SISTEMA SERVICE DESK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA SERVICE DESK"

Transcrição

1 SISTEMA SERVICE DESK Taiana Rosales de Oliveira Anderson Ricardo Yanzer Cabral Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) Curso de Sistemas de Informação Câmpus Guaíba BR 116 KM 299 N 5724, CEP Guaíba RS 1 INTRODUÇÃO Este artigo apresenta um sistema desenvolvido para atender uma multinacional que atua no ramo de atividade metal-mecânico, sendo que seu foco está no fornecimento de produtos no segmento de transporte vertical. Os principais produtos da empresa são elevadores, escadas e esteiras rolantes, passarelas para aeroportos (túnel entre o terminal de passageiros e aeronaves) e armazéns automatizados. A companhia dispõe dos serviços de modernização de equipamentos instalados e manutenção preventiva e corretiva de seus produtos. A empresa conta com um parque industrial, localizado em Guaíba/RS, com terreno de m² e área coberta de aproximadamente m². O escritório central, denominado Matriz, está localizado juntamente com o parque industrial e possui doze Filiais, às quais a companhia denomina de Unidades de Negócio em todo o Brasil e ainda mais 500 postos de atendimento e assistência técnica. A empresa possui a necessidade de dispor de uma ferramenta que seja capaz de mapear os chamados feitos para o suporte e desenvolvimento da área de Tecnologia da Informação, a fim de melhorar o controle destes serviços e melhor atender seus usuários da matriz e das filiais. Buscando atender esta necessidade, a empresa comprou duas ferramentas, o ITS 1 em 2004/01 e o Qualitor 2 em 2004/02, mas as duas ferramentas tratam-se de pacotes fechados, sendo que qualquer melhoria que viesse a ser solicitada dependia de um novo investimento, e o tempo de resposta para atendimento destas solicitações pelos desenvolvedores era longo, o que tornava inviável a customização dos sistemas. Alguns dos problemas que ocorreram durante o processo de aquisição das ferramentas: - espaço curto de tempo para validação das funcionalidades e população das tabelas; 1 2

2 - falta de tempo da equipe de TI para validação devido a tarefas rotineiras; - ilustravam um universo de possibilidades que no momento não se tinha como testar, devido ao fato de não ter dados reais populados nas tabelas no espaço de tempo despendido para validação; - não possuía agilidade na implementação de melhorias como: alteração de telas; geração de relatórios integrados e remodelação de processos de atendimento. As ferramentas não atenderam a expectativa da área de TI pelos seguintes motivos: a) não possuem interfaces simples com as quais os usuários possam interagir; b) não estão nos padrões de layout exigido pela empresa; c) não se adequam aos processos de atendimento da área de desenvolvimento e suporte; d) não possibilitam à gerência do setor a emissão de relatórios para tomada de decisão. Após apresentar o problema levanta-se o seguinte questionamento: como suprir a carência da empresa de forma que se tenha um processo de atendimento a chamados, para desenvolvimento e suporte, automatizados, beneficiando a área de TI, a empresa e seus usuários? Diante deste questionamento, a proposta foi projetar e implantar uma solução denominada Service Desk, que tem como objetivo: automatizar o processo de atendimento a incidentes dos usuários; controlar as tarefas dos funcionários; criar um ponto único de controle; emitir relatórios possibilitando melhorias do setor e da empresa; melhorar o grau de satisfação dos usuários e disponibilizar subsídios para tomada de decisão gerencial. Este artigo será apresentado, como descrito a seguir: Na seção 2 relata-se a situação problemática identificada na empresa e o cenário atual da empresa. Na seção 3 será apresentado o referencial teórico. Na seção 4, será apresentada a solução proposta. A seção 5 apresenta as considerações finais referentes aos resultados obtidos junto ao projeto. Em seguida serão apresentadas as referências bibliográficas utilizadas. 2 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA A gerência do setor de TI da empresa não possui uma ferramenta para controlar as atividades dos funcionários de desenvolvimento e suporte. Atualmente a abertura de chamados e o atendimento dos mesmos são realizados via telefone, e acesso remoto. A Figura 1 mostra a tela do correio eletrônico - outlook onde é realizado o acompanhamento

3 das tarefas de um dos funcionários da área de suporte. O funcionário executa seu controle direcionando as mensagens para pastas particulares que estão subdivididas pelas unidades da empresa, dando o atendimento quando possível. Este atendimento pode ser realizado: via VNC, in loco, por ou telefone, sendo que muitas vezes o atendimento é direto pelo contato telefônico ou in loco, e estes não ficam registrados. Figura 1 Tela do Correio Eletrônico Os analistas e programadores realizam seu controle através de planilhas em Excel ou por e- mail. A Figura 2 mostra uma planilha elaborada no Excel para o controle individual de um analista de desenvolvimento, sendo que nesta planilha o analista controla suas pendências, atividades diárias e cobrança de testes.

4 Figura 2 Tela do Correio Eletrônico Como a abertura e o atendimento são realizados da forma descrita acima, atualmente, para se obter informações sobre o atendimento realizado e a qualidade dos mesmos o gerente do setor de TI tem que solicitar relatórios a sua equipe, que os elabora de forma manual, o que demanda tempo e dedicação. O gerente de TI com base nestes relatórios realiza suas conclusões, sendo estes, alguns dos principais pontos percebidos pelo gerente: os clientes possuem baixa confiança e pouca percepção da TI e sentem a necessidade de dispor um ponto único para acompanhamento de seus chamados. Diante desta questão e tendo no contexto a incompatibilidade das ferramentas adquiridas (Qualitor e ITS), ficou evidenciado que seria necessário o desenvolvimento de um sistema proprietário, totalmente customizado aos processos de atendimento pela área de TI. Sendo assim, este sistema de informação se tornará uma importante fonte de informações ao tomador de decisão do setor de TI. 3 REFERENCIAL TEÓRICO

5 Para elaboração deste trabalho foram pesquisados os conceitos de: SI Sistemas de Informação, PU Processo Unificado, UML Unified Modeling Language, MER Modelo Entidade Relacionamento, DD Dicionário de Dados e SLA Service Level Agreement. Os conceitos de ITIL Information Technology Infrastucture Library e SLA Service Level Agreement serão apresentados abaixo buscando dar subsídios para o entendimento deste artigo. 3.1 ITIL - Information Technology Infrastucture Library O ITIL é uma biblioteca composta por sete livros que apresentam uma visão consistente e holística de serviços da Tecnologia da Informação, baseada em processos Ilumna (2004). É um modelo de referência para gerenciamento de processos de TI. O conjunto de melhores práticas foi desenvolvido no final dos anos 80 pelo Office of Governance Commerce (OGC) órgão do governo inglês. Segundo Academy (2003, p. 32),... a ITIL descreve os contornos de como organizar o Gerenciamento de Serviços. Os modelos mostram os objetivos, atividades gerais, entradas e saídas dos vários processos, que podem ser incorporados nas organizações de TI. A ITIL não determina, severamente, cada ação a ser executada no dia-a-dia porque existem algumas coisas que poderão ser diferentes de uma organização para outra.... Para o desenvolvimento deste trabalho serão utilizadas as melhores práticas proposta nos tópicos 5: Gestão de Incidentes e 6: Service Desk do livro Service Suport, pois, a empresa está iniciando o trabalho de modelagem de seus processos conforme as melhores práticas propostas pelo ITIL. A empresa tomando como base um padrão a fim de seguí-lo e remodelá-la no que for necessário para implementar o processo já tratado por outras empresas, torna seu processo de implementação mais ágil, eficiente e o retorno após sua implantação será mais rápido, dependendo apenas da população da base de dados com os registros e a implementação dos relatórios necessários para tomada de decisão. 3.2 SLA - Service Level Agreement Conforme Sturm, Morris e Jander (2001), um SLA Acordo de Níveis de Serviço define

6 quais os níveis de serviço são considerados aceitáveis pelos usuários e podem ser fornecidos pelos prestadores de serviço, atuando como proteção junto às expectativas. Existe uma característica básica da natureza humana de querer sempre mais e melhor. Mais especificamente, um SLA bem redigido definirá não apenas as expectativas, mas também um conjunto de indicadores aceitáveis e mutuamente acordados de qualidade de serviços. Para HILES, um SLA é um acordo entre o provedor de serviços e seus clientes, que estabelece a qualidade mínima de serviço que a empresa necessita. Tendo-se estabelecido um SLA, é necessário obter dados sobre a qualidade real ou nível de serviço fornecido. Para isso, os gerentes precisam utilizar ferramentas para monitorar o desempenho do serviço prestado. Essas ferramentas de monitoração compreendem software ou hardware, que recuperam dados sobre o estado dos componentes básicos orientando o serviço. Esses dados são armazenados em um banco de dados para referência futura ou são interpretados e introduzidos em relatórios. Segundo Academy (2003) se os departamentos de TI das organizações pretendem demonstrar a área de negócios, um compromisso com a provisão de serviços orientados ao cliente, o gerenciamento do nível de serviços é essencial. Para a empresa os controles dos SLA s serão definidos a fim de padronizar e identificar os pontos fracos do atendimento, melhorando gradualmente a qualidade do serviço de TI, através de monitoração e redefinição dos acordos, gerando relatórios, estimulando assim ações de erradicação de serviços mal prestados. Em um primeiro momento os SLA s serão internos, ou seja, do terceiro tipo descrito, o setor de TI da empresa os definirá e conforme a necessidade podem ser alterados. 4 SOLUÇÃO PROPOSTA Tendo em vista que as organizações estão cada vez mais voltadas para o fornecimento de serviços de qualidade, e considerando o retorno obtido através da aplicação de normas e procedimentos, a proposta deste trabalho foi projetar e implantar Gerenciamento de Serviços através de um sistema de atendimento a incidentes de suporte e desenvolvimento denominado Service Desk para o setor de TI da empresa, baseado nas melhores práticas propostas pelo ITIL. Abaixo será descrita a forma como foi concebida a ferramenta.

7 Segundo Larman (2000) o desenvolvimento de uma aplicação necessita de uma descrição do problema e dos seus requisitos. Para identificar o que o problema e o que o sistema precisa fazer, deve-se realizar uma análise, a qual enfatiza uma investigação do problema e de como a solução será definida. A metodologia de desenvolvimento abordada é o PU Processo Unificado que está subdividido em fases, sendo a fase de Concepção, Elaboração, Construção e Transição. Através da análise realizada durante as fases de concepção e elaboração, quando realizado as reuniões e levantamento de requisitos, foram identificados casos de uso, correlacionando-os e os atores que farão parte deste projeto foi construído o diagrama de casos de uso. O diagrama pode ser visto na Figura 3. Figura 3 Diagrama de Casos de Uso do Sistema Caso de Uso: Abrir Incidente Desenvolvimento Objetivo: Cadastrar incidente para desenvolvimento. Atores: UserGuest, UserKey, Analista Interno, Analista Externo, Programador Interno, Programador Externo, Analista de Suporte Interno, Analista de Suporte Externo, Administrador e Administrador de Analistas. Pré-Condições: Estar logado no sistema, existir cadastro de tipo de incidente ativo. Ativação: O caso de uso inicia quando o usuário clica no botão denominado Abrir Incidente de Desenvolvimento. Fluxo de Eventos: FLUXO NORMAL:

8 Fluxo Alternativo: 1. O sistema monta formulário de abertura do incidente; 2. São carregadas todas as possibilidades de tipo de incidente para o ator logado conforme seu perfil; 3. O sistema envia mensagem para os analistas que possuem o Sistema e Sub-Sistema relacionados a seu usuário. FLUXO ALTERNATIVO: (UserGuest abre incidente) 1. O sistema envia mensagem para os UserKey que possuem o Sistema e Sub-Sistema relacionados a seu usuário. 2. Um UserKey detalhará o incidente e marcará se procede ou não o incidente, ou pode solicitar troca de informações com o usuário. 3. O sistema envia mensagem para os analistas que possuem o Sistema e Sub-Sistema relacionados a seu usuário. Tabela 1 - Descrição do Caso de Uso Abrir Incidente Desenvolvimento Caso de Uso: Emitir Relatórios Objetivo: Ator emite relatórios do sistema. Atores: UserGuest, UserKey, Analista Interno, Analista Externo, Programador Interno, Programador Externo, Analista de Suporte Interno, Analista de Suporte Externo, Administrador e Administrador de Analistas. Pré-Condições: Estar logado no sistema, incidentes cadastrados. Ativação: O caso de uso inicia quando o usuário clica no menu Relatórios e no sub-menu com a opção desejada. Fluxo de Eventos: FLUXO NORMAL: 1. Opção lista usuários chave do sistema: exibe uma listagem em html contendo duas colunas, uma coluna exibe quebra por sistema e sub-sistema com os usuários que responde a outra coluna exibe quebra por usuário e os sistemas e sub-sistemas que responde; 2. Opção lista analistas do sistema: exibe uma listagem em html contendo duas colunas, uma coluna exibe quebra por sistema e sub-sistema com os analistas que responde a outra coluna exibe quebra por analista e os sistemas e sub-sistemas que responde; 3. Opção interdependência de incidentes: quando usuário chave logado, seleciona no combo uma das categorias que seu perfil responde, é processado e são exibidos os analistas que atendem para categoria selecionada e o administrador, e também exibe todos os usuários chaves envolvidos na listagem dos incidentes abertos. O programa busca todos os analistas que responde para área selecionada e lista html com todos os incidentes abertos para as áreas que estes analistas atendem conforme a ordem de atendimento. Quando outro usuário logado que possua acesso: deve selecionar o usuário chave e a categoria. 4. Opção lista incidentes por analista: exibe todos incidentes relacionados com o analista selecionado no combo do período escolhido, exceto com Status Cancelado e Fechado. 5. Opção lista incidentes: e contabiliza horas de programação e de análise; exibe todos incidentes relacionados com o analista selecionado no combo do período escolhido, com Status Em

9 Programação e Em Análise, exibindo subtotal de horas por incidente, total geral de horas e total geral por status. 6. Opção administrador de analistas: exibe todos administradores de analistas e os analistas de seu grupo. Tabela 2 - Descrição do Caso de Uso Emitir Relatórios Na fase de concepção também foram levantados os estados possíveis do sistema: ABERTO: quando aberto por um usuário e está disponível para o analista atender. PENDENTE DE KEYUSER: quando está disponível para o Usuário Chave dar procedência ao incidente. Neste caso o usuário chave tem a responsabilidade de verificar se o incidente é pertinente para ser desenvolvido. Status somente para o tipo desenvolvimento. PENDENTE DE PREVISÃO: quando o analista está analisando o incidente para definir um prazo de entrega para o mesmo. Status somente para o tipo desenvolvimento. PENDENTE DE TERCEIRO: quando estiver pendente de uma tarefa e ser executada por uma empresa terceira que presta serviços de informática para ThyssenKrupp Elevadores, este status é específico para o suporte. EM ANÁLISE: quando o analista está analisando o incidente. PENDENTE DE INFORMAÇÃO: quando o analista solicita informações para o usuário que abriu o incidente. Significa que o incidente depende desta informação para prosseguir com o andamento. TROCA DE INFORMAÇÃO: quando o usuário chave ou analista solicita troca de informações com o usuário que abriu. Quando se deseja somente trocar informações com o usuário. EM PROGRAMAÇÃO: quando o analista encaminhar um incidente para fila de um programador e o mesmo não tiver nenhum incidente para ser atendido no momento. Status somente para o tipo desenvolvimento. FILA DE PROGRAMAÇÃO: quando o analista encaminhar um incidente para fila de um programador e o mesmo já estiver com outro incidente com status EM PROGRAMAÇÃO, então entrará na fila do programador. Status somente para o tipo desenvolvimento. EM VALIDAÇÃO: quando está disponível para o usuário que abriu o incidente testar as alterações. Status somente para o tipo desenvolvimento. FECHADO: quando o analista ou usuário chave fechar o incidente CANCELADO: quando o analista, ou usuário chave, ou usuário que abriu o incidente cancelar o incidente.

10 Na fase de Construção, seguindo a metodologia proposta, foi implementado e validado o sistema proposto que será descrito a seguir. O sistema desenvolvido está disponível para acesso através do Portal de Informações da empresa, podendo ser acessado internamente ou externamente. Os usuários do sistema que possuem login da rede da empresa utilizam o mesmo usuário e senha para acessar o sistema de fora da empresa, através da extranet. Após o usuário autenticar-se no sistema será exibida a tela principal do sistema conforme Figura 4. No momento do login do usuário o sistema monta os perfis de acesso e conforme o perfil logado exibirá ou não determinados menus do sistema, funcionalidades, campos em tela e incidentes. Se for um usuário com perfil: UserGuest: exibirá somente seus incidentes, ou seja, somente os incidentes abertos pelo usuário logado. KeyUser: exibirá seus incidentes, e todos os incidentes com status Pendente de KeyUser abertos para área que o KeyUser atende. Analista: exibe os incidentes que foram abertos pelo usuário, os incidentes que está como analista responsável, os que incidentes que está como apoio solicitado e os incidentes que estão Abertos; Programador: exibe os incidentes que foram abertos por este usuário, os incidentes para os quais foi adicionado como programador, os incidentes que ele está como apoio e os incidentes que estão Aberto para sua área; Administrador: exibi todos os incidentes.

11 Figura 4 - Tela principal do sistema A Figura 5 mostra o formulário para abertura de um incidente de desenvolvimento. Figura 5 Formulário Quando o usuário detalhar um incidente será exibido um formulário com os dados do mesmo, conforme Figura 6. Quando o analista alterar o status do incidente para Em Análise deverá preencher o campo Previsão de Entrega, esta data é a data final para entrega da solicitação incluindo o tempo de

12 validação pelo usuário, se este prazo não for cumprido ficará exibindo na tela principal de listagem dos incidentes a Data de Previsão em vermelho. Para cada andamento (parecer) realizado pelos analistas ou usuários do incidente fica registrado com: data e hora de início, status, parecer, nome de quem registrou e data e hora final, estes dados são importantes para o controle do tempo trabalhado em cada incidente e ainda dividilos por status. Quando um incidente estiver com status Pendente de Informação e o usuário responder as informações solicitadas, o incidente voltará para o status Em Análise e será gravada a data de previsão em histórico e o analista deverá orçar uma nova previsão ao incidente. Quando um incidente estiver com status Em Validação, o usuário poderá aprovar ou reprovar o incidente, se aprovar o incidente será automaticamente fechado e o analista será comunicado por informando que o programa pode ser colocado em produção no prazo de 24 horas, se caso for reprovado o incidente voltará para o status Em Análise e será gravada a data de previsão em histórico e o analista deverá orçar uma nova previsão ao incidente. Figura 6 Tela de detalhe do incidente Na fase de transição realizaram-se reuniões com os usuários e foi disponibilizado o sistema

13 para uso em produção. Hoje o sistema já está em pleno funcionamento na matriz e nas filiais da empresa. Esta ferramenta controla hoje todas as solicitações de chamados referentes a problemas de tecnologia tratados pelo setor de TI, não é mais aceito pela empresa outra forma para atender os usuários, pois todos os chamados devem ser devidamente registrados na central de atendimento denominada Service Desk. 5 CONCLUSÃO O desafio para o desenvolvimento deste sistema e talvez o principal eixo motivador foi a oportunidade de estudar e utilizar as melhores práticas para gerenciar a infra-estrutura de TI através do ITIL, desenvolvendo uma ferramenta capaz de monitorar os incidentes abertos por usuários para o setor de TI. Se não fosse realizado o desenvolvimento totalmente customizado ao processo de atendimento a chamados da área de desenvolvimento e suporte, teríamos mais uma ferramenta desenvolvida que poderia ser descontinuada na empresa, assim como o ITS e o Qualitor. É importante para obtenção de um sistema bem planejado e bem elaborado adotar os princípios de Engenharia de Software no seu desenvolvimento, através destes princípios a equipe envolvida tem uma metodologia e padrões de desenvolvimento para seguir. Neste trabalho foi importante a utilização do Processo Unificado para concepção do sistema, o PU dispõe de uma série de regras para o desenvolvimento de um projeto bem sucedido e a geração de artefatos para sua documentação. Através da implantação do sistema na empresa, obtivemos os seguintes resultados: melhoria na satisfação do usuário, ponto único de contato entre usuário e TI, controle padronizado das tarefas dos funcionários de TI, dados disponíveis, redução de atendimento telefônico e histórico do atendimento dos chamados. A empresa hoje dependente desta ferramenta para executar suas tarefas diárias e tornou visível o trabalho de TI na empresa melhorando assim o nível de satisfação dos usuários da área de TI.

14 REFERÊNCIAS ACADEMY, Quint W. Redwood. Conceitos Básicos ITIL para Gerenciamento de Serviços em TI. São Paulo: Quint, HILES, A. N. Service level agreements: panacea or pain? The TQM Magazine, Bradford, v. 6, n. 2, p. 14, ILUMNA. Planejando a Implementação de ITSM. 2.ed. São Paulo: Ilumna, LARMAN, Craig. Utilizando UML e Padrões. Uma Introdução à Análise e ao Projeto Orientado a Objetos. Porto Alegre: Bookman, STURM, R.; MORRIS, W. JANDER, M. Service level management: fundamentos do gerenciamento dos níveis de serviço. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT

MANUAL DO CLIENTE CONSTAT MANUAL DO CLIENTE CONSTAT 2013 Todos os direitos reservados à Constat. Distribuição ou repasse a terceiros não autorizados. Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512 Fone (51) 3025.6699 www.constat.com.br

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

CA SERVICE DESK MANAGER

CA SERVICE DESK MANAGER CA SERVICE DESK MANAGER GUIA RÁPIDO: Abertura de Chamado pelo Portal Web (Ferramenta Service Desk ) 1. CA SERVICE DESK MANAGER... 3 2. CONHECENDO AS TELAS INICIAIS... 4 2.1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas Geandré Meller Zacher 1 Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar o projeto SISGAP, que

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani Guia do usuário GLPI Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani 1 -O que é GLPI? GLPI(Gestionnaire Libre de Parc Informatique ) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

1. O que é GLPI? 2. Processo de atendimento

1. O que é GLPI? 2. Processo de atendimento 1. O que é GLPI? GLPI (Gestionnaire Libre de Parc Informatique) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre. Essa é uma ferramenta de helpdesk (suporte ao usuário) para

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

M a n u a l d o U s u á r i o F i n a l

M a n u a l d o U s u á r i o F i n a l M a n u a l d o U s u á r i o F i n a l I T I L A D V A N C E D Todos os direitos reservados ao Qualitor. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Manual do Usuário Centro de Serviços Gerenciados

Manual do Usuário Centro de Serviços Gerenciados Manual do Usuário Centro de Serviços Gerenciados Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 ACESSO AO SISTEMA HP SERVICE MANAGER... 3 3 REGISTROS DE SOLICITAÇÕES DE ATENDIMENTO... 4 3.1 ABRINDO UM CHAMADO 4 3.2 ACOMPANHANDO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Manual de Utilização. Obter Acesso aos Sistemas Educação. Projeto: Obter Acesso Versão Doc.: <1.0> Data de criação: 15/10/2010

Manual de Utilização. Obter Acesso aos Sistemas Educação. <Versão: 1.0> Projeto: Obter Acesso Versão Doc.: <1.0> Data de criação: 15/10/2010 Obter Acesso aos Sistemas Educação Manual de Utilização Página 1/9 Conteúdo 1. Introdução... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Escopo... 3 1.3 Acesso... 3 1.4 Requisitos básicos... 3 2. Interface de

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROGRAMAS. PROGRAMADOR Joel Victor. Introdução

ESPECIFICAÇÃO DE PROGRAMAS. PROGRAMADOR Joel Victor. Introdução Página 1 de 16 Introdução Documento para especificação de programa do Caso de Uso Manter Usuários. Além da descrição de programa o documento terá o diagrama de classes e o diagrama de sequência. Caso de

Leia mais

invgate Service Desk

invgate Service Desk invgate Service Desk 02 Informação Geral. 03 Funcionalidades. 06 Beneficiação. Índice. 02 Informação Geral. Revolucione seu departamento de IT Administrar seu departamento de IT é fácil Atualmente, os

Leia mais

SIASP SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE ALMOXARIFADO SERVIÇOS E PATRIMÔNIO MANUAL DO USUÁRIO

SIASP SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE ALMOXARIFADO SERVIÇOS E PATRIMÔNIO MANUAL DO USUÁRIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SIASP SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE ALMOXARIFADO

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SILC - SISTEMA DE LOCAÇÃO E CONTROLE

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SILC - SISTEMA DE LOCAÇÃO E CONTROLE 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SILC - SISTEMA DE LOCAÇÃO E CONTROLE EDILBERTO SILVA 1, ALESSANDRA DE CARVALHO COSTA (0911272) 2, CRISTIANO LEOPOLDINO DA SILVA. (911343) 3, MARCELO

Leia mais

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento

Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Sistema de Controle de Solicitação de Desenvolvimento Introdução O presente documento descreverá de forma objetiva as principais operações para abertura e consulta de uma solicitação ao Setor de Desenvolvimento

Leia mais

Manual do REC. Sistema de Registro de Categorias

Manual do REC. Sistema de Registro de Categorias Manual do REC Sistema de Registro de Categorias (Usuário Externo) Atualizado em Dezembro/2013 Versão 2.0 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 6 2. FLUXO DO SISTEMA... 6 3. AUTENTICAÇÃO... 7 4. VINCULAR REPRESENTANTE/REPRESENTADO...

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Service Desk. IT Management Software. Certified Partner

Service Desk. IT Management Software. Certified Partner Certified Partner Você não está precisando melhorar a qualidade do suporte técnico de sua empresa, reduzir radicalmente o tempo de resposta e gerir com as melhores práticas os processos de serviço? Atualmente,

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização do Help Desk da Coco do Vale.

Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização do Help Desk da Coco do Vale. Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos padronizados necessários para utilização do Help Desk da Coco do Vale. Responsabilidades As informações neste tópico são as responsabilidades, descritas de

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROGRAMAS. PROGRAMADOR Joel Victor. Introdução

ESPECIFICAÇÃO DE PROGRAMAS. PROGRAMADOR Joel Victor. Introdução Página 1 de 15 Introdução Documento para especificação de programa do Caso de Uso Manter Usuários. Além da descrição de programa o documento terá o diagrama de classes e o diagrama de sequência. Caso de

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Comercial Cadastros o (202) Cadastro de Vendedores Flag Enviar Previsão: Flag Enviar Previsão: Foi inserido um novo flag no cadastro de vendedores.

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

Curso Básico Sistema EMBI

Curso Básico Sistema EMBI Curso Básico Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

3.000.000 de registros de candidatos e respondentes de pesquisa, número que continua crescendo.

3.000.000 de registros de candidatos e respondentes de pesquisa, número que continua crescendo. SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS - OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS Índice 1. INTRODUÇÃO...5 2. MÓDULO DE GESTÃO DE

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

GUIA RÁPIDO Sistema de Gestão da Faixa de Domínio GFD.Net Módulo de Fiscalização Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná DERPR

GUIA RÁPIDO Sistema de Gestão da Faixa de Domínio GFD.Net Módulo de Fiscalização Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná DERPR GUIA RÁPIDO Sistema de Gestão da Faixa de Domínio GFD.Net Módulo de Fiscalização Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná DERPR SUMÁRIO OCUPAÇÃO... 4 1. CADASTRAR A FISCALIZAÇÃO REALIZADA...

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 2013 Relatório Gerencial Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 Sumário 1. Objetivo... 4 2. Seleção dos registros... 4 2.1 Seleção dos executores... 4 2.2 Parâmetros...

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Manual do Solicitante Sistema de abertura de chamados Versão 1.2 Cloud

Manual do Solicitante Sistema de abertura de chamados Versão 1.2 Cloud Manual do Solicitante Sistema de abertura de chamados Versão 1.2 Cloud Sumário Apresentação 4 1. Abertura de um processo 5 2. Abertura de chamados 9 3. Acompanhamento do Processo 14 3.1. Recebimento de

Leia mais

CADASTRO DO PCMSO INTERNO 1. OBJETIVO. Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

CADASTRO DO PCMSO INTERNO 1. OBJETIVO. Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/8 1. OBJETIVO Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional; PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; PCMAT

Leia mais

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo:

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: ONE Service Desk O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Mudanças BDGC (Banco

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CHAMADOS (GLPI)

MANUAL DO SISTEMA DE CHAMADOS (GLPI) MANUAL DO SISTEMA DE CHAMADOS (GLPI) 1 Acessando o GLPI Para acessar o sistema, basta abrir o seu navegador de internet e acessar a URL http://suporte.genix. ind.br, será aberta a tela a seguir: Após acessar

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

Manual Portal Ambipar

Manual Portal Ambipar Manual Portal Ambipar Acesso Para acessar o Portal Ambipar, visite http://ambipar.educaquiz.com.br. Login Para efetuar o login no Portal será necessário o e-mail do Colaborador e a senha padrão, caso a

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR WEB

MANUAL DO PRESTADOR WEB MANUAL DO PRESTADOR WEB Sumário 1. Guia de Consulta... 3 2. Guia de Procedimentos Ambulatoriais... 6 3. Guia de Solicitação de Internação... 8 4. Prorrogação de internação... 8 5. Confirmação de pedido

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

Como acessar e utilizar o Escritório Virtual

Como acessar e utilizar o Escritório Virtual Como acessar e utilizar o Escritório Virtual A proposta deste manual é ser o mais resumido possível, abordando os principais aspectos para que qualquer usuário possa acessar e utilizar os Escritórios Virtuais.

Leia mais

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1 2 Índice 1. Escritório Virtual... 5 1.1. Atualização do sistema...5 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1.3. Cadastro do Escritório...5 1.4. Logo Marca do Escritório...6...6 1.5. Cadastro

Leia mais

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Fernando Pires Barbosa, Carlos Roberto Gressler, Marcio Andre Dell Aglio Frick, Daniel Michelon de Carli, Giséli Bastos, Henrique

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano Gerenciamento de Incidentes - ITIL Prof. Rafael Marciano Conteúdo Objetivos Conceitos e Definições Atividades Indicadores Chaves de Desempenho Papéis Desafios Um pouco sobre a certificação ITIL Foundations

Leia mais

Registro somente o pessoal do Departamento de Registro pode utilizar este recurso.

Registro somente o pessoal do Departamento de Registro pode utilizar este recurso. Departamento Responsável: Registro Departamento que vão ser beneficiados com este recurso: Objetivos: Registro somente o pessoal do Departamento de Registro pode utilizar este recurso. Cadastrar históricos

Leia mais

CERTIDÕES UNIFICADAS

CERTIDÕES UNIFICADAS CERTIDÕES UNIFICADAS Manual de operação Perfil Cartório CERTUNI Versão 1.0.0 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Departamento de Inovação Tecnológica Divisão de Tecnologia da Informação Sumário LISTA DE FIGURAS... 2

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários

Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários Objetivos Explorar funções de procura e referência; Explorar ferramentas para controle de formulários em planilhas; Importar

Leia mais

Endereço de acesso: https://suporte.ufopa.edu.br

Endereço de acesso: https://suporte.ufopa.edu.br Manual Do Usuário O GLPI é o sistema de chamados de suporte técnico utilizado pelo CTIC da UFOPA. Através dele serão atendidos os chamados de suporte a equipamentos de informática, redes de computadores

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br ITIL Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Objetivo Prover uma visão geral sobre Gerenciamento de Serviços de TI: Conceito; Desafios; Estrutura; Benefícios;

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

Módulo SAC Atendimento ao Cliente

Módulo SAC Atendimento ao Cliente Módulo SAC Atendimento ao Cliente Objetivo O Módulo SAC ou Serviço de Atendimento ao Cliente é uma ferramenta que gerencia, cria e administra informações num canal de comunicação informatizado entre a

Leia mais

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Atenção: Os requerimentos de segunda oportunidade, matrícula em disciplina, rematrícula, matrícula em dependência e trabalhos orientados só poderão ser abertos

Leia mais

1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7.

1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7. 1/5 1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO Programa de controle médico da saúde ocupacional;

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Apresentando o novo modelo de atendimento Centro Marista de Serviços - CMS. Curitiba, Julho de 2014

Apresentando o novo modelo de atendimento Centro Marista de Serviços - CMS. Curitiba, Julho de 2014 Apresentando o novo modelo de atendimento Centro Marista de Serviços - CMS Curitiba, Julho de 2014 Vamos à prática: Como abrir um chamado? Entre na ferramenta com seu login e senha de rede (a mesma que

Leia mais

Manual do Atendente. Treinamento OTRS Help Desk

Manual do Atendente. Treinamento OTRS Help Desk Manual do Atendente Treinamento OTRS Help Desk Sumário Apresentação... 4 Efetuando login... 5 Conhecendo a interface de atendimento...5 Painel de Controle... 5 Chamados... 6 Visão de Filas... 6 Pesquisas...

Leia mais

Cotação de Passagens Aéreas Nacionais e Internacionais

Cotação de Passagens Aéreas Nacionais e Internacionais Cotação de Passagens Aéreas Nacionais e Internacionais Procedimentos Departamento de Projetos Contratos e Convênios Pró-Reitoria de Administração Manual para Cotação de Passagens Aéreas Nacionais e Internacionais

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

NFePackSaaS GUIA DO USUÁRIO

NFePackSaaS GUIA DO USUÁRIO NFePackSaaS GUIA DO USUÁRIO Guia NFePackSaaS_v1.docx Página 1 de 11 Sumário 1 - Apresentação... 3 2 Configuração Inicial... 4 2.1 Menu Configurações... 5 Configurações... 5 Filiais... 6 2.2 Menu Serviço...

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual do Usuário Instituição

Manual do Usuário Instituição 1 Manual do Usuário Instituição Área Restrita Site de Certificação Controle: D.04.36.00 Data da Elaboração: 13/08/2014 Data da Revisão: - Elaborado por: TIVIT / Certificação ANBIMA Aprovado por: Gerência

Leia mais