05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc."

Transcrição

1 Módulo V Gerenciamento de Depósito Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características A função logística da armazenagem A armazenagem está relacionada diretamente com a localização das instalações. Fontes de matérias-primas; Mercado consumidor; Vias de acesso. O produto a ser distribuído determina a necessidade, a localização e a função do armazém. 1

2 A função logística da armazenagem Armazém tradicional Local para armazenar e manter estoques. Produção empurrada Armazém contemporâneo Combinar sortimento de estoques para atender às necessidades do cliente. Produção puxada A função logística da armazenagem Função do armazém na produção empurrada Recebe os materiais; Armazena; Distribui os materiais aos clientes internos ou externos. A função logística da armazenagem Função do armazém na produção puxada Recebe os materiais; Armazena; Distribui os materiais aos clientes internos ou externos. O que mudou? 2

3 Armazém A função logística da armazenagem Centro de distribuição A função logística da armazenagem Estoques cada vez menores; Controles cada vez mais acurados; Variedade cada vez maior; Tempo de resposta cada vez menor; Giro de estoque cada vez maior; Custo cada vez menor. Armazenagem estratégica Armazenagem justificada com base no custo e no nível de serviço; 3

4 Armazenagem estratégica Armazéns localizados a fim de fornecer um reabastecimento pontual e econômico para os varejistas; De estocagem passiva para variedade estratégica; Modo de redução do tempo ocioso ou de espera de materiais e peças; Armazenagem estratégica Parte integrante do Just in time em um mercado globalizado; Maximiza a flexibilidade aliada a tecnologia da informação; Presença local aumenta a participação de mercado. Armazenagem estratégica Benefícios econômicos: Reduz custo de transportes; Consolidação de carga; Usa a capacidade do armazém para agrupar cargas; Frete menor devido ao uso da capacidade de carga do veículo, descongestionamento nas docas de recebimento e entregas mais rápidas. 4

5 Armazenagem estratégica Benefícios econômicos: Reduz custo de transportes; Fracionamento de carga; Usa a capacidade do armazém para receber uma única carga e entrega para diversos destinos; Economia de escala através do transporte da carga consolidada. Armazenagem estratégica Benefícios econômicos: Separação; Cross-docking a medida que os produtos são recebidos e descarregados no armazém, eles são separados por destino proporcionado redução de custos com frete. Armazenagem estratégica 5

6 Armazenagem estratégica Benefícios econômicos: Estocagem sazonal; Proporciona lastro de estoque, que permite eficiência de produção dentro das limitações impostas pelas fontes de material e pelos consumidores. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Armazenagem Princípios da armazenagem Planejamento Avaliar previamente a área de armazenagem: Verificar a existência de efetivas condições físicas e técnicas para receber, armazenar, controlar e entregar o produto; Observar a natureza, peso e dimensões unitárias do produto; Considerar características de manuseio e de segurança. 6

7 Princípios da armazenagem Flexibilidade Operacional Promover a adaptabilidade de corredores, docas, portas, estruturas e equipamentos disponíveis: Recebimento fácil, simultânea ou sucessivamente, de produtos com diferentes características de movimentação. Princípios da armazenagem Simplificação Desenvolver, adaptar e/ou implantar o layout de uma área de armazenagem, considerando: As características dos equipamentos disponíveis; Localização de docas, portas e corredores; A simplificação dos fluxos de entrada e de saída; Máxima produtividade; Eliminação de gargalos. Princípios da armazenagem Integração Planejar a integração simultânea do maior número de atividades possível, organizando e coordenando todas as operações simultâneas. 7

8 Princípios da armazenagem Otimização do Espaço Físico Planejar os espaços considerando: Armazenamento técnico e seguro; Fácil movimentação; A resistência estrutural do piso e estruturas; A capacidade volumétrica da área; Rotatividade do material; Requisitos especiais. Princípios da armazenagem Otimização de Equipamentos e Mão-deobra Analisar, dimensionar, desenvolver, padronizar, sistematizar e implantar um conjunto de procedimentos direcionados à racionalização dos equipamentos de movimentação e equipes de trabalho. Princípios da armazenagem Verticalização Aproveitar os espaços verticais da melhor maneira possível, sem perder de vista a segurança da movimentação. Mecanização Avaliar as reais necessidades; Relação custo-benefício; Flexibilidade. 8

9 Princípios da armazenagem Automação Avaliar a real necessidade; A relação custo-benefício da automação do sistema de controle e sistemas administrativos. Princípios da armazenagem Controle Planejar, implantar e acompanhar os registros: De recebimentos; De tempos de permanência das cargas armazenadas; De entregas; Do inventário físico de mercadorias. Princípios da armazenagem Segurança Dotar a área de armazenagem de sistemas que garantam a integridade: Das mercadorias armazenadas; Da mão-de-obra; Das instalações e equipamentos; Da saúde financeira da empresa. 9

10 Princípios da armazenagem Preço Garantir a compatibilidade das tarifas de armazenagem com base no custo real praticado pelas empresas no mercado: Nível de serviço; Características do produto armazenado. Classificação de armazéns Particular É operado por empresa que possui o produto: Melhor controle das atividades; Maior flexibilidade; Maior integração entre operações do armazém; Menor custo pois não são operados com o objetivo de gerar lucro; Benefício de associar a imagem da empresa ao armazém; Maior investimento; Redução da economia de escala. Classificação de armazéns Público É operado como uma empresa independente que oferece uma gama de serviços padronizados aos clientes: Projetados para manusear e estocar grande gama de produtos; Pode gerar um custo operacional inferior; Não exigem investimento de capital; Menor flexibilidade; 10

11 Classificação de armazéns Público Localizações rígidas; Melhor economia de escala; Oportunidade de consolidação de cargas com outros clientes; Custo variável em função da cobrança por quantidade armazenada. Classificação de armazéns Terceirizado São aqueles armazéns que prestam serviços logísticos de armazenagem com exclusividade para um ou mais clientes, mediante contrato de médio ou longo prazo: Benefícios de experiência, flexibilidade e economia de escala; Maior gama de serviços logísticos; Capazes de assumir toda a responsabilidade logística de uma empresa; Maior facilidade de expansão. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Equipamentos 11

12 Equipamentos de movimentação Veículos industriais; Carrinhos industriais, empilhadeiras, rebocadores, AGV, etc. Equipamentos de elevação e transferência; Talhas, guindastes fixos, pontes rolantes, etc. Transportadores contínuos; Correias, rodízios, rolos, esferas, etc Equipamentos de movimentação Seleção do equipamento de movimentação: Plano geral de administração de fluxo de materiais; Investimento deve atender às necessidades de TODA a empresa. Equipamentos de movimentação Peculiaridades da seleção: Poluição ambiental; Gases, ruídos, vazamento de óleo, marcas de pneus. Ergonomia; Posição de operação, acesso aos materiais, carga e descarga do equipamento. Restrições; Piso, rampas, portas, pé direito, chuva, fagulhas. Capacidade de carga e elevação; Peso máximo na altura máxima. 12

13 Equipamentos de movimentação Peculiaridades da seleção: Comprimento e largura do corredor; Velocidade, raio de curvatura, trilhos, sistema indutivo. Velocidade de elevação; Produtividade, sensibilidade do produto. Motorização; Diesel, GLP, elétrica. Acessórios, peças de reposição; Custos de aquisição e operação. Equipamentos de movimentação Combustão x Elétrica Vantagens combustão Podem operar em diversos tipos de piso; Maior capacidade de rampa; Facilidade na manutenção devido ao seu sistema mecânico ser muito similar ao automotivo; Máquina de operação mais dinâmica mais voltada para locação; Diversas fontes de combustível ( Gasolina, GLP e Diesel; Custo de aquisição mais baixo Podem operar em ambientes externos e internos. Vantagens elétricas Maiores elevações até mais do que 10 metros; Uso de energia limpa e renovável; Curva de manutenção constante e de baixo custo; Intervalos de manutenção maior 700 horas para verificação; Podem operar em corredores menores que 3 metros; Baixo custo ambiental troca da bateria no fim da vida útil mínimo de 1500 ciclos; Número reduzido de componentes a serem trocados ou verificados; Diversidade de modelos; Maior vida útil do equipamento; Maior precisão na movimentação de mercadorias Equipamentos de movimentação Combustão x Elétrica Desvantagens combustão Não podem operar em ambientes internos de várias indústrias; Curva de manutenção crescente; Intervenções constantes. Ex: troca de óleo; Alto custo de hora trabalhada (combustível utilizado); Corredores maiores que 4,3m; Maior nível de ruído; Menor disponibilidade para alturas maiores que 6000 mm; Passivo ambiental constante ( inúmeras trocas de óleo ao longo da vida útil do equipamento). Desvantagens elétricas Necessidade de uma mão de obra mais qualificada; Controle de carga e descarga da bateria deve ser monitorado; Maior custo de aquisição em relação a uma máquina a combustão; Necessidade de um piso adequado as especificações da máquina; Máquinas de uso específico, não podendo ser usado em várias operações; Não podem fazer operações constantes em rampa; Não são aconselhadas para cargas acima de 5 toneladas; Demandam área específica para baterias e carregadores. 13

14 Equipamentos de movimentação Empilhadeiras a combustão Equipamentos de movimentação Empilhadeiras elétricas Equipamentos de movimentação Paleteiras 14

15 Equipamentos de movimentação Rebocadores, carretas industriais e AGV Equipamentos de movimentação Ponte empilhadeira São elementos básicos para a paletização e o uso racional de espaço, convivendo com a necessidade de ocupação volumétrica e a necessidade de acessibilidade de todos os itens armazenados. 15

16 Critérios de avaliação: Volume; Quantidade total a estocar. Densidade; Quantidade de itens idênticos a estocar. Seletividade; necessidade de acesso direto. Freqüência; Quantidade de vezes que determinado item é acessado. Critérios de avaliação: PEPS/UEPS (FIFO/FEFO); Necessidade de controlar o critério de saída. Velocidade; Velocidade do ciclo (receber e estocar). Flexibilidade; Capacidade de adaptação aos critérios acima. Custo; Estrutura + equipamentos de movimentação. Estrutura porta-paletes É a estrutura mais utilizada; Empregada quando é necessária seletividade nas operações de carregamento; Apesar de necessitar de muita área para corredores, compensa por sua seletividade e rapidez na operação. 16

17 Estrutura porta-paletes Estrutura porta-palete com transelevador Estrutura tipo Drive-in Alto aproveitamento do espaço, em função de existir somente corredor frontal; Utilizado quando a carga não é variada e pode ser paletizada; Utilizado para cargas onde não há necessidade de alta seletividade ou velocidade. 17

18 Estrutura tipo Drive-trough Alto aproveitamento do espaço; Utilizado quando o sistema de inventário obrigue a adoção do tipo FIFO; Semelhante à estrutura tipo Drive-in, tem acesso também por trás, possibilitando corredores de armazenagem mais longos. Estrutura porta-palete drive-in Estrutura dinâmica 18

19 Estrutura Cantilever Permite boa seletividade e velocidade de armazenagem; Utilizado para armazenagem de peças de grande comprimento; Composta por colunas centrais e braços em balanço para suporte das cargas, formando um tipo de árvore metálica. Estrutura cantilever Estantes Sistema estático para a estocagem de itens de pequeno tamanho que podem ter acessórios, como divisores, retentores, gavetas e painéis laterais e de fundo; Possibilita a montagem de mais de um nível, com pisos intermediários. 19

20 Estantes Blocagem O empilhamento é limitado pelo equipamento de movimentação utilizado; Produtos da base sofrem maior esforço; Baixo investimento. Blocagem (sem ou com montantes) 20

21 Estrutura autoportante Elimina a necessidade de construção de um edifício, previamente; Permite o aproveitamento do espaço vertical (em média, utiliza-se em torno de 30 m); Menor tempo de construção e menor custo. Estrutura autoportante Estrutura power rack O corredor de circulação é compartilhado em função do sistema eletromecânico; Alta densidade; Alto custo. 21

22 Estrutura power rack Estrutura flow rack Indicado para pequenos volumes e grande rotatividade; Picking facilitado; Sistema FIFO; Estrutura flow rack 22

23 Estrutura porta bobinas Estrutura estocagem granel Método Vantagem Desvantagem Empilhamento em bloco Equipamentos simples. Baixo custo. Aproveita bem o volume. Propicia avarias. Dificulta o controle. Desperdiça volume se utilizado em cargas heterogêneas. Estanteria Comum Estruturas porta-paletes Estruturas Drive-ln Baixo custo. Pode ser customizada. Capacidade variável e posições ajustáveis. Equipamentos simples. Baixo custo. Fácil acesso. Aproveita bem o volume. Acesso por dois lados. Vigas de apoio diferentes. Pode desperdiçar espaço. Difícil de ajustar as posições. Pode desperdiçar espaço. Sistema de localização perfeito. Empilhadeira especial. Requer excelente piso. Sistema Ueps. Fonte: Gestão Estratégica da armazenagem Paulo R. A. Rodrigues 23

24 Método Vantagem Desvantagem Armazenagem Dinâmica Corredor Estreito Equipamentos simples. Reduz movimentações. Aproveita bem o volume. Aproveita bem o volume Acesso individual aos paletes. Alto custo. Projeto e palete especial. Empilhadeiras especiais. Alto custo. Requer fios ou trilhos. Gaveteiros Modulares Para pequenos objetos. Pode ter gavetas fixas ou portáteis. Custo médio. Perde espaço se mal utilizado. Sistema de localização perfeito. Gaiolas Acesso e içamento fácil. Uso insatisfatório do espaço. Difícil de desmontar. Fonte: Gestão Estratégica da armazenagem Paulo R. A. Rodrigues GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Lay-out Layout dos armazéns As áreas de estocagem devem considerar: Fluxo fácil de materiais, considerando a rotatividade: Integração entre Layout e sistema de manuseio; Flexibilidade para atender as mudanças dos requisitos específicos de produtos. 24

25 Layout dos armazéns Objetivos de um layout: Minimizar as despesas de manuseio de materiais; Maior utilização do espaço, equipamentos e pessoas; Conseguir a utilização máxima do espaço do armazém; Satisfazer certas restrições da localização de materiais; Layout dos armazéns Objetivos de um layout: Melhor fluxo de informações, materiais ou pessoas; Melhor moral dos empregados e condições de trabalho mais seguras; Facilitar a coordenação e a supervisão; Minimizar custos. Layout dos armazéns Sistemas de localização: O objetivo do planejamento da localização é minimizar o total de custos de manuseio; Quanto menor a distância percorrida, menor será o custo de manuseio; Os métodos intuitivos têm boa aceitação por não envolver matemática de alto nível: complementaridade, compatibilidade, popularidade e tamanho. 25

26 Layout dos armazéns Complementaridade Itens freqüentemente requisitados juntos devem estar localizados próximos um do outro. Compatibilidade Inclui a questão a respeito de se os itens podem ser colocados juntos. Layout dos armazéns Popularidade Reconhece que os produtos possuem taxas de giro diferentes em um armazém, e os custos de manuseios de materiais são relacionados à distância percorrida no armazém para localizar e coletar o estoque. Layout dos armazéns Tamanho Considera que itens menores devem ser localizados próximos a doca de embarque. Desta forma, uma quantidade maior de SKUs estarão na menor distância à ser percorrida no armazém. OS MÉTODOS INTUITIVOS SÃO SIMPLES DE USAR MAS NÃO GARANTEM O MENOR CUSTO. 26

27 Layout de Armazém Layout de Armazém GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Endereçamento 27

28 Sistemas de localização Localização fixa Atribui uma dada baia e/ou número de prateleira de estocagem para cada item. Facilita o controle; Maior produtividade no processo de separação; Pode dificultar o FIFO; Aproveitamento médio do espaço é ruim. Sistemas de localização Localização aleatória Os produtos são armazenados em qualquer espaço aberto que esteja disponível. Dificulta o controle; Facilita o FIFO; Otimiza a utilização dos espaços; Maior produtividade no processo de armazenagem. Regras da armazenagem Mantenha a largura e a disposição projetada para os corredores, deixando espaço suficiente para manobrar com segurança os equipamentos de movimentação; Mantenha o armazém limpo e arrumado, sem acessórios ou implementos guardados nas áreas de armazenagem; Estabeleça fluxos adequados e sinalize-os com tinta indelével pintada no chão de forma visível, a fim de reduzir os riscos de acidentes e interferências entre os equipamentos; 28

29 Regras da armazenagem Indique em local visível as alturas de empilhamento recomendadas para diferentes tipos de carga; Garanta que as zonas de armazenagem estejam bem iluminadas, para permitir a perfeita visibilidade dos trabalhadores, principalmente dos operadores de equipamentos; Certifique-se que as áreas de segurança são mantidas livres, com fácil acesso aos equipamentos de combate a incêndio; Regras da armazenagem Treine as equipes nos métodos de trabalho e regulamentos de segurança; Selecione equipamentos com força motriz, capacidade de elevação, alcance, área de giro e acessórios compatíveis com o espaço disponível; Sempre que possível use paletes - possibilitam um empilhamento mais alto e uma maior velocidade na movimentação da carga; Regras da armazenagem Não permita que operadores inexperientes trabalhem sem supervisão; Armazene cargas grandes, irregulares ou pesadas próximas das portas; Nunca empilhe cargas pesadas sobre cargas leves; Reserve zonas específicas afastadas das demais para tintas ou líquidos sujeitos a vazamento; Designe cargas sujas para os pátios; 29

30 Regras da armazenagem Guarde cargas valiosas em zonas seguras; Proceda a inspeções regulares nas cargas armazenadas e informe imediatamente a quem de direito sobre a ocorrência de acidentes e/ou avarias. Dimensionamento de espaços Dimensionamento em função da quantidade máxima de produtos a serem armazenados: Disponibilidade de área em qualquer momento; Concentração das atividades em um único local; Possível ociosidade de área e incremento dos custos. Dimensionamento de espaços Dimensionamento em função da quantidade média de produtos a serem armazenados: Necessidade de alugar áreas extras em períodos de pico; Transformar custos fixos em custos variáveis; Contratempo para obtenção de áreas adequadas. 30

31 Dimensionamento de espaços Capacidade estática É o limite máximo nominal de carga que uma área poder receber simultaneamente, expressa em toneladas. Ex: Área do piso = 100m x 50m = 5000 m2 Resistência estrutural do piso = 10 ton/m2 Capacidade estática = tons Dimensionamento de espaços A capacidade estática depende de: Praça útil; Altura de empilhamento; Fator de estiva. Dimensionamento de espaços Área útil de armazenagem O conjunto total de espaços realmente destinados à armazenagem; Diferente da área total do piso; São excluídos colunas, corredores, salas, etc. 31

32 Dimensionamento de espaços Área útil de armazenagem Área do piso = 100m x 50m = 5000m2 Área de distanciamento obrigatório em torno do prédio (0,5m x 100m x 2) + (0,5 x 49m x 2) = 149 m2 Corredores necessários para a movimentação 2m x 100m x 3 = 600 m2 Escritório 4m x 6m = 24 m2 Área útil de armazenagem = 4227 m2 84,54% da área total do armazém. Dimensionamento de espaços Altura do empilhamento É decisiva na definição da capacidade de uma área de armazenagem; Quando os espaços são pequenos torna-se necessário o empilhamento; A deficiência da verticalização é uma das principais razões da redução da capacidade de armazenagem. Dimensionamento de espaços Os limitadores do empilhamento são: Equipamentos de elevação inadequados; Fragilidade da carga ou embalagem; Produtos mal embalados; Possibilidade de queda; Outros fatores de segurança. 32

33 Dimensionamento de espaços No exemplo anterior, se for possível empilhar os materiais a uma altura de 3m, teremos então: Volume total de carga armazenada 4227m x 3m = m3 Se for possível aumentar a altura média de empilhamento para 4m m3 de volume de carga armazenada. Dimensionamento de espaços Fator de estiva Algumas mercadorias pesam mais e ocupam menores espaços. Outras mercadorias pesam menos e ocupam mais espaços. A densidade da mercadoria é a relação entre volume e peso: o fator de estiva. Dimensionamento de espaços Fator de estiva É o espaço ocupado por uma tonelada de uma determinada mercadoria, expresso em m3 por tonelada. Uma carga volumosa e de baixo peso tem fator de estiva elevado. Uma carga pesada e densa tem um fator de estiva baixo. 33

34 Dimensionamento de espaços Fator de estiva médio ponderado Multiplicação do fator de estiva de cada mercadoria pelo percentual aproximado de ocupação do armazém; Somatória do fator de estiva ponderado de todas as mercadorias; Dividido por 100. Dimensionamento de espaços Fator de estiva médio ponderado Mercadoria Fator de Estiva % do Armazém Fator de Estiva Ponderado Fardos 2, Sacaria 2, Caixaria 3, Cartões 3, Tambores 2, TOTAL Fator de estiva médio ponderado = 263/100 = 2,63 m3/t Dimensionamento de espaços Capacidade estática = praça útil x altura de empilhamento fator de estiva médio Em nosso exemplo: Capacidade estática = = +/ toneladas 2,63 34

35 Dimensionamento de espaços Calculo de ocupação do espaço por um lote de mercadoria : Peso do lote; Altura máxima que o lote poderá ser empilhado com segurança; Fator de Estiva da mercadoria; Quebra de Espaço aproximada; Índice para Empilhamento; Área que o lote irá ocupar. Dimensionamento de espaços Quebra de espaço São todos espaços perdidos para a armazenagem, deixado ao redor dos lotes armazenados. Dimensionamento de espaços Índice de empilhamento Meça o volume efetivamente ocupado pelo lote, incluindo os espaços destinados a seu acesso; Verifique o peso em toneladas; Calcule o volume (m3) ocupado por cada tonelada de mercadoria, dividindo o volume do espaço ocupado pelo seu peso. 35

36 GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Sistemas de Armazenagem Sistema de gerenciamento de armazéns - WMS WMS É um sistema de gestão de armazéns, que otimiza todas as atividades operacionais (fluxo de materiais) e administrativas (fluxo de informações) dentro do processo de armazenagem: Recebimento; Inspeção; Endereçamento; Estocagem; Separação; Sistema de gerenciamento de armazéns - WMS Embalagem; Carregamento; Expedição; Emissão de documentos; Inventário, entre outras. De forma integrada com o objetivo de maximizar os recursos e minimizar desperdícios. 36

37 Funções do WMS Essenciais Recebimento Arrumação Contagem de ciclos Separação Gerenciamento de tarefas Análise de qualidade Reabastecimento Embalagem Cross-docking Controle de estoque Embarque Funções do WMS Avançadas Gerenciamento de pátio Gerenciamento de mão de obra Otimização de armazéns Serviços de valor agregado Gerenciamento de devoluções Funções do WMS Separação de pedidos Discreta Um pedido específico é separado e preparado para o embarque como uma tarefa de trabalho específica. Separação em ondas pode ser projetada e operacionalizada de várias maneiras: por uma área do armazém, por um destino, por um cliente ou por uma transportadora. 37

38 Funções do WMS Função Arrumação Interconexão de tarefas Separação/ reabastecimento Armazenagem em slots Benefício Aumento de produtividade e da utilização do espaço cúbico Roteirização de empilhadeiras por demanda, em vez de por tarefas, áreas ou sequenciamentos predeterminados Separação direta a partir de um ou mais locais, incluindo separação de produtos com data de validade expirada. Facilita o reabastecimento dos estoques nos locais de separação quando apropriado Localizador de slots ou produtos variados para melhorar a utilização do espaço Funções do WMS Função Cross-docking Visibilidade do estoque Solução para as filas em tarefas Estratégia de separação Benefício Facilitar o recebimento direto para o fluxo de embarques Rastreamento de lotes específicos de estoque no armazém, bem como a visibilidade diárias dos recebimentos Identificação de maneiras alternativas de resolver de modo rápido ou eficiente bloqueios ou filas nas tarefas Rotinas de apresentação de estratégia de separação selecionadas Funções do WMS Função Correção de erros Simulações Produtos devolvidos Contagem de ciclos Benefício Capacidade de identificar, resolver e corrigir erros de dados em tempo real. Capacidade de identificar e resolver diferenças em pedidos de compra Apresentação de cenários de apoio à decisão em tempo real para ajudar a tomada de decisão operacional Facilita o processamento e a realização de auditoria em programa de logística reversa Capacidade de conduzir e calcular contagens em tempo real 38

39 Código de barras Código de barras É a colocação de códigos legíveis por computadores em itens, caixas, contêineres, paletes e até vagões de carga para facilitar a coleta e troca de informações logísticas. Benefícios do código de barras Embarcadores Melhoria na preparação e no processamento de pedidos; Eliminação de erros de embarque; Redução do tempo de mão de obra; Melhoria na manutenção de registros; Redução no tempo de estoque físico. Benefícios do código de barras Armazenamento Melhoria na preparação, no processamento e no embarque de pedidos; Oferece controle de estoque acurado; Acesso do cliente a informações em tempo real; Considerações de acesso acerca da segurança das informações; Redução nos custos de mão de obra. 39

40 Benefícios do código de barras Transportadoras Integridade das informações sobre o faturamento do frete; Acesso do cliente a informações me tempo real; Melhoria da manutenção de registros das atividades de embarque de clientes; Rastreabilidade de cargas; Monitoramento de produtos incompatíveis em veículos; Redução do tempo de transferência de informações. Benefícios do código de barras Atacadistas / Varejistas Precisão do estoque em unidades; Acurácia dos preços nos pontos de venda; Melhoria da produtividade nas caixas registradoras; Redução no tempo do estoque físico; Aumento da flexibilidade do sistema. Estrutura do código de barras A estrutura numérica do código EAN: Os 3 primeiros dígitos representam a o prefixo da organização responsável por controlar e licenciar a numeração no país no caso do 789 representam a GS1 BRASIL; Os próximos dígitos que podem variar de 4 a 7 representam a identificação da industria dona da marca do produto; 40

41 Estrutura do código de barras Os dígitos três dígitos seguintes representam a identificação do produto determinado pela industria; O último dígito é chamado de dígito verificador que auxilia na segurança da leitura. Tecnologia RFID RFID É uma forma de tecnologia de radiofreqüência usada para identificar um produto ou contêiner a medida que ele se movimenta pelas instalações ou um equipamento de transporte. Tecnologia RFID Chips ativos Emanam ondas de rádio constantemente, para que o produto possa ser localizado em um armazém ou loja usando receptores localizados em toda a loja; São alimentados por baterias e permitem os processos de leitura e escrita. 41

42 Tecnologia RFID Chips passivos Só respondem quando são eletronicamente estimulados ao se passar o produto por um portal relativamente pequeno que possui leitoras embutidas. São usados para rastrear a entrada e a saída em torno de uma instalação. Tecnologia RFID Tecnologia RFID Vantagens: Capacidade de armazenamento, leitura e envio dos dados para etiquetas ativas; Detecção sem necessidade da proximidade da leitora para o reconhecimento dos dados; Durabilidade das etiquetas com possibilidade de reutilização ; Contagens instantâneas de estoque, facilitando os sistemas empresariais de inventário; 42

43 Tecnologia RFID Precisão nas informações de armazenamento e velocidade na expedição; Localização dos itens ainda em processos de busca; Melhoria no reabastecimento com eliminação de itens faltantes e aqueles com validade vencida; Prevenção de roubos e falsificação de mercadorias. Tecnologia RFID Desvantagens: O custo elevado da tecnologia RFID em relação aos sistemas de código de barras; O preço final dos produtos, pois a tecnologia não se limita apenas ao microchip anexado ao produto; O uso em materiais metálicos e condutivos pode afetar o alcance de transmissão das antenas; Tecnologia RFID A padronização das freqüências utilizadas para que os produtos possam ser lidos por toda a indústria, de maneira uniforme; A invasão da privacidade dos consumidores por causa da monitoração das etiquetas coladas nos produtos. Para esses casos existem técnicas, de custo ainda elevado, que bloqueiam a funcionalidade do RFID automaticamente quando o consumidor sai fisicamente de uma loja. 43

44 Atividade Extraclasse Fichamento do Capitulo 9 do livro LogisticaEmpresarial de Ballou (Individual); 44

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Slides com o Tema Escolhido. GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis

Slides com o Tema Escolhido. GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis Slides com o Tema Escolhido GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis Planejamento da Administração da Armazenagem Missão da Armazenagem Viabilizar a melhor gestão possível

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS Sistemas de Order Fulfillment Real Time Solutions Atualmente, a operação de order fulfillment desempenha um papel primordial na cadeia de abastecimento

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS 1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Introdução Para que a matéria prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material, deve movimentar-se;

Leia mais

Paletizadoras e despaletizadoras

Paletizadoras e despaletizadoras Paletizadoras e despaletizadoras Paletizadoras e despaletizadoras Intelligrated Com sua marca de equipamentos Alvey, a Intelligrated tem mais de 60 anos de experiência em soluções essenciais de paletização

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 3 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Controles de Estoque Principais Atribuições Planejamento Controle Gestão de estoques PDCA Sistema de administração

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas

Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas As soluções em esteiras transportadoras da Intelligrated

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

Aula II Armazenagem; Inventário. Professor Argélio Lima Paniago

Aula II Armazenagem; Inventário. Professor Argélio Lima Paniago Aula II Armazenagem; Inventário Professor Argélio Lima Paniago Armazenagem Armazenagem de matérias merece um planejamento especifico, Condições impróprias de materiais geram desperdícios, Não acrescenta

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS Consiste na movimentação constante entre dois pontos pré-determinados. d São utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns. Esteiras

Leia mais

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift Empilhadoras Elétricas Os empilhadores com braços de suporte oferecem uma solução efetiva e econômica para todos os tipos de armazém grandes ou pequenos. A BT oferece o grupo mais completo de empilhadores

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

Sistemas de separação

Sistemas de separação Intelligrated Com mais de 100 anos de experiência em separação e milhares de instalações, a Intelligrated oferece sistemas de separação para operações de distribuição e abastecimento automatizados eficientes,

Leia mais

Sistemas de abastecimento de pedidos

Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Intelligrated Densidade de separação A Intelligrated usa suas décadas de experiência e centenas de instalações para oferecer as

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Armazenagem Estratégica Automação na Armazenagem 2 Armazenagem Área tradicional

Leia mais

SISTEMAS'DE'ARMAZENAGEM

SISTEMAS'DE'ARMAZENAGEM Desafios para os Profissionais de Armazéns SISTEMAS'DE'ARMAZENAGEM Executar mais, menores transações Movimentar e estocar muitos itens Prover maior customização de serviços Oferecer mais serviços de valor

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Os chamados Sistemas de Armazenagem fazem parte de um grupo de acessórios e equipamentos bastante utilizados na indústria como uma maneira mais simplificada

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade III

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade III Unidade III 3 LAYOUT NO ARMAZÉM 3.1 Considerações sobre o layout do armazém A realização de uma operação eficiente e efetiva de armazenagem depende muito da existência de um bom layout do armazém, que

Leia mais

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

Sistema modular universal de transporte de encabidados

Sistema modular universal de transporte de encabidados SSI Translog Single SSI Translog Single Sistema modular universal de transporte de encabidados Flexibilidade e transporte fora do chão O sistema 'SSI Translog Single' da SSI Schaefer proporciona novas

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada Automatizando a armazenagem Armazenagem automatizada Com a verticalização da armazenagem a automatização tornou-se necessária também, pois os armazéns passaram a utilizar os espaços do piso ao teto. E

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 1 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Entrada Estoque Nível de estoque Importância da Área de Materiais Comércio: 70 a 85% do orçamento Saída Indústria:

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Eng.º. Cláudio Sei Guerra FEVEREIRO - 2014 ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 07 4. Porta-Pallets

Leia mais

Armazenagem: Centros de Distribuição, Compras

Armazenagem: Centros de Distribuição, Compras Armazenagem: Centros de Distribuição, movimentação física e Compras Tipos de Armazenagem Depósitos Área destinada a guarda de pequenos produtos. Almoxarifados Na manufatura, é um depósito que armazena

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico Avenida Prudente de Morais, 290 4º andar Cidade Jardim (31) 2531 0166 contato@idel.com.br www.idel.com.br 1 Palestrante Mac

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar 50 anos a oferecer soluções de armazenagem 3 Presença em mais de 70 países 3 11 centros de produção 3 4 centros

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional Armazenagem Compacta Drive-ln Drive-Through Dinâmica por Gravidade Armazenagem Climatizada Picking Estantes Deslizantes

Leia mais

Acessórios para empilhadeiras

Acessórios para empilhadeiras Índice: Acessórios para empilhadeiras - MSI-Forks & ATIB - Cotando acessórios - Modelos de equipamentos - Kit hidráulico e opcionais - Garantia e suporte local MSI-Forks & ATIB A MSI-Forks oferece ao mercado

Leia mais