ARMAZÉM DE DADOS SOBRE A ASSISTÊNCIA ONCOLÓGIA AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARMAZÉM DE DADOS SOBRE A ASSISTÊNCIA ONCOLÓGIA AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE"

Transcrição

1 ARMAZÉM DE DADOS SOBRE A ASSISTÊNCIA ONCOLÓGIA AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Rômulo Cristovão de Souza 1, Sergio Miranda Freire 1, Rosimary Terezinha de Almeida 2 1 Departamento de Tecnologia da Informação e Educação em Saúde/Faculdade de Ciências Médicas/UERJ 2 Programa de Engenharia Biomédica/COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil Resumo Este trabalho teve como objetivo o desenvolvimento de um armazém de dados (AD) para a integração dos registros dos arquivos da produção mensal do módulo de oncologia do subsistema de Procedimentos de Alta Complexidade do Sistema de Informação Ambulatorial do Sistema Único de Saúde. Foi desenvolvido um modelo dimensional e implementado um AD que permitisse a recuperação do histórico do caso de câncer, tendo como vantagens: dispensar a necessidade de conhecimentos sobre bancos de dados para a construção da rotina e aquisição da informação; permitir que a atualização das bases de dados seja feita de forma cumulativa; reduzir o tempo das atualizações; reduzir o tempo para a extração da informação; permitir consultas por meio de uma interface gráfica. Os resultados das consultas ao AD foram comparados com os obtidos pela inspeção direta na base original e com os obtidos com outra rotina de integração. Os resultados foram idênticos nas duas comparações. A utilização de uma ferramenta com estas características pelos gestores públicos pode contribuir para a melhoria da gestão da assistência oncológica ambulatorial prestada pelo Sistema Único de Saúde. Palavras-chave: Sistemas de Informação em Saúde, Oncologia, Armazém de Dados. Abstract This work aims at developing a data warehouse (DW) to integrate data from the files of the oncology module of the High Complexity Subsystem of the Outpatient Information System of Brazilian Health System. A dimensional model was designed and a data warehouse that allows the retrieval of the history of a case o cancer was implemented. The DW has the following advantages: do not require any expertise to build a routine to integrate the databases; allows the update of the database to be done in a cumulative way; reduce the time of updates, reduce the time to extract information; allows queries to be done through a graphical user interface. Results of queries to the DW were compared to those acquired through direct inspection of the original base and with those obtained by using another integration routine. The results were identical in all cases. The use of such tool by public health managers can contribute to the better management of outpatient oncological health care provided by the Brazilian Public Health System. Key-words: Information Systems, Oncology, Data Warehouse. Introdução O câncer representa um problema de saúde pública no Brasil, sendo a segunda causa de morte por doença, inclusive na população abaixo de 50 anos. Pelas estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), válidas para os anos de 2008 e 2009, deverão surgir em torno de casos novos de câncer no País [1]. Soma-se a isso o grande volume de recursos financeiros demandados para a assistência oncológica, da qual o Sistema Único de Saúde (SUS) é o principal financiador no País [2]. A questão do câncer deve ser enfrentada de modo abrangente, com medidas que envolvam o ensino, pesquisa, prevenção e a assistência. Nesse sentido, a informação é uma importante ferramenta, podendo ser usada para fins de estudos epidemiológicos, para o planejamento e gestão das ações desenvolvidas para o controle do câncer, e para a avaliação da assistência prestada [3]. No Brasil, a partir da década de 1970, tem havido um crescente desenvolvimento de diversos sistemas de informação em saúde (SIS) por parte do setor Público. Entre esses, o Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde (SIA/SUS) foi implantado para o registro dos atendimentos ambulatoriais. Posteriormente, passou a integrar o SIA/SUS o módulo de oncologia do subsistema de Procedimentos de Alta Complexidade

2 do Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (APACSIA/SUS), que inclui dados sobre os procedimentos de quimioterapia e radioterapia, os casos de câncer tratados, e as unidades prestadoras de serviços (UPS) cadastradas [4]. Mesmo sendo um sistema de cunho administrativo, o APACSIA tem o potencial de gerar informações epidemiológicas e para a avaliação de serviços. Entretanto, a exemplo de outros sistemas do SUS, no APACSIA, a fragmentação da base dificulta o seu uso em uma rotina de avaliação. Dessa forma, o desenvolvimento de ferramentas que integre os diversos arquivos em um único banco de dados representa uma grande contribuição para o controle e avaliação dos serviços. O presente trabalho tem por objetivos o desenvolvimento e a avaliação de um armazém de dados visando à integração dos arquivos que compõem o módulo de oncologia do subsistema APACSIA/SUS. Materiais e métodos Foram utilizados os arquivos de dados da produção mensal do Estado do Rio de Janeiro do módulo de oncologia do subsistema APACSIA/SUS, para o período de janeiro de 2001 a dezembro de 2002, obtidos em novembro de 2007 no sítio do DATASUS [5]. Do total de dez arquivos que compõem o módulo de oncologia, um é destinado à cobrança dos procedimentos apresentados pelas unidades prestadoras de serviço e dois são para o cadastro de pacientes em tratamento de quimioterapia e radioterapia. A produção mensal foi integrada em um Armazém de Dados (AD), denominado de SISONCO. Segundo Immon [6], AD é um conjunto de dados orientado a assunto, integrado, não volátil e variável com o tempo que apóia o processo de tomada de decisão. Um AD é alimentado a partir dos sistemas transacionais (OLTP On-line Transaction Processing), responsáveis pelo armazenamento de dados coletados nas rotinas operacionais, e caracteriza-se pela manutenção de grandes volumes de dados com um forte componente histórico. A criação da estrutura lógica do AD seguiu a modelagem multidimensional, utilizando o esquema proposto por Kimball, conhecido por star schema [7]. A modelagem multidimensional apresenta vantagens em relação ao modelo entidade/relacionamento (E/R) por oferecer melhor desempenho na execução das consultas e por facilitar a compreensão do modelo. O star schema caracteriza-se pela existência de uma tabela central, que representa os fatos, vinculada às demais tabelas, que representam as dimensões. Fatos são as métricas do negócio para o qual o AD está sendo construído. Dimensões são os aspectos pelos quais os fatos serão analisados. Para os objetivos deste trabalho, foram criados dois conjuntos de fatos: 1) referentes aos casos tratados no período observado; 2) referentes à produção apresentada pelas UPS. Com o objetivo de obter informações adicionais sobre os casos tratados, como, por exemplo, dados clínicos quando da entrada no APACSIA/SUS, e o histórico do tratamento, foram criadas outras duas tabelas: casos e histórico. A primeira é alimentada por dados contidos na autorização do procedimento que marca o início do tratamento. A segunda tabela mantém dados baseados nas ocorrências dos procedimentos prestados, apresentados pelas UPS. A definição de caso aqui empregada é a mesma proposta em [8], segundo a qual um caso é identificado por uma chave composta pelos campos: CPF, sexo, data de nascimento e o código relativo ao tipo de câncer (emprega-se a Classificação Internacional de Doenças CID). Por essa definição, a unidade de análise é um caso de câncer e não o indivíduo, visto que um mesmo paciente pode ser tratado para mais de um tipo de câncer diferente. Para o desenvolvimento da estrutura lógica e da ferramenta para alimentar e realizar consultas no AD, optou-se pela utilização de softwares livres. Como banco de dados, foi utilizado o PostgreSQL [9], tendo como ferramenta de administração do banco de dados o software Pgadmin [10]. A linguagem de programação adotada foi a JAVA, utilizando-se como ambiente de desenvolvimento o Netbeans [11]. O diagrama do modelo lógico do AD foi criado com o software DB Designer [12]. Para avaliar o SISONCO quanto à exatidão da rotina de integração e geração dos fatos, foram aplicados dois tipos de teste: 1) a partir de um conjunto de casos obtidos por inspeção dos arquivos originais; 2) utilizando-se uma base de dados integrada por meio da metodologia proposta por Gomes Jr et al. [2]. Para o primeiro tipo de teste, foram selecionados dois tipos de câncer (pele não melanoma e estômago) no período de janeiro a março de No segundo tipo de teste, escolheuse o câncer de mama para todo o ano de Resultados Após a análise das estruturas dos arquivos que formam o módulo de oncologia do APACSIA/SUS, chegou-se ao modelo final do AD (Figura 1). Em relação aos casos, os fatos definidos são: a quantidade de casos tratados e a quantidade de casos novos. Quanto à produção, os fatos são: a quantidade de APACs apresentadas e o valor total

3 de faturamento. Um terceiro fato que pode ser gerado no momento da formulação da consulta é o valor médio faturado por APAC. Para os dois conjuntos de fatos, definiram-se seis dimensões: apresentação, sexo, grupo etário (criança/adulto), unidades prestadoras, tipos de câncer e modalidade de tratamento. Figura 1 Modelo do Armazém de Dados SISONCO. Em destaque as tabelas casos de câncer e histórico de tratamento. O SISONCO possibilita, também, a partir das tabelas casos e histórico (destacadas no modelo), a extração de outras informações sobre os casos tratados, que incluem: as datas de diagnóstico e início do tratamento, o intervalo em meses entre essas datas, o tipo de câncer, o estadiamento do câncer na entrada do caso no subsistema APACSIA/SUS e a modalidade, a finalidade e a linha do primeiro tratamento prestado. Com o relacionamento com outras tabelas, as informações extraídas podem ser analisadas segundo a unidade prestadora, o tipo de câncer e o município de origem dos casos. Adicionalmente, pode-se conhecer o histórico de tratamento de cada caso, o que permite, por exemplo, saber sobre mudanças nas modalidades de tratamento, tempo de tratamento, desfecho e o valor do tratamento. Entre as rotinas disponíveis no SISONCO, uma destina-se à geração de consultas a partir de parâmetros fornecidos pelo usuário. A Figura 2 apresenta a tela para a produção de consultas aos fatos sobre os casos tratados. Foi usada como exemplo a consulta à quantidade de casos de câncer de mama feminino, em adultos, tratados no ano de 2002, por UPS. A avaliação do SISONCO para os dois tipos de teste adotados, manual e aplicando uma rotina já existente [2], resultou na identificação do mesmo número de casos para ambos os testes. Discussão e conclusões Ainda que se reconheçam os esforços do Ministério da Saúde (MS) no desenvolvimento e implantação de sistemas de informação em saúde de abrangência nacional, ainda há desafios a serem vencidos visando à melhoria desses SIS. Uma das limitações dos sistemas de informação desenvolvidos e mantidos pelo MS é a não integração das diversas bases de dados. Entre sistemas de naturezas diferentes, o impedimento à vinculação se dá em função da ausência de uma chave que permita a identificação unívoca dos indivíduos. Mesmo diante de um único sistema, por

4 Figura 2 Tela de consulta do SISONCO para a quantidade de casos tratados. exemplo, o APACSIA/SUS, a integração dos seus arquivos depende de estratégia externa, como a rotina desenvolvida por Gomes Jr. et al [2], o que pode demandar conhecimentos de banco de dados, nem sempre de domínio por parte dos usuários. A forma como os dados são armazenados no APACSIA/SUS produz redundâncias, já que, a cada nova apresentação, os mesmos dados são fornecidos. Com isso, não há nesse sistema um cadastro único de casos tratados pela UPS. Isto teve que ser resolvido para que o SISONCO fosse capaz de calcular adequadamente a quantidade de casos tratados. Para tal, criou-se uma tabela única com os dados desses casos. Outro ponto que merece destaque diz respeito à qualidade do dado registrado. Durante o desenvolvimento do SISONCO, foi comum o aparecimento de inconsistências em alguns campos, como sexo e data de nascimento. Para exemplificar, observaram-se em determinada UPS registros que apresentaram o mesmo CPF, sexo, e tipo de câncer, mas que tiveram diferentes valores para a data de nascimento ao longo de um período. Como esses campos compõem a chave que indica um caso de câncer tratado, tais inconsistências levam a considerar como diferentes um mesmo caso. Nessas situações, os casos foram computados mais de uma vez. No Brasil, existem outras experiências de desenvolvimento de AD para os sistemas de informação do SUS, destacando-se os trabalhos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária [13] e de Santos et al [14]. O SISONCO difere dos anteriores por permitir a identificação dos casos de câncer e a recuperação de seus históricos de tratamento no APACSIA/SUS. O SISONCO, quando comparado à estratégia de integração de Gomes Jr. et al [2], apresenta as seguintes vantagens: 1. dispensa a necessidade de conhecimento especializado para a construção da rotina e aquisição da informação; 2. permite que a atualização do armazém de dados seja feita de forma cumulativa, sem precisar que todos os arquivos sejam integrados a cada atualização; 3. reduz o tempo de atualização.reduz o tempo de extração da informação, visto que os fatos já estão sumarizados; 4. permite que as consultas sejam feitas a partir de uma interface gráfica. O SISONCO ainda está em desenvolvimento e não oferece algumas opções oferecidas por armazéns de dados comerciais, como funções que permitem aumentar (drill down) ou diminuir (drill up) o nível de detalhamento de uma consulta. Está em estudo a possibilidade de se integrar o SISONCO com ferramentas que permitem o processamento analítico online e mineração de dados. Quando a primeira versão estiver completa, o SISONCO será disponibilizado como software livre. A utilização de uma ferramenta como o SISONCO pelos gestores públicos pode contribuir

5 para a melhoria da gestão da assistência oncológica ambulatorial prestada pelo SUS. Referências [1] BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2008: Incidência do Câncer no Brasil. INCA: Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso em 04/02/2008. [2] Gomes Jr SCS, de Martino R, Almeida RT. Rotinas de integração das tabelas do Sistema de Autorização de Procedimentos de Alta Complexidade em Oncologia do Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Coletiva (2): [3] Kligerman J. A ampliação da assistência oncológica no Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia (4): [4] Brasil. Ministério da Saúde/ Secretaria de Atenção à Saúde/ Departamento de Regulação, Avaliação e Controle/Coordenação Geral de Sistemas de Informação 2008 Manual do Sistema de Informação Ambulatorial/ SIA/Atualização, Volume I. 86 Páginas. [5] BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS DATASUS, Disponível em: fftp://msbbs.datasus.gov.br/arquivos_publicos/ Estado_RJ/00_index.htm. Acesso em: 10 de novembro de [6] Inmon WH. Building the data warehouse, fourth edition. Wiley Publishing, Inc [7] Kimball, Ralph. Data warehouse Toolkit. São Paulo: Makron Books, [8] Gomes Jr SCS, Almeida RT. Identificação de um caso novo de câncer no Sistema de Informação Ambulatorial do Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Coletiva. 2004, 11(1): [9] PostgreSQL. Versão PostgreSQL Global Development Group, Disponível em Acesso em janeiro de [10] pgadmin. Versão The pgadmin Development Team, Disponível em Acesso em janeiro de [11] NetBeans. Versão Tom Sawyer Software, Disponível em Acesso em março de [12] DB Designer 4. Versão beta. Zinner, MG., Disponível em Acesso em janeiro de [13] Mussi, C; Murahovschi, D; Bettni, G; Kratz, LG. Data Warehouse a experiência da ANVISA. [14] Santos RS, Almeida AL, Tachinardi U, Gutierrez MA. Data Warehouse para a Saúde Pública: Estudo de Caso SES-SP. Anais do X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. 2006; Florianópolis. p

Sistema de informação para integrar os dados da assistência oncológica ambulatorial do Sistema Único de Saúde

Sistema de informação para integrar os dados da assistência oncológica ambulatorial do Sistema Único de Saúde ARTIGO ARTICLE 1131 Sistema de informação para integrar os dados da assistência oncológica ambulatorial do Sistema Único de Saúde An information system to integrate outpatient cancer care data in the Unified

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE UM CASO NOVO DE CÂNCER NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE An approach to identify a new cancer case on the outpatient information system of the brazilian national

Leia mais

Data Warehouse a experiência da ANVISA

Data Warehouse a experiência da ANVISA Data Warehouse a experiência da ANVISA Camilo Mussi, Denis Murahovschi, Giliana Bettni, Luiz Gustavo Kratz Assessoria da Presidência, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Brasil Resumo -

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining.

Palavras-chave: On-line Analytical Processing, Data Warehouse, Web mining. BUSINESS INTELLIGENCE COM DADOS EXTRAÍDOS DO FACEBOOK UTILIZANDO A SUÍTE PENTAHO Francy H. Silva de Almeida 1 ; Maycon Henrique Trindade 2 ; Everton Castelão Tetila 3 UFGD/FACET Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS

Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação. Leandro Manassi Panitz Consultor Técnico MS - Referência Técnica SIA/SUS Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Sistema de Informação Tabela de Procedimentos, OPM e Medicamento do SUS e apresentação SIA/SUS

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS

Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS Metodologia de Qualificação de Dados dos Planos Privados de Assistência à Saúde: uma experiência na ANS X Congresso Brasileiro de Informática em Saúde out/2006 - Florianópolis (SC) ANS Lei nº 9.656/1998

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com.

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com. UM SISTEMA PARA ORGANIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SOLOS BRASILEIROS FÁBIO O. SILVA 1 ; FERNANDO KUNINARI 2 ; STANLEY R. M. OLIVEIRA 3 12605 RESUMO Com o objetivo de possibilitar o armazenamento e a disponibilização

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000.

Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. Portaria nº 570/GM Em 1 de junho de 2000. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e, Considerando a Portaria GM/MS nº 569/GM, de 1º de junho de 2000, que estabelece o Programa

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Passos para importar CNES no Sistema com CDS

Passos para importar CNES no Sistema com CDS e-sus AB Sistema com Coleta de Dados Simplificada - CDS Passos para importar CNES no Sistema com CDS Maio/2013 1 Por que importar o CNES? A importação do CNES deve ser o primeiro passo a ser realizado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente, auxilia na

Leia mais

CIHA. CIHA 01 e CIHA 02. Manual de Instalação

CIHA. CIHA 01 e CIHA 02. Manual de Instalação CIHA CIHA 01 e CIHA 02 Manual de Instalação Versão do produto: CIHA 01 1.0.4.3 e CIHA 02 1.0.4.4 Edição do documento: 1.1 Abril de 2015 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria

Leia mais

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE

CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE Apresentação: Maurício Bucciolli Guernelli Coordenador Geral DATASUS/SGEP/MS Ministério da Saúde/SGEP/DATASUS - Brasília/DF CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE CADSUS WEB CADSUS Stand Alone

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk

Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk Flávio Ribeiro Centro de Informática Centro Universitário La Salle (Unilasalle) Av. Victor Barreto,2288 Canoas RS Brasil flavio@unilasalle.edu.br

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Assistência Farmacêutica Histórico 1990: Criação da lei Orgânica do SUS Equidade Universalidade

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Módulo Autorizador de Procedimentos

Módulo Autorizador de Procedimentos Módulo Autorizador de Procedimentos Lucia Beatriz de A. L. Alves, César O. Polachini, Miguel L. E. Montania Atech Tecnologias Críticas, São Paulo, SP Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, São Paulo,

Leia mais

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde

Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Qualidade da Informação no Serviço de Auditoria em Saúde Auditoria e Monitoramento dos Sistemas de Informação do SUS 1- O que é Auditoria 2- Objetivos e formas 3- Base Legal O que é Auditoria É a denominação

Leia mais

Desenvolvimento de Software Livre para a área

Desenvolvimento de Software Livre para a área Desenvolvimento de Software Livre para a área de Saúde Daniel Weingaertner Departamento de Informática UFPR Centro de Computação Científica e Software Livre C3SL Programa de Extensão Conhecendo Padrões

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA

Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA Professor Doutor Jason Paulo Tavares Faria Junior (Sistemas da Informação

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 PORTARIA Nº 196, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2012 Aprova a diretriz para acompanhamento e tratamento de pacientes portadores de implantes mamários das marcas PIP (Poly Implants Prothèse) e ROFIL e inclui procedimentos

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS DO SUS - SIGTAP

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS DO SUS - SIGTAP 13º - AUDHOSP SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS, ÓRTESES, PRÓTESES E MATERIAIS ESPECIAIS DO SUS - SIGTAP CAROLINA LUCENA Coordenação Geral dos Sistemas de Informação Departamento

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Projeto de Data Warehousing sobre Informações em Saúde para dar Suporte a Análise de Faturamento Hospitalar

Projeto de Data Warehousing sobre Informações em Saúde para dar Suporte a Análise de Faturamento Hospitalar Projeto de Data Warehousing sobre Informações em Saúde para dar Suporte a Análise de Faturamento Hospitalar Newton Shydeo Brandão Miyoshi Joaquim Cezar Felipe Grupo de Informática Biomédica Departamento

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010 Informamos que o aplicativo para tabulação de dados TabWin, gerenciado e disponibilizado pela SMS/CEInfo desde 2002, está sendo reestruturado e transferido

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Planejamento e Orçamento

Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento O SIPLAG Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Gestão, é um sistema voltado à gestão governamental, permitindo a elaboração do Plano Plurianual, da Lei Orçamentária Anual,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS.

Trata-se de Nota Técnica referente à metodologia utilizada para o desenvolvimeto da primeira carga do D-TISS Detalhamento dos Dados do TISS. Gerência/Diretoria: GEPIN/DIDES Protocolo nº 33902.552358/2015-01 Data: 09/12/2015 Hora: 10:00 Assinatura: Magno Fernandes Nota Técnica nº 586/2015/GEPIN/DIDES/ANS 1. Introdução Trata-se de Nota Técnica

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Bianca Maciel 1, Maria Fernanda S.S. Mattos 1, José Antônio de França Júnior 2, Regina

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais