O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara."

Transcrição

1

2 O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações no modo de pensar e agir das pessoas. No plano das idéias, surgem inúmeras correntes científicas, que procuram explicar fenômenos sociais, naturais e psicológicos à luz de teorias materialistas. No plano da ação, vive-se a segunda etapa da Revolução Industrial, cujas contradições sociais começam a aparecer.

3 A arte e a literatura refletem essas mudanças. Em lugar do egocentrismo romântico, verifica-se um enorme interesse em descrever, analisar e até em criticar a realidade. A visão subjetiva e parcial da realidade é substituída pela visão que procura ser objetiva, fiel, sem distorções. Em lugar de fugir à realidade, os realistas procuram apontar suas falhas como forma de estimular a mudança das instituições e dos comportamentos humanos. Em lugar de heróis, surgem pessoas comuns, cheias de problemas e limitações como qualquer um de nós.

4 Na Europa, esses movimentos tiveram início, respectivamente, com a publicação do romance realista Madame Bovary (1857), de Gustave Flaubert e do romance naturalista Thérèse Raquin (1867), de Émile Zola. No Brasil, esses movimentos tiveram início, respectivamente, com a publicação do romance realista Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), de Machado de Assis e do romance naturalista O Mulato (1881), de Aluísio Azevedo

5 O estilo realista fixa-se na realidade do homem em sociedade, cercado de problemas cotidianos e rotineiros. O foco de atenção éa estrutura social, descrita em todas as suas peculiaridades, identificando interesses, valores e mudanças. A preocupação em conhecer a sociedade, revelar seu funcionamento e os conflitos que ela gera torna a produção artística e literária analítica, desconfiada e desmistificadora.

6 Características da linguagem da prosa realista Objetivismo Precisão do tempo e espaço Narrativa lenta Tipos concretos não idealizados Introspecção psicológica Desmistificação do amor romântico Universalismo Contemporaneidade Valoriza a família (triângulo amoroso) de observação Casamento como arranjo conveniente O protagonista é anti-herói Os valores entram em crise perante o mundo degradado Crítica aos valores e às instituições decadentes da sociedade burguesa

7 Objetivismo Realismo Descrição e adjetivação objetivas, tentando captar o real como ele é Mulher não idealizada Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais. Herói problemático, cheio de fraquezas, manias e incertezas Narrativa lenta, acompanhando o tempo psicológico Personagens psicologicamente Universalismo trabalhadas Romantismo Subjetivismo Descrições e adjetivação idealizantes Mulher idealizada Amor sublime e puro, acima de qualquer interesse Herói íntegro Narrativa de ação e aventura Personagens planas Individualismo, culto do eu

8 O estilo naturalista, baseado em teorias científicas da época (Positivismo, Determinismo, Darwinismo), irá aprofundar alguns aspectos do Realismo, focalizando o homem como produto de leis físicas e sociais. O romance naturalista é marcado pela análise social a partir de grupos marginalizados em que o homem se torna produto do meio. Denunciou a hipocrisia e a degradação dos seres humanos, a decadência das instituições e as lutas sociais. O homem nessa perspectiva é caracterizado como animal cujo destino é determinado pela hereditariedade e pelo meio em que vive. Impossibilitado de direcionar sua vida, fica a mercê das influências sociais que o cercam.

9 Característica da linguagem da prosa naturalista Determinismo do meio e do momento Determinismo do instinto Determinismo da hereditariedade Determinismo patológico Crítica social Exatidão nas descrições Apelo àminúcia Linguagem simples e coloquial Descrição e narrativa lentas Impessoalidade Zoomorfismo

10 Realismo Naturalismo Origem na França (1857) Origem na França (1867) Romance documental Acumula documentos, fotografa a realidade Arte desinteressada, impassibilidade Seleciona temas Reproduz a realidade exterior, bem como a interior, análise psicológica Volta-se para a psicologia do indivíduo Romance experimental Imagina experiência que remetem a conclusões Arte engajada, de denúncia Detém-se nos aspectos mais degradantes Centra-se nos aspectos exteriores: atos, gestos, ambientes Prefere a biologia, a patologia, centra-se no social

11 Retrata as classes dominantes, a alta burguesia urbana. Éindireto na interpretação: o leitor tira as suas conclusões. Grande preocupação com o estilo. Espelha as camadas inferiores, o proletariado, os marginais. É direto na interpretação: expõe conclusões, cabendo ao leitor aceitá-las ou discuti-las. O estilo é relegado a segundo plano: no primeiro, a denúncia.

12 Representantes e Obras + Machado de Assis Memórias póstumas de Brás Cubas Quincas Borba Dom Casmurro Esaú e Jacó Memorial de Aires

13 +Aluísio Azevedo O Mulato Casa de Pensão O Cortiço +Raul Pompéia O Ateneu Canções sem Metro

REALISMO NATURALISMO

REALISMO NATURALISMO REALISMO NATURALISMO O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios

Leia mais

01 - A escola realista, que contou com nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluísio Azevedo, teve como principais características:

01 - A escola realista, que contou com nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluísio Azevedo, teve como principais características: SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S): DISCIPLINA:

Leia mais

Prof. Paulo Alexandre

Prof. Paulo Alexandre Prof. Paulo Alexandre As indicações mostradas nesta apresentação funcionam como guia de estudos do Realismo e do Naturalismo. Todas as informações devem ser complementadas pelo aluno, com a utilização

Leia mais

Realismo e Naturalismo

Realismo e Naturalismo Realismo e Naturalismo O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA CENTRO DE HUMANIDADES DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURAS CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS DISCIPLINA: Literatura Brasileira II Professor: Edson Soares Martins

Leia mais

CARACTERÍSITICAS DO REALISMO

CARACTERÍSITICAS DO REALISMO REALISMO Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética chamada Realismo, que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades.

Leia mais

Profº Fernando Pucharelli Literatura 2º ano do EM tarde

Profº Fernando Pucharelli Literatura 2º ano do EM tarde Profº Fernando Pucharelli Literatura 2º ano do EM tarde Romantismo no Brasil Começa o Romantismo no Brasil em 1836, com publicação de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães. Aparece também,

Leia mais

Realismo e Naturalismo

Realismo e Naturalismo Realismo e Naturalismo Realismo - séc. XIX Destacam se as obras Madame Bovary (França) e O primo Basílio ( Portugal) Inicia no Brasil em 1881, com o romance em 1ª pessoa, de Machado de Assis, MEMÓRIAS

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III AULA 23.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III Realismo: a sociedade no centro da obra literária O avanço do conhecimento científico sobre a natureza e as relações sociais a partir da segunda metade do século

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

Português 2º ano João J. Folhetim

Português 2º ano João J. Folhetim Português 2º ano João J. Folhetim Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo PORTUGUÊS LITERATURA 1) Realismo 1.1) Introdução: É a denominação genérica da reação aos ideais românticos existentes na segunda metade do século XIX. As profundas transformações ocorridas na sociedade

Leia mais

REALISMO NATURALISMO

REALISMO NATURALISMO REALISMO NATURALISMO Pra começo de conversa... A poesia do final da década de 1860 já anunciava o fim do Romantismo; Castro Alves, Sousândrade e Tobias Barreto faziam uma poesia romântica na forma e na

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

Programação Anual VOLUME VOLUME VOLUME VOLUME

Programação Anual VOLUME VOLUME VOLUME VOLUME Programação Anual 1 ạ Série 1 ọ 3 ọ 1. O que é literatura? Textos literários e não-literários O mundo real e o mundo da literartura Funções da literatura Leitor e textos literários 2. Linguagem literária

Leia mais

Matéria: Literatura Assunto: naturalismo Prof. Ibirá costa

Matéria: Literatura Assunto: naturalismo Prof. Ibirá costa Matéria: Literatura Assunto: naturalismo Prof. Ibirá costa Literatura Naturalismo (Séc. XIX) O Naturalismo, e este sim, identificado com as matrizes européias do movimento, estrutura-se com O Mulato, de

Leia mais

EDUCANDÁRIO SANTA RITA DE CÁSSIA

EDUCANDÁRIO SANTA RITA DE CÁSSIA 6º Ano A e B 24/10 Português 27/10 Ciências 25/10 Geografia / Inglês 28/10 Matemática 26/10 História - 21/11 Geografia / Inglês 24/11 Des. Geométrico 22/11 Ciências / Espanhol 25/11 Matemática 23/11 Português

Leia mais

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE Prova P1 24/02 Progressão Textual 2ª Chamada P1 17/03 Progressão Textual Prova P2 14/03 Elaboração de Narrativa 2ª Chamada P2 31/03 Elaboração de Narrativa Prova P3 04/04 Transposição de Linguagem 2ª Chamada

Leia mais

Aula A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META OBJETIVOS

Aula A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META OBJETIVOS A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META Fazer um breve panorama da literatura brasileira realista-naturalista produzida na segunda metade do OBJETIVOS estudo do texto; Releitura

Leia mais

JAQUELINE PELLEGRINI. ( Voluntárias de pesquisa)

JAQUELINE PELLEGRINI. ( Voluntárias de pesquisa) JAQUELINE PELLEGRINI JULIANA PETKOFF ( Voluntárias de pesquisa) Alunas de Bacharelado em Letras Orientadora: Maria José B. Finatto Co-orientador: Antônio Marcos Sanseverino OBJETIVOS Verificar, na obra

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único

Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único método de conhecimento Concepções idealistas e espiritualistas:

Leia mais

COLTEC UFMG PLANO DE CURSO Disciplina: Língua Portuguesa Prof. Edson Santos de Oliveira Turma 204

COLTEC UFMG PLANO DE CURSO Disciplina: Língua Portuguesa Prof. Edson Santos de Oliveira Turma 204 COLTEC UFMG PLANO DE CURSO - 2015 Disciplina: Língua Portuguesa Prof. Edson Santos de Oliveira Turma 204 Disciplina: Carga horária total: Língua Portuguesa e Lit. Brasileira 160 aulas Ano: 2015 2015 Curso:

Leia mais

MISCELÂNEA. Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008

MISCELÂNEA.  Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 MISCELÂNEA Revista de Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 1984-2899 www.assis.unesp.br/miscelanea Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 DOM CASMURRO E A MULHER FATAL Camila Soares López

Leia mais

RESOLUÇÃO. O nome do projeto DANÇANDO PARA NÃO DANÇAR é criativo, descontraído e atraente, abrange tanto o sentido da língua culta como o da gíria.

RESOLUÇÃO. O nome do projeto DANÇANDO PARA NÃO DANÇAR é criativo, descontraído e atraente, abrange tanto o sentido da língua culta como o da gíria. RESOLUÇÃO PORTUGUÊS QUESTÃO 01 Manuel Bandeira, poeta do modernismo brasileiro, canta a liberdade. Pasárgada seria o lugar criado e escolhido para exercê-la. Não se refere ao exílio ou à pátria, à infância,

Leia mais

PORTUGUES II ANO. Realismo/Naturalismo - representantes e características (com questões)

PORTUGUES II ANO. Realismo/Naturalismo - representantes e características (com questões) PORTUGUES II ANO Realismo/Naturalismo - representantes e características (com questões) INTRODUÇÃO AO REALISMO/NATURALISMO O REALISMO SURGE EM MEIO AO FRACASSO DA REVOLUÇÃO DA FRANÇA E DE SEUS IDEAIS DE

Leia mais

Literatura. Título: O cortiço. Título: Dois amigos e um chato. Autor: Azevedo, Aluísio. Autor: Preta, Stanislaw Ponte. Classificação: 869.

Literatura. Título: O cortiço. Título: Dois amigos e um chato. Autor: Azevedo, Aluísio. Autor: Preta, Stanislaw Ponte. Classificação: 869. Literatura Título: O cortiço Autor: Azevedo, Aluísio Classificação: 869.93 A994c Título: Dois amigos e um chato Autor: Preta, Stanislaw Ponte Edição: 2 ed. Classificação: 869.93 P942d Título: Dom Casmurro

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de Comparativos curriculares SM Língua Portuguesa Material de divulgação de Edições SM A Língua Portuguesa e o currículo do Estado de Minas Gerais Apresentação Professor, Devido à inexistência de um currículo

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1 Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO Tendo em vista que a crônica trata-se de uma narrativa

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA (PROEJA-MODULO II) REALISMO E NATURALISMO 2ª Unidade

LÍNGUA PORTUGUESA (PROEJA-MODULO II) REALISMO E NATURALISMO 2ª Unidade CEEP CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NEWTON SUCUPIRA PROFESSORA: EZENETE SANTOS LÍNGUA PORTUGUESA (PROEJA-MODULO II) REALISMO E NATURALISMO 2ª Unidade CEEP NEWTON SUCUPIRA LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORA:

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA MARIA PEREIRA SARMENTO-PANTOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CASTANHAL FACULDADE DE LETRAS CURSO LETRAS- HABILITAÇÃO PORTUGUÊS PLANO DE CURSO ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: TÂNIA

Leia mais

Data Horário Disciplina

Data Horário Disciplina São Paulo, 04 de dezembro de 2015. Avaliação Final - 2ª série - E. Médio Prezados Pais e Alunos, Após o fechamento das médias trimestrais, identificaremos quais alunos deverão realizar a Avaliação Final.

Leia mais

CONTEÚDO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 2 SÉRIE

CONTEÚDO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 2 SÉRIE INGLÊS DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL Text Interpretation Reported Speech Conditional Sentences Infinitive with to or -ing PORTUGUÊS PATRÍCIA Regência verbal e nominal; Concordância verbal e nominal; Colocação

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

LITERATURA. Professor: Vinícius

LITERATURA. Professor: Vinícius LITERATURA Professor: Vinícius Comentário Geral Nove das 10 obras foram utilizadas para a confecção das questões. Algo esperado de antemão. Como sempre, a UFPR apresentou questões que abrangem: - análise,

Leia mais

NEOCLASSICISMO Neoclassicismo

NEOCLASSICISMO Neoclassicismo NEOCLASSICISMO Movimento cultural do fim do século XVIII, e início do século XIX (1780 1830), o NEOCLASSICISMO está identificado com a retomada da cultura clássica (Grécia e Roma) por parte da Europa Ocidental

Leia mais

VIDA COTIDIANA NO SÉCULO XIX Belle Époque

VIDA COTIDIANA NO SÉCULO XIX Belle Époque VIDA COTIDIANA NO SÉCULO XIX Belle Époque Curso: Ensino Médio Integrado Prof. Msc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 Vida cotidiana I INTRODUÇÃO Os governos liberais europeus tentaram garantir a instrução

Leia mais

Apostila de Língua Portuguesa 07 Modernismo Segunda Geração

Apostila de Língua Portuguesa 07 Modernismo Segunda Geração Apostila de Língua Portuguesa 07 Modernismo Segunda Geração 1.0 Contexto Histórico Prosa Pós Semana de Arte Moderna. Pós experimentalismo, apologia do novo. Vitória sobre o parnasianismo. Ditadura de Vargas.

Leia mais

O SONHO EM MACHADO DE ASSIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL DO SONHO EM NARRATIVAS REALISTAS COM PECULIARIDADES FANTÁSTICAS.

O SONHO EM MACHADO DE ASSIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL DO SONHO EM NARRATIVAS REALISTAS COM PECULIARIDADES FANTÁSTICAS. O SONHO EM MACHADO DE ASSIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL DO SONHO EM NARRATIVAS REALISTAS COM PECULIARIDADES FANTÁSTICAS. I. Introdução Marli Cardoso dos Santos Orientadora: Profª.Dr ª. Marisa Martins Gama-khalil

Leia mais

Linguagens Literatura Realismo - Naturalismo

Linguagens Literatura Realismo - Naturalismo 1. Qual era o objetivo principal das obras do Naturalismo? Retomar padrões greco-romanos através de textos que primavam pelo equilíbrio, clareza e proporção. Supervalorizar a igreja, com seus altares luxuosos

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Português 2º ano João J. Memórias de um sargento de milícias

Português 2º ano João J. Memórias de um sargento de milícias Português 2º ano João J. Memórias de um sargento de milícias Memórias de um sargento de milícias RESUMO Memórias de um Sargento de Milícias Manoel Antônio 1852 Autor: de Almeida Manuel Antônio de Almeida

Leia mais

Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior

Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior valor expressivo à linguagem. Figuras sonoras Em contextos

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio MACHADO DE ASSIS Filho de uma lavadeira de origem portuguesa e de um mulato, nasceu em 1839 no Morro do Livramento. De origem pobre, viu na intelectualidade

Leia mais

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Alunos: Camila de Souza Silva 200720331 Mayara Moreira da Silva 200711846 Renato Graça Duque 200720337 4º Período Apresentação do Projeto O cliente Cátedra UNESCO

Leia mais

DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS

DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS Nasceu aos 21 dias do mês de junho de 1839, no Rio de Janeiro. Filho de brasileiro, pintor de paredes e de portuguesa, lavadeira. Estudou em

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia Organizacional A relacão da

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Instruções para a Prova de ARTES E QUESTÕES CONTEMPORÂNEAS:

Instruções para a Prova de ARTES E QUESTÕES CONTEMPORÂNEAS: Instruções para a Prova de : Confira se seu nome e RG estão corretos. Não se esqueça de assinar a capa deste caderno, no local indicado, com caneta azul ou preta. Você terá 4 horas para realizar as provas.

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 2º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de. Janeiro: Ed. UERJ, 2006.

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de. Janeiro: Ed. UERJ, 2006. SOUZA, Ronaldes de Melo e. O romance tragicômico de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2006. A crítica literária brasileira e estrangeira se acostumou a repetir que a obra de Machado de Assis

Leia mais

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS GRUPOS 1, 3 E 4 (1º DIA 14/10/2012) PROVA DISCURSIVA DE PORTUGUÊS E LITERATURA VESTIBULAR PUC-RIO 2013 GABARITO PORTUGUÊS E LITERATURA BRASILEIRA DISCURSIVA ATENÇÃO:

Leia mais

REALISMO - NATURALISMO

REALISMO - NATURALISMO REALISMO - NATURALISMO O Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É arte que nos pinta a nossos próprios olhos para nos conhecermos, para que saibamos

Leia mais

Machado de Assis foi um dos principais responsáveis pela fundação da Academia Brasileira de Letras, sendo o seu primeiro presidente.

Machado de Assis foi um dos principais responsáveis pela fundação da Academia Brasileira de Letras, sendo o seu primeiro presidente. Aula 16 MACHADO DE ASSIS I CONTEXTO HISTÓRICO O Realismo brasileiro tem início em 1881, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, romance realista de Machado de Assis. Machado de Assis está

Leia mais

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO PROFª Edna Prado I - CONTEXTO HISTÓRICO O tema da aula de hoje é a Estética Romântica, é o Romantismo com letra maiúscula. E por que com letra maiúscula? Porque é importante

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR Expressionismo ALUNOS: EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR DEFINIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Movimento heterogêneo

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa B Questão 46 Leia as seguintes afirmações sobre o romance Memorial do Convento, de José Saramago: 1. A perspectiva do romance é, ao mesmo tempo, histórica, social e individual. 2. Por conter visão regional,

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

CONTEÚDOS DAS PROVAS FINAIS 2014

CONTEÚDOS DAS PROVAS FINAIS 2014 ANO: 2 TURMA: 201 ENSINO MÉDIO BIOLOGIA - Vanderlei - Características gerais e exemplares dos reinos: Monera, Protista Fungi. - Características gerais, exemplares e classificação dos filos: Poríferos,

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: realismo - machado de assis Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: realismo - machado de assis Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: realismo - machado de assis Prof. IBIRÁ Literatura MACHADO DE ASSIS (1839-1908) Primeira Fase (Romântica) Obras: Ressurreição (1872), A Mão e a Luva (1874) e Iaiá Garcia (1878)

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II AULA 16.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II Segunda Geração: os ultrarromânticos O sentimentalismo, a imaginação e o egocentrismo atingiram seu ponto culminante nesta geração, que experimentou as formas

Leia mais

A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS

A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS EÇA DE QUEIRÓS 1845-1900 1ª FASE = ROMÂNTICA (PRÉ REALISTA) 2ª FASE = REALISTA-NATURALISTA O CRIME DO PADRE AMARO O PRIMO BASÍLIO 3ª FASE = REALISTA-FANTASISTA

Leia mais

REALISMO E NATURALISMO

REALISMO E NATURALISMO REALISMO E NATURALISMO O Realismo é uma reação contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos

Leia mais

Quais as Vantagens de Ser Romantista?

Quais as Vantagens de Ser Romantista? Quais as Vantagens de Ser Romantista? Sick-lit, a nova e polêmica literatura para adolescentes Sick-lit Sick = doença/enfermidade Lit = sigla para literatura literatura enferma De carona no fenômeno A

Leia mais

O Brasil no início do século XX

O Brasil no início do século XX O Brasil no início do século XX Crise de 1929 reorganização das esferas estatal e econômica no Brasil ; Década de 1920 deslocamento da economia agro-exportadora industrialização impulsionado pela 1ª Guerra

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Língua Portuguesa

Leia mais

CONTEÚDO DE RECUPERAÇÃO 3º BIMESTRE/2016 1ª SÉRIES A/B

CONTEÚDO DE RECUPERAÇÃO 3º BIMESTRE/2016 1ª SÉRIES A/B CONTEÚDO DE RECUPERAÇÃO 3º BIMESTRE/2016 GRAMÁTICA Breno - Leitura e interpretação de textos. - Verbos. - Causas e consequências. - Conjunções 1ª SÉRIES A/B LITERATURA Sandro - Humanismo Gil Vicente Auto

Leia mais

INSTITUTO LAURA VICUÑA PLANO DE ESTUDOS - 3º TRIMESTRE /2015 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO TURMA: A DISCIPLINA DATA CONTEÚDO INSTRUMENTAIS

INSTITUTO LAURA VICUÑA PLANO DE ESTUDOS - 3º TRIMESTRE /2015 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO TURMA: A DISCIPLINA DATA CONTEÚDO INSTRUMENTAIS INSTITUTO LAURA VICUÑA PLANO DE ESTUDOS - 3º TRIMESTRE /2015 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO TURMA: A DISCIPLINA DATA CONTEÚDO INSTRUMENTAIS Frases nominais, verbais; Estudo dos verbos; Concordância verbal: regra

Leia mais

Conteúdos do 3º Bimestre Ensino Médio 1 a Série A

Conteúdos do 3º Bimestre Ensino Médio 1 a Série A São Paulo, 15 de setembro de 2014. Conteúdos do 3º Bimestre Ensino Médio 1 a Série A Matemática - Profa. Andréa - Matemática setor B Apostila 3, da aula 25 (Página 78) à aula 36 (página 91) Matemática

Leia mais

Resenha Crítica de "O Primo Basílio", de Eça de Qu

Resenha Crítica de O Primo Basílio, de Eça de Qu Resenha Crítica de "O Primo Basílio", de Eça de Qu Cláudio Carvalho Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO,

Leia mais

O Cortiço, de Aluísio Azevedo. Por Carlos Daniel S. Vieira

O Cortiço, de Aluísio Azevedo. Por Carlos Daniel S. Vieira O Cortiço, de Aluísio Azevedo Por Carlos Daniel S. Vieira O Cortiço, de Aluísio Azevedo: 1. Panorama histórico-cultural 2. Características temáticas e estilísticas 3. Contraste: Realismo x Naturalismo

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO, DE EÇA DE QUEIRÓS

RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO, DE EÇA DE QUEIRÓS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO, DE EÇA DE QUEIRÓS por Cláudio Carvalho Fernandes Aluno do Curso de Letras (Português)

Leia mais

COLÉGIO DANTE ALIGHIERI DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA COORDENADORA Profª. Sandra Maria Rudella Tonidandel

COLÉGIO DANTE ALIGHIERI DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA COORDENADORA Profª. Sandra Maria Rudella Tonidandel DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA COORDENADORA Profª. Sandra Maria Rudella Tonidandel 3º PERÍODO 2015 2ª série Ensino Médio CONTEÚDO CURRICULAR Apostilas de laboratório 11, 12, 13, 14, 15, 16 e 17 Capítulo 28 O

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

Entrevista com Alfredo Bosi

Entrevista com Alfredo Bosi Entrevista com Alfredo Bosi P: É possível definir o modo de olhar de Machado de Assis? Quais as suas características? R: Definir o modo de olhar de Machado de Assis é uma das maiores dificuldades da crítica,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Plano de Curso nº aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec: Tiquatira Código:208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Linguagens Habilitação

Leia mais

A Questão da Transição. Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel.

A Questão da Transição. Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel. A Questão da Transição Baseado em Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engel. 1 Uma civilização em crise Vivemos num mundo assolado por crises: Crise ecológica Crise humanitária

Leia mais

Positivismo ou sociologia da ordem. Comte e Durkheim

Positivismo ou sociologia da ordem. Comte e Durkheim Positivismo ou sociologia da ordem Comte e Durkheim Por que a palavra positivismo? Positivo: o que é palpável, baseado nos fatos; o que pode ser observado. Para Comte, o termo positivo designa o real em

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

DOIS CONTOS DE MACHADO DE ASSIS EM DISCUSSÃO

DOIS CONTOS DE MACHADO DE ASSIS EM DISCUSSÃO DOIS CONTOS DE MACHADO DE ASSIS EM DISCUSSÃO Vanda Luiza de Souza Netto1 A leitura do artigo de Leo Ricino, Cantiga de esponsais e Um homem célebre, publicado na Revista Conhecimento Prático Literatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA Profª. Maria Helena Pôrto

LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA Profª. Maria Helena Pôrto LITERATURA BRASILEIRA E PORTUGUESA Profª. Maria Helena Pôrto I. DOM CASMURRO Machado de Assis 1. (FUVEST / GV) O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência.

Leia mais