Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº Síndrome do X Frágil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil"

Transcrição

1 Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº Síndrome do X Frágil

2 C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como síndrome de Martin & Bell, é a causa mais frequente de deficiência mental herdada. Entre as pessoas com deficiência mental, cerca de 2,5% dos homens e 1% das mulheres têm a SXF, perdendo apenas para a síndrome de Down em incidência. A causa da SXF é a mutação completa do gene FMR1 (Fragile X Mental retardation-1) que está no cromossomo X. A mutação causa uma alteração localizada na condensação do cromossomo X, que se manifesta como um sítio frágil no exame dos cromossomos, dando origem ao nome da síndrome. O gene FMR1 é responsável pela produção da proteína FMRP (Fragile X Mental Retardation Protein), que todos nós produzimos, e é necessária para as funções cerebrais intelectivas e cognitivas. A falta ou a baixa produção dessa proteína leva ao conjunto de sinais clínicos que caracterizam a síndrome do X frágil. Cromossomo X frágil o quadro clínico da SXF A síndrome do X frágil afeta tanto homens quanto mulheres, mas no sexo feminino o quadro clínico é em geral menos grave. O comprometimento mental dos afetados pela síndrome é variável, sendo preponderantemente moderado nos homens. A maioria das mulheres portadoras da mutação completa apresenta dificuldades de aprendizado e aproximadamente 25% têm deficiência mental, mas o comprometimento mental pode não estar presente. O atraso na aquisição da fala e a hiperatividade são, na maioria dos casos, os primeiros sinais notados nas crianças. O comportamento autista é frequente, o que leva, muitas vezes, ao diagnóstico de autismo. Entre as mulheres afetadas as características da síndrome são menos marcantes, mas não é raro elas apresentarem timidez excessiva e ansiedade no contato social. Os recém-nascidos não apresentam aparência física que permita a suspeita clínica precoce da SXF. Crianças pequenas geralmente apresentam sinais sutis, dificultando a suspeita da síndrome. Os sinais tornamse mais marcantes na puberdade. Por outro lado, nem todos os sinais clínicos estão presentes nos afetados, dificultando ainda mais o diagnóstico clínico. Por esse motivo, o quadro comportamental em geral auxilia o diagnóstico. A Tabela ao lado relaciona as principais características comportamentais e físicas da SXF.

3 S í n d r o m e d o X F r á g i l Os sinais clínicos da síndrome do X frágil Deficiência mental de grau variado Atraso no desenvolvimento neuropsicomotor Atraso para adquirir a fala; fala repetitiva, ecolalia Distúrbios comportamentais: Hiperatividade Déficit de atenção Dificuldade de contato físico com outras pessoas, contato visual diminuído Irritabilidade Hábito de morder as mãos (causando calos no dorso) Movimentos estereotipados, principalmente das mãos Resposta exacerbada a estímulos sensoriais Sinais físicos frequentes: Face alongada, testa proeminente, prognatismo mandibular Palato alto Orelhas grandes, proeminentes, com hipoplasia da cartilagem Hiperextensibilidade articular Pés planos Aumento do volume testicular, geralmente após a puberdade o gene FMR1 O gene FMR1 apresenta em sua porção 5' não traduzida (região reguladora) uma repetição de trincas de nucleotídeos CGG (citosina guanina - guanina), cujo número varia de 6 a 55 na população geral. O mecanismo, que origina a mutação causadora da síndrome do X frágil, é o aumento no número de trincas CGG. Sendo que: Variação do gene FMR1 Normal Pré-mutação Mutação Completa CH 3 CH 3 X FMRP FMRP FMRP CH 3 CH 3 Pessoas afetadas pela SXF têm repetições com mais de 200 trincas CGG, podendo chegar a milhares de trincas (mutação completa), levando ao silenciamento do gene FMR1. O gene deixa de ser transcrito e, consequentemente, a proteína FMRP não é produzida, resultando em deficiência mental e outros sinais físicos e comportamentais da SXF; Pessoas que apresentam um número de repetições de trincas CGG entre 55 e 200 () produzem a proteína e não manifestam deficiência mental. No entanto, as pré-mutações são instáveis, ou seja, o número de repetições de trincas CGG tende a aumentar na transmissão ao longo das gerações e, assim, uma pode progredir para uma mutação completa.

4 C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a a herança da síndrome do X frágil A SXF é sempre herdada e a mãe dos afetados é a portadora do gene FMR1 alterado. Essas mulheres podem ser portadoras de ou de mutação completa. Como a mulher tem dois cromossomos X, quando possui a mutação completa poderá transmitir para seus filhos ou filhas o cromossomo X que tem a mutação completa ou o cromossomo X com o gene. Quando a mulher possui a, pode transmitir para sua prole o cromossomo X com o gene ou o cromossomo X com o gene alterado, ainda como ou como mutação completa. Grupo Metil Inativação do Promotor Citosina (C) Guanina (G) Metilação A do DNA Promotor Repetições CGG Códon Iniciador Normal (<55 repetições CGG) Pré-mutação ( repetições CGG) Mutação Completa (>200 repetições CGG) Já um homem portador de transmite a todas as suas filhas o seu único cromossomo X com o gene alterado, mas sempre na forma de ; para seus filhos, o portador transmite o cromossomo Y e, portanto, eles não podem herdar a prémutação. O número de trincas CGG da repetição tende a aumentar à medida que a é transmitida ao longo das gerações e quanto maior é o número de trincas CGG maior é a chance de que haja expansão para mutação completa. Assim, uma pode ser transmitida por várias gerações sem que ocorra sua expansão para mutação completa, as mulheres transmitindo-os para filhos e filhas e os homens para suas filhas. Os portadores da podem apresentar sinais clínicos que não estão presentes nas pessoas com mutação completa: cerca de 25% das mulheres portadoras de prémutação apresentam menopausa precoce (FXPOI, insuficiência ovariana associada ao X frágil); outra manifestação da é a síndrome de tremor/ataxia associada ao X frágil (FXTAS), que se manifesta em cerca de 40% dos homens portadores e 6% das mulheres portadoras acima dos 50 anos. Mãe Pai Mãe Pai Filha Filha Filha mutação completa Filho Filho Filho mutação completa Filha Filho

5 S í n d r o m e d o X F r á g i l o diagnóstico da SXF O diagnóstico da SXF é realizado pelo estudo do DNA, obtido de amostra de sangue periférico. O exame cromossômico (cariótipo) para detecção do sítio frágil é um teste indireto, onde a positividade indica a presença da mutação completa, porém o teste tem baixa sensibilidade para detectar mulheres com a mutação completa e não detecta a prémutação. Por esse motivo, o teste indicado para o diagnóstico de afetados e portadores da prémutação é o teste molecular para SXF (análise do gene FMR1). Quando se sabe que um membro da família é afetado pela SXF ou é portador de prémutação, é indicado que outros familiares sejam testados e procurem aconselhamento genético. O American College of Medical Genetics recomenda o teste molecular para síndrome do X frágil (análise do gene FMR1) em: Pessoas de ambos os sexos que apresentam deficiência mental ou autismo (particularmente quando possuem características físicas e comportamentais da SXF), história familiar de X frágil ou parente com deficiência mental de causa desconhecida; Pessoas que buscam conhecer o risco da prole, devido a histórico familiar de SXF ou deficiência mental de causa desconhecida; Pessoas com resultado de exame cromossômico (cariótipo) dúbio; Diagnóstico pré-natal, quando a mãe é portadora do gene FMR1 alterado; Mulheres com insuficiência ovariana, especialmente com histórico familiar de menopausa precoce ou SXF na família; Pessoas com síndrome de tremor/ataxia de manifestação tardia, cuja causa é desconhecida. Particularmente se há histórico familiar de SXF ou deficiência mental de causa desconhecida.

6 C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a o tratamento da SXF Atualmente, as intervenções de atendimentos multidisciplinares são as que podem minimizar os problemas da SXF, não havendo cura ou tratamento específico. Por outro lado, diversas pesquisas estão em desenvolvimento e focadas no entendimento dos mecanismos que levam ao quadro clínico, visando potenciais tratamentos para a SXF. Além disso, já existem medicamentos em diferentes fases de teste. A subnotificação de casos da síndrome do X frágil é fruto do fato de seus sintomas serem sutis no início da infância e similares aos de outros quadros clínicos, contribuindo para que muitos casos deixem de ser diagnosticados. Ciente da pouca informação que a população tem em geral sobre o assunto, o Quaglia Laboratório escolhe informá-los sobre essa patologia que atinge nossas crianças, principalmente as do sexo masculino, oferecendo a seus clientes o melhor diagnóstico laboratorial. Algumas Associações em outros Países Estados Unidos Estados Unidos Estados Unidos Estados Unidos Inglaterra Chile Portugal Austrália Espanha Brasil

7 S í n d r o m e d o X F r á g i l Referência Bibliográfica: 1- Brasil. Associação X Frágil do Brasil AXFRA. Disponível em: Acesso em: dezembro de 2011; 2- Brasil. Fundação Brasileira da Síndrome do X Frágil. Disponível em: Acesso em: dezembro de 2011; 3- Brasil. NASCIMENTO, R. M. P.; VIANNA-MORGANTE, A. M. Síndrome do cromossomo X frágil: a importância do diagnóstico precoce na prevenção da deficiência mental. In: KIM, C. A.; ALBANO, L. M. J.; BERTOLA, D. R.Genética na prática pediátrica. 1ª Edição. São Paulo. Ed. Manole, 2010, p Brasil. X Frágil O que você precisa saber. Comissão de Saúde. Florianópolis SC. Setembro de

8 O Caderno de Informação Científica é um informativo editado pelo Quaglia Laboratório de Análises Clínicas. Textos Dra. Christiane Galvão Vaccari de Paiva Dra. Angela M. Vianna Morgante Revisão Final Dr. Vitor M. Pariz Dra. Renata Bossolani F. dos Santos Projeto Gráfico, Editoração Eletrônica, Tratamento de Imagem e Finalização BC&C Comunicação e Design QUAGLIA Laboratório de Análises Clínicas Rua Francisco Paes, 165 Centro São José dos Campos SP Facebook.com/quaglia.laboratorio Serviço de Atendimento ao Cliente (12)

O X Frágil fica mais forte com você.

O X Frágil fica mais forte com você. O X Frágil fica mais forte com você. Projeto Eu Digo X SAIBA MAIS SOBRE A SÍNDROME DO X FRÁGIL E NOS AJUDE A CUIDAR MELHOR DE QUEM PRECISA. O X Frágil fica mais forte com você e com toda a sociedade.

Leia mais

X FRÁGIL Quero saber o que é!

X FRÁGIL Quero saber o que é! X FRÁGIL Quero saber o que é! Dia Estadual de Conscientização do X Frágil: 22 de setembro Semana Estadual de Estudos Conscientização sobre a Síndrome do X Frágil: 22 a 28 de setembro Para simbolizar nossa

Leia mais

A SINDROME DO X FRÁGIL

A SINDROME DO X FRÁGIL A SINDROME DO X FRÁGIL I N G R I D T R E M E L B A R B A T O LABORATÓRIO NEUROGENE ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DA SXF Florianópolis 28 de setembro de 2009-SC 1 Histórico da Síndrome S do X Frágil (SXF) J. Purdon

Leia mais

SÍNDROME X - FRÁGIL (Síndrome Martin & Bell)

SÍNDROME X - FRÁGIL (Síndrome Martin & Bell) Avaliação, Programação e Técnicas de Intervenção SÍNDROME X - FRÁGIL (Síndrome Martin & Bell) P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E F O RMA Ç Ã O E S P E C I A L I Z A D A EM E D U C A Ç Ã O E S P E C I A L D OMÍ

Leia mais

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que:

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que: 01 - (UEPA) Pela primeira vez, cientistas conseguiram identificar uma maneira de neutralizar a alteração genética responsável pela Síndrome de Down. Em um estudo feito com células de cultura, pesquisadores

Leia mais

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X HOMENS: apresenta um X e um Y XY sexo heterogamético o seus gametas serão metade com cromossomo X e metade com cromossomo Y MULHER: apresenta dois X XX sexo homogamético

Leia mais

SÍNDROME DO X FRÁGIL Miguel Palha Pediatra do Desenvolvimento Centro de Desenvolvimento Infantil DIFERENÇAS

SÍNDROME DO X FRÁGIL Miguel Palha Pediatra do Desenvolvimento Centro de Desenvolvimento Infantil DIFERENÇAS 1 O Carlos, em bebé, era muito irritável. Ao mínimo desconforto, ou mesmo sem causa aparente, desatava a chorar, de uma forma intensa e por tempo indeterminado. O Carlos falou muito tarde, já depois dos

Leia mais

A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil

A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil LOGO A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil Renata Ríspoli Gatti, Msc. Laboratório de Genética Humana Classificação > 200 CGG ~55 200 CGG Afetados Pré mutação 40 ~55 CGG Zona Gray 6 - ~40

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA Conceito A Síndrome de Usher é um grupo de doenças hereditárias (autossômicas recessivas) caracterizada por surdez neurosensorial com ou sem disfunção

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade Unidade 7 Reprodução e hereditariedade O ESTUDO DA HEREDITARIEDADE Teoria da pré-formação ou Progênese: dentro de cada semente (gameta) existiam miniaturas de seres humanos, chamados homúnculos. Gregor

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Herança Multifatorial Herança Monogênica Herança Cromossômica Padrões de Herança Distúrbios Monogênicos São determinados por um

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

Epigenética e Memória Celular

Epigenética e Memória Celular Epigenética e Memória Celular Por Marcelo Fantappié Fonte www.revistacarbono.com A epigenética é definida como modificações do genoma que são herdadas pelas próximas gerações, mas que não alteram a sequência

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO Mulher portadora Homem não afectado Gene normal Gene alterado Mulher portadora Mulher não afectada Homem não afectado Homem afectado Homem afectado

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

As Mutações. Aumento da biodiversidade

As Mutações. Aumento da biodiversidade As Mutações Aumento da biodiversidade Mutações As mutações são espontâneas e podem ser silenciosas, ou seja, não alterar a proteína ou sua ação. Podem ainda ser letais, quando provocam a morte, ou ainda

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Hereditariedade ligado ao X

Hereditariedade ligado ao X 12 Porto: Instituto de Genética Médica Tel.: (+351).22.607.03.00 Email: genetica@igm.min-saude.pt www.igm.min-saude.pt Hereditariedade ligado ao X Centro de Genética Preditiva e Preventiva IBMC, Univ.

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF O RECONHECIMENTO DO ALUNO DISLÉXICO PELO EDUCADOR Eliete Maria dos Santos 1 Roselene Nardi 2 A dislexia, como dificuldade de aprendizagem, verificada na educação escolar, é um distúrbio de leitura e de

Leia mais

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7 Nos últimos anos, graças às técnicas de biologia molecular, os cientistas vêm constatando que diversas doenças caracterizadas por deficiências mentais e anormalidades físicas estão associadas à ausência

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

Padrões de Transmissão

Padrões de Transmissão Padrões de Transmissão Gênica Padrões de Transmissão Gênica DISCIPLINA: GENÉTICA BÁSICA PROFA. ZULMIRA LACAVA E LUZIRLANE BRAUN Heranças Monogênicas ou Mendelianas 1 1ª Lei de Mendel Modelo pressupôs que

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PRÉ-MUTAÇÃO POR PCR NA SÍNDROME DO X FRÁGIL

AVALIAÇÃO DE PRÉ-MUTAÇÃO POR PCR NA SÍNDROME DO X FRÁGIL MARIANA ARZUA DE QUEIROZ AVALIAÇÃO DE PRÉ-MUTAÇÃO POR PCR NA SÍNDROME DO X FRÁGIL FLORIANÓPOLIS 2006 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Mutações Cromossômicas Estruturais

Mutações Cromossômicas Estruturais Genética Básica Mutações Cromossômicas Estruturais Aline Intorne Definição: Mudança substancial na estrutura do cromossomo, possivelmente, afetando mais do que um único gene. Segmentos de cromossomos podem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 CÂNCER 1) O que é? 2) Como surge? CÂNCER 1) O que é? É o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado

Leia mais

Biologia: Genética e Mendel

Biologia: Genética e Mendel Biologia: Genética e Mendel Questão 1 A complexa organização social das formigas pode ser explicada pelas relações de parentesco genético entre os indivíduos da colônia. É geneticamente mais vantajoso

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA

INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA A infertilidade pode ser definida como a inabilidade de um casal sexualmente ativo, sem a utilização de métodos contraceptivos, de estabelecer gravidez dentro

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette TEA Módulo 4 Aula 5 Tics e Síndrome de Tourette Os tics são um distúrbio de movimento que ocorrem no início da infância e no período escolar. É definido pela presença crônica de múltiplos tics motores,

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

ME DEIXA CRESCER! SOU DIFERENTE, E DAÍ? CASO

ME DEIXA CRESCER! SOU DIFERENTE, E DAÍ? CASO ME DEIXA CRESCER! SOU DIFERENTE, E DAÍ? CASO PARTE 1 D. Ruth procurou o agente comunitário Fábio, preocupada com a mudança de comportamento do filho de 16 anos, que tem síndrome de Down. Ela observou que

Leia mais

Genética III: Genética Humana

Genética III: Genética Humana Genética III: Genética Humana 1. Genética Humana As árvores genealógicas são usadas para mostrar a herança de doenças genéticas humanas. Uma árvore genealógica na qual é possível rastrear o padrão de herança

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

SÍNDROME DE WILLIAMS. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento A P R E S E N T A Ç Ã O D E :

SÍNDROME DE WILLIAMS. Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento A P R E S E N T A Ç Ã O D E : Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento SÍNDROME DE WILLIAMS A P R E S E N T A Ç Ã O D E : L I S A N D R A D O M I N G U E S I N Ê S L O P E S V E R A B R A N D Ã O Introdução Físico e

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

Síndromes cromossômicas. Alunos: Agnes, Amanda e Pedro Conte.

Síndromes cromossômicas. Alunos: Agnes, Amanda e Pedro Conte. Síndromes cromossômicas Alunos: Agnes, Amanda e Pedro Conte. Introdução: As anomalias cromossômicas sexuais ocorrem em virtude de meioses atípicas, durante a produção de gametas (espermatozoide e óvulo).

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

1 ALPHA-1. O que é alfa-1? Uma história familiar... de doença pulmonar? de doença do fígado? FOUNDATION

1 ALPHA-1. O que é alfa-1? Uma história familiar... de doença pulmonar? de doença do fígado? FOUNDATION O que é alfa-1? Uma história familiar... de doença pulmonar? de doença do fígado? O que você precisa saber sobre Alfa-1 Antitripsina 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é alfa-1? Alfa-1 Antitripsina(Alfa-1) é uma

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

TEMA ORGANIZADOR: Saúde individual e comunitária

TEMA ORGANIZADOR: Saúde individual e comunitária TEMA ORGANIZADOR: Saúde individual e comunitária UNIDADE TEMÁTICA: Saúde N.º DE Saúde Individual e Comunitária. - Desenvolvimento do conceito de saúde Definição de Saúde pela O.M.S..2 -Medidas para a promoção

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Testes genéticos para efeitos de saúde

Testes genéticos para efeitos de saúde Testes genéticos para efeitos de saúde Testes genéticos para efeitos de saúde Todos nós herdámos dos nossos pais uma combinação única de genes. Esta constituição original e a influência de vários fatores

Leia mais

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais.

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais. Síndrome de Apert O que é Síndrome de Apert? A síndrome de Apert é uma desordem genética que causa desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com síndrome de Apert nascem com a cabeça e a face com

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2006 N.º Despacho PROJETO DE LEI N.º 903/2006 RECONHECE A PESSOA COM AUTISMO COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA, PARA FINS DA FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 CÂNCER 1) O que é? 2) Como surge? CÂNCER 1) O que é? É o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado

Leia mais

O X Frágil fica mais forte com você.

O X Frágil fica mais forte com você. O X Frágil fica mais forte com você. Projeto Eu Digo X SAIBA MAIS SOBRE A SÍNDROME DO X FRÁGIL E NOS AJUDE A CUIDAR MELHOR DE QUEM PRECISA. O X Frágil fica mais forte com você e com toda a sociedade. A

Leia mais

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético TPNIs usam DNA livre de células. Amostra de sangue materno cfdna materno cfdna fetal TPNIs usam DNA livre

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Mutações e Aberrações Cromossômicas

Mutações e Aberrações Cromossômicas Mutações e Aberrações Cromossômicas Aula 32, 33 e 34 Aspectos Conceituais e Rotas Metabólicas Prof. Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva, M.Sc. Mutação Mutações são modificações casuais do material genético,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

FENÓTIPOS EM PORTADORAS BRASILEIRAS DA PRÉ-MUTAÇÃO DA SÍNDROME DO X-FRÁGIL

FENÓTIPOS EM PORTADORAS BRASILEIRAS DA PRÉ-MUTAÇÃO DA SÍNDROME DO X-FRÁGIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CELULAR, EMBRIOLOGIA E GENÉTICA LABORATÓRIO DE NEUROGENÉTICA DO DESENVOLVIMENTO DAIANE DE ANDRADE FENÓTIPOS

Leia mais

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam características hereditárias desse estudante que são influenciadas

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 83 RESUMOS SIMPLES...84 RESUMOS DE PROJETOS...

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 83 RESUMOS SIMPLES...84 RESUMOS DE PROJETOS... Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 83 RESUMOS SIMPLES...84 RESUMOS DE PROJETOS...88 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17

Leia mais

NEUROLOGIA NEUROLOGIA PEDIÁTRICA. 20 anos de experiência no diagnóstico genético

NEUROLOGIA NEUROLOGIA PEDIÁTRICA. 20 anos de experiência no diagnóstico genético NEUROLOGIA NEUROLOGIA PEDIÁTRICA 20 anos de experiência no diagnóstico genético SERVIÇO INTEGRAL DE GENÉTICA MÉDICA Nos últimos 20 anos, o conhecimento das bases genéticas de doenças neurológicas desenvolveu-se

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais