Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013"

Transcrição

1 Interdependência da Produção Globalizada Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013

2 Cenário atual Mundo globalizado Altíssima velocidade de difusão da informação Grande integração dos mercados Riscos emergentes Natureza dos riscos Exposições Demandas Stakeholders Incertezas Risco (ISO ) = incerteza em atingir os objetivos Gestão de Riscos = busca pela redução das incertezas/ redução de volatilidade 1

3 Riscos com fornecedores Estratégicos e Operacionais Riscos de Processo Risco de Infraestrutura Riscos da Natureza / Riscos de Catástrofes Risco de Segurança Física Risco de E-Commerce Riscos de TI Risco de Integridade dos Dados Risco de Preparo para Mudanças Risco Tecnológico Risco de Consolidação da Indústria Riscos Morais Riscos de Desenvolvimento de Produtos Riscos Pessoais Riscos Macroeconômicos Financeiros Perda de Reputação Risco das Taxas de Juros Risco de aumento de preços de insumos Risco na Cadeia de Suprimento Risco de Satisfação de Clientes Risco de Liderança Riscos com Clientes Risco de Terrorismo Riscos Cambiais Riscos de Qualidade de Produt os Riscos Socioambientais Riscos de Falsificação e de Propriedade intelectual Risco de Marketing/Publicidade Risco de Pandemias Risco de Crédito Risco de Soberania/Político Risco de Atos Ilegais Risco de Mercado Riscos Financeiros e de Liquidez Risco Econômico Risco do Processo de Aquisição Risco de Relações Públicas Risco de Marketing/Publicidade Regulatórios Riscos Regulatórios Riscos Legais 2

4 Riscos com fornecedores A importância crescente do risco de cadeia de suprimento foi apresentada no relatório Supply Chain Resilience 2011 que foi publicado pelo Business Continuity Institute (BCI). Essa pesquisa identificou as seguintes principais tendências que afetaram mais de 500 organizações participantes: 85% dos entrevistados já experimentaram ao menos uma interrupção; 40% das interrupções originaram-se imediatamente abaixo da primeira camada de fornecedores; Para 17% dos entrevistados, o valor financeiro do maior incidente atingiu mais de um milhão de euros; Para aqueles com cadeias de suprimento mais fracas, o número que enfrentou aumento dos custos financeiros quase duplicou, atingindo 32%. 3

5 Gestão de fornecedores - Drivers Redundante Driver: custos Aumento de eficiência Remover duplicação Outsourcing Consolidação da base de fornecedores Minimizar níveis de estoques Driver: atuação responsável Enxuto Driver: tempo, qualidade 4

6 Interrupções na Cadeia de Suprimentos Causas 4 Impactos Perda de Produtividade Eventos Climáticos Interrupção de TI Interrupção em transportes Responsabilidade Ambiental Aumento de Custo Produtivo Perda de Receita Reclamação de Clientes Interrupção de Serviços Preocupação de Stakeholder/shareholder Terremoto/tsunami Falha em prover o serviço Perda de Talentos/Habilidades Incidente de Qualidade do Produto Atraso no Fluxo de Caixa Atraso na Entrega de Produtos Danos a Marca e Reputação Aumento de Investigações Regulatórias Recall de Produtos Nuvem de Cinzas Vulcânicas 14 Revolta/Conflitos Civis 15 Governança / Corrupção Disputas Industriais Incêndio Multas Queda no Preço das Ações Fonte: Pesquisa BCI 2011 Insolvência Responsabilidade Social Ataque Cibernético Acidente de Trabalho 5

7 Gestão de riscos na cadeia de valor Fornecedor Cliente Risco com Fornecedores Rastreabilidade Empresa Risco com Produto/Clientes Rastreabilidade Recall PROATIVO REATIVO Potencial Incidente Potencial Incidente Potencial Incidente 6

8 Case Nokia x Ericsson Fornecimento de Microchips de Radiofrequência (RFC) Comunicado pós interrupção: atrasaremos em uma semana Confiou em seu único fornecedor. Quando verificou que o tempo iria ultrapassar uma semana, já era tarde, pois não haviam fornecedores alternativos (todos estavam com exclusividade à Nokia), parando sua produção por vários meses. RESULTADO: Prejuízo em 2000 de US$2.34 bilhões. Fusão com a Sony. Albuquerque (EUA) Um raio atingiu uma linha de transmissão e sobrecarregou a rede elétrica e dando origem a um incêndio na fábrica da Philips. Exigiu que a Philips transferisse a produção para outras unidades. Desenvolveu um novo projeto de RFC, de modo que outros fornecedores da empresa no Japão e nos EUA pudessem produzi-lo. RESULTADO: Ampliou sua fatia no mercado. 7

9 Case Mattel Maior empresa de fabricação de brinquedos do mundo Em 2007, recalls de 21,8 milhões de itens Quantidade excessiva de chumbo encontrada na tinta vermelha Produção da tinta por fornecedor indireto (Tier 2 China) Baixo custo de produção Altos custos de comunicação, logística e gestão de crises (USD 110MM) Proibição de importação em diversos países Queda de ações na bolsa Perda de marketshare Indiciada criminalmente pelo governo americano 8

10 Principais ameaças Quais riscos você considera mais relevantes na sua cadeia de suprimentos? Outros Pandemias Falha na prestação de serviços terceirizados de parceiro Produtos falsificados Questões regulatórias Violação de direitos de propriedade intelectual Litígio com fornecedor Guerra, terrorismo ou outros conflitos geopolíticos Segurança da informação / eventos de TI Padrões éticos do fornecedor considerados insatisfatórios Falha de qualidade do fornecedor levando a recall do produto ou contaminação Falência financeira de fornecedor (incluindo incapacidade de obter financiamento) Acidentes impactando instalações do fornecedor Acidentes impactando as próprias instalações Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 9

11 Drivers para a gestão de riscos de fornecedores Quais dos seguintes riscos que dizem considera como principais drivers para a implementação da gestão de riscos da cadeia de suprimentos em sua organização? Outros Busca por ISO ou outro padrão internacional Melhoria de performance Ímpeto do CEO Pressão de analistas financeiros e investidores Pressão de Organizações Não Governamentais (ONGs) Melhores práticas Impacto de crise de crédito e recessão econômica Pressão de clientes Demandas Regulatórias Governança Corporativa Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 10

12 Pressão dos clientes Quais processos seus clientes utilizam para avaliar a eficácia de suas técnicas de gestão de risco da cadeia de fornecimento e preparação de continuidade de negócios Outras Solicita evidencias dos testes e exercícios completos de Continuidade de Negócios Solicita cópia dos Planos de Continuidade de Negócios Solicita cópia das políticas de Gestão de Continuidade de Negócios Conduz auditoria dos processo de Gestão da Cadeia de Suprimentos Conduz auditoria localmente dos principais sites Envia questionários com um sessão abrangendo Gestão de Risco da Cadeia de Suprimentos e Continuidade de Negócios Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 11

13 Interação com fornecedores Como é que a sua organização compartilhou suas expectativas sobre as normas de gestão de riscos da cadeia de suprimentos e gestão de continuidade de negócios com fornecedores Outros Solicitou evidência dos certificados de seguros dos fornecedores Solicitou evidência de que os Planos de Continuidade de Negócios foram submetidos a testes ou exercícios Solicitou cópia dos Planos de Continuidade de Negócios dos fornecedores Solicitou cópia das políticas de Gestão de Continuidade de Negócios dos fornecedores Integrou resiliência na cadeia de suprimentos nas auditorias de fornecedores Integrou resiliência na cadeia de suprimentos na avaliação de performance de fornecedores Integrou resiliência na cadeia de suprimentos e gestão de continuidade de negócios na avaliação de fornecedores e processo de validação Comunicar as normas de contratação associadas à gestão de continuidade de negócios para fornecedores Publica política específica de normas de contratação Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 12

14 Estratégias Quais estratégias sua organização adotou como resposta às ameaças a cadeia de suprimentos através desses estudos? Outro Aceitar o risco como parte da execução do negócio Adquirir seguro para Lucros Cessantes para interrupções em fornecedores Estabelecer Plano de Auxílio Mútuo com o contratado ou concorrente para fornecimento de materiais em situações de crise Manter capacidade adicional para fornecimento interno de produtos e serviços Implantar contratos de fornecimento baseados em performance de fornecedores Estabelecer estoque seguro de insumos e produtos essenciais Implantar sistema de múltiplos fornecedores para materiais essenciais Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 13

15 Principais atividades na gestão de riscos de fornecedores Quais as atividades chaves de gestão de risco são adotadas pelos responsáveis pela cadeia de suprimentos da sua organização? Outro Alinhamento da cobertura de seguros à exposição da cadeia de suprimentos Comunicação de risco e governança corporativa Auditoria de desempenho de fornecedores Avaliar a exposição de responsabilidade ética e social nas cadeias de suprimentos Programas de conscientização e treinamento de colaboradores Revisar riscos nos contratos Implantar Plano de Continuidade de Negócios Comunicar expectativas aos fornecedores Gestão de relacionamento interno e facilitação Desenvolvimento de estratégia de gestão de risco para cadeia de suprimentos e definição de políticas Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 14

16 Monitoramento Quais métricas que a sua organização emprega para medir a eficácia de suas estratégias de gerenciamento de risco da cadeia de suprimentos? Outras Nenhuma métrica específica Custo total dos incidentes Custo total dos sinistros relacionados Custo total de qualidade Número de auditorias completas sobre resiliência na cadeia de suprimentos Porcentagem de localidades que possuem Plano de Continuidade de Negócios atualizado Número de vezes que o Plano de Continuidade de Negócios foi invocado Fonte: Pesquisa Aon sobre Gestão de Riscos na Cadeia de Suprimentos 15

17 Excelência na gestão de risco de fornecedores Visibilidade Fragilidade Otimização Estratégia Responsibilidade Engajamento Incorporação Rastreabilidade Estratégia Sensibilidade Averiguação Fornecedores Continuidade Foco Os Aspectos Entender > Definir > Aprimorar O Caminho 16

18 Implantando a gestão de risco na cadeia de suprimento Estágio 5 Benchmarking / riscos emergentes / deep dives Estágio 4 Monitoramento / relatório / treinamento Estágio 3 Desenvolver Ferramentas / pilotos / treinamento Estágio 2 Desenvolver e aprimorar processos/ treinamento inicial Estágio 1 Definir o perfil de riscos e apetite / desenvolver estratégia / identificar quick wins Início Revisão inicial / priorizar unidades de negócios / roadmap 17

19 Conclusões - A gestão da cadeia de suprimentos é um dos principais riscos para a continuidade dos negócios nos dias de hoje; - Foco deve ser dado no que é importante; - Uma abordagem integrada multifuncional é necessária; - É crucial ter acesso a fontes de informação e das melhores práticas; - Necessidade de se atribuir responsabilidades pela gestão de fornecedores; - Trabalhe com os seus fornecedores e clientes em parceria. 18

20 Obrigado! Alexandre Botelho Aon Global Risk Consulting Rua Dr. Eduardo de Souza Aranha, 153 São Paulo SP Telefone: aon.com/brasil

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009 Aon Corporation Líder Mundial em Consultoria de Riscos, Benefícios, Seguros e Resseguros; Detentora do maior volume de prêmios emitidos do mercado mundial; 8ª empresa na categoria Diversidade Financeira

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

Resiliência...dos desafios às oportunidades

Resiliência...dos desafios às oportunidades Resiliência...dos desafios às oportunidades Seminário FEBRABAN sobre Gestão de Continuidade de Negócios Abril de 2010 Agenda... Contextualização Desafios Tratamento abrangente Oportunidades Aprimoramento

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br ITIL Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Objetivo Prover uma visão geral sobre Gerenciamento de Serviços de TI: Conceito; Desafios; Estrutura; Benefícios;

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula I - 11/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula I - 11/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula I - 11/08/2011 Gerenciamento de Serviços TI 1.Introdução; 2. Panorama Atual; 3. Necessidade do alinhamento de TI a estratégia

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Service Level Management

Service Level Management Service Level Management Ricardo Mansur Mestrado Administração (concentração Controladoria) e Finanças. MBA em TI e Telecomunicações. Especializações em Negócios, Governança e Certificado Itil, Vasco,

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Natura consolida modelo de governança e reduz nível de risco em 87% com SAP Access Control

Natura consolida modelo de governança e reduz nível de risco em 87% com SAP Access Control Natura consolida modelo de governança e reduz nível de risco em 87% com SAP Access Control A fim de consolidar seu modelo de governança e satisfazer necessidades de expansão, em 2010 a Natura realizou

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Projetos e Tecnologia da Informação Professor Marcos A. Cabral 2 Conceito É um conjunto de

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput Cloud Conf 2012 Agosto de 2012 Sobre a Frost & Sullivan - Consultoria Global com presença nos 4 continentes, em mais de 25 países, totalizando 40 escritórios.

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gestão da Continuidade dos Negócios

Gestão da Continuidade dos Negócios Caixa Econômica Federal Gestão da Continuidade dos Negócios Alexandre Guindani CBCP,SBCI A CAIXA em números 80.606 25.031 148 5.564 48 Mi GCN - Estrutura Organizacional Estrutura Organizacional Vice-presidência

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro.

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. www.accenture.com.br/carreiras www.facebook.com/accenturecarreiras www.twitter.com/accenture_vagas Quem somos A Accenture é uma

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Perfil A Ouro Verde Locação e Serviço S.A. é uma empresa paranaense com mais de 40 anos de mercado, trabalhando com gestão e terceirização

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

GOVERNANÇA DE ACESSO E IDENTIDADE ORIENTADA AOS NEGÓCIOS: A IMPORTÂNCIA DE UMA NOVA ABORDAGEM

GOVERNANÇA DE ACESSO E IDENTIDADE ORIENTADA AOS NEGÓCIOS: A IMPORTÂNCIA DE UMA NOVA ABORDAGEM GOVERNANÇA DE ACESSO E IDENTIDADE ORIENTADA AOS NEGÓCIOS: A IMPORTÂNCIA DE UMA NOVA ABORDAGEM RESUMO Há anos, os gerentes de segurança das informações e de linhas de negócios sabem, intuitivamente, que

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

-Dominios do Exame CCSA

-Dominios do Exame CCSA -Dominios do Exame CCSA Os tópicos do exame de CCSA são divididos em seis Domínios 1 : I - Fundamentos de CSA (5-10%) II - Integração do Programa de CSA (15-25%) III - Elementos do Processo de CSA (15-25%)

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir CUTTING THROUGH COMPLEXITY. As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos

O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir CUTTING THROUGH COMPLEXITY. As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos CUTTING THROUGH COMPLEXITY O que esperar do gerenciamento de riscos É hora de agir As oito prioridades em gerenciamento de risco para os executivos kpmg.com/br Em colaboração com a EIU - Economist Intelligence

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade

FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade FRAMEWORK DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Da Implementação à Conformidade Marcelo Veloso Diretor de Infraestrutura e Suporte em TI 21 a 22/07/2014 Brasília/DF O Desafio Fonte: UOL,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix

Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix 1/7 Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix Navegue: 1/7 > www.alertasecurity.com.br +55 11 3105.8655 2/7 PERFIL ALERTA SECURITY SOLUTIONS

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1

Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Aula 1 Prof. Me. Humberto Moura humberto@humbertomoura.com.br Evolução da TI Postura TI Níveis de TI Princípios de TI (papel da TI perante o negócio) Arquitetura

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como:

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como: Balanced Scorecard Inicialmente desenvolvido pelo Dr. Robert Kaplan e David Norton - Harvard, o Balanced Scorecard é uma filosofia prática e inovadora de gestão da performance das empresas e organizações.

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings ALSHOP Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers São Paulo, 26 de julho de 2012 Marcelo Drügg

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS EXCELÊNCIA NA RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS PARA EMPRESAS DE TI INCUMPRIMENTO CONTRATUAL EM TI Com mais de 15 anos de experiência e uma equipa especializada de gestores de sinistros de empresas de Tecnologias

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais