A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros"

Transcrição

1 A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013

2 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado de Crédito Investimentos Responsáveis Atuação da Indústria Seguradora 2

3 Conceitos e Evolução Impactos da Sustentabilidade sobre os Negócios Mitigação de Ricos De Mercado Operacionais Regulatórios Reputacionais Processos Produtos Clientes Geração de Oportunidades de Negócio Políticas Processos Relato Reguladores Auto-reguladores Acordos voluntários Compliance 3

4 Conceitos e Evolução Impactos da Sustentabilidade sobre os Negócios Efeitos da Poluição Envelhecimento da População Alterações no Ambiente Regulatório Mudanças Climáticas Inclusão Financeira 4

5 Conceitos e Evolução Gestão de Riscos 5

6 Conceitos e Evolução Geração de Oportunidades de Negócio 6

7 Conceitos e Evolução Evolução da Regulação no Setor Legislação Pontual Lei 9.638/1981 Lei 9.605/1998 Auto-regulação Protocolo Verde Princípios do Equador UNPRI UNPSI Legislação Setorial Edital 41 Bacen ICAAP 7

8 Conceitos e Evolução Ações Civis Públicas Ação Civil Pública Ambiental MPF Belém/PA Principais Pedidos Danos Materiais Banco 1 Banco 2 Danos Morais Coletivos Auditoria INCRA Clientes com irregularidades socioambientais Juros reduzidos para clientes Impacto direto R$ 26MM A ser arbitrado BACEN Controle externo na operação Interferência na operação Risco de reputação I N S T I T U I Ç Õ E S F I N A N C E I R A S 8 Clientes Responsáveis por crimes e/ou irregularidades ambientais Áreas contaminadas e/ou embargadas pelo IBAMA Mal relacionamento com a comunidade Práticas de trabalho escravo Autos de infração

9 Conceitos e Evolução Edital 41 do Banco Central Art. 1 Política Art. 2 Stakeholders Art. 3 Análise socioambiental Edital 41 BACEN Art. 4 Art. 5 Governança e monitoramento Conceito de Risco Socioambiental Art. 6 Gerenciamento de Risco Socioambiental (processos) Art. 7 Designação de diretor responsável e formalização 9

10 Atuação do Setor Financeiro Papel das Instituições Financeiras Importância da adaptação de políticas e iniciativas Pertinência e relevância ao negócio da instituição Adequação às atividades e operações críticas Observância dos riscos e oportunidades de negócio de forma individual e customizada Análise de acordo com: Natureza das operações Principais setores envolvidos Impacto das operações 10

11 Atuação do Setor Financeiro Integração da Sustentabilidade à Decisão Financeira Análise Econômica Impacto sobre atividade econômica e macro temas, como escassez de recursos Análise Industrial Influência sobre a preferência do consumidor e mudanças regulatórias, como a legislação ambiental Estratégia da Empresa Gestão de riscos e oportunidades derivados de questões ESG, como na cadeia de suprimentos Demonstrações Financeiras Impacto sobre o crescimento de receitas, eficiência operacional, ativos intangíveis e fluxo de caixa Ferramentas de Valuation Como analistas consideram estas questões, na taxa de desconto ou no valor econômico adicionado Fonte: UNPRI Integrated Analysis (2013) 11

12 O Mercado de Crédito Integração da Sustentabilidade à Decisão de Crédito Governança Gestão da Carteira Acompanhamento Comissões e Comitê Mecanismos de monitoramento e controle Classificação e Mensuração Capacidade técnica de análise Base de dados Captação de informações 12

13 Investimentos Responsáveis Evolução das Estratégias no Tempo Screening Negativo Screening Positivo Best in Class Integração Engajamento Impact Investing Anos 80 Anos Anos UNPRI 13

14 Investimentos Responsáveis Princípios para o Investimento Responsável 1. Integraremos questões ESG nas análises de investimento e nos processos de tomada de decisão 2. Sermos proprietários ativos e incorporar os temas de ESG nas políticas e práticas de detenção de ativos 3. Buscar a transparência adequada nas empresas em que investimos quanto às questões de ESG 4. Promover a aceitação e a implementação dos princípios no conjunto de investidores institucionais 5. Trabalhar juntos para reforçar nossa eficiência na implementação dos princípios 6. Reportar nossas atividades e progressos em relação à implementação dos princípios 14

15 Investimentos Responsáveis Princípios para o Investimento Responsável Fonte: UNPRI 15

16 Investimentos Responsáveis O Mercado de Capitais Brasileiro ISE Lançado em 2005 pela BM&FBOVESPA Análise comparativa da performance das empresas listadas sob o aspecto da sustentabilidade corporativa Carteira atual: 51 ações de 37 companhias 16 setores R$ 1,07 trilhão em valor de mercado (o equivalente a 44,81% do total do valor das companhias listadas) 16

17 Investimentos Responsáveis O Mercado de Capitais Brasileiro ISE: critérios de avaliação Dimensão Geral Dimensão Governança Dimensão Econômica Dimensão Social Avaliação de empresas Dimensão Ambiental Dimensão Natureza do Produto Dimensão Mudanças Climáticas 17

18 Investimentos Responsáveis O Mercado de Capitais Brasileiro ICO2 Fruto de parceria entre BM&FBOVESPA e BNDES Para selecionar as empresas, o índice considera o grau de eficiência de emissões de GEE Coeficiente = Emissão de GEE t (tco2e) Receita t (R$ milhões) 18

19 Investimentos Responsáveis Desempenho dos Índices Fonte: Exame 19

20 Investimentos Responsáveis Relate ou Explique Lançado na Rio empresas em mai/ empresas em out/12 20

21 Atuação da Indústria Seguradora Conceitos e Papeis Papeis da Seguradora: Carregamento do risco Gestão do risco Questões ESG Investimento Institucional Impactos Critérios de precificação Critérios de Investimentos Relacionamento com a cadeia de fornecedores Fonte: UNEP-FI The Global State of Sustainable Insurance 21

22 Atuação da Indústria Seguradora Princípios para a Sustentabilidade em Seguros 1. Consideraremos sistemicamente questões ambientais, sociais e de governança corporativa em nossos princípios, estratégias e operações comerciais. 2. Iremos nos unir a participantes da indústria de seguros para aumentar a consciência sobre questões ambientais, sociais e de governança corporativa, reduzir riscos e desenvolver soluções 3. Trabalharemos juntamente com a sociedade para melhorar nossa eficácia na implementação dos Princípios 4. Seremos transparentes, reportando nossas atividades e progresso na implementação dos Princípios 22

23 Conclusões Principais Desafios Estabelecimento de métricas para impacto sobre o desempenho financeiro Falta de informação DE QUALIDADE disponível Engajamento das áreas de negócio e das empresas Tendências Integração do tema à estratégia e gestão Fortalecimento de acordos voluntários e do trabalho colaborativo Aumento da regulação sobre o tema 23

24 Contatos: Maria Eugênia Buosi Rafael Antonelli Marcos 24

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi. Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.net Sobre a SITAWI FINANÇAS DO BEM = Finanças Sustentáveis Assessoria

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto dos Guias Ambientais 2005 Aprovação da Política Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR TRANSPARÊNCIA É A BASE PARA NOSSO PROCESSO DECISÓRIO E ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência e ao desempenho socioambiental das empresas listadas Critérios mínimos de listagem.

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Global Reporting Initiative Relato de Sustentabilidade. Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil

Global Reporting Initiative Relato de Sustentabilidade. Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil Global Reporting Initiative Relato de Sustentabilidade Glaucia Terreo Diretora Ponto Focal GRI Brasil Piracicaba, 15 de Agosto de 2013 Muito obrigada!! Conteúdo: Desafio da Sustentabilidade Relato de Sustentabilidade

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental Risco Socioambiental por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental MARÇO 2013 Risco Socioambiental Conceitos Básicos Equator Principles Crédito Corporativo Aceitação de Clientes O que é uma

Leia mais

Soluções de Sustentabilidade. Parcerias para a eficiência, inovação e reputação

Soluções de Sustentabilidade. Parcerias para a eficiência, inovação e reputação Soluções de Sustentabilidade Parcerias para a eficiência, inovação e reputação Sobre a nhk Sustentabilidade Empresa fundada em 2009 por especialistas em gestão da sustentabilidade formados na Alemanha.

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado Tendências e Desafios da Integração de Informações Financeiras e de Sustentabilidade:

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Informações Integradas

Informações Integradas Informações Integradas IMPLANTAÇÃO DO RELATO INTEGRADO: O CASE DA SANASA REUNIÃO TÉCNICA DE NORMAS INTERNACIONAIS Tatiana Gama Ricci São Paulo, 22 de maio de 2015 Evolução das Informações não financeiras

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos

Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos Sustentabilidade em seguros: oportunidades e riscos Adriana Boscov Superintendente de Sustentabilidade Empresarial SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos QUAL A RELAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE COM

Leia mais

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Referência mundial em sustentabilidade, com Bolsa de Johanesburgo, pelo Relatório Bolsas de Valores Sustentáveis Relatório de Progresso,

Leia mais

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro www.pwc.com.br Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro Junho 2015 Agenda 01 02 Sustentabilidade...olhando para futuro Para ser sustentável é preciso compreender e se adaptar

Leia mais

Finanças e Negócios Sustentáveis

Finanças e Negócios Sustentáveis Finanças e Negócios Sustentáveis Riscos de governança e sócio-ambientais e seu impacto no rating de crédito Seminário de Meio Ambiente Britcham SP 17 de agosto de 2006 1 Gustavo Pimentel Analista de Governança

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) GVces Criado em 2003, o GVces é uma iniciativa da

Leia mais

Construindo Pontes: Comunicando o Business Case de Sustentabilidade para o Mercado Financeiro

Construindo Pontes: Comunicando o Business Case de Sustentabilidade para o Mercado Financeiro Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado White Paper do GT Empresa Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Construindo Pontes: Comunicando o Business Case de Sustentabilidade para

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO

A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO A RESPONSABILIDADE SOCIAL INTEGRADA ÀS PRÁTICAS DA GESTÃO O que isto tem a ver com o modelo de gestão da minha Instituição de Ensino? PROF. LÍVIO GIOSA Sócio-Diretor da G, LM Assessoria Empresarial Coordenador

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

2 nd Regulatory Summit

2 nd Regulatory Summit 2 nd Regulatory Summit Gestão de Riscos - a avaliação e estratégias para mitigá-los, como processo essencial da boa Governança e de vantagem competitiva Setembro de 2014 Contexto Global A crise de 2008

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na avaliação e na mensuração de riscos AUDITORIA INTERNA NO CONBRAI 2009.

Atuação da Auditoria Interna na avaliação e na mensuração de riscos AUDITORIA INTERNA NO CONBRAI 2009. IBC realizada em 18 de agosto de 2009. A sua circulação, cópia ou distribuição, total ou parcial, para outros fins deve ser previamente autorizada, por escrito, pela Claro. Atuação da Auditoria Interna

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão 2010 17 de Novembro - Recife

Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão 2010 17 de Novembro - Recife Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão 2010 17 de Novembro - Recife Investimentos Socialmente Responsáveis e o papel dos Fundos de Pensão Carlos Frederico A. Duque Diretor-Superindentente Instituto

Leia mais

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL 3T11 Sumário Sumário...1 Índice de Tabelas...2 Índice de Figuras...3 Desempenho Socioambiental...4 Negócios com Ênfase Socioambiental...5 Ecoeficiência...7 Relações com Funcionários...9

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE)

METODOLOGIA DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE) METODOLOGIA DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL (ISE) Abril/2015 [data] METODOLOGIA DO ÍNDICE DE O ISE é o resultado de uma carteira teórica de ativos, elaborada de acordo com os critérios estabelecidos

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 25 de fevereiro de 2015 Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87% do valor total de mercado (base 24/11/2014) Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87%

Leia mais

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Pesquisa 013 A caminho da maturidade A Governança Corporativa é um tema que está cada vez mais presente nas empresas que pretendem

Leia mais

Caixa Econômica Federal! "#$%&&'

Caixa Econômica Federal! #$%&&' Caixa Econômica Federal! "#$%&&' $! % & ' (! " # )*+),&- $ ./', 0'12' 2003 2004 2004 2005 2007 2008 2009 Adesão ao Pacto Global; Projeto Corporativo Responsabilidade Social : Incorporação dos princípios

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade

GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade GT de Empresas Pioneiras em Relatórios de Sustentabilidade Comissão Brasileira de Acompanhamento do Relato Integrado Tendências e Desafios da Integração de Informações Financeiras e de Sustentabilidade:

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Título: PRSA - Política de Responsabilidade Socioambiental POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. PRINCÍPIOS... 3 5. DIRETRIZES...

Leia mais

Governança Corporativa que Cria Valor: um Processo em Subtítulo Evolução ou Módulo de Treinamento Abril de 2014

Governança Corporativa que Cria Valor: um Processo em Subtítulo Evolução ou Módulo de Treinamento Abril de 2014 Governança Corporativa que Cria Valor: um Processo em Subtítulo Evolução ou Módulo de Treinamento Abril de 2014 Objetivos da Governança Corporativa A GC é o sistema pelo qual as empresas são dirigidas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO CANA SUL 2008 RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO Maria Luiza Barbosa Campo Grande, 23 de agosto de 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL É a forma de gestão que se define pela

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Dario Fonseca Junior TITULAÇÃO MBA Controladoria, Auditoria e Tributos pela Fundação Getúlio Vargas MBA Gestão Empresarial

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. INTRODUÇÃO Em atendimento a Resolução do BACEN Nº 4.327 de 25 de abril de 2014, a EASYNVEST definiu sua Política de Responsabilidade Socioambiental que, considerando a natureza de suas operações e a

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de revisão do questionário Agenda 14h-15h Abertura / Rodada de apresentações / Introd. do Coord. (1h) 15h- 16h Debate em grupos (1h) 16h- 16h15 Intervalo (15')

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE Fonte figura: Projeto Sigma Paula Chies Schommer CIAGS/UFBA Novembro 2007 O que define uma empresa como sustentável? 2 Objetivos

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Banco Mizuho do Brasil S.A. Informações Financeiras Gerenciamento de Riscos. Estrutura de Gerenciamento de Riscos

Banco Mizuho do Brasil S.A. Informações Financeiras Gerenciamento de Riscos. Estrutura de Gerenciamento de Riscos Banco Mizuho do Brasil S.A. Informações Financeiras Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Riscos O Banco Mizuho do Brasil S.A. mantém uma estrutura organizacional para Gestão de Riscos

Leia mais

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Agenda Sobre o GVces CiViA Contexto: ACV e o GVces Objetivos Atividades Cronograma Formas de adesão ciclo 2015 Evento de lançamento CiViA Centro de

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Saber de Verdade! Sustentabilidade Empresarial em parceria com

Saber de Verdade! Sustentabilidade Empresarial em parceria com Sustentabilidade Empresarial em parceria com Objetivos A importância da Sustentabilidade já está difundida no mercado, mas faltam gestores suficientemente qualificados para lidar com os desafios desse

Leia mais

09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco. 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco

09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco. 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco Agenda 09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco 09:20h CDP Mudanças Climáticas e CDP SupplyChain: Marcelo Rocha -Diretor do CDP

Leia mais

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Interdependência da Produção Globalizada Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Cenário atual Mundo globalizado Altíssima velocidade de difusão da informação Grande integração

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações

Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações Auditoria e Gestão de Riscos no Conceito da Sustentabilidade das Organizações Paulo Vanca Diretor do AUDIBRA / IIA Brasil Consultor da Junho de 2009 PwC Agenda Sustentabilidade Verdades e mitos Os 3 Pilares

Leia mais

Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras

Indicadores de Risco. Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras Indicadores de Risco Monitoramento e Avaliação dos Indicadores de Risco em Instituições Financeiras Agenda Ambiente Atual de Negócios Indicadores de Risco Inteligência em Riscos Abordagem de Implementação

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social A Sustentabilidade no HSL Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social Sustentabilidade HSL Panorama Geral Desequilíbrio do processo econômico Fonte: New Scientist (18 October 2008, p 40). Legenda:

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono

Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono Brasília, 07 de Maio de 2013 Denise Mª Lara de Souza Seabra Gerente de Clientes e Negócios Gerência Nacional Financiamento

Leia mais

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br Processo 2013 05 de março de 2013 www.isebvmf.com.br Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e

Leia mais