Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil"

Transcrição

1 Análise de Escopo e Planejamento no Desenvolvimento de Software, sob a Perspectiva Ágil Roberto Costa Araujo Orientador: Cristiano T. Galina Sistemas de Informação Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) São Leopoldo RS Brasil Resumo: Este artigo apresenta um resumo bibliográfico, referente ao estudo e aplicação da combinação de P, SCRUM e Lean Software Development para definição de escopo, estimativa de tamanho do backlog de produto e valor do projeto, a partir da análise preliminar. 1. Introdução Baseando-se em uma realidade onde os prazos são cada vez mais curtos, onde cada correção de erro deduz um valor considerável em projetos, busca-se nas metodologias ágeis tais como: P, SCRUM e Lean Software Development, maneiras de agilizar o processo de desenvolvimento de software. No produto do trabalho da compreensão do que o cliente deseja que seja desenvolvido (COURAGE e BATER, 2005) e entendendo sua necessidade, deseja-se convergir para o caminho de menos retrabalho, minimizando assim a possibilidade de erros no desenvolvimento. Deseja-se uma participação efetiva do usuário, seja o solicitante ou outro que domina o processo de negócio durante o desenvolvimento, para compor-se uma estrutura de equipe comprometida com a conclusão do projeto no tempo previsto, priorização dos casos de uso e uma metodologia de desenvolvimento e entregas onde se propicia uma rápida correção de erros no desenvolvimento (POPPENDIECK, 2006) Motivação Dentre os diversos fatores críticos no desenvolvimento de software, atualmente, pode-se citar: prazos para determinar o valor do projeto extremamente reduzido, dificuldade para determinar o tempo de duração do mesmo, identificação e correção de erros no final do desenvolvimento acarretando custo elevado para solução dos mesmos, mudanças de escopo no decorrer do desenvolvimento, trabalho da equipe de desenvolvimento em funções que não agregam valor considerável ao mesmo.

2 Partindo de um cenário onde a TI (tecnologia da informação) é base estratégica das empresas, mas carrega com ela o estigma de não respeitar prazos e demandar mais recursos do que foi inicialmente previsto, busca-se a convergência no uso de diversas metodologias de desenvolvimento (P, SCRUM e Lean Software Development) para compor um método simples e eficiente de solucionar estes paradigmas. Citam-se também exemplos bem sucedidos, como o Sistema Toyota de Produção, aqui focados no desenvolvimento de software, buscando diminuir, por exemplo, a incidência de erros no desenvolvimento (POPPENDIECK, 2006). O trabalho de equipes distintas e sincronizadas constitui o panorama ideal para cumprir o que é proposto na metodologia SCRUM, evitando o conceito apresentado por COHN: a ideia de cozinhar a pizza e guardar para entregar depois Objetivos Tem-se como objetivo, através do presente trabalho, estudar práticas de SCRUM, P e Lean Software Development, propor uma metodologia para mensurar a complexidade de partes decompostas de um caso de uso (COHN, 2004), definir escopo e criar a Estrutura Analítica de Projeto somente baseado no modelo de temas e estórias do usuário, realizar o aprofundamento do método de desenvolver cronograma e estimar custos de um projeto com base no desempenho da equipe e propor um método de trabalho baseado em entregas contínuas. 2. SCRUM Inicialmente o SCRUM foi concebido para gerenciamento de projetos de fabricação de automóveis e de produtos de consumo, por Takeuchi e Nonaka no artigo The new product development game, em janeiro-fevereiro de 1986, pela Universidade de Harvard. Neste artigo, Takeuchi e Nokada notaram que em projetos com equipes pequenas e multidisciplinares produziam melhores resultados, e associaram isto a formação Scrum do Rugby. Em 1995, o SCRUM teve sua definição formalizada por Ken Schwaber, que trabalhou para consolidá-lo como método de desenvolvimento de software por todo o mundo Entregas Contínuas A metodologia proposta pelo modelo SCRUM aplica um sistema de entregas contínuas. Nesta metodologia com os backlogs definidos (que são os requisitos funcionais do sistema), um sprint programado (tempo prédeterminado no qual será dividido o trabalho para efetuação de uma entrega, tendo como padrão o prazo dentre uma a duas semanas), reuniões diárias (de 10 minutos para acompanhar se o projeto está de acordo com o planejamento) e, ao

3 final de cada sprint, uma reunião de retrospectiva e planejamento do próximo sprint 1. Como ilustração do método traz-se a figura 1 onde mostra a aplicação em um ambiente de desenvolvimento de software. Figura 1 Processo de entrega contínua, Metodologias ágeis para desenvolvimento de software, PARZIANELLO Planejando as interações (entregas) Na metodologia SCRUM para se planejar uma interação (uma entrega como ilustra a figura) deve-se seguir a seguinte seqüência de atividades, segundo COHN: Discutir uma estória; Decompor uma estória em tarefas; Um desenvolvedor aceita a responsabilidade por cada tarefa; Após todas as estórias terem sido discutidas e todas tarefas aceitas, os desenvolvedores individualmente estimam as tarefas aceitas para ter 1 [PARZIANELLO 2008] PARZIANELLO, Luiz Cláudio. Seminário sobre Metodologias Ágeis para desenvolvimento de software, Porto alegre, 2008.

4 certeza de que eles não estão se comprometendo com algo que não podem cumprir Desempenho da equipe O desempenho da equipe será definido com base no histórico de entregas e conclusões de projetos anteriores, ações que irão definir o quanto em pontos a equipe consegue atingir. Caso seja o início da implementação do SCRUM no setor de desenvolvimento de software, este sprint inicial deve ser o referencial para se medir a velocidade da equipe. Através da observação da equipe a qual está sendo proposto o trabalho na ThyssenKrupp Elevadores, percebe-se que cada desenvolvedor atinge em média 20 pontos por sprint de duração de duas semanas. Tal desempenho pode ser afetado por diversos fatores, os quais que devem ser trazidos para discussão na reunião de retrospectiva e planejamento. Nesta reunião, abordar-se-á a apresentação de problemas e gargalos encontrados, buscando assim resoluções para os mesmos, resultando em melhorias no processo de desenvolvimento de software e conseqüentemente na velocidade de conclusão dos próximos sprints P Extreme Programming O P (Extreme Programming), nascido nos anos 90 nos Estados Unidos, foi composto para ajudar a desenvolver software com qualidade. Esta abordagem nasce a partir de um período onde o desenvolvimento de projetos levava mais tempo que o planejado, estourava os orçamentos propostos e entregava em média apenas 67% das funcionalidades prometidas, conforme estudo efetuado por Standish Group, no ano de 1994, chamado The Chaos Report Planejamento iterativo O planejamento iterativo do P confronta a estrutura do modelo cascata, ilustrado na figura 2, propondo planejamento de sprints, no qual cada iteração entrega um software que agrega valor para o solicitante. 2 [GOLDRATT e CO] GOLDRATT Eliyahu M. e CO Jeff. A meta: um processo de melhoria contínua. Nobel, [TELES] TELES Vinícius Malhães. Um estudo de caso da adoção das práticas e valores do Extreme Programming, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

5 Este planejamento iterativo aproxima o usuário para validações de cada entrega e priorização do que será desenvolvido no projeto. O P caracteriza-se também por resolver os problemas e/ou erros de desenvolvimento assim que os mesmos aparecem, evitando que o custo da resolução destes seja multiplicado ao final do projeto. 4 Figura 2 [Fonte:http://www.improveit.com.br/download/TDC2008-Extreme-programming.pdf] 3.2. Estória do usuário As estórias dos usuários são escritas pelos próprios usuários, conforme a metodologia do P (ilustrada pela figura 3), e estas estórias, segundo COHN 5 : Têm valor para o cliente ou usuário São independentes umas das outras São testáveis Do tamanho ideal 4 [POPPENDIECK 2006] POPPENDIECK, Tom and Mary. Implementing Lean Software Development from Concept to Cash. Addison Wesley Professional, [TELES] TELES Vinícius Malhães. Um estudo de caso da adoção das práticas e valores do Extreme Programming, Universidade Federal do Rio de Janeiro, [COHN 2004] COHN, Michael W. User Story Applied. Addison-Wesley, 2004.

6 Figura 3 [Fonte: As estórias são escritas tradicionalmente em cartões com o intuito de realmente privar o usuário de se estender ao escrever e direcionando-o a ser o mais sucinto possível. Diz-se que as estórias são testáveis, pois assim serão transportadas para servir como testes de aceitação. O desenvolvedor as utilizará para validar uma implementação e também servirá, tal anotação, para mostrar ao usuário ou cliente que o que ele solicitou foi testado, conforme o que ele mesmo colocou no papel. 4. Cronograma O cronograma está seguindo conforme o planejado. Atividade/Mês Elaborar os objetivos Preparação da Proposta Levantamento bibliográfico Análise da Literatura Análise de padrões e técnicas Avaliar os processos atuais da empresa Compor os pontos para comparação com o método proposto e o questionário de avaliação Escrita do Relatório de Andamento Entrega/Apresentação do Relatório Definir as práticas propostas pelo SCRUM Definir as práticas propostas pela P Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

7 Propor as alterações no processo de teste Apresentar o resultado da comparação dos dois métodos Elaborar a apresentação Apresentar o TCC 5. Considerações finais A pesquisa tem sido mais que satisfatória até o momento, pois o tema é rico em publicações, páginas e discussões na internet. Como trata-se de um tema novo no cenário brasileiro e uma abordagem de desenvolvimento diferente da usual (cascata) motiva a pesquisa deste novo método de produzir software. 6. Referências [COHN 2004] COHN, Michael W. User Story Applied. Addison-Wesley, [POPPENDIECK 2006] POPPENDIECK, Tom and Mary. Implementing Lean Software Development from Concept to Cash. Addison Wesley Professional, [PARZIANELLO 2008] PARZIANELLO, Luiz Cláudio. Seminário sobre Metodologias Ágeis para desenvolvimento de software, Porto alegre, [COCKBURN 2000] COCKBURN, Alistair. Writting Efective Use Cases. Addison Wesley, [NASCIMENTO 2008] NASCIMENTO, Humberto. Scrum distribuído, Levantamento das práticas e modelos das ferramentas utilizadas pelo mercado de desenvolvimento distribuído, [GOLDRATT e CO] GOLDRATT Eliyahu M. e CO Jeff. A meta: um processo de melhoria contínua. Nobel, [SCHWABER] SCHWABER Ken. SCRUM Development Process, [TAKEUCHI e NONAKA] TAKEUCHI Hirotaka e NONAKA Ikujiro. The new new product development game, Harvard Business Review, [JEFFRIES] JEFFRIES Ron, Programming.com na Agile Software Development Resource, disponível em: Acesso em: 04 mai

8 [JEFFRIES] JEFFRIES Ron, Programming.com na Agile Software Development Resource, Disponível em: Acesso em: 04 mai [TELES] TELES Vinícius Malhães. Extreme Programming, Novatec, [TELES] TELES Vinícius Malhães. Um estudo de caso da adoção das práticas e valores do Extreme Programming, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROF. MSC. EMILIANO MONTEIRO

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROF. MSC. EMILIANO MONTEIRO PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROF. MSC. EMILIANO MONTEIRO CONTEÚDO Conceitos básicos Caracterização de um processo Estágios básicos Linha do tempo Cascata Espiral Prototipação Modelo-V Orientado

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

SIMPLe: uma abordagem simples

SIMPLe: uma abordagem simples SIMPLe: uma abordagem simples orientada a problemas para o desenvolvimento de software Rafael Sabbagh Parte I!! Problemas e Soluções Aceitar Feature Request gera desperdício! Feature Request! Converse

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SAFE EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Vinicius Oliveira 1, Luiz Camargo 2

UTILIZAÇÃO DO SAFE EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Vinicius Oliveira 1, Luiz Camargo 2 UTILIZAÇÃO DO SAFE EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Vinicius Oliveira 1, Luiz Camargo 2 Resumo: As abordagens ágeis no desenvolvimento de software são uma realidade. A área de TI passou a

Leia mais

Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima

Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima 1. INTRODUÇÃO Este documento tem o propósito de estabelecer condições para a contratação

Leia mais

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços Case de Sucesso Utilização de métodos ágeis em projeto de software Na Prática Apresentação Fundada em 2003, a Enter5 é uma empresa cuja proposta de trabalho

Leia mais

Indicadores P&D ( Agosto )

Indicadores P&D ( Agosto ) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Indicadores P&D 2016 ( Agosto ) Variação do Custo dos produtos base dez 2015 (%) PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Variação do custo ao decorrer do ano 35 30 25 20 15 10 5 0-5 -10-15

Leia mais

MODELAGEM DE UM NOVO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS.

MODELAGEM DE UM NOVO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS. MODELAGEM DE UM NOVO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS. WESLEY NOVAES FIOREZE COSTA 1 RESUMO A maioria das micro e pequenas empresas (MPEs 2 ) não utilizam processos

Leia mais

Processo de desenvolvimento

Processo de desenvolvimento Processo de desenvolvimento Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Agosto, 2016 1 / 19 Sumário 1 Desenvolvimento para a Web 2 / 19 1 Desenvolvimento

Leia mais

[...] Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza.

[...] Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza. [...] Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza. Começa o mundo enfim pela ignorância, E tem qualquer dos bens por natureza A firmeza somente

Leia mais

SIGEPRO - Mini Curso sobre Métodos Ágeis de Gestão de Projetos

SIGEPRO - Mini Curso sobre Métodos Ágeis de Gestão de Projetos SIGEPRO - Mini Curso sobre Métodos Ágeis de Gestão de Projetos Jonas Analista de Negócios e Gerente de Projetos Fone:5184298411 Jonas.dc.cardoso@gmail.com 1 PROJETO Esforço temporário* para criar um produto,

Leia mais

EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO B 1 B

EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO B 1 B EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO B 1 B Os instantes do nascer, passagem meridiana e ocaso dos planetas ( exceto Plutão ), Sol e Lua são apresentados para seis cidades brasileiras : Longitude ( W ) Latitude ( S ) o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APLICADA MESTRADO EM QUÍMICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APLICADA MESTRADO EM QUÍMICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APLICADA MESTRADO EM QUÍMICA ESTRUTURA DO EXAME DE QUALIFICAÇÃO E DA DISSERTAÇÃO PONTA

Leia mais

Processo Seletivo 1.º semestre de 2015

Processo Seletivo 1.º semestre de 2015 F U N D A Ç Ã O GETULIO VARGAS EESP Escola de Economia de São Paulo Assinatura do Candidato 003. caderno 1 provas da 2.ª fase matemática processo seletivo 1.º semestre de 2015 Você recebeu este caderno

Leia mais

Framework para Geração de Testes

Framework para Geração de Testes Universidade de Brasília FGA Engenharia de Software Framework para Geração de Testes Unitários Autores: Tomáz Felipe Rodrigues Martins e Thaiane Ferreira Braga Orientadora: Prof a. Dra. Milene Serrano

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO. Semestre letivo. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO. Semestre letivo. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Engenharia da Informação 1640066 1.2

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Prof. Cristiane Aparecida Lana slide 1 Bibliografia utilizada: Mais opções visite meu site, clique aqui para acessá-lo. slide 2 2011 Pearson 2011 Pearson Prentice Prentice

Leia mais

SCRUM aplicado na Gerência de Projetos

SCRUM aplicado na Gerência de Projetos SCRUM aplicado na Gerência de Projetos Processo Conjunto de atividades ordenadas, restrições e recursos que produzem um resultado de algum tipo. (Pfleeger) Em software: Processo de desenvolvimento Define

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software. Prof. Edjandir Corrêa Costa

Desenvolvimento Ágil de Software. Prof. Edjandir Corrêa Costa Desenvolvimento Ágil de Software Prof. Edjandir Corrêa Costa edjandir.costa@ifsc.edu.br Métodos Ágeis História Na início da década de 90 havia uma visão de que a melhor maneira para se criar software era

Leia mais

Movelaria com pallets

Movelaria com pallets Movelaria com pallets Bagé/RS, 2017. 1. Título do projeto Movelaria com pallets 2. Situação do projeto ( X ) Inédito ( ) Complementação de projeto já encerrado ( ) Prorrogação 3. Unidade de origem Pró-Reitoria

Leia mais

14/11/2014. Engenharia de Software. Modelos de software. Modelo Clássico - Cascata

14/11/2014. Engenharia de Software. Modelos de software. Modelo Clássico - Cascata 4//204 Engenharia de Software Luiz A. Nascimento Modelos de software Cascata (especificação/desenvolvimento/ validação e evolução) Na teoria:desenvolvimento linear Na prática: São necessárias várias iterações

Leia mais

SHELL BRASIL PETRÓLEO LTDA. PEA SHELL FASE 2

SHELL BRASIL PETRÓLEO LTDA. PEA SHELL FASE 2 SHELL BRASIL PETRÓLEO LTDA. PEA SHELL FASE 2 BIJUPIRÁ & SALEMA E PARQUE DAS CONCHAS Plano de Trabalho ANEXO B CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO NOVEMBRO DE 2013 CRONOGRAMA MENSAL DE 2012 Abr Mai Jun Jul Ago

Leia mais

Distribuição de Renda

Distribuição de Renda Distribuição de Renda Renda Per Capita do Trabalho Principais Regiões Metropolitanas 15 a 60 anos de idade Inclui zeros www.fgv.br/cps/ms Índice de Gini Desigualdade Níveis Renda domiciliar per capita

Leia mais

Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS)

Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS) Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS) Campinas - SP, Outubro 2008 Agenda Informações sobre o projeto Resultados

Leia mais

(ESPAÇO PARA SER COLOCADO O TÍTULO DO TRABALHO)

(ESPAÇO PARA SER COLOCADO O TÍTULO DO TRABALHO) (CAPA) (ESPAÇO PARA SER COLOCADO O NOME DA INSTITUIÇÃO) (ESPAÇO PARA SER COLOCADO O NOME DO AUTOR) (ESPAÇO PARA SER COLOCADO O TÍTULO DO TRABALHO) (ESPAÇO PARA SER COLOCADA A CIDADE - ESTADO) (ESPAÇO PARA

Leia mais

Scrum o quê? Gerindo projetos de forma eficiente (e sem perder os cabelos)

Scrum o quê? Gerindo projetos de forma eficiente (e sem perder os cabelos) INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE Campus Tobias Barreto Scrum o quê? Gerindo projetos de forma eficiente (e sem perder os cabelos) Prof. Me. Christiano Lima Santos Que tal começarmos pelo começo? Dã! É Claro!

Leia mais

PORTARIA nº 048/ FEG/STA

PORTARIA nº 048/ FEG/STA PORTARIA nº 048/2014 - FEG/STA O Diretor da, no uso de suas atribuições legais, considerando a proposta das Normas do Trabalho de Graduação para o Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em ENGENHARIA

Leia mais

Engenharia de Software. Herbert Rausch Fernandes

Engenharia de Software. Herbert Rausch Fernandes Engenharia de Software Herbert Rausch Fernandes Scrum Não é uma metodologia que fará você desenvolver produtos melhores; Não te dá as respostas e não é uma bala de prata; Scrum é simplesmente um framework;

Leia mais

MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA NO SETOR PÚBLICO

MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA NO SETOR PÚBLICO Tecnologia da Informação WORKSHOP MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA 20 e 21 de Outubrode 2016 - Brasília Realização: Workshop MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA Objetivos - Introduzir os conceitos de gerenciamento ágil

Leia mais

Abordagens para Análise de Negócio

Abordagens para Análise de Negócio Terceiro Módulo: Parte 2 Abordagens para Análise de AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Abordagens para Análise

Leia mais

PLANO DE ENSINO. ANO LETIVO/SEMESTRE: 2016/2 PROFESSOR: Leandro da Silva Camargo

PLANO DE ENSINO. ANO LETIVO/SEMESTRE: 2016/2 PROFESSOR: Leandro da Silva Camargo PLANO DE ENSINO ANO LETIVO/SEMESTRE: 2016/2 PROFESSOR: Leandro da Silva Camargo I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia 2. Campus: IFSUL Bagé 3. Endereço: Av. Leonel

Leia mais

INDICADORES SETORIAIS E MACROECONÔMICOS

INDICADORES SETORIAIS E MACROECONÔMICOS INDICADORES SETORIAIS E MACROECONÔMICOS MAIO 2015 INCTF INCTL IGPM IPCA INPC ICV OUTROS ÍNDICE VARIAÇÃO MÊS (%) VARIAÇÃO ANO (%) VARIAÇÃO 12 MESES (%) Índice Nacional do Custos do Transporte de Carga Fracionada

Leia mais

Desenvolvendo Projetos com Scrum. Uma visão do Scrum para aplicação na area contábil

Desenvolvendo Projetos com Scrum. Uma visão do Scrum para aplicação na area contábil Desenvolvendo Projetos com Scrum Uma visão do Scrum para aplicação na area contábil 2 Avaliação Secretaria Entregar Impresso no dia da avaliação: Como o Scrum pode ser aplicado a área contábil? Simule

Leia mais

MBA em Gestão Pública

MBA em Gestão Pública MBA em Gestão Pública Legenda: Aulas ao vivo Avaliações Desafio Profissional Feriados Importantes MBA EM GESTÃO PÚBLICA INFORMAÇÕES GERAIS IMPORTANTES - Os temas e Professores específicos de cada aula

Leia mais

Engenharia de Software. Tema da Aula. A Crise do Software. Principais problemas da área de Informática

Engenharia de Software. Tema da Aula. A Crise do Software. Principais problemas da área de Informática Tema da Aula A Crise do Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Principais problemas da área de Informática Questionário aplicado à alta direção de 200 empresas de porte médio/grande, sobre

Leia mais

ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011

ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011 ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011 A estrutura de um projeto de pesquisa, conforme a ABNT (2005), consiste em elementos prétetuais, elementos tetuais e elementos pós-tetuais. 1 ELEMENTOS

Leia mais

abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012

abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012 abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012 ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO Índice 127,6 126,9 126,5 Condições Atuais do Empresário do Comércio 102,2-1,1% -3,9% Economia

Leia mais

Como criar, priorizar e manter o Product Backlog

Como criar, priorizar e manter o Product Backlog {aula # 4} Workshop Como criar, priorizar e manter o Product www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos

Leia mais

4 Processos Ágeis História

4 Processos Ágeis História 4 Processos Ágeis Este capítulo tem como objetivo estabelecer uma visão geral dos métodos ágeis, destacando principalmente o Scrum [11]. Uma vez que o objetivo principal deste estudo envolve a implantação

Leia mais

Disciplina - Requisitos. Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia

Disciplina - Requisitos. Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia Disciplina - Requisitos Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia RUP(Rational Unified Process) 1. Introdução. 2. Introdução a disciplinas no RUP. 3. Requisitos. 4. Gerenciamento de Requisitos. 5. Relação com outras

Leia mais

MODELO PRÉ-PROJETO DE TCC

MODELO PRÉ-PROJETO DE TCC MODELO PRÉ-PROJETO DE TCC NOME DO ALUNO TEMA SERRA/ ES ANO NOME DO ALUNO TEMA Pré-projeto apresentado à disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso I, como requisito básico para a apresentação da disciplina

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

USANDO O AGILE COACHING COMPETENCY FRAMEWORK PARA EVOLUIR NA CARREIRA DE AGILE COACH

USANDO O AGILE COACHING COMPETENCY FRAMEWORK PARA EVOLUIR NA CARREIRA DE AGILE COACH USANDO O AGILE COACHING COMPETENCY FRAMEWORK PARA EVOLUIR NA CARREIRA DE AGILE COACH Oi! Eu sou o Caio Cestari :) Agile Coach 2015 2014 2010-2012 Agile Coach Scrum Master Developer Agile Coach Scrum Master

Leia mais

Análise das áreas de processos do PMBOK sob a ótica do gerenciamento ágil

Análise das áreas de processos do PMBOK sob a ótica do gerenciamento ágil Análise das áreas de processos do PMBOK sob a ótica do gerenciamento ágil Tales P. Nogueira 1, Enyo T. Gonçalves 1,2, Mariela I. Cortés 1, Yrleyjânder S. Lopes 1 1 Grupo de Engenharia de Software e Sistemas

Leia mais

Modelagem da Interação do Usuário no Desenvolvimento Ágil

Modelagem da Interação do Usuário no Desenvolvimento Ágil Modelagem da Interação do Usuário no Desenvolvimento Ágil Cecília E. Giuffra 1, Patrícia Vilain 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis

Leia mais

Novo Modelo de Formação

Novo Modelo de Formação Novo Modelo de Formação Conhecimento Melhoria Aperfeiçoamento Fomentar e favorecer a aquisição de conhecimentos Melhoria da qualidade de intervenção dos treinadores Promover o aperfeiçoamento qualitativo

Leia mais

Apresentação e Planeamento de Atividades CPSU. Ano 2015

Apresentação e Planeamento de Atividades CPSU. Ano 2015 Apresentação e Planeamento de Atividades CPSU Ano 2015 O QUE É O CPSU CPSU Conselho Português de Saúde do Úbere Associação sem fins lucrativos Apresentação Missão Objetivos Estrutura Participação Projetos

Leia mais

Atendimento de Saúde Ocupacional e Acidente do Trabalho no Sistema Unimed

Atendimento de Saúde Ocupacional e Acidente do Trabalho no Sistema Unimed Atendimento de Saúde Ocupacional e Acidente do Trabalho no Sistema Unimed ESTUDO REALIZADO PELA ÁREA DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS DA UNIMED DO BRASIL: José Carlos de Barros Gerente Paulo José Especialista

Leia mais

Class Responsibilities and Collaborators

Class Responsibilities and Collaborators Class Responsibilities and Collaborators Cartões que representam as responsabilidades e as interações das classes Utilizados para estimular o aprendizado do paradigma da orientação a objetos Dimensões

Leia mais

ESCALA DE EXPOSITORES

ESCALA DE EXPOSITORES NÚCLEO HUMBERTO DE CAMPOS A SAÚDE DA MÃE E DO BEBÊ ESCALA DE ES - 2017 Emitido em: 19/03/2017 22:42:45 JAN - Aleitamento materno 12 Aleitamento Materno - preparando a gestante; Como amamentar; Gravidez

Leia mais

XP EXTREME PROGRAMMING. AGO106 - Gestão

XP EXTREME PROGRAMMING. AGO106 - Gestão XP EXTREME PROGRAMMING AGO106 - Gestão de Processos de Desenvolvimento de Software DESENVOLVIMENTO TRADICIONAL Sequencial: Análise, Design, Implementação, Teste, Implantação e Manutenção Características:

Leia mais

Custo da energia elétrica para irrigação. Prof. Luiz A. Lima - UFLA

Custo da energia elétrica para irrigação. Prof. Luiz A. Lima - UFLA Custo da energia elétrica para irrigação Prof. Luiz A. Lima - UFLA INOVAGRI Pluviômetros podem medir, além da chuva, a velocidade, o tamanho e a energia cinética de gotas (erosividade) Prof. Luiz A. Lima

Leia mais

APÊNDICE II. 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO - CNPq (vide site

APÊNDICE II. 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO - CNPq (vide site APÊNDICE II PROJETO DE PESQUISA CICLO 2016/2017 Código: (Para uso da coordenação de iniciação científica) 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 TÍTULO: 1.2 ANO LETIVO: 1.3 SEMESTRE: 1.4 ÁREA E SUB-ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

Tendências de Teste de Software para #gutsrs

Tendências de Teste de Software para #gutsrs Tendências de Teste de Software para 2016 #gutsrs /@gutsrs Programação 19h15 às 19h45 Recepção, boas vindas e Coffee para integração 19h45 às 19h55 Abertura do evento, apresentação do GUTS-RS e expectativas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA Tatiane Moreira da Silva - Pedagogia/ B

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA Tatiane Moreira da Silva - Pedagogia/ B CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA Tatiane Moreira da Silva - Pedagogia/2013 4 B Thaís Aparecida dos Santos Pedagogia/2013 4 B (voluntária)

Leia mais

FACULDADE ENIAC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO KARYNE MARIA DA SILVA LIMA SOFIA ALVES MARQUES

FACULDADE ENIAC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO KARYNE MARIA DA SILVA LIMA SOFIA ALVES MARQUES FACULDADE ENIAC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO KARYNE MARIA DA SILVA LIMA SOFIA ALVES MARQUES DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: Abordagens Clássicas e Metodologias Ágeis com ênfase em Scrum Guarulhos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos com foco em Resultados

Gerenciamento de Projetos com foco em Resultados PALESTRA 2 Gerenciamento de Projetos com foco em Resultados PALESTRANTE: Prof. Flávio Feitosa Costa - IBGP Trilha 1 O Contexto da Gerência de Projetos 2 3 O Foco em Resultados Métodos 4 Conclusões O Contexto

Leia mais

CAPA (elemento obrigatório) Deve conter dados que identifiquem a obra (nome da instituição, autor, título, local, ano).

CAPA (elemento obrigatório) Deve conter dados que identifiquem a obra (nome da instituição, autor, título, local, ano). ESTRUTURA DO PROJETO DE TCC O trabalho científico deverá ser organizado de acordo com a estrutura abaixo, NBR 14724/2006: capa; folha de rosto; verso da folha de rosto (ficha catalográfica) folha de aprovação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Prof. Sales Filho GERÊNCIA DE PROJETOS AULA 04 1 Objetivos Apresentar a gerência de projetos de software e descrever as suas características particulares; Discutir o planejamento

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Abril de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Números de Mercado 2 Mercado de Cartões 2008 Indicadores

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Programa Nº 03/2016 Sumário 1. Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Aula 5

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Aula 5 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 5 1 AGENDA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Tecnicas e conhecimentos (PMI) Processo Praxis 3.0 (Baseado em PMI) Visão Geral Atividades Bibliografia 2 Questões

Leia mais

Aula 5 A linha de informatização segue da seguinte forma:

Aula 5 A linha de informatização segue da seguinte forma: Aula 5 1. Sistemas Integrados de Gestão Enterprise Resource Planning Os Sistemas Integrados de Gerenciamento Empresarial (SIGE) ou do acrônimo inglês ERP, como comumente é conhecido, teve seu início nos

Leia mais

RESUMO GERAL RESUMO GERAL EM VALORES HISTÓRICOS

RESUMO GERAL RESUMO GERAL EM VALORES HISTÓRICOS PROCESSO 0044666-44.4466.4.44.0666 VARA TRABALHISTA RECLAMANTE RECLAMADO DISTRIBUIÇÃO DATA CÁLCULO RECLAMANTE DA SILVA RECLAMADA LTDA 17/jun/16 26/set/16 RESUMO GERAL RESUMO GERAL EM VALORES HISTÓRICOS

Leia mais

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato: do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP:

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato:  do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP: PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2015 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

INE 5423 Banco de Dados I

INE 5423 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5423 Banco de Dados I 2011/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5423 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma (Previsto)

Leia mais

Modulo I Metodologias Ágeis Panorama

Modulo I Metodologias Ágeis Panorama Modulo I Metodologias Ágeis Panorama Prof. Ismael H F Santos April 05 Prof. Ismael H. F. Santos - ismael@tecgraf.puc-rio.br 1 Bibliografia Vinicius Manhaes Teles, Extreme Programming, Novatec Editora Agile

Leia mais

Criação de fanpages e edição fotográfica. Pastoral da Comunicação Setor I Araucária/PR 17/06/2017

Criação de fanpages e edição fotográfica. Pastoral da Comunicação Setor I Araucária/PR 17/06/2017 Criação de fanpages e edição fotográfica Pastoral da Comunicação Setor I Araucária/PR 17/06/2017 Postura de um agente da Pascom Orante: tenha um Terço em uma das mãos Serviço: peça ao Espírito Santo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GESTÃO DE BOLSAS E ESTÁGIOS DO IFC

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GESTÃO DE BOLSAS E ESTÁGIOS DO IFC DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GESTÃO DE BOLSAS E ESTÁGIOS DO IFC Braz, Fernando José 1 ; Mota, Joice Seleme 1 ; Schmelzer, Vilmar 1 ; Silva, Caroline Gonçalves Dias 1 ; Silva, Nicole Oliveira da 1 ; Instituto

Leia mais

Modelo de Governança das Iniciativas de Inovação CRI FDC (09/03/2016) Innovation Management Office IMO Algar Telecom

Modelo de Governança das Iniciativas de Inovação CRI FDC (09/03/2016) Innovation Management Office IMO Algar Telecom Modelo de Governança das Iniciativas de Inovação CRI FDC (09/03/2016) Innovation Management Office IMO Algar Telecom MATURIDADE EM GESTÃO MODELO DE ATUAÇÃO PROCESSO DE INOVAÇÃO GOVERNANÇA CASES RESULTADOS

Leia mais

17/fev terça-feira Carnaval EUA: Construção de Novas Casas 18/fev

17/fev terça-feira Carnaval EUA: Construção de Novas Casas 18/fev Mês Dia Dia da Semana Indicador* 1/jan quinta-feira Confraternização Universal 5/jan 7/jan 8/jan quinta-feira 9/jan 14/jan 15/jan quinta-feira 16/jan janeiro 19/jan 20/jan 21/jan 27/jan 28/jan 29/jan quinta-feira

Leia mais

Profa. Dra. Fernanda Maria P. F. Ramos Ferreira. Departamento de Edifícios

Profa. Dra. Fernanda Maria P. F. Ramos Ferreira. Departamento de Edifícios Profa. Dra. Fernanda Maria P. F. Ramos Ferreira Departamento de Edifícios - Método do diagrama de precedência (MDP) Utiliza caixas ou nós para representar as atividades São conectados por setas orientadas

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Agência Nacional de Transportes Aquaviários COSIPLAN Presidencia Pro Tempore Uruguai 2014-2016 Agência Nacional de Transportes Aquaviários ESTUDO DA PRÁTICA REGULATÓRIA, VANTAGENS COMPETITIVAS E OFERTA E DEMANDA DE CARGA ENTRE OS PAÍSES SIGNATÁRIOS

Leia mais

Tema 01 Conceitos sobre gerenciamento de tempo e projeto

Tema 01 Conceitos sobre gerenciamento de tempo e projeto Tema 01 Conceitos sobre gerenciamento de tempo e projeto Objetivos da Aula Compreender a importância do tempo nos projetos. Revisar conceitos. Compreender o que deve ser considerado na elaboração de um

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS

CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS JANEIRO 31 01 Dia Mundial da Paz (Confraternização Universal) - Feriado 04 a 31 Férias docentes e discentes FEVEREIRO 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 3

Leia mais

Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes aula #3

Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes aula #3 Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes aula #3 www.etecnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Versão Versão

Leia mais

October 13, 2016 Web.br hugeinc.com

October 13, 2016 Web.br hugeinc.com October 13, 2016 Web.br hugeinc.com 13 de outubro, 2016 Desenvolvendo aplicações de qualidade com TDD Huge Isabella Silveira Web Engineer @ Huge. Front-End, Back-End, Agile e Integração Contínua. Agenda.

Leia mais

Programação de Computadores I Linguagem C Estruturas: Redefinição de tipos, Constantes, Registros, Enumerados. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa

Programação de Computadores I Linguagem C Estruturas: Redefinição de tipos, Constantes, Registros, Enumerados. Prof. Ramon Figueiredo Pessoa Programação de Computadores I Linguagem C Estruturas: Redefinição de tipos, Constantes, Registros, Enumerados Prof. Ramon Figueiredo Pessoa 1 REDEFININDO UM TIPO Às vezes, por questão de organização, gostaríamos

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste)

EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste) EVOLUÇÃO SALARIAL (Não considerando a incorporação da Gratificação Nova Escola como reajuste) Categoria: Profissionais da Educação da Rede Estadual de Ensino do Rio de Janeiro (Magistério) Deflatores:

Leia mais

SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA

SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA SEMINÁRIO GERENCIAMENTO A ESCASSEZ DE ÁGUA NA INDÚSTRIA CAMPINAS SP 17 DE JULHO DE 2014 Prof. Dr. Antonio Carlos Zuffo (FEC-UNICAMP) Prof. Dr. José Teixeira Filho (FEAGRI-UNICAMP) Dr. Rafael Mingoti (EMBRAPA)

Leia mais

Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015

Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015 Março/2015 DESAFIOS PARA OS INVESTIMENTOS EM 2015 2 Introdução Consideramos que o ambiente econômico vigente e as perspectivas futuras são bastante desafiadoras para a gestão dos recursos financeiros.

Leia mais

Redes Mesh: Estudo de caso em ambiente de WISP

Redes Mesh: Estudo de caso em ambiente de WISP Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas/RS Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Seminário de Andamento Redes Mesh: Estudo de caso em ambiente de WISP

Leia mais

SHOW: MUNDO PERFEITO DE NEI VAN SORIA e LANÇAMENTO DVD NEI VAN SORIA 40 ANOS Ao Vivo no Ocidente

SHOW: MUNDO PERFEITO DE NEI VAN SORIA e LANÇAMENTO DVD NEI VAN SORIA 40 ANOS Ao Vivo no Ocidente Proponente: Aprovado: SHOW: MUNDO PERFEITO DE NEI VAN SORIA e LANÇAMENTO DVD NEI VAN SORIA 40 ANOS Ao Vivo no Ocidente Levar espetáculo musical diferenciado aos teatros, centros culturais e, gratuitamente,

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA Miriam Alessandra Garcia Santos (UNIARA) magsgarcia@gmail.com Aleander Pitta dos Anjos

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data-base Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE março de 2015 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2014

Leia mais

ADOÇÃO DE METODOLOGIAS ÁGEIS DE DESENVOLVIMENTO COM ÊNFASE NA QUALIDADE DO PROJETO

ADOÇÃO DE METODOLOGIAS ÁGEIS DE DESENVOLVIMENTO COM ÊNFASE NA QUALIDADE DO PROJETO DOI: 10.5748/9788599693100-11CONTECSI/RF-892 ADOPTING AGILE SOFTWARE DEVELOPMENT WITH EMPHASIS ON QUALITY PROJECT Diego Noronha (Instituto Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, Brasil) - diegonoronhas@gmail.com

Leia mais

Processos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Processos Ágeis de Desenvolvimento de Software Processos Ágeis de Desenvolvimento de Software -Focono XP - Rodrigo Rebouças de Almeida rodrigor@rodrigor.com Processo Conjunto de atividades ordenadas, restrições e recursos que produzem um resultado

Leia mais

Prova Escrita de Conhecimentos Específicos de MATEMÁTICA

Prova Escrita de Conhecimentos Específicos de MATEMÁTICA Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos Prova Escrita de Conhecimentos Específicos

Leia mais

Estágio II. Aula 04 Testes Ágeis. Prof. MSc. Fred Viana

Estágio II. Aula 04 Testes Ágeis. Prof. MSc. Fred Viana Estágio II Aula 04 Testes Ágeis Prof. MSc. Fred Viana Agenda Manifesto dos Testes Ágeis Testes Ágeis x Testes Tradicionais Sinais de que os Testes Não São Ágeis Testador Ágil Testador Ágil em Equipe Independente

Leia mais

TABELA DE REAJUSTE SALARIAL Demais Trabalhadores de 1978 a 2010

TABELA DE REAJUSTE SALARIAL Demais Trabalhadores de 1978 a 2010 TABELA DE REAJUSTE SALARIAL Demais Trabalhadores de 1978 a 2010 MÊS Valor ÍNDICES % PARCELA A ACRESCENTAR MÊS DE INCIDÊNCIA jan/78 40,00 jan/77 DC Nº 22/77 jan/79 Até 2,5 SM 2.147,00 48,00 jan/78 DC Nº

Leia mais

OSX Brasil S.A. REUNIÃO APIMEC

OSX Brasil S.A. REUNIÃO APIMEC OSX Brasil S.A. REUNIÃO APIMEC 16 de Dezembro de 2015 Agenda 1. Visão Geral dos Projetos (Cenário Operacional das Empresas do Grupo OSX) 2. Cumprimento do Plano de Recuperação Judicial 3. Situação atual

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro Outubro/2013

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro Outubro/2013 CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro Outubro/2013 PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Total de Endividados Dívidas ou Contas em Atrasos Não Terão Condições de Pagar out/12 59,2% 20,5%

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL - CO

CONTABILIDADE GERENCIAL - CO Cleber Mendonça Consultor de Solução de CO Controlling São Paulo, SP Telefone 55 11-9702-3997 E-mail / MSN clebermendonca@hotmail.com Resumo 10 anos de experiência nas áreas de Tecnologia da Informação,

Leia mais

Nível de Emprego Regional - CIESP

Nível de Emprego Regional - CIESP Diretorias Regionais do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Indústria de Transformação Setembro de 2005 Nota metodológica: Pesquisa mensal, realizada pelo CIESP/Sede entre suas Diretorias

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO DE DIRETORIA. Participantes: Renata Cintra/Syngenta; Mariana Ceratti/Projeto Agro; Marcelo / ABCSEM e Fabiana / ABCSEM.

MEMÓRIA DA REUNIÃO DE DIRETORIA. Participantes: Renata Cintra/Syngenta; Mariana Ceratti/Projeto Agro; Marcelo / ABCSEM e Fabiana / ABCSEM. CEP 13070091 CAMPINAS/SP Fone/Fax: (19) 32436472 MEMÓRIA DA REUNIÃO DE DIRETORIA Data: 16 de outubro de 2012 (terçafeira). Horário: das 14:00h às 18:00h Local: ABCSEM Participantes: Renata Cintra/Syngenta;

Leia mais

FMA POR QUE ADOTÁ-LOS? DISPUTE BOARDS (Comitês de Solução de Controvérsias) F. Marcondes Advocacia

FMA POR QUE ADOTÁ-LOS? DISPUTE BOARDS (Comitês de Solução de Controvérsias) F. Marcondes Advocacia DISPUTE BOARDS (Comitês de Solução de Controvérsias) POR QUE ADOTÁ-LOS? APLICAÇÃO Os DBs foram criados especialmente para resolver controvérsias em contratos de construção. A princípio, sua aplicabilidade

Leia mais

Título do Projeto: Diretrizes para o Sistema de Espaços Livres no Centro de Florianópolis

Título do Projeto: Diretrizes para o Sistema de Espaços Livres no Centro de Florianópolis Título do Projeto: Diretrizes para o Sistema de Espaços Livres no Centro de Florianópolis Área de Conhecimento Grande Área: Ciências Sociais Aplicadas Área de conhecimento: Arquitetura e Urbanismo Justificativa

Leia mais

Capítulo 3. Desenvolvimento Ágil de Software Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 3. Desenvolvimento Ágil de Software Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 3 Desenvolvimento Ágil de Software slide 1 Tópicos apresentados Métodos ágeis Desenvolvimento ágil e dirigido a planos Extreme Programming Gerenciamento ágil de projetos Escalamento de métodos

Leia mais

Planejamento dos Custos

Planejamento dos Custos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento dos Custos Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Limites do 1

Leia mais