ESTIMATIVAS DO SETOR EXTERNO NO SUPOSTO DE SUPERÁVIT COMERCIAL CRESCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTIMATIVAS DO SETOR EXTERNO NO SUPOSTO DE SUPERÁVIT COMERCIAL CRESCENTE"

Transcrição

1 ESTIMATIVAS DO SETOR EXTERNO NO SUPOSTO DE SUPERÁVIT COMERCIAL CRESCENTE Estimativas das Contas Externas Cenário de Saldo Comercial Crescente e Financiamento Externo Relativamente Apertado... 2 O Balanço do Ativo/Passivo Externo e o Balanço do Comércio e Serviços... 4 As Contas de Ativo/Passivo Externo nas Crises de 1999 e Como Neutralizar as Crises do Balanço do Ativo/Passivo Externo Observações Finais Corrente de Comércio A Relação Custos e Amortização do Passivo Externo/Exportações A Dependência dos Recursos do FMI O Superávit Externo Primário A Trajetória do Passivo Externo Comparação Internacional Dezembro de 22

2 A dependência externa brasileira está ainda presente e só poderá ser reduzida de forma paulatina após um certo período de tempo. Ela reside em um volumoso passivo externo (a soma da dívida externa e do estoque de investimentos diretos estrangeiros) acumulado entre 1994/98 que atualmente soma US$ 38 bilhões. Os valores do custo e amortização desse passivo são elevados (US$ 52,7 bilhões em 22) e deverão se repetir nos próximos anos. É isso o que nos leva a sublinhar que a dependência externa estará intacta se não forem executadas as políticas de prosseguimento do ajuste externo. As crises externas que afetaram tão fortemente a economia brasileira nos últimos anos ocorreram quando a contração dos fluxos de capitais deixaram a descoberto o financiamento desses elevados valores, o que significa dizer que a raiz dos constrangimentos externos da economia está, dado o elevado serviço do passivo externo, nos fluxos instáveis de capital estrangeiro O maior saldo comercial alcançado em 22 amorteceu o impacto do custo do passivo externo, sem contudo neutralizar a crise causada por uma nova e profunda contração dos fluxos de capitais. A comparação internacional mostra que o que faz a diferença entre o Brasil e outros países emergentes - Chile, Coréia, Índia, México e Rússia - é o custo do passivo externo. Os dados revelam que as despesas com rendas (juros e lucros e dividendos) são muito maiores no caso brasileiro do que em qualquer dos demais países analisados. O que os dados mostram também é que se o Brasil apresentasse um nível de custo do passivo externo semelhante ao desses pasíses, seu ajuste externo poderia ser considerado como concluído, bastando a consolidação do ajuste promovido em 22. O balanço do comércio e serviços brasileiro já é comparável ao de outros países. As estimativas do IEDI indicam que o país necessitará ampliar ainda mais o saldo do comércio, o que tem como condições o aumento da competitividade empresarial e uma mudança radical na forma como os governos encararam o setor externo brasileiro e as exportações nos últimos 15 anos. Essa mudança implica na execução de políticas regulares e explícitas de apoio à exportação, envolvendo a preservação da rentabilidade a longo prazo da exportação (câmbio), estímulo e crédito para o financiamento dos investimentos voltados à exportação e substituição de importações, ampliação do crédito para o capital de giro e vendas no mercado externo, desoneração tributária (incluindo o ICMS) etc. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 1

3 Estimativas das Contas Externas Cenário de Saldo Comercial Crescente e Financiamento Externo Relativamente Apertado Os números abaixo não são projeções do IEDI para as contas externas brasileiras, mas, sim, estimativas de resultados do setor externo para o período 22/25, tomando-se como suposto que o país seja capaz de consolidar e ampliar o ajuste das contas externas de 22. Isso pressupõe a geração de saldos comerciais crescentes a médio e longo prazo, o que tem como condições o aumento da competitividade empresarial e uma mudança radical na forma como os governos encararam o setor externo brasileiro e as exportações nos últimos 15 anos. O que se requer é a execução de políticas regulares e explícitas de promoção da competitividade e apoio à exportação, no primeiro caso, através de políticas industriais; no segundo, mediante a preservação da rentabilidade a longo prazo da exportação (câmbio), ações para ampliação do acesso dos produtos brasileiros a mercados externos, estímulo e crédito para investimentos voltados à exportação, substituição de importações e internacionalização da empresa brasileira, ampliação do crédito para o capital de giro e vendas no mercado externo, desoneração tributária (incluindo o ICMS) etc. Essas políticas podem viabilizar um crescimento médio das exportações de 8% ao ano e, mesmo diante de um crescimento das importações de 5% ao ano, aumentar o superávit comercial de US$ 12,5 bilhões em 22 para US$ 2 bilhões em 25. É suposto que as condições do financiamento externo permaneçam relativamente apertadas, embora em menor escala com relação ao segundo semestre de 22. Isto se reflete em valores para investimento direto estrangeiro e de desembolsos de médio e longo prazos (novos financiamentos de médio e longo prazo) relativamente baixos. A taxa de rolagem suposta para 22 é de 65% (98,5% em 21) e de 7% para 23/25, refletindo esse relativo aperto do financiamento externo. Dadas essas condições e preenchidos os requisitos assinalados, duas conclusões importantes sobressaem das estimativas apresentadas no quadro a seguir: O Brasil dará seguimento ao ajuste externo. A relação déficit em transações correntes/pib, que foi reduzida pela metade em 22, terá continuidade e alcançará níveis baixos no final do período. Ainda assim, em 23, o país necessitará dos recursos já negociados com o FMI (US$ 24 bilhões) e provavelmente precisará renegociar em 24 os vencimentos desse e de empréstimos anteriores do Fundo, em valor estimado de US$ 11 bilhões (ver a linha fontes adicionais do quadro abaixo). Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 2

4 Usos e Fontes de Recursos - US$ Bilhões (Principais Contas) Usos -56,6-58,4-4,3-37,7-41,4-34,5 Transações correntes -24,7-23,2-1,3-9,7-7, -3,9 Balança comercial -,7 2,6 12,5 14,5 17, 2,5 Serviços e rendas -25,5-27,5-25, -25,9-25,7-26,1 Transferências unilaterais correntes 1,5 1,6 2,2 1,7 1,7 1,7 Amortizações de médio e longo prazos -32, -35,2-3, -28, -34,4-3,6 Fontes 56,6 58,4 4,3 37,7 41,4 34,5 Investimentos estrangeiros diretos 32,8 22,5 15, 15, 18, 2, Investimento em carteira 2,8 2,2 1, 1, 1, 1, Desembolsos de médio e longo prazos 37,3 34,6 19,5 19,6 24,1 21,5 Ativos bras. no ext. e demais contas -8,4-4,3-9, -3,,, Empréstimos ao Banco Central -1,4 6,6 11,4 12,5-1,7-2,1 Fontes Adic. - Reneg., Novos Rec. FMI, Ag. Internac.,,,, 11,, Ativos de Reserva 2,3-3,3 2,4-7,4-1,9-5,8 Memo: Transações correntes/pib (%) (4,2) (4,6) (2,1) (1,9) (1,3) (,7) Transações correntes/exportações (%) (44,8) (39,9) (17,) (14,9) (1,1) (5,2) Rolagem - Desemb./ Amort. (%) 116,7 98,5 65, 7, 7, 7, Fonte: Banco Central. Notas: 1 Projeção. 2 Projeções com base em saldos comerciais crescentes. O que é importante enfatizar é a necessidade de consolidação e ampliação do ajuste externo de 22. Esse ajuste foi obtido a ferro e fogo apoiado em uma super-depreciação da moeda, na estagnação da economia e em grave retração de algus setores muito demendantes de importações (indústria eletrônica e equipamentos de telecomunicações são exemplos) - e não pode ser considerado senão como um ajuste provisório. De fato, apenas 7 segmentos de bens intermediários e bens de capital (autopeças, equipamentos eletrônicos, material elétrico, bens intermediários para a fabricação e manutenção de máquinas e equipamentos e produtos metalúrgicos não-ferrosos) e bens de consumo (automóveis) respondem por quase 7% da queda de importações no período janeiro/setembro de 22, este o destacado fator que explica o ajuste externo ocorrido nesse ano. Nesses segmentos, não há evidência de que venha ocorrendo ou que está prestes a ocorrer uma generalizada substituição de importações, como um recente trabalho do IEDI mostrou (Ver As Importações no Período 1995/22, disponível no site IEDI, www,iedi.org.br). Estimular essa substituição e promover a exportação, são, por isso, fundamentais. A outra consideração relevante é que nem mesmo um grande esforço de continuidade do ajuste assegurará nos próximos dois anos uma situação folgada para o setor externo se persistir o relativo aperto suposto para o financiamento externo. A razão disso é que a dependência externa brasileira está ainda intacta e só poderá ser reduzida de forma paulatina após um certo período de tempo. Ela reside em um volumoso passivo externo (formado pela dívida externa e pelo estoque de investimentos estrangeiros no país) acumulado entre 1994/98 e que soma atualmente US$ 38 bilhões. Esse passivo é causa de elevados desembolsos de juros, lucros e amortizações de financiamentos, os quais são pouco sensíveis às variações cambiais. As crises externas que afetaram tão fortemente a economia brasileira nos últimos anos foram determinadas pelo encolhimento dos fluxos de capitais necessários para financiar esses elevados encargos. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 3

5 O Balanço do Ativo/Passivo Externo e o Balanço do Comércio e Serviços Vamos organizar as contas correntes externas brasileiras de uma certa maneira para evidenciar os desembolsos de juros, lucros e amortizações e os fluxos de capitais relativos ao passivo externo. Devemos considerar que os brasileiros têm ativos (investimentos, empréstimos, aplicações e ativos de reservas) no exterior com a correspondente contrapartida de rendimentos de juros e lucros e fluxo positivo de amortizações. Adotaremos os seguintes conceitos: Custo e amortização líquido do ativo/passivo externo. É o resultado das despesas com rendas (juros e lucros) e amortização dos passivos externos e das receitas de rendas (juros e lucros) e amortização dos ativos externos. Fluxo de capitais. É o resultado das entradas de empréstimos, financiamentos e investimentos de curto e de médio e longo prazo ( fluxo de capitais estrangeiros ) e saídas ( fluxos de capitais brasileiros ). Balanço do ativo/passivo externo. Resulta do confronto das duas contas acima; mede o quanto do custo e amortização líquido do ativo/passivo externo é financiado pelos fluxos de capitais para o Brasil. Balanço do comércio e serviços. Reúne as contas de comércio (saldo comercial) e serviços (receitas ou gastos líquidos com viagens, transportes, seguros etc). Saldo/déficit de recursos. É o resultado dos dois balanços acima. Desse saldo, deduzidas outras contas como transferências unilaterais e demais contas, resulta o aumento ou redução das reservas ou a necessidade do país recorrer ao socorro financeiro do FMI e outras fontes. As contas externas brasileiras, bem como as projeções para o período 23/5, organizadas segundo os critérios acima, são apresentadas a seguir. Contas Externas Brasileiras em US$ Bilhões Custo e amortização do passivo externo 24,6 3,4 45,1 52,4 68,1 53,3 58, 52,7 51,4 56,1 51,7 2 Rec. e amortiz. do ativo externo 3,9 5,5 5,8 5,5 4,4 4, 4,4 4,2 5, 5, 5, 3=1+2 Custo e amortiz.líq. do ativo/passivo externo 2,7 25, 39,3 46,9 63,6 49,3 53,6 48,5 46,4 51,1 46,7 4 Fluxos de capitais estrangeiros 43,3 57,8 52,6 65,2 65,2 68,4 61,5 35,5 35,6 45,1 44,5 5 Fluxos de capitais brasileiros -4,9-1,8-2,7-16,7-7,4-8,1-7,6-1,5-4,5-4,5-4,5 6=4+5 Fluxos de capitais 38,3 47, 49,9 48,6 57,9 6,2 53,9 25, 31,1 4,6 4, 7=4-1 Balanço do passivo externo 18,7 27,4 7,6 12,8-2,8 15,1 3,5-17,2-15,8-11,1-7,3 8=5-2 Balanço do ativo externo -1, -5,4 3,1-11,1-2,9-4,2-3,2-6,3,5,5,5 9=6-3 Balanço do ativo/passivo externo 17,7 22,1 1,7 1,7-5,7 1,9,3-23,5-15,3-1,6-6,8 1 Saldo comercial -3,5-5,6-6,8-6,6-1,2 -,7 2,6 12,5 14,5 17, 2,5 11 Saldo serviços -7,6-8,7-1,6-1, -6,8-7,1-7,7-5, -6, -7,5-8,5 12=1+11 Balanço do comércio e serviços -11,1-14,3-17,3-16,6-8, -7,8-5, 7,5 8,5 9,5 12, 13=9+12 Saldo/déficit de recursos 6,5 7,7-6,7-14,8-13,8 3,1-4,7-16, -6,8-1,1 5,2 14 Emp. ao BCB - FMI e outros (líq.) -,2 -,4 -,2 8,9 2,8-1,4 6,6 11,4 12,5-1,7-2,1 15=13+14 Saldo/déficit de recursos c/ FMI 6,3 7,3-6,8-5,9-11, -7,3 1,9-4,6 5,7-11,8 3,1 16 Transferências unilaterais 3,6 2,4 1,8 1,5 1,7 1,5 1,6 2,2 1,7 1,7 1,7 17 Demais contas 3, -1,1-2,9-3,5 1,5 3,5 -,3,, 12, 1, 18 Ativos de reserva -12,9-8,7 7,9 8, 7,8 2,3-3,3 2,4-7,4-1,9-5,8 Transações correntes -18,4-23,5-3,5-33,4-25,3-24,2-23,2-1,3-9,7-7, -3,9 Trans. correntes primário -1,4-14,7-21, -22, -1,5-9,6-8,3 4,2 5,2 5,2 7,7 Balança comercial -3,4-5,6-6,7-6,6-1,3 -,7 2,6 12,5 14,5 17, 2,5 Serviços e rendas, exc. Juros -1,6-11,6-16, -16,9-1,9-1,4-12,6-1,5-11, -13,5-14,5 Transferências unilaterais 3,6 2,4 1,8 1,5 1,7 1,5 1,6 2,2 1,7 1,7 1,7 Juros -7,9-8,8-9,5-11,4-14,9-14,6-14,9-14,5-14,9-12,2-11,6 Fonte: Banco Central (até 21); estimativas (22-25). Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 4

6 As Contas de Ativo/Passivo Externo nas Crises de 1999 e 22 Os gráficos a seguir 1 mostram para o período dez/95-out/22 o comportamento dos principais itens das contas externas, destacando-se: O grande aumento do custo e amortização do passivo externo até 1999 e, após um ligeiro recuo, a manutenção de elevados valores para esse item até o presente. Esses elevados valores devem se repetir no futuro. Entre 23 e 25, oscilarão entre US$ 51 bilhões e US$ 56 bilhões. É isso o que nos leva a sublinhar que a dependência externa estará presente se não forem executadas as políticas de prosseguimento do ajuste externo. As variações dos fluxos de capitais estrangeiros determinaram as variações dos fluxos de capitais. Uma forte contração desses fluxos ocorreu entre julho de 1998 e julho de Uma outra rodada de retração iniciou-se em junho de 21 e ainda transcorre até o presente. A primeira, levou à crise brasileira de 1999 e a segunda à crise de 22. Os fluxos de capitais brasileiros para o exterior elevaram-se substancialmente em meados de 1998, sugerindo a ocorrência de fuga de capital. Isso agravou os efeitos da retração do fluxo de capitais estrangeiros. No período mais recente, as variações dos fluxos de capitais brasileiros foram muito menos intensas, acentuando-se a partir de meados de Custo, Receita e Amortização do Passivo/Ativo Externo - US$ Bilhões Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Custo e amortização do passivo externo Rec. e amortiz. do ativo externo Custo e amortiz.líq. do ativo/passivo externo 1 A fonte de todos os gráficos e dados apresentados é o Banco Central. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 5

7 Fluxos de Capitais - US$ Bilhões - Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Fluxos de capitais estrangeiros Fluxos de capitais brasileiros Fluxos de capitais A análise dos novos desembolsos de empréstimos e financiamentos externos (que, juntamente com os investimentos diretos, são os principais itens dos fluxos de capitais estrangeiros) revela diferenças marcantes entre os períodos 1998/99 e 21/22. Em 1998/99, modalidades de financiamento como empréstimos e crédito de fornecedores de médio e longo prazo declinaram, mas foram notes e commercial papers e crédito de fornecedores e empréstimos de curto prazo os itens que mais influenciaram na contração dos fluxos de capitais estrangeiros. Note-se que as entradas de recursos pela colocação de bônus não sofreu variação significativa na crise de A grande influência do crédito de curto prazo na retração geral dos capitais estrangeiros para o Brasil em 1998/99 deu a (falsa) impressão de que a dependência externa brasileira derivava do volume excessivo do crédito de curto prazo e que seria solucionada pela menor dependência desses recursos de financiamento externo da economia. Não se discute que é melhor não depender ou depender menos de financiamentos de curto prazo. O que cabe observar, no entanto, é que essa dependência diminuiu nos anos seguintes sem que isso evitasse a ocorrência de nova crise externa em 22. Na crise atual, modalidades de financiamento como crédito de fornecedores/empréstimos de curto prazo e crédito de fornecedores de médio e longo prazo acusaram retração, mas não tanto como bônus, notes e commercial papers e empréstimos diretos, que sofreram um verdadeiro colapso. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 6

8 3 Desembolsos de Empréstimos e Financiamentos - US$ Bilhões Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Bônus Notes e com. papers Crédito de fornecedores Empréstimos Créd. fornec. e emp. - curto prazo (líq.) 12 Desagregação dos Desembolsos de Empréstimos - US$ Bilhões Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Organismos internacionais Agências governamentais* Compradores Empréstimos diretos Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 7

9 Essas características da contração dos fluxos de capitais estrangeiros no período mais recente sugerem que na crise atual a situação financeira das empresas brasileiras endividadas em moeda estrangeira é mais difícil do que na crise de 1999, já que além do aumento da taxa de juros e do encarecimento em reais do serviço da dívida devido à desvalorização da moeda (fatores que se apresentaram em 22, como em 1999), parece maior a dificuldade de renovação dos vencimentos motivada pelo virtual fechamento dos mercados de financiamento empresarial externo. Na crise de 1999 e na de 22, o colapso da entrada de recursos na forma de empréstimos somente não foi maior em razão da regularidade apresentada pelos empréstimos de agências governamentais e organismos internacionais. Em momentos de crise, essas fontes, juntamente com o FMI, constituem de fato linhas de última instância de recursos que amortecem o impacto das variações dos fluxos de capitais provenientes de outras fontes. O gráfico abaixo, que registra os valores de desembolsos menos amortizações, ilustra a grave contração do financiamento externo líquido nas duas crises. A rolagem dos vencimentos das dívidas tem sido negativa ao longo de 22 (o foram também em 1999), com exceção de bônus devido à emissão de títulos da República do Brasil no primeiro semestre do ano. 24 Desembolsos Menos Amortização de Empréstimos de Médio e Longo Prazo US$ Bilhões - Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Bônus Notes e com. papers Crédito de forneced. Empréstimos Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 8

10 Excluindo os bônus da República, os desembolsos líquidos das amortizações foram negativos em US$ 5,8 bilhões no período jan-out/22 contra um valor negativo de US$ 1,3 bilhões no mesmo período de 21 (ver o gráfico abalixo). A rolagem de empréstimos de instituições financeiras e serviços como telecomunicações e energia elétrica foi particularmente afetada na crise de 22. A retração líquida das novas colocações de bônus de empresas do setor industrial (US$ 733 milhões) acompanhou de forma mais acentuada uma queda que iniciada em 21 (US$ 567 milhões). Do lado dos investimentos, em 21/2 vem ocorrendo uma retração dos investimentos diretos e em carteira, porém, nesse último caso, a redução foi muito mais sensível na crise de No caso do IDE, o recuo no período mais recente (desde junho de 21) tem sido mais prolongado e intenso do que fora na crise anterior (em parte, a explicação está no fim das privatizações). Não se discute a qualidade superior do financiamento externo pela via do investimento direto comparativamente ao financiamento por meio de novas dívidas, mas aqui também cabe o registro de que as variações do IDE podem ser sensíveis em determinadas conjunturas e concorrer para agravar uma crise de financiamento. 1. Colocações Menos Amortizações de Títulos Brasileiros de Médio e Longo Prazos Exclui Bônus da República - (Valores Superiores a US$ 1 Milhão) Total Indústria Serviços Intermediação financeira Correio e telecomunicações Eletricidade, gás e água quente jan-out/21 jan-out/22 Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 9

11 36 Investimentos Estrangeiros - US$ Bilhões - Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Investimentos IDE Inv. em carteira Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 1

12 Como Neutralizar as Crises do Balanço do Ativo/Passivo Externo Como mostra o gráfico a seguir, foi a contração dos fluxos de capitais em 1998/99 e em 21/22, a causa das crises de 1999 e 22. Essas crises ocorreram quando a retração desses fluxos deixaram a descoberto o financiamento do elevado serviço do passivo externo líquido, gerando valores negativos para o balanço do ativo/passivo externo. Um outra observação a ser destacada é que a contração dos fluxos de capitais que levou às crises foram anunciadas com um ano de antecedência a redução do fluxo líquido de capitais em 1998 e em 21. O gráfico seguinte mostra que as oscilações do saldo/déficit de recursos externos vem sendo inteiramente determinados pelo balanço do ativo/passivo externo. Isso significa dizer que a raiz dos constrangimentos externos da economia está, dado o elevado serviço do ativo/passivo externo, nos fluxos instáveis de capital estrangeiro 8 Balanço do Ativo/Passivo Externo - US$ Bilhões Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Custo e Amortiz. Líq. do Ativo/Passivo Externo Fluxos de Capitais Balanço do Ativo/Passivo Externo Quanto ao balanço de comércio e serviços, sua análise de desdobra em três momentos. Entre 1995 e 1998, quando os valores negativos (déficit) da conta eram crescentes, ela concorria para ampliar o déficit global de recursos e potencializava os efeitos da instabilidade dos fluxos de capitais. Seus menores valores negativos após a mudança da política cambial em 1999 reduziram esses efeitos, sem, contudo, neutralizá-los. Desde julho de 22, quando (pela primeira vez desde 1995) a conta passa a registrar valores positivos (acumulados em doze meses), o saldo em comércio e serviços contribuiu para reduzir o desequilíbrio na conta do balanço do ativo/passivo externo. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 11

13 Essa contribuição é ainda modesta, tanto que o impacto do grande aumento do resultado negativo do balanço do ativo/passivo externo em 22, não foi neutralizado pelo resultado positivo do comércio e serviços, de modo que uma nova crise apresentou-se. Mas a mudança que vem ocorrendo é digna de registro e, dependendo da execução das políticas, poderá ter prosseguimento nos próximos anos. O objetivo deve ser ampliar o saldo do comércio e serviços de forma que este, mais do que amortecer, possa neutralizar os desequilíbrios potenciais do balanço do ativo/passivo externo. 5 Balanço do Ativo/Passivo Externo, do Comércio e Serviços e Saldo/Déficit de Recursos - US$ Bilhões - Valores Acumulados em 12 meses dez/95 mar/96 jun/96 set/96 dez/96 mar/97 jun/97 set/97 dez/97 mar/98 jun/98 set/98 dez/98 mar/99 jun/99 set/99 dez/99 mar/ jun/ set/ dez/ mar/1 jun/1 set/1 dez/1 mar/2 jun/2 set/2 Balanço do Ativo/Passivo Externo Balanço do Comércio e Serviços Saldo/Déficit de Recursos Convém observar que esses desequilíbrios do balanço do ativo/passivo externo poderão ocorrer durante um prolongado período de tempo, já que dos seus dois componentes, um, o custo e amortização em termos líquidos do passivo externo, como foi observado, permanecerá elevado e relativamente fixo (passou a ser um custo fixo para a economia), enquanto o outro, o fluxo de capitais, provavelmente manterá, como nos últimos anos, a característica da instabilidade. A situação não é diferente de qualquer empresa que se depara com inevitáveis custos fixos elevados e com fontes instáveis de financiamento e que, por isso, procura aumentar a produção visando diluir os custos fixos e reduzir a dependência de financiamento pela maior geração de saldos operacionais. No caso do país, aumentar a produção significa elevar suas exportações; gerar maiores saldos operacionais significa ampliar o resultado de comércio e serviços. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 12

14 Como somente o prosseguimento do ajuste externo mediante o aumento do saldo do comércio e serviços levará à neutralização do impacto das oscilações do balanço do ativo/passivo externo que vêm sendo a causa das crises na economia brasileira, foi elaborado o cenário de superávits comerciais crescentes. Como já foi observado, o suposto é que políticas adequadas tornem possível obter no próximo triênio um crescimento médio em torno a 8% para as exportações. Um crescimento como esse para as exportações parece difícil de ser alcançado no contexto atual da economia e do comércio mundial, mas de forma alguma constitui uma meta inatingível. Dado um crescimento das importações próximo a 5%, o avanço das exportações permitirá a geração de saldos comerciais de US$ 14,5 bilhões, US$ 17 bilhões e US$ 2,5 bilhões em 23/25 Isso elevará o saldo de comércio e serviços para US$ 8,5 bilhões, US$ 9,5 bilhões e US$ 12 bilhões nesses mesmos anos (- US$ 5 bilhões em 21 e US$ 7,5 bilhões projetados para 22), enquanto o resultado projetado para o balanço do ativo/passivo externo é de - US$ 15,3 bilhões, - US$ 1,6 bilhões e - US$ 6,8 bilhões, respectivamente em 23, 24 e 25 (- US$ 23,5 bilhões projetados para 22). O gráfico abaixo ilustra o resultado dessas projeções, as quais, como convém lembrar pressupõem ainda um relativo aperto do financiamento externo. 25 Balanço do Ativo/Passivo Externo, do Comércio e Serviços e Saldo/Déficit de Recursos - US$ Bilhões Balanço do Ativo/Passivo Externo Balanço do Comércio e Serviços Saldo/Déficit de Recursos Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 13

15 Observações Finais A seguir, algumas observações sobre as estimativas feitas para o período 23/25. Corrente de Comércio A evolução do comércio exterior nas bases supostas não apenas ensejará melhores resultados comerciais como promoverá o crescimento da corrente de comércio (a soma das exportações e importações). Esta vem declinando desde 1997, particularmente devido à redução das importações que atualmente são 2% inferiores aos valores desse ano. O gráfico a seguir detalha a evolução ocorrida e projetada da corrente de comércio brasileira. Balança Comercial - US$ Bilhões Exportações 46,5 47,7 53, 51,1 48, 55,1 58,2 6,5 65, 7, 75,5 Importações 49,9 53,3 59,7 57,7 49,3 55,8 55,6 48, 5,5 53, 55, Saldo comercial -3,4-5,6-6,7-6,6-1,3 -,7 2,6 12,5 14,5 17, 2,5 Corrente de com. (Exp+Imp) 96,4 11, 112,7 18,8 97,3 11,9 113,8 18,5 115,5 123, 13, Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 14

16 A Relação Custos e Amortização do Passivo Externo/Exportações O crescimento das exportações nas bases supostas (aproximadamente 8% ao ano) permitirá diluir os montantes estimados dos custos e amortização do passivo externo. Dado o baixo valor das exportações brasileiras, o serviço do passivo externo tem sido excessivamente alto como percentual das vendas externas do país. Representava 12% das exportações em 1998 e, mesmo após a mudança da política cambial, alcançou 99,6% em 21 (87,1% em 22). Com o crescimento projetado para as exportações entre 23 e 25, a relação alcançará no fim do período 68%, um nível que ainda pode ser considerado excessivo. Lembrando que os custos e amortização do passivo externo são relativamente incomprimíveis em valores absolutos, essa é uma outra forma de dizer que se faz necessário promover as exportações brasileiras. Contas Externas Brasileiras em % das Exportações Custo e amortização do passivo externo 52,9 63,7 85, 12,5 141,8 96,8 99,6 87,1 79, 8,2 68,5 2 Rec. e amortiz. do ativo externo 8,4 11,4 1,9 1,9 9,2 7,2 7,6 6,9 7,7 7,1 6,6 3=1+2 Custo e amortiz.líq. do ativo/passivo externo 44,5 52,3 74,1 91,7 132,5 89,6 92, 8,2 71,3 73,1 61,9 4 Fluxos de capitais estrangeiros 93,1 121,2 99,3 127,7 135,9 124,1 15,6 58,7 54,8 64,4 58,9 5 Fluxos de capitais brasileiros -1,6-22,6-5,1-32,6-15,4-14,8-13, -17,4-6,9-6,4-6, 6=4+5 Fluxos de capitais 82,5 98,6 94,2 95,1 12,6 19,3 92,6 41,3 47,8 58, 52,9 7=4-1 Balanço do passivo externo 4,2 57,5 14,3 25,1-5,8 27,3 6, -28,4-24,2-15,8-9,6 8=5-2 Balanço do ativo externo -2,2-11,2 5,8-21,7-6,1-7,6-5,4-1,4,8,7,7 9=6-3 Balanço do ativo/passivo externo 38, 46,3 2,1 3,4-11,9 19,8,5-38,8-23,5-15,1-9, 1 Saldo comercial -7,5-11,7-12,7-12,9-2,5-1,3 4,5 2,7 22,3 24,3 27,2 11 Saldo serviços -16,4-18,3-2, -19,6-14,2-12,9-13,1-8,3-9,2-1,7-11,3 12=1+11 Balanço do comércio e serviços -23,9-3,1-32,7-32,5-16,7-14,1-8,6 12,4 13,1 13,6 15,9 13=9+12 Saldo/déficit de recursos 14,1 16,2-12,6-29, -28,7 5,7-8,1-26,4-1,4-1,5 6,9 14 Emp. ao BCB - FMI e outros (líq.) -,5 -,8 -,3 17,5 5,8-18,9 11,4 18,9 19,2-15,3-2,8 15=13+14 Saldo/déficit de recursos c/ FMI 13,6 15,4-12,9-11,5-22,8-13,3 3,3-7,5 8,8-16,8 4,1 16 Transferências unilaterais 7,8 5,1 3,4 2,9 3,5 2,8 2,8 3,6 2,6 2,4 2,3 17 Demais contas 6,4-2,4-5,4-6,9 3, 6,4 -,5,, 17,1 1,3 18 Ativos de reserva -27,8-18,2 14,9 15,6 16,3 4,1-5,7 3,9-11,5-2,8-7,6 Transações correntes -39,5-49,3-57,5-65,4-52,8-44, -39,9-17, -14,9-1,1-5,2 Trans. correntes primário -22,4-3,9-39,6-43, -21,8-17,4-14,3 6,9 8, 7,4 1,2 Balança comercial -7,2-11,7-12,7-12,9-2,6-1,3 4,5 2,7 22,3 24,3 27,2 Serviços e rendas, exc. Juros -22,8-24,3-3,3-33, -22,8-18,9-21,7-17,4-16,9-19,3-19,2 Transferências unilaterais 7,8 5,1 3,4 2,9 3,5 2,8 2,8 3,6 2,6 2,4 2,3 Juros -17,1-18,4-17,9-22,4-31, -26,6-25,6-24, -22,9-17,5-15,3 Fonte: Banco Central (até 21); estimativas (22-25). Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 15

17 A Dependência dos Recursos do FMI Um sintoma da precariedade da situação externa brasileira causada pelo enorme passivo externo foi a quase permanente necessidade do socorro do FMI nos últimos anos. Os recursos do Fundo foram decisivos para reduzir os déficits nos anos de sinal amarelo de crise externa (1998 e 21) e nos anos de crise (1999 e 22). Mesmo em um cenário em que tenha prosseguimento o ajuste externo de 22, seguramente esses recursos serão imprescindíveis em 23 e, possivelmente, em Saldo/Déficit de Recursos - US$ Bilhões 15 11,4 12, ,5 6,3 7,7 7,3 8,9 2,8 3,1 6,6 1,9 5,7 5,2 3,1 -,2 -,4 -,2-1,1-2,1-5 -6,7-6,8-5,9-7,3-4,7-4,6-6, , -1,4-1,7-11, ,8-13,8-16, Saldo/Déficit de Recursos Saldo/Déficit de Recursos c/ FMI Emp. ao BCB - FMI e Outros (Líq.) Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 16

18 O Superávit Externo Primário Um fato novo está ocorrendo no presente ano de 22: pela primeira vez desde a estabilização o setor externo da economia foi capaz de gerar saldo primário, ou seja, um resultado positivo nas transações correntes excluindo-se os juros da dívida externa. Estamos estimando que o crescente saldo comercial do período 23/25 produza saldos primários também crescentes. 8 Resultado em Transações Correntes - US$ Bilhões Trans. Correntes Primário -1,4-14,7-21, -22, -1,5-9,6-8,3 4,2 5,2 5,2 7,7 Juros -7,9-8,8-9,5-11,4-14,9-14,6-14,9-14,5-14,9-12,2-11,6 Transações Correntes -18,4-23,5-3,5-33,4-25,3-24,2-23,2-1,3-9,7-7, -3,9 A Trajetória do Passivo Externo Como mostram os gráficos a seguir, a trajetória possível deste que é a matriz dos problemas e constrangimentos externos brasileiros - o passivo externo - pode ser assim resumida: em valor, ele dificilmente declinará; o esforço de continuidade do ajuste externo poderá reduzí-lo gradativamente como proporção do PIB; e, em sendo executada uma vigorosa política de exportação, poderemos obter uma significativa redução em relação às exportações. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 17

19 45 Passivo Externo - US$ Bilhões Passivo Externo 218,5 29,3 326,4 368, 369,4 384,2 369,3 381,6 39,2 386,7 397, Passivo Externo - % das Exportações Passivo Externo / Export. (%) 469,8 68,7 615,8 72,2 769,5 697,3 634,3 63,7 6,4 552,4 525, Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 18

20 1 Passivo Externo - % do PIB Passivo Externo / PIB (%) 31, 37,4 4,4 46,7 69,6 64,7 7, 77,3 77,6 72,5 7, Comparação Internacional Os gráficos finais (cuja fonte é o FMI) mostram que o que faz a diferença entre o Brasil e outros países emergentes - Chile, Coréia, Índia, México e Rússia - é o custo do passivo externo. Os dados, que são apresentados em relação às exportações de cada país, mostram que as despesas com rendas (juros e lucros e dividendos) são muito maiores no caso brasileiro do que em qualquer dos demais países analisados. O que os dados mostram também é que se o Brasil apresentasse um nível de custo do passivo externo semelhante ao desses pasíses, seu ajuste externo poderia ser considerado como concluído, bastando a consolidação do ajuste de 22. Os dados mostram ainda que o balanço do comércio e serviços brasileiro já é comparável ao de outros países emergentes. Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 19

21 Custo do Passivo Externo - % das Exportações Acumulado em 12 meses Q1 1995Q2 1995Q3 1995Q4 1996Q1 1996Q2 1996Q3 1996Q4 1997Q1 1997Q2 1997Q3 1997Q4 1998Q1 1998Q2 1998Q3 1998Q4 1999Q1 1999Q2 1999Q3 1999Q4 2Q1 2Q2 2Q3 2Q4 21Q1 21Q2 21Q3 21Q4 22Q1 22Q2 22Q3 Brasil Chile Índia Coréia do Sul México Rússia 6 Balanço do Comércio e Serviços - % das Exportações Acumulado 12 meses Q1 1995Q2 1995Q3 1995Q4 1996Q1 1996Q2 1996Q3 1996Q4 1997Q1 1997Q2 1997Q3 1997Q4 1998Q1 1998Q2 1998Q3 1998Q4 1999Q1 1999Q2 1999Q3 1999Q4 2Q1 2Q2 2Q3 2Q4 21Q1 21Q2 21Q3 21Q4 22Q1 22Q2 22Q3 Brasil Chile Índia Coréia do Sul México Rússia Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 2

22 1 Transações Correntes - % das Exportações Q1 1995Q2 1995Q3 1995Q4 1996Q1 1996Q2 1996Q3 1996Q4 1997Q1 1997Q2 1997Q3 1997Q4 1998Q1 1998Q2 1998Q3 1998Q4 1999Q1 1999Q2 1999Q3 1999Q4 2Q1 2Q2 2Q3 2Q4 21Q1 21Q2 21Q3 21Q4 22Q1 22Q2 22Q3 Brasil Chile Índia Coréia do Sul México Rússia Estimativas do Setor Externo no Suposto de Superávit Comercial Crescente 21

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002 DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 22 Os dados de agosto do setor externo brasileiro mostram a persistência das dificuldades na atração de fluxos externos em todas as modalidades: investimento direto estrangeiro

Leia mais

SETOR EXTERNO EM MAIO DE 2002

SETOR EXTERNO EM MAIO DE 2002 SETOR EXTERNO EM MAIO DE 22 O PESO DA CONTA DE SERVIÇOS E RENDA Em maio de 22, o balanço de pagamentos mostrou um déficit em transações correntes abaixo daquele registrado em maio do ano passado. O resultado

Leia mais

SETOR EXTERNO EM AGOSTO DE 2004 UMA PROJEÇÃO MELHOR DO IDE PARA O ANO

SETOR EXTERNO EM AGOSTO DE 2004 UMA PROJEÇÃO MELHOR DO IDE PARA O ANO SETOR EXTERNO EM AGOSTO DE 24 UMA PROJEÇÃO MELHOR DO IDE PARA O ANO No oitavo mês do ano, a conta corrente mais uma vez atingiu um superávit superior a US$ 3 bilhões, puxada pela balança comercial, superavitária

Leia mais

Setor Externo: Otimismo Incipiente

Setor Externo: Otimismo Incipiente 7 Setor Externo: Otimismo Incipiente Vera Martins da Silva (*) Apesar do enorme desemprego e nível de atividade ainda com péssimos indicadores há no ar um conjunto de informações e percepções sobre a existência

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação

Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação 8 análise de conjuntura Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação Vera Martins da Silva (*) Dentro de um quadro recessivo, o setor externo continua como um fator de otimismo na economia brasileira.

Leia mais

Custo e benefício do acúmulo de reservas em países emergentes. Ilan Goldfajn

Custo e benefício do acúmulo de reservas em países emergentes. Ilan Goldfajn Custo e benefício do acúmulo de reservas em países emergentes Ilan Goldfajn Dezembro 2009 Roteiro Cenário de Câmbio O Benefício das Reservas O Custo das Reservas Quanto acumular de Reservas? Fonte: Estimativa

Leia mais

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Balanço de Pagamentos do Brasil Componentes destacados Balança Comercial; Balança de Serviços;

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS DEZEMBRO/2015 Resumo de desempenho Dezembro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês mês

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores:

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

Setor Externo: Ajuste Forçado e Retomada da Economia Brasileira

Setor Externo: Ajuste Forçado e Retomada da Economia Brasileira 7 Setor Externo: Ajuste Forçado e Retomada da Economia Brasileira Vera Martins da Silva (*) A economia brasileira está saindo do fundo do poço, mas muito mais lentamente do que o desejado pela grande massa

Leia mais

Setor Externo: Expansão das Exportações Revigora a Economia

Setor Externo: Expansão das Exportações Revigora a Economia 9 Setor Externo: Expansão das Exportações Revigora a Economia Vera Martins da Silva (*) No âmbito da economia brasileira, o setor externo tem sido praticamente a única fonte de boas notícias e assim ainda

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial

Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial O superávit na balança comercial brasileira deveu-se mais à diminuição de importações do que ao aumento das exportações Marcelo de

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/2015 Resumo de desempenho ho 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No ano

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índices de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

Setor Externo: Nebulosidade e Turbulências à Frente

Setor Externo: Nebulosidade e Turbulências à Frente análise de conjuntura 7 Setor Externo: Nebulosidade e Turbulências à Frente Vera Martins da Silva(*) O resultado atual das contas externas, analisado sob a ótica das Transações Correntes, um dos principais

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2015 Resumo de desempenho ubro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No

Leia mais

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal Neste Sumário serão analisados os principais indicadores de Política Fiscal.

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008

Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008 Brasil: Resistência Frente à Crise Financeira Global Henrique de Campos Meirelles Outubro de 2008 1 Antecedentes A atual crise financeira tem origem no longo período de taxas de juros baixas nos EUA. O

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 50.000 44.703 46.457 45.166 40.000 30.000 24.794

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641 BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 60,000 50,000 24,794 33,641 44,703 46,457 40,032

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178. Aula 7

O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178. Aula 7 O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178 1 Setor externo e modelos econômicos O setor externo é um dos quatro agentes que compõem os modelos macroeconômicos.

Leia mais

10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial

10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial 25 10. Em Foco IBRE: A Fragilidade do Superávit da Balança Comercial Com o superávit da balança comercial em março, o déficit acumulado no primeiro trimestre deste ano (-US$ 5,5 bilhões) foi inferior ao

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015

Conjuntura Março. Boletim de AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS. PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Março de 2016 AGRAVAMENTO DAS CRISES ECONÔMICA E POLÍTICA INDUZ MUDANÇAS NO PAÍS PIB dos serviços recua 2,1% em 2015 Segundo o IBGE, o PIB brasileiro caiu 4,0% em 2015. Essa variação é resultado de uma

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Grupo de Conjuntura Econômica

Grupo de Conjuntura Econômica Grupo de Conjuntura Econômica Grupo de Conjuntura Econômica - Economia Internacional - Nível de Atividade Econômica - Políticas Públicas Economia INTERNACIONAL Luiz Antônio de Lima Jr Indicadores Analisados

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda Encontro Nacional dos Novos Prefeitos e Prefeitas Brasília, 30 de janeiro de 2013 1 Crescimento do PIB acelerando PIB, crescimento anual,

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES SETOR EXTERNO BALANÇA COMERCIAL out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08

Leia mais

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6,

meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03 0,53 4,19 6, Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Maio 1,23 2,82 5,41 0,79 2,88 5,58 Jun. 0,96 3,81 5,84 0,74 3,64 6,06 Jul. 0,45 4,27 6,03

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

A Economia Aberta ANATOMIA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS

A Economia Aberta ANATOMIA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS A Economia Aberta ANATOMIA DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1 Enquadramento 1. A abordagem da economia aberta, permite-nos identificar no modelo keynesiano, a participação das importações e exportações de bens

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais

Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais Silvia Ferreira Marques Salustiano Tito Belchior Silva Moreira ** O presente trabalho faz uma análise voltada para o Brasil e para os países

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

O perigo da depressão econômica

O perigo da depressão econômica Boletim Econômico Edição nº 75 dezembro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O perigo da depressão econômica (Estado falido, crise política, governo paralisado e país sem

Leia mais

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Agenda I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL II. IMPACTOS SOBRE A INDÚSTRIA Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 1 I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 2

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia - UFRJ 1 2 3 Hipótese central apesar de haver melhoras nos indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 PIB em trajetória de queda; Produção em retração; Crescimento do desemprego; Aumento dos juros; Inflação em crescimento; Retração dos investimentos; Queda

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer

O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer Maio de 2002 O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer Investimentos: em compasso de espera Crédito: travado Mercado consumidor interno: fraco Exportações:

Leia mais

Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI (BPM6) Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec)

Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI (BPM6) Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec) Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI () Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec) Brasília, 22 de abril de 2015 Contas externas - impactos relativos ao A dinâmica

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO NOTA TÉCNICA CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS Fernando J. Ribeiro Finalizado em 28/05/2015 O Banco Central do Brasil divulgou, no último mês de abril, uma nova

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

Balança Comercial [Jan. 2009]

Balança Comercial [Jan. 2009] Highlight: Balança Comercial [Jan. 2009] A pós queda de demanda mundial, desde de, a trombose do sistema financeiro (em setembro /08), as exportadores brasileiros vem perdendo dinamismo. Seria ingenuidade

Leia mais

9 Ver em especial o site:

9 Ver em especial o site: O desempenho recente dos principais indicadores da economia brasileira Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do boletim Economia & Tecnologia irá discutir cinco

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 23 ECONOMIA ABERTA: REGIMES CAMBIAIS, DETERMINAÇÃO DA RENDA E IMPACTOS DA POLÍTICA ECONÔMICA Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia,

Leia mais

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF

Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF Congresso de Fundação da Força Sindical do Distrito Federal Mercado de trabalho e negociação coletiva no DF 25 Março de 2009 Conjuntura marcada pela crise Produto Interno Bruto do país teve queda de 3,6%

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 As exportações do Estado do Paraná, em abril de 2016, foram de US$ 1,499 bilhão. As principais contribuições foram de produtos alimentares (complexo

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013

Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 Evolução recente e desafios da economia brasileira Marco A.F.H.Cavalcanti (IPEA) XIII Workshop de Economia da FEA-RP Outubro de 2013 A importância do crescimento Há vários anos, a economia brasileira tem

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Banco de Dados Nov/10

Banco de Dados Nov/10 Banco de Dados Nov/10 Movimento mundial de desvalorização do dólar. Enfraquecimento da moeda americana. Moedas asiáticas Tailândia, Malásia, Cingapura. Moedas dos países do leste europeu: Hungria, Polônia,

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

ano IV, n 33, Janeiro de 2014

ano IV, n 33, Janeiro de 2014 ,, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de Rentabilidade das Exportações registrou alta de 2,0% em dezembro de 2013 na comparação com novembro (Tabela 1), em virtude, mais uma vez, da desvalorização do câmbio

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS ABRIL/2015 Resumo DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 2 Consumo aparente mensal R$ bilhões constantes*

Leia mais

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE Informe Semanal 47/217 Publicado em 13 de abril de 217 Brasil Relatório Focus 7/4/217 BACEN Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 1 de abril Terça 11 de abril 5: IPC (semanal) FIPE 9: Pesquisa

Leia mais

Balança Comercial Brasil e Minas Gerais Junho Belo Horizonte 2017

Balança Comercial Brasil e Minas Gerais Junho Belo Horizonte 2017 Balança Comercial Brasil e Minas Gerais Junho 2017 Belo Horizonte 2017 No primeiro semestre de 2017, a balança comercial brasileira obteve superávit recorde no âmbito da série histórica do MDIC (Ministério

Leia mais

PROJEÇÃO DA TAXA R$/US$ NO MÉDIO PRAZO

PROJEÇÃO DA TAXA R$/US$ NO MÉDIO PRAZO PROJEÇÃO DA TAXA R$/US$ NO MÉDIO PRAZO As projeções da Macrométrica para a evolução da taxa de câmbio R$/US$ nos próximos quatro anos apresentam grande discrepância em relação às projeções levantadas pelo

Leia mais

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Cenário Econômico para Dezembro / Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico para 2010 Dezembro / 2009 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 O Crescimento do PIB em 2009 2 PIB no 3º Tri/2009 : Crescimento trimestral de 1,3% O PIB do 3º Tri/09 registrou

Leia mais

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 4 outubro/dezembro de 2012 www.cni.org.br Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX Icomex de outubro referente a balança comercial de setembro Número 6 17.Outubro. 2017 Os preços das commodities aceleram e o superávit da balança comercial registra

Leia mais

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS

INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS INDICADOR DE CUSTOS INDUSTRIAIS Custos industriais aceleram ao longo de 2015 e fecham o ano com crescimento de 8,1% O Indicador de Custos Industriais (ICI) apresentou crescimento dessazonalizado de 3,3%

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI DE ABERTURA COMERCIAL Com recuperação da demanda doméstica, o desafio é elevar a competitividade da indústria brasileira A reversão da tendência de depreciação do real e o início da recuperação

Leia mais

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC CONJUNTURA Maio-2017 FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC INFLAÇÃO FICARÁ ABAIXO DA META EM MEADOS DE 2017 IPCA ACUMULADO EM 12 MESES (%) Fonte: IBGE; Elaboração: CNI DCEE Departamento de Competitividade,

Leia mais

Perspectivas para o Saldo da Balança Comercial

Perspectivas para o Saldo da Balança Comercial Perspectivas para o Saldo da Balança Comercial Maio/2008 Sumário: Em sua última reunião, o Banco Central decidiu por começar um novo ciclo de elevação da Taxa Selic, inicialmente de 11,25% para 11,75%,

Leia mais