SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS"

Transcrição

1 SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave: Programa Rede Leite; Rentabilidade; Unidade de Observação. INTRODUÇÃO A produção de leite, como fonte de renda mensal ao produtor e sua família, desempenha um importante papel socioeconômico essencial à manutenção de pequenas propriedades. Em função disso, muitos produtores buscam novos métodos de produção, novas tecnologias e novos processos de gestão que possibilitem um aumento da produção, da produtividade e da renda, quer seja pela diminuição nos custos de produção com a atividade, quer seja por uma menor dependência de fatores externos à propriedade. A produção de leite à base de pasto em sistema de pastoreio rotativo constitui-se como uma alternativa de produção bastante rentável em unidades de produção familiares. O presente trabalho descreve e analisa o sistema de produção de leite implantado em uma Unidade de Observação (UO) no município de Miraguaí - RS, que participa do Programa Rede Leite, bem como a sustentabilidade econômica dessa atividade, através do levantamento de indicadores técnicos e econômicos, além do processo de tomada de decisão da família rural. METODOLOGIA A metodologia utilizada é de estudo de caso desenvolvido em uma Unidade de Observação (UO), ligada ao Programa Rede Leite, localizada no Lajeado Mangueirão, Zona Rural do município de Miraguaí, RS. Ressalta-se que está UO participa do programa desde Foi realizado, segundo Gil (2009), um estudo de caso descritivo, procurando identificar 1 Acadêmico do Curso de Agronomia da FAI Faculdades, Itapiranga, SC. 2 Professor e Coordenador do Curso de Agronomia da FAI Faculdades, Itapiranga, SC. 3 Bióloga. Doutora em Agronomia. Professora do Curso de Agronomia da Faculdade de Itapiranga FAI. 4 Engenheiro Agrônomo, Mestre em Fitotecnia. Professor do Curso de Agronomia da Faculdade de Itapiranga FAI.

2 as múltiplas manifestações dos fatos ou fenômenos e descrevendo-os de forma a tentar compreender a importância da produção leiteira em uma unidade de produção agrícola familiar usando, segundo Thrusfield (2004), uma amostragem não probabilística por conveniência, pois a propriedade escolhida apresentou determinadas facilidades para a coleta dos dados para o trabalho. Para coleta dos dados foram utilizadas ferramentas como a planilha contábil PSP, aplicação de questionário com a família e pesquisa documental. De posse dos resultados dos indicadores econômicos procedeu-se a análise e discussão dos mesmos. LEVANTAMENTO DE DADOS A UO possui uma superfície total de 9,2 ha, sendo que desses 7,7 ha são de superfície agrícola útil (SAU). A propriedade localiza-se na região Noroeste do Rio Grande do Sul, na Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai. O relevo é acidentado e os solos são rasos e de elevada fertilidade. A propriedade é banhada pelo Lajeado Água Fria, o qual permite uso da água em períodos de estiagem para a dessedentação dos animais. A UO em estudo realiza cultivo e criações diversas para a subsistência da família, sendo a produção leiteira a única fonte de renda. O sistema utilizado busca a eficiência máxima dos fatores de produção. O rebanho é composto por 11 vacas leiteiras, 2 vacas de tração, 2 novilhas de 1 a 2 anos e 1 terneira. O número médio de vacas em lactação é de 9 animais (56,25 % em lactação). A alimentação do gado é à base de pastejo rotacionado sobre pastagens anuais e perenes, com suplementação de ração e silagem. Os alimentos fornecidos ao rebanho são: pastagens de tifton 85, ervilhaca, aveia, azevém e capim Sudão, silagem de milho, ração concentrada á base de milho e farelo de soja misturada na propriedade, sal mineral e sal comum. As áreas de melhor fertilidade da UO são destinadas para as pastagens perenes e a grama tifton 85 ocupa área de 1,5 ha. No inverno, a partir do mês de maio, implantam-se pastagens anuais de azevém e ervilhaca consorciadas em sobressemeadura. A propriedade adota o pastejo rotacionado, onde os animais ficam um dia em cada piquete, em média, dependendo da disponibilidade de forragem. Segundo Faria (2004), um conceito importante que deve ser seguido pelas famílias na produção de leite a pasto é o bem estar animal, pois a vaca gosta de sombra e água fresca. As pastagens anuais de inverno (aveia e azévem consociados) e verão (capim Sudão) são implantadas de forma escalonada a fim de garantir pastagens de boa qualidade aos animais. Aveia preta e azevém são consorciados em área de 4

3 ha para pastejo no inverno e o capim sudão é cultivado em área de 0,7 ha para pastejo no verão. A cultura do milho é de grande importância para a UO, sendo realizado o plantio na safra e safrinha nas áreas mais planas. O plantio da safra é realizado entre os meses de agosto e setembro. Já o de safrinha é realizado em parte desta mesma área nos meses de janeiro a fevereiro, após a colheita para silagem. A fertilização é realizada com adubo químico e as sementes são oriundas do Programa Troca- Troca de Sementes do Governo Estadual. A produção obtida é consumida na propriedade sob a forma de silagem e grão. A família produz silagem de planta inteira do milho em uma área de 02 ha, sendo esta usada, principalmente, para as vacas em lactação, a fim de aumentar a produção de leite, além de servir como um alimento estratégico nas épocas de escassez de pastagens, normalmente na transição do outono para o inverno. O milho em grão é plantado em área de 1,8 ha e a produção obtida destinada à alimentação dos animais leiteiros, além da alimentação de suínos e aves destinados à subsistência familiar. A UO realiza a suplementação das vacas em ordenha com ração concentrada preparada na propriedade na proporção de 67 % de milho triturado, 30% de farelo de soja triturado e 3% de sal mineral. O objetivo é obter uma ração de baixo custo com 20% de proteína. É fornecido 1 kg de ração para cada 3 litros de leite produzidos acima de 12 litros diários. Conforme Faria; Penati (2007), para quem produz um bem comum como o leite, não basta obter alta produtividade para ser eficiente, é preciso reduzir os custos de produção e ao mesmo tempo obter qualidade. AVALIAÇÃO DA PROPRIEDADE Considerando os anos agrícolas de 2006 a 2013 (Quadro 1), os dados levantados e avaliados na UO permite dizer que ano após ano a unidade de produção evoluiu positivamente na produção de leite, sendo que a produção em litros de leite/vaca/ano cresceu 136 % no período. A margem bruta por vaca no período cresceu 334,60 %, passando de R$ 583,44 no ano de 2006 para R$ 2.594,00 no ano de O custo total de produção por litro de leite aumentou 84,2 %, enquanto que o preço médio do produto aumentou 86,67 %. Os resultados podem ser considerados excelentes, mesmo havendo aumento dos custos, devido ao aumento em 136 % na produção/vaca/ano. O que também favoreceu o resultado positivo foi o aumento do preço médio do leite. No Quadro 01 também se destaca a relação entre o número total de animais no rebanho versus o número de vacas no rebanho, que no ano de 2013 foi de 0,68 vacas para cada

4 unidade animal, ou seja, 68% do rebanho é composto por vacas. Conforme Faria (2010), para se ter um rebanho equilibrado, entre 62% a 69% dos animais devem ser vacas, desse total, 83% deveriam estar em produção, para a melhoria da eficiência do processo produtivo. A UO possui 11 vacas, sendo que em média 9 vacas estão em lactação. Quadro 1: Histórico do desempenho da atividade leiteira da UO estudada. Ano Agrícola Nº de animais Litros de leite Vaca/ano Margem bruta/vaca Custo total por litro Preço médio por litro de leite UAV/UAT ,44 0,19 0,45 0, ,00 0,19 0,41 0, ,00 0,25 0,55 0, ,00 0,25 0,55 0, ,45 0,26 0,61 0, ,16 0,30 0,72 0, ,62 0,30 0,72 0, ,00 0,35 0,84 0,68 Fonte: Emater de Miraguaí/RS. N animais = n médio de vacas no plantel. UAV/UAT = Unidade Animal Vaca (450 kg) / Unidade Animal Total na unidade de produção. O Quadro 2 evidencia que a família busca a máxima eficiência econômica, representada pela margem bruta total de R$ ,66 e, principalmente, a remuneração da mão-de-obra familiar que chegou a R$ 1.097,48 por UTH (Unidade Trabalho Homem) ao mês. Quadro 2 - Resultados da Atividade Leiteira na UO no ano de Discriminação Valor R$ Renda Bruta Total ,56 Custos operacionais efetivos ,90 Margem Bruta Total ,66 Margem Bruta por SAU R$/ha 3.705,80 Remuneração da Mão de obra familiar/mês/uth (13 meses) 1.097,48 Fonte: Emater de Miraguaí/RS. SAU = Superfície Agrícola Útil. UTH = Unidade Trabalho Homem Segundo, Gomes (2006), o lucro do produtor do sistema familiar corresponde à remuneração do trabalho dele e de sua família. Cita ainda que para alcançar o nível de reprodução social, cada integrante da família deve obter como renda mínima o salário mínimo vigente no país. Portanto, em 2013, cada integrante da UO teve renda 1,62 salários mínimos a cada mês, considerando que o salário mínimo vigente no país em 2010 era de R$ 678,00. Para medir a eficiência da produção de leite a base de pasto utiliza-se o indicador litros/ha/ano, que é reconhecido com um indicador mundial. Na UO em análise, a produção total de leite em 2013 foi de litros, em uma área útil de 7,7 ha, portanto, a produção foi de litros/ha/ano. No Brasil, a produção média é de 520 litros/ha/ano, enquanto que na

5 Nova Zelândia alcança litros/ha/ano. (LEITE/DPA, 2008). Pode-se evidenciar que a UO está mais do que 14 vezes acima da média nacional. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados da UO revela que a sustentabilidade econômica da atividade leiteira desenvolvida pela família está fortemente relacionada às questões de gestão e planejamento implementadas pela mesma. Os indicadores econômicos demonstram a evolução da quantidade de leite produzido e também os índices de produtividade/vaca/ano que foram alcançados graças ao planejamento alimentar. O sistema de produção da UO se mostrou viável economicamente pela implantação de um processo de planejamento da atividade leiteira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS EMATER/RS-ASCAR. Dados do produtor. Miraguaí, RS Dados não publicados. FARIA, V. P. de. O que é tecnologia na pecuária leiteira. Revista Balde Branco, ano XL, n. 480A, nov. 2004, p FARIA, V. P.; PENATI, M. A. Planejamento e gerenciamento de fazendas leiteiras. Revista Mundo do Leite, n. 26, jul./ago 2007, p FARIA, V. P. de. Como todo negócio, a atividade precisa ser rentável. Revista Mundo do Leite, n. 41, fev./mar, 2010, p GIL, A.C. Estudo de caso: estratégia de pesquisa.. São Paulo, Atlas, LEITE DPA. Revista. Ano 8, n. 90, setembro de THRUSFIELD, M. Epidemiologia Veterinária. São Paulo, Roca, 2004.

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná

Praticado no Sudoeste do Paraná Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR1 Gado Leiteiro Especializado, milho e soja, que produz 150 mil litros de leite/ano, em 19,5 ha de SAU - sobre

Leia mais

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES NA PRODUÇÃO DE LEITE

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES NA PRODUÇÃO DE LEITE CALENDÁRIO DE NA PRODUÇÃO DE LEITE MÊS DE JANEIRO ALIMENTAÇÃO Pastagens perenes Diferir áreas para colher sementes ou deixar sementar as pastagens. Utilizar pastagens de verão (principalmente no sistema

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná

Praticado no Sudoeste do Paraná Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR4 Produz grãos (milho, soja e feijão) na safra normal, fumo, trigo e 76 mil litros de leite em 22,0 ha de SAU,

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná. Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3)

Praticado no Sudoeste do Paraná. Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3) Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR2 Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR Christoffoli, P. I.,UFFS 1 ; Silva, A. C., UFFS 2 ; Oliveira,

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

GRANJA FONTE NATAL. 1. Dados da Propriedade. 2. Histórico.

GRANJA FONTE NATAL. 1. Dados da Propriedade. 2. Histórico. GRANJA FONTE NATAL 1. Dados da Propriedade A pequena propriedade denominada Granja Fonte Natal está localizada na Depressão Central do Estado as margens da BR-290, Km. 272, no Município de Cachoeira do

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO

SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO ASSISTÊNCIA TÉCNICA E SOCIAL - (ATS) REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO DE MANGUEIRINHA-PR EMPRESA CONTRATADA Agrisolo Projetos Técnicos Subprograma 16.1 Remanejamento

Leia mais

"Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil. Homero De Boni Júnior

Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil. Homero De Boni Júnior "Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil Homero De Boni Júnior "Terminação de Cordeiros a Pasto Uruguay e Brasil Apresentação PGW Sementes Estudo de casos Uruguay Planejamento Alimentar para Terminação

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013

SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 SIMPOSIO DE GADO LEITEIRO RIBEIRÃO PRETO SP AGO/2013 MAURICIO SILVEIRA COELHO 35 9133 1825 mauricio@grupocaboverde.com.br WWW.GRUPOCABOVERDE.COM.BR FAZENDA SANTA LUZIA - HISTÓRICO Proprietário: José Coelho

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 No mês de abril de 2010, o valor da cesta básica do paulistano teve alta de 3,10%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Indicadores técnicos e econômicos para a gestão de propriedades rurais produtoras de fumo em Santa Catarina

Indicadores técnicos e econômicos para a gestão de propriedades rurais produtoras de fumo em Santa Catarina ISSN 0100-8986 DOCUMENTOS N o 233 Indicadores técnicos e econômicos para a gestão de propriedades rurais produtoras de fumo em Santa Catarina Luis Augusto Araújo EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA E EXTENSÃO

Leia mais

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Adriana Lopes Ribeiro Lelis Flávia de Carvalho Lage Ricardo de Magalhães Luz Brasília DF 2015 1. Introdução Com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Plano do Projeto: Diagnóstico (Planejamento) Estudo de Mercado Engenharia do Projeto Avaliação Planejamento Estratégico Tecnologia e tamanho do Investimento Projeto é:

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Christiano Nascif, zootecnista, coordenador de assistência do PDPL-RV e coordenador técnico do Projeto Educampo/Sebrae.

Leia mais

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA Mariana Viegas dos Santos 1 ; Euclides Reuter de Oliveira 2 ; Rafael Henrique Tonissi e Buschinelli de Goes 2 ; Andréa

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375 Página 375 MAMONA NA AGRICULTURA FAMILIAR: GERANDO RENDA E PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL 1 José Aderaldo Trajano dos Santos; 1 Djail Santos; 1 Tancredo Augusto Feitosa de Sousa; 2 Hugo Cássio Lima de Souza;

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar ISSN 1516-41XX Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar 32 Introdução Economistas rurais, administradores e zootecnistas elaboram diversas planilhas de custo de produção

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS

Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária. Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 1 Manejo de Pastagens e Suplementação na Pecuária Ari José Fernades Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS 2 PECUÁRIA NO MUNDO GRAFICO 1: REBANHO MUNDIAL EM 2.008 78,1 17,8 26,5 29,9 51,2 87,0 96,5 138,90 281,9

Leia mais

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida

Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida Estudo de Caso: Fazenda Santa Brígida XXIII FÓRUM ABAG INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA Maringá, 18 de maio de 2012. João Kluthcouski joaok@cnpaf.embrapa.br Produtividade (kg ha -1 ) Evolução da

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

GESTÃO EM PEQUENAS PROPRIEDADES LEITEIRAS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ COMO ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE

GESTÃO EM PEQUENAS PROPRIEDADES LEITEIRAS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ COMO ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE GESTÃO EM PEQUENAS PROPRIEDADES LEITEIRAS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ COMO ESTRATÉGIAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE Micheli de Paris 1, Jacson Rodrigo Cullmann 1, Almir Antonio Gnoatto 2, Fernando

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA VII SEMINÁRIO TÉCNICO DA FMT 15/06/2007 Dr. Airton Spies spies@epagri epagri.sc..sc.gov.br Nova Zelândia e Austrália: Lições de eficiência Estamos no

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL E AGROECOLOGIA - PGDR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL E AGROECOLOGIA - PGDR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL E AGROECOLOGIA - PGDR PASTOREIO ROTATIVO E CONTEXTOS DE SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TUCUNDUVA/RS Aluno:

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 Os novos tempos da economia brasileira passam a exigir do empresário rural atenção redobrada na administração de sua empresa,

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

O GADO DE CORTE NO RIO GRANDE DO SUL: PRINCIPAIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANGELICA MASSUQUETTI; RODRIGO JUSTO RIBAS; UNISINOS SÃO LEOPOLDO - RS - BRASIL

O GADO DE CORTE NO RIO GRANDE DO SUL: PRINCIPAIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANGELICA MASSUQUETTI; RODRIGO JUSTO RIBAS; UNISINOS SÃO LEOPOLDO - RS - BRASIL O GADO DE CORTE NO RIO GRANDE DO SUL: PRINCIPAIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO ANGELICA MASSUQUETTI; RODRIGO JUSTO RIBAS; UNISINOS SÃO LEOPOLDO - RS - BRASIL angelicam@unisinos.br APRESENTAÇÃO ORAL Evolução e estrutura

Leia mais

Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia

Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia Eng º Agr. Marcelo Volf.. Dalcin Consultoria Mestrando UniRV Engº Agr. MSc. Flávio J. Wruck EMBRAPA Agrossilvipastoril Presidente

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO Sebastião Teixeira Gomes 1 A partir de 1986 a economia brasileira experimentou nada mais nada menos que cinco planos de estabilização, com a moeda trocando de nome também

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 56 Setembro de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

ESPECIAL NELSON RENTERO E MARCOS GIESTEIRA

ESPECIAL NELSON RENTERO E MARCOS GIESTEIRA ESPECIAL Fotos: Divulgação/Fazenda Leite Verde Projetos de produção de leite instalados em terras brasileiras e uruguaias absorvem investimentos da Nova Zelândia, além de tecnologia própria ajustada a

Leia mais

LEVANTAMENTO DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA SOBRE OS IMPACTOS CAUSADOS PELO VAZAMENTO DO ÓLEO DIESEL NO RIO SESMARIA NOS MUNICÍPIOS

LEVANTAMENTO DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA SOBRE OS IMPACTOS CAUSADOS PELO VAZAMENTO DO ÓLEO DIESEL NO RIO SESMARIA NOS MUNICÍPIOS LEVANTAMENTO DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA BACIA HIDROGRÁFICA SOBRE OS IMPACTOS CAUSADOS PELO VAZAMENTO DO ÓLEO DIESEL NO RIO SESMARIA NOS MUNICÍPIOS DE RESENDE RIO DE JANEIRO E SÃO JOSÉ DO BARREIRO SP

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais