AULA 10 Sociedade Anônima:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 10 Sociedade Anônima:"

Transcrição

1 AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores. O estatuto social. Órgãos e administração. SOCIEDADE ANÔNIMA Sociedade Anônima é uma empresa com fins lucrativos que tem seu capital dividido em ações e a responsabilidade de seus sócios (acionistas) limitada ao preço da emissão das ações subscritas ou adquiridas. Para entender o funcionamento de uma companhia ou sociedade anônima, é preciso compreender os seus conceitos básicos, como suas principais características, a maneira como é conduzida e administrada, além de saber quais as definições de capital, a função do CVM e qual lei regulariza esse tipo de empreendimento (Lei 6.404/76). As sociedades anônimas podem ser divididas em dois tipos: a de capital aberto e a de capital fechado. É importante saber a diferença entre as duas e as suas principais características, vantagens e desvantagens. Outro elemento essencial é a questão das ações. Elas podem restringir os direitos e as vantagens do acionista e podem dizer muito sobre o tamanho da empresa. Além dos elementos das S/As, é muito relevante conhecer as principais características de outros tipos de empresas como as sociedades simples, sociedade limitada, sociedade cooperativa e firma individual.

2 Conceito de Sociedade Anônima Sociedade Anônima (S/A) é um tipo de companhia que tem seu capital dividido por ações. Os sócios são chamados acionistas e têm responsabilidade limitada ao preço das ações adquiridas. Ela surgiu em meados do século XVII, quando a maioria dos negócios ainda era financiada pelo capital familiar. Promover a entrada de terceiros investindo capital na empresa tinha como objetivo principal acelerar o crescimento dela. Dessa forma, a maior quantidade de recurso aumentaria a produção e a circulação de produtos no mercado, o que contribuiria para o crescimento da economia. As primeiras empresas com essas características foram a Companhia das Índias Orientais e a Companhia das Índias Ocidentais. A primeira foi pioneira na criação das grandes corporações. A sua atividade econômica era ligada ao colonialismo: exportava produtos do oriente em nome dos países capitalistas da Europa, como Inglaterra, Holanda, Espanha, Portugal e França. Era um tipo de empreendimento que misturava o capital privado e social. No início do século XIX, as instituições que seguiam esse tipo de investimento foram consideradas, na França, jurídicas. Precisariam, a partir de então, de autorização para serem abertas e teriam que cumprir leis especiais. Principais características da Sociedade Anônima 1. Possui capital divido em ações; 2. O importante, nesse tipo de sociedade, são os capitais acumulados e não o acionista em si. A posse de ações é que faz valer a participação do acionista;

3 3. As ações só podem ser emitidas pela empresa com autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários); 4. Somente as próprias ações são usadas como garantia financeira da companhia. Nenhum dos sócios precisa responder com seu patrimônio particular pelas dívidas da empresa; 5. Sua estrutura organizacional se compõe por uma assembleia geral, o conselho de administração, diretoria e conselho fiscal; 6. Pode ser uma sociedade aberta ou fechada; 7. A responsabilidade do acionista é limitada ao preço das ações adquiridas ou subscritas; 8. As ações são títulos circuláveis, isto é, o acionista tem a liberdade de cedê-las e negociálas; 9. Constitui pessoa jurídica de direito privado. Sociedade Anônima no Brasil As sociedades anônimas foram aceitas por lei no Brasil em Nesse época, as sociedades eram abertas para funcionar por tempo determinado. Ao fim do prazo, elas eram dissolvidas. Cerca de trinta anos depois, estabeleceu-se uma lei para regulamentar esse tipo de companhia. No século XX, com a evolução comercial do país, o funcionamento das S/As se tornou mais eficiente, tanto as nacionais quanto as estrangeiras. Em 1976, uma reforma na lei de número favoreceu os acionistas minoritários de sociedade anônima de capital aberto, que não eram privilegiados por causa de algumas falhas no decreto anterior. Depois, ela foi sendo complementada e modificada por causa das mudanças nos planos econômicos e crises financeiras enfrentadas no país. OoooOOOOOooooo

4 FUNCIONAMENTO DE SOCIEDADE ANÔNIMA As sociedades anônimas possuem uma estrutura fixa, determinada pela lei 6.404/76. Deve existir uma divisão de órgãos dentro das companhias para que não haja relação de vantagem e desvantagens entre grupos de pessoas, além de manter a legalidade de tudo que se pratica dentro da empresa. Os referidos órgãos são: Assembleia Geral É o órgão mais poderoso no que diz respeito às decisões da empresa. A responsabilidade da assembleia é reunir os acionistas para discutir os interesses da companhia. Através de eleição, é possível decidir sobre o futuro dela ou mesmo destituir membros da administração e do conselho fiscal. Existem, ainda, a Assembleia geral ordinária e Assembleia geral extraordinária. A primeira é obrigatória e anual e visa discutir matérias pré-estabelecidas. A segunda pode ser convocada a qualquer momento, quando houver necessidade para se debater assuntos residuais ou urgentes; Conselho de administração É um órgão facultativo. Só precisa existir caso a sociedade seja do tipo dualista, isto é, quando, além da assembleia geral, existe outro órgão com poder de fiscalizar a diretoria, que, no caso, é o conselho de administração. É também um órgão deliberativo e composto por acionistas escolhidos pela assembleia geral, os chamados conselheiros. A principal função do conselheiro é agilizar as decisões. Cabe a ele também se reunir com os outros conselheiros para que possam discutir os negócios da empresa e fiscalizar o trabalho dos diretores. Diretoria

5 É composta por, no mínimo, duas pessoas, que podem ser naturais, acionistas ou não. A escolha dos membros da diretoria é feita por eleição pela assembleia geral ou pelo conselho de administração, caso exista. As principais obrigações dos diretores são dirigir a empresa e representar legalmente os interesses dela. Conselho Fiscal É um órgão obrigatório na sociedade anônima. No entanto, o estatuto social da empresa é que define se ele será permanente ou funcionará apenas quando solicitado pelos acionistas. Esse conselho pode ser formado por três a cinco pessoas (acionistas ou não) e por mais alguns componentes de mesmo número, escolhidos pela assembleia geral. Os eleitos são chamados suplentes. O órgão em questão é como um assessor da assembleia geral, pois ajuda na votação de assuntos relevantes à administração tem por responsabilidade acompanhar de perto o andamento da gestão da empresa e fiscalizar os atos dos órgãos administrativos. Acionistas e poder de controle Em uma sociedade anônima, a participação dos investidores é medida pela quantidade de ações que eles possuem. Desta forma, o acionista precisa ter a maior parte das ações com direito de voto, o que dá o poder de controle da empresa. Mais especificamente, para comandar a empresa, é preciso deter boa parte das ações ordinárias, mais de 50%, o que dará ao acionista o controle majoritário. Essa regra geral do comando das companhias parte do pressuposto de que as sociedades são feitas para atender aos interesses dos sócios e, portanto, aquele que tem o maior controle das ações pode decidir pelos seus próprios interesses dentro da empresa. A partir disso, o acionista controlador pode escolher a maioria dos administradores, eleger os

6 membros do conselho fiscal e dirigir as atividades sociais da empresa. Portanto, se essas atividades forem mal administradas, pode ser que a empresa enfrente problemas. Elementos da sociedade anônima Em uma sociedade anônima, existem alguns elementos importantes a serem entendidos para que se possa compreender o funcionamento desse tipo de empreendimento. 1 Capital 1 : é soma de toda contribuição dos sócios, isto é, o montante financeiro pertencente à companhia. Com essa quantia, dá-se início, economicamente, a uma sociedade. O capital social é expresso em moeda nacional e pode compreender qualquer espécie de bem que possa ser avaliado em dinheiro durante seu processo de formação. São instituídas por lei algumas regras que delimitam os valores dos bens que farão parte do capital social. 2 Valores Mobiliários: são títulos de crédito (ações), emitidos pelas sociedades anônimas para captação de recursos financeiros. Eles permitem ao sócio participar da sociedade efetivamente, isto é, pertence ao sócio uma fração de todo capital da empresa. 3 CVM (Comissão de Valores Mobiliários): é um órgão ligado ao Ministério da Fazenda, responsável por determinar as regras para cada tipo de sociedade, organizar o funcionamento das bolsas de valores e registrar a distribuição dos valores mobiliários. Além disso, a CVM ainda tem o poder de apurar e julgar eventuais irregularidades cometidas no mercado mobiliário, através de inquéritos administrativos. 1 *Redução de capital: pode ocorrer por desvalorização das ações ou por excesso ou falta de subscritores (alguém que ingressa na sociedade, adquirindo ações); *Aumento de capital: ocorre quando as ações se valorizam ou há entrada de subscritores, pois eles adquirem ações, aumentando o patrimônio da companhia.

7 4 Mercado de balcão: tipo de negociação (compra, venda e distribuição) de ações que acontece fora da bolsa de valores. As instituições que decidem negociar os valores mobiliários recebem uma autorização do CVM, que também supervisiona o funcionamento desse tipo de investimento. No Brasil, as empresas que usam o mercado de balcão são principalmente as instituições financeiras e algumas corretoras, que criam um ambiente informatizado e transparente para as negociações que terão seus mecanismos de autorregulamentação. 5 Debêntures: são títulos de créditos emitidos pelas S.A, valores mobiliários que representam títulos de dívidas contraídas pelas empresas. A médio e longo prazo, dão ao debenturista (ou credor) o direito de crédito contra a emissora, no caso, a empresa. Ele pode pedir a devolução do empréstimo a qualquer momento, com a devida correção do valor monetário aplicado. A remuneração pode ser feita através de juros fixos ou variáveis, participação e/ou prêmios, tudo dependendo do contrato que for firmado.

8 TIPOS DE SOCIEDADE ANÔNIMA Os dois tipos de sociedade anônima existentes são as de capital aberto e as de capital fechado. As suas particularidades e principais características estão especificadas no art. 4º da lei 6.404/76. Segundo descrito na legislação, a empresa pode ser considerada aberta ou fechada, caso os valores mobiliários sejam ou negociados em bolsa ou no mercado de balcão. Sociedade Anônima de capital aberto Uma companhia é assim classificada quando seus valores mobiliários são devidamente registrados no CVM para negociação na bolsa de valores ou no mercado de balcão. Os investimentos em S/A de capital aberto acontecem quando o empreendedor objetiva um grande retorno; para tanto, é necessário juntar uma grande quantidade de recursos com os sócios. Esses investimentos são fiscalizados rigorosamente pelo governo, o que garante segurança e confiabilidade aos negócios para quem investe. A maior vantagem dessa sociedade é a liquidez que o capital adquire, pois, em casos de vendas de ações, ela se concretiza rapidamente por causa da boa reputação da empresa. Sociedade Anônima de capital fechado São sociedades pequenas, possuem menos de 20 acionistas e a soma de seus patrimônios é menor do que o estabelecido pela CVM para o registro das S/As de capital aberto. A característica que a diferencia da outra espécie de sociedade anônima é que as ações desta não podem ser negociadas no mercado.

9 A sociedade, nesse caso, é constituída por sócios que se escolhem. Isso significa restrição na aceitação de novos sócios dentro do grupo já formado. A subscrição particular da empresa representa menor liquidez nos investimentos. É preciso lembrar que esse tipo de empreendimento é feito para empresas de menor porte; (pequenas e médias) por isso, ocorre mais restrição na aceitação de investidores. Dessa forma, não há na sociedade anônima fechada forte fiscalização por parte dos órgãos públicos, pois todos os interesses dos sócios estão esclarecidos em contrato.

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi Direito Societário IV Prof. Henrique Subi 1 8. Sociedades institucionais 8.1. Sociedade em comandita por ações - Tem o capital dividido em ações - Os diretores possuem responsabilidade ilimitada pelas

Leia mais

Direito Empresarial e Trabalhista

Direito Empresarial e Trabalhista Profa. Dra. Silvia Bertani Direito Empresarial e Trabalhista As sociedades organização formada por duas ou mais pessoas, por meio de um contrato com ou sem o registro, para o exercício de uma atividade

Leia mais

Sociedade Anônima DIREITO SOCIETÁRIO V. Características: Características: Responsabilidade dos sócios... Nome empresarial 13/11/2012

Sociedade Anônima DIREITO SOCIETÁRIO V. Características: Características: Responsabilidade dos sócios... Nome empresarial 13/11/2012 Sociedade Anônima Destinada aos grandes empreendimentos. Regida pela Lei de S/A, Lei 6.404/76 (LSA). Pessoa jurídica com objeto empresarial, de natureza capitalista, cuja responsabilidade dos sócios se

Leia mais

AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla

AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Mestre Keilla ATENÇÃO: MUITA COISA PARA COPIAR EM SALA!!! COMPLETANDO ALGUNS SLIDES Objetivo da aula: Importância do Mercado de Capitais para o Mercado Financeiro.

Leia mais

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil. Capítulo I - Do Fundo. Capítulo II - Da Denominação do Fundo

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil. Capítulo I - Do Fundo. Capítulo II - Da Denominação do Fundo Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil Capítulo I - Do Fundo Artigo 1 o ) O Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil, regido pelas disposições do presente Regulamento

Leia mais

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Concurso Prof. Cid Roberto

Concurso Prof. Cid Roberto Prof. Cid Roberto Concurso 2013 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij O mercado de capitais é o conjunto de mercados, instituições e ativos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM

DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM Prof. Ma Marina Zava de Faria FACE: Marina Zava INSTA: Marina Zava Periscope:@marinazava E-mail: profmarinazava@hotmail.com DIREITO EMPRESARIAL PREPARATÓRIO XXII EXAME DE ORDEM 1. CONCEITO: Modalidade

Leia mais

16/04/2017. Sistema Financeiro Nacional. Agenda da Aula - 5. Sistema Financeiro Nacional - SFN. Questões Norteadoras. Sistema Financeiro Nacional

16/04/2017. Sistema Financeiro Nacional. Agenda da Aula - 5. Sistema Financeiro Nacional - SFN. Questões Norteadoras. Sistema Financeiro Nacional Carlos R. Godoy 1 Mercado Financeiro I RCC 0407 Carlos R. Godoy 2 1. SFN Agenda da Aula - 5 2. Estrutura do SFN 3. CMN 4. BCB Sistema Financeiro Nacional - SFN Aula 5 5. CVM 6. BNDES 7. Bancos Comerciais

Leia mais

10. (Cespe/Câmara dos Deputados/2014) O contrato de seguro assume que existem direitos e obrigações de ambas as partes. Deve

10. (Cespe/Câmara dos Deputados/2014) O contrato de seguro assume que existem direitos e obrigações de ambas as partes. Deve Conhecimentos Bancários Beto Fernandes 1. (Cesgranrio/Banco da Amazônia/2014) Atualmente, o Sistema Financeiro Nacional é composto por órgãos normativos, entidades supervisoras e por operadores. Um dos

Leia mais

AULA 6 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla

AULA 6 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla AULA 6 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Mestre Keilla Objetivo da aula: Ações Conceito Tipos de ações(ordinárias e preferenciais) Formas de representação Rentabilidade Formação de preço Onde são comercializadas

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS

RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS RANDON S.A. IMPLEMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ 89.086.144/0011-98 NIRE 43300032680 AVISO AOS ACIONISTAS Nos termos da Instrução CVM nº 358/02, conforme alterada, a Randon S.A. Implementos

Leia mais

Proposta da Administração

Proposta da Administração Proposta da Administração ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EXPOSIÇÃO AOS ACIONISTAS ITEM I AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL COM SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES. A administração da Companhia encaminha proposta à Assembleia

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

AULA 16. Tem como obrigação integralizar a quota-parte dele (aquilo que foi subscrito por ele).

AULA 16. Tem como obrigação integralizar a quota-parte dele (aquilo que foi subscrito por ele). Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professor: Carolina Lima Monitor: André Manso AULA 16 Dos Acionistas Tem como obrigação integralizar a quota-parte dele (aquilo que foi subscrito

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO PARTE III: DA SOCIEDADE LIMITADA. Paula Freire 2012

DIREITO SOCIETÁRIO PARTE III: DA SOCIEDADE LIMITADA. Paula Freire 2012 DIREITO SOCIETÁRIO PARTE III: DA SOCIEDADE LIMITADA Paula Freire 2012 Sociedade por quotas de responsabilidade limitada e o Decreto 3.708/19 Antes da vigência do CC/2002 era regida pelo Decreto 3.708/19

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa FACULDADES DE CAMPINAS Administração Gestão de Responsabilidade Social II Governança Corporativa Testes para revisão Prof. Luciel H. de Oliveira luciel@uol.com.br INSTRUÇÕES Avalie o seu aprendizado na

Leia mais

Direito Empresarial Procurador Legislativo 3ª fase

Direito Empresarial Procurador Legislativo 3ª fase CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Empresarial Procurador Legislativo 3ª fase 1) CESPE - Proc (BACEN)/BACEN/2009 Com relação à emissão de debêntures nas sociedades anônimas, assinale a opção correta.

Leia mais

ANEXO 30-XXXII Comunicação sobre aumento de capital deliberado pelo Conselho de Administração em 26 de junho de 2015

ANEXO 30-XXXII Comunicação sobre aumento de capital deliberado pelo Conselho de Administração em 26 de junho de 2015 ANEXO 30-XXXII Comunicação sobre aumento de capital deliberado pelo Conselho de Administração em 26 de junho de 2015 1.) Divulgar ao mercado o valor do aumento e do novo capital social: O valor do aumento

Leia mais

Fundo de Investimento em Participações FIP

Fundo de Investimento em Participações FIP Renda Variável Fundo de Investimento em Participações FIP Fundo de Investimento em Participações O produto O Fundo de Investimento em Participações (FIP) é uma comunhão de recursos destinados à aplicação

Leia mais

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO AGE Em, 06 de agosto de 2015. ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. - INFORMAÇÕES

Leia mais

sociedade anônima características

sociedade anônima características sociedade anônima características capital social dividido em ações (títulos de crédito) responsabilidade limitada dos sócios denominação : SOCIEDADE ANONIMA ou S/A. no início ou no final do nome COMPANHIA

Leia mais

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos.

b) Compra e venda de títulos públicos, controle de taxa de juros e dos depósitos compulsórios dos bancos. De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Classificações dos Títulos A classificação mais natural que temos da classificação de títulos é justamente

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO VERSÃO: 28/02/2011 2/7 MANUAL DE NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 5 CAPÍTULO

Leia mais

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento:

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento: Depois de estudar - a evolução do direito empresarial; - os conceitos de empregador, empresário e empresa; - O empresário e a sociedade empresária irregular (Diferente da Sociedade Simples); - A teoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 470. Documento normativo revogado pela Resolução 1023, de 05/06/1985.

RESOLUÇÃO Nº 470. Documento normativo revogado pela Resolução 1023, de 05/06/1985. 1 RESOLUÇÃO Nº 470 Documento normativo revogado pela Resolução 1023, de 05/06/1985. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO

Leia mais

AULA 19. Ilícito praticado por ação, a responsabilidade é individual.

AULA 19. Ilícito praticado por ação, a responsabilidade é individual. Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professor: Leandro Antunes Monitor: André Manso AULA 19 Da responsabilidade Qualquer ato praticado pelo administrador que venha a prejudicar

Leia mais

BANCO SANTANDER, S.A. C.N.P.J. nº / Companhia Estrangeira CVM nº 80160

BANCO SANTANDER, S.A. C.N.P.J. nº / Companhia Estrangeira CVM nº 80160 BANCO SANTANDER, S.A. C.N.P.J. nº 05.707.616/0001-10 Companhia Estrangeira CVM nº 80160 Aviso aos Acionistas Suplemento ao Documento Informativo Programa Santander Dividendo Escolha no Brasil Nos termos

Leia mais

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ:

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO ANUAL 1º. e 2º. SEM. 2011 1. OBJETIVO E DESCRIÇÃO DO FUNDO

Leia mais

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$ Rio de Janeiro (RJ), 11 de agosto de 2016. À Comissão de Valores Mobiliários CVM Gerência de Registros III Ref.: Relatório Trimestral período encerrado em 30 de junho de 2016. Prezados Senhores, Em conformidade

Leia mais

DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA CRITÉRIO I - PROPRIEDADE

DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA CRITÉRIO I - PROPRIEDADE CRITÉRIO I - PROPRIEDADE INDICADOR 1. PROTEÇÃO AOS MINORITÁRIOS PERGUNTA 1 - A companhia tem ações preferenciais? 1.1 - Se SIM, a razão dada pelo número de ações preferenciais da companhia sobre o total

Leia mais

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano Departamento de Comunicação e Educação Financeira 06/04/2017 O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Apresentação da Agenda

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

5. Política Fiscal e déficit público

5. Política Fiscal e déficit público 5. Política Fiscal e déficit público 5.1 Política fiscal (tributação e gastos) 5.2 conceito de déficit público 5.3 evolução do déficit público no Brasil 5.4 relação entre déficit público, taxa de juros

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

FUNDOS IMOBILIÁRIOS Cenários e Perspectivas para 2014

FUNDOS IMOBILIÁRIOS Cenários e Perspectivas para 2014 Patrocinadores FUNDOS IMOBILIÁRIOS Cenários e Perspectivas para 2014 O setor imobiliário é um bom investimento? O setor imobiliário como ativo de investimento possui características particulares, correlacionadas

Leia mais

Noções de Economia e Finanças

Noções de Economia e Finanças De quais ferramentas dispõe o Banco Central para fazer política monetária? a) Emissão de moeda, compra e venda de títulos públicos, controle de câmbio. b) Compra e venda de títulos públicos, controle de

Leia mais

PARTE A TERMOS CONTRATUAIS

PARTE A TERMOS CONTRATUAIS 20 de Fevereiro de 2012 CONDIÇÕES FINAIS Banco Comercial Português, S.A. (o Banco ou o Emitente ), Emissão de EUR 7.750.000 Valores Mobiliários Millennium Rendimento Especial 180, Agosto 2012 - com vencimento

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF:

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Janeiro de 2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

BANCO INDUSVAL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ nº / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS

BANCO INDUSVAL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ nº / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS BANCO INDUSVAL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ nº 61.024.352/0001-71 NIRE 353.000.242-90 AVISO AOS ACIONISTAS Comunicamos aos senhores acionistas que em Assembleia Geral Extraordinária

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definição Geral As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas (emissoras), de capital aberto ou fechado. Todavia,

Leia mais

SWEET COSMETICS S.A. CNPJ/MF nº / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS

SWEET COSMETICS S.A. CNPJ/MF nº / NIRE AVISO AOS ACIONISTAS SWEET COSMETICS S.A. CNPJ/MF nº 10.345.009/0001-98 NIRE 35.300.362.462 AVISO AOS ACIONISTAS Este Aviso está sendo reapresentado por solicitação da BM&FV+BOVESPA, com os esclarecimentos e as informações

Leia mais

MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS

MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS I. OBJETO Esta Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias ( Política ) tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 97/14 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

COMUNICADO ART 11/358 CONSOLIDADO. Negociação de Administradores e Pessoas Ligadas Art. 11 Instrução CVM nº 358/2002. ( ) Conselho Fiscal

COMUNICADO ART 11/358 CONSOLIDADO. Negociação de Administradores e Pessoas Ligadas Art. 11 Instrução CVM nº 358/2002. ( ) Conselho Fiscal COMUNICADO ART 11358 CONSOLIDADO período de 01092016 a 30092016, realizou operações com valores mobiliários e derivativos, de acordo com o artigo 11 da Instrução CVM nº 3582002, sendo que possui as seguintes

Leia mais

FICHA DE TRABALHO Nº2

FICHA DE TRABALHO Nº2 FICHA DE TRABALHO Nº2 NÚCLEO GERADOR 4- Contexto Privado Validação: Nome: turma: 2- Alteração de hábitos Caso após a análise do seu orçamento sinta a necessidade de começar a poupar, e não conseguindo

Leia mais

CTEEP Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista Rua Casa do Ator, º andar São Paulo - SP Companhia Aberta CNPJ:

CTEEP Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista Rua Casa do Ator, º andar São Paulo - SP Companhia Aberta CNPJ: CTEEP Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista Rua Casa do Ator, 1155 10º andar São Paulo - SP Companhia Aberta CNPJ: 02.998.611/0001-04 Informações Complementares e Consolidadas do ANEXO

Leia mais

CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA OSÓRIO PORTO ALEGRE S/A

CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA OSÓRIO PORTO ALEGRE S/A CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA OSÓRIO PORTO ALEGRE S/A 3ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2006 CONCESSIONÁRIA DA RODOVIA OSÓRIO PORTO ALEGRE S/A 3ª Emissão de Debêntures

Leia mais

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Brainvest Consultoria Financeira LTDA

MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO. Brainvest Consultoria Financeira LTDA MANUAL DE LIQUIDEZ FUNDOS DE INVESTIMENTO Brainvest Consultoria Financeira LTDA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. POLÍTICAS DO GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ 3 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 6 4. RESPONSABILIDADE

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII FATOR IFIX FII Dezembro de 2016 FATOR IFIX FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator IFIX Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo o investir preponderantemente, em cotas

Leia mais

Patrimônio Líquido. Valor Patrimonial da Ação x Preço da Ação. Ativo Passivo Capital dos Sócios Capital Próprio BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO

Patrimônio Líquido. Valor Patrimonial da Ação x Preço da Ação. Ativo Passivo Capital dos Sócios Capital Próprio BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Ativo Passivo Capital dos Sócios Capital Próprio BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO ATIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Valor Patrimonial da Ação x Preço da Ação Constituição do PL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguilherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-2031 OS RELATÓRIOS DA As empresas com ação na bolsa de valores têm a obrigação de publicação de seus

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO

MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO VERSÃO: 01/7/2008 2 / 6 MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

- Constituição de Empresas o capital de empresas, sejam individuais ou sociedades é constituído pela entrega de bens e ou valores por seus fundadores.

- Constituição de Empresas o capital de empresas, sejam individuais ou sociedades é constituído pela entrega de bens e ou valores por seus fundadores. - Constituição de Empresas o capital de empresas, sejam individuais ou sociedades é constituído pela entrega de bens e ou valores por seus fundadores. - Sociedade Limitada Na Sociedade Limitada o capital

Leia mais

Formulário Cadastral TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. Versão : 3. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3.

Formulário Cadastral TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. Versão : 3. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

Formulário Cadastral ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Auditor 4

Formulário Cadastral ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Auditor 4 Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 18 INVESTIMENTO EM CONTROLADA E COLIGADA Prof. Mauricio Pocopetz OBJETIVOS O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer: a contabilização de investimentos em coligadas e em controladas; e definir

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII FATOR IFIX FII Novembro de 2016 FATOR IFIX FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator IFIX Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo o investir preponderantemente, em cotas

Leia mais

IDEIASNET S.A. CNPJ/MF n.º / NIRE Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS

IDEIASNET S.A. CNPJ/MF n.º / NIRE Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS IDEIASNET S.A. CNPJ/MF n.º 02.365.069/0001 44 NIRE 3330016719 6 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS Comunicação sobre aumento de capital deliberado pelo Conselho de Administração da Ideiasnet S.A. 1.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL 7º Período

DIREITO EMPRESARIAL 7º Período SOCIEDADES ANÔNIMAS (Lei nº 6404/76) DIREITO EMPRESARIAL 7º Período 2014-02 RESUMO III O art. 1.088 do Código Civil conceitua S/A, prescrevendo o seguinte: Na sociedade anônima ou companhia, o capital

Leia mais

Formulário Cadastral IGUATEMI EMPRESA DE SHOPPING CENTERS S/A Versão : 2. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3.

Formulário Cadastral IGUATEMI EMPRESA DE SHOPPING CENTERS S/A Versão : 2. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO COMUNICADO AO MERCADO COMUNICAÇÃO SOBRE AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL CONFORME DELIBERADO EM REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO DIA 05 DE FEVEREIRO DE 2015. A JBS S.A. ( JBS ; Companhia ) comunica aos

Leia mais

Ações. acionista.com.br. eu sou, e você?

Ações. acionista.com.br. eu sou, e você? 2017 Ações acionista.com.br eu sou, e você? 1 Ações Ações na Bolsa de Valores, são pedaços de uma empresa disponíveis para que qualquer investidor comprar. Quando uma empresa é aberta, ela sede diversas

Leia mais

EMPRESA ENERGÉTICA DE MATO GROSSO DO SUL S.A - ENERSUL CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta

EMPRESA ENERGÉTICA DE MATO GROSSO DO SUL S.A - ENERSUL CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta EMPRESA ENERGÉTICA DE MATO GROSSO DO SUL S.A - ENERSUL CNPJ/MF nº 15.413.826/0001-50 NIRE 54.300.000.566 Companhia Aberta Campo Grande - MS, 04 de outubro de 2010. Aos Srs. Acionistas da ENERSUL. PROPOSTA

Leia mais

Formulário Cadastral MENDES JUNIOR ENGENHARIA SA Versão : 1. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Auditor 4

Formulário Cadastral MENDES JUNIOR ENGENHARIA SA Versão : 1. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Auditor 4 Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2008 Companhia de Gás de - Comgás 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

Formulário Cadastral COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS Versão : 3. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3.

Formulário Cadastral COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS Versão : 3. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 1ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, 06 / 05/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:7º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

QUESTÕES. 4. (Cesgranrio/Banco da Amazônia/Técnico Bancário/2015)

QUESTÕES. 4. (Cesgranrio/Banco da Amazônia/Técnico Bancário/2015) Conhecimentos Bancários Beto Fernandes QUESTÕES 1. (Cesgranrio/Banco da Amazônia/Técnico Bancário/2015) O SFN é composto por um conjunto de órgãos e instituições que regulamenta, supervisiona e realiza

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (75.593.000) euros aprovado em Assembleia Geral de 28 de Setembro de 2012 Sede Social: Estádio

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Conheça os Fundos de Investimento Imobiliários (FIIS)

Conheça os Fundos de Investimento Imobiliários (FIIS) Conheça os Fundos de Investimento Imobiliários (FIIS) Os FIIS podem ser considerado uma forma diferente e inteligente de investir em imóveis. Os Fundos Imobiliário são formados por grupos de investidores

Leia mais

DEFINIÇÕES EVOLUÇÃO SISTEMA FINANCEIRO FERRAMENTAS DE ANÁLISE. Questões gerais de finanças DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES EVOLUÇÃO SISTEMA FINANCEIRO

DEFINIÇÕES EVOLUÇÃO SISTEMA FINANCEIRO FERRAMENTAS DE ANÁLISE. Questões gerais de finanças DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES EVOLUÇÃO SISTEMA FINANCEIRO Finanças Administração Financeira e Orçamentária Prof. Saravalli ademir_saravalli@yahoo.com.br corporativas; investimentos ações e ativos financeiros; instituições financeiras bancos, seguradoras, financeiras.

Leia mais

Eleição de Membro do Conselho de Administração LIGHT ENERGIA S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 30 DE OUTUBRO de 2014

Eleição de Membro do Conselho de Administração LIGHT ENERGIA S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 30 DE OUTUBRO de 2014 LIGHT ENERGIA S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 30 DE OUTUBRO de 2014 Prezados Senhores, A administração da Light Energia S.A. ( Companhia ) vem submeter a seguinte proposta

Leia mais

EQUATORIAL ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta ANEXO 14 DA INSTRUÇÃO CVM 481/2009 AUMENTO DE CAPITAL

EQUATORIAL ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº / NIRE Companhia Aberta ANEXO 14 DA INSTRUÇÃO CVM 481/2009 AUMENTO DE CAPITAL EQUATORIAL ENERGIA S.A. CNPJ/MF nº 03.220.438/0001-73 NIRE 2130000938-8 Companhia Aberta ANEXO 14 DA INSTRUÇÃO CVM 481/2009 AUMENTO DE CAPITAL Em conformidade com o artigo 14 da Instrução CVM 481/2009

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 1ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2005 BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 1ª Emissão de Debêntures Relatório

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. Agosto / versão 3

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. Agosto / versão 3 MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Agosto / 2015 - versão 3 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO... 2 II) DIRETRIZES... 2 III) DEFINIÇÕES... 3 A. CRITÉRIOS PARA LIQUIDEZ DOS ATIVOS... 3 B. CRITÉRIOS PARA CONTROLE

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Eleições PREVCOM-MG 2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Eleições PREVCOM-MG 2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Eleições PREVCOM-MG 2016 A Comissão Eleitoral da Fundação de Previdência Complementar do Estado de Minas Gerais PREVCOM-MG, constituída pela Diretoria Executiva em sua 71ª reunião

Leia mais

Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais POLÍTICA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS 1. Objetivo A presente Política tem por objetivo estabelecer os princípios gerais,

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII HOTEL MAXINVEST CNPJ/MF N.º / PROPOSTA DA ADMINISTRADORA PARA A 13ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII HOTEL MAXINVEST CNPJ/MF N.º / PROPOSTA DA ADMINISTRADORA PARA A 13ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII HOTEL MAXINVEST CNPJ/MF N.º 08.706.065/0001-69 PROPOSTA DA ADMINISTRADORA PARA A 13ª EMISSÃO DE COTAS DO FUNDO Prezado Sr. Cotista, BTG PACTUAL SERVIÇOS FINANCEIROS

Leia mais

BALANCETE ACUMULADO ANALÍTICO ABRIL/ FUNDO DE INVEST IMOBIL RB RENDA CORPORATIVA ( / )

BALANCETE ACUMULADO ANALÍTICO ABRIL/ FUNDO DE INVEST IMOBIL RB RENDA CORPORATIVA ( / ) 1 1 A T I V O 10001 55.978.470,57D 60.662.227,15 13.710.904,77 102.929.792,95D 1.1 CIRCULANTE 10002 6.847.776,88D 2.261.610,67 2.335.694,60 6.773.692,95D 1.1.01 DISPONIBILIDADES 10003 6.018.118,96D 1.496.842,24

Leia mais

Formulário Cadastral GOL LINHAS AEREAS INTELIGENTES SA Versão : 1. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3.

Formulário Cadastral GOL LINHAS AEREAS INTELIGENTES SA Versão : 1. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

d) observar o Regulamento do Emissor de BDR Nível I Não Patrocinado; e

d) observar o Regulamento do Emissor de BDR Nível I Não Patrocinado; e Anexo I ao Oficio Circular 016/2010-DP O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA S.A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 30, alíneas a, b e c do Estatuto

Leia mais

R$ ,00 (vinte e cinco milhões de reais)

R$ ,00 (vinte e cinco milhões de reais) ANÚNCIO DE INÍCIO DE OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO DE COTAS DA 1ª (PRIMEIRA) EMISSÃO DO JT PREV FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL CNPJ/MF nº 23.876.086/0001 16 ADMINISTRADO

Leia mais

Instituições Financeiras

Instituições Financeiras LEGISLAÇÃO/2015 Instituições Financeiras Extracto de Publicação de Sociedade n.º 62/2015 - Certifica um registo de aumento do capital social, nomeação de órgãos sociais e alteração parcial do estatuto

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 11.540, de 12 de novembro de 2007, que dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT; altera o Decreto-Lei. 719,

Leia mais

1. Sistema Financeiro Nacional... 2

1. Sistema Financeiro Nacional... 2 1. Sistema Financeiro Nacional... 2 1.1. Funções Básicas... 2 1.1.1 Função dos Intermediários Financeiros e definição de Intermediação Financeira... 2 1.2. Estrutura... 3 1.2.1 Órgãos de Regulação, Auto-Regulação

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Professora Mestre Keilla OBJETIVOS DA AULA: O Mercado Financeiro e sua composição Conceito de Mercado de Capitais Composição do Mercado de Capitais Histórico do

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR321 Direito Empresarial - Direto Societário

Programa Analítico de Disciplina DIR321 Direito Empresarial - Direto Societário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 3 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal 3 Períodos

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais