Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha"

Transcrição

1 Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Unidade de Epidemiologia (Coordenador: Prof. Doutor Evangelista Rocha) Instituto de Medicina Preventiva (Director: Prof. Doutor José Pereira Miguel) Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 11 de fevereiro de 2012

2 Estudo DIMATCH Determinantes e Impacto da Adesão e da Mudança Terapêutica no Controlo da Hipertensão Arterial, em coortes de hipertensos imigrantes e não imigrantes, nos cuidados de saúde primários Objectivo - Avaliar a adesão à terapêutica e inércia clínica como determinantes major no controlo da HTA Estudo observacional prospectivo e de base populacional 2 coortes de hipertensos medicados (imigrantes dos PALOPs e não imigrantes) Seguidos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (LVT)

3 Contexto Adesão à terapêutica anti-hipertensora Controlo PA

4 Contexto Adesão à terapêutica anti-hipertensora Polimedicação Idade Controlo PA

5 Objectivo Comparar o controlo da pressão arterial (PA) e a adesão à terapêutica entre hipertensos medicados com anos e anos

6 Métodos DIMATCH-HTA CSP de LVT Hipertensos medicados anos Nativos : Imigrantes PALOP (1:1) n=784 Informação recolhida Dados sócio-demográficos Medicamentos (Total e aht) Adesão à Terapêutica (MAT validada para Portugal) Controlo PA (<140/90 mmhg) IDOSOS n=308 hipertensos medicados com mais de 60 anos 37% [60-69 anos] 63% [70+ anos]

7 Recolha de dados Aplicação de questionários e medição da Pressão Arterial em entrevista presencial, na unidade de saúde ou no domicílio do participante PA controlada: média de 3 medições da PA inferior a 140/90mmHg Adesão à Terapêutica: Medida de Adesão aos Tratamentos (MAT) [Delgado e Lima, 2001]

8 Medida de Adesão ao Tratamento (tendo em conta as últimas 2 semanas) Alguma vez 1. se esqueceu de tomar os seus medicamentos para a Tensão Arterial Adesão (TA)? não 2. intencional não se preocupou quanto às horas da toma dos medicamentos para a TA? 3. deixou de tomar os medicamentos para a TA, por sua iniciativa, por se ter sentido melhor? 4. deixou de tomar os seus medicamentos para a TA, por sua iniciativa, por se ter sentido pior? Adesão 5. tomou mais comprimidos para a TA, por sua iniciativa, após se ter sentido intencional pior? 6. interrompeu a terapêutica para a TA por ter deixado acabar os seus medicamentos? 7. deixou de tomar os medicamentos para a TA por outra situação que não fosse a indicação do médico?

9 Resultados Caracterização da amostra Todos (n=756) Adultos (n=311) Idosos (n=445) Idade (anos), média±dp 61,6±10,3 51,4±5,5 68,82 ± 5,9 -- p value Sexo masculino 42,1% 38,3% 44,7% 0,054 Imigrantes 44,2% 63,7% 30,6% <0,001 PA controlada 47,9% 47,7% 48,1% 0,462 PA Sistólica (mmhg), média±dp 140,8±22,5 138,8±22,0 142,2 ± 22,7 0,067 Obesidade (IMC 30) 47,7% 51,4% 45,0% 0,068 Aderentes 45,6% 38,9% 50,3% 0,01 Polimedicados 46,4% 31,5% 56,4% <0,01 N.º medicamentos, média±dp 4,78±2,8 3,86±2,4 5,4±2,9 0,02 N.º aht, média±dp 1,76±0,9 1,66±0,9 1,8 ± 0,9 <0,01

10 Resultados Caracterização da amostra Todos (n=784) Adultos (n=476) Idosos (n=308) Idade (anos), média±dp 71,7 ± 4,4 p value Sexo masculino 46,4% Imigrantes 26,6% PA controlada 46,3% PA Sistólica (mmhg), média±dp 142,0 ± 21,2 Obesidade, IMC 30 Aderentes 52,6% Polimedicados 57,8% N.º medicamentos, média±dp 5,5 ± 3,0 N.º aht, média±dp 1,8 ± 1,0

11 Resultados controlo da PA por sexo (P<0,001) 70,0% 60,0% 64,0% 50,0% 52,0% 48,0% 40,0% 30,0% 36,0% PA Controlada PA Não Controlada 20,0% 10,0% 0,0% Feminino Masculino

12 Resultados controlo da PA por grupo etário (P=0,142) 40,0% 35,0% 34,7% 30,0% 30,7% 25,0% 26,3% 26,9% 24,3% 28,4% 20,0% PA controlada PA não-controlada 15,0% 14,7% 14,0% 10,0% 5,0% 0,0% anos anos anos 70+ anos

13 PA média (mmhg) Resultados PA Sistólica e Diastólica por grupo etário PA Sistólica (p=0,010) PA Diastólica (p<0,001) anos anos anos 70+ anos

14 Resultados (não) controlo da PA de acordo com características do participante sexo grupos etários escolaridade etnia adesão

15 Resultados (não) controlo da PA de acordo com características do participante Co-variável Categoria estudada OR (IC95%) p-value Sexo masculino 1,73 (1,29-2,32) <0,001 Sem escolaridade 2,16 (1,00-4,66) 0,050 4ª classe 2,22 (1,31-3,76) 0,003 Escolaridade 2º e 3º ciclos 1,98 (1,14-3,44) 0,016 Secundário 1,58 (0,83-2,96) 0,157 Superior 1,00 (referência) 0,045

16 Resultados adesão à terapêutica por grupo etário (P=0,001) 35,0% 30,0% 31,1% 32,7% 32,1% 32,1% 25,0% 20,0% 22,0% 21,7% Aderente 15,0% 13,4% 15,1% Não Aderente 10,0% 5,0% 0,0% anos anos anos 70 + anos

17 Idade média (anos) 9 de Fevereiro de º Congresso Português de Hipertensão Resultados Idade vs. adesão à terapêutica (P<0,01) Aderentes (n=339) Não aderentes - não intencional (n=272) Não aderentes - intencional (n=140)

18 Resultados (não) adesão à terapêutica de acordo com características do participante sexo grupos etários escolaridade etnia Controlo PA

19 Resultados (não) adesão à terapêutica de acordo com características do participante Co-variável Categoria estudada OR (IC95%) p-value Etnia naturais de Portugal 1,74 (1,29-2,34) <0, anos 1,31 (0,79-2,17) 0,288 Grupo Etário anos 1,90 (1,25-2,89) 0, anos 1,35 (0,93-1,98) 0, ,00 (referência) 0,027

20 Resultados polimedicação e controlo da PA média ± dp PA Controlada PA não controlada p-value Nº medicamentos 5,3 ± 3,2 5,6 ± 3,2 0,375 Nº medicamentos aht 1,8 ± 0,9 1,9 ± 1,0 0,659 polimedicação e adesão à terapêutica média ± dp Aderente Não aderente p-value Nº medicamentos 5,3±2,9 5,6±3,0 0,501 Nº de medicamentos HTA 1,8±1,0 2,0±0,9 1,168

21 Conclusões Controlo da PA Maior controlo da PA entre as mulheres Não se verificam diferenças significativas entre os diferentes grupos etários médias PA Sistólica e Diastólica mecanismos fisiológicos no envelhecimento Maior risco de PA não controlada nos indivíduos de sexo masculino e com menor nível de escolaridade, independentemente da idade a confirmar Adesão à Terapêutica A adesão parece ser mais prevalente entre indivíduos mais idosos (mais de 60 anos) A não adesão intencional parece ocorrer em indivíduos mais novos. Maior risco de não adesão nos indivíduos naturais de Portugal e na faixa etária anos a confirmar Polimedicação Não se verificaram diferenças no controlo e adesão, quanto ao número de medicamentos

22 Próximos passos Dinâmica da adesão e controlo da PA Seguimento dos participantes por 12 meses Integrar outros factores relacionados com o controlo da PA e adesão à terapêutica Clínicos e relacionados com a Medicação Ansiedade e Depressão Suporte Social Crenças sobre a HTA e sobre a medicação Utilização e satisfação com os cuidados de saúde

23 Agradecimentos Participantes Fundação para Ciência e Tecnologia (PTDC/SAU-ESA/103511/2008) Fundação AstraZeneca Laboratórios Delta Rottapharm-Madaus Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo ACES Grande Lisboa I - Lisboa Norte ACES Grande Lisboa VI Loures ACES Grande Lisboa VII Amadora ACES Grande Lisboa IX - Algueirão-Rio de Mouro ACES Grande Lisboa X - Cacém-Queluz

24 Agradecimentos Centro de Saúde da Algueirão Centro de Saúde de Alvalade Centro de Saúde da Amadora Centro de Saúde de Sacavém Centro de Saúde de Queluz Unidade de Saúde Familiar da Natividade Unidade de Saúde Familiar Arco-Íris Unidade de Saúde Familiar de São João da Talha Unidade de Saúde Familiar da Mãe d Água Obrigada pela atenção!

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários

Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários Verónica Gómez, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Unidade

Leia mais

POLIMEDICAÇÃO E PROBLEMAS DE SEGURANÇA RELACIONADOS COM OS MEDICAMENTOS EM HIPERTENSOS IDOSOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

POLIMEDICAÇÃO E PROBLEMAS DE SEGURANÇA RELACIONADOS COM OS MEDICAMENTOS EM HIPERTENSOS IDOSOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS POLIMEDICAÇÃO E PROBLEMAS DE SEGURANÇA RELACIONADOS COM OS MEDICAMENTOS EM HIPERTENSOS IDOSOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Milene Fernandes, Diana Souto, Cristiana Areias, Verónica Gomez, Elisa

Leia mais

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO E NO NÍVEL DE SÓDIO CONSUMIDO POR HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NÃO IMIGRANTES, SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA?

Leia mais

Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Elisa Lopes, Carlota Lavinas, Paulo Nicola, Evangelista Rocha HIPERTENSO MEDICADO

Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Elisa Lopes, Carlota Lavinas, Paulo Nicola, Evangelista Rocha HIPERTENSO MEDICADO Identificação do melhor método de amostragem de hipertensos medicados entre imigrantes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e não-imigrantes seguidos nos Cuidados de Saúde Primários

Leia mais

Efeito na perda de peso de uma intervenção alimentar e de estilos de vida em hipertensos medicados nativos e imigrantes africanos

Efeito na perda de peso de uma intervenção alimentar e de estilos de vida em hipertensos medicados nativos e imigrantes africanos Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Efeito na perda de peso de uma intervenção alimentar e de estilos de vida em hipertensos medicados

Leia mais

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Violeta Alarcão,

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

ADAB-Lisboa Factores de Adesão à Terapêutica Antibiótica numa População do Concelho de Lisboa

ADAB-Lisboa Factores de Adesão à Terapêutica Antibiótica numa População do Concelho de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Unidade de Epidemiologia 12º Programa Educação pela Ciência Dezembro 2009 ADAB-Lisboa Factores de Adesão à Terapêutica Antibiótica numa

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde. 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2,

Leia mais

NÍVEL DE SAÚDE E ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE NAS COMUNIDADES IMIGRANTES DE ORIGEM AFRICANA E BRASILEIRA RESULTADOS PRELIMINARES

NÍVEL DE SAÚDE E ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE NAS COMUNIDADES IMIGRANTES DE ORIGEM AFRICANA E BRASILEIRA RESULTADOS PRELIMINARES NÍVEL DE SAÚDE E ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE NAS COMUNIDADES IMIGRANTES DE ORIGEM AFRICANA E BRASILEIRA RESULTADOS PRELIMINARES Marta Godinho 1, Mário Carreira 1-2, Violeta Alarcão 1, Noura Abukumail

Leia mais

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional Informação pessoal Nome: Elisa Maria Fernandes Lopes Morada: Póvoa de Santa Íria Telemóvel: (+351) 916844890 Correio eletrónico: elisamflopes@gmail.com Data de nascimento: 15 de Dezembro de 1984 Cédula

Leia mais

A função sistólica ventricular direita e a função diastólica ventricular esquerda como preditores de mortalidade na hipertensão arterial pulmonar

A função sistólica ventricular direita e a função diastólica ventricular esquerda como preditores de mortalidade na hipertensão arterial pulmonar A função sistólica ventricular direita e a função diastólica ventricular esquerda como preditores de mortalidade na hipertensão arterial pulmonar 29 Março 2013 Rui Plácido, Petra Ferreira Loureiro, Ana

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma I Inquérito Nacional sobre Asma INASma Sumário do Inquérito Nacional de Controlo da Asma Direcção Geral de Saúde Dezembro 2010 I Inquérito Nacional sobre Asma Direcção geral de saúde / Comissão de Acompanhamento

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

Determinantes de saúde

Determinantes de saúde 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Determinantes de saúde Eugénio Cordeiro 1 J Santos 2, L Antunes 2,S Namorado 2, AJ Santos 2, I Kislaya

Leia mais

FATORES DE ADESÃO MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS. Nilda Maria de Medeiros Brito Farias. Contexto. População mundial envelhece

FATORES DE ADESÃO MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS. Nilda Maria de Medeiros Brito Farias. Contexto. População mundial envelhece Ministério da Saúde Programa de Saúde da Família II Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família FATORES DE ADESÃO MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS Nilda Maria de Medeiros Brito Farias Campina Grande

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Identificação de subgrupos com elevado risco de hipertensão arterial não controlada relacionados com reduzida adesão à terapêutica

Identificação de subgrupos com elevado risco de hipertensão arterial não controlada relacionados com reduzida adesão à terapêutica Identificação de subgrupos com elevado risco de hipertensão arterial não controlada relacionados com reduzida adesão à terapêutica Mestrado em Bioestatística (FCUL) Trabalho realizado por: Sara Rosa Orientadora:

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007

CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 CENTRO DE SAÚDE DE SERPA DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE 19/5/2007 Maio 2007 1-Problema A Obesidade é um importante problema de Pública e uma doença crónica, com génese multifactorial, que requer esforços

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciências da Saúde Unidade Ponte de Lima Aluna de Enfermagem : Ana Isabel Sequeiros de Matos Lima. Nº7709 Orientadora Científica: Professora Doutora Manuela Pontes

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados VI Encontro Nacional das Ciências e Tecnologias da Saúde Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados Filipe Fernandes Escola Superior de Tecnologia da

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

Adesão ao tratamento farmacológico de pacientes com hipertensão arterial em unidades de saúde da família em Blumenau, SC.

Adesão ao tratamento farmacológico de pacientes com hipertensão arterial em unidades de saúde da família em Blumenau, SC. Adesão ao tratamento farmacológico de pacientes com hipertensão arterial em unidades de saúde da família em Blumenau, SC. Ernani Tiaraju de Santa Helena Maria Ines Battistella Nemes José Eluf Neto INTRODUÇÃO

Leia mais

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico?

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico? REUNIÃO CONJUNTA DOS GRUPOS DE ESTUDO DE CUIDADOS INTENSIVOS CARDÍACOS E DE FISIOPATOLOGIA DO ESFORÇO E REABILITAÇÃO CARDÍACA Compliance to a Cardiac Rehabilitation Program: what are the benefits and impact

Leia mais

Prevalência da Asma em Portugal:

Prevalência da Asma em Portugal: Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Prevalência da Asma em Portugal: Análise nacional, regional e comparação internacional

Leia mais

A experiência da SulAmerica na implantação de Programas de Promoção a Saúde e Prevenção de doenças

A experiência da SulAmerica na implantação de Programas de Promoção a Saúde e Prevenção de doenças A experiência da SulAmerica na implantação de Programas de Promoção a Saúde e Prevenção de doenças O Cenário. Os Programas do Saúde Ativa. Qual o Perfil de risco da nossa população e sua evolução nos últimos

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Síndrome de insulino-resistência, síndrome metabólica: definições 15 SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Sandra Paiva Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. Mesotelioma Pleural no Sul do País. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. Mesotelioma Pleural no Sul do País. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Mesotelioma Pleural no Sul do País Cláudia Guerreiro Miguel Lopes Teresa Almodovar Serviço de Pneumologia Instituto Português de Oncologia Lisboa

Leia mais

Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = 2kg

Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = 2kg Lista suplementar Teste de uma média populacional Questão 1 Sabe-se que o consumo mensal per capita de um determinado produto tem distribuição normal com desvio padrão σ = kg. A diretoria da indústria

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença 1 A prevalência do Aneurisma da Aorta Abdominal (AAA), em Portugal, em pessoas com mais 65 anos é de 2,47%. Este valor sobe, no caso dos homens com mais de 65 anos e fumadores, para 4,7%. O AAA é a 12ª

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

Enquadramento e Racional

Enquadramento e Racional LungOS Advanced non-small cell Lung cancer treatment patterns and Overall Survival: real-world outcomes research study from the Southern Portugal Cancer Registry (ROR-SUL). Enquadramento e Racional O cancro

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE

PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE PERFIL DOS HIPERTENSOS IDOSOS DA EQUIPE 1 DA UNIDADE BÁSICA DA SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE Felipe Matheus Neves Silva(1); Thiago Assis Ferreira Santiago (2) ; Larissa Nóbrega Rodrigues (3); Matheus

Leia mais

Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê?

Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê? Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê? Maria João Correia, Margarida Resende, Maria Judite Oliveira, Luís Mourão em nome dos Investigadores do Registo

Leia mais

Introdução. Metodologia

Introdução. Metodologia Prevalência e caracterização da Hipertensão Arterial em Portugal. Implicações numa estratégia de Prevenção. Uma análise do Estudo AMALIA Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina

Leia mais

ESTUDO EPEPP III CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA. ESDUDO do PERFIL de ENVELHECIMENTO da POPULAÇÃO PORTUGUESA. Metodologia

ESTUDO EPEPP III CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA. ESDUDO do PERFIL de ENVELHECIMENTO da POPULAÇÃO PORTUGUESA. Metodologia III CONGRESSO PORTUGUÊS DE DEMOGRAFIA ESTUDO EPEPP ESDUDO do PERFIL de ENVELHECIMENTO da POPULAÇÃO PORTUGUESA Metodologia Palavras-chave: envelhecimento; população portuguesa Botelho MA Oliveira C Aguiar

Leia mais

Plano Regional de Saúde Lisboa e

Plano Regional de Saúde Lisboa e Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo Um Futuro para as Nossas Crianças Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010 2012 Rui Portugal Presidente da ARSLVT António Tavares Director do Departamento

Leia mais

Evolução da população

Evolução da população Site da CMLoures Link Município Estatísticas Censos de 2011 Resultados Provisórios I Censos de 2001 I Mapa Interativo Censos de 2011 Resultados Provisórios Demografia I Construção I Habitação Demografia

Leia mais

Depressão e Ansiedade em idosos institucionalizados e não institucionalizados Valorizar o envelhecimento. Anexo 1: Questionário Sociodemográfico

Depressão e Ansiedade em idosos institucionalizados e não institucionalizados Valorizar o envelhecimento. Anexo 1: Questionário Sociodemográfico Anexo 1: Questionário Sociodemográfico UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Questionário Sociodemográfico Sexo: Masculino Feminino Idade: anos

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS DO GÉNERO FEMININO Dissertação

Leia mais

; Assunto:

;  Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 6 de Outubro de 2009 12:35 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

AMADO. Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS

AMADO. Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS AMADO ORA Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS POPULAÇÃO RESIDENTE, POPULAÇÃO PRESENTE, FAMÍLIAS, NÚCLEOS FAMILIARES, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS.. 3 POPULAÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência de níveis de exaustão emocional, despersonalização e

Leia mais

; Assunto:

;  Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: domingo, 31 de Janeiro de 2010 19:34 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

PNEUMOLOGIA EM MEDICINA FAMILIAR. 17 as JORNADAS DE PROGRAMA CIENTÍFICO. Lisboa, Hotel Sana Metropolitan, 14 e 15 de Abril de 2016

PNEUMOLOGIA EM MEDICINA FAMILIAR. 17 as JORNADAS DE PROGRAMA CIENTÍFICO. Lisboa, Hotel Sana Metropolitan, 14 e 15 de Abril de 2016 17 as JORNADAS DE Lisboa, Hotel Sana Metropolitan, 14 e 15 de Abril de 2016 PRESIDENTE VICE-PRESIDENTE Dra. Maria da Conceição Gomes SECRETÁRIO-GERAL Dr. Pedro de Moura Reis PROGRAMA CIENTÍFICO PRESIDENTE

Leia mais

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Alarcão V, Ferreira I, Simões R, Fernandes M, Nicola P 17 de Outubro de 2012 Projeto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE SAÚDE NAS DOENÇAS REUMÁTICAS EM PORTUGAL: PRIMEIROS RESULTADOS DO ESTUDO EPIREUMAPT

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE SAÚDE NAS DOENÇAS REUMÁTICAS EM PORTUGAL: PRIMEIROS RESULTADOS DO ESTUDO EPIREUMAPT UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE SAÚDE NAS DOENÇAS REUMÁTICAS EM PORTUGAL: PRIMEIROS RESULTADOS DO ESTUDO EPIREUMAPT Pedro Laires 1 ; Helena Canhão 2 ; Nélia Gouveia 1 ; Jaime Branco 3 1 Equipa de Investigação

Leia mais

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância?

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância? e Hipertensão arterial resistente (HAR): todo paciente com HAR deve fazer Polissonografia? Gleison Guimarães TE SBPT 2004/TE AMIB 2007 Área de atuação em Medicina do Sono pela SBPT - 2012 Profº Pneumologia

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

1º Encontro HIPOCOAGULAÇÃO. Realidade na UCSP de Delães. (ACES do AVE III V.N. Famalicão) Auditório do Hospital de Magalhães Lemos, EPE.

1º Encontro HIPOCOAGULAÇÃO. Realidade na UCSP de Delães. (ACES do AVE III V.N. Famalicão) Auditório do Hospital de Magalhães Lemos, EPE. 1º Encontro HIPOCOAGULAÇÃO Realidade na UCSP de Delães (ACES do AVE III V.N. Famalicão) Auditório do Hospital de Magalhães Lemos, EPE 6 Abril 2011 HIPOCOAGULAÇÃO - Realidade Portuguesa EM PORTUGAL Doenças

Leia mais

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Licenciatura em Ciências da Nutrição Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Volume II Anexos Elaborado por Gilda Maria Pimentel Brandão Aluna nº 201092225 Orientador Interno: Prof. Doutora Suzana Paz

Leia mais

Inquérito de Saúde no Município de São Paulo

Inquérito de Saúde no Município de São Paulo Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-Capital 2008 Primeiros resultados (comentados) Neuber J. Segri Inquérito de Saúde do Município de São Paulo ISA-Capital ANÁLISE DOS DADOS: STATA módulo

Leia mais

Perfil farmacogenético da população do Algarve: resultados do estudo piloto do Inquérito Europeu de Saúde com Exame Físico

Perfil farmacogenético da população do Algarve: resultados do estudo piloto do Inquérito Europeu de Saúde com Exame Físico Perfil farmacogenético da população do Algarve: resultados do estudo piloto do Inquérito Europeu de Saúde com Exame Físico Vânia Gaio Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo

Leia mais

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva Orientador Maria Helena Cardoso Pereira da Silva Co-Orientador Cecília

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

Bombeiros Voluntários de Gouveia

Bombeiros Voluntários de Gouveia Melanie Costa 22524 João Ferreira 23112 Joel Ferreira 23119 João Pinheiro 216893 Bruno Marques - 224741 Bombeiros Voluntários de Gouveia 215 ÍNDICE INTRODUÇÃO Índice Introdução... 1 1. População Observada...

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012 B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E SD DA Universidade Federal do Paraná - UFPR Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS 2ª. Versão 2012 1 Pesquisa Bibliográfica É o levantamento de um

Leia mais

ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017

ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017 ÍNDICE DE SAÚDE SUSTENTÁVEL 2016 6ª Conferência Abbvie/TSF/DN 7 de Março de 2017 1 Índice 1. Enquadramento Projeto Saúde Sustentável - Passado, Presente e Futuro 2. Metodologia e Resultados do Estudo 2016

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem XXXII Congresso Português de Cardiologia Enf.ª Patrícia Alves UCIC CHVNGaia/Espinho,Epe Abril 2011 PATOLOGIA CARDIOVASCULAR Principal causa

Leia mais

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF)

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Sumário e Considerações Finais 27 de maio de 2016 Instituto Ricardo Jorge (INSA, IP), 27 de maio de 2016 1 Sumário Enquadramento: A importância

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

Índice Geral 1. EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE DENSIDADE POPULACIONAL FAMÍLIAS, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS... 7

Índice Geral 1. EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE DENSIDADE POPULACIONAL FAMÍLIAS, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS... 7 0 Índice Geral 1. EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE... 2 2. DENSIDADE POPULACIONAL... 5 3. FAMÍLIAS, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS... 7 4. ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO RESIDENTE... 9 5. NATURALIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA

Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA ANÁLISE DE DADOS Os dados foram analisados na versão R 2.13.1. Foi realizada uma análise descritiva exaustiva de todas as variáveis em estudo, usando

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal

SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL. Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal SAÚDE COMUNITÁRIA E EQUIDADE EM PARCERIA NO MUNICÍPIO DO SEIXAL Susana Santos, Unidade de Cuidados na Comunidade do Seixal Coimbra, 13 de novembro de 2014 Plano Nacional Saúde 2012-2016 2º Eixo: Equidade

Leia mais

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente RESUMO Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente no início da vida adulta. Comportamentos e características

Leia mais

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Branco MJ, Paixão E, Vicente LF. Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher. Lisboa: Instituto Nacional

Leia mais

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO?

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? É, mas não com a mesma qualidade.. (Mark Twain) AGRADECIMENTOS

Leia mais

Desigualdades sociais e doenças crônicas de adultos:

Desigualdades sociais e doenças crônicas de adultos: Desigualdades sociais e doenças crônicas de adultos: Estudo Pró-Saúde Dóra Chor XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia 2008 Conclusões Observamos, na Europa,

Leia mais

Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores de Apetite

Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores de Apetite Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores de Apetite Ricardo M. R. Meirelles Título de Notório Saber PUC-Rio Professor Associado de Endocrinologia da PUC-Rio Diretor do Instituto Estadual de Diabetes

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Estudo de Alta Resolução Linfomas Maria Gomes da Silva Objetivos 1. Descrever a epidemiologia dos diferentes tipos de linfomas na região do ROR

Leia mais

Relatório do inquérito ao cidadão sobre conhecimentos na utilização de antibióticos

Relatório do inquérito ao cidadão sobre conhecimentos na utilização de antibióticos Relatório do inquérito ao cidadão sobre conhecimentos na utilização de antibióticos Grupo Coordenador Regional de Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos GCR/PPCIRA A ARS Algarve IP

Leia mais

6as Jornadas de DIABETOLOGIA PRÁTICA EM MEDICINA FAMILIAR DA REGIÃO SUL

6as Jornadas de DIABETOLOGIA PRÁTICA EM MEDICINA FAMILIAR DA REGIÃO SUL 6as Jornadas de DIABETOLOGIA PRÁTICA EM MEDICINA FAMILIAR DA REGIÃO SUL PRESIDENTE Dr. João Jácome de Castro SECRETÁRIO-GERAL Dr. Pedro de Moura Reis Hotel Vila Galé Ericeira 12 e 13 de Fevereiro de 2016

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

7as Jornadas de DIABETOLOGIA PRÁTICA EM MEDICINA FAMILIAR DA REGIÃO SUL

7as Jornadas de DIABETOLOGIA PRÁTICA EM MEDICINA FAMILIAR DA REGIÃO SUL Hotel Vila Galé Ericeira 3 e 4 de Fevereiro de 2017 7as Jornadas de DIABETOLOGIA PRÁTICA EM MEDICINA FAMILIAR DA REGIÃO SUL PRESIDENTE Dr. João Jácome de Castro SECRETÁRIO-GERAL Dr. Pedro de Moura Reis

Leia mais

69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF. Avaliação Especiais DEPARTAMENTO DE CARDIOGERIATRIA 13:30 16:30

69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF. Avaliação Especiais DEPARTAMENTO DE CARDIOGERIATRIA 13:30 16:30 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF Avaliação Especiais DEPARTAMENTO DE CARDIOGERIATRIA 13:30 16:30 69º Congresso Brasileiro de Cardiologia Brasília - DF Abertura Josmar de Castro Alves

Leia mais

Obesidade - Ingresso

Obesidade - Ingresso Obesidade - Ingresso XVII Congresso Brasileiro de Perícia Médica Novembro / 2008 - SÃO PAULO Sociedade Brasileira de Perícias Médicas Obesidade Definição : IMC Importancia 1.Alta incidencia na população

Leia mais

MAIOR CONTRO. Informação De Segurança Importante Sobre PRILIGY. 1 Informação para o médico

MAIOR CONTRO. Informação De Segurança Importante Sobre PRILIGY. 1 Informação para o médico MAIOR CONTRO Informação De Segurança Importante Sobre PRILIGY 1 Informação para o médico 2 A Ejaculação Precoce e PRILIGY PRILIGY é um medicamento oral aprovado para o tratamento da Ejaculação Precoce

Leia mais

Disseção da Aorta. A entidade esquecida. Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA

Disseção da Aorta. A entidade esquecida. Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA Disseção da Aorta A entidade esquecida Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA Definição Separação das camadas da aorta com formação de Falso Lúmen íntima média adventícia Epidemiologia 5 : 1 10-40 casos

Leia mais

Introdução. Objectivos. Metodologia

Introdução. Objectivos. Metodologia A diabesidade em Portugal Uma análise do Estudo AMALIA João Sequeira Duarte Endocrinologista do Hospital Egas Moniz. Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. Evangelista

Leia mais

Incontinência urinária afecta 20% dos portugueses

Incontinência urinária afecta 20% dos portugueses Página Web 1 de 1 http://www.portugaldiario.iol.pt/noticia.php?id=926102&div_id=291 11-03-2008 Incontinência urinária afecta 20% dos portugueses 2008/03/10 17:52 Apenas 4,9 por cento estão diagnosticados

Leia mais

ESTUDOS SECCIONAIS. Não Doentes Expostos. Doentes Expostos. Doentes Não Expostos. Não Doentes Não Expostos

ESTUDOS SECCIONAIS. Não Doentes Expostos. Doentes Expostos. Doentes Não Expostos. Não Doentes Não Expostos ESTUDOS SECCIONAIS ESTUDOS SECCIONAIS Doentes Expostos Doentes Não Expostos Não Doentes Expostos Não Doentes Não Expostos Frequencias de doença e exposição observadas em um estudo seccional Frequencias

Leia mais