ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?"

Transcrição

1 Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

2 Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos ativos?

3 Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos ativos? Demonstre-me!

4 POR QUÊ UTILIZAR A PAS 55 COMO MODELO?

5 Definição de Gestão de Ativos - PAS A Gestão de Ativos são atividades, práticas sistemáticas e coordenadas pelos quais uma organização gerencia, de forma ótima e sustentável, seus ativos e/ou sistemas de ativos, seu desempenho associado, riscos e custos durante seus ciclos de vida com a finalidade de alcançar seu plano estratégico organizacional (item 3.2)

6 MODELO ASSET 55 PARA UM SISTEMA DE GESTÃO DE ATIVOS BASEADO NA PAS 55

7

8 AVALIAÇÃO

9 inexistente ou inicial 1 poucos elementos estão estabelecidos. + de 50% dos elementos estão estabelecidos Atende aos requisitos PAS55 Excedem aos requisitos da PAS 55.

10 Relatório Diagnóstico Gráfico Radar (PAM) Gráfico Radar, que mostra o nível de maturidade do sistema de gestão de ativos para cada item em questão da PAS (em português): Plano *Imagem ilustrativa do PAM a ferramenta da ReliaSoft apresenta este gráfico

11 Outros sistemas e exigências Expectativas e exigências legais e das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) Facilitadores e controle da G.A. (4.4) Satisfação das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) M O D E L O A S S E T 5 5 PA R A U M S I S T E M A D E G E S T Ã O D E AT I V O S B A S E A D O N A PA S 5 5 Planejamento estratégico organizacional E n g e n h a r i a d a C o n f i a b i l i d a d e PAS 55 Política de Gestão de Ativos (4.2) Estratégia para o portfólio de ativos (4.3.1) Análise crítica (4.7) Requisitos legais e outros (4.4.8) Gestão orçamentária e custos Estrutura, autoridade e responsabilidades (4.4.1) Terceirização das atividades da G.A. (4.4.2) Gestão de risco (4.4.7) Treinamento, conscientização e competência (4.4.3) Documentação do sistema de G.A. (4.4.5) criar/ adquirir Objetivos do sistema de ativos (4.3.2) Planos para ativos e/ou sistema de ativos (4.3.3) (4.3.4) utilizar manter (4.4.9) Gestão da mudança Requisitos Gerais (4.1) renovar/ descartar Avaliação e melhoria do desempenho (4.6) Ações de melhoria (4.6.5) Ação corretiva e preventiva ( ) Melhoria contínua ( ) Monitoramento de desempenho e condição (4.6.1) Investigação de falhas, incidentes e não conformidades relacionados ao ativo (4.6.2) Avaliação e conformidade (4.6.3) Auditoria (4.6.4) Registros (4.6.6) Implementação dos planos de G.A. (4.5) Atividades do ciclo de vida (4.5.1) Ferramentas, instalações e equipamentos (4.5.2) Saída Valor agregado do ativo: Desempenho X Risco X Custo A p r e n d i z a g e m O r g a n i z a c i o n a l Copyright 2013 ReliaSoft Brasil, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

12 Política de Gestão de Ativo (4.2)

13 Estratégia e Objetivos de Gestão de Ativo (4.3.1 e 4.3.2)

14 Plano (s) da Gestão de Ativo (4.3.3) Planos de Contingência (4.3.4)

15 Expectativas e exigências legais e das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) M O D E L O A S S E T 5 5 PA R A U M S I S T E M A D E G E S T Ã O D E AT I V O S B A S E A D O N A PA S 5 5 Facilitadores e controle da G.A. (4.4) Satisfação das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) Outros sistemas e exigências Planejamento estratégico organizacional E n g e n h a r i a d a C o n f i a b i l i d a d e PAS 55 Política de Gestão de Ativos (4.2) Estratégia para o portfólio de ativos (4.3.1) Análise crítica (4.7) Requisitos legais e outros (4.4.8) Gestão orçamentária e custos Estrutura, autoridade e responsabilidades (4.4.1) Terceirização das atividades da G.A. (4.4.2) Gestão de risco (4.4.7) Treinamento, conscientização e competência (4.4.3) Documentação do sistema de G.A. (4.4.5) criar/ adquirir Objetivos do sistema de ativos (4.3.2) Planos para ativos e/ou sistema de ativos (4.3.3) (4.3.4) utilizar manter (4.4.9) Gestão da mudança Requisitos Gerais (4.1) renovar/ descartar Avaliação e melhoria do desempenho (4.6) Ações de melhoria (4.6.5) Ação corretiva e preventiva ( ) Melhoria contínua ( ) Monitoramento de desempenho e condição (4.6.1) Investigação de falhas, incidentes e não conformidades relacionados ao ativo (4.6.2) Avaliação e conformidade (4.6.3) Auditoria (4.6.4) Registros (4.6.6) Implementação dos planos de G.A. (4.5) Atividades do ciclo de vida (4.5.1) Ferramentas, instalações e equipamentos (4.5.2) Saída Valor agregado do ativo: Desempenho X Risco X Custo A p r e n d i z a g e m O r g a n i z a c i o n a l Copyright 2013 ReliaSoft Brasil, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

16 Gestão do Risco (4.4.7) Processos de Gestão de Risco ISO 31000

17 Terceirização das Atividades de Gestão de Ativo (4.4.2)

18 Documentação do Sistema de Gestão de Ativo (4.4.5)

19 Requisitos Legais e Outros Requisitos (4.4.8) Avaliação da Conformidade (4.6.3)

20 Estrutura, Autoridade e Responsabilidade(4.4.1)

21 Treinamento, Conscientização e Competência (4.4.3)

22 Expectativas e exigências legais e das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) M O D E L O A S S E T 5 5 PA R A U M S I S T E M A D E G E S T Ã O D E AT I V O S B A S E A D O N A PA S 5 5 Facilitadores e controle da G.A. (4.4) Satisfação das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) Outros sistemas e exigências Planejamento estratégico organizacional E n g e n h a r i a d a C o n f i a b i l i d a d e PAS 55 Política de Gestão de Ativos (4.2) Estratégia para o portfólio de ativos (4.3.1) Análise crítica (4.7) Requisitos legais e outros (4.4.8) Gestão orçamentária e custos Estrutura, autoridade e responsabilidades (4.4.1) Terceirização das atividades da G.A. (4.4.2) Gestão de risco (4.4.7) Treinamento, conscientização e competência (4.4.3) Documentação do sistema de G.A. (4.4.5) criar/ adquirir Objetivos do sistema de ativos (4.3.2) Planos para ativos e/ou sistema de ativos (4.3.3) (4.3.4) utilizar manter (4.4.9) Gestão da mudança Requisitos Gerais (4.1) renovar/ descartar Avaliação e melhoria do desempenho (4.6) Ações de melhoria (4.6.5) Ação corretiva e preventiva ( ) Melhoria contínua ( ) Monitoramento de desempenho e condição (4.6.1) Investigação de falhas, incidentes e não conformidades relacionados ao ativo (4.6.2) Avaliação e conformidade (4.6.3) Auditoria (4.6.4) Registros (4.6.6) Implementação dos planos de G.A. (4.5) Atividades do ciclo de vida (4.5.1) Ferramentas, instalações e equipamentos (4.5.2) Saída Valor agregado do ativo: Desempenho X Risco X Custo A p r e n d i z a g e m O r g a n i z a c i o n a l Copyright 2013 ReliaSoft Brasil, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

23 Atividades do Ciclo de Vida (4.5.1)

24 Ferramentas, Instalações, Equipamentos (4.5.2)

25 Expectativas e exigências legais e das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) M O D E L O A S S E T 5 5 PA R A U M S I S T E M A D E G E S T Ã O D E AT I V O S B A S E A D O N A PA S 5 5 Facilitadores e controle da G.A. (4.4) Satisfação das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) Outros sistemas e exigências Planejamento estratégico organizacional E n g e n h a r i a d a C o n f i a b i l i d a d e PAS 55 Política de Gestão de Ativos (4.2) Estratégia para o portfólio de ativos (4.3.1) Análise crítica (4.7) Requisitos legais e outros (4.4.8) Gestão orçamentária e custos Estrutura, autoridade e responsabilidades (4.4.1) Terceirização das atividades da G.A. (4.4.2) Gestão de risco (4.4.7) Treinamento, conscientização e competência (4.4.3) Documentação do sistema de G.A. (4.4.5) criar/ adquirir Objetivos do sistema de ativos (4.3.2) Planos para ativos e/ou sistema de ativos (4.3.3) (4.3.4) utilizar manter (4.4.9) Gestão da mudança Requisitos Gerais (4.1) renovar/ descartar Avaliação e melhoria do desempenho (4.6) Ações de melhoria (4.6.5) Ação corretiva e preventiva ( ) Melhoria contínua ( ) Monitoramento de desempenho e condição (4.6.1) Investigação de falhas, incidentes e não conformidades relacionados ao ativo (4.6.2) Avaliação e conformidade (4.6.3) Auditoria (4.6.4) Registros (4.6.6) Implementação dos planos de G.A. (4.5) Atividades do ciclo de vida (4.5.1) Ferramentas, instalações e equipamentos (4.5.2) Saída Valor agregado do ativo: Desempenho X Risco X Custo A p r e n d i z a g e m O r g a n i z a c i o n a l Copyright 2013 ReliaSoft Brasil, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

26 Investigação de Falhas, Incidentes e Não Conformidades relacionadas com o Ativo(4.6.2)

27 Monitoramento do Desempenho e Condição (4.6.1)

28 Ações de Melhoria (4.6.5) Ações Corretivas e Preventivas ( ) - Melhoria Contínua ( )

29 Registros (4.6.6)

30 Auditoria (4.6.4)

31 Facilitadores e controle da G.A. (4.4) M O D E L O A S S E T 5 5 PA R A U M S I S T E M A D E G E S T Ã O D E AT I V O S B A S E A D O N A PA S 5 5 Expectativas e exigências legais e das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) Satisfação das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) ASSET 55 Outros sistemas e exigências Planejamento estratégico organizacional E n g e n h a r i a d a C o n f i a b i l i d a d e PAS 55 Política de Gestão de Ativos (4.2) Estratégia para o portfólio de ativos (4.3.1) Análise crítica (4.7) Requisitos legais e outros (4.4.8) Gestão orçamentária e custos Estrutura, autoridade e responsabilidades (4.4.1) Terceirização das atividades da G.A. (4.4.2) Gestão de risco (4.4.7) Treinamento, conscientização e competência (4.4.3) Documentação do sistema de G.A. (4.4.5) criar/ adquirir Objetivos do sistema de ativos (4.3.2) Planos para ativos e/ou sistema de ativos (4.3.3) (4.3.4) utilizar manter (4.4.9) Gestão da mudança Requisitos Gerais (4.1) renovar/ descartar Avaliação e melhoria do desempenho (4.6) Ações de melhoria (4.6.5) Ação corretiva e preventiva ( ) Melhoria contínua ( ) Monitoramento de desempenho e condição (4.6.1) Investigação de falhas, incidentes e não conformidades relacionados ao ativo (4.6.2) Avaliação e conformidade (4.6.3) Auditoria (4.6.4) Registros (4.6.6) Implementação dos planos de G.A. (4.5) Atividades do ciclo de vida (4.5.1) Ferramentas, instalações e equipamentos (4.5.2) Saída Valor agregado do ativo: Desempenho X Risco X Custo A p r e n d i z a g e m O r g a n i z a c i o n a l Copyright 2013 ReliaSoft Brasil, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

32 Comunicação, Participação e Consulta (4.4.4)

33 Gestão da Informação (4.4.6)

34 Gestão da Mudança (4.4.9)

35 Facilitadores e controle da G.A. (4.4) M O D E L O A S S E T 5 5 PA R A U M S I S T E M A D E G E S T Ã O D E AT I V O S B A S E A D O N A PA S 5 5 Expectativas e exigências legais e das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) Satisfação das partes interessadas (clientes, acionistas, reguladores, colabor., fornec., comunidade, sociedade, gov.) ASSET 55 Outros sistemas e exigências Planejamento estratégico organizacional E n g e n h a r i a d a C o n f i a b i l i d a d e PAS 55 Política de Gestão de Ativos (4.2) Estratégia para o portfólio de ativos (4.3.1) Análise crítica (4.7) Requisitos legais e outros (4.4.8) Gestão orçamentária e custos Estrutura, autoridade e responsabilidades (4.4.1) Terceirização das atividades da G.A. (4.4.2) Gestão de risco (4.4.7) Treinamento, conscientização e competência (4.4.3) Documentação do sistema de G.A. (4.4.5) criar/ adquirir Objetivos do sistema de ativos (4.3.2) Planos para ativos e/ou sistema de ativos (4.3.3) (4.3.4) utilizar manter (4.4.9) Gestão da mudança Requisitos Gerais (4.1) renovar/ descartar Avaliação e melhoria do desempenho (4.6) Ações de melhoria (4.6.5) Ação corretiva e preventiva ( ) Melhoria contínua ( ) Monitoramento de desempenho e condição (4.6.1) Investigação de falhas, incidentes e não conformidades relacionados ao ativo (4.6.2) Avaliação e conformidade (4.6.3) Auditoria (4.6.4) Registros (4.6.6) Implementação dos planos de G.A. (4.5) Atividades do ciclo de vida (4.5.1) Ferramentas, instalações e equipamentos (4.5.2) Saída Valor agregado do ativo: Desempenho X Risco X Custo A p r e n d i z a g e m O r g a n i z a c i o n a l Copyright 2013 ReliaSoft Brasil, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

36 Análise Crítica (4.7)

37

38 O processo de implementação e certificação (opcional)

39 10 Etapas da Implementação Lições Aprendidas, Certificação, Novos objetivos estratégicos Ações corretivas, preventivas e oportunidades de melhoria L 1. P Avaliação do Sistema de Gestão de Ativos Atual 2. Diagnóstico Estratégico e Operacional 3. Plano de Implementação, inclui comunicação e sistemática de gestão 8. Análise crítica e compartilhamento das percepções, lacunas, pontos fortes e tendências x objetivos previstos C D 4. Sensibilização e criação de consenso (validação) 5. Capacitação 7. Monitoria do plano x implementação, das percepções e dos resultados associados 6. Execução do plano de implementação

40 Engenharia da Confiabilidade Aprendizagem Organizacional ASSET 55 Visão Estratégica ASSET 55 para Implementação de um sistema de gestão de ativos, conforme PAS 55 Atingir os objetivos estratégicos Otimizar o capital investido de forma sustentável (ROA) Sistema de Gestão de Ativos ótimo e sustentável (PAS 55) Missão e Valores da Companhia

41 POR QUÊ ENGENHARIA DA CONFIABILIDADE & APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL?

42 Premissas para alcançar o ótimo e sustentável Engenharia da Confiabilidade Fornece ferramentas de análises de cenários, para que a organização consiga atingir a excelência operacional durante todo o ciclo de vida do ativo. Aprendizagem Organizacional Prepara a organização para uma evolução cultural, conscientizando as lideranças, equipes e terceiros, promovendo relações sustentáveis, alinhando propósitos comuns

43 Obrigado!!!

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Metodologia de implementação e certificação ISO20.000. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Metodologia de implementação e certificação ISO20.000. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa de implementação e certificação ISO20.000 Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Por que estas organizações implementaram a ISO20.000? Alinhamento do negócio e TI Redução da exposição

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 da Techint Engenharia e Construção Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 15 de Julho de 2008 Missão Nossa missão é agregar valor aos nossos acionistas e clientes através da prestação de serviços de Engenharia,

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

GOVERNANÇA e SEGURANÇA

GOVERNANÇA e SEGURANÇA Forum de Pro-reitores de Planejamento FORPLAD - ANDIFES GOVERNANÇA e SEGURANÇA 19MAR2015 Edson Kowask Coordenador Acadêmico Governança e Segurança 1 Objetivos Apresentar o tema Governança e Segurança Apresentar

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Profa. Ghislaine Miranda Bonduelle

Profa. Ghislaine Miranda Bonduelle Profa. Ghislaine Miranda Bonduelle ISO DIS 9001:2015 PREVISÃO : SETEMBRO DE 2015 FASE: FINAL DRAFT TEMPO PARA ADEQUAÇÃO: 3 ANOS a contar da data da publicação PRINCIPAIS MUDANÇAS Manutenção do foco em

Leia mais

Governança de TI UNICAMP 13/10/2014. Edson Roberto Gaseta

Governança de TI UNICAMP 13/10/2014. Edson Roberto Gaseta Governança de TI UNICAMP 13/10/2014 Edson Roberto Gaseta Fundação CPqD Instituição brasileira focada em inovação Experiência em projetos de TI e de negócios Desenvolvimento de tecnologia nacional Modelo

Leia mais

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG O Atuação Responsável e o Modelo de Ecelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Ecelência da Gestão - COPEG Evolução do Atuação Responsável Visão no Ciclo de Vida Ênfase nas

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO OBJETIVO GERAL ESTABELECER E IMPLEMENTAR UM MODO INTEGRADO PARA O DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES DAS PRINCIPAIS

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Carolina Nogueira Gestora de Cliente carolina.nogueira@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação

Leia mais

Programa de Excelência Contábil Apresentação SESCON Rio de Janeiro

Programa de Excelência Contábil Apresentação SESCON Rio de Janeiro Apresentação SESCON Rio de Janeiro A Destra e o SESCON Rio de Janeiro apresentam o Programa de Excelência Contábil (PEC) com o objetivo de capacitar e certificar as empresas de contabilidade do Rio de

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

André Campos Sistema de Segurança da Informação Controlando os Riscos 2 a Edição Visual Books Sumário Parte I - Sistema de Gestão 13 1 Conceitos Essenciais 15 1 1 Informação 15 1 2 A Informação e sua Importância

Leia mais

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social A Sustentabilidade no HSL Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social Sustentabilidade HSL Panorama Geral Desequilíbrio do processo econômico Fonte: New Scientist (18 October 2008, p 40). Legenda:

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (GSI/PR) OBJETIVO Identificar a Metodologia de Gestão de SIC na APF AGENDA Gestão

Leia mais

Sumário. Parte I - Sistema de Gestão... 13. 1 Conceitos Essenciais... 15. 2 O que é a Segurança da Informação?... 17

Sumário. Parte I - Sistema de Gestão... 13. 1 Conceitos Essenciais... 15. 2 O que é a Segurança da Informação?... 17 Sumário Parte I - Sistema de Gestão... 13 1 Conceitos Essenciais... 15 1.1 Informação... 15 1.2 A Informação e sua Importância... 16 2 O que é a Segurança da Informação?... 17 2.1 Confidencialidade...

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral

TIControle. Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal. Doris Peixoto Diretora Geral TIControle Governança Corporativa e Gestão Estratégica no Senado Federal Doris Peixoto Diretora Geral 11/04/2012 Tópicos para nossa conversa de hoje A migração da Governança de TI para o nível corporativo

Leia mais

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL 1 NORMAS TÉCNICAS NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL Uma norma técnica é um documento definido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece, para uso comum e repetitivo, regras,

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado.

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

Introdução à ISO 9001:2015

Introdução à ISO 9001:2015 Trilhando o caminho das mudanças da nova versão Clique aqui para para conhecer-me. Introdução à ISO 9001:2015 Apresentar e interpretar As mudanças da norma versão da ABNT ISO 9001:2015 em relação à ABNT

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Portfólio de Serviços. Governança de TI. www.etecnologia.com.br Treinamento e Consultoria

Portfólio de Serviços. Governança de TI. www.etecnologia.com.br Treinamento e Consultoria 1 Melhores Práticas para Resumo Executivo: Existem diversos desafios para os gestores do negócio, entre eles estão Assegurar o alinhamento entre a estratégia de TI e a estratégia do negócio e Garantir

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

A implantação da governança de TI:abordagens, barreiras e requisitos. Agenda da palestra

A implantação da governança de TI:abordagens, barreiras e requisitos. Agenda da palestra A implantação da governança de TI:abordagens, barreiras e requisitos Limeira, 27 de outubro de 2010 Aguinaldo Aragon Fernandes, DSc,CGEIT www,aragonconsultores.com.br Copyright 2010 By Aragon. Agenda da

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO INICIAL Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 IMAGO Consultoria M.E Colaborou com a certificação de empresas em diversas áreas: Metalúrgica Têxtil Médica Educação Terceirização de mão de obra

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

Como o TCU vem implantando a governança de TI

Como o TCU vem implantando a governança de TI Como o TCU vem implantando a governança de TI Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI - Assig - Marisa Alho Chefe de Assessoria Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Implantação de Escritórios de Projetos para Aumento da Maturidade em Gestão nas Empresas de Distribuição da Eletrobras. Leonardo Lustosa, M.Sc.

Implantação de Escritórios de Projetos para Aumento da Maturidade em Gestão nas Empresas de Distribuição da Eletrobras. Leonardo Lustosa, M.Sc. Implantação de Escritórios de Projetos para Aumento da Maturidade em Gestão nas Empresas de Distribuição da Eletrobras Leonardo Lustosa, M.Sc., PMP Escritórios de Gestão de Projetos EGP Central Diretoria

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI)

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) Os principais modelos de melhores práticas em TI Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP, ITIL

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Realização:

GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Realização: GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS Realização: Ademar Luccio Albertin Mais de 10 anos de experiência em Governança e Gestão de TI, atuando em projetos nacionais e internacionais

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

SUAS INFORMAÇÕES ESTÃO SEGURAS?

SUAS INFORMAÇÕES ESTÃO SEGURAS? SUAS INFORMAÇÕES ESTÃO SEGURAS? Treinamento ISO 27002 Foundation Presencial ou EAD A ISO 27002 é uma norma internacional que contém um código de práricas para a segurança da informação. Este tema sempre

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Boas praticas na implantacao do. pmo

Boas praticas na implantacao do. pmo Boas praticas na implantacao do pmo IMPLANTAÇÃO DE UM PMO A implantação de um PMO requer um bom planejamento prévio, visando estruturar o setor como um braço da alta gerência a fim de assegurar a geração

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares O Planejamento Estratégico é um processo gerencial que permite que se estabeleça um: Direcionamento a ser seguido pela

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais