Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável"

Transcrição

1 Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

2 Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física como Factor de Risco comum. Prática de Atividade Física regular, como estratégia fundamental para a Promoção do Envelhecimento Saudável e Ativo com vista ao aumento dos anos de vida com qualidade (QALYS).

3 Projecto MobES O PORQUÊ? Necessidade do controlo da gestão da doença crónica associada ao envelhecimento: índice de envelhecimento da população inscrita 146, utentes com idade 65 anos num total de inscritos; Necessidades de optimização dos recursos disponíveis; Melhoria da comunicação na articulação de cuidados.

4 Projecto MobES A POPULAÇÃO População Utentes com idade a 65 anos inscritos no ACES Lisboa Ocidental e Oeiras. Local Edifício C.S. Oeiras, englobando as 3 Unidades de Saúde Familiares (USF). Objectivo futuro Replicação do projecto a todos os edifícios do ACES.

5 Projecto MobES PARCEIROS Câmara Municipal de Oeiras Prática de exercício físico em espaços públicos; Visitas culturais no Concelho de Oeiras; Integração dos utentes em programas da comunidade após a conclusão do projecto. Faculdade de Motricidade Humana Estágios pós-graduados na área de Mestrado em Exercício Físico e Saúde; Uniformização de metodologias de avaliação. CHLO Hospital Santa Cruz Integração de utentes após evento cardíaco em programas de exercício físico.

6 Projecto MobES A MISSÃO Missão: Fomentar a atividade física específica na terceira idade e a prática regular do exercício físico; Reduzir riscos e maximizar as potencialidades no envelhecimento e na saúde; Promover a autonomia, a participação social e a qualidade de vida; Promover o envelhecimento saudável e a redução do impacto da doença crónica; Melhorar o estado de saúde da população Modelo de gestão e prevenção das doenças crónicas com sustentabilidade dos serviços de saúde.

7 Projecto MobES OBJECTIVOS Estratégias Promover a Vigilância e o Controlo da Doença Crónica Sensibilizar acerca dos benefícios do exercício físico Educação e aconselhamento alimentar Objectivos Gerais Contribuir para a melhoria da Qualidade de Vida do idoso; Empowerment do idoso na aquisição de estilos de vida saudáveis; Empowerment do idoso no seu processo de saúde e na gestão da doença crónica; Incentivar o exercício físico e combater o sedentarismo; Prevenir as Doenças Cerebrocardiovasculares; Contribuir para a prevenção/melhoria das Doenças Osteoarticulares; Fomentar a participação social.

8 Projecto MobES -REFERENCIAÇÃO Referenciação Prescrição de exercício físico pelo Médico de Família Critérios de Referenciação

9 Projecto MobEs AVALIAÇÕES Avaliação de Admissão e Avaliações Periódicas EQ5D, IPAQ, Auto-Eficácia GDC; Peso, IMC, Perímetro Abdominal; Flexibilidade, Equilíbrio, Força e Resistência; Capacidade Funcional; Medicação, Risco Quedas. Identificar FACTORES DE RISCO e PATOLOGIAS Estabelecer um PLANO INDIVIDUAL DE TREINO Educação Individualizada - Adoção de Estilos de Vida Saudáveis Recolha de dados respeitando os Critérios Éticos e Aplicação de Questionários Validados.

10 Projecto MobES Duração: 6 meses (Excepção: situações de risco reconhecido). Intervenção: A componente prática do projeto reveste-se de especificidades relacionadas com as alterações fisiológicas do envelhecimento (e.g. risco de quedas, sarcopenia, excesso de peso). Sessões supervisionadas de acordo com as directrizes para a prática do exercício físico, no âmbito da segurança do utente. Após alta: Seguimento dos utentes a 3 e a 6 meses, com foco na manutenção dos ganhos em saúde obtidos e na gestão da doença crónica.

11 Projecto MobES - ESPECIFICIDADES Presente Patologia Osteoarticular Prevenção Quedas Sarcopenia Alterações: Postura Marcha Obesidade Diabetes HTA Participação Social Acompanhamento Mobilidade e Funcionalidade Equilíbrio e Coordenação Motora Reforço Muscular Dinâmico Reeducação Postural Aumento: Desgaste calórico Força muscular Treino aeróbico Socialização Educação para a Promoção da Saúde Educação individualizada Futuro Replicar a AM a + CS do ACES Circuito Treino Exterior Reabilitação Cardíaca

12 Projecto MobES POPULAÇÃO 31 % utentes com Hipertensão Arterial 71 % utentes com problemas osteoarticulares Indicadores que Caracterizam a População Referenciada 60 % utentes com dor moderada ou extrema 18 % utentes tem doença cardíaca 15 % utentes com diabetes 25 % utentes com outras doenças crónicas

13 Projecto MobES INDICADORES E RESULTADOS 71% utentes que melhorou a qualidade de vida (Qol) 48% utentes que diminuíram a dor 74% utentes que aumentou a atividade física 45% utentes que diminui o IMC 26% utentes que melhorou o controlo metabólico 71% utentes que participaram nos eventos sociais 67% utentes que diminuiu o n.º de consultas agudas na USF nos últimos 6 m 49% utentes que reduziu o custo mensal em medicação 90% utentes que se consideraram satisfeitos e muito satisfeitos no questionário de satisfação

14 Projecto MobES RESULTADOS QUALITATIVOS Empowerment da literacia em saúde; Empowerment na gestão da doença crónica. Funcionalidade; Bem-estar emocional; Dor; Preservação da função cognitiva; Melhorias no sistema cerebrocardiovascular e metabólico.

15 Projecto MobES OUTROS RESULTADOS Reorganização dos serviços: Oferta de cuidados inovadores assentes em procedimentos de melhoria e qualidade nos Cuidados de Saúde Primários; Multidisciplinariedade, articulação e Integração de Cuidados; Cuidados centrados nas necessidades do utente; Formação dos profissionais envolvidos; Reforço e estabelecimento de novas parcerias na comunidade com a Autarquia e FMH.

16 Projecto MobES BALANÇO Projeto inovador nos CSP; Mudança de paradigma para um novo conceito de CS; Replicável noutros ACES; Cultura organizacional Sustentável: Sinergia de cuidados optimizando os recursos disponíveis; Melhoria da integração de cuidados; Atividade física como garantia de saúde das populações, com melhor custo-efetividade; Envolvimento da comunidade nos cuidados de saúde da população.

17 Projecto MobES EQUIPA Professores de educação física - 2; Fisioterapeutas - 2; Tec.ª de Saúde Ambiental - 1; Médica de Medicina Geral e Familiar - 1; Enfermeiras de reabilitação - 2.

18 MobES Mobilidade e Envelhecimento Saudável Obrigado

19 Projecto MobES Testemunhos positivos dos utentes: apoio por parte dos profissionais e pares, enaltecem os benefícios do exercício físico na sua vida diária (aumento de autonomia, ganhos de resistência física, diminuição das dores). Link do filme

ACADEMIA DE MOBILIDADE. Maio 2016

ACADEMIA DE MOBILIDADE. Maio 2016 ACADEMIA DE MOBILIDADE Maio 2016 O aumento da esperança de vida acarreta o Paradigma: (+) anos à vida versus(-) vida aos anos! Questões de saúde e bem-estar nas idades mais avançadas; Aumento significativo

Leia mais

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados

Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Unidade de Cuidados na Comunidade-1º Ano de Vida Projecto de Enfermagem para o Prestador de Cuidados Dilma Pereira Raquel Azevedo Enfermeiras Especialistas em Enfermagem Comunitária Projecto de Enfermagem

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR

Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR Dra Eliane Guimarães Área de Gestão de Saúde PROGRAMA PARA VIVER MELHOR Área de Gestão de Saúde Estrutura Organizacional Área de Gestão de Saúde Núcleo Técnico Administrativo Unidade Saúde Corporativa

Leia mais

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina OBESIDADE NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Marta Alexandra Araújo Oliveira da Silva Orientador Maria Helena Cardoso Pereira da Silva Co-Orientador Cecília

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem XXXII Congresso Português de Cardiologia Enf.ª Patrícia Alves UCIC CHVNGaia/Espinho,Epe Abril 2011 PATOLOGIA CARDIOVASCULAR Principal causa

Leia mais

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC O que fazemos na gestão da medicação nos cuidados de saúde primários (e não só!) Catarina de Oliveira Coelho Serviços Farmacêuticos ARS Centro 19 de abril

Leia mais

A Estratégia Clube, é uma Empresa do Grupo Chebatt & Niklis especializado em Eventos Esportivos, Eventos Corporativos, Atividades Físicas, Lazer e

A Estratégia Clube, é uma Empresa do Grupo Chebatt & Niklis especializado em Eventos Esportivos, Eventos Corporativos, Atividades Físicas, Lazer e A Estratégia Clube, é uma Empresa do Grupo Chebatt & Niklis especializado em Eventos Esportivos, Eventos Corporativos, Atividades Físicas, Lazer e Entretenimento. Sempre buscando a excelência sob todos

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia

Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia Programa de Residência Multiprofissional em Gerontologia Cenário de Prática: No primeiro ano, o residente terá atuação na Proteção Especial e Atenção Especializada de Média e Alta Complexidade, em Unidade

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

Jogo e Motricidade Infantil. Helena Santa Clara

Jogo e Motricidade Infantil. Helena Santa Clara Jogo e Motricidade Infantil Helena Santa Clara MOTRICIDADE INFANTIL Objectivos Gerais Observação Objectivos Específicos Campos de Intervenção Temáticas Matérias Situação / Tarefa Avaliação MOTRICIDADE

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro

CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO. COM PESO e MEDIDA. Enfermeira. Lara F. C. Monteiro CENTRO de SAÚDE de SANTA MARIA da FEIRA PROJECTO COM PESO e MEDIDA Enfermeira Lara F. C. Monteiro Março, 2008 0. Sumário 1. Introdução... Pág. 02 2. Justificação do projecto... Pág. 03 3. Nome do projecto...

Leia mais

Psicoestimulação Cognitiva

Psicoestimulação Cognitiva A tendência demográfica actual aponta para o progressivo aumento da percentagem da população idosa, em detrimento da população de faixas etárias mais jovens. De todas as patologias associadas ao envelhecimento,

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 2 May 2016 Jornadas de Cuidados Continuados Integrados Para onde caminhamos? Rede de cuidados continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade, futuro e Sustentabilidade

Leia mais

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI Análise SWOT da RNCCI PONTOS FORTES Convergência de esforços entre a Saúde e Segurança Social, no sentido da implementação de um modelo de intervenção multisectorial (integração da RNCCI no SNS e SS);

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE EM MEIO ESCOLAR MOVIMENTO ESCOLA/CIDADE DOS AFECTOS GESTÃO DO PROGRAMA Cristina Pecante - Médica, Saúde Pública Fátima Neves - Enfermeira Especialista, Saúde Comunitária

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA FUNDAMENTAÇÃO DA ÁREA CIENTÍFICA DE ORTOPROTESIA LISBOA ABRIL DE 2011 1 ENQUADRAMENTO A Ortoprotesia é uma área cientifica

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz Case Hospital Alemão Oswaldo Cruz Maio/2017 Quem Somos Quem somos Instituição filantrópica privada sem fins lucrativos com 119 anos de existência, fundado pelas comunidades alemã, austríaca e suíça. Hospital

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário

Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Mais e melhores empregos nos serviços de apoio domiciliário Robert Anderson Seminário: Apoio domiciliário e trabalho doméstico: perspetivas de emprego 29 de novembro de 2013, Lisboa Panorâmica Os profissionais

Leia mais

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 8 2015 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26.02.2015 1 Mod46/V01. Org (09.02.2015) Página 2 de 9 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos

Leia mais

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva

Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva Seminário Nacional Unimed de Medicina Preventiva - 2009 Programa de Reabilitação Pulmonar Rosângela H. Araújo Santos Divisão Cooperados Total: 838 0,04% Gerência Executiva da Assistência e Promoção à Saúde

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Melhoria da Segurança com o Programa da Acreditação na USF Dafundo Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Segurança Postura de análise crítica guiada pelos requisitos propostos Reconhecimento

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PRESSUPOSTOS 1. INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS Lares sem Condições. Edifício Deteriorado sem utilização. Centro de Dia e ATL sem condições. Inexistência de

Leia mais

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Dos registos clínicos: médicos e de enfermagem Qualidade e segurança do doente Lucília Martinho médica, presidente da CQSD Maria Teresa Antunes enfermeira

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Necessidades que estiveram na base da implementação da Equipa

Necessidades que estiveram na base da implementação da Equipa Catarina Pazes Necessidades que estiveram na base da implementação da Equipa Aumento da dependência e fragilidade associadas ao envelhecimento; Aumento do número de pessoas com doenças crónicas evolutivas;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Áreas de investigação Edital Normativo 03/2014 A Comissão de Pós-Graduação da Escola de Educação Física, conforme disposto no subitem VIII.11 do Regulamento da Comissão Coordenadora do Programa, baixado

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira

CRIAÇÃO DE VALOR - A FARMÁCIA DO FUTURO - A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde APMGF Rui Nogueira A Visão do Serviço Nacional de Saúde Uma Visão de Médico de Família Rui Nogueira Médico de Família, CS Norton de Matos Coordenador do Internato MGF

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Objectivos da Qualidade

Objectivos da Qualidade Objectivos da Ano: 2008 Rev: 01 Objectivo da Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro do colo do útero cobertura (exames realizados) 4699 mulheres Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

TÍTULO: OS EFEITOS DO EXERCÍCIO RESISTIDO NA PORCENTAGEM DE GORDURA EM IDOSOS

TÍTULO: OS EFEITOS DO EXERCÍCIO RESISTIDO NA PORCENTAGEM DE GORDURA EM IDOSOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: OS EFEITOS DO EXERCÍCIO RESISTIDO NA PORCENTAGEM DE GORDURA EM IDOSOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A Vida é a nossa maior inspiração

A Vida é a nossa maior inspiração PLANO ACTIVIDADES & ORÇAMENTO 2017 A Vida é a nossa maior inspiração O ano de 2017 será um ano de crescimento. A partir de Janeiro de 2017, a Vida Norte alargará a sua intervenção para o concelho de Braga.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Planificação Anual da Disciplina de P.A.F.D. 10º ano Ano Letivo de 2016/2017 Calendarização Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

Enfermagem de Família :

Enfermagem de Família : V ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ENCONTRO DO DIA INTERNACIONAL DA FAMILIA Unidade Científico-Pedagógica de Enfermagem de Saúde Pública, Familiar e Comunitária Enfermagem de Família : Percursos

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO!

QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO! QUEDAS NA IDADE SÉNIOR: DO RISCO À PREVENÇÃO! Janeiro, 2015 Sumário Processo de envelhecimento Incidência das quedas em Portugal Complicações das quedas Do risco à prevenção de quedas Envelhecimento Velhice

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS. Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS Prof. Dr. Helio Furtado POLÍTICAS PÚBLICAS O aumento da longevidade e o rápido crescimento do peso relativo da população idosa, aliados às deficiências no sistema público

Leia mais

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015 Seminário NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015..Resultados em Saúde.. O Programa do XVII Governo reconheceu os Cuidados de Saúde Primários como o pilar central do sistema de saúde.

Leia mais

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF

SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF SAÚDE PARA TODOS Mudando o paradigma de prestação dos Cuidados de Saúde em São Tomé e Príncipe IMVF 1988-2011 CLÁUDIA COSTA; RITA SANTOS; ADRIANA LOUREIRO; PAULA SANTANA Intervenção do IMVF Perfil Instituto

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Enfermeira Sandra Joseane F. Garcia Promoção da Saúde- Divisão de Vigilância Epidemiológica/SC. Divisão de doenças e Agravos

Leia mais

Programa Prevenção de Quedas. Educação e reabilitação pelo Movimento

Programa Prevenção de Quedas. Educação e reabilitação pelo Movimento Programa Prevenção de Quedas. Educação e reabilitação pelo Movimento (*) Maria Teresa Ramilo. Grupo Desporto APP (**) Programa Piloto (1.ª Edição), Parcerias: Lisboa Ginásio Clube; UFS da Sétima Colina;

Leia mais

Designação do Projeto: Divida Zero

Designação do Projeto: Divida Zero Designação do Projeto: Divida Zero Objetivo Geral C5 (PDS) Objetivos Prevenir e apoiar situações de sobre endividamento pessoal e social. Reduzir o peso percentual de utentes com processos em anos anteriores.

Leia mais

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI)

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO SETORIAL PARA A SAÚDE DO SISTEMA PORTUGUÊS DA QUALIDADE CS/09 (REC CS09/01/2014) Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) Contexto O número de

Leia mais

Mesa de Colégio de Especialidade de Enfermagem Comunitária 13 de Setembro de 2015 Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal.

Mesa de Colégio de Especialidade de Enfermagem Comunitária 13 de Setembro de 2015 Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal. Mesa de Colégio de Especialidade de Enfermagem Comunitária 13 de Setembro de 2015 Serviços Centrais da Câmara Municipal do Seixal SUMÁRIO SUMÁRIO Enfermagem Comunitária (3 palavras) 1º desafio Enfermagem

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

PROGRAMA DE GINÁSTICA FUNCIONAL SALAS DE CONTROLE. Bianca Vilela, Fisiologista do Exercício

PROGRAMA DE GINÁSTICA FUNCIONAL SALAS DE CONTROLE. Bianca Vilela, Fisiologista do Exercício PROGRAMA DE GINÁSTICA FUNCIONAL SALAS DE CONTROLE Bianca Vilela, Fisiologista do Exercício Biografia Bianca Vilela Bianca Vilela, profissional da área de Saúde, Educação Física e Fisiologia do Exercício,

Leia mais

APPDA, 16 Outubro 2015

APPDA, 16 Outubro 2015 APPDA, 16 Outubro 2015 Centro de Valpedre Centro de Atividades Ocupacionais (Penafiel) Jovens/Adult os a partir dos 16 anos com PEA e com boa funcionalidad e Dificuldades em integrar ou manter uma atividade

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

A FISIOTERAPIA E OS ESTILOS DE VIDA. cuidados de saúde

A FISIOTERAPIA E OS ESTILOS DE VIDA. cuidados de saúde A FISIOTERAPIA E OS ESTILOS DE VIDA cuidados de saúde Prof. Teresa Tomás Prof. Luísa Pedro Estilos de vida e a Actividade Física Declaração de Alma-Ata (1978) 1º declaração sobre princípios dos cuidados

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Agenda Stress profissional nos enfermeiros e seus impactos Burnout profissional Engagement com o trabalho Preditores

Leia mais

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção António Coelho Edgar Pereira 6º SEMINÁRIO PREVENÇÃO E CONTRO DA INFEÇÃO 1. A Empresa A Doce Viver Lda. Residencial Sénior, é uma empresa

Leia mais

Lazer Ativo: Promoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis. Semana da Vida Saudável

Lazer Ativo: Promoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis. Semana da Vida Saudável Semana da Vida Saudável - 2008 Lazer Ativo: Promoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis Apresentação preparada por Markus Vinicius Nahas NuPAF / UFSC Por que o estilo de vida - e o lazer - são

Leia mais

2007 Professor Pedro Correia

2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos 2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos Desde 2004 que existe uma cooperação entre a DREER e o Clube Naval do Funchal na inclusão

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA PREVENÇÃO DE QUEDAS

ESTRATÉGIAS PARA PREVENÇÃO DE QUEDAS ESTRATÉGIAS PARA PREVENÇÃO DE QUEDAS Monica Perracini Oficina Preparatória para a Semana Mundial de Quedas em Idosos QUIZ PERGUNTAS & RESPOSTAS Quando eu acordo para ir ao banheiro durante a noite: A)

Leia mais

Colégio F3: FOOD, FARMING & FORESTRY. FF 15 junho 2016

Colégio F3: FOOD, FARMING & FORESTRY. FF 15 junho 2016 Colégio F3: FOOD, FARMING & FORESTRY FF 15 junho 2016 A Saúde e o Bem-Estar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável QUAIS AS TEMÁTICAS PRIORITÁRIAS, NA PERSPETIVA DOS PARTICIPANTES NO EVENTO? O papel

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA: SAUDÁVEL

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA: SAUDÁVEL ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ESCOLA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO VIVER SAUDÁVEL Veruska Prado Alexandre Universidade Federal de Goiás Faculdade de Nutrição veruskaprado@yahoo.com.br

Leia mais

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa OBJETIVOS GERAIS Orientar e potencializar a atenção primária para detecção precoce de situações de vulnerabilidade social

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização da Rede Hiperdia Minas.

A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização da Rede Hiperdia Minas. A implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas para organização da Rede Hiperdia Minas. Palestrante: Flávia Gomes de Carvalho Coordenadora de Hipertensão e Diabetes do Estado de Minas Gerais

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

1º Encontro HIPOCOAGULAÇÃO. Realidade na UCSP de Delães. (ACES do AVE III V.N. Famalicão) Auditório do Hospital de Magalhães Lemos, EPE.

1º Encontro HIPOCOAGULAÇÃO. Realidade na UCSP de Delães. (ACES do AVE III V.N. Famalicão) Auditório do Hospital de Magalhães Lemos, EPE. 1º Encontro HIPOCOAGULAÇÃO Realidade na UCSP de Delães (ACES do AVE III V.N. Famalicão) Auditório do Hospital de Magalhães Lemos, EPE 6 Abril 2011 HIPOCOAGULAÇÃO - Realidade Portuguesa EM PORTUGAL Doenças

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho

Formador: Fátima Bernardo. Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho Importância, Objectivos e Fundamentos da Segurança e Saúde no Trabalho 1 CONCLUINDO A SST e a defesa do trabalhador, da comunidade e do meio ambiente Na promoção da segurança e saúde no trabalho o indivíduo

Leia mais

Escola secundaria de Figueiró dos Vinhos Tema: Actividade física em populações especiais

Escola secundaria de Figueiró dos Vinhos Tema: Actividade física em populações especiais Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Prática de actividade física e desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos nº3 11ºD Data de inicio: 17/09/2014 Data de entrega: 15/10/2014 Diogo

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro II Encontro de Boas Práticas Educativas Bragança, 8 de setembro de 2016 Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela (2014-2016) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB

EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB EXERCÍCIO FÍSICO NA TERCEIRA IDADE: NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE EM LAGOA SÊCA/PB Alfredo Rosas de Lima Júnior (1); Kátia Ramalho Bento Souza

Leia mais

Prazo Normal - entre e Prazo Tardio - entre e Inscrição Normal ( ) 99.00

Prazo Normal - entre e Prazo Tardio - entre e Inscrição Normal ( ) 99.00 TREINO PARA PERDA DE MASSA GORDA (OUT 2016) - PORTO A perda de peso é uma das principais razões para as pessoas se inscreverem num ginásio ou iniciarem a prática de exercício físico, pelo que cabe ao profissional

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

Autoras: Enfermeiras Carla Silva, Manuela Dias e Susana Martins. Trabalho desenvolvido CSAH:

Autoras: Enfermeiras Carla Silva, Manuela Dias e Susana Martins. Trabalho desenvolvido CSAH: Autoras: Enfermeiras Carla Silva, Manuela Dias e Susana Martins Trabalho desenvolvido pela equipa do GSC do CSAH: Enfermeiras Carla Silva, Cecília Couto, Manuela Dias, Manuela Silva, Matilde de Aysa, Susana

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL. Centro de Saúde de Serpa

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL. Centro de Saúde de Serpa ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Centro de Saúde de Serpa Justificação: Incube aos serviços de saúde Assegurar as actividades necessárias para uma assistência eficiente e humanizada, na preparação e no acompanhamento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015

PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO Maputo 11 de Novembro de 2015 PLANO ESTRATÉGICO MULTISECTORIAL DE EMERGÊNCIA/TRAUMA PERÍODO 2015-2018 Maputo 11 de Novembro de 2015 Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Contextualização 3. Análise da situação e Justificação 4. Visão e

Leia mais

Seminário Ibérico: "Pobreza e estratégias para a sua erradicação" SANTA CASA DA MISERICÓRDIA FERREIRA DO ALENTEJO

Seminário Ibérico: Pobreza e estratégias para a sua erradicação SANTA CASA DA MISERICÓRDIA FERREIRA DO ALENTEJO Seminário Ibérico: "Pobreza e estratégias para a sua erradicação" SANTA CASA DA MISERICÓRDIA FERREIRA DO ALENTEJO Abril 2016 A História da Instituição Os Serviços disponíveis FEAC Cantinas Sociais Pontos

Leia mais

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança Missão Controle Atenção confiança competência Respeito Segurança Nosso objetivo desde a municipalização SUS foi e continua sendo a análise permanente da situação de saúde, controle dos determinantes, riscos

Leia mais