OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006"

Transcrição

1 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual Opções de Canais para contato com a Ouvidoria Geral Atividades desenvolvidas Participações em Eventos Nossas Metas para 2007

2 APRESENTAÇÃO A Ouvidoria Geral da Eletronorte apresenta neste relatório números gráficos e informações gerais sobre sua atuação no decorrer do ano de 2006, quando contabilizou manifestações nos seus canais de comunicação interno e externo. Nesses quase três anos de existência procurou servir às finalidades para as quais foi criada, entre elas a de representar o cidadão diante da Eletronorte, trazendo para dentro da empresa a expressão de seus sentimentos, seja na forma de uma reclamação, de um elogio, de uma denúncia ou de uma sugestão. Com isso, a Ouvidoria vem fazendo jus àqueles princípios que estabeleceu como fundamento para sua existência, entre eles a transparência, a gestão participativa e a responsabilidade social. Atualmente, inserida num contexto em que mais e mais são valorizados os aspectos éticos nos relacionamentos da empresa com a comunidade externa e interna, a Ouvidoria da Eletronorte, vislumbra um amplo horizonte favorável à sua atuação. Cabe-lhe, pois, neste cenário, um papel dos mais relevantes, ampliado pelo fato de estar vinculada a uma concessionária de serviço público de energia elétrica. Não é com outro propósito que a Ouvidoria da Eletronorte, alicerçada naqueles valores que inspiram as organizações em prol de uma melhor condição de vida das comunidades, também está empenhada em viabilizar iniciativas que contribuam para a promoção da cidadania. 2

3 NOSSA HISTÓRIA A Ouvidoria Geral da Eletronorte foi criada pela Resolução de Diretoria número 007/2004 de 15/01/2004 e implantada, como um processo vinculado à Presidência da Empresa, pela Resolução de Diretoria número 022/2004 de 01/06/2004, fazendo parte de um conjunto de iniciativas da Presidência da Eletronorte com vistas à modernização da instituição. Os procedimentos para a instalação da Ouvidoria Geral envolveram a difusão dos serviços no âmbito externo e interno, já que também são recebidas manifestações de toda a comunidade interna e externa. A divulgação interna foi feita por meio de palestra aos dirigentes da Empresa e veiculação de notícias na Intranet e Internet. A divulgação externa será feita pela própria Ouvidora em parceria com a PCR Coordenação de Comunicação e Relacionamento Empresarial, em todas as unidades descentralizadas da Empresa. Foi destinado um espaço na página da Eletronorte Intranet e Internet que dá acesso à página da Ouvidoria Geral e ali estão disponíveis as seguintes informações: O que é a Ouvidoria; Fale com o Ouvidor Como funciona a Ouvidoria Links: MME Ministério das Minas e Energia SPM Secretaria Especial das Mulheres SEPPIR Secretaria Especial das Políticas de Promoção da Igualdade Racial ELETROBRÁS Centrais Elétricas Brasileiras S/A ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ABO Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman RNDH Rede Nacional de Direitos Humanos CDC Código de Defesa do Consumidor Grupo Eletrobrás - CHESF Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - FURNAS Furnas Centrais Elétricas S/A 3

4 - ELETROSUL Empresa Transmissora de Energia Elétrica do Sul do Brasil S/A - CGTEE Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica - ELETRONUCLEAR Eletrobrás Termo Nuclear S/A - ITAIPÚ BINACIONAL Perfil do Ouvidor Mensagem do Presidente A Ouvidoria, em parceria com a Superintendência de Informática da Eletronorte, desenvolveu um sistema informatizado para o recebimento, cadastramento, encaminhamento de respostas e controle das manifestações recebidas. O sistema permite a emissão de relatórios gerenciais, tais como, a quantidade de manifestações, e a sua categorização por assunto e tipo. Foi disponibilizado um serviço de ligações telefônicas 0800 para facilitar o contato dos usuários com a Ouvidoria, beneficiando, principalmente, os cidadãos da comunidade externa. Objetivando o bom andamento das atividades da Ouvidoria Geral, foi elaborado um Manual de Ouvidoria POG, com o propósito final de que todos os funcionários da Ouvidoria se pautem dentro dos procedimentos descritos nele. Como anexo ao Manual foram elaborados dos PD s 1, 2, 3 e 4 onde estão descritos os passos relativos ao Diligenciamento das Manifestações da Ouvidoria, Análise das Respostas e Propostas de Melhoria, Avaliação de Ouvidoria e Treinamento para os Colaboradores da Ouvidoria, respectivamente. OBJETIVOS, ATRIBUIÇÕES E COMPROMISSO O principal objetivo da Ouvidoria Geral é o de ser uma aliada e representante de todos os funcionários da Empresa, assim como da comunidade externa e, ao mesmo tempo, uma parceira na busca constante da melhoria dos serviços prestados. São atribuições da Ouvidoria Geral receber as manifestações dos cidadãos e diligenciar junto às unidades competentes para que prestem as informações e esclarecimentos necessários à elaboração da resposta aos cidadãos, assim como buscar a solução das questões apresentadas. A Ouvidoria Geral, dependendo da manifestação recebida, nem sempre tem 4

5 atuação direta na solução das questões apresentadas, mas também a função de canal receptor da opinião dos usuários de nossos serviços, contribuindo para o estabelecimento da relação entre as ações da Eletronorte e as expectativas da comunidade. A Ouvidoria Geral tem como pressupostos fundamentais o reconhecimento da importância do cidadão, que merece respeito e atenção; o compromisso com a busca da excelência; a disposição para ouvir e o compromisso de responder. Sempre haverá algo a ser aperfeiçoado e as manifestações dos cidadãos constituem ferramenta valiosa na busca do aprimoramento. O principal compromisso da Ouvidoria Geral é com a valorização dos manifestantes, que devem ser atendidos com respeito e cortesia trabalhando no sentido de que todas as manifestações devem ser respondidas com rapidez e eficiência e as ações dos servidores que prestam atendimento devem ser francas, honestas e transparentes. NOSSO MÉTODO DE TRABALHO Todas as manifestações recebidas pela Ouvidoria Geral são armazenadas em um banco de dados informatizado, possibilitando o acompanhamento do andamento dos trabalhos por todos os servidores que atuam no atendimento. O cadastramento das manifestações possibilita ainda a emissão de relatórios detalhados, assim como consultas, pesquisas de manifestações por assunto, por tipo e por tempo gasto para solução das mesmas.. Cada manifestação recebe um número de código seqüencial e é analisada por um dos componentes da equipe para verificação da identificação do manifestante, classificação por tipo (denúncia, elogio, solicitação, reclamação, sugestão e outros). As manifestações recebidas por telefone, fax, s, por carta ou feitas pessoalmente, são transcritas para o banco de dados da Ouvidoria Geral e também recebem um número de código seqüencial. Após a leitura e análise do conteúdo, procedemos à busca da melhor solução possível para as questões relatadas. Mensalmente ou sempre que se faz necessário, objetivando o melhor atendimento e uma resposta mais completa, o assunto é debatido em reuniões com a presença da equipe da Ouvidoria Geral. Todas as reuniões são levadas a termo, por meio de atas que são 5

6 sempre apresentadas nas reuniões seguintes visando à uniformidade de tratamento e de posicionamento dos integrantes da Ouvidoria Geral em relação às respostas encaminhadas. No decorrer do ano de 2006, foram realizadas 11 reuniões para tratamento de assuntos internos e das manifestações recebidas. O trabalho para a elaboração das respostas envolve pesquisas legislativas, doutrinárias, em sites na Internet e contatos telefônicos com outros órgãos. A maior parte das manifestações é respondida no mesmo dia. Em alguns casos, pela complexidade, ultrapassam esse prazo, mas raramente os manifestantes aguardam tempo superior a 15 dias por sua resposta. Além do Ouvidor Geral, o quadro de servidores da Ouvidoria Geral é composto por cinco funcionários sendo: três de nível universitário e dois cursando o nível superior e o horário de atendimento é das 08h30 às 18h. 6

7 MANIFESTAÇÕES DOS USUÁRIOS 1. Quantidade A Ouvidoria Geral recebeu, no período de 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2006 um total de manifestações. Cerca de 2.997, referem-se a manifestações externas e os outros 473 a manifestações internas. PERCENTUAL DE MANIFESTAÇÕES 100% 90% % 70% 60% 50% 40% % 20% 10% 0% externas internas 7

8 2. Tipos TIPOS DE MANIFESTAÇÕES Outras Elogios Denúncias Solicitações Recçlamações Sugestões Sugestões Recçlamações Solicitações Denúncias Elogios Outras 8

9 3. Percentual denuncias 2% outros 7% elogios 1% sugestões 11% reclamações 21% solicitações 58% 9

10 4. Opções de Canais para contato com a Ouvidoria Geral A Ouvidoria Geral coloca à disposição dos usuários vários meios para o encaminhamento de manifestações, que são: 1. formulário e formulário eletrônico telefone 4. carta 5. fax 6. pessoalmente O formulário eletrônico, e o têm sido os canais mais utilizados desde a criação desta Ouvidoria Geral. A escolha dessa forma de comunicação é, provavelmente, um reflexo do crescimento do acesso aos meios eletrônicos de comunicação, bem como da maior rapidez e praticidade proporcionada por esses canais. Os telefonemas vêm em terceiro plano, em geral em ocasiões específicas como, por exemplo, por ocasião do cancelamento das provas do Concurso realizado em Nessa ocasião o número de telefonemas recebido foi consideravelmente alto. A contratação de um serviço 0800, que proporcionou a possibilidade de acesso às pessoas de baixa renda ou que residem em outras cidades do país, também facilita a utilização do canal telefone. A comunicação por meio de cartas e fax ocorreu em número extremamente reduzido. Em geral, as manifestações feitas pessoalmente são sempre provenientes dos funcionários lotados da sede da Empresa, onde está fisicamente a Ouvidoria Geral. Ao receberem o retorno da Ouvidoria Geral, com as informações solicitadas, muitos dos manifestantes nos remetem novo de agradecimento. Outros se mostram descontentes e frustrados quando a Ouvidoria Geral não pode lhes prestar um auxílio mais direto, tendo dificuldade para compreender as limitações para sua atuação. A recepção dos serviços da Ouvidoria Geral pelo público interno também foi positiva. As diversas unidades da Empresa têm prestado colaboração efetiva ao trabalho da Ouvidoria e algumas definem quem fará o papel de elo com a Ouvidoria, ou seja, quem ficará responsável por receber e encaminhar as questões apresentadas pela Ouvidoria Geral, dando mais celeridade ao processo.. 10

11 O atendimento da Ouvidoria Geral tem merecido manifestações positivas de muitos usuários, que ultrapassam as dificuldades de disponibilidade de tempo e fazem questão de encaminhar mensagens de agradecimento. A Ouvidoria conta com um sistema de avaliação para que o manifestante responda após o seu atendimento. Os resultados das respostas consolidadas em 2006 foram os seguintes: CONSOLIDAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO ATENDIMENTO QUESTÃO OPÇÃO PERCENTUAL As informações fornecidas pela Ouvidoria foram claras e objetivas? SIM 71% NÃO 29% As informações fornecidas pela Ouvidoria estavam adequadas ao que foi solicitado? As informações foram fornecidas pela Ouvidoria em tempo hábil? Os canais de comunicação disponibilizados pela Ouvidoria foram adequados ao processo? SIM 57% RAZOAVELMENTE 29% NÃO 14% SIM 71% RAZOAVELMENTE 29% NÃO 0% SIM 86% NÃO 14% A navegação no site da Ouvidoria está de fácil entendimento? SIM 86% NÃO 14% 11

12 A equipe da Ouvidoria atendeu com cortesia às suas solicitações? SIM 71% NÃO 29% No decorrer do processo os colaboradores da Ouvidoria demonstraram profissionalismo? SIM 71% NÃO 29% As soluções propostas pela Ouvidoria foram adequadas às suas necessidades? SIM 50% RAZOAVELMENTE 33% NÃO 17% Os produtos/serviços fornecidos pela Ouvidoria atenderam o que foi solicitado? No geral, estou satisfeito com os produtos/serviços ofertados pela Ouvidoria? SIM 67% RAZOAVELMENTE 17% NÃO 16% SIM 67% NÃO 33% ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 1. Recebimento, cadastramento, análise e resposta de manifestações. 2. Manutenção da página da Ouvidoria, buscando cada vez mais a melhoria no acesso; 3. Atualização e aprimoramento do sistema informatizado para cadastramento e acompanhamento das manifestações; 4. Demonstração e implantação do Sistema de Ouvidoria desenvolvido pela Eletronorte para viabilizar o uso do mesmo pela Eletrobrás e Controlado. 5. Elaboração do Manual da Ouvidoria. 12

13 PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS 1. Participação da Ouvidoria no Curso de Indicadores de Desempenho, realizado na Eletronorte no período de 15 a Participação da Equipe da Ouvidoria no Evento Comemorações do Dia Internacional da Mulher - Evento encerrado com palestra ministrada pela Ouvidora-Geral, sobre as atividades desenvolvidas pela Ouvidoria Geral durante sua gestão, realizado na Eletronorte, em Participação da Equipe da Ouvidoria no Seminário Ouvidoria Pública-Instrumento de Gestão - promovido pelo Ministério dos Esportes, em Participação da Equipe da Ouvidoria no Encontro Planejamento Empresarial, realizado na Eletronorte nos dias 03 e Participação da Equipe da Ouvidoria no Seminário Ética e Governança: Ouvidoria para a Cidadania promovido pelo Projeto ETICAL Iniciativa Latino-Americana pela Ética, no Centro Cultural de Brasília, em Participação da Equipe da Ouvidoria na VII Assembléia do Comitê para as Questões de Gênero do MME e Empresas Vinculadas ao MME, em Recife-PE, de 11 a Participação da Ouvidoria no Curso de Gestão e Ética realizado na Eletronorte em Participação da Equipe da Ouvidoria no Seminário Justiça e Comunidade realizada pela Câmara dos Deputados, Brasília, DF, em Participação da Equipe da Ouvidoria nas Reuniões sobre Planejamento Empresarial, realizado pela Eletronorte, nos dias 22 e Participação da Equipe da Ouvidoria no Curso de Capacitação em Ouvidoria, realizado na AGU, realizado nos dias 29 e Participação da Equipe da Ouvidoria no Programa Equidade de Gênero vários encontros na Eletronorte. 12.Participação da Equipe da Ouvidoria nas apresentações sobre o Novo Modelo do Setor Elétrico, realizado na Eletronorte. 13

14 NOSSAS METAS PARA Divulgação da Ouvidoria com a colocação de urnas com formulários próprios em diversos locais da Empresa, nas Unidades Descentralizadas e nos Escritórios Regionais para coleta de manifestação dos usuários; 2. Ampliar a articulação com as demais Ouvidorias Públicas, por meio de participação na entidade representativa dos ouvidores públicos e da promoção/participação em eventos de ouvidoria ao longo do ano, a exemplo do que foi feito no decorrer do ano de 2006; 3. Prosseguir com o trabalho de integração da Ouvidoria Geral com as diversas unidades da Empresa, por meio de reuniões e palestras, com o intuito de trocar experiências e levar as atividades desenvolvidas por ela; 4. Promover, internamente e de maneira contínua, o conceito de Ouvidoria, por meio da divulgação de informações, publicações e relatórios de atividades (o que habitualmente já vinha sendo feito) na página da Ouvidoria na Internet e Intranet; 5. Criar, constantemente, mecanismos para divulgar informações de interesse da comunidade, disponíveis na página da Ouvidoria na Internet e Intranet, e de ampliar a transparência e o controle social sobre as atividades por ela desenvolvidas, dando acesso às manifestações recebidas e posteriores encaminhamentos. 6. Atualização permanente do sistema informatizado para acompanhamento das manifestações; 7. Aprimoramento da página da Ouvidoria Geral na Internet e Internet com a inclusão de mais informações e links úteis; 9. Implantação de sistemática permanente de pesquisa de opinião e de mensuração do índice de satisfação do usuário. 14

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO OUVIDORIA DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO OUVIDORIA DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO OUVIDORIA DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES: Período de 2007 a 2010 SALVADOR 2011 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Governador Jacques Wagner

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA OUVIDORIA REGULAMENTO CURITIBA 2012 Regulamento Ouvidoria Art. 1º Projeto de implantação da Ouvidoria nesta Faculdade apresentado

Leia mais

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet

Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Pesquisa de Avaliação do Portal da ANEEL na Internet Período de pesquisa: 03/11/2004 a 30/12/2004 Abril 2005 1/13 Índice Página 1.0 INTRODUÇÃO...03 2.0 Análise das respostas de múltipla escolha...04 3.0

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 44/2011 - BNDES ANEXO V MODELO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO DO BNDES 1 OBJETIVO DA CENTRAL DE ATENDIMENTO 1.1 A Central de Atendimento do BNDES deverá atender aos seguintes objetivos:

Leia mais

REGIMENTO DA OUVIDORIA. Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI

REGIMENTO DA OUVIDORIA. Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI Sumário 1. DA COMPOSIÇÃO E DA SEDE... 3 2. DOS PRINCÍPIOS E MISSÃO... 3 3. DOS OBJETIVOS.... 4 4. DA ORGANIZAÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO.... 4 5. DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES... 6 6. DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Relatório Anual de Atividades 2014

Relatório Anual de Atividades 2014 Relatório Anual de Atividades 2014 Secretaria de Estado de Controle e Transparência SECONT Subsecretaria de Estado de Integridade Governamental e Empresarial Ouvidoria Geral do Estado Marcelo Barbosa de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Resultado da Pesquisa

Resultado da Pesquisa Pesquisa de Satisfação do Cliente Resultado da Pesquisa Primeiro e Segundo Semestre de 2012 Nos meses de Junho e Novembro/2012 a Datamace realizou pesquisas para avaliar o grau de satisfação dos serviços

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

OGU Ações e Projetos 2011/2012

OGU Ações e Projetos 2011/2012 OGU Ações e Projetos 2011/2012 FUNDAMENTOS NORMATIVOS Constituição Federal Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

Leia mais

FACULDADES DA FUNDAÇÃO DE ENSINO DE MOCOCA - FaFEM

FACULDADES DA FUNDAÇÃO DE ENSINO DE MOCOCA - FaFEM Portaria n. 012/2010. Estabelece as Normas e Regulamento da Ouvidoria das FAFEM. A Diretora das Faculdades da Fundação de Ensino de Mococa, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLVE: regulamentar

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 293/GP, DE 23 DE ABRIL DE 2013. (*) Regulamenta a gestão do conteúdo do Portal do Tribunal Superior do Trabalho, institui o seu Comitê Gestor e dá outras

Leia mais

SUMÁRIO 4. COMPETÊNCIA FUNCIONAL 03 5. FORMA DE ATUAÇÃO 03 6. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 04 7. ESTATÍSTICA DAS MANIFESTAÇÕES 08

SUMÁRIO 4. COMPETÊNCIA FUNCIONAL 03 5. FORMA DE ATUAÇÃO 03 6. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 04 7. ESTATÍSTICA DAS MANIFESTAÇÕES 08 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 02 2. HISTÓRICO 02 3. A OUVIDORIA 02 4. COMPETÊNCIA FUNCIONAL 03 5. FORMA DE ATUAÇÃO 03 6. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 04 7. ESTATÍSTICA DAS MANIFESTAÇÕES 08 8. PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA ANEXO ÚNICO DO ATO PGJ n 056/2010 SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO: Indicador: Percentual de órgãos com estrutura de equipamentos adequada. Meta: 79, 24% Melhorar a estrutura

Leia mais

Melhorias na Gestão do Fale Conosco do Website do CDTN

Melhorias na Gestão do Fale Conosco do Website do CDTN Melhorias na Gestão do Fale Conosco do Website do CDTN Soares, Wellington Antonio Chefe do Serviço de Comunicação soaresw@cdtn.br Câmara, Fábio de Souza Técnico camaraf@cdtn.br Cristóvão, Marilia Tavares

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS

OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OUVIDORIA VIVA RIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDO 1. OUVIDORIA INTERNA... 4 2. OUVIDORIA EXTERNA... 6 3. PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO... 7 4. CALL CENTER ATIVO DA SAÚDE... 12 5. OUVIDORIA UNIDADES

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2014 SOCIEDADE: Prestar serviços de excelência 1 Índice de respostas a contatos dirigidos à Ouvidoria Mede o percentual de contatos dirigidos à Ouvidoria que receberam

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE MATO GROSSO SENAI DR/MT REGULAMENTO DA OUVIDORIA SENAI - MT

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE MATO GROSSO SENAI DR/MT REGULAMENTO DA OUVIDORIA SENAI - MT SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DE MATO GROSSO SENAI DR/MT REGULAMENTO DA OUVIDORIA SENAI - MT Art. 1º A Ouvidoria do SENAI MT é um elo de ligação entre a comunidade interna

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5140 - ESPAÇO ABERTO Objetivo: PROMOVER A INTEGRAÇÃO ENTRE O PODER PÚBLICO MUNICIPAL E OS MUNÍCIPES EM CONJUNTO COM OS DEMAIS ORGÃOS QUE COMPÕE A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL.

Leia mais

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ES- TRATÉGICA Escritório Setorial de Gestão Estratégica da Diretoria Administrativa

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Ouvidoria-Geral - POG Relatório de Atividades Anual - 2010

Ouvidoria-Geral - POG Relatório de Atividades Anual - 2010 Ouvidoria-Geral - POG Relatório de Atividades Anual - 2010 [Digite texto] [Digite texto] [Digite texto] Diretor-Presidente Josias Matos de Araújo Ouvidora-Geral Daphnee Etchebehere de Souza Pinto B. Mendes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal PROGRAMA: 003 - ADIMINISTRAR PARA CRESCER OBJETIVO: Modernizar a administração municipal; Valorizar o servidor público; Adequar o quadro funcional; Elevar a arrecadação da receita própria; e Promover a

Leia mais

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015)

Painel de Contribuição ASGE (Outubro/2015) ASGE (Outubro/2015) Objetivo Estratégico / Iniciativa Estratégica/ Meta Estratégica 1. Alcançar 82% dos Projetos dentro do Prazo/ Aperfeiçoar a gestão de projetos 2. Implementar a Gestão de Riscos a) Criar

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Proposta de Gestão Marcos Amorielle Furini Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Continuidade, Avanço e Consolidação de uma Gestão Transparente e Participativa. Prezados servidores e alunos.

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE MARIANA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE MARIANA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE MARIANA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art.1º A Ouvidoria foi instituída para estabelecer ligação entre a comunidade acadêmica, comunidade externa, docentes

Leia mais

Relatório Semestral da Ouvidoria da Faculdade Arthur Thomas

Relatório Semestral da Ouvidoria da Faculdade Arthur Thomas Relatório Semestral da Ouvidoria Período: Janeiro a Junho de 2012 Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) 3031-5050 CEP: 86.061-450 1 1 APRESENTAÇÃO A Ouvidoria é um elo entre

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA OUVIDORIA. Período de 2009 a 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO DA OUVIDORIA. Período de 2009 a 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO DA OUVIDORIA Período de 2009 a 2014 Rio de Janeiro Janeiro 2015 Dados consolidados até 31 Dezembro 2014 Fonte: OUVI 1 SUMÁRIO 1. Justificativa... 3 2. Apresentação... 3 Ouvidoria do

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI

PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI PESQUISA DE SATISFAÇÃO SOBRE O SERVIÇO DE SUPORTE TÉCNICO DE TI APRESENTAÇÃO Este documento fornece um resumo do relatório da pesquisa de satisfação que foi realizada no Tribunal de Justiça de Pernambuco

Leia mais

Nova plataforma de colaboração proporciona ROI e outros ganhos significativos à Chesf

Nova plataforma de colaboração proporciona ROI e outros ganhos significativos à Chesf Nova plataforma de colaboração proporciona ROI e outros ganhos significativos à Chesf Perfil A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf tem a missão de produzir, transmitir e comercializar energia

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO

PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROJETO ESTRUTURAÇÃO DE PROMOTORIAS DE JUSTIÇA QUE EFETUAM ATENDIMENTO AO PÚBLICO RESUMO GERAL: A qualidade do serviço de atendimento ao público, no contexto da realidade brasileira, tanto no âmbito estatal

Leia mais

FUNDAÇÃO COGE Maio 2000

FUNDAÇÃO COGE Maio 2000 FUNDAÇÃO COGE Maio 2000 AGENDA HISTÓRICO ORGANIZAÇÃO CREDO FOCOS ESTRATÉGICOS HISTÓRICO COGE NOVO CENÁRIO CRIAÇÃO DA FUNDAÇÃO COGE CRIAÇÃO DA FUNDAÇÃO JURÍDICA DIREITO PRIVADO CARÁTER TÉCNICO- CIENTÍFICO

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2013 SOCIEDADE: Prestar serviços de excelência 1 Índice de respostas a contatos dirigidos à Ouvidoria Mede o percentual de contatos dirigidos à Ouvidoria que receberam

Leia mais

PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC ParticiPação e controle social 2014 1

PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC ParticiPação e controle social 2014 1 PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC Participação e controle social 2014 1 Apresentação Apresentamos a seguir nosso plano de metas para 2014, resultado de debates, reflexões de toda a equipe da Ouvidoria,

Leia mais

Relatório trimestral sobre o andamento dos trabalhos da Ouvidoria

Relatório trimestral sobre o andamento dos trabalhos da Ouvidoria Campus Universitário - Caixa Postal 3037 - CEP 37200-000 - Lavras MG - (35) - 3829-1085 - www.ouvidoria.ufla.br - falecom@ouvidoria.ufla.br Relatório trimestral sobre o andamento dos trabalhos da Ouvidoria

Leia mais

Unimed Uberaba Relacionamento com o Cooperado Elaine Joudran

Unimed Uberaba Relacionamento com o Cooperado Elaine Joudran Unimed Uberaba Relacionamento com o Cooperado Elaine Joudran Unimed Uberaba Área de ação Onde estamos Farmácia Unimed Nossa estrutura Unimed Domiciliar Clínica Unimed Unidade Sacramento Clínica de Especialidades

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INFORMÁTICA Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 31/13, de 21/08/13. CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento dispõe especificamente do Núcleo de Informática

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR PROPOSTO METAS GESTÃO FLÁVIA PUJADAS (2014-2015)

PROGRAMA PRELIMINAR PROPOSTO METAS GESTÃO FLÁVIA PUJADAS (2014-2015) Apresentam- se a seguir as metas entendidas como centrais de nossa gestão: VALORIZAÇÃO DO ASSOCIADO VALORIZAÇÃO INSTITUCIONAL DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO DO IBAPE/SP A cada uma dessas metas corresponderá

Leia mais

Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal

Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal Proposta de Metodologia para a Avaliação dos websites do Governo Federal Espartaco Madureira Coelho maio/2001 Introdução A partir da leitura do artigo Assessing E-Government: The Internet, Democracy and

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

VALIDAÇÃO DO PRÊMIO CEARÁ DE CIDADANIA ELETRÔNICA 2013

VALIDAÇÃO DO PRÊMIO CEARÁ DE CIDADANIA ELETRÔNICA 2013 VALIDAÇÃO DO PRÊMIO CEARÁ DE CIDADANIA ELETRÔNICA 2013 ABRIL/2013 PROGRAMAÇÃO 1. OBJETIVO, OBJETO E PÚBLICO ALVO 2. CARACTERÍSTICAS 3. CATEGORIAS E COMISSÕES 4. CRITÉRIOS 5. FASES 6. FORMULÁRIO 7. VENCEDORES

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Ouvidoria Pública e Gestão

Ouvidoria Pública e Gestão Ouvidoria Pública e Gestão Brasília, agosto de 03 OUVIR É SER SENSÍVEL AOS OUTROS Sotiguy Kouyaté Ator africano SER OUVIDOR É SER SENSÍVEL AOS OUTROS. Jones Carvalho Compromissos da Ouvidoria Pública Atendimento/

Leia mais

Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua.

Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua. Identificação da empresa: Viação Santa Cruz S/A Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua. Data: Implantação em 2009 aos dias atuais Categoria: Adesão dos Colaboradores

Leia mais

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DOS OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS

MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS MODELO DA FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE SURDOS A Associação de Surdos representa importante espaço de articulação e encontro da Comunidade Surda. Importantes movimentos se originaram e ainda se resultam das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2072/CUN/2015

RESOLUÇÃO Nº 2072/CUN/2015 RESOLUÇÃO Nº 2072/CUN/2015 Dispõe sobre Institucionalização do serviço de Ouvidoria da URI e aprovação do seu Regulamento. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades.

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades. TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de consultoria especializada para desenvolvimento dos serviços técnicos necessários à elaboração da metodologia para a estruturação da Rede de Parceiros para o

Leia mais

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos

AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos AGENDA - A Ouvidoria nas Empresas - Sistema de controle Exceller Ouvidoria - Resolução Bacen 3.477 - Principais pontos mediação, ouvidoria e gestão de relacionamentos A Ouvidoria nas Empresas Ferramenta

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?)

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?) Reunir com o Gabinete do Procurador-Chefe, para apresentação da metodologia de trabalho março, Anna e Vânia Castro Consolidar a lista de procedimentos e rotinas que serão mapeadas em toda a PRR1 1 "Mapear

Leia mais