Opinião ABC Brasil /09/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Opinião ABC Brasil /09/2016"

Transcrição

1 02/09/2016 A votação do processo de impeachment de Dilma Rousseff, mostra, infelizmente, que a frase do ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, de que no Brasil até o passado é incerto, é uma verdade insofismável. Quando todos achávamos que, na sessão de 4ª feira, iríamos virar essa página e começar a tocar a vida sob nova administração, eis que aparece a ideia do fatiamento da votação e voltamos à questão da judicialização do processo e, consequentemente, do aumento da incerteza. Entretanto, apesar de esse ser o assunto mais quente do momento, como nem os juristas se entendem sobre quem tem razão e qual poderá ser o resultado final desse imbróglio, vamos nos abster de opinar sobre esse assunto e focar em outra questão crucial para a recuperação da economia brasileira, a política monetária. No último Opinião, chamamos a atenção para a importância da reunião dessa semana do COPOM, não pela definição da taxa de juros em si, que esperava-se fosse mantida em 14,25% a.a., mas pela leitura do comunicado, que poderia confirmar uma certa flexibilização do discurso do BCB. A questão que se colocava era que, se o tom do último comunicado permanecesse o mesmo, poucas chances haveriam para uma redução dos juros na próxima reunião, em outubro. Particularmente, nos interessava a parte do comunicado passado que dizia: Tomados em conjunto, o cenário básico e o atual balanço de riscos indicam não haver espaço para flexibilização da política monetária.. Tomando esse trecho como ponto de partida, podemos verificar que realmente houve uma certa flexibilização do discurso. Ao invés de dizer, peremptoriamente, que não há espaço para uma queda dos juros, como supracitado, o novo comunicado trouxe uma visão mais ampla da questão: O Comitê avalia que uma flexibilização das condições monetárias dependerá de fatores que permitam maior confiança no alcance das metas para a inflação nos horizontes relevantes para a condução da política monetária, em particular da meta de 4,5% em Dessa forma, a primeira conclusão a que podemos chegar, é que, uma queda dos juros em outubro ainda pode ser considerada possível. Mas o BCB deu alguma indicação de que isso poderia ocorrer?

2 A resposta é não. Ao mesmo tempo em que abre uma brecha, ele deixa claro que os riscos de convergência da inflação para o centro da meta em 2017 continuam os mesmos da última reunião: O Comitê identifica os seguintes riscos domésticos para o cenário básico para a inflação: Por um lado, (i) a inflação acima do esperado no curto prazo, em boa medida decorrente de preços de alimentos, pode se mostrar persistente; (ii) incertezas quanto à aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia permanecem; e (iii) um período prolongado com inflação alta e com expectativas acima da meta pode reforçar mecanismos inerciais e retardar o processo de desinflação;. A única diferença com relação ao comunicado anterior foi a ordem dos problemas. Portanto, se os riscos permaneceram os mesmos, por que estaria pavimentado o caminho para o início do afrouxamento monetário já em outubro? Mas então, a possibilidade de queda dos juros ainda esse ano estaria descartada? Da mesma forma, não. Os motivos para isso também são dados pelo próprio BCB, quando enumera os fatores que poderiam levá-lo a flexibilizar a política monetária: O Comitê destaca os seguintes fatores domésticos: (i) que a persistência dos efeitos do choque de alimentos na inflação seja limitada; (ii) que os componentes do IPCA mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica indiquem desinflação em velocidade adequada; e (iii) que ocorra redução da incerteza sobre a aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia, incluindo a composição das medidas de ajuste fiscal, e seus respectivos impactos sobre a inflação.. Analisando ponto a ponto, podemos concluir que, o primeiro, apesar de algumas indicações favoráveis nesse sentido, seria o mais difícil de ser previsto, tanto que o BCB coloca essa questão como risco tanto negativo, como visto acima, como positivo: (...) Por outro lado, (iv) índices de preços no atacado indicam possível arrefecimento do choque de preços de alimentos e um eventual efeito favorável sobre o IPCA;. Ou seja, não dá para se basear na melhoria desse risco, como fator de otimismo para precificar uma queda dos juros já na reunião de outubro. Indo para o segundo ponto, podemos ter um pouco mais de otimismo. Apesar de não acharmos que as projeções para o ano de 2016 mudem muito do intervalo entre 7,00% e 7,50%, os modelos do BCB podem dar subsídios 2

3 para um discurso mais otimista com relação à convergência da inflação para o centro da meta. Para isso, o momento crucial será a divulgação do Relatório de Inflação (RI) de setembro. Nesse documento o BCB faz uma descrição mais profunda da economia brasileira e detalha os resultados dos seus modelos. A nossa expectativa é que o modelo de referência já mostre um IPCA para 2017 abaixo dos 4,5% e que, no cenário de mercado, o número mostre um resultado inferior a 5,0%. Uma colocação interessante nesse ponto é que, enquanto no caso do cenário de referência se faz mister ter as projeções, pelo menos, em 4,5%, no caso do cenário de mercado essa exigência não é tão restrita. Para entender a diferença, basta olhar quais os dados usados em cada um deles. No caso do primeiro, utiliza-se como hipótese para a trajetória dos juros o valor da Selic no dia de corte, mantendo-se nesse patamar até o final do horizonte de projeção. Ou seja, caso nesse cenário, a inflação não esteja, pelo menos no centro da meta, fica difícil sustentar um discurso de redução de juros... Se com as taxas mantidas não se atinge o objetivo, por que o faria com a queda das mesmas? Por outro lado, no caso do cenário de mercado, como o próprio nome sugere, utiliza-se as projeções do boletim Focus na data de corte. Portanto, mesmo que o resultado não mostre convergência para os 4,5%, pode-se sempre argumentar que, na verdade, isso não significa que não há espaço para redução dos juros, apenas que talvez esta não ocorra na dimensão esperada pelo mercado. Por fim, podemos dizer que o terceiro seria talvez o ponto mais sensível, uma vez que ele pode definir, não só a política monetária, mas também a possibilidade de se gerar um círculo virtuoso para a economia brasileira no curto prazo. Portanto, devemos ser bastante cuidadosos com relação ao que esperar dessa questão. A primeira pergunta que podemos fazer é: Quais seriam os eventos chave desses ajustes citados pelo BCB no seu comunicado? Apesar de estarem em tramitação vários projetos importantes para o reequilíbrio da economia brasileira, como a extensão da DRU e as novas regras para as concessões no setor de óleo e gás, os dois pontos mais relevantes a serem acompanhados são a reforma da previdência e a PEC do limite dos gastos. No primeiro caso, 3

4 não deve-se esperar grandes avanços ainda esse ano. A expectativa é que o projeto seja enviado ao Congresso até as eleições, em uma projeção otimista, ou logo depois desta em uma visão mais realista. De qualquer forma, a questão sobre se a tramitação está sendo boa ou não acaba sendo muito subjetiva, o que faz com que este não seja o ponto decisivo para averiguar o espaço para a queda dos juros em outubro. Já a questão do teto dos gastos tem parâmetros mais fáceis de se acompanhar. Ela já foi enviada à Câmara e, após passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) está, agora, na Comissão Especial da casa. O seu relator é o Deputado Darcísio Perondi (PMDB) que, segundo as suas últimas declarações, pretende apresentar o seu relatório na semana do dia 13 de setembro, podendo ser votado logo em seguida. Por esse calendário, poderíamos ter a votação em 1º turno logo após as eleições, antes, portanto, da reunião do COPOM de outubro que ocorre no dia 19. Na nossa análise, a aprovação da PEC nessa fase já seria o suficiente para abrir espaço para a redução dos juros. Isso significa que não acreditamos que o BCB espere a aprovação da PEC para começar a afrouxar a política monetária, já sendo o 1º turno na Câmara um passo importante para que haja uma redução da incerteza sobre a implementação dos ajustes. Aqui vale a pena salientar que não apenas quando, mas também como se dará essa aprovação será levada em conta pelo BCB. Ou seja, de nada adiantaria aprovar a PEC antes da reunião do COPOM se esta se der às custas de aspectos importantes do ajuste. A conclusão disso tudo é que, as mudanças no Comunicado da reunião do COPOM dessa semana, deixaram as portas abertas para uma redução dos juros na próxima reunião em outubro. Para que isso se concretize, acreditamos que a projeção do cenário de referência deva estar abaixo do centro da meta e a de mercado abaixo de 5,0% quando da divulgação do RI de setembro. No último caso em particular, seria importante também que houvesse a convergência para 4,5% dentro do horizonte de projeção. Além disso, a PEC dos gastos deverá ter sido aprovada, pelo menos em 1º turno na Câmara, sem perder a sua essência, até o dia 19 de outubro, dia da reunião do COPOM. 4

5 Saindo da discussão de quando e indo para quanto, somos da teoria de que, quanto mais cedo se der a redução dos juros, menor será o seu ritmo, sendo o inverso também verdadeiro. Ou seja, se os juros começarem a ser reduzidos em outubro, o ritmo deverá ser de 0,25 p.p., já se for para novembro, o primeiro corte seria de, pelo menos, 0,50 p.p., podendo chegar 1,00 p.p. se o BCB postergar o movimento para o início de Esse é o dilema do BCB: Sabe que tem que reduzir os juros, mas a decisão sobre quando e quanto poderá ser decisiva, não só para retomar a credibilidade da política monetária, perdida nos últimos anos, como também, para permitir a criação de um círculo virtuoso na economia brasileira que levaria a uma recuperação mais rápida da atividade no país. Os dados do PIB divulgados nessa semana mostraram a importância dos juros para que um cenário benigno se materialize. Os destaques positivos do resultado foram a Indústria do lado da oferta e os Investimentos, do lado da demanda, ficando claro que, dessa vez, a recuperação não se dará via Consumo. A diferença básica nesse caso é que a volta do crescimento só ocorrerá se houver confiança e redução do custo do capital, ambos interligados e dependentes da redução das taxas básicas de juros. Na 3ª feira (06/09) será divulgada a Ata da reunião. Por ser um documento mais completo sempre vale a pena lê-lo, mas acreditamos que a dica já foi dada no Comunicado, ficando para a Ata a função de apenas reforçar os argumentos. 5

6 Este material possui cunho meramente informativo, não constituindo qualquer tipo de oferta, convite, proposta ou aconselhamento por parte do Banco ABC Brasil S.A. ( Banco ) aos seus destinatários para quaisquer fins, inclusive, mas não limitado, à contratação ou não de operações financeiras, negócios ou investimentos, bem como quanto ao desenvolvimento por estes, ou não, de quaisquer estratégias correlatas. O envio deste material aos seus destinatários se dá de forma gratuita e por mera liberalidade do Banco, não se configurando como qualquer tipo de produto ou prestação de serviços por parte deste, ao qual fica reservado o direito de descontinuar o envio destas informações a qualquer tempo e sem qualquer tipo de aviso prévio a seus destinatários. As informações contidas neste material foram obtidas de fontes públicas e consideradas razoavelmente apuradas na data de sua divulgação. O Banco não confere aos destinatários deste material qualquer espécie de garantia, direito ou pretensão no que se refere às informações ora apresentadas, bem como quanto à sua exatidão, completude, isenção, confiabilidade ou atualização. Quaisquer decisões, contratações, investimentos, negócios ou estratégias, relacionadas ou não às informações ora apresentadas, deverão ser adotadas, efetuadas ou desenvolvidas pelos destinatários deste material exclusivamente de acordo com seus critérios de avaliação próprios e sob sua integral responsabilidade, com base nas informações por estes obtidas de forma independente e de acordo com a análise e opinião de seus consultores, analistas e administradores próprios. O Banco não será responsável, perante os destinatários deste material ou quaisquer terceiros, por qualquer forma de utilização das informações ora apresentadas, bem como por quaisquer perdas diretas, indiretas ou quaisquer tipos de prejuízos e/ou lucros cessantes que possam ser decorrentes do uso deste conteúdo. Este material e as informações dele constantes somente poderão ser reproduzidos, divulgados ou redistribuídos com a expressa anuência por escrito do Banco. Este material não se constitui, e não deve ser interpretado, para quaisquer fins, como relatório de análise nos termos do artigo 1º da Instrução CVM n.º 483, de 06 de Julho de

Opinião ABC Brasil /02/2017

Opinião ABC Brasil /02/2017 24/02/2017 No último Opinião, a partir dos dados de atividade e inflação, definimos as nossas apostas para a reunião do COPOM dessa semana e, apesar de deixar claro que achávamos que havia espaço para

Leia mais

Opinião ABC Brasil /04/2016

Opinião ABC Brasil /04/2016 01/04/2016 No início da crise, todos os holofotes estavam sobre os economistas. Qual seria o tamanho da crise? O que fazer para revertê-la? Já chegamos ao fundo do poço? Enquanto as respostas eram apenas

Leia mais

Opinião ABC Brasil 399 2/1/2015

Opinião ABC Brasil 399 2/1/2015 2/1/2015 O ano de 2015 é esperado como o ano do ajuste. Três ajustes são considerados importantes: o fiscal, o monetário e o de preços. E o ano já começou com sinais de que estes já estão acontecendo.

Leia mais

Opinião ABC Brasil /03/2016

Opinião ABC Brasil /03/2016 24/03/2016 A montanha russa de emoções na política brasileira fica cada vez mais radical, paralisando completamente as discussões econômicas. Entretanto, medidas vêm sendo tomadas, números têm sido divulgados

Leia mais

Opinião ABC Brasil /02/2016

Opinião ABC Brasil /02/2016 05/02/2016 A vida não tá fácil para ninguém. Seja aqui ou lá fora, os dados são divergentes e as decisões de política monetária, complicadas. Como já discutido anteriormente, o mercado está operando em

Leia mais

Opinião ABC Brasil /01/2017

Opinião ABC Brasil /01/2017 06/01/2017 No Opinião da semana passada, quando fizemos as nossas considerações com relação ao que esperar para 2017, escrevemos o seguinte comentário sobre o nível no qual o Dólar estava fechando 2016:

Leia mais

Opinião ABC Brasil /02/2017

Opinião ABC Brasil /02/2017 03/02/2017 Depois de duas semanas tentando entender o impacto de Donald Trump na economia mundial, vamos voltar a nos ater às questões domésticas. Com o nível de atividade ainda fraco, o Dólar se aproximando

Leia mais

Opinião ABC Brasil /08/2016

Opinião ABC Brasil /08/2016 19/08/2016 Estamos próximos de um momento decisivo para a economia brasileira em geral e para o mercado financeiro, em particular, o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. O início da sessão

Leia mais

Opinião ABC Brasil /02/2017

Opinião ABC Brasil /02/2017 10/02/2017 As incertezas externas, principalmente no cenário internacional, continuam chamando a atenção dos mercados. No entanto, nas últimas semanas o fluxo de notícias positivas no âmbito interno tem

Leia mais

Opinião ABC Brasil /10/2016

Opinião ABC Brasil /10/2016 07/10/2016 Nas últimas semanas temos destacado que os eventos externos têm influenciado de forma significativa os preços dos ativos domésticos. Nesta semana não foi diferente, os desdobramentos do Brexit,

Leia mais

Opinião ABC Brasil /12/2016

Opinião ABC Brasil /12/2016 23/12/2016 Com o final de ano chegando, as movimentações no mercado começam a ficar mais fracas, e as novidades econômicas e políticas, mais escassas. No âmbito externo, a semana foi marcada por uma vazia

Leia mais

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos,

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, CARTA ECONÔMICA Nº 04/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Notadamente nestes meses iniciais do ano de 2016 o cenário político é que vem dando o tom dos acontecimentos

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013 Crescimento e juros Roberto Padovani Março 2013 jan-91 dez-91 nov-92 out-93 set-94 ago-95 jul-96 jun-97 mai-98 abr-99 mar-00 fev-01 jan-02 dez-02 nov-03 out-04 set-05 ago-06 jul-07 jun-08 mai-09 abr-10

Leia mais

Carta Econômica Trimestral

Carta Econômica Trimestral CARTA ECONÔMICA Nº 10/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Outubro 2016 Neste final de outubro os gestores de recursos dos RPPSs, notadamente aqueles que fazem um

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Abril de 2016 Publicado em Junho de 2016 PIB do 1º Trimestre de 2016: Fundo do Poço à Vista? A evolução do PIB brasileiro no primeiro trimestre de 2016, conforme dados publicados

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I 2011.II 2011.III 2011.IV 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV 2013.I PIB 1º trimestre de 2013 29/05/13 O produto interno bruto (PIB) do 1º trimestre

Leia mais

Relatório Mensal. Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2011 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários e Imobiliários 0,53% 39,27%

Leia mais

Notas da 200ª Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil. 19 e 20 de julho de 2016

Notas da 200ª Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil. 19 e 20 de julho de 2016 Notas da 200ª Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil 19 e 20 de julho de 2016 Data: 19 e 20/7/2016 Local: Sala de reuniões do 8º andar (19/7) e do 20º andar (20/7) do Edifício-Sede

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 Data: 07/07/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico. Manoel Pires SPE/MF

Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico. Manoel Pires SPE/MF Estratégia de Política Econômica e Retomada do Crescimento Econômico Manoel Pires SPE/MF 1 Contexto da política econômica Período prolongado de queda da atividade econômica. Queda das receitas e rigidez

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Comitê de Política Monetária - COPOM Conhecimentos Bancários

Comitê de Política Monetária - COPOM Conhecimentos Bancários Comitê de Política Monetária - Conhecimentos Bancários Foi instituído em 20 de junho de 1996, com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e de definir a taxa de juros. A criação do

Leia mais

Notas da 202ª Reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil. 18 e 19 de outubro de 2016

Notas da 202ª Reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil. 18 e 19 de outubro de 2016 Notas da 202ª Reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil 18 e 19 de outubro de 2016 Data: 18 e 19/10/2016 Local: Sala de reuniões do 21º andar (18/10) e do 20º andar (19/10)

Leia mais

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3%

PIB. PIB Trimestral 3,9% 2,6% 2,3% 2,3% PIB O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulgou nesta última sextafeira, 29 de Maio, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao primeiro trimestre de 2015. Análise preliminar

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Em 03 de junho, o COPOM elevou a Selic para 13,75% e emitiu um comunicado igual aos das reuniões anteriores, nas quais subiu a taxa na mesma magnitude, 50 pontos-base (pb). As expectativas

Leia mais

PANORAMA CONJUNTURAL

PANORAMA CONJUNTURAL PANORAMA CONJUNTURAL A Frágil Recuperação da Indústria Agosto de 2016 Publicado em Outubro de 2016 A retração de 3,8% da produção indústrial na passagem de julho para agosto, não só anulou os aumentos

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Henrique Meirelles Ministro da Agosto 2016 Cenário de Referência 2 Foi observado o limite de crescimento da despesa contido na Proposta de Emenda Constitucional 241/2016

Leia mais

Opinião ABC Brasil /12/2013

Opinião ABC Brasil /12/2013 06/12/2013 Uma semana carregada de novidades como essa parece ser um bom momento para revermos o nosso cenário de curto prazo, tanto para as variáveis brasileiras, quanto para a questão do tapering nos

Leia mais

30 de agosto de 2016 Local: São Paulo. Debate. Macroeconomia

30 de agosto de 2016 Local: São Paulo. Debate. Macroeconomia 30 de agosto de 2016 Local: São Paulo Debate Macroeconomia Índice Apresentação 3 Conheça o comitê 4 Cenário político-econômico 5 Recuperação gradual 6 Ajuste fiscal 8 Projeções 12 Apresentação Diante Especialistas

Leia mais

Avaliação do governo Desempenho pessoal do presidente

Avaliação do governo Desempenho pessoal do presidente RESULTADOS DA 131ª PESQUISA CNT/MDA A 131ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 2 a 5 de junho de 2016 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos índices de popularidade

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Na Europa, o BCE sinalizou que pode reavaliar as medidas de estímulos monetários nas próximas reuniões. No Brasil, o Copom considerou que não há espaço para flexibilizar

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Após maio fraco, geração de empregos volta a acelerar...

Leia mais

Artigo. Um novo ciclo de queda dos juros no Brasil. Revista Mensal dos Fundos de Investimento Outubro de 2016

Artigo. Um novo ciclo de queda dos juros no Brasil. Revista Mensal dos Fundos de Investimento Outubro de 2016 Revista Mensal dos Fundos de Investimento Outubro de 2016 Artigo Um novo ciclo de queda dos juros no Brasil. Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) na segunda metade deste mês, poderá

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Volume de Vendas do Varejo Ampliado Acumulado em 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. dez/14. set/16. mar/14. dez/13.

Volume de Vendas do Varejo Ampliado Acumulado em 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. dez/14. set/16. mar/14. dez/13. dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 mar/14 set/14 mar/15 set/15 mar/16 set/16 Monitor Econômico ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre 09 e 13 de janeiro Comércio (PMC) Entre outubro

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

A melhor maneira de fazer isso é revisitar nossas cartas mensais que são o canal direto de comunicação entre a equipe de gestão e os investidores.

A melhor maneira de fazer isso é revisitar nossas cartas mensais que são o canal direto de comunicação entre a equipe de gestão e os investidores. Dezembro de 2014 RETROSPECTIVA Sempre que chegamos ao final do ano gostamos de fazer um balanço de quais foram os assuntos abordados, nossas preocupações, previsões, análises e mais importante de tudo,

Leia mais

O Plano Real e a Micro e Pequena Empresa (MPE) Paulista

O Plano Real e a Micro e Pequena Empresa (MPE) Paulista SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS O Plano Real e a Micro e Pequena Empresa (MPE) Paulista (Relatório de Pesquisa) Execução: Julho 1998 Sumário 1.

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Perspetivas Semana de Balança e Produção Industrial e muitos resultados

Perspetivas Semana de Balança e Produção Industrial e muitos resultados Perspetivas Semana de Balança e Produção Industrial e muitos resultados Os investidores deverão estar ocupados em digerir mais uma semana de resultados empresariais, com a Europa a entrar agora mais ativa.

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinalizou a manutenção do ritmo de corte para a próxima reunião. Nos Estados Unidos, o crescimento do PIB acelerou no terceiro trimestre. No Brasil,

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, no evento Os. Melhores da IstoÉ Dinheiro.

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, no evento Os. Melhores da IstoÉ Dinheiro. São Paulo (SP), 22 de setembro de 2016. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfajn, no evento Os Melhores da IstoÉ Dinheiro. Página 1 de 7 Senhoras e senhores, É uma honra participar

Leia mais

a) Pré Fixado: quando a taxa de remuneração do ativo fica definida no início da operação e o valor de resgate já é conhecido.

a) Pré Fixado: quando a taxa de remuneração do ativo fica definida no início da operação e o valor de resgate já é conhecido. Outubro de 2016 TÍTULOS PRÉ Na nossa carta do mês passado salientamos a importância do ajuste fiscal na engrenagem macroeconômica, criando condições para a queda das taxas de juros e consequente crescimento

Leia mais

CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 15.862.591/0001-83 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do

Leia mais

Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso

Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso Seminário O Desafio Fiscal do Brasil INSPER, 7/ 15/ 2015 1 LRF Histórico 1922 - Código de Contabilidade Pública (Decreto 4536) 1964 Lei

Leia mais

Cenários. Plano Milênio. Justificativa da Rentabilidade Mensal

Cenários. Plano Milênio. Justificativa da Rentabilidade Mensal Ano IV Edição: maio/2013 nº 33 Informações referentes à abril/2013 Cenários Cenário Internacional O sentimento dos investidores globais melhorou no último mês com a solução para a crise no Chipre e o melhor

Leia mais

Ibovespa desvalorizou 0,81%. Destaque positivo para Hering (+3,81%). Destaque negativo para Usiminas (- 3,49%).

Ibovespa desvalorizou 0,81%. Destaque positivo para Hering (+3,81%). Destaque negativo para Usiminas (- 3,49%). COMENTÁRIOS Os mercados domésticos tiveram uma segunda-feira negativa, em um dia de queda nas bolsas norteamericanas e valorização do dólar no mundo. Neste contexto, o CDS (proxy para prêmio de risco-brasil)

Leia mais

Guia para compra e venda de Títulos Públicos Federais para RPPS

Guia para compra e venda de Títulos Públicos Federais para RPPS Guia para compra e venda de Títulos Públicos Federais para RPPS Guia para compra e venda de Títulos Públicos Federais 1º Passo: Para negociar a compra ou venda de Títulos Públicos Federais pela XP é necessária

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC A CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC FOI FUNDADA EM 1957 É A, REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - Método direto

Demonstração dos Fluxos de Caixa - Método direto CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ nº. 17.098.794/0001-70 Administração CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Av. Paulista, 2300 11º andar São Paulo/SP CEP 01310-300 Fone: (11) 3555-6350

Leia mais

Aumento real da aposentadoria coloca em risco salário mínimo O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (24)

Aumento real da aposentadoria coloca em risco salário mínimo O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (24) Aumento real da aposentadoria coloca em risco salário mínimo O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (24) Matéria publicada em 26 de Junho de 2015 O ministro da Previdência Social,

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Sexta-Feira, 21 de outubro de 2016

Sexta-Feira, 21 de outubro de 2016 Sexta-Feira, 21 de outubro de 2016 Bom dia, "Prévia" da inflação oficial recua. Já com relação ao IPCA-15 (indicador que tem a mesma metodologia do IPCA que por sua vez reflete a inflação oficial do país,

Leia mais

Volatilidade cambial e commodities. Cenários para 2016

Volatilidade cambial e commodities. Cenários para 2016 Volatilidade cambial e commodities Cenários para 2016 jan-13 mar-13 mai-13 jul-13 set-13 nov-13 jan-14 mar-14 mai-14 jul-14 set-14 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 Trajetória

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Abril/2016 DESTAQUES O mês abril/16 foi marcado pelos desdobramentos no âmbito político com a evolução do processo de impeachment da Presidente Dilma. No início do Abril,

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores Teleconferência de Resultados 11 de Novembro de 2016 Relações com Investidores 1 Disclaimer Este material constitui uma apresentação de informações gerais sobre a Marfrig Global Foods S.A. e suas controladas

Leia mais

A seguir, detalharemos nossas posições no período. PACIFICO MACRO OUTUBRO DE

A seguir, detalharemos nossas posições no período. PACIFICO MACRO OUTUBRO DE No terceiro trimestre de 2016, o fundo Pacifico Macro FIQ FIM apresentou rentabilidade de 7,05%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,47%. Nossa utilização de risco diminuiu

Leia mais

Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas e investimentos para 2017

Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas e investimentos para 2017 Orçamentos de Despesas Ajustadas e de Investimentos Despesas ajustadas e investimentos para 2017 Dez/2016 ORÇAMENTOS DE DESPESAS AJUSTADAS E INVESTIMENTOS Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando a tendência de queda da expectativa de inflação para este ano e o

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Banco Central sinaliza maior rigor em relação ao avanço de preços Levando em consideração o cenário mais desfavorável ao arrefecimento da inflação e o maior rigor adotado pelo Banco Central nos recentes

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula José Luís Oreiro No início do segundo semestre de 2004, o Banco Central do Brasil iniciou um processo de elevação

Leia mais

Opinião ABC Brasil /01/2016

Opinião ABC Brasil /01/2016 15/01/2016 O ano de 2016 começou há duas semanas, mas as preocupações do mercado continuam as mesmas do ano anterior. Entre as principais apreensões dos investidores neste início de ano, podemos destacar

Leia mais

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015 Milhões ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 215 R$ 12 R$ 1 R$ 8 R$ 6 R$ 4 R$ 2 R$ Evolução do Patrimônio no Ano 89,7

Leia mais

Taxa de Juros no Período (SELIC)

Taxa de Juros no Período (SELIC) Os títulos públicos federais são emitidos pelo Tesouro Nacional e compõem a dívida pública interna. Servem como instrumento de captação de recursos para que o governo execute suas atividades. Todos os

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 27 de outubro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana O cenário internacional foi marcado por informações sobre a China e as expectativas a respeito do resultado dos

Leia mais

O Brasil Pode Mais: Uma Agenda de Reformas Macroeconômicas para o Crescimento Sustentado com Estabilidade de Preços

O Brasil Pode Mais: Uma Agenda de Reformas Macroeconômicas para o Crescimento Sustentado com Estabilidade de Preços O Brasil Pode Mais: Uma Agenda de Reformas Macroeconômicas para o Crescimento Sustentado com Estabilidade de Preços José Luis Oreiro Professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília Pesquisador

Leia mais

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Dezembro de 2012 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) iniciou suas atividades no mês de novembro

Leia mais

Carta Macro Mensal Icatu Vanguarda

Carta Macro Mensal Icatu Vanguarda Cenário Icatu Econômico Vanguarda Carta Macro Mensal Icatu Vanguarda Abril 2016 O mês de abril foi marcado por uma recuperação sensível dos ativos locais de risco. A bolsa brasileira (IBOV) registrou alta

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Volume Total de Crédito

Volume Total de Crédito Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho2005 535.594 Junho2015 3.102.172 490,2% Volume Total de Crédito 4.000.000 2.000.000 R$ milhões B)

Leia mais

Ambiente econômico abre perspectivas melhores para o mercado segurador em 2017

Ambiente econômico abre perspectivas melhores para o mercado segurador em 2017 J a n e i r o de 2017 a n o 2 n o. 3 ENTREVISTA ESPECIAL Ambiente econômico abre perspectivas melhores para o mercado segurador em 2017 A redução dos juros, a retomada da confiança na economia brasileira

Leia mais

Estimativa da Trajetória da. Dívida Bruta do Governo Geral do Brasil

Estimativa da Trajetória da. Dívida Bruta do Governo Geral do Brasil MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 29/07/2015 NOTA TÉCNICA DO TESOURO Estimativa da Trajetória da Dívida Bruta do Governo Geral do Brasil A evolução da dívida pública

Leia mais

Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos

Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos PEC 241/2016 Diminuição do financiamento das políticas públicas; Estado Mínimo; Congelamento, por 20 anos, do orçamento; Prejudica a sociedade, serviços públicos e os servidores; Modifica critérios para

Leia mais

Panorama Econômico 2017 Relatório de Atualização

Panorama Econômico 2017 Relatório de Atualização Economia em 2017 EUA Durante o ano de 2016, observou-se uma continuação da gradual recuperação da economia americana e do seu mercado de trabalho, apesar da piora das perspectivas do cenário global. Crescimento

Leia mais

Compilação Sistemática das Pesquisas Eleitorais 2014.

Compilação Sistemática das Pesquisas Eleitorais 2014. Sumário Executivo: Novo relatório Depto. Econômico; IBOPE: Dilma ainda pode vencer no 1º turno. Tendência é de estabilidade nas próximas pesquisas; Mercado está sensível demais a pesquisas. André Perfeito

Leia mais

A CRISE ECONÔMICA NA VISÃO DOS EMPRESÁRIOS

A CRISE ECONÔMICA NA VISÃO DOS EMPRESÁRIOS A CRISE ECONÔMICA NA VISÃO DOS EMPRESÁRIOS Abril 2016 9 em cada 10 empresários acreditam que a crise tem afetado seus negócios O país vem enfrentando, desde o ano passado, uma crise econômica de grandes

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

SMILES S.A. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T de maio de 2016

SMILES S.A. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T de maio de 2016 SMILES S.A. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T16 05 de maio de 2016 Aviso Importante O material divulgado pela Companhia reflete as expectativas dos administradores e poderá conter estimativas sobre eventos

Leia mais

020/2016 DOMINGUEIRA DE 10/07/2016

020/2016 DOMINGUEIRA DE 10/07/2016 MUITAS PEC s... QUAIS OS EFEITOS PARA O FINANCIAMENTO DO SUS? Francisco R. Funcia O objetivo desta curta nota é resumir para os leitores os aspectos principais tratados pela grande quantidade de Proposta

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera os dois principais fatores impactando a curva de juros, a melhora recente do

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

Economia Brasileira em Perspectiva

Economia Brasileira em Perspectiva Brasileira em O BRASIL NO CONTEXTO GLOBAL O Brasil mal colocado em alguns rankings mundiais Fonte: Cia World Factbook Desde 2002, o crescimento brasileiro supera apenas os números das economias ricas.

Leia mais

Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas

Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas Questões relevantes no processo de M&A envolvendo companhias abertas 12.11.2015 Timeline Usual para Operações de M&A envolvendo Companhias Abertas Início das Tratativas 2 Divulgação da Operação Celebração

Leia mais

Brasil perde fatia da riqueza mundial

Brasil perde fatia da riqueza mundial Boletim Econômico Edição nº 32 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Brasil perde fatia da riqueza mundial 1 Peso econômico menor no mundo Levantamento feito com base

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 7.047, DE 2010 (Apensado PL 307/2011)

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 7.047, DE 2010 (Apensado PL 307/2011) COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.047, DE 2010 (Apensado PL 307/2011) Acrescenta parágrafo ao art. 899 do Decreto-Lei nº 5.452, de 1943, que aprova a Consolidação

Leia mais