BOLSAS DE VALORES E O TERRITÓRIO BRASILEIRO: A ASCENSÃO DA BM&FBOVESPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLSAS DE VALORES E O TERRITÓRIO BRASILEIRO: A ASCENSÃO DA BM&FBOVESPA"

Transcrição

1 BOLSAS DE VALORES E O TERRITÓRIO BRASILEIRO: A ASCENSÃO DA BM&FBOVESPA Wagner Wendt Nabarro FFLCH USP INTRODUÇÃO No período atual, as finanças e a informação ascendem como variáveis de grande relevância para compreender as relações estabelecidas entre os lugares. Torna-se fundamental entender os fluxos informacionais que cortam os territórios para que se compreenda novas dinâmicas que os regem, uma vez que o sistema financeiro mundial, que baseia-se na informação, é cada vez mais influente na economia dos Estados e, por meio disso, integra cada vez mais a vida cotidiana. A bolsa de valores é uma das faces mais conhecidas desse sistema financeiro. Por meio de seu rápido movimento de variação de preços de ativos, de seu caráter altamente especulativo, de seu peso nas economias nacionais e de sua crescente influência em decisões de política econômica, as bolsas são um dos elementos que mais representam as preocupações e incertezas do mercado financeiro. As grandes bolsas, apoiando-se na maioria das vezes em metrópoles dotadas de serviços financeiros avançados e altos conteúdos informacionais, movimentam fluxos globais diversos. Torna-se fundamental, assim, a compreensão da importância geográfica desses elementos da economia financeira. A recente crise enfrentada pelo mercado financeiro mundial, em especial a partir de 2008, revelou a existência de um sistema de bancos às escuras (HARVEY, 2011, p. 26) liderando uma infinidade de investimentos complexificados, como trocas de crédito e derivativos de moeda, e problematizou o grande volume de operações financeiras fugidias ao controle dos Estados, mas com grande impacto nas economias nacionais. A crise, que teve seu estopim em idiossincrasias do sistema financeiro, logo se alastrou por toda a economia, levando a fechamentos de fábricas e aumento do desemprego. Para Harvey (2005), apesar de a crise ter se originado por dinâmicas específicas do mercado financeiro, 149

2 não é um fato isolado, tampouco uma exceção ao funcionamento do capitalismo, que, para o autor, carrega inerentes crises, que são parte constituinte de seu funcionamento. A acumulação capitalista estaria sempre buscando novas formas de se efetivar: o capital é um processo que precisa constantemente mudar suas dimensões e formas de circulação se expande, acumula e reforma o processo de trabalho e os relacionamentos sociais da produção. É com base na ideia de que o capitalismo adquire novas formas e procura se reinventar para seguir seu funcionamento que alguns autores apontam elementos relativos a um novo regime de acumulação capitalista, cujo modo de regulação baseia-se na flexibilidade. Benko (1999) aponta que nesse modo de regulação, imbuído de novas técnicas, novos modos de consumo e novas formas de intervenção estatal, formam-se grandes grupos, empresas de grande porte que se tornam holdings extremamente financeirizadas, com grande flexibilidade de operações e diversificação de atividades, tendo grande peso dos investimentos financeiros na composição de seus ativos. Certas empresas (não-financeiras) passam a depender mais de seus investimentos financeiros do que da produção em si (HARVEY, 2011). Aumenta, com isso, a promiscuidade entre os sistemas produtivo e financeiro, característica essencial para caracterizar o atual perfil de atuação das bolsas de valores (BETEILLE, 1991). A partir da chamada mundialização financeira (CHESNAIS, 1999), uma série de políticas de liberalização e abertura de mercados iniciada nos EUA e na Inglaterra e logo propagada aos demais países firmou uma maior interligação econômica entre os países, garantindo uma intensa troca de fluxos financeiros. Conteúdos do mercado financeiro internacional passam a constituir parte cada vez maior na vida das nações, levando ao surgimento de diversos serviços associados (de associações internacionais a agências de classificação de risco) e instituições de controle e regulação. As bolsas de valores, como um dos elementos desse mercado, exigem o estabelecimento, nos países em que têm significância, de uma série de serviços específicos e a adoção de tecnologias que permitam uma conexão com o mercado global. É pressuposto que haja, nos dizeres de Santos ([1996] 2009), uma unicidade do tempo e uma unicidade da técnica, que permitam aos mercados se utilizarem simultaneamente dos mesmos padrões técnicos em diversos pontos do globo, realizando com isso uma mais-valia global. É também essencial que hajam instituições regulatórias que permitam um funcionamento estável e diário dessa forma de mercado, normas sobre as quais incidem decisões estatais, visto que normas são inseparáveis das 150

3 políticas dos territórios por onde as finanças circulam. Exemplo disso são as políticas fiscais elaboradas de modo a facilitar ou dificultar determinada forma de operação do mercado. Diversos pressupostos técnicos e normativos para a inserção das bolsas de valores no território, no qual as metrópoles ganham destaque ao apresentar grande densidade técnica e informacional (SANTOS, [1996] 2009), formando centros financeiros que, por vezes, possuem inclusive ambientes regulatórios mais propícios ao mercado que as demais cidades (PORTEOUS, 1999). No território brasileiro, deparamo-nos com a Bolsa de Mercadorias, Valores e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa) como única bolsa de valores e um dos elementos de maior importância para o mercado financeiro no país, de ampla divulgação por meios midiáticos. Figurando atualmente entre as principais bolsas de valores do mundo, tendo sido a 8ª bolsa do mundo em capitalização de mercado em 2011, apresentando uma recente queda para 17ª em 2013 (WORLD FEDERATION OF EXCHANGES, 2014), representa a principal entidade bursátil da América Latina. A praça financeira do Brasil é atualmente apontada como um dos principais dos chamados mercados emergentes, expressão surgida no mundo das finanças na década de 1990 para as praças financeiras da periferia que estão ligadas em rede com os países do centro do sistema (ARROYO, 2006, p. 182). Essa posição faz com que o país esteja sob constante especulação acerca da possibilidade de novos investimentos e de crescimento econômico. A BM&FBovespa participa ativamente desse processo, impulsionando o mercado financeiro do país na medida em que, mantendo o monopólio do comércio de títulos empresariais do país, colabora para o estabelecimento de normas e decisões na economia brasileira. Apesar da crescente importância do mercado de capitais no país por meio da BM&FBovespa, a economia financeira nacional encontra certas particularidades. Acerca de seu funcionamento, é conhecida a baixa quantidade de empresas listadas na bolsa brasileira, se relacionada ao tamanho da economia: em dezembro de 2013, 363 companhias listavam suas ações (WORLD FEDERATION OF EXCHANGES, 2014). O modo como a bolsa brasileira se consolidou e o modelo de operação adotado ajudam a explicar esse dado. Soma-se a isso a extrema concentração financeira na cidade de São Paulo e o caráter globalista adotado pela BM&FBovespa, a serem explorado adiante. Fato é que a bolsa brasileira ganha, assim, significados específicos por sua localização geográfica. O processo de inserção da economia brasileira no circuito financeiro internacional é, também, inserção do território brasileiro nas vontades desse circuito e, portanto, carrega consigo 151

4 todas as suas propriedades e consequências. Com isso em vista, exploramos a seguir o processo de centralização e a conformação de uma única bolsa no território brasileiro, de caráter monopolista e de pretensões globais. FORMAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO As bolsas de valores no Brasil têm sua origem em meios do século XIX. Embora já houvessem corretores de títulos envolvidos com o comércio de exportação do império, a primeira organização para reunião destes agentes se deu com a fundação da Junta dos Corretores de Fundos Públicos do Rio de Janeiro em 1848 (ARRUDA, 2008). As primeiras organizações bursáteis no Brasil eram bastante ligadas às zonas de exportação do país, tais como as praças do comércio de Salvador e Recife, e baseavam-se na regulamentação e controle daqueles que vendessem títulos. A Junta de Corretores do Rio de Janeiro, durante todo o século XIX e a primeira metade do século XX manteve-se como a principal bolsa do país 1. A Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo, futura Bovespa, só passa a existir após 1890, e seu crescimento acompanha o progresso econômico da metrópole paulistana, conforme incorpora títulos de empresas relacionadas à industrialização promovida na cidade e no estado de São Paulo. Passado o período inicial, em que as bolsas se desenvolveram de maneira discreta, associada intimamente com as praças do comércio de cidades exportadoras, no século XX desenvolveram-se bolsas em todas as capitais estaduais do Brasil. A bolsa de valores se tornou um elemento essencial da vida financeira do país e passou a ter bastante atuação do Estado no seu estabelecimento. O processo de formação dessas bolsas se iniciou em 1934, com uma série de regulamentações que aproximavam o funcionamento das bolsas brasileiras do padrão estabelecido pelas bolsas de valores nos Estados Unidos (LEITE, 2011, p. 28), integrando-as e unificando sua forma de funcionamento, embora impulsionando a proliferação de novas instituições. Serviam então a interesses regionais, na medida em que reuniam os principais títulos de empresas de cada estado e permitiam seu comércio nas capitais, facilitando à burguesia local a circulação de capital e a diversificação de investimentos. A partir dos anos 1960, no entanto, a própria noção de bolsa de valores se transforma. No nível internacional, Beteille (1991, p. 1) chama atenção para uma revolução 1 Note-se que a terminologia bolsa só foi incorporada de fato ao vocabulário financeiro brasileiro em 1895, com a oficialização da Bolsa de Fundos Públicos do Rio de Janeiro. 152

5 bursátil a partir dessa época, na qual novas funções das bolsas de valores se delineiam, ajudando a drenar poupanças, incentivando a abertura de capital das empresas societárias, divulgando-as entre investidores do mundo dos negócios e aumentando a liquidez dos investimentos. No Brasil, uma série de medidas normativas a partir de 1964 (MATTOS FILHO, 1986; LEITE, 2011) culmina na chamada lei do mercado de capitais, que termina por induzir a uma série de fusões e aquisições entre as bolsas, mudando a concepção e a forma de regulação das bolsas de valores no país, agora definidas, conforme a resolução nº 39 do Banco Central do Brasil (BCB), como associações civis, sem finalidades lucrativas (LEITE, 2011, p. 39). As bolsas de então dispõem-se a manter um local ou sistema adequado para operações e compra e venda de títulos e valores mobiliários, em um mercado livre e aberto, organizado e fiscalizado em conjunto com sociedades corretoras membros e autoridades competentes. A partir desse novo cenário, configuram-se algumas bolsas regionais, resultado da fusão de bolsas estaduais 2. Tais bolsas, com novos conteúdos normativos, agora buscam fortalecer seus mercados, aumentar a área para drenagem de capital e atender um maior número de empresas. Finalmente, a década de 1990 prenuncia o término do processo de centralização do mercado de capitais brasileiro, e no ano de 2000, através de um processo de fusão finalizado com a incorporação da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (Boverj) pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), as bolsas brasileiras acabam todas unificadas sob o nome da bolsa paulista, que passa a ser a única negociante de ações empresariais do país. O MERCADO E AS NORMAS O funcionamento constante do mercado de capitais dentro do território brasileiro pressupõe um conjunto normativo que estabeleça as regulações a serem seguidas pelos diversos agentes envolvidos nas operações de ativos. Observamos que desde o estabelecimento das primeiras bolsas, estas já se encontravam regulamentadas por meio de decretos imperiais que estabeleciam características como as incumbências dos agentes corretores. No entanto, apenas em 1934 o mercado de capitais como um todo passa a ter uma regulação unificada e é em 1964 que, pela primeira vez, a gestão das bolsas de valores 2 No período, sobreviveram dois tipos de bolsa: aquelas que permaneceram isoladas, devido à força de seu mercado, e aquelas que fundiram-se em bolsas regionais, em busca do fortalecimento. Entre as primeiras estão: Bolsa de Valores de São Paulo; Bolsa de Valores do Rio de Janeiro; Bolsa de Valores de Santos; Bolsa de Valores do Paraná; entre as segundas estão: Bolsa de Valores Pernambuco-Paraíba; Bolsa de Valores Bahia-Sergipe-Alagoas; Bolsa de Valores do Extremo Sul; Bolsa de Valores Minas Gerais-Espírito Santo-Brasília; e Bolsa de Valores Regional (LEITE, 2011, p. 37). 153

6 é interpretada como responsabilidade do governo federal do país. A já abordada lei do mercado de capitais, a lei 4.728/65, organizou o Sistema de Distribuição de Títulos e Valores Mobiliários, através do qual se realizaria obrigatoriamente qualquer emissão, colocação, distribuição ou negociação de títulos (ARRUDA, 2008, p. 157). A lei 4.959/64, por sua vez, reformou o Sistema Financeiro Nacional, estabelecendo a criação do Banco Central do Brasil (BCB) e da Comissão Monetária Nacional (CMN). Anteriormente, a incumbência das finanças e, portanto, do mercado de capitais do país estava com a Superintendência da Moeda e do Crédito (SUMOC). Tais instituições passam a controlar e registrar os títulos. As bolsas, agora com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, ficam sob supervisão do BCB, que também autoriza o funcionamento das sociedades corretoras, cabendo ao CMN regular e normatizar as bolsas. Uma importante modificação trazida pela lei de 1964 foi a substituição do Corretor oficial de fundos públicos pelas Sociedades Corretoras, que passam a ser consideradas membros das bolsas. A partir dessa legislação, diversas empresas especializadas no serviço de corretagem se instalam nos arredores das bolsas de valores e passam a dotar as metrópoles de novos serviços financeiros. Tais empresas incluem companhias transnacionais de investimentos financeiros e incorporam diversos serviços adicionais, em especial aqueles relativos à informação e análise de investimentos. O BCB e a CMN, no entanto, estavam imersas em toda a vida financeira nacional, não estando, portanto, especializadas no mercado de capitais. Pode-se dizer, portanto, que é a partir de 1976, com o estabelecimento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que o mercado de capitais ganha autonomia normativa no Brasil. Tal instituição, uma autarquia vinculada ao ministério da fazenda (ARRUDA, 2008, p. 160), torna-se a principal responsável pelo estabelecimento da regulação das bolsas de valores do país. Entre suas atribuições, estão o registro da distribuição de valores mobiliários, a organização das bolsas, a fiscalização dos atores envolvidos no mercado. A relativa autonomização normativa das bolsas de valores cresceu por meio da formação de uma instituição especializada na regulação de valores mobiliários (a CVM) e pelo processo de centralização do mercado de capitais (formando a BM&FBovespa). Uma única instituição fortalecida abrigando todo o funcionamento do mercado de capitais significava diversas facilidades técnico-normativas: a garantia de volumes razoáveis de negociação diária, a garantia de maior liquidez, a padronização das atividades e dos dados. Quando a BM&FBovespa se torna a única bolsa de valores do país, a empresa passa a 154

7 operar em conjunto com a CVM e o BCB para a regulação do mercado. É bom notar que as normas estão intimamente ligadas às técnicas de funcionamento da bolsa. Os diversos instrumentos financeiros se baseiam fortemente na garantia da regulação das atividades, que garanta a cada investimento o direito ao retorno que pretende. Se no final da década de 1950 implementou-se o uso dos tickers (ARRUDA, 2008, p. 156) como forma de comunicação dos preços e o pregão era, até então, presencial, observamos, atualmente, a implantação de sistemas que se fazem cada vez mais complexos. A virtualização dos pregões completada, na BM&FBovespa, em 2009 (LEITE, 2011, p. 42) e a diversificação de serviços nas empresas de corretagem colaboraram para que a automatização das operações tenha se colocado como tendência, com o surgimento mais recente da automatização de operações, que permite as chamadas operações de alta frequência (high frequency trade) e causa preocupações para a regulação por parte dos órgãos normativos (PINHEIRO, 2014). A ideia de que a desregulamentação e liberalização dos mercados apontada por Chesnais (1999) levam a uma anarquia de fluxos é contraposta se pensarmos, com Dollfus (1993), que tais movimentos não suprimem regras, mas sim certos controles, visando dar fluidez a certas transações e abrindo campo para a concorrência. O mercado, afinal, sempre demanda novas regras para que o sistema funcione, na medida em que ainda que se alegue a criação de um mercado livre é necessário o estabelecimento de padrões e leis que evitem comportamentos econômicos nocivos e mantenham o funcionamento contínuo do sistema. Logo, a cada inovação do mercado, é necessário criar novos instrumentos de observação e controle, portanto, um sistema financeiro mais complexo é também mais regulado. Da mesma forma, a fluidez é, para Santos ([1996] 2009), uma categoria sociotécnica: junto com as técnicas que a permitem, sempre operam novas normas de ação. Para o autor, a fluidez atual resulta de formas perfeitas, normas e informação universais. Os Estados tiveram papel fundamental no estabelecimento de tais normas, permitindo uma regularização dos conteúdos e das formas de transmissão. A atuação de agências transnacionais de informação que permitem uma interconexão e a padronização de normas de comércio internacionais são alguns dos fatores que fazem da fluidez dos fluxos financeiros. Conforme Arroyo (2006), a própria importância da circulação de dinheiro em setado puro como fator central da acumulação no capitalismo contemporâneo explica-se em grande parte pelas condições políticas e técnicas dos territórios nacionais: a uma base 155

8 material adequada para aumentar a fluidez territorial, soma-se uma base normativa que facilita a porosidade do território a partir de regulações flexíveis. O estabelecimento do meio técnico-científico informacional (SANTOS, 1994), com seus objetos de alta complexidade e sofisticação, ações racionais e pragmáticas é que proporcionam as eficientes condições para que os fluxos financeiros possam se realizar na escala mundial e, para tanto, a instalação desse meio torna o território permissivo à circulação dos fluxos. Assim, para Sassen (2010, p ), a interconexão eletrônica dos mercados, bem como o crescimento dos instrumentos financeiros derivados e a aceleração das inovações possibilitadas pelas ciências financeiras iniciaram nova etapa no sistema financeiro. A gestão do risco e da incerteza se tornou característica da atuação de tais mercados, adquirindo um peso e significado específicos. Pela condição das técnicas de controle do risco, a supervisão externa se tornou cada vez mais difícil devido à velocidade e complexidade dos modelos de operações, o que fez com que muitas instituições regulatórias passassem a buscar nos próprios agentes do mercado financeiro possibilidades de controle, utilizando seus próprios especialistas técnicos para a regulação, impondo a eles metas e normas a serem seguidos, mas perdendo, em razão disso, parte do controle técnico sobre a dinâmica do mercado. Especialmente nos territórios latino-americanos, que se encontram em situação de vulnerabilidade frente aos desmandos do mercado financeiro internacional (ARROYO, 2006), faz-se constantemente o questionamento da posição política a ser tomada na tentativa de controle e supervisão dos fluxos financeiros, uma vez que, com grande peso na política econômica. Se, conforme Raffestin (1993, p. 176), as organizações econômicas têm interesse em anular obstáculos, tornando o território isotrópico de maneira a investir com facilidade ao sabor das modificações técnico-econômicas e favorecer, assim, a difusão dos seus fluxos, é constante a conflituosa dinâmica entre o poder político e o econômico pela imposição de normas que favoreçam ou desfavoreçam a liberdade de transações financeiras. A CONSOLIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA O surgimento da única bolsa brasileira da atualidade teve em sua raiz o processo de centralização das diversas bolsas brasileiras e, por fim, sua fusão com a maior bolsa de mercadorias e futuros do país, originando a BM&FBovespa. A implantação de uma bolsa de valores em São Paulo se iniciara com a fundação da Bolsa Livre em 1890 (ARRUDA, 2006, p. 156

9 153). Essa bolsa, de curta duração, foi o embrião da Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo estabelecida em 1895, que em 1935 tornou-se a Bolsa Oficial de Valores de São Paulo, vinculado à secretaria da fazenda do estado e, finalmente, Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) após, com a legislação de 1964, as bolsas serem consideradas associações civis. O fortalecimento da Bovespa, que permitiu a ela sobrepor-se à Bolsa do Rio de Janeiro, esteve relacionado à dinâmica econômica das duas cidades, na qual a primeira ganhou destaque como centro financeiro internacional, e coloca-se como o principal fator para explicar o agrupamento das bolsas de valores em São Paulo. A fusão da Bovespa com a Bolsa de Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&F) também foi fundamental para o fortalecimento da BM&FBovespa como instituição financeira global, na medida em que permitiu a diversificação de serviços e instrumentos de investimento e reuniu com as bolsas de valores a principal bolsa de mercadorias do país. Com o nome de Bolsa Mercantil de Futuros de São Paulo (BM&F), havia sido criada a partir de capital da própria Bovespa, em 1986 (ARRUDA, 2006, p. 162). Em 1991, fundiu-se com a Bolsa de Mercadorias de São Paulo (BMSP), existente desde 1917, e em 1997 com a Bolsa Brasileira de Futuros (BBF), existente desde 1983 no Rio de Janeiro, transformando a BM&F na única bolsa do Brasil a realizar pregões com operações tanto de contratos futuros de mercadorias quanto com ativos financeiros e juros (LEITE, 2011, p. 41), e reunindo, assim, boa parte do comércio de futuros e mercadorias em apenas uma instituição. O processo de unificação das bolsas teve seu clímax no ano de 2000, quando a Bovespa e a Bolsa do Rio de Janeiro (Boverj) completam a última etapa de seu processo de fusão (ARRUDA, 2006, p. 248), formando a por vezes chamada Bolsa Brasil. O estopim da união entre as duas bolsas se deu pelo esvaziamento institucional da Boverj, associado a crises de funcionamento (ARRUDA, op. cit., p. 170). A nova bolsa surge com um plano de operação imbuído de novas técnicas e modelos de operação, frequentemente importando métodos de outras bolsas: a informatização da Bovespa já havia se iniciado em 1991, e em 1996 havia remodelado sua plataforma tecnológica, adquirindo o sistema Megabolsa da Bolsa de Paris (ARRUDA, op. cit., p. 165). Esse sistema eletrônico de negociação dava maior agilidade, volume e redução de custos às transações realizadas na bolsa (LEITE, 2011, p. 50). Também em 1998, essa bolsa criara a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), que após a fusão das bolsas se tornaria a única empresa responsável pela compensação das transações no Brasil. Um processo de grande relevância para a conformação da BM&FBovespa como 157

10 bolsa de valores da atualidade foi a desmutualização. Sendo uma tendência das bolsas de valores do mundo na década de 2000, transformava a bolsa de valores de uma associação entre membros (as sociedades corretoras, que tinham direitos patrimoniais) em sociedades anônimas de capital aberto, de maneira a desvincular os direitos patrimoniais dos antigos associados. Conforme narrado por Leite (2011, p. 40), a Bovespa e a BM&F completam a desmutualização em 2007, formando a BM&F S.A e a Bovespa Holding S.A., respectivamente. A desmutualização permite então que, em 8 de maio de 2008, acionistas da Bovespa Holding S.A. e da BM&F S.A. aprovem uma reorganização societária, com as ações de ambas as companhias reunidas em uma única empresa. A nova denominação torna-se BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, companhia de capital aberto, com ações negociadas na própria bolsa. Conforme Silva (2001, p. 122), São Paulo assumiu o domínio do mercado acionário desde os anos 1980, quando o Rio de Janeiro perdeu força como um lugar atrativo para sedes de empresas. A função de gestão federal ocupada pela capital carioca não mais contava pontos para a reunião das atividades e serviços financeiros, enquanto o poderio econômico de São Paulo impulsionava a reunião de capitais. São Paulo, passa a se apresentar, então, como o principal centro financeiro do país, concentrando, juntamente com a atividade financeira, grande parte das sedes de empresas do país, bem como os principais escritórios para o país de diversas empresas transnacionais, em especial aquelas relacionadas a atividades financeiras e informacionais lembrando que a informação pode ser considerada como uma matéria-prima para o funcionamento do mercado financeiro e, portanto, a densidade de um lugar configura-o como preferencial aos agentes do mercado financeiro. Com base nisso, Silva (2001) atribui à prevalência no setor quaternário a chamada contemporaneidade de São Paulo, que dá à metrópole um destaque pelos conteúdos informacionais capaz de mobilizar e pelo caráter de onipresença no território nacional (SILVA, op. cit., p. 103), e coloca São Paulo em posição de destaque na rede urbana brasileira, uma vez que: desenha-se, nesse contexto, uma rede urbana estruturada a partir de fluxos de informações e, paralelamente, recria-se a dialética entre concentração e dispersão no território nacional (SILVA, op. cit., p. 35). Uma unificação do mercado de capitais acompanhada de extrema concentração e centralização por um lado, e pela dissolução no território brasileiro da nova temporalidade ligada às redes financeiras globais do outro (SILVA, op. cit., p. 123). Com a mudança da configuração institucional e, por consequência, geográfica 158

11 das bolsas de valores brasileiras, seus aparatos de apoio também se modificaram. As diversas sociedades corretoras criadas para realizar as operações em bolsas e os demais serviços associados a elas, tais como empresas de informação e análise financeira atualmente se concentram em grande parte na cidade de São Paulo. Conforme levantamento realizado com base em informações da BM&FBovespa (2014), 68% das empresas corretoras estão sediadas em São Paulo, bem como 59% dos vendors 3 nacionais de informação financeira. Cabe ressaltar que ainda há uma concentração relevante de empresas corretoras na cidade do Rio de Janeiro, remanescentes do período no qual a Bolsa do Rio apresentava grande destaque na vida econômica nacional. No entanto, é inegável que São Paulo ascende como grande centro financeiro no Brasil atual. Dicken (2011, p. 391) nos mostra a existência de diversos centros financeiros internacionais no período atual. A elaboração de uma classificação unificada de centros financeiros resultaria complicada, uma vez que são diversos fatores, com pesos diversos, a se considerar para a ordenação dos centros, e a rápida dinâmica de ascensão e queda de serviços, empresas e instituições dificulta a apreensão exata da situação de um centro em relação aos demais. É inconteste, no entanto, a existência de dois centros principais da finança mundializada: Nova Iorque e Londres, que contam com a imensa maioria das grandes empresas financeiras e com grandes volumes de transações, ditando as normas a serem adotadas nos demais mercados do mundo. Também, de acordo com o autor, começam a figurar frequentemente centros em países considerados em desenvolvimento, como Beijing, Nanjing, Nova Delhi e São Paulo. É nos grandes centros financeiros que o mercado se realiza, deles emanando fluxos financeiros e informacionais hegemônicos, mas também a ideologia hegemônica que rege os demais centros. Centros financeiros têm uma longa história de conformação e uma tendência à sua própria manutenção. Para Sassen (2010, p. 455), três traços distintivos os caracterizam: a facilitação da circulação de inovações e a produção de novos critérios de risco, pois são âmbitos de socialização para empresas e autoridades; a garantia do funcionamento das normas e padrões globais pertinentes; e o caráter nacional. Reafirma-se então sua atratividade a empresas relacionadas às finanças, que envolve, de acordo com Porteous (1999), vantagens como externalidades, serviços especializados de intermédio, fatores socioinstitucionais e culturais e estruturas regulatórias mais permissivas. Isso tudo faz com 3 Os chamados vendors são fornecedores autorizados de informação financeira ligados à BM&FBovespa. Tais empresas têm acesso direto a dados como cotações de ações em tempo real, podendo, em uma atividade na qual a rapidez de informação é tão valorizada, aprimorar seus serviços de apoio a investidores. 159

12 que, embora a conformação de um centro financeiro possa ter se dado por diversos fatores históricos, a continuidade deste é garantida pela existência de facilidades ao mercado, sendo centrais aquelas relacionadas à informação, mais disponível e em maior qualidade nos centros já existentes. Enfatizamos, por fim, que conforme Sassen (1998, p. 36), o desenvolvimento das redes técnicas, embora tenha impulsionado certa dispersão territorial das atividades econômicas, não foi de maneira alguma o fim da importância geográfica. O que ocorreu foi a formação de novas maneiras de concentração, agora incentivadas pela possibilidade do contato face a face e pelas externalidades entre empresas. Sassen (2005) ainda pontua que, a despeito das redes eletrônicas globais, a tendência concentradora tanto do ponto de vista da rede urbana quanto do território nacional permanecem por três razões principais: a conectividade social e as funções centrais; as fusões e alianças transfronteiriças, com competição e colaboração entre as principais praças financeiras; e as elites e agendas desnacionalizadas, que favorecem as principais praças financeiras em detrimento dos centros financeiros regionais ou nacionais. São Paulo, assim, constantemente reafirma sua posição como intermediário da inserção do território brasileiro no mercado financeiro mundial, por meio da concentração de serviços especializados tanto no setor de finanças quanto no de informações, através dos quais proliferam-se técnicas e ideologias propícias ao funcionamento do mercado global. Em detrimento de um mercado de capitais descentralizado e focado nas perspectivas regionais, com maior contato com empresas locais, priorizou-se um mercado de capitais todo centralizado em uma única metrópole, diretamente conectado com os demais mercados do mundo, padronizado e sintonizado de acordo com normas originadas nas grandes praças financeiras dos países centrais. UM NOVO RUMO PARA O MERCADO DE CAPITAIS: A COMPETITIVIDADE Conforme Arruda (2008, p. 246), a integração nacional das bolsas visava não apenas enfrentar um esvaziamento institucional das bolsas brasileiras, mas, sobretudo, enfrentar a competição entre bolsas no âmbito mundial, fato que parece, atualmente, direcionar o planejamento do mercado financeiro. Conforme Dutra (2008, p. 169), as mudanças na competição enfrentada pelas bolsas foram determinantes para a alteração da forma de organização iniciadas nos anos Em busca do aumento de seu capital de giro, a BM&FBovespa passou a investir 160

13 em diversos programas de divulgação. Há oferecimento de diversos cursos básicos e avançados a investidores e interessados, bem como diversas iniciativas educacionais ( Mulheres em ação para o público feminino, Turma da bolsa para o público infantil e BM&FBovespa vai até você para divulgação itinerante). A busca pela internacionalização se coloca como uma das principais diretrizes da bolsa de valores brasileira. Práticas de governança corporativa se tornaram uma das palavras-chave do mercado de capitais brasileiro, conforme observado em Dutra (2008), buscando atingir uma padronização e divulgação de informações compatíveis com o mercado financeiro internacional e, assim, ampliar as possibilidades de seu acesso mercado brasileiro, ampliando os investimentos estrangeiros. Para ampliar a divulgação do mercado brasileiro no exterior, destacam-se programas como o BEST (Brazil: Excellence in Securities Transactions), iniciado em 2004 para a divulgação no exterior e o BRAiN (Brasil Investimentos & Negócios), instituto criado em 2010 para promover o Brasil como polo de investimentos e centro de negócios para a América Latina, ambos idealizados pela BM&FBovespa em conjunto com associações relacionadas ao mercado de capitais brasileiro. Cabe ressaltar, ainda, a existência de escritórios em Nova York, Londres e Shanghai, buscando a divulgação em algumas das maiores praças financeiras do mundo. Discussões também são constantes sobre o lançamento de uma terceira bolsa. O monopólio recentemente alcançado pela BM&FBovespa também é alvo de grandes incômodos para alguns agentes do mercado, em especial àqueles ligados à posição do Rio de Janeiro como centro financeiro de peso para o Brasil. A intenção de inaugurar uma nova bolsa de valores já foi manifestada pela Bats Global Markets e pela Direct Edge (VALOR ECONÔMICO, 2013), ambas empresas importantes do mercado de capitais dos Estados Unidos, embora nenhum dos projetos tenha ganhado continuidade. Um dos maiores empecilhos para a quebra do monopólio é a operação da Caixa de Liquidação e Custódia, toda a cargo da BM&FBovespa, e os fortes laços que a bolsa mantém com os organismos reguladores, favorecendo sua permanência em detrimento de empresas estrangeiras. CONCLUSÕES Conforme Labasse (1974) conclui em seu seminal estudo sobre espaço financeiro, a circulação de capitais se organiza num sentido único, em detrimento das províncias e em favor das metrópoles, em um movimento aparentemente irreversível. Santos ([1996] 2009) também exprime juízo nesse sentido, citando uma hierarquia 161

14 financeira entre os lugares e notando que os diferentes tipos de dinheiro não estão disponíveis em todos os lugares, mas se combinam em áreas de maior densidade na circulação financeira. Para o autor, ainda, as formas de dinheiro correm todas as noites para as metrópoles, onde as informações sobre elas são instantaneamente recolhidas por centros de inteligência bancária que, cada dia, permitem que sejam tomadas as grandes decisões financeiras, até mesmo as de relocalização seletiva dos dinheiros (SANTOS, op. cit., p. 134) Assistimos, assim, como parte da dinâmica mais recente da formação socioespacial brasileira (SANTOS, 1982), a formação da chamada Região Concentrada (SANTOS; SILVEIRA, 2001, p. 140). Conforme os autores, no período atual, como em todos os períodos, o novo não é completamente difundido no território. Forma-se uma região concentrada no território, contraposta a uma extensa área de apenas manchas e pontos do meio técnico-científico informacional, mais ou menos superposto a outras divisões territoriais do trabalho nas metrópoles, capitais estaduais, capitais regionais, regiões agrícolas e industriais modernas. A concentração financeira em torno da metrópole paulistana colabora com a aglomeração de objetos técnico-informacionais nessa região, na qual se localiza, atualmente, grande parte dos aparatos relacionados ao mercado financeiro. O modelo adotado pelo Brasil para seu mercado de capitais a partir dos anos 1960 induziu à centralização das instituições e da regulação do mercado. Klagge e Martin (2005), avaliam as questões que permeiam a existência de um sistema centralizado ou descentralizado de regulação bursátil, apontando para o exemplo da Alemanha, cujo sistema descentralizado favorece o financiamento de pequenas e médias empresas, mantendo a relevância das bolsas regionais e diminuindo a tendência à concentração de capital na rede urbana. O Brasil, ao focar sua política para o mercado de capitais na competitividade global, optou por extinguir aspectos regionalistas da atividade financeira e especializar-se na diversificação de serviços e na busca de atração de investimentos internacionais. Como país periférico, porém um dos maiores integrantes do grupo que vem sendo chamado de mercados emergentes, em posse de uma praça financeira de relevância mundial, o Brasil enfrenta questões sobre o futuro da regulação e expansão de seu mercado de capitais. A internacionalização e a integração em busca de investimentos estrangeiros e participação no circuito financeiro internacional coloca em voga questões de vulnerabilidade nacional, visto que o sistema financeiro atual se caracteriza por altos índices 162

15 de especulação, instabilidade e volatilidade (ARROYO, 2006, p. 22) e a globalização financeira é produtora de instabilidade na medida em que são crescentes os riscos decorrentes da multiplicidade de oferta para os investimentos existentes nas praças financeiras (SILVA, 2001, p. 129). REFERÊNCIAS ARROYO, Mónica. A vulnerabilidade dos territórios nacionais latino-americanos: o papel das finanças. In: ; LEMOS, A. I. G.; SILVEIRA, M. L. (org.). Questões territoriais na América Latina. Buenos Aires: Clacso, ARRUDA, José. A florescência tardia: Bolsa de Valores de São Paulo e mercado global de capitais ( ). Tese (Doutorado em História Econômica) Departamento de História Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, BENKO, Georges. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, BETEILLE, George. La revolution boursiere international. L information Géographique, n 1. Armand Colin, BM&FBOVESPA. BM&FBovespa: participantes. Disponível em: bmfbovespa.com.br/. Último acesso em: 27/07/2014. CHESNAIS, François. Introdução. In: (org.). A mundialização financeira: gênese, custos e riscos. São Paulo: Xamã, DICKEN, Peter. Global shift: mapping the changing contours of the world. 6ª edição. Nova Iorque: The Guilford Press, DOLLFUS, Olivier. L espace financier et monetaire mondial. L Espace Géographique, n. 2, p , DUTRA, Marcos G. L. As novas estruturas organizacionais das bolsas. Tese (Doutorado em Direito Comercial) Universidade de São Paulo. São Paulo, HARVEY, David [1975]. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, O enigma do capital. São Paulo: Boitempo, KLAGGE, Britta; MARTIN, Ron. Descentralized versus centralized financial systems: is there a case for local capital markets? Journal of economic geography, vol. 5, LABASSE, Jean. L Espace Financier. Paris: Armand Colin, LEITE, Marcelo Pires. A BM&F Bovespa: a construção de um mercado nacional de bolsas de valores, mercadorias e de futuros no Brasil. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas) Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, LOJKINE, Jean. A revolução informacional. São Paulo: Cortez, MATTOS FILHO, Ary. A natureza jurídica das atividades das bolsas de valores. Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro, vol. 26, n. 1, jan./mar PINHEIRO, Vinicius. Bolsas mantêm planos para o Brasil. Valor Econômico, São Paulo, 27/08/2013. Disponível em: sas-mantem-planos-para-o-brasil#ixzz30zxrv5 jl.. BM&FBovespa cria sistema para limitar riscos com alta frequência. Valor Econômico. São Paulo, 27/06/2014. Disponível em: fbovespa-cria-sistema-para-limitar-riscos-com- 163

16 alta-frequencia#ixzz35uiks600. PORTEOUS, David. The development of financial centres: location, information, externalities and the path dependence. In: MARTIN, R. L. (org.). Money and the space economy. Chichester: Wiley, RAFFESTIN, Claude [1980]. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, SANTOS, Milton. Sociedade e Espaço: Formação Espacial como teoria e como método. In:. Espaço e Sociedade: ensaios. Petrópolis: Vozes, Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, [1996]. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, SASSEN, Saskia. As cidades na economia mundial. São Paulo: Studio Nobel, The embeddedness of electronic markets: the case of global capital markets. In: CETINA, Karin Knorr; PREDA, Alex (orgs.). The sociology of financial markets. New York: Oxford University Press, Las redes digitales, la autoridade estatal y la politica. In:. Território, autoridade y derechos: de los ensamblajes medievales a los ensamblajes globales. Buenos Aires: Katz Editores, SILVA, Adriana Bernardes. A contemporaneidade de São Paulo: produção de informações e novo uso do território brasileiro Tese (Doutorado em Geografia Humana). Departamento de Geografia Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, WORLD FEDERATION OF EXCHANGES. Statistics. Disponível em: Último acesso em: 27/07/

17 BOLSAS DE VALORES E O TERRITÓRIO BRASILEIRO: A ASCENSÃO DA BM&FBOVESPA EIXO 1 Transformações territoriais em perspectiva histórica: processos, escalas e contradições RESUMO A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa) se encontra, atualmente, entre as maiores bolsas de valores em funcionamento no mundo. Localizando-se na metrópole paulista, ajuda a configurá-la como a principal praça financeira do território nacional. Resultando de um processo de centralização do mercado de capitais brasileiro, originou-se através de fusões de diversas bolsas de valores regionais, se consolidando como única bolsa de valores em operação no país. Tomando a informação e as finanças como as variáveis-chave do período, buscamos entender como as instituições do mercado de capitais nacional preparam-se para colocar São Paulo como participante de peso no mercado financeiro mundial, levando em conta as consequências da concentração das finanças e da informação financeira nessa metrópole para a distribuição desigual de recursos no território e para a configuração de sua rede urbana. Preocupa-nos também problematizar a priorização da competitividade no mercado global como fator fundamental para o mercado financeiro nacional, em detrimento, por exemplo, dos interesses econômicos regionais. Por meio da análise do movimento de fusão das bolsas de valores, das políticas tomadas a respeito do mercado de capitais, das regulações impostas e dos programas de expansão, visamos entender como se dá a ascensão da BM&FBovespa como única bolsa de valores brasileira e, por consequência, de São Paulo como a principal praça financeira do território nacional. Observamos que por meio da criação de diversos instrumentos financeiros regulamentados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e de uma ampla divulgação, a BM&FBovespa investiu na ampliação do número de investidores e na atratividade de seus títulos, atingindo em 2013 um volume total negociado de 1,83 trilhão de reais. Isso resultou em um atrelamento cada vez maior de parte significativa da economia brasileira ao movimento global das finanças, acarretando em maior vulnerabilidade para o território nacional, na medida em que muitas ações que nele se efetivam passam a ser medidas de acordo com lógicas exógenas, tais como as crises financeiras mundiais. Além disso, a centralização das bolsas de valores dotou a metrópole paulista de crescentes conteúdos financeiros e informacionais, fazendo com que passasse a participar cada vez mais do circuito financeiro mundial. Essa participação de São Paulo ocorre em detrimento de outras metrópoles brasileiras, em especial do Rio de Janeiro, outrora a principal praça financeira do território, causando modificações na rede urbana na medida em que a concentração de atividades relacionadas às finanças e à informação têm a capacidade de valorizar e desvalorizar lugares no período da globalização. Palavras-chave: bolsa de valores; território brasileiro; BM&FBovespa. 165

BOLSAS DE VALORES E URBANIZAÇÃO: NOTAS SOBRE A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO 1

BOLSAS DE VALORES E URBANIZAÇÃO: NOTAS SOBRE A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO 1 BOLSAS DE VALORES E URBANIZAÇÃO: NOTAS SOBRE A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO 1 Wagner Wendt Nabarro Universidade de São Paulo wagner.wn@gmail.com INTRODUÇÃO A crise econômica de 2008 trouxe

Leia mais

Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira

Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira Finanças e informação em São Paulo: o mercado de capitais e o circuito da informação financeira André Buonani Pasti andre@pasti.art.br IG/UNICAMP Palavras-chave: finanças, informação, São Paulo O atual

Leia mais

A REORGANIZAÇÃO DE SÃO PAULO A PARTIR DO MERCADO DE CAPITAIS E DO CIRCUITO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS

A REORGANIZAÇÃO DE SÃO PAULO A PARTIR DO MERCADO DE CAPITAIS E DO CIRCUITO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS A REORGANIZAÇÃO DE SÃO PAULO A PARTIR DO MERCADO DE CAPITAIS E DO CIRCUITO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS André Buonani Pasti AGB - Campinas Estudante de Graduação em Geografia IG/UNICAMP GEOPLAN Lab. Investigações

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Sistema Financeiro Nacional Professor: Roberto César SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN)

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015 Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

O que é globalização

O que é globalização O que é globalização - Fase atual de expansão do capitalismo, fruto do avanço tecnológico em diversos setores da economia e da modernização dos sistemas de comunicação e transportes. - É responsável pela

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 )

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) Roberto Lobato Corrêa Departamento de Geografia- UFRJ Tel.: (021) 590-1880 UFRJ-IBGE, Rio de Janeiro, Brasil Este estudo

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima ANÁLISE CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA OFERTAS PUBLICAS DE AÇÕES Por: Ricardo Zeno 55 21 3431 3831 27 de Fevereiro, 2008 Em 2007, o destaque foi para as emissões de Renda Variável, o volume total das ofertas

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Mercado de Capitais Professor: Roberto César

Mercado de Capitais Professor: Roberto César Mercado de Capitais Mercado de Capitais Professor: Roberto César Definição O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que regulam, fiscalizam e executam as

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

A CIRCULAÇÃO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E A REDE URBANA BRASILEIRA¹

A CIRCULAÇÃO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E A REDE URBANA BRASILEIRA¹ A CIRCULAÇÃO DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS E A REDE URBANA BRASILEIRA¹ Wagner Wendt Nabarro Universidade de São Paulo Resumo A informação financeira é alvo da ambição dos mais diversos atores econômicos,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003.

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. CVM BRASIL O modelo capitalista baseado na economia de mercado

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

BM&FBOVESPA protege plataformas de negócios com soluções CA Service Assurance

BM&FBOVESPA protege plataformas de negócios com soluções CA Service Assurance CUSTOMER SUCCESS STORY BM&FBOVESPA protege plataformas de negócios com soluções CA Service Assurance PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Companhia: BM&FBOVESPA Empregados: 1.400+ Faturamento

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 A popularização e expansão do mercado de capitais Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 POPULARIZAÇÃO Objetivos dos Programas de Popularização Divulgar os segmentos de atuação da

Leia mais

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL 1 -- SISTEMA FINANCEIRO E SEUS COMPONENTES BÁSICOS: >> Sistema financeiro = é formado pelo conjunto de mercados e instituições que servem para relacionar poupadores

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento.

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento. 29- A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes. b) aumentar a poupança destinada a investimentos de longo prazo. c) mediar as

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

DOIS MUNDOS EM UM PLANETA

DOIS MUNDOS EM UM PLANETA DOIS MUNDOS EM UM PLANETA 9. Fluxos Financeiros. 10. Comércio Mundial. 11. Empresas Transnacionais. Geografia em Mapas (pgs. 04 e 05 e 10) 9º ANO 1º BIMESTRE - TU 902 AULA 5 INTRODUÇÃO Recordando Aula

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

II CONCURSO DE MONOGRAFIA CVM A INTEGRAÇÃO DAS BOLSAS NACIONAIS E O AUMENTO DE COMPETITIVIDADE CANDIDATO: INTEGRAÇÃO/COMPETITIVIDADE

II CONCURSO DE MONOGRAFIA CVM A INTEGRAÇÃO DAS BOLSAS NACIONAIS E O AUMENTO DE COMPETITIVIDADE CANDIDATO: INTEGRAÇÃO/COMPETITIVIDADE II CONCURSO DE MONOGRAFIA CVM A INTEGRAÇÃO DAS BOLSAS NACIONAIS E O AUMENTO DE COMPETITIVIDADE Download CANDIDATO: INTEGRAÇÃO/COMPETITIVIDADE ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 01 II. OBSTÁCULOS PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

Cetip PERFIL DA UNIDADE DE FINANCIAMENTOS

Cetip PERFIL DA UNIDADE DE FINANCIAMENTOS Cetip PERFIL DA UNIDADE DE FINANCIAMENTOS índice Apresentação Atuação 6 10 História 14 Linha do Tempo 18 Estrutura Organizacional 22 Segurança e Tecnologia 26 Produtos e Serviços - Unidade de Financiamentos

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 492 PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI

CURSO ON-LINE PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI Inicialmente informo que não encontrei problemas associados à questão 31, objeto de questionamento por vários candidatos. Vejamos: Questão 31: O sistema financeiro nacional engloba instituições cujas operações

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado Home Broker e as novas ferramentas para o investidor Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado A Evolução da Bolsa de Valores 1895: Fundação da Bolsa de Fundos Públicos de São

Leia mais