanas que estão em meiose.

16.02. A recombinação genética ocorre em todos os pares de cromossomos das células humanas que estão em meiose. BIO 6E aula 16 16.01. A pleiotropia ocorre quando um gene influencia mais de uma característica. Em genes que estão localizados no mesmo par de cromossomos porém distante um do outro, a maioria dos gametas

Leia mais

Comunicado 106 Técnico

Comunicado 106 Técnico Comunicado 106 Técnico ISSN 1677-8464 Dezembro, 2010 Campinas, SP Foto: Embrapa Gado de Corte/ Utilizando o aplicativo Plink pelo Sistema Bife de Qualidade Fábio Danilo Vieira1 No Brasil, atualmente,

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS APLICADOS A MAPEAMENTO FÍSICO DE DNA

ALGORITMOS GENÉTICOS APLICADOS A MAPEAMENTO FÍSICO DE DNA ALGORITMOS GENÉTICOS APLICADOS A MAPEAMENTO FÍSICO DE DNA Fábio Ribeiro Cerqueira e Renarde Bergamo Paiva Stelzer Departamento de Ciência da Computação e Informática Faculdade de de Aracruz (UNIARACRUZ)

Leia mais

CRM e Prospecção de Dados

CRM e Prospecção de Dados CRM e Prospecção de Dados Marília Antunes aula de 4 de Maio 09 5 Modelos preditivos para classificação (continuação) 5.6 Modelos naive Bayes - classificador bayesiano simples O método ganha a designação

Leia mais