A SUMOC: a precursora do Banco Central do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SUMOC: a precursora do Banco Central do Brasil"

Transcrição

1 A SUMOC: a precursora do Banco Central do Brasil Autor: Rafael Ursulino de Mello 1 Coautro e Orientador: Gilberto Brandão Marcon 2 Em junho de 1945, finalmente no apagar as luzes do Estado Novo, a partir da proposta de Otávio Gouveia de Bulhões, é criada a Superintendência da moeda e do crédito Sumoc(Decreto-Lei 7.293, de ) com a atividade primordial de exercer controle do mercado monetário e de planejar a organização de um futuro banco central no país. O Brasil precisava ter uma moeda estável. E para ter uma moeda estável, precisa ter pelo menos um inicio de banco central. A Superintendência da Moeda e do Crédito foi esse o inicio de banco central foi a primeira etapa. 3 Sobre a origem da idéia, e de como aplicá-la com eficácia no âmbito nacional no ambiente econômico político Bulhões rememora que: O projeto de criação Sumoc resultou de uma tendência de controle monetário advinda de longa experiência. Resultou de conversões freqüentes entre os funcionários do Banco do Brasil, do Ministério da Fazenda e de empresários e, sobretudo, da orientação do professor Eugenio Gudin. O professor Gudin achava que na ocasião era importuno criar um banco central, mas que se podia fazer alguma coisa no caminhão da sua criação. Diante dessas ponderações todas foi que surgiu a idéia da Sumoc, tendo como objetivo principal combinar uma orientação monetária com uma orientação fiscal 4 Um funcionário do Banco do Brasil da época pertencente ao grupo sumoqueano, 5 sugere que a criação da Sumoc, exatamente nos últimos momentos da vida do Estado Novo, teve como objetivo esquivar de um Congresso que surgiria com a redemocratização do país e que poderia oferecer empecilho à sua criação. Em suas palavras, Acompanhei o Dr. Bulhões à Sumoc. E com grande habilidade, porque ele estava ciente de que, se tentasse arrancar do congresso uma lei, não sairia. Havia sempre oposições [...]De modo que foi um gesto de extrema habilidade; não apenas competência técnica, mas habilidade política do Dr. Bulhões (aproveitando que o 1 Aluno concluinte em 2012 do curso de Ciências Econômicas do UNIFAE. 2 Professor e Economista formado pela UNICAMP, Especialista em Economia de Empresas pelas FAE, Mestre Interdisciplinar em Administração, Comunicação e Educação pela UNIMARCO, Doutorando em Educação pela UNIMEP. 3 Octávio Gouveia de Bulhões,op. Cit.,p Ibidem 5 Este grupo de grande unidade e coerência, possuía uma visão monetarista da economia. Era liderado por Octávio Gouveia de Bulhõese foi central para transformação da Sumocem Banco Central do Brasil. Para conhecimento mais detalhado dos ideais do grupo. 1

2 governo tinha poderes para baixar um decreto- lei) para vender o peixe dele, sem depender do Congresso. E fez muito bem, porque, se não tivesse feito aquilo, não teria saído nem Sumoc. Ele a Superintencia da Moeda e do Crédito com um embrião do banco central, como diz o próprio texto do decreto lei. 6 Para Casimiro Ribeiro, as tensões entre a elite dos funcionários do Banco do Brasil, que era contra qualquer perda de suas atribuições, e os partidários da criação de um banco central vinham de longe. Essa discussão já existia na década de 40 e esquentou na década de 50. Casimiro menciona na questão das resistências terem ocorrido por parte de funcionários que tinham outras inserções institucionais, estarem transpondo para suas funções publicas, demandas políticas, clientelísticas, e corporativos. 7 Ernane Galveias, com as experiências de antigo funcionário do Banco do Brasil, e que trabalhou, posteriormente, na Sumoc, chama atenção para o fato de tais relações conflituosas terem também origens geracionais. [...] certo conflito ideológico e de ciúmes profissionais que já se desenha dentro da própria Sumoc [...] entre os economistas mais jovens e os funcionários de carreira, propriamente ditos. 8 Para melhor compreensão do papel a ser desempenhado pela Sumoc, é importante destacar que sua criação ocorreu logo depois do estabelecimento de um novo sistema financeiro internacional, por ocasião do final da Segunda Guerra Mundial. Assim sendo, passou a funcionar, como sublinhado por Pedro Malan, como Interlocutor técnico privilegiado com as instituições financeiras internacionais criadas em Bretton- Woods, nos Estados Unidos, em 1944, e destinadas a supervisionar, sob a hegemonia norte-americana, a ordem econômica internacional do pós-guerra. Assim é que, tão longo criada, foi a Sumoc feia representante do governo junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e ao Baco Mundial, passando a manter relações estreitas com estas entidades e a adotar as medidas necessárias para dar cumprimento à Convenção de Breton- Woods, ratificada pelo governo brasileiro. 9 O projeto de criação da Sumoc, além de prever que esse órgão deveria preparar o terreno para a constituição de um banco central independente, atribui-lhe as funções de assessoria, controle e fiscalização bancaria, assegurando o respeito as decisões do conselho da própria Sumoc. Esse conselho teve por sua vez, como principal atribuição, a responsabilidade de definir as políticas monetárias, interna e externa do país. 6 Casimiro Ribeiro. Depoimento I. Rio de Janeiro: Cpdoc/FGV, , PP Convém destacar o fato de que, pouco após a redemocratização do país, em 1947, a despeito da existência da Sumoc, parlamentares propõem projetos de criação de um banco central. Consideração sobre esses debates parlamentares serão realizadasmais adiante. 8 ErnanneGaveas. Depoimento Rio de Janeiro:Cpoc/Banco Central do Brasil,1990pp Pedro Malan. Superintendência da Moeda e do Credito.Dicionário histórico- biográfico brasileiro, Cpdoc/FGV, Rio de Janeiro. Forense Universitária- Finep, 1984, p

3 A Sumoc tinha ainda as prerrogativas de requerer a emissão de papel- moeda ao Tesouro Nacional dentro dos limites fixados em legislação especifica; receber, com exclusividade, depósitos de bancos; orientar a política de cambio 10 e operações bancarias em geral; promover a compra e venda de títulos do governo federal em bolsa; e autorizar o redesconto de títulos e empréstimos a bancos nos termos da legislação que vigorasse. Apesar de tantas e tão importantes atribuições, a Sumoc, que era subordinada ao Ministério da Fazenda, não conseguiria controlar totalmente as atividades monetárias do país, dividindo seu exercício com o Banco do Brasil que, entre outras funções, atuava como órgãos executivos das decisões do Conselho da Sumoc, como banco dos bancos, como depositário das reservas internacionais, financiando, ainda, atividades produtivas, sobretudo as agrárias, função inadequada a uma instituição de controle monetário. O próprio Octavio Bulhões menciona que mesmo atribuições legalmente estabelecidas, como o recolhimento dos depósitos compulsórios, 11 não foram efetivamente exercidas pela Sumoc, tendo continuado nas mãos do Banco do Brasil. Esse recolhimento provocou, o descontentamento dos representantes dos bancos privados, que resistiam a se submeter a fiscalização mais severa. A principal reação deveu-se ao fato de os bancos serem obrigados a fazer depósitos na Sumoc. 12 A Superintendência da Moeda e do Crédito na pratica agia como sombra do Banco do Brasil, partilhando encargos, sobretudo, com a Carteira de Cambio e Redesconto, que La funcionavam. Pedro Malan chama atenção ao fato da dependência e fragilidade que era submetida a Sumoc: Seu corpo técnico próprio era praticamente inexistente até 1950 (quando a Intstrução 34 criou a seção de estatística própria da Sumoc) e seu relatório anual de atividade s era apresentado como uma subseção do relatório anual do Banco do Brasil(isso ocorreria até 1955, quando foi publicado o primeiro relatório da Sumoc, independente da publicação do tradicional relatório do Banco do Brasil). Na 10 Cambio: Operação financeira que consiste em vender, trocar ou comprar valores em moedas ou papeis que representem moedas de outros países [...] as taxas de cambio são determinadas por uma conjunção de fatores intrínseca ao país, principalmente a política econômica vigente [...]. Os exportadores, ao receberem moeda estrangeira, vendem- na aos bancos e os bancos revendem essa moeda aos importadores para que paguem as mercadorias compradas. Essas transações são sempre reguladas pelo governo, que fixa os preços de compra e venda das moedas estrangeiras. Paulo Sandroni. Dicionário de economia. Rio de Janeiro: Record,2005, p Depósito compulsório constitui-se em mecanismos que tem pó objetivo reduzir os meios de pagamento de uma economia em determinadas situações. Com relação aos depósitos compulsórios, Casimiro Ribeiro chama a atenção que estes foram utilizados pela primeira vez no Brasilpor ocasião da criação do Sumoc. [...] nós sabemos que é um instrumento de controle monetário relativamenterecente e,como tal foi inventado nos Estados Unidos [...] foi com o entusiasmo dos relatórios americanos sobra a eficácia deste depósito que o Dr. Bulhões o incluiu no projeto do Decreto- Lei que redigiu para o governo, naquela época, criando a Sumoc, o embrião do Banco Central. Casimiro Ribeiro, op.cit. p Octávio Gouveia de Bulhões, op. Cit., p.90. 3

4 verdade, até o inicio da década de 1950, a Sumoc constitui, de fato, ainda que não se jure, apenas um órgão a mais no Banco do Brasil, absorvendo alguns encargos das Carteira de Câmbio e de Redesconto e, especialmente, da Caixa de Mobilização e fiscalização Bancaria 13 Porém, apesar das limitações da Sumoc em desempenhar de maneira independente as funções de um banco central, controlando a emissão de papel-moeda e as atividades bancárias, várias inovações iam sendo por ela introduzidas na vida econômica do país. Uma delas foi a criação do Orçamento Monetário. A esse respeito, Casimiro recorda que: O orçamento monetário surgiu historicamente, como um exercício estatístico, no Departamento Econômico da Sumoc e, anteriormente, no Departamento de Estudos Monetários e Financeiros, criando em 1953 ou 1954 [...]. Na fase inicial antes de pensarmos em orçamento monetário, pensamos e foiaí a contribuição muito importante do Kafka 14 -, numa consolidação de contas das autoridades monetárias brasileiras. Não havendo o Banco Central, a autoridade monetária estava pulverizando em vários órgãos, não se tinha noção do conjunto, e o nosso primeiro trabalho importante [...], o trabalho mais sofisticado que fizemos foi justamente a consolidação das contas das autoridades monetárias [...]. Fizemos o orçamento monetário, que não foi aprovado como orçamento propriamente, mas como programa monetário. 15 A nova aplicação do orçamento monetário contribuiu para aprimorar duas importantes dimensões da vida econômica do país. Branco: A primeira, e mais importante, para programar uma expansão, contração ou estabilidade; enfim, programar um comportamento quantitativo para os meios de pagamento em um período dado [...]. Em segundo lugar, para impor uma disciplina nas operações das instituições oficiais que lidam com grandes recursos, principalmente para o Banco do Brasil. 16 Posteriormente, com as reformas bancaria e monetária realizado pelo Governo Castelo resolvemos, com base na nossa experiência de muitos anos, colocar em texto de lei o orçamento monetário. A lei pela primeira vez mencionada o Orçamento Monetário como instrumento básico de quantificação de política e a obrigatoriedade de ser feito e aprovado periodicamente pelo Conselho Monetário Nacional. Como daí a um ano podíamos não mais estar em nossos lugares, era preciso ficar no princípio na lei. Então, a diferença é que passou a ser, não uma sugestão de técnica ao ministro da Fazenda, mas um documento de vida legal. 17 As contribuições atribuídas pelo Sumoc para os governos desenvolvimentistas adquiriram especial importância como formuladora de política cambial, o que se tornou um 13 Pedro Malan,op.cit. 14 Alexandre Kafka, economista formado em Oxford, foi diretor- executivo do Brasil no Fundo Monetário Internacional entre os anos de 1966 e Casimiro Ribeiro, op. cit., p Ibidem, p Ibidem, p

5 dos principais recursos para o amadurecimento econômico e industrialização nacional em especial na década de Algumas de suas principais instruções, como a 70, a 113 e a 204, são relativas a política cambial. Mesmo com constrangimentos políticos e institucionais que limitavam suas atuações é nítida a evolução e aperfeiçoamentos técnicos utilizados à época nas transações cambiais. O Banco do Brasil comprava e vendia câmbio, mas não tinha nenhuma preocupação, nem sabia, pelas estatísticas, pelos indicadores, oque aquilo estava ou não produzindo em termos de expansão monetária. A mesma coisa fazia com a política de redesconto: se havia pressão para o redesconto, aumentava a taxa; se não havia, diminua a taxa. Quer dizer, era uma política monetária passiva, sem indicadores. A passagem dessas funções do Banco do Brasil para a Sumoc, e com o Conselho da Sumoc, é que começa realmente a mudar a estrutura do sistema. As decisões de política monetária e cambial já passaram a ser feitas no conselho da Sumoc. Embora tenham continuado no Banco do Brasil, a formulação da política se fazia no Sumoc, com a participação do Banco do Brasil, do presidente, do diretor de Câmbio, do diretor do Redesconto. Anteriormente, essa política não existia. Era o ministro da Fazenda, mas praticamente não tinha um colegiado ou um órgão formulador de política. A grande mudança da Sumoc foi essa: é que criou um órgão formulador da política monetária e cambial. 18 Para melhor analise na evolução do e amadurecimento da Superintendência da Moeda e do Crédito (Sumoc) é preciso de uma analise com um foco mias canalizado na era de Eurico Gaspar Dutra, nesse período é notado a Sumoc, como modeladora da política cambial do país. A reorganização Nacional inicia-se no Governo Eurico Gaspar Dutra ( ): O governo Dutra veio com a redemocratização do país. Tendo sido, a um só tempo, ministro da Guerra de Vargas e chefe dos militares que lutavam na Itália contra os regimes ditatoriais, personificou a contradição que ajudou a elevar o país a democracia. Mesmo tendo ajudado a derrubar o Estado Novo, foi apoiado por Vargas à Presidência da Republica, saindo candidato pela coalizão do Partido Social Democrata (PSD) com o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), concorrendo e vencendo o também militar brigadeiro Eduardo Gomes, candidato da União Democrática Nacional (UDN), e Yedo Fiúza, do Partido Comunista do Brasil (PCB). 19. O país sai saía de um longo período autoritário e durante a primeira fase do novo governo foram instalados os trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte, responsável pela elaboração da Constituição de 1946 que iria vigorar até o final do Governo João Goulart de 1964, quando uma série de Atos Institucionais promulgados pelo regime militar passou a desfigurar o seu perfil original. Na política interna, o novo governo adota comportamento conservador, proibindo as greves operarias e, tendo como cenário internacional a Guerra Fria, que dava seus primeiros 18 Ernane Galvêas, op. cit., PP Eduardo Raposo. Banco Central do Brasil. O LEVIATÃ IBÉRICO. Rio de Janeiro: Editora PUC Rio

6 passos, declara em 1947, a ilegalidade do Partido Comunista Brasileiro, rompendo, em 1948, relações diplomáticas com a União das Republicas Socialistas Soviéticas (URSS). No governo Dutra a postura da política econômica aplicada pode ser dividida em duas etapas. 20 No período de 1946 a 1947, é aplicada uma postura de caráter liberal, com poucas intervenções do governo na dinâmica econômica do país, também houvera abertura a abertura comercial e financeira, a diminuição das taxas alfandegárias no país, mantendo a taxa de cambio em regime de flutuação. Era a ressaca do Estado Novo do governo forte, corporativo e intervencionista. As medidas tomadas nesse período desencadearam uma forte escassez de divisas no país e um conseqüente questionamento em sua capacidade de promover os interesses econômicos nacionais de então. Por conta de tais medidas o governo e apontado pela oposição de promover uma política de importação sem nenhum critério, apenas dilapidando as reservas cambiais nacionais. A postura do Estado após esse incidente foi de adotar medidas que passaram a atribuir ao Estado importância muito maior do que a que havia desfrutado nessa primeira etapa. O governo, no período de 1947 a 1951, se articula para um plano de ações orientado para os setores de saúde, alimentação, transporte e energia o plano Salte. A respeito desse plano os investimentos se tornaram possíveis graças apolítica de crédito do Banco do Brasil. O crédito real a indústria cresceu 38%, 19%, 28% e 5% nos anos de 1947, 1948, 1949 e 1950, respectivamente 21.Quanto à política cambial, a repercussão dos crescentes déficits da balança comercial sobre as contas nacionais fez que o Governo Dutra reconsiderasse sua posição, adotando a partir de 1947, em que se aplicou métodos de prioridade essas consideradas pelo governo para a disponibilização de divisas para a importação. Esse método surgiu por meio do Departamento de Exportações e Importações (Cexim), do Banco do Brasil, contendo cinco categorias de importações correspondentes a diferentes prioridades para o desenvolvimento da economia nacional. Nessa política que valorizou a moeda nacional, coube a Sumoc fixar os preços de compra e venda de inúmeras moedas estrangeiras que participavam de nossas transações comerciais no exterior. As moedas estrangeiras advindas das exportações eram vendidas aos bancos, por sua vez, as revendiam aos importadores para que pudessem realizar suas atividades de comercio 20 Nesse período os ministros da fazenda foram Gastão da Costa Vidigal, que ocupou o posto de fevereiro a outubro de 1946, e Pedro Luiz Correia e Castro, que inicia em outubro e fica no cargo até junho de A diretoria da Sumoc foi ocupada por José Vieira Machado. 21 Ver política econômica externa e industrialização: In: M. depaiva Abreu (org.). A ordem do progresso. Cem anos de Politica econômica replubicana, Rio de Janeiro: Campus, 1922,p

7 com os outros países. As importações passaram a ser limitadas aos produtos considerados mais essenciais, graças a manutenção de um câmbio controlado fazendo com que os outros produtos fossem taxados com tarifas alfandegárias mais altas para valorizar a produção nacional, medidas que incentivavam a substituição dos produtos importados por aqueles de produtos nacionais. Com o controle no cambio o governo se protege aos perigos no desequilíbrio na balança de pagamento e de um possível processo inflacionário, e acaba criando condições para fomentar a industrialização do país. Tais operações cambiais se mostrariam fundamentais para o financiamento dos investimentos responsáveis pelo salto na industrialização que iria se verificar no país a partir da década de 50. Essa política perdurou até o ano de 1953, durante o Governo Vargas, quando novo desequilíbrio na balança comercial fez com que o Estado mudasse de estratégia. O inicio na década de 50 o país estava em uma grave crise que aprofundava e atualizava as contradições advindas dos processos de modernização da sociedade brasileira tal que realizado a partir dos anos de Apesar de ter se manifestado em diferentes setores da sociedade e do governo a crise se originava da mesma fonte e do mesmo hibridismo que já vinha caracterizado o desenvolvimento de nossas instituições, divididas entre uma vocação política de natureza corporativa preocupando- se sempre com os interesses da clientela que apoiava seu projeto de poder, e outra de caráter mais universalista, mais difusa, fragmentada com muitos polos subdivididos com pouca organização política. Vargas, que havia permanecido autocraticamente na Presidência da Republica por quinze anos consecutivos, tendo liderado o Golpe de Estado de 1937 e sido afastado em 1945 contra sua própria vontade, toma posse em 1951 num ambiente político que se tornava cada vez mais inquieto e adverso. Procurou então apaziguar os ânimos cada vez mais exaltados dos lideres das principais tendências políticas no país. Partiu com cargos e declarações de apoio aos nacionalistas, trabalhistas e conservadores e, também, para os representantes dos principais partidos políticos e estados da federação, em razão a suas capacidades de pressão dento do sistema corporativo. Apesar de todo seu esforço conciliatório, os conflitos se acirraram envolvendo as principais forças e tendências políticas do país, que passam a disputar de maneira cada vez mais intransigente, a exclusividade, as atenções e compromissos do governo. Assim ao aproximar-se dos conservadores, desagradava os nacionalistas e trabalhistas e, ao manifestarse favorável a estes desagradava os conservadores. 7

8 Com toda a crise no sistema político no cenário governamental, importantes iniciativas iam sendo tomadas na área econômica e institucional. Na Sumoc, desde o inicio do governo ocupada por Walter Moreira Salles, é organizada uma acessória técnica, núcleo original do que seria seu Departamento Econômico, e uma inspetoria de bancos. 22 É também criado o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) (Lei de ), como conseqüência dos estudos realizados pela comissão Mista Brasil- Estados Unidos, que acreditava ser necessária a existência de uma instituição na área federal para promover a economia nacional. Com duas árduas tarefas à frente a equipe econômica elaborava estratégias para desenvolvimento que se afiguravam contraditórias: promover a industrialização e ao mesmo tempo combater o processo inflacionário herdado do Governo Dutra. Com metas complexas a frente o cenário entre as forças monetárias também passa por um período conturbado porque o ministro da Fazenda e presidente do Banco do Brasil defendiam diferentes políticas creditícias, o ministro era a favor de uma política contracionista na área do crédito já o presidente do Banco do Brasil, aplicava uma política expansionista. Tamanha divergência que além de criar conflitos entre as instituições, tornava contraditório e sem rumo a política do governo a respeito do crédito. Octávio Gouveia de Bulhões via no conselho da Sumoc, criado ainda no Estado Novo, que as duas instituições e seus dirigentes poderiam se entender e unificar a política creditícia praticada pelo governo. [...] com a ideia do conselho, consegui que houvesse a coerência de atitude entre o Banco do Brasil e o Ministério da Fazenda. Houve um período, por exemplo, em que havia um conflito evidente entre o Banco do Brasil e o Ministério da Fazenda. O ministro Horácio Lafer e o presidente do Banco, Ricardo Jafet, se indispuseram em matéria de políticas, mas o simples fato de serem obrigados a deliberar, ou a discutir seus pontos de vista no Conselho com outros diretores do Banco e com funcionários do Ministério, fez com que essa divergência fosse muito suavizada. 23 Após o desgaste do Governo Vargas com a base e a oposição, em meado de 1953 é realizada uma ampla reforma ministerial para tentar recuperar o controle político. Na área econômica, com a substituição do Ministro da fazenda e presidente do Banco do Brasil entrando respectivamente Oswaldo Aranha e Marcos de Souza Dantas desaparecem os conflitos existentes em relação à política de crédito. Os novos gestores estavam engajados com metas anti-inflacionárias e de combate ao déficit publico. E a partir de então o Banco do 22 Durante o período do segundo Governo Vargas foram os seguintes os superintendentes da Sumoc: Wálter Moreira Salles, de fevereiro de 1951 a maio de 195; Egídio da Câmara Souza, de maio a setembro de 1952 e José Soares Maciel Filho, de setembro de 1952 a agosto de 1954 (Malan, op. cit.). 23 Octávio Gouveia de Bulhões. Depoimento. Cpdoc/FGV, cit, p

9 Brasil subordina-se ao Ministério da Fazenda, criando convergência de ações no combate ao desequilíbrio das contas publicas. A política cambial brasileira, ao longo de sua história, tem variado assiduamente, sendo objeto de acirradas disputas envolvendo o governo, instituições e grupos econômicos, portadores de reivindicações nem sempre conciliáveis. Como visto, durante o inicio do Governo Dutra, a política cambial foi menos intervencionista. Porém, em razão do aumento do déficits na balança comercial, o governo mudou sua postura, adotando, a partir de 1947, o chamado sistema de licencia prévia, que consistia e, examinar, caso a caso, os pedidos de importação e exportação, para só depois liberar as divisas requisitadas. O Banco do Brasil por meio de sua Carteira de Exportação e Importação (Cexim) e de seu órgão de Fiscalização Bancaria (Fibran), é que se encarregava dos exames dos pedidos, tendo utilizado essa prerrogativa para proteger e desenvolver a indústria nacional. Essa política cambial foi herdada e seguida por Vargas até 1952, quando a inflação agravada pelo temor de que a Guerra da Coreia se ampliasse, provocando o aumento dos preços em geral e de forma preocupante, aumentando também, o desequilíbrio no balanço de pagamentos 24. No inicio do ano de 1953 foi criada a lei do câmbio livre ou lei do mercado livre, que por um lado, estimula investimentos em áreas consideradas estratégicas para o desenvolvimento nacional (energia, transporte e comunicação) e, por outro, estimula as exportações dos produtos brasileiros com o estabelecimento de taxas especificas para determinados produtos de importação e exportação., e da desvalorização do cruzeiro 25. Funcionário da Sumoc da época Ernane Galveias chama a atenção para a importância da nova lei: [...] fizemos uma revolução na área cambial. O ministro Horácio Laferpromoveu uma modificação ampla no sistema de cambio (a Lei do câmbio livre, n.º 1.807, de 7 de janeiro). É uma lei fundamental em matéria de sistema cambial no Brasil, porque criou o mercado de câmbio oficial, com regras bastante restritas. Em cima dessa lei vieram, depois, varias modificações, inclusive a famosa Resolução 70, que criou as categorias cambiais. 26 Em procura de melhorar o desempenho da economia nacional, em outubro de 1953 por intermédio da Sumoc, promulga sua célebre Instrução 70, que reformula novamente a política cambial do país. Lançado por Oswaldo Aranha e Souza Dantas a Instrução 70 da Sumoc aperfeiçoa a Lei do mercado Livre, com o propósito imediato de atenuar a crise na balança 24 Em 1952 a inflação foi de 11% e, em 1953 foi para 21%. Ipedata. 25 A lei 1.807, de Janeiro de 1953, era bastante liberal no que se refere a remessa de lucros e dividendos para o exterior. 26 Ernane Galvêas, Depoimento, Rio de Janeiro: Cpdoc- Banco Central Brasil, 1989, p

10 comercial no país. Para tanto, extinguiu o câmbio subvencionado, criando, eu seu lugar, cinco diferentes taxas cambiais com diferentes ágios relativos à essencialidade do produto a ser importado, medida que procurava dificultar as importações, facilitar as exportações, protegendo a balança comercial e favorecendo o desenvolvimento da indústria nacional. O regime anterior de controle da balança comercial era objetivo de corrupção e segundo Bulhões a Introdução 70, O que sei é que ele [ ministro Oswaldo Aranha ] não queria mais o regime de licença porque alegava-se que havia corrupção. Para evitar isso, adotou esse sistema [...] No tempo Horácio Lafer, a Cexim controlava a muito as importações. Esse controle das importações foi muito bem exercido na época em que o Simões Lopes foi diretor da Cexim. Mas depois que ele deixou, começou a haver uma queda de prestigio da Cexim, começaram a duvidar da honestidade dos propósitos do controle, e foi daí que surgiu uma célebre frase do Glycon de Paiva, muito característica, muito precisa: Criar dificuldades para vender facilidades.com isso a Cexim se desmoralizou muito, e então, quando o Oswaldo Aranha assumiu o Ministério da Fazenda, propôs essa modificação, que na verdade foi sugerida pelo Marco de Souza Dantas. 27 A elaboração Instrução 70 contou com uma colaboração decisiva de Marcos de Souza Dantas, que conhecia câmbio profundamente e montou um esquema baseado em estudos de taxas múltiplas. Contudo apesar da Instituição ser um avanço progresso nacional, ainda era mal visto por parte de alguns estudiosos, que não achavam que o câmbio fixo seria a melhor ferramenta para proteger a competitividade dos produtos nacionais. Em palavra de Bulhões [...] não é por meio do câmbio que se pode fazer a defesa dos produtos nacionais. Os produtos nacionais são defendidos por meio da tarifa, por meio do Imposto de importação, e não por meio da taxa de câmbio. Porque a taxa de cãmbio, se for fixada em favor das empresas nacionais, acaba sendo prejudicial para as transferências de recursos. Acaba sendo prejudicial para a exportação. De modo eu é preferível usar outras armas, e não a arma cambial como defesa econômica. 28 A Instrução 70, apesar de ter produzido efeitos positivos sobre balança comercial, não conseguiu evitar o desgaste do governo Vargas, que já ia longe. O crédito, agora mais escasso, descontentava as classes produtoras. O comércio importador também se mostrava insatisfeito porque a Instrução 70 onerava as importações mediante uma sobretaxa que incidia sobre o câmbio. Por sua vez, parte da indústria nacional encontrava-se igualmente contrariada pelo fato de não ser mais protegida pelas cotas das importações e por não poder mais realizar compras no exterior pelo câmbio oficial. 27 Octávio Gouveia de Bulhões, op. Cit., pp. 102 e Octávio Gouveia de Bulhões, op. cit., p

11 João Café Filho, ao assumir a Presidência da Republica ( ) herdou de Vargas, juntamente com a queda da principal força da exportação o cafée também um crescente processo inflacionário e um também o crescente desequilibrio no balanço de pagamentos. Para enfrentar tais adversidades, convocou um ministério composto, sobretudo, por membros anti-getulistas e udenistas comprometidos com a austeridade econômica. Para o Ministério da Fazenda foi empossado Eugênio Gudin, para o Banco do Brasil, Clemente Mariani e, para a Sumoc, Otávio Gouveia de Bulhões. Gudin procurou atacar o déficit público e sustar o processo inflacionário cortando despesas, contendo a política do crédito, criando alguns novos impostos, como o imposto único sobre energia elétrica, procurando também obter da comunidade financeira norte americana, um empréstimo para amenizar a situação cambial mais imediata. Procurou, ainda, eliminar os focos de pressão para expansão do crédito. A instrução 108 Sumoc, principal ferramenta para estabilizar a economia nesse período, transferiu do Banco do Brasil para a Superintendência o recolhimento dos depósitos dos bancos, eliminando, assim, a possibilidade de o Banco do Brasil realizar empréstimos com tais depósitos. Com riscos de iniciar uma recessão econômica por aplicar medidas restritivas na economia, Bulhões defende suas medidas afirmando que: [...] não havia muito perigo de recessão, porque ao mesmo tempo em que se fazia as restrições de credito restrições selecionadas, não cortando inteiramente os investimentos, e sim os gastos supérfluos lembro que Dr. Gudin baixou uma instrução permitindo a entrada de equipamentos. E essa entrada de equipamentos trouxe um grande alento ao desenvolvimento de varias indústrias. 29 Em 17 de janeiro de 1955, foi criada a Instrução 113 permitindo que a Cacex 30 emitisse licenças para importação de equipamentos industriais sem necessidade de imediato pagamento de divisas, posto que os equipamentos industriais sem necessidade de imediato pagamento de divisas, posto que os equipamentos entravam no país como investimento estrangeiro, que eram financiados com prazos mais dilatados. A instrução 113, da Sumoc, foi considerada entreguista pela esquerda nacionalista por ter criado as condições necessárias para a realização de investimentos estrangeiros no 29 Octávio Gouveia de Bulhões, op. cit.., p A Cacex Carteira de Comércio Exterior, do Banco do Brasil S.A. foi criada durante o segundo Governo Vargas, substituindo a Carteira de Exportação e Importação, também do Banco do Brasil. Entre outras atribuições, a Cacex emitia os licenciamentos para exportação e importação e o financiamento do comércio brasileiro. Foi extinta no Governo Collor de Mello, em

12 país, o que veio facilitar, a partir do Governo Juscelino Kubitschek, o financiamento da industria automobilística no Brasil. Fechando esse ciclo os anos do Governo Vargas ( ) e Café Filho ( ), o crescimento médio da economia brasileira foi expressivo, atingindo taxas levemente inferiores a 7% ao ano. No Governo Vargas, a taxa de inflação elevou-se em relação ao Governo Dutra, ficando ao nível médio de 17% ao ano. Os resultados comerciais do governo Vargas enfraqueceram- se significadamente, tendo sido verificado um déficit comercial de aproximadamente US$ 300 milhões no ano de O saldo médio da balança comercial dos dois governos foi de US$ 121 milhões, metade do verificado do governo Dutra. As reservas cambiais reduziram-se à metade, com nível médio de US$ 460 milhões, reduzindo-se, também, a divida interna, ficando a 2% do PIB, em média. 31 Após,conturbado período em que não faltaram tentativas de impedir sua candidatura a posse, Kubitscheck inicia se governo em janeiro de 1956, tendo como vice- presidente João Goulart, PTB. No campo da economia o cenário também não era animador, pois Juscelino havia encontrado uma difícil situação nas contas públicas, um processo inflacionário em curso, déficits no Tesouro superprodução de café e desequilíbrio cambial. Mas na onde houve a falha de Vargas, Juscelino conseguiu compor-se com as forças políticas predominantes no país, cumprindo integralmente o mandato presidencial. O meio usado para conviver com a intricada política brasileira foi ter atendido as principais reivindicações dos tradicionais setores e corporações políticas nacionais, usando canais como o Parlamento e as burocracias ministeriais, o que lhe permitiu criar, sem maiores resistências, uma administração paralela, que sob sua liderança, realizou um ambicioso projeto de governo em um ambiente de estabilidade democrática. O Projeto de Metas em um desenvolvimento econômico nacional de grande escala como a implantação da indústria automobilística, vista com maus olhos pela esquerda nacionalista pela abertura de capital e tecnologias estrangeiras dentre eles japoneses, holandeses alemães, franceses e norte americanos e investimentos para construir um Distrito Federal Brasília. E com grandes volumes de capital e investimentos em questão as tensões entre desenvolver economicamente o país e evitar a escala inflacionariam. O governo via suas 31 Fonte: Ipeadata e Banco Central. 12

13 metas, que exigiam vultosos investimentos econômicos, limitas e ameaçadas pelo avanço do endividamento e da inflação, que comprometiam o equilíbrio das contas públicas. Com esse ambiente de entrada maciça de capital estrangeiro e de industrialização, a questão cambial não podia deixar de voltar a cena. Nessa época, as tarefas as políticas cambial e monetária continuavam fragmentadas entre o Ministério da Fazenda, a Sumoc, o Banco do Brasil e o Tesouro Nacional. A proposta de se implantar o câmbio livre em substituição as sistema múltiplo que vigorava desde 1953 ainda no período Vargas, transformou-se em objeto de ampla discussão no interior do governo. Seus principais defensores foram Roberto Campos e Lucas Lopes, respectivamentediretor- superintendente e presidente do BNDE. Mas após vários embates políticos a proposta de implantação de cambio livre é rejeitada, permanecendo a mesma política cambial que vinha sendo usada para acelerar a industrialização do país. Em palavras de Bulhões: [...] vários economistas queriam que a taxa de câmbio fosse unificada, mas Alkimim então Ministro da Fazenda, sempre resistiu a isso, com receio de que mudada a taxa ocorresse um aumento de preços do papel e do trigo. Por isso ele resistiu a essa modificação[...] 32 No início de 1958, José Maria Alkimin havia captado recursos do Eximbank e do Fundo Monetário Internacional, 33 o que teve como contrapartida o compromisso do governo de realizar reformas de caráter anti-inflacionárias indicados pelo FMI. Com o afastamento de Alkimin do Ministério da Fazenda, em junho de 1958, ficou por conta de Lucas Lopes, que substituiu-o na responsabilidade de elaborar o Plano de Estabilização Monetária (PEM), que em última instância entrava em choque com a liberação de recursos para a execução do Plano de Metas. Apesar do esforço do governo com o Plano de Estabilização Monetária que passou a vigorar em 1959, não foi bem aceito pelo Fundo Monetário Internacional, que propõem o aprofundamento das medidas que haviam sido tomadas. Novas negociações são realizadas por Lucas Lopes, que procura incluir no Plano o câmbio livre para as importações brasileiras. Porem, com as negociações ainda não concluídas Juscelino confrontado com as exigências para concessão de créditos decide romper as relações com o Fundo Monetário Internacional, o que ocorre em junho de Octávio Gouveia de Bulhões, op. cit., pag Foram US$ 200 milhões de Eximbank e de bancos privados norte- americanos, e maisus$ 37,5 milhões no Fundo Monetário Internacional (cf. Abreu, 1990). 13

14 Por fim o Governo Juscelino Kubitschek foi marcado por forte escalada da inflação que, somente no seu governo atingiu o patamar médio dos 25,16% contrastando com os já altos 16,72% registrado na Gestão Vargas/Café Filho. Apesar de ter liderado um enorme e bem sucedido esforço de industrialização no país superior aos 6,70% verificados no período presidencial anterior. 34 Nos curtos sete meses que Janio Quadros esteve a frente da Presidência da Republica, ocupou o ministério da Fazenda Clemente Mariani que por sua vez, convidou Octávio Gouveia de Bulhões para ocupar a direção da Sumoc. Visando equilibrar as contas públicas para posterior esforço em direção ao desenvolvimento nacional, várias novas medidas econômicas foram anunciadas. Entre as mais significativas, havia uma reforma cambial que foi implementada por meio das instruções 204, 205 e 208 da Sumoc. A instrução 204 revogou o sistema de taxas múltiplas que vigorava desde a Instrução 70, editada em A taxa de câmbio foi unificada e desvalorizada em 100% com o propósito de, reduzindo-se as importações, forçar a ocupação da capacidade produtiva instalada n o país. O paradoxo entre a estabilização monetária e o desenvolvimento nacional, que atormenta inúmeras equipes econômicas. Poderia ter sido evita no governo de Jânio segundo Bulhões. [...] Da seguinte maneira: na primeira fase do governo se procuraria combater a inflação, e só se cogitaria do desenvolvimento depois que a inflação estivesse controlada, ao menos em grande parte. Portanto, haveria dois períodos: um período de restrição, e depois um período de desenvolvimento. A idéia de estabilidade era o ponto de partida para o desenvolvimento. [...] Naquele momento, a principal causa da crise era cambial. Era uma taxa de câmbio fictícia, que aumentava as importações e dificultava as exportações, e mantinhas a divida lá fora. De modo que foi por aí que começou a atacar o problema no país.[...] mais cambial do que qualquer outra coisa, houve a preocupação de remover os obstáculos existentes no campo cambial. Este foi o motivo da insistência do presidente Jânio em estabelecer a Instrução 204, que trazia como orientação política afastar os empecilhos na área cambial. Este foi o motivo de a 204 ter sido um dos primeiros atos do presidente. 35 A Instrução 204 que favorecia o interesse dos exportadores e dos credores internacionais em detrimento dos grupos nacionais que haviam se endividado externamente na vigência da taxa anterior- produziu alguma impopularidade, sobretudo porque eliminava o 34 Fonte: Ipeadata e Banco Central 35 Bulhões, Octavio Gouveia de Bulhões, op. cot., p

15 subsidio ao trigo, ao papel de imprensa e vários produtos importados, produzindo o aumento no custo de vida. A tentativa de acalmar os ânimos dos descontentes com a Instrução 204 que mostravam forte resistência, Bulhões tenta explicar que: [...] a instrução 204 não foi popular. Os estudantes estavam contra ela. Lembro que fui a São Paulo, para explicar na Faculdade Mackenzie o motivo da supressão dos subsídios, e tive uma certa surpresa em verificar que estavam todos hostis. Fiquei meio surpreso, pois não entendia porque podiam ser contra [...]. A reação foi um tanto amarga. Eles hostilizaram, fizeram um grande barulho. Já que tinham me convidado para explicar, eu disse que se fizessem tanto barulho não poderia explicar nada. Calaram-se um pouco, e comecei a falar. Mas senti que ao estavam preocupados com a explicação, tinham me convidado para mostrar que eram hostis. Saí de lá e até hoje não sei bem por que eram hostis. 36 A idéia da Instrução era de aumentar as exportações para conseguir mais recursos para pagar os débitos internacionais, e também não ia contra os setores produtivos nacionais endividados, mas mesmo assim houve uma resistência muito grande. [...] porque com ela as exportações iriam aumentar. Aumentada as exportações, haveria mais recursos para pagar os débitos lá fora, e isso iria facilitar a vida de vários devedores aqui dentro do país. Havia vantagens claras para a exportação. Os exportadores teriam oportunidade de exportar, coisa que não tinham antes. E a importação ficava livre das restrições. Só se era isso. Deviam achar que as restrições à importação davam um grande amparo a produção nacional. Agora estabelecia-se a entrada ilimitada, mas com tarifa alfandegária. Mesmo assim, não havia motivos para uma repulsa tão grande 37. Nesse inicio de governo de 1961 fica marcado como a abertura do comercio internacional e graças a Instrução 204 inicia-se o cambo livre, trazendo quase todas as importações para seu âmbito, o que viria, de fato, a ocorrer com a Instrução 208, junho de Mas com a saída de Jânio Quadros da presidência ainda em 1961, os projetos de tornar o a força da superintendência com um poder central sobre o programa de estabilização chamado verdade cambial foi interrompido logo no seu inicio. Em setembro de 1961, Goulart contemplava em seu programa de governo, entre várias reformas que pretendiam realizar, a reforma bancária que criaria um banco central, com funções normativas e executivas, e uma série de outros bancos especializados, tais como um 36 Octavio Gouveia Bulhões, op. cit., p Ibidem. 15

16 banco hipotecário, um banco rural, um banco de importação e exportação, um banco de investimento e um banco industrial. 38 Porém, não era essa a prioridade de seu governo que, em meio à crise política, mostrava relutância em dedicar tempo e energia à criação de um banco central. A época era de crise, o que politizava parte significativa da sociedade, sobressaindo- se as oposições entre os grupos nacionalistas e internacionalistas, estatizantes e privatizantes, latifundiários e camponeses, militares e civis, legalistas e golpistas, estudantes e autoridades públicas, esquerda e direita, modernizadores, conservadores e tecnocratas. Eram conflitos que expressam a falta de consenso sobre as regras universais as contradições fundamentais de nossa formação. Uma questão central naquele momento de indefinição institucional e de acirramento das tensões políticas era saber qual deveria ser a soma de poderes do presidente da Republica e quais o caráter e a profundidade de reformas a serem por eles coordenadas. E diante suas fortes resistências à sua posse, foi concebido arranjo político com intuito de diminuir seus poderes presidencialistas, e que levou a aceitar o sistema parlamentarista de governo que teve como ministro Tancredo Neves, Brochado da Rocha e Hermes Lima, mas que voltou, após um plebiscito realizado em 6 de janeiro de 1963, ao sistema presidencialista. A partir de 1962, torna-se nítida a precariedade da situação econômica nacional. O Produto Interno Bruto (PIB), que havia crescido 8,6% em 1961, cai para 6,6% em 1962 e para 0,6% em As taxas de inflação, por sua vez, aumentam rapidamente. Em 1961, eram de 50,2%, em 1962 passam a 54,1%, subindo, em 1963, para 82%. Nesse clima confuso, as divergências entre Goulart e o gabinete presidido por Tancredo Neves levam sua renuncia coletiva em junho de Após a rejeição do nome de San Tiago Dantas pelo Congresso Nacional, é escolhido o nome de Brochado da Rocha, continuando Moreira Salles no Ministério da Fazenda, e Bulhões na Sumoc. Com Brochado Rocha a frente do governo ele convoca uma reunião com Casimiro Ribeiro entre outros para dar andamento na reforma bancária que o governo Goulart planejava: [...] Havia uma mesa de reuniões para discutir programas de reformas. Na parte de reforma bancaria, ele [Brochado da Rocha] me disse: Ah! O senhor é da Sumoc? Muito bem. Estou preocupado com esse negócio de política monetária. O Cibilis tem aqui um plano. Leia aí Cibilis. Cibilis era assessor do governo e estava assessorando também Brochado da Rocha. O Cibilis então despejou aquela sua catilinária, em que tudo começa com nacionalizar. [...] Depois o Brochado da Rocha me deu a palavra. Eu disse: olha, ministro, eu discordo totalmente disso. Cibilis, 38 As reformas bancária, fiscal, urbana, administrativa, agrária e universitária faziam parte das Reformas de Base do Governo Goulart. 16

17 você me desculpe, mas discordo totalmente. Em primeiro lugar, está colocado numa forma primaria. Este é o meu ramo. O senhor é professor de contabilidade e esta fazendo incursões na área econômica.esta tudo errado, é primário e não resolve coisíssima nenhuma. Não é este o problema, não é por aí que se pega. Eu acho que deve ser feito o seguinte, e comecei a falar. Perguntaram: E o Banco Central, se pode fazer?. Eu disse: uma coisa mais simples possível. Com delegações de poderes o senhor faz isso. A reforma, o senhor faz com dez linhas. A delegação de poderes é genérica; o senhor tem que definir. O Brochado da Rocha exclamou: mas em dez linhas como? Como? Tem gente que se opõem ao Banco Central. Eu disse: É, eu já conheço isso há muitos anos. O senhor não precisa nem usar o termo Banco Central. O senhor faz delegação de poderes ao Executivo para, tendo em vista o decreto- lei que criou a Sumoc como um embrião do Banco Cental, prosseguir no desenvolvimento da estrutura da Sumoc para cumprir seus objetivos e, desde já, transferir a Carteira de Redesconto e o serviço de emissão de papelmoeda, ora na caixa de amortização, assumindo a responsabilidade, e, no tempo que for julgado necessário para a implementação, a custódia das reservas cambiais do país. Ministro, a instrução já esta lá; a autorização, a extinção de cata patente já esta lá. Com isso, depois, é só mudar o nome e chamar de Banco Central. O patrimônio próprio, que esta faltando, fica incorporado ao patrimônio atual da Carteira de Redesconto e da Caixa de Mobilização Bancária. É capaz de não dar 10 linhas. O Dr. Brochado da Rocha disse: Olhe, Cibilis o Dr. Casimiro tem razão[...]. Ele me perguntou: Mas quando é que o senhor me apresenta o trabalho? Eu disse: O senhor me dá uma secretaria, uma datilografa, uma sala e, em meia hora eu lhe dou as dez linhas que o senhor quer. Eu estava com tudo na cabeça [...] Não foi mudada uma virgula da delegação de poderes para a reforma bancaria redigida por mim [...] Nos artigos que redigi, não mudaram uma virgula. Saiu ipsis litteris no Diario Oficial. O meu texto saiu como lei-delegada. Mas o azar é que saiu o Brochado da Rocha, mudou o parlamentarismo. Essas leis delegadas não saíram, não pegaram. 39 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, M. de P., Crescimento e modernização autoritária: In: M. de P. Abreu (org.). A ordem do progresso cem anos de política econômica republicana, Rio de Janeiro: Campus, BULHÕES, O. G. de. Depoimento, Rio de Janeiro:Cpdoc/FGV, RAPOSO, E. Banco Central do Brasil O Leviatã Ibérico: uma interpretação do Brasil contemporâneo. Doutorado em Ciências Políticas. Rio de Janeiro Iuperj, 2011 RIBEIRO, C.. Os poderes do Banco Central. Banco Hoje, set., SANDRONI, P.. Dicionário de economia do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2005 TAVARES, M. da C. & ASSIS, J. C. de, O grande salto para o caos. Rio de Janeiro: Zahar, Casimiro Antônio Ribeiro, op. cit., PP

18 ENTREVISTAS E DEPOIMENTOS BULHÕES, O. G.de. Depoimento. Cpdoc/FGV, GALVÊA, E., Depoimento I, Rio de Janeiro: Cpdoc- Banco Central do Brasil, 1990 MARIANI,C.Entrevista Cpdoc. Disponível em: depoimentos/clemente_mariani. Acesso em 10/10/2012. RIBEIRO, C. A.. Depoimento I, Rio de Janeiro:Cpdoc/FGV, SARNEY, J. Entrevista ao jornal: Valor Econômico, 03/02/2006. LEIS, DECRETOS E DECRESTOS LEI Lei nº 4.182, de 13 de dezembro de 1920 Lei nº 1.807, de dezembro de 1952 Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964 Lei nº 6.385, 7 de dezembro de 1976 Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 Lei de Responsabilidade Fiscal Decreto nº , de junho de 1932 FONTES CONSULTADAS BANCO CENTRAL DO BRASIL. Departamento Econômico (Depec). Sumário dos planos brasileiros de estabilização e glossário de instrumentos e normas relacionadas à política econômico-financeira.elaboração: Seplan/Cosoe. INTITUTO DE PESQUISA APLICADA. Situação monetária, creditícia e do mercado de capitais. Rio de Janeiro: IPEA. IPEADATA, Plano de ação econômica do governo Ministério do Planejamento e Coordenação Econômica, maio de

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central.

ATENÇÃO. O Banco do Brasil apesar de não ser mais uma autoridade, ainda exerce atividades típicas de Banco Central. 1. BREVE HISTÓRICO DO SFN O SFN brasileiro é relativamente novo. Tem pouco mais de 50 anos. Foi criado em 1964. Mas isso não quer dizer que não existiam instituições financeiras anteriormente. Com a vinda

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

29/01/2009. Entrevista do Presidente da República

29/01/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal O Liberal, do Pará Publicada em 29 de janeiro de 2009 Jornalista: Mesmo com a grave crise mundial

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei nº 629/XII/ 3.ª Conclusão das obras em curso, reavaliação e concretização dos projetos aprovados e extinção do Parque Escolar E.P.E. A realidade

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 21/12/2015 DISCURSO DO MINISTRO NELSON BARBOSA POR OCASIÃO DA SOLENIDADE DE TRANSMISSÃO DE CARGO Senhoras e Senhores, Em primeiro

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10. PLANEJAMENTO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais