UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciências da Saúde Unidade Ponte de Lima Aluna de Enfermagem : Ana Isabel Sequeiros de Matos Lima. Nº7709 Orientadora Científica: Professora Doutora Manuela Pontes

2 Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial nos adultos de Ponte de Lima Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

3 Hipertensão Arterial Obesidade Ser Adulto IMC Peso Pressão Arterial Estatura Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 3

4 IMC = Peso / Estatura² Designação IMC (kg/m²) Classe de Baixo Peso Magreza Severa <6,00 III Magreza Média 6,00-6,99 II Magreza Moderada 7,00-8,9 I Normal 8,50-,99 Peso Normal Pré-Obesidade 5,00-9,99 Pré Obesidade Classe de Obesidade Obesidade 30,00-3,99 I Obesidade 35,00-39,99 II Obesidade 0,00 III Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

5 Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 5

6 Compreender se existe relação entre os valores de IMC e a variação dos níveis de PA nos adultos de Ponte de Lima. Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 6

7 Conhecer se existe relação entre os valores de IMC e a variação dos níveis de PA nos adultos de Ponte de Lima. Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 7

8 Identificar os valores de IMC em relação a idade e ao género dos adultos de Ponte de Lima. Conhecer a variação dos níveis da PA em relação a idade e ao género dos adultos de Ponte de Lima. Verificar a existência de relação entre os valores de PA e IMC nos adultos de Ponte de Lima. Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 8

9 Estado Cívil Habitações Literárias Profissão Atual Idade Antecedentes Pessoais de doença Sexo Variáveis atributo Medicação Habitual Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 9

10 Variáveis em estudo Peso Estatura Índice de Massa Corporal Pressão Arterial Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 0

11 Respeito à Pessoa Beneficência Justiça Hulley, (008, pág.3) Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

12 Descritivo Correlacional Fortin ( 009, pág.) Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

13 População Amostra Não Probabilística Acidental Adultos de Ponte de Lima CCC Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 3

14 Administração direta Questionário Observação direta Registo da observação Guia de Observação Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

15 Validade Operatividade Fidedignidade de Agosto de 05 a 5 indivíduos Marconi e Lakatos (007, pág.00) Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 5

16 Tratamento Microsoft Office Excel 007 Apresentação dos dados Gráficos Tabelas Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 6

17 Frequência Absoluta e Relativa (,068%) 8 (3,03%) (,7%) 5 (8,60%) Idade e Género (6,896%) 8 (3,79%) 6 (0,3%) (6,896%) 0 (0%) 5 (8,60%) [9-9] [9-39] [39-9] [9-59] [59-69] Classe Etária Masculino Femenino Média Moda Mediana 37,793 Anos,678 Anos 35,699 Anos Desvio Padrão Mínimo Máximo,57 Anos 9, 000 Anos 69,000 Anos Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 7

18 Frequência Absoluta e Relativa Estado Cívil (7,58%) 9 (3,756%) (8,96%) Casado / União de Facto 0 (0%) 5 (8,60%) 6 (0,3%) (,7%) 0 (0%) Viúvo Solteiro Divorciado / Separado Masculino Femenino Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 8

19 Frequência Absoluta e Relativa 6 Hábilitações Literárias 3 (,%) 5 (5,860%) (5,7%) (6,896%) 5 (8,60%) 8 (3,79%) 9 (5,56%) (,7%) Até º ano Até 9º ano Até ºano Ensino Superior Masculino Femenino Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 9

20 Classificação da Profissão Profissão Atual Desempregados 3 - (5,7%) - Estudantes - (6,896%) - (0,688%) Trabalhadores não qualificados 9 - (5,56%) Trabalhadores qualificados da industria, construção e artificios - (,7%) 7 - (,068%) Trabalhadores dos serviços pessoais de protecção e segurança e vendedores 3 - (5,7%) 6 - (0,3%) Femenino Masculino Pessoal administrativo 3 - (5,7%) Especialistas das actividades intelectuais e cientificas 7 - (,068%) Profissões das forças armadas 0 -( 0%) - (,7%) Frequência Absoluta e Relativa Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 0

21 Antecedentes Pessoais de Doença Hiperuricémia Doença Oncológica Bronquite Enxaquecas Asma Alergias Dislipidemia Hipercolesterolemia Diabetes HTA Distenia Não apresentam - (,7%) - (,7%) - (,7%) - (,7%) 0 - (0 %) - - (,7%) - (,7%) 3 - (5,7%) - - (6,896%) 3 - (5,7%) 3 - (5,7%) 7 - (,068%) - (,7%) 0 -( 0%) 7 - ( 6,58%) 0 - (7,0%) Frequência Absoluta e Relativa Femenino Masculino Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

22 Medicação Diária Medicamentos usados para o tratamento de gota Antiepiléticos / Anticonvulsivantes Analgésicos e antipiréticos - - (, 7%) 0 - (0 %) - (,7%) Hormonas sexuais 6 - (0,3%) Anti-Dislipidémicos Insulinas, antidiabéticos orais e glucagom Anti-Hipertensores (8,60%) - - (6,896%) - - (6, 896%) Femenino Masculino Psicofarmácos - Não apresentam toma de medicação 0 - (7,0%) 9 - (9,996%) Frequência Absoluta e Relativa Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

23 Índice de Massa Corporal Obesidade Grau II - (,7%) Obesidade Grau I 7 - (,068%) 6 - (0,3%) Pré Obesidade 6 - (0,3%) - (,36%) Femenino Masculino Peso Normal 7 - (9,308%) 5 - (8,60%) Baixo Peso Grau I - Magreza moderada - (3, 8%) Frequência Absoluta e Relativa Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 3

24 Pressão Arterial HTA Grau I - (6,896%) - (,7%) Normal Alta 5 - (8,60%) - (6,896%) Normal 7 - (,068%) 6 - (0,3%) Femenino Masculino Ótima 7 - (,068%) - (,376%) Frequência Absoluta e Relativa Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial

25 [9-9[ [9-39[ [39-9[ [9-59[ [59-69] Total IMC M F M F M F M F M F Baixo Peso Grau I Magreza moderada Peso Normal 0 (6,896%) (0,688%) (,7%) (,7%) 0 0 (37,98%) Pré Obesidade (,7%) (6,896%) (,7%) (,7%) 5 (8,60%) 0 0 (3,80%) Obesidade Grau I (5,7%) 3 (,%) Obesidade Grau II (,7%) (,7%) Total 7 (,068%) 8 (3,03%) (,7%) 5 (8,60%) (6,896%) 9 (5,56%) 6 (0,3%) 3 (5,7%) 0 5 (8,60%) 58 (99,99%) Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 5

26 [9-9[ [9-39[ [39-9[ [9-59[ [59-69] Total PA M F M F M F M F M F Ótima (6,896%) (,36%) (,7%) 3 (5,7%) (,7%) 0 3 (5,7%) 3 (55,68%) Normal (,7%) (6,896%) 0 (,7%) (,7%) (,%) Normal Alta (,7%) 3 (5,7%) (3,79%) HTA Grau I (,7%) 0 (,7%) (,7%) (8,60%) Total 7 (,068%) 8 (3,03%) (,7%) 5 (8,60%) (6,896%) 9 (5,56%) 6 (0,3%) 3 (5,7%) 0 5 (8,60%) 58 (99,99%) Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 6

27 PA Ótima Normal Normal Alta HTA Grau I Total IMC M F M F M F M F Baixo Peso Grau I Magreza moderada Peso Normal 0 (,7%) (8,96%) (5,7%) (6,896%) (,7%) 0 0 (37,98%) Pré Obesidade 3 (5,7%) 6 (0,3%) (,7%) 3 (5,7%) 0 3 (5,7%) 0 (3,80%) Obesidade Grau I (6,896%) (,7%) 0 (,7%) (,7%) 3 (,%) Obesidade Grau II (,7%) (,7%) Total 6 (0,3%) 3 (39,65%) 6 (0,3%) 9 (5,56%) 5 (8,60%) (6,896%) (,7%) (6,896%) 58 (99,99%) Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 7

28 Pela discussão das variáveis desteta-se haver relação no comportamento das variáveis : IMC, PA, Classe Etária e Género. Dar utilidade social ao trabalho de Investigação Divulgação Investigação Oferecer trabalho a entidade que facilitou a colheita de dados (CCC) e dinamizar debates sobre os resultados do estudo Realização de sessões de Educação para a saúde Realização de estudo correlacional com uma amostra mais representativa da população em estudo Relação entre os valores de Índice de Massa Corporal e a variação dos níveis de Pressão Arterial 8

29 UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciências da Saúde Unidade Ponte de Lima Aluna de Enfermagem : Ana Isabel Sequeiros de Matos Lima. Nº7709 Orientadora Científica: Professora Doutora Manuela Pontes

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde

Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Licenciatura em Ciências da Nutrição Relação entre a Ingestão de Café e a Saúde Volume II Anexos Elaborado por Gilda Maria Pimentel Brandão Aluna nº 201092225 Orientador Interno: Prof. Doutora Suzana Paz

Leia mais

Construção da base de dados

Construção da base de dados Construção da base de dados Exemplos de Inquéritos O instrumento de notação Codificação e dicionário das variáveis Data view e variable view Introdução de dados Dicionário de Dados Para cada questão

Leia mais

PERFIL E ESTRATIFICAÇÃO DE USUÁRIOS HIPERTENSOS DA UNIDADE DE SAUDE DA FAMÍLIA

PERFIL E ESTRATIFICAÇÃO DE USUÁRIOS HIPERTENSOS DA UNIDADE DE SAUDE DA FAMÍLIA PÓLO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMILIA PERFIL E ESTRATIFICAÇÃO

Leia mais

ANEXO I QUESTIONÁRIO SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALGUNS FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR NO ESTADO DE SAÚDE. Data da 1ª coleta de informações: / /2016.

ANEXO I QUESTIONÁRIO SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALGUNS FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR NO ESTADO DE SAÚDE. Data da 1ª coleta de informações: / /2016. ANEXO I QUESTIONÁRIO SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALGUNS FATORES QUE PODEM INFLUENCIAR NO ESTADO DE SAÚDE O presente Questionário tem como objetivos informar o estado de saúde do aluno para que o profissional

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde. 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2,

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Anexo 2 Caderno de recolha de dados 1 DESENHO DO ESTUDO

Anexo 2 Caderno de recolha de dados 1 DESENHO DO ESTUDO Anexo 2 Caderno de recolha de dados 1 DESENHO DO ESTUDO 1 A amostra será representativa da população com um mínimo de 323 participantes, devendo estes ser provenientes de toda a população Portuguesa. Os

Leia mais

DESIGUALDADES DE GÉNERO: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NOS AÇORES

DESIGUALDADES DE GÉNERO: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NOS AÇORES DESIGUALDADES DE GÉNERO: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NOS AÇORES Simpósio Internacional sobre Direitos Humanos e Qualidade de Vida nas Comunidades Falantes de Português nos Estados Unidos da América e no Canadá

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

REGISTO BIOGRÁFICO CLÍNICO - PROJETOS SAÚDE EM DIA

REGISTO BIOGRÁFICO CLÍNICO - PROJETOS SAÚDE EM DIA REGISTO BIOGRÁFICO CLÍNICO - PROJETOS SAÚDE EM DIA Projeto: Data da : Professor Responsável: Enfermeiras Técnicos: Ana Cardoso; Daniela Santos Data da : 15-04-2014 Data da : 15-04-2014 IMC /m2 IMC /m2

Leia mais

ÍNDICE Pág. 1 INTRODUÇÃO PARTICIPANTES INSTRUMENTOS PROCEDIMENTOS ANÁLISE DESCRITIVA ANÁLISE INFERENCIAL 60

ÍNDICE Pág. 1 INTRODUÇÃO PARTICIPANTES INSTRUMENTOS PROCEDIMENTOS ANÁLISE DESCRITIVA ANÁLISE INFERENCIAL 60 ÍNDICE Pág. 1 INTRODUÇÃO. 15 2 MATERIAIS E MÉTODOS 33 2.1 PARTICIPANTES 35 2.2 INSTRUMENTOS 36 2.3 PROCEDIMENTOS 41 3 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 45 3.1 - ANÁLISE DESCRITIVA 45 3.1.1. Caracterização sócio-demográfica

Leia mais

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB

EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB EXCESSO DE PESO E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS ASSISTIDOS PELO NASF DO MUNICÍPIO DE PATOS-PB Maria Rozimar Dias dos Santos Nóbrega José Maurício de Figueiredo Júnior Faculdades Integradas de Patos FIP

Leia mais

Anexo I. Consentimento informado

Anexo I. Consentimento informado Anexo I Consentimento informado Eu, Tânia Guimarães, finalista da licenciatura em Fisioterapia da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, venho por este meio solicitar a sua participação num estudo de

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal Anexo 1 Determinação do Índice de Massa Corporal* O índice de massa corporal (BMI) é um instrumento utilizado para determinar o estatuto de peso corporal nos seres humanos. Os seus valores variam em função

Leia mais

Inquérito de Saúde no Município de São Paulo

Inquérito de Saúde no Município de São Paulo Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-Capital 2008 Primeiros resultados (comentados) Neuber J. Segri Inquérito de Saúde do Município de São Paulo ISA-Capital ANÁLISE DOS DADOS: STATA módulo

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

18% 14% 11% 7% 7% 7% < >60. Classes etárias (anos)

18% 14% 11% 7% 7% 7% < >60. Classes etárias (anos) ANEXO II: Apresentação gráfica da análise dos resultados dos Inquéritos Os gráficos em seguida apresentados, resultam da análise estatística dos dados obtidos através dos inquéritos realizados aos frequentadores

Leia mais

Diana Mafalda Tavares e Pinho. Questionário. Conhecimentos dos Pais acerca das capacidades sensoriais do recém-nascido. Faculdade de Ciências da Saúde

Diana Mafalda Tavares e Pinho. Questionário. Conhecimentos dos Pais acerca das capacidades sensoriais do recém-nascido. Faculdade de Ciências da Saúde Diana Mafalda Tavares e Pinho Questionário Conhecimentos dos Pais acerca das capacidades sensoriais do recém-nascido Faculdade de Ciências da Saúde Universidade Fernando Pessoa Porto, 2009 Nota introdutória

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

IMC para adolescentes:

IMC para adolescentes: ANEXO 1 Anexo 1 IMC para adolescentes: Idade Sexo Baixo Peso Peso Normal 6 anos 7 anos 8 anos 9 anos 10 anos 11 anos 12 anos 13 anos 14 anos 15 anos 16 anos 17 anos Masculino Feminino Masculino Feminino

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Isabel Cardoso, Filipa Guerra, Ana Pinto, Violeta Alarcão, Milene Fernandes, Sofia Guiomar, Paulo Nicola, Evangelista Rocha CONHECIMENTOS E HÁBITOS ALIMENTARES CONSIDERANDO AS RECOMENDAÇÕES PARA HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NATIVOS SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA: DETERMINANTES DA ADESÃO ÀS

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO QUESTIONÁRIO

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO QUESTIONÁRIO PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO QUESTIONÁRIO O presente questionário foi elaborado no âmbito da disciplina Estágio e Projecto de Graduação, do 4º ano, da licenciatura em Enfermagem da Faculdade de Ciências da

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

1. Identificação Nome: Está interessado(a) em receber as nossas Newsletters? ( ) Sim ( ) Não Como ficou a conhecer a nossa clínica?

1. Identificação Nome: Está interessado(a) em receber as nossas Newsletters? ( ) Sim ( ) Não Como ficou a conhecer a nossa clínica? Preparação 1ª consulta Anti-envelhecimento Responda ao seu questionário o mais rigorosamente possível porque da exatidão das suas respostas depende a eficácia da nossa consulta e melhor será orientado

Leia mais

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS População Estrangeira em Portugal 23 28 de Junho de 24 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS Em 23, segundo informação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a população estrangeira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 1 COMISSÃO DE DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO FORMULÁRIO DESTINADO AOS OCUPANTES DE FG E CD Portaria nº 147/GR 2 1. IDENTIFICAÇÃO HISTÓRICO FUNCIONAL NOME: END. RES: CIDADE: BAIRRO: CEP:

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL: análise e comparação entre alunos do ensino fundamental do município de Muzambinho e Guaxupé

COMPOSIÇÃO CORPORAL: análise e comparação entre alunos do ensino fundamental do município de Muzambinho e Guaxupé 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG COMPOSIÇÃO CORPORAL: análise e comparação entre alunos do ensino fundamental

Leia mais

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística.

ANEXO 1. Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. ANEXO 1 Em termos mais pormenorizados, podemos referir os dados para o ano 2002, fornecidos gentilmente pelo Instituto Nacional de Estatística. 1. Qualificação da população activa portuguesa Gráfico 1.

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO E NO NÍVEL DE SÓDIO CONSUMIDO POR HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NÃO IMIGRANTES, SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA?

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Mulheres e Homens em Portugal, Retrato Estatístico da Década de 90

Mulheres e Homens em Portugal, Retrato Estatístico da Década de 90 Informação à Comunicação Social 16 de Maio de 2000 Mulheres e Homens em Portugal, Retrato Estatístico da Década de 90 Encontra-se disponível um documento de trabalho com cerca de 50 páginas sobre este

Leia mais

J. AO EXP Senhor Presidente, Em 2

J. AO EXP Senhor Presidente, Em 2 S ~~r Prefeitura de SOROCABA. Gabinete do Prefeito GP-RI-0916/14 J. AO EXP Senhor Presidente, Em 2 Sorocaba, 13 de junho de 2014. Em p ta ao requerimento n 0881 /2014, de autoria do,: nobre Vereador FERÍDO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SATISFAÇÃO DE UTENTES DOS POSTOS DE TURISMO

AVALIAÇÃO DE SATISFAÇÃO DE UTENTES DOS POSTOS DE TURISMO AVALIAÇÃO DE SATISFAÇÃO DE UTENTES DOS POSTOS DE TURISMO 2016 RELATÓRIO ANUAL 1 ÍNDICE 1. METODOLOGIA... 5 1.1. AMOSTRA... 5 1.2. REALIZAÇÃO DO INQUÉRITO... 6 1.2.1. Questionário... 6 2. RESULTADOS DOS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO Andreza Jardelino da Silva 1,Ednário B. de Mendonça 2, Márcia Marciele dos Santos Silva 3, Kleber N. N. O. Barros 4 Departamento de Estatística,

Leia mais

Índice de Massa Corporal (IMC) Peso atual/usual/ideal Adequação de peso Peso ajustado

Índice de Massa Corporal (IMC) Peso atual/usual/ideal Adequação de peso Peso ajustado Universidade Federal do Pampa Curso de Nutrição Avaliação Nutricional Índice de Massa Corporal (IMC) Peso atual/usual/ideal Adequação de peso Peso ajustado Leonardo Pozza Itaqui, 2017 PESO O peso é a soma

Leia mais

FORMULÁRIO DOS ESTAGIÁRIOS

FORMULÁRIO DOS ESTAGIÁRIOS 1 FORMULÁRIO DOS ESTAGIÁRIOS Portaria nº 147/GR 2 1. IDENTIFICAÇÃO HISTÓRICO FUNCIONAL NOME: END. RES: CIDADE: BAIRRO: CEP: PORTADOR DEFICIÊNCIA: SIM NÃO DATA DE NASCIMENTO: SEXO: FEM MASC CIDADE: NACIONALIDADE:

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Código QUESTIONÁRIO GERAL SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE

Código QUESTIONÁRIO GERAL SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE Código QUESTIONÁRIO GERAL SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE Instruções: Assinale com um X a resposta que considera mais correta em relação a cada uma das perguntas. Em alguns casos a questão é de resposta múltipla.

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Questionário. Redes sociais e consumos culturais: Facebook como agenda cultural

Questionário. Redes sociais e consumos culturais: Facebook como agenda cultural Questionário Redes sociais e consumos culturais: Facebook como agenda cultural A aplicação deste questionário tem como objectivo estudar as práticas culturais e as redes sociais, no âmbito do mestrado

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável DESTINATÁRIOS Médicos dos Centros de Saúde da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Sandra Ferreira, Carla Loureiro, Pascoal Moleiro ----------------------- Aprovação Director do Serviço

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

A relação entre os factores sócio-demográficos e o nível de conforto da mulher com cancro da mama em tratamento com quimioterapia

A relação entre os factores sócio-demográficos e o nível de conforto da mulher com cancro da mama em tratamento com quimioterapia A relação entre os factores sócio-demográficos e o nível de conforto da mulher com cancro da mama em tratamento com quimioterapia Tese de Mestrado em Ciências de Enfermagem Fernanda Dantas - Consulta Externa

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO CORRELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE IDOSOS EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Anna Cláudia Freire

Leia mais

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho

Introdução. avalon 04/02/2016. José Pereira De Mattos Filho Introdução Avalon 2.0.1-06/02/2016 Interpretação dos Percentis Avalon 2.0.1-06/02/2016 Anamnese ANAMNESE Histórico de Atividades Físicas Praticou tênis durante 15 anos, mas está parado há 4 anos. Atividades

Leia mais

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional?

Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Como fazer o diagnóstico nutricional? Profa. Raquel Simões Quais os indicadores para diagnóstico nutricional? Adequação da média e mediana (classificação de Gomez) Desvio-padrão (DP) ou escore Z: indica

Leia mais

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF)

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Sumário e Considerações Finais 27 de maio de 2016 Instituto Ricardo Jorge (INSA, IP), 27 de maio de 2016 1 Sumário Enquadramento: A importância

Leia mais

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO?

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? É, mas não com a mesma qualidade.. (Mark Twain) AGRADECIMENTOS

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE A OBESIDADE E AS COMORBIDADES APRESENTADAS POR IDOSOS ATENDIDOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ASSOCIAÇÃO ENTRE A OBESIDADE E AS COMORBIDADES APRESENTADAS POR IDOSOS ATENDIDOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ASSOCIAÇÃO ENTRE A OBESIDADE E AS COMORBIDADES APRESENTADAS POR IDOSOS ATENDIDOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Milena Freire Delgado 1 ; Maria Isabel da Conceição Dias Fernandes 2 ; Isabel Neves Duarte

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa IPL Carla Costa Lança carla.costa@estesl.ipl.pt 2010 Introdução As competências profissionais no

Leia mais

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal

Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal Dia da Comunidade Luso-Brasileira (22 de Abril) Censos 11 19 de abril de 13 Comunidade Brasileira é a maior comunidade estrangeira em Portugal De acordo com os Censos 11, na última década a comunidade

Leia mais

pesquisas PESQUISA DE MERCADO E OPINIÃO PÚBLICA 3º PESQUISA REGISTRADA TSE AM /2016 CNPJ:

pesquisas PESQUISA DE MERCADO E OPINIÃO PÚBLICA 3º PESQUISA REGISTRADA TSE AM /2016 CNPJ: PESQUISA DE MERCADO E OPINIÃO PÚBLICA 3º PESQUISA REGISTRADA TSE AM - 04533/2016 CNPJ: 14.614.894.0001-14 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Pontual Pesquisas atua no mercado desde 2011 com equipe técnica pronta

Leia mais

PERFIL DO TURISTA DA LINHA TURISMO DE PORTO ALEGRE. Julho 2008

PERFIL DO TURISTA DA LINHA TURISMO DE PORTO ALEGRE. Julho 2008 PERFIL DO TURISTA DA LINHA TURISMO DE PORTO ALEGRE Julho 2008 Apresentação A partir de Termo de Cooperação firmado entre as Faculdades Rio-Grandenses FARGS e a Secretaria Municipal de Turismo SMTUR, realizou-se

Leia mais

15 de Julho Dia do Homem. INFORME SEMANA DA SAÚDE DO HOMEM (10 a 13 de julho de 2012)

15 de Julho Dia do Homem. INFORME SEMANA DA SAÚDE DO HOMEM (10 a 13 de julho de 2012) 1. Aferição de glicemia capilar 15 de Julho Dia do Homem INFORME SEMANA DA SAÚDE DO HOMEM (10 a 13 de julho de 2012) A aferição da glicemia capilar deve preferencialmente ser realizada no contexto da linha

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSAM PELA PRIMEIRA VEZ, NO 1º ANO NA ESEL 2012/2013

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSAM PELA PRIMEIRA VEZ, NO 1º ANO NA ESEL 2012/2013 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSAM PELA PRIMEIRA VEZ, NO 1º ANO NA ESEL 2012/2013 Realização: Alexandre Boavida Vicente Ana Cristina Santos Ana Paula Fontinha Bruno Gonçalves Ramos Coordenação: Alexandra

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ESTATÍSTICA DESCRITIVA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Organização Descrição Quantificação de variabilidade Identificação de valores típicos e atípicos Elementos básicos: Tabelas Gráficos Resumos numéricos CONCEITOS BÁSICOS Variável

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO PARA PROFESSORES

FICHA DE INSCRIÇÃO PARA PROFESSORES FICHA DE INSCRIÇÃO PARA PROFESSORES Rua Cassio de Campos Nogueira 393 Rio Bonito São Paulo, SP Brazil 04829-310 Tel: 55-11-5929-9500 Fax: 55-11-5928-9591 www.paca.com.br E-mail: info@paca.com.br Por favor,

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Endereço: nº Apt. Bloco Bairro: CEP: Fone(s): Celular:

Endereço: nº Apt. Bloco Bairro: CEP: Fone(s): Celular: Ficha Cadastral 2017 ------------------------------------ DADOS DO ALUNO (como consta na certidão de nascimento) ---------------------------------- Nome completo (sem abreviação): Sexo: ( ) M ( ) F Data

Leia mais

Percepção da população sobre a avaliação dos estudantes e dos cursos de medicina

Percepção da população sobre a avaliação dos estudantes e dos cursos de medicina Percepção da população sobre a avaliação dos estudantes e dos cursos de medicina População brasileira, 16 anos ou mais Setembro de 2016 2 Objetivo Conhecer a opinião da População sobre a realização de

Leia mais

pesquisas PESQUISA DE MERCADO E OPINIÃO PÚBLICA 1º PESQUISA REGISTRADA COARI TSE AM /2016 CNPJ:

pesquisas PESQUISA DE MERCADO E OPINIÃO PÚBLICA 1º PESQUISA REGISTRADA COARI TSE AM /2016 CNPJ: PESQUISA DE MERCADO E OPINIÃO PÚBLICA 1º PESQUISA REGISTRADA COARI TSE AM - 05120/2016 CNPJ: 14.614.894.0001-14 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Pontual Pesquisas atua no mercado desde 2011 com equipe técnica

Leia mais

DIA MUNDIAL DO RIM 2017

DIA MUNDIAL DO RIM 2017 DIA MUNDIAL DO RIM 2017 DOENÇA RENAL E OBESIDADE Liga Acadêmica de nefrologia Itaúna MG Organização: Liga Acadêmica de Nefrologia da Universidade de Itaúna (Lanefro Uit) Coordenação: Dr. Yoshimi Watanabe

Leia mais

Organização Descrição Quantificação de variabilidade Identificação de valores típicos e atípicos

Organização Descrição Quantificação de variabilidade Identificação de valores típicos e atípicos ESTATÍSTICA DESCRITIVA Organização Descrição Quantificação de variabilidade Identificação de valores típicos e atípicos Elementos básicos: Tabelas Gráficos Resumos numéricos CONCEITOS BÁSICOS Variável

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONCESSÃO DE APOIO A ESTRUTURAS SOCIAIS DESFAVORECIDAS OU DEPENDENTES (Modelo A1) No âmbito da alínea c) do artº 64 do DL 169/99 de 18 de Setembro

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

Appendix 1 HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Questionário de Triagem para Determinação de Intervalo de Referência Todas as informações são

Leia mais

Conhecer os doentes hipertensos de uma lista de utentes Que risco cardiovascular?

Conhecer os doentes hipertensos de uma lista de utentes Que risco cardiovascular? Conhecer os doentes hipertensos de uma lista de utentes Que risco cardiovascular? Sandra Soares Interna do 2º ano de Medicina Geral e Familiar Carla Mendes Interna do 3º ano de Medicina Geral e Familiar

Leia mais

Aula 01. Organização e Apresentação dos Dados. Stela Adami Vayego - DEST/UFPR

Aula 01. Organização e Apresentação dos Dados. Stela Adami Vayego - DEST/UFPR Aula 01 Organização e Apresentação dos Dados 1. Variável Estudo dos fatores de risco de doença cardíaca variáveis unidades ou casos Indivíduo Sexo Fumante Peso (Kg) 1 M sim 87 2 F não 50............ n

Leia mais

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012

III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 III INQUÉRITO NACIONAL AO CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA POPULAÇÃO GERAL, PORTUGAL 2012 Consumo de substâncias psicoativas na população laboral Casimiro Balsa Clara Vital Cláudia Urbano CESNOVA

Leia mais

Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores de Apetite

Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores de Apetite Eficácia e Segurança dos Medicamentos Inibidores de Apetite Ricardo M. R. Meirelles Título de Notório Saber PUC-Rio Professor Associado de Endocrinologia da PUC-Rio Diretor do Instituto Estadual de Diabetes

Leia mais

FATORES DE ADESÃO MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS. Nilda Maria de Medeiros Brito Farias. Contexto. População mundial envelhece

FATORES DE ADESÃO MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS. Nilda Maria de Medeiros Brito Farias. Contexto. População mundial envelhece Ministério da Saúde Programa de Saúde da Família II Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família FATORES DE ADESÃO MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS Nilda Maria de Medeiros Brito Farias Campina Grande

Leia mais

Obesidade Mórbida Protocolos

Obesidade Mórbida Protocolos Obesidade Mórbida Protocolos Para análise da solicitação de cirurgia de Obesidade Mórbida, é imprescindível o envio à CABESP da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1- Protocolo 01 - solicitação

Leia mais

Efeito na perda de peso de uma intervenção alimentar e de estilos de vida em hipertensos medicados nativos e imigrantes africanos

Efeito na perda de peso de uma intervenção alimentar e de estilos de vida em hipertensos medicados nativos e imigrantes africanos Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Efeito na perda de peso de uma intervenção alimentar e de estilos de vida em hipertensos medicados

Leia mais

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008 20 a 24 de outubro de 2008 PREVALÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E SUA RELAÇÃO COM FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM CUIDADORES DE PACIENTES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ Juliana Barbosa

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

DA FUNÇÃO RESPIRATÓRIA

DA FUNÇÃO RESPIRATÓRIA DA FUNÇÃO RESPIRATÓRIA CICLO DE WORKSHOPS DE FUNÇÃO RESPIRATÓRIA Hospital CUF Descobertas FUNDAMENTAÇÃO A avaliação funcional respiratória tornou-se, nas últimas décadas, parte da rotina que, juntamente

Leia mais

Representações e atitudes dos lisboetas face à homossexualidade Programa de Ocupação Cientifica de Jovens nas Férias

Representações e atitudes dos lisboetas face à homossexualidade Programa de Ocupação Cientifica de Jovens nas Férias Representações e atitudes dos lisboetas face à homossexualidade Programa de Ocupação Cientifica de Jovens nas Férias Investigadores responsáveis: André Afonso Catarina Delgado Inês Tavares Helena Figueiredo

Leia mais

O SONO NA ADOLESCÊNCIA QUAL A SUA IMPORTÂNCIA?

O SONO NA ADOLESCÊNCIA QUAL A SUA IMPORTÂNCIA? O SONO NA ADOLESCÊNCIA QUAL A SUA IMPORTÂNCIA? Dra. Júlia Machado Dra. Marisa Rodrigo Clínica do Sono Porto, 27 de Maio de 2011 O que é o sono? Repouso físico e mental Comportamento periódico Factor de

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

7/26/2011 MEDIDAS DE POSIÇÃO

7/26/2011 MEDIDAS DE POSIÇÃO BIOESTATÍSTICA 5 As medidas de tendência central são assim denominadas por indicarem um ponto em torno do qual se concentram os dados. Este ponto tende a ser o centro da distribuição dos dados. 1 São as

Leia mais