Techno TwinStation. Ana Paula Costa Nunes da Cunha Cozac Hemocentro de Ribeirão o Preto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Techno TwinStation. Ana Paula Costa Nunes da Cunha Cozac Hemocentro de Ribeirão o Preto"

Transcrição

1 Ana Paula Costa Nunes da Cunha Cozac Hemocentro de Ribeirão o Preto

2 Techno TwinStation

3 Realizados testes para validação da automação (Techno) para pacientes Total de 299 amostras foram testadas para: Tipagem ABO, Rh D Pesquisa de quimeras ABO e RhD artificiais Pesquisa de anticorpos irregulares (soro e plasma) Identificação de anticorpos irregulares (soro e plasma) Autocontrole

4 Objetivos da validação da automação para pacientes Avaliar a capacidade de realização de tipagem ABO nas seguintes situações 1. Na presença de dupla população seja por subgrupo seja por politransfusão 2. Em pacientes imunodeprimidos por QT (detectar Ig em baixos títulos) 3. Presença de interferentes (MM) 4. Presença de quimeras 5. Presença de autoanticorpo em altos títulos Avaliar a capacidade de realização de tipagem RhD nas seguintes situações 1. Presença de interferentes (MM) 2. Presença de quimeras 3. Presença de autoanticorpo em altos títulos

5 Objetivos da validação da automação para pacientes Avaliar a sensibilidade e especificidade da PAI 1. Detectar anticorpos de importância clínica 2. Não detectar anticorpos frios 3. Reproduzir resultados da rotina 4. Utilizando plasma x soro Avaliar a sensibilidade e especificidade da IAI 1. Identificar anticorpos de importância clínica 2. Identificar anticorpos com efeito de dose 3. Utilizando plasma x soro

6 Objetivos da validação da automação para pacientes VERIFICAR SE HÁ REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS OBTIDOS NA ROTINA

7 Patologias Número Doença de base LMC LLC LMA LLA SMD AA Beta Talassemia Anemia Falciforme Mieloma Múltiplo Linfoma Policitemia Vera Mielofibrose Ca de Pulmão Sarcoma de Ewing Síndrome de Mey Hegglin Rabdomiossarcoma Traombastenia de Glansmam Neoplasia de Mama Diversos Total

8 Anticorpos testados na PAI utilizando plasma 5 plasmas contendo anti-d 1 plasma contendo anti-k 2 plasmas contendo anti-e 1 plasma contendo anti-c 1 plasma contendo anti-jk a 1 plasma contendo anti-s 1 plasma contendo anti-d, -C, -K Todos os resultados foram concordantes com os testes realizados na rotina transfusional utilizando soro 1 plasma contendo anti-le b 1 plasma contendo anti-m com efeito de dose

9 Anticorpos testados na PAI utilizando plasma 27 soros com PAI + (rotina) = 23 plasmas PAI + paciente MM em atividade com PAI + Techno (4 PAI por anticorpo frio) Maior especificidade 186 soros com PAI - (rotina) = 186 plasmas com PAI - Techno PAI negativa em paciente sem anticorpo Total de 227 plasmas testados

10 Analisando os resultados da PAI: 1. Quanto à capacidade de detectar anticorpos de importância clínica Anticorpos clinicamente significantes foram detectados (anti-d, -K, -E, -c, -Jk a, -s, -C) 2. Quanto à sensibilidade da PAI Anticorpos em baixo título e apresentando efeito de dose também foram detectados (anti-le b, -M com efeito de dose) As intensidade de reação foram as mesmas da rotina quando da utilização de soro. 3. Quanto à especificidade Pacientes com PAI (soros previamente testados) tiveram seus plasmas testados e confirmados como negativos

11 4. Quanto à reprodutibilidade soro x plasma Anticorpos clinicamente significantes foram detectados (anti-d, -K, -E, -c, -Jk a, -s, -C) no plasma da mesma forma que foram detectados no soro.

12 Anticorpos testados na IAI utilizando plasma 5 plasmas contendo anti-e 1 plasma contendo anti-di a, -K 8 plasmas contendo anti-d 1 plasma contendo anti-d, -K, -Di a 1 plasmas contendo anti-di a 3 plasma contendo anti-c, -D 1 plasma contendo anti-e 1 plasma contendo anti-c, -D, -K 1 plasma contendo anti-c 1 plasma contendo anti-d, -K 2 plasma contendo anti-s 1 plasma contendo anti-e, -c 3 plasmas contendo anti-k 1 plasma contendo anti-le b 3 plasma contendo anti-jk a 3 plasma contendo anti-m com efeito de dose 38 plasmas foram testados, todos os resultados foram concordantes com os testes realizados na rotina transfusional utilizando soro

13 Analisando os resultados da IAI: Techno TwinStation 1. Quanto à capacidade de identificar anticorpos de importância clínica Anticorpos clinicamente significantes foram detectados (anti-d, -K, -E, -e, -c, -Jk a, -S, -C, -Di a ) 2. Quanto à sensibilidade da IAI Anticorpos em baixo título e apresentando efeito de dose também foram identificados (anti-le b, -M com efeito de dose) As intensidade de reação foram as mesmas da rotina quando da utilização de soro. 3. Quanto à especificidade Resultados compatíveis com os da rotina

14 4. Quanto à capacidade de identificar anticorpos de importância clínica soro x plasma Anticorpos clinicamente significantes foram detectados (anti-d (2), -K (2), -E (2), -e (1), -c (1), -S (1), -C (1), -Di a (4)) no plasma da mesma forma que foram detectados no soro.

15 Autocontrole: Foram testadas 12 amostras com autocontrole positivo Autocontole negativo Autocontrole positivo LISS/Coombs 6 amostras 6 amostras Enzima 7 amostras 5 amostras Todos os resultados foram compatíveis com os da rotina

16 Tipagem ABO 227 amostras de pacientes foram testadas 214 apresentaram tipagem ABO sem discrepância 13 apresentaram discrepância ABO: 6 delas haviam sido detectadas na rotina 7 não foram detectadas na rotina Em ambas situações os pacientes apresentavam doença de base que justificasse o aparecimento de discrepância ABO.

17 Tipagem ABO ABO Discrepância Motivo da discrepância Diagnóstico 1 B+ DP na direta Pac cronicamente transfundido com HcO Beta Talassemia 2 A+ DP na direta Pac cronicamente transfundido com HcO Beta Talassemia 3 A+ Direta de A reversa de AB Redução na produção de Imunoglobulina SMD 4 B+ DP na direta Pac cronicamente transfundido com HcO Anemia Falciforme 5 O+ Direta de B e reversa de O Pac com hipergamaglobulinemia LNH 6 B+ DP na direta Pac cronicamente transfundido com HcO Anemia Falciforme 7 B+ Direta de B reversa de O Pico monoclonal MM em atividade 8 AB+ Direta de AB e reversa de O Síndrome de hiperviscosidade LMC 9 O- Direta de A e reversa de O Paciente com hipergamaglobulinemia LLC

18 Tipagem ABO ABO Discrepância Motivo da discrepância Diagnóstico 10 B+ Reversa de AB Condicionamento pré-transplante MM pré-transplante 11 O+ Reversa de A Condicionamento pré-transplante MM 12 A+ Reversa de O (reag Hc A2) Pico Monoclonal MM em atividade 13 A+ Reversa de O (reag Hc A2) Pico Monoclonal MM em atividade O+ Sem discrepância Hipergamaglobulinemia LNH Rotina (direta de AB)

19 Paciente com MM em atividade. Paciente é A. Reversa era considerada + com HcA2

20 Tipagem ABO Beta Talassemia em transfusão crônica Paciente é B CM na direta com soro anti-a

21 Paciente portador MM em condicionamento pré-transplante. Paciente é O Reversa negativa com HcA

22 Paciente portador de MM em atividade. Paciente é A. Reversa reagiu com Hc A 2

23 Paciente portador de MM em condicionamento pré-transplante. Paciente é B. Direta de B e reversa de AB

24 Tipagem ABO em paciente com altos títulos de autoanticorpo da classe IgG

25 Tipagem ABO Finalidade do teste: Detectar população de células antígeno-positivas na presença de dupla população seja por subgrupo seja por politransfusão O teste foi mais sensível que o realizado na rotina, provavelmente pela retirada do efeito conhecimento prévio. Pacientes cronicamente transfundidos puderam ser fenotipados apesar da discrepância Detectar Ig em baixos títulos em pacientes imunodeprimidos por QT De 227 casos em apenas 3 não houve detecção da Ig na reversa (rotina com mesmo resultado)

26 Tipagem ABO Finalidade do teste: Possibilitar a tipagem ABO mesmo na presença de interferentes (MM) De 227 casos em apenas 6 houve interferência de Ig (resultado compatível com o da rotina), porém, em um caso apesar da presença de Ig interferindo na tipagem da rotina o mesmo não ocorreu com a tipagem realizada pelo Techno. Possibilitar a tipagem ABO mesmo na presença de autoanticorpo em altos títulos Na amostra testada houve interferência da tipagem ABO e RhD (resultado compatível com o da rotina).

27 Avaliação de Quimera ABO % de hemácias A A+ 90% A+ 80% A+ 70% A+ 60% A+ 50% % de hemácias O O+ 10% O+ 20% O+ 30% O+ 40% O+ 50% Resultado A+ A+ A+ A+ (reação anti-a 1+) A+ (reação anti-a 1+)

28 Avaliação de Quimera ABO % de hemácias B B+ 90% B+ 80% B+ 70% B+ 60% B+ 50% % de hemácias O O+ 10% O+ 20% O+ 30% O+ 40% O+ 50% Resultado B+ B+ B+ B+ B+

29 Avaliação de Quimera RhD % de hemácias O+ O+ 90% O+ 80% O+ 70% O+ 60% O+ 50% O+ 40% O+ 30% O+ 20% O+ 10% % de hemácias O- O- 10% O- 20% O- 30% O- 40% O- 50% O-60% O- 70% O- 80% O- 90% Resultado O+ O+ O+ O+ (CM) O+ (CM) O- O- O- O-

30 Quimera de RhD Fenotipagem RhD- em quimera com 40% Hc D+

31 Quimeras de RhD 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30%

32 Analisando os resultados da pesquisa de quimeras: Quanto à capacidade de detectar hemácias antígeno-positivas. Detecção de hemácias A dentro de uma população de hemácias O: houve redução de sensibilidade quando da presença de 60% de Hc antígeno-positivas Detecção de hemácias B dentro de uma população de hemácias O: não houve redução de sensibilidade das amostras com até 50% de Hc antígeno-positivas Detecção de hemácias D+ dentro de uma população de hemácias D-: houve redução de sensibilidade das amostras com até 60% de Hc antígeno-positivas. Houve perda de sensibilidade das amostras a partir de 40% de Hc antígeno-positivas.

33 Tipagem RhD de amostras que se mostraram D fraco na rotina: LI 2+: 22 amostras Positivo apenas em AGH: 5 amostra Reatividade Microplaca rotina Microplaca Techno MC rotina + MC Techno Total %

34 O aparelho foi capaz de realizar os teste de tipagem ABO/RhD, PAI e IAI de amostras nas seguintes condições: Presença de hemólise

35 O aparelho foi capaz de realizar os teste de tipagem ABO/RhD, PAI e IAI de amostras nas seguintes condições: Amostra de paciente com síndrome de hiperviscosidade por LMC em crise blástica

36 O aparelho foi capaz de realizar os teste de tipagem ABO/RhD, PAI e IAI de amostras nas seguintes condições: Amostra de paciente extremamente anêmico

37 O aparelho apresentou reprodutibilidade uma vez que 3 paciente tiveram suas amostras testadas em 3 baterias realizadas em diferentes dias apresentando os mesmos resultados em todas as baterias. Houve reprodutibilidade dos teste, em relação aos previamente realizados na rotina, em amostras colhidas em diferentes datas de coleta, que variou de 1 a 7 dias. 9 amostras A R 1 r e 9 amostras O R 1 r foram fenotipadas para RhD para verificar a sensibilidade do teste e todas apresentaram boa reatividade.

38 O tempo gasto em média para uma bateria de 36 amostras foi de 1h 8mim e o correspondente na nossa rotina atual semi-automatizada é de 2h 30 min (não incluído IAI). A vantagem do Techno sobre a rotina atual, em relação a pacientes, é que ele usa a técnica de gel para PAI além de realizar a IAI. Testes futuros devem ser feitos para pacientes que necessitem de transfusões esporádicas com vistas a auxiliar a rotina pré-transfusional de pacientes não complicados (pré-cirúrgico).

39 Agradecimentos Denise Rondi Luciana Corrêa Oliveira

40

Experiência na utilização do Techno Twin Station. Rodrigo Spessotto Morais Toledo Março 2007

Experiência na utilização do Techno Twin Station. Rodrigo Spessotto Morais Toledo Março 2007 Experiência na utilização do Techno Twin Station Rodrigo Spessotto Morais Toledo Março 2007 Techno Twin Station Techno Twin Station Techno Twin Station Techno Twin Station Equipamento automatizado para

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS AUTO-IMUNES

ANEMIAS HEMOLÍTICAS AUTO-IMUNES ANEMIAS HEMOLÍTICAS AUTO-IMUNES ASPECTOS SOROLÓGICOS Maria do Carmo Valgueiro Costa de Oliveira FUNDAÇÃO HEMOPE Resultado da produção de anticorpos contra constituintes do próprio organismo. - Quente -

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA POP nº IMU 01 SHMT/HU Hospital Universitário Tipagem Sanguínea ABO/RhD Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (CIPHARMA) IMUNO-HEMATOLOGIA. Doutoranda Débora Faria Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (CIPHARMA) IMUNO-HEMATOLOGIA. Doutoranda Débora Faria Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (CIPHARMA) IMUNO-HEMATOLOGIA Doutoranda Débora Faria Silva Prof. Drª Simone Aparecida Rezende Maio/ 2016 Produtos

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR TESTES IMUNOHEMATOLÓGICOS PRÉ TRANSFUSIONAIS JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA QUIXADÁ HISTÓRIA... Em 1492: escritor italiano

Leia mais

PESQUISA E IDENTIFICAÇÃO DE ANTICORPOS IRREGULARES

PESQUISA E IDENTIFICAÇÃO DE ANTICORPOS IRREGULARES PESQUISA E IDENTIFICAÇÃO DE ANTICORPOS IRREGULARES WILSON BALEOTTI JR HEMOCENTRO DA FACULDADE DE MEDICINA DA MARÍLIA E-MAIL: baleotti@famema.br ALOIMUNIZAÇÃO Diagnóstico de aloimunização Exposição a antígenos

Leia mais

Anticorpos. Antígenos. Imunologia SISTEMAS DE GRUPOS SANGUINEOS. Tipos de Anticorpos. Imunohematologia 02/11/2010. Definição:

Anticorpos. Antígenos. Imunologia SISTEMAS DE GRUPOS SANGUINEOS. Tipos de Anticorpos. Imunohematologia 02/11/2010. Definição: Imunologia SISTEMAS DE GRUPOS SANGUINEOS Sistemas ABO / Rh Reação Ag + Ac AgAc Estabilidade da reação antígeno - anticorpo Existência de especificidade Condições físico-químicas apropriadas Potência do

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: TESTE DE FENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA PROFILÁTICO EM PACIENTES POLITRANSFUNDIDOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

Parâmetros de Validação dos Testes Sorológicos

Parâmetros de Validação dos Testes Sorológicos Resumo Parâmetros de Validação e Testes Sorológicos Não-Marcados Os testes sorológicos não-marcados se baseiam na interação entre antígenos e anticorpos e com base nisto, podem ser classificados como:

Leia mais

Reagentes anti-d na detecção dos D fraco e D parcial

Reagentes anti-d na detecção dos D fraco e D parcial Reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial Implicações para doadores, pacientes e gestantes Lilian Castilho, PhD Porque a tipagem RhD é algumas vezes problemática? Grande número de

Leia mais

Retipagem de concentrado de hemácia Versão: 01 Próxima Revisão:

Retipagem de concentrado de hemácia Versão: 01 Próxima Revisão: Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA POP nº IMU 04 SHMT/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Retipagem de concentrado

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS. Clécia M. C. Oliveira Farmacêutica

TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS. Clécia M. C. Oliveira Farmacêutica TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS Clécia M. C. Oliveira Farmacêutica 2016 Imuno-Hematologia O que é Imuno-hematologia e qual o seu papel em uma unidade de Hemoterapia? Imuno-hematologia é uma ciência complexa

Leia mais

FENOTIPAGENS ABO e RhD

FENOTIPAGENS ABO e RhD FENOTIPAGENS ABO e RhD DISCREPÂNCIAS Maria do Carmo Valgueiro Costa de Oliveira FUNDAÇÃO HEMOPE Substância precursora GLc GAL GLcNAc GAL Gene H 2α-L-fucosil-transferase Fuc Antígeno H GLc GAL GLcNAc GAL

Leia mais

IMUNO-HEMATOLOGIA R E A G E N T E Q U I P O S COAGULAÇÃO AUTOIMUNIDADE VHS BIOLOGIA MOLECULAR HEMATOLOGIA

IMUNO-HEMATOLOGIA R E A G E N T E Q U I P O S COAGULAÇÃO AUTOIMUNIDADE VHS BIOLOGIA MOLECULAR HEMATOLOGIA IMUNO-HMATOLOGIA N G A R N T S COAGULAÇÃO VHS AUTOIMUNIDAD Q U I P A M HMATOLOGIA BIOLOGIA MOLCULAR Reagentes e equipamentos para metodologias de aglutinação em coluna, fluxo lateral e convencional em

Leia mais

Relato de Caso A Fraco

Relato de Caso A Fraco Relato de Caso A Fraco Rocha AE (1), Ferreira SM (2), Bertoletti JAJ (3), Giana HE (4), Beltrame N (5) Laboratório Oswaldo Cruz Praça Cândida Maria C. Sawaya Giana, 128, Jd. Nova América São José dos Campos,

Leia mais

P ROC E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O

P ROC E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O Encaminhamos pela presente, Norma e Procedimento que implanta e define a sistemática de do HOSPITAL SANTA ROSA. Controle Nome/Cargo Assinatura Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Givanildo Vieira

Leia mais

ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE Aspectos moleculares. Dra. Lilian Castilho

ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE Aspectos moleculares. Dra. Lilian Castilho ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE Aspectos moleculares Dra. Lilian Castilho Os métodos moleculares mudarão a rotina dos laboratórios de Imunohematologia??? HEMAGLUTINAÇÃO Onde estamos falhando? Stainsby et

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

Estabelecendo o Controle de Qualidade dos Reagentes e Metodologias utilizadas nos Testes Imuno-hematológicos

Estabelecendo o Controle de Qualidade dos Reagentes e Metodologias utilizadas nos Testes Imuno-hematológicos Estabelecendo o Controle de Qualidade dos Reagentes e Metodologias utilizadas nos Testes Imuno-hematológicos REGINA CARDOSO cardosor@ihsl.com.br Medicina Transfusional Garantir a qualidade dos hemocomponentes.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Imunoensaios no laboratório clínico

Imunoensaios no laboratório clínico Imunoensaios no laboratório clínico Onde pesquisamos Ag e Ac?? Imunoensaios detecção e quantificação de antígeno e anticorpo: Doenças infecciosas: diagnóstico da doença diferenciação da fase da doença

Leia mais

Zika/Dengue TRIO ECO Teste

Zika/Dengue TRIO ECO Teste Zika/Dengue TRIO ECO Teste Porque precisamos utilizar o TRIO Zika/Dengue Ab/Ag ECO Teste? A homologia da proteína do vírus Zika e Dengue está entre 53-58%, de modo que o teste sorológico Zika pode apresentar

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Título do Projeto: Frequência dos tipos sanguíneos A, B e AB dos felinos domésticos da encaminhados para o Hospital Veterinário UNISUL Área de Conhecimento

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

Cap. 12: Os grupos sanguíneos são determinados geneticamente. Equipe de Biologia

Cap. 12: Os grupos sanguíneos são determinados geneticamente. Equipe de Biologia Cap. 12: Os grupos sanguíneos são determinados geneticamente Equipe de Biologia O sangue humano Plasma Globulinas ou anticorpos Aglutininas Reagem com antígenos de superfície de hemácias Elementos figurados

Leia mais

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue

Imuno-hematologia Exames de qualificação de doadores de sangue MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE SANGUE E HEMODERIVADOS Exames de qualificação de doadores de sangue Ana Paula R. Diniz Zanelli

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 03/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 03/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 03/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 65 BIÓLOGO I, BIOMÉDICO I ou FARMACÊUTICO I (Hemoterapia) 01. E 11. A 21. D 31. B

Leia mais

FAURGS HCPA Edital 01/2010 PS 04 BIOMÉDICO I Hemoterapia Pág. 1

FAURGS HCPA Edital 01/2010 PS 04 BIOMÉDICO I Hemoterapia Pág. 1 Pág. 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 01/20 /2010 0 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 04 BIOMÉDICO I - Hemoterapia 01. A 11. B 21. A 31. A 02. C 12. E 22.

Leia mais

ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISES LABORATORIAIS SORAIA SILVEIRA BESERRA

ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISES LABORATORIAIS SORAIA SILVEIRA BESERRA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISES LABORATORIAIS SORAIA SILVEIRA BESERRA CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO EM IMUNO-HEMATOLOGIA NO CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO

Leia mais

Imunologia Aplicada. Sorologia

Imunologia Aplicada. Sorologia Imunologia Aplicada Sorologia Importância da pesquisa de Anticorpos no diagnóstico individual 1. Elucidar processos patológicos 2. Diferenciar a fase da doença 3. Diagnosticar doença congênita 4. Selecionar

Leia mais

Desempenho da tecnologia dos eritrócitos magnetizados (E.M. Technology) nos testes imunoematológicos

Desempenho da tecnologia dos eritrócitos magnetizados (E.M. Technology) nos testes imunoematológicos REVISTA BRASILEIRA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA Artigo / Article Desempenho da tecnologia dos eritrócitos magnetizados (E.M. Technology) nos testes imunoematológicos Erythrocytes magnetized technology

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE

HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE HEMOCENTRO DE RIBEIRÃO PRETO CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO DE REAGENTES VISÃO DO CLIENTE Rodrigo Spessotto Morais Toledo Qual a importância do controle da qualidade dos reagentes imunohematológicos? O

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA Aline Trombini Rodrigues Aloimunização dos doadores de sangue como fonte de anti-soros e hemácias raras Dissertação apresentada

Leia mais

TESTE DA ANTIGLOBULINA DIRETO Versão: 01 Próxima Revisão:

TESTE DA ANTIGLOBULINA DIRETO Versão: 01 Próxima Revisão: Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA POP nº IMU 08 SHMT/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina TESTE DA ANTIGLOBULINA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM HEMOTERAPIA E BIOTECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM HEMOTERAPIA E BIOTECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM HEMOTERAPIA E BIOTECNOLOGIA Renato Nascimento da Costa Avaliação da implementação da

Leia mais

www.saudedireta.com.br D50-D89 CAPÍTULO III : Doenças do sangue e dos órgãos Hematopoéticos e alguns transtornos imunitários D50.0 Anemia por deficiência de ferro secundária à perda de sangue (crônica)

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DE ALOIMUNIZAÇÃO ERITROCITÁRIA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA DO INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER

ANÁLISE DO PERFIL DE ALOIMUNIZAÇÃO ERITROCITÁRIA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA DO INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER Vieira MM, Alvares BR, Almeida OJ, Jales RM ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DO PERFIL DE ALOIMUNIZAÇÃO ERITROCITÁRIA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA DO INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER Analysis of the erythrocyte alloimmunization

Leia mais

Eritrócitos: Morfologia e função

Eritrócitos: Morfologia e função Eritrócitos: Morfologia e função Eritrócitos ou Hemácias ou Glóbulo Vermelho Número de células Tamanho varia nos mamíferos Nos seres humanos Número médio é aproximadamente 5.000.000/ul ou 5.10 6 /ul O

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora SISTEMA ABO E DISCREPÂNCIAS NA CLASSIFICAÇÃO DIRETA E REVERSA Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço

Leia mais

Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos

Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos Aula Prática Demonstrativa: Aplicações de anticorpos em métodos diagnósticos Introdução Profa. Cristina MED- 2017 Detecção de anticorpos (diagnóstico sorológico) Exemplo: detecção de anticorpos em jovem

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS IRREGULARES EM SERVIÇO DE TRANSFUSÃO DE SANGUE EM SALVADOR-BA, NO PERÍODO DE 2009 A 2013

FREQUÊNCIA DE ANTICORPOS IRREGULARES EM SERVIÇO DE TRANSFUSÃO DE SANGUE EM SALVADOR-BA, NO PERÍODO DE 2009 A 2013 DE ANTICORPOS IRREGULARES EM SERVIÇO DE TRANSFUSÃO DE SANGUE EM SALVADOR-BA, NO PERÍODO DE 2009 A 2013 Rodrigo Cunha Oliveira * Jacqueline Ramos Machado Braga ** Resumo A transfusão de sangue é uma técnica

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

ScanGel Monoclonal ABO/RH1/RH Cards Cards

ScanGel Monoclonal ABO/RH1/RH Cards Cards ScanGel Monoclonal ABO/RH1/RH1 86494 48 Cards 86444 288 Cards GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA OU HUMANA Prova directa ABO. Determinação dos Ag RH1 IVD Todos os produtos fabricados

Leia mais

Anticorpos. Ana Paula Costa Nunes da Cunha Cozac Hemocentro de Ribeirã

Anticorpos. Ana Paula Costa Nunes da Cunha Cozac Hemocentro de Ribeirã Importância Clínica dos Anticorpos Anti-eritrocitários Ana Paula Costa Nunes da Cunha Cozac Hemocentro de Ribeirã Ribeirão Preto Anticorpos anti-eritrocitários de importância clínica são aqueles capazes

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA

Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA POP nº IMU 02 SHMT/HU Hospital Universitário Pesquisa de anticorpos irregulares Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal

Leia mais

Branco Azul Amarelo Questão nº Teor da reclamação A maioria dos candidatos argumenta que a alínea onde se refere que Análise

Branco Azul Amarelo Questão nº Teor da reclamação A maioria dos candidatos argumenta que a alínea onde se refere que Análise Questão nº 4 24 84 Teor da reclamação A maioria dos candidatos argumenta que a alínea onde se refere que apenas raros doentes com talassémia desenvolvem deficiências endócrinas deve ser considerada verdadeira

Leia mais

IMUNOGENÉTICA. Sistemas Sangüíneos Eritrocitários

IMUNOGENÉTICA. Sistemas Sangüíneos Eritrocitários IMUNOGENÉTICA Sistemas Sangüíneos Eritrocitários CONCEITOS GERAIS Antígenos (Ag): substância (geralmente proteína) capaz de induzir resposta imune específica Pode ser expresso geneticamente na superfície

Leia mais

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Definição: Autoanticorpos eritrocitarios São imunoglobulinas

Leia mais

Ensaios imunes. Profª Heide Baida

Ensaios imunes. Profª Heide Baida Ensaios imunes Profª Heide Baida Introdução A produção de anticorpos, parte fundamental da resposta imune adaptativa e que compõem o que chamamos de resposta imune humoral, é o tipo de resposta específica

Leia mais

Receptores de Antígeno no Sistema Imune Adaptativo

Receptores de Antígeno no Sistema Imune Adaptativo Receptores de Antígeno no Sistema Imune Adaptativo Captura e apresentação dos Ag microbianos ativação dos linfócitos: ocorre após ligação do Ag a receptores: Linfócito B: Ac ligados à membrana Linfócito

Leia mais

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA?

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA? Roteiro Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Apresentação de conceitos e suas inter relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio Gregori Laboratório de Biologia Molecular Aplicada

Leia mais

Os ana no Diagnóstico Laboratorial das Doenças Autoimunes. Maria José Rego de Sousa

Os ana no Diagnóstico Laboratorial das Doenças Autoimunes. Maria José Rego de Sousa Os ana no Diagnóstico Laboratorial das Doenças Autoimunes Maria José Rego de Sousa indice capítulo 1 Introdução... 7 capítulo 2 Nota histórica... 8 capítulo 3 Princípio do teste de imunofluorescência...

Leia mais

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links.

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links. Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Apresentação de conceitos e suas relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio

Leia mais

TESTE DA ANTIGLOBULINA INDIRETO Versão: 01 Próxima Revisão:

TESTE DA ANTIGLOBULINA INDIRETO Versão: 01 Próxima Revisão: Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE HEMOTERAPIA POP nº IMU 07 SHMT/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina TESTE DA ANTIGLOBULINA

Leia mais

CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO

CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO APRESENTAÇÃO DO CURSO A citometria de fluxo (CF) é uma metodologia de aplicabilidade abrangente nas diversas áreas das ciências biológicas, sobretudo

Leia mais

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO)

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO) HBS-Ag - Antígeno Austrália VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente Página: 1 de 6 Nota: Este é um teste de triagem, cujo resultado, em caso de positividade não pode ser considerado

Leia mais

MANUAL TRANSFUSIONAL

MANUAL TRANSFUSIONAL MANUAL TRANSFUSIONAL Revisão 01: 01/2017 MANUAL TRANSFUSIONAL ELABORADO POR: Marcos Paulo Miola Biólogo. Gestor da Agência Transfusional do HB, Hemocentro da Fundação Faculdade Regional de Medicina de

Leia mais

Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS GRUPAGEM SANGUÍNEA

Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS GRUPAGEM SANGUÍNEA Programas de Controlo de Qualidade Externo UK NEQAS GRUPAGEM SANGUÍNEA Programas Disponíveis Programa Analito/Aspectos avaliados Nº de distribuições por ano Nº de amostras por distribuição R Todos os aspectos

Leia mais

ALELOS MÚLTIPLOS=POLIALELIA

ALELOS MÚLTIPLOS=POLIALELIA ALELOS MÚLTIPLOS=POLIALELIA Nos exemplos anteriores foram considerados apenas 2 alelos por gene afetando uma determinada característica. Um gene pode possuir, em geral,não apenas dois alelos, mas vários.

Leia mais

CONTROLE Rh Monoclonal

CONTROLE Rh Monoclonal CONTROLE Rh Monoclonal PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Controle negativo das classificações Rh - Hr PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8 C Não

Leia mais

ANEXO 1 - PROPOSTA DE PREÇOS

ANEXO 1 - PROPOSTA DE PREÇOS 2277 - ELUIÇÃO ACIDA DE ANTICORPOS Utilizado para tecnica ELUATO 1 (Identificacao de outro anticorpo) MATERIAL DEVERÁ SER TRANSPORTADO KIT 6 ENTRE 2 C E 8 C. Biorad. 2726 - ID- DILUENTE II Utilizado para

Leia mais

UNISALESIANO. Profª Tatiani

UNISALESIANO. Profª Tatiani UNISALESIANO Profª Tatiani CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DO SANGUE O sangue constitui o líquido corporal que se encontra dentro dos vasos sanguíneos e que através do sistema circulatório participa da

Leia mais

Isoimunização materna pelo fator Rh

Isoimunização materna pelo fator Rh Universidade Federal de Goiás Faculdade de Enfermagem Ginecologia e Obstetrícia II Goiânia 2013 Isoimunização materna pelo fator Rh Docentes: Drª. Nilza Alves Marques Almeida Drª. Cleusa Alves Martins

Leia mais

MÉTODO DO PROCESSO TRANSFUSIONAL EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE DO NOROESTE PAULISTA: ANÁLISE DO PERFIL DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS

MÉTODO DO PROCESSO TRANSFUSIONAL EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE DO NOROESTE PAULISTA: ANÁLISE DO PERFIL DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS 56 MÉTODO DO PROCESSO TRANSFUSIONAL EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE DO NOROESTE PAULISTA: ANÁLISE DO PERFIL DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS METHOD OF THE TRANSFUSIONAL PROCESS IN A HOSPITAL OF THE NORTHWEST PAULISTA:

Leia mais

REAÇÃO DE SOROAGLUTINAÇÃO

REAÇÃO DE SOROAGLUTINAÇÃO REAÇÃO DE SOROAGLUTINAÇÃO As reações de aglutinação são reações de floculação celular em que o antígeno é constituído por suspensão homogênea de células. Estas células podem ser bactérias, hemácias etc,

Leia mais

Determinação da frequência de anticorpos irregulares pós-transfusionais* Determination of the frequency irregular antibodies in post transfusion

Determinação da frequência de anticorpos irregulares pós-transfusionais* Determination of the frequency irregular antibodies in post transfusion DOI: 10.5102/ucs.v13i2.3294 Determinação da frequência de anticorpos irregulares pós-transfusionais* Determination of the frequency irregular antibodies in post transfusion Bárbara Mendes Ferreira 1 Milton

Leia mais

Colheita de Células Hematopiéticas

Colheita de Células Hematopiéticas Dados 213 Colheita de Células Hematopiéticas Dadores inscritos no Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE) com tipagem concluída 4 35 3 25 2 15

Leia mais

Imunidade Humoral. Células efectoras: Linfócitos B. (Imunoglobulinas)

Imunidade Humoral. Células efectoras: Linfócitos B. (Imunoglobulinas) Imunidade Humoral Células efectoras: Linfócitos B (Imunoglobulinas) Determinantes antigénicos Também conhecidos como epítopos, são porções do antigénio que reúnem aspectos físicos e químicos que favorecem

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Imunologia Curso: Farmácia Termo: 3º Carga Horária Semanal (h/a): 4 Carga Horária Semestral (h/a): 75 Teórica: 2 Prática: 2 Total: 4 Teórica: 30

Leia mais

Prevalência da distribuição do Sistema ABO entre doadores de sangue do Hemocentro Regional de Jataí-Goiás.

Prevalência da distribuição do Sistema ABO entre doadores de sangue do Hemocentro Regional de Jataí-Goiás. Prevalência da distribuição do Sistema ABO entre doadores de sangue do Hemocentro Regional de Jataí-Goiás. Ricardo Alli Benegas Resumo Introdução: Foi no século XX que a transfusão de sangue, adquiriu

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

GLICOSE - JEJUM Material: Soro Método..: Colorimétrico Enzimático - Auto Analisador RESULTADO:

GLICOSE - JEJUM Material: Soro Método..: Colorimétrico Enzimático - Auto Analisador RESULTADO: Pag.: 1 de 9 GLICOSE - JEJUM Método..: Colorimétrico Enzimático - Auto Analisador RESULTADO: 96 mg/dl 60 a 99 mg/dl Resultados Anteriores: 53[1/8/2013]; 71[9/12/2012]; 80[3/3/2012]; 74[17/5/2011]; 81[17/11/2006];

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Experiência com o SwingTwin Sampler em Rotinas Imunohematológicas

Experiência com o SwingTwin Sampler em Rotinas Imunohematológicas Micr Typing System Experiência cm SwingTwin Sampler em Rtinas Imunhematlógicas Maria Giselda Aravechia HIAE- Sã Paul Participantes : Marcia R. Dezan Vanessa Oliveira Eduard Felix Jean Fukimt Dra Mariza

Leia mais

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário.

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. 1 - Um homem de 50 anos com queixas de fadiga muito acentuada fez um exame médico completo que incluiu RX do tórax. Identificaram-se lesões

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

Relatório de Atividade dos Serviços de Sangue, Medicina Transfusional e Pontos Transfusionais 2014

Relatório de Atividade dos Serviços de Sangue, Medicina Transfusional e Pontos Transfusionais 2014 Relatório de Atividade dos Serviços de Sangue, Medicina Transfusional e Pontos Transfusionais 2014 O presente pdf destina-se somente a apoiar o preenchimento do Relatório de Atividade de 2014. Mantem-se

Leia mais

16/8/2007 ??? Antes de 1939: Dois relatos importantes para a descoberta do. Sistema Rh. Segundo sistema em importância transfusional

16/8/2007 ??? Antes de 1939: Dois relatos importantes para a descoberta do. Sistema Rh. Segundo sistema em importância transfusional Sistema Rh Histórico Antes de 1939:??? reação transfusional apesar de compatibilidade ABO 1939 - Dois relatos importantes para a descoberta do sistema Rh: Levine e Stetson: reação transfusional de uma

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Imunofenotipagem nas doenças hematológicas: Doenças linfoproliferativas crônicas. Dr. Edgar Gil Rizzatti Grupo Fleury

Imunofenotipagem nas doenças hematológicas: Doenças linfoproliferativas crônicas. Dr. Edgar Gil Rizzatti Grupo Fleury Imunofenotipagem nas doenças hematológicas: Doenças linfoproliferativas crônicas Dr. Edgar Gil Rizzatti Grupo Fleury Identificação: Homem de 60 anos, bancário, natural e procedente de SP História clínica:

Leia mais

ScanGel NEUTRAL Cards Cards

ScanGel NEUTRAL Cards Cards ScanGel NEUTRAL 86429 48 Cards 86430 1080 Cards GEL NEUTRO Grupo ABO, despiste de Ac irregulares, compatibilidade IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos

Leia mais

Perfil FAN e AUTO-ANTICORPOS. Qualidade e precisão para diagnóstico e acompanhamento clínico.

Perfil FAN e AUTO-ANTICORPOS. Qualidade e precisão para diagnóstico e acompanhamento clínico. Perfil FAN e AUTO-ANTICORPOS Qualidade e precisão para diagnóstico e acompanhamento clínico. Investimento em treinamento contínuo Garantia de resultados precisos e seguros. Profissionais capacitados Equipe

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS

CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Classificação das leucemias Por que classificar

Leia mais

Doença Hemolítica Perinatal. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

Doença Hemolítica Perinatal. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy Doença Hemolítica Perinatal Ranuce Ribeiro Aziz Ydy INTRODUÇÃO A Doença Hemolítica Perinatal (DHPN) tem sido uma das entidades cujos conhecimentos acerca dos aspectos etiológicos, fisiopatológicos, preventivo

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Cuidados imunohematológicos prétransfusionais: da teoria aos cenários assistenciais Denise Menezes Brunetta Hematologista e Hemoterapeuta

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SES/MS-DGH 2016 HEMATOLOGIA ÁREA DE ATUAÇÃO HEMATOLOGIA / HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA (A1001)

RESIDÊNCIA MÉDICA SES/MS-DGH 2016 HEMATOLOGIA ÁREA DE ATUAÇÃO HEMATOLOGIA / HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA (A1001) RESIDÊNCIA MÉDICA SES/MS-DGH 2016 HEMATOLOGIA ÁREA DE ATUAÇÃO HEMATOLOGIA / HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA (A1001) 1) Criança com dois anos e seis meses apresentou primeiro episódio de sequestro esplênico, sem

Leia mais

TÉCNICO EM IMUNOHEMATOLOGIA

TÉCNICO EM IMUNOHEMATOLOGIA TÉCNICO EM IMUNOHEMATOLOGIA CÓDIGO: TMT37 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL ISSN Revista de Ciências Médicas e Biológicas

ARTIGO ORIGINAL ISSN Revista de Ciências Médicas e Biológicas ARTIGO ORIGINAL ISSN 1677-5090 2010 Revista de Ciências Médicas e Biológicas Influência da classificação sanguínea realizada em lâmina sobre a administração profilática de imunoglobulina anti-d em pacientes

Leia mais

TALASSEMIAS ALFA NA POPULAÇÃO EM DEMANDA DO LABORATÓRIO MONTE AZUL NA CIDADE DE MONTE AZUL-SP

TALASSEMIAS ALFA NA POPULAÇÃO EM DEMANDA DO LABORATÓRIO MONTE AZUL NA CIDADE DE MONTE AZUL-SP TALASSEMIAS ALFA NA POPULAÇÃO EM DEMANDA DO LABORATÓRIO MONTE AZUL NA CIDADE DE MONTE AZUL-SP Rafael Rodas Lemo e Cibele Felício Ribeiro A Hemoglobina H (Hb H) é uma hemoglobina composta por tetrâmeros

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

ALTERAÇÕES MOLECULARES COMO CAUSA DE DOENÇAS GENÉTICAS. Profa. Dra. Vanessa Silveira

ALTERAÇÕES MOLECULARES COMO CAUSA DE DOENÇAS GENÉTICAS. Profa. Dra. Vanessa Silveira ALTERAÇÕES MOLECULARES COMO CAUSA DE DOENÇAS GENÉTICAS Profa. Dra. Vanessa Silveira Genoma Humano - DNA Variações genéticas Alterações Erros de replicação do DNA Erros durante a divisão celular Agentes

Leia mais