Badminton. Agrupamento Escolas João Silva Correia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Badminton. Agrupamento Escolas João Silva Correia"

Transcrição

1 Badminton Esta admirável modalidade desportiva cujas origens estão perdidas no tempo e que tem antepassados em três zonas tão distintas do globo. Com efeito, na China foram encontrados vasos de cerâmica do ano de 3500 a. C. com desenhos de uma rapariga batendo numa bola com penas com um objeto parecido com um tamborim. Na América do Sul, os Aztecas praticavam um jogo com uma bola adornada de belas e ondulantes penas coloridas. Na Índia, onde na cidade de Poona oficiais ingleses, por volta do ano 1800, aprenderam um jogo tradicional que mais tarde viriam a jogar em Inglaterra na propriedade do Duque de Beaufort, a famosa Badminton House, no condado da Gloucestershire utilizando um volante parecido com o usado atualmente e uma raquete cuja área da cabeça era toda em pele, e que ficaria sempre lembrado como Aquele jogo em Badminton! Daqui o nome por que é atualmente conhecido. As regras do jogo foram publicadas em 1877 pelo coronel H. O. Selby, em Carachi, e em 1893 é criada a Associação Inglesa de Badminton. Os primeiros torneios de caráter internacional foram realizados em Westminter (Londres) em A Federação Internacional de Badminton (FIBA) foi criada em Desde 1992, nos Jogos Olímpicos de Barcelona, que faz parte do calendário olímpico nas variantes de singulares femininos e masculinos e na de pares femininos e masculinos. O jogo O Badminton é hoje uma modalidade em expansão. A sua inclusão nos Jogos Olímpicos de Seul (1988) como modalidade experimental, e a certeza de que nos Jogos Olímpicos de Barcelona (1992) se perfilará ao lado de outros desportos como um membro olímpico de pleno direito, leva a que milhões de telespectadores possam apreciar o quanto de exigente este desporto tem a nível psicossomático. Durante muitos anos o Badminton em Portugal foi encarado sem um tipo de preparação muito especial para a competição, até que, há cerca de uma década alguns atletas se começaram a preparar, quer física quer tecnicamente, de modo idêntico às outras modalidades a nível de condição física transportando sobretudo do atletismo e halterofilismo, um tipo de treino que em muito ajudou a evolução do jogo, assim como a observação do tipo de treino técnico que se fazia em países mais evoluídos da Europa. É sobretudo a nível do treino técnico que este trabalho pretende ser um subsídio para a melhoria do jogo dos jovens jogadores. Profª Sandra Simões 1

2 Pode ser praticado individualmente e em pares e é considerado um desporto de raquete. Campo O campo é retangular, dividido ao meio por uma rede suspensa em dois postes colocados sobre as linhas laterais (de pares). É delimitado por duas linhas laterais e duas de serviço e deve estar livre de qualquer obstáculo até 7 m de altura (mínima), a partir do solo, e rodeado por uma zona livre, 0,50 m e 1,00 m, respetivamente, da linha lateral e da linha de serviço. Árbitros Um encontro é dirigido por uma equipa de arbitragem constituída por um juiz-árbitro (juiz máximo da competição), um árbitro (responsável pela partida, pelo campo e por toda a área restrita circundante), um juiz de serviço (assinala todas as faltas cometidas pelo servidor) e um juiz de linha (indica se o volante é dentro ou fora). Volante e raquete O volante pode ser sintético e de pluma; o primeiro, por ser mais duradouro, é utilizado na iniciação do desporto e o outro para atletas de alto nível competitivo. Nos dois casos, a sua base é recoberta de pele. A raquete pode ser metálica ou de carbono; a primeira é mais pesada e menos flexível. As cordas são de fibra sintética e estão presas na armação da raquete. Profª Sandra Simões 2

3 Objetivo do jogo O objetivo do jogo é fazer passar o volante por cima da rede, respeitando as regras do jogo, fazendoo tocar no campo adversário ação ofensiva e impedir que o volante toque no seu próprio campo ação defensiva. Início e recomeço do jogo Antes do início do jogo, o árbitro realiza o sorteio entre os adversários. O vencedor pode escolher entre servir, campo e não servir primeiro. Após o apito do árbitro, a equipa que escolheu ou que ficou com o serviço inicia o jogo. Duração e interrupções de jogo regulamentares O jogo não tem duração previamente definida. Quando um jogador/equipa alcança os 11 pontos, haverá um intervalo de um minuto. Entre sets existe um intervalo de dois minutos. Pontuação - Os jogadores devem jogar à melhor de 3 jogos, de 21 pontos cada; - O lado que ganha a jogada, marca ponto. Um lado ganhará uma jogada, se o lado contrário cometer uma falta ou o volante deixar de estar em jogo porque tocou dentro da área do campo adversário; - Se a pontuação registar um empate 20-20, o lado que conseguir obter dois pontos de diferença, ganha esse jogo; - Quando a pontuação registar um empate 29-29, o lado que conseguir obter o trigésimo ponto, ganha esse jogo; - O lado que ganha o jogo é quem serve em primeiro lugar no jogo seguinte. Mudança de campo Os jogadores devem mudar de campo: - No fim do primeiro jogo; - No fim do segundo jogo, se houver um terceiro jogo; - No terceiro jogo, ou numa partida só, quando o jogador que lidera atingir os onze pontos. Serviço Para que o serviço seja corretamente executado, deverão ser cumpridas as seguintes regras: - Tanto o servidor como o recebedor devem encontra-se dentro das áreas de serviço diagonalmente opostas, sem pisar as linhas limite respetivas; Profª Sandra Simões 3

4 - Uma parte de ambos os pés do servidor e recebedor devem permanecer em contacto com a superfície do campo, até que o serviço seja executado; - A raqueta do servidor deve contactar a base do volante, enquanto todo o volante estiver posicionado abaixo da cintura do servidor; - Quando bater no volante, o servidor deve ter a haste da raqueta apontada numa direção descendente de maneira a que toda a cabeça da raqueta deve estar abaixo do nível da mão que segura essa raqueta; - A trajetória do volante deve ser ascendente desde o momento em que é batida pela raqueta do servidor, para que possa passar por cima da rede, de forma a que, caso não seja intercetado, caia na área de serviço do recebedor. Nos jogos de pares, os parceiros podem ocupar qualquer posição no campo, desde que não perturbem a visão do servidor e recebedor. Singulares 1. Os jogadores devem servir e receber dentro da área de serviço do lado direito, sempre que a pontuação do servidor seja uma par nesse jogo; 2. Os jogadores devem servir e receber dentro da área de serviço do lado esquerdo, sempre que a pontuação do servidor seja um número ímpar de pontos nesse jogo; 3. O volante é batido, alternadamente, pelo servidor e pelo recebedor, até ser cometida uma falta, ou até que o volante deixe de estar em jogo: 4. Se o recebedor comete uma falta ou o volante deixa de estar em jogo, o servidor marca um ponto. Então, o servidor volta a servir da sua outra área de serviço; 5. Se o servidor comete uma falta ou o volante deixa de estar em jogo, o servidor perde o direito de continuar a servir, e o recebedor passa a servidor, devendo adicionar-se um ponto à sua pontuação. Pares 1. O jogador do lado servidor, deve servir do lado direito do campo, quando o lado servidor ainda não pontuou ou quando a pontuação, nesse jogo, é par; 2. O jogador do lado servidor, deve servir do lado esquerdo do campo, quando a pontuação do lado servidor é impar nesse jogo; 3. Apenas o recebedor deve devolver o serviço; 4. Depois da devolução do serviço, o volante pode ser batido por qualquer dos jogadores do lado servidor e, depois, por qualquer dos jogadores do lado recebedor, e, assim sucessivamente, até que o volante deixe de estar em jogo; Profª Sandra Simões 4

5 5. Depois do serviço ser devolvido, um jogador pode bater no volante de qualquer posição dentro do seu meio campo; 6. Se o lado recebedor cometer uma falta, ou se o volante deixar de estar em jogo por tocar na superfície do campo dentro da área de jogo do recebedor, o lado servidor marcará ponto e o servidor volta a servir; 7. Se o lado servidor cometer uma falta, ou se o volante deixar de estar em jogo por tocar na superfície do campo dentro da área de jogo do servidor, o lado recebedor marcará ponto e ganha o serviço; 8. Os jogadores mudarão as suas posições no campo de serviço, até que ganhem um ponto aquando do seu lado a servir; 9. Nenhum jogador pode servir ou receber fora da sua vez, ou receber dois serviços consecutivos no mesmo jogo; 10. Qualquer dos jogadores do lado vencedor pode executar o serviço inicial no jogo seguinte, e qualquer jogador do lado perdedor, pode receber o serviço inicial no jogo seguinte, devendo avisar o árbitro da troca. Erros na área de serviço Um erro na área de serviço é feito quando um jogador: - Serviu fora da sua vez; - Serviu da área de serviço errada; - Posicionado na área de serviço errada, estava preparado para receber o serviço e este tenha sido executado. Faltas 1. Um serviço não for correto; 2. O servidor, na tentativa de servir, falhar o volante; 3. No serviço, depois de passar por cima da rede, o volante ficar preso na rede ou em cima dela; 4. O volante, quando em jogo: - Cair fora das linhas limite do campo; - Passar através ou por baixo da rede; - Não conseguir passar sobre a rede para o campo adversário; - Tocar o teto ou as paredes laterais; - Tocar o corpo ou o vestuário de um dos jogadores; - Tocar qualquer objeto ou pessoa fora da área de jogo; Profª Sandra Simões 5

6 - É apanhado e seguro na raqueta ou então embalado durante a execução de um batimento; - É batido sucessivamente duas vezes pelo mesmo jogador; - É batido por um jogador e pelo seu parceiro sucessivamente; 5. Um jogador, quando o volante está em jogo: - Tocar na rede com a raquete, o corpo ou equipamento; - Invadir o campo adversário com a raquete ou corpo (exceto quando o jogador segue o volante por cima da rede com a raquete, na sequência de um batimento); - Impedir o adversário de executar o batimento legal; Repetições Haverá repetição: - Se um volante, depois de passar por cima da rede, é preso nas malhas desta ou fica em cima dela (exceto se tal se verificar na execução do serviço); - Se durante o serviço, o recebedor e o servidor forem ambos punidos, simultaneamente, com uma falta; - Se o servidor executar o serviço antes do recebedor estar preparado. Profª Sandra Simões 6

7 Posição em jogo O badminton exige do praticante momentos de grande velocidades de reação e batimentos rápidos. Por isso, o jogador deve adotar uma posição que lhe permita entrar em ação e executar batimentos precisos. Para além da posição física, é fundamental a atitude mental permanente: o jogador, depois de partir de uma posição para bater no volante, deve voltar a outra posição para novamente entrar em ação. Profª Sandra Simões 7

8 Posição Básica de jogo É uma posição de espera dinâmica que lhe possibilita entrar em ação em qualquer parte do campo. Os pés devem estar afastados, as pernas ligeiramente fletidas e o peso do corpo distribuído por ambos os pés, com o tronco ligeiramente inclinado à frente, os braços semi-fletidos à frente e a raqueta à altura da cabeça. Posição para receção do serviço O jogador, no momento do serviço, passa o peso do corpo para a perna esquerda, mais adiantada, ligeiramente fletida. A perna direita apoia-se sobre a parte anterior do pé, descontraída, pronta para fazer o deslocamento à frente ou à retaguarda, segundo o tipo de serviço, curto ou longo. Posição Defensiva Esta posição verifica-se quando um jogador espera o ataque do adversário, implica uma atitude de equilíbrio vigilância: - Pernas afastadas e fletidas; - Raqueta à frente do corpo, preparado para todos os batimentos dirigidos ao corpo. Colocação no campo Depois de cada batimento, deve voltar a colocar-se no centro do campo ou numa posição que lhe permita defender todas as zonas do campo. Os deslocamentos Permitem ao jogador chegar ao ponto de batimento no volante, em condições de o conseguir com precisão e êxito. Em geral, todos os deslocamentos começam com o pé do lado do batimento. Para bater o volante que cai junto à rede bastam um a três passos para a frente, para a direita ou para a esquerda; nos três passos, por exemplo: o primeiro com o pé direito, o segundo mais curto, com o pé esquerdo, e o terceiro, mais largo, com o pé direito aproximando-se da rede. Quando o volante se dirige para o lado esquerdo, na direção da linha de fundo, deve colocar-se o pé esquerdo atrás do direito e fazer deste, em seguida, o primeiro passo (arranque). Assim, pode dizer-se que a um jogador bem colocado ao meio do campo bastam, no máximo, três passos para alcançar todo o campo. Também os deslocamentos devem ser feitos com pequenos passos; o último deve ser mais comprido. Profª Sandra Simões 8

9 Pega da raquete A forma de agarrar a raqueta é importante para executar os diferentes batimentos. Na pega universal, a mão envolve o cabo da raqueta colocando o polegar entre o indicador e os restantes dedos. Nesta pega o polegar e o indicador devem formar um V no bordo superior do cabo da raquete, a armação da cabeça da raquete deve estar perpendicular ao solo. A pega da mão esquerda é controlada pelo polegar (batimento da esquerda). Evitar - A pega da raquete com pouca força, facto que pode originar que esta fuja da mão; pega com força demasiada, que pode bloquear a articulação do pulso. Os erros da pega da raquete estão ligados aos problemas do deslocamento pés ao lado um do outro; - No momento do batimento, fazê-lo à frente de si e com a mão (pega) perto da cabeça da raquete, tendo a noção de que não é apenas um movimento simples do braço, mas que todo o corpo deve intervir nele. Pega do volante Na execução do serviço, o volante é seguro pela base ou pela parte superior, com os dedos polegar, indicador e médio. Batimentos Essencialmente, a importância dos batimentos está relacionada com a trajetória do volante no seu espaço próximo que exige reações imediatas. A preocupação dominante para um jogador é acertar no volante quer seja acima da cabeça, abaixo da cintura, ao lado direito ou ao lado esquerdo do seu corpo. À medida que vai melhorando a sua perceção sobre o que o rodeia, começa a dar atenção à movimentação do jogador contrário e ao campo, explorando os espaços vazios. Zonas do campo Do fundo para o fundo Do fundo para o meio do campo Do fundo para a rede Da rede para o meio do campo Da rede para o fundo Da rede para a rede Batimento Clear ofensivo e defensivo Drive Amorti alto Remate Serviço e Lob Amorti baixo Profª Sandra Simões 9

10 Batimentos abaixo da cabeça O serviço Há dois tipos de serviço: - Curto - Longo Serviço Curto Determinantes técnicas - Colocar-te de lado e voltado diagonalmente para o adversário; - Colocar o pé esquerdo da frente; - Apoiar ligeiramente o peso do corpo sobre o pé da retaguarda; - Segurar o volante pela cabeça entre o polegar e o indicador, com o M.S. fletido; - Bater o volante com movimento contínuo da raquete; - Bloquear o pulso no final do batimento; - Imprimir ao volante uma trajetória baixa e tensa de forma a passar junto à rede e a cair perto desta no campo adversário. Serviço Longo Determinantes técnicas - Colocar-te de lado, com o ombro e o pé esquerdo voltados diagonalmente para o adversário; - Colocar o pé esquerdo à frente com o peso do corpo sobre o M.I. da retaguarda; - Segurar o volante entre o polegar e o indicador, com o M.S. estendido à altura do ombro; - Acelerar o movimento de trás para a frente e de baixo para cima, batendo o volante com um movimento de chicotada; - Imprimir uma trajetória ao volante, alta e profunda de modo que este caia perto da linha final do campo adversário. Profª Sandra Simões 10

11 Lob Determinantes técnicas - Colocar o pé direito à frente; - Bater de modo explosivo, à frente do corpo e abaixo da cintura; - Fazer movimento da chicotada ao nível do pulso; - Imprimir ao volante uma trajetória ascendente, alta e profunda, de forma que o volante caia perto da linha de fundo do campo adversário. Amorti Existem dois tipos de amorti : - Lento ou curto - Rápido Determinantes técnicas - Rodar os ombros e os membros inferiores; - Bater por cima e à frente da cabeça; - Estender o M.S., acompanhando de uma desaceleração no final do movimento; - Imprimir uma trajetória descendente e lenta de modo que o volante caia próximo da rede do campo adversário. Batimento à direita e à esquerda e ao lado do tronco Drive Determinantes técnicas - Colocar o pé direito à frente; Profª Sandra Simões 11

12 - Bater ao lado do corpo, plano e rápido; - Colocar a cabeça da raquete paralela à rede e no momento do batimento efetuar um movimento explosivo; - Imprimir ao volante uma trajetória tensa e rápida dirigindo-o para o corpo do adversário, ou para um espaço momentaneamente desprotegido. Batimento acima da cabeça Clear Existem dois tipos de clear : -Ofensivo -Defensivo Determinantes técnicas - Rodar os ombros e os M.I.; - Fletir o M.S. que tem a raqueta com a mão ao nível da nuca; - Bater de modo explosivo, por cima e à frente da cabeça, com extensão final do M.S.; - Bloquear o pulso e a rotação do tronco no momento final do batimento; - Imprimir ao volante uma trajetória alta e longa de modo que caia perto da linha final do campo adversário. Remate (smash) Determinantes técnicas - Promover a rotação do tronco antes do movimento; - Iniciar o movimento, colocando o M.S. de batimento fletido, com o cotovelo recuado e a mão ao nível da cabeça; Profª Sandra Simões 12

13 - Estender o M. S. executor; - Bater o volante energicamente, acima e à frente da cabeça; - Imprimir ao volante uma trajetória descendente e rápida. Trajetórias do volante nos diferentes movimentos Sinalética do árbitro Profª Sandra Simões 13

14 Profª Sandra Simões 14

Badminton. Badminton

Badminton. Badminton Badminton Badminton Badmínton História da Modalidade Atualmente, acredita-se que o jogo da poona, de origem indiana e trazido para a Europa pelos oficiais ingleses, esteja na origem do badmínton. Em 1873,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. COSTA MATOS. Campo de badminton

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. COSTA MATOS. Campo de badminton BADMINTON Caracterização: O badminton é um jogo que pode ser disputado em singulares (individualmente) ou em par (pares), não tendo qualquer limitação temporal, isto é, o jogo termina assim que um jogador/par

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR BADMINTON COLÉGIO TERESIANO BRAGA 1. O CAMPO

DOCUMENTO ORIENTADOR BADMINTON COLÉGIO TERESIANO BRAGA 1. O CAMPO COLÉGIO TERESIANO BRAGA DOCUMENTO ORIENTADOR BADMINTON 1. O CAMPO O jogo realiza-se num campo retangular com 13,40 m x 5,18 metros para jogos de singulares e 13,40 m x 6,10 m para jogos de pares, limitados

Leia mais

Badminton. badminton. badminton. badminton. badminton 3/27/2014. Caraterização. Caraterização. O Campo. Duração do Jogo

Badminton. badminton. badminton. badminton. badminton 3/27/2014. Caraterização. Caraterização. O Campo. Duração do Jogo Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização O Campo O é um jogo desportivo de raquetes cujo objectivo é marcar pontos e evitar que o adversário

Leia mais

BADMINTON. no Desporto Escolar - Iniciação ao Treino

BADMINTON. no Desporto Escolar - Iniciação ao Treino BADMINTON no Desporto Escolar - Iniciação ao Treino B DMINTON REGULAMENTOS CAMPO SINGULARES 1 Linha de serviço longo de singulares ou linha de fundo 2 Linha lateral de singulares 4 Linha de serviço curto

Leia mais

REGRAS OFICIAIS (simplificadas) O CAMPO O MATERIAL OS JOGADORES O SORTEIO. O campo deve ser traçado como mostra o diagrama. O volante e a raqueta

REGRAS OFICIAIS (simplificadas) O CAMPO O MATERIAL OS JOGADORES O SORTEIO. O campo deve ser traçado como mostra o diagrama. O volante e a raqueta REGRAS OFICIAIS (simplificadas) O CAMPO O campo deve ser traçado como mostra o diagrama. O MATERIAL O volante e a raqueta OS JOGADORES O jogo pode ser disputado por dois jogadores de cada lado (pares Homens,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE Badminton FUNDÃO, MARÇO DE 2010 Professor Frederico Dias APRESENTAÇÃO / CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

A Abordagem do Badminton na Escola Núcleo de Estágio da Escola Básica de Leça da Palmeira. 11 de Janeiro de 2012

A Abordagem do Badminton na Escola Núcleo de Estágio da Escola Básica de Leça da Palmeira. 11 de Janeiro de 2012 A Abordagem do Badminton na Escola Núcleo de Estágio da Escola Básica de Leça da Palmeira 11 de Janeiro de 2012 Badminton e a História Badminton e a História! As origens do Badminton pensa-se que estão

Leia mais

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017

INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA ANTÓNIO ALEIXO INFORMAÇÃO DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ADAPTADA) 2017 Despacho normativo nº1-a/2017 de 10 de fevereiro DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Ano de Escolaridade:

Leia mais

352)(6625 5(1$72 2/,9(,5$ Documento da Modalidade BADMINTON ',6&,3/,1$ '( EDUCAÇÃO FÍSICA

352)(6625 5(1$72 2/,9(,5$ Documento da Modalidade BADMINTON ',6&,3/,1$ '( EDUCAÇÃO FÍSICA Documento da Modalidade BADMINTON EDUCAÇÃO FÍSICA COMPONENTE TÉCNICA 1. POSIÇÃO FUNDAMENTAL Esta posição, também denominada de posição básica, coloca o jogador numa posição de espera dinâmica que lhe permite

Leia mais

Escola Secundária de Alfredo dos Reis Silveira

Escola Secundária de Alfredo dos Reis Silveira Escola Secundária de Alfredo dos Reis Silveira UNIDADE DIDÁCTICA DE BADMINTON NÚCLEO DE ESTÁGIO 2001/2002 CRISTÓVÃO SILVA RUI VIEIRA ÍNDICE ÍNDICE... 1 INTRODUÇÃO... 2 NOTA METODOLÓGICA... 3 DEFINIÇÃO

Leia mais

7.1. História da Modalidade

7.1. História da Modalidade 7.1. História da Modalidade VII. Unidade Didáctica de Badminton Julga-se que o badminton surge do jogo da Poona, de origem indiana, trazido para a Europa pelos oficiais ingleses, por volta do ano de 1800.

Leia mais

Apoio Teórico de Badminton

Apoio Teórico de Badminton Apoio Teórico de Badminton Caracterização» O badminton é um jogo de raquetas onde se utiliza um volante e pode ser jogado individualmente jogo de singulares e em pares jogo de pares em que o objectivo

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO. 13 de fevereiro 2014 Cosme Berenguer

AÇÃO DE FORMAÇÃO. 13 de fevereiro 2014 Cosme Berenguer AÇÃO DE FORMAÇÃO 13 de fevereiro 2014 Cosme Berenguer CONTEÚDOS Badminton e a História Nas origens do Badminton pensa-se que estão ligadas três zonas distintas do mundo: Ásia, América Central e Europa,

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

Badminton. História. Regulamento da modalidade

Badminton. História. Regulamento da modalidade Badminton História As origens do Badminton deixam dúvidas nos historiadores, assim temos: China no ano 3500 a.c, Índia, na cidade de Poona, por volta do ano de 1800. Em 1862, o duque Beaufort organizou

Leia mais

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é

O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é Caracterização do O voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujo objectivo é enviar a bola por cima da rede, fazendo-a cair no campo adversário e evitando que ela caia no nosso

Leia mais

Gestos Técnicos do Voleibol

Gestos Técnicos do Voleibol Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD e Pedro Pires Nº10 11ºD Disciplina de Pratica de Actividade Física e Desportiva Data de entrega: 03/12/2014 Diogo

Leia mais

O Voleibol é um jogo desportivo colectivo, jogado num terreno de dezoito metros de comprimento por nove metros de largura (18x9m).

O Voleibol é um jogo desportivo colectivo, jogado num terreno de dezoito metros de comprimento por nove metros de largura (18x9m). I. O VOLEIBOL O Voleibol é um jogo desportivo colectivo, jogado num terreno de dezoito metros de comprimento por nove metros de largura (18x9m). O objectivo do jogo é enviar a bola por cima da rede, respeitando

Leia mais

TÉNIS DE PRAIA REGRAS

TÉNIS DE PRAIA REGRAS TÉNIS DE PRAIA REGRAS 1. O campo O campo será composto por um retângulo de 16 metros de comprimento e 8 metros de largura. Será dividido pela sua metade por uma rede sustentada por postes que, na sua parte

Leia mais

Pega da raquete Federação Portuguesa de Badminton

Pega da raquete Federação Portuguesa de Badminton Pega da raquete Federação Portuguesa de Badminton A PEGA DA RAQUETE A raquete deve-se segurar de forma a termos o máximo controle possível da sua face ou cabeça, e portanto permitir que o volante seja

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira FUTEBOL (DE 11)

Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira FUTEBOL (DE 11) Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Ano Letivo 2016/2017 FUTEBOL (DE 11) O QUE É O FUTEBOL? É um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas de 11 jogadores. O jogo é dirigido

Leia mais

Escrito por Andreza Viana de Oliveira Seg, 13 de Maio de :26 - Última atualização Seg, 27 de Maio de :12

Escrito por Andreza Viana de Oliveira Seg, 13 de Maio de :26 - Última atualização Seg, 27 de Maio de :12 Empunhadura ( forehand ) Em geral a raquete deve ser empunhada como se o jogador estivesse apertando a mão com ela. Isso pode não parecer natural, mas com paciência e prática se tornará um hábito. Empunhadura

Leia mais

Voleibol. Origem e Regras Origem

Voleibol. Origem e Regras Origem Origem e Regras Origem Originariamente designado por minonette, o jogo foi inventado em 1895, no estado de Massachusetts, EUA, por William G. Morgan, como resposta ao recém-criado basquetebol. Objetivo

Leia mais

Diapositivo 1. Diapositivo 2. Diapositivo 3. Leis do Jogo. 1. O Campo. 1. O Campo. Badminton. José de Vila Carvalho

Diapositivo 1. Diapositivo 2. Diapositivo 3. Leis do Jogo. 1. O Campo. 1. O Campo. Badminton. José de Vila Carvalho 1 Leis do Jogo Badminton José de Vila Carvalho 2 1. O Campo 3 1. O Campo 1.1 - O campo deverá ser um rectângulo e disposto como consta no diagrama A (excepto no caso previsto na Lei 1.5.) e com as medidas

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ténis (Regras) Conteúdos a abordar:

Ténis (Regras) Conteúdos a abordar: Ténis (Regras) Conteúdos a abordar: O campo Acessórios permanentes Bola e raquete Servidor e recebedor Escolha de lado e serviço Serviço Falta de pé Execução do serviço Falta no serviço Segundo serviço

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Bateria de Exercícios

Bateria de Exercícios Bateria de Exercícios 2010/2011 Índice 1. RELAÇÃO CORPOR/VOLANTE... 4 1.1 O volante pingo de chuva I :... 4 1.2 O volante pingo de chuva II... 4 2. RELAÇÃO COM O OUTRO/PERCEPÇÃO DAS TRAJECTÓRIAS... 4 2.1

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Prática 3º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado em Conselho Pedagógico de 06

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

Apresentação Modalidade versátil

Apresentação Modalidade versátil André Pessoa Dias Apresentação O SpeedMinton é encarado como uma fusão de ténis, badminton e squash: dimensões próximas do ténis; speeder próximo ao volante do badminton; raquete parecida com a raquete

Leia mais

Textos para leitura e exploração. 8º Ano Ensino Fundamental II

Textos para leitura e exploração. 8º Ano Ensino Fundamental II COMPONENTE CURRICULAR EDUCAÇÃO FÍSICA Textos para leitura e exploração Badminton 8º Ano Ensino Fundamental II Professor: Alexandre Damazio/Raisa Prado 2º Bimestre / 2016 INDICE Histórico ------------------------------------------------------3

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO Ano/Turma 7º/8º/9º Período N.º aulas previstas

Leia mais

Direção de Serviços do Desporto Escolar. Regulamento Específico Badminton

Direção de Serviços do Desporto Escolar. Regulamento Específico Badminton Direção de Serviços do Desporto Escolar Regulamento Específico Badminton Ano Lectivo 2012-2013 Índice 1. Concentrações... 3 2. Inscrições nas concentrações... 4 3. Ajuizamento de provas... 4 4. Material

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 9º Turma: A Nº Alunos: 21 Aula Nº: 11 e 12 Aula U.D. Nº: 7 e 8 de 10 Instalações: Pavilhão Data: 13-10-2009 Hora: 12h15min Duração: 75 minutos Unidade

Leia mais

Módulo 5 JDC : Voleibol

Módulo 5 JDC : Voleibol Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Práticas de Atividades Físicas e Desportivas Módulo 5 JDC : Voleibol Documento de Apoio Nº 1 Ano letivo 2014/2015 Docente: Alexandra Lopes Módulo

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! Voleibol! Caraterização Voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, separadas por uma

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Mário Santos Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 1 e 2 Aula U.D. Nº: 1 e 2 de 3 Instalações: Pavilhão Data: 13-04-2010 Hora: 10h20min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA

PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA PREVINA OU ELIMINE A BARRIGA OS EXERCÍCIOS ABDOMINAIS APRESENTADOS ABAIXO ESTÃO DIVIDIDOS DE ACORDOS COM SEU GRAU DE DIFICULDADE, ESTANDO CLASSIFICADOS COMO: EXERCÍCIOS LEVES EXERCÍCIOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Unidade didática do Andebol Objetivos gerais do Andebol

Unidade didática do Andebol Objetivos gerais do Andebol 126 Recursos do Professor Unidade didática do Andebol Objetivos gerais do Andebol Cooperar com os companheiros no alcance do objetivo do Andebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações solicitadas

Leia mais

CONTEÚDOS ANO DE ESCOLARIDADE 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º

CONTEÚDOS ANO DE ESCOLARIDADE 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º PROGRAMÁTICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2016-17 Capacidades Condicionais e Coordenativas Gerais Resistência Geral; Força Resistente; Força Rápida; Força Rápida; Velocidade de Reação Simples e Complexa; Velocidade

Leia mais

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa

LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa LANÇAMENTO DO PESO Técnica Rectilínea Sequência Completa PREPARATION GLIDE DELIVERY RECOVERY DESCRIÇÃO DAS VÁRIAS FASES A Técnica Rectilínea do Lançamento do Peso está dividida nas seguintes fases:,, e.

Leia mais

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? A equipa e o Campo O é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos são introduzir

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

Voleibol. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Voleibol. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE... 4 IDENTIFICAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

Andebol. Origem. Caraterização

Andebol. Origem. Caraterização Origem As origens do andebol, bem como a época em que começou a ser praticado, não são conhecidas com rigor. Pode considerar-se que o andebol, na variante de onze, é de origem alemã. Este jogo foi divulgado

Leia mais

modalidade Basquetebol

modalidade Basquetebol modalidade Basquetebol Documento de apoio às aulas de Educação Física Criado em: 2017/Maio/19 Atualizado em: 2017/Maio/19 ref: Documento_de_apoio_n10_Basquetebol Basquetebol "Em 1891, na cidade de Springfield,

Leia mais

Prof. Maick da Silveira Viana

Prof. Maick da Silveira Viana Regras do Handebol Prof. Maick da Silveira Viana REGRA 1 A quadra do jogo REGRA 2 - A duração da partida A partida de handebol consiste em dois tempos divididos por um intervalo de 10 minutos. A duração

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! O que é o Basquetebol? O Basquetebol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO Grupo Disciplinar de Educação Física JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente e realiza

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PLANIFICAÇÃO DO 10ºANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS ANO LETIVO

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PLANIFICAÇÃO DO 10ºANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS ANO LETIVO COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS AULAS PREVISTAS Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo dos Jogos Desportivos Coletivos, realizando com oportunidade e correção as ações técnico-táticas elementares

Leia mais

ANDEBOL. Nível Introdutório

ANDEBOL. Nível Introdutório Nível ANDEBOL Nível Não Com posse de bola: Desmarca-se, oferecendo linha de passe. Opta por passe, ou por drible em progressão para finalizar. Finaliza em remate em salto. Perde a posse de bola, assume

Leia mais

Regras do Voleibol. Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana

Regras do Voleibol. Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana Regras do Voleibol Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana Instalações e Equipamentos DIMENSÕES A quadra de jogo é um retângulo medindo 18m x 9m, circundada por uma zona livre de no mínimo 3m de largura em

Leia mais

1. Forma de Competição Concentração Torneio aberto Regras da competição individual... 3

1. Forma de Competição Concentração Torneio aberto Regras da competição individual... 3 Índice 1. Forma de Competição... 3 1.1 Concentração... 3 1.2 Torneio aberto... 3 1.3 Regras da competição individual... 3 2. Inscrições nas concentrações... 4 3. Participação de alunos federados nas competições

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO e 12º ANO JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS (11.º ano e 12.º ano) ACÇÕES PSICO-MOTORAS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 11 e 12 Aula U.D. Nº: 7 e 8 de 10 Instalações: Pavilhão Data: 13-10-2009 Hora: 10h15min Duração: 75 minutos Unidade Didáctica:

Leia mais

O que é Defesa Pessoal?

O que é Defesa Pessoal? DEFESA PESSOAL O que é Defesa Pessoal? Habilitação de tácticas e técnicas sistematizadas e acessíveis a qualquer pessoa pelo treino, dotando-a de mecanismos necessários e suficientes a parar qualquer acção

Leia mais

Lançamento Dardo e do Disco

Lançamento Dardo e do Disco Lançamento Dardo e do Disco Trabalho elaborado por: -Diana Isabel nº2 -Marina Gomes nº10 10ºD 2013/2014 Lançamento Do Dardo O que é? Lançamento de dardo é uma modalidade do atletismo na qual o atleta lança

Leia mais

Casa do Povo do Reguengo do Fetal. Regulamento. 3º Torneio de Ténis de Mesa. Casa do Povo de Reguengo do Fetal 2014

Casa do Povo do Reguengo do Fetal. Regulamento. 3º Torneio de Ténis de Mesa. Casa do Povo de Reguengo do Fetal 2014 Regulamento 3º Torneio de Ténis de Mesa Casa do Povo de Reguengo do Fetal 2014 Ténis de Mesa Secção de Desporto Página 1/5 ARTIGO PRIMEIRO (Estrutura e inscrições) 1. O presente Regulamento estrutura o

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-a/2017, de 10 de fevereiro

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-a/2017, de 10 de fevereiro INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-a/2017, de 10 de fevereiro Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA O presente

Leia mais

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Jogo 7x7 Jogo 5x5 FUTEBOL Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Recepção e controlo Enquadar ofensivamente

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 5º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/2017 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM 5.º Ano Ginástica

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO. NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS ANDEBOL I E A

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO. NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS ANDEBOL I E A EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO (I), ELEMENTAR (E) e AVANÇADO (A) JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS ANDEBOL GR+3 x 3+GR (meio-campo, marcação direta) 1. Circulação de bola

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação Planificação Anual Professor: Gonçalo Barradas Disciplina: Educação Física Ano: 5º Turma: A Ano letivo: 204-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação Cooperar com os companheiros

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL

UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE FUTSAL DOCUMENTO DE APOIO 7º ANO BREVE HISTÓRIA DA MODALIDADE O Futsal surge no final do século XX, na década de 90,

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL

UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE BASQUETEBOL DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE O basquetebol é um jogo desportivo colectivo, pr

Leia mais

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo

INSIDE OUT. Volley. Análise Técnica da Base ao Topo INSIDE OUT Análise Técnica da base ao topo 12 Volley INSIDE OUT Análise Técnica da Base ao Topo 1 O VOLLEY Aspectos abordados neste capítulo Volleys - Fase de Preparação 1. Pega Continental 2. Braço dominante

Leia mais

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE LEÇA DA PALMEIRA/STA. CRUZ DO BISPO Ano Letivo de 20012/2013 O que é o andebol? REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO O Andebol é um desporto coletivo inventado por um alemão, Karl

Leia mais

Regras e Condições de Participação Torneio Voleibol do Nordeste (4x4)

Regras e Condições de Participação Torneio Voleibol do Nordeste (4x4) Regras e Condições de Participação Torneio Voleibol do Nordeste (4x4) CAPÍTULO I Instalações e Materiais Terreno de jogo - O terreno de jogo estará devidamente sinalizado pela organização. 1) Linhas de

Leia mais

Futebol. Origem. Caraterização

Futebol. Origem. Caraterização Origem Foi na Grã-Bretanha, durante o Séc. XIX que as suas regras começaram a ser definidas e a aproximar-se das que hoje são praticadas. O primeiro regulamento data de 1823 e a primeira associação de

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO Caracterização da Modalidade O atletismo pode ser dividido em cinco sectores:

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física 9º ANO - 1º PERÍODO UNIDADE DIDÁTICA TESTES DE C.F. ATLETISMO GINÁSTICA SOLO Conteúdos -

Leia mais

Regulamento Olimpíadas Intergeracionais Viana do Castelo VIANA DO CASTELO 2017

Regulamento Olimpíadas Intergeracionais Viana do Castelo VIANA DO CASTELO 2017 VIANA DO CASTELO 2017 Preâmbulo A participação nos Jogos está organizada por comitivas concelhias. Cada comitiva é constituída por um delegado responsável pela comitiva, um responsável técnico e um mínimo

Leia mais

Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4)

Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4) Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4) CAPÍTULO I Instalações e Materiais Terreno de jogo - Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 metros de largura. 1) Linhas de marcação

Leia mais

Basquetebol. Objetivo O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto do adversário e evitar que a outra equipa marque pontos. Material.

Basquetebol. Objetivo O objetivo do jogo é introduzir a bola no cesto do adversário e evitar que a outra equipa marque pontos. Material. Origem e Regras Origem A descoberta do basquetebol, enquanto modalidade, teve lugar em Massachussets, em 1891. O seu inventor foi James Naismith, professor de anatomia da School for Christian Workers (hoje

Leia mais

Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO FÍSICA

Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO FÍSICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ MARIA DOS SANTOS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 26 2017 3º Ciclo do Ensino Básico 1. Objeto de avaliação A prova final tem como referência

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

Dafaction e 6 de Maio

Dafaction e 6 de Maio Regulamento Específico dos Jogos Tradicionais 1- GENERALIDADES A execução das atividades, elaboração do repetivo calendário competitivo, organização e administração dos jogos, é da responsabilidade da

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO Educação Física MODALIDADE Atletismo Grupo de Educação Física

DOCUMENTO DE APOIO Educação Física MODALIDADE Atletismo Grupo de Educação Física AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS DOCUMENTO DE APOIO Educação Física MODALIDADE Atletismo 1. DISCIPLINAS Podemos dividir as várias disciplinas em três grupos fundamentais: as corridas, os concursos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TÊNIS DE MESA

REGULAMENTO TÉCNICO TÊNIS DE MESA Art. 1º - As competições de Tênis de Mesa dos III JOIAPOF serão regidas pelas Regras Simplificadas de Tênis de Mesa em anexo, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral. Art. 2º -

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TÊNIS DE MESA

REGULAMENTO TÉCNICO TÊNIS DE MESA TÊNIS DE MESA Art. 1º - As competições de Tênis de Mesa dos XIII JOIDS serão regidas pelas Regras Simplificadas de Tênis de Mesa em anexo, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral.

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Prova 24 2º Ciclo/ 6º Ano de escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação. pequena organização. - Exercitação massiva e alternada

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação. pequena organização. - Exercitação massiva e alternada Planificação Anual Professor: Joaquim Costa Disciplina: Educação Física Ano: 6º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação Cooperar com os companheiros na

Leia mais

História APRESENTAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE KIN-BALL 2

História APRESENTAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE KIN-BALL 2 DOCUMENTO ORIENTADOR DE KIN-BALL 2 História APRESENTAÇÃO O desporto KIN-BALL foi criado no Quebec (Canadá), em 1986, por Mario Demers, bacharel em educação física. É um professor reconhecido e experiente

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LECTIVO 2011/2012 PARTICIPAÇÃO Todos os jogos das modalidades colectivas serão disputados

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ANDEBOL

UNIDADE DIDÁCTICA DE ANDEBOL ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE ANDEBOL DOCUMENTO DE APOIO 9º ANO BREVE HISTÓRIA DA MODALIDADE O Andebol era já um jogo bastante difundido na Alemanha

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Atletismo. Educação Física - 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Atletismo. Educação Física - 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física - 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 1-HISTÓRIA DO ATLETISMO... 4 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais