Experimento 2: SÍNTESE DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experimento 2: SÍNTESE DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO"

Transcrição

1 Universidade Federal do Paraná Departamento de Química Disciplina: Química Inorgânica e Experimental CQ071 Curso: Licenciatura e Bacharelado em Química Professor: Shirley Nakagaki Experimento 2: SÍNTESE DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO I) Objetivos: Preparar alguns complexos cujas propriedades possam ilustrar aspectos importantes da química de coordenação. Discutir alguns métodos usuais de preparação desses compostos. II) Introdução: Com este tipo de experiência pode-se ilustrar aspectos importantes da Química de Compostos de Coordenação, como nomenclatura, estruturas e geometrias, em função do número de coordenação, diferentes tipos de isomeria, especialmente geométrica e óptica, atividade óptica e métodos de resolução de isômeros, formação de complexos em solução, estabilidade cinética, e termodinâmica. Alguns compostos serão preparados e, posteriormente, algumas de suas propriedades serão verificadas, visando a caracterização desses compostos. III) Materiais: Reagentes sólidos: KMnO 4, K 2 CO 3, CoSO 4. 7H 2 O, Ácido oxálico (H 2 C 2 O 4 ), K 2 Cr 2 O 7, K 2 C 2 O 4,Sal de cozinha. Soluções: KI (2%), Solução de amido, H 2 SO 4 (2,00 mol/l), CaCl 2 (2,00 mol/l), EDTA ( 0,10 mol/l), AgNO 3 (0,100 mol/l), Hg(NO 3 ) 2 e/ ou Hg(ClO 4 ) 2 (0,100 mol/l) Reagentes líquidos: Álcool etílico para lavagem (gelado e à T ambiente ), Acetona, Etilenodiamina, Água oxigenada (30%), HCl conc., Álcool etílico gelado. Vidrarias e outros: Gelo, Água destilada (gelada e à T ambiente ), 2 Cápsulas de porcelana, Bico de Bunsen, Cristalizador, 2 Funis de placa porosa, Kitasato, 2 bacias, Dessecador, 5 Tubos de ensaio, Suporte para tubos de ensaio, 2 Béqueres (250 ml) 17

2 IV) Relatório a ser entregue: Após efetuar cuidadosamente o experimento você deverá preparar um relatório a ser entregue. O relatório deve ser preparado conforme instruções de preparação de relatório. Nele deve conter além das partes do relatório colocadas nas instruções de preparação : 1- Equação da reação para cada item. 2- Explique os fenômenos observados. Dê explicações adequadas que justifiquem os resultados observados. 3- Dê o nome de todos os compostos sintetizados neste experimento (inclusive os intermediários) e suas cores. 4- Desenhe a estrutura de cada composto sintetizado. 5- Identifique os compostos que têm isomeria (geométrica? óptica?). 6- Dê a equação química molecular ou iônica total de todas as sínteses realizadas. 7- Calcule (mostre os cálculos) a massa de produto esperada para 100% de rendimento e então calcule o rendimento real do seu experimento. Responda o questionário no relatório: Questões da parte A-a): - para que se coloca o peróxido de hidrogênio? - por que o peróxido de hidrogênio se decompõe? Como se chama esta reação de decomposição? - Que tipo de ácido é o ácido clorídrico? O que você pode dizer sobre ele além do óbvio? Questões da parte A-b): - Por que será que é tão fácil obter o isômero cis a partir do trans? - Por que no caso dos íons Ag + há deslocamento de íons cloreto que são contra-íons e no caso do Hg 2+ ele desloca os cloretos da esfera de coordenação? Questões da parte B: - Por que ocorre forte efervescência ao se adicionar o dicromato de potássio? - Qual é o papel do ácido oxálico nesta reação? Questões da parte C: - No que os compostos obtidos em B e C são semelhantes? E diferentes? V) Parte experimental: Enquanto espera alguma etapa, faça a equação da reação e ao final calcule o rendimento. Pense a respeito das questões colocadas em cada etapa e tente respondê-las. Discuta com seus colegas e com o professor. 18

3 A - Preparação do cloreto de diclorobis (etilenodiamin)cobalto(iii) - [CoCl 2 (en) 2 ]Cl a) Isômero trans: Em uma cápsula de porcelana, misture 7,0 g de sulfato de cobalto hepta-hidratado com 25,0 ml de água destilada. Adicione a seguir, na cápsula, 3,0 ml de etilenodiamina. Agite até dissolver todo o sólido. Adicione à solução acastanhada, 4,5 ml de água oxigenada 30% em porções de 1 ml, numa faixa de tempo de 10 minutos (CUIDADO! - a água oxigenada a 30% é extremamente corrosiva). Agite suavemente após cada adição. Uma agitação muito forte poderá facilitar a decomposição da água oxigenada, antes que seja utilizada na reação. Após adicionar todo o peróxido de hidrogênio, deixe em repouso por 10 min e depois aqueça em banho-maria até a efervescência cessar. Adicione 15 ml de ácido clorídrico concentrado. (CUIDADO! - O ácido clorídrico conc. é volátil e tóxico, devendo ser manipulado na capela). Mantenha a solução em banho-maria até que o volume se reduza a 1/3 do original. Note a formação de uma crosta na superfície. Continue o aquecimento por mais 10 min e depois resfrie a cápsula em um banho de água e a seguir em um banho de gelo. Separe, por filtração em funil de placa porosa, os cristais verdes formados. Lave com alguns ml de HCl conc., a frio e depois com 10 ml de álcool etílico gelado e seque ao ar com o auxílio de uma trompa de água. Guarde em dissecador.. b) Isômero cis Em uma cápsula de porcelana, dissolva um pouco (massa conhecida) da forma trans (obtida na parte a) numa quantidade mínima de água destilada e evapore em banho-maria até quase secura. Adicione novamente outra porção de água e evapore até a formação de uma solução viscosa. Resfrie a cápsula em banho de água e a seguir em banho de gelo. Filtre a mistura pastosa utilizando um funil de placa porosa e lave o sólido com uma quantidade mínima de água destilada gelada (apenas o suficiente para umedecer) e depois com álcool etílico gelado. Caso não seja possível filtrar, faça somente os testes com o composto pastoso mesmo.seque ao ar o solido violeta obtido. Faça a equação da reação e calcule o rendimento. Propriedades dos isômeros cis e trans 1- Adicionar um pouco de água e algumas gotas de AgNO 3 a cada isômero contido em um tubo de ensaio. Observe. 2- Adicione, num tubo de ensaio contendo uma solução do trans-co(en) 2 Cl 2 +, algumas gotas de nitrato ou perclorato de mercúrio (II) e compare com um branco contendo apenas o complexo nas mesmas condições. 3- Em um tubo de ensaio, dissolva em metanol uma pequena quantidade do isômero cis do complexo sintetizado e aqueça em banho de água durante alguns minutos. Observe. B - Preparação do trioxalocromato(iii) de potássio - {K 3 [Cr(C 2 O 4 ) 3 ]}. 3 H 2 O 19

4 Adicione 9 g de ácido oxálico a 20 ml de água na temperatura de cerca de 70 C. Agite bem até dissolver e adicione então, em pequenas porções, 3 g de dicromato de potássio. Se o dicromato estiver impuro, dissolva-o antes num mínimo de água quente e filtre a quente. Junte então o filtrado à solução da reação. Ao adicionar o dicromato ocorre forte efervescência. Após a reação (efervescência) ter se processado, ferva a solução resultante por 10 min. Adicione, então, 3,6g de oxalato de potássio. Deixe até que este se dissolva e depois resfrie a mistura à temperatura ambiente. Adicione depois 3 a 4 ml de etanol e continue o resfriamento em banho de gelo. Cristais azuis esverdeados se separarão da solução bem escura. Um pequeno volume adicional de álcool pode ser adicionado se houver dificuldade em iniciar a cristalização. Após 15 min, em banho de gelo, filtre os cristais em funil de placa porosa e lave com pequeno volume da mistura água-etanol (1:1) e finalmente com etanol puro e gelado. Faça a equação da reação e calcule o rendimento. Propriedades: 1- Ferva uma pequena quantidade do produto obtido com solução de NaOH. Identifique a solução e o sólido formado. 2- Os cristais do composto, quando bem formados, apresentam-se como prismas azuis monoclínicos e são fortemente dicróicos - sua solução aquosa parece azul esverdeada à luz solar difusa, mas se apresenta vermelho sob luz artificial. C - Preparação do tri-oxalato manganato(iii) de potássio - {K 3 [Mn(C 2 O 4 ) 3 ]}.3H 2 O Dissolva 10,5 g de ácido oxálico em 75 ml de água, num béquer de 250 ml. Aqueça a solução a C e adicione lentamente 2,1 g de permanganato de potássio. Quando a solução estiver incolor, adicione 2,3g de carbonato de potássio. Pode haver formação de um precipitado branco. Resfrie a solução a ~4 C, em banho de gelo e sal e adicione 50mL de água. Mantenha a temperatura entre 2 C e adicione 0,5g de permanganato de potássio, em pequenas porções. Filtre a solução em funil de placa sinterizada. Transfira o filtrado para um béquer de 250mL e resfrie em banho de gelo. Adicione 75 ml de etanol gelado e mantenha a solução resfriada e no escuro por duas horas. Filtre por sucção em funil de placa porosa, lavando o precipitado com etanol gelado e depois com acetona. Deixe secar por algum tempo no filtro. Guarde o produto obtido ao abrigo da luz. Faça a equação da reação e calcule o rendimento. Propriedades: 1- A 2 ml de uma solução a 1% do produto, adicione 2 ml de solução de KI 2%. Anote qualquer variação de cor. Adicione depois uma gota de solução de amido. 2- A 2 ml de uma solução a 1% do produto adicione algumas gotas de ácido sulfúrico 2,00 mol/l. Aqueça ligeiramente. 3- A 2 ml de uma solução a 1% do produto junte várias gotas de solução de CaCl 2-2,00 mol/l. Adicione 1 ml de solução de EDTA 0,10 mol/l e observe. VI) Referências Bibliográficas: 20

5 1- PEQ, Experiência em química, EDUSP-Editora Moderna, 1979, p F. Basolo e G.R. Pearson, Mechanism of inorganic reaction, John Wiley, NY, Técnica y síntese em química inorgânica, R.J.Angelici, Ed. Reverté, Inorganic Chemistry- Principles of structure and reactivity, J.E.Huheey, Harper e Row,

Síntese e Caracterização do

Síntese e Caracterização do Síntese e Caracterização do trans-[cocl2(en)2]cl.2h2o Objetivos Ilustrar a preparação de isômeros geométricos do diclorobis(etilenodiamina)cobalto(iii) e verificar experimentalmente algumas de suas propriedades

Leia mais

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax.

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax. PRÁTICA 3 GRUPO 13 Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Fabio da Silva Miranda Revisado: 04/05/2017 1. Introdução O presente procedimento experimental pretende abordar alguns aspectos

Leia mais

32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code. 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático

32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code. 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático 32 nd IChO Laboratory Task 1 Student Code 32nd International Chemistry Olympiad Copenhagen, Terça-feira, 4 Julho 2000 Exame Prático Problema 1 30 Pontos Este experimento inclui uma preparação de um sal

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

3016 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4

3016 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4 6 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4 CH -(CH ) OH (CH ) -COOH KMnO 4 /KOH HOOC-(CH ) -COOH C H 4 O (.) KMnO 4 KOH (.) (6.) C H 6 O 4 (.) Classificação

Leia mais

CQ136 Química Experimental I. Água Dura e Halogênios - Diagrama de Latimer

CQ136 Química Experimental I. Água Dura e Halogênios - Diagrama de Latimer 1 CQ136 Química Experimental I Água Dura e Halogênios - Diagrama de Latimer Introdução: Os elementos do grupo 2 são tipicamente metálicos, porém menos reativos que os metais alcalinos. Magnésio é um elemento

Leia mais

Prática 02. Síntese do Cloreto de tert-butila. HCl

Prática 02. Síntese do Cloreto de tert-butila. HCl Prática 02 Síntese do Cloreto de tert-butila CH3OH HCl CH3Cl Objetivos Didáticos: 1) Desenvolver os conceitos de reações de substituição nucleofílica. 2) Discutir o mecanismo, mostrando a diferença entre

Leia mais

Prática 06 Síntese do Ácido Acetilsalicílico (AAS) O COOH + INTRODUÇÃO

Prática 06 Síntese do Ácido Acetilsalicílico (AAS) O COOH + INTRODUÇÃO Prática 06 Síntese do Ácido Acetilsalicílico (AAS) H CH H 2 S 4 CH H bjetivos Didáticos: 1) Desenvolver os conceitos de reações de esterificação. 2) Discutir o mecanismo. INTDUÇÃ s ésteres mais simples

Leia mais

GRUPO 16 OXIGÊNIO, ENXOFRE E SEUS COMPOSTOS. Laboratório de Química dos Elementos QUI

GRUPO 16 OXIGÊNIO, ENXOFRE E SEUS COMPOSTOS. Laboratório de Química dos Elementos QUI GRUPO 16 OXIGÊNIO, ENXOFRE E SEUS COMPOSTOS O oxigênio é o elemento mais abundante na superfície da Terra, como elemento livre ele constitui cerca de 23% da atmosfera, em massa, e 46% da litosfera, e mais

Leia mais

EXP 8. Síntese e Determinação da Composição do Oxalato de Cobalto Hidratado

EXP 8. Síntese e Determinação da Composição do Oxalato de Cobalto Hidratado EXP 8. Síntese e Determinação da Composição do Oxalato de Cobalto Hidratado TAREFA PRÉ-LABORATÓRIO Leia com atenção o procedimento experimental Resolva os exercícios pré-laboratório que estão no final

Leia mais

XVIII MARATONA CEARENSE DE QUÍMICA. 8 O Ano. Experiência. Recicláveis Desunidos

XVIII MARATONA CEARENSE DE QUÍMICA. 8 O Ano. Experiência. Recicláveis Desunidos 8 O Ano Experiência Recicláveis Desunidos Material: 1. Frasco de vidro com tampa 2. 100mL de Água destilada 3. 100mL de Álcool isopropílico 4.Anéis de plástico de tampas de refrigerantes de cores variadas

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA

QUÍMICA FARMACÊUTICA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA ROTEIRO PARA S PRÁTICAS DISCIPLINA: QUÍMICA FARMACÊUTICA Título da Aula: Determinação do coeficiente de partição óleo-água (P) do ácido benzóico 1 Demonstrar

Leia mais

AULA PRÁTICA N 15: DETERMINAÇÃO DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO NA ÁGUA OXIGENADA Volumetria de oxirredução permanganimetria volumetria direta

AULA PRÁTICA N 15: DETERMINAÇÃO DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO NA ÁGUA OXIGENADA Volumetria de oxirredução permanganimetria volumetria direta 3 AULA PRÁTICA N 15: DETERMINAÇÃO DE PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO NA ÁGUA OXIGENADA Volumetria de oxirredução permanganimetria volumetria direta REAGENTES: Solução de permanganato de potássio 0,02 mol L -1,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Departamento de Ciências Básicas e Sociais - DCBS Disciplina Química Experimental QEX Prof. Sivaldo Leite Correia EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Laboratórios Integrados 2

Laboratórios Integrados 2 Laboratórios Integrados 2 Semestre de Inverno 2012/2013 ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA QUÍMICA Ana Catarina Sousa Elisabete Alegria Luísa Martins Maria

Leia mais

XX MARATONA CEARENSE DE QUÍMICA

XX MARATONA CEARENSE DE QUÍMICA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUÍMICA - REGIONAL DO CEARÁ Rua Floriano Peixoto, 2020 - Bairro: José Bonifácio 60.025-131 Fortaleza CE Fone/FAX: (85) 3226.4958 R 34 - e-mail: abqce@ufc.br XX MARATONA CEARENSE

Leia mais

Figura 1: Ilustração do processo de dissolução do NaCl em água.

Figura 1: Ilustração do processo de dissolução do NaCl em água. Solubilidade 1. Introdução Na maioria das reações químicas, os reagentes e produtos são usados e obtidos na forma de misturas homogêneas, chamadas de solução. Uma solução contém uma quantidade relativamente

Leia mais

Disciplina: ACH4064 Linguagem Química e Reações Químicas 2. Roteiro de Aula Prática. TEMA: Equilíbrio Químico e Cinética

Disciplina: ACH4064 Linguagem Química e Reações Químicas 2. Roteiro de Aula Prática. TEMA: Equilíbrio Químico e Cinética Disciplina: ACH4064 Linguagem Química e Reações Químicas 2 Roteiro de Aula Prática TEMA: Equilíbrio Químico e Cinética INTRODUÇÃO Todos os processos químicos em sistemas fechados tendem a um estado de

Leia mais

SUBSTÂNCIAS E MISTURAS

SUBSTÂNCIAS E MISTURAS Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Departamento de Físico-Química SUBSTÂNCIAS E MISTURAS Prof. Dr. Edson Antonio Ticianelli edsont@iqsc.usp.br Monitor: Dr. Wanderson Oliveira

Leia mais

AULA PRÁTICA 05 Solubilidade: Misturas homogêneas e heterogêneas

AULA PRÁTICA 05 Solubilidade: Misturas homogêneas e heterogêneas UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA PRÁTICAS DE QUÍMICA GERAL QB71J ROTEIRO DE AULA PRÁTICA AULA PRÁTICA 05 Solubilidade: Misturas homogêneas e heterogêneas

Leia mais

PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios)

PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios) PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios) Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Dr. Fabio da Silva Miranda Revisores: Prof. Dra. Maria Domingues Vargas, Bsc. Eloisa Borges e Borges Última

Leia mais

CQ136 Química Experimental I. Grupos 1, 2 e 17

CQ136 Química Experimental I. Grupos 1, 2 e 17 1 CQ136 Química Experimental I Grupos 1, 2 e 17 Introdução: Os elementos do Grupo 1 possuem uma química bastante homogênea, mostrando de modo bem claro os efeitos do tamanho crescente dos átomos em suas

Leia mais

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA 1. Objetivos Após a realização desta aula experimental, espera-se que o graduando do curso de Química

Leia mais

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS. Síntese II (Alaranjado II) Benzeno Nitrobenzeno Anilina Ácido Sulfanilico Alaranjado II

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS. Síntese II (Alaranjado II) Benzeno Nitrobenzeno Anilina Ácido Sulfanilico Alaranjado II CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Síntese II (Alaranjado II) Benzeno Nitrobenzeno Anilina Ácido Sulfanilico Alaranjado II 1- OBTENÇÃO DO NITROBENZENO Reagentes: -Ácido nítrico

Leia mais

Experimento 03: Cinética Química

Experimento 03: Cinética Química Experimento 03: Cinética Química 1 OBJETIVO - Verificar alguns fatores que influenciam na velocidade das reações químicas: temperatura, superfície de contato e efeito do catalisador. 2 INTRODUÇÃO A cinética

Leia mais

Experimento 3A: A QUÍMICA DOS COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO E A ESPECTROSCOPIA

Experimento 3A: A QUÍMICA DOS COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO E A ESPECTROSCOPIA Universidade Federal do Paraná Departamento de Química Disciplina: Química Inorgânica e Experimental CQ071 Curso: Licenciatura e Bacharelado em Química Professor: Shirley Nakagaki Experimento 3A: A QUÍMICA

Leia mais

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Síntese I ( p-red) Nitrobenzeno Anilina Acetanilida p-nitro Acetanilida p-nitro Anilina p-red 1- OBTENÇÃO DA ANILINA -Estanho -Àcido clorídrico

Leia mais

Teste de Laboratórios de Química I e soluções

Teste de Laboratórios de Química I e soluções É OBRIGATÓRIO IDENTIFICAR TODAS AS FOLHAS DE EXAME AS FOLHAS NÃO IDENTIFICADAS SÃO ANULADAS Teste de Laboratórios de Química I e soluções 4 de Janeiro de 2013 Duração: 1h 30m Mestrado Integrado em Engenharia

Leia mais

CQ136 Química Experimental I. Técnicas de purificação e critérios de pureza

CQ136 Química Experimental I. Técnicas de purificação e critérios de pureza CQ136 Química Experimental I Técnicas de purificação e critérios de pureza Introdução Fundamentalmente em todos os métodos de purificação utiliza-se uma propriedade onde os componentes da mistura se comportam

Leia mais

TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS

TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS Tipos de Reações químicas 1 TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS Introdução Várias reações da química inorgânica podem ser classificadas em uma das quatro categorias: combinação, decomposição, deslocamento simples

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA - PROVAS RECOMENDADAS PARA A IDENTIFICAÇÃO DOS ÍONS SÓDIO, POTÁSSIO E AMÔNIO. USAR SAIS DE CLORETO OU NITRATO!!!!

QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA - PROVAS RECOMENDADAS PARA A IDENTIFICAÇÃO DOS ÍONS SÓDIO, POTÁSSIO E AMÔNIO. USAR SAIS DE CLORETO OU NITRATO!!!! QUÍMICA ANALÍTICA QUALITATIVA PROVAS RECOMENDADAS PARA A IDENTIFICAÇÃO DOS ÍONS SÓDIO, POTÁSSIO E AMÔNIO. USAR SAIS DE CLORETO OU NITRATO!!!! Sódio (amostra sólida): a) Coloração da chama. Esta prova é

Leia mais

RECRISTALIZAÇÃO. Princípio: Dissolver a substância em um solvente a quente e deixar a solução esfriar lentamente. Cristalização versus Precipitação

RECRISTALIZAÇÃO. Princípio: Dissolver a substância em um solvente a quente e deixar a solução esfriar lentamente. Cristalização versus Precipitação RECRISTALIZAÇÃO Método de purificação de substâncias sólidas Princípio: Dissolver a substância em um solvente a quente e deixar a solução esfriar lentamente. Cristalização versus Precipitação lento / seletivo

Leia mais

Aula 11 AULA PRÁTICA: DETERMINAÇÃO DA ENERGIA DE ESTABILIZAÇÃO DO CAMPO CRISTALINO

Aula 11 AULA PRÁTICA: DETERMINAÇÃO DA ENERGIA DE ESTABILIZAÇÃO DO CAMPO CRISTALINO Aula 11 AULA PRÁTICA: DETERMINAÇÃO DA ENERGIA DE ESTABILIZAÇÃO DO CAMPO CRISTALINO META Colocar em ordem decrescente de 10 Dq (força do campo) os ligantes L = H 2 O, NH 3, etilenodiamina (EN), edta e Br-;

Leia mais

Disciplina: Práticas de Química Orgânica. Materiais e Reagentes

Disciplina: Práticas de Química Orgânica. Materiais e Reagentes Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus de Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Química e Biologia Prática n o 08 _ Síntese e purificação da

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

CQ136 Química Experimental I

CQ136 Química Experimental I CQ136 Química Experimental I DIAGRAMAS DE POURBAIX, LATIMER, E FROST Introdução O poder oxidante ou redutor pode ser muitas vezes previsto pelos valores tabelados de potencial padrão (E 0 ), porém somente

Leia mais

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

CQ136 Química Experimental I. Carbono, Silício e seus compostos

CQ136 Química Experimental I. Carbono, Silício e seus compostos CQ136 Química Experimental I Carbono, lício e seus compostos Introdução Nanomateriais à base de grafeno têm recebido muita atenção nos últimos anos. Grafeno é uma monocamada de átomos de carbono em hibridização

Leia mais

META Apresentar metodologias de síntese de compostos de coordenação. analisar algumas características dos compostos de coordenação preparados.

META Apresentar metodologias de síntese de compostos de coordenação. analisar algumas características dos compostos de coordenação preparados. SÍNTESE DE COMPLEXOS DE NÍQUEL, COBRE E COBALTO. Aula 5 META Apresentar metodologias de síntese de compostos de coordenação. analisar algumas características dos compostos de coordenação preparados. OBJETIVOS

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE

EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE EXPERIÊNCIA 5 SOLUBILIDADE 1. OBJETIVOS No final desta experiência, espera-se que o aluno seja capaz de: Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. Utilizar técnicas simples de extração,

Leia mais

1017 Acoplamento Azo do cloreto de benzenodiazônio com 2- naftol, originando 1-fenilazo-2-naftol

1017 Acoplamento Azo do cloreto de benzenodiazônio com 2- naftol, originando 1-fenilazo-2-naftol OP 1017 Acoplamento Azo do cloreto de benzenodiazônio com 2- naftol, originando 1-fenilazo-2-naftol H 3 Cl Cl ao 2 C 6 H 8 Cl (129.6) (69.0) C 6 H 5 Cl 2 (140.6) OH + Cl OH C 10 H 8 O (144.2) C 6 H 5 Cl

Leia mais

XVI Maratona Cearense de Química º Ano. Experiência 1

XVI Maratona Cearense de Química º Ano. Experiência 1 - 2013 8º Ano Experiência 1 Material: 1. Erlenmeyer 500mL com tampa 2. Cinco béqueres de 150 ml 3. 100 ml de mel (Karo) 4. 100 ml de glicerina 5. 100 ml de água com corante 6. 100 ml de óleo de cozinha

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

3033 Síntese do ácido acetilenodicarboxílico a partir de ácido meso dibromosuccínico

3033 Síntese do ácido acetilenodicarboxílico a partir de ácido meso dibromosuccínico 3033 Síntese do ácido acetilenodicarboxílico a partir de ácido meso dibromosuccínico HOOC H Br Br H COOH KOH HOOC COOH C 4 H 4 Br 2 O 4 C 4 H 2 O 4 (275.9) (56.1) (114.1) Classificação Tipos de reação

Leia mais

QUÍMICA INORGÂNICA EXPERIMENTAL I 2017 Experimento 6 Preparação e Propriedades de óxidos de Enxofre e formas alotrópicas de Enxofre

QUÍMICA INORGÂNICA EXPERIMENTAL I 2017 Experimento 6 Preparação e Propriedades de óxidos de Enxofre e formas alotrópicas de Enxofre 1 QUÍMICA INORGÂNICA EXPERIMENTAL I 2017 Experimento 6 Preparação e Propriedades de óxidos de Enxofre e formas alotrópicas de Enxofre 1. Objetivos: Obter o dióxido de enxofre e estudar algumas de suas

Leia mais

Tratamento e descarte de Resíduos Químicos dos laboratórios da Unipampa Itaqui

Tratamento e descarte de Resíduos Químicos dos laboratórios da Unipampa Itaqui Unipampa 1 OBJETIVO Fornecer informações acerca do armazenamento, tratamento e descarte final dos resíduos químicos gerados nas fontes gerados do campus. 2 APLICAÇÃO Procedimento operacional de estocagem

Leia mais

Aula 8 AULA PRÁTICA: SÍNTESE DE COMPLEXOS DE NÍQUEL, COBRE E COBALTO. Anne Souza. META Apresentar metodologias de síntese de compostos de coordenação

Aula 8 AULA PRÁTICA: SÍNTESE DE COMPLEXOS DE NÍQUEL, COBRE E COBALTO. Anne Souza. META Apresentar metodologias de síntese de compostos de coordenação Aula 8 AULA PRÁTICA: SÍNTESE DE COMPLEXOS DE NÍQUEL, COBRE E COBALTO META Apresentar metodologias de síntese de compostos de coordenação OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Saber alguns métodos

Leia mais

RELATÓRIO DE EXPERIMENTO Equilíbrio químico

RELATÓRIO DE EXPERIMENTO Equilíbrio químico UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL PROFESSORA: FERNANDA SANTOS CARVALHO DOS ANJOS RELATÓRIO DE EXPERIMENTO Equilíbrio químico Aluno:

Leia mais

3003 Síntese de 2-cloro-ciclohexanol a partir de ciclohexeno

3003 Síntese de 2-cloro-ciclohexanol a partir de ciclohexeno 3003 Síntese de 2-cloro-ciclohexanol a partir de ciclohexeno _ + SO 2 NCl Na OH H 2 SO 4 + x 3 H 2 O + Cl CH 3 SO 2 NH 2 CH 3 C 6 H 10 (82.2) C 7 H 13 ClNNaO 5 S (281.7) (98.1) C 6 H 11 ClO (134.6) C 7

Leia mais

Química Inorgânica Experimental I 2017

Química Inorgânica Experimental I 2017 Química Inorgânica Experimental I 2017 Experiência n o 03: Preparação de Cloreto de Cobre(I) A) OBJETIVOS: Preparação de Cloreto de Cobre(I) pela redução de íons Cu(II) com íons Sulfito na presença de

Leia mais

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína 57 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína CH H H + 2 + 2 H 2 H C 8 H 4 3 C 6 H 6 2 C 2 H 12 5 (148.1) (11.1) (332.3) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES. Eliana Midori Sussuchi Danilo Oliveira Santos. META Obter halogênios e avaliar suas propriedades

Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES. Eliana Midori Sussuchi Danilo Oliveira Santos. META Obter halogênios e avaliar suas propriedades Aula 9 OBTENÇÃO DOS HALOGÊNIOS E SUAS PROPRIEDADES META Obter halogênios e avaliar suas propriedades OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Obter cloro por decomposição do cloreto de hidrogênio;

Leia mais

Recristalização da Acetanilida

Recristalização da Acetanilida Recristalização da Acetanilida Grupo 2 Maísa Sanchez Gomes Mariana Cutigi Recristalização Método para purificar sólidos ou para separar compostos que são solúveis à quente e insolúveis, ou pouco solúveis,

Leia mais

Experiência 04 - Solubilidade

Experiência 04 - Solubilidade Experiência 04 - Solubilidade 01. OBJETIVOS: No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. Utilizar técnicas simples de extração, recristalização

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Soluções básicas servem para a dissolução de gorduras sólidas que obstruem tubulações das cozinhas. O hidróxido de sódio é um exemplo, pois reage com gorduras e gera produtos solúveis. Qual a massa

Leia mais

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE

Experiência 02 - SOLUBILIDADE SOLUBILIDADE 1. Objetivos SOLUBILIDADE No final dessa experiência, o aluno deverá ser capaz de: - Identificar algumas variáveis que afetam a solubilidade. - Utilizar técnicas simples de separação de misturas. 2. Introdução

Leia mais

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas

Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Química Analítica I Tratamento dos dados analíticos Soluções analíticas Profª Simone Noremberg Kunz 2 Mol Medidas em química analítica É a quantidade de uma espécie química que contém 6,02x10 23 partículas

Leia mais

s e õ ç lu o S a ic ím u Q G A. P 1

s e õ ç lu o S a ic ím u Q G A. P 1 1. 2. Uma solução comercial de soro fisiológico tem concentração de NaCl de 0,9% (massa/volume). Soluções com essa concentração podem ser consideradas como tendo densidade unitária. a) expresse essa concentração

Leia mais

A reação química para obtenção de cloreto de sódio (NaCl) a partir do ácido clorídrico (HCl) e bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ) é a seguinte:

A reação química para obtenção de cloreto de sódio (NaCl) a partir do ácido clorídrico (HCl) e bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ) é a seguinte: 1. Introdução Obtenção do NaCl A palavra estequiometria (do grego: stoicheion, elemento; e metron, medida) foi introduzida na Química em 1732, por Jeremias Richter, como um nome para a ciência das medidas

Leia mais

Experiência N º11. Recristalização e determinação da pureza de sólidos

Experiência N º11. Recristalização e determinação da pureza de sólidos 1 QMC 5119 II Semestre de 2014 Experiência N º11 Recristalização e determinação da pureza de sólidos 1. Introdução O método mais utilizado para a purificação de sólidos é a recristalização. Nesse método,

Leia mais

Aula 4 AULA PRÁTICA: REAÇÕES ENVOLVENDO COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO. Anne Souza

Aula 4 AULA PRÁTICA: REAÇÕES ENVOLVENDO COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO. Anne Souza Aula 4 AULA PRÁTICA: REAÇÕES ENVOLVENDO COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO META Apresentar algumas reações envolvendo compostos de coordenação. aplicar a notação e nomenclatura dos compostos de coordenação. OBJETIVOS

Leia mais

GRUPO 15 NITROGÊNIO E SEUS COMPOSTOS

GRUPO 15 NITROGÊNIO E SEUS COMPOSTOS GRUPO 15 NITROGÊNIO E SEUS COMPOSTOS O nitrogênio é um gás, sendo o principal componente da nossa atmosfera com cerca de 78% em massa do ar atmosférico. O elemento é também dotado de uma alta energia de

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S.

Química Geral Experimental II. Experimento Nº2. Fatores que Favorecem uma Reação Química. Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Química Geral Experimental II Experimento Nº2 Fatores que Favorecem uma Reação Química Profª Maria da Rosa Capri Orientado: João Vitor S. Fogaça Este material pode ser utilizado exclusivamente para fins

Leia mais

Preparação do cloreto de t-butila. Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini

Preparação do cloreto de t-butila. Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini Preparação do cloreto de t-butila Carina de Freitas Vellosa Daiane Cristina Romanini Técnicas e Materiais Utilizados Funil de separação: serve para extrair duas soluções imiscíveis. A fase orgânica pode

Leia mais

3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas)

3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas) 3 - Reciclagem de poli(tereftalato de etileno), PET, e reutilização do ácido tereftálico (3 aulas) Pretende-se reciclar PET, recuperar o ácido tereftálico correspondente, e usá-lo para sintetizar tereftalato

Leia mais

SÍNTESE DO 1-BROMOBUTANO Procedimento experimental a microescala (adaptado de Williamson, Minard & Masters 1 )

SÍNTESE DO 1-BROMOBUTANO Procedimento experimental a microescala (adaptado de Williamson, Minard & Masters 1 ) SÍNTESE DO 1-BROMOBUTANO Procedimento experimental a microescala (adaptado de Williamson, Minard & Masters 1 ) Introdução O 1-bromobutano é um halogeneto alquílico primário (alquilo primário) e, por isso,

Leia mais

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 )

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO FATOR DA SOLUÇÃO DE AZUL DE METILENO POR TITULAÇÃO COM SOLUÇÃO DE CLORETO TITANOSO (TiCl 3 ) Padronização Folha : 1 de 6 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Aparelhagem 4_ Procedimento 1_ OBJETIVO 1.1_ Esta recomendação prescreve o método de fatoração da solução de azul de metileno utilizada

Leia mais

30/03/2017 Química Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE

30/03/2017 Química Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE 1. Objetivos Aprender a preparar soluções usando balão volumétrico Reconhecer soluções diluídas, saturadas e supersaturadas Observar a termodinâmica do processo de dissolução 2.

Leia mais

3009 Síntese de ácido-trans-5-norborneno-2-3-dicarboxílico a partir de ácido fumárico e ciclopentadieno

3009 Síntese de ácido-trans-5-norborneno-2-3-dicarboxílico a partir de ácido fumárico e ciclopentadieno 3009 Síntese de ácido-trans-5-norborneno-2-3-dicarboxílico a partir de ácido fumárico e ciclopentadieno 170 C 2 C 10 H 12 C 5 H 6 (132.2) (66.1) + COOH COOH HOOC COOH C 5 H 6 (66.1) C 4 H 4 O 4 (116.1)

Leia mais

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações.

Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. EXPERIMENTO 2 Preparação e Padronização de Soluções OBJETIVOS Rever os conceitos de concentração de soluções. Aprender a preparar soluções aquosas, realizar diluições e determinar suas concentrações. Exercitar

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIV Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 31/08/11. Experiência

Associação Brasileira de Química XIV Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 31/08/11. Experiência Associação Brasileira de Química XIV Maratona Cearense de Química 2011 2 a Fase 1 o Ano 31/08/11 Experiência Material e Reagentes: 1. Dois béqueres de 250 ml. 2. Espátula. 3. Água destilada. 4. Borato

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO ANÁLISES QUALITATIVAS. Departamento de Química. Instituto de Ciências Exatas. Universidade Federal de Juiz de Fora

GUIA DE LABORATÓRIO ANÁLISES QUALITATIVAS. Departamento de Química. Instituto de Ciências Exatas. Universidade Federal de Juiz de Fora GUIA DE LABORATÓRIO ANÁLISES QUALITATIVAS Departamento de Química Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Juiz de Fora 2 INSTRUÇÕES GERAIS O trabalho que se realiza em um curso prático de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 07 OXIDAÇÃO DO CICLOEXANOL: SÍNTESE DA CICLOEXANONA

EXPERIÊNCIA 07 OXIDAÇÃO DO CICLOEXANOL: SÍNTESE DA CICLOEXANONA EXPERIÊNCIA 07 XIDAÇÃ D CICLEXANL: SÍNTESE DA CICLEXANNA 1- INTRDUÇÃ produto formado a partir da oxidação de álcoois depende do agente oxidante empregado e da natureza do álcool de partida (álcool primário,

Leia mais

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA)

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA) SUMÁRIO Método de Ensaio Folha : 1 de 6 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem/reagentes 6_ Preparação das soluções 7_ Execução do ensaio 8_ Segurança

Leia mais

Associação Brasileira de Química XI Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 22/08/08. Experiência 1

Associação Brasileira de Química XI Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 22/08/08. Experiência 1 Associação Brasileira de Química XI Maratona Cearense de Química 2008 2 a Fase 1 o Ano Experiência 1 8 tubos de ensaio. Solução de Ba(OH) 2. Pipeta graduada. 4 conjuntos de mangueiras e rolhas. 1 estante

Leia mais

SOLUBILIDADE DE SÓLIDOS EM LÍQUIDOS

SOLUBILIDADE DE SÓLIDOS EM LÍQUIDOS EXPERIMENTO 4 SOLUBILIDADE DE SÓLIDOS EM LÍQUIDOS OBJETIVOS Observar soluções insaturadas, saturadas e supersaturadas; Construir a curva de solubilidade de um sal inorgânico. INTRODUÇÃO Os depósitos naturais

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS

EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS EXPERIÊNCIA 04 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS 1 - INTRODUÇÃO O processo de extração com solventes é um método simples, empregado na separação e isolamento de substâncias componentes de uma mistura, ou

Leia mais

EXPERIÊNCIA 03 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS

EXPERIÊNCIA 03 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS EXPERIÊNCIA 03 EXTRAÇÃO COM SOLVENTES REATIVOS 1 - INTRODUÇÃO O processo de extração com solventes é um método simples, empregado na separação e isolamento de substâncias componentes de uma mistura, ou

Leia mais

3002 Adição de bromo ao ácido fumárico para formação de ácido meso-dibromo-succínico

3002 Adição de bromo ao ácido fumárico para formação de ácido meso-dibromo-succínico 32 Adição de bromo ao ácido fumárico para formação de ácido meso-dibromo-succínico H HOOC COOH H Br 2 HOOC H Br Br H COOH C 4 H 4 O 4 (116.1) (159.8) C 4 H 4 Br 2 O 4 (275.9) Referência Bibliográfica A.

Leia mais

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq)

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq) Experiência 9: ESTUDO DO EQUILÍBRIO CROMATO-DICROMATO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - A partir da equação química de um sistema em equilíbrio escrever

Leia mais

5001 Nitração do Fenol em 2-nitrofenol e 4-nitrofenol

5001 Nitração do Fenol em 2-nitrofenol e 4-nitrofenol 00 Nitração do Fenol em -nitrofenol e -nitrofenol KNO, H SO NO + NO C H O (9.) KNO (0.) H SO (98.) C H NO (9.) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias Substituição eletrofílica aromática,

Leia mais

QUÍMICA FARMACÊUTICA II

QUÍMICA FARMACÊUTICA II 2016-2017 QUÍMICA FARMACÊUTICA II MÓDULO DE QUÍMICA FARMACÊUTICA INORGÂNICA SÉRIE LABORATORIAL Aulas 2 e 3 Monografia KBr (Farmacopeia Portuguesa 9) PLANO DAS AULAS LABORATORIAIS 2 e 3 (Q.F. Inorgânica):

Leia mais

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno

4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno 4009 Síntese de ácido adípico a partir do ciclohexeno C 6 H 10 (82,2) + tungstato de sódio dihidratado 4 H 2 H + 2 H + 4 H 2 + Aliquat 336. Na 2 W 4 2 H 2 (329,9) C 6 H 10 4 (34,0) C 25 H 54 ClN (404,2)

Leia mais

Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2

Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2 Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2 Na, K e NH 4 São os maiores cátions do período que pertencem, possuem carga pequena e estrutura de gás nobre. O íon amônio está incluído porque apresenta

Leia mais

1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol e dióxido de carbono:

1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol e dióxido de carbono: EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 4. Reacções químicas II Ficha de exercícios 1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO O que se pretende Realizar laboratorialmente a síntese do sal sulfato de tetraaminacobre (II) monohidratado, uma substância usado como fungicida

Leia mais

Protocolo de extração de DNA de tecido vegetal: (Doyle & Doyle, 1987)

Protocolo de extração de DNA de tecido vegetal: (Doyle & Doyle, 1987) Protocolo de extração de DNA de tecido vegetal: (Doyle & Doyle, 1987) PROCEDIMENTOS 1. Preparo do Material» Primeiro verifique se todas as soluções estão preparadas;» Ligue o banho-maria a 65ºC;» Prepare

Leia mais

Seminário de Química Orgânica Experimental I. Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002

Seminário de Química Orgânica Experimental I. Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002 Seminário de Química Orgânica Experimental I Silene Alessandra Santos Melo Douglas Fernando Antonio Outubro 2002 Recristalização da Acetanilida Introdução Cristalização Precipitação Recristalização Cristalização

Leia mais

Associação Brasileira de Química XII Maratona Cearense de Química a Fase 8 o Ano 17/08/09. Experiência

Associação Brasileira de Química XII Maratona Cearense de Química a Fase 8 o Ano 17/08/09. Experiência 2 a Fase 8 o Ano 17/08/09 Experiência Material: 1. Manta aquecedora 2.Tubos de ensaio 3. α-naftol 4. Espátula 5. Água destilada 6. Pipeta de Pasteur 7. Clara de ovo 8. Béquer de 1000 ml 9. Tinta para carimbo

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO ÓXIDO DE FERRO Folha : 1 de 5 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Princípio do método 3_ Definição 4_ Aparelhagem / reagentes 5_ Execução do ensaio 6_ Padronização da solução de dicromato de potássio 0,05 N 7_ Resultados 1_ OBJETIVO

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2 - SOLUBILIDADE

EXPERIÊNCIA 2 - SOLUBILIDADE CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Departamento de Ciências Básicas e Sociais - DCBS Disciplina Química Experimental QEX Prof. Sivaldo Leite Correia EXPERIÊNCIA 2 - SOLUBILIDADE 1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Leia mais

Síntese do [Co(en) 2 (ox)]cl.h 2 O

Síntese do [Co(en) 2 (ox)]cl.h 2 O Experimento No.1 Pontuação: 20 pontos 1.1-1.12 1.a 1.b 1.c 46 Marcas 30 6 7 3 Síntese do [Co(en) 2 (ox)]cl.h 2 O Os complexos de cobalto foram, historicamente, os primeiros a ser estudados, e a partir

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 PREPARAÇÃO DE UM CORANTE: ALARANJADO DE METILA

EXPERIÊNCIA 5 PREPARAÇÃO DE UM CORANTE: ALARANJADO DE METILA EXPERIÊCIA 5 PREPARAÇÃ DE UM CRATE: ALARAJAD DE METILA 1 - ITRDUÇÃ a região de Blumenau a química está fortemente relacionada com a Indústria Têxtil, desde a limpeza e tratamento da matéria-prima com agentes

Leia mais