Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida"

Transcrição

1 Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1

2 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado (OE) Principais medidas fiscais nos impostos sobre o rendimento Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 2

3 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 DADOS MACROECONÓMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL 3

4 I. DADOS MACROECONOMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Peso da dívida pública em percentagem do PIB Dinâmica da dívida pública (%) , , , , , , , , , , , ,8 Dinâmica da dívida pública Projecções (%) , , , , ,9 (*) Fontes: Documento de estratégia orçamental Relatório anual Banco de Portugal Eurostat 4

5 I. DADOS MACROECONOMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Peso da receita fiscal no PIB em 2010 (em %) (*) Fonte: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union 5

6 I. DADOS MACROECONOMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Cenário Macroeconómico Euribor (%) Brent (USD) Crescimen to real zona euro OE Estimativa OE USD/Euro Crescimento económico Mundial 2013 Economia Mundial 3,6 Economias Avançadas 1,5 EUA 2,1 Área Euro 0,2 Alemanha 0,9 França 0,4 Itália -0,7 (*) Fontes: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union Relatórios Orçamentos do Estado 2012 FMI, Wolrd Economic Outlook Espanha -1,3 Reino Unido 1,1 Japão 1,2 EU-27 0,5 6

7 I. DADOS MACROECONOMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Previsões variação indicadores económicos em Portugal (em %) Ministério das Finanças OE FMI CE OCDE Banco de Portugal PIB -3, Dívida bruta consolidada das administrações públicas em % do PIB Consumo Privado Consumo Público (*) Fonte: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union Relatórios Orçamentos do Estado

8 I. DADOS MACROECONOMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Previsões variação indicadores económicos em Portugal (em %) Investimento FBCF Ministério das Finanças OE FMI CE OCDE Banco de Portugal Exportações Importações Taxa de desemprego Inflacção Saldo externo 1.0 (*) Fonte: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union Relatórios Orçamentos do Estado

9 I. DADOS MACROECONOMICOS / CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Taxas máximas de tributação dos rendimentos individuais na UE (%) Portugal , Espanha Itália 46,1 44,1 44,1 44,9 44,9 44,9 45,2 47,3 47,3 França 53,4 53,5 45,8 45,8 45,8 45,8 45,8 46,7 46,8 Reino Unido Alemanha 47,5 44,3 44,3 47,5 47,5 47,5 47,5 47,5 47,5 (*) Fonte: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union 9

10 I. CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Taxas máximas de tributação dos rendimentos de pessoas colectivas na UE (%) Portugal 27,5 27,5 27,5 26,5 26,5 26, ,5 Espanha , Itália 37,3 37,3 37,3 37,3 31,4 31,4 31,4 31,4 31,4 França 35, ,4 34,4 34,4 34,4 34,4 34,4 36,1 Reino Unido Alemanha 38,3 38,7 38,7 38,7 29,8 29,8 29,8 29,8 29,8 (*) Fonte: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union 10

11 I. CARACTERIZAÇÃO DA RECEITA FISCAL Peso da receita fiscal no PIB português (%) Impostos indirectos Impostos directos Contribuições Sociais 13,5 13, , ,8 15,2 14,8 14,3 12,9 13,6 9,6 9,2 9,1 8,5 8,4 8,3 8,7 9,5 9,7 9,0 8,9 8,0 8,3 8,4 8,6 8,3 8,4 8,4 8,5 8,8 9,0 8,0 (*) Fonte: Relatório Eurostat: Taxation trends in the European Union 11

12 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado (OE) 12

13 II. ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO IMPACTO DAS MEDIDAS FISCAIS NA RECEITA DO ESTADO(*) Previsão receitas fiscais ,7 milhões Aumento de 10,2% face à estimativa de execução da receita de 2012 Impostos directos aumento de 19,7% Impostos indirectos aumento de 3,1% (*) Fonte: Relatório do Orçamento do Estado

14 II. ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO Previsões de receita fiscal em 2013 por imposto (*) IRS - Reestruturação de escalões - Sobretaxa - Redução de deduções à colecta - Aumento tributação rendimentos de capital e mais-valias Receita : ,3 M (+30,7%) IRC - Impacto OE/2012 no processo de autoliquidação em Aumento Derrama Estadual e limitações dedução de encargos financeiros Receita : 4.559,5 M (+3,9%) IVA - Cenário macroeconómico - Ajustamento contabilístico na receita transferida para a Segurança Social Receita : ,0 M (+2,2%) (*) Fonte: Relatório do Orçamento do Estado

15 II. ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO EVOLUÇÃO DA RECEITA FISCAL(*) (milhões de euros) Impostos 2012 (OE) 2012 (Estimativa Execução) 2013 (OE) Variação 2013/2012 (%) IRS 9.358, , ,3 30,7 IRC 4.755, , ,5 3,9 Outros (impostos directos) 50,1 275,0 10,1-96,3 ISP 2.276, , ,4 1,4 IVA , , ,0 2,2 ISV 743,8 385,5 380,1-1,4 IT 1.386, , ,4 2,7 IABA 190,9 170,3 172,9 1,6 I Selo 1.400, , ,2 15,4 IUC/IC 178,0 198,6 198,6 0 Outros (impostos indirectos) 58, ,2 20,0 Total Geral , , ,7 10,2 (*) Fonte: Relatórios dos Orçamentos do Estado 2012 e

16 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 16

17 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) Limitação à dedutibilidade dos encargos financeiros Encargos financeiros que ultrapassem os seguintes limites: (i) 3 milhões ou (ii) 30% do resultado antes de depreciações, gastos de financiamento líquidos e impostos Regime transitório - 70% em 2013; 60% em 2014; 50% em 2015, 40% em 2016 e 30% em 2017 Possibilidade de reporte dos gastos não deduzidos nos 5 anos seguintes 17

18 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Taxas Rendimentos auferidos por não residentes: royalties, rendimentos prediais, comissões e prestações de serviços retenção liberatória sobe de 15% para 25% Derrama Estadual - Agravamento por via da redução para do limite de lucro tributável a partir do qual há lugar à aplicação da taxa de 5% Lucro tributável Taxas De mais de até % Superior a % 18

19 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) Pagamentos por conta Agravamento dos pagamentos por conta devidos sobre o montante do imposto pago no ano anterior: De 70% para 80% - para sujeitos passivos cujo volume de negócios seja igual ou inferior a ; e De 90% para 95% - para sujeitos passivos cujo volume de negócios seja superior a Apenas o terceiro pagamento é susceptível de dispensa 19

20 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) Despesas com equipamentos e software de facturação Desvalorizações excepcionais decorrentes do abate durante o ano de 2013, de programas e equipamentos informáticos de facturação que sejam substituídos por programas de facturação electrónica, são consideradas perdas por imparidade As despesas com a aquisição de programas e equipamentos adquiridos em 2013 são elegíveis como gasto fiscal 20

21 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) Outras Medidas Prorrogação de Contribuição sobre o sector bancário Prorrogação do Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI) até 31 de Dezembro de 2013 Fundos de investimento: eliminada exclusão de 50% dos rendimentos pagos a sujeitos passivos de IRC e mais-valias e rendimentos prediais auferidos por FI tributados à taxa de 25% 21

22 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) Outras Medidas Autorização legislativa para reformulação do regime de transferência de residência de sociedade para o estrangeiro Autorização para incorporação do RFAI no Código Fiscal Investimento até 2017 e criação de diversos incentivos à capitalização das empresas (deduções à colecta, reinvestimento de lucros, entradas de capital em empresas recém-criadas) 22

23 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2013 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 23

24 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Categoria A Rendimentos do trabalho dependente Rendimentos auferidos por deputados do Parlamento Europeu passam a estar expressamente sujeitos a IRS Redução dos limites de isenção de IRS relativos a pagamento de ajudas de custo no estrangeiro Eliminação da dedução específica referente a despesas de formação profissional 24

25 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Categoria B Rendimentos empresariais e profissionais Regime simplificado: Redução de 0,70 para 0,80 do coeficiente para determinação dos rendimentos provenientes de rendimentos empresariais e profissionais Profissionais liberais: Taxa de retenção na fonte sobe de 21,5% para 25% 25

26 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Categoria F Rendimentos prediais Tributação autónoma à taxa de 28% - possibilidade de englobamento Retenção na fonte sobe de 16,5% para 25% Possibilidade de dedução do valor do Imposto do Selo pago sobre os imóveis - apenas em caso de englobamento dos rendimentos 26

27 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Categoria G Incrementos patrimoniais Mais valias acções taxa especial de 28% ( %) Eliminação de isenção para pequenos investidores 2012: saldo positivo até 500 Euros estava isento de IRS 27

28 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Escalões e taxas Redução do número de escalões das taxas progressivas e alteração das taxas Rendimento colectável Taxa normal (%) Taxa média (%) Até ,5 14,500 De mais até ,5 23,600 De mais até ,300 De mais até ,650 Superior a

29 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) TAXA MÉDIA DE IRS POR ESCALÕES(*) Escalões de rendimento colectável Taxa inicial Taxa final Até ,5 1,5 De mais até De mais até De mais até ,0 10,7 17,7 22,4 25,3 31,4 Superior a ,3 (*) Fonte: Relatório do Orçamento do Estado

30 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Taxas Taxa adicional de solidariedade de 2,5% passa a aplicar-se a rendimentos colectáveis superiores a Sobretaxa extraordinária de 4% sobre todos os rendimentos sujeitos a englobamento ou a taxas especiais auferidos por residentes Incide sobre a parte do rendimento colectável que exceda o valor anual da retribuição mínima mensal garantida ( ) Retenção mensal sobre rendimentos de Categoria A e H 30

31 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Deduções à colecta e benefícios fiscais Novos limites globais de deduções à colecta Rendimento Colectável Limite Até sem limite De mais até * De mais até * De mais até * Superior a * Limite majorado em 10% por cada dependente ou afilhado civil 31

32 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Deduções à colecta e benefícios fiscais Encargos com empréstimos à habitação redução da dedução de Euros 591 para Euros 296 A dedução deixa de aplicar-se a contratos celebrados após 1 de Janeiro de 2012 Limitada aos juros Encargos com contratos de arrendamento dedução com rendas relativas a contratos celebrados ao abrigo do RAU e NRAU é reduzida de Euros 591 para Euros

33 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Deduções à colecta e benefícios fiscais Novos limites globais com deduções de benefícios fiscais Rendimento Colectável Limite Até sem limite De mais até De mais até De mais até Superior a

34 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Simulações Categoria B - Solteiro s/dependentes: Rendimento anual Euros (rendimento mensal Euros 7.500) Rendimento colectável regime simplificado Taxa 41,5% 45% Parcela a abater 6.121, Colecta , Deduções pessoais 261,25 213,75 Retenções na fonte (21,5%) (25%) Imposto a pagar 411, ,25 Diferença ,27 Sobretaxa ,4 Imposto a pagar a mais em ,67 34

35 IV. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Simulações Contribuinte solteiro Categoria A sem dependentes Rendimento anual (rendimento mensal bruto 3.000) Rendimento bruto Dedução específica Categoria A Rendimento colectável Taxa 35,5% 37% Parcela a abater 2.921, Colecta , ,52 Deduções pessoais 261,25 213,75 Retenções na fonte Imposto devido -229,92 627,77 Diferença 857,69 Sobretaxa - 803,6 Imposto a pagar a mais em ,29 35

36 Reflexão final Carga fiscal próxima de 40% PIB Exportações valem apenas 36% PIB Risco quebra do consumo interno - apenas - 2,2%? Risco EU - 70% das exportações Recessão 1% PIB? Crescimento de receitas fiscais demasiado optimista? Consolidação 80% receita vs. 20% despesa Serviço da dívida - 8 mil milhões de Euros 36

37 Obrigado 37

Descomplicar o Orçamento do Estado 2018: Principais Alterações Fiscais Marta Machado de Almeida Braga, 9 de Fevereiro de 2018

Descomplicar o Orçamento do Estado 2018: Principais Alterações Fiscais Marta Machado de Almeida Braga, 9 de Fevereiro de 2018 LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA DILI SÃO TOMÉ MACAU Descomplicar o Orçamento do Estado 2018: Principais Alterações Fiscais Marta Machado de Almeida Braga, 9 de Fevereiro de 2018 LISBOA

Leia mais

IRS IRC. 1. Proposta de Lei e Orçamento retificativo

IRS IRC. 1. Proposta de Lei e Orçamento retificativo 1. Proposta de Lei e Orçamento retificativo IRS Rendimentos de capitais categoria E Os rendimentos de capitais sujeitos à taxa liberatória de 25% passam a ser tributados à taxa liberatória de 26,5%. Estão

Leia mais

Orçamento do Estado 2013 Medidas que fazem diferença

Orçamento do Estado 2013 Medidas que fazem diferença Orçamento do Estado 2013 Medidas que fazem diferença Dezembro 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 2012 Deloitte & Associados SROC, S.A. Categoria A Rendimentos do trabalho dependente

Leia mais

O IRS no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting

O IRS no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Tributação "Subsídio de Refeição" Tributado na parte que exceder em 50% o limite legal ou 70% se for atribuído através de vales de refeição Tributado na parte que exceder

Leia mais

BTOC NEWS ESPECIAL

BTOC NEWS ESPECIAL PROPOSTA DE LEI D0 ORÇAMENTO DE ESTADO 2013 BTOC APP BTOC LANÇOU A SUA APLICAÇÃO APP PARA IPAD, IPHONE E TABLETS. AGORA, AO ALCANCE DE UM SIMPLES CLIQUE, AS EMPRESAS E AS ORGANIZAÇÕES PASSAM A TER PERMANENTEMENTE

Leia mais

PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2013 (Parte 1 - IRS)

PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2013 (Parte 1 - IRS) Outubro/2012 PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2013 (Parte 1 - IRS) Como tem sido veiculado na imprensa, a Proposta de Orçamento de Estado para 2013 que hoje começa a ser

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para Alterações relevantes em sede de IRS:

Lei do Orçamento do Estado para Alterações relevantes em sede de IRS: Guia Fiscal IRS 2014 Esta informação é um resumo dos benefícios fiscais associados a produtos comercializados pelo NOVO BANCO, constantes da Lei do Orçamento do Estado (OE) para 2014 - Lei nº. 83-C/2013,

Leia mais

DOCUMENTO DE SUPORTE PARA A APRESENTAÇÃO DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS EM CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

DOCUMENTO DE SUPORTE PARA A APRESENTAÇÃO DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS EM CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DOCUMENTO DE SUPORTE PARA A APRESENTAÇÃO DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS EM CONFERÊNCIA DE IMPRENSA A 14 DE JULHO DE 2011 1 Cenário Macroeconómico 2010 2011 2012 Despesa Nacional - taxa de variação

Leia mais

CIRCULAR N.º 4/2013. A) IRS Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

CIRCULAR N.º 4/2013. A) IRS Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares 1/7 CIRCULAR N.º 4/2013 ATUALIZAÇÃO FISCAL ORÇAMENTO DO ESTADO 2013 Foi publicado a Lei n.º 66-B/2012, que aprovou o Orçamento do Estado de 2013, pelo que resumimos a seguir, as principais alterações,

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013

Orçamento do Estado para 2013 Orçamento do Estado para 2013 No contexto de crise, as alterações à legislação fiscal no Orçamento de Estado (OE) para 2013, são disso o seu reflexo. Quer seja pelo aumento de impostos, redução dos benefícios

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Regime Fiscal do CINM Catarina Gonçalves Agenda 1 Região Autónoma da Madeira 2 Centro

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T O sistema fiscal português. Bibliografia. Conceitos a reter

Economia e Finanças Públicas Aula T O sistema fiscal português. Bibliografia. Conceitos a reter Economia e Finanças Públicas Aula T12 3.4. O sistema fiscal português 3.4.1. Breve caracterização 3.4.2. Impostos sobre o rendimento: IRS e IRC EFP - ISEG 1 Bibliografia Obrigatória: Livro de EFP, Cap.

Leia mais

Proposta OE Principais medidas. Mariana Gouveia de Oliveira

Proposta OE Principais medidas. Mariana Gouveia de Oliveira Proposta OE 2018 Principais medidas Mariana Gouveia de Oliveira Índice Proposta do OE 2018 Principais medidas IRS IRC / Benefícios Fiscais IEC: A tributação do sal AIMI Notas breves sobre outros impostos

Leia mais

Proposta OE Principais medidas. Mariana Gouveia de Oliveira

Proposta OE Principais medidas. Mariana Gouveia de Oliveira Proposta OE 2018 Principais medidas Mariana Gouveia de Oliveira Índice Proposta do OE 2018 Principais medidas IRS IRC / Benefícios Fiscais IEC: A tributação do sal AIMI Notas breves sobre outros impostos

Leia mais

Apresentação da Proposta de ORÇAMENTO DO ESTADO 2017

Apresentação da Proposta de ORÇAMENTO DO ESTADO 2017 Apresentação da Proposta de ORÇAMENTO DO ESTADO 2017 14.10.2016 Um país mais justo, um orçamento responsável, amigo das famílias e das empresas. POLÍTICA ECONÓMICA E ORÇAMENTAL RECUPERAÇÃO DE RENDIMENTOS

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018

ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 2018 10/14/17 4:40 PM 13.10.2017 1 CRESCIMENTO, EMPREGO E CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL Défice 2016 2,0 2017 1,4 1 2018 1,0 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 Dívida Pública

Leia mais

newsletter Nº 74 MARÇO / 2013

newsletter Nº 74 MARÇO / 2013 newsletter Nº 74 MARÇO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2013 2 Lei do Orçamento do Estado para 2013 (IRS) 3 Revisores e Auditores 11 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

Introdução de ajustamentos nos escalões de rendimentos para aplicação das taxas marginais de imposto.

Introdução de ajustamentos nos escalões de rendimentos para aplicação das taxas marginais de imposto. Guia Fiscal IRS 2017 Esta informação é um resumo dos benefícios fiscais associados a produtos comercializados pelo Novo Banco, em vigor após a publicação da Lei do Orçamento do Estado (OE) para 2017 -

Leia mais

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ORÇAMENTO DE ESTADO 2016 Ana Castro Gonçalves agoncalves@caiadoguerreiro.com Paula Madureira Rodrigues prodrigues@caiadoguerreiro.com André Goldschmidt agoldschimdt@caiadoguerreiro.com

Leia mais

Exemplos práticos de aplicação da sobretaxa

Exemplos práticos de aplicação da sobretaxa Descrição do Cenário: Exemplos práticos de aplicação da sobretaxa Sobretaxa Exemplo 1 (Categoria A) Rendimentos tributáveis: Rendimentos de trabalho dependente (Categoria A), auferindo cada sujeito passivo

Leia mais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais

II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Programa da Componente Profissional Área de Direito Tributário Substantivo e Processual 1.º Ciclo de formação teórico-prática II Curso de Formação para os Tribunais Administrativos e Fiscais Introdução

Leia mais

Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012

Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012 Como fazer o IRS? 10 MARÇO DE 2012 Incidência do IRS O IRS incide sobre os rendimentos obtidos por pessoas singulares RESIDENTES São tributados pela globalidade dos rendimentos obtidos (em Portugal e

Leia mais

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo 3,9% Aumento da receita de IRC (previsão OE 2013 face à receita prevista para 2012) 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Limitação à

Leia mais

Impacto Fiscal da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2013

Impacto Fiscal da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2013 Impacto Fiscal da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2013 ÍNDICE: I. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares 2 II. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 5 III. Imposto sobre

Leia mais

MODELO 3 IRS IMPRESSO 2013 CAMPANHA DE ENTREGA DAS DECLARAÇÕES IRS 2012

MODELO 3 IRS IMPRESSO 2013 CAMPANHA DE ENTREGA DAS DECLARAÇÕES IRS 2012 MODELO 3 IRS IMPRESSO 2013 CAMPANHA DE ENTREGA DAS DECLARAÇÕES IRS 2012 QUEM DEVE APRESENTAR A DECLARAÇÃO Os sujeitos passivos residentes quando estes ou os dependentes que integram o agregado familiar

Leia mais

Tributação dos advogados , delegação de Viana do Castelo

Tributação dos advogados , delegação de Viana do Castelo Tributação dos advogados 04-03-2015, delegação de Viana do Castelo Introdução Tributação dos advogados: - -advogadode empresa categoriaa - IRS regime simplificado cat. B - IRS Contabilidade organizada

Leia mais

CEJ - Seminário sobre Arrendamento Urbano

CEJ - Seminário sobre Arrendamento Urbano CEJ - Seminário sobre Arrendamento Urbano Arrendamento e Direito Fiscal Paula Rosado Pereira Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 15 de abril de 2016 Tributação em IRS dos rendimentos

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade

SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS. 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade SISTEMA TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS 7ª Edição da Pós-Graduação em Fiscalidade Instituto Politécnico de Leiria (E.S.T.G.) Departamento de Gestão e Economia 4 de Novembro 2016 OE 2017 CENÁRIO MACRO-ECONÓMICO FMI

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

C&C logo. exced your expectations! exceed your expectations!

C&C logo. exced your expectations! exceed your expectations! C&C logo exced your expectations! Reforma do IRC Orçamento do Estado 2014 Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Slide 2 Foram recentemente aprovadas a Lei n.º 83-C/2014

Leia mais

O essencial do OE 2013

O essencial do OE 2013 Resumo dos aspectos essenciais do Orçamento do Estado para 2013 Um OE para executar p. 4 / Proposta de lei e Orçamento retificativo p. 9 / IRS p. 12 / Segurança Social p. 20 / IRC p. 23 / IVA e outros

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Leendert Verschoor

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Leendert Verschoor www.pwc.pt Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Leendert Verschoor Grandes Opções do Plano 2012-2015 Alargamento da base tributável e simplificação do sistema fiscal Redução das deduções à

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM A TÍTULO PRINCIPAL ACTIVIDADE COMERCIAL INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 No DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC OE 2017 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director - Proposta de Lei PwC 1 Reporte de prejuízos fiscais Regras de utilização Critério FIFO é eliminado: revoga-se a regra que obriga à dedução ao lucro tributável

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 244/X REGULA AS VANTAGENS FISCAIS OBTIDAS NO CONTEXTO DE OFERTAS PÚBLICAS DE AQUISIÇÃO. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 244/X REGULA AS VANTAGENS FISCAIS OBTIDAS NO CONTEXTO DE OFERTAS PÚBLICAS DE AQUISIÇÃO. Exposição de motivos Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 244/X REGULA AS VANTAGENS FISCAIS OBTIDAS NO CONTEXTO DE OFERTAS PÚBLICAS DE AQUISIÇÃO Exposição de motivos As Ofertas Públicas de Aquisição são procedimentos incontornáveis

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas ANEXO II Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

Proposta de Lei do Orçamento do Estado 2013

Proposta de Lei do Orçamento do Estado 2013 Prpsta de Lei d Orçament d Estad 2013 IRS Principais alterações Partilhams a Experiência. Invams nas Sluções. 17.10.2012 IRS - Principais alterações ÍNDICE Categrias de rendiments Rendiments de trabalh

Leia mais

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC

O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 07 de Fevereiro de 2014 O REGIME SIMPLIFICADO DO IRC Contributos para o exercício de uma correcta opção NOTA: - Opção até 28/02/2014

Leia mais

Regime fiscal dos Residentes não Habituais (RNH)

Regime fiscal dos Residentes não Habituais (RNH) Regime fiscal dos Residentes não Habituais (RNH) SEMINÁRIO DIPLOMÁTICO 2013 PROJETAR PORTUGAL Lisboa, 4 de janeiro de 2013 Fundação Champalimaud Agenda 1. Visão estratégica 2. Principais aspetos do regime

Leia mais

Orçamento de Estado 2013

Orçamento de Estado 2013 Orçamento de Estado 2013 IRS Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, IRC Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, IVA Imposto Sobre o Valor Acrescentado, IESC Impostos Especiais Sobre

Leia mais

26 de setembro de 2014

26 de setembro de 2014 - Rendimentos empresariais e profissionais / rendimentos de capitais e mais-valias João Pedro Santos (Centro de Estudos Fiscais e Aduaneiros - CEF) Conferência sobre A Reforma do IRS IDEFF / FDUL 26 de

Leia mais

Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado e da Reforma do IRC para O OE e a Reforma do IRC 2014

Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado e da Reforma do IRC para O OE e a Reforma do IRC 2014 Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado e da Reforma do IRC para 2014 O OE e a Reforma do IRC 2014 2 PwC A PwC As firmas da PwC colaboram com organizações e pessoas na criação do valor que

Leia mais

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L i Nº 39 / 14 O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L I. Aspectos relevantes do novo regime jurídico Entra hoje em vigor o novo regime da exploração dos estabelecimentos de alojamento local,

Leia mais

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012

IRC e competitividade. António Martins Outubro de 2012 IRC e competitividade António Martins Outubro de 2012 1 1. Competitividade: uma perspetiva pessoal Capacidade de os agentes económicos venderem bens e serviços a preços que o consumidor julgue atrativos

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

Obrigações Fiscais e a relação com o Estado

Obrigações Fiscais e a relação com o Estado Obrigações Fiscais e a relação com o Estado Fernando Almeida Junho 2017 Imposto Sobre o Rendimento IRS IRC Imposto sobre o Valor Acrescentado Segurança Social IRS Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

ANÁLISE ÀS PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS

ANÁLISE ÀS PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS Lisboa, 17 de outubro 2016 PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2017 ANÁLISE ÀS PRINCIPAIS MEDIDAS FISCAIS Pensões até 628 euros sobem 10 euros entre janeiro e julho As pensões até 628 vão sofrer um aumento

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Qual o valor do subsídio de refeição para 2017? Possuo um alojamento local. A que tributação estarei sujeito em 2017?

Qual o valor do subsídio de refeição para 2017? Possuo um alojamento local. A que tributação estarei sujeito em 2017? Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2017 IRS Qual o valor do subsídio de refeição para 2017? Foi atualizado valor do subsídio de refeição diário aplicável a funcionários públicos em 0,25. O valor

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO. 30 de Setembro de Quintela e Penalva - Sessão de Formação

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO. 30 de Setembro de Quintela e Penalva - Sessão de Formação PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Quintela e Penalva - Sessão de Formação 30 de Setembro de 2015 Sumário Pessoas singulares Pessoas colectivas 1 Regime dos residentes não habituais 2 Regime dos

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 8.novembro.2012 Tributação sobre o Património Imobiliário Tributação sobre o Património Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro, cria uma nova taxa em sede

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Julho de IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Julho de IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Julho de 2010 1 IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JULHO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: FISCALIDADE. COORDENADOR: Prof. Dr. Américo Brás Carlos ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE

DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: FISCALIDADE. COORDENADOR: Prof. Dr. Américo Brás Carlos ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E CONTABILIDADE DISCIPLINA: FISCALIDADE COORDENADOR: Prof. Dr. Américo Brás Carlos ÁREA CIENTÍFICA: CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO ANO LECTIVO 2006/2007 A - DESCRIÇÃO A parte

Leia mais

Para o efeito deve utilizar a opção Contribuintes/ Consultar/ IRS /Divergências.

Para o efeito deve utilizar a opção Contribuintes/ Consultar/ IRS /Divergências. 1 2 Como aceder aos seus impostos? Para entregar declarações, consultar os seus impostos e utilizar as restantes funcionalidades disponíveis no site das Declarações Electrónicas www.e-financas. gov.pt,

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

Reforma do IRS Principais medidas do Anteprojeto da Comissão

Reforma do IRS Principais medidas do Anteprojeto da Comissão 22 de julho de 2014 Reforma do IRS Principais medidas do Anteprojeto da Comissão A Comissão para a Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), nomeada pelo Secretário de Estado

Leia mais

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS

MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC IMPOSTO SOBRE RENDIMENTOS Caso Prático nº 4 Determinação da Matéria Colectável Curso EFA NS Técnicas Administrativas Formadora: Dra. Susana Rodrigues Formanda:

Leia mais

Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual

Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual Regime Fiscal do Investidor Residente Não Habitual Este regime foi aprovado em 2009 pelo Decreto-Lei n.º 249/2009, de 23 de Setembro. Trata-se dum regime especial de tributação de rendimentos, com múltiplos

Leia mais

Circular. Face à publicação da Lei n.º 42/2016, de 28 de dezembro, cumpre-nos comunicar as seguintes alterações:

Circular. Face à publicação da Lei n.º 42/2016, de 28 de dezembro, cumpre-nos comunicar as seguintes alterações: Lisboa, 10 de janeiro de 2017 Circular Assunto : Alterações fiscais OE 2017 Exmº(s). Senhor(es) : Face à publicação da Lei n.º 42/2016, de 28 de dezembro, cumpre-nos comunicar as seguintes alterações:

Leia mais

IRS 2012: dedução com habitação limitada a 15% dos juros. pagos. Em 2012, por cada 100 de despesas com juros da habitação

IRS 2012: dedução com habitação limitada a 15% dos juros. pagos. Em 2012, por cada 100 de despesas com juros da habitação IRS 2012: dedução com habitação limitada a 15% dos juros pagos Em 2012, por cada 100 de despesas com juros da habitação própria e permanente será possível deduzir apenas 15. Recorde-se que até 2011 era

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Módulo 4 Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Categoria E - Rendimentos de aplicação de capitais Rendimentos sujeitos (artº 5, CIRS) Essencialmente: Juros e Lucros entre outros:

Leia mais

NOVO MODELO 3 DE IRS

NOVO MODELO 3 DE IRS NOVO MODELO 3 DE IRS EM VIGOR A Portaria n.º 421/2012de 2 1/12, DRn.º247 SérieI - Aprova os novos modelos de impressos a que se refere o n.º 1 do artigo 57.º do Código do IRS Anexos alterados: -Declaração

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível INFORMAÇÃO FISCAL IVA - Imposto sobre o valor acrescentado Características gerais do imposto: É um imposto geral sobre o consumo, já que incide sobre as transmissões de bens, prestações de serviços e importações.

Leia mais

PPR ÚNICO - 7ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma

PPR ÚNICO - 7ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma Mod. RVF692007/01-1012 Plano Poupança Reforma Tipo de Cliente Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. Descrição O PPR Único - 7ª Série é um Plano de Poupança Reforma, que se destina a fomentar

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2017

SEGUROS DE VIDA IRS 2017 SEGUROS DE VIDA IRS 2017 (Lei n.º 42/2016 de 28 de dezembro) generali.pt 2 IRS 2017 - Seguros de Vida Índice I. Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios... 3 2. Tributação dos benefícios... 3 2.1. Indemnizações

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Transferência de Residência CONTEXTO

Transferência de Residência CONTEXTO Transferência de Residência CONTEXTO 2 1 CONTEXTO 3 CONTEXTO GERAL Mercado português possui dimensão reduzida Grave crise económica e incapacidade para atracção de investimento estrangeiro Administração

Leia mais

Lei n.º 42/2016, de 28/12 Lei do Orçamento do Estado para 2017 / LOE2017. Alterações para Código Impostos sobre Património

Lei n.º 42/2016, de 28/12 Lei do Orçamento do Estado para 2017 / LOE2017. Alterações para Código Impostos sobre Património Lei n.º 42/2016, de 28/12 Lei do Orçamento do Estado para 2017 / LOE2017 Alterações para Código Impostos sobre Património Alteração ao Código do Imposto do Selo Inserir a págs. 541 Artigo 2.º 1 a 3 4 (Revogado

Leia mais

REGIME JURÍDICO-FISCAL APLICÁVEL À RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL

REGIME JURÍDICO-FISCAL APLICÁVEL À RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL REGIME JURÍDICO-FISCAL APLICÁVEL À RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL Regime fiscal mais favorável com o objectivo de atrair factores de produção para Portugal A base do regime é a tributação

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

MÓDULO: IRC Imposto sobre Rendimentos

MÓDULO: IRC Imposto sobre Rendimentos ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESÁRIAS MÓDULO: IRC Imposto sobre Rendimentos 06/10/2009 1 EXERCÍCIO Nº 2 Exercício de entidade que não exerce a título principal actividade de natureza comercial, industrial

Leia mais

GUIA PARA SENHORIOS IRS 2015

GUIA PARA SENHORIOS IRS 2015 GUIA PARA SENHORIOS IRS 2015 2ª FASE Ainda não entregou o seu IRS porque tem dúvidas relativamente às novas regras? Nós ajudamos! Visto que este ano há novas regras a ter em conta no momento de preencher

Leia mais

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução Índice PPU CD 1. Introdução 1.1. Contabilidade 1.1.1. Importância da Contabilidade 1.1.2. Plano de Negócios e Orçamento 1.1.3. Contabilidade de Gestão ou Analítica 1.1.4. Os Preparadores da Informação

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2017

ORÇAMENTO DO ESTADO 2017 ORÇAMENTO DO ESTADO 2017 Newsletter Extra IMPORTÂNCIA DA NEWSLETTER A presente Newsletter visa dar a conhecer as novidades na área fiscal e alterações na legislação fiscal. Esta é uma publicação destinada

Leia mais

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma Plano Poupança Reforma Tipo de Cliente Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. Descrição O PPR Único - 3ª Série é um Plano de Poupança Reforma, que se destina a fomentar poupanças para constituição

Leia mais

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma. Direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

Orçamento do Estado para 2003

Orçamento do Estado para 2003 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orçamento do Estado para 2003 Síntese Outubro 2002 1 I. Enquadramento Económico I.1 Enquadramento Internacional em 2002 Retoma da actividade económica não se concretizou com a prevista

Leia mais

Proposta de Lei. Orçamento do Estado 2018 IRS e Segurança Social

Proposta de Lei. Orçamento do Estado 2018 IRS e Segurança Social Proposta de Lei Orçamento do Estado 2018 IRS e Segurança Social IRS e Segurança Social Vales Educação Os valores atribuídos a título de vales educação pela entidade patronal aos seus colaboradores, com

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 41/XIII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º 41/XIII/1.ª PROJETO DE LEI N.º 41/XIII/1.ª REGULA A APLICAÇÃO EM 2016 DE MATÉRIAS FISCAIS CONSTANTES DA LEI QUE APROVOU O ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 Exposição de Motivos De acordo com a Lei de Enquadramento Orçamental

Leia mais

Património vs Indiretos: o dilema

Património vs Indiretos: o dilema www.pwc.pt/orcamentoestado Património vs Indiretos: o dilema Orçamento do Estado 2017 Património PwC 2 Novidades 0,3% 1% Criação do Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (AIMI) de 0,3% sobre a soma

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

Fiscalidade IRS-IRC. Exercícios de Aplicação

Fiscalidade IRS-IRC. Exercícios de Aplicação Fiscalidade IRS-IRC Exercícios de Aplicação EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO Nº 1 - IRS Pretende-se o preenchimento da declaração de IRS com os seguintes dados: Agregado familiar: Pai, mãe e três filhos dependentes,

Leia mais

Poupança e financiamento da economia portuguesa

Poupança e financiamento da economia portuguesa Poupança e financiamento da economia portuguesa Fernando Alexandre (U Minho), Luís Aguiar-Conraria (U Minho), Miguel Portela (U Minho) e Pedro Bação (U Coimbra) Associação Portuguesa de Seguradores 21

Leia mais

d) 400. Justificação:

d) 400. Justificação: 1. Os juros de suprimentos recebidos (pessoas singulares e colectivas): a) São objecto de retenção na fonte à taxa de 15%; b) São objecto de retenção na fonte a uma taxa liberatória de 15%; c) São objecto

Leia mais

ESTRUTURA DA INTERVENÇÃO NO DEBATE ORGANIZADO PELA FENPROF

ESTRUTURA DA INTERVENÇÃO NO DEBATE ORGANIZADO PELA FENPROF ESTRUTURA DA INTERVENÇÃO NO DEBATE ORGANIZADO PELA FENPROF Encontro Nacional de Professores e Educadores Aposentados em 19.4.2012 I A PERDA DO PODER DE COMPRA DAS PENSÕES 2000-2012 ANO Diploma legal Portaria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JULHO 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

- Identificar as formas de tributação aplicáveis aos diferentes tipos de sujeitos passivos

- Identificar as formas de tributação aplicáveis aos diferentes tipos de sujeitos passivos IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO I [12100] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A presente unidade curricular combina o estudo sobre a aplicação e funcionamento do IRS com uma visão ampla da teoria do direito

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA SITUAÇÃO ATUAL E PERSPETIVAS. Francisco Sottomayor 29 de Maio de 2013

REABILITAÇÃO URBANA SITUAÇÃO ATUAL E PERSPETIVAS. Francisco Sottomayor 29 de Maio de 2013 REABILITAÇÃO URBANA SITUAÇÃO ATUAL E PERSPETIVAS Francisco Sottomayor 29 de Maio de 2013 1 Antecendentes Antecedentes A hegemonia da casa própria 1. Incentivos à compra de casa nova: O papel do estado:

Leia mais