Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008"

Transcrição

1 Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medallas de Brasil en los Juegos Olímpicos, 1920 a 2008 Brazil medals in the Olympic Games 1920 to 2008 Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior Resumo O objetivo do estudo foi de determinar a evolução do Brasil nos Jogos Olímpicos no número de medalhas. Os Jogos Olímpicos de 1920 a 1976 o Brasil conquistou 18 medalhas, ocorrendo uma média de 2±0,86 medalhas. Enquanto que de 1980 a 2008 o Brasil obteve 73 medalhas, dando uma média de 9,13±4,67 medalhas. Em conclusão, o Brasil obteve mais medalhas em 1996, 2000, 2004 e Unitermos: Esporte. Jogos Olímpicos. Competição. Abstract The objective of the study was to determine the improvement of the Brazil in Olympic Games of the number of medals. Olympic Games during 1920 to 1976 the Brazil had 18 medals, average of medals of 2±0,86. But during 1980 to 2008 the Brazil had 73 medals in Olympic Games, average of medals of 9,13±4,67. In conclusion, the Brazil had the best number of medals in 1996, 2000, 2004 and Keywords: Sport. Olympic Games. Competition. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 16, Nº 162, Noviembre de / 13 Introdução Os Jogos Olímpicos passaram a ser realizados pelos gregos a partir de 776 antes de Cristo¹. Durante essa manifestação eram interrompidas as guerras a fim de celebrar esse encontro esportivo e religioso, que ocorria de 4 em 4 anos². Porém, após a conquista da Grécia pelos romanos, os jogos foram extintos, em 394 durante Cristo³. Parecendo que nunca mais voltariam porque na Idade Média a atividade física era para a preparação militar, inclusive os esportes, a Justas foi a principal disputa 4. A Idade Média aconteceu entre 395 a Após esse período, no século XIV a XVI, ocorreu o Renascimento na Europa, onde era valorizada a beleza do corpo, tudo estava voltado para o homem, onde se desenvolveu o estudo da anatomia e a Educação Física passou a fazer parte do programa escolar. Mas foi depois do Renascimento, no século XVII ao XIX, que a Educação Física se desenvolveu, vários filósofos e pedagogos se inspiraram nas idéias iluministas e sistematizaram a ginástica, onde apareceram as Escolas de Ginástica 5. As Escolas de Ginástica mais destacadas foram a sueca, a francesa e a alemã, na Inglaterra a atividade física era voltada para disputas entre vencedor e perdedor, acontecendo geralmente apostas. Por exemplo, a tradicional regata entre a Universidade de Oxford e de Cambridge nasceu em uma aposta.

2 O Esporte Moderno surgiu a partir das idéias de Thomas Arnold, no século XIX, na Inglaterra. Quando Arnold dirigia o Colégio Rugby, entre 1828 a 1842, ele resolveu que o jogo deveria possuir um processo educativo através de regras, estando baseado no fair-play 6. Rapidamente essas regras se difundiram na Inglaterra e posteriormente na Europa. Mais tarde surgiram as federações para coordenar as disputas inglesas. O francês Coubertain inspirado em Arnold, no final do século XIX, precisamente em 1892, resolveu restaurar os Jogos Olímpicos porque seria um meio de preservar a paz mundial. Por causa dos esforços de Coubertain, 1896 foi realizado o 1º Jogos Olímpicos da Era Moderna, em Atenas, na Grécia. Inicialmente a Olimpíada era com poucas modalidades e as provas mudavam conforme a cultura esportiva do país. Aos poucos, os Jogos Olímpicos começaram ficar mais organizados e através da Norma 44 da Carta Olímpica, o esporte só era olímpico se tivesse grande prática em diversos países 7. Foi nos Jogos Olímpicos de Helsinque, Finlândia, 1952, que apareceu a contagem de medalhas, o COI não reconhece essa regra, a mídia capitalista liderada pelos Estados Unidos para mostrar superioridade do seu regime político sobre o bloco socialista, liderado pela União Soviética, passou a quantificar as medalhas e atribuir colocações dos países nos Jogos Olímpicos 8. Terminado os Jogos Olímpicos de 52, os Estados Unidos conquistaram 40 medalhas de ouro, 18 de prata, 17 de bronze e totalizando 75 medalhas, enquanto que a União Soviética obteve 22 de ouro, 30 de prata, 19 de bronze, dando um total de 71 medalhas. Logo, a mídia capitalista adotou como critério de contagem de medalhas apenas as de ouro, a de prata e a de bronze eram apenas para desempate. Esse tipo de contagem de medalhas foi realizado pela mídia capitalista porque a União Soviética ficou atrás dos Estados Unidos por 4 medalhas, enquanto que a quantificação das medalhas de ouro a superioridade norte americana era bem maior, dando uma diferença 18 medalhas. Portanto, em 52, os Estados Unidos foram os vencedores dos Jogos Olímpicos, ficando com ampla vantagem de medalhas de ouro sobre a 2ª colocada, a União Soviética. Essa disputa entre Estados Unidos e União Soviética só se intensificou nos Jogos Olímpicos, era o momento da Guerra Fria. O Brasil iniciou sua participação nos Jogos Olímpicos em 1920, a equipe de tiro foi financiada por um jornal, conseguindo êxito, obteve 3 medalhas. Porém, na maioria das participações essa nação consegue poucas medalhas. O avanço do número de medalhas começou na Olimpíada de 1980, com 2 ouros e 2 de bronzes, dando um total de 4. Contudo, quando esse resultado é comparado com outros países, deixa muito a desejar. A justificativa de alguns dirigentes para o baixo desempenho nas Olimpíadas é a verba escassa, população pobre é a falta de centros olímpicos 9, após o Pan-Americano de 2007, no Rio de Janeiro, as instalações para formar atletas continuam pouco aproveitadas. Será que esse é mesmo o problema? Ou é melhor organizar o esporte a partir da escola e depois encaminhar os talentos para os centros de treinamento. Não se sabe, mas nos países com mais medalhas olímpicas e com pouca verba para o esporte, o caso de Cuba, o esporte de rendimento é tratado dessa maneira 10.

3 Após as Olimpíadas de 2008, o Comitê Olímpico Brasileiro realizou seus cálculos sobre a quantidade de medalhas, total de 15, e informou que o Brasil teve um avanço considerável nas Olimpíadas de Pequim. Segundo os dirigentes dessa instituição: Temos tudo para nos tornarmos uma potência olímpica. Poderíamos ganhar mais medalhas em 2008, faltou um trabalho psicológico. Por exemplo, era esperado no mínimo duas medalhas da ginástica artística, uma medalha do voleibol na areia feminino, no mínimo mais duas medalhas do judô, o Brasil tinha 3 campeões mundiais, somente um subiu no pódio, o salto com vara feminino foi prejudicado, talvez um bronze poderíamos ter ganho e o hipismo decepcionou, era esperado uma medalha. Somando as 15 medalhas com as derrotas inesperadas, o Brasil poderia ter conquistado um total de 22 medalhas, um avanço mais significativo nos Jogos Olímpicos. Contudo, para realmente uma instituição esportiva afirmar que ocorreu uma melhora significativa precisa se basear na estatística inferencial para determinar a melhora ou decréscimo do fenômeno estudado 11. Será que entre 1920 a 2008 o Brasil conseguiu um progresso significativo na conquista de medalhas olímpicas? Consultando algumas referências sobre o Brasil na Olimpíada, nada é informado 12,13, somente foi pesquisado o desempenho dos brasileiros na Paraolimpíada 14. Por causa dessa literatura inexistente, o objetivo do estudo foi de determinar a evolução do Brasil nos Jogos Olímpicos no número de medalhas. Método Para determinar a amostra do estudo foi acessado o site em 21 de março de 2009 sobre o número de medalhas ganhas pelo Brasil em cada Olimpíada e os esportes que conquistaram medalha nesse evento. Também foi encontrado no site o tipo de medalha (ouro, prata e bronze) por esporte e o total de medalhas de ouro, prata e bronze conquistadas pelo Brasil. Os resultados foram apresentados pela média, desvio padrão e total. A diferença do número de medalhas do Brasil em cada Olimpíada (Obs.: Foram excluídas dessas análises os anos de 24, 28, 32 e 36 porque o Brasil não obteve medalha) foi calculada pela a Anova one way de medidas repetidas com resultados aceitos com nível de significância de p 0,05. O post hoc Bonferroni determinou a diferença das médias aceitando um nível de significância de p 0,05. A diferença do número de medalhas do Brasil durante o período olímpico de 1920 a 1976 quando comparado com 1980 a 2008 foi realizada, utilizando o teste t independente com resultados aceitos com nível de significância de p 0,05. A diferença da quantidade de medalhas olímpicas brasileiras por esporte foi calculada pela a Anova one way com resultados aceitos com nível de significância de p 0,05. O post hoc Scheffé determinou a diferença das médias aceitando um nível de significância de p 0,05. A diferença do tipo de medalha (ouro, prata e bronze) ganha

4 pelo Brasil nos Jogos Olímpicos foi calculada pela a Anova one way com resultados aceitos com nível de significância de p 0,05. O post hoc Scheffé determinou a diferença das médias aceitando um nível de significância de p 0,05. Todos os dados estatísticos foram calculados conforme os procedimentos do SPSS 14.0 para Windows. Resultados e discussão O Brasil em 17 participações olímpicas conquistou 20 medalhas de ouro, 25 de prata, e 46 de bronze, dando um total de 91 medalhas. Em cada Olimpíada o Brasil obteve a seguinte média e desvio padrão de medalhas, sendo mostrado na tabela 1: Tabela 1. Estatística descritiva das medalhas brasileiras em Jogos Olímpicos

5 A Anova one way de medidas repetidas não encontrou diferença significativa no número de medalhas olímpicas ganhas pelo Brasil em cada Olimpíada, F (2,4) = 3,38, p = 0,14. A figura 1 mostra o total de medalhas e a média de cada ano nos Jogos Olímpicos. O leitor pode observar a seguir: Figura 1. Número de medalhas do Brasil em cada JJ.OO. O número de medalhas olímpicas de 1920 a 1976 foi muito baixo, começando melhorar a partir de Porém, a quantidade de medalhas de 1980 a 2008 ainda está longe das principais potências olímpicas. Segundo Barbanti, Tricoli e Ugrinowitsch 15, a Educação Física brasileira começou a se desenvolver cientificamente a partir dos anos 80 com a chegada dos primeiros Professores do exterior com o título de Mestre ou Doutor. Baseado nessas informações, talvez esse ocorrido tenha refletido no maior número de medalhas nos Jogos Olímpicos a partir da década de 80. Oliveira 16 informou que nos anos 70 o Brasil teve um convênio com a Alemanha Ocidental, nesse curso os técnicos brasileiros aprenderam com os alemães a periodização de Matveev e testes físicos. Outra informação que mostra o aumento do conhecimento científico dos professores de Educação Física do Brasil, contribuindo para um maior número de medalhas na Olimpíada de 80, 84 e 88. O Brasil teve um avanço no ganho de medalhas nos anos 80, mas não foi significativo (p>0,05). Entretanto, na Olimpíada de 1992, a quantidade de medalhas teve um decréscimo (obteve 3 medalhas). Consultando Tubino 17, em 1989 a lei de incentivo fiscal para o esporte foi extinta, podendo ser essa uma das causas do péssimo desempenho do Brasil em Mas de 1996 a 2008, o Brasil obteve os seus melhores desempenhos de medalhas em Olimpíadas. Quais fatores contribuíram para essa melhora nos Jogos Olímpicos?

6 Alguns acontecimentos no esporte brasileiro contribuíram diretamente ou indiretamente com esse aumento de medalhas. Ocorreu o retorno da lei de incentivo fiscal para o esporte em , os técnicos tiveram um avanço do seu conhecimento científico para prescrever o treino, hoje treinadores campeões olímpicos escrevem até para periódicos 19, sabe-se como ter controle da carga através de testes físicos 20, a literatura nacional ensina vários modelos de periodização, inclusive já foi criada uma periodização no Brasil 21, a periodização de cargas seletivas, que foi pesquisada para saber sua eficácia no treinamento 22, a informação científica sobre esporte é constante com a implantação dos periódicos online 23,24 e outros. Porque o número de medalhas foi inferior entre 1920 a 1976? A causa exata não é sabida. Kaizer 25 afirmou que os primeiros professores de Educação Física foram formados em O escasso conhecimento científico da época e a desorganização do esporte nos anos 20 e 30, contribuíram para o número reduzido de medalhas nas Olimpíadas de 20 (somente 3), e piorando ainda mais a participação brasileira nos jogos de 24, 32 e 36, o Brasil não ganhou nenhuma medalha. Melo 26 informou que nos anos 30 o esporte ainda era pouco praticado no Brasil. Provavelmente isso acarretou numa participação fraca na Olimpíada de 48, somente 1 medalha. Outro fator que agravou ainda mais o desempenho brasileiro foi o recente término da 2ª Guerra Mundial em 45. Os anos 50 a principal modalidade no Brasil era o futebol, mas jogadores profissionais não podiam disputar os Jogos Olímpicos de 52 e 56, não contribuindo para uma participação expressiva dessa modalidade. Na década de 50 a Educação Física brasileira estava na tendência Pedagogicista, visava a promoção da saúde e utilizava o esporte, a dança e outros como meio educativo do aluno 27. Portanto, nessa época a Educação Física visava formar o cidadão. Então, a atenção no esporte de rendimento não era prioridade neste momento, ocasionando um desempenho brasileiro muito fraco na Olimpíada de 52 (3 medalhas) e 56 (1 medalha). Todavia, progressivamente o esporte competitivo começou a ter mais atenção nas aulas de Educação Física. Após o golpe militar de 1964 a Educação Física no Brasil passou por outra tendência, a Competitivista 28. A Educação Física Competitivista aconteceu de 64 até os anos 70, sua atenção era para o esporte de alto rendimento, onde as aulas visavam a perfeição dos movimentos e não respeitavam a individualidade do aluno, eram tecnicistas 29. Os melhores alunos no esporte eram aproveitados para os jogos estudantis e os demais o professor excluía da atividade. A nota dos alunos na aula de Educação Física era baseada na perfeição do gesto esportivo e no resultado dos testes físicos. A Educação Física deu ênfase ao esporte de rendimento, mas o número de medalhas nos Jogos Olímpicos continuou pequeno nesse período (60, 64, 68, 72 e 76).

7 Nos Jogos Olímpicos de 1920 a 1976 o Brasil conquistou 18 medalhas, ocorrendo uma média de 2±0,86 medalhas em nove edições olímpicas. Enquanto que de 1980 a 2008 o Brasil obteve 73 medalhas, dando uma média de 9,13±4,67 medalhas em oito eventos olímpicos. Subtraindo o valor de medalhas de 1980 a 2008 por 1920 a 1976 foi encontrado um resultado de 55 medalhas. Portanto, de 1980 a 2008 a participação brasileira nas Olimpíadas foi muito melhor. Mas para ser conclusivo com essas afirmações é fundamental uma estatística inferencial para comparar essas duas épocas. A diferença do número de medalhas do Brasil durante o período olímpico de 1920 a 1976 quando comparado com 1980 a 2008 foi realizado, o teste t independente detectou diferença significativa (p 0,05), t (15) = - 4,50. A figura 2 expõe as medalhas dessas duas épocas: Figura 2. Número de medalhas olímpicas do Brasil durante 1920 a 1976 e 1980 a 2008 O Brasil ganhou 20 medalhas de ouro, 25 de prata e 46 de bronze nos Jogos Olímpicos. Em 17 participações olímpicas, isso corresponde uma média de 1,82±2,18 ouros, 2,27±2,14 pratas e 4,18±3,12 bronzes. A Anova one way não encontrou diferença significativa (p>0,05) nas medalhas de ouro, prata e bronze ganhas pelo Brasil, F (2,30) = 2,71. A figura 3 mostra essas medalhas:

8 Figura 3. Medalha de ouro, prata e bronze do Brasil nos Jogos Olímpicos Essa diferença não significativa (p>0,05) no tipo de medalhas está baseada na pouca tradição olímpica que o Brasil possui. Como era previsto, um país com poucos êxitos olímpicos geralmente consegue mais medalhas de bronze e tendo menos ouro por causa da alta dificuldade de atingir o 1º posto. As medalhas olímpicas ganhas pelo Brasil em cada esporte mostram que o país é bem desenvolvido nos esportes coletivos com bola, nas lutas, na natação e no atletismo. A vela apesar de conseguir muitas medalhas ainda não é difundida no Brasil por causa do seu alto custo. A tabela 2 mostra a estatística descritiva das medalhas olímpicas por esporte:

9 Tabela 2. Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos conforme o esporte A Anova one way não encontrou diferença significativa (p>0,05) nas medalhas por esporte, F (10,22) = 2. A figura 4 apresenta por modalidade o tipo de medalhas olímpicas (ouro, prata e bronze), o total de medalhas e a média. O leitor pode observar a seguir:

10 Figura 4. Medalhas Olímpicas de acordo com o esporte Apesar de Anova one way não ser significativa (p>0,05), os bons resultados olímpicos no voleibol (quadra e dupla na areia), o sucesso do basquete e as boas colocações no futebol, mesmo sem as seleções masculinas darem a mesma atenção para a Olimpíada do que para a Copa do Mundo, credenciam o que Tubino17 afirmou, o Brasil possui vocação esportiva para modalidades coletivas com bola. O voleibol, o basquete e o futebol conquistaram um total de 27 medalhas olímpicas para o Brasil, sendo que 5 foram de ouro, 12 de prata e 10 de bronze. Apenas o handebol não conseguiu nenhuma medalha olímpica. A vela apesar de não ser difundida no nosso país, possui mais medalhas de ouro, 6. Mostrando que o país possui bons velejadores, depende da qualidade e não da quantidade de

11 atletas para conseguir medalhas olímpicas. O judô geralmente consegue bons resultados na Olimpíada, isso comprova a tradição que o Brasil possui nessa arte marcial de origem japonesa. Sendo uma das mais praticadas em nosso país. Os dois esportes cíclicos, o atletismo e a natação, o Brasil conseguiu um número relevante de medalhas olímpicas, somando as medalhas dessas duas modalidades o país obteve um total de 25. Os esportes brasileiros com menos medalhas olímpicas são constituídos pelo tiro, hipismo, boxe e taekwondô, dando um total de 8 medalhas. Através desse artigo o leitor conheceu a evolução do Brasil nos Jogos Olímpicos no número de medalhas. Considerações finais O número de medalhas do Brasil começou aumentar significativamente (p 0,05) a partir dos anos 80, mas os resultados mais expressivos foram na Olimpíada de 96, 00, 04 e 08. Entretanto, foi evidenciado que o número de medalhas em cada Olimpíada não tem diferença significativa (p>0,05), então a análise do COB sobre os Jogos Olímpicos de 2008 foi um equívoco porque os resultados desses jogos não foram superiores do que os demais. Também nesse estudo foi detectado que o tipo de medalha (ouro, prata e bronze) não possui diferença significativa (p>0,05), mas o Brasil ganhou mais medalhas de bronze. Em relação às medalhas por esporte, não foi encontrada diferença significativa (p>0,05), mas a maior concentração de medalhas, total de 83, foi ganha pelos esportes coletivos com bola (voleibol quadra e areia, basquetebol e futebol), por duas modalidades cíclicas (atletismo e natação), pela vela e pelo judô. Mostrando que nesses esportes o atleta brasileiro é muito bom. Referências 1. Möller R (2008). História do esporte e das atividades físicas. São Paulo: Ibrasa, p Tubino M (1987). Teoria geral do esporte. 3ª ed. São Paulo: Ibrasa, p Capinussú J (2007). A política nos Jogos Olímpicos. Rev Educ Fís (136): Capinussú J (2005). Atividade física na Idade Média: bravura e lealdade acima de tudo. Rev Educ Fís (131): Sigoli M, Rose Junior D (2004). A história do uso político do esporte. Rev Bras Ciên Mov 12(2): Rubio K (2002). Do Olimpio ao Pós-Olimpismo: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Rev Paul Educ Fís 16(2): Capinussú J (2004). Jogos Olímpicos: admissão segundo o regulamento ou por critério políticos? Rev Educ Fís (128):33-36.

12 8. Tubino M, Garrido F, Tubino F (2004). Brasil: potência esportiva Pan- Americana. Belo Horizonte: Casa da Educação Física, p Dantas E, Portal M, Santos L (2004). Plano de expectativa individual. Rev Min Educ Fís 12(2): Correia da Silva T (2003). Programa de revelação de aptidões e capacidades desportivas de atletas portadores de altas habilidades no futebol brasileiro: do senso comum instintivo à metacognição intuitiva. 220 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Motricidade Humana) - UCB, Rio de Janeiro. 11. Marques Junior N (2007). Teste de força bio-operacional e bio-estrutural para a saúde e para a performance. Mov Percep 8(11): Ribeiro J. et alii (1998). O voleibol feminino no Brasil. A seleção feminina de voleibol rumo a Atlanta. Rev Educ Fís (123): Revista Olímpica Brasileira (1993). COB 2(2): Costa A, Santos S (2002). Participação do Brasil nos Jogos Paraolímpicos. Rev Bras Med Esp 8(3): Barbanti V, Tricoli V, Ugrinowitsch C (2004). Relevância do conhecimento físico na prática do treinamento físico. Rev Paul Educ Fís 18(n. esp.): Oliveira P (2008). Periodização contemporânea do treinamento desportivo. São Paulo: Phorte, p Tubino M (1996). O esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Ibrasa, p , Tubino M (2002). 500 anos de legislação esportiva brasileira: do Brasil-Colônia ao início do século XXI. Rio de Janeiro: Shape. p. 109, Borin J, Prestes J, Moura N (2007). Caracterização, controle e avaliação do treinamento. Rev Trein Desp 8(1): Borin J, Gomes A, Lieite G (2007). Preparação desportiva: aspectos do controle da carga de treinamento nos jogos coletivos. Rev Educ Fís/UEM 18(1): Gomes A (2002). Treinamento desportivo: estruturação e periodização. Porto Alegre: Artmed. p Moreira A. et alii (2005). Sistema de cargas seletivas no basquetebol durante um mesociclo de preparação: implicações sobre a velocidade e as diferentes manifestações de força. Rev Bras Ciên Mov 13(3): Moreira A (2008). Testes de campo para monitorar desempenho, fadiga e recuperação em basquetebolistas de alto rendimento. Rev Educ Fís/UEM 19(2): Moreira A. et alii (2008). Análise de diferentes modelos de estruturação da carga de treinamento e competição no desempenho de basquetebolistas no Yo- Yo Intermittent Endurance Test. Rev Bras Ciên Esp 29(2):

13 25. Kaizer C (2006). Educação física: um tema adormecido que precisa ser despertado. Cad Educ Fís 6(11): Melo V (2006). História da educação física e do esporte no Brasil. São Paulo: Ibrasa. p Ghiraldelli Junior P (2001). Educação física progressista. São Paulo: Loyola, p Bernardes M (2002). Iniciação científica na organização do ensino superior: uma atividade coletiva na formação profissional. Rev Corpoconsc (10): Parâmetros Curriculares Nacionais (1997). Educação física. Brasília: MEC. p

Medalhas nos Jogos Olímpicos: estatura das seleções do voleibol brasileiro

Medalhas nos Jogos Olímpicos: estatura das seleções do voleibol brasileiro Medalhas nos Jogos Olímpicos: estatura das seleções do voleibol brasileiro Las medallas en los Juegos Olímpicos: la estatura de las selecciones de voleibol brasileño Medals in the Olympic Games: stature

Leia mais

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre

Leia mais

AS MEDALHAS DO BRASIL OLIMPÍADAS 2016

AS MEDALHAS DO BRASIL OLIMPÍADAS 2016 AS MEDALHAS DO BRASIL OLIMPÍADAS 2016 ******************************************************** ************ No esporte, existem campeões e existem heróis. Campeões vencem porque são bons no que fazem e

Leia mais

Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011

Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011 Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011 Estatura de los jugadores brasileños de voleibol en la arena masculino de alto nivel, 1987 a 2011 Height of the Brazilian

Leia mais

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura de las jugadoras brasileñas de alto rendimiento de voleibol en la arena, 1993 a 2010 Height of the Brazilian female

Leia mais

ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR.

ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR. ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR. Todo planejamento deve iniciar-se através da identificação das variáveis intervenientes no processo de preparação da estrutura do treinamento.

Leia mais

Para atenuar os efeitos da inflação sobre a moeda, todos os valores foram corrigidos com o índice IGP-M, calculado entre dezembro do ano em questão a

Para atenuar os efeitos da inflação sobre a moeda, todos os valores foram corrigidos com o índice IGP-M, calculado entre dezembro do ano em questão a Para atenuar os efeitos da inflação sobre a moeda, todos os valores foram corrigidos com o índice IGP-M, calculado entre dezembro do ano em questão a dezembro de 2011. Aprovados Liberados Orçamento geral

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

Critério para escolha dos Melhores do Ano Jogos Escolares de Minas Gerais

Critério para escolha dos Melhores do Ano Jogos Escolares de Minas Gerais Critério para escolha dos Melhores do Ano Jogos Escolares de Minas Gerais Apresentação Critérios para escolha dos melhores do ano, em cada modalidade, módulo e naipe, será de acordo com o Regulamento Geral

Leia mais

Jogos Olímpicos Rio Luiza, Laura, Bruna, Carolina S., João Batista, Ronnie e Eduardo

Jogos Olímpicos Rio Luiza, Laura, Bruna, Carolina S., João Batista, Ronnie e Eduardo Jogos Olímpicos Rio 2016 Luiza, Laura, Bruna, Carolina S., João Batista, Ronnie e Eduardo Mascotes da Olimpíadas de Pequim 2008 Beibei,Jingjing, Haunhaun, Yingying e Nini Mascotes dos Jogos Olímpicos Londres

Leia mais

Jogos Olímpicos Vôlei. Jelena Bozovic, Ana Carolina Russo, Fernanda Verde, Carolina Bellato, Noemi da Silva, Rafaela Murbach

Jogos Olímpicos Vôlei. Jelena Bozovic, Ana Carolina Russo, Fernanda Verde, Carolina Bellato, Noemi da Silva, Rafaela Murbach Jogos Olímpicos Vôlei Jelena Bozovic, Ana Carolina Russo, Fernanda Verde, Carolina Bellato, Noemi da Silva, Rafaela Murbach O que são os Jogos Olímpicos? Jogos Olímpicos é o nome dado a um evento que reúne

Leia mais

Sugestão da divisão do voleibol por categorias de estatura

Sugestão da divisão do voleibol por categorias de estatura Sugestão da divisão do voleibol por categorias de estatura Suggestion of the division of the volleyball by height categories Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Interpretação de texto 3 ano para imprimir

Interpretação de texto 3 ano para imprimir Interpretação de texto 3 ano para imprimir Interpretação de texto 3 ano para imprimir Atividades de interpretação de texto 3 ano do ensino fundamental para imprimir que possibilita a leitura e a compreensão

Leia mais

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A BOXE Introdução Na antiguidade, antes mesmo das civilizações grega e romana, há indícios arqueológicos que indicam que o homem praticava lutas usando as mãos, desferindo

Leia mais

Marco Antônio Santos Maia Presidente da FGDE

Marco Antônio Santos Maia Presidente da FGDE RETROSPECTIVA 2016 A desenvolveu vários eventos durante o ano, nas modalidades de: Atletismo, Basquetebol, Basquete 3x3, Futebol, Futsal, Handebol, Natação, Tênis de Mesa, Voleibol, Vôlei de Praia, além

Leia mais

Olimpíada Rio "Voleibol, um jogo que é ouro"

Olimpíada Rio Voleibol, um jogo que é ouro Olimpíada Rio 2016 "Voleibol, um jogo que é ouro" Olimpiadas Investimento Segundo informações da Autoridade Pública Olímpica (APO), os gastos com os jogos eram estimados em R$ 28,8 bilhões quando a candidatura

Leia mais

Olimpiadas. Callel duarte Nº 6, Eduardo Sanchez Nº 8, Bruno buschinelli Nº 4, rafael Dùrso Nº 28, felipe Paschoal Nº 9

Olimpiadas. Callel duarte Nº 6, Eduardo Sanchez Nº 8, Bruno buschinelli Nº 4, rafael Dùrso Nº 28, felipe Paschoal Nº 9 Olimpiadas Callel duarte Nº 6, Eduardo Sanchez Nº 8, Bruno buschinelli Nº 4, rafael Dùrso Nº 28, felipe Paschoal Nº 9 O que São os Jogos Olímpicos? Os Jogos Olímpicos são eventos com vários esportes mundiais

Leia mais

Eduardo Devés Universidad de Santiago / Instituto de Estudios Avanzados, Chile CUERPO DIRECTIVO. Director

Eduardo Devés Universidad de Santiago / Instituto de Estudios Avanzados, Chile CUERPO DIRECTIVO. Director CUERPO DIRECTIVO Director Carlos Túlio da Silva Medeiros Instituto Federal Sul-rio-grandense, Brasil Sub Director Francisco Giraldo Gutiérrez Instituto Tecnológico Metropolitano, Colombia Editores Isabela

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE EDILTON JUNIOR SILVA JOÃO PEDRO MARQUES JULIANA NÓBREGA JATOBÁ JOGOS OLÍMPICOS 2016 Patrocínio e Lei de Incentivo ao Esporte Orientadora: Profª. Drª. Rosângela M.

Leia mais

Futebol nas Olimpíadas 2016 Autores: Antonio B, Rodrigo A, Gustavo S, Gustavo A, Lucas B Matheus G.

Futebol nas Olimpíadas 2016 Autores: Antonio B, Rodrigo A, Gustavo S, Gustavo A, Lucas B Matheus G. Futebol nas Olimpíadas 2016 Autores: Antonio B, Rodrigo A, Gustavo S, Gustavo A, Lucas B Matheus G. Oque são os jogos olímpicos Jogos Olímpicos são um evento multiesportivo mundial com modalidades de verão

Leia mais

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 La Copa del Mundo de Fútbol: rendimiento de los países sedes, 1930 a 2010 Soccer World Cup: performance of the home countries, 1930 to

Leia mais

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Los fundamentos practicados por el bloqueador del voleibol en la arena Skills practices by block player of the sand volleyball Mestre em Ciência

Leia mais

Ginástica Olímpica. Sexto esporte em audiência na mídia, Quarto esporte em audiência entre o público feminino;

Ginástica Olímpica. Sexto esporte em audiência na mídia, Quarto esporte em audiência entre o público feminino; Ginástica Olímpica Sexto esporte em audiência na mídia, Quarto esporte em audiência entre o público feminino; 10% das mulheres entre 18 e 24 anos e 11% das mulheres entre 45 e 59 anos, assistem ou acompanham

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ESPORTE - EEFEUSP - ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

DEPARTAMENTO DE ESPORTE - EEFEUSP - ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO GEPETIJ GRUPO DE ESTUDO E PESQUISA EM ESPORTE E TREINAMENTO INFANTO-JUVENIL GEPAE GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM GESTÃO DO ESPORTE DEPARTAMENTO DE ESPORTE - EEFEUSP - ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE

Leia mais

30 anos de voleibol brasileiro: 1982 a años de voleibol brasileño: 1982 a 2012

30 anos de voleibol brasileiro: 1982 a años de voleibol brasileño: 1982 a 2012 30 anos de voleibol brasileiro: 1982 a 2012 30 años de voleibol brasileño: 1982 a 2012 *Seção de Educação Física, Corpo de Cadetes da Aeronáutica Academia da Força Aérea, Pirassununga, São Paulo Equipe

Leia mais

Olimpíadas é tema da agenda do professor para 2016

Olimpíadas é tema da agenda do professor para 2016 Olimpíadas é tema da agenda do professor para 2016 De 5 a 21 de agosto do ano que vem serão realizados os jogos olímpicos 2016 na cidade do Rio de Janeiro. O evento contará com a participação de 10.500

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS. 6 Ano

DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS. 6 Ano DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS 6 Ano 7 Ano 8º Ano 9º Ano Favorecer aos estudantes a aquisição dos conhecimentos básicos dos esportes de forma prazerosa. Desenvolver relações equilibradas e construtivas

Leia mais

LEI AGNELO PIVA CRITÉRIOS DE REPASSE DE RECURSOS PARA AS CONFEDERAÇÕES BRASILEIRAS

LEI AGNELO PIVA CRITÉRIOS DE REPASSE DE RECURSOS PARA AS CONFEDERAÇÕES BRASILEIRAS LEI AGNELO PIVA CRITÉRIOS DE REPASSE DE RECURSOS PARA AS CONFEDERAÇÕES BRASILEIRAS 2018-2020 Rio de Janeiro, 24 outubro 2017 PRINCIPAIS CONCEITOS 1 2 3 4 5 6 7 Reavaliação e AJUSTES nos CRITÉRIOS utilizados

Leia mais

GABARITO DO CADERNO DE ALUNO PARA O PROFESSOR

GABARITO DO CADERNO DE ALUNO PARA O PROFESSOR GABARITO DO CADERNO DE ALUNO PARA O PROFESSOR Prezado Professor O Caderno do Aluno é mais um instrumento para servir de apoio ao seu trabalho e ao aprendizado do aluno. Elaborado a partir do Caderno do

Leia mais

EC PINHEIROS PROJETO COLETIVOS

EC PINHEIROS PROJETO COLETIVOS EC PINHEIROS PROJETO COLETIVOS ESPORTE CLUBE PINHEIROS NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM 113 ANOS de existência umas das instituições mais tradicionais do país, oferecendo atividades esportivas, sociais e culturais

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA NO SÉCULO XIX. Prof. Bruno Pedroso

A EDUCAÇÃO FÍSICA NO SÉCULO XIX. Prof. Bruno Pedroso A EDUCAÇÃO FÍSICA NO SÉCULO XIX Prof. Bruno Pedroso Esses fatores conduziram para uma atenção maior à atividade física. Nesse sentido, quatro correntes caracterizaram a história da Educação Física durante

Leia mais

HISTÓRICO DE FILIAÇÃO UFLA

HISTÓRICO DE FILIAÇÃO UFLA Fundada em 03/05/1938, Oficializada pelo decreto 3617/945. Nomeada Entidade Pública Municipal e Estadual. Filiada a CBDU (Confederação Brasileira do Desporto Universitário). HISTÓRICO DE FILIAÇÃO UFLA

Leia mais

Histórico de Medalhas, Atletas e Modalidades Paralímpicas PORTUGAL

Histórico de Medalhas, Atletas e Modalidades Paralímpicas PORTUGAL Histórico de Medalhas, Atletas e Modalidades Paralímpicas PORTUGAL Igualdade, Inclusão & Excelência Desportiva Departamento Técnico, Setembro de Índice Introdução... Medalhas... Gráficos de Medalhas...

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

Bem vindos! Bienvenido! Welcome!

Bem vindos! Bienvenido! Welcome! Bem vindos! Bienvenido! Welcome! A relação entre a Academia e os Treinadores Andre Rodacki Universidade Federal do Paraná - Departamento de Educação Física; CAPES Ministério da Educação Modelo SPLISS Sport

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

Marcos Fernandes Alves Idade: 47 anos Grau: Ib

Marcos Fernandes Alves Idade: 47 anos Grau: Ib Marcos Fernandes Alves Idade: 47 anos Grau: Ib Marcos Fernandes, mais conhecido no meio hípico por Joca, foi cavaleiro profissional durante alguns anos e após sofrer um acidente ficou paraplégico. Mesmo

Leia mais

E de 11 a 29 de agosto, pessoas do mundo inteiro acompanham, em sua. dos seus países na disputa pelo o ouro olímpico em 28 modalidades esportivas.

E de 11 a 29 de agosto, pessoas do mundo inteiro acompanham, em sua. dos seus países na disputa pelo o ouro olímpico em 28 modalidades esportivas. OLIMPÍADAS 2004 Em Atenas... Os primeiros Jogos Olímpicos do século XXI e do terceiro milênio são uma ligação entre o passado e o futuro. Com o retorno para a Grécia, os Jogos Olímpicos de 2004 em Atenas

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 2 ano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 SURGIMENTO DOS JOGOS

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 2 ano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 SURGIMENTO DOS JOGOS COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 2 ano Semana de 8 a 12 de agosto de 2016 Troca do livro 2 A, B e C terça-feira Segunda-feira Curitiba, 8 de agosto de 2016. Leia o texto e

Leia mais

Ouro olímpico: credibilidade no futebol feminino supera a do masculino em Londres

Ouro olímpico: credibilidade no futebol feminino supera a do masculino em Londres Ouro olímpico: credibilidade no futebol feminino supera a do masculino em Londres Lucas Almeida As Olimpíadas, uma das competições mais tradicionais da história, tiveram início na Grécia Antiga em 776

Leia mais

Natação Principais Resultados da Base: No Estadual Junior, o clube conquistou um total de 8 ouros, 6 pratas e 5 bronzes.

Natação Principais Resultados da Base: No Estadual Junior, o clube conquistou um total de 8 ouros, 6 pratas e 5 bronzes. Resultados 2014 Natação 2014 Principais Resultados da Base: No Estadual Junior, o clube conquistou um total de 8 ouros, 6 pratas e 5 bronzes. Francisco Lobo nos jogos escolares conquistou 2 medalhas de

Leia mais

COLORIR TRABALHO COM ENSINO RELIGIOSO

COLORIR TRABALHO COM ENSINO RELIGIOSO DESENHOS BÍBLICOS PARA COLORIR TRABALHO COM ENSINO RELIGIOSO DESENHOS BÍBLICOS PARA COLORIR DESENHOS BÍBLICOS PARA COLORIR TRABALHO COM ENSINO RELIGIOSO Baixe diversos desenhos Bíblicos para colorir. São

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. AULA: 11.1 Conteúdo: A copa do Mundo de futebol

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. AULA: 11.1 Conteúdo: A copa do Mundo de futebol 2 EDUCAÇÃO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 11.1 Conteúdo: A copa do Mundo de futebol 2 EDUCAÇÃO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 11.1 Habilidades:

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA E A NATAÇÃO: UMA ANÁLISE DE 2005 A 2015

RELAÇÕES ENTRE O PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA E A NATAÇÃO: UMA ANÁLISE DE 2005 A 2015 RELAÇÕES ENTRE O PROGRAMA FEDERAL BOLSA-ATLETA E A NATAÇÃO: UMA ANÁLISE DE 2005 A 2015 ORDONHES, Mayara Torres (Educação Física/UFPR) LUZ, Wallinson Ramos Sant ana da (Educação Física/UFPR) CAVICHIOLLI,

Leia mais

Jogos Paralímpicos Rio Ministério do Esporte Fotos: CPB, Rio2016 e Brasil2016

Jogos Paralímpicos Rio Ministério do Esporte Fotos: CPB, Rio2016 e Brasil2016 Jogos Paralímpicos Rio 2016 Ministério do Esporte Fotos: CPB, Rio2016 e Brasil2016 Edição grandiosa das Paralímpiadas 2,1 milhões de ingressos vendidos, superando Pequim 2008 e atrás apenas de Londres

Leia mais

CERGS. Handebol. Vice-campeão 12 a 14 anos. 3º Colocação Masculino 12 a 14 anos 3º Colocação Feminino 12 a 14 anos Voleibol

CERGS. Handebol. Vice-campeão 12 a 14 anos. 3º Colocação Masculino 12 a 14 anos 3º Colocação Feminino 12 a 14 anos Voleibol DESTAQUES CERGS Handebol 3º Colocação Masculino 12 a 14 anos 3º Colocação Feminino 12 a 14 anos Voleibol Vice-campeão 12 a 14 anos CERGS Vôlei de praia Vice-campeão masculino 15 a 17 anos 3º lugar masculino

Leia mais

Participação gaúcha nos Jogos Olímpicos: garimpando memórias, reconstruindo histórias 3

Participação gaúcha nos Jogos Olímpicos: garimpando memórias, reconstruindo histórias 3 Participação gaúcha nos Jogos Olímpicos: garimpando memórias, reconstruindo histórias 3 Christiane Garcia Macedo 4 Silvana Vilodre Goellner 5 Em 2016, um dos maiores e mais importante evento esportivo

Leia mais

Muito além do futebol Estudo sobre esportes no Brasil

Muito além do futebol Estudo sobre esportes no Brasil Muito além do futebol Estudo sobre esportes no Brasil Setembro de 2011 Agenda Contexto e metodologia da pesquisa Perfil dos respondentes Principais conclusões Panorama dos esportes no Brasil Percepções

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

Periodização tática. Periodización táctica Tactical periodization

Periodização tática. Periodización táctica Tactical periodization Periodização tática Periodización táctica Tactical periodization Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br Resumo A maioria dos

Leia mais

Profissional-Atleta:

Profissional-Atleta: OLIMPÍADAS NACIONAIS DA JUSTIÇA DO TRABALHO - ONJT Profissional-Atleta: MAIO/2013 O que são as ONJT? ONJT significa Olimpíadas Nacional da Justiça do Trabalho. Realizada todos os anos em diferentes cidades

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

1 Sumário Origem... 3 Símbolos... 4 Jogos de Inverno... 5 Jogos Paraolímpicos... 6 Modalidades... 7 Entrega de Medalhas... 8 Cerimônias... 9 Referências Bibliográficas... 10 2 Origem Os Jogos Olímpicos

Leia mais

1-DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS - LICENCIATURA E BACHARELADO ORD PERÍODO DISCIPLINA NOME CRÉDITOS CH

1-DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS - LICENCIATURA E BACHARELADO ORD PERÍODO DISCIPLINA NOME CRÉDITOS CH Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional - CGCO Sistema Integrado de Gestão Acadêmica - SIGA Módulo Ensino Disciplinas da grade do curso: 1-DISCIPLINAS

Leia mais

Centros de Iniciação ao Esporte

Centros de Iniciação ao Esporte MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE ESPORTE Centros de Iniciação ao Esporte Alexandre Fernandes Ono Coordenador Geral do Departamento

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS TIMES E TENISTAS!

INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS TIMES E TENISTAS! INFORMAÇÕES IMPORTANTES PARA OS TIMES E TENISTAS! Qualifying Dia 8 de Novembro ATENÇÃO! Os times inscritos no Futebol Masculino categoria livre e os tenistas inscritos no Tênis categoria A disputarão o

Leia mais

HISTÓRIA E CONCEITOS SOBRE A GINÁSTICA

HISTÓRIA E CONCEITOS SOBRE A GINÁSTICA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA HISTÓRIA E CONCEITOS SOBRE A GINÁSTICA Prof. Drd. Daniel Bocchini HISTÓRIA DA GINÁSTICA Compreender a ginástica nos dias atuais é uma tarefa muito

Leia mais

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola;

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; Introdução ao Atletismo; 1 PCN Parâmetro Curricular Nacional A

Leia mais

Balanceio dos braços na cortada do voleibol

Balanceio dos braços na cortada do voleibol Balanceio dos braços na cortada do voleibol El balanceo de brazos en la cortada de voleibol Arms swing in spike volleyball Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner

Leia mais

Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol

Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol Fundamentos ejecutados por el central durante el partido de voleibol Skills practices by center blocker during the volleyball match Mestre

Leia mais

Histórico de Medalhas Paralímpicas - Portugal

Histórico de Medalhas Paralímpicas - Portugal Histórico de Medalhas Paralímpicas - Portugal Igualdade, Inclusão & Excelência Desportiva Departamento Técnico, Agosto de 11 Índice 1. Medalhas... 1.. Análise dos dados... 1..1 Total de medalhas conquistadas

Leia mais

SECRETARIA DE ESPORTES E LAZER

SECRETARIA DE ESPORTES E LAZER BOLETIM 01 1 SEMESTRE MENSAGEM O grande professor Manoel Gomes Tubino, em um de seus inúmeros trabalhos sobre a Educação Física, conceitua o fenômeno Esporte em três dimensões, sendo que, no Campeonato

Leia mais

Fundada em 04 de setembro de 2000, tem desempenhado suas propostas desportivas e sociais de forma cada vez mais organizada e profissional.

Fundada em 04 de setembro de 2000, tem desempenhado suas propostas desportivas e sociais de forma cada vez mais organizada e profissional. INSTITUCIONAL A ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA JR nasceu com a finalidade de contribuir com a integração da Pessoa com Deficiência na sociedade através do esporte. É pioneira neste tipo de projeto social, ou

Leia mais

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Puntaje de los golpes durante el kumité de competición de karate shotokan masculino Scores of the techniques during the male

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt. Investindo no FUTURO do ATLETISMO BRASILEIRO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt. Investindo no FUTURO do ATLETISMO BRASILEIRO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt Investindo no FUTURO do ATLETISMO BRASILEIRO O Atletismo SÓ O ESPORTE É CAPAZ DE UNIR PESSOAS DE DIFERENTES CULTURAS, RAÇAS E CLASSES EM TORNO DE UM OBJETIVO COMUM,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL I - DO OBJETIVO. Art. 1. São objetivos dos XXI CIRCUITO DOM BOSCO previstos neste Regulamento:

REGULAMENTO GERAL I - DO OBJETIVO. Art. 1. São objetivos dos XXI CIRCUITO DOM BOSCO previstos neste Regulamento: REGULAMENTO GERAL I - DO OBJETIVO Art. 1. São objetivos dos XXI CIRCUITO DOM BOSCO - 2014 previstos neste Regulamento: Promover o desporto educacional, através de jogos que envolvam varias modalidades

Leia mais

O Sonho Olímpico Rio Por Juliana Bargas Huber

O Sonho Olímpico Rio Por Juliana Bargas Huber O Sonho Olímpico Rio 2016 Por Juliana Bargas Huber Este livro tem como objetivo conclusão da disciplina Diretrizes do Ensino de Geografia e História, do 6º período do curso de Pedagogia do Centro Universitário

Leia mais

REVISÃO AVALIAÇÃO 04/12/2017

REVISÃO AVALIAÇÃO 04/12/2017 FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso de Licenciatura em Pedagogia REVISÃO AVALIAÇÃO 04/12/2017 Profa. Joice Mundim 27/11/2017 A avaliação será

Leia mais

Olimpíadas Rio " Voleibol, modalidade de ouro"

Olimpíadas Rio  Voleibol, modalidade de ouro Olimpíadas Rio 2016 " Voleibol, modalidade de ouro" O Voleibol nas olimpíadas do Rio 2016 Aprendendo um pouco sobre este esporte que é medalha de ouro para o Brasil. Angélica Mayra Vieira Fernandes RA4115328

Leia mais

A contribuição norte-americana para o voleibol

A contribuição norte-americana para o voleibol A contribuição norte-americana para o voleibol Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) La contribución de Estados Unidos al voleibol The North American contribution for the

Leia mais

OBJETÍADAS (OLIMPÍADAS DO COLÉGIO OBJETIVO)

OBJETÍADAS (OLIMPÍADAS DO COLÉGIO OBJETIVO) OBJETÍADAS (OLIMPÍADAS DO COLÉGIO OBJETIVO) REGULAMENTO GERAL - 2016 1 - Do Objetivo 1.1 As OBJETÍADAS visam aproximar os alunos, promover interação dentro e fora da sala de aula, fortalecer a convivência,

Leia mais

Real Brazilian Conversations #19 Premium PDF Guide Brazilian Portuguese Podcast, by RLP reallylearnportuguese.com

Real Brazilian Conversations #19 Premium PDF Guide Brazilian Portuguese Podcast, by RLP reallylearnportuguese.com Subjects on this conversation: The 2016 Olympic Games in Rio de Janeiro. Context: In this conversation André and Guilherme discuss some interesting topics about the Olympic Games in Brazil. André describes

Leia mais

TABELA GERAL DE COMPETIÇÕES

TABELA GERAL DE COMPETIÇÕES TABELA GERAL DE COMPETIÇÕES Dia 21/10/2017 sábado CERIMÔNIA Abertura Local Horário Programação 8 horas Execução dos Hinos Nacionais da Alemanha e do Brasil. Discurso de representantes da direção do Colégio

Leia mais

II Jogos Abertos 2008

II Jogos Abertos 2008 II Jogos Abertos 2008 CRONOGRAMA 14/07 Início das Inscrições 15/08 Término das Inscrições 20/08 Definição da forma de disputa, Grupos e Tabelas 23/08 Cerimônia de Abertura e Caminhada da Solidariedade

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 02 DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 002/2016. Carga Horária

RETIFICAÇÃO Nº 02 DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 002/2016. Carga Horária RETIFICAÇÃO Nº 02 DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 002/2016 O Prefeito de Guarujá do Sul, Estado de Santa Catarina, Sr. JOSE CARLOS FOIATTO, no uso de suas atribuições, com base na Lei Municipal Complementar

Leia mais

5 INDICADORES E 22 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO

5 INDICADORES E 22 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO 5 INDICADORES E 22 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Importância de um bom Treinamento a Longo Prazo - TLP - para o desenvolvimento de um atleta de alto rendimento Duração de 6 a 10 anos - de acordo com a modalidade

Leia mais

OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016

OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016 OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016 Fonte: : https://1.bp.blogspot.com/-fabad23toia/vuwn2ulzgii/aaaa AAAAAvM/8CEgQcUKnYE9Cq8pdefEYu9edCGRsZghg/s1600/ interna-esportes-olimpicos.jpg JOGOS OLÍMPICOS Os jogos olímpicos

Leia mais

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte Lei de Incentivo ao Esporte PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS TRIBUTADAS PELO

Leia mais

Análise da Qualidade da Detecção, Seleção e Promoção de Talentos Esportivos na realidade brasileira. (Relatório Parcial)

Análise da Qualidade da Detecção, Seleção e Promoção de Talentos Esportivos na realidade brasileira. (Relatório Parcial) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DO ESPORTE Grupo de Pesquisa em Esporte e Treinamento Infanto-Juvenil (GEPETIJ) Grupo de Pesquisa em Administração Esportiva (GEPAE)

Leia mais

TABELA GERAL DE COMPETIÇÕES

TABELA GERAL DE COMPETIÇÕES TABELA GERAL DE COMPETIÇÕES Dia 21/10/2017 sábado CERIMÔNIA Abertura Local Horário Programação 8 horas Execução dos Hinos Nacionais da Alemanha e do Brasil. Discurso de representantes da direção do Colégio

Leia mais

CANOAGEM BRASILEIRA RUMO AO RIO 2016

CANOAGEM BRASILEIRA RUMO AO RIO 2016 CANOAGEM BRASILEIRA RUMO AO RIO 2016 CANOAGEM BRASILEIRA RUMO AO RIO 2016 ESTRUTURA E COMPETIÇÕES Centros de Treinamentos CT de Paracanoagem / CEPEUSP São Paulo/SP. CT de Canoagem Velocidade (Canoa Masculina)

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL

A EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL A EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA: antes do descobrimento do Brasil e da colonização portuguesa e espanhola: As atividades físicas dos primeiros habitantes do Brasil

Leia mais

REGULAMENTO Vôlei

REGULAMENTO Vôlei REGULAMENTO 2017 - Vôlei 1. MISSÃO Criar um ambiente adequado para a prática esportiva, onde a competição entre equipes escolares se desenvolva de forma positiva, propiciando vivências práticas de valores

Leia mais

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Goles y partidos de la Copa del Mundo de Fútbol, 1930 a 2010 Goals and matches in Soccer World Cup, 1930 to 2010 Mestre em Ciência da Motricidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO CAMPUS: Goiabeiras - CEFD CURSO: Educação Física UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE ENSINO 2016.2 HABILITAÇÃO: Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica

Leia mais

Criador: James Naismith. Primeiras Regras. Evolução da Estrutura do Jogo. Difusão da Modalidade. Basquetebol Internacional. Basquetebol Nacional

Criador: James Naismith. Primeiras Regras. Evolução da Estrutura do Jogo. Difusão da Modalidade. Basquetebol Internacional. Basquetebol Nacional Criador: James Naismith Primeiras Regras Evolução da Estrutura do Jogo Difusão da Modalidade Basquetebol Internacional Basquetebol Nacional Prof. Educação Física (N. 1861 F. 1939) Data: Dezembro de 1891

Leia mais

VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA

VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA REGULAMENTO GERAL 1 DA FINALIDADE Art. 1º - Os VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA, competição oficial da ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS (AMB), têm como objetivo

Leia mais

CLIPAGEM IMPRESSO. Cliente: Colégio Santa Emília HAIM FERREIRA/FOLHA PE

CLIPAGEM IMPRESSO. Cliente: Colégio Santa Emília HAIM FERREIRA/FOLHA PE HAIM FERREIRA/FOLHA PE Visando fortalecer ainda mais o desporto olímpico em Pernambuco, o Colégio Santa Emília firmou uma importante parceria com a Federação Pernambucana de Basquete e a Confederação Brasileira

Leia mais

LEI AGNELO/PIVA DEMONSTRAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO 2011

LEI AGNELO/PIVA DEMONSTRAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO 2011 LEI AGNELO/PIVA DEMONSTRAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA DA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO 2011 LEI AGNELO/PIVA ARRECADAÇÃO de janeiro a dezembro de 2011 LEI AGNELO/PIVA NORMAS DE APLICAÇÃO

Leia mais

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva...

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva... Treinamento desportivo 13 Sumário INTRoDUÇÃO...19 1 Princípios científicos da preparação desportiva...21 preparação desportiva, leis e regras... 21 princípios pedagógicos da preparação desportiva... 21

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL. Prof. Bruno Pedroso

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL. Prof. Bruno Pedroso HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL Prof. Bruno Pedroso PERÍODOS Colônia: 22 de abril de 1500 a 07 de setembro de 1822); Império: 07 de setembro de 1822 a 15 de novembro de 1889); República: 15 de novembro

Leia mais

5.8 Estrutura Curricular

5.8 Estrutura Curricular 5.8 Estrutura Curricular Sem. Eixo Disciplinas a/t a/p h/a Matérias Comuns aos Cursos do ISE 1. Pensamentos Filosóficos e Ética 2. Leitura e Produção de Texto I 1. Anatomia Geral 2. Citologia e Genética

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2016/2017 PROVA DE MATEMÁTICA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental. Questão 1

CONCURSO DE ADMISSÃO 2016/2017 PROVA DE MATEMÁTICA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental. Questão 1 Questão 1 Os relógios abaixo (Figura 1) marcam, respectivamente, os horários de início e término da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que teve início em 05 de agosto de 2016. Os organizadores

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2016/2017 PROVA DE MATEMÁTICA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental. Questão 1

CONCURSO DE ADMISSÃO 2016/2017 PROVA DE MATEMÁTICA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental. Questão 1 Questão 1 Os relógios abaixo (Figura 1) marcam, respectivamente, os horários de início e término da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que teve início em 05 de agosto de 2016. Os organizadores

Leia mais

olimpíadas grupo: joão lucas nº16, lucca nº22 edimilson nº7, bruno furlan nº4 lucas yan nº21

olimpíadas grupo: joão lucas nº16, lucca nº22 edimilson nº7, bruno furlan nº4 lucas yan nº21 olimpíadas grupo: joão lucas nº16, lucca nº22 edimilson nº7, bruno furlan nº4 lucas yan nº21 O que são os jogos? É o maior evento esportivo do planeta. Como surgiram? Foram criadas a mais de 4000 anos

Leia mais

O Sonho Olímpico Rio Por Juliana Bargas Huber

O Sonho Olímpico Rio Por Juliana Bargas Huber O Sonho Olímpico Rio 2016 Por Juliana Bargas Huber Este livro tem como objetivo conclusão da disciplina Diretrizes do Ensino de Geografia e História, do 6º período do curso de Pedagogia do Centro Universitário

Leia mais