REALISMO NATURALISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REALISMO NATURALISMO"

Transcrição

1 REALISMO NATURALISMO

2 O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos para condenar o que houve de mau na nossa sociedade. Eça de Queirós.

3 Willian Bell Scott, Ferro e carvão, 1861, óleo sobre tela. O mundo do trabalho industrial ganha destaque como tema de telas do período

4 HISTORICAMENTE - o progresso definitivo das cidades; - a industrialização, com utilização do aço, do petróleo e da eletricidade; - a marginalização da massa operária urbana, formando uma população que não partilha dos benefícios gerados pelo progresso industrial; - o avanço das ciências e o florescimento de novas correntes filosóficas; * Positivismo, de Auguste Comte; * Socialismo Científico, de Karl Marx e Friedrich Engels; * Evolucionismo, de Charles Darwin; * Determinismo, de Hippolyte Taine.

5 Honoré-Victorien Daumier, Vagão de terceira classe, , óleo sobre tela. Interesse em retratar a dura vida das classes mais pobres.

6 Realismo - Forte influência da literatura de Gustave Flaubert (França). - Romance documental, apoiado na observação e na análise. - A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita de dentro para fora, por meio de análise psicológica capaz de abranger sua complexidade, utilizando a ironia, que sugere e aponta, em vez de afirmar. - Volta-se para a psicologia, centrando-se mais no indivíduo. - As obras retratam e criticam as classes dominantes, a alta burguesia urbana e, normalmente, os personagens pertencem a esta classe social, além do clero. - O tratamento imparcial e objetivo dos temas garante ao leitor um espaço de interpretação, de elaboração de suas próprias conclusões a respeito das obras.

7 Naturalismo - Forte influência da literatura de Émile Zola (França). - Romance experimental, apoiado na experimentação e observação científica. - A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre de fora para dentro, os personagens tendem a se simplificar, pois são condicionados aos fatores biológicos, históricos e sociais, que determinam suas ações, pensamentos e sentimentos. - Volta-se para a biologia e a patologia, centrando-se mais no social. - As obras retratam as camadas inferiores, o proletariado, os marginalizados e, normalmente, os personagens são oriundos dessas classes sociais mais baixas. - o tratamento dos temas com base em uma visão determinista conduz e direciona as conclusões do leitor e empobrece literariamente os textos.

8 Características realistas - Retrato fiel das personagens; - Descrições objetivas, tentando captar o real como ele é; - Linguagem culta e direta; - Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades; - Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais; - Casamento como instituição falida: contrato de interesses e conveniências; - Representação da realidade que permita denunciar aspectos negativos da sociedade; - Temas de interesse coletivo (adultério, opressão, corrupção); - Personagens trabalhadas psicologicamente; - Narrativa lenta, acompanhando o tempo psicológico; - Procura interpretar o caráter da personagem.

9 Ênfases naturalistas - Cientificismo: procuravam observar o homem objetivamente; - Personagens patológicas: mórbidas, adúlteras, desequilibradas, assassinos, bêbados, doentes, prostitutas; - Zoomorfismo ou animalização do homem; - Crítica social; - Estética do feio; - Influência do Determinismo.

10 Textos Texto I Profª Ivandelma Gabriel Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela: Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, com a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.

11 Texto II A Praça da Alegria apresentava um ar fúnebre. De um casebre miserável, de porta e janela, ouviam-se gemer os armadores enferrujados de uma rede e uma voz tísica e aflautada, de uma mulher, cantar em falsete a gentil Carolina era bela, doutro lado da praça, uma preta velha, vergada por imenso tabuleiro de madeira sujo, seboso, cheio de sangue e coberto por uma nuvem de moscas, apregoava em tom muito arrastado e melancólico: - Fígado, rins, coração. Era uma vendeira de fatos de boi. As crianças nuas, com as pernas tortas pelo costume de cavalgar as ilhargas maternas, as cabeças avermelhadas pelo sol, a pele crestada, os ventrezinhos amarelados e crescidos, corriam e guinchavam empinando papagaios de papel.

12 Adicionais... Profª Ivandelma Gabriel No Brasil * Realismo: - Marco inicial: Memórias Póstumas de Brás Cubas. - Autor: Machado de Assis. - Ano: 1881 * Naturalismo: - Marco inicial: O mulato. - Autor: Aluísio Azevedo. - Ano: 1881

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações

Leia mais

A ÁGUIA. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

A ÁGUIA. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci A ÁGUIA Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci A Águia A Águia, representada pela cabeça, nos indica o estado de controle do corpo pela mente. A Águia Cabeça erguida significa hipertrofia do controle mental.

Leia mais

2. (UFLA) Em relação à frase "ao vencedor, as batatas", do livroquincas Borba, de Machado de Assis, vencedor e batatas são, respectivamente:

2. (UFLA) Em relação à frase ao vencedor, as batatas, do livroquincas Borba, de Machado de Assis, vencedor e batatas são, respectivamente: Exercícios complementares P2 2º ANO Prof. Ítalo Puccini 1. (FUVEST-SP) A questão refere-se ao seguinte excerto: Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui

Leia mais

Machado de Assis: um gênio brasileiro

Machado de Assis: um gênio brasileiro Machado de Assis: um gênio brasileiro Fonte: www.wikipedia.com Machado de Assis: um gênio brasileiro (1839-1908) Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881) marco inicial do Realismo brasileiro (1881) Capa

Leia mais

O cortiço. Aluísio Azevedo

O cortiço. Aluísio Azevedo O cortiço Aluísio Azevedo Nasceu em São Luís (MA),em 1857 e faleceu em Buenos Aires, em 1913. Estudou irregularmente, foi escritor, pintor desenhista (caricatura) e diplomata. 1 Principais obras literárias

Leia mais

Prof. Paulo Alexandre

Prof. Paulo Alexandre Prof. Paulo Alexandre As indicações mostradas nesta apresentação funcionam como guia de estudos do Realismo e do Naturalismo. Todas as informações devem ser complementadas pelo aluno, com a utilização

Leia mais

Machado de Assis e o Realismo

Machado de Assis e o Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2º ano Disciplina: Literatura Data da prova: 16/04/2014. LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2º BIMESTRE Machado de Assis

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica História Social do Naturalismo RESUMO Einstein Augusto da Silva 1, 4 Nildo Silva Viana (Coord.) 2, 4 Renato Dias de Souza 3, 4 A pesquisa teve como objeto de estudo a história social do naturalismo brasileiro.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURAS EM LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÕES DISCURSIVAS N ọ DE ORDEM: N ọ DE INSCRIÇÃO: NOME: INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1. Verifique se este caderno contém 6 questões discursivas

Leia mais

OLHOS DE RESSACA. 02- "(...) não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas. As minhas cessaram logo.

OLHOS DE RESSACA. 02- (...) não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas. As minhas cessaram logo. PROFESSOR: Maria Anna BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================= Conteúdos trabalhados

Leia mais

CARGO: CARPINTEIRO TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

CARGO: CARPINTEIRO TURNO: MANHÃ ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS ESTADO DO MARANHA O PREFEITURA MUNICIPAL DE GOVERNADOR EDISON LOBA O - MA CONCURSO PU BLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS CARGO: CARPINTEIRO TURNO: MANHÃ CADERNO DE PROVA OBJETIVA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III AULA 23.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III Realismo: a sociedade no centro da obra literária O avanço do conhecimento científico sobre a natureza e as relações sociais a partir da segunda metade do século

Leia mais

CARACTERÍSITICAS DO REALISMO

CARACTERÍSITICAS DO REALISMO REALISMO Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética chamada Realismo, que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades.

Leia mais

REALISMO E NATURALISMO

REALISMO E NATURALISMO REALISMO E NATURALISMO O Realismo é uma reação contra o Romantismo: O Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos

Leia mais

01 - A escola realista, que contou com nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluísio Azevedo, teve como principais características:

01 - A escola realista, que contou com nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluísio Azevedo, teve como principais características: SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S): DISCIPLINA:

Leia mais

Dom Casmurro. Literatura Professor: Diogo Mendes. Material de apoio

Dom Casmurro. Literatura Professor: Diogo Mendes. Material de apoio Dom Casmurro Trecho 1 Nem sempre ia naquele passo vagaroso e rígido. Também se descompunha em acionados, era muita vez rápido e lépido nos movimentos, tão natural nesta como naquela maneira. Outrossim,

Leia mais

Instruções para a Prova de ARTES E QUESTÕES CONTEMPORÂNEAS:

Instruções para a Prova de ARTES E QUESTÕES CONTEMPORÂNEAS: Instruções para a Prova de : Confira se seu nome e RG estão corretos. Não se esqueça de assinar a capa deste caderno, no local indicado, com caneta azul ou preta. Você terá 4 horas para realizar as provas.

Leia mais

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES.

SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES. SOCIOLOGIA PRINCIPAIS CORRENTES Augusto Comte 1798-1 857 Lei dos três estados: 1ª) Explicação dos fenômenos através de forças comparáveis aos homens. 2ª) Invocação de entidades abstratas (natureza). 3ª)

Leia mais

DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS

DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS DOM CASMURRO MACHADO DE ASSIS JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS Nasceu aos 21 dias do mês de junho de 1839, no Rio de Janeiro. Filho de brasileiro, pintor de paredes e de portuguesa, lavadeira. Estudou em

Leia mais

Realismo REALISMO E IMPRESSIONISMO TRADIÇÃO E RUPTURA O PROCESSO DA MODERNIDADE

Realismo REALISMO E IMPRESSIONISMO TRADIÇÃO E RUPTURA O PROCESSO DA MODERNIDADE REALISMO E IMPRESSIONISMO TRADIÇÃO E RUPTURA O PROCESSO DA MODERNIDADE A invenção da fotografia em 1823 influencia as artes de diversas maneiras; Surgem duas correntes, os Realistas e os Impressionistas;

Leia mais

Exercícios de Revisão - Realismo e Naturalismo

Exercícios de Revisão - Realismo e Naturalismo Exercícios de Revisão - Realismo e Naturalismo 1. (FUVEST / GV) O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência. Pois, senhor, não consegui recompor o que foi

Leia mais

Exercícios de Machado de Assis

Exercícios de Machado de Assis Exercícios de Machado de Assis Texto para a questão 1. Esaú e Jacó (fragmento) Que estranhos? Não vou viver com ninguém. Viverei com o Catete, o Largo do Machado, a Praia de Botafogo e a do Flamengo, não

Leia mais

Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único

Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único Corrente de pensamento filosófico, sociológico e político Surgiu em meados do século XIX, na França Positivismo X Idealismo Primado da ciência único método de conhecimento Concepções idealistas e espiritualistas:

Leia mais

REALISMO - NATURALISMO

REALISMO - NATURALISMO REALISMO - NATURALISMO O Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É arte que nos pinta a nossos próprios olhos para nos conhecermos, para que saibamos

Leia mais

POR UMA LEITURA PLURAL DO TEXTO LITERÁRIO

POR UMA LEITURA PLURAL DO TEXTO LITERÁRIO Resumo POR UMA LEITURA PLURAL DO TEXTO LITERÁRIO Érica Antonia Caetano* Este artigo propõe uma leitura da obra clássica brasileira Dom Casmurro, de Machado de Assis, publicada no ano de 1899, considerada

Leia mais

GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO

GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO Profª Ivandelma Gabriel Características * abusa de figuras de linguagem; * faz uso do estilo cultista e conceptista, através de jogos de palavras e raciocínios sutis;

Leia mais

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA Romantismo e Modernismo Características; Contexto; Abordagens; Enem. LITERATURA LUQUINHA Características da Literatura Romântica A natureza como expressão do eu; A valorização

Leia mais

Data: Junho/2016 Professor(a): Elias Disciplina: Língua Portuguesa TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL

Data: Junho/2016 Professor(a): Elias Disciplina: Língua Portuguesa TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL ENSINO MÉDIO VALOR: 2,0 NOTA: Data: Junho/2016 Professor(a): Elias Disciplina: Língua Portuguesa Nome: n o : SÉRIE: 1ª 2º BIM. TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL A hora e a vez de Augusto Matraga (trecho)

Leia mais

Origens: folhetim. Autores: Vitor Hugo, Alexandre Dumas, Walter Scott, José de Alencar, Machado de Assis

Origens: folhetim. Autores: Vitor Hugo, Alexandre Dumas, Walter Scott, José de Alencar, Machado de Assis O Romance Romântico O Romance Romântico Origens: folhetim Autores: Vitor Hugo, Alexandre Dumas, Walter Scott, José de Alencar, Machado de Assis O Romance Romântico Estrutura narrativa: Equilíbrio inicial:

Leia mais

VIDA COTIDIANA NO SÉCULO XIX Belle Époque

VIDA COTIDIANA NO SÉCULO XIX Belle Époque VIDA COTIDIANA NO SÉCULO XIX Belle Époque Curso: Ensino Médio Integrado Prof. Msc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 Vida cotidiana I INTRODUÇÃO Os governos liberais europeus tentaram garantir a instrução

Leia mais

Realismo e Naturalismo

Realismo e Naturalismo Realismo e Naturalismo O Realismo é uma reação contra o Romantismo: o Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA O USO DA SEQUÊNCIA EXPANDIDA DO LETRAMENTO LITERÁRIO PARA A INICIAÇÃO AO ESTUDO DA LITERATURA NAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Luis Fernando Ribeiro

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

Biologia. Rubens Oda e Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) Genética

Biologia. Rubens Oda e Alexandre Bandeira (Hélio Fresta) Genética Genética Genética 1. Em tomates, a característica planta alta é dominante em relação à característica planta anã e a cor vermelha do fruto é dominante em relação à cor amarela. Um agricultor cruzou duas

Leia mais

Realismo e Naturalismo

Realismo e Naturalismo Realismo e Naturalismo Realismo - séc. XIX Destacam se as obras Madame Bovary (França) e O primo Basílio ( Portugal) Inicia no Brasil em 1881, com o romance em 1ª pessoa, de Machado de Assis, MEMÓRIAS

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

REALISMO A Revolução Industrial muda a face da Europa provocou profundas alterações na sociedade

REALISMO A Revolução Industrial muda a face da Europa provocou profundas alterações na sociedade REALISMO A Revolução Industrial promoveu transformações profundas em todos os aspectos da vida na Europa. O Realismo surgiu como uma estética cujo objetivo era analisar e criticar essa nova sociedade sem

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Escritor dos mais aclamados, Machado de Assis representa um dos pontos culminantes da literatura brasileira. Dentro de sua obra, o romance Dom Casmurro

Leia mais

Centro de Integração Empresa Escola - CIEE

Centro de Integração Empresa Escola - CIEE PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ESTUDANTES NO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA CADERNO DE QUESTÕES DIREITO Data: 09/10/2016 - Horário: 08h00 as 10h00 - Duração: 02 (DUAS) horas

Leia mais

latim persona máscara

latim persona máscara A PERSONAGEM latim persona máscara É um simulacro; personagem X pessoa; Verdade X verossimilhança; ela precisa ser verossímil. PERSONAGEM SÓ APARECE NO TEXTO LITERÁRIO???? Figura humana representada em

Leia mais

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral LITERATURA 2ºEM

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral LITERATURA 2ºEM Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral LITERATURA 2ºEM NOME: IMPRIMA AS FOLHAS. RESOLVA AS QUESTÕES DISSERTATIVAS EM FOLHA DE PAPEL ALMAÇO OU FOLHA DE FICHÁRIO; OS TESTES PODERÃO SER RESPONDIDOS

Leia mais

Matéria: Literatura Assunto: naturalismo Prof. Ibirá costa

Matéria: Literatura Assunto: naturalismo Prof. Ibirá costa Matéria: Literatura Assunto: naturalismo Prof. Ibirá costa Literatura Naturalismo (Séc. XIX) O Naturalismo, e este sim, identificado com as matrizes européias do movimento, estrutura-se com O Mulato, de

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

EDUCANDÁRIO SANTA RITA DE CÁSSIA

EDUCANDÁRIO SANTA RITA DE CÁSSIA 6º Ano A e B 24/10 Português 27/10 Ciências 25/10 Geografia / Inglês 28/10 Matemática 26/10 História - 21/11 Geografia / Inglês 24/11 Des. Geométrico 22/11 Ciências / Espanhol 25/11 Matemática 23/11 Português

Leia mais

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção

Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção Quem criou o termo e desenvolveu a sociologia como ciência autônoma foi Auguste Comte. Sua obra inicia-se no início do século XIX e é central a noção de evolução social na compreensão deste sociólogo sobre

Leia mais

A ARTE DO REALISMO NA EUROPA

A ARTE DO REALISMO NA EUROPA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 8 º TURMA(S):

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS (1881) Professor Kássio MACHADO DE ASSIS Filho de uma lavadeira de origem portuguesa e de um mulato, nasceu em 1839 no Morro do Livramento. De origem pobre, viu na intelectualidade

Leia mais

A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS

A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS EÇA DE QUEIRÓS 1845-1900 1ª FASE = ROMÂNTICA (PRÉ REALISTA) 2ª FASE = REALISTA-NATURALISTA O CRIME DO PADRE AMARO O PRIMO BASÍLIO 3ª FASE = REALISTA-FANTASISTA

Leia mais

MISCELÂNEA. Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008

MISCELÂNEA.  Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 MISCELÂNEA Revista de Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 1984-2899 www.assis.unesp.br/miscelanea Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 DOM CASMURRO E A MULHER FATAL Camila Soares López

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 57 SOCIALISMO: UTÓPICO E CIENTÍFICO Fixação 1) (PUC) Na segunda metade do século XIX, surgiu o socialismo científico, cujo teórico mais importante foi Karl Heinrich Marx. São

Leia mais

Data Horário Disciplina

Data Horário Disciplina São Paulo, 04 de dezembro de 2015. Avaliação Final - 2ª série - E. Médio Prezados Pais e Alunos, Após o fechamento das médias trimestrais, identificaremos quais alunos deverão realizar a Avaliação Final.

Leia mais

Dom Casmurro e a temática do adultério feminino

Dom Casmurro e a temática do adultério feminino Dom Casmurro e a temática do adultério feminino Cem anos depois da morte de Machado de Assis (1839-1908), sua obra ainda tem um efeito inquietante junto aos leitores e críticos. Sua escrita visionária,

Leia mais

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX.

TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX. TEORIAS SOCIALISTAS MOVIMENTOS OPERÁRIOS NO SÉCULO XIX 1. DEFINIÇÃO Ideais críticos ao capitalismo industrial. Crítica à propriedade privada (meios de produção). Crítica à desigualdade na distribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

Profª Drª CAMILA PASQUAL REALISMO/ NATURALISMO ( )

Profª Drª CAMILA PASQUAL REALISMO/ NATURALISMO ( ) Profª Drª CAMILA PASQUAL REALISMO/ NATURALISMO (1881-1900) CONTEXTO-HISTÓRICO: O Realismo foi o estilo de época que predominou, na literatura, durante a segunda metade do século XIX, um período rico em

Leia mais

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2

KARL MARX E A EDUCAÇÃO. Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 KARL MARX E A EDUCAÇÃO Ana Amélia, Fernando, Letícia, Mauro, Vinícius Prof. Neusa Chaves Sociologia da Educação-2016/2 BIOGRAFIA Karl Heinrich Marx (1818-1883), nasceu em Trier, Alemanha e morreu em Londres.

Leia mais

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo Projeto Literatura Viva Tema: Nacionalismo 2017 Justificativa Expressar-se oralmente é algo que requer confiança em si mesmo. Isso se conquista em ambientes favoráveis à manifestação do que se pensa, do

Leia mais

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3:

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3: 2º EM Literatura Carolina Aval. Mensal 18/05/12 Textos para a questão 1: Texto I OS SAPOS O sapo tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: Meu cancioneiro É bem martelado (...) Brada em um assomo O sapo tanoeiro:

Leia mais

Vozes de Carolina Maria de Jesus: um olhar Bakhtiniano

Vozes de Carolina Maria de Jesus: um olhar Bakhtiniano Vozes de Carolina Maria de Jesus: um olhar Bakhtiniano Adaiane Rodrigues Martins Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP. adaianemartins@hotmail.com Monica Maia dos Santos Universidade Sagrado Coração,

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA - SEBRAE/RR - PROCESSO SELETIVO EXTERNO Nº 01/2016 MATUTINO 18/09/2016 NÍVEL MÉDIO

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA - SEBRAE/RR - PROCESSO SELETIVO EXTERNO Nº 01/2016 MATUTINO 18/09/2016 NÍVEL MÉDIO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA - SEBRAE/RR - PROCESSO SELETIVO EXTERNO Nº 01/2016 MATUTINO 18/09/2016 NÍVEL MÉDIO AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS CARGO: 03 - DISUP Leia

Leia mais

EQUIPE PEDAGÓGICA DE 9 o AO 2 o ANO

EQUIPE PEDAGÓGICA DE 9 o AO 2 o ANO EQUIPE PEDAGÓGICA DE 9 o AO 2 o ANO 2 o Ano (TAB) Aluno(a): Ano: Turma: Turno: Caro(a) Aluno(a), As Verificações Bimestrais relativas ao 1º Bimestre acontecerão de 20 de março a 27 de março. As Verificações

Leia mais

Profº Fernando Pucharelli Literatura 2º ano do EM tarde

Profº Fernando Pucharelli Literatura 2º ano do EM tarde Profº Fernando Pucharelli Literatura 2º ano do EM tarde Romantismo no Brasil Começa o Romantismo no Brasil em 1836, com publicação de Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães. Aparece também,

Leia mais

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Alunos: Camila de Souza Silva 200720331 Mayara Moreira da Silva 200711846 Renato Graça Duque 200720337 4º Período Apresentação do Projeto O cliente Cátedra UNESCO

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

Paradidático DESAFIOS DE CORDEL (ILUSTRAÇÕES FERNANDO VILELA) AUTOR: CÉSAR OBEID / EDITORA: FTD

Paradidático DESAFIOS DE CORDEL (ILUSTRAÇÕES FERNANDO VILELA) AUTOR: CÉSAR OBEID / EDITORA: FTD Segue a lista de livros paradidáticos que serão utilizados pelos alunos do 5º ano no decorrer do Paradidático DESAFIOS DE CORDEL (ILUSTRAÇÕES FERNANDO VILELA) AUTOR: CÉSAR OBEID / Mês MARÇO Realizar a

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão.

Texto da questão. I. A primeira Revolução Industrial aconteceu na Grã-Bretanha, com o algodão. Questão 1 No final do século XVIII e durante todo o século XIX aconteceu na Inglaterra a Revolução Industrial. Quais afirmativas são corretas com relação à Revolução Industrial? I. A primeira Revolução

Leia mais

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo PORTUGUÊS LITERATURA 1) Realismo 1.1) Introdução: É a denominação genérica da reação aos ideais românticos existentes na segunda metade do século XIX. As profundas transformações ocorridas na sociedade

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Considerado um dos mais importantes romances brasileiros, Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, se inscreveu de forma

Leia mais

Aula A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META OBJETIVOS

Aula A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META OBJETIVOS A LITERATURA BRASILEIRA REALISTA-NATURALISTA: AUTORES E OBRAS META Fazer um breve panorama da literatura brasileira realista-naturalista produzida na segunda metade do OBJETIVOS estudo do texto; Releitura

Leia mais

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1 Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO Tendo em vista que a crônica trata-se de uma narrativa

Leia mais

Atividades: Dom Casmurro

Atividades: Dom Casmurro Atividades: Dom Casmurro 1. (Fuvest-SP) A narração dos acontecimentos com que o leitor se defronta no romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, se faz em primeira pessoa, portanto, do ponto de vista da

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

SOCIALISMO E ESPIRITISMO. Debate em 10/03/2012

SOCIALISMO E ESPIRITISMO. Debate em 10/03/2012 SOCIALISMO E ESPIRITISMO Debate em 10/03/2012 http://www.gede.net.br OBJETIVO Perceber a importância dos valores apregoados pela doutrina espírita para a construção de uma sociedade igualitária e humanizada.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0434 PEB II MATEMÁTICA

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0434 PEB II MATEMÁTICA PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

ENSINO MÉDIO 2016 CONTEÚDOS DOS EXAMES 1º ANO

ENSINO MÉDIO 2016 CONTEÚDOS DOS EXAMES 1º ANO ENSINO MÉDIO - EXAME FINAL 2016 (1º e 2º Anos) SEGUNDA-FEIRA (19/12) HORÁRIO: 07H PROVAS: FÍSICA, QUÍMICA, INGLÊS, GEOGRAFIA, LÍNGUA PORTUGUESA TERÇA-FEIRA (20/12) HORÁRIO: 07H PROVAS: MATEMÁTICA, BIOLOGIA,

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA - SEBRAE/RR - PROCESSO SELETIVO EXTERNO Nº 01/2016 MATUTINO 18/09/2016 NÍVEL MÉDIO

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA - SEBRAE/RR - PROCESSO SELETIVO EXTERNO Nº 01/2016 MATUTINO 18/09/2016 NÍVEL MÉDIO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE RORAIMA - SEBRAE/RR - PROCESSO SELETIVO EXTERNO Nº 01/2016 MATUTINO 18/09/2016 NÍVEL MÉDIO AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS CARGO: 01 - DIRAF Leia

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Um proprietário de um campo de videiras saiu pela manhã para contratar trabalhadores. Encontrou alguns e ajustou um denaro por dia e eles foram para

Um proprietário de um campo de videiras saiu pela manhã para contratar trabalhadores. Encontrou alguns e ajustou um denaro por dia e eles foram para Um proprietário de um campo de videiras saiu pela manhã para contratar trabalhadores. Encontrou alguns e ajustou um denaro por dia e eles foram para a vinha. Lá pela terceira hora, saiu novamente para

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO

Sociologia 23/11/2015 PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Sociologia Professor Scherr PRODUÇÃO & MODELOS ECONÔMICOS TIPOS DE MODOS DE PRODUÇÃO Comunismo primitivo os homens se unem para enfrentar os desafios da natureza. Patriarcal domesticação de animais, uso

Leia mais

IDEOLOGIAS DA ERA INDUSTRIAL

IDEOLOGIAS DA ERA INDUSTRIAL Com o desenvolvimento industrial surgiram várias correntes ideológicas que pretendiam justificar e apoiar o capitalismo (doutrinas liberais), ou condená-lo e destruí-lo (doutrinas socialistas). CAPITALISMO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua

Leia mais

Melhor Realista Português Estilo realista-naturalista Um dos ideólogos do Realismo Lusitano (1865-1890)

Melhor Realista Português Estilo realista-naturalista Um dos ideólogos do Realismo Lusitano (1865-1890) Eça a de Queirós(1845 s(1845-1900) 1900) Melhor Realista Português Estilo realista-naturalista Um dos ideólogos do Realismo Lusitano (1865-1890) 1890) Influência do Determinismo (Taine): Meio, Raça a e

Leia mais

Gosto do seu chapéu. Sua cara é feia. Mas sua blusa é legal. Em geral não damos feedback Quando damos, sai meio torto

Gosto do seu chapéu. Sua cara é feia. Mas sua blusa é legal. Em geral não damos feedback Quando damos, sai meio torto FEEDBACK Gosto do seu chapéu. Sua cara é feia. Mas sua blusa é legal. Em geral não damos feedback Quando damos, sai meio torto Geração Milênios Geração Y Geração Internet Nascidos entre 1980 1995 Pesquisa

Leia mais

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE Prova P1 24/02 Progressão Textual 2ª Chamada P1 17/03 Progressão Textual Prova P2 14/03 Elaboração de Narrativa 2ª Chamada P2 31/03 Elaboração de Narrativa Prova P3 04/04 Transposição de Linguagem 2ª Chamada

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2007 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (15/11), você deverá responder as questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

Disciplina: SOCIOLOGIA. 1º semestre letivo de 2015

Disciplina: SOCIOLOGIA. 1º semestre letivo de 2015 Disciplina: SOCIOLOGIA 1º semestre letivo de 2015 Universidade Federal de Pelotas UFPel Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP Curso de Ciência da Computação Professor Francisco E. B. Vargas

Leia mais

Machado de Assis foi um dos principais responsáveis pela fundação da Academia Brasileira de Letras, sendo o seu primeiro presidente.

Machado de Assis foi um dos principais responsáveis pela fundação da Academia Brasileira de Letras, sendo o seu primeiro presidente. Aula 16 MACHADO DE ASSIS I CONTEXTO HISTÓRICO O Realismo brasileiro tem início em 1881, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, romance realista de Machado de Assis. Machado de Assis está

Leia mais

Perspectiva Comportamental Externa

Perspectiva Comportamental Externa Watson (1878-1958) Perspectiva Comportamental Externa Valorização do Meio O objecto da Psicologia Estuda o comportamento observável e mensurável Acesso WATSON O Estudo do Comportamento (behaviour) O Método

Leia mais

Aula LITERATURA E TEATRO NATURALISTAS NO BRASIL: META OBJETIVOS. Leitura das obras, O Mulato, (Fonte:

Aula LITERATURA E TEATRO NATURALISTAS NO BRASIL: META OBJETIVOS. Leitura das obras, O Mulato, (Fonte: LITERATURA E TEATRO NATURALISTAS NO BRASIL: META OBJETIVOS Leitura das obras, O Mulato, (Fonte: http://publifolha.folha.com.br) Literatura Brasileira II renovar sua realidade e construir um mundo melhor

Leia mais

PROVA ESCRITA DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROVA ESCRITA DE LÍNGUA PORTUGUESA PROVA ESCRITA DE LÍNGUA PORTUGUESA Nesta prova, faça o que se pede, utilizando, caso deseje, os espaços indicados para rascunho. Em seguida, escreva os textos definitivos da redação e dos exercícios no

Leia mais

1º ano 7º ano 2º ano 8º ano 3º ano 9º ano 4º ano 1º Médio 5º ano 2º Médio 6º ano 3º Médio

1º ano 7º ano 2º ano 8º ano 3º ano 9º ano 4º ano 1º Médio 5º ano 2º Médio 6º ano 3º Médio LIVROS PARADIDÁTICOS 2º BIMESTRE * CLIQUE NO LINK DESEJADO PARA VISUALIZAR * 1º ano 7º ano 2º ano 8º ano 3º ano 9º ano 4º ano 1º Médio 5º ano 2º Médio 6º ano 3º Médio Para: Pais e Alunos do 1º Ano do Ensino

Leia mais

2016 Ensino Médio Conteúdo e Datas 2ª PARCIAL /2ª Etapa

2016 Ensino Médio Conteúdo e Datas 2ª PARCIAL /2ª Etapa Disciplina Data Série Conteúdo Física Biologia Inglês Português 15/07 14/07 12/07 Capítulo 8 Capítulos 6 e 7 Vetores Movimento Circular Uniforme - MCU Estudo dos gases Termodinâmica Eletrodinâmica Circuitos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO Campus CEDETEG ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO Campus CEDETEG ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1ª SÉRIE ANUAL MANHÃ 07h30min Imunologia o Anatomia Humana Laboratório de Anatomia Humana Fisiologia Humana e Biofísica TA e TB Microbiologia TA Parasitologia TB SALA 6 BLOCO 1 08h20min Imunologia o Anatomia

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA (INTA) PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM 1º SEMESTRE

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA (INTA) PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM 1º SEMESTRE 1 2.7. ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM 2015.2 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 90 60 30 06 2. Antropologia Teológica 30 30 02 3. Biologia (Citologia/Genética) 60 45 15 04 4. Educação

Leia mais