CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável"

Transcrição

1 CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável FEUC Gonçalo Cid 24 Fevereiro 2012

2 Enquadramento CCCTB 2001: Estudo da UE sobre a tributação das empresas : Formação de Grupos de Trabalho 2008: Impasse 16 de Março de 2011: Adopção pela CE de uma Proposta de Directiva para o regime de CCCTB: - Conjunto sistemático, detalhado e independente de regras fiscais - Reflexo do contributo de diferentes parceiros (por exemplo, comunidade empresarial, governos, académicos) - Ponto de partida para futuras reformas fiscais na Europa 24 Fevereiro 2012 Page 2

3 Enquadramento CCCTB As Instituições da União Europeia (UE) vêem na existência de diferentes regimes fiscais uma barreira ao desenvolvimento do Mercado Único que pode desincentivar as empresas a investir nos Estados-Membros (EM) A interacção com vários sistemas aumenta a complexidade dos procedimentos administrativos e pode resultar em excesso de tributação A Comissão Europeia (CE) acredita que a existência de uma base de tributação harmonizada irá eliminar obstáculos e beneficiar a competitividade, a inovação e o investimento no mercado europeu. A hipótese de lidar com apenas uma Administração Fiscal independentemente do número de países da UE em que um grupo está presente, permite uma considerável simplificação nos procedimentos e obrigações fiscais. 24 Fevereiro 2012 Page 3

4 Enquadramento CCCTB CCCTB O que é? Sistema de cálculo da matéria colectável que estabelece: Regras comuns de cálculo, a título individual, dos resultados fiscais das sociedades com residência fiscal na UE e das sucursais situadas na UE de sociedades elegíveis residentes em países terceiros Regras comuns para a consolidação desses resultados com os membros elegíveis do mesmo grupo Regras comuns de repartição dessa matéria colectável consolidada por cada Estado-Membro elegível 24 Fevereiro 2012 Page 4

5 Enquadramento CCCTB CCCTB O que é? Sistema opcional: Os EM podem decidir a nível nacional se oferecem ou não o regime de CCCTB aos grupos Os grupos podem decidir a cada 3 anos se querem ser ou não tributados de acordo com o regime de CCCTB (após uma período inicial de 5 anos) 24 Fevereiro 2012 Page 5

6 Enquadramento CCCTB Regime CCCTB De acordo com o regime de CCCTB os lucros são tributados e repartidos para cada EM de acordo uma fórmula chave Contempla 3 factores: vendas, trabalho (salários e número de empregados) e activos Todos os factores têm o mesmo peso Factor vendas por destino exclui as vendas intragrupo São também excluídos os activos financeiros e os activos intangíveis 24 Fevereiro 2012 Page 6

7 Enquadramento CCCTB Regime CCCTB One stop shop, uma declaração fiscal, uma Autoridade Fiscal Principal (PTA) Todas as obrigações fiscais centralizadas no contribuinte principal Todos os avisos abrangem o grupo inteiro por 5 anos A PTA coordena os assuntos administrativos com as restantes autoridades fiscais Um conjunto de regras único Compensação de prejuízos fiscais entre os membros do Grupo e entre o EM automaticamente 24 Fevereiro 2012 Page 7

8 Enquadramento CCCTB Regime CCCTB Sociedades elegíveis para consolidação Filiais imediatas e subfiliais em que a sociedade-mãe seja titular dos seguintes direitos: Mais de 50% dos direitos de voto Mais de 75% do capital ou dos direitos que permitem obter lucros (período de participação mínimo de 9 meses) 24 Fevereiro 2012 Page 8

9 Enquadramento CCCTB Regime CCCTB Formação de grupos Contribuinte residente: Estabelecimentos Estáveis situados noutro Estado-Membro Filiais elegíveis residentes num Estado-Membro Outros contribuintes residentes, filiais da mesma sociedade, residente num país terceiro Contribuinte não residente Todos os seus Estabelecimentos Estáveis situados num Estado- Membro Filiais elegíveis residentes num Estado-Membro e seus Estabelecimentos Estáveis situados num Estado-Membro 24 Fevereiro 2012 Page 9

10 Enquadramento CCCTB Regime CCCTB Aspectos gerais de aplicação do regime de CCCTB: São expectáveis extensas discussões técnicas Percurso complexo até a adopção do regime de CCCTB (previsto para 2013) Envolvimento do Parlamento Europeu e dos Parlamentos nacionais É necessário o acordo dos 27 Estados-Membros Período de 2 anos para a implementação deste regime na legislação nacional Possível aplicação em apenas 9 Estados-Membros Necessário um clima favorável a qualquer tipo de harmonização 24 Fevereiro 2012 Page 10

11 Impacto do CCCTB Não é um ajustamento marginal nos impostos das sociedades, mas uma abordagem totalmente diferente para tributar as multinacionais Temas a considerar: Efeito fiscal: Taxa efectiva de imposto Contabilização dos impostos Custos de compliance Preços de Transferência Proveitos e perdas Dupla Tributação Competição Fiscal Regras CFC Retenção na Fonte Outros impactos: Nivel de emprego Investimento estrangeiro directo PIB Rendimento por acção Activos liquidos 24 Fevereiro 2012 Page 11

12 O impacto do CCCTB nas Empresas Grupos com operações significativas na UE CCCTB beneficios esperados EY case study Redução da carga de compliance fiscal Eliminação interna dos Preços de Trnsferência Off-setting dos prejuízos fiscais entre empresas do Grupo Impacto nos custos de compliance fiscal Custos de transição Resultados Case study Impacto nas taxas efectivas de imposto As Empresas deverão analisar o impacto da implementação do CCCTB Maiores custos de compliance fiscal Maiores taxas efectivas de imposto Incerteza nos impostos Danos para a UE como localização para os investimentos Aumento dos custos internos Elevados custos de transição Distorção mecanismo de repartição Opcionalidade visto como impraticável 24 Fevereiro 2012 Page 12

13 CCCTB Vencedores e derrotados EY webcast: 31% consideram o CCCTB pouco atrativo e que fará aumentar a carga fiscal. A Comissão estima que o CCCTB poupará às Empresas cerca de 700 milhões em custos de compliance fiscal por ano e 1.3 biliões através da consolidação. CCCTB - Derrotados: Impostos de sociedades 14 paises irão perder receitas 5 paises irão perder pelo menos 5% das suas receitas Dinamarca, Holanda, Irlanda, Alemanha e Filandia 24,000 grupos irão enfrentar aumento da carga fiscal Agricultura, mineiras, serviços financeiros, sector imobiliário Emprego 21 paises irão perder emprego: Irlanda, Luxemburgo, Polonia, Roménia, Bulgaria, Letónia, Portugal, Austria, Dinamarca, Grécia, Republica Checa, UK, Italia, Hungria, Holanda, Alemanha, Suécia, Lituania, Filandia, Estónia e Eslováquia 7 paises irão ver o investimento directo estrangeiro reduzido em mais de 4% CCCTB - Vencedores: Impostos de sociedades 10 paises irão ganhar receita. França será o maior vencedor: +6% Manufactura, transportes Emprego Belgica, Espanha e França irão aumentar o emprego. France será o que mais vai crecer: +0.5%. As Empresas deverão analisar o impacto da implementaçã o do CCCTB 24 Fevereiro 2012 Page 13

14 CCCTB Vencedores e derrotados Mudanças no emprego decorrentes da adopção do CCCTB Mudanças na carga fiscal em IR decorrentes da adopção do CCCTB Ireland Luxembourg Poland Romania Bulgaria Latvia Portugal Austria Denmark Greece Czech Rep. UK Italy Hungary Netherlands Germany Sweden Lithuania Finland Estonia Slovak Rep. Belgium Spain France Denmark Netherlands Ireland Finland Germany Luxembourg Czech Republic Romania Poland Bulgaria Slovak Republic Hungary Estonia Austria Lithuania Portugal Sweden Italy Belgium United Kingdom Spain Latvia Greece France 0,6% 0,4% 0,2% 0,0% -0,2% -0,4% -0,6% -0,8% -1,0% -1,2% -1,4% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% -2,0% -4,0% -6,0% -8,0% -10,0% 24 Fevereiro 2012 Page 14

15 Repartição da matéria colectável consolidada

16 Repartição da matéria colectável consolidada Quota-parte da matéria colectável consolidada vendas salários nº empregados activos matéria 1 x individuais + 1 x ( 50% x individuais + 50% x individuais ) + 1 x individuais x colectável 3 vendas 3 salários nº empregados 3 activos consolidada grupo grupo grupo grupo Poderá ser requerida a utilização de outro método se o contribuinte principal ou uma autoridade competente considerar que a parte do resultado obtido por um membro do grupo não reflecte correctamente o volume de actividade empresarial desse membro Dependente de acordo entre todas as autoridades competentes Deverá ser comunicado à Comissão 24 Fevereiro 2012 Page 16

17 Repartição da matéria colectável consolidada Caso uma sociedade entre ou saia de um grupo durante o exercício fiscal, a sua quota-parte dever ser proporcionalmente calculada tendo em conta o número de meses (de calendário) durante os quais a sociedade pertenceu ao grupo Se o contribuinte participar numa entidade transparente, os factores utilizados devem incluir as vendas, salários e activos da entidade transparente na proporção da sua participação nos lucros 24 Fevereiro 2012 Page 17

18 Repartição da matéria colectável consolidada A composição do factor trabalho e a afectação de empregados e salários Inclui despesas de pessoal e no número de empregados A composição do factor activos e a afectação de activos e sua avaliação Deve ser constituído por todos os activos fixos tangíveis. Os activos intangíveis e financeiros devem ser excluídos da fórmula devido à sua natureza móvel e ao risco de evasão ao sistema 24 Fevereiro 2012 Page 18

19 Repartição da matéria colectável consolidada A composição do factor vendas e a consideração de vendas por destino As vendas devem ser tomadas em consideração a fim de garantir a participação equitativa dos Estados-Membros de destino Cálculo especifico dos factores para instituições financeiras, empresas de seguros, empresas que desenvolvam actividades de prospecção e extracção de petróleo e gás, empresas de transporte marítimo, transporte por vias navegáveis interiores e transporte aéreo 24 Fevereiro 2012 Page 19

20 Repartição da matéria colectável consolidada Ajustamentos (deduções) à quota-parte da matéria colectável consolidada Prejuízos fiscais apurados pelo contribuinte antes de integrar o sistema previsto na Directiva Prejuízos fiscais apurados pelo grupo Montantes relativos à alienação de activos fixos, réditos e gastos relativos a contratos plurianuais e provisões e deduções No caso de empresas de seguros, as provisões técnicas facultativas Impostos enumerados no Anexo III quando a dedução for admitida pela legislação fiscal nacional 24 Fevereiro 2012 Page 20

21 Repartição da matéria colectável consolidada Cada membro do grupo mantém a sua condição de contribuinte À quota-parte da matéria colectável consolidada ajustada é aplicada a taxa de imposto prevista na legislação fiscal nacional À colecta apurada será ainda dedutível o crédito por dupla tributação internacional associado a juros, royalties e outros rendimentos tributados na fonte 24 Fevereiro 2012 Page 21

22 Objectivos da CCCTB... the purpose of the common tax base is not to reduce the level of taxation in any way but rather to create a more efficient method of taxing EU companies in a broadly revenue neutral manner. SERÁ VERDADE? 24 Fevereiro 2012 Page 22

23 Obrigado!

24 Ernst & Young Assurance Tax Transactions Advisory About Ernst & Young Ernst & Young is a global leader in assurance, tax, transaction and advisory services. Worldwide, our 152,000 people are united by our shared values and an unwavering commitment to quality. We make a difference by helping our people, our clients and our wider communities achieve their potential. Ernst & Young refers to the global organization of member firms of Ernst & Young Global Limited, each of which is a separate legal entity. Ernst & Young Global Limited, a UK company limited by guarantee, does not provide services to clients. For more information please visit EYGM Limited. All Rights Reserved. This publication contains information in summary form and is therefore intended for general guidance only. It is not intended to be a substitute for detailed research or the exercise of professional judgment. Neither EYGM Limited nor any other member of the global Ernst & Young organization can accept any responsibility for loss occasioned to any person acting or refraining from action as a result of any material in this publication. On any specific matter, reference should be made to the appropriate advisor. 24 Fevereiro 2012 Page 24

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing Mário Trinca Quando existem uma multiplicidade de Produtos / Serviços, oferecidos a diferentes segmentos de clientes, através de diversos canais de distribuição, em várias geografias, nunca é fácil responder

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013 Reforma do IRC Uma oportunidade única Outubro de 2013 Agenda Os desafios da Reforma do IRC Enquadramento internacional Contributo EY para a Reforma do IRC Sugestões EY Q&A? Page 2 Os desafios da Reforma

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal

Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Lisboa, 12 de Março de 2013 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Proposta de Directiva relativa a uma Matéria Colectável Comum Consolidada do Imposto sobre as Sociedades (MCCCIS)

Proposta de Directiva relativa a uma Matéria Colectável Comum Consolidada do Imposto sobre as Sociedades (MCCCIS) Fiscalidade da Empresa Contexto Internacional Proposta de Directiva relativa a uma Matéria Colectável Comum Consolidada do Imposto sobre as Sociedades (MCCCIS) Paula Rosado Pereira Professora da Faculdade

Leia mais

OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar. As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB

OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar. As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB Cidália Maria da Mota Lopes Ana Maria Gomes Rodrigues 24 de Fevereiro 2012 1 Sumário

Leia mais

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo 3,9% Aumento da receita de IRC (previsão OE 2013 face à receita prevista para 2012) 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Limitação à

Leia mais

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe)

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe) dossiers Economic Outlook Private Debt Dívida Privada Last Update Última Actualização: 12/07/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy

Leia mais

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard 1 Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas 2010 03 26 Jean Pol Piquard Metodologia e estrutura do Benchmark individual e Colectivo Definições e Referencias para a leitura

Leia mais

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões prá(c (c)ticas Mais-valias, dividendos e juros sobre o capital próprio prio 8 de Março o de 2010 TAX Índice Breve enquadramento O ADT Portugal Brasil

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência

Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência A Acção 13 do plano de combate à erosão da base fiscal e alocação de proveitos ( Base Erosion and Profit Shifting BEPS

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Regime Fiscal do CINM Catarina Gonçalves Agenda 1 Região Autónoma da Madeira 2 Centro

Leia mais

A internacionalização das empresas e os preços de transferência. 20 de Novembro de 2013

A internacionalização das empresas e os preços de transferência. 20 de Novembro de 2013 A internacionalização das empresas e os preços de transferência 20 de Novembro de 2013 1 Preços de transferência (PT): standard internacional da OCDE em crise Integração económica das unidades jurídicas

Leia mais

A Previdência Social ao redor do mundo

A Previdência Social ao redor do mundo A Previdência Social ao redor do mundo Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Brasília, 17 de abril de 2017 17 abr 2017 1960 1964 1968 1972 1976 1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 2012 2016 2020 2024 2028 2032

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

Despesas Descrição Orçamento Orçamento Variação (%)

Despesas Descrição Orçamento Orçamento Variação (%) PROJETO DE ORÇAMENTO RETIFICATIVO N.º 2/2014 VOLUME 1 - MAPA GERAL DE RECEITAS A. INTRODUÇÃO E FINANCIAMENTO DO ORÇAMENTO GERAL Financiamento do orçamento geral Dotações a cobrir durante o exercício de

Leia mais

Tax Alert. Novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho. Incidência. Não sujeito

Tax Alert. Novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho. Incidência. Não sujeito Outubro de 2014 Tax Alert Aprovação do novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Foi publicada a 22 de Outubro de 2014, a Lei n.º 18/14,

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Como funciona a UE. Como funciona a UE

Como funciona a UE. Como funciona a UE Como funciona a UE Como funciona a UE Três instituições principais O Parlamento Europeu, a voz dos cidadãos Jerzy Buzek, Presidente do Parlamento Europeu O Conselho de Ministros, a voz dos Estados-Membros

Leia mais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Programa da Componente Profissional Área de Direito Tributário Substantivo e Processual 1.º Ciclo de formação teórico-prática II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Introdução

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Índice 1. Apresentação i. Incentivos Financeiros ii. Incentivos Fiscais 2. Metodologia i. Apresentação ii. iii. iv. Analysis & Reporting

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. Os novos desafios das PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa. Vítor Bento

SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs. Os novos desafios das PME. 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa. Vítor Bento SEMINÁRIO A Gestão de Energia nas PMEs 14 Julho Museu do Oriente - Lisboa Os novos desafios das PME Vítor Bento HISTÓRICO DO CRESCIMENTO 2 1875 1880 1885 1890 1895 1900 1905 1910 1915 1920 1925 1930 1935

Leia mais

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Países (ordem alfabética) Diploma legal Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Redução de taxas Dividendos Juros Royalties Art. º Taxa Art. º Taxa Art. º Taxa ÁFRICA DO SUL n.º 53/08

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Cidadania Europeia. Trabalho realizado por: Joana Ferreira 11ºH Área de Integração

Cidadania Europeia. Trabalho realizado por: Joana Ferreira 11ºH Área de Integração Cidadania Europeia Trabalho realizado por: Joana Ferreira 11ºH Área de Integração UNIÃO EUROPEIA Momentos Importantes da construção Europeia 1950 - A 9 de Maio deu-se a declaração de Robert Schuman; 1951

Leia mais

ASSIM VAI O MUNDO ALGUMAS GRANDES TENDÊNCIAS MARCANTES. VÍTOR BENTO Outubro 2016

ASSIM VAI O MUNDO ALGUMAS GRANDES TENDÊNCIAS MARCANTES. VÍTOR BENTO Outubro 2016 ASSIM VAI O MUNDO ALGUMAS GRANDES TENDÊNCIAS MARCANTES VÍTOR BENTO Outubro 2016 DEMOGRAFIA 1 250 POPULAÇÃO TOTAL (2015=100) 2015 2025 2050 200 150 100 50 0 WORLD More developed regions Less developed regions

Leia mais

Comissão Europeia. Conselho da União Europeia. Parlamento Europeu. Tribunal de Justiça. Tribunal de Contas. Comité Económico e Social

Comissão Europeia. Conselho da União Europeia. Parlamento Europeu. Tribunal de Justiça. Tribunal de Contas. Comité Económico e Social As instituições comunitárias Comissão Europeia Conselho da União Europeia Parlamento Europeu Tribunal de Justiça Tribunal de Contas Comité Económico e Social Comité das Regiões Banco Europeu de Investimentos

Leia mais

Livro Verde sobre a eficiência energética

Livro Verde sobre a eficiência energética Livro Verde sobre a eficiência energética Fazer mais com menos Integrado na estratégia de Lisboa Paula Abreu Marques Comissão Europeia Direcção Geral da Energia e dos Transportes 1 Antecedentes: O Livro

Leia mais

OS GRUPOS - UMA PERSPECTIVA CRÍTICA E MULTIDISCIPLINAR. Os Grupos de IVA

OS GRUPOS - UMA PERSPECTIVA CRÍTICA E MULTIDISCIPLINAR. Os Grupos de IVA OS GRUPOS - UMA PERSPECTIVA CRÍTICA E MULTIDISCIPLINAR Os Grupos de IVA Clotilde Celorico Palma Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 24 de Fevereiro de 2012 Temas a abordar: Enquadramento na

Leia mais

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS 11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS O QUE ESTÁ NO MENU EUROPEU? INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS

Leia mais

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012 IRC e competitividade António Martins Outubro de 2012 1 1. Competitividade: uma perspetiva pessoal Capacidade de os agentes económicos venderem bens e serviços a preços que o consumidor julgue atrativos

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 O Subsistema da Normalização do SPQ O IPQ é o Organismo Nacional de Normalização, desenvolvendo a coordenação global do Subsistema da Normalização

Leia mais

DUPLA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL EM PORTUGAL

DUPLA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL EM PORTUGAL SOCIEDA ADVOGADOS, RL ROGÉRIO FERNANS FERREIRA & ASSOCIADOS DUPLA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL EM PORTUGAL CONFIANÇA EFICIÊNCIA COMPETÊNCIA Foram recentemente aprovados e ratificados, respectivamente, pela

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL

O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL O IMPACTO DAS MEDIDAS DA TROIKA E PROGRAMA DO GOVERNO SOBRE O MERCADO LABORAL 1 - Legislação de protecção do emprego 1.1 Redução da indemnização por despedimento (despedimento colectivo, extinção do posto

Leia mais

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária

Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária Proposta de Abordagem para Construção da Reforma Tributária 27/04/2009 1 Três Perguntas Básicas da Estratégia Onde queremos ir? Onde estamos?? Para onde o ambiente nos empurra? MARQUES (2006) 2 Prospectiva

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

OS IMPOSTOS DIRECTOS NA ECONOMIA

OS IMPOSTOS DIRECTOS NA ECONOMIA OS IMPOSTOS DIRECTOS NA ECONOMIA IRS NA ECONOMIA Como factor social (artº 104º da Constituição da República) Progressivo - visando a diminuição das desigualdades Tendo em conta as necessidades e os rendimentos

Leia mais

Agenda Digital Europeia

Agenda Digital Europeia Agenda Digital Europeia Financiar o futuro - ANACOM 1 de Junho de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed in this presentation are those

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1. Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2017 (OR. en) 9046/17 ADD 1 EF 97 ECOFIN 351 AGRIFIN 50 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 8 de maio de 2017 para: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) 11.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Designação do Redes onde o é aceite 1. Anuidades Outros 1.º Titular titulares 2. Emissão de 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Pagamento devolvido 6. Comissão

Leia mais

Comunicação sobre o futuro da PAC

Comunicação sobre o futuro da PAC Comunicação sobre o futuro da PAC «A PAC no horizonte 2020: enfrentar os futuros desafios da alimentação, dos recursos naturais e do território» DG Agricultura e Desenvolvimento Rural Comissão Europeia

Leia mais

GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS

GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS www.cameiralegal.com Lisbon London Brasília São Paulo Rio de Janeiro Hong Kong Beijing Shangai GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS ESSENCIAIS SOBRE UM INVESTIMENTO INTELIGENTE 2016 1 - O que é o regime Golden Visa?

Leia mais

Cidadania Europeia T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : F I L I P A R E S E N D E N º º H

Cidadania Europeia T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : F I L I P A R E S E N D E N º º H Cidadania Europeia T R A B A L H O R E A L I Z A D O P O R : F I L I P A R E S E N D E N º 2 1 1 2 2 1 1 º H Momentos importantes na construção da UE A Cidadania da União Europeia foi estabelecida pelo

Leia mais

DO PLANEAMENTO FISCAL. Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008

DO PLANEAMENTO FISCAL. Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008 OS VEÍCULOS DO PLANEAMENTO FISCAL Câmara dos Técnicos T Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008 1 Os Veículos do Planeamento Fiscal PLANEAMENTO / POUPANÇA FISCAL CONTRIBUINTES

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA

SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA SITUAÇÃO E PERSPETIVAS DA INDÚSTRIA PORTUGUESA IDN Instituto da Defesa Nacional Porto, 10 de fevereiro de 2014 José António de Barros Presidente da AEP 1 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016 Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 Como Nasceu a União Europeia? Depois da guerra...a paz, a solidariedade na Europa Em 1951, nasceu a primeira Comunidade - a Comunidade Europeia

Leia mais

Recolocação de requerentes de proteção internacional

Recolocação de requerentes de proteção internacional European Asylum Support Office Recolocação de requerentes de proteção internacional Folheto informativo PT SUPPORT IS OUR MISSION «Que se entende por recolocação?» Por recolocação entende se a transferência

Leia mais

CIDADANIA EUROPEIA ATIVA E INFORMADA

CIDADANIA EUROPEIA ATIVA E INFORMADA CIDADANIA EUROPEIA ATIVA E INFORMADA 2013 - Ano Europeu dos Cidadãos Objetivos: Colocar os cidadãos no centro do debate público Aproximação dos Cidadãos às instituições europeias; Promover e incentivar

Leia mais

64 der Beilagen XXIII. GP - Staatsvertrag - 39 Protokoll portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 9

64 der Beilagen XXIII. GP - Staatsvertrag - 39 Protokoll portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 9 64 der Beilagen XXIII. GP - Staatsvertrag - 39 Protokoll portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 9 ACTA DE ASSINATURA DA CONVENÇÃO SOBRE A ADESÃO DA REPÚBLICA CHECA, DA REPÚBLICA DA ESTÓNIA, DA REPÚBLICA

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Bloco mais antigo; Está no mais adiantado estágio de integração; Estágios de Integração Objetivos Zona de Livre Comércio União Aduaneira Mercado Comum União Monetária União Política

Leia mais

A Taxa do IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas tem que baixar, já no próximo Orçamento Retificativo

A Taxa do IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas tem que baixar, já no próximo Orçamento Retificativo A Taxa do IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas tem que baixar, já no próximo Orçamento Retificativo O orçamento Retificativo vai ser entregue, no final deste mês, na Assembleia da República. O nosso

Leia mais

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007.

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. 1111 DDEE DDEEZZEEMMBBRROO DDEE 22000088 Paridades de Poder de Compra 2007 Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. Com base em

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

, , , ,

, , , , 13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 01-julho-2016 13.1. Ordens de Transferência 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas 1.1. Entre Contas Bankinter

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 31 de maio de 2013 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2013/0900 (NLE) EUCO 110/13 INST 234 POLGEN 69 OC 295 ATOS JURÍDICOS Assunto: PROJETO DE DECISÃO DO CONSELHO EUROPEU que

Leia mais

Projeto empresarial como resposta a uma situação de desemprego

Projeto empresarial como resposta a uma situação de desemprego Projeto empresarial como resposta a uma situação de desemprego Estudos internacionais indicam que: Aumento da actividade empreendedora Crescimento económico e redução do desemprego Conhecimento como fonte

Leia mais

D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L ( )

D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L ( ) i N º 34/16 D U P L A T R I B U T A Ç Ã O I N T E R N A C I O N A L E M P O R T U G A L ( 2 0 1 6 ) I. ENQUADRAMENTO TA & BUSINESS A presente Informação destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas

Leia mais

O Programa de PPP e seu Desenvolvimento

O Programa de PPP e seu Desenvolvimento Rui Manteigas Estradas de Portugal, S.A. Direcção de Concessões Diferentes fases de desenvolvimento do sistema rodoviário 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase Maturidade Sector Público Concepção, construção e operação

Leia mais

Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II

Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II SIFIDE II Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial II Candidaturas até 31 de Julho de 2016 Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala M 3720 256 Oliveira de Azeméis - Portugal

Leia mais

Ética e os Custos com Cuidados de Saúde

Ética e os Custos com Cuidados de Saúde Ética e os Custos com Cuidados de Saúde Simpósio de Ética, 11 de Novembro de 2011 Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Pontos de vista Contextualização do Sistema de Saúde Português Perspectivas

Leia mais

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008)

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008) Manual da EU sobre a Prática de Reunião do Council of European Dentists Bruxelas 28 de Novembro de 2008 Dr Anthony S Kravitz OBE (Condecoração Ordem do Império Britânico) Professora Elizabeth T Treasure

Leia mais

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Seminário APCER Maio 2008 Agenda O Modelo CAF o que é; para que

Leia mais

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Evolução da Sinistralidade Rodoviária A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária DIMENSÃO DO PROBLEMA Relatório da Organização Mundial de Saúde (WHO) sobre Prevenção Rodoviária (2009) 2004 2030 POS

Leia mais

3 A economia na sociedade actual

3 A economia na sociedade actual 3 A economia na sociedade actual 3.1. A evolução económica da humanidade Leituras: [D] I, II e III; [S] cap. 27 3.2. Efeitos sociais do desenvolvimento Leituras: [N] 6; [S] cap. 28 3 A economia na sociedade

Leia mais

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009

REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS RELATIVOS AOS CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A., NO FINAL DO ANO 2009 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 1 2. ENQUADRAMENTO... 3 3. EVOLUÇÃO DA REDE DE ESTABELECIMENTOS POSTAIS... 3

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

Rui Cunha MARQUES, CESUR, IST, Portugal Pedro SIMÕES, CESUR, IST, Portugal

Rui Cunha MARQUES, CESUR, IST, Portugal Pedro SIMÕES, CESUR, IST, Portugal A REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS AEROPORTUÁRIOS NA EUROPA Rui Cunha MARQUES, CESUR, IST, Portugal Pedro SIMÕES, CESUR, IST, Portugal Congresso Brasileiro de Regulação Rio de Janeiro Maio, 2009 Agenda 1. Introdução

Leia mais

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da MAXPAY-Instituição de Pagamento, Lda, contém o Folheto

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão 1 2 Liberalização: Evolução do setor 3 Privatização: Caso CTT 4 Concessão: Impacto 2 1. Serviços Postais Instrumento essencial de comunicação e intercâmbio de informações Serviços de Interesse Económico

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016 oem Observatório da Emigração Saldos migratórios 2000-2013 Rui Pena Pires e Inês Espírito-Santo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL),

Leia mais

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA?

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? O QUE É A UNIÃO EUROPEIA? A União Europeia é uma união de países democráticos europeus, que partilham valores comuns e que se encontram empenhados num projeto

Leia mais

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

Políticas de Patrocínio Internacional. 1 de Abril, 2015 Amway

Políticas de Patrocínio Internacional. 1 de Abril, 2015 Amway Políticas de Patrocínio Internacional 1 de Abril, 2015 Amway Políticas de Patrocínio Internacional Esta Política é aplicável em todos os mercados europeus (Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, República

Leia mais

D u p l a T r i b u t a ç ã o I n t e r n a c i o n a l e m P o r t u g a l - A c t u a l i z a ç ã o

D u p l a T r i b u t a ç ã o I n t e r n a c i o n a l e m P o r t u g a l - A c t u a l i z a ç ã o i N º 2 / 1 4 D u p l a T r i b u t a ç ã o I n t e r n a c i o n a l e m P o r t u g a l - A c t u a l i z a ç ã o Em 15 de Janeiro de 2014 o Ministério dos Negócios Estrangeiros fez publicar os Avisos

Leia mais

Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS

Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

5. TRANSFERÊNCIAS (PARTICULARES)

5. TRANSFERÊNCIAS (PARTICULARES) 5.1. Ordens de transferência Escalões Canal de receção da ordem de transferência NB Direto NBnet Particulares* 1. Ordens de Transferência 1.1 - Para conta domiciliada na própria instituição de crédito

Leia mais

A Transferência de Tecnologia em Portugal. Miguel Sousa

A Transferência de Tecnologia em Portugal. Miguel Sousa A Transferência de Tecnologia em Portugal Miguel Sousa Miguel.sousa@inovamais.pt INOVA+ A INOVA+, com sede no Porto, é uma empresa portuguesa ligada à maior rede privada europeia de serviços de inovação,

Leia mais

SPTRANS. Verificador Independente. Apresentação de Resultados. Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão.

SPTRANS. Verificador Independente. Apresentação de Resultados. Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão. SPTRANS Verificador Independente Apresentação de Resultados Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão Dezembro de 2014 Resultados Apuração da TIR com base no FCFF e no FCFE Área

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008.

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Paridades de Poder de Compra 2008 15 de Dezembro de 2009 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Com

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2011 representaram 9,8% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2011 representaram 9,8% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2006-2011 19 de outubro de 2012 Impostos com relevância ambiental em 2011 representaram 9,8% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Em 2011,

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2016 representaram 7,5% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2016 representaram 7,5% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2016 4 de outubro de 2017 Impostos com relevância ambiental em 2016 representaram 7,5% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Em 2016, o valor

Leia mais

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados)

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) Sumário

Leia mais