Praticado no Sudoeste do Paraná. Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Praticado no Sudoeste do Paraná. Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3)"

Transcrição

1 Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR2 Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3) AR + RL AR RL AR RL AR + RL - Alternância/rotação de milho/soja/pai em plantio direto; - Suplementação com energético, utilizando menos de 100 kg de rolão de milho/vaca/ano; - Lactações em torno de litros leite/vaca/ano; - Parte das máquinas agrícolas alugadas; - A localização do piquete em área acidentada exige, para a expansão das pastagens, redução da área ocupada por grãos; - Interesse limitado na ampliação do rebanho leiteiro. - Maior produção de leite na estação fria; - Produção de grãos e leite a baixo custo, representando respectivamente 52,19% e 47,81% da renda bruta. UNIDADE DE EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA - 28,0 ha SAU - 22,0 ha RF GRÃOS PASTAGEM ANUAL INVERNO 16,0 ha 16,0 ha PERFIL TOPOSSEQUÊNCIA 3 relevo forte ondulado Obs: Características de solos são descritas nas referências modulares. 2,33 Eq.H 20 vacas leiteiras PASTAGEM PERENE VERÃO PASTAGEM PERENE INVERNO CONSTRUÇÕES/ESTRADAS INTERNAS RESERVA LEGAL/APP 5,0 ha 1,0 ha 0,5 ha 5,5 ha Sistema forrageiro 100% a pasto

2 Capacidade de suporte das pastagens Estação quente: kg PV/ha ou 4,6 UA/ha Estação fria: 788 kg PV/ha ou 1,75 UA/ha Durante 9 meses do ano o sistema baseia-se em forrageiras tropicais. Em relação às forrageiras temperadas, as tropicais apresentam maior produção (kg MS/ha), mas com menor teor de PB e digestibilidade. O consórcio com leguminosas eleva o teor de PB das forrageiras tropicais, com aumento insuficiente da capacidade de suporte da pastagem. A aplicação de N aumenta a capacidade de suporte da pastagem e também a PB. A menor digestibilidade das forrageiras tropicais demanda suplementação energética. FORNECIMENTO DE ROLÃO DE MILHO Sugere-se a divisão dos animais em dois grupos, conforme as diferentes capacidades de resposta: GRUPO I Vacas e novilhas de 1ª cria nas últimas 3 semanas antes do parto + vacas até a 12ª semana após o parto; e GRUPO II Vacas em lactação da 13ª semana após o parto até o final da lactação. CALENDÁRIO DO MANEJO DAS PASTAGENS OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET NPK PASTAGEM PERENE DE VERÃO (PPV) NPK NPK PASTEJO PPV + TREVO BRANCO DIF.IMPL. AZ + T.B. PASTEJO PPV + T. B. REDUZ ANIMAIS PASTAGEM PERENE DE INVERNO (PPI) LIMPEZA / ADUBAÇÃO DIFERIMENTO USO PLENO DA PPI PASTAGEM ANUAL DE INVERNO (PAI) SOJA IMPLANTAÇÃO PAI PASTEJO PAI MILHO IMPLANTAÇÃO PAI PASTEJO PAI OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET BALANÇO ALIMENTAR DOS ANIMAIS* PPV PAI PPI ROLÃO MILHO UNIDADE ANIMAL (kg MS/dia) ESTAÇÃO QUENTE 13,50 0,0 0,5 0,9* * Corresponde ao consumo do grupo I na estação quente. ** Corresponde ao consumo do grupo I na estação fria. ESTAÇÃO FRIA 3,0 10 1,5 0,9** REBANHO (kg MS/ano) ESTAÇÃO QUENTE , * ESTAÇÃO FRIA ** SEGURANÇA Na ocorrência de eventos imprevisíveis (veranicos, geadas fora de época, aplicar maiores doses de nitrogênio para evitar a compra de concentrado); Nas cotas mais altas da UEA, manter uma área cultivada com cana, a ser fornecida prioritariamente a animais secos. SENDO A ALIMENTAÇÃO BASEADA EM PASTAGENS, HÁ NECESSIDADE DE CUIDADO ESPECIAL COM A MINERALIZAÇÃO DOS ANIMAIS. 02

3 4 Novilhas 1-2 anos 9 Bezerras 0-1 ano REBANHO ESTABILIZADO 20 Vacas Leiteiras DESCARTE / VENDA 5 Bezerras (1-2 anos) 9 machos (0 5 dias) 4 Vacas ESTUDAR FORMAS ASSOCIATIVAS DE CRIAR AS BEZERRAS. ENTRE O DESMAME E OS 4 MESES PROSSEGUIR COM O FORNECIMENTO DE RAÇÃO E FENO ÀS BEZERRAS. INDÍCES TÉCNICOS - Animais com média mestiçagem Jersey e/ou Holandês - Peso 1ª Cobertura Holandês 350 kg: até 18 meses Jersey 250 kg: até 16 meses - Taxa de Reposição: 20 % - Inseminação artificial ou touro de raça - Produção de 5 mil litros de leite/ha/ano. INICIAR/APRIMORAR OS CONTROLES LEITEIRO, SANITÁRIO E REPRODUTIVO. INSEMINAR AS MELHORES VACAS (50% DO PLANTEL) COM SÊMEN DE TOUROS LEITEIROS DE QUALIDADE. INSEMINAR AS PIORES VACAS (50% DO PLANTEL) COM SÊMEN DE RAÇAS DE CORTE. REDUÇÃO DO PORTE DO GADO HOLANDÊS. 03

4 MILHO SAFRA Cultivares híbridos de ciclo super precoces e precoces de alta tecnologia, em populações de mil plantas/ha e produtividade de 9 mil kg/ha % é destinado à venda. SOJA Cultivares de ciclo semi precoce e médio, em população de 400 mil plantas/ha e produtividade de 3,5 mil kg/ha. CONSTITUIÇÃO E MANEJO DAS PASTAGENS PASTAGEM PERENE DE VERÃO (PPV) - Devido à declividade das áreas disponíveis na maioria das UEA,s, esta pastagem terá que ocupar uma parte das áreas da lavoura; - Constituída preferencialmente de Coast-cross 1, Tifton 68/85, ou capim elefante Pioneiro; - Produção intensiva com a correção e adubação de solo na implantação e manutenção, divisão em piquetes, instalação de bebedouros e sombreamento; - Sobressemeadura com azevém + trevo branco; - Durante a estação quente, o pastoreio noturno desta área é prática fundamental. PASTAGEM ANUAL DE INVERNO (PAI) - Talvez a pastagem mais importante deste sistema. Costumeiramente semeada com aveias de ciclo curto sucedendo às lavouras de verão, estas áreas poderiam ser utilizadas pelo gado até o início de setembro (no caso de plantio de milho), ou novembro (plantio de soja); - A consorciação destas aveias comuns com as de ciclo longo (IAPAR 61, Sempre Verde) ou com o azevém e uma leguminosa anual, desde que seja melhorada a fertilidade destas áreas, podem prolongar o período e o volume de oferta desta pastagem (ver calendário de manejo de pastagem); - No ano a implantar soja, deixar o azevém ressemear. Aos dias de pastejo, fazer uma adubação de cobertura com N e K. PASTAGEM PERENE DE INVERNO (PPI) - Implantada nos locais mais frios da UEA (áreas baixas, voltadas para o sul e oeste), em extensão correspondente à metade da área de PPV, pode ser constituída de Festuca, (preferencialmente EMPASC 312) + Trevo branco + T. vesiculoso ou T. vermelho; - Por possuírem sementes pequenas e serem de estabelecimento lento, estas pastagens são de difícil implantação. O sucesso desta fase está condicionado a um terreno nivelado e firme, o que se consegue com a passagem do rolo-faca ou trabalho esmerado com grade; - Falhas comuns verificadas na região tem sido a não efetivação do arranquio manual de invasoras (principalmente guanxuma) e a ausência da adubação de manutenção, encurtando em muito a vida útil do pasto. PASTEJO ROTATIVO PASTEJO CONT. ALTO (14 CM) PASTEJO ROTATIVO FERTILIDADE DO SOLO E ADUBAÇÕES As forrageiras perenes demandam maiores quantidades de nutrientes do que os grãos. Para obter e manter elevada produtividade das pastagens perenes poderá haver necessidade de acréscimo de Zn nas adubações. As adubações deverão ser definidas pela análise de solo. Nas pastagens as leguminosas deverão ser peletizadas e inoculadas com inoculante específico. Instalar água e sombra para que o gado permaneça por maior tempo no pasto, inclusive à noite, reciclando nutrientes e depositando matéria orgânica pelo pastejo e dejetos. NITROGÊNIO E RENDIMENTOS ESPERADOS Kg N/ha PPV 90 Ton Ms/ha/ano 14 PAI 60 6 PPI Milho grão Soja 0 3,5 Fonte: dados das Redes Fonte: dados das Redes CALCÁRIO, P e K Calcário: corrigido para V = 70% 3 P elevado para 9 mg/dm. K corrigido para 5% da CTC do solo. 04

5 INSTALAÇÕES Sala de ordenha 50 m² Sala de leite 20 m² Depósito de ração 50 m² Depósito para insumos e equipamentos 78 m² Depósito e distribuição de água OUTROS Cercas Tronco Cochos cobertos p/sal mineral Bebedouros EQUIPAMENTOS Ordenhadeira com 2 conjuntos completos Resfriador de expansão de 1000 litros Aparelho de cerca elétrica Pulverizador costal manual Trator médio Pulverizador Picador de forragens Maquinário para grãos (terceirizado ou em grupos) semeadeira/plantadeira de plantio direto colheitadeira ensiladeira roçadeira distribuidor calcário/uréia/esterco. CAPITAL PRÓPRIO Instalações Máquinas e Equipamentos Plantel Estabilizado TOTAL: R$ ,00 R$ ,07 R$ ,00 R$ ,07 MÃO-DE-OBRA D H DISTRIBUIÇÃO ANUAL DE MÃO DE OBRA (dh/mês) Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Leite Grãos Gerência MO disp. A mão de obra de 2,33 Eq.H não se constitui fator restritivo ao sistema, verificando se excedentes de oferta durante todo o ano. 05

6 Safra 2004/2005 Renda Bruta R$ ,00 Custos Variáveis R$ ,94 GRÃOS R$ ,11 (63,09%) LEITE R$ ,83 (36,91%) GRÃOS R$ ,00 (52,19%) LEITE R$ ,00 (47,81%) Margem Bruta R$ ,06 GRÃOS R$ ,89 (40,42%) LEITE R$ ,17 (59,58%) Depreciações Juros Capital Próprio R$ 9.348,13 R$ 9.214,92 Despesas Operacionais Totais R$ ,08 Remuneração mão-de-obra familiar (Eq. H/mês) R$ 258,80 06

7 ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS Rebanhos sem controle sanitário, reprodutivos e leiteiros, comprometendo a qualidade do produto, a produtividade e a competitividade econômica da região. Dificuldades econômicas impedem o aumento da escala de produção individual para um grande número de agricultores. Existe a necessidade de que um número maior destes agricultores adote práticas associativas para melhorar a economicidade, a produtividade e a escala de produção, reduzindo ou retardando a exclusão dos mais pobres: A aquisição coletiva de máquinas e equipamentos viabilizaria a melhoria do desempenho econômico das UEA s, minimizando os efeitos da baixa capacidade de investimento individual de parte dos agricultores. A reorganização das próprias UEA s em estruturas associativas, com base em um produto (associações) ou em todas as atividades (condomínios), melhoraria a competitividade, pelo aumento na escala de produção e redução dos custos. A baixa disponibilidade de recursos e mão-de-obra inviabiliza a manutenção de animais improdutivos nas UEA s. A criação de animais de reposição em condomínios liberaria área e mão-de-obra, para serem ocupadas com animais adultos, possibilitando o aumento da economicidade e escala de produção; A região possui elevadas condições de competitividade nos setores leiteiros e de grãos, decorrentes de seu clima favorável à produção de grãos e pastagens (tropicais e temperadas), boa distribuição de chuvas e elevados níveis de energia solar incidente. A combinação dos efeitos perversos da estrutura fundiária e a insuficiência de incentivos à agricultura familiar, no entanto, podem comprometer o futuro deste sistema de produção. Relativamente às áreas do Brasil central atualmente a mais promissora nos setores de leite e grãos conta ainda com excelentes condições de produção de forrageiras temperadas, que propiciam condições competitivas de produção no período frio, melhorando sensivelmente a distribuição da oferta de leite, característica importante para reduzir a ociosidade das indústrias de laticínios. A ameaça para este sistema está na pequena escala de produção. Na medida em que há perspectiva de agravamento deste problema pela redução na mão-de-obra, com a freqüente saída dos jovens e permanência exclusiva do casal, vislumbram-se apenas duas alternativas para o futuro próximo: O associativismo, como já abordado anteriormente ou; Uma profunda mudança na orientação do sistema, que passaria a priorizar a produção de leite, numa tecnologia próxima do Sistema de Referências 1 (PSM2 leite intensivo/grãos). Ao acabarmos o levantamento dos dados referente ao ano de 2004/05, percebemos que mesmo com os fatores adversos como clima, mercado e dólar etc., enfrentados na região, as famílias acompanhadas que compõem o sistema de referência tiveram aumento na produção e neste caso em especifico na atividade leite. Este aumento tem respaldo do trabalho realizado com as famílias, no planejamento de suas propriedades, a valorização dos produtos com maior receita bruta, dedicação com afinco em obterem resultados planejados. Podemos afirmar que foram varias as ações realizadas as quais estavam constando no planejamento, bem como o entendimento das famílias em estarem constantemente analisando com os técnicos a relação custo beneficio, bem como as receitas que a propriedade garante a família. Constava deste planejamento além das ações descritas no sistema de referência: grãos, forrageiras, a capitação das famílias (troca de informações entre os componentes do sistema), utilizando vários métodos (excursões, dia de campo, reuniões técnicas e práticas). As oportunidades geradas para as propriedades se deram devido aos apoios dos programas municipais, estaduais e federais. Os equipamentos, instalações permitindo um trabalho prazeroso pelos responsáveis pelas tarefas, para isso foi necessário efetuar adequações levando em consideração menor esforço humano, bem estar aos animais e preservação de higiene. No sistema também ficou entendida a importância da utilização da integração lavoura pecuária leiteira, bem como as questões ligadas ao meio ambiente. O aumento do plantel e da qualidade genética NÃO significou redução na área de lavoura, ou seja, não houve a transformação em área de pastagem. 07

8 ANÁLISE CONJUNTURAL DO SISTEMA Preparando-se para a exportação, o setor leiteiro vive um acelerado processo de modernização, manifestado pelo aumento da produtividade, aumento da escala de produção, redução no número de produtores e queda de preço do produto. À medida que são atendidas as restrições sanitárias presentes no mercado internacional das carnes de aves e suínos - de elevada importância na região ampliam-se suas possibilidades de exportação, valorizando os grãos, insumos fundamentais para estas atividades e presentes em todos os sistemas de referência regionais estudados. Dados de 1999 indicam que na região sudoeste encontram-se 28,63% dos produtores de leite do Paraná, que entregam aos laticínios e cooperativas menos de 200 l/dia, representando 95% dos produtores de leite da região. Devido à importância da atividade leiteira nos sistemas de produção regionais, é possível inferir-se que caso os impactos do fenômeno de modernização do setor leiteiro no Paraná se assemelhem ao ocorrido no Brasil, a economia da região será afetada de maneira profunda e negativa. Diante deste cenário desafiador, o setor exige do produtor, entre outras providências, a rápida melhoria na qualidade da matéria prima, bem como o incremento na produtividade e economicidade do leite e dos grãos, atividades componentes deste sistema. Sistemas de referências para a agricultura familiar no Sudoeste Paranaense: SR 2 / Edevar Perin,José Antonio Nunes Vieira, Luiz Francisco Lovato, Lúcia de Franceschi, Manoel Luiz da Silva Machado, Ornela Bertuol. Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER). Pato Branco, p. : il. Mais informações: Emater UR Pato Branco Tel. (46) Realização: Apoio: 08

Praticado no Sudoeste do Paraná

Praticado no Sudoeste do Paraná Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR1 Gado Leiteiro Especializado, milho e soja, que produz 150 mil litros de leite/ano, em 19,5 ha de SAU - sobre

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná

Praticado no Sudoeste do Paraná Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR4 Produz grãos (milho, soja e feijão) na safra normal, fumo, trigo e 76 mil litros de leite em 22,0 ha de SAU,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

Apresentação estudo prévio escolha dos sistemas de produção prioritários seleção de propriedades que comporão as redes acompanhamento diagnóstico

Apresentação estudo prévio escolha dos sistemas de produção prioritários seleção de propriedades que comporão as redes acompanhamento diagnóstico Agricultura Familiar na Região Oeste do Paraná Sistema de Referências com produção de Grãos e Tilápia e um Estudo de Caso da produção de Suínos, Leite e Grãos Apresentação Com o objetivo de contribuir

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Estudo de Caso na Agricultura Familiar CONDOMÍNIO IRMÃOS PIZZOLATTO

Estudo de Caso na Agricultura Familiar CONDOMÍNIO IRMÃOS PIZZOLATTO Estudo de Caso na Agricultura Familiar EC 1 CONDOMÍNIO IRMÃOS PIZZOLATTO 1 Introdução 2 É quase consenso entre todos os que atuam no meio rural o benefício que a organização associativa representa para

Leia mais

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems)

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Adubaçã ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Alberto C. de Campos Bernardi Pecuária brasileira: 220 milhões de hectares

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros

Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Análise Técnica e Econômica de Sistemas de Produção de Bezerros Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG A fase de Cria Aspectos Econômicos Eficiência econômica encontra-se altamente

Leia mais

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE Odilio Sepulcri* 1. PLANEJANDO A ATIVIDADE Ao iniciar o negócio leite ou aperfeiçoá-lo devem-se tomar algumas decisões quanto a: que mercado participar? Quanto se quer

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Adriana Lopes Ribeiro Lelis Flávia de Carvalho Lage Ricardo de Magalhães Luz Brasília DF 2015 1. Introdução Com

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens

Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens Técnicas Aplicadas à Produção Intensiva de Leite no Projeto Balde Cheio Formação e Manejo de Pastagens PARANÁ 71 municípios 27 extensionistas 306 propriedades assistidas SANTA CATARINA 16 municípios 04

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 Os novos tempos da economia brasileira passam a exigir do empresário rural atenção redobrada na administração de sua empresa,

Leia mais

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA Mariana Viegas dos Santos 1 ; Euclides Reuter de Oliveira 2 ; Rafael Henrique Tonissi e Buschinelli de Goes 2 ; Andréa

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regimento Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento territorial 2013 Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Gestão de propriedades rurais

Gestão de propriedades rurais Gestão de propriedades rurais Fabiano Alvim Barbosa Médico Veterinário Doutor Produção Animal Professor - Escola de Veterinária - UFMG Setembro, 2012 Alta Floresta - MT Gestão e Planejamento A gestão empresarial

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

Programa de Nutrição para. Bovinos

Programa de Nutrição para. Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Copyright 2012 Kera Nutrição Animal Propriedade literária reservada. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

JUSTIFICATIVA DO EVENTO

JUSTIFICATIVA DO EVENTO JUSTIFICATIVA DO EVENTO Técnica e Técnica e Científica Dados da pesquisa para sistemas de produção de leite e dados de campo para sistemas de produção de carne Econômica Escala de produção, padrão de vida,

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

ESPECIAL NELSON RENTERO E MARCOS GIESTEIRA

ESPECIAL NELSON RENTERO E MARCOS GIESTEIRA ESPECIAL Fotos: Divulgação/Fazenda Leite Verde Projetos de produção de leite instalados em terras brasileiras e uruguaias absorvem investimentos da Nova Zelândia, além de tecnologia própria ajustada a

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS Os preços recebidos pelos produtores de leite em março (referente à produção de fevereiro) seguiram em alta, de acordo com levantamentos do Centro de

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

Proposta de Modelo de Mensuração de Resultado Para Empresa Rural..

Proposta de Modelo de Mensuração de Resultado Para Empresa Rural.. PROPOSTA DE MODELO DE MENSURAÇÃO DE RESULTADO PARA EMPRESA RURAL. SANDRA MARIA WIETZIKOSKI; ALMIR ANTONIO GNOATTO; ENELDE ELENA PIACESKI; UTFPR PATO BRANCO - PR - BRASIL almirgnoatto@yahoo.com.br PÔSTER

Leia mais

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES NA PRODUÇÃO DE LEITE

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES NA PRODUÇÃO DE LEITE CALENDÁRIO DE NA PRODUÇÃO DE LEITE MÊS DE JANEIRO ALIMENTAÇÃO Pastagens perenes Diferir áreas para colher sementes ou deixar sementar as pastagens. Utilizar pastagens de verão (principalmente no sistema

Leia mais

QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME

QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME QUALITAS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL LIMITADA ME Trabalho de conclusão de curso Produção e reprodução bovina Antônio Garcia de Almeida Orientador: Athos de Assumpção Pastore Sumário Lista de figura... Lista

Leia mais

"Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil. Homero De Boni Júnior

Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil. Homero De Boni Júnior "Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil Homero De Boni Júnior "Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil Apresentação PGW Sementes Estudo de casos Uruguay Planejamento Alimentar para Terminação

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA

INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA Impacto da implantação da legislação ambiental relativa às áreas de preservação permanente - APP e reserva legal - RL em sistemas de produção familiares de leite no Sudoeste do Paraná Márcio Miranda 1

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO*

PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO* PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO* OLIVEIRA, A.I.¹; JAYME, D.G.²; BARRETO, A.C. 3 ; FERNANDES, L.O. 4 ; SENE,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

2 Alimentação Básica na Pecuária de Corte

2 Alimentação Básica na Pecuária de Corte ALIMENTOS ORGÂNICOS PARA A SUPLEMENTAÇÃO DE BOVINOS Cláudio Maluf Haddad 1 Fabiana Villa Alves 2 1 Professor Doutor do Departamento de Produção Animal Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP.

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR Christoffoli, P. I.,UFFS 1 ; Silva, A. C., UFFS 2 ; Oliveira,

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE

ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE PROGRAMA ESTADUAL DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Minas Leite Minas Leite: Uma Alternativa de Sucesso de Gestão ALESSANDRA FÉLIX SENA BOTELHO Assessora Técnica

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura

Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura Calendário para a ação extensionista na atividade de bovinocultura Belo Horizonte Emater MG Maio 2015 FICHA TÉCNICA Elaboração Médico

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999 GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999 Autores : Engº Agrº Milton S. Matsushita Engº Agrº Odílio Sepulcri Méd. Vet. Luiz Augusto Pfau EMATER Paraná Vinculada à Secretaria da Agricultura

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375 Página 375 MAMONA NA AGRICULTURA FAMILIAR: GERANDO RENDA E PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL 1 José Aderaldo Trajano dos Santos; 1 Djail Santos; 1 Tancredo Augusto Feitosa de Sousa; 2 Hugo Cássio Lima de Souza;

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Criação de Porco Caipira

Criação de Porco Caipira Criação de Porco Caipira CRIAÇÃO DE PORCO CAIPIRA 1 - INTRODUÇÃO A criação de porco caipira, também chamada criação extensiva de suínos, criação tradicional de porcos ou criação de porco-banha, está presente

Leia mais

Utilização de pastagens em sistemas integrados agricultura/pecuária

Utilização de pastagens em sistemas integrados agricultura/pecuária Utilização de pastagens em sistemas integrados agricultura/pecuária Avaliação de sistemas de produção de leite a pasto que poderão prevalecer nas principais regiões produtoras de leite do País. Anibal

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO

SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO ASSISTÊNCIA TÉCNICA E SOCIAL - (ATS) REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO DE MANGUEIRINHA-PR EMPRESA CONTRATADA Agrisolo Projetos Técnicos Subprograma 16.1 Remanejamento

Leia mais