SETOR EXTERNO EM AGOSTO DE 2004 UMA PROJEÇÃO MELHOR DO IDE PARA O ANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETOR EXTERNO EM AGOSTO DE 2004 UMA PROJEÇÃO MELHOR DO IDE PARA O ANO"

Transcrição

1 SETOR EXTERNO EM AGOSTO DE 24 UMA PROJEÇÃO MELHOR DO IDE PARA O ANO No oitavo mês do ano, a conta corrente mais uma vez atingiu um superávit superior a US$ 3 bilhões, puxada pela balança comercial, superavitária em US$ 3,4 bilhões. A balança comercial ficou superavitária em US$ 3,5 bilhões. Já a conta serviços e rendas, manteve-se no patamar de junho: déficit de US$ 2 bilhões. O conjunto das principais fontes de financiamento teve seu montante incrementado sobejamente pela expansão do IDE (líquido), que alcançou US$ 6,1 bilhões. Porém tal cifra decorreu de uma operação casada entre uma empresa de residentes e outra de não-residentes. Assim, US$ 4,98 bilhões de ingresso de IDE foram compensados por saídas equivalentes de investimentos brasileiros diretos no exterior. Em paralelo, a taxa de rolagem ficou bastante baixa, em 36%. Tal dificuldade também se observou na taxa de rolagem do setor privado: 4%. A dívida externa (dado apurado para junho último), a seu turno, apresentou comportamento melhor, com novo declínio do estoque. Mas o patamar da dívida externa e o baixo nível das reservas ainda ensejam cautela. Felizmente o Banco Central divulgou que, devido a uma pesquisa feita junto a empresas, refez as projeções para o IDE de 24, elevando-o de US$ 13 bilhões para US$ 17 bilhões. Não fosse por tal mudança, com que fonte de recursos fecharíamos nossas contas externas? Transações Correntes No oitavo mês do ano, a conta corrente do País logrou novamente uma condição superavitária e praticamente equivalente ao registrado em julho último: US$ 1,8 bilhão. Com isso, a relação transações correntes/ PIB atingiu um superávit de 1,8% no acumulado em doze meses. A balança comercial novamente foi o principal fator para tal número, obtendo um saldo positivo de US$ 3,4 bilhões, consumando assim uma série de quatro meses consecutivos nos Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 1

2 quais as exportações líquidas ultrapassaram a casa dos US$ 3 bilhões. As exportações alcançaram seu segundo maior valor da história: US$ 9,1 bilhões, montante só inferior ao de junho do corrente ano. Esse patamar foi de suma relevância para o saldo comercial, uma vez que as importações brasileiras alcançaram nesse mês US$ 5,6 bilhões, o maior valor desde setembro de O saldo de serviços e de rendas permaneceu deficitário em US$ 2 bilhões, tal como nos dois meses anteriores. Em agosto de 23, o déficit havia sido de US$ 1,7 bilhão. A conta de serviços registrou uma melhora na comparação com o mesmo mês do ano anterior: déficit de US$ 486 milhões contra déficit de US$ 56 milhões. Em contrapartida, em julho último as despesas líquidas com serviços ficaram em US$ 446 milhões. As despesas líquidas com viagens internacionais perfizeram um saldo positivo de US$ 9 milhões, diferindo do bimestre anterior, cujos resultados foram negativos. Em agosto de 23, as viagens foram superavitárias em US$ 25 milhões. Os gastos líquidos com transportes chegaram a US$ 188 milhões. Dentre os outros destaques na conta de serviços estão aluguel de equipamentos (com déficit de US$ 147 milhões), royalties e licenças (déficit de US$ 16 milhões) computação e informações (déficit de US$ 99 milhões). A remessa líquida de rendimentos para o exterior alcançou US$ 1,5 bilhão, mostrando uma regularidade nessa rubrica ao longo dos últimos três meses. Ressalte-se que, em agosto do ano passado, o déficit dessa conta ficou em US$ 1,2 bilhão. 4. Transações Correntes e Balança Comercial - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Transações correntes Balança comercial Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 2

3 Déficit em Transações Correntes - % PIB, Acumulado em 12 Meses 3,2 2,8 2,3 2, 1,7 1,4 1,2,9,7,1 -,3 -,5 -,7 -,7 -,7 -,7 -,8 -,9-1, -1,1-1,1-1,2-1,5-1,7-1,8 ago/2 set/2 out/2 nov/2 dez/2 jan/3 fev/3 mar/3 abr/3 mai/3 jun/3 jul/3 ago/3 set/3 out/3 nov/3 dez/3 jan/4 fev/4 mar/4 abr/4 mai/4 jun/4 jul/4 ago/4 35 Transações Correntes e Balança Comercial Valores Acumulados em 12 Meses - US$ Bilhões ago/99 nov/99 fev/ mai/ ago/ nov/ fev/1 mai/1 ago/1 nov/1 fev/2 mai/2 ago/2 nov/2 fev/3 mai/3 ago/3 nov/3 fev/4 mai/4 ago/4 Transações correntes Balança comercial Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 3

4 2 Viagens Internacionais e Outros Serviços - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Viagens internacionais Outros serviços Juros e Lucros e Dividendos - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Lucros e dividendos Juros Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 4

5 Os Fluxos de Capitais Para a conta capital e financeira foi apurado saldo negativo de US$ 2,9 bilhões, fazendo de agosto o mês de maior déficit do ano. A conta capital experimentou superávit de US$ 56 milhões. Já a conta financeira registrou déficit de US$ 3 bilhões. Vale expor que, no mês anterior, essa conta ficou deficitária em US$ 1,5 bilhão, enquanto, em agosto do ano passado, o déficit não atingiu US$ 1 bilhão (US$ 81 milhões, mais precisamente). A despeito da magnitude do déficit da conta financeira, a entrada líquida de investimentos estrangeiros diretos logrou seu melhor desempenho mensal na história do balanço de pagamentos brasileiro, US$ 6,1 bilhões. No sentido contrário, mas sem a mesma expressão, os investimentos externos em carteira presenciaram sua maior saída líquida de 24: US$ 268 milhões. No tocante aos empréstimos de curto prazo, em agosto último, os desembolsos atinentes aos mesmos superaram as respectivas amortizações em US$ 178 milhões. Contudo a taxa de rolagem dos compromissos com prazos mais extensos (razão desembolsos efetivamente recebidos/ amortizações efetivamente remetidas) declinou novamente na comparação com o mês anterior: 36% contra 51%. A taxa de rolagem do setor privado, por sua vez, mostrou recuperação segundo a mesma base comparativa: 4% ante 26% registrado em julho último. Todavia tal rolagem está longe de significar boas condições de financiamento. Apesar dessa dificuldade, o IDE foi de tal monta que elevou bastante o conjunto das principais fontes de financiamento do setor externo de curto e de médio e longo prazos, chegando US$ 6,9 bilhões no mês mesmo descontando as amortizações de médio e longo prazos, o total fica em US$ 4,5 bilhões. O conjunto dessas fontes (sem descontar as amortizações relativas a operações de prazos mais extensos), em julho último, foi de US$ 2,9 bilhões e, em agosto de 23, de US$ 2,4 bilhões. Diante deste quadro geral, cumpre aprofundar alguns tópicos: As entradas líquidas dos empréstimos de curto prazo, de US$ 178 milhões, decorreu sobejamente dos títulos de renda fixa negociados fora do País. Essa rubrica registrou ingressos de US$ 1 bilhão e saídas de US$ 21 milhões. Tanto em agosto de 23, quanto em julho último, esses títulos haviam sofrido saídas líquidas. O crédito a fornecedores (líquido) apresentou saídas líquidas de US$ 87 milhões e os empréstimos e financiamentos de curto prazo experimentaram resultado negativo de US$ 5 milhões. No caso das fontes de médio e longo prazos, o número que mais se sobressaiu é o do IDE líquido de US$ 6,1 bilhões, o maior da história. No entanto tal cifra se refere à compra de ações da Ambev empresa pertencente a residentes pela sua nova parceira, a Interbrew, no montante de US$ 4,98 bilhões. Como essa operação contou com contrapartida equivalente (compra de ações da Interbrew por parte da Ambev) para a conformação da sociedade entre ambas as empresas, significando US$ 4,98 bilhões em saídas nos investimentos diretos brasileiros no exterior, o impacto do aludido ingresso no IDE para a conta financeira como um todo foi neutro. Por outro lado, ressalve-se que, mesmo retirando essa operação, o IDE líquido não ficaria distante dos melhores resultados do ano, pois atingiria US$ 1,199 bilhão. Para se ter uma idéia, o melhor desempenho de 24 até então, ocorrido em julho, foi de US$ 1,6 bilhão. Assim, os resultados do mês aliados a Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 5

6 uma pequena pesquisa feita pelo Banco Central junto a algumas multinacionais (conforme descrito por um diretor do BCB quando da divulgação dos números das contas externas) respaldaram a instituição na alteração da projeção do IDE para 24, saltando de US$ 12 bilhões para US$ 17 bilhões. Daí, a despeito das cifras do resultado líquido do IDE, as saídas líquidas de capitais brasileiros superaram os ingressos líquidos de capitais estrangeiros em US$ 692 milhões, refletindo o fato de que as operações casadas de compras de ações entre Ambev e Interbrew geraram contrapartidas e se anularam, ficando a diferença por conta de outras rubricas, a exemplo dos outros investimentos brasileiros não diretos, que incluem resultados líquidos de empréstimos e financiamentos e de moeda e depósitos, além de outros ativos. Os desembolsos de médio e longo prazos perfizeram US$ 857 milhões, o menor valor registrado em 24 até o momento. Em agosto do ano passado, tais desembolsos foram de US$ 2,7 bilhões, em julho último, de US$ 1,5 bilhão. A imprensa tem noticiado o baixo interesse de empresas brasileiras em tomar recursos em moeda estrangeira. Empréstimos de Curto Prazo (Líquido) - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Crédito comercial - fornecedores (líquido) Empréstimos e financ. (líquido) Títulos de renda fixa CP - neg. no ext Emprést. de curto prazo Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 6

7 Investimento Estrangeiro - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Invest. estrang. direto Invest. estrang. em carteira Desembolsos de Empréstimos e Amortizações de Médio e Longo Prazo - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Amortiz. de m. e l. prazo Desemb. de m. e l. prazo Desembolsos menos amortizações Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 7

8 Fluxo de Capitais - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Fluxo de capitais estrangeiros Fluxo de capitais brasileiros Fluxo líquido de capitais Saldo/Déficit de Recursos - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Fluxo líq. do ativo/passivo externo Resultado de comércio e serviços Saldo/déficit de recursos Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 8

9 Como as amortizações de médio e longo prazos se situaram em US$ 2,4 bilhões, os desembolsos ficaram aquém das amortizações em US$ 1,5 bilhão. No mês anterior, essa diferença fora de US$ 1 milhões a menos. Assim, a taxa de rolagem que já se encontrava baixa, 51%, sofreu nova queda, ficando em 36%. No que tange a essa fonte de financiamento e sua respectiva rolagem, vale esmiuçar seus componentes: As notes e commercial papers registraram amortizações de US$ 1,5 bilhão contra desembolsos de apenas US$ 188 milhões. Como não houve operações com bônus, a taxa de rolagem ficou em 13%, a mais baixa dentre os componentes. Quanto ao crédito de fornecedores (crédito comercial), suas amortizações líquidas ficaram em US$ 14 milhões. Foram rolados 42% dos compromissos, um pouco melhor do que a rolagem observada em julho último (39%), mas bem abaixo da taxa apurada em agosto do ano passado, quando mais de 1% das obrigações foram roladas. Nos empréstimos e financiamentos de médio e longo prazos, 8% das obrigações foram roladas, melhorando em relação a julho, mês no qual a taxa de rolagem ficou em somente 22%. Em agosto de 23, foram roladas 133% das obrigações. Em agosto último, as amortizações líquidas foram de US$ 148 milhões. Desta maneira, a taxa de rolagem das operações externas de médio e longo prazos sofreu novo declínio, decorrência principalmente das transações com notes e commercial papers. Quanto à taxa de rolagem do setor privado, ela se recuperou ante sua equivalente para julho último, subindo de 26% para 4%. Registre-se que, em agosto do ano passado, essa mesma taxa havia sido de 119%. Rolagem - Desembolsos / Amortizações (Médio e Longo Prazo) - % ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Bônus, notes e c. papers Crédito comercial - forneced Empréstimos e financiam Total Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 9

10 Desembolsos Menos Amortizações (Médio e Longo Prazo) - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Bônus Notes e commercial papers Desembolsos Menos Amortizações (Médio e Longo Prazo) - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Crédito comercial - fornecedores Empréstimos e financiamentos Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 1

11 Desembolsos Menos Amortizações dos Empréstimos de Médio e Longo Prazo e Empréstimos de Curto Prazo (Líquido) - US$ Milhões ago-3 set-3 out-3 nov-3 dez-3 jan-4 fev-4 mar-4 abr-4 mai-4 jun-4 jul-4 ago-4 Emprést. de médio e l. prazo Emprést. de curto prazo Em agosto, as linhas de crédito interbancárias perceberam novo declínio, em virtude da queda nas linhas de crédito para as exportações, acompanhada pela estabilidade nas demais operações. O total do estoque dessas linhas ficou em US$ 14, bilhões na última apuração, enquanto no mês anterior, esse montante foi de US$ 14,6 bilhões. Tal recuo ocorreu em consonância com o das linhas para exportação: de US$ 9,3 bilhões para US$ 8,9 bilhões. As linhas para importação e aquelas referentes às operações da Resolução 2.77 (overdrafts, time deposits, certificate of deposits e operações de repo) ficaram estáveis. Outro dado a se notar consiste nas elevadas saídas líquidas nas contas CC5 em agosto: US$ 2,2 bilhões. As saídas líquidas de julho, que até então eram o maior montante, tinham atingido US$ 515 milhões. Por fim, assinale-se que as reservas internacionais líquidas ajustadas têm permanecido na casa dos US$ 25 bilhões. Desde julho de 22, que as contas externas brasileiras não trazem reservas líquidas ajustadas superiores a este patamar. Deve-se lembrar que esse montante não confere a tranqüilidade necessária para que a economia do País enfrente eventuais situações de dificuldade na economia mundial. Este último ponto faz com que o IDE e a balança comercial adquiram um peso muito grande no que tange ao ajuste externo. Há de se observar que as projeções do Banco Central para 24 apontam para um superávit na balança comercial, de US$ 3 bilhões, superior o de 23, US$ 25 bilhões. Entretanto, como as projeções assinalam que o déficit da conta de serviços e rendas deverá crescer, de US$ 24 bilhões para US$ 27 bilhões, e que o mesmo deve ocorrer em maior monta com as amortizações de médio de longo prazos, (aumentando de US$ 27 bilhões para US$ 35 bilhões), os usos de recursos para o ano em curso (US$ 28 bilhões) deverá suplantar o do ano passado (US$ 23 bilhões) mesmo com o referido incremento no superávit comercial. Deste modo, a revisão para cima da projeção do IDE se torna essencial para que as contas externas fechem. Ou seja, para que o País disponha de meios suficientes para arcar com os usos dos recursos que a balança comercial não conseguiu cumprir. Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 11

12 25. Evolução das Linhas Interbancárias - US$ Milhões ago/1 set/1 out/1 nov/1 dez/1 jan/2 fev/2 mar/ abr/2 mai/2 jun/2 jul/2 ago/2 set/2 out/2 nov/2 dez/2 jan/3 fev/3 mar/ abr/3 mai/3 jun/3 jul/3 ago/3 set/3 out/3 nov/3 dez/3 jan/4 fev/4 mar/ abr/4 mai/4 jun/4 jul/4 ago/4 Exportação Importação Demais¹ Total Fonte: Banco Central do Brasil. Nota: 1 Inclui Resolução 2.77, antiga 63, overdrafts, time deposits, certificate of deposits e operações de repo. Contas CC5: Saídas Líquidas de Recursos - US$ Milhões ago/3 set/3 out/3 nov/3 dez/3 jan/4 fev/4 mar/4 abr/4 mai/4 jun/4 jul/4 ago/4 Fonte: Banco Central do Brasil. Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 12

13 Reservas Internacionais Líquidas Ajustadas - US$ Bilhões Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/ Dez/1 Jan/2 Fev/2 Mar/2 Abr/2 Mai/2 Jun/2 Jul/2 Ago/2 Set/2 Out/2 Nov/2 Dez/2 Jan/3 Fev/3 Mar/3 Abr/3 Mai/3 Jun/3 Jul/3 Ago/3 Set/3 Out/3 Nov/3 Dez/3 Jan/4 Fev/4 Mar/4 Abr/4 Mai/4 Jun/4 Jul/4 Ago/4 Fonte: Banco Central do Brasil. Setor Externo: Usos e Fontes de Recursos US$ milhões 23* 24* Ago Jan-Ago Ano Ago Jan-Ago Ano 6/ Usos Transações correntes Balança comercial Exportações Importações Serviços e rendas Juros Lucros e dividendos Viagens internacionais Demais Transferências unilaterais correntes Amortizações de médio e longo prazos 1/ Bônus, notes e commercial papers 2/ Crédito de fornecedores Empréstimos 3/ Fontes Conta capital Investimentos estrangeiros diretos Participação no capital (líquido) Empréstimos intercompanhias (líquido) Inv. em papéis domésticos de longo prazo e ações Desembolsos de médio e longo prazos 4/ Bônus, notes e commercial papers Crédito de fornecedores Empréstimos Ativos brasileiros no exterior Empréstimos ao Banco Central (FMI) Curto prazo e demais 5/ Ativos de reservas Fonte: Banco Central do Brasil - Nota para Imprensa: Setor Externo, Quadro II. * Dados preliminares. 1/ Registra amortizações de crédito de fornecedores de médio e longo prazos, empréstimos de médio e longo prazos e papéis de médio e longo prazos colocados no exterior. Exclui amortizações de empréstimos tomados pelo Banco Central e de empréstimos intercompanhias. 2/ Inclui projeções de exercícios de put/call de US$1,3 bilhão para 23. 3/ Registra amortizações de empréstimos concedidos por bancos estrangeiros, compradores, agências e organismos. 4/ Exclui desembolsos de empréstimos intercompanhias. 5/ Registra títulos de renda fixa de curto prazo negociados no País e negociados no exterior, empréstimos de curto prazo, crédito comercial de curto prazo, derivativos financeiros, depósitos de não-residentes, outros passivos e erros e omissões. 6/ Projeção. Em bilhões. Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 13

14 Dívida Externa A dívida externa (exclusive empréstimos intercompanhias) apurada pelo Banco Central para junho último, portanto fechando o primeiro semestre de 24, atingiu US$ 24,7 bilhões. Esse estoque de dívida representou uma retração no endividamento externo do Brasil de cerca de US$ 8,8 bilhões na comparação com o março último, de US$ 1,3 bilhões comparativamente a dezembro/ 23 e de US$ 14,2 bilhões vis-à-vis o mesmo período do ano passado. Desta forma, as relações dívida externa/ PIB e dívida externa/ exportações, em percentagens, prosseguem em trajetória descendente. Em percentagem do PIB, a dívida ficou em 38,7%, já em percentual das exportações de bens, 245,4%. Como temos frisado ao longo dos meses, os sucessivos declínios na dívida externa são essenciais para conferir maior folga nas contas brasileiras com o resto do mundo. As projeções concernentes ao biênio da J P Morgan asseveram uma posição ainda bastante desconfortável do endividamento do País no cenário internacional. Ou seja, outras economias emergentes têm apresentado não somente um volume de endividamento inferior ao do Brasil, mas também uma necessidade menor de exportar para pagar o serviço da dívida excetuando a Argentina, cuja razão pagamento de juros/ exportações de bens e serviços (inclusive transferências) é maior do que a do Brasil. Conforme exposto na nota do mês passado, o IDE em ascensão e uma balança comercial na casa dos US$ 3 bilhões significam condições melhores para que a economia cresça de modo mais sustentável justamente pelo fato de reduzirem a necessidade de financiamento externo: se, de um lado, os investimentos estrangeiros diretos proporcionam uma fonte de recurso, de outro, as exportações líquidas reduzem os usos desses mesmos recursos. 5 Dívida Externa (Exclusive Empréstimos Intercompanhias) - Em % PIB 36,5 36, 35, 45,8 45,9 45,9 45,8 45,8 45, , 4,8 37,7 37, 4,3 41,1 42,7 43,6 42, 38, , ,3 23,7 2 4T T T T T 2 2T 2 3T 2 4T 2 1T 21 2T 21 3T 21 4T 21 1T 22 2T 22 3T 22 4T 22 1T 23 2T 23 3T 23 4T 23 1T 24 2T 24 Fonte: Banco Central do Brasil Séries Temporais. Elaboração Própria. Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 14

15 49 469,9 Dívida Externa (Exclusive Empréstimos Intercompanhias) Em % Exportações ,6 451,5 415, , 361,6 393,5 393,8 359,2 372,9 374,2 359, 36,6 43, 371,1 349,1 339, 32,4 315,5 294, , ,4 4T T T T T 2 2T 2 3T 2 4T 2 1T 21 2T 21 3T 21 4T 21 1T 22 2T 22 3T 22 4T 22 1T 23 2T 23 3T 23 4T 23 1T 24 2T 24 Fonte: Banco Central do Brasil Séries Temporais. Elaboração Própria. Venezuela México Chile Brasil Argentina Turquia Rússia Polônia Tailândia Taiwan Indonésia Coréia China África do Sul Dívida Externa Total (Inclui Empréstimos Intercompanhias) - US$ Bilhões Fonte: Banco Central do Brasil, com dados do Emerging Markets Economic Indicators, JP Morgan. Nota: Os dados são estimativas/ previsões. Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 15

16 Venezuela México Chile Brasil Argentina Turquia Rússia Polônia Tailândia Taiwan Indonésia Coréia China África do Sul Pagamento de Juros - % da Exportação de Bens, Serviços e Transferências Fonte: Banco Central do Brasil, com dados do Emerging Markets Economic Indicators, JP Morgan. Nota: Os dados são estimativas/ previsões. Setor Externo em Agosto de 24 - Uma Projeção Melhor do IDE para o Ano 16

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002

DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 2002 DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO AGOSTO 22 Os dados de agosto do setor externo brasileiro mostram a persistência das dificuldades na atração de fluxos externos em todas as modalidades: investimento direto estrangeiro

Leia mais

SETOR EXTERNO EM MAIO DE 2002

SETOR EXTERNO EM MAIO DE 2002 SETOR EXTERNO EM MAIO DE 22 O PESO DA CONTA DE SERVIÇOS E RENDA Em maio de 22, o balanço de pagamentos mostrou um déficit em transações correntes abaixo daquele registrado em maio do ano passado. O resultado

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 50.000 44.703 46.457 45.166 40.000 30.000 24.794

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641 BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 60,000 50,000 24,794 33,641 44,703 46,457 40,032

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES SETOR EXTERNO BALANÇA COMERCIAL out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

CRÉDITO E JUROS EM 2003 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE

CRÉDITO E JUROS EM 2003 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE CRÉDITO E JUROS EM 3 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE 3 terminou com um volume de operações de crédito do sistema financeiro de 2,% do PIB, um incremento frente ao baixo montante registrado ao

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores:

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 3,5 bilhões Saldo: R$ 495,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação

Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação 8 análise de conjuntura Setor Externo: Panorama Internacional em Transformação Vera Martins da Silva (*) Dentro de um quadro recessivo, o setor externo continua como um fator de otimismo na economia brasileira.

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO NOTA TÉCNICA CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS Fernando J. Ribeiro Finalizado em 28/05/2015 O Banco Central do Brasil divulgou, no último mês de abril, uma nova

Leia mais

EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS

EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS EMPREGO E RENDA 2003 UM ANO DE DESEMPREGO E DE QUEDA ACENTUADA DO RENDIMENTO NOS GRANDES CENTROS URBANOS Em dezembro, a pesquisa de emprego do IBGE registrou uma taxa de desocupação de 10,9%. Como é normal

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS SOBRE BALANÇO DE PAGAMENTOS E NUMEROS ÍNDICE GABARITO Profa. Sílvia Miranda LES 0200 Contabilidade Social

LISTA DE EXERCICIOS SOBRE BALANÇO DE PAGAMENTOS E NUMEROS ÍNDICE GABARITO Profa. Sílvia Miranda LES 0200 Contabilidade Social LISTA DE EXERCICIOS SOBRE BALANÇO DE PAGAMENTOS E NUMEROS ÍNDICE GABARITO Profa. Sílvia Miranda LES 0200 Contabilidade Social Data: out/2016 1)Com base nos valores abaixo, diga qual é o saldo da balança

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Agenda I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL II. IMPACTOS SOBRE A INDÚSTRIA Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 1 I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 2

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 962 milhões Saldo: R$ 501,2 bilhões Financiamentos

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 2,6 bilhões Saldo: R$ 503,8 bilhões Financiamentos

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P D E Z E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 9,0 bilhões Saldo: R$ 516,0 bilhões Financiamentos

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Banco de Dados Nov/10

Banco de Dados Nov/10 Banco de Dados Nov/10 Movimento mundial de desvalorização do dólar. Enfraquecimento da moeda americana. Moedas asiáticas Tailândia, Malásia, Cingapura. Moedas dos países do leste europeu: Hungria, Polônia,

Leia mais

Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI (BPM6) Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec)

Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI (BPM6) Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec) Contas externas 6ª edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI () Banco Central do Brasil Departamento Econômico (Depec) Brasília, 22 de abril de 2015 Contas externas - impactos relativos ao A dinâmica

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%):

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%): SIM SEBRAE Inteligência de Mercados Edição n - Fev/6 Índice de atividade econômica - IBC-Br (%) A produção industrial brasileira apresentou leve recuperação no período de novembro a dezembro de 25. pg

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J U L H O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 4,9 bilhões Saldo: R$ 525,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 78 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 78 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 78 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A disparidade entre o lucro dos bancos e a remuneração dos bancários 1 Lucro dos bancos sobe com

Leia mais

ESTIMATIVAS DO SETOR EXTERNO NO SUPOSTO DE SUPERÁVIT COMERCIAL CRESCENTE

ESTIMATIVAS DO SETOR EXTERNO NO SUPOSTO DE SUPERÁVIT COMERCIAL CRESCENTE ESTIMATIVAS DO SETOR EXTERNO NO SUPOSTO DE SUPERÁVIT COMERCIAL CRESCENTE Estimativas das Contas Externas Cenário de Saldo Comercial Crescente e Financiamento Externo Relativamente Apertado... 2 O Balanço

Leia mais

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015

Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Mercado de trabalho enfrentou cenário difícil durante todo o ano de 2015 Neste edição especial do boletim Mercado de trabalho do CEPER-FUNDACE, serão comparados dados do Cadastro Geral de Empregados e

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Setembro Divulgado em 15 de outubro de 2015.

Setembro Divulgado em 15 de outubro de 2015. Setembro - 2015 Divulgado em 15 de outubro de 2015. ICVA APONTA RETRAÇÃO DE 3,4% PARA O VAREJO EM SETEMBRO Indicador considera a receita de vendas do varejo deflacionada pelo IPCA em comparação com setembro

Leia mais

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Balanço de Pagamentos do Brasil Componentes destacados Balança Comercial; Balança de Serviços;

Leia mais

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia - UFRJ 1 2 3 Hipótese central apesar de haver melhoras nos indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar Mai/11 64,2% 24,4% 8,6% Abr/12 56,8%

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial

Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial Os benefícios do câmbio desvalorizado para o saldo da Balança Comercial O superávit na balança comercial brasileira deveu-se mais à diminuição de importações do que ao aumento das exportações Marcelo de

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Quadro-Resumo Saldo da Balança Comercial Saldo

Leia mais

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer GEE - UFRJ Milhões de Reais Importância do Setor de Petróleo na Economia Brasileira (I) Desde de 2006 os investimentos na indústria

Leia mais

Comentário da administração sobre a evolução financeira

Comentário da administração sobre a evolução financeira CAF INFORME ANUAL 2012 175 Comentário da administração sobre a evolução financeira Resumo dos estados financeiros 178 Carteira de empréstimos 178 Ativos líquidos 179 Financiamento 179 Capital 181 Administração

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 80 agosto de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O desempenho financeiro do BNDES, fusões e Petrobrás 1 Lucro do BNDES foi de R$ 5,47 bilhões no

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Setor Externo Quadro-Resumo Saldo da Balança Comercial Saldo

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Evolução Recente da Economia Brasileira

Evolução Recente da Economia Brasileira Evolução Recente da Economia Brasileira Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2008 1 Panorama Internacional 2 US$ bilhões EUA: Emissão de Commercial Papers (CP) por Empresas Não-Financeiras 2.400 subprime

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

IAPC VALE DO PARANHANA

IAPC VALE DO PARANHANA IAPC VALE DO PARANHANA SÍNTESE DOS INDICADORES DA PESQUISA Indicador Variação de Fevereiro de 2013 em relação a Janeiro 2013 (%) Variação da produção de Fevereiro de 2013 em relação a Fevereiro de 2012

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS AGOSTO/2016 Resumo de desempenho Agosto 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de

Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de Informe 11/214 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais no Período Janeiro-Agosto de 214 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista,

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 52 SETEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 52 SETEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 52 SETEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes informações sobre o desempenho do PIB brasileiro são, de certa forma, reflexo

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC.

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC. O Gráfico 1 nos mostra a evolução das exportações do Brasil, estado de São Paulo e estado de São Paulo sem região metropolitana. O número 1 (um) após o nome de cada região na legenda da Figura 1 indica

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

Retomada do Investimento e Democratização do Crédito

Retomada do Investimento e Democratização do Crédito Destaques 22 de 14 Outubro de Abril de 29 2 Nº Nº 9 11 Retomada do Investimento e Democratização do Crédito - O desempenho recente do BNDES está, em grande medida, associado a três processos: (1) continuidade

Leia mais

Custos e Benefícios Fiscais do PSI e Empréstimos do Tesouro ao BNDES. 19 de agosto de 2010

Custos e Benefícios Fiscais do PSI e Empréstimos do Tesouro ao BNDES. 19 de agosto de 2010 Custos e Benefícios Fiscais do PSI e Empréstimos do Tesouro ao BNDES 19 de agosto de 2010 Os custos fiscais do PSI e dos empréstimos do Tesouro Nacional ao BNDES (1 de 2) Em 2009 e 2010 o Tesouro Nacional

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS ABRIL/2015 Resumo DCEE Departamento de Competitividade, Economia e Estatística 2 Consumo aparente mensal R$ bilhões constantes*

Leia mais

O perigo da depressão econômica

O perigo da depressão econômica Boletim Econômico Edição nº 75 dezembro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O perigo da depressão econômica (Estado falido, crise política, governo paralisado e país sem

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Abril de 2016

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Abril de 2016 Abril/2016 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul no mês de abril de 2016 acusa somente números negativos. A desaceleração foi de 5,4% na comparação do mês de abril comomêsdemarço.ocomércio

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores. Contas Externas. Janeiro de 2012

Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores. Contas Externas. Janeiro de 2012 Diretoria de Política Econômica Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Contas Externas Janeiro de 212 S é r i e Perguntas mais Freqüentes Contas Externas Este texto integra a série Perguntas

Leia mais

Índices de preços base: ago. 94 = 100

Índices de preços base: ago. 94 = 100 Índices de preços base: ago. 94 = 100 ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DISPONIBILIDADE INTERNA (IGP-DI) ÍNDICE GERAL DE PREÇOS DO MERCADO (IGP-M) ÍNDICE DE PREÇOS AO PRODUTOR AMPLO DISPONIBILIDADE INTERNA (IPA-DI)

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/2015 Resumo de desempenho ho 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No ano

Leia mais

Sondagem Industrial do RN: Indústrias Extrativas e de Transformação

Sondagem Industrial do RN: Indústrias Extrativas e de Transformação Atividade industrial potiguar volta a crescer em maio RESUMO E COMENTÁRIOS A Sondagem das indústrias Extrativas e de do Rio Grande do Norte, elaborada pela FIERN, mostra que, em maio, o nível de produção

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes UNIDADE I BALANÇO DE PAGAMENTOS

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes    UNIDADE I BALANÇO DE PAGAMENTOS FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE I BALANÇO DE PAGAMENTOS CONCEITOS BÁSICOS E PROBLEMAS DE MENSURAÇÃO Balanço de pagamentos

Leia mais

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 11 NOVEMBRO 2016 1 ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04

Leia mais

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr.

5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA. Álvaro Alves de Moura Jr. 98 5. NÍVEL DE ATIVIDADE ECONÔMICA Álvaro Alves de Moura Jr. O principal destaque na análise do nível de atividade econômica se refere à mudança na metodologia do cálculo do PIB, que passou a incluir informações

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015 Perspectivas continuam em baixa A Sondagem industrial, realizada junto a 169 indústrias catarinenses no mês de agosto, mostrou que as expectativas da indústria

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014 Vendas no varejo variam 0,5% em setembro Período Volume de vendas Varejo Receita nominal Varejo Ampliado Volume de vendas Receita nominal Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1

Leia mais