REALISMO NATURALISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REALISMO NATURALISMO"

Transcrição

1 REALISMO NATURALISMO

2 O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos para condenar o que houve de mau na nossa sociedade. Eça de Queirós.

3 Willian Bell Scott, Ferro e carvão, 1861, óleo sobre tela. O mundo do trabalho industrial ganha destaque como tema de telas do período

4 HISTORICAMENTE - o progresso definitivo das cidades; - a industrialização, com utilização do aço, do petróleo e da eletricidade; - a marginalização da massa operária urbana, formando uma população que não partilha dos benefícios gerados pelo progresso industrial; - o avanço das ciências e o florescimento de novas correntes filosóficas; * Positivismo, de Auguste Comte; * Socialismo Científico, de Karl Marx e Friedrich Engels; * Evolucionismo, de Charles Darwin; * Determinismo, de Hippolyte Taine.

5 Honoré-Victorien Daumier, Vagão de terceira classe, , óleo sobre tela. Interesse em retratar a dura vida das classes mais pobres.

6 Realismo - Forte influência da literatura de Gustave Flaubert (França). - Romance documental, apoiado na observação e na análise. - A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita de dentro para fora, por meio de análise psicológica capaz de abranger sua complexidade, utilizando a ironia, que sugere e aponta, em vez de afirmar. - Volta-se para a psicologia, centrando-se mais no indivíduo. - As obras retratam e criticam as classes dominantes, a alta burguesia urbana e, normalmente, os personagens pertencem a esta classe social, além do clero. - O tratamento imparcial e objetivo dos temas garante ao leitor um espaço de interpretação, de elaboração de suas próprias conclusões a respeito das obras.

7 Naturalismo - Forte influência da literatura de Émile Zola (França). - Romance experimental, apoiado na experimentação e observação científica. - A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre de fora para dentro, os personagens tendem a se simplificar, pois são condicionados aos fatores biológicos, históricos e sociais, que determinam suas ações, pensamentos e sentimentos. - Volta-se para a biologia e a patologia, centrando-se mais no social. - As obras retratam as camadas inferiores, o proletariado, os marginalizados e, normalmente, os personagens são oriundos dessas classes sociais mais baixas. - o tratamento dos temas com base em uma visão determinista conduz e direciona as conclusões do leitor e empobrece literariamente os textos.

8 Características realistas - Retrato fiel das personagens; - Descrições objetivas, tentando captar o real como ele é; - Linguagem culta e direta; - Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades; - Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais; - Casamento como instituição falida: contrato de interesses e conveniências; - Representação da realidade que permita denunciar aspectos negativos da sociedade; - Temas de interesse coletivo (adultério, opressão, corrupção); - Personagens trabalhadas psicologicamente; - Narrativa lenta, acompanhando o tempo psicológico; - Procura interpretar o caráter da personagem.

9 Ênfases naturalistas - Cientificismo: procuravam observar o homem objetivamente; - Personagens patológicas: mórbidas, adúlteras, desequilibradas, assassinos, bêbados, doentes, prostitutas; - Zoomorfismo ou animalização do homem; - Crítica social; - Estética do feio; - Influência do Determinismo.

10 Textos Texto I Profª Ivandelma Gabriel Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela: Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, com a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.

11 Texto II A Praça da Alegria apresentava um ar fúnebre. De um casebre miserável, de porta e janela, ouviam-se gemer os armadores enferrujados de uma rede e uma voz tísica e aflautada, de uma mulher, cantar em falsete a gentil Carolina era bela, doutro lado da praça, uma preta velha, vergada por imenso tabuleiro de madeira sujo, seboso, cheio de sangue e coberto por uma nuvem de moscas, apregoava em tom muito arrastado e melancólico: - Fígado, rins, coração. Era uma vendeira de fatos de boi. As crianças nuas, com as pernas tortas pelo costume de cavalgar as ilhargas maternas, as cabeças avermelhadas pelo sol, a pele crestada, os ventrezinhos amarelados e crescidos, corriam e guinchavam empinando papagaios de papel.

12 Adicionais... Profª Ivandelma Gabriel No Brasil * Realismo: - Marco inicial: Memórias Póstumas de Brás Cubas. - Autor: Machado de Assis. - Ano: 1881 * Naturalismo: - Marco inicial: O mulato. - Autor: Aluísio Azevedo. - Ano: 1881

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Atividades: Dom Casmurro

Atividades: Dom Casmurro Atividades: Dom Casmurro 1. (Fuvest-SP) A narração dos acontecimentos com que o leitor se defronta no romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, se faz em primeira pessoa, portanto, do ponto de vista da

Leia mais

POÉTICAS DO SÉCULO XIX

POÉTICAS DO SÉCULO XIX POÉTICAS DO SÉCULO XIX (2) SITUAÇÃO HISTÓRICA Segunda metade do século XIX Sociedade burguesa Capitalismo industrial Luta de classes Imperialismo [Cecil Rhodes] IDÉIAS PREDOMINANTES Socialismo utópico:

Leia mais

O MISTÉRIO DE CAPITU: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O ROMANCE ORIGINAL DE MACHADO DE ASSIS E A RECRIAÇÃO LITERÁRIA DE FERNANDO SABINO

O MISTÉRIO DE CAPITU: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O ROMANCE ORIGINAL DE MACHADO DE ASSIS E A RECRIAÇÃO LITERÁRIA DE FERNANDO SABINO 233 O MISTÉRIO DE CAPITU: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O ROMANCE ORIGINAL DE MACHADO DE ASSIS E A RECRIAÇÃO LITERÁRIA DE FERNANDO SABINO Lívia Bisch Endres 1 A personagem Capitu, do romance Dom Casmurro, de Machado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Leia atentamente a proposição. O Romantismo era a apoteose do sentimento; O Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte

Leia mais

b) A que estilo de época pertence o texto A? Cite uma característica desse estilo que se comprove pelo texto. R.: c) E o texto B? R.

b) A que estilo de época pertence o texto A? Cite uma característica desse estilo que se comprove pelo texto. R.: c) E o texto B? R. PROFESSOR: Equipe BANCO DE QUESTÕES - LITERATURA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================= 01- Analise os trechos abaixo: Texto

Leia mais

CARGO: PEDREIRO TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

CARGO: PEDREIRO TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS CARGO: PEDREIRO TURNO: MANHÃ CADERNO DE PROVA OBJETIVA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

CARGO: FISCAL DE OBRAS TURNO: MANHÃ

CARGO: FISCAL DE OBRAS TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS CARGO: FISCAL DE OBRAS TURNO: MANHÃ CADERNO DE PROVA OBJETIVA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

CARGO: MONITOR TRANSPORTE ESCOLAR TURNO: MANHÃ

CARGO: MONITOR TRANSPORTE ESCOLAR TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS CARGO: MONITOR TRANSPORTE ESCOLAR TURNO: MANHÃ CADERNO DE PROVA OBJETIVA LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares

Século XII Idade Média TROVADORISMO. Cristianismo. - Temas profanos. - Predomínio da emoção. - Influência das tradições populares Século XII Idade Média TROVADORISMO Cristianismo - Temas profanos - Predomínio da emoção - Influência das tradições populares - Ambiente cortês, rural ou marítimo - Exaltação do ideal cavaleiresco - Emprego

Leia mais

Considerando a função social das informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, o ambiente virtual descrito no texto exemplifica

Considerando a função social das informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, o ambiente virtual descrito no texto exemplifica 01) O "Portal Domínio Público", lançado em novembro de 2004, propõe o compartilhamento de conhecimentos de forma equânime e gratuita, colocando à disposição de todos os usuários da Internet, uma biblioteca

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. - Grupos D,E,F,G

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Harmonia no lar Duas regras infalíveis na santa escola do bem Quem não estuda não sabe, quem não trabalha não tem A alegria de uma casa tem esse preço em comum

Leia mais

O cortiço. Aluísio Azevedo

O cortiço. Aluísio Azevedo O cortiço Aluísio Azevedo Profª Ana Márcia Nasceu em São Luís (MA),em 1857, filho do vice-cônsul português e faleceu em Buenos Aires, em 1913. Foi escritor, pintor desenhista e diplomata. O crítico Valentim

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837)

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) Há muitos anos, vivia um imperador que gostava tanto de vestimentas novas e bonitas, que gastou todo o seu dinheiro a vestir-se bem. Não se preocupava

Leia mais

LITERATURA GRADUAÇÃO AGO/2005. A Os parnasianos. B Os naturalistas. C Os modernistas. D Os realistas. E Os românticos. José de Alencar. O guarani.

LITERATURA GRADUAÇÃO AGO/2005. A Os parnasianos. B Os naturalistas. C Os modernistas. D Os realistas. E Os românticos. José de Alencar. O guarani. 46 Então, no fundo da floresta, troou um estampido horrível, que veio reboando pelo espaço; dir-se-ia o trovão, correndo pelas quebradas da serrania. Era tarde. Não havia tempo para fugir; a água tinha

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

GENEALOGIA FLUMINENSE Região Serrana - Genealogias

GENEALOGIA FLUMINENSE Região Serrana - Genealogias JACINTO Francisco Antônio Jacinto foi casado com Germana Rosa Jardim. Ambos ilhéus. Ela morreu em Itaocara a 22 de dezembro de 1867 com 60 anos de idade. Ele, então, voltou a se casar em Itaocara às 3

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA II AULA 02: REALISMO - NATURALISMOX TÓPICO 03: ALUÍSIO DE AZEVEDO VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Em 1881, um maranhense de São Luís, chamado Aluísio Azevedo, resolve mudar-se para o Rio

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Realismo Realismo Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Realismo Realismo Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Realismo Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias (em especial na pintura francesa) uma tendência estética chamada Realismo; A palavra

Leia mais

SOCIOLOGIA. Da Era Medieval ao Iluminismo

SOCIOLOGIA. Da Era Medieval ao Iluminismo O nascimento da Sociologia Módulo I SOCIOLOGIA Da Era Medieval ao Iluminismo Profª Flores e-mail: marifflores@yahoo.com.br Qual a importância da sociologia? Uma das preocupações da Sociologia é formar

Leia mais

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo 2º ano - ENSINO MÉDIO Aula dia 20/02/15 Neoclassicismo, Romantismo e Realismo Professora Alba Fim do século XVIII e início do século XIX. Período complexo e inquietante de profundas mudanças. A Revolução

Leia mais

ROTEIRO- Hoje é festa de São João

ROTEIRO- Hoje é festa de São João ROTEIRO- Hoje é festa de São João INT. CASA DE MARIA - QUARTO - NOITE A cidade de Campina Grande estar em festa, é noite de São João. Da janela do quarto, MARIA uma mulher sonhadora, humilde, recém-chegada

Leia mais

EÇA DE QUEIRÓS O primo Basílio. PROJETO DE LEITURA Douglas Tufano Maria José Nóbrega

EÇA DE QUEIRÓS O primo Basílio. PROJETO DE LEITURA Douglas Tufano Maria José Nóbrega EÇA DE QUEIRÓS O primo Basílio PROJETO DE LEITURA Douglas Tufano Maria José Nóbrega Literatura é aprendizado de humanidade DOUGLAS TUFANO A literatura não é matéria escolar, é matéria de vida. A boa literatura

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

Fernando Azevedo. Universidade do Minho

Fernando Azevedo. Universidade do Minho Fernando Azevedo Universidade do Minho Saber Ler o mundo de forma não ingénua Preencher, com eficiência, os espaços em branco do texto Mobilizar o conhecimento dos quadros de referência intertextuais Dialogar

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO:

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO: VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO RESUMO: CAMILA FLESSATI O presente artigo é fruto do trabalho realizado no grupo de estudos Literatura Infantil/Juvenil e Sociedade da Universidade de São Paulo.

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Eça de Queirós, romancista, contista, cronista, crítico literário e epistológrafo. AUTOR

Eça de Queirós, romancista, contista, cronista, crítico literário e epistológrafo. AUTOR AUTOR DADOS BIOGRÁFICOS Eça de Queirós, romancista, contista, cronista, crítico literário e epistológrafo. Nome completo: José Maria Eça de Queirós Nascimento: 25 de novembro de 1845, numa casa da Praça

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

Ler e fazer... Jul. Ago. Set. Direção Regional dos Assuntos Culturais Biblioteca Pública Regional da Madeira. Serviço Educativo e Dinamização Cultural

Ler e fazer... Jul. Ago. Set. Direção Regional dos Assuntos Culturais Biblioteca Pública Regional da Madeira. Serviço Educativo e Dinamização Cultural Serviço Educativo e Dinamização Cultural 18 de setembro quinta-feira (18h) Ler e fazer... 20 de setembro Hora do Conto sábado (11h) Artur e Clementina, de Adela Turín e Nella Bosnia Resumo: Numa bela manhã

Leia mais

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

O ROMANTISMO: PRIMEIRA REAÇÃO À ARTE NEOCLÁSSICA

O ROMANTISMO: PRIMEIRA REAÇÃO À ARTE NEOCLÁSSICA O ROMANTISMO: PRIMEIRA REAÇÃO À ARTE NEOCLÁSSICA os pintores românticos, como Goya, Delacroix, Turner e Constable, recuperam o dinamismo e o realismo que os neoclássicos haviam negado. Outro elemento que

Leia mais

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA Curso: Ensino Médio Integrado Prof. MSc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 POSITIVISMO Primeira corrente de pensamento sociológico; Sistematiza cientificamente alguns princípios

Leia mais

CORDEIS PELA CANONIZAÇÃO DE EMILIE DE VILLENUEVE

CORDEIS PELA CANONIZAÇÃO DE EMILIE DE VILLENUEVE CORDEIS PELA CANONIZAÇÃO DE EMILIE DE VILLENUEVE A Santa e Madre Emilie já foi Beatificada. Agora com um novo milagre reconhecido, Será em maio canonizada. Neta de um conde francês abandona a vida de princesa.

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA

SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA Radicais Kids - Sábado 13/12 Ministério Boa Semente Igreja em células SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA Lição: Xô Preguiça!! Base bíblica: Provérbios 6:6-11 Preguiçoso, aprenda uma lição

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

Os Maias EÇA DE QUEIRÓS

Os Maias EÇA DE QUEIRÓS A 363899 J. OLIVEIRA MACEDO Os Maias EÇA DE QUEIRÓS 3 a EDIÇÃO REVISTA E AUMENTADA EDIÇÕES Edifício OCEANVS Av. da Boavista, 3265 Sala 4.1 4100-138 Porto Telef.: 226166030 Fax: 226166035 E-mail: edicoes@asa.pt

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0442 PSICOPEDAGOGO

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0442 PSICOPEDAGOGO PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Aspectos da literatura infantil no Brasil, hoje 1

Aspectos da literatura infantil no Brasil, hoje 1 Aspectos da literatura infantil no Brasil, hoje 1 Ricardo Azevedo Vou tentar levantar certos pontos que julgo importante debater toda vez que o assunto literatura para crianças e jovens entra em discussão.

Leia mais

CORRESPONDÊNCIA DE MACHADO DE ASSIS: 1870-1889

CORRESPONDÊNCIA DE MACHADO DE ASSIS: 1870-1889 CORRESPONDÊNCIA DE MACHADO DE ASSIS: 1870-1889 Sergio Paulo Rouanet Depois do tomo I, saído em 2008, apresentamos aos leitores o tomo II da Correspondência de Machado de Assis. Com exceção de algumas cartas

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

A vida pode não ter sentido, mas não é proibido dar-lhe algum Felipe Kryminice e Monica Cellarius

A vida pode não ter sentido, mas não é proibido dar-lhe algum Felipe Kryminice e Monica Cellarius Jornal Candido Biblioteca Pública do Paraná Nº 3 Outubro de 2011 A vida pode não ter sentido, mas não é proibido dar-lhe algum Felipe Kryminice e Monica Cellarius O escritor Ricardo Azevedo, um dos mais

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo 1 Habilidades: Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho de produção dos artistas em seus meios culturais. 2 Romantismo Designa uma tendência

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor.

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. 1 BRASIL Fernando Ribeiro Alves Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. O Autor gostaria imensamente de receber um e-mail de você com

Leia mais

Honestas, desquitadas ou prostitutas: gênero e sexualidade no teatro brasileiro

Honestas, desquitadas ou prostitutas: gênero e sexualidade no teatro brasileiro Honestas, desquitadas ou prostitutas: gênero e sexualidade no teatro brasileiro Ferdinando Martins ECA USP Docente Professor Doutor Resumo: Este trabalho apresenta resultados da pesquisa Corpo, comunicação

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Samuel. Nascimento de Samuel

Samuel. Nascimento de Samuel Samuel Nascimento de Samuel H ouve um homem de Ramataim Zofim da montanha de Efraim cujo nome era Elcana. Este tinha duas esposas uma era Ana e a outra Penina. Penina tinha filhos e Ana não tinha. Todo

Leia mais

ITA 2004 PORTUGUÊS. Você na elite das universidades! ELITE

ITA 2004 PORTUGUÊS. Você na elite das universidades! ELITE www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 3232-2713 O ELITE RESOLVE IME 2004 PORTUGUÊS/INGLÊS Você na elite das universidades! ITA 2004 PORTUGUÊS GABARITO ITA 2004 PORTUGUÊS As questões de 21 a 29 referem-se

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

A LITERATURA EM QUESTÕES

A LITERATURA EM QUESTÕES A LITERATURA EM QUESTÕES Gizelle Kaminski CORSO * ABSTRACT: This text has the aim of analyzing some literature questions gotten from public contests exams for basic teachers of Portuguese. How is being

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950. Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício.

24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950. Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício. Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS Pula a fogueira, João! 1. 24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950 Data Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício.

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

JOGOS COOPERATIVOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

JOGOS COOPERATIVOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL JOGOS COOPERATIVOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Irani Zanoli e Prof. Paulo Henrique COLÉGIO CRESCER DE JUNDIAÍ São Paulo, 18 de agosto de 2012. A Metodologia do Programa MenteInovadora O que é a Metodologia

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

Homocistinúria Clássica

Homocistinúria Clássica Homocistinúria Clássica Texto: Ida Vanessa D. Schwartz Ilustrações: Matheus Wilke Serviço de Genética Médica/HCPA, Departamento de Genética /UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil Esta publicação é destinada

Leia mais

O último fato que agitou os apocalípticos

O último fato que agitou os apocalípticos O último fato que agitou os apocalípticos Uma suposta Profecia Maia Distorções na Ideia de Paraíso Espiritualidade comprometida apenas com a prosperidade no aqui e agora. Em nome de uma esperança futura,

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

O naturalismo de Aluísio Azevedo: produção jornalística e romanesca

O naturalismo de Aluísio Azevedo: produção jornalística e romanesca O naturalismo de Aluísio Azevedo: produção jornalística e romanesca LUCIANA UHREN MEIRA SILVA Mestre em Literatura e Crítica Literária pela PUC-SP; professora do Ensino Médio da rede particular de São

Leia mais

PLANO DE AULA. Abnegação: negar as coisas a si mesmo. Devotamento: servir aos necessitados, sem cansar.

PLANO DE AULA. Abnegação: negar as coisas a si mesmo. Devotamento: servir aos necessitados, sem cansar. ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 38 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) II CICLO B IDADES: 09/10 1. TEMA: Abnegação e Devotamento. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: As crianças

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM LETRAS - PORTUGUÊS/INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM LETRAS - PORTUGUÊS/INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM LETRAS - PORTUGUÊS/INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS DAYANE APARECIDA BARBOSA BORGES AS QUESTÕES RACIAIS REFLETIDAS NA OBRA

Leia mais

O CORTIÇO 13 de maio de 1890

O CORTIÇO 13 de maio de 1890 O CORTIÇO 13 de maio de 1890 intenção Descrever as habitações coletivas. Diagnóstico do país: descarado alpinismo social dos negociantes portugueses. Usar a literatura como denúncia dos preconceitos e

Leia mais

O REALISMO PSICOLÓGICO EM MACHADO DE ASSIS: UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS PRESENTES NA OBRA MÉMORIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS

O REALISMO PSICOLÓGICO EM MACHADO DE ASSIS: UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS PRESENTES NA OBRA MÉMORIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS O REALISMO PSICOLÓGICO EM MACHADO DE ASSIS: UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS PRESENTES NA OBRA MÉMORIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS ANGNES, Juliane Sachser PÊGO, Ruti Rosane dos Santos COSTA, José

Leia mais

Felipe Antonio Ferreira da Silva 1

Felipe Antonio Ferreira da Silva 1 UMA ANÁLISE SOBRE A RELEVÂNCIA DO ESPAÇO COMO PERSONAGEM NA OBRA O CORTIÇO, DE ALUÍSIO DE AZEVEDO Felipe Antonio Ferreira da Silva 1 RESUMO: Este trabalho justifica-se pela importância de ser realizado

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes

Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes sociais, explicava ela, o que exige uma trama complexa. Acrescento:

Leia mais

ensino médio e pré-vestibular questão com resolução em vídeo/lplb

ensino médio e pré-vestibular questão com resolução em vídeo/lplb Onde queres comício, flipper-vídeo E onde queres romance, rock n roll Onde queres a lua, eu sou o sol E onde a pura natura, o inseticídio Onde queres mistério, eu sou a luz E onde queres um canto, o mundo

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

(Qual é) a representação da mulher construída pelos contos É a alma, não é? e Um dia, afinal de Marina Colasanti?

(Qual é) a representação da mulher construída pelos contos É a alma, não é? e Um dia, afinal de Marina Colasanti? (Qual é) a representação da mulher construída pelos contos É a alma, não é? e Um dia, afinal de Marina Colasanti? Gustavo Vieira de MORAES 1 Yani Rebouças de OLIVEIRA 2 Resumo Os contos de autoria feminina

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

CONTO DE ESCOLA: UMA METÁFORA DA SOCIEDADE?

CONTO DE ESCOLA: UMA METÁFORA DA SOCIEDADE? CONTO DE ESCOLA: UMA METÁFORA DA SOCIEDADE? Alessandra Maria Moreira Gimenes 1 Maria Augusta H. W. Ribeiro 2 Resumo O presente trabalho apresenta os resultados de Dissertação de mestrado desenvolvida no

Leia mais

17_Vilma_conto.qxd 12/8/08 10:10 AM Page 274

17_Vilma_conto.qxd 12/8/08 10:10 AM Page 274 17_Vilma_conto.qxd 12/8/08 10:10 AM Page 274 17_Vilma_conto.qxd 12/8/08 10:10 AM Page 275 CONTO A LETRA Z Vilma Arêas Desconheço se a resposta de seu filho mais novo chegou a tempo. A questão era específica,mas

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO A evolução da fotografia: Da artesanal à digital Cursistas:

Leia mais