RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM FACE DA MAMOGRAFIA NO ESTUDO DAS MAMAS: VIABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM FACE DA MAMOGRAFIA NO ESTUDO DAS MAMAS: VIABILIDADE"

Transcrição

1 RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM FACE DA MAMOGRAFIA NO ESTUDO DAS MAMAS: VIABILIDADE RESUMO Regiane Bertges O presente artigo traça um quadro comparativo entre a viabilidade da ressonância magnética em face da mamografia no estudo das mamas, com estudo de vários artigos e revisão. Nesse contexto, verificou-se que a ressonância magnética é um método excelente para o estudo das mamas, contudo, a mamografia se mostrou mais viável. Palavras-chave: ressonância magnética, mamografia, mamas. INTRODUÇÃO A anatomia da mama de acordo com Spence [1] é descrita da seguinte forma: mamas são glândulas exócrinas, que fazem parte do sistema reprodutor, lembrando que a mama esta presente nas mulheres e nos homens, porem vale ressaltar que a mama se desenvolve na mulher. São estruturas complexas constituídas por tecido glandular (onde é produzido o leite) rodeado por tecido gorduroso e por tecido de sustentação. A anatomia interna da mama é composta por: lobos, lóbulos, ducto, ampola, tecido adiposo e ligamento de Cooper. A anatomia externa da mama é composta por: mamilo, aréola, prega inframamária e processo axilar. Figura 1: Anatomia da mama Fonte: [2] Atlas De Cirurgia Da Mama

2 A mama está localizada entre a 2 ª costela e a 6ª costela, na borda lateral do esterno até a axila e anterior aos músculos peitorais. [1] Para a análise e estudo da mama são utilizados alguns métodos de diagnósticos por imagem sendo, a ultrassonografia, mamografia e a ressonância magnética sendo este o mais moderno. Contudo nesta revisão de literatura será dada ênfase na mamografia e na ressonância magnética. A mamografia é o exame das mamas realizado com radiação ionizante, sendo utilizado baixo kv e alto mas, para gerar alto contraste, necessário na identificação das estruturas que compõem a mama. É utilizado de forma preventiva para o Câncer de mama e também como método diagnóstico, quando já há a suspeita da existência de uma anomalia. [3] A mamografia pode ser dividida em: mamografia para rastreamento e a mamografia diagnóstica. Mamografia de rastreamento é aquela realizada em mulheres assintomáticas e tem o intuito de rastrear possíveis lesões tendo o diagnostico precoce. Em 2004, o Ministério da Saúde (MS) publicou o Controle do Câncer de Mama: Documento de Consenso, recomendando as seguintes ações para rastreamento em mulheres assintomáticas: exame clinico a partir dos 40 anos, mamografia para mulheres entre 50 e 69 anos com intervalo máximo de 2 anos e exame clínico das mamas e mamografia anual, a partir dos 35 anos, para mulheres do grupo de risco. [4] Mamografia diagnóstica é aquela realizada em mulheres com sinais ou sintomas de câncer de mama. Os sintomas mais freqüentes de câncer de mama são: nódulos, espessamento e descarga papilar. [4] O equipamento de mamografia independente de ser de forma convencional com conjunto de chassis/ écram/filme ou de forma digital onde o sistema é equipado com um receptor digital e um computador, a forma do exame e a rotina básica é a mesma. Ambas utilizam radiação ionizante para gerar as imagens, ocorre à compressão da mama que deve ser entre 13 e 15 kgf. e os posicionamentos são os mesmos, vale lembrar que na mamografia as incidências seguem padronização, tanto do posicionamento da paciente quanto da angulação do tubo, a seguir será descrito a rotina básica de mamografia nos diagnósticos por imagem: - Incidência crânio-caudal (CC): Tubo vertical, feixe perpendicular à mama. Paciente de frente para o receptor, com a cabeça virada para o lado oposto ao exame; do lado

3 examinado, mão na cintura e ombro para trás ou braço ao longo do corpo, com o ombro em rotação externa. Elevar o sulco inframamário para permitir melhor exposição da porção superior da mama, próxima ao tórax. Centralizar a mama no bucky, mamilo paralelo ao filme. Filme mais próximo dos quadrantes inferiores. As mamas devem ser posicionadas de forma simétrica. Para melhorar a exposição dos quadrantes externos, pode-se tracionar a parte lateral da mama, antes de aplicar a compressão. Ver figura 2. [4, 5] Figura 2: incidência CC Fonte: [4] Mamografia da Pratica ao Controle - Incidência médio-lateral obliqua (MLO): Rodar o tubo até que o bucky esteja paralelo ao músculo grande peitoral, com angulação de 45º. Feixe perpendicular à margem lateral do músculo grande peitoral. Paciente de frente para o bucky com o braço do lado examinado fazendo 90º com o tórax; encaixar a axila e o grande peitoral no ângulo superior externo do bucky; puxar o peitoral e a mama para o bucky (colocar a mama para cima, "abrindo" o sulco inframamário); rodar o paciente (lado oposto ao exame para fora) e comprimir. Centralizar a mama, mamilo paralelo ao filme. Filme mais próximo dos quadrantes externos. As mamas devem ser posicionadas de forma simétrica com a mesma angulação. Ver figura 3. [4, 5]

4 Figura 3: incidência MLO Fonte: [4] Mamografia da Pratica ao Controle Neste contesto, no tocante a ressonância magnética é um método de diagnóstico mais recente e indicado para estudos da mama desde 1991 conjuntamente com a mamografia [6]. Vale lembrar, que o primeiro estudo de mama com a RM se deu em 1986, e a partir de então, este método diagnóstico passou por significativos avanços, revelando-se promissor na investigação de doenças da mama e próteses de silicone [7]. A ressonância magnética é um meio de diagnóstico não invasivo que não utiliza radiação ionizante para gerar imagens, destaca-se que a ressonância permite a obtenção de imagens em qualquer plano ortogonal. A maioria dos estudos de imagem por ressonância magnética das mamas relatados na literatura tem sido realizada com equipamentos de alto campo (1,0 1,5T). Isto se deve à elevada relação sinal-ruído, ao melhor desempenho na técnica com supressão de gordura e maior definição do realce pelo meio de contraste nos equipamentos de alto campo [8, 9, 10, 11]. Equipamentos de baixo campo possuem menor relação sinal-ruído, com comprometimento da resolução espacial e as técnicas de supressão de gordura [8]. Neste exame a paciente deverá ser posicionada em decúbito ventral, com ambas as mamas situadas na bobina de superfície dedicada [12]. Já em relação aos planos de aquisição não existe um consenso para o estudo das mamas, pois ao realizar o estudo de uma única mama qualquer plano de aquisição pode ser utilizado, embora o plano sagital seja o mais freqüentemente empregado. O exame bilateral é mais freqüentemente realizado nos planos axial ou coronal [1].

5 Vale lembrar, que antes de serem citadas as seqüências de pulso que devem ser utilizadas para a análise e estudo das mamas devemos citar os pré-requisitos para o estudo que incluem: as bobinas dedicadas; já citadas acima, administração do meio de contraste paramagnético intravenoso, supressão do sinal da gordura, um campo magnético potente e homogêneo e múltiplas aquisições pós-contraste [13]. Citados acima os pré-requisitos para o estudo das mamas, insta salientar, as seqüências de pulso que são utilizadas para a avaliação, quais sejam: T 1 pré e pós-administração do meio de contraste gadolínio em gradiente - eco, T 2 fast spin-eco pré-contraste, T 2 com supressão de gordura [14]. Figura 4: Equipamento de RM e Bobina Dedicada Fonte: [15] Mello; Giselle Figura 5: Imagens Ponderadas em T 1 e T 2 Fonte: [15] Mello; Giselle

6 DIFERENÇAS ENTRE A RESSONÂNCIA MAGNÉTICA E A MAMOGRAFIA No decorrer deste estudo foi analisada a viabilidade da mamografia e da ressonância magnética, abaixo serão citadas algumas diferenças dos métodos de diagnósticos, são elas: Mamografia: é um método de diagnostico por imagem que utiliza radiação ionizante para gerar as imagens, o processo de revelação das imagens pode ser obtido de forma convencional através dos químicos (revelador, fixador) ou por processos digitais pelos sistemas CR e DR, o estudo básico é composto por quatro incidências básicas sendo elas CC e a MLO, o tempo aproximado do exame leva em torno de 15 a 20 minutos sendo tempo este de todo o processo de atendimento, pouco é o conforto da paciente, pois muitas acabam reclamando do posicionamento e do processo de compressão, as imagens da mama são obtidas em único plano, não se utiliza meio de contraste para dar mais contraste às estruturas, ocorre pouca visualização de detalhes anatômicos, um exame com baixo custo e pequeno tempo de espera para seu agendamento. Tornando-o um método mais acessível as pacientes de todas as classes sócio-econômico. Ressonância Magnética: é um método de diagnóstico por imagem que utiliza ondas de radiofreqüência e um forte campo magnético para gerar as imagens, o processo de documentação das imagens é obtido todo através de um sistema computacional e a impressão das imagens é através de impressora DRY, o estudo básico é composto por cerca de 4 a 6 seqüências e pode variar de acordo com a clinica e a solicitação médica, o tempo de exame pode variar de acordo com a quantidade de seqüências e o equipamento utilizado variando entre 30 a 40 minutos, o paciente possui conforto absoluto no decorrer do exame sendo que algumas pacientes reclamam do posicionamento do tempo do exame e algumas de claustrofobia, o exame possui alta qualidade de imagem sendo que as imagens são obtidas nos três planos anatômicos, utiliza administração do Gadolínio para melhor visualização das estruturas da mama, é um exame de alto custo e um tempo longo de espera para seu agendamento. Tornando-o um método menos acessível. CONCLUSÃO Concluiu-se, com esta revisão de literatura que os métodos de mamografia e ressonância magnética possuem particularidades especificas de cada um, sendo que a mamografia se mostrou o método mais indicado para a análise e estudo de lesões da mama.

7 A ressonância magnética tem se mostrado também um método de alta valia para o estudo das mamas e suas lesões, independente do tamanho delas. A ressonância magnética já esta sendo usada para fechamento de diagnósticos em casos de BIRAD S 0 (quando a caracterização da alteração está incompleta, sendo necessária avaliação adicional). Desta forma, a mamografia em conjunto com a ressonância magnética se torna cada vez mais solicitado para avaliação da mama, ajudando na certeza dos diagnósticos médicos e orientação para linha de tratamento. REFERÊNCIAS 1. Spence; Alexander P. (1991). Anatomia Humana Básica. 2ª Edição, Editora Manole LTDA. 2. Andriole; A. Dorothy. (1997). Atlas De Cirurgia Da Mama. 1ª Edição, Editora Revinter. 3. Bontrager; Kenneth L. (2003). Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica. 5ª Edição, Editora Guanabara Koogan. 4. Peixoto; João Emilio, Canella; Ellyete; Azevedo; Adeli C. (2007). Mamografia da Pratica ao Controle. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA. 5. Lopes; Aimar Aparecida, Lopes; Henrique M, Dimenstein; Renato. (2000). Guia Prático de Posicionamento em Mamografia. Editora SENAC. 6. Department of Health and Services Backgraund Information on the Possible Health Risk of Silicone Breast Implants. Food and Drug Administration Bulletin. Rackville, M.D.:Department of Health and Human Services, Alvares; Beatriz R, Michell; Michael. O uso da ressonância magnética na investigação do câncer mamário. Radiologia Brasileira 2003; 36(6): Orel SG, Schnall MD. MR imaging of the breast for the detection, diagnosis, and staging of breast cancer. Radiology 2001; 220:13 30.

8 9. Schnall MD. Breast MR imaging. Radiol. Clin North Am 2003; 41: Helbich TH. Contrast-enhanced magnetic resonance imaging of the breast. Eur J Radiol 2000;34: Morris E.A. Breast cancer imaging with MRI. Radiol Clin North Am 2002;40: Paulina González M, Patrícia Arancibia H, Teresa Taub E, Alejandra López P, Maria Elisa Droguett I. Indicaciones de Ressonância Magnética Mamaria. Revista HCUCh 2006; 17: Moraes; Paula de Camargo. Variação entre Observadores na Aplicação dos Critérios Morfológicos e Cinéticos Propostos pelo BI-RADS para Ressonância Magnética das Mamas. São Paulo Tese de Doutorado para a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. 14. Leopoldino; Denise D., D Ippolito; G., Bezerra; Alexandre S. A., Gracio; Tatiana S. Aspectos Técnicos da Ressonância Magnética de Mama com Meio de Contraste: Revisão da Literatura. Radiologia Brasileira 2005; 38(4): Mello; Giselle. Aula Técnica em Ressonância parte 1 e 2. UNIFESP Escola Paulista de Medicina. 16. Chala; Luciano F., Barros; Nestor de. Avaliação das Mamas com Métodos de Imagem. Radiol. Bras 2007;40(1):IV VI. 17. Mann; Ritse N, Hoogeveen; Yvonne L., Blickman; Johan G, Boetes; Carla. MRI Compared to Conventional Diagnostic Work-Up in the Detection and Evaluation of Invasive Lobular Carcinoma of the Breast: a Review of Existing Literature. Breast Cancer Res Treat (2008) 107: Scaranelo; Anabel M. Estudo Comparativo entre Bobinas de Corpo e Superfície na Mamografia por Ressonância Magnética de Próteses de Silicone. Radiol. Bras 2001;34(2):71.77.

9 19. Arantes Pereira FP, Martins G, Figueiredo E, Domingues MNA, Domingues RC, Fonseca LMB. O uso da difusão por ressonância magnética na diferenciação das lesões mamárias benignas e malignas. Radiol. Bras. 2009;42(5): Preda; Lorenzo, Villa; Gaetano, Rizzo; Stefania, Bazzi; Luca, Origgi; Daniela, Cassano; Enrico, Bellomi; Massimo. Magnetic Resonance Mammography in the Evaluation of Recurrence at the Prior Lumpectomy Site After Conservative Surgery and Radiotherapy. Breast Cancer Research Vol 8 No Paulina González M, Patrícia Arancibia H, Teresa Taub E, Alejandra López P, María Elisa Droguett I. Indicaciones de Resonancia Magnética Mamaria. Revista HCUCh 2006; 17: Teresa Taub E., Paulina González M., Alejandra López P. La Resonancia Magnética en la Aproximación Diagnóstica al Cáncer de Mama en Mujeres de Alto Riesgo. Revista HCUCh 2006; 17: Nascimento; José H. R, Silva; Maciel; Antonio C. Acurácia dos achados ultrassonográficos do câncer de mama: correlação da classificação BI-RADS e achados histológicos. Radiol. Bras Jul/Ago;42(4): Jansen; Sanaz A., Paunesku; Tatjana, Fan; Xiaobing, Woloschak; Gayle E., Vogt; Stefan, Conzen; Suzanne D., Krausz; Thomas, Newsteand; Gillian M., Karczmar; Gregory S. Ductal Carcinoma in Situ: X-ray Fluorescence Microscopy and Dynamic Contrast-enhanced MR Imaging Reveals Gadolinium Uptake within Neoplastic Mammary Ducts in a Murine Model. Radiology: Volume 253: Number 2 November Heywang-Kobrunner; S. H. Contrast-Enhanced Magnetic Resonance Imaging of the Breast. Invest radiol. 29:94-104, Saslow D, Boetes C, Burke W, et al. American Cancer Society guidelines for breast screening with MRI as an adjunct to mammography. CA Cancer J Clin 2007;57:75 89.

10 27. Harms SE. The use of breast magnetic resonance imaging in ductal carcinoma in situ. Breast J 2005;11: Rieber A, Merkle E, Zeitler H, Gorich J, Kreienberg R, Brambs HJ, Tomczak R: Value of MR mammography in the detection and exclusion of recurrent breast carcinoma. J Comput Assist Tomogr 1997, 21: Nunes LW, Schnall MD, Orel SG, Hochman MG, Langlotz CP, Reynolds CA, Torosian MH: Breast MR imaging: interpretation model. Radiology 1997, 202:

A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA

A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA Lisane Claudete Granetto Tonet Pós-graduanda em Ressonância Magnética Nuclear pelo Centro de Imagem e Saúde (CIMAS) Unidade São Paulo, SP, Brasil.

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui

ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui ESTUDO: CONHECENDO AS MAMAS, EXAME DE MAMOGRAFIA Professora: Regiane M Siraqui O Desenvolvimento e o funcionamento da glândula mamária são presididos pelo lobo anterior da hipófise, com o ovário na função

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA: EXAME PREVENTIVO CASCAVEL PR 2010 2 CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA JOSIELE FIRAK MAMOGRAFIA:

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

TEXTO 8 O EXAME DE MAMOGRAFIA: ABORDAGEM DA USUÁRIA,

TEXTO 8 O EXAME DE MAMOGRAFIA: ABORDAGEM DA USUÁRIA, TEXTO 8 O EXAME DE MAMOGRAFIA: ABORDAGEM DA USUÁRIA, POSICIONAMENTOS E INCIDÊNCIAS NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 INTRODUÇÃO O câncer de mama é a neoplasia maligna com maior incidência na mulher excetuando-se

Leia mais

Validação. Revalidação

Validação. Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço 1.1. Membro Titular do CBR, SBM ou FEBRASGO. 1.2. Título de Especialista em

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

NOÇÕES DE MAMOGRAFIA

NOÇÕES DE MAMOGRAFIA Tradição em formar Profissionais com Qualidade NOÇÕES DE MAMOGRAFIA Sumário História do Rastreamento Mamário...01 Equipamentos e Noções de Física...03 C.A. E Controle Automático de Exposição...06 A Paciente

Leia mais

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação (versão atualizada: 27.03.15) O Programa de Certificação de Qualidade em Mamografia do CBR, para

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato O exame de mamografia é um exame que utiliza raios-x e um aparelho próprio chamado mamógrafo, com ampola composta de Molibdênio, o que permite melhor avaliação de partes

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

PORTARIA No- 2.898, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.898, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.898, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013 Atualiza o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer 2007 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 25.000 exemplares Criação, Redação e Distribuição MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

Radiologistas da Clínica de Diagnóstico Por Imagem (CDPI) e Multi-imagem Ressonância - Rio de Janeiro (RJ) - Brasil 3

Radiologistas da Clínica de Diagnóstico Por Imagem (CDPI) e Multi-imagem Ressonância - Rio de Janeiro (RJ) - Brasil 3 Ressonância magnética das mamas: o exame e suas indicações Breast magnetic resonance imaging: exam and indications ATUALIZAÇÃO Resumo A ressonância magnética (RM) das mamas tem encontrado vasta aplicação

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

Ressonância magnética das mamas: revisão da literatura

Ressonância magnética das mamas: revisão da literatura Artigo de revisão Ressonância magnética das mamas: revisão da literatura Breast magnetic resonance: review of literature Juliana Therezinha Fajoses Gonçalves 1, Wagner Antônio Paz 2, Kerstin Kapp Rangel

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DE MAMA COM MEIO DE CONTRASTE: REVISÃO DA LITERATURA*

ASPECTOS TÉCNICOS DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DE MAMA COM MEIO DE CONTRASTE: REVISÃO DA LITERATURA* rtigo de Revisão Leopoldino DD et al. SPECTOS TÉCNICOS D RESSONÂNCI MGNÉTIC DE MM COM MEIO DE CONTRSTE: REVISÃO D LITERTUR* Denise de Deus Leopoldino 1, Giuseppe D Ippolito 2, lexandre Sérgio de raújo

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) 135 Artigo Original Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of the profile indications from breast

Leia mais

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A ressonância magnética (RM) das mamas tem sido cada vez mais utilizada para o diagnóstico preciso tanto do câncer primário como do câncer recorrente,

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

ATUALIZA O PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA (PNQM)

ATUALIZA O PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA (PNQM) Circular 598/2013 São Paulo, 04 de Dezembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ATUALIZA O PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA (PNQM) Diário Oficial da União Nº 232, Seção 1, sexta-feira, 29

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DETECÇÃO DO CÂNCER MAMÁRIO OCULTO

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DETECÇÃO DO CÂNCER MAMÁRIO OCULTO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DETECÇÃO DO CÂNCER MAMÁRIO OCULTO Lima R.V., Martins G., Sano R.S., Zanatta W., Lima S.S., Mendonça M.H.S. Med Imagem Hospital Beneficência Portuguesa - São Paulo - Brasil INTRODUÇÃO

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama ATUALIZAÇÃO Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama Magnetic Resonance Image in the Breart Cancer Diagnosis Herculano Renato Zeri Almir Antônio Urbanetz Hélio Rubens de Oliveira

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

Essential para vida. Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total

Essential para vida. Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total Essential para vida Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total A excelência em mamografia digital de campo total (FFDM) é um processo de busca contínua para o aprimoramento da tecnologia

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

PAULA DE CAMARGO MORAES

PAULA DE CAMARGO MORAES PAULA DE CAMARGO MORAES Variação entre observadores na aplicação dos critérios morfológicos e cinéticos propostos pelo BI-RADS (Breast Imaging Reporting and Data System) para ressonância magnética das

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

Leia mais

MAMOGRAFIA. Belo Horizonte Faculdade de Tecnologia Novo Rumo

MAMOGRAFIA. Belo Horizonte Faculdade de Tecnologia Novo Rumo Belo Horizonte Faculdade de Tecnologia Novo Rumo FACULDADE DE TECNOLOGIA NOVO RUMO Rua Paraíba, 75, Funcionários, Belo Horizonte Minas Gerais. CEP.: 30130-140 Fone: (31) 3226-2858 Site: www.novorumo.com.br

Leia mais

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008)

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) De Bock GH, Beusmans GHMI, Hinloopen RJ, Corsten MC, Salden NMA, Scheele ME, Wiersma Tj traduzido do original em

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA

1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA 1º Ten Al ROBERTA STORINO PUCCINI A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO DE RADIOLOGIA DO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO PARA O DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA Trabalho de conclusão de curso apresentado à Escola de Saúde

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

DESPACHO DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011.

DESPACHO DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DESPACHO DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo 34, inciso II, c/c artigo 59 do Decreto n o 4.176, de 28 de março

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo 38 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 1, de 2008 1806-4280/08/37-01/38 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Avaliação do risco de malignidade de lesões mamográficas birads 4a,

Leia mais

Técnico em Radiologia Mamografia Técnico em Radiologia Mamografia

Técnico em Radiologia Mamografia Técnico em Radiologia Mamografia Técnico em Radiologia Mamografia Técnico em Radiologia Mamografia MAMOGRAFIA ANATOMIA RADIOLÓGICA CÂNCER DE MAMA Até recentemente, o câncer de mama era a causa principal de morte por câncer em mulheres.

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM).

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Legislações - GM Ter, 27 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Geraldo Henrique Neto 1, Gilmar Cação Ribeiro 1, Fabio Valiengo Valeri 2 1 Bacharelado em Ciência da Computação, Centro Universitário Moura Lacerda, Brasil

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html Page 1 of 6 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Um protótipo de ambiente virtual para simular objetos 2D e 3D referentes a imagens mamográficas

Um protótipo de ambiente virtual para simular objetos 2D e 3D referentes a imagens mamográficas Um protótipo de ambiente virtual para simular objetos 2D e 3D referentes a imagens mamográficas Michele Sayuri Noda 1, Fátima L. S. Nunes 2, Adriano Bezerra 1 msayuri@gmail.com, adrianobezerra1@yahoo.com.br,

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

GLOB Not for distribution in USA

GLOB Not for distribution in USA GLOBAL Índice 1 Introdução 2 Anatomia da Mama 3 Escolha da Incisão e da Colocação 5 Tipos de Implantes de Mama (com fotos antes e depois da cirurgia) 10 Sua Cirurgia 11 Sua Recuperação 11 Apólice da Mentor

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

visite o nosso site de Radiologia: playmagem.com.br

visite o nosso site de Radiologia: playmagem.com.br visite o nosso site de Radiologia: playmagem.com.br Cleoneide Pontes da silva Girlene Maria do Nascimento Ribeiro Juliana Martins Camelo Ivete da Motta Cleim Patrícia dos Santos Rodriguês Renata Barbosa

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR 1. PRIMEIRO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: 1.1 Os serviços que desejarem obter a certificação da qualidade deverão

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

AUTO-EXAME DAS MAMAS CARINHO E AMOR POR VOCÊ!

AUTO-EXAME DAS MAMAS CARINHO E AMOR POR VOCÊ! AUTO-EXAME DAS MAMAS CARINHO E AMOR POR VOCÊ! COMO SÃO OS SEIOS? Lobos, lóbulos e bulbos Dutos Gordura costelas Os seios são formados por glândulas (lobos, lóbulos e bulbos) que produzem leite durante

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS ICESP/PROMOVE CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

FACULDADES INTEGRADAS ICESP/PROMOVE CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA FACULDADES INTEGRADAS ICESP/PROMOVE CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA ARTIGO CIENTÍFICO FATORES QUE INFLUENCIAM A QUALIDADE DA IMAGEM DIGITAL EM MAMOGRAFIA Orientados: Lucélia Rodrigues Coelho e Sirlene

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais