AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM CPA E DIRETORIA ACADÊMICA. Ação considerada inviável no momento. Caso seja pertinente no futuro a ação será encaminhada após o encerramento do Protocolo de Compromisso e retorno do curso à normalidade, inclusive, com a abertura de novos vestibulares. SET AÇÃO INVIÁVEL NO MOMENTO DEZ.2014 AÇÃO INVIÁVEL NO MOMENTO PARECER AO CONASU, CONFORME ANEXO, PEDE EXCLUSÃO DO PDI. Ampliar e diversificar as atividades de ensino em nível de graduação e pósgraduação, com a oferta de novos cursos e expansão de vagas. Implantação de novos cursos. EXCLUIDA Ação considerada inviável no momento. Todo o esforço da IES será dedicado à melhoria dos cursos existentes. Submeter à apreciação do CONASU a exclusão do PDI. MARÇO NÃO FOI SUBMETIDO AO CONASU A EXCLUSÃO JUNHO NÃO FOI SUBMETIDO AO CONASU A EXCLUSÃO SET SUBMETER A INVIABILIDADE DA AÇÃO À PRÓXIMA REUNIÃO DO CONASU ATÉ DEZEMBRO/2014. DEZ 2014 PARECER AO CONASU, CONFORME ANEXO, PEDE EXCLUSÃO DO PDI. Avaliação da possibilidade de implantação do MBA em Formação de Gestor Público. EXCLUIDA ESTUDAR A POSSIBILIDADE DE EXECUÇÃO DA AÇÃO ATÉ DESIGNAR GRUPO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÃO DO ESTUDO. MARÇO 2014 AINDA NÃO FOI CONSTITUIDO GRUPO DE TRABALHO. JUNHO 2014 AINDA NÃO FOI CONSTITUIDO GRUPO DE TRABALHO. SET.2014 PROJETO JÁ APROVADO PELO CONASU, DE ACORDO COM A DIRETORA ACADÊMICA QUE INFORMA QUE O CURSO JÁ FOI CADASTRADO NO E-MEC.

2 Revisão dos PPC s dos cursos de graduação existentes adequandoos à realidade atual. Segundo informações da Diretoria Acadêmica e da Secretaria Geral todos os cursos já fizeram revisão em seus PPC s. FALTA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FAZER REVISÃO DO PPC SOLICITAR AO CONASU PRORROGAÇÃO DO PRAZO. MARÇO 2014 CONFORME PROTOCOLO DE COMPROMISSO A AÇÃO TEM PRAZO PARA EFETVIÇÃO ATÉ DEZEMBRO JUNHO 2014 CONFORME PROTOCOLO DE COMPROMISSO A AÇÃO TEM PRAZO PARA EFETVIÇÃO ATÉ DEZEMBRO SET.2014 A DIRETORA ACADÊMICA FICOU de ESTABELECER PRAZO PARA A REVISÃO DOS PPC S DE TODOS OS CURSOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS INSTITUCIONAIS QUE INCLUEM AS DISCIPLINAS NUCLEARES. DEZ 2014 PPC S REVISADOS JUNHO 2014 NÃO SE TEM CONHECIMENTO DE QUALQUER ORIENTAÇÃO DOS COORDENADORES AOS PROFESSORES. Incentivar e viabilizar o desenvolvimento de programas de iniciação à pesquisa na comunidade acadêmica. Orientação aos professores, através das Coordenações dos Cursos, para a realização de atividades de iniciação à pesquisa. SET A DIRETORA ACADÊMICA INFORMA QUE EM REUNIÃO DE DA DIRETORIA ACADÊMICA COM TODOS OS DOCENTES, FOI ABORDADO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DE PESQUISAS E ESCLARECE QUE TODOS OS COORDENADORES, JÁ ORIENTARAM OS SEUS PROFESSORES A RESPEITO, CONFORME ATAS DE REUNIÃO OU S. SERÁ PROGRAMADO PARA 2015 SEMINÁRIO QUE ABORDARÁ O TEMA O PDI E A POLÍTICA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. DEZ OS PROFESSORES TÊM SIDO ORIENTADOS PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE INICIAÇÃO À PESQUISA.

3 Ação com prazo de atendimento prorrogado para Submeter ao CONASU a alteração do prazo. AÇÃO COM PRAZO ADIADO. ncentivar e viabilizar o desenvolvimento de programas de extensão na comunidade acadêmica. Consolidação dos mecanismos e estímulos aos alunos e professores para a realização de atividades de extensão. MARÇO NÃO FOI SUBMETIDO AO CONASU A PRORROGAÇÃO. JUNHO NÃO FOI SUBMETIDO AO CONASU A PRORROGAÇÃO. JUNHO 2014 NÃO SE TEM CONHECIMENTO OFICIAL DOS ESTÍMULOS A ALUNOS E PROFESSORES. SET OS CURSOS DE CONTABILIDADE, DE PEDAGOGIA E DE COMUNICAÇÃO TEM ESTIMULADO ALUNOS E PROFESSORES PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO, CONFORME RELATÓRIOS APRESENTADOS. AVALIAR A SITUAÇÃO DOS CURSOS DE ENGENHARIA E DE ADMINISTRAÇÃO. DEZ CONFORME CONSTA DO PLANO DE MELHORIA REFERENTE AO PROTOCOLO DE COMPROMISSO DA IES SERÃO PROGRAMADAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2015, ATÉ FEVEREIRO DESSE ANO. Incentivar o desenvolvimento de mecanismos de promoção e difusão cultural articulando com a comunidade acadêmica. Realização de atividades culturais periodicamente e de forma diversificada. DESDE 2008 QUE SÃO REALIZADOS EVENTOS CULTURAIS, POR TODOS OS CURSOS, ARTICULADOS COM A COMUNIDADE ACADÊMICA, COM A PRESENÇA TAMBÉM DA COMUNIDADE EXTERNA E EX-ALUNOS. OS EVENTOS REALIZADOS OBEDECERAM AOS SEGUINTES TEMAS GERADORES: EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS A FORMAÇÃO DO EDUCADOR SER PROFESSOR EDUCAÇÃO NACIONAL: EU SUJEITO TRANSFORMADOR DIREITO AUTORAL: RESPONSABILIDADE DE TODOS EDUCAÇÃO UM VALOR SUSTENTÁVEL ACESSIBILIDADE E CIDADANIA: CONTRIBUIÇÕES DO PEDAGOGO NA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA EDUCAÇÃO SOCIEDADE E RELAÇÕES HUMANAS CULTURA, EDUCAÇÃO E POLÍTICA O BRASIL QUE QUEREMOS: CONTRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS A INFLUÊNCIA DAS MÍDIAS EM NOSSO COTIDIANO AS INFLUÊNCIAS DAS REDES SOCIAIS NA FORMAÇÃO DO

4 INDIVÍDUO COPA DO MUNDO 2014 NA BAHIA: POSSIBILIDADES, ENTRAVES E DESAFIOS SUSTENTABILIDADE E MEIO AMBIENTE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL MARÇO AÇÂO EM EXECUÇÃO PERMANENTE. Manter todo o corpo docente com no mínimo formação em pósgraduação lato sensu. Verificar se todos os docentes do quadro atual das FACIIP têm no mínimo formação em pós-graduação lato sensu. Caso algum professor não tenha a formação requerida deverá ser concedido ao mesmo o prazo de 15 meses para realização do Curso, sob pena de desligamento da Instituição. Exigir nas novas contratações dos docentes que o candidato tenha, no mínimo, formação em pós-graduação lato sensu,comprovada através da apresentação de certificado que ficará arquivado em sua pasta funcional. A FACULDADE ESTÁ DESLIGANDO DO SEU QUADRO DE PESSOAL TODOS OS PROFESSORES QUE NÃO TENHAM, NO MÍNIMO, A FORMAÇÃO EM PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU. DOIS PROFESSORES ESTÃO CURSANDO A ESPECIALIZAÇÃO, EM FASE DE CONCLUSÃO. MARÇO AÇÃO NÃO REALIZADA. JUNHO 2014 IDENTIFICARAM-SE PROFESSORES APENAS GRADUADOS NOS CURSOS DE ENGENHARIA E DE JORNALISMO. COMUNICAR À CPA AS PROVIDÊNCIAS. AÇÃO PENDENTE DE SOLUÇÃO COM PRAZO VENCIDO. SET REGULARIZADA A SITUAÇÃO. ESTÁ SENDO EXIGIDA A FORMAÇÃO MÍNIMA EM PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NAS NOVAS CONTRATAÇÕES DE DOCENTES. MARÇO AÇÃO REALIZADA. JUNHO 2014 AÇÃO REALIZADA SET A DIRETORA ACADÊMICA INFORMA A EXIGÊNCIA NO MOMENTO PARA CONTRATAÇÃO PREFERENCIAL DE PROFESSORES COM PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO.

5 Desenvolver política de qualificação e aprimoramento docente que atenda as necessidades de um ambiente propício ao processo ensinoaprendizagem. Oferecimento de, no mínimo, uma atividade semestral de atualização pedagógica. Estimular, facilitar e apoiar a participação em eventos de treinamento, seminários, congressos e em cursos de pósgraduação. Rever o Plano de Carreira Docente existente avaliando-se a sua pertinência e aplicabilidade. As atividades têm sido desenvolvidas através das reuniões com as Coordenações. A Diretoria Acadêmica já decidiu que semestralmente haverá uma Jornada Pedagógica. Ainda não houve a Jornada Pedagógica no semestre Programa-se realiza-la até o final do semestre. NÃO FOI REALIZADA A JORNADA PEDAGÓGICA DE PROGRAMA-SE A SUA REALIZAÇÃO PARA O SEMESTRE ESTÁ EM ELABORAÇÃO O PROGRAMA, DESENVOLVIMENTO DE CAPACITAÇÃO. E ACOMPANHAMENTO DO DOCENTE. MARÇO 2014 FOI SUBMETIDO AO CONASU PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS. ESTÁ PREVISTA ENCONTRO COM PROFESSORES PARA JUNHO 2014 ENCONTRO PREVISTO NÃO REALIZADO. SET.2014 FOI REALIZADO O ENCONTRO DE DOCENTES EM , CONFORME RELATÓRIO EM PODER DA DIRETORIA ACADÊMICA. A AÇÃO SERÁ REALIZADA SEMESTRALMENTE. DEZ A IES VEM NORMALMENTE ESTIMULANDO, FACILITANDO E APOIANDO A PARTICIPAÇÃO DO DOCENTE EM EVENTOS DA NATUREZA CITADA NA AÇÃO. O PLANO DE CARREIRA DO DOCENTE FOI REVISTO E ENCAMINHADO PARA A HOMOLOGAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO; VERIFICAR SITUAÇÃO JUNTO À ÁREA DE RECURSOS HUMANOS. MARÇO 2014 NÃO SE TEM POSIÇÃO OFICIAL DE RECURSOS HUMANOS SOBRE A HOMOLOGAÇÃO DO MINISTÉRIO. JUNHO 2014 AÇÃO PENDENTE DE ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES DA PARTE DO MINISTÉRIO. SET.2014 ATRAVÉS DE SOLICITAR INFORMAÇOES À DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA. SUBMETER AO CONASU A PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA AÇÃO. DEZ.2014 EMITIDO PARECER À DIRETORIA, CONFORME ANEXO, NO SENTIDO DE SOLICITAR AO CONASU PRORROGAÇÃO DO PRAZO.

6 A Área de Recursos Humanos elaborou um Programa de Capacitação do Corpo Técnico Administrativo, estando pendente a realização de cursos (treinamento) internos. Oferecimento de atividades de treinamento e atualização profissional para o corpo técnicoadministrativo, elaborando programa anual de capacitação do corpo técnico administrativo. MARÇO 2014 FOI SUBMETIDO AO CONASU O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS, FALTANDO A PROGRAMAÇÃO DO SEMESTRE. JUNHO 2014 AINDA NÃO FOI ELABORADA A PROGRAMAÇÃO DO SEMESTRE OU PLANO SEMESTRAL OU ANUAL. SET.2014 SOLICITAR INFORMAÇÕES POR À DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA. DEZ.2014 FOI REALIZADO EM EVENTO DE FORMAÇÃO DO CORPO ADMINISTRATIVO, DAS 14 ÀS 18 HORAS, QUE ABORDOU O TEMA RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE DE TRABALHO.. NÃO FOI AINDA ELABORADO O PROGRAMA/PLANO DE CAPACITAÇÃO PARA O ANO DE Desenvolver política de qualificação e aprimoramento do pessoal técnico-administrativo que atenda as necessidades administrativas. Estimular, facilitar e apoiar a participação em eventos de treinamento, seminários, congressos e em cursos de pósgraduação. DEZ A IES VEM NORMALMENTE ESTIMULANDO, FACILITANDO E APOIANDO A PARTICIPAÇÃO DO DOCENTE EM EVENTOS DA NATUREZA CITADA NA AÇÃO. O PLANO DE CARREIRA DO CORPO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO FOI REVISTO E ENCAMINHADO PARA A HOMOLOGAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO; VERIFICAR SITUAÇÃO JUNTO À ÁREA DE RECURSOS HUMANOS. Rever o Plano de Carreira do Corpo Técnico-Administrativo existente avaliando-se a sua pertinência e aplicabilidade. MARÇO 2014 NÃO SE TEM POSIÇÃO OFICIAL DE RECURSOS HUMANOS SOBRE A HOMOLOGAÇÃO DO MINISTÉRIO. JUNHO 2014 AÇÃO PENDENTE DE ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES DA PARTE DO MINISTÉRIO. SET.2014 ATRAVÉS DE SOLICITAR INFORMAÇOES À DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA. SUBMETER AO CONASU A PRORROGAÇÃO DO PRAZO DA AÇÃO. DEZ.2014 EMITIDO PARECER, CONFORME ANEXO, NO SENTIDO DE SOLICITAR AO CONASU A PRORROGAÇÃO DO PRAZO.

7 Ampliação da estrutura física, caso necessário, tendo em conta a implantação de novos cursos. A INFRAESTRUTURA VEM SENDO ADAPTADA À REALIDADE DAS FACULDADES. MARÇO SET A INFRAESTRUTURA VEM SENDO ADPTADA À REALIDADE DAS FACULDADES NÃO ESTÁ PREVISTA A IMPLANTAÇÃO DE NOVOS CURSOS. DEZ AÇÃO DE EXECUÇÃO PERMANENTE. Adequar a infraestrutura física, organizacional e tecnológica às necessidades acadêmicas e administrativas. Ampliação e atualização do acervo bibliográfico, conforme as necessidades dos cursos. A AMPLIAÇÃO VEM SENDO REALIZADA À MEDIDA DAS SOLICITAÇÕES DOS COORDENADORES. MARÇO AÇÂO EM EXECUÇÃO. JUNHO 2014 AÇÃO PREVISTA NOS PROTOCOLOS DE COMPROMISSO DOS CURSOS DE COMUNICAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO. AÇÃO EM EXECUÇÃO. SET NÃO ESTÁ PREVISTA A IMPLANTAÇÃO DE NOVOS CURSOS. A CPA INTERPELOU A DIRETORIA ACADÊMICA SOBRE AS CONDIÇÕES COM RELAÇÃO AOS CURSOS EXISTENTES. A DIRETORIA ACADÊMICA ESCLARECE QUE PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E JORNALISMO COM PROTOCOLO DE COMPROMISSO ESTÃO SENDO AVALIADAS AS CONDIÇÕES ATUAIS DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO. ACOMPANHAR A SITUAÇÃO PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E JORNALISMO E PARA OS DEMAIS CURSOS. DEZ.2014 CONSTA NO PLANO DE MELHORIA DO PROTOCOLO DE COMPROMISSO DA IES AÇÃO QUE PREVÊ A ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE AMPLIAÇÃO DO ACERVO PARA 2015 ESTABELECENDO ATUALIZAÇÃO ANUAL A PARTIR DAÍ, COM PRAZO PARA ATENDIMENTO ATÉ FEVEREIRO DE

8 Ampliação do conjunto de equipamentos de informática disponíveis na instituição, conforme implantação de novos cursos e demanda atual dos cursos existentes. FOI FEITA A AQUISIÇÃO/ALUGUEL DE NOVOS MICROS COMPUTADORES. MARÇO JUNHO SET.2014 NÃO HAVERÁ IMPLANTAÇÃO DE NOVOS CURSOS. QUANTO A DEMANDA DOS CURSOS EXISTENTES, A CPA FICOU DE CONSULTAR A ÁREA ESPECÍFICA. DEZ.2014 A AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA VEM ATENDENDO NORMALMENTE A DEMANDA DOS CURSOS EXISTENTES, CONFORME INFORMAÇÕES DA ÁREA ESPECÍFICA. Ampliação do conjunto de recursos audiovisuais e multimídia disponíveis na instituição, conforme demanda atual dos cursos existentes. OS RECURSOS AUDIOVISUAIS VÊM SE ADAPTANDO À REALIDADE DAS FACULDADES. AÇÃO EM EXECUÇÃO. MARÇO JUNHO 2014 SET 2014 VEM SE ADAPTANDO Á REALIDADE DAS FACULDADES. DEZ OS EQUIPAMENTOS SÃO AMPLIADOS À MEDIDA DAS NECESSIADEDES. CONSTA DO PLANO DE MELHORIA DO PROTOCOLO DE COMPROMISSO DA IES, AÇÃO QUE PREVÊ A AMPLIAÇÃO DE RECURSOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC, COM PRAZO PARA ATENDIMENTO ATÉ FEVEREIRO DE Desenvolver Políticas de Educação Inclusiva Rever o Regimento Interno da Instituição adequando-o à realidade atual. Definir Políticas para alunos, professores e funcionários portadores de deficiência física. MARÇO 2014 REGIMENTO INTERNO UNIFICADO REVISTO E APROVADO EM PELO. CONASU.. A AÇÃO VEM SENDO DESENVOLVIDA, COMO, POR EXEMPLO, O CURSO MINISTRADO PELO INSTITUTO DE CEGOS DA BAHIA PARA PROFESSORES. ATÉ 2015, NO ENTANTO, DEVERÁ SER DEFINIDA POLÍTICA PARA ALUNOS, PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA.. MARÇO JUNHO 2014 FALTA DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS ESCRITAS. SET A DIRETORIA ACADÊMICA ANOTOU PARA INFORMAR NA PRÓXIMA REUNIÃO. DEZ.2014 AS POLÍTICAS JÁ ESTÃO DEFINIDAS NO PRÓPRIO PDI 2.4.4, PÁGINAS 38/39.

9 Definir Políticas de atuação na comunidade. ALGUMAS AÇÕES VÊM SENDO REALIZADAS, COMO A CRIAÇÃO DO NEPAI E ATENDIMENTO À COMUNIDADE PARA A ELABORAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA. ATÉ 2015 SERÁ DEFINIDA UMA POLÍTICA E UM PLANO DE AÇÃO PARA ATUAÇÃO NA COMUNIDADE.. ELABORAR PROGRAMAÇÃO PARA 2014 MARÇO 2014 AINDA NÃO FOI ELABORADA A PROGRAMAÇÃO. JUNHO 2014 AINDA NÃO FOI ELABORADA A PROGRAMAÇÃO. SET.2014 CONSIDERAR NAP EM VEZ DE NEPAI. ERRONEAMENTE REGISTRADO. DE ACORDO COM A DIRETORA ACADÊMICA AS POLÍTICAS SERÃO DEFINIDAS NA FORMA DO CONSTANTE DO EIXO 2 DO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DEZ.2014 ESTÁ SENDO ELABORADO PLANEJAMENTO DE ACORDO COM OS CRITÉRIOS DE QUALIDADE DO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DEVENDO DELE CONSTAR AÇÕES DE ATUAÇÃO NA COMUNIDADE. OS RELATÓRIOS PARCIAIS E FINAIS VEM SENDO ELABORADOS NORMALMENTE PELA CPA.. AÇÃO EM EXECUÇÃO PERMANENTE MARÇO 2014 PERMANENTE Consolidação da Auto- Avaliação Institucional Elaboração anual do relatório final. Divulgação resultados. dos JUNHO 2014 SET OS RELATÓRIOS DE AUTOAVALIAÇÃO, PARCIAL E FINAL, VEM SENDO ELABORADOS NORMALMENTE, DE ACORDO COM O CICLO DE AVALIAÇÃO E ENCAMINHADO AO MEC, À DIRETORIA E DIVULGADO EM MARÇO DE CADA ANO. OS RESULTADOS VÊM SENDO DIVULGADOS EM SITE E MURAIS PRÓPRIOS. A PARTIR DE 2013 SERÃO TAMBÉM DISPONIBILIZADOS EM ÁREA DA BIBLIOTECA. PERMANENTE MARÇO PERMANENTE CRIADO O INFORMATIVO CPA COMO UM DOS INSTRUMENTOS QUE SERÁ UTILIZADO PARA COMUNICAÇÃO DE RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO

10 A REALIZAÇÃO DE META-AVALIAÇÃO REFERENTE AO PERÍODO SERÁ REALIZADA EM ABRIL MAIO DE MARÇO PERMANENTE. Realização de Meta- Avaliação - Balanço crítico. JUNHO 2014 SET PREVISTA PELA CPA A REALIZAÇÃO DE META-AVALIAÇÃO ANUAL, SEMPRE NO PERÍODO ABRIL-MAIO, APÓS ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PARCIAL OU FINAL DO ANO OU DO CICLO ANTERIOR. POSIÇÃO DAS AÇÕES STATUS QUANTIDADE PERCENTUAL EXECUTADAS % EM EXECUÇÃO 7 28 % EXCLUIDAS 2 8 % TOTAL % Ações Pendentes em março 2015: 1. Consolidação dos mecanismos e estímulos aos alunos e professores para a realização de atividades de extensão. 2. Rever o Plano de Carreira Docente existente avaliando-se a sua pertinência e aplicabilidade. 3. Oferecimento de atividades de treinamento e atualização profissional para o corpo técnico-administrativo, elaborando programa anual de capacitação do corpo técnico administrativo. 4. Rever o Plano de Carreira do Corpo Técnico-Administrativo existente avaliando-se a sua pertinência e aplicabilidade. 5. Ampliação e atualização do acervo bibliográfico, conforme as necessidades dos cursos 6. Ampliação do conjunto de recursos audiovisuais e multimídia disponíveis na instituição, conforme demanda atual dos cursos existentes 7. Definir Políticas de atuação na comunidade.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Pós-Graduação Graduação ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. 88,2% Graduação ITEM: As instalações do laboratório de informática são adequadas. Graduação ITEM: As instalações da biblioteca são adequadas.

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Administração de Empresas

Avaliação Institucional 2005-2. Faculdade de Jussara. Administração de Empresas CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM: As carteiras das salas de aula são adequadas. CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM: A infra-estrutura do prédio da Faculdade é adequada. CURSO:ADMINISTRAÇÃO EMPRESAS ITEM:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA

FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA FACULDADE UNIDADE SERRA PLANO DE AÇÃO - CPA PLANO DE AÇÃO Apresentação do Plano de Ação da CPA Os dados trabalhados são baseados na Avaliação Institucional realizada em Maio/2013 CPA- (comissão permanente

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 03 Fragilidades; 04 Sugestões de Superação de Fragilidade; 03 Potencialidades. A CPA identificou

Leia mais

CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO

CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO Mantenedora Fasipe Centro Educacional Mantida Faculdade Fasipe - FASIPE CENTRO DE PLANEJAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO SINOP / MATO GROSSO CENTRO DE PLANEJAMENTO, PESQUISA E EXTENSÃO - CPPE SUMÁRIO

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO.

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. Fixa normas de capacitação para o pessoal técnicoadministrativo. A CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA TÉCNICA DE EXTENSÃO DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS - CAMPUS DE OSASCO.

REGIMENTO DA CÂMARA TÉCNICA DE EXTENSÃO DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS - CAMPUS DE OSASCO. REGIMENTO DA CÂMARA TÉCNICA DE EXTENSÃO DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS - CAMPUS DE OSASCO. CAPITULO I DA NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DA CÂMARA TÉCNICA DE EXTENSÃO Seção I DA

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E ETENSÃO - UNIBAHIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO 2015/2017 Lauro de Freitas

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS EGRESSOS

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE CNEC FACULDADE CENECISTA DE RIO BONITO FACERB PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS EGRESSOS FFACERB - FFACULLDADE CENECISTTA DE RIO BONITTO ENTIDADE MANTENEDORA: CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE Credenciada pela Portaria 57/09 MEC Publicada no D.O.U. em 14/01/2009 Av. Sete de Maio,

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

de junho de 2007, destinados a profissionais com graduação ou bacharelado.

de junho de 2007, destinados a profissionais com graduação ou bacharelado. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU posgraduacao@poliseducacional.com.br O QUE É PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU? A pós graduação lato sensu são cursos promovidos pelas faculdades do grupo POLIS EDUCACIONAL com mais de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva Projeto do Plano Conferência Projeto realizado Conferência realizada Elaborar o Plano com ampla participação dos setores da sociedade Realizar a Conferência com a participação de todos os setores da sociedade

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Faculdades Integradas Dom Pedro II São José do Rio Preto - SP RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS As, ao apresentar o Relatório do sistema de autoavaliação (CPA), consideram

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e competências do estudante,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O Programa Institucional de Bolsas e Auxílios

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Aplicação Esta política aplica-se a todos os colaboradores Técnico-administrativos, sejam vínculo CLT ou contrato de estágio. 2. Objetivo Estabelecer critérios

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Fortaleza, 2012 INDICE CAPÍTULO I... 3 DO OBJETIVO GERAL... 3 CAPÍTULO II... 3 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CAPÍTULO III... 4 DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior Prof. Marcílio A. F. Feitosa Avaliação das Instituições de Educação Superior A Avaliação Institucional é um dos componentes

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS A iniciação científica é um instrumento de formação que permite introduzir na pesquisa científica os acadêmicos de graduação, colocando-os em contato

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI REGULAMENTO NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FEATI NUPEFE Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti FEATI SEÇÃO I Da Natureza e Missão Art. 1 O Núcleo de Pesquisa e Extensão da FEATI

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 - ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO PDI 2015 - EIXOS 1, 2 e 5

CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 - ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO PDI 2015 - EIXOS 1, 2 e 5 CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 - ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO PDI 2015 - EIXOS 1, 2 e 5 OBJETIVO 1.1. - ASSEGURAR O CRESCIMENTO E PERENIDADE DAS FACULDADES OPET Meta 1.1.1. OBTER RECONHECIMENTO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Supervisor Financeiro Coordenação Geral Apoio Administrativo Supervisor de TI Apoio Financeiro Orientador Pedagógico Apoio Administrativo Avaliação dos Cursos Coordenação

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 A Comissão Própria de Avaliação (CPA) é o órgão responsável por coordenar,

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 010 /03 Dispõe sobre as condições para oferta de disciplinas à distância nos cursos presenciais da UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola de Administração da UFBA Programa de Desenvolvimento e Gestão Social - PDGS

Universidade Federal da Bahia Escola de Administração da UFBA Programa de Desenvolvimento e Gestão Social - PDGS EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSA DE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Gestão Social PDGS/EAUFBA, no uso de suas atribuições legais, torna público este edital e estabelece

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2SEM2013 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2SEM2013 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2SEM2013 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Constituída em atendimento à Lei nº 10.861/2004, regulamentada pela Portaria

Leia mais

Programa de Acompanhamento de Egressos

Programa de Acompanhamento de Egressos FACULDADE FACULDADE DE TALENTOS DE HUMANOS TALENTOS HUMANOS - FACTHUS - FACTHUS Programa de Acompanhamento de Egressos UBERABA-MG 2010 I - OBJETIVO GERAL Desenvolver uma política de acompanhamento dos

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 1 SUMÁRIO 1 DA CONCEPÇÃO DO TC... 3 2 DA COORDENAÇÃO... 4 3 DO PROJETO DO TCC...

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 1.- Objetivos do Curso de Mestrado: a. Formação de professores para o magistério superior; b. Formação de pesquisadores; c. Capacitação para o exercício

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PORTARIA N 1/2012 CRIA O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NEAD) E APROVA SEU REGIMENTO INTERNO.

PORTARIA N 1/2012 CRIA O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NEAD) E APROVA SEU REGIMENTO INTERNO. PORTARIA N 1/2012 CRIA O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NEAD) E APROVA SEU REGIMENTO INTERNO. A Diretora Geral FACULDADE DE TECNOLOGIA DE RIO CLARO - CBTA,na qualidade de Presidente do Conselho Superior,

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014

CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014 CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014 A Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, por meio da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN/IFG), torna

Leia mais

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade?

1.2 - Como você avalia a divulgação dos resultados da autoavaliação institucional para a comunidade universitária da sua unidade/subunidade? Informações do Questionário Programa Autoavaliação Institucional - UFSM - 2014 Questionário Questões Gerais Descrição do Programa A aplicação do instrumento de autoavaliação é fundamental para toda instituição

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

SÚMULA DA 121ª REUNIÃO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 19.11.2009 INÍCIO: 9:00 - ENCERRAMENTO: 11:00 CÂMARA DE GRADUAÇÃO

SÚMULA DA 121ª REUNIÃO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 19.11.2009 INÍCIO: 9:00 - ENCERRAMENTO: 11:00 CÂMARA DE GRADUAÇÃO SÚMULA DA 121ª REUNIÃO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 19.11.2009 INÍCIO: 9:00 - ENCERRAMENTO: 11:00 CÂMARA DE GRADUAÇÃO 01) Processo n o 44/2009 Unidade: Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL APROVADO Alterações aprovadas na 21ª reunião do Conselho Superior realizada em 30/12/2009. REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL Art. 1º - O presente Regimento institucionaliza e

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização PÓS-GRADUAÇÃO O Programa de Pós Graduação Lato Sensu da FAEC foi aprovado pela Resolução do CAS, ATA 001/08, de 12 de março de 2008 e será implantado a partir do primeiro semestre de 2010, após aprovação

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara CONSELHO SUPERIOR ACADÊMICO E ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO CSAA N 04/2015 Regulamenta as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação das Faculdades Integradas de Taquara. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014.

CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014. CONGREGAÇÃO DO ICET RESOLUÇÃO Nº05 DE 10 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre as normas de afastamento para qualificação e de cooperação acadêmica de docentes lotados no Instituto de Ciência, Engenharia e

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais