Português 2º ano João J. Folhetim

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Português 2º ano João J. Folhetim"

Transcrição

1 Português 2º ano João J. Folhetim

2 Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito Absoluto, Lirismo Intenso, Moral Materialização da Alma e da Emoção

3 Romantismo: Ideal x Real Ideal: Imaginação 1ª geração: Idealismo + Otimismo = Perfeição (pátria, natureza-pátria, herói, figura amada, amor, vida, arte etc) 2ª geração: Idealismo + Pessimismo = Perfeição Impossível (ideal impossível amor e figura amada, frustração, angústia, mal-estar, mal-do-século, desejo de morrer) 3ª geração: Idealismo + Realismo = Perfeição Possível (condoreirismo lirismo social e donjuanismo lirismo sensual) Real: Observação

4 Romance Romântico: o Gênero Burguês Narrativa longa Narrativa em Prosa Estrutura: 01 Núcleo Narrativo Núcleo: Folhetim Superficialidade e Tipificação Espaço e Identidade / Heroísmo

5 Perfeição Moral Perfeição Ética Perfeição Estética Dote O Folhetim Amor Idealizado Impedimentos Sociais: Tradição Família Propriedade Perfeição Moral Perfeição Ética Perfeição Estética Dote Herói Burguês Final Feliz Final Trágico Heroína Burguesa

6 Folhetim: Espaço e Identidade Romance Urbano: o Brasil da Burguesia Romance Regionalista: o Brasil do Sertanejo, do Interiorano Romance Histórico-Indianista: o Brasil Original

7 O Folhetim Histórico-Indianista: formação da identidade nacional Ambientação Histórica: - O Brasil: Descobrimento e Colonização - O Herói colonizador Indianismo - O Brasil: Paraíso Tropical - O Índio: Beleza, Origem e Heroísmo - O Mito: Casal Original

8 Perfeição Moral Perfeição Ética Perfeição Estética Dote: Colonizador e Guerreiro Iracema, José de Alencar Impedimentos Sociais: Tradição: Civilização x Primitividade Família: Tabajara x Pitiguara Perfeição Moral Perfeição Ética Perfeição Estética Dote: Natureza Martim Poti: Ajudador Final Feliz Amor Idealizado Final Trágico Iracema Irapuã: Antagonista

9 Narrador: História x Estória 3ª Pessoa: 1ª pessoa: - Onisciência - A História: Realidade - A Estória: Ficção e Mito - Identificação - Narrador x Terra-natal - Narrador x Heróis

10 A Prosa-Poética: Linguagem e Nacionalidade Analogias: Heróis x Natureza-Pátria Comparações: Heroísmo x Natureza-Pátria Prosopopéias: Natureza-Pátria como Espelho de Estados de Alma e Heroísmo Língua: Identidade Nacional Anagrama: IRACEMA x AMÉRICA

11 Enredo: História e Lenda História: 1. Formação do Brasil e da Brasilidade 2. Colonização: século XVI 3. Miscigenação: Etnia / Língua / Cultura

12 A Temática Histórico-Indianista: Chateaubriand à Alencar O Pitoresco do Brasil: Lírico e Poético Historiografia e Geografia x Lendário Bom Selvagem: Felicidade Primitiva Amor da Índia por um Estrangeiro A Ameaça da Civilização à Natureza Original A Morte da Beleza Nativa Conflito: Velho Mundo Civilizado x Novo Mundo Primitivo

13 Ambiente: Paraíso Tropical O Paraíso Tropical Histórico - Século XVI / Início da Colonização - Ceará / Litoral - Visão Histórica e Geográfica O Paraíso Tropical Lendário - Mito, Comoção e Idealização - Visão Lendária, Lírica e Poética

14 Personagens: Estereotipação e Identidade Nacional Iracema: Heroína Tabajara / Sacerdotisa / Segredo da Jurema / Beleza Natural / América Martim: Herói Português / Cristão / Colonizador / Guerreiro Coatiabo / Beleza Natural / Europa Moacir: mestiço nascido do amor entre Martim e Iracema; o brasileiro (cearense); filho da dor.

15 Personagens: Estereotipação e Identidade Nacional Poti: Ajudador / Amigo de Martim / Guerreiro Pitiguara Caubi: Ajudador / Irmão de Iracema / Guerreiro Tabajara

16 Personagens: Estereotipação e Identidade Nacional Jacaúna: Chefe-Guerreiro Pitiguara / Irmão de Poti Irapuã: Chefe-Guerreiro Tabajara / Anti- Herói / Pretendente de Iracema

17 Personagens: Estereotipação e Identidade Nacional Araquém: Pai de Iracema / Pajé Tabajara Andira: Irmão de Araquém / Velho Sábio Tabajara / Pacifista Jatobá: Pai de Poti e de Jacaúna / Velho Guerreiro Pitiguara / Sábio na Arte da Guerra Batuireté: Avô de Poti e de Jacaúna / Velho Sábio Pitiguara / Prenuncia a Chegada do Europeu

18 Texto para Leitura: no Rio de Alencar

IRACEMA, José de Alencar Iracema, José De Alencar

IRACEMA, José de Alencar Iracema, José De Alencar IRACEMA, José de Alencar Iracema, José De Alencar Obra narrada em terceira pessoa; É a história de Martim (branco, português) e Iracema (índia tabajara). Os protagonistas se conhecem quando ela o atinge

Leia mais

Iracema José de Alencar - 2

Iracema José de Alencar - 2 Iracema José Martiniano de Alencar - 1 Vida e Obra 1829-Mecejana,CE 1877-Rio de Janeiro,RJ Iracema José de Alencar - 2 O senador José Martiniano de Alencar, seu pai o Clube da Maioridade D. Pedro teses

Leia mais

Iracema José Martiniano de Alencar - 1 VIDA E OBRA 1829-MECEJANA,CE 1877-RIO DE JANEIRO,RJ

Iracema José Martiniano de Alencar - 1 VIDA E OBRA 1829-MECEJANA,CE 1877-RIO DE JANEIRO,RJ Iracema José Martiniano de Alencar - 1 VIDA E OBRA 1829-MECEJANA,CE 1877-RIO DE JANEIRO,RJ Iracema José de Alencar - 2 O senador José Martiniano de Alencar, seu pai o Clube da Maioridade D. Pedro teses

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Escritor fundador de uma literatura nacional, preocupado com a formação da identidade brasileira na literatura, José de Alencar possui vocabulário

Leia mais

Romantismo A Prosa. O Romance Romântico

Romantismo A Prosa. O Romance Romântico Romantismo A Prosa O Romance Romântico O Romance de Folhetim 1844 início oficial da ficção no Brasil com A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo. Mostra os costumes da burguesia do RJ imperial; Sentimental

Leia mais

O MITO DO BOM SELVAGEM E A PERSPECTIVA DE CONSTRUÇÃO DE UMA LITERATURA DE CARÁTER NACIONAL

O MITO DO BOM SELVAGEM E A PERSPECTIVA DE CONSTRUÇÃO DE UMA LITERATURA DE CARÁTER NACIONAL O mito do bom selvagem www.portuguesdobrasil.net 1 O MITO DO BOM SELVAGEM E A PERSPECTIVA DE CONSTRUÇÃO DE UMA LITERATURA DE CARÁTER NACIONAL Jesuíno Aparecido Andrade José de Alencar nasceu no estado

Leia mais

Prof. André de Freitas Barbosa. Análise literária. José de Alencar ( ) IRACEMA (1865)

Prof. André de Freitas Barbosa. Análise literária. José de Alencar ( ) IRACEMA (1865) Prof. André de Freitas Barbosa Análise literária IRACEMA (1865) José de Alencar (1829-1877) DIVISÃO TEMÁTICA DOS ROMANCES DE ALENCAR a) Romances indianistas apresentam três fases do índio: civilizado e

Leia mais

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo Projeto Literatura Viva Tema: Nacionalismo 2017 Justificativa Expressar-se oralmente é algo que requer confiança em si mesmo. Isso se conquista em ambientes favoráveis à manifestação do que se pensa, do

Leia mais

Romantismo Brasileiro. Prosa

Romantismo Brasileiro. Prosa Romantismo Brasileiro Prosa A Prosa Romântica no Brasil Início em meados do século XIX. Romance: gênero literário de fácil aceitação para o público burguês. Folhetim Mulheres, estudantes, comerciantes

Leia mais

Prof.ª Kalyne Varela

Prof.ª Kalyne Varela Prof.ª Kalyne Varela O ROMANTISMO, estilo literário do século XIX, é a manifestação artística feita para um público consumidor novo: a burguesia. Brasil: 1808 chegada da família real portuguesa no Brasil;

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA FICÇÃO BRASILEIRA

A PRESENÇA INDÍGENA NA FICÇÃO BRASILEIRA A PRESENÇA INDÍGENA NA FICÇÃO BRASILEIRA Fernando CARVALHO* O indígena aparece na literatura brasileira desde as primeiras manifestações literárias; desde a carta de Pero Vaz Caminha aos cronistas dos

Leia mais

latim persona máscara

latim persona máscara A PERSONAGEM latim persona máscara É um simulacro; personagem X pessoa; Verdade X verossimilhança; ela precisa ser verossímil. PERSONAGEM SÓ APARECE NO TEXTO LITERÁRIO???? Figura humana representada em

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO Estudos Literários I LTE5028 Variação e Mudança Linguísticas LNG5027 Língua Alemã I *LEM5108 Introdução à Língua Italiana: noções gerais *LEM5152

Leia mais

RAFAELA LEAL DA SILVA

RAFAELA LEAL DA SILVA 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS DE LICENCIATURA PLENA EM LÍNGUA PORTUGUESA RAFAELA LEAL DA SILVA O SEGREDO DA JUREMA E

Leia mais

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO PROFª Edna Prado I - CONTEXTO HISTÓRICO O tema da aula de hoje é a Estética Romântica, é o Romantismo com letra maiúscula. E por que com letra maiúscula? Porque é importante

Leia mais

Romantismo no Brasil: 1ª geração. Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra

Romantismo no Brasil: 1ª geração. Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra Romantismo no Brasil: 1ª geração Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra O discurso da nacionalidade Na primeira metade do século XIX, várias missões estrangeiras vieram ao Brasil. Foram os estrangeiros

Leia mais

Prof. Roger. Iracema. Lenda do Ceará. (José de Alencar)

Prof. Roger. Iracema. Lenda do Ceará. (José de Alencar) Prof. Iracema Lenda do Ceará (José de Alencar) Prof. Espaço: Ceará (litoral e interior Serra da Ibiapaba) Época: 1603-1604 1608 Retorno de Martim Fundação Capítulo I Prof. Verdes mares bravios de minha

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra ROMANTISMO Idealização e arrebatamento Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra CONTEXTO NO BRASIL Em 1822, o Brasil conquista sua independência política, mas não tem definida sua identidade.

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações

Leia mais

O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA

O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA JOÃO DE CASTRO OSÓRIO O ALEM-MAR NA LITERATURA PORTUGUESA (ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS) NOVA ARRANCADA ÍNDICE DAS MATÉRIAS Breve nota sobre a vida e obra de João de Castro Osório., CAPÍTULO I CONDIÇÕES HISTÓRICAS

Leia mais

3º TD de Literatura Data: 18/07/2014

3º TD de Literatura Data: 18/07/2014 Universidade Estadual do Ceará UECEVest Professor: Vinâncio Silva 3º TD de Literatura Data: 18/07/2014 Exercícios 1. Assinale a alternativa falsa: a) O Romantismo é um movimento de expressão universal,

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II AULA 16.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II Segunda Geração: os ultrarromânticos O sentimentalismo, a imaginação e o egocentrismo atingiram seu ponto culminante nesta geração, que experimentou as formas

Leia mais

Aula de recuperação. Ensino Médio

Aula de recuperação. Ensino Médio Ensino Médio Comp. Curricular: LP Data: 05/03/12 1º Período Aluno(a): Nº Turma: Aula de recuperação 1. Leia, a seguir, a letra de uma canção de Chico Buarque inspirada no romance de José de Alencar, "Iracema

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE 2014 1º ANO/1º SEMESTRE 2 aulas) Observação: Leitura e Produção de Textos I * * (LNG1050) Habilidades Básicas Integradas do Inglês: Produção

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

GENEROS MIDIÁTICOS EM SALA DE AULA: ANÁLISE DA RETEXTUALIZAÇÃO MIDIÁTICA EM IRACEMA

GENEROS MIDIÁTICOS EM SALA DE AULA: ANÁLISE DA RETEXTUALIZAÇÃO MIDIÁTICA EM IRACEMA GENEROS MIDIÁTICOS EM SALA DE AULA: ANÁLISE DA RETEXTUALIZAÇÃO MIDIÁTICA EM IRACEMA Autora: Marcilane de Oliveira Andrade; Co-autora: Flávia Roberta Mendes Venâncio; (Universidade Estadual da Paraíba -

Leia mais

A PERSONIFICAÇÃO DA AMÉRICA E O MITO FUNDADOR PRESENTES NA OBRA IRACEMA, DE JOSÉ DE ALENCAR. Palavras-chave: Iracema. América. Ceará. Mito. Fundação.

A PERSONIFICAÇÃO DA AMÉRICA E O MITO FUNDADOR PRESENTES NA OBRA IRACEMA, DE JOSÉ DE ALENCAR. Palavras-chave: Iracema. América. Ceará. Mito. Fundação. A PERSONIFICAÇÃO DA AMÉRICA E O MITO FUNDADOR PRESENTES NA OBRA IRACEMA, DE JOSÉ DE ALENCAR. RESUMO: Flávio Loiola Frota Maria Sheila Silva de Sousa O presente artigo trata da personificação da personagem

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 2º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN COMPREENDENDO IDENTIDADE NACIONAL E IDENTIDADE CULTURAL ATRAVÉS DE MACUNAÍMA E IRACEMA Caroline Soares Nogueira Daiane Machado Daniela de Campos Reis Franciele Vilela Souza (G-CLCA-UENP/CJ) Adenize Aparecida

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

ROMANTISMO. Exercícios de revisão - Romantismo brasileiro

ROMANTISMO. Exercícios de revisão - Romantismo brasileiro LISTA: 2ª série Ensino Médio Professor(a): Yani Rebouças Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: ROMANTISMO DIA: MÊS: 03 2017 Exercícios de revisão - Romantismo brasileiro Questão 01) Leia o

Leia mais

IRACEMA (Lenda do Ceará)

IRACEMA (Lenda do Ceará) IRACEMA (Lenda do Ceará) ROMANTISMO Homem burguês sensível x Mundo burguês Livro-síntese: FRANKENSTEIN criador x criatura Escapismo / Exótico IDEALIZAÇÃO Maniqueísmo Nacionalismo ROMANTISMO Europa: nacionalismo/medievalismo

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 2º Bimestre DISCIPLINA: LITERATURA PROFESSOR(A): MARLLON Curso: E.M. TURMA: 2101 DATA:

EXERCÍCIOS ON LINE 2º Bimestre DISCIPLINA: LITERATURA PROFESSOR(A): MARLLON Curso: E.M. TURMA: 2101 DATA: EXERCÍCIOS ON LINE 2º Bimestre DISCIPLINA: LITERATURA PROFESSOR(A): MARLLON Curso: E.M. TURMA: 2101 DATA: NOME: Nº.: EXERCÍCIO ON LINE 2101-2ºBIMESTRE 1. Assinale a alternativa em que a obra indicada se

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A REPRESENTAÇÃO DO ÍNDIO NA OBRA IRACEMA,

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A REPRESENTAÇÃO DO ÍNDIO NA OBRA IRACEMA, A REPRESENTAÇÃO DO ÍNDIO NA OBRA IRACEMA, DE JOSÉ DE ALENCAR Acsa Oliveira Fernandes (UEMG) acsaoliveira29@gmail.com Lídia Maria Nazaré Alves (UEMG) lidianazare@hotmail.com Vanessa Fernandes Dias (UEMG)

Leia mais

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA GÊNEROS LITERÁRIOS A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA Na Antiguidade Clássica os textos literários dividiam em em três gêneros: GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO

Leia mais

Ao Correr da Pena, crônica, 1874;

Ao Correr da Pena, crônica, 1874; OBRA ANALISADA: Til -- 1872 GÊNERO Romance AUTOR José de Alencar DADOS BIOGRÁFICOS Nome completo: José Martiniano de Alencar BIBLIOGRAFIA Romance: Cinco Minutos, romance, 1856; O Guarani, romance, 1857;

Leia mais

Resenha Crítica de "O Primo Basílio", de Eça de Qu

Resenha Crítica de O Primo Basílio, de Eça de Qu Resenha Crítica de "O Primo Basílio", de Eça de Qu Cláudio Carvalho Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO,

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO, DE EÇA DE QUEIRÓS

RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO, DE EÇA DE QUEIRÓS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS RESENHA CRÍTICA DE O PRIMO BASÍLIO, DE EÇA DE QUEIRÓS por Cláudio Carvalho Fernandes Aluno do Curso de Letras (Português)

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Material de Apoio / 9º ano Professor: Me. Renato Dering Data: / / 2016. De sonhos e conquistas Aluno(a): José de Alencar (1829-1877) foi romancista, dramaturgo, jornalista,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Data da prova: 17/09/2016.

Data da prova: 17/09/2016. GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO(a): Data da prova: 17/09/2016. No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes

Leia mais

DATA: 30 / 11 / 2011 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 7.º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA:

DATA: 30 / 11 / 2011 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 7.º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 7.º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:,

Leia mais

FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS,

FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS, FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS, LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL, PEDAGOGIA EIXO DE FORMAÇÃO DE

Leia mais

IRACEMA E O ROMANTISMO

IRACEMA E O ROMANTISMO IRACEMA E O ROMANTISMO Fidelis Carbonera Não há dúvida que o livro Iracema de José de Alencar seja sua obra prima. Até o crítico Machado de Assis foi da mesma opinião. De fato, dizem os entendidos que

Leia mais

Elementos da narrativa

Elementos da narrativa Elementos da narrativa Narrador presente narrador ausente O narrador é aquele que conta a história Uma narrativa Quando não participa na história narrada, relatando apenas acontecimentos na terceira pessoa

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Considerado um dos mais importantes romances brasileiros, Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, se inscreveu de forma

Leia mais

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3 Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro O racismo no Brasil:

Leia mais

Patricia Aparecida Gonçalves de Faria (Graduanda UNESP/Assis PIBIC/CNPq)

Patricia Aparecida Gonçalves de Faria (Graduanda UNESP/Assis PIBIC/CNPq) II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.br AMERICANIDADE EM O CANTO DO ÍNDIO DE GONÇALVES DIAS Patricia Aparecida

Leia mais

A CIDADE E AS SERRAS (1901) Professor Kássio

A CIDADE E AS SERRAS (1901) Professor Kássio A CIDADE E AS SERRAS (1901) Professor Kássio Obra publicada um ano após a morte do escritor Eça de Queirós, é uma das últimas grandes publicações realistas em Portugal. O seu mote está em um conto publicado

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

GONÇALVES DIAS EM DOIS TEMPOS

GONÇALVES DIAS EM DOIS TEMPOS GONÇALVES DIAS EM DOIS TEMPOS Júlio Cezar Bastoni da SILVA * MARQUES, W. J. O poeta do lá. São Carlos: EdUFSCar, 2014. Depois de Gonçalves Dias: o poeta na contramão, no qual analisa uma faceta praticamente

Leia mais

A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS

A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS A CIDADE E AS SERRAS 1901 EÇA DE QUEIRÓS EÇA DE QUEIRÓS 1845-1900 1ª FASE = ROMÂNTICA (PRÉ REALISTA) 2ª FASE = REALISTA-NATURALISTA O CRIME DO PADRE AMARO O PRIMO BASÍLIO 3ª FASE = REALISTA-FANTASISTA

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Português. 2º ano Nacionalismo Literário João J. Ago/09 NACIONALISMO LITERÁRIO

Nome: Nº: Turma: Português. 2º ano Nacionalismo Literário João J. Ago/09 NACIONALISMO LITERÁRIO Nome: Nº: Turma: Português 2º ano Nacionalismo Literário João J. Ago/09 NACIONALISMO LITERÁRIO Teoricamente, o nacionalismo independe da literatura, pois o significado fundamental de nação, mesmo o mais

Leia mais

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS GRUPOS 1, 3 E 4 (1º DIA 14/10/2012) PROVA DISCURSIVA DE PORTUGUÊS E LITERATURA VESTIBULAR PUC-RIO 2013 GABARITO PORTUGUÊS E LITERATURA BRASILEIRA DISCURSIVA ATENÇÃO:

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Literatura

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Literatura Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Literatura 26. Alternativa (B) I A assertiva fala sobre haver uniformização pretendida pelo Barroco, o qual é marcado como sabemos pela dualidade. III O eu-lírico

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Recuperação do 4 Bimestre - disciplina Conteúdo: Texto / verbos Lista de exercícios 1. Complete adequadamente: a) Não... ontem ao cinema com vocês porque já... na

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

IDENTIDADE E ROMANTISMO BRASILEIRO NO SÉCULO XIX: DO CANTO INDIANISTA AO PROJETO DE NAÇÃO 1

IDENTIDADE E ROMANTISMO BRASILEIRO NO SÉCULO XIX: DO CANTO INDIANISTA AO PROJETO DE NAÇÃO 1 IDENTIDADE E ROMANTISMO BRASILEIRO NO SÉCULO XIX: DO CANTO INDIANISTA AO PROJETO DE NAÇÃO 1 Mirian Pereira Cardoso 2 RESUMO Os processos identitários fazem parte das pesquisas contemporâneas que dão visibilidade

Leia mais

AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS

AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS 1ªGERAÇÃO ROMÂNTICA: os indianistas, ou nacionalistas. No período regencial, houve rebeliões de grande participação popular em oposição declarada aos antigos colonizadores. O povo

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA

TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA Tem o sentido e a verdade, é para tudo refletir. Entender a Sociedade, e pensar caminho a seguir. Romance do pré-modernismo, pura transformação.

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

A prosa do Romantismo brasileiro

A prosa do Romantismo brasileiro GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO(a): Data da prova: 20/08/2016. No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Recuperação do 3 Bimestre - História Conteúdo: ORIENTE: ÍNDIA, CHINA E JAPÃO AMÉRICA E SEUS POVOS POVOS DO BRASIL COLONIZAÇÃO ESPANHOLA E INGLESA NA AMÉRICA Lista

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa 8º Ano - Ano Lectivo 2008/ 2009 Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Unidade Temática Conteúdos Competências Específicas

Leia mais

Seus romances podem ser agrupados em: regionalistas, urbanos, indianistas e históricos.

Seus romances podem ser agrupados em: regionalistas, urbanos, indianistas e históricos. Livro Analisado: O Guarani Preparação: Prof. Menalton Braff O Autor: José Martiniano de Alencar Nasceu em Mecejana (CE), perto de Fortaleza, no ano de 1829 e morreu no Rio de Janeiro em 1877. Filho de

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL A PRIMEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA. Donjuanismo: a necessidade insaciável da conquista.

ROMANTISMO EM PORTUGAL A PRIMEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA. Donjuanismo: a necessidade insaciável da conquista. ROMANTISMO EM PORTUGAL O Romantismo teve início, em Portugal, com o poema Camões, de Almeida Garrett, publicado em 1825. Durante seu transcorrer, cultivaram-se a poesia, o conto, a novela, o romance, historiografia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

Pensamento do século XIX

Pensamento do século XIX Pensamento do século XIX SÉCULO XIX Expansão do capitalismo e novos ideais De acordo com a periodização tradicional, considera-se a Revolução Francesa o marco inicial da época contemporânea. Esse movimento

Leia mais

Disciplina: Literatura Professor (a): Felipe Amaral 3ª Série Turma: FG

Disciplina: Literatura Professor (a): Felipe Amaral 3ª Série Turma: FG COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2014 Disciplina: Literatura Professor (a): Felipe Amaral 3ª Série Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

Antonio Soares Gomes, poeta e contista mato-grossense

Antonio Soares Gomes, poeta e contista mato-grossense Antonio Soares Gomes, poeta e contista mato-grossense Resenhado por Liliane Batista Barros (UFPA) Antonio Soares Gomes, nascido em Poxoréo - MT, graduado em Ciências Econômicas, reside atualmente em Cuiabá

Leia mais

O INDIANISMO ALENCARIANO E A NARRATIVA DA FORMAÇÃO NACIONAL

O INDIANISMO ALENCARIANO E A NARRATIVA DA FORMAÇÃO NACIONAL ISSN 1516-1536 Graphos Revista da Pós-Graduação em Letras - 135 UFPB João Pessoa, Vol 7., N. 2/1, 2005 p. 135-139 O INDIANISMO ALENCARIANO E A NARRATIVA DA FORMAÇÃO NACIONAL Maria Edith Maroca de A. R.

Leia mais

A BUSCA DA IDENTIDADE NACIONAL EM ALENCAR

A BUSCA DA IDENTIDADE NACIONAL EM ALENCAR 4 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS GIRLENE PEREIRA BARBOSA A BUSCA DA IDENTIDADE NACIONAL EM ALENCAR GUARABIRA-PB 2012 5 GIRLENE PEREIRA BARBOSA

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

Por Júlia Silveira Matos

Por Júlia Silveira Matos Por Júlia Silveira Matos Escrita = preservação da memória; Memória pobre, confusa? Memória = veicula o que está fora do tempo; Memória = frágil; História e memória A escrita como forma de registro da memória

Leia mais

SESSÃO 5 LITERATURA E IDENTIDADE

SESSÃO 5 LITERATURA E IDENTIDADE SESSÃO 5 LITERATURA E IDENTIDADE ESQUECER, RECORDAR: A LITERATUA E A FORMAÇÃO IDENTITÁRIA NACIONAL Davi Santana de Lara 1 A presente comunicação se propõe fazer uma reflexão sobre o papel da memória no

Leia mais

Conteúdos para as Avaliações da P2 2º TRIMESTRE/2013. Conteúdos para P2 Avaliações para Agosto/2012

Conteúdos para as Avaliações da P2 2º TRIMESTRE/2013. Conteúdos para P2 Avaliações para Agosto/2012 Conteúdos para as Avaliações da P2 2º TRIMESTRE/2013 Classe: Conteúdos para P2 Avaliações para Agosto/2012 Ciências Naturais: Rochas (pp. 53 62); Recursos Naturais (pp. 64 73); Caderno. História: Capítulo

Leia mais

Romantismo no Brasil. Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra

Romantismo no Brasil. Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra Romantismo no Brasil Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra A segunda geração romântica: uma poesia arrebatada A segunda geração romântica é marcada

Leia mais

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA Romantismo e Modernismo Características; Contexto; Abordagens; Enem. LITERATURA LUQUINHA Características da Literatura Romântica A natureza como expressão do eu; A valorização

Leia mais

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação. AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2012/2013 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Panorâmica geral dos séculos XII e XIII. Observação directa Diálogo

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

Disciplina: Literatura Professor: Marcelo Henrique Material Complementar de Estudos MCE 01 Nome do aluno(a): 2º ano (121)

Disciplina: Literatura Professor: Marcelo Henrique Material Complementar de Estudos MCE 01 Nome do aluno(a): 2º ano (121) Disciplina: Literatura Professor: Marcelo Henrique Material Complementar de Estudos MCE 01 Nome do aluno(a): 2º ano (121) Meus queridos alunos e minhas queridas alunas: é um imenso prazer dedicar tempo

Leia mais

SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa - Prova (D)

SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa - Prova (D) Editar este formulário SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa - Prova (D) *Obrigatório Aluno(a): * Nome completo Número de Chamada: * E-Mail: * coloqueseuemail@quevoceabrefrequentemente Escola: * onde você

Leia mais

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul

Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul COMPARANDO O EXOTISMO: UMA LEITURA DE O GUARANI E A CARNE Fernanda de Paula Alves de OLIVEIRA (G-UEL) ABSTRACT: O guarani and A Carne,

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017. PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano

PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem Conteúdos Nº de aulas previstas

Leia mais

Iracema e Pocahontas: permanências e rupturas nos dois mitos de formação

Iracema e Pocahontas: permanências e rupturas nos dois mitos de formação 26 Iracema e Pocahontas: permanências e rupturas nos dois mitos de formação Vera Lucia Teixeira Kauss 1 Nathalie Andrade Jorge 2 Resumo: Este é um artigo que nasceu de um trabalho de pesquisa na área literária,

Leia mais

POR QUE. Os Dez Mandamentos. O Decálogo

POR QUE. Os Dez Mandamentos. O Decálogo POR QUE Os Dez Mandamentos? O Decálogo A existência, na mente de muitos cristãos, de uma compreensão equivocada acerca do lugar e valor dos princípios morais e éticos estabelecidos por Deus. POR QUE Os

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 8º ANO O CONTINENTE AMERICANO A AMÉRICA NO MAPA-MUNDÍ LOCALIZAÇÃO E CARACTERÍSTICAS GERAIS LOCALIZAÇÃO DO CONTINENTE AMERICANO

Leia mais

O CORTIÇO (1890) Professor Kássio

O CORTIÇO (1890) Professor Kássio O CORTIÇO (1890) Professor Kássio ALUÍSIO AZEVEDO Era pintor, desenhista, o que influenciou a sua obra. Com O mulato inaugurou o Naturalismo no Brasil, discutindo as questões raciais, de um ponto de vista

Leia mais