Opinião ABC Brasil /02/2017

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Opinião ABC Brasil /02/2017"

Transcrição

1 03/02/2017 Depois de duas semanas tentando entender o impacto de Donald Trump na economia mundial, vamos voltar a nos ater às questões domésticas. Com o nível de atividade ainda fraco, o Dólar se aproximando novamente dos R$ 3,10 e as coletas de preços indicando um início de ano mais ameno do que o esperado, várias questões com relação à condução da política monetária começaram a emergir, como a velocidade de queda dos juros e a redução da meta de inflação de A primeira não é novidade, mas a última é, e suscita a questão sobre quanto esse debate pode interferir na flexibilização da política monetária. Portanto, vamos usar esse Opinião para entender o porquê dessa discussão, se vale a pena tê-la nesse momento e qual a consequência de um movimento nessa direção para a trajetória de queda dos juros. A redução da meta de inflação é um objetivo perseguido pelo BCB desde o tempo de Armínio Fraga na virada do século XXI. Na Resolução do BCB de 30 de junho de 1999, que criou formalmente o sistema de metas e inflação no Brasil, havia a previsão que o centro do intervalo de +/- 2,0 p.p. seria de 8,00% em 1999, 6,00% em 2000 e de 4,00% em Com o sucesso inicial, o BCB resolveu ousar um pouco mais e na Resolução de 28 de junho de 2000, estipulou o centro da meta para 2002 em 3,50%. No ano seguinte, mesmo com o comportamento da inflação corrente não tão favorável quanto no ano anterior, o BCB resolveu dar um passo à frente para reduzir a meta de inflação e, na Resolução de 28 de junho de 2001, estipulou que o centro da meta seria de 3,25%. Bem, o sonho do BCB de fazer a inflação convergir para 3,00% acabou em 2002 com a crise da eleição de Lula. O centro da meta foi sendo paulatinamente elevado até se estabilizar nos atuais 4,50%, que vigoram desde Ou seja, a ideia de trazer a meta para os 3,00% citados por Ilan Goldfajn na sua participação em um evento nessa semana, não é nova, mas, por que voltou à tona exatamente agora? Para entender os motivos, temos que olhar mais a inflação do que o nível de atividade, coisa difícil nesse momento. Considerando a trajetória do IPCA mensal que estamos projetando

2 para 2017, apesar de fecharmos o ano em 4,60%, chegaremos ao mês de maio com a inflação abaixo dos 4,50% e ao mês de julho abaixo dos 4,00%. Portanto, apesar de sabermos que grande parte desse movimento dar-se-á pelo efeito base, como as expectativas de inflação são altamente influenciadas pelos resultados correntes, não seria utópico pensar que ao chegarmos à reunião do CMN de junho, quando será confirmada a meta para 2018 e estipulada a de 2019, as expectativas da inflação para os próximos anos já estejam convergindo para níveis mais próximos de 4,00% do que dos atuais 4,50%. Posto isso, o BCB poderia devolver a pergunta acima, questionando: Por que não aproveitar o bom momento para consolidar a redução das expectativas de inflação? Essa pergunta fica relativamente implícita nessa passagem do discurso de Ilan: As expectativas para a inflação em 2017 vêm declinando consistentemente e se encontram próximas da meta de 4,5%. Para 2018 e horizontes mais longos, as expectativas para a inflação estão ancoradas em 4,5%, a meta atual. A decisão sobre o valor da meta para 2019 será tomada em junho desse ano. (grifo nosso). A parte inicial da frase pode ser considerada padrão, mas o pedaço em negrito nos parece um balão de ensaio para levantar essa discussão... Se for retirada, não altera em nada a compreensão do restante do texto então, se está lá, algum motivo tem. A motivação vem de longe e o senso de oportunidade parece ter incentivado Ilan a levantar essa discussão, em um momento que talvez não fosse o mais apropriado na visão de alguns. Se, por um lado, a inflação está em uma trajetória benigna, por outro, a recuperação do nível de atividade ainda não se encontra consolidada o suficiente para se iniciar um debate que pode, no fim, ser sobre o espaço para redução dos juros. Não à toa, fontes indicaram que as colocações de Ilan causaram mal-estar no Ministério da Fazenda, tanto que, Henrique Meirelles, ao comentar o tema com o jornal A Folha de São Paulo, disse: Eu prefiro deixar esse assunto com o presidente do BCB. Uma pessoa só falando já está gerando muito mal-entendido, duas pessoas falando, dá mais. Nessa semana até tivemos notícias positivas vindo da questão do 2

3 crescimento: Os índices de confiança voltaram a subir em janeiro e a Produção Industrial de dezembro, calculada pelo IBGE, subiu mais de 2,00%, na comparação com o mês anterior. Entretanto, devemos colocar ambos em perspectivas. Mesmo com esse crescimento expressivo em dezembro, a Produção Industrial em 2016 caiu 6,6% após contração de 8,3% em 2015, indicando que ainda falta um longo caminho para entrarmos em uma tendência consistente de recuperação. Além disso, mesmo com esse resultado positivo da indústria em dezembro, mantemos a nossa projeção de contração de 0,2% do PIB no 4º trimestre de 2016, consistente com uma queda de 3,4% no ano fechado, gerando um carrego estatístico negativo para 2017 da ordem de 0,7 p.p.. Quanto aos índices de confiança, estamos voltando à situação que tínhamos na virada do primeiro para o segundo semestre do ano passado, com a recuperação da componente de expectativas futuras do índice e estabilidade, em patamares baixos, da situação atual. Portanto, para que a última não contamine a primeira, como aconteceu ao longo do 3º trimestre de 2016, temos que ter algum combustível para inverter o sentido da atração e, assim como lá atrás, achamos que este se chama queda dos juros. Ou seja, quem acha que essa discussão prematura, está com esse cenário na cabeça. Até aqui, vimos bons motivos para achar que o BCB está errado em pensar na redução da meta nesse momento, mesmo com a tendência da inflação sugerindo que isso seria viável. Ou seja, para que eles resolvam meter a mão nesse vespeiro seria porque eles devem ter alguma boa estratégia na cabeça. Qual seria? Uma publicação recente do Banco Itaú BBA com o título E se a meta de inflação for reduzida? 1, dá uma boa dica a respeito disso. A partir de algumas regressões e utilizando o caso israelense como parâmetro, o texto defende que seria um bom momento para se reduzir a meta de inflação se apoiando na hipótese de que, não necessariamente, esse movimento levaria a uma política monetária mais apertada (ou menos 1 https://www.itau.com.br/itaubba-pt/analises-economicas/publicacoes/macro-visao/e-se-a-meta-deinflacao-for-reduzida 3

4 frouxa) do que se a meta atual fosse mantida. Em termos gerais, a ideia seria que, no caso de um BC com credibilidade, a redução da inflação perseguida levaria a uma queda nas expectativas para os próximos anos. Então, como o que vale para a política monetária é a taxa de juros real e não a nominal e, para o cálculo da primeira, o correto é utilizar as expectativas de inflação e não a inflação corrente, podemos chegar a situação em que a redução da meta levaria, na verdade, a um maior espaço para o afrouxamento da política monetária e não o contrário! No texto, a conclusão a que se chega é que, no caso de um BC com alta credibilidade, a redução da meta de 1,0 p.p. levaria a uma queda nas expectativas de inflação da ordem de 0,7p.p.. Com isso, para manter a política monetária no mesmo padrão que o anterior à redução da meta, ou seja, a taxa de juros real constante, o BC deveria cortar a taxa de juros nominal no mesmo montante. Pelo que vimos, temos bons argumentos para os dois lados, o que torna difícil definir se achamos que uma redução da meta de inflação nesse momento seria uma boa ou uma má ideia. Pensando apenas pela dinâmica econômica em condições normais, não teríamos muitas dúvidas em achar que essa mudança seria liquidamente positiva. Entretanto, podemos adjetivar a situação da economia brasileira de várias formas, sendo que normal, certamente, não estaria no rol das opções. Por isso, podemos levantar duas questões para mostrar que, apostar na redução da meta, nesse momento, poderia ser muito arriscado. A primeira nos remete de volta a questão do combustível para transformar a melhora dos índices de confiança em crescimento econômico. Sem a expectativa de que os juros irão continuar a cair, podemos voltar ao cenário do meio de 2016, quando tivemos um falso positivo para a recuperação econômica, exatamente porque a redução dos juros não começou na reunião de agosto como chegou-se a especular. Mesmo sendo praticamente certo que até o final de 2016 haveria uma redução dos juros e que, quanto mais ela demorasse, mais forte seria, a simples incerteza com relação a isso foi suficiente para desarmar a 4

5 recuperação dos índices de confiança que víamos desde maio. Essa é a base para a nossa segunda questão. Mesmo concordando com a tese do Itaú BBA de que a redução da meta de inflação abriria espaço para mais queda dos juros e não para menos, dada a credibilidade da atual diretoria do BCB, esta não é muito intuitiva, podendo haver algum tempo para cair a ficha. Por isso, a primeira reação do mercado poderia ser precificar o que parece mais intuitivo, ou seja, uma meta de inflação mais ambiciosa implicaria em menos espaço para a redução dos juros. Em condições normais, esse interregno entre a reação intuitiva do mercado e a prevalência dos fundamentos, não deveria causar grandes transtornos à expectativa de crescimento. Entretanto, na situação atual de fragilidade da economia, qualquer incerteza pode ter o condão de abortar a recuperação, assim como vimos em meados do ano passado. Posto isso, acreditamos que a ideia é boa, mas o momento ruim. Para os que defendem a tese da janela de oportunidade, se os fundamentos econômicos estiverem bem calçados, não será um ano que irá alterar sobremaneira as condições para que esse movimento seja efetuado em Com o nível de incerteza que ainda paira sobre a recuperação da economia brasileira, acreditamos que não seria o momento de fazer marola. 5

6 Este material possui cunho meramente informativo, não constituindo qualquer tipo de oferta, convite, proposta ou aconselhamento por parte do Banco ABC Brasil S.A. ( Banco ) aos seus destinatários para quaisquer fins, inclusive, mas não limitado, à contratação ou não de operações financeiras, negócios ou investimentos, bem como quanto ao desenvolvimento por estes, ou não, de quaisquer estratégias correlatas. O envio deste material aos seus destinatários se dá de forma gratuita e por mera liberalidade do Banco, não se configurando como qualquer tipo de produto ou prestação de serviços por parte deste, ao qual fica reservado o direito de descontinuar o envio destas informações a qualquer tempo e sem qualquer tipo de aviso prévio a seus destinatários. As informações contidas neste material foram obtidas de fontes públicas e consideradas razoavelmente apuradas na data de sua divulgação. O Banco não confere aos destinatários deste material qualquer espécie de garantia, direito ou pretensão no que se refere às informações ora apresentadas, bem como quanto à sua exatidão, completude, isenção, confiabilidade ou atualização. Quaisquer decisões, contratações, investimentos, negócios ou estratégias, relacionadas ou não às informações ora apresentadas, deverão ser adotadas, efetuadas ou desenvolvidas pelos destinatários deste material exclusivamente de acordo com seus critérios de avaliação próprios e sob sua integral responsabilidade, com base nas informações por estes obtidas de forma independente e de acordo com a análise e opinião de seus consultores, analistas e administradores próprios. O Banco não será responsável, perante os destinatários deste material ou quaisquer terceiros, por qualquer forma de utilização das informações ora apresentadas, bem como por quaisquer perdas diretas, indiretas ou quaisquer tipos de prejuízos e/ou lucros cessantes que possam ser decorrentes do uso deste conteúdo. Este material e as informações dele constantes somente poderão ser reproduzidos, divulgados ou redistribuídos com a expressa anuência por escrito do Banco. Este material não se constitui, e não deve ser interpretado, para quaisquer fins, como relatório de análise nos termos do artigo 1º da Instrução CVM n.º 483, de 06 de Julho de

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 09/06/2017 As questões políticas continuam a ser o ponto focal do mercado. Hoje, o presidente Michel Temer passou pelo seu primeiro teste, o julgamento do TSE, mas outros virão. Na 2ª feira teremos a reunião

Leia mais

Opinião ABC Brasil /09/2017

Opinião ABC Brasil /09/2017 01/09/2017 Na semana que vem teremos a reunião do COPOM. Apesar de haver pouca chance de que o resultado seja outro que não uma nova queda de 1,00 p.p. na taxa SELIC, o encontro não deixará de ter os seus

Leia mais

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 23/06/2017 Internamente as questões políticas continuam sendo o foco das atenções dos mercados. Contrariando as expectativas, o Comitê de Assuntos Sociais (CAS) do Senado rejeitou, por 10 votos a 9, o

Leia mais

Opinião ABC Brasil /07/2017

Opinião ABC Brasil /07/2017 Opinião ABC Brasil 530 14/07/2017 Como diria Tom Jobim, o Brasil não é para principiantes e, essa máxima, pode ser perfeitamente estendida também para os mercados brasileiros. Até semana passada, a salvação

Leia mais

Opinião ABC Brasil /04/2016

Opinião ABC Brasil /04/2016 01/04/2016 No início da crise, todos os holofotes estavam sobre os economistas. Qual seria o tamanho da crise? O que fazer para revertê-la? Já chegamos ao fundo do poço? Enquanto as respostas eram apenas

Leia mais

Opinião ABC Brasil /09/2016

Opinião ABC Brasil /09/2016 02/09/2016 A votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff, mostra, infelizmente, que a frase do ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, de que no Brasil até o passado é incerto, é uma verdade insofismável.

Leia mais

Opinião ABC Brasil /03/2016

Opinião ABC Brasil /03/2016 24/03/2016 A montanha russa de emoções na política brasileira fica cada vez mais radical, paralisando completamente as discussões econômicas. Entretanto, medidas vêm sendo tomadas, números têm sido divulgados

Leia mais

Opinião ABC Brasil /02/2016

Opinião ABC Brasil /02/2016 05/02/2016 A vida não tá fácil para ninguém. Seja aqui ou lá fora, os dados são divergentes e as decisões de política monetária, complicadas. Como já discutido anteriormente, o mercado está operando em

Leia mais

Opinião ABC Brasil /10/2017

Opinião ABC Brasil /10/2017 27/10/2017 Nessa semana tivemos a reunião do BCB e de um dos principais BCs do mundo, o Banco Central Europeu (BCE). Interessante que, apesar de momentos completamente diferentes do ciclo de política monetária,

Leia mais

Opinião ABC Brasil /09/2017

Opinião ABC Brasil /09/2017 22/09/2017 Os imbróglios políticos continuam assombrando os mercados, com denúncias de um lado, delações de outro, tendo como resultado final a falta de calendário para votar a Reforma da Previdência ainda

Leia mais

Opinião ABC Brasil /02/2017

Opinião ABC Brasil /02/2017 24/02/2017 No último Opinião, a partir dos dados de atividade e inflação, definimos as nossas apostas para a reunião do COPOM dessa semana e, apesar de deixar claro que achávamos que havia espaço para

Leia mais

Opinião ABC Brasil /01/2017

Opinião ABC Brasil /01/2017 06/01/2017 No Opinião da semana passada, quando fizemos as nossas considerações com relação ao que esperar para 2017, escrevemos o seguinte comentário sobre o nível no qual o Dólar estava fechando 2016:

Leia mais

Opinião ABC Brasil /07/2017

Opinião ABC Brasil /07/2017 21/07/2017 Nas últimas semanas temos visto uma maior movimentação dos bancos centrais de economias desenvolvidas na direção de diminuir seus estímulos monetários, implementados desde a crise financeira

Leia mais

Opinião ABC Brasil 399 2/1/2015

Opinião ABC Brasil 399 2/1/2015 2/1/2015 O ano de 2015 é esperado como o ano do ajuste. Três ajustes são considerados importantes: o fiscal, o monetário e o de preços. E o ano já começou com sinais de que estes já estão acontecendo.

Leia mais

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 30/06/2017 A política continua a dominar o noticiário, como não podia deixar de ser. Entretanto, em paralelo a isso, tivemos novidades na agenda econômica que terão impactos importantes nas discussões

Leia mais

Opinião ABC Brasil /07/2017

Opinião ABC Brasil /07/2017 28/07/2017 Nos últimos dias, o debate em torno da situação fiscal do Brasil se intensificou. Mesmo depois do anuncio, por parte do governo, de um contingenciamento extra de despesas e uma elevação acima

Leia mais

Opinião ABC Brasil /07/2017

Opinião ABC Brasil /07/2017 07/07/2017 Nas nossas explicações a respeito da relativa resiliência dos ativos brasileiros, face à confusão política em que nos metemos, dois pilares são sempre citados: a equipe econômica e o cenário

Leia mais

Opinião ABC Brasil /02/2017

Opinião ABC Brasil /02/2017 10/02/2017 As incertezas externas, principalmente no cenário internacional, continuam chamando a atenção dos mercados. No entanto, nas últimas semanas o fluxo de notícias positivas no âmbito interno tem

Leia mais

Opinião ABC Brasil /05/2017

Opinião ABC Brasil /05/2017 19/05/2017 Há muito vínhamos ressaltando a importância das questões políticas nas projeções econômicas para o Brasil nos próximos anos. Entretanto, nessa semana, essa importância chegou a níveis tão dramáticos,

Leia mais

Opinião ABC Brasil /03/2017

Opinião ABC Brasil /03/2017 17/03/2017 Depois da divulgação de vários indicadores internos relevantes, usamos o Opinião da semana passada para revisar o nosso cenário para a economia brasileira em 2017. Dessa vez, no entanto, as

Leia mais

Opinião ABC Brasil /08/2017

Opinião ABC Brasil /08/2017 25/08/2017 Depois de muito tempo em que os mercados locais foram dominados por fatores externos, tivemos uma semana em que eventos internos tiveram preponderância. Seja através da surpresa com a ideia

Leia mais

Opinião ABC Brasil /09/2017

Opinião ABC Brasil /09/2017 15/09/2017 Tivemos uma semana com importantes novidades econômicas internas, como a confirmação de que a atividade está se recuperando e de que os juros deverão fechar o ano próximos de 7,00% a.a.. Entretanto,

Leia mais

Opinião ABC Brasil /09/2017

Opinião ABC Brasil /09/2017 08/09/2017 Em uma semana espremida pelo feriado de 7 de setembro, a questão política voltou a ser o principal tema nos mercados. A surpreendente reviravolta do caso JBS alterou o xadrez político do Governo

Leia mais

Opinião ABC Brasil /03/2017

Opinião ABC Brasil /03/2017 03/03/2017 Muitas vezes já escrevemos textos em que dizíamos que contra fatos não há argumentos. Entretanto, o que os eventos da última semana nos mostram é que estamos em um mundo em que os argumentos

Leia mais

Opinião ABC Brasil /03/2017

Opinião ABC Brasil /03/2017 31/03/2017 Em uma semana de poucas novidades no cenário externo, os destaques ficaram por conta dos eventos internos relacionados, tanto à política fiscal, quanto à monetária. No primeiro caso, existia

Leia mais

Opinião ABC Brasil /08/2016

Opinião ABC Brasil /08/2016 19/08/2016 Estamos próximos de um momento decisivo para a economia brasileira em geral e para o mercado financeiro, em particular, o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. O início da sessão

Leia mais

Opinião ABC Brasil /04/2017

Opinião ABC Brasil /04/2017 07/04/2017 Sempre que fazemos cenários prospectivos para a economia brasileira no curto prazo, alguns lugares comuns aparecem: A recuperação vai ser lenta, a política monetária entrou em círculo virtuoso

Leia mais

Carta Mensal Outubro 2016

Carta Mensal Outubro 2016 Carta Mensal Outubro 2016 Cenário YES WE CAN, diz o Banco Central sobre cumprir meta de inflação de 2017 e 2018 Desde que o atual presidente do Banco Central foi nomeado em junho e deu posse para sua equipe

Leia mais

Opinião ABC Brasil /12/2016

Opinião ABC Brasil /12/2016 23/12/2016 Com o final de ano chegando, as movimentações no mercado começam a ficar mais fracas, e as novidades econômicas e políticas, mais escassas. No âmbito externo, a semana foi marcada por uma vazia

Leia mais

Opinião ABC Brasil /05/2017

Opinião ABC Brasil /05/2017 12/05/2017 Mais uma vez, nesta semana, os eventos políticos competiram em importância com os indicadores econômicos, tanto no âmbito interno quanto externo. Com relação ao primeiro, o destaque no noticiário

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Após maio fraco, geração de empregos volta a acelerar...

Leia mais

Opinião ABC Brasil /10/2016

Opinião ABC Brasil /10/2016 07/10/2016 Nas últimas semanas temos destacado que os eventos externos têm influenciado de forma significativa os preços dos ativos domésticos. Nesta semana não foi diferente, os desdobramentos do Brexit,

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Maio, 2016 Roteiro Internacional Ambiente segue favorável para mercados emergentes A retomada da alta de juros nos EUA depende de uma aceleração

Leia mais

Opinião ABC Brasil /05/2017

Opinião ABC Brasil /05/2017 05/05/2017 No Opinião da semana passada, discutimos alguns assuntos que estavam impactando os mercados nas últimas semanas. A conclusão foi que, apesar de serem potencialmente perigosos e capazes de gerar

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

A seguir, detalharemos nossas principais posições no período. PACIFICO MACRO JANEIRO DE

A seguir, detalharemos nossas principais posições no período. PACIFICO MACRO JANEIRO DE O fundo Pacifico Macro FIQ FIM apresentou rentabilidade de 22,08% no ano de 2016. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 14,00%. No quarto trimestre de 2016, a rentabilidade do fundo foi de 3,87%,

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL. O PIB do Brasil no Segundo Trimestre de Julho de 2016 Publicado em Setembro de 2016

PANORAMA CONJUNTURAL. O PIB do Brasil no Segundo Trimestre de Julho de 2016 Publicado em Setembro de 2016 PANORAMA CONJUNTURAL Julho de 2016 Publicado em Setembro de 2016 O PIB do Brasil no Segundo Trimestre de 2016 A taxa de variação do PIB da economia brasileira no segundo trimestre de 2016 sofreu na margem

Leia mais

O fundo Pacifico Macro FIQ FIM apresentou rentabilidade de 5,11% no primeiro trimestre de No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03%.

O fundo Pacifico Macro FIQ FIM apresentou rentabilidade de 5,11% no primeiro trimestre de No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03%. O fundo Pacifico Macro FIQ FIM apresentou rentabilidade de 5,11% no primeiro trimestre de 2017. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03%. Neste trimestre, a principal contribuição positiva

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais.

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais. 28 de Outubro de 2013 Juros encerram a semana em queda seguindo comportamento da Treasury; Dólar encerrou a semana em alta de 0,5%, cotado a R$ 2,189; Ibovespa cai na semana contrariando comportamento

Leia mais

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom 17/01/2017 12:34 por Redação Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom Fica mantida expectativa de ciclo longo de afrouxamento, que levará a taxa básica de juros para 9,50%

Leia mais

Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3%

Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3% Receita Bruta Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3% Magazines As vendas para o canal Magazines mantiveram

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Operações de Crédito do SFN

Operações de Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) caem 0,2% em mai/17 e 2,6% em 12 meses. A retomada ainda não veio. O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Outubro, 2016 Roteiro Internacional China mais estável, mas riscos globais aumentaram A atividade na China e as taxas de juros baixas nas economias

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Opinião ABC Brasil /12/2013

Opinião ABC Brasil /12/2013 06/12/2013 Uma semana carregada de novidades como essa parece ser um bom momento para revermos o nosso cenário de curto prazo, tanto para as variáveis brasileiras, quanto para a questão do tapering nos

Leia mais

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I 2011.II 2011.III 2011.IV 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV 2013.I PIB 1º trimestre de 2013 29/05/13 O produto interno bruto (PIB) do 1º trimestre

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 Data: 07/07/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre. PIB Trimestral em %

Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre. PIB Trimestral em % Conjuntura econômica fraca persiste no terceiro trimestre, ) ( Figura 1: PIB Trimestral variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior PIB Trimestral em % 5.1 4.6 3.5 2.5 1.7 1 2.5 2.5 2.8 4.1

Leia mais

Indicador antecedente nos EUA avança.

Indicador antecedente nos EUA avança. Estratégia Econômica: A Gradual tem os produtos sob medida para você. Nossa equipe conta com consultores de investimento que podem te auxiliar nas decisões de investimento, de acordo com perfil, prazo

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Abril/2016 DESTAQUES O mês abril/16 foi marcado pelos desdobramentos no âmbito político com a evolução do processo de impeachment da Presidente Dilma. No início do Abril,

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Federal Reserve sinaliza porta de saída para o atual afrouxamento quantitativo Como já era esperada, a decisão do FOMC (o comitê de política monetária do Federal Reserve) ao término de sua reunião foi

Leia mais

SINCOR-SP 2016 OUTUBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 OUTUBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Crise de confiança. Roberto Padovani Setembro 2013

Crise de confiança. Roberto Padovani Setembro 2013 Crise de confiança Roberto Padovani Setembro 2013 jan/92 nov/92 set/93 jul/94 mai/95 mar/96 jan/97 nov/97 set/98 jul/99 mai/00 mar/01 jan/02 nov/02 set/03 jul/04 mai/05 mar/06 jan/07 nov/07 set/08 jul/09

Leia mais

Divulgação de Resultados 4T de fevereiro de 2017

Divulgação de Resultados 4T de fevereiro de 2017 Divulgação de Resultados 4T16 24 de fevereiro de 2017 DISCLAIMER Esse material pode conter previsões de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro 2016 Roteiro Internacional Ambiente externo ainda favorável para os mercados emergentes O Fed, o banco central americano, deve voltar

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

Opinião ABC Brasil /04/2017

Opinião ABC Brasil /04/2017 20/04/2017 Normalmente usamos o Opinião para tratar de algum tema específico, que acreditamos ser relevante para a discussão dos nossos cenários. Entretanto, de tempos em tempos, tantas coisas acontecem

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro, 2015 Roteiro Internacional Brasil Desaceleração da China reduz crescimento global China: desaceleração chinesa reduz crescimento

Leia mais

INDA. A política Fiscal na Ausência de Inflação

INDA. A política Fiscal na Ausência de Inflação A política Fiscal na Ausência de Inflação Aspectos Estruturais Política Fiscal: Uma Situação de Encilhamento A Política Fiscal na Ausência de Inflação FHC I (% PIB) Res. Primário Juros NFSP Dívida Pública

Leia mais

O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer

O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer Maio de 2002 O Desempenho Industrial: Sem Forças Para Crescer Investimentos: em compasso de espera Crédito: travado Mercado consumidor interno: fraco Exportações:

Leia mais

Novo Site de Relações com Investidores. Novembro

Novo Site de Relações com Investidores. Novembro Novo Site de Relações com Investidores Novembro - 2015 1 O desenvolvimento do novo site de RI da Brasil Brokers, agora responsivo, teve como principal objetivo a melhor organização das informações ali

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS O Relatório Trimestral de Inflação do primeiro trimestre corrobora nosso cenário de aceleração do processo de afrouxamento monetário. O documento divulgado pelo Banco Central

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 7 1. Carta de Conjuntura... 8 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 9 3. Análise macroeconômica... 12

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Mensagem do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica... 10

Leia mais

Opinião ABC Brasil /03/2017

Opinião ABC Brasil /03/2017 24/03/2017 A semana não foi muito boa para a economia brasileira: Os impactos da Operação Carne Fraca já começam a se fazer sentir, não apenas nas exportações brasileiras, mas também na cadeia produtiva

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Indicadores domésticos de atividade exibem estabilização na margem. Nos EUA, produção industrial confirma expansão moderada da economia. No âmbito doméstico, os dados de

Leia mais

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC

CONJUNTURA. Maio FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC CONJUNTURA Maio-2017 FONTE: CREDIT SUISSE, CNI, IBGE e BC INFLAÇÃO FICARÁ ABAIXO DA META EM MEADOS DE 2017 IPCA ACUMULADO EM 12 MESES (%) Fonte: IBGE; Elaboração: CNI DCEE Departamento de Competitividade,

Leia mais

Taxa de câmbio. Elaboração: Quantitas

Taxa de câmbio. Elaboração: Quantitas Taxa de câmbio Elaboração: Quantitas O que move nosso câmbio? Risco Brasil (CDS) Dollar (DXY) Real (R$) Índice de commodities (CRB) Título público americano 10 anos 4 O que move nosso câmbio? Risco Brasil

Leia mais

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 Elaboração:VIFIN CAIXA Vice-Presidência de Finanças SUPLA CAIXA SN de Planejamento Financeiro 1 Relatório Conjuntura

Leia mais

Agenda Semanal 28 de agosto

Agenda Semanal 28 de agosto Agenda Semanal 28 de agosto 2017 2016 Perspetivas PIB norte-americano e indicadores de atividade são destaques da semana Acreditamos que o epicentro macroeconómico para os mercados acionistas estará nas

Leia mais

A melhor maneira de fazer isso é revisitar nossas cartas mensais que são o canal direto de comunicação entre a equipe de gestão e os investidores.

A melhor maneira de fazer isso é revisitar nossas cartas mensais que são o canal direto de comunicação entre a equipe de gestão e os investidores. Dezembro de 2014 RETROSPECTIVA Sempre que chegamos ao final do ano gostamos de fazer um balanço de quais foram os assuntos abordados, nossas preocupações, previsões, análises e mais importante de tudo,

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Novembro, 2016 Roteiro Internacional Nova realidade global pressiona mercados emergentes Brasil O resultado das eleições presidenciais nos

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL

PANORAMA CONJUNTURAL PANORAMA CONJUNTURAL A Frágil Recuperação da Indústria Agosto de 2016 Publicado em Outubro de 2016 A retração de 3,8% da produção indústrial na passagem de julho para agosto, não só anulou os aumentos

Leia mais

Abril. Stock Guide CONTEÚDO. 02 Neutras / Não Atrativas 03 Análise de empresas. Atrativas

Abril. Stock Guide CONTEÚDO. 02 Neutras / Não Atrativas 03 Análise de empresas. Atrativas Stock Guide 04 de abril de 2017 Abril CONTEÚDO Guia técnico do mercado brasileiro voltado para investidores de longo prazo. 01 s 02 Neutras / Não s 03 Análise de empresas Analista responsável Victor Benndorf

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Janeiro. Carteira Sugerida de Dezembro

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Janeiro. Carteira Sugerida de Dezembro A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas. Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 2017

Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas. Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 2017 Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 217 1 1/7/1996 13/3/1997 23/11/1997 5/8/1998 17/4/1999 28/12/1999 8/9/2 21/5/21 31/1/22 13/1/22

Leia mais

Riscos Crescentes. Roberto Padovani Junho 2017

Riscos Crescentes. Roberto Padovani Junho 2017 Riscos Crescentes Roberto Padovani Junho 2017 Política volta a ser crítica 1. Política duração da crise - voltou a ser variável de controle; 2. Há impasse político: Economia ajuda manter governabilidade

Leia mais

Professor. Welington

Professor. Welington Professor. Welington Uma aplicação financeira nada mais é do que a compra de um produto financeiro com o objetivo de aumentar o capital inicial. + = Espera-se uma recompensa pelo não uso do dinheiro! Ter

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais