Perguntas a Serem Respondidas. 21. Teoria da Escolha do Consumidor. A Restrição Orçamentária. Oprtunidades do Consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas a Serem Respondidas. 21. Teoria da Escolha do Consumidor. A Restrição Orçamentária. Oprtunidades do Consumidor"

Transcrição

1 21. Teoria da Escolha do onsumidor Perguntas a Serem Respondidas Todas as curvas de demanda têm inclinação negativa? omo os salários afetam a oferta de mão-deobra? omo as taxasde jurosafetama poupança das famílias? Os pobre preferem receber transferências em g6eneros ou em dinheiro? Restrição Orçamentária Limite à combinação de bens que o consumidor pode adquirir s pessoas consomem menos do que gostariam porque os seus gastos são limitados à sua renda Mostra as várias combinações de bens que o consumidor pode se permitir de acordo com a sua renda Oprtunidades do onsumidor Gastos c/ Gastos c/ Gasto Total s 1 $ $1. $ Restrição Orçamentária do onsumidor Restrição Orçamentária do onsumidor Qualquer ponto na linha indica a combinação de dois produtos quer o consumidor pode adquirir Por exemplo, se o consumidor adquire 5 garrafas de pepsi ele não consome nenhuma pizza (ponto ). Se ele não compra nenhuma pepsi, ele pode comprar 1 pizzas (ponto ). Ele pode ainda consumir 5 pizzas e 25 garrafas de pepsi Restrição Orçamentária do onsumidor 1 1

2 Restrição Orçamentária do onsumidor inclinação da linha de restrição do consumidor é igual ao preço relativo dos bens, isto é, o preço de um bem comparado ao preço de outro bem Mede aindaa taxaàqualos consumidores podem trocar um bem por outro Preferências: O que o onsumidor Deseja preferência dos consumidores entre as combinações possíveis de bens pode ser ilustrada com as urvas de Indiferença Uma curva de indiferença mostra combinações de consumo que proporcionam ao consumidor igual satisfação Preferência do onsumidor Preferência do onsumidor urvas de Indiferença O consumidor é indiferente, ou igualmente satisfeito, com as combinações, e pois estão todas na mesma curva D Taxa Marginal de Substituição Preferência do onsumidor inclinação em qualquer ponto da curva nos dá a taxa marginal de É a taxa que o consumidor está disposto a trocar um bem por outro É a quantidade de um bem que o consumidor requer como compensação para abrir mão de um outro bem TMgS 1 urvas de Indiferença D 2

3 urvas de Indiferença: Propriedades urvas de indiferença mais elevadas são as preferidas s curvas de indiferença se inclinam para baixo s curvas de indiferença não se cruzam s curvas de indiferença são convexas em relação aos eixos urvas de Indiferença Mais Elevadas São as Preferidas onsumidores normalmente preferem mais de um bem do que menos de um bem urvas de indiferença mais elevadas representam maior quantidade de bens que curvas de indiferença mais baixas s urvas de Indiferença se Inclinam Para aixo Um consumidor está disposto a abrir mão de um bem só se ela ganhar mais do outro bem Se a quantidade de um bem diminui a quantidade do outro tem que aumentar Por essa razão, a maioria das curvas de indiferença são negativamente inclinadas s urvas de Indiferença Não se ruzam Os pontos e fazem o consumidor igualmente satisfeito Os pontos e fazem o consumidor igualmente satisfeito Isso implica que os pontos e tmabém faz o consmidor igualmente feliz Mas tem mais dos dois bens que, e isso é impossível s urvas de Indiferença Não se ruzam s urvas de Indiferença São onvexas em Relação aos Eixos s pessoas estão mais dispostas a trocar os bens que têm em abundância e menos dispostas a ceder aqueles dos quais têm pouca quantidade Essas diferenças na taxa marginal de causa a curva de indiferença ser convexa em relação à origem 3

4 s urvas de Indiferença São onvexas em Relação aos Eixos 14 Exemplos Extremos de urvas de Indiferença Substitutos Perfeitos omplementos Perfeitos 8 TMgS = TMgS = 1 1 urva de Indiferença Substitutos Perfeitos Dos bens cujas curvas de indiferença são retas taxa marginal de é fixa Substitutos Perfeitos Moeda de R$, I I 3 3 Moeda de R$,1 omplementos Perfeitos Dos bens cujas curvas de indiferença formam ângulos retos omplementos Perfeitos Sapato Esquerdo Sapato Direito 4

5 Otimização: O Que o onsumidor Escolhe onsumidores querem uma combinação de bens na mais alta curva de indiferença possível ontudo, o consumidor tem que estar em cima ou abaixo de sua restrição Otimização: O Que o onsumidor Escolhe ombinando a curva de indiferença do consumidor com a sua restrição determina a escolha ótima do consumidor escolha ótima do consumidor se dará onde a mais alta curva de indiferença toca a linha de restrição Escolha Ótima do onsumidor Escolha Ótima do onsumidor O consumidor escolhe o consumo de dois bens de forma que a taxa marginal de seja igual ao preço relativo dos bens No ponto ótimo, o valor que o consumidor dá aos bens é igual ao valor que o mercado dá aos bens Ótimo Linha Orçamentária I 3 lterações de Renda Um aumento da renda desloca a linha para a direita O consumidor consegue escolher uma melhor combinação de bens em uma curva de indiferença mais alta umento da Renda 3. e o consumo de pepsi. Nova linha 1. Um aumento da renda desloca a linha para a direita Novo ótimo Ótimo inicial Linha Orçamentária inicial 2. aumentando o consumo de pizza 5

6 em Normal x Inferior Se um consumidor compra mais de um bem quando a sua renda sobe, o bem é dito normal Se um consumidor compra menos de um bem quando a sua renda sobe, o bem é dito inferior em Inferior Mas o consumo de pepsi cai, logo a pepsi é um bem inferior. Nova linha Ótimo inicial 1. Quando um aumento da renda desloca a linha para a direita... Novo ótimo Linha inicial O consumo de pizza aumenta, logo a pizza é um bem normal... Mudanças de Preços Uma queda de preço de qualquer um dos bens rotaciona a linha para fora e consequentemente ocorre uma mudança na inclinação da linha Mudança no Preço 1, 5 3. e aumentando o consumo de pepsi. Linha inicial Nova linha Novo ótimo 1. Uma queda no preço da pepsi, rotaciona a linha para fora ou direita 1 2. reduzindo o consumo de pizza Eefeito Renda e Substituição Uma mudança nos preços traz duas consequências: Um efeito renda Em efeito Efeito Renda O efeito renda diz respeito a mudança de consumo resultante de uma alteração nos preços movendo o consumidor para uma curva de indiferença mais alta ou mais baixa 6

7 Efeito Substituição O efeito diz respeito a mudança no consumo resultante de uma alteração nos preços movendo o consumidor ao longo da curva de indiferença, para um ponto com uma taxa marginal de diferente Efeito Substituição Uma alteração nos preços desloca o consumidor de um ponto a outro na mesma curva de indiferença Ilustrado pelo movimento de para Efeito Renda pós mover-se sob a mesma curva de indiferença, o consumidor move para uma outra curva de indiferença Ilustrada pelo movimento de para Efeito Renda e Substituição Efeito renda Efeito Linha inicial Nova linha Novo ótimo Ótimo inicial Efeito Efeito renda Efeito Renda e Substituição com Queda do Preço da Derivando a urva de Demanda em Efeito Renda onsumidor está mais rico, logo compra mais pepsi onsumidor está mais rico, logo compra mais pizza Efeito Substituição pepsi está relativamente mais barata, então consumidor compra mais pepsi pizza está relativamente mais cara, então consumidor compra menos pizza Efeito Total Efeito renda e agem na mesma direção, então mais pepsi é consumida Efeito renda e susbstituição agem em direção oposta, o efeito final é ambíguo curva de demanda do consumidor pode ser vista como o conjunto das decisões ótimas resultantes das curvas de indiferença e linhas de restrição 7

8 15 5 Derivando a urva de Demanda (a) O ótimo do consumidor Nova linha Preço (b) urva de Demanda - $2 1 Formas da urva de Demanda lgumas vezes a curva de demanda pode ser positivamente inclinada Isso acontece quando o consumidor compra mais do bem quando ele sobe de preço 5 15 Qtde. Linha inicial em de Giffen Economistas o usam o termo bem de Giffen para aqueles bens que violam a lei da demanda Os bens de Giffen são bens inferiores onde o efeito renda domina o efeito curva de demanda dos bens de Giffen são positivamente inclinada em de Giffen atatas 2...que aumenta o consumo de batata se as batatas forem um bem Giffen. D E Linha inicial Nova linha Ótimo com preço de batata alto Ótimo com preço de batata baixo 1. Um aumento no preço da batata, rotaciona a linha... arne omo os Salários fetam a Oferta de Trabalho Se o efeito for maior que o feito renda, a pessoa trabalhará mais Se o efeito renda for maior que o efeito, a pessoa trabalhará menos O Tradeoff Trabalho x Lazer $5, Ótimo 2, I Lazer 8

9 Um umento de Salário (a) Para uma pessoa com essas preferências... curva de oferta é positivamente inclinada. Um umento de Salário (b) Para uma pessoa com essas preferências... curva de oferta é negativamente inclinada. Salário 2 Salário 1. Quando o salário cresce 1. Quando o salário sobe 1 LO 2 Lazer 2. horas de lazer diminuem Horas de Trab horas de trabalho crescem. Lazer Horas Trab. 2. horas de lazer crescem 3....e horas de trabalho diminuem. omo as Taxas de Juro fetam as Poupanças das Famílias? Se o efeito de uma taxa de juros é maior que o efeito renda, as famílias economizam mais Se o efeito renda de uma taxa de juros é maior que o efeito, as famílias economizam menos Decisão de onsumir x Poupar quando velho Linha $11, 55, Ótimo I 3 $5, 1, qdo. Jovem Um umento da Taxa de Juros (a) Taxas de juros elevadas aumentam a poupança LO 2 1. Uma taxa de juros elevadas provoca uma rotação para for a na linha... LO 2 (b) Taxas de juros elevadas diminuem a poupança 1. Umataxade juros elevadas provoca uma rotação para for a na restrição... omo as Taxas de Juro fetam as Poupanças das Famílias? Dessa forma, maiores taxas de juros podem encorajar ou desencorajar a poupança qdo. jovem 2. resultando em menor consumo quando jovem, portanto menor poupança qdo. jovem 2. resultando em maior consumo quando jovem, portanto menor poupança 9

10 Os Pobres Preferem Transferências em Dinheiro ou em Gêneros? Se uma transferência em gêneros forçar a pessoa a consumir mais daquele bem do que ele consumiria por vontade própria, então ele prefere uma transferência monetária Os Pobres Preferem Transferências em Dinheiro ou em Gêneros? Se o recebedor da transferência em gêneros não consumir mais daquele bem do que ele consumiria por vontade própria, nesse caso as transferências em dinheiro ou em gêneros têm o mesmoefeitono bem-estar. Transferências (a) Restrição não-compulsória Transferências (a) Restrição não-compulsória omida Transferência monetária omida Transferência em gêneros omida ash Transfer Food Transferência em gêneros LO 2 (com R$1. em dinheiro) LO 2 (com R$1. em gêneros alimentícios) LO 2 (com R$1. em dinheiro) LO 2 (com R$1. em gêneros alimentícios) $1, $1, não-alimentar não-alimentar $1, $1, I 2 não-alimentar I2 I 3 não-alimentar Resumo Resumo linha de restrição mostra as possíveis combinações de diferentes bens que ele pode comprar dada a sua renda e o preço dos bens inclinação da linha de restrição é igual ao preço relatio dos bens curva de indiferença do consumidor representa as suas preferências de consumo Pontos em curvas de indiferença mais altas são preferíveis a pontos em curvas de indiferença mais baixas inclinação da curva de indiferença em qualquer ponto é igual a taxa marginal de O consumidor otimiza o seu consumo no ponto onde a mais alta das curvas de indiferença toca a linha de restrição 1

11 Resumo Quando o preço de um bem cai, o impacto na decisão do consumidor pode ser dividido em dois efeitos: o efeito renda e o efeito O efeito renda é a mudança no consumo resultante da redução de preço do bem O efeito renda reflete no movimento do consumidor de uma curva de indiferença para outra mais alta Resumo O efeito se dá devido ao fato que a redução de preço de um bem torna esse bem relativamente mais barato que outro O efeito é refletido no movimento ao longo da curva de indiferença para um outro ponto com inclinação diferente Resumo teoria da esolha do consumidor pode explicar: Porque curvas de demanda podem ter inclinação positiva omo os salários afetam a oferta de mão-de-obra omo as taxasde jurosafetama decisãode poupar de uma família omo os pobres preferem receber possíveis transferências governamentais: em espécie ou em gêneros alimentícios 11

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção

ESCOLHA ENTRE CONSUMO E LAZER. Prof. Antonio Carlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Prof. Antonio arlos Assumpção ESOLHA ENTRE ONSUMO E LAER Da mesma forma que os agentes econômicos escolhem uma cesta de consumo maximizadora da utilidade, sujeita a uma restrição

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA I PROF: Prof. Dr.Giácomo Balbinotto Neto Estágio Docência: Mestranda do PPGE/Economia

Leia mais

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ

Introdução à Microeconomia. Renata Lèbre La Rovere. Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ Introdução à Microeconomia Renata Lèbre La Rovere Grupo de Economia da Inovação IE/UFRJ PARTE III: CONSUMO BIBLIOGRAFIA DA PARTE III: Krugman & Wells, cap. 10 e 11 Varian, cap. 2,3, 4,5 BIBLIOGRAFIA DESTA

Leia mais

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Aplicações Guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado; Fornecer métodos para comparar a eficácia de diferentes politicas de incentivo ao consumidor;

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista - Soluções ) Suponha que existam apenas dois bens e o governo resolve controlar os preços desses bens

Leia mais

Sumário. Gestão Empresarial e Economia. Economia. Microeconomia. Mercado e concorrência perfeita Procura. Oferta. Equilíbrio de mercado

Sumário. Gestão Empresarial e Economia. Economia. Microeconomia. Mercado e concorrência perfeita Procura. Oferta. Equilíbrio de mercado Gestão Empresarial e Economia Economia Microeconomia Sumário Mercado e concorrência perfeita Procura o Procura individual o Procura de mercado Oferta o Oferta individual o Oferta de mercado Equilíbrio

Leia mais

Teoria da demanda e oferta

Teoria da demanda e oferta Análise da Demanda de mercado Teoria da demanda e oferta Capítulo III Demanda (ou procura) é a quantidade de determinado bem ou serviço que os consumidores deseja adquirir, num dado período. Representa

Leia mais

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Efeito de modificações no preço: Caso ocorram modificações no preço de determinada mercadoria

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/03 ) Avalie, com análise gráfica, a variação do Excedente do Consumidor e/ou Excedente do Produtor para as seguintes situações:

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Efeitos Renda e Substituição Prof.: Antonio Carlos Assumpção Efeito Renda e Efeito Substituição Uma queda no preço de um bem ou serviço tem dois efeitos: Substituição e Renda Efeito Substituição

Leia mais

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 16 de março de 2012 Roberto Guena de Oliveira () Equilíbrio 16 de março de 2012 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento 31. e Demanda s FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo Flutuações econômicas ocorrem de ano para ano Na maioria dos anos a produção de bens e serviços aumenta Em alguns anos esse crescimento não acontece,

Leia mais

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO CAP. 4 Borjas 1. INTRODUÇÃO Mercado de trabalho depende: - Desejo dos trabalhadores de disponibilizarem tempo de trabalho - Desejo das firmas contratarem trabalhadores

Leia mais

Modelo da Procura e da Oferta

Modelo da Procura e da Oferta Modelo da rocura e da Oferta IT, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Mercado: local de encontro da oferta (os que tentam vender) e da procura (os que desejam comprar), onde se determinam

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda

Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda. Elasticidades da demanda Elasticidade Capítulo III Em geral, a elasticidade é uma medida da sensibilidade de uma variável em relação a outra. Ela nos informa a variação percentual em uma variável em decorrência da variação de

Leia mais

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006)

Modelo Keynesiano 1. (APO) 2. (ESAF 2009) (ESAF 2006) Modelo Keynesiano 1. (APO) Considere as seguintes informações: Y = 1000 C = 600 I = 300 G = 100 X = 50 M = 50 onde Y = produto agregado; C = consumo agregado; I = investimento agregado; G = gastos do governo;

Leia mais

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1 VERSÃO ROVISÓRIA Questão Os valores assumidos pela taxa marginal de substituição de um bem por outro ao longo de uma dada curva de indiferença permitem-nos concluir sobre o formato das curvas de indiferença

Leia mais

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Marta Lemme - IE/UFRJ Função de Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz. Um insumo

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice.

TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice. TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice. A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL R = P x.x + P y.y y = R / P y P x / P y. x

Leia mais

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA

MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA MOVIMENTO EM UMA LINHA RETA Objetivos de aprendizagem: Descrever o movimento em uma linha reta em termos de velocidade média, velocidade instantânea, aceleração média e aceleração

Leia mais

Variáveis que afetam a demanda 1

Variáveis que afetam a demanda 1 Variáveis que afetam a demanda 1 A demanda de um bem ou serviço pode ser afetada por muitos fatores, tais como: Riqueza (e sua distribuição); Renda (e sua distribuição); Preço dos outros bens; Fatores

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4

Microeconomia I. Bibliografia. Mercado. Arilton Teixeira Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4 Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap 4. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4 2 Mercado Definição: É o conjunto de agentes, compradores e vendedores, que negociam

Leia mais

Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7.

Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7. Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7. Utilidades da teoria do consumidor: a) Servir de guia para elaboração e interpretação de

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta / /

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta / / Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 03 MICROECONOMIA DEMANDA E OFERTA SEMANA E DATA / / 3.1. A curva de demanda Em uma economia

Leia mais

Política Cambial Modelo IS LM BP. Prof. Waldery Rodrigues Jr.

Política Cambial Modelo IS LM BP. Prof. Waldery Rodrigues Jr. Política Cambial Modelo IS LM BP Modelo Mundell Fleming (Dornbush) Prof. Waldery Rodrigues Jr. Teoria: Macro IS LM BP Prof. Waldery Rodrigues Jr. 2 Macro IS LM BP Prof. Waldery Rodrigues Jr. 3 Macro IS

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 Comércio internacional com efeitos sobre distribuição de renda Recursos não podem se mover imediatamente ou sem custos de uma

Leia mais

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO 2013 MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO Sumário PARTE I... 2 [RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA]... 2 [UTILIDADE E DEMANDA]... 2 [UTILIDADE E ESCOLHA]... 3 [PREFERÊNCIAS]... 3 [ÍNDICES DE PREÇO]... 3

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo Capítulo 6 Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos Política macro de curto prazo Quais os objectivos da política macroeconómica em economia aberta? Qual a eficácia das políticas macro

Leia mais

OBS: foram feitos diversos gráficos feitos em sala de aula ELASTICIDADES DA OFERTA E DA DEMANDA

OBS: foram feitos diversos gráficos feitos em sala de aula ELASTICIDADES DA OFERTA E DA DEMANDA Aula 3 31/08/2009 - Microeconomia. PINDYCK (2007) Capítulo 2 pg 27 a 38. OBS: foram feitos diversos gráficos feitos em sala de aula ELASTICIDADES DA OFERTA E DA DEMANDA A elasticidade é uma medida da sensibilidade

Leia mais

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A.

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A. A lei da oferta e Parte 1: Oferta, e equilíbrio de mercado Parte 2: Elasticidades Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br BLOG: www.marcoarbex.wordpress.com Dois reais......e noventa centavos

Leia mais

Modelo de Factores Específicos

Modelo de Factores Específicos Modelo de Factores Específicos Introdução No modelo de Ricardo o comércio leva à especialização produtiva com cada país a deslocar os factores produtivos dos sectores em que são mais ineficientes para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Ciências e Letras FCLar Araraquara

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Ciências e Letras FCLar Araraquara UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras FCLar Araraquara PROJETO DE PESQUISA : em Macroeconomia Aberta da Argentina referente aos anos de 2006-2012 Coordenador:

Leia mais

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva Universidade Federal de Santa Catarina From the SelectedWorks of Sergio Da Silva 00 Demanda Sergio Da Silva Available at: htt://works.beress.com/sergiodasilva/35/ Demanda Hal R. Varian Intermediate Microeconomics,

Leia mais

Microeconomia. Tópicos para Discussão. Introdução. Tópicos para Discussão. Introdução. Tecnologia da Produção. O Processo Produtivo

Microeconomia. Tópicos para Discussão. Introdução. Tópicos para Discussão. Introdução. Tecnologia da Produção. O Processo Produtivo Microeconomia Oferta do produtor PINDYK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia. São Paulo: Prentice Hall. 2008. apítulo 6: apítulo 7: ustos da produção Tópicos para Discussão Tecnologia da Isoquantas com um

Leia mais

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB Introdução à Macroeconomia Mensuração do PIB Microeconomia vs. Macroeconomia Microeconomia: O estudo de como famílias e empresas tomam decisões e de como interagem nos mercados. Macroeconomia: O estudo

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA

ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA ECONOMIA INTERNACIONAL: NOTAS DE AULA 9 O MODELO MUNDELL-FLEMING COM MC IMPERFEITA Neste tópico, estudaremos o modelo IS-LM-BP quando a curva BP é positivamente inclinada; também consideraremos o caso

Leia mais

Inflação: Causas e Custos 28. Inflação: Causas e Custos

Inflação: Causas e Custos 28. Inflação: Causas e Custos Inflação: Causas e Custos 28. Inflação: Causas e Custos Inflação é o aumento persistente de preços. É um aumento contínuo, e não aquele aumento esporádico, ainda que grande A inflação lida com o aumento

Leia mais

CAPÍTULO. Progresso tecnológico, salários e desemprego. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO. Progresso tecnológico, salários e desemprego. Olivier Blanchard Pearson Education Progresso tecnológico, salários e desemprego Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 13 Progresso tecnológico, salários e desemprego Há visões otimistas e pessimistas sobre o progresso tecnológico.

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAER 0/ 6 de Janeiro de 0 Duração Total do Teste: h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE A (Duração:

Leia mais

Demanda do Consumidor (Microeconomia)

Demanda do Consumidor (Microeconomia) Escolha ótima do consumidor: a demanda. Olá estimado(a) aluno(a), tudo bem? O objetivo deste artigo é apresentar algumas questões relacionadas à demanda. Ou seja, compreender de forma esquematizada qual

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Cesta de bens A cesta de bens, do ponto de vista econômico, é o conjunto de bens que está disponível para o consumidor. Outros conceitos surgem a partir daí, como cesta básica: conjunto de bens que satisfazem

Leia mais

AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas

AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas 1- Flutuações econômicas são Irregulares e Imprevisíveis São chamadas de ciclo de negócios.

Leia mais

Economia. Sumário. Prof.Carlos NEMER 1. Conceito. Elasticidade da Demanda e da Oferta

Economia. Sumário. Prof.Carlos NEMER 1. Conceito. Elasticidade da Demanda e da Oferta Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 6: Elasticidade da Demanda e da Oferta Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao II-6-1 43/01 05 Sumário 1. Conceito; 2. ; 3. Elasticidade- Cruzada

Leia mais

Modelo Geral de Comércio

Modelo Geral de Comércio Modelo Geral de Comércio Economia Internacional Prof. Ms. Vladimir Maciel Características Gerais O Modelo Geral de Comércio é construído com base em 4 relações: FPP e Curva de Oferta Relativa Preços Relativos

Leia mais

Lista de Exercícios - Força e Movimento I

Lista de Exercícios - Força e Movimento I UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica I Lista de Exercícios - Força e Movimento I Perguntas: 1. Na figura 1 as forças F 1 e F

Leia mais

Escolha dos Consumidores e a Demanda Por Saúde. Bibliografia Recomendada. A Teoria da Escolha Racional Aplicada à Saúde

Escolha dos Consumidores e a Demanda Por Saúde. Bibliografia Recomendada. A Teoria da Escolha Racional Aplicada à Saúde Escolha dos Consumidores e a Demanda Por Saúde Economia da Saúde Notas de Aula Prof. Giácomo Balbinotto Neto Bibliografia Recomendada Cap. 9 2 A Teoria da Escolha Racional Aplicada à Saúde A teoria da

Leia mais

Sistema Monetário e Inflação. Copyright 2004 South-Western

Sistema Monetário e Inflação. Copyright 2004 South-Western Sistema Monetário e Inflação 29 Moeda Moeda é o conjunto de ativos na econoima que as pessoas usam regularmente para trocar por bens e serviços. Funções da Moeda A moeda tem três funções na economia: Meio

Leia mais

A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral. Cataclismo ou transição suave?

A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral. Cataclismo ou transição suave? Capítulo 6 A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral Cataclismo ou transição suave? Na visão pessimista do futuro de Beyond the Limits a procura de recursos excede a oferta

Leia mais

Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015

Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015 Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015 Exercícios Oferta e Demanda Prof. Antonio Carlos Assumpção 1) Analista Economia MPU - 2005 35. O deslocamento para a esquerda da curva de oferta de um bem num

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez. Lista de Exercícios 3 - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez. Lista de Exercícios 3 - Gabarito Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios 3 - Gabarito 1. Liste os quatro componentes do PIB e dê um exemplo de cada um. R:

Leia mais

demandantes ofertantes

demandantes ofertantes MICROECONOMIA DEMANDA, OFERTA E EQUILIBRIO DE MERCAD0 O funcionamento do sistema de economia de mercado mercado demandantes ofertantes DEMANDA CONCEITO DE DEMANDA FATORES QUE AFETAM A DEMANDA: PREÇO DO

Leia mais

Examinemos as duas curvas de demanda dispostas abaixo. Qual a diferença entre uma e outra?

Examinemos as duas curvas de demanda dispostas abaixo. Qual a diferença entre uma e outra? Economia de Mercado Módulo 17 A ELASTICIDADE PREÇO DA DEMANDA Examinemos as duas curvas de demanda dispostas abaixo. Qual a diferença entre uma e outra? A forma e a inclinação de uma curva de demanda constituem

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Capítulo 4 Teoria da Produção

Capítulo 4 Teoria da Produção Capítulo 4 Teoria da Produção 1. Produção Econômica i. Produção econômica: é a arte ou técnica de reunir insumos e transformá-los, através da aplicação de uma tecnologia, em um novo produto. O aspecto

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x.

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções. x 2 5 = 40 x. Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 3 - Soluções 1) Dada as funções de demanda p(x) = 40 x e de oferta p(x) = x 5, pede-se: a) O ponto

Leia mais

Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski

Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski O Dicas 4blue são vídeos e mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para ter acesso a todas

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - GABARITO

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2009 e 1 o semestre letivo de 2010 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - GABARITO INSTRUÇÕES AO CANDIDATO? Verifique se este caderno contém:

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Procura individual de um bem. Descreve as quantidades alternativas,

Leia mais

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008 A Teoria Neoclássica da Firma Alfred Marshall Aula 7 29-30 de setembro de 2008 Questões principais abordadas pela Teoria Neoclássica Como se relacionam produtores e consumidores no mercado? Qual o resultado

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES

INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE CAA NÚCLEO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL AULA 01 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DOS TRANSPORTES Prof. Leonardo Herszon Meira, DSc DEFINIÇÕES

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Noções e Instrumentos de Política Monetária

Conhecimentos Bancários. Item Noções e Instrumentos de Política Monetária Conhecimentos Bancários Item 3.1.2- Noções e Instrumentos de Política Monetária Conhecimentos Bancários Item 3.1.2- Noções e Instrumentos de Política Monetária Manejo de operações destinadas a regular

Leia mais

Fundamentos microeconômicos da macroeconomia ANTONY P. MUELLER UFS NUPEC MAIO 2013

Fundamentos microeconômicos da macroeconomia ANTONY P. MUELLER UFS NUPEC MAIO 2013 Fundamentos microeconômicos da macroeconomia ANTONY P. MUELLER UFS NUPEC MAIO 2013 Escassez Escassez é um fato universal da existência humana Sem escassez não se precisaria economizar Por causa da escassez

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

AS FORÇAS DE MERCADO DA OFERTA E DA DEMANDA

AS FORÇAS DE MERCADO DA OFERTA E DA DEMANDA AS FORÇAS DE MERCADO DA OFERTA E DA DEMANDA à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 4 As Forças de Mercado da Oferta e da Demanda Oferta e demanda são duas palavras que economistas usam frequentemente. Oferta

Leia mais

Microeconomia. 3. Produção: decisões de curto e de longo prazo; desenvolvimento tecnológico. Francisco Lima

Microeconomia. 3. Produção: decisões de curto e de longo prazo; desenvolvimento tecnológico. Francisco Lima Microeconomia 3. Produção: decisões de curto e de longo prazo; desenvolvimento tecnológico Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2011/2012 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Objetivos Que quantidade

Leia mais

CINCO DEBATES SOBRE POLÍTICA MACROECONÔMICA

CINCO DEBATES SOBRE POLÍTICA MACROECONÔMICA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 34 CINCO DEBATES SOBRE POLÍTICA Mankiw, N. Gregory Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia, 2ª Edição. Rio de Janeiro, Editora Campus Ltda, 2001 1. Formuladores

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Pode-se dizer que o objeto do estudo da ciência econômica é a questão da escassez, ou seja, como economizar recursos.

Pode-se dizer que o objeto do estudo da ciência econômica é a questão da escassez, ou seja, como economizar recursos. CURSO: DISCIPLINA: PROFESSOR: CARGA HORÁRIA: Economia Ronaldo Fernandes 40 Horas 1 - CONCEITO DE ECONOMIA Etimologicamente, a palavra economia vem do grego oikos (casa) e nomos (norma da lei). Seria a

Leia mais

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Aula 04 Taxas de variação e função lineares II Dalton Martins dmartins@gmail.com Bacharelado em Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Departamento de Economia Rua Marquês de São Vicente, Rio de Janeiro Brasil.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Departamento de Economia Rua Marquês de São Vicente, Rio de Janeiro Brasil. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Departamento de Economia Rua Marquês de São Vicente, 225 22453-900 - Rio de Janeiro Brasil TEORIA MACROECONÔMICA II P2 19 de outubro de 2006 Professor:

Leia mais

Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado

Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado Como vimos, a microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa interação determina o preço e a

Leia mais

Introdução a Economia Cap 4

Introdução a Economia Cap 4 Introdução a Economia Cap 4 Feliciano Azuaga Departamento de Economia Unemat Sinop Mercado odução a Economia Aula 1 Oferta e demanda são duas palavras que os economistas usam muito Oferta e demanda são

Leia mais

Desemprego e Inflação 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre Inflação e Desemprego

Desemprego e Inflação 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre Inflação e Desemprego e 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre e taxa natural de depende das características de cada tipo de mercado: Salário mínimo Poder dos sindicatos teoria dos salários eficientes facilidade, ou não, de

Leia mais

3 Movimentos com vínculos

3 Movimentos com vínculos 3.1-1 3 Movimentos com vínculos Se obrigarmos um corpo de mover-se ao longo de uma trajetória (curva) fixa (por exemplo, ao longo de uma montanha-russa, ou preso à extremidade de uma haste fina que obriga

Leia mais

(Queda Livre, Lançamentos Verticais, velocidade media, mru, mruv, derivada e integrais)

(Queda Livre, Lançamentos Verticais, velocidade media, mru, mruv, derivada e integrais) Movimento vertical (Queda Livre, Lançamentos Verticais, velocidade media, mru, mruv, derivada e integrais) 1. Três bolinhas idênticas, são lançadas na vertical, lado a lado e em seqüência, a partir do

Leia mais

Artigo ECONOMIA MONETÁRIA I [A] 24/3/2005 PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1. Demanda de Moeda por Especulação O Modelo de James Tobin (1958)

Artigo ECONOMIA MONETÁRIA I [A] 24/3/2005 PROF. GIÁCOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1. Demanda de Moeda por Especulação O Modelo de James Tobin (1958) Demanda de Moeda por Especulação O Modelo de James Tobin (1958) Prof. Giácomo Balbinotto Neto UFRGS/FCE 25 Artigo Tobin, James (1958). Liquidity Preference as a Behaviour Toward Risk. Review of Economics

Leia mais

Microeconomia. Maximização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Maximização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Maimização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas Prof.: Antonio Carlos Assumpção Escolha por Parte do Consumidor O consumidor escolhe uma combinação de bens (cesta de consumo) que irá

Leia mais

Custo de Vida. Copyright 2004 South-Western

Custo de Vida. Copyright 2004 South-Western Custo de Vida 16 Custo de Vida Inflação é o aumento do nível de preços geral da economia. A taxa de inflação é a mudança percentual do nível de preço em relação ao período anterior. Índice de Preço ao

Leia mais

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-02-2012 João Correia da Silva (joao@fe.u.t) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do ucro. 2

Leia mais

A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes

A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes A teoria macroeconômica de John Maynard Keynes Dr. Antony P. Mueller Professor de Economia Universidade Federal de Sergipe www.continentaleconomics.com John Maynard Keynes (1883-1946) Teoria Geral do Emprego,

Leia mais

Noções de Microeconomia

Noções de Microeconomia Noções de Microeconomia Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado: A Demanda e a Lei da Demanda; A Curva da Demanda; A Oferta e a Lei da Oferta; A Curva da Oferta; Equilíbrio de Mercado; Elasticidades. Introdução

Leia mais

29/03/2016. Oferta e Demanda. Oferta e Demanda. O Que São os Mercados? Mercado. Mercado. Preços

29/03/2016. Oferta e Demanda. Oferta e Demanda. O Que São os Mercados? Mercado. Mercado. Preços Oferta e Demanda Oferta e Demanda ARTE I São as duas palavras mais usadas por economistas. São as forças que fazem os mercados funcionarem. A microeconomia moderna lida com a oferta, demanda e o equilíbrio

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 3 de Junho de 2002 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VII Rendimento total, médio e marginal e conceito de elasticidade aplicado á procura e á oferta Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Receita

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais

Mercado Financeiro e de Capitais Mercado Financeiro e de Capitais Professor conteudista: Roberto Cruz Sumário Mercado Financeiro e de Capitais Unidade I 1 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS...1 1.1 Conceitos básicos do mercado financeiro...1

Leia mais

1. QUESTÃO: Considere o modelo IS-LM convencional discutido em sala de aula.

1. QUESTÃO: Considere o modelo IS-LM convencional discutido em sala de aula. ECONOIA ONETÁRIA LTA DE EXERCÍCIOS 2 SOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS. QUESTÃO: Considere o modelo - convencional discutido em sala de aula. Curva : Y = [α + I + G βt] γ i β β Curva : = κy ηi a) Edogenos: Y e i;

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez. Lista de Exercícios 1 - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez. Lista de Exercícios 1 - Gabarito Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios 1 - Gabarito 1. Você ganhou R$ 100 em um bolão e pode escolher entre gastar o dinheiro

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 e 2 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 29/11/2015 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES:

Leia mais

Macroeconomia. Diagrama do Fluxo Circular. Entendendo a Economia. Renda e Gastos de Uma Economia. Métodos Para Contar a Economia

Macroeconomia. Diagrama do Fluxo Circular. Entendendo a Economia. Renda e Gastos de Uma Economia. Métodos Para Contar a Economia 22. Medindo a Renda de Uma Nação Macroeconomia Macro: Estudo da economia como um todo. Tem como objetivo explicar as mudanças econômicas que afetam indivíduos, firmas e os mercados. Micro: É o estudo de

Leia mais

UC: Economia da Empresa

UC: Economia da Empresa UC: Economia da Empresa 8ª Sessão Curso: Licenciatura em Gestão de Marketing Docente: Nuno J. Farinha 1 2. 3. Análise da Procura da Procura e da Oferta e da Oferta - Aplicações Elasticidade da Procura

Leia mais

9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA

9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA QUESTÕES DO CAPÍTULO 5 DO LIVRO FUNDAMENTOS DE FÍSICA HALLIDAY & RESNICK - JEARL WALKER Página 112 Segunda Lei de Newton. 9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA 1) Apenas duas forças horizontais atuam em um corpo

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

Theory Portuguese (Portugal) Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope.

Theory Portuguese (Portugal) Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope. Q1-1 Dois Problemas de Mecânica Antes de iniciar este problema, leia cuidadosamente as Instruções Gerais que pode encontrar noutro envelope. Parte A. O Disco Escondido (3,5 pontos) Considere um cilindro

Leia mais

Capítulo 6 Oferta, Demanda e Políticas do Governo

Capítulo 6 Oferta, Demanda e Políticas do Governo Capítulo 6 Oferta, emanda e Políticas do Governo Lista de Exercícios 1. O preço máximo é obrigatório quando estabelecido a. acima do preço de equlíbrio, causando escassez. b. acima do preço de equlíbrio,

Leia mais

O Significado da Moeda. 27. Sistema Monetário. As Três Funções da Moeda. Liquidez. Dois Tipos de Moeda. Moeda na Economia

O Significado da Moeda. 27. Sistema Monetário. As Três Funções da Moeda. Liquidez. Dois Tipos de Moeda. Moeda na Economia 27. Sistema Monetário O Significado da Moeda Dinheiro é um ativo da economia utilizado pelos indivíduos na aquisição de bens e serviços de outros indivíduos As Três Funções da Moeda Mecanismo de Troca:

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Aula IE. Prof. Eziquiel Guerreiro. Teoria da Firma 94

Aula IE. Prof. Eziquiel Guerreiro. Teoria da Firma 94 Aula 15-404065- IE. Prof. Eziuiel Guerreiro. Teoria da Firma 94 5. TEORIA DA FIRMA Introdução A microeconomia convencional se divide em teoria do consumidor, teoria da firma, euilíbrio de mercado, estruturas

Leia mais