Perguntas a Serem Respondidas. 21. Teoria da Escolha do Consumidor. A Restrição Orçamentária. Oprtunidades do Consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas a Serem Respondidas. 21. Teoria da Escolha do Consumidor. A Restrição Orçamentária. Oprtunidades do Consumidor"

Transcrição

1 21. Teoria da Escolha do onsumidor Perguntas a Serem Respondidas Todas as curvas de demanda têm inclinação negativa? omo os salários afetam a oferta de mão-deobra? omo as taxasde jurosafetama poupança das famílias? Os pobre preferem receber transferências em g6eneros ou em dinheiro? Restrição Orçamentária Limite à combinação de bens que o consumidor pode adquirir s pessoas consomem menos do que gostariam porque os seus gastos são limitados à sua renda Mostra as várias combinações de bens que o consumidor pode se permitir de acordo com a sua renda Oprtunidades do onsumidor Gastos c/ Gastos c/ Gasto Total s 1 $ $1. $ Restrição Orçamentária do onsumidor Restrição Orçamentária do onsumidor Qualquer ponto na linha indica a combinação de dois produtos quer o consumidor pode adquirir Por exemplo, se o consumidor adquire 5 garrafas de pepsi ele não consome nenhuma pizza (ponto ). Se ele não compra nenhuma pepsi, ele pode comprar 1 pizzas (ponto ). Ele pode ainda consumir 5 pizzas e 25 garrafas de pepsi Restrição Orçamentária do onsumidor 1 1

2 Restrição Orçamentária do onsumidor inclinação da linha de restrição do consumidor é igual ao preço relativo dos bens, isto é, o preço de um bem comparado ao preço de outro bem Mede aindaa taxaàqualos consumidores podem trocar um bem por outro Preferências: O que o onsumidor Deseja preferência dos consumidores entre as combinações possíveis de bens pode ser ilustrada com as urvas de Indiferença Uma curva de indiferença mostra combinações de consumo que proporcionam ao consumidor igual satisfação Preferência do onsumidor Preferência do onsumidor urvas de Indiferença O consumidor é indiferente, ou igualmente satisfeito, com as combinações, e pois estão todas na mesma curva D Taxa Marginal de Substituição Preferência do onsumidor inclinação em qualquer ponto da curva nos dá a taxa marginal de É a taxa que o consumidor está disposto a trocar um bem por outro É a quantidade de um bem que o consumidor requer como compensação para abrir mão de um outro bem TMgS 1 urvas de Indiferença D 2

3 urvas de Indiferença: Propriedades urvas de indiferença mais elevadas são as preferidas s curvas de indiferença se inclinam para baixo s curvas de indiferença não se cruzam s curvas de indiferença são convexas em relação aos eixos urvas de Indiferença Mais Elevadas São as Preferidas onsumidores normalmente preferem mais de um bem do que menos de um bem urvas de indiferença mais elevadas representam maior quantidade de bens que curvas de indiferença mais baixas s urvas de Indiferença se Inclinam Para aixo Um consumidor está disposto a abrir mão de um bem só se ela ganhar mais do outro bem Se a quantidade de um bem diminui a quantidade do outro tem que aumentar Por essa razão, a maioria das curvas de indiferença são negativamente inclinadas s urvas de Indiferença Não se ruzam Os pontos e fazem o consumidor igualmente satisfeito Os pontos e fazem o consumidor igualmente satisfeito Isso implica que os pontos e tmabém faz o consmidor igualmente feliz Mas tem mais dos dois bens que, e isso é impossível s urvas de Indiferença Não se ruzam s urvas de Indiferença São onvexas em Relação aos Eixos s pessoas estão mais dispostas a trocar os bens que têm em abundância e menos dispostas a ceder aqueles dos quais têm pouca quantidade Essas diferenças na taxa marginal de causa a curva de indiferença ser convexa em relação à origem 3

4 s urvas de Indiferença São onvexas em Relação aos Eixos 14 Exemplos Extremos de urvas de Indiferença Substitutos Perfeitos omplementos Perfeitos 8 TMgS = TMgS = 1 1 urva de Indiferença Substitutos Perfeitos Dos bens cujas curvas de indiferença são retas taxa marginal de é fixa Substitutos Perfeitos Moeda de R$, I I 3 3 Moeda de R$,1 omplementos Perfeitos Dos bens cujas curvas de indiferença formam ângulos retos omplementos Perfeitos Sapato Esquerdo Sapato Direito 4

5 Otimização: O Que o onsumidor Escolhe onsumidores querem uma combinação de bens na mais alta curva de indiferença possível ontudo, o consumidor tem que estar em cima ou abaixo de sua restrição Otimização: O Que o onsumidor Escolhe ombinando a curva de indiferença do consumidor com a sua restrição determina a escolha ótima do consumidor escolha ótima do consumidor se dará onde a mais alta curva de indiferença toca a linha de restrição Escolha Ótima do onsumidor Escolha Ótima do onsumidor O consumidor escolhe o consumo de dois bens de forma que a taxa marginal de seja igual ao preço relativo dos bens No ponto ótimo, o valor que o consumidor dá aos bens é igual ao valor que o mercado dá aos bens Ótimo Linha Orçamentária I 3 lterações de Renda Um aumento da renda desloca a linha para a direita O consumidor consegue escolher uma melhor combinação de bens em uma curva de indiferença mais alta umento da Renda 3. e o consumo de pepsi. Nova linha 1. Um aumento da renda desloca a linha para a direita Novo ótimo Ótimo inicial Linha Orçamentária inicial 2. aumentando o consumo de pizza 5

6 em Normal x Inferior Se um consumidor compra mais de um bem quando a sua renda sobe, o bem é dito normal Se um consumidor compra menos de um bem quando a sua renda sobe, o bem é dito inferior em Inferior Mas o consumo de pepsi cai, logo a pepsi é um bem inferior. Nova linha Ótimo inicial 1. Quando um aumento da renda desloca a linha para a direita... Novo ótimo Linha inicial O consumo de pizza aumenta, logo a pizza é um bem normal... Mudanças de Preços Uma queda de preço de qualquer um dos bens rotaciona a linha para fora e consequentemente ocorre uma mudança na inclinação da linha Mudança no Preço 1, 5 3. e aumentando o consumo de pepsi. Linha inicial Nova linha Novo ótimo 1. Uma queda no preço da pepsi, rotaciona a linha para fora ou direita 1 2. reduzindo o consumo de pizza Eefeito Renda e Substituição Uma mudança nos preços traz duas consequências: Um efeito renda Em efeito Efeito Renda O efeito renda diz respeito a mudança de consumo resultante de uma alteração nos preços movendo o consumidor para uma curva de indiferença mais alta ou mais baixa 6

7 Efeito Substituição O efeito diz respeito a mudança no consumo resultante de uma alteração nos preços movendo o consumidor ao longo da curva de indiferença, para um ponto com uma taxa marginal de diferente Efeito Substituição Uma alteração nos preços desloca o consumidor de um ponto a outro na mesma curva de indiferença Ilustrado pelo movimento de para Efeito Renda pós mover-se sob a mesma curva de indiferença, o consumidor move para uma outra curva de indiferença Ilustrada pelo movimento de para Efeito Renda e Substituição Efeito renda Efeito Linha inicial Nova linha Novo ótimo Ótimo inicial Efeito Efeito renda Efeito Renda e Substituição com Queda do Preço da Derivando a urva de Demanda em Efeito Renda onsumidor está mais rico, logo compra mais pepsi onsumidor está mais rico, logo compra mais pizza Efeito Substituição pepsi está relativamente mais barata, então consumidor compra mais pepsi pizza está relativamente mais cara, então consumidor compra menos pizza Efeito Total Efeito renda e agem na mesma direção, então mais pepsi é consumida Efeito renda e susbstituição agem em direção oposta, o efeito final é ambíguo curva de demanda do consumidor pode ser vista como o conjunto das decisões ótimas resultantes das curvas de indiferença e linhas de restrição 7

8 15 5 Derivando a urva de Demanda (a) O ótimo do consumidor Nova linha Preço (b) urva de Demanda - $2 1 Formas da urva de Demanda lgumas vezes a curva de demanda pode ser positivamente inclinada Isso acontece quando o consumidor compra mais do bem quando ele sobe de preço 5 15 Qtde. Linha inicial em de Giffen Economistas o usam o termo bem de Giffen para aqueles bens que violam a lei da demanda Os bens de Giffen são bens inferiores onde o efeito renda domina o efeito curva de demanda dos bens de Giffen são positivamente inclinada em de Giffen atatas 2...que aumenta o consumo de batata se as batatas forem um bem Giffen. D E Linha inicial Nova linha Ótimo com preço de batata alto Ótimo com preço de batata baixo 1. Um aumento no preço da batata, rotaciona a linha... arne omo os Salários fetam a Oferta de Trabalho Se o efeito for maior que o feito renda, a pessoa trabalhará mais Se o efeito renda for maior que o efeito, a pessoa trabalhará menos O Tradeoff Trabalho x Lazer $5, Ótimo 2, I Lazer 8

9 Um umento de Salário (a) Para uma pessoa com essas preferências... curva de oferta é positivamente inclinada. Um umento de Salário (b) Para uma pessoa com essas preferências... curva de oferta é negativamente inclinada. Salário 2 Salário 1. Quando o salário cresce 1. Quando o salário sobe 1 LO 2 Lazer 2. horas de lazer diminuem Horas de Trab horas de trabalho crescem. Lazer Horas Trab. 2. horas de lazer crescem 3....e horas de trabalho diminuem. omo as Taxas de Juro fetam as Poupanças das Famílias? Se o efeito de uma taxa de juros é maior que o efeito renda, as famílias economizam mais Se o efeito renda de uma taxa de juros é maior que o efeito, as famílias economizam menos Decisão de onsumir x Poupar quando velho Linha $11, 55, Ótimo I 3 $5, 1, qdo. Jovem Um umento da Taxa de Juros (a) Taxas de juros elevadas aumentam a poupança LO 2 1. Uma taxa de juros elevadas provoca uma rotação para for a na linha... LO 2 (b) Taxas de juros elevadas diminuem a poupança 1. Umataxade juros elevadas provoca uma rotação para for a na restrição... omo as Taxas de Juro fetam as Poupanças das Famílias? Dessa forma, maiores taxas de juros podem encorajar ou desencorajar a poupança qdo. jovem 2. resultando em menor consumo quando jovem, portanto menor poupança qdo. jovem 2. resultando em maior consumo quando jovem, portanto menor poupança 9

10 Os Pobres Preferem Transferências em Dinheiro ou em Gêneros? Se uma transferência em gêneros forçar a pessoa a consumir mais daquele bem do que ele consumiria por vontade própria, então ele prefere uma transferência monetária Os Pobres Preferem Transferências em Dinheiro ou em Gêneros? Se o recebedor da transferência em gêneros não consumir mais daquele bem do que ele consumiria por vontade própria, nesse caso as transferências em dinheiro ou em gêneros têm o mesmoefeitono bem-estar. Transferências (a) Restrição não-compulsória Transferências (a) Restrição não-compulsória omida Transferência monetária omida Transferência em gêneros omida ash Transfer Food Transferência em gêneros LO 2 (com R$1. em dinheiro) LO 2 (com R$1. em gêneros alimentícios) LO 2 (com R$1. em dinheiro) LO 2 (com R$1. em gêneros alimentícios) $1, $1, não-alimentar não-alimentar $1, $1, I 2 não-alimentar I2 I 3 não-alimentar Resumo Resumo linha de restrição mostra as possíveis combinações de diferentes bens que ele pode comprar dada a sua renda e o preço dos bens inclinação da linha de restrição é igual ao preço relatio dos bens curva de indiferença do consumidor representa as suas preferências de consumo Pontos em curvas de indiferença mais altas são preferíveis a pontos em curvas de indiferença mais baixas inclinação da curva de indiferença em qualquer ponto é igual a taxa marginal de O consumidor otimiza o seu consumo no ponto onde a mais alta das curvas de indiferença toca a linha de restrição 1

11 Resumo Quando o preço de um bem cai, o impacto na decisão do consumidor pode ser dividido em dois efeitos: o efeito renda e o efeito O efeito renda é a mudança no consumo resultante da redução de preço do bem O efeito renda reflete no movimento do consumidor de uma curva de indiferença para outra mais alta Resumo O efeito se dá devido ao fato que a redução de preço de um bem torna esse bem relativamente mais barato que outro O efeito é refletido no movimento ao longo da curva de indiferença para um outro ponto com inclinação diferente Resumo teoria da esolha do consumidor pode explicar: Porque curvas de demanda podem ter inclinação positiva omo os salários afetam a oferta de mão-de-obra omo as taxasde jurosafetama decisãode poupar de uma família omo os pobres preferem receber possíveis transferências governamentais: em espécie ou em gêneros alimentícios 11

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas

Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO. CAP. 2 Borjas Economia do Trabalho OFERTA DE TRABALHO CAP. 2 Borjas 1. INTRODUÇÃO Indivíduos procuram maximizar bem estar, consumindo bens e lazer Existe trade-off entre trabalho e lazer Indivíduos precisam de trabalho

Leia mais

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor

Comportamento do consumidor Parte Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Parte 1 1. Preferências do Consumidor 2. Restrições Orçamentárias 3. A Escolha do Consumidor Comportamento do consumidor Há 3 etapas no estudo do comportamento do consumidor.

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Cap. 3 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: - como determinar

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 20 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória Teoria Microeconômica I Prof. Marcelo Matos Aula Introdutória Ementa do Curso Teoria do consumidor: escolha do consumidor; preferência revelada; efeitos-renda e efeito-substituição: equação de Slutsky

Leia mais

LES 101 Introdução à Economia

LES 101 Introdução à Economia Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz LES 101 - Introdução à Economia LES 101 Introdução à Economia Prof. João Martines Filho 30 / maio / 2017 Copyright 2010 Pearson

Leia mais

Capítulo 3 Preferências

Capítulo 3 Preferências Capítulo 3 Preferências Verdadeiro ou falso 3.1 Se as preferências são transitivas, mais é sempre preferível a menos. Resposta: Falsa 3.2 Uma pessoa com preferência reflexivo é alguém que não compra cuidadosamente.

Leia mais

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Prof. Antonio arlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Da mesma forma que os agentes econômicos escolhem uma cesta de consumo maximizadora da utilidade, sujeita a uma restrição

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3, 4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA I PROF: Prof. Dr.Giácomo Balbinotto Neto Estágio Docência: Mestranda do PPGE/Economia

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Teoria do Consumidor. Capítulo V TEORIA DO CONSUMIDOR. Introdução. Introdução. Preferências do consumidor. Restrições orçamentárias

Teoria do Consumidor. Capítulo V TEORIA DO CONSUMIDOR. Introdução. Introdução. Preferências do consumidor. Restrições orçamentárias Teoria do Consumidor TEORIA DO CONSUMIDOR A escolha por parte do consumidor Capítulo V Duas aplicações que ilustram a importância da teoria do consumidor: Cereal matinal Apple-Cinnamon Cheerios Programa

Leia mais

Capítulo 10. Escolha intertemporal

Capítulo 10. Escolha intertemporal Capítulo 10 Escolha intertemporal Tema Comportamento do consumidor analisando as escolhas relacionadas à poupança e ao consumo ao longo do tempo Restrição orçamentária Consumidor deve escolher quanto consumirá

Leia mais

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Aplicações Guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado; Fornecer métodos para comparar a eficácia de diferentes politicas de incentivo ao consumidor;

Leia mais

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian)

Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian) Teoria do Consumidor (Cap. 10 e 11 Krugman & Wells Cap. 3 Pyndick & Rubinfeld Caps. 4, 5 e 6 - Varian) Consumidor Racional Os consumidores escolhem a melhor cesta de bens que podem adquirir Questões: -

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista - Soluções ) Suponha que existam apenas dois bens e o governo resolve controlar os preços desses bens

Leia mais

Introdução à Microeconomia

Introdução à Microeconomia Introdução à Microeconomia Marcelo Pessoa de Matos Aula 19 PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA AULA: Krugman & Wells, cap.10

Leia mais

A Teoria do Consumidor

A Teoria do Consumidor A Teoria do Como a demanda fundamenta-se no comportamento dos consumidores? Aplicações importantes da teoria que será vista: -servir de guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado -fornecer

Leia mais

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3

Aula 7 16/09/ Microeconomia. Comportamento do Consumidor. PINDYCK (2007) Capítulo 3 ula 7 16/09/2009 - Microeconomia. Comportamento do Consumidor. INDYCK (2007) Capítulo 3 Escolha do Consumidor Supondo que o consumidor maximiza a sua utilidade, temos que a cesta maximizadora deve estar

Leia mais

Oferta e Demanda. 4. Oferta e Demanda. Mercado. O Que São os Mercados? Preços. Mercado

Oferta e Demanda. 4. Oferta e Demanda. Mercado. O Que São os Mercados? Preços. Mercado Oferta e Demanda 4. Oferta e Demanda São as duas palavras mais usadas por economistas São as forças que fazem os mercados funcionarem A microeconomia moderna lida com a oferta, demanda e o equilíbrio do

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,4,5,6 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

Demanda individual e demanda de mercado Parte Demanda Individual 2. Efeito Renda e Efeito Substituição

Demanda individual e demanda de mercado Parte Demanda Individual 2. Efeito Renda e Efeito Substituição Demanda individual e demanda de mercado Parte 1 1. Demanda Individual 2. Efeito Renda e Efeito Substituição 1 Demanda Individual Efeitos de variações nos preços: A curva de demanda individual mostra a

Leia mais

Demanda Agregada. Políticas Monetárias e a Demanda Agregada. Demanda Agregada. Teoria da Preferência da Liquidez

Demanda Agregada. Políticas Monetárias e a Demanda Agregada. Demanda Agregada. Teoria da Preferência da Liquidez 32. Inflluência das Políticas Fiscal e Monetária na Demanda Agregada Muitos fatores influenciam a demanda agregada além de políticas fiscal e/ou monetárias Em particular, o gasto desejado por indivíduos

Leia mais

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Segunda Prova Dia 01 de julho (quinta-feira) - 19:00 hs. Dúvidas 01/06 à tarde. Dia 24 e 25 de junho não haverá aula. Prova para os que faltaram

Leia mais

Demanda e oferta agregadas

Demanda e oferta agregadas Demanda e oferta agregadas Roberto Guena de Oliveira 16 de outubro de 2016 USP Flutuações econômicas de curto prazo A atividade econômica flutua de ano a ano. A taxa de crescimento anual médio da economia

Leia mais

MICROECONOMIA PA R T E I I. Demanda Individual e de Mercado Slutsky (Efeito Renda e Substituição) Escolha Intertemporal Elasticidades Incerteza

MICROECONOMIA PA R T E I I. Demanda Individual e de Mercado Slutsky (Efeito Renda e Substituição) Escolha Intertemporal Elasticidades Incerteza MICROECONOMIA PA R T E I I Demanda Individual e de Mercado Slutsky (Efeito Renda e Substituição) Escolha Intertemporal Elasticidades Incerteza DEMANDA INDIVIDUAL E DE MERCADO A demanda individual revela

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/03 ) Avalie, com análise gráfica, a variação do Excedente do Consumidor e/ou Excedente do Produtor para as seguintes situações:

Leia mais

Produto, taxa de juros e taxa de câmbio CAPÍTULO 20. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Produto, taxa de juros e taxa de câmbio CAPÍTULO 20. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Produto, taxa de juros e taxa de câmbio Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 20 Produto, taxa de juros e taxa de câmbio O modelo desenvolvido neste capítulo é uma extensão para a economia aberta

Leia mais

Demanda Muito Elástica

Demanda Muito Elástica A Sensibilidade da Demanda a Preços Um preço P mais baixo tende a aumentar a quantidade demandada Q0 A elasticidade Preço da demanda mede a sensibilidade da quantidade em relação ao preço, ou seja: Elasticidade

Leia mais

Sumário. Gestão Empresarial e Economia. Economia. Microeconomia. Mercado e concorrência perfeita Procura. Oferta. Equilíbrio de mercado

Sumário. Gestão Empresarial e Economia. Economia. Microeconomia. Mercado e concorrência perfeita Procura. Oferta. Equilíbrio de mercado Gestão Empresarial e Economia Economia Microeconomia Sumário Mercado e concorrência perfeita Procura o Procura individual o Procura de mercado Oferta o Oferta individual o Oferta de mercado Equilíbrio

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 2016.1 ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA LISTA 1 1. Um consumidor dispõe de R$ 320 para gastar com maçãs nacionais

Leia mais

Escassez: problema econômico central de QUALQUER sociedade

Escassez: problema econômico central de QUALQUER sociedade RESUMINDO: Escassez: problema econômico central de QUALQUER sociedade Necessidades humanas ilimitadas X Recursos produtivos escassos escassez escolha o que e quanto produzir como produzir para quem produzir

Leia mais

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Efeito de modificações no preço: Caso ocorram modificações no preço de determinada mercadoria

Leia mais

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo,

Teoria do consumidor. Propriedades do Conjunto Consumo, Teoria do consumidor 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Qualquer modelo que vise explicar a escolha do consumidor é sustentado por quatro pilares. Estes são o conjunto consumo, o conjunto factível, a relação

Leia mais

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MACROECONOMIA KEYNESIANA Nesta aula, estudaremos que variáveis determinam

Leia mais

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia Lista 1 Prof: Danilo Igliori Questão 1 Qual das seguintes manchetes de jornal é mais estreitamente relacionado com o que microeconomistas estudam (e menos relacionado

Leia mais

Oferta e Procura. Aula 5 Isnard Martins

Oferta e Procura. Aula 5 Isnard Martins Oferta e Procura 5 Aula 5 Isnard Martins Análise da Demanda de Mercado Demanda (ou procura) é a quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores desejam adquirir, num dado período. A Demanda

Leia mais

(1) (a) Há um deslocamento para a esquerda da curva de oferta de creme de leite. Issofazcomque, nomercadode cremedeleite, hajaumaumento

(1) (a) Há um deslocamento para a esquerda da curva de oferta de creme de leite. Issofazcomque, nomercadode cremedeleite, hajaumaumento REPOTA O CAPÍTULO 3 OFERTA E EMANA (1) (a) Há um deslocamento para a esquerda da curva de oferta de creme de leite. Issofazcomque, nomercadode cremedeleite, hajaumaumento no de equilíbrio e uma redução

Leia mais

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Introdução à Macroeconomia Danilo Igliori (digliori@usp.br) Construindo o modelo IS-LM 1 Contexto No último capítulo introduzimos o modelo de demanda e oferta agregadas. No longo prazo: preços flexíveis

Leia mais

I. Conceitos Básicos

I. Conceitos Básicos I. Conceitos Básicos Escolha Múltipla 1. A economia foca-se em a) Indivíduos e como os recursos são utilizados para satisfazer as necessidades humanas. b) Dinheiro. c) Bancos d) Control 2. Um recurso é

Leia mais

Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas. Mercado de Fundos. Mercado de Fundos.

Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas. Mercado de Fundos. Mercado de Fundos. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta As mais importantes variáveis macroeconômicas em uma economia aberta são: poupança nacional, investimento doméstico,

Leia mais

Introdução à Microeconomia. As forças de mercado: oferta e demanda. Danilo Igliori

Introdução à Microeconomia. As forças de mercado: oferta e demanda. Danilo Igliori Introdução à Microeconomia As forças de mercado: oferta e demanda Danilo Igliori (digliori@usp.br) As Forças de Mercado de Oferta e Demanda Oferta e demanda estão entre as palavras que os economistas utilizam

Leia mais

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres

Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Aula 15 Teoria da Produção 19/04/2010 Bibliografia: Vasconcellos (2006) Cap. 6, Mankiw (2007) Cap. 13. Texto: Eu vos declaro marido e mulheres Teoria da produção Firma ou empresa para economia é uma unidade

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Efeitos Renda e Substituição Prof.: Antonio Carlos Assumpção Efeito Renda e Efeito Substituição Uma queda no preço de um bem ou serviço tem dois efeitos: Substituição e Renda Efeito Substituição

Leia mais

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento 31. e Demanda s FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo Flutuações econômicas ocorrem de ano para ano Na maioria dos anos a produção de bens e serviços aumenta Em alguns anos esse crescimento não acontece,

Leia mais

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO CAP. 4 Borjas 1. INTRODUÇÃO Mercado de trabalho depende: - Desejo dos trabalhadores de disponibilizarem tempo de trabalho - Desejo das firmas contratarem trabalhadores

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 16 de março de 2012 Roberto Guena de Oliveira () Equilíbrio 16 de março de 2012 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: Mercado de Bens e a

Mercados de Bens e Financeiros: Mercado de Bens e a C A P Í T U L O 5 Mercados de Bens e Financeiros: Prepared by: Fernando Quijano and Yvonn Quijano 5-1 Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à

Leia mais

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G =

Leia mais

Teoria da demanda e oferta

Teoria da demanda e oferta Análise da Demanda de mercado Teoria da demanda e oferta Capítulo III Demanda (ou procura) é a quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores deseja adquirir, num dado período. Representa

Leia mais

Exercícios de Macroeconomia

Exercícios de Macroeconomia Exercícios de Macroeconomia 1. Explique porque o PIB é tanto uma variável que mede tanto renda agregada, quanto a despesa agregada e produção. Por que PIB não mede riqueza? Qual a diferença entre PIB real

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Ciências Econômicas Niterói - Gabarito

PROGRAD / COSEAC Ciências Econômicas Niterói - Gabarito Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Alfredo possui um automóvel bicombustível. Baseado no histórico de consumo do automóvel, Alfredo percebeu que o rendimento da gasolina (quilômetros

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Oferta Agregada Nível de preços e custos Produto potencial Capital,

Leia mais

Microeconomia I. Ficha 1: Capítulos 2, 3 e 4. Exercícios propostos. Capítulo 2

Microeconomia I. Ficha 1: Capítulos 2, 3 e 4. Exercícios propostos. Capítulo 2 Microeconomia I Ficha 1: Capítulos 2, 3 e 4 Exercícios propostos Capítulo 2 1.1. A Ana tem um rendimento mensal de 60, que gasta em pão e vinho. Um pão custa 1.50, e um litro de vinho custa 3. Prepare

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

PENSANDO COMO UM ECONOMISTA

PENSANDO COMO UM ECONOMISTA PENSANDO COMO UM ECONOMISTA à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 2 Pensando como um Economista Cada campo de estudo tem sua própria linguagem... Matemáticos integrais, axiomas, espaços vetoriais etc. Psicólogos

Leia mais

Sistema Financeiro. Copyright 2004 South-Western

Sistema Financeiro. Copyright 2004 South-Western Sistema Financeiro 18 Sistema Financeiro O sistema financeiro é o grupo de instituições da economia que faz a intermediação entre poupança de quem guarda recursos e o investimento de quem precisa de recursos.

Leia mais

Capítulo 4 As Forças de Mercado da Oferta e da Demanda

Capítulo 4 As Forças de Mercado da Oferta e da Demanda Capítulo 4 As Forças de Mercado da Oferta e da Demanda Lista de Exercícios: 1. Em um mercado competitivo, a quantidade produzida e o preço do produto são determinados pelo(s): a. compradores. b. vendedores.

Leia mais

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1

Microeconomia. UNIDADE 5 Aula 5.1 Microeconomia UNIDADE 5 Aula 5.1 Prof - Isnard Martins Rosseti, J, Introdução à Economia, Atlas, 2006 Vasconcelos M.A, Economia Micro e Macro, 4a Edição Douglas Evans.Managerial Economics.Prentice Hall.

Leia mais

A Teoria do Dinheiro de Keynes

A Teoria do Dinheiro de Keynes A Teoria do Dinheiro de Keynes A Teoria Completa: A Preferência Pela Liquidez na Escolha de Ativos Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Economia Monetária e Financeira Capítulo 17 No

Leia mais

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1 VERSÃO ROVISÓRIA Questão Os valores assumidos pela taxa marginal de substituição de um bem por outro ao longo de uma dada curva de indiferença permitem-nos concluir sobre o formato das curvas de indiferença

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice.

TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice. TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice. A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL R = P x.x + P y.y y = R / P y P x / P y. x

Leia mais

Restrição orçamentária

Restrição orçamentária Restrição orçamentária Objetivo da aula Economistas assumem que os consumidores devem escolher as melhores cestas que podem pagar. Uma primeira preocupação consiste, então, em definir o que podem pagar,

Leia mais

Economia do Trabalho TÓPICOS EM OFERTA DE TRABALHO. CAP. 3 Borjas

Economia do Trabalho TÓPICOS EM OFERTA DE TRABALHO. CAP. 3 Borjas Economia do Trabalho TÓPICOS EM OFERTA DE TRABALHO CAP. 3 Borjas 1. INTRODUÇÃO Modelo Estático Traz alocação trabalho X lazer em um dado momento do tempo Decisões de oferta de trabalho ocorrem continuamente

Leia mais

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção.

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. Produção e o Custo da Empresa Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. 1. Conceitos básicos A economia é formada por diversas empresas

Leia mais

Microeconomia. Tópicos para Discussão. Introdução. Tópicos para Discussão. Introdução. Tecnologia da Produção. O Processo Produtivo

Microeconomia. Tópicos para Discussão. Introdução. Tópicos para Discussão. Introdução. Tecnologia da Produção. O Processo Produtivo Microeconomia Oferta do produtor PINDYK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia. São Paulo: Prentice Hall. 2008. apítulo 6: apítulo 7: ustos da produção Tópicos para Discussão Tecnologia da Isoquantas com um

Leia mais

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A.

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A. A lei da oferta e Parte 1: Oferta, e equilíbrio de mercado Parte 2: Elasticidades Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br BLOG: www.marcoarbex.wordpress.com Dois reais......e noventa centavos

Leia mais

Modelo da Procura e da Oferta

Modelo da Procura e da Oferta Modelo da rocura e da Oferta IT, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Mercado: local de encontro da oferta (os que tentam vender) e da procura (os que desejam comprar), onde se determinam

Leia mais

Variáveis que afetam a demanda 1

Variáveis que afetam a demanda 1 Variáveis que afetam a demanda 1 A demanda de um bem ou serviço pode ser afetada por muitos fatores, tais como: Riqueza (e sua distribuição); Renda (e sua distribuição); Preço dos outros bens; Fatores

Leia mais

Economia DEMANDA. Prof. Me. Diego Fernandes

Economia DEMANDA. Prof. Me. Diego Fernandes Economia DEMANDA 1 Leitura Leitura do capítulo 4 (p. 73-80) do livro: Introdução à Economia do Marco Antonio S. Vasconcellos, 2012 livro online. 2 Teoria do Consumidor Segmento da Microeconomia que diz

Leia mais

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Marta Lemme - IE/UFRJ Função de Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz. Um insumo

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Cesta de bens A cesta de bens, do ponto de vista econômico, é o conjunto de bens que está disponível para o consumidor. Outros conceitos surgem a partir daí, como cesta básica: conjunto de bens que satisfazem

Leia mais

15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido.

15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido. Capitulo 15 Demanda do mercado Questões de Verdadeiro ou Falso 15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido. 15.2. Em geral, a demanda

Leia mais

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO 2013 MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO Sumário PARTE I... 2 [RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA]... 2 [UTILIDADE E DEMANDA]... 2 [UTILIDADE E ESCOLHA]... 3 [PREFERÊNCIAS]... 3 [ÍNDICES DE PREÇO]... 3

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4

Microeconomia I. Bibliografia. Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4 Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4 2 Mercado Definição: É o conjunto de agentes, compradores e vendedores, que negociam

Leia mais

O Modelo de Solow. Alexandre Nunes de Almeida

O Modelo de Solow. Alexandre Nunes de Almeida Alexandre Nunes de Almeida O modelo de crescimento econômico de SOLOW (1956) explica como a poupança (capital), o aumento da população e o progresso técnico influenciam a taxa de crescimento do produto

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Comércio internacional com efeitos sobre distribuição de renda Recursos não podem se mover imediatamente ou sem custos de uma

Leia mais

Capítulo 2 Restrição Orçamentária

Capítulo 2 Restrição Orçamentária Capítulo 2 Restrição Orçamentária Verdadeiro ou falso 2.1 Se existem dois bens com preços positivos e o preço de um bem é reduzida, enquanto a renda e outros preços permanecem constantes, em seguida, o

Leia mais

Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros: A Teoria da Preferência pela Liquidez Prof. Giácomo Balbinotto Neto A Teoria da Preferência pela Liquidez [Keynes (1936, caps. 13-17)] A Teoria da Preferência pela Liquidez

Leia mais

PRO Introdução à Economia

PRO Introdução à Economia PRO 2208 Introdução à Economia Aulas 2 e 3 Mercados, Oferta e Demanda PRO 2208 Davi Nakano Mercados, Oferta e Demanda Mercado: grupo de compradores e de vendedores de um dado bem ou serviço Oferta e Demanda

Leia mais

Demanda do Consumidor (Microeconomia)

Demanda do Consumidor (Microeconomia) Escolha ótima do consumidor: a demanda. Olá estimado(a) aluno(a), tudo bem? O objetivo deste artigo é apresentar algumas questões relacionadas à demanda. Ou seja, compreender de forma esquematizada qual

Leia mais

Salário Mínimo, Bolsa Família e desempenho. Desempenho relativo recente da economia do Nordeste

Salário Mínimo, Bolsa Família e desempenho. Desempenho relativo recente da economia do Nordeste Salário Mínimo, Bolsa Família e desempenho relativo recente da economia do Nordeste PET - Economia - UnB 15 de julho de 2013 Alexandre Rands Barros Autores Introdução Graduado em Ciências Econômicas pela

Leia mais

AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas

AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas 1- Flutuações econômicas são Irregulares e Imprevisíveis São chamadas de ciclo de negócios.

Leia mais

Introdução à Economia. - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio

Introdução à Economia. - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio Introdução à Economia - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio O que é Economia? Definição: Economia é uma ciência social que estuda como a sociedade administra seus recursos escassos. Por que é uma ciência

Leia mais

Inflação: Causas e Custos 28. Inflação: Causas e Custos

Inflação: Causas e Custos 28. Inflação: Causas e Custos Inflação: Causas e Custos 28. Inflação: Causas e Custos Inflação é o aumento persistente de preços. É um aumento contínuo, e não aquele aumento esporádico, ainda que grande A inflação lida com o aumento

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. O formato das curvas de indiferença pode significar diferentes graus de desejo de substituir uma mercadoria por outra.

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total

Custos de Produção. Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total Custos de Produção Introdução Custos de Curto Prazo Custos de Longo Prazo Maximização do Lucro Total 1 Introdução Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 29 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes

Leia mais

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva Universidade Federal de Santa Catarina From the SelectedWorks of Sergio Da Silva 00 Demanda Sergio Da Silva Available at: htt://works.beress.com/sergiodasilva/35/ Demanda Hal R. Varian Intermediate Microeconomics,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Ciências e Letras FCLar Araraquara

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Ciências e Letras FCLar Araraquara UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras FCLar Araraquara PROJETO DE PESQUISA : em Macroeconomia Aberta da Argentina referente aos anos de 2006-2012 Coordenador:

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAER 0/ 6 de Janeiro de 0 Duração Total do Teste: h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE A (Duração:

Leia mais

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006)

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006) Modelo Keynesiano 1. (APO) Considere as seguintes informações: Y = 1000 C = 600 I = 300 G = 100 X = 50 M = 50 onde Y = produto agregado; C = consumo agregado; I = investimento agregado; G = gastos do governo;

Leia mais

Malthus to Solow. 1. Introdução. Tópicos Especiais em Economia Aplicada - Crescimento Econômico 5/9/2005

Malthus to Solow. 1. Introdução. Tópicos Especiais em Economia Aplicada - Crescimento Econômico 5/9/2005 Malthus to Solow Gary D. Hansen (UCLA) Edward C. Prescott (Federal Reserve Bank of Minn.) NBER Working Paper 6858 Apresentação: Edilean Kleber da Silva Curso de Crescimento Econômico Professor: Sabino

Leia mais

6, , , Equilíbrio 3, ,

6, , , Equilíbrio 3, , José Wladimir Freitas da Fonseca 1 O objetivo desta aula é apresentar os princípios elementares da teoria microeconômica começando pelas variáveis determinantes do equilíbrio do mercado, passando pelos

Leia mais

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA Objetivos de aprendizagem: Descrever o movimento em uma linha reta em termos de velocidade média, velocidade instantânea, aceleração média e aceleração

Leia mais

Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda

Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda Elasticidade Capítulo III Em geral, a elasticidade é uma medida da sensibilidade de uma variável em relação a outra. Ela nos informa a variação percentual em uma variável em decorrência da variação de

Leia mais