ano V, n 47, Março de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ano V, n 47, Março de 2015"

Transcrição

1 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto da desvalorização da taxa de câmbio nominal (6,9%), pois os preços das exportações recuaram 3,2%, enquanto os custos de produção aumentaram 0,8%, no mesmo período (Tabela 1). Na comparação com fevereiro de 2014, o Índice de rentabilidade das exportações totais apresentou variação negativa (-4,6%). Visto que a variação do câmbio no período contribuiu positivamente, a queda da Rentabilidade foi provocada pelo intenso declínio dos preços das exportações (-17,6%), acrescido do aumento dos custos de 2,1%, na mesma comparação. No acumulado do ano, 21 dos 29 setores registraram elevação no Índice de rentabilidade das exportações, em relação ao mesmo período de Com destaque para as altas nos setores: Outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores (16,0%); Máquinas e equipamentos (11,9%); Veículos automotores, reboques e carrocerias (4,3%) e Agricultura e pecuária (3,4%). No entanto, setores importantes para as exportações brasileiras registraram queda no mesmo período, como os setores: Extração de petróleo e gás natural (-45,5%), Extração de minerais metálicos (-29,1%), Produtos químicos (-3,3%) e Celulose, papel e produtos de papel (-2,4%) (Tabela 2). A cotação do Dólar na média diária do mês de fevereiro alcançou R$ 2,82, o que representou alta de 6,9% frente ao mês anterior. A taxa de câmbio real em relação ao Dólar deflacionada pelo IPA (Tabela 3) teve desvalorização de 5,9% em fevereiro, comparado a janeiro e desvalorização de 8,0% na comparação com o mesmo mês de Em relação ao Euro, houve valorização de 5,5% no mês frente ao mesmo mês do ano passado. Em 12 meses, houve desvalorizações de 4,0% em relação ao Dólar e valorização de 1,4% em relação ao Iene, ambas tendo o IPA como deflator. Em fevereiro a taxa de câmbio real deflacionada pelo IPC (Tabela 4) registrou desvalorização de 6,4%, em relação ao Dólar, ante o mês de janeiro. Em relação à cesta ALADI, houve desvalorização de 5,7%, no mesmo período. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a desvalorização foi de 9,4% frente ao Dólar e de 10,8% comparado à cesta ALADI. O Índice de demanda externa efetiva registrou variação negativa de 10,8% em janeiro de 2015, contra dezembro de 2014, em parte, devido às quedas das importações da China (22,6%), dos EUA (-7,9%), da Argentina (-6,2%) e da União Europeia (-3,0%). O Índice de importação mundial registrou queda de 5,9% no mesmo período (Tabela 5). Em 12 meses, a Demanda externa efetiva apresentou ligeira elevação de 0,2%, enquanto a Importação mundial se elevou 0,7%. O Balanço de Pagamentos registrou superávit de US$ 1,0 bilhão em fevereiro. As Transações Correntes apresentaram déficit de US$ 6,9 bilhões no mês, e acumularam desequilíbrio de US$ 17,5 bilhões no bimestre. No acumulado dos últimos 12 meses, as Transações Correntes apresentaram saldo negativo de aproximadamente US$ 89,8 bilhões, equivalente a 4,22% do PIB. De outro lado, a Conta Capital e Financeira registrou ingressos líquidos de US$ 7,6 bilhões em fevereiro e acumulou US$ 96,2 bilhões em 12 meses (Tabela 6). Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ / Tel.: (55.21)

2 COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DE TAXA DE CÂMBIO REAL E DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE SETORES INDUSTRIAIS SELECIONADOS Nos Gráficos I, II e III apresentamos os Índices de rentabilidade das exportações dos três setores industriais selecionados, os Índices de taxa de câmbio efetiva real, deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e pelo Índice de Preços ao Atacado (IPCA). Os setores selecionados tiveram participação de 36,3% no total exportado no mês de fevereiro. Observamos que, para o setor Veículos automotores, reboques e carrocerias, há certa semelhança no comportamento dos três Índices ao longo do período analisado (Gráfico I). Para o setor Metalurgia (Gráfico II), no período entre junho de 2013 e junho de 2014, verificamos distanciamento entre o Índice de rentabilidade das exportações e os Índices de taxa de câmbio efetiva real. No período, houve diminuição dos preços das exportações provocando efeito negativo sobre o Índice de rentabilidade do setor, enquanto o Producer Prices Index (PPI) e o Consumer Prices Index (PPC) apresentaram elevações contribuindo positivamente para a evolução dos Índices de taxa de câmbio efetiva real. Desde junho de 2013 o Índice de rentabilidade do setor Produtos Alimentícios (Gráfico III) se distanciou dos Índices de taxa de câmbio efetiva real. A diminuição do preço das exportações e o aumento do custo de produção, muitas das vezes, reduziram os efeitos positivos da desvalorização do câmbio nominal observada no período. Gráfico I Setor: Veículos automotores, reboques e carrocerias. Índice de rentabilidade das exportações, Índices de taxa de câmbio efetiva real, deflacionado pelo IPA e pelo IPC. 140 Base: Fevereiro de 2012: Índice da taxa de câmbio real deflacionado pelo IPA Índice da taxa de câmbio real deflacionado pelo IPC Índice de rentabilidade do setor Veículos automotores, reboques e carrocerias Fonte: Elaborado pela Funcex - 2/7 -

3 Gráfico II Setor: Metalurgia. Índice de rentabilidade das exportações, Índices de taxa de câmbio efetiva real, deflacionado pelo IPA e pelo IPC. 140 Base: Fevereiro de 2012: Índice da taxa de câmbio real deflacionado pelo IPA Índice da taxa de câmbio real deflacionado pelo IPC Índice de rentabilidade do setor Metalurgia Fonte: Elaborado pela Funcex Gráfico III Setor: Produtos alimentícios. Índice de rentabilidade das exportações, Índices de taxa de câmbio efetiva real, deflacionado pelo IPA e pelo IPC. Base: Fevereiro de 2012: Índice da taxa de câmbio real deflacionado pelo IPA Índice da taxa de câmbio real deflacionado pelo IPC Índice de rentabilidade do setor Produtos alimentícios Fonte: Elaborado pela Funcex Informações disponíveis até 27/03/ /7 -

4 TABELAS Tabela 1 Índice de rentabilidade das exportações e seus componentes Período Índice de - 4/7 - Componentes do índice rentabilidade Taxa de câmbio Preço das Custo de nominal exportações produção ,0 57,3 243,1 163, ,1 66,8 231,1 173, ,8 73,8 223,7 183, ,6 80,5 211,9 192,1 fev 14 91,3 81,5 215,4 192,3 mar 14 88,8 79,5 216,6 194,1 abr 14 84,6 76,3 215,2 194,2 mai 14 86,3 75,9 217,6 191,5 jun 14 87,7 76,4 219,1 190,9 jul 14 85,9 76,0 214,2 189,6 ago 14 87,3 77,5 213,8 189,8 set 14 * 88,0 79,7 210,1 190,4 out 14 * 89,4 83,7 204,6 191,5 nov 14 * 89,8 87,1 201,1 195,1 dez 14 * 89,7 90,2 194,1 195,3 jan 15 * 84,8 90,1 183,4 194,7 fev 15 * 87,1 96,3 177,5 196,3 fev 15 / jan 15 2,6 6,9 (3,2) 0,8 fev 15 / fev 14 (4,6) 18,2 (17,6) 2,1 Acumulado no ano (7,3) 14,4 (17,2) 2,1 Acumulado 12 meses (3,7) 8,5 (7,4) 4,0 Fonte: Elaborado pela Funcex a partir de dados IBGE, FGV, Fipe, ANEEL, Fiesp e BACEN. Tabela 2 Índice de rentabilidade das exportações segundo total e setores da CNAE 2.0 Base: dezembro de 2003 = 100 Setores da CNAE fev/15* fev/15* / fev/15* / No ano 12 meses jan/15 fev/14 Agricultura e pecuária 92,6 92,7 95,2 1,6 5,9 3,4 1,8 Produção florestal 127,3 151,1 174,5 5,3 29,4 22,9 17,4 Pesca e aqüicultura 106,8 116,2 103,4 4,2 (1,5) 4,3 9,2 Extração de petróleo e gás natural 153,0 145,8 76,0 (18,5) (48,9) (45,5) (13,3) Extração de minerais metálicos 156,5 129,8 114,1 2,4 (27,5) (29,1) (22,7) Extração de minerais não-metálicos 57,3 59,0 69,4 4,1 17,5 12,2 3,1 Produtos alimentícios 90,2 91,7 95,4 5,3 4,7 0,4 0,8 Bebidas 95,6 91,5 102,6 8,3 (6,9) 1,4 (4,9) Produtos do fumo 92,3 93,8 104,3 4,7 10,6 6,2 (0,5) Produtos têxteis 78,7 78,5 82,0 3,3 (0,9) (2,8) (2,4) Confecção de artigos do vestuário e acessórios 104,5 114,5 136,7 19,3 25,0 0,2 5,0 Couros, artefatos de couro, artigos para viagem e calçados 80,3 90,6 100,5 6,0 11,4 10,2 11,4 Produtos de madeira 78,1 82,3 96,2 5,6 14,6 10,8 4,6 Celulose, papel e produtos de papel 64,0 61,8 67,1 7,7 3,6 (2,4) (5,5) Impressão e reprodução de gravações 60,9 62,2 65,6 0,1 30,1 34,9 14,7 Derivados do petróleo, biocombustíveis e coque 117,4 118,2 85,0 (2,6) (31,4) (31,6) (6,2) Produtos químicos 86,3 88,0 87,5 1,6 (2,9) (3,3) (0,0) Produtos farmoquímicos e farmacêuticos 57,7 63,4 64,4 5,3 (2,2) (0,7) 8,0 Produtos de borracha e de material plástico 90,4 90,3 98,0 6,1 4,5 1,1 (1,7) Produtos de minerais não-metálicos 68,6 68,1 75,8 3,8 4,8 3,4 (1,8) Metalurgia 79,0 84,1 95,6 2,0 18,1 17,2 8,9 Produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos 81,0 88,1 98,6 13,1 13,7 5,2 6,5 Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos 47,6 50,2 61,3 3,8 26,7 25,2 9,4 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 91,0 96,9 101,2 4,0 0,9 (3,9) 3,0 Máquinas e equipamentos 78,7 80,5 91,5 (1,4) 12,6 11,9 2,5 Veículos automotores, reboques e carrocerias 82,5 82,7 92,2 6,0 9,2 4,3 (0,5) Outros equipamentos de transporte, exceto veículos automotores 45,9 47,3 54,4 6,7 27,2 16,0 3,9 Móveis 61,3 63,9 74,2 14,7 17,2 6,5 3,3 Indústrias diversas 89,4 96,4 112,7 (20,7) 22,3 22,6 10,6 Total 89,8 88,6 87,1 2,6 (4,6) (7,3) (3,7) Fonte: Elaborado pela Funcex a partir de dados IBGE, FGV, Fipe, ANEEL, Fiesp e BACEN.

5 Tabela 3 Índices de taxa de câmbio real e de taxa de câmbio efetiva real Utilizando o IPA como deflator Período R$/US$ R$/Iene R$/ALADI * R$/Europa * R$/Cesta de 13 moedas * ,6 52,1 64,4 50,1 55, ,1 56,8 71,0 52,8 60, ,9 49,0 71,5 56,6 63, ,0 48,7 66,3 58,5 64,5 fev 14 64,0 50,0 66,0 61,3 66,2 mar 14 61,7 47,8 63,4 59,3 63,3 abr 14 59,4 47,0 61,1 56,6 60,9 mai 14 59,8 47,8 62,3 56,7 61,4 jun 14 61,0 48,6 63,6 57,3 62,6 jul 14 61,2 49,2 64,6 57,3 63,2 ago 14 62,0 49,5 65,3 57,3 63,9 set 14 * 63,8 48,9 66,9 57,3 64,7 out 14 * 65,6 50,2 69,5 58,5 66,3 nov 14 * 66,5 47,7 71,2 58,9 66,8 dez 14 * 67,4 47,8 72,8 59,6 67,5 jan 15 * 65,3 47,4 71,5 55,6 65,1 fev 15 * 69,1 50,2 75,6 57,9 68,7 fev 15 / jan 15 5,9 6,0 5,8 4,2 5,7 fev 15 / fev 14 8,0 0,4 14,6 (5,5) 3,9 Acumulado 12 meses 4,0 (1,4) (5,2) (0,3) (0,0) Fonte: Elaborado pela Funcex a partir de dados de bancos centrais e institutos de pesquisa dos 14 países e do IMF. Tabela 4 Índices de taxa de câmbio real e de taxa de câmbio efetiva real Utilizando o IPC como deflator Período R$/US$ R$/Iene R$/ALADI * R$/Europa * R$/Cesta de 13 moedas * ,2 53,7 58,1 51,6 55, ,4 59,1 64,3 54,3 60, ,6 50,6 65,0 59,3 63, ,9 49,1 58,1 61,2 63,9 fev 14 61,6 51,7 58,9 64,8 66,5 mar 14 60,0 50,0 57,6 64,0 64,6 abr 14 57,4 48,6 55,4 61,0 62,0 mai 14 57,0 48,6 55,2 60,0 61,4 jun 14 57,3 48,6 55,5 59,7 61,7 jul 14 56,9 48,5 55,5 58,8 61,3 ago 14 57,8 48,9 55,9 59,0 62,1 set 14 * 59,3 48,1 57,0 58,8 62,6 out 14 * 61,8 49,8 59,7 60,4 64,6 nov 14 * 63,5 47,7 61,9 61,3 65,9 dez 14 * 64,9 47,8 63,0 62,2 66,6 jan 15 * 63,4 47,3 61,6 56,8 63,8 fev 15 * 67,4 49,7 65,2 59,3 67,3 fev 15 / jan 15 6,4 5,2 5,7 4,3 5,6 fev 15 / fev 14 9,4 (3,9) 10,8 (8,5) 1,1 Acumulado 12 meses 2,9 (4,1) (8,9) (1,1) (1,9) Fonte: Elaborado pela Funcex a partir de dados de bancos centrais e institutos de pesquisa dos 14 países e do IMF. - 5/7 -

6 Tabela 5 Índices de demanda externa efetiva e importação mundial Período Demanda externa efetiva Importação mundial ,2 212, ,7 213, ,1 216, ,8 218,8 jan ,8 217,0 fev ,1 200,5 mar ,9 225,0 abr ,3 223,0 mai ,7 220,1 jun ,4 218,6 jul ,1 226,7 ago 14 * 296,7 207,8 set 14 * 313,7 227,8 out 14 * 312,7 225,2 nov 14 * 285,6 208,6 dez 14 * 294,0 224,7 jan 15 * 262,4 211,5 jan 15 / dez 14 (10,8) (5,9) jan 15 / jan 14 (12,8) (2,5) Acumulado 12 meses 0,2 0,7 Fonte: Elaborado pela Funcex a partir de dados de bancos centrais e institutos de pesquisa de 16 países e do IMF. Tabela 6 Balanço de Pagamentos brasileiro Em US$ $ Milhões Itens No mês Acumulados fev/15 No ano 12 meses No mês No ano 12 meses Transações correntes (6.878) (17.533) (89.850) (6,9) (7,6) 9,0 Balança comercial (FOB) (2.842) (6.016) (3.778) 33,5 (2,9) - Serviços e rendas (4.194) (11.773) (87.908) (22,3) (10,2) 0,9 Serviços (2.803) (6.417) (48.568) (18,5) (5,3) 2,2 Juros (690) (2.998) (14.529) (2,4) 14,3 (0,0) Lucros e dividendos (727) (2.412) (25.150) (43,5) (36,3) (1,7) Demais (21,2) (21,7) (34,7) Transferências unilaterais correntes ,3 (25,1) (39,1) Conta capital e financeira ,3 (10,7) 30,0 Investimento direto (45,8) (87,9) (18,6) No exterior (264) (5.572) (2.479) No país (31,7) (26,5) (8,6) Investimentos em carteira ,2 130,9 41,3 Desembolsos de médio e longo prazos ,3 15,6 16,7 Amortizações de médio e longo prazos 2 (6.832) (12.799) (53.112) 88,4 46,4 (15,1) Demais (6,6) (66,4) (18,0) Erros e omissões (76,2) (52,5) 24,2 Variação de reservas ,2 (49,6) - Notas: 1- Crédito de fornecedores, empréstimos e papéis colocados no exterior. Exclui desembolsos de empréstimos intercompanhias. 2- Amortizações de crédito de fornecedores, empréstimos e papéis colocados no exterior. Exclui amortizações de empréstimos tomados pelo Banco Central e de empréstimos intercompanhias. (-) valores não disponíveis (**) variação acima de 1.000%. Fonte: Elaborado pela Funcex a partir das notas para imprensa do Banco Central. - 6/7 -

7 APÊNDICE METODOLÓGICO Índice de Rentabilidade das Exportações Calculado pela multiplicação da taxa de câmbio nominal média do mês (R$/US$) pelo índice de preço de exportação (total ou de cada setor). O resultado é deflacionado pelo índice de custo de produção dos bens, medidos em reais. O índice de custo (total e setorial) é calculado a partir das variações dos preços dos insumos de procedência nacional, dos insumos importados, dos serviços e dos salários e encargos, com os respectivos pesos obtidos da matriz insumo-produto de 2005 do IBGE. Índice da Taxa de Câmbio Real Calculado com base na respectiva taxa de câmbio nominal média do mês (BACEN-Venda) corrigida de duas formas: (i) pela relação entre o correspondente índice de preços atacadista externo e o índice de preços atacadista doméstico (IPA-DI da FGV); (ii) pela relação entre o correspondente índice de preços ao consumidor externo e o índice de preços ao consumidor doméstico (IPC-DI da FGV). O índice da Taxa de Câmbio Efetiva Real é calculado com base nas taxas de câmbio reais dos países que compõem a respectiva cesta, ponderadas pela participação média de cada país na corrente de comércio (exportação e importação) do Brasil. Índice de Demanda Externa Média ponderada das variações mensais das importações dos principais países de destino das exportações brasileiras. São considerados os países cuja participação conjunta no total da pauta na média dos três anos anteriores seja de, no mínimo, 75%. Índice de Valor da Importação Mundial Calculado a partir da série mensal de valor das importações mundiais fornecida pelo International Financial Statistics do FMI. Devido à defasagem existente na divulgação destes dados, os índices dos últimos meses são estimados pela Funcex. Notação Os valores assinalados em negrito e itálico indicam correções em relação a valores divulgados no boletim anterior. Os valores assinalados entre parênteses indicam variações negativas. O ( ) indica que não houve declaração de valor nesse período. Os meses assinalados com asterisco (*) apresentam informações ainda preliminares. - 7/7 -

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

ano IV, n 33, Janeiro de 2014

ano IV, n 33, Janeiro de 2014 ,, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de Rentabilidade das Exportações registrou alta de 2,0% em dezembro de 2013 na comparação com novembro (Tabela 1), em virtude, mais uma vez, da desvalorização do câmbio

Leia mais

ano XIX n 3 Março de 2015

ano XIX n 3 Março de 2015 ano XIX n 3 EM FOCO O Índice de preços das exportações totais apresentou acentuada queda de 17,6% em fevereiro, na comparação com fevereiro de 2014, em função das variações negativas registradas em todas

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

ano IV, n 40 agosto de 2014

ano IV, n 40 agosto de 2014 ano IV, n 40 agosto de 2014 SÍNTESE JULHO DE 2014 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Julho 23.024 21.450 1.574 Variação em relação a julho de 2013 10,7% - 5,5 % 3.473 Acumulado no ano

Leia mais

ano III, n 21, janeiro de 2013 Período Exportações Importações Saldo

ano III, n 21, janeiro de 2013 Período Exportações Importações Saldo ano III, n 21, janeiro de 2013 SÍNTESE DEZEMBRO DE 2012 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Dezembro de 2012 19.748 17.500 2.249 Variação em relação a dezembro de 2011-10,8 % - 4,4 %

Leia mais

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 SÍNTESE JANEIRO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Janeiro 13.704 16.878-3.174 Variação em relação a Janeiro de 2014-14,5 % -16,0 % 894 Acumulado

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 2º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 3º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 4º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 4º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 4º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Outubro/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Outubro/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 1º Trimestre/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez16/Nov16 (%) dessaz. Dez16/Dez15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out17/Set17 (%) dessaz. Out17/Out16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Março de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL. Resultados de Maio de 2017 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PIM-PF BRASIL Resultados de o de 2017 Data: 04/07/2017 Resumo o/2017 Variação (%) Grandes Categorias Econômicas Acumulado nos o 2017/il 2017* o 2017/o 2016

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 4 outubro/dezembro de 2012 www.cni.org.br Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Apesar da queda nos embarques para a Argentina (6%), trata-se do melhor

Leia mais

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 São Paulo, 06 de outubro de 2015 AGOSTO DE 2015 Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 Até agosto de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$ 36,8 bilhões.

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 1 Número 2 outubro/dezembro de 2011 www.cni.org.br Indústria brasileira continua perdendo com a valorização cambial

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

DESTAQUE: As exportações brasileiras e a evolução do comércio mundial

DESTAQUE: As exportações brasileiras e a evolução do comércio mundial O saldo comercial brasileiro em setembro voltou a superar a marca de US$ 3 bilhões. As exportações ficaram mais uma vez próximas de US$ 9 bilhões, com crescimento de 22,6% em relação ao mesmo mês de 2003.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JUNHO Exportações A forte redução no mês foi causada pela contabilização como exportação da

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Mercado externo fica mais importante para a indústria O mercado externo torna-se mais importante para a indústria brasileira, sobretudo para os setores

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 10 novembro 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Outubro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

1. Economia. Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior

1. Economia. Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior Novembro/2017 1 1. Economia Evolução do PIB Trimestral Variação (%) acumulada ao longo do ano, mesmo período do ano anterior Evolução do PIB Trimestral Variação (%) trimestre contra o trimestre imediatamente

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 As exportações do Estado do Paraná, em abril de 2016, foram de US$ 1,499 bilhão. As principais contribuições foram de produtos alimentares (complexo

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Fevereiro de 2016 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Janeiro de 2016 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit COLETIVA DE IMPRENSA Rafael Cervone Presidente da Abit RESULTADOS 2014 Var.% em relação ao mesmo período do ano anterior 2013 2014* Perfil 2014* Emprego +7.273-20.000 1,6 milhão Produção Vestuário -1,3%

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Outubro de Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil

Outubro de Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil Outubro de 2012 Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior Aplicação líquida de IBD em outubro mais modesta: os investimentos brasileiros diretos no exterior registraram aplicações líquidas de

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008

A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008 A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008 Francisco E. P. de Souza Rio de Janeiro, 17/01/2008 Tabela 2 - Projeções do mercado e do Grupo de Conjuntura para 2007 Mercado Grupo de Conjuntura

Leia mais

Janeiro registrou ingresso de US$ 4,0 bi em IED

Janeiro registrou ingresso de US$ 4,0 bi em IED São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. Janeiro de 2015 Janeiro registrou ingresso de US$ bi em IED No primeiro mês de 2015, o Brasil recebeu US$ 3,97 bilhões em investimentos estrangeiros diretos (IED). O

Leia mais

São Caetandr_sao_caetano 31 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO CAETANO DO SUL. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

São Caetandr_sao_caetano 31 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO CAETANO DO SUL. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação São Caetandr_sao_caetano 31 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO CAETANO DO SUL Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de São

Leia mais

Diadema dr_diadema 11 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE DIADEMA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Diadema dr_diadema 11 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE DIADEMA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Diadema dr_diadema 11 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE DIADEMA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Diadema representa apenas

Leia mais

São Bernardr_sao_bernardo 30 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

São Bernardr_sao_bernardo 30 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação São Bernardr_sao_bernardo 30 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI DE ABERTURA COMERCIAL Com recuperação da demanda doméstica, o desafio é elevar a competitividade da indústria brasileira A reversão da tendência de depreciação do real e o início da recuperação

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2011 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 44 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002 DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 22 Os dados de agosto do setor externo brasileiro mostram a persistência das dificuldades na atração de fluxos externos em todas as modalidades: investimento direto estrangeiro

Leia mais

Números de Empresas e Emprego Industrial

Números de Empresas e Emprego Industrial 1 1 Números de Empresas e Emprego Industrial DEPECON/FIESP 08/08/2005 2 2 A FIESP consultou o Cadastro de Estabelecimentos e Empresas referente à sua parte industrial (Min. do Trabalho e Emprego) resultando

Leia mais

Cubatão dr_cubatao 10 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE CUBATÃO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Cubatão dr_cubatao 10 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE CUBATÃO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Cubatão dr_cubatao 10 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE CUBATÃO Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Cubatão representa três

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 06 julho 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Junho de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado de

Leia mais

Guarulhos dr_guarulhos 13 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE GUARULHOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Guarulhos dr_guarulhos 13 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE GUARULHOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Guarulhos dr_guarulhos 13 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE GUARULHOS Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Guarulhos representa

Leia mais

Americana dr_americana 2 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE AMERICANA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Americana dr_americana 2 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE AMERICANA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Americana dr_americana 2 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE AMERICANA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Americana representa

Leia mais

Piracicaba dr_piracicaba 23 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE PIRACICABA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Piracicaba dr_piracicaba 23 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE PIRACICABA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Piracicaba dr_piracicaba 23 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE PIRACICABA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Piracicaba representa

Leia mais

EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO São Paulo, 06/Dez/2007 1 1 Entidades da Indústria vêem alertando sobre a gravidade da situação cambial Estudos Depecon-FIESP (www.fiesp.com.br)

Leia mais

Números de Empresas e Emprego Industrial

Números de Empresas e Emprego Industrial 1 1 Números de Empresas e Emprego Industrial DEPECON/FIESP 24/03/2006 2 2 A FIESP consultou o Relatório Anual de Informações Sociais referente à sua parte industrial (Rais - Min. do Trabalho e Emprego)

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

Santos dr_santos 29 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SANTOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Santos dr_santos 29 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SANTOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Santos dr_santos 29 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SANTOS Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Santos representa seis municípios

Leia mais

Rio Claro dr_rio_claro 26 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE RIO CLARO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Rio Claro dr_rio_claro 26 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE RIO CLARO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Rio Claro dr_rio_claro 26 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE RIO CLARO Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Rio Claro representa

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais

DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE COTIA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação. Última atualização em 01 de novembro de 2017

DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE COTIA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação. Última atualização em 01 de novembro de 2017 Cotia dr_cotia 9 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE COTIA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Cotia representa seis municípios

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL exportações líquidas da indústria de transformação cai para -1% O coeficiente de exportação da indústria geral se mantém estável em 20. Já os coeficientes de penetração

Leia mais

São José dodr_sao_jose_dos_campos 35 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

São José dodr_sao_jose_dos_campos 35 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação São José dodr_sao_jose_dos_campos 35 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP

Leia mais

Osasco dr_osasco 22 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE OSASCO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Osasco dr_osasco 22 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE OSASCO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Osasco dr_osasco 22 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE OSASCO Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Osasco representa sete municípios

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE CÂMBIO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

REFLEXÕES SOBRE CÂMBIO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR REFLEXÕES SOBRE CÂMBIO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fernando J. Ribeiro Economista-chefe chefe da FUNCEX Workshop CINDES Rio de Janeiro 5 de agosto de 2011 09/08/2011 VISÃO MACROECONÔMICA DA BALANÇA

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2013 As exportações em junho apresentaram queda de -6,35% em relação a maio. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo a US$

Leia mais

São Carlos dr_sao_carlos 32 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO CARLOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

São Carlos dr_sao_carlos 32 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO CARLOS. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação São Carlos dr_sao_carlos 32 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO CARLOS Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de São Carlos representa

Leia mais

São Paulo dr_sao_paulo 36 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO PAULO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

São Paulo dr_sao_paulo 36 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO PAULO. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação São Paulo dr_sao_paulo 36 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE SÃO PAULO Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A região de São Paulo corresponde às diretorias

Leia mais

Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação

Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação Gráfico 1 CE e PI da Indústria de transformação e taxa de câmbio real CE e PI(%) 20 A taxa média de câmbio efetiva real

Leia mais

Jundiaí dr_jundiai 17 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE JUNDIAÍ. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Jundiaí dr_jundiai 17 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE JUNDIAÍ. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Jundiaí dr_jundiai 17 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE JUNDIAÍ Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Jundiaí representa 11

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Fevereiro de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Análise de Conjuntura Janeiro 2014 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico manteve em Dezembro, a tendência de melhoria

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS AGOSTO/2016 Resumo de desempenho Agosto 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE JAÚ. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação. Última atualização em 01 de novembro de 2017

DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE JAÚ. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação. Última atualização em 01 de novembro de 2017 Jaú dr_jau 16 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE JAÚ Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Jaú representa 11 municípios paulistas:

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

MAPEAMENTO DA ATIVIDADE ECONÔMICA NO DF. Brasília, 16/02/2017 CODEPLAN

MAPEAMENTO DA ATIVIDADE ECONÔMICA NO DF. Brasília, 16/02/2017 CODEPLAN MAPEAMENTO DA ATIVIDADE ECONÔMICA NO DF Brasília, 16/02/2017 CODEPLAN ROTEIRO O TRABALHO DE MAPEAMENTO DAS EMPRESAS PELA CODEPLAN E A FONTE DE DADOS O QUE JÁ CONHECEMOS SOBRE O MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016 As exportações paranaenses, em março, apresentaram aumento de +48,60% em relação a fevereiro. O valor exportado atingiu a US$ 1,490 bilhão, o mais

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS DEZEMBRO/2015 Resumo de desempenho Dezembro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês mês

Leia mais

Araraquaradr_araraquara 4 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE ARARAQUARA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Araraquaradr_araraquara 4 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE ARARAQUARA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Araraquaradr_araraquara 4 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE ARARAQUARA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Araraquara representa

Leia mais

Janeiro de Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil

Janeiro de Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil Janeiro de 2013 Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior Aplicação líquida de IBD aumenta: os investimentos brasileiros diretos no exterior registraram aplicações líquidas de US$ 293 milhões

Leia mais

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO - 2011-2014 ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 12 janeiro 2017 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Dezembro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Vale do Ribdr_vale_do_ribeira 40 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE VALE DO RIBEIRA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Vale do Ribdr_vale_do_ribeira 40 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE VALE DO RIBEIRA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Vale do Ribdr_vale_do_ribeira 40 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE VALE DO RIBEIRA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Vale

Leia mais

A Inflação no Brasil: Um Diagnóstico do Setor Industrial 30 de Junho de 2008

A Inflação no Brasil: Um Diagnóstico do Setor Industrial 30 de Junho de 2008 A Inflação no Brasil: Um Diagnóstico do Setor Industrial 30 de Junho de 2008 Nos dois últimos Relatórios de Inflação divulgados pelo Banco Central, a autoridade monetária tem reiterado sua preocupação

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

Franca dr_franca 12 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE FRANCA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Franca dr_franca 12 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE FRANCA. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Franca dr_franca 12 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE FRANCA Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 01 de novembro de 2017 A Diretoria Regional do CIESP de Franca representa 19 municípios

Leia mais