1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde."

Transcrição

1 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2, P Vargas 3, T Prokopenko 4, B Nunes 2, CM Dias 2 1 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, Secretaria Regional de Saúde da Região Autónoma da Madeira 2 Departamento de Epidemiologia, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge 3 Divisão de Planeamento e Qualidade, Direção de Serviços de Cuidados de saúde, Direção Regional da Saúde, Secretaria Regional da Saúde da Região Autónoma dos Açores 4 Departamento de Saúde Pública, Administração Regional de Saúde do Alentejo

2 Indicadores Diabetes Prevalência de diabetes (HbA 1c 6,5%, toma de medicação para a diabetes ou autorreporte de diagnóstico). Hipertensão arterial (HTA) Prevalência de HTA (TAS 140 mmhg ou TAD 90 mmhg ou medicação anti-hipertensora) Obesidade Prevalência de obesidade (IMC 30 kg/m 2 ).

3 Diabetes Distribuição da Prevalência de Diabetes por sexo e idade , , ,8 7,7 12,1 7, ,5 0,9 Feminino Masculino Nacional Sexo Grupo etário A prevalência da diabetes foi de 9,8%. A prevalência da diabetes foi maior no sexo masculino e aumentou com a idade.

4 Diabetes Distribuição da Prevalência de Diabetes por região 30 Prevalência padronizada ,5 9,8 8,7 8,3 10,7 10,5 11,3 10,7 7,7 7,7 8,7 10,1 10,1 11,9 Norte Centro LVT Alentejo Algarve RA Madeira RA Açores A prevalência de diabetes variou entre 7,7% (Algarve) e 11,3% (Alentejo). Após padronização para o sexo e grupo etário, a prevalência mais elevada passou a ser observada na Região Autónoma dos Açores.

5 Diabetes Distribuição da Prevalência da Diabetes por nível de escolaridade e situação perante o trabalho Prevalência padronizada ,1 12,2 6,9 8,7 5,8 8,9 4,0 6,4 5,3 7,8 8,8 9,8 20,6 10,4 Nenhum/1º ciclo do ensino básico 2º/3º ciclo do ensino básico Ensino secundário Ensino Superior Com atividade profissional Desempregados Sem atividade profissional Nível de escolaridade A prevalência de diabetes mais elevada nos indivíduos : sem escolaridade ou com o ensino básico, sem atividade profissional remunerada. Situação perante o trabalho Após padronização para o sexo e grupo etário estas amplitudes de variação diminuíram, mas não foram eliminadas.

6 Diabetes Existem diferenças na prevalência de Diabetes de acordo com o sexo, idade, nível de escolaridade e situação perante o trabalho. Existe uma diferença entre a prevalência estimada através do INSEF e do INS por autorreporte (9,8% vs 8,8%). Prevalência próxima da média Europeia (9,1%).

7 Diabetes Comparação com outros estudos Estudo INSEF PREVADIAB* Ano de Realização População Alvo (Idade) Método HbA 1c HbA 1c Definição Prevalência (%) HbA 1c 6,5%, medicação ou autorreporte 9,8 (IC95%: 8,4 a 11,4) HbA 1c 6,5%, medicação ou autorreporte 10,7** (IC95%: 9,8 a 11,7) *Gardete-Correia L, Boavida JM, Raposo JF, Mesquita AC, Fona C, Carvalho R, et al. First diabetes prevalence study in Portugal: PREVADIAB study. Diabet Med. 2010;27(8): ** Valor calculado pela equipa do PREVADIAB para efeito de comparação com o INSEF.

8 Hipertensão Distribuição da Prevalência de Hipertensão por sexo e idade ,7 39,6 5, ,8 58,4 71,3 Feminino Masculino Nacional Sexo Grupo etário A prevalência de HTA foi de 36%. A prevalência de HTA aumentou com a idade e foi superior no sexo masculino.

9 Hipertensão Distribuição da Prevalência de Hipertensão por região Prevalência padronizada ,4 37,8 35,8 34,6 35, ,9 36,4 32,6 32,8 34,6 37,2 33,6 37,4 Norte Centro LVT Alentejo Algarve RA Madeira RA Açores A prevalência de HTA variou entre 32,6% (Algarve) e 37,9% (Alentejo). Após padronização para o sexo e grupo etário, o valor mais elevado passou a ser observado no Norte (37,8%).

10 Hipertensão Prevalência de Obesidade por nível de escolaridade e situação perante o trabalho Prevalência padronizada ,6 45,1 33,4 35, ,2 15,5 25,6 24,7 31,9 30,8 32,7 64,5 41,3 Nenhum/1º ciclo ensino básico 2º/3º ciclo ensino básico Ensino secundário Ensino superior Com atividade profissional Desempregados Sem atividade profissional Nível de escolaridade Situação perante o trabalho A prevalência de HTA foi mais elevada nos indivíduos: sem escolaridade ou com o ensino básico, sem atividade profissional remunerada. Após padronização para o sexo e grupo etário as diferenças mantiveram-se, apesar das amplitudes de variação diminuírem.

11 Hipertensão Existem diferenças na prevalência de HTA de acordo com o sexo, idade, nível de escolaridade e situação perante o trabalho. Existe diferença entre a prevalência estimada através do INSEF e do INS por autorreporte (36,0% vs 25,3%).

12 Hipertensão Comparação com outros estudos Estudo INSEF PAP* PHYSA** Ano de Realização População Alvo (Idade) Método Definição Repouso 5 min, 3 medições braço dt PAS 140 ou PAD 90 ou medicação Repouso 5 min 3 medições braço esq PAS 140 ou PAD 90 ou medicação Repouso 15 min 1 medição ambos braços, 2 medições no braço onde a TA é mais elevada PAS 140 ou PAD 90 ou medicação ou autorreporte Prevalência (%) 36,0 (IC95%: 34,3 a 37,7) 42,1 nd*** 42,2 nd*** *Macedo ME, Lima MJ, Silva AO, Alcantara P, Ramalhinho V, Carmona J. Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension in Portugal: the PAP study. J Hypertens. 2005;23(9): **Polonia J, Martins L, Pinto F, Nazare J. Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension and salt intake in Portugal: changes over a decade. The PHYSA study. J Hypertens ** Intervalo de confiança não disponível

13 Obesidade Distribuição da Prevalência de Obesidade por sexo e idade ,7 32,1 24,9 12,5 22,9 29,5 38,9 41,8 Feminino Masculino Nacional Sexo Grupo etário A prevalência de obesidade em Portugal foi de 28,7%. A prevalência de obesidade foi maior no sexo feminino e aumentou com a idade.

14 Obesidade Distribuição da Prevalência de Obesidade por região Prevalência padronizada 28,2 28,4 29,1 28,6 29,1 28,9 30,3 29,7 23,2 23,4 29,1 30,1 32,5 33,8 Norte Centro LVT Alentejo Algarve RA Madeira RA Açores A prevalência da obesidade variou entre 23,2% (Algarve) e 32,5% (RAA) Após padronização por sexo e idade as diferenças nas prevalências entre as regiões mantiveram-se.

15 Obesidade Prevalência de Obesidade por nível de escolaridade e situação perante o trabalho Prevalência padronizada ,1 39,4 28,7 28,6 22,7 25,1 14,7 19,5 23,7 27,5 29,4 30, ,5 Nenhum/ 1º ciclo ensino básico 2º/ 3º ciclo ensino básico Ensino secundário Ensino superior Com atividade profissional Desempregados Sem atividade profissional Nível de escolaridade Situação perante o trabalho A prevalência de obesidade foi mais elevada nos indivíduos: sem escolaridade ou com o ensino básico, sem atividade profissional. Após padronização para o sexo e grupo etário estas amplitudes de variação diminuíram, mas não foram eliminadas.

16 Obesidade Existem diferenças na prevalência de obesidade de acordo com o sexo, idade, nível de escolaridade e situação perante o trabalho. Existe diferença entre a prevalência estimada através do INSEF e do INS por autorreporte (28,7% vs 16,4%).

17 Obesidade Comparação com outros estudos Estudo INSEF do Carmo I, et al.* Ano de Realização População Alvo (Idade) Método Medição do peso e altura Medição do peso e altura Definição IMC 30 IMC 30 Prevalência (%) 28,7 (IC95%: 26,8 a 30,6) 14,2 nd** *Do Carmo I, Dos Santos O, Camolas J, Vieira J, Carreira M, Medina L, et al. Overweight and obesity in Portugal: national prevalence in Obes Rev. 2008;9(1):11-9. ** Intervalo de confiança não disponível

18 Considerações finais Estimativas obtidas através de Inquérito com Exame Físico superiores às obtidas por autorreporte através de Inquérito de Saúde por Entrevista. Influência do sexo, idade, nível de escolaridade e da situação perante o trabalho da população na prevalência de diabetes, HTA e obesidade. Os dados sugerem uma tendência decrescente da prevalência de diabetes e HTA (desde as últimas estimativas). Os dados sugerem que a prevalência de obesidade duplicou entre 2005 e 2015.

19 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Obrigada pela atenção!

Determinantes de saúde

Determinantes de saúde 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Determinantes de saúde Eugénio Cordeiro 1 J Santos 2, L Antunes 2,S Namorado 2, AJ Santos 2, I Kislaya

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

_Prevalência, conhecimento e controlo da diabetes em Portugal: resultados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF 2015)

_Prevalência, conhecimento e controlo da diabetes em Portugal: resultados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF 2015) _Outras _Prevalência, conhecimento e controlo da diabetes em Portugal: resultados do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF 15) Prevalence, awareness and control of diabetes in Portugal: results

Leia mais

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF)

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Sumário e Considerações Finais 27 de maio de 2016 Instituto Ricardo Jorge (INSA, IP), 27 de maio de 2016 1 Sumário Enquadramento: A importância

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Instituto Nacional de Saúde, IP _ Determinantes de Saúde _Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Influence of socioeconomic factors in overweight

Leia mais

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes]

[Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] [Diabetes: Factos & Números] [Luís Gardete Correia Director do Observatório Nacional da Diabetes] Diabetes: Factos & Números, 2014 Epidemiologia da Diabetes Controlo e Tratamento da Diabetes Regiões e

Leia mais

Taxa de desemprego de 15,0%

Taxa de desemprego de 15,0% 14 de agosto de 2012 Estatísticas do Emprego (versão corrigida em 17-08-2012, às 11.10H) 2º trimestre de 2012 Retificação, no Quadro 3, da informação relativa a inativos à procura de emprego mas não disponíveis

Leia mais

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2008 17 de Fevereiro de 2009 A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2008 foi de 7,8%. Este

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi de 15,6%

A taxa de desemprego estimada foi de 15,6% 7 de novembro de 2013 Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2013 A taxa de desemprego estimada foi de 15,6% A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2013 foi de 15,6%. Este valor é inferior

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2008 18 de Novembro de 2008 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2008 foi de 7,7. Este valor

Leia mais

Taxa de desemprego de 17,7%

Taxa de desemprego de 17,7% 9 de maio de 2013 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2013 Taxa de desemprego de 17,7% A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2013 foi de 17,7%. Este valor é superior em 2,8 pontos percentuais

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 12,4%

Taxa de desemprego estimada em 12,4% 11 de maio de 216 Estatísticas do Emprego 1.º trimestre de 216 Taxa de desemprego estimada em 12,4 A taxa de desemprego no 1.º trimestre de 216 foi 12,4. Este valor é superior em,2 pontos percentuais (p.p.)

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi de 16,4%

A taxa de desemprego estimada foi de 16,4% 7 de agosto de 2013 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2013 A taxa de desemprego estimada foi de 16,4% A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2013 foi de 16,4%. Este valor é superior

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal

Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal Epidemiologia do Envelhecimento e da Dependência em Portugal APDH Conversas de fim de tarde Viseu 2012 Carlos Matias Dias Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Departamento de Epidemiologia Universidade

Leia mais

Ind Taxa de prevalência de déficit de peso na população de 5 anos e mais, por ano, segundo região, faixa etária e sexo

Ind Taxa de prevalência de déficit de peso na população de 5 anos e mais, por ano, segundo região, faixa etária e sexo Ind010306 Taxa de prevalência de déficit de peso na população de 5 anos e mais, por ano, segundo região, faixa etária e sexo Indicador Taxa de prevalência de déficit de peso na população de 5 anos e mais

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 5 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego (corrigido às 16:40) 2º trimestre de 2014 (substituição do gráfico 1, na página 2, e do gráfico 3, na página 3, por existir um erro nos eixos das ordenadas)

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,1%

A taxa de desemprego estimada foi 13,1% 5 de novembro de 2014 Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,1 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2014 foi de 13,1. Este valor é inferior em

Leia mais

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciências da Saúde Unidade Ponte de Lima Aluna de Enfermagem : Ana Isabel Sequeiros de Matos Lima. Nº7709 Orientadora Científica: Professora Doutora Manuela Pontes

Leia mais

Prevalência da Asma em Portugal:

Prevalência da Asma em Portugal: Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Prevalência da Asma em Portugal: Análise nacional, regional e comparação internacional

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade

O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 1980 a 2012: tendência e padrões de sazonalidade O Risco de morrer por doença crónica em Portugal de 198 a 212: tendência e padrões de sazonalidade Baltazar Nunes Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge IV Congresso

Leia mais

O estado nutricional dos Portugueses e os desafios colocados às autarquias

O estado nutricional dos Portugueses e os desafios colocados às autarquias O estado nutricional dos Portugueses e os desafios colocados às autarquias Pedro Graça 27 junho 2016 O estado nutricional dos Portugueses e os desafios colocados às autarquias O estado nutricional dos

Leia mais

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO E NO NÍVEL DE SÓDIO CONSUMIDO POR HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NÃO IMIGRANTES, SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA?

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 06 Como se Nasce, Vive e Morre 090 06. Como se Nasce, Vive e Morre? Atlas do Plano Nacional de Saúde Como se Nasce, Vive e Morre? Considerações Gerais A Esperança de Vida

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,5%

A taxa de desemprego estimada foi 13,5% 4 de fevereiro de 2015 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,5 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2014 foi 13,5. Este valor é superior em 0,4

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

A taxa de desemprego situou-se em 10,5% no 4.º trimestre e em 11,1% no ano de 2016

A taxa de desemprego situou-se em 10,5% no 4.º trimestre e em 11,1% no ano de 2016 8 de fevereiro de 217 Estatísticas do Emprego 4.º trimestre de 216 A taxa de desemprego situou-se em 1,5 no 4.º trimestre e em 11,1 no ano de 216 A taxa de desemprego do 4.º trimestre de 216 foi de 1,5.

Leia mais

Na hipertensão arterial

Na hipertensão arterial Erros frequentes na prática clínica como evitá-los? Na hipertensão arterial - Novembro de 2013 - Liliana Marta Serviço de Cardiologia, Hospital de Santarém Hipertensão Arterial Importante problema de saúde

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 8,8%

Taxa de desemprego estimada em 8,8% 9 de agosto de 217 Estatísticas do Emprego 2.º trimestre de 217 Taxa de desemprego estimada em 8,8 A taxa de desemprego do 2.º trimestre de 217 foi de 8,8. Este valor é inferior em 1,3 pontos percentuais

Leia mais

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção (milhares) 2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção Durante a última década (2002-2012), o setor da Construção viveu a crise mais prolongada e intensa da sua história recente, com o ano de 2012

Leia mais

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma I Inquérito Nacional sobre Asma INASma Sumário do Inquérito Nacional de Controlo da Asma Direcção Geral de Saúde Dezembro 2010 I Inquérito Nacional sobre Asma Direcção geral de saúde / Comissão de Acompanhamento

Leia mais

Introdução. Objectivos. Metodologia

Introdução. Objectivos. Metodologia A diabesidade em Portugal Uma análise do Estudo AMALIA João Sequeira Duarte Endocrinologista do Hospital Egas Moniz. Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. Evangelista

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final ANO LETIVO 2013/2014 ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final Índice O que é o IMC? Objetivo do Estudo Procedimentos do Estudo Amostra Utilizada Apresentação dos Resultados Principais Conclusões

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Estudo da mortalidade por Diabetes Mellitus em Portugal

Estudo da mortalidade por Diabetes Mellitus em Portugal Estudo da mortalidade por Diabetes Mellitus em Portugal Study of mortality by Diabetes Mellitus in Portugal Andreia Costa Escola Superior de Saúde - IPP andreiasilva@essp.pt Carla Cardoso Judite Catarino

Leia mais

Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa

Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa Mobilizar a Agenda dos Recursos Humanos ESPAP Conferência Anual de Serviços Partilhados e Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa Joana Ramos 26 de novembro de 2014 Diagnóstico de peso excessivo

Leia mais

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

QUEBRA DE NADOS-VIVOS EM 2003

QUEBRA DE NADOS-VIVOS EM 2003 Estatísticas Vitais - Natalidade Resultados provisórios de 23 8 de Junho de 24 QUEBRA DE NADOS-VIVOS EM 23 Em 23, a natalidade decresce ligeiramente no país, o número de nados-vivos fora do casamento continua

Leia mais

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância?

04/07/2014. Apneia do Sono e Hipertensão Resistente Qual a importância? e Hipertensão arterial resistente (HAR): todo paciente com HAR deve fazer Polissonografia? Gleison Guimarães TE SBPT 2004/TE AMIB 2007 Área de atuação em Medicina do Sono pela SBPT - 2012 Profº Pneumologia

Leia mais

Consumo de tabaco na população portuguesa:

Consumo de tabaco na população portuguesa: : análise dos dados do Inquérito Nacional de Saúde 2005/2006 Departamento de Epidemiologia Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, IP Abril de 2009 Catalogação na publicação MACHADO, Ausenda, e

Leia mais

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância

Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Avaliação e Interpretação da Pressão Arterial na Infância Medida da Pressão Arterial na Infância Prof. Dra Marcia Camegaçava Riyuzo Disciplina de Nefrologia Pediátrica Departamento de Pediatria FMB - UNESP

Leia mais

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional?

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Como fazer o diagnóstico nutricional? Profa. Raquel Simões Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Adequação da média e mediana (classificação de Gomez) Desvio-padrão (DP) ou escore Z: indica

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

VIGITEL Periodicidade: anual 2006 a 2011

VIGITEL Periodicidade: anual 2006 a 2011 VIGITEL 11 Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas Não Transmissíveis por meio de Inquérito Telefônico Objetivos: Medir a prevalência de fatores de risco e proteção

Leia mais

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Licenciatura em Ciências da Nutrição Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Volume II Anexos Elaborado por Gilda Maria Pimentel Brandão Aluna nº 201092225 Orientador Interno: Prof. Doutora Suzana Paz

Leia mais

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Alarcão V, Ferreira I, Simões R, Fernandes M, Nicola P 17 de Outubro de 2012 Projeto

Leia mais

Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra

Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Prevalência e Incidência de Hipertensão arterial na população portuguesa Âmbito da atividade de investigação e Evolução das tendências

Prevalência e Incidência de Hipertensão arterial na população portuguesa Âmbito da atividade de investigação e Evolução das tendências INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DR RICARDO JORGE I.P. Prevalência e Incidência de Hipertensão arterial na população portuguesa Âmbito da atividade de investigação e Evolução das tendências Departamento de

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição

Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição 25 de novembro de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Outubro de 2014 Valor médio de avaliação bancária acentua diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País diminuiu 1,5%

Leia mais

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN

PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN PERFIL CLÍNICO, ANTROPOMÉTRICO E AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR EM IDOSOS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ-RN Muriele Marques Job Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Faculdade

Leia mais

Introdução. Metodologia

Introdução. Metodologia Prevalência e caracterização da Hipertensão Arterial em Portugal. Implicações numa estratégia de Prevenção. Uma análise do Estudo AMALIA Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

2 de Maio Sábado Sessão televoter Hipertensão Curso de MAPA

2 de Maio Sábado Sessão televoter Hipertensão Curso de MAPA 2015 2 de Maio Sábado Sessão televoter Hipertensão Curso de MAPA Ramon C Hermida Carlos Rabaçal António Pedro Machado Chronobiology International, 30(3): 355 410, (2013) Reclassificação da Pressão Arterial

Leia mais

A taxa de desemprego de agosto foi de 8,8%

A taxa de desemprego de agosto foi de 8,8% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de 30 de outubro de A taxa de desemprego de agosto foi de 8,8% A taxa de desemprego de agosto de situou-se em 8,8%, menos 0,1 pontos percentuais (p.p.)

Leia mais

[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes]

[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes] [José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes] Desafio do Dr. José António Freire Soares Contributo e informação recolhida a partir da base de dados de GDH s / ACSS na elaboração dos

Leia mais

Inquérito de Saúde no Município de São Paulo

Inquérito de Saúde no Município de São Paulo Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-Capital 2008 Primeiros resultados (comentados) Neuber J. Segri Inquérito de Saúde do Município de São Paulo ISA-Capital ANÁLISE DOS DADOS: STATA módulo

Leia mais

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente RESUMO Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente no início da vida adulta. Comportamentos e características

Leia mais

MCOR - Excelência em Cardiologia MAPA DE 24 HORAS

MCOR - Excelência em Cardiologia MAPA DE 24 HORAS Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação: 13/4/215 1:24 Término: 14/4/215 9:47 2 - Paciente Protocolo de Medições: Padrão

Leia mais

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Licenciamento de Obras Dezembro de 2005 1 09 de Fevereiro de 2006 ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Em Dezembro de 2005, atenuou-se a tendência decrescente da variação

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

A taxa de desemprego de fevereiro de 2017 foi de 9,9%

A taxa de desemprego de fevereiro de 2017 foi de 9,9% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego ço de 28 de abril de A taxa de desemprego de fevereiro de foi de 9,9% A taxa de desemprego de fevereiro de situou-se em 9,9%, menos 0,2 pontos percentuais (p.p.)

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 28 de julho de 2017. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Brasil, com o objetivo de consultar à população sobre avaliação do panorama político atual.

Leia mais

Sessão Televoter Hipertensão

Sessão Televoter Hipertensão 2013 27 de Abril Sábado Sessão Televoter Hipertensão António Pedro Machado Carlos Rabaçal Joana Bordalo Hipertensão na gravidez Evolução da PA durante a gravidez em 6000 mulheres entre os 25 e os 34 anos

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2011

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2011 04 de novembro de 2011 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2011 98% dos agregados domésticos com acesso à Internet

Leia mais

Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários

Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários Controlo e Adesão à Terapêutica Antihipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários Verónica Gómez, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Unidade

Leia mais

A taxa de desemprego de junho foi de 9,1%

A taxa de desemprego de junho foi de 9,1% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego ho de 30 de agosto de A taxa de desemprego de junho foi de 9,1% A taxa de desemprego de junho de situou-se em 9,1%, menos 0,1 pontos percentuais (p.p.) do que

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

A taxa de desemprego de setembro foi de 8,5%

A taxa de desemprego de setembro foi de 8,5% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego ubro de 29 de novembro de A taxa de desemprego de setembro foi de 8,5% A taxa de desemprego de setembro de situou-se em 8,5%, menos 0,3 pontos percentuais (p.p.)

Leia mais

MEIOS DE ACESSO AO SINAL DE TV

MEIOS DE ACESSO AO SINAL DE TV MEIOS DE ACESSO AO SINAL DE TV População residencial (Trabalho de campo em junho de 2017) Agosto de 2017 ANACOM 1. Introdução Apresenta-se de seguida uma síntese dos resultados do Barómetro de Telecomunicações

Leia mais

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Violeta Alarcão,

Leia mais

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL

5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5. MORTALIDADE E MORBILIDADE GERAL 5.1. Introdução A criação de sistemas de informação que permitam a recolha sistemática de dados de morbilidade e mortalidade é indispensável para o estudo e vigilância

Leia mais

Ind Taxa de prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos, por ano, segundo região e sexo

Ind Taxa de prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos, por ano, segundo região e sexo Ind010308 Taxa de prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos, por ano, segundo região e sexo Indicador Prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos. Descrição Proporção (%)

Leia mais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais 1 Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais Quais as mudanças e as continuidades ocorridas nestas famílias entre 1991-2011? Qual o impacto das mudanças na conjugalidade e na parentalidade,

Leia mais

A Diabetes: que desafio?

A Diabetes: que desafio? A Diabetes: que desafio? José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes Audição na Comissão Parlamentar da Saúde Assembleia da República 25 Fevº 2015 Prevalência da Diabetes Prevalência

Leia mais

ESPERANÇAS DE VIDA SEM INCAPACIDADES FÍSICAS DE LONGA DURAÇÃO

ESPERANÇAS DE VIDA SEM INCAPACIDADES FÍSICAS DE LONGA DURAÇÃO Informação à Comunicação Social 22 de Setembro de 2000 ESPERANÇAS DE VIDA SEM INCAPACIDADES FÍSICAS DE LONGA DURAÇÃO Nas últimas décadas tem-se assistido a um aumento significativo na esperança de vida

Leia mais

97% Dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel

97% Dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias: Indivíduos dos 1 aos 15 anos 3 de Fevereiro 9 97% Dos indivíduos com idade

Leia mais

Dinâmica e caracterização dos jovens não empregados que não estão em educação ou formação (NEEF) em Portugal

Dinâmica e caracterização dos jovens não empregados que não estão em educação ou formação (NEEF) em Portugal 6. TEMA EM ANÁLISE Dinâmica e caracterização dos jovens não empregados que não estão em educação ou formação (NEEF) em Portugal Sónia Torres* Instituto Nacional de Estatística Francisco Lima* Instituto

Leia mais

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal Dia da Comunidade Luso-Brasileira (22 de Abril) Censos 11 19 de abril de 13 Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal De acordo com os Censos 11, na última década a comunidade

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Programasde Promoçãoda SaúdeInfantil emmunicipios

Programasde Promoçãoda SaúdeInfantil emmunicipios Programasde Promoçãoda SaúdeInfantil emmunicipios Research Centre for HealthandSocial Dynamics Ana Rito, M.MSc, Ph.D Presidente da Direção ana.i.rito@gmail.com Sala da Pousada, Fábrica da Pólvora de Barcarena,

Leia mais

1ª e 2ª testagem do Programa FitnessGram na turma - 10ºA

1ª e 2ª testagem do Programa FitnessGram na turma - 10ºA 1ª e 2ª testagem do Programa FitnessGram na turma - 1ºA Os testes que a seguir se referem, do Programa Fitnessgram, foram aplicados na turma 1ºA em dois momentos distintos a primeira testagem no início

Leia mais

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal - 2009 Título: Educação em Números - Portugal 2009 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

envelhecimento demográfico

envelhecimento demográfico Em, Portugal manteve a tendência de envelhecimento demográfico A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população residente em Portugal (10 463), para o qual foi essencial

Leia mais

DÚVIDAS DO DIA A DIA EM CASOS DO MUNDO REAL

DÚVIDAS DO DIA A DIA EM CASOS DO MUNDO REAL DÚVIDAS DO DIA A DIA EM CASOS DO MUNDO REAL 1 de Novembro 2013 Francia Ferraz Interna do 3º ano MGF Orientadora: Rosa Maria Feliciano Caso clínico 68 anos Natural e residente em Santarém Casado Reformado

Leia mais

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados VI Encontro Nacional das Ciências e Tecnologias da Saúde Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados Filipe Fernandes Escola Superior de Tecnologia da

Leia mais

Coração Outono/Inverno

Coração Outono/Inverno Coração Outono/Inverno O que posso fazer pelo doente idoso com: Risco Cardiovascular Elevado Maria João Vieira Interna de Formação Específica em Cardiologia 1ª Ano Hospital Distrital de Santarém Cátia

Leia mais

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução É a identificação atempada de uma determinada doença mesmo

Leia mais