Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal"

Transcrição

1 Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Lisboa, 12 de Março de 2013

2 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo 2.1 Simplificação do Imposto 2.2 Simplificação das obrigações declarativas e acessórias 2.3. Aumento da competitividade fiscal com enfoque na vertente internacional 12 Março 2013 Página2 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

3 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa José Gonzaga Rosa TAS Partner

4 Indice A importância do IRC na localização do investimento Factores relevantes na selecção da localização do investimento Portugal: qual o ponto de partida da reforma de 2013 e como chegamos aqui? Ernst & Young Portugal Attractiveness Survey 2012 O IRC como brand e não apenas como instrumento de captação de receita fiscal Conclusões 12 Março 2013 Página4 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

5 A importância do IRC na localização do Investimento To create the most competitive tax system in the G20: The lowest corporate tax rate in the G7 and among the lowest in the G20 The best location for corporate headquarters in Europe A simpler, more certain tax system The Plan for Growth HM Treasury March Março 2013 Página5 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

6 Factores relevantes na selecção da localização do investimento Dimensão do mercado interno 39% Estabilidade e transparência da regulação Custos laborais 9% 8% 17% 20% 25% 24% 24% 28% 36% Infraestruturas de transporte e logistica Potencial para o aumento de produtividade Competências da força de trabalho Estabilidade do ambiente social Imposto sobre o lucro Flexibilidade da legislação laboral Infraestruturas de telecomunicações Fonte: Ernst & Young s European attractiveness survey Total respondents: Março 2013 Página6 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

7 Portugal: qual o ponto de partida da reforma de 2013 (taxas legais IRC escalão máximo) Portugal 31,5 3º 26,5 10º EU 27 23,5 24,5 EU 17 26,1 28,8 Mínimo 11,0 Bulgária 10,0 Bulgária, Chipre Máximo 36,1 França 38,7 Alemanha Fonte: EuropeanCommission: Taxation trends in the European Union, 2012 edition 12 Março 2013 Página7 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

8 (...) e como chegamos aqui? 42 Taxas de IRC para o escalão máximo , ,1 23, Portugal EU-27 EA-17 Fonte: EuropeanCommission: 2011 edition of the Taxation Trends report 12 Março 2013 Página8 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

9 A receita fiscal de IRC em Portugal é a 7ª mais elevada na UE Impostos indirectos 13, ,5 Impostos directos IRS 5,6 18 9,6 IRC 2,8 7 4,9 Outros 0,5 19 0,9 Contribuições Sociais 9, ,5 12 Março 2013 Página9 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

10 Ernst & Young Portugal Attractiveness Survey assuntos chave para o IDE O Ernst & Young s 2012 Portuguese Attractiveness survey baseia-se numa metododolia original e assenta em dois pilares. A atractividade real ilustrada pelas intenções de investimento efectivamente anunciadas e constantes da base de dados Ernst & Young European Investment Monitor (EIM). Este ferramenta colige informação sobre projectos de investimento produtivos. São excluídos investimentos de natureza tipicamente financeira como operações de M&A, e operações de transferência de lucros entre diferentes jurisdições. A atractividade percepcionada resultante da combinação da imagem, da confiança e das condições endógenas que a localização oferece para a captação de investimento. O Ernst & Young Portuguese Attractiveness Survey vai na 7ª edição desde que foi criado em Principais inibidores à captação de investimento (2012): sistema judicial e imposto sobre lucros 12 Março 2013 Página10 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

11 A contribuição da reforma do IRC para a atractividade e crescimento VOLTAR A CRESCER EM QUE SECTORES? COMO? ONDE? INOVAÇÃO EQUITY ROTA DA LÍNGUA FORA DA EUROPA 12 Março 2013 Página11 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

12 Conclusões Existe uma intensa rivalidade na Europa ao nível das taxas de IRC. Portugal tem que recuperar terreno perdido. Em 2012 somos o país com a terceira taxa de IRC mais elevada da UE27. O IDE de natureza industrial reage melhor à taxa efectiva do que à taxa legal, ao contrário do investimento tipicamente financeiro. IRC como brand deve reflectir a resposta às questões de como queremos voltar a crescer ( em que sectores, como e em que geografias ). 12 Março 2013 Página12 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

13 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo 2.1 Simplificação do Imposto 2.2 Simplificação das obrigações declarativas e acessórias 2.3. Aumento da competitividade fiscal com enfoque na vertente internacional 12 Março 2013 Página13 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

14 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo

15 2.1. Simplificação do Imposto João de Sousa Tax Partner

16 Regime de Tributação Simplificado Introdução de um regime de tributação simplificado Sujeitos passivos - Pequenos contribuintes Regime de tributação com base no volume de negócios Confirmado por via do software certificado e da transmissão electrónica de facturas Desenvolvimento de modelos de indicadores para a modulação real desta tributação em alguns sectores 12 Março 2013 Página16 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

17 Reformulação do RETGS Harmonizaçãoda Base de Incidência Considerar o Lucro Tributável do Grupo no cálculo do IRC, Derrama Municipal e Derrama Estadual Tipo de sociedadesa incluir no regime Inclusão de todo o tipo de sociedades comerciais ou civis sob forma comercial, bem como outras pessoas colectivas que exerçam actividades comerciais ou industriais, constituídas de acordo com a legislação portuguesa ParticipaçãoIndirecta Permissão expressa da possibilidade de detenção de participação através de uma sociedade residente noutro estado-membro da UE ou do EEE (mesmo que esta não possa ser incluída no perímetro do RETGS) % de Participação Redução de 90% para 75% 12 Março 2013 Página17 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

18 Tributação da alienação de partes de capital Revisão do regime de não dedução de menos-valias de partes sociais Reconhecimento, para efeitos fiscais, das menos-valias geradas em transmissões intra-grupo Reconhecimento, para efeitos fiscais, das menos-valias geradas em transmissões intra-grupo; Desde que, assentem num racional económico adequado; e, O preço praticado tenha plena aderência a valores normais de mercado. Dedução de 50% das menos-valias e perdas de partes sociais Estabelecer uma excepção à dedução de apenas 50%; Quando haja preço formado num mercado regulamentado; e, O sujeito passivo não detenha, directa ou indirectamente, uma participação superior a 5% no respectivo capital social. 12 Março 2013 Página18 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

19 Resultado da liquidação Art.º 92.º CIRC Benefícios a excluir do âmbito de aplicação do artigo 92.º do Código do IRC: Dedução de prejuízos fiscais transmitidos no âmbito do regime de neutralidade fiscal (face às limitações especificas do art.º 75.º) Benefícios fiscais que, por exemplo, já se encontram sujeitos a limites impostos aos auxílios de Estado e o RFAI 12 Março 2013 Página19 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

20 Pagamentos Especiais por Conta Revisão do regime de dedução Dedução do PEC Derrama Municipal Derrama Estadual Tributação Autónoma Regime de reembolso Reformular o regime de reembolso, incluindo a eliminação do custo associado com a inspecção da Autoridade Tributária 12 Março 2013 Página20 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

21 Regimes aplicáveis a joint-ventures Clarificação dos regimes a aplicar Revisão do regime aplicável a estruturas como os ACE, consórcios, associação em participação, associação à quota Objectivo: estabilizar um regime fiscal claro e objectivo no que concerne às contribuições, relações comerciais e distribuições de rendimentos entre as partes envolvidas 12 Março 2013 Página21 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

22 Operações de redução de capital Clarificação sobre tributação das operações de redução de capital Código do IRC é omisso nesta matéria Operações desta natureza cada vez mais frequentes Crescente necessidade de clarificação quanto ao regime fiscal aplicável 12 Março 2013 Página22 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

23 Regime fiscal das depreciações e amortizações Aproximação do regime fiscal ao contabilístico Regime Contabilístico Regime Fiscal Revisão das vidas úteis dos activos depreciáveis ou amortizáveis Permitir que a base das mesmas seja idêntica ao regime contabilístico 12 Março 2013 Página23 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

24 Regime de neutralidade fiscal Alargamento e harmonização do regime de neutralidade fiscal (artigos 73.º e seguintes do Código do IRC) Aplicação do regime nas permuta de partes sociais: Em que a sociedade adquirida é residente Os sócios são não residentes E a sociedade adquirente é residente noutro EM da UE ou do EEE Aplicação do regime nas operações de fusão, cisão, entrada de activos e permuta de partes sociais: Quando sociedades participantes são residentes no EEE Previsão expressa da transmissibilidade de benefícios fiscais 12 Março 2013 Página24 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

25 Regime de isenção de retenção (Art.º 14º do Código do IRC) Harmonizar o regime de isenção de retenção previsto no artigo 14.º do Código do IRC, com as regras aplicáveis a residentes Permitir aplicar o regime no caso de liquidação de sociedades à parte qualificável como rendimento de capitais Quando obtido por sociedade residente na UE, no EEE ou na Suíça Permitir aplicar o regime ao rendimento pago no âmbito um contrato de associação em participação A um associado residente na UE, no EEE ou na Suíça 12 Março 2013 Página25 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

26 Créditos Incobráveis Revisão do regime actualmente aplicável Regime de IRC Regime de IVA Harmonização de regimes Evitar a duplicação de comunicações Evitar as divergências em termos de momento processual no que toca a insolvências e execuções Alargamento do regime aos incobráveis decorrentes dos novos processos previstos no CIRE, designadamente, processo especial de revitalização e SIREVE 12 Março 2013 Página26 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

27 Pedidos de Informação Vinculativa Reduzir o tempo de resposta Considerar a possibilidade de discussão prévia com a Autoridade Tributária (a exemplo de outros EM da UE) Alargamento das situações em que são aplicáveis emolumentos 12 Março 2013 Página27 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

28 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo 2.1 Simplificação do Imposto 2.2 Simplificação das obrigações declarativas e acessórias 2.3. Aumento da competitividade fiscal com enfoque na vertente internacional 12 Março 2013 Página28 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

29 2.2. Simplificação das obrigações declarativas e acessórias Pedro Fugas Tax Senior Manager

30 Alteração do período de tributação Eliminação da obrigação de apresentação de requerimento para alteração do ano civil Adoptar, para efeitos fiscais, as mesmas regras do Código das Sociedades Comerciais Alteração mero objecto de comunicação à Autoridade Tributária por meio de declaração de início ou alteração de actividade 12 Março 2013 Página30 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

31 Isenção ou redução de retenção na fonte (ADT e Directivas) Simplificação dos procedimentos de isenção / redução de taxa de retenção na fonte e/ou reembolso impostas a não residentes no âmbito de ADT ou Directivas Entrega dos pedidos de reembolso online Certificado de residência fiscal adhoc em substituição dos atuais formulários modelo RFI e DJR 12 Março 2013 Página31 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

32 Declaração Modelo 4 acionista não residentes Actualmente Obrigação de entrega da Modelo 4 Alienantes e adquirentes (residentes ou não) de ações e outros valor mobiliários, quando a respetiva alienação ou aquisição Proposto Obrigação de entrega da Modelo 4 Própria sociedade residente objecto de transmissão (à semelhança do que acontece nos termos da opção na IES relativamente às permutas de partes sociais) 12 Março 2013 Página32 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

33 Revisão do regime de arquivo de documentos Redução de prazos de arquivo Documentação de suporte: Prazo de caducidade do direito à liquidação previsto no artigo 45º da LGT; ou No máximo, prazo de prescrição constante do artigo 48.º da LGT. Dossier fiscal: redução assegurando a uniformidade dos prazos Dispensar a obtenção de autorização prévia do Diretor-Geral dos Impostos Documentos de suporte que não sejam emitidos pelo sujeito passivo Dispensar a obtenção de autorização, em particular, nos documentos emitidos após 1 de Janeiro de 2013, relativamente aos quais se aplique a obrigação de comunicação de facturas Eliminar a necessidade de aguardar três períodos de tributação Permitir outras formas de arquivo Suporte digital que não o microfilme 12 Março 2013 Página33 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

34 Preenchimento da IES Simplificação do seu preenchimento Equacionar o pré-preenchimento de alguns campos mediante o cruzamento de dados com outras fontes de informação Substituição do preenchimento da informação financeira, eliminando a sua inserção manual Balanço Demonstração de resultados Demonstração de fluxos de caixa Anexo às contas pela versão preparada pelos contribuintes 12 Março 2013 Página34 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

35 Centralização da contabilidade Revisão da obrigação de centralização da contabilidade Descentralização dos registos contabilísticos e demais elementos de escrita e fiscais para fora do território português Designadamente para outro estado-membro da UE ou do EEE Sujeito passivo assegura um prazo mínimo aplicável à disponibilização de tais elementos 12 Março 2013 Página35 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

36 Entrega do Dossier Fiscal Flexibilizar a entrega do processo de documentação fiscal mediante: Eliminação da obrigação de entrega e Substituição da entrega por envio, mediante solicitação por parte da Autoridade Tributária (à semelhança do que acontece com os sujeitos passivos que não integrem o cadastro especial de contribuintes, e dos que não são tributados pelo RETGS) 12 Março 2013 Página36 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

37 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo 2.1 Simplificação do Imposto 2.2 Simplificação das obrigações declarativas e acessórias 2.3. Aumento da competitividade fiscal com enfoque na vertente internacional 12 Março 2013 Página37 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

38 2.3. Aumento da competitividade fiscal com enfoque na vertente internacional António Neves Tax Partner

39 Taxas de imposto Sugestões para Portugal Taxas nominais máximas na U.E. Redução geral das taxas de IRC e Derramas (Municipal e Estadual) Redução de taxas de tributação autónoma Reforçar incentivos à criação de emprego e ao investimento > 30% 20% - 30% < 20% Itália 27,5% - 38% França 34,43% - 36,1% Bélgica 25% - 35,6% Malta 35% Alemanha 23% - 33% Portugal 25% - 31,5% Espanha 25% - 30% Luxemburgo 29,22% Dinamarca e Áustria 25% Holanda 20% - 25% Finlândia 24,5% Reino Unido 20% - 24% Eslováquia 23% Suécia 22% Estónia 21% Grécia 20% Polónia e República Checa 19% Hungria 10% / 19% Eslovénia 17% Roménia 16% Lituânia e Letónia 15% Irlanda 12,5% (nalguns casos 25%) Chipre e Bulgária 10% 12 Março 2013 Página39 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

40 Tributação de dividendos e mais-valias O regime actual em Portugal Isenção para dividendos de sociedades da U.E. / do E.E.E. Dividendos 10% de participação 1 ano de detenção Tributação efectiva (Portugal) Isenção para dividendos de sociedades de PALOP se Timor Leste 25% de participação 2 anos de detenção Tributação de pelo menos 10% ao nível da subsidiária Rendimentos não passivos Isenção para dividendos no âmbito do regime contratual ao investimento no estrangeiro Isenção de 95% nos termos de várias Convenções sobre dupla tributação 25% de participação 2 anos de detenção Mais-valias Isenção para maisvalias apuradas por SGPS s 1 ou 3 anos de detenção Isenção de 50% do saldo positivo entre mais e menos-valias de acordo com o regime de reinvestimento Não dedução total ou parcial de menos-valias 12 Março 2013 Página40 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

41 Tributação de dividendos e mais-valias O regime de alguns estados-membro da U.E. Holanda 5% de participação Generalidade dos países Alguns requisitos sobre natureza da participação (portfolio ou não) ou tributação efectiva da subsidiária ( 10%) / tipo de activos Luxemburgo 10% de participação ou custo de aquisição 1,2 M (dividendos) e 6 M (mais-valias) 1 ano de detenção Generalidade dos países Tributação efectiva da subsidiária ( 10,5%) Reino Unido 10% de participação (só para mais-valias) 1 ano de detenção (só para mais-valias) Generalidade dos países Malta 10% de participação (incluindo direitos de voto e direito a lucros) ou Custo de aquisição 1,164 M e 183 dias seguidos de detenção Generalidade dos países Espanha 5% de participação (para ETVE basta um custo de aquisição 6 M) 1 ano de detenção Generalidade dos países (excepto paraísos fiscais) Subsidiária sujeita a imposto comparável ao imposto Espanhol 85% dos lucros da subsidiária estrangeira serem obtidos fora de Espanha 12 Março 2013 Página41 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

42 Tributação de dividendos e mais-valias Sugestões para reformular o regime de isenção de tributação para dividendos e mais-valias Alargar e harmonizar o regime de isenção para dividendos e mais-valias à generalidade dos países, excepto paraísos fiscais, mediante cumprimento de determinadas condições Nível de participação Período de detenção Actividade desenvolvida pela sociedade participada Tributação efectiva na esfera da sociedade participada 12 Março 2013 Página42 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

43 Rendimentos de Propriedade Intelectual e Industrial Introdução de um regime de tributação mais favorável Incentivos à detenção, exploração e alineação de direitos da propriedade intelectual e industrial Tipo de IP Rendimento Isenção ETR Bélgica Patentes Royaltiese mais-valias Hungria Generalidade Royaltiese mais-valias Irlanda Generalidade Royaltiese mais-valias Luxemburgo Generalidade Royaltiese mais-valias Malta Holanda Patentes e copyrights Patentes e R&D 80% 0% - 6,8% 50% 5% Dedução via amortização 0% - 12,5% 80% 5,84% Royalties 100% 0% Royaltiese mais-valias Suíça Generalidade Royaltiese mais-valias 80% 5% 80% 8,5% - 11,5% Exclusão da base tributável de parte do rendimento 12 Março 2013 Página43 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

44 Remuneração do capital próprio Introdução de um regime de dedução fiscal relativa à remuneração do capital próprio Remuneração de Capital Próprio Dedução fiscal de um juro presumido sobre o capital próprio Incentivo a maior capitalização das Empresas Em alternativa Dedução fiscal de dividendos de acções preferenciais e/ou Dedução fiscal relativa a lucros não distribuídos 12 Março 2013 Página44 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

45 Eliminação da dupla tributação Aplicação do método de isenção aos lucros obtidos no estrangeiro através de sucursais Medida Isenção de IRC e Derramas para os lucros apurados através de estabelecimento estável situado no estrangeiro Condições Cumprimento de determinadas condições (p.e., tipo de actividade e taxa de tributação dos lucros no estrangeiro) A aplicar mesmo que estabelecimento estável beneficie de isenção temporária de imposto em resultado de incentivos ao investimento Não dedução dos prejuízos fiscais do estabelecimento estável Repor o reporte do crédito de imposto por dupla tributação internacional por um período de 5 anos 12 Março 2013 Página45 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

46 Retenção na fonte sobre juros e royalties Alargar o regime para aplicação da taxa reduzida / isenção de retenção na fonte sobre juros e royalties Reduzir a percentagem de participação de 25% para 10% Reduzir o período de detenção da participação de 2 anos para 1 ano Alargar o conceito de sociedades associadas, permitindo participações indirectas Ponderar a eliminação da retenção na fonte para juros devidos a sociedades residentes na U.E. e no E.E.E. 12 Março 2013 Página46 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

47 Estabilidade fiscal Introdução de regra de manutenção da estabilidade do regime tributário Período Até 10 anos Não influenciável por alterações favoráveis ou desfavoráveis Nomeadamente, por determinadas normas fiscais e, por exemplo, no âmbito de negociações ao abrigo do Código Fiscal do Investimento 12 Março 2013 Página47 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

48 Regime de reporte de prejuízos fiscais Reporte ilimitado Reporte limitado Sem % anual do LT Com % anual do LT Sem % anual do LT Com % anual do LT Bélgica Chipre Dinamarca Eslovénia Irlanda Lituânia Luxemburgo Malta Reino Unido Suécia Alemanha França Áustria Itália Hungria Bulgária Grécia Polónia República Checa Estónia Eslováquia Roménia Letónia Finlândia Holanda Portugal Espanha Eliminação da limitação temporal ao reporte de prejuízos fiscais 12 Março 2013 Página48 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

49 Amortização de intangíveis Dedução fiscal da amortização Goodwill gerado na aquisição de negócio (ainda que por via da aquisição de partes sociais) Tributação na esfera da entidade alienante Entre 20 e 50 anos Recapture rule para mais-valias de partes sociais Outros activos intangíveis Sem vida útil definida Ente 10 e 20 anos 12 Março 2013 Página49 Reforma do IRC: Uma Oportunidade Única para Portugal

50 Obrigado

51 Ernst & Young Assurance Tax Transactions Advisory About Ernst & Young Ernst & Young is a global leader in assurance, tax, transaction and advisory services. Worldwide, our 167,000 people are united by our shared values and an unwavering commitment to quality. We make a difference by helping our people, our clients and our wider communities achieve their potential. Ernst & Young refers to the global organization of member firms of Ernst & Young Global Limited, each of which is a separate legal entity. Ernst & Young Global Limited, a UK company limited by guarantee, does not provide services to clients. For more information about our organization, please visit Ernst & Young Portugal All Rights Reserved This publication contains information in summary form and is therefore intended for general guidance only. It is not intended to be a substitute for detailed research or the exercise of professional judgment. Neither EYGM Limited nor any other member of the global Ernst & Young organization can accept any responsibility for loss occasioned to any person acting or refraining from action as a result of any material in this publication. On any specific matter, reference should be made to the appropriate advisor.

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing Mário Trinca Quando existem uma multiplicidade de Produtos / Serviços, oferecidos a diferentes segmentos de clientes, através de diversos canais de distribuição, em várias geografias, nunca é fácil responder

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013 Reforma do IRC Uma oportunidade única Outubro de 2013 Agenda Os desafios da Reforma do IRC Enquadramento internacional Contributo EY para a Reforma do IRC Sugestões EY Q&A? Page 2 Os desafios da Reforma

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável

CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável FEUC Gonçalo Cid 24 Fevereiro 2012 Enquadramento CCCTB 2001: Estudo da UE sobre a tributação das empresas 2002-08: Formação de Grupos

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo 3,9% Aumento da receita de IRC (previsão OE 2013 face à receita prevista para 2012) 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Limitação à

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise 3 de Outubro de 2013 Paulo Gaspar Tópicos Enquadramento O exemplo de outros Estados-membros Concretizar Um sistema fiscal competitivo

Leia mais

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões

O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões O Acordo de Dupla Tributação Portugal Brasil: questões prá(c (c)ticas Mais-valias, dividendos e juros sobre o capital próprio prio 8 de Março o de 2010 TAX Índice Breve enquadramento O ADT Portugal Brasil

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Índice 1. Apresentação i. Incentivos Financeiros ii. Incentivos Fiscais 2. Metodologia i. Apresentação ii. iii. iv. Analysis & Reporting

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 A?. dod- e PROPOSTA DE ALTERAÇÃO A PROPOSTA DE LEI N" 1621X ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2008 Exposição de Motivos Tem sido subestimado entre nós o contributo da política fiscal para a elevação do PIB potencial.

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

FINS DE TARDE NA ACISO

FINS DE TARDE NA ACISO FINS DE TARDE NA ACISO 1º CICLO DE SESSÕES DE INFORMAÇÃO EMPRESARIAL OURÉM, 27 de Janeiro de 2012 AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES E IMPLICAÇÕES FISCAIS DECORRENTES DO OE 2012 OUTROS ASPETOS RELACIONADOS COM A

Leia mais

Tax Alert. Novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho. Incidência. Não sujeito

Tax Alert. Novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho. Incidência. Não sujeito Outubro de 2014 Tax Alert Aprovação do novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Novo Código do Imposto sobre os Rendimentos do Trabalho Foi publicada a 22 de Outubro de 2014, a Lei n.º 18/14,

Leia mais

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados)

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) Sumário

Leia mais

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário 17.Novembro.2015 1 Fundos de Capital de Risco 2 Fundos de Capital de Risco Características Natureza jurídica Tipologia de Investimentos

Leia mais

na Europa e em África

na Europa e em África LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal: plataforma de investimento na Europa e África Rogério M. Fernandes Ferreira (rff@rffadvogados.pt rff@rffadvogados.pt)

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

e Legislação Complementar

e Legislação Complementar CÓDIGO DO IRC 2012 e Legislação Complementar CÓDIGO DO IRC APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 442-B/88, DE 30 DE NOVEMBRO (INCLUI ALTERAÇÕES DA PROPOSTA DO ORÇAMENTO RETIFICATIVO) LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR PAGAMENTOS

Leia mais

As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva

As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva www.pwc.com/pt As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva Jaime Carvalho Esteves Jaime Carvalho Esteves OROC, Janeiro de 2011 Agenda Introdução O Abuso Cláusula Geral e Cláusulas

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível INFORMAÇÃO FISCAL IVA - Imposto sobre o valor acrescentado Características gerais do imposto: É um imposto geral sobre o consumo, já que incide sobre as transmissões de bens, prestações de serviços e importações.

Leia mais

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31 GUIA FISCAL 2012 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração.

www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração. www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração. Agenda 1. TFRM 2. Transfer Pricing PECEX 3. CFEM 4. Conclusão PwC 2 www.pwc.com TFRM Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização

Leia mais

Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos

Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos 30 de Julho de 2013 Tax Alert Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC O Governo Português, representado pelo Exmo. Senhor Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, nomeou uma Comissão

Leia mais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Programa da Componente Profissional Área de Direito Tributário Substantivo e Processual 1.º Ciclo de formação teórico-prática II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Introdução

Leia mais

O Código Contributivo e a competitividade da economia: implicações num contexto de crise

O Código Contributivo e a competitividade da economia: implicações num contexto de crise O Código Contributivo e a competitividade da economia: implicações num contexto de crise Carlos Loureiro 30 de Novembro de 2010 Tópicos a abordar 1. A competitividade e o factor trabalho 2. Impacto das

Leia mais

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal Orçamento Rectificativo Lei n.º 20/2012, DE 14 DE MAIO No âmbito da iniciativa para o reforço da estabilidade financeira foi publicada, no passado dia 14 de Maio a Lei n.º 20/2012 (Lei 20/2012) que entrou

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB.

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 0 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração Modelo Via Internet Elementos para validação

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE 2 PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE COORDENAÇÃO Prof. Doutor Eduardo Barbosa do Couto Mestre António Samagaio APRESENTAÇÃO Este curso de Pós-Graduação

Leia mais

Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência

Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência A Acção 13 do plano de combate à erosão da base fiscal e alocação de proveitos ( Base Erosion and Profit Shifting BEPS

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

SPTRANS. Verificador Independente. Apresentação de Resultados. Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão.

SPTRANS. Verificador Independente. Apresentação de Resultados. Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão. SPTRANS Verificador Independente Apresentação de Resultados Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão Dezembro de 2014 Resultados Apuração da TIR com base no FCFF e no FCFE Área

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património Foi hoje publicada a Lei n.º 55-A/2012, de 29 de Outubro, a qual vem agravar a tributação dos rendimentos

Leia mais

OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar. As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB

OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar. As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB OS GRUPOS: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar As regras substantivas na determinação da base tributável CCCTB Cidália Maria da Mota Lopes Ana Maria Gomes Rodrigues 24 de Fevereiro 2012 1 Sumário

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Módulo 4 Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Categoria E - Rendimentos de aplicação de capitais Rendimentos sujeitos (artº 5, CIRS) Essencialmente: Juros e Lucros entre outros:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hong Kong Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

Portaria n.º 1098/2008

Portaria n.º 1098/2008 Portaria n.º 1098/2008 (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 1254/2009 e pela Portaria n.º 479/2010) SUMÁRIO Aprova as taxas relativas a actos e serviços prestados no âmbito da propriedade

Leia mais

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Temas a abordar: Estratégia recente da Comissão: - Relatório Monti - Comunicação de Outubro de 2010 - O IVA europeu - Livro verde

Leia mais

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado Colaboradores: Prof.ª Doutora Paula Rosado Pereira, Mestres Gustavo Courinha e João Pateira Ferreira I. Considere

Leia mais

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Incentives Alert 19 de Novembro de 2014 Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento A regulamentação do Portugal 2020 começou com a publicação do Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12

Leia mais

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres www.pwc.pt Hot topics fiscais Maria Antónia Torres Agenda Hot topics fiscais 1. Estruturação fiscal pré-aquisição 2. Due diligence fiscal Hot topics fiscais de um processo de investimento no âmbito do

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 3 /2003 de 1 de Julho SOBRE TRIBUTAÇÃO DOS CONTRATANTES DE BAYU-UNDAN O Tratado do Mar de Timor, assinado entre Timor-Leste e a Austrália

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Dezembro 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

IRC opção pelo regime simplificado

IRC opção pelo regime simplificado IRC opção pelo regime simplificado Está em curso durante o presente mês de fevereiro o prazo concedido aos sujeitos passivos de IRC para procederem à opção pelo regime simplificado de determinação da matéria

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992

ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO DE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1992 LISBOA Em 15 de Fevereiro de 1992, culminando um processo gradual de concertação o Conselho Coordenador do Conselho

Leia mais

Orçamento Estado 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro

Orçamento Estado 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro Orçamento Estado 2012 Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES IRS Rendimentos de Trabalho Dependente (Categoria A) Subsídio de refeição O rendimento tributável

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado Junho 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

!"# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social.

!# $% A pressão para o Estado mínimo e direitos mínimos estão a marcar, na Europa e em Portugal, os caminhos sobre o futuro do modelo social. Grupo Parlamentar!"# $% O sistema público de segurança social, universal e solidário, está a ser fortemente questionado, pelas condições da intensa globalização neoliberal, das transformações operadas

Leia mais

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de setembro de 2014 1 2

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de setembro de 2014 1 2 Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de setembro de 2014 1 2 1 - Orçamento retificativo: - Lei n.º 75-A/2014, de 30 de setembro. Procede à segunda alteração à

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

Portugal num mundo global. Internacionalizar: Panorama actual

Portugal num mundo global. Internacionalizar: Panorama actual Portugal num mundo global Internacionalizar: Panorama actual Inquérito: Comportamento empresas TIC e New Media face à internacionalização As questões Posicionamento actual Percepção face à expansão Volume

Leia mais

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira Constituição de IF Bancária Anexo III Plano de negócios Plano de negócios da instituição financeira De forma a aferir o cumprimento dos requisitos legais estabelecido na Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

26-10-2011. www.pwc.com/pt. Impostos Indirectos OE2012. Agenda. Impostos Indirectos I. IVA. PwC

26-10-2011. www.pwc.com/pt. Impostos Indirectos OE2012. Agenda. Impostos Indirectos I. IVA. PwC www.pwc.com/pt Impostos Indirectos OE2012 Agenda Impostos Indirectos I. II. IECs III. Conclusão PwC 2 1 Eliminação das isenções Transmissão do direito de autor e a autorização para utilização da obra intelectual

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de crédito

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

Assurance Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance. Management Essentials I

Assurance Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance. Management Essentials I Assurance Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Management Essentials I Introdução A Baker Tilly Portugal, enquanto Organização de referência em Serviços Profissionais e a Baker Tilly Academy tendo

Leia mais

AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS

AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS Para atingir os seus objectivos, a União dispõe de uma série de instituições, visando cada uma prosseguir determinados fins específicos, de acordo com o seu carácter próprio.

Leia mais

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L i Nº 39 / 14 O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L I. Aspectos relevantes do novo regime jurídico Entra hoje em vigor o novo regime da exploração dos estabelecimentos de alojamento local,

Leia mais

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2.

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 01 IRC 1 21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 5% ; 2.5% (ZFI 8 sob condições) 80% de isenção das derramas (imposto

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 Estatuto das organizações não governamentais das pessoas com deficiência Foi publicado, em Diário da República, o Decreto-Lei n.º 106/2013, de 30 de Julho, que define o estatuto

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES

IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES O ANTIGO IMPOSTO SOBRE AS SUCESSÕES E DOAÇÕES Incidência Principais exclusões e isenções Regra de conexão Taxas Transmissões a título gratuito

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

Angola Tax Alert 2-2012

Angola Tax Alert 2-2012 29 de Fevereiro de 2012 Tax Alert Angola Tax Alert 2-2012 Reforma Fiscal Imposto sobre a Aplicação de Capitais, Imposto do Selo e Imposto de Consumo Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Aprova a revisão

Leia mais

IVA As recentes alterações legislativas

IVA As recentes alterações legislativas As recentes alterações legislativas Dezembro de 2012 2 IVA Serão as recentes alterações legislativas assim tão relevantes? 3 IVA Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Alterações em matéria

Leia mais

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO COMISSÃO DE INSCRIÇÃO JURI DE EXAME EXAME Artigo 13.º do Regulamento de Inscrição e Exame ANO 2008 3º Grupo de Matérias DATA PROGRAMAS DETALHADOS DOS MÓDULOS QUE INTEGRAM O EXAME DO 3º GRUPO DE MATÉRIAS:

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27

Leia mais

As medidas do relatório sobre o IRC favorecem principalmente os grupos económicos Pág. 1

As medidas do relatório sobre o IRC favorecem principalmente os grupos económicos Pág. 1 As medidas do relatório sobre o IRC favorecem principalmente os grupos económicos Pág. 1 O RELATÓRIO SOBRE A REFORMA DO IRC DE LOBO XAVIER:- A manipulação da opinião pública, a redução da taxa de IRC e

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Portaria nº 8/2008, de 3 de Janeiro

Portaria nº 8/2008, de 3 de Janeiro Portaria nº 8/2008, de 3 de Janeiro As obrigações legais previstas no artigo 2.º do Decreto-Lei nº 8/2007, de 17 de Janeiro, devem ser cumpridas através da entrega da Informação Empresarial Simplificada,

Leia mais