Aspectos do uso de orações encaixadas num corpus de desenvolvimento da escrita no ensino básico 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aspectos do uso de orações encaixadas num corpus de desenvolvimento da escrita no ensino básico 1"

Transcrição

1 Aspectos do uso de orações encaixadas num corpus de desenvolvimento da escrita no ensino básico 1 Carlos A. M. Gouveia (FLUL/ILTEC) 0. Introdução O presente texto corresponde a uma reflexão preliminar relativamente aos primeiros dados de uma tentativa de mapeamento das características de desenvolvimento da escrita no ensino básico em Portugal, neste caso concreto as referentes ao uso, por alunos do 4º, 6º e 9 anos, de algumas estruturas de modificação de núcleos de grupos nominais, a partir da consideração de construções envolvendo aquilo que no quadro teórico da gramática sistémico-funcional (Halliday, 1978, 1994, 2004) se designa por orações encaixadas. Assim, serão descritos e analisados resultados de uso de estruturas de modificação determinadas por situações de encaixe de orações em grupos, do tipo, por exemplo, das orações tradicionalmente designadas por orações subordinadas adjectivas relativas restritivas, como em Um senhor [[que ia ali a passar]] viu-me e quis-me 2, produzida por um aluno do 4º ano. Trata-se de estruturas resultantes do abaixamento de orações do nível em que, numa escala de níveis, deveriam funcionar, isto é, o nível oracional, para um nível inferior de processamento, característico do funcionamento de outro tipo de unidades: o nível do grupo. Considerando que o grau de incidência das chamadas orações subordinadas adjectivas relativas restritivas é menor nos textos do 6º ano relativamente aos do 4º e do 9º anos, no computo tanto das estrutura de encaixe referidas, quanto da totalidade das orações de cada ano escolar, tentar-se-á, com este texto, perceber as razões para estes valores de ocorrências, jogando-os quer na relação com as expectativas de desenvolvimento da escrita de ciclo para ciclo, quer na relação com as tarefas que foram solicitadas aos alunos (isto é, na relação com o tipo de texto solicitado), quer 1 Este texto corresponde à versão escrita de duas versões orais ligeiramente diferentes que foram apresentadas como comunicações em encontros científicos: a primeira, intitulada Análise de estruturas de modificação por encaixe, num corpus de desenvolvimento da escrita no ensino básico, foi apresentada na Conferência Internacional sobre Gramática e Texto GRATO, realizada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, de 2 a 4 de Julho de 2009; a segunda, intitulada The use of post-modifying clauses in a corpus of writing development in basic schooling, foi apresentada no 21st European Systemic Functional Linguistics Conference and Workshop, realizado na Universidade de Cardiff, Reino Unido, de 8 a 10 de Julho de Agradeço aos públicos de ambos os encontros as suas questões e comentários. 2 Existem vários tipos de orações encaixadas para além das relativas aqui referidas. Independentemente do tipo e da designação, entende-se por oração encaixada a oração que funciona como um grupo ou parte de um grupo, desempenhando funções de núcleo de um grupo nominal, de pós-modificadora num grupo nominal e de pósmodificadora num grupo adverbial (cf. Halliday, 1994: 242). 1

2 ainda na relação com níveis de incidência de outras estruturas de pré e pós-modificação de núcleos de estruturas nominais. Para tanto, e após esta breve introdução, procede-se, num primeiro momento, intitulado Questões Teóricas, ao levantamento de algumas questões teóricas relevantes para a realização do trabalho; de seguida, na parte 2, Corpus e Metodologia, descrevem-se alguns aspectos metodológicos de constituição do corpus e de análise de dados, para depois se avançar para a análise de dados propriamente dita, numa parte intitulada, precisamente, Análise. No fim, algumas conclusões serão sistematizadas. 1. Questões teóricas No quadro da linguística sistémico-funcional (LSF) e mais concretamente no quadro da chamada gramática sistémico-funcional (GSF), a lexicogramática, se encarada em razão das suas estruturas de constituência, realiza-se na relação com o que poderemos designar por escala de níveis. A partir de uma configuração topo-base, vinda do texto, portanto, tal escala de níveis começa na oração, passa pelo sintagma/grupo, passa pela palavra e termina no morfema (cf. Butt et al., 2000; Martin & Rothery, 1993; Gouveia, 2009). O nível oracional desta escala de níveis diz respeito ao funcionamento das orações e à sua estrutura interna (cf. Diagrama 1). Neste sentido, fazem parte deste nível da escala unidades como Um dia transformei-me em computador ou No dia seguinte acordei humana. Ou seja, estamos no nível fundamental de processamento da gramática, em que a oração funciona simultaneamente como i) uma representação de processos, das circunstâncias de realização dos mesmos e dos participantes neles envolvidos (isto é, como um fraseado envolvendo verbos/ processos, grupos preposicionais e adverbiais/ circunstâncias e grupos nominais/ participantes); ii) uma troca entre um falante/autor e um ouvinte/leitor (isto é, como um fraseado com uma função discursiva, uma função modal e eventualmente uma função avaliativa); e iii) uma mensagem organizada relativamente a algo que constitui o tópico da significação (isto é, como um fraseado com funções temáticas e remáticas e com informação dada e informação nova) 3. 3 No quadro da GFS, estas três configurações de significado da oração espelham as possibilidades de produção de significado motivadas pelas chamadas funções da linguagem (ou metafunções): a função ideacional (a oração como representação), a função interpessoal (a oração como troca) e a função textual (a oração como mensagem). Constituídas como componentes gramaticais, esta funções configuram lexicogramaticalmente as variáveis de registo de um texto, na sua relação com o contexto que o motivou, na seguinte relação: função ideacional > variável campo do registo > oração como representação; função interpessoal > variável relações do registo > oração como troca; função textual > variável modo do registo > oração como mensagem. 2

3 grupo palavra morfema texto complexo oracional oração Diagrama 1 A escala de níveis Todas as orações que como tal funcionam situam-se neste nível da escala de níveis e são constituídas por grupos (preposicionais, nominais, verbais), que, por sua vez, funcionam como unidades do nível abaixo do oracional, isto é, que constituem o nível do grupo. São unidades deste nível da escala estruturas como computador ou No dia seguinte, retirados dos exemplos anteriormente enunciados. Encarada a constituência desta forma, o que nós temos em exemplos como 1) e 2) são casos de orações que funcionam no seu nível natural de funcionamento: 1) Começaram então a bailar à sua volta. O sorriso dela voltou aos seus lábios. 2) Começaram então a bailar à sua volta e o sorriso dela voltou aos seus lábios. Podemos até dizer que em 2) estamos a considerar um nível de funcionamento acima do da oração, porquanto estamos num nível que não diz respeito às relações entre grupos no domínio da oração, como é o caso do nível da oração na escala de níveis, mas num nível acima, o do complexo oracional, que diz respeito às relações entre orações no domínio do complexo oracional. Independentemente de tais considerações, nada pacíficas e não totalmente resolvidas nos fundamentos da teoria, o que interessa aqui registar é que um modelo de constituência como este permite frisar, e fazer disso estrutura de funcionamento significativa, que as orações têm dois planos de funcionamento na escala de níveis, já que trabalham em dois níveis distintos: por um lado, organizam-se, com outras orações, em estruturas interdependenciais de parataxe e de hipotaxe, em complexos oracionais; por outro, organizam-se com outras unidades menores, também em 3

4 estruturas interdependenciais, em unidades de um nível inferior ao seu. Num caso, estamos perante estruturas oracionais de pleno direito; no outro, perante estruturas oracionais encaixadas que deixam de exercer funções próprias para exercerem funções de outro tipo (não oracionais). A classificação tradicional como orações subordinadas de ambos os tipos de orações (as de nível oracional e as encaixadas no nível do grupo) não dá conta desta diferença de funcionamento, que, do ponto de vista da descrição da língua em uso é por demais fundamental. Como afirma Mary Schleppegrell (2004: 66): (...) a categoria oração subordinada inclui dois tipos de orações funcionalmente muito diferentes. Algumas orações subordinadas participam da estruturação do discurso: tais orações são referidas como orações hipotácticas. Outras funcionam como grupos nominais ou parte de um grupo nominal e não trazem nenhum contributo independente para a estrutura do discurso; tais orações chamam-se orações encaixadas. As orações hipotácticas são dependentes de outra oração, mas não são suas constituintes. (...). As orações encaixadas, por sua vez, funcionam dentro de outra oração; 4 Se acrescentarmos a estes dois tipos de orações, as orações paratácticas, verificamos que a tradicional divisão entre subordinação e coordenação resulta na prática numa divisão em três tipos, paratácticas, hipotácticas e encaixadas, com a particularidade de as paratácticas e as hipotácticas contribuirem para a estrutura do discurso e as encaixadas não o fazerem. Mais uma vez, como diz Shleppegrell (idem: 67): Esta distinção tripartida de ligações oracionais em paratácticas, hipotácticas e encaixadas, distingue entre orações que, de modo independente, contribuem para a estrutura do discurso (paratácticas e hipotácticas) e as que funcionam como parte de uma outra oração (encaixadas). 5 Do ponto de vista discursivo, então, esta é uma distinção importante, em pelo menos dois aspectos. Em primeiro lugar, porque permite distinguir entre orações que contribuem para a estrutura do discurso de uma forma directa e imediata e as que o fazem apenas de uma forma indirecta e não independente. Em segundo, porque da sua expressão linguística em textos reais decorrem aspectos de descrição discursiva, nomeadamente os valores de densidade lexical e de 4 Esta e outras traduções de citações originais inglesas que ao longo do texto vão ocorrendo são da minha responsabilidade. As citações originais podem ser encontradas em nota de rodapé associada à tradução usada no corpo do texto, como acontece neste caso: (...) the category subordinate clause includes two functionally very different types of clauses. Some subordinate clauses participate in discourse structuring; these are referred to as hypotactic clauses. Others function as a nominal group or part of a nominal group and do not make an independent contribution to discourse structure; these are called embedded clauses. Hypotactic clauses are dependent on but not constituents of another clause. (...). Embedded clauses, on the other hand, function within another clause; 5 Cf.: This three-way distinction of clause linkages as paratactic, hypotactic, or embedded, distinguishes between clauses that independently contribute to discourse structure (hypotactic and paratactic) and those that function as part of another clause (embeddings). 4

5 intricacia gramatical associados a esses textos. Por densidade lexical entende-se a ratio das palavras lexicais de um texto relativamente ao número de orações que nesse mesmo texto desempenham funções oracionais, isto é, que na escala de níveis de situam no nível oracional (ou seja, que não são encaixadas). Os valores de densidade lexical, como os valores de intricacia gramatical (i. e., a ratio das orações relativamente aos complexos oracionais de que fazem parte), definem padrões de comportamento dos textos orais e escritos. Assim, quanto mais alta for a densidade lexical de um texto mais próximo esse texto está dos registos mais prestigiados da escrita, como o do discurso científico, e quanto mais baixa ela for mais próximo o texto está dos registos da oralidade. Inversamente, valores altos de intricacia gramatical estão associados a registos orais e valores baixos a registos escritos (sobre estas noções vd, Halliday, 1987 e Halliday, 1985). Os valores de densidade lexical e de intricacia gramatical alimentam duas noções fundamentais que ajudam a caracterizar a variação funcional dos textos; ou seja, ajudam a caracterizar tanto géneros, enquanto modos diferentes de usar a língua para realizar diferentes tarefas culturalmente estabelecidas 6 (Eggins & Martin, 1997: 236), quanto registos, enquanto modos contextualmente motivados de usar a língua em situação, considerando que as dimensões contextuais podem ser vistas como tendo consequências na língua por tornarem certos significados e suas expressões linguísticas mais plausíveis de ocorrer do que outros 7. Numa fase preliminar de análise, os dados do presente trabalho pareciam demonstrar, por exemplo, que os textos dos alunos do 6º ano seriam os que em média têm o menor número de palavras por oração (6,5, contra 7,2 no 4º ano e 9,2 no 9º ano) e seriam também os que na relação orações de nível oracional vs. orações de nível abaixo do nível oracional (orações encaixadas) apresentam uma maior incidência de orações sem encaixe (em média um encaixe por cada 8,6 orações, contra em média um encaixe por cada 7,3 orações, no 4º ano, e um encaixe em média por cada 6,1 orações, no 9º ano). Ou seja, a hipótese de trabalho que se colocava era a de: aceitando que estes dados dão conta, quantitativamente, da menor complexidade estrutural dos textos dos alunos do 6º ano comparativamente aos do 4º ano, será que estaremos eventualmente perante um retrocesso no domínio dos processos de intricacia gramatical, e perante uma clara preferência por estruturas oracionais de reduzida complexidade? Responder a esta pergunta e outras com ela relacionadas será a tarefa deste texto logo após a 6 Vd.: ( ) linguists define genres functionally in terms of their social purpose. Thus, different genres are different ways of using language to achieve different culturally established tasks, and texts of different genres are texts which are achieving different purposes in the culture. (...). Thus, the major linguistic reflex of differences in purpose is the staging structure by which a text unfolds. 7 Cf. "The concept of register is a theoretical explanation of the common-sense observation that we use language differently in different situations. More technically, contextual dimensions can be seen to impact on language by making certain meanings, and their linguistics expressions, more likely than others. We can say that context places certain meanings 'at risk'. 5

6 descrição de alguns aspectos referentes aos corpus e à metodologia. 2. Corpus e metodologia Os resultados ora apresentados enquadram-se no conjunto de resultados que estão a ser obtidos em razão do desenvolvimento de um projecto de investigação de espectro mais alargado, situado numa área de investigação nuclear da linguística aplicada relativamente menosprezada: a área do desenvolvimento da escrita. Tal projecto visa i) cartografar as transformações desenvolvimentistas da escrita na L1 ao longo dos 3 ciclos do ensino básico, e ii) construir um corpus de textos produzidos por alunos, a constituir como corpus de referência da escrita no ensino básico (4800 textos). Os resultados estão, presentemente, a ser obtidos a partir da descrição e análise de um corpus de textos produzidos no ano lectivo de 2007/2008 no contexto das provas de aferição do 4º e 6º anos e do exame nacional de 9º ano. O corpus é constituído por 400 textos do 4º ano, 400 do 6º ano e 400 do 9º ano, num total de 1200 textos, produzidos como parte da tarefa de produção textual das respectivas provas. Espera-se que as descrições e os materiais resultantes deste projecto sejam de grande utilidade, tendo em vista as necessidades dos professores, já que em termos de desenvolvimento da escrita os professores ensinam aos alunos aquilo que os programas e os manuais consideram que os alunos devem saber, mas estão, estamos todos nós, pouco informados acerca do conhecimento linguístico e metalinguístico que os alunos detêm sobre a escrita nas diferentes fases da sua vida. O facto não é invulgar; é sobretudo uma consequência da ausência de descrições linguísticas consistentes e utilizáveis da escrita dos alunos, dos diferentes níveis de desempenho numa fase específica e das diferentes fases de progressão da escrita na escola. Como resultado da falta de instrumentos de avaliação de desempenho, os professores deixam muitas vezes os critérios de avaliação apenas implícitos, sem os trabalharem pormenorizadamente na avaliação concreta, e frequentemente considerando apenas aspectos relativos à tarefa/tipo de escrita em particular, isto é, avaliando apenas os aspectos genológicos e de registo das produções textuais. Ou seja, não há descrições consistentes e sistemáticas de indicadores de desenvolvimento que possam ser usados como parâmetros de avaliação de desempenho. 3. Análise Embora, como afirmam Christie & Derewianka (2008: 238), o aumento de densidade lexical não seja em si mesmo um critério de aferição de desenvolvimento na escrita, não há dúvida de que o mesmo será relevante se considerarmos, por um lado, que tal critério distingue caracteristicamente, por exemplo, a oralidade da escrita, a primeira com baixa densidade lexical, a 6

7 segunda com valores muito mais altos, dependendo dos registos, e, por outro, que, tendencialmente, o desenvolvimento da escrita representa um movimento de afastamento das características da oralidade por apropriação progressiva das características da escrita 8. Aliás, as mesmas autoras dão conta da importância da densidade lexical no desenvolvimento da escrita ao admitirem, a propósito da sua investigação sobre desenvolvimento da escrita nos ensinos básico e secundário, considerando três áreas disciplinares, Inglês, História e Ciência, que a tendência geral em cada uma das três áreas disciplinares demonstra um crescimento estável em densidade lexical, à medida que as crianças passam pela infância para os anos da adolescência, dominando o carácter relativamente denso da linguagem escrita (Christie & Derewianka, ibidem). 9 Partindo deste pressuposto, seria de esperar que os valores de densidade lexical na escrita em cada um dos anos em análise no presente estudo reflectisse um crescimento do 4º para o 6º anos e do 6º para o 9º anos. Tal não acontece, porém. De facto, e sendo a densidade lexical média no 9º ano a mais alta de todas, como seria de esperar, no 6º ano os valores estão abaixo dos do 4º ano, o que, a aceitar a densidade lexical como critério de desenvolvimento, significará não um desenvolvimento mas um retrocesso. Tais dados parecem, portanto, estar relacionados com uma resposta afirmativa à hipótese de trabalho atrás colocada. Efectivamente, considerando que a densidade lexical, tal como está a ser aqui trabalhada, decorre da distinção entre orações hipotácticas e orações encaixadas e dos índice de ocorrência de umas e de outras nos textos, podemos dizer que, face aos resultados, há uma menor complexidade estrutural nos textos dos alunos do 6º ano comparativamente aos do 4º ano. Se isso corresponde eventualmente a um retrocesso no domínio dos processos de intricacia gramatical e a uma preferência por estruturas oracionais de reduzida complexidade é algo que ainda estamos para ver. Por agora, e em razão dos valores mais recentes, relativos a 388 textos do 4º ano, 400 do 6º e 396 do 9º ano, registe-se que, em todos os valores associados ao uso de estruturas encaixadas, temos valores mais baixos para o 6º ano do que temos para os outros dois níveis de ensino. Comecemos pela proporção de orações encaixadas relativamente às orações não encaixadas. Enquanto no 9º ano, como se pode observar no Quadro 1, temos uma oração encaixada por, em média, cada 6 orações (6,12), e no 4º ano temos 8 Veja-se o que a este respeito nos diz Christie (1998: 58): A linguagem escrita desenvolveu-se ao longo dos séculos para fazer coisas que a oralidade não faz. Demora-se necessariamente muitos anos a dominar a organização gramatical da linguagem escrita. Não se trata de uma característica desenvolvimentista de crianças na idade da escola primária. / Written language has evolved over the centuries to do things that speech doesn't do. It necessarily takes many years to master the grammatical organisation of written language. It is not a developmental feature of primary aged children. 9 Vd.: Increasing lexical density is not in itself a sufficient measure of development in writing. However, it is of some interest to this study that the overall trend in all three subjects demonstrates a steady growth of lexical density as children move through childhood and into the years of adolescence, mastering the relatively dense nature of written language. 7

8 uma oração encaixada por, em média, cada 9 orações (8,76), no 6º ano, temos uma oração encaixada por, em média, cada 10 orações (9,68), ou seja, os alunos do sexto ano tendem a usar menos encaixes de orações do que os do 9º ano, o que será eventualmente natural, mas também usam menos encaixes do que os do 4º ano, o que, eventualmente, já não será assim tão natural. 4º ano 6º ano 9º ano Orações simplex ou em relação paratáctica ou hipotáctica (não encaixadas) / Orações 8,76 9,68 6,12 encaixadas Quadro 1 Proporção de orações não encaixadas por cada oração encaixada Como afirmado anteriormente, e como pode ser observado de seguida no Quadro 2, os valores da densidade lexical são homólogos a estes valores, isto é, também neste aspecto os alunos do 6º ano apresentam valores de densidade lexical mais baixos do que os alunos do 4º ano. É exactamente porque fazem uso de menos orações encaixadas que tal acontece, uma vez que a densidade lexical se mede na proporção de itens lexicais no texto relativamente a orações simplex ou em relação paratáctica ou hipotáctica no mesmo texto (deixando de fora da contagem as orações encaixadas). 4º ano 6º ano 9º ano Densidade lexical 2,80 2,66 3,08 40% total palavras/ nº orações 10 Quadro 2 Densidade lexical Os dois factores de descrição até agora registados estão intimamente relacionados, já que são ambos fortemente motivados pela presença relativa nos textos de orações encaixadas na sua relação com outras unidades textuais. Mas se nos centrarmos apenas em tais orações, passamos para um outro domínio descritivo, neste caso referente aos valores relativos à complexidade da estrutura dessas mesmas orações, que nos permitirá talvez avançar um pouco mais no tipo de descrição que tem vindo a ser feita. Por outro lado, se esquecermos as orações encaixadas e pensarmos apenas nas orações que estão a funcionar no seu nível natural e que, portanto, ou são orações simplex ou são orações que estão numa relação paratáctica ou hipotáctica (em complexo oracional), e verificarmos 10 A densidade lexical foi aqui medida a partir de uma projecção média da percentagem de palavras lexicais por texto. Isto é, não tendo ainda sido trabalhados os itens lexicais no corpus, resolveu-se trabalhar com uma projecção média de 40% de itens lexicais por texto e por cada subcorpora (todos os textos de cada um dos anos). Embora nos resolva o problema imediato de contabilização dos valores de densidade lexical, tal projecção ignora infelizmente diferenças que possam existir nos valores de ocorrência de itens lexicais por texto e por cada subcorpus e que efectivamente podem ser diferentes, mesmo que apenas ligeiramente, em razão dos registos dos textos. 8

9 as incidências de cada um desse dois tipos de orações (simplex e em complexo oracional), talvez possamos avançar ainda mais. Vejamos tais valores, respectivamente, no Quadro 3 e no Quadro 4: Orações encaixadas simplex relativamente ao total de orações encaixadas 4º ano 6º ano 9º ano 84,86% 86,16 81,75 Orações encaixadas que iniciam complexo oracional relativamente ao total de orações 15,14% 13,84 18,25 encaixadas Quadro 3 Valores para encaixe de oração simplex e de complexo oracional Orações simplex relativamente ao total de orações simplex ou em relação paratáctica ou hipotáctica 4º ano 6º ano 9º ano 84,20 % 86,01% 81,82% Orações em relação paratáctica ou hipotáctica relativamente a total de orações 15,79% 13,98% 18,17% simplex ou em relação paratáctica ou hipotáctica Quadro 4 Valores para orações simplex e orações em complexo oracional O que os valores até agora enunciados nos permitem concluir, em termos de sistematização de resultados, é que, contrariamente às expectativas, os textos do 6º ano têm: 1. menos densidade lexical do que os do 4º ano (Quadro 2); 2. mais orações simplex e menos complexos oracionais do que os 4º ano (Quadro 4); 3. menos orações encaixadas do que os do 4º ano (Quadro 1); 4. menos complexos oracionais encaixados e mais orações simplex encaixadas do que os do 4º ano (Quadro 3). Se aceitarmos, seguindo Christie & Derewianka (2008: 240), que nesta fase do 6ª ano de ensino básico, Entre outras coisas, os textos desenvolvem um leque maior de tipos de orações e de interdependências oracionais 11, não podemos deixar de nos interrogar porque razão os dados apresentados não espelham tal tendência. Da mesma forma, se aceitarmos com Schleppegrell (2004: 79-80) que, em geral, a investigação indica que o desenvolvimento da escrita escolar envolve um movimento da sintaxe paratáctica e encadeada do oral para uma estrutura oracional reduzida de alto conteúdo proposicional própria dos registos académicos. e que Os escritores aprendem a 11 Vd. (...) it is the second phase which is in many ways critical, for it marks an important transitional passage away from forms of language like those of speech, towards forms closer to matures writing, and the grammatical organization of children's texts must change if children are to succeed. Among other matters, texts develop a greater range of clause types and clause interdependencies (...) 9

10 empacotar mais informação em cada oração, à medida que a sua escrita se desenvolve. 12, então porque não reflectem essa tendência, em termos quantitativos, os textos do 6º ano ou porque são distintos, em razão inversa, dos textos do 4º ano? Centrando-nos exclusivamente nas orações encaixadas e, de entre estas, nas que funcionam como orações pós-modificadoras do núcleo de um grupo nominal, as já referidas subordinadas adjectivas relativas restritivas da gramática tradicional, podemos pensar que a sua menor incidência nos textos do 6º ano é eventualmente compensada com níveis mais altos de incidência de outras estruturas de pré e pós-modificação de núcleos de estruturas nominais, mas não parece ser esse o caso, a julgar por uma análise breve dos dados. Resta-nos, como explicação, pensar nas tarefas que foram solicitadas aos alunos e verificar se há nessas tarefas alguma razão que motive os valores de ocorrência aqui apresentados, isto é, vejam-se os resultados à luz da sua relação com o tipo de texto solicitado nas tarefas das provas de aferição: 4º ano 6º ano Como já antes te foi dito, vais agora escrever um texto de 20 a 25 linhas. São muitos os objectos que podemos usar para escrever: uma lapiseira, um lápis, uma caneta, uma máquina de escrever ou até mesmo um computador. Imagina que, durante um dia, te podias transformar num desses objectos. Para contares como seriam essas vinte e quatro horas fantásticas, pensa: que objecto gostarias de ser; quem seriam os teus donos; em que tempo e local viverias; o que te poderia acontecer; como acabaria esse teu dia tão diferente. Como já atrás te foi dito, vais escrever, durante este tempo, um texto de 25 linhas. Conta uma aventura, real ou imaginária, em que tu e o teu animal de estimação sejam os protagonistas, isto é, as personagens principais. Ao fazeres, na folha de rascunho, o plano do teu texto, não te esqueças de que és o narrador e, ao mesmo tempo, protagonista da história. Não deixes de... a) indicar quando se deu o episódio que vais contar; b) descrever, com algum pormenor, o local onde a aventura decorreu; c) apresentar o teu animal de estimação como a outra personagem principal: como é, o que habitualmente faz, que relação há entre ti e ele ; d) contar o que aconteceu, o que cada um fez e com que intenção; como acabou a aventura; e) organizar a descrição dos diferentes acontecimentos que constituem a «aventura», de maneira a obter uma sequência narrativa bem construída, com princípio, meio e fim. A leitura e comparação destas tarefas permite-nos observar duas coisas: i) os textos são diferentes na sua formulação, no uso dos tempos verbais e na estrutura que seguem para solicitar e descrever a tarefa que propõem; e ii) apesar dessas diferenças, e do carácter mais espartilhante ou menos espartilhante das indicações que são dadas e do uso dos diferentes tempos verbais (sobretudo o uso de futuro do pretérito na tarefa do 4º ano), as tarefas pedem aos alunos a concretização do mesmo género de texto, isto é, a chamada história. Trata-se, provavelmente, de um dos tipos de 12 Vd. All of this research indicates that academic writing development involves movement away from the paratactic, clause-chaining syntax of speech, and toward the reduced clauses and high propositional content of the academic registers. Writers learn to pack more information into each clause as their writing develops. 10

11 texto de maior predominância e permanência na sociedade e, definitivamente, na escola. Mas o termo história, no quadro da linguística sistémico-funcional, é uma designação válida fundamentalmente para uma família de tipos de textos que têm um conjunto de características em comum e não para um género em particular. Como afirmam Christie & Derewianka (2008: 32), todas as histórias tem um estádio de orientação, todas têm uma qualquer sequência temporal de um evento e todas têm um qualquer tipo de fecho, mas tais estádios ou etapas encontram realização diversa em diferentes tipos de histórias. Na escola, por exemplo, mais concretamente nas tarefas de escrita, a história encontra representatividade em dois géneros em particular, a narrativa (narrative) e o relato (recount), ou, por palavras mais transparentes relativamente ao que são as práticas pedagógicas portuguesas, a narrativa de problema (narrative), e verdadeira narrativa, e a narrativa de acontecimentos (recount), de estrutura linear, cronológica, sem a etapa fundamental da narrativa que é a Complicação. Em ambos os casos das tarefas das provas de aferição, o que é solicitado aos alunos, embora a partir de escolhas lexicogrammaticais diferentes, é uma narrativa de acontecimentos, ou relato. E embora a narrativa de acontecimentos possa ser baseada em experiências pessoais, caso em que seria uma narrativa de acontecimentos pessoal, nestes casos ela é baseada em experiência imaginada, razão pela qual se trata de uma narrativa de acontecimentos imaginativa. Mais uma vez, citando Christie & Derewianka (idem: 32-33), podemos dizer que as diferenças entre a narrativa e o relato (narrativa de problema e a narrativa de acontecimentos) são as seguintes: Uma narrativa pode ter um Resumo, embora este seja opcional. Ambos os géneros têm de ter uma Orientação que introduz a(s) personagen(s) num dado tempo ou espaço (ou por vezes em ambos); depois e, para além disso, são diferentes. A narrativa introduz um problema a Complicação, e esta é seguida por uma Avaliação, em que é providenciada uma resposta a e/ou uma reflexão sobre a Complicação (embora linguagem avaliativa possa ocorrer noutros elementos). A narrativa termina com uma Resolução em que o problema é resolvido, e um elemento opcional a Coda oferece um comentário. Quanto ao relato, o seu 'meio' tem eventos em sequência temporal, referidos como o Rol, e tem um elemento conclusivo opcional, a Reorientação, que termina satisfatoriamente o texto, retornando os protagonistas ao ponto de onde vieram. Comentários aos eventos ocorrem mais em função do ritmo do texto, e em diferentes momentos, do que num momento distinto da estrutura esquemática Vd. A narrative may have an Abstract, though this optional. Both genres must have an Orientation which introduces character(s) in a setting of time or place (or sometimes both), and beyond that, they differ. A narrative introduces a problem the Complication, and this is followed by an Evaluation, in which response to and /or reflection on the Complication is provided (though evaluative language can occur in other elements). The narrative ends with a Resolution where the problem is solved, and an optional element- Coda offers commentary. As for the recount, its 'middle' has events in temporal sequence, referred to as the Record, and it has an optional concluding element, the Reorientation which 'rounds off' the text, normally returning the protagonists to the point whence they came. Comment on the events occurs prosodically, and across the text, rather than falling in a distinct element of schematic 11

12 Desta sistematização de diferenças decorre naturalmente que a tarefa solicitada nas provas de aferição em causa, como já afirmei, foi, em ambos os casos, uma narrativa de acontecimentos imaginativa, um relato, razão pela qual não podemos, à partida, radicar na tarefa as diferenças entre os valores que apontámos para o 4º e o 6º anos. 14 Nesse sentido, os textos analisados mostram características próprias dos registos associado ao género relato (vd. Christie, 1998; Martin, 1989; Rothery & Stenglin, 1997) e, de certa forma, não se distinguem uns dos outros, no uso de: processos materiais e comportamentais, participantes específicos e pronomes pessoais, pretérito perfeito e imperfeito 15 conjunções aditivas e temporais orações encaixadas a expandir grupos nominais temas a marcar a passagem do tempo e a estruturar a narrativa 4. Conclusão A comparação de valores de descrição dos três subcorpora mostrou que no que se refere ao uso de orações encaixadas, o 6º ano se distingue por manifestar tendências contrárias ao que seria de esperar, sobretudo em comparação com os textos do 4º ano, e que em geral, essas tendências correspondem a uma menor densidade lexical, à frequência de mais orações simplex e menos complexos oracionais, à frequência de menos orações encaixadas e à frequência de menos complexos oracionais encaixados e mais orações simplex encaixadas. Se bem que no que se refere a intricacia gramatical os três níveis de ensino não se distingam em termos de resultados, apresentando valores muito próximos relativamente aos padrões de organização do complexo oracional, o que em si mesmo é sobretudo problemático para o 9º ano que deveria ter valores mais baixos do que os outros anos no número médio de orações a funcionar num complexo, nos outros structure. 14 Esta caracterização dos textos propostos nas tarefas decorre de princípios objectivos de descrição dos diferentes géneros enquadráveis na categoria geral história, como já referido. Se nos cingirmos às escolhas lexicogramaticais dos textos das tarefas, podemos admitir que a tarefa do 4º ano visa um relato e a tarefa do 6º visa uma narrativa, mas também podemos afirmar que as diferenças nos textos das tarefas são mais de metalinguagem e de adequação aos níveis de conhecimento dos diferentes sujeitos de aprendizagem do que propriamente ao reconhecimento, por parte de quem redigiu as tarefas, da narrativa e do relato como tipos diferentes de histórias. 15 Existem diferenças fundamentais no uso dos tempos verbais entre os textos dos alunos do 4º ano e os dos alunos do 6º ano, com os alunos do 4º a usarem quer o condicional quer o pretérito imperfeito com valor modal (condicional) em proporções muito elevadas, contra os alunos do 6º que praticamente não os usam. Tais diferenças decorrem fundamentalmente do modo como a tarefa do 4º ano foi redigida, apelando, por um lado, para a expressão da temporalidade, própria do género história (seja relato, seja narrativa), e, por outro, para o domínio da modalidade, própria da especulação, decorrente da subordinação da história ao enunciado geral (obrigatório como título do textos): Se eu fosse X [um objecto de escrita] por um dia. Os usos dos tempos verbais nos textos dos alunos do 4º ano que assumem desde o início o género história aproximam-se dos usos dos tempos verbais nos textos dos alunos do 6º ano. Contrariamente, usos dos tempos verbais nos textos dos alunos do 4º ano que assumem o carácter especulativo do texto, usando estruturas em que uma condição informa uma situação hipotética ( Se eu fosse x, seria/era... ), estão mais longe dos usos dos tempos verbais nos textos dos alunos do 6º ano. 12

13 valores há diferenças importantes que importa investigar. Por exemplo, interessa perceber qual a razão que leva a que os alunos do 6º ano tenham valores mais altos de ocorrência de estruturas oracionais simplex, seja encaixadas ou não, do que os alunos tanto do 4º como do 9º anos, e que estes últimos, por sua vez, tenham valores mais baixos do que os do 4º ano. 16 É certo que o 2º ciclo do ensino básico tem características próprias que podem ajudar a explicar os valores apresentados. Por exemplo, Foley & Lee (2004: 117) referem que relativamente aos dados que analisaram de estudantes de Singapura e que correspondem aos nossos dois primeiros ciclos do ensino básico, uma importante característica que sobressai é o pouco desenvolvimento que existe do 4º ano para a frente. Em geral, depois da conclusão do 4º ano, as indicações são de que no 5º e no 6º anos todas as características analisadas mostram pouco ou nenhum desenvolvimento na escrita das crianças quando comparadas com o 4º ano. 17 Talvez esta observação possa ser válida para as crianças e o ensino básico português, mas não esqueçamos que, no caso presente, estamos perante valores que não só não parecem indiciar nenhum desenvolvimento, como até parecem indiciar o contrário. Muitas explicações podem ser possíveis para explicar o fenómeno observado, mas a sua correcta apreciação só será possível, por um lado, com o alargamento do corpus aos anos seguintes e jogando os resultados na relação de uns anos com os outros, e por outro, com uma análise qualitativa dos processos de encaixe numa amostra de textos dos três níveis de ensino. Mas isso é matéria para trabalho futuro. Referências Butt, D., R. Fahey, S. Feez, S. Spinks & C. Yallop (2000): Using Functional Grammar: An Explorer s Guide. 2nd ed. Sidney: National Centre for English Teaching and Research Macquarie University. Christie, F. & Derewianka, B. (2008): School Discourse: Learning to Write Across the Years of Schooling. London: Continuum. Christie, F. (1998): Learning the literacies of primary and secondary schooling. In Christie, F. & Mission, R., eds.: Literacy and schooling. London: Routledge: Eggins, S. & J. R. Martin (1997): Genres and registers of discourse. In Van Dijk, Teun A., ed.: Discourse Studies: A Multidisciplinary Introduction, Volume 1: Discourse as Structure and Process. London: Sage Publications: Foley, J. A. & Lee, C. (2004): A Framework for Tracing the Development of Children's Writing in 16 A diminuição de valores do 9º ano neste caso poderia eventualmente estar relacionada com o tipo de texto solicitado na tarefa do exame. Não é esse o caso, porém, considerando que a tarefa do 9º ano não se distingue, no que a género diz respeito, das tarefas dos dois outros anos, já que também se enquadra na categoria geral história, embora em termos mais precisos corresponda ao género episódio/incidente (anecdote) isto é, a um tipo de texto em que uma situação particular e fora do vulgar na experiência do sujeito é revivida ou imaginada ( Redige um texto narrativo em que recordes ou imagines uma situação na qual um sorriso tenha tido um papel fundamental ). 17 Vd. In fact one very notable feature which stands out in this data is how little development there is from Primary four onwards. In general having completed Primary four, the indications are that in Primary five and six all the features we have analysed show little or no development in the children writing when compared to Primary four. 13

14 Primary Schools. In Foley, J. A., ed.: Language, Education and Discourse: Functional Approaches. London: Continuum: Gouveia, C. A. M (2009): Texto e gramática: uma introdução à Linguística Sistémico-Funcional. Matraga, V. 16, nº 24. Halliday, M. A. K. (1978): Language as Social Semiotic: The Social Interpretation of Language and Meaning. London: Edward Arnold. Halliday, M. A. K. (1985): Spoken and Written Language. Victoria: Deakin University. Halliday, M. A. K. (1987): Spoken and written modes of meaning. In Horowitz, R. & Samuels, S. J., eds.: Comprehending Oral and Written Language. San Diego: Academic Press: Republicado em: Halliday, M. A. K. (2005): On Grammar. London: Continuum: Halliday, M. A. K. (1994): An Introduction to Functional Grammar. 2 nd ed. London: Edward Arnold. Halliday, M. A. K. (2004): An Introduction to Functional Grammar. 3 rd ed. revised by C. M. I. M. Matthiessen. London: Edward Arnold. Martin, J. R. (1989): Factual writing. Oxford, England: Oxford University Press. Martin, J. R. & Rothery, J. (1993): Grammar: Making Meaning in Writing. In Cope, B. & Kalantzis, M., eds.: The Powers of Literacy: A Genre Approach to Teaching Writing. London: The Falmer Press: Rothery, J., & Stenglin, M. (1997): Entertaining and instructing: Exploring experience through story. In Christie, F. & Martin, J. R., eds.: Genre and institutions: Social processes in the workplace and school. London: Cassell: Schleppegrell, M. J. (2004): The Language of Schooling: A Functional Linguistics Perspective. New Jersey & London: Lawrence Erlbaum Associates. 14

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: Modelo Lingüístico-Discursivo para Análises de Narrativas de Falantes e Aprendizes de Língua Estrangeira

PROJETO DE PESQUISA: Modelo Lingüístico-Discursivo para Análises de Narrativas de Falantes e Aprendizes de Língua Estrangeira PROJETO DE PESQUISA: Modelo Lingüístico-Discursivo para Análises de Narrativas de Falantes e Aprendizes de Língua Estrangeira Adail Sebastião Rodrigues Júnior Universidade Federal de Ouro Preto Nature

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CRUVINEL,Fabiana Rodrigues Docente do curso de pedagogia da faculdade de ciências humana- FAHU/ACEG Garça/SP e-mail:fabianarde@ig.com.br ROCHA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA EDITAL No. 011/2009 Dados para o Edital do Concurso para Professor Assistente na área

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

Planificação anual - 2015/2016llllllllllll. Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano. Manual adotado: Win!5 (Oxford University Press) Gestão de tempo

Planificação anual - 2015/2016llllllllllll. Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano. Manual adotado: Win!5 (Oxford University Press) Gestão de tempo 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO ESCOLA BÁSICA DA ABELHEIRA PLANIFICAÇÃO ANUAL DE INGLÊS DO 5.º ANO 2015/2016 Planificação anual - 2015/2016llllllllllll Disciplina / Ano: Inglês / 5º ano Manual adotado:

Leia mais

Renata Aparecida de Freitas

Renata Aparecida de Freitas as escolhas linguísticas revelando decisões: uma breve aplicação de conceitos da gramática sistêmico-funcional como instrumento de análise Renata Aparecida de Freitas Renata Aparecida de Freitas Doutoranda

Leia mais

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 2 ÁREA / DISCIPLINA: Inglês (Profa: Maria Luiza da Silveira Bicalho) SÉRIE: 1ª A, B, C, D, E Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 02 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 80 COMPETÊNCIA

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Palavras-chave: processos verbais, linguística sistêmico-funcional, artigos científicos.

Palavras-chave: processos verbais, linguística sistêmico-funcional, artigos científicos. 1 OS PROCESSOS VERBAIS NOS ARTIGOS CIENTÍFICOS DA REVISTA GESTÃO E SECRETARIADO: UMA ANÁLISE COM BASE NA LINGUÍSTICA SISTÊMICO- FUNCIONAL Keyla Christina Almeida PORTELA Instituto Federal de Educação,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PORTUGUÊS ENSINO SECUNDÁRIO (PROGRAMA E METAS CURRICULARES) COMPLEXIDADE TEXTUAL. Helena Carvalhão Buescu e Maria Graciete Silva

FORMAÇÃO DE PORTUGUÊS ENSINO SECUNDÁRIO (PROGRAMA E METAS CURRICULARES) COMPLEXIDADE TEXTUAL. Helena Carvalhão Buescu e Maria Graciete Silva FORMAÇÃO DE PORTUGUÊS ENSINO SECUNDÁRIO (PROGRAMA E METAS CURRICULARES) COMPLEXIDADE TEXTUAL Helena Carvalhão Buescu e Maria Graciete Silva PISA 2006 Alguns tópicos: Terminada a escolaridade obrigatória,

Leia mais

Os Usos da Literacia Estatística

Os Usos da Literacia Estatística Os Usos da Literacia Estatística Professora Janet Ainley School of Education University of Leicester Turning Data into Knowledge, June 2015 Os banhistas nesta área correm um risco de ataque de tubarão

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO NOS CURSOS DE LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS NÃO ESCOLARIZADOS

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO NOS CURSOS DE LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS NÃO ESCOLARIZADOS A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO NOS CURSOS DE LETRAMENTO DE JOVENS E ADULTOS NÃO ESCOLARIZADOS Sylvia Bueno Terzi Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP O objetivo do trabalho é apresentar e discutir o

Leia mais

1.º Período. Unidade Domínio Objetivos Descritores de desempenho Ser capaz de Recursos Avaliação

1.º Período. Unidade Domínio Objetivos Descritores de desempenho Ser capaz de Recursos Avaliação ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA DEPARTAMENTO DE LÍNUGAS - PROGRAMAÇÃO ANUAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA I INGLÊS 9.º Ano do 3.º Ciclo Ano Letivo 2014 / 2015 DOCENTE: Margarida Couto N.º aulas 12 Module

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Planificação Anual 2013-2014 INGLÊS 5º ANO MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Orações hipotáticas adverbiais e mudança de tópico em narrativas orais e em narrativas escritas do português

Orações hipotáticas adverbiais e mudança de tópico em narrativas orais e em narrativas escritas do português Orações hipotáticas adverbiais e mudança de tópico em narrativas orais e em narrativas escritas do português Orações hipotáticas adverbiais e mudança de tópico em narrativas orais e em narrativas escritas

Leia mais

Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2008/2009

Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2008/2009 Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2008/2009 1. Curso Encontram-se abertas inscrições para a realização das provas especiais de acesso e ingresso nos

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS ÁREA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS ÁREA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS ÁREA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS LTA004 LÍNGUA ESPANHOLA I A Língua Espanhola do ponto de vista histórico, geográfico e linguístico. A sua unidade e diversidade.

Leia mais

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Informação prova final / Exame Final Nacional português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Prova 63/93/739 2014 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga as características

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

EDITAL No. 013/ 2012 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

EDITAL No. 013/ 2012 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA, LINGUÍSTICA APLICADA E ENSINO DE INGLÊS EDITAL No. 013/ 2012 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Inglês 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/1.ª Fase 6 Páginas Duração da Prova: 120

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Resultados da análise de narrativas escritas

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 7/200, de 26 de março Prova Escrita de Inglês.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/1.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 14/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 14/2015 Campus São João del-rei Tema 01: CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE LÍNGUA Leia o texto abaixo: A indignação dos brasileiros sensatos detém a ofensiva dos professores de ignorância Por que, em educação, todo mundo acha que conhece

Leia mais

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2014 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga a informação relativa à prova de Equivalência

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

Publicado por LAEL, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil, e AELSU, University of Liverpool, United Kingdom.

Publicado por LAEL, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil, e AELSU, University of Liverpool, United Kingdom. Tema e estrutura temática em PE e PB: um estudo contrastivo das traduções portuguesa e brasileira de um original inglês Carlos A. M. Gouveia & Leila Barbara (FLUL/CEAUL, Portugal) (PUCSP, Brasil) DIRECT

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS. Os textos de Ciências na disciplina de PLNM: uma abordagem baseada em Género ANEXOS À PARTE III

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS. Os textos de Ciências na disciplina de PLNM: uma abordagem baseada em Género ANEXOS À PARTE III UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Os textos de Ciências na disciplina de PLNM: uma abordagem baseada em Género ANEXOS À PARTE III Fausto Felix Geert Caels 0 Índice Anexo I: Reprodução fac-simile

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT SILVEIRA, Patrícia dos Santos. Jogos de linguagem e oralidade na construção do texto teatral. Florianópolis: UDESC; CAPES; Mestrado; Orientador Prof. Dr. Stephan Baumgärtel. Atriz. RESUMO Este artigo visa

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I PLANIFICAÇÃO ANUAL Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém - 135513 Escola Secundária Padre António Macedo Grupo Disciplinar / Disciplina: Ano Letivo: 2014-2015 Ciclo de Ensino: Ano de

Leia mais

DISCURSO DOCENTE NO CURSO DE LETRAS: UMA ANÁLISE DE AVALIATIVIDADE

DISCURSO DOCENTE NO CURSO DE LETRAS: UMA ANÁLISE DE AVALIATIVIDADE DISCURSO DOCENTE NO CURSO DE LETRAS: UMA ANÁLISE DE AVALIATIVIDADE Fabíola Aparecida SARTIN Dutra Parreira Almeida (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/Universidade do Estado do Mato Grosso/CNPq)

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2014. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico

Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Informação Prova de Equivalência à Frequência. Prova 61 2014. 2.º Ciclo do Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência Data: 2014.04.02 Prova de Equivalência à Frequência de Português (Prova Oral) Prova 61 2014 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 05 de julho

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

9. Referências Bibliográficas

9. Referências Bibliográficas 167 9. Referências Bibliográficas ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003. AZEREDO, J. C. Fundamentos de Gramática do Português. 5ª Ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Planificação anual Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 75-78 Competências Compreensão oral: seleção da mensagens emitidas em situação de presença, sobre temas familiares para os alunos e

Leia mais

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1.

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1. weaker people. This definition includes three important components:1. Bullying is aggressive behavior that involves unwanted, negative actions. 2. Bullying involves a pattern of behavior repeated over

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Planificação periódica 7ºano

Planificação periódica 7ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 7ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação 1ºPeríodo 7ºAno 2010/2011

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15 Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/15 Unidade curricular: / Curricular Unit: Sociologia da Comunicação Sociology of Communication Docente responsável e respectivas horas de contacto na unidade

Leia mais

Teste Intermédio Inglês. 11.º Ano de Escolaridade. Critérios de Classificação COTAÇÕES. Atividade A... 15 pontos. Atividade B...

Teste Intermédio Inglês. 11.º Ano de Escolaridade. Critérios de Classificação COTAÇÕES. Atividade A... 15 pontos. Atividade B... Teste Intermédio Inglês Parte III Produção e interação escritas Critérios de Classificação 27.02.2014 11.º Ano de Escolaridade COTAÇÕES Atividade A... 15 pontos 11. 12. 1. 14. 15. 16. 17. 18.1 15 pontos

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Contabilidade Qualificação: Sem habilitação

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da

Leia mais

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA Camila Nunes de Souza 1 Grande parte das gramáticas apresenta os verbos modais como unidades, fragmentando, definindo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UM CORPUS LINGUÍSTICO ELETRÔNICO USANDO O WORDSMITH TOOLS

A CONSTRUÇÃO DE UM CORPUS LINGUÍSTICO ELETRÔNICO USANDO O WORDSMITH TOOLS A CONSTRUÇÃO DE UM CORPUS LINGUÍSTICO ELETRÔNICO USANDO O WORDSMITH TOOLS Rebeca Fernandes Penha 1 (UFPE) José Marcone Ferreira da Costa 2 (UFPE) Medianeira Souza 3 (UFPE) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR Resumo Cecília Felício e Margarida Rodrigues EB 2,3 de Luísa Todi e ESE de Lisboa cecilia.felicio@sapo.pt, margaridar@eselx.ipl.pt Propomo-nos reflectir

Leia mais

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda 1º Encontro de Pós-Graduação em Linguística Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda O caso dos falantes de Russo em contexto de imersão Catarina Pereira da Silva Tema reconhecimento de oposições

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO SABER FAZER UM RESUMO. Saber comunicar a informação de forma eficaz. Literacia da informação

COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO SABER FAZER UM RESUMO. Saber comunicar a informação de forma eficaz. Literacia da informação COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO SABER FAZER UM RESUMO Saber comunicar a informação de forma eficaz Literacia da informação Rute Simões 30 de Março de 2012 Segundo G. Vigner 1, o resumo é uma operação de tradução

Leia mais

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS Valeria Fernandes Nunes Mestranda em Linguística (UERJ) valeriafernandesrj@hotmail.com RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE SERPA INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE 3.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE SERPA INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE 3.º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº DE SERPA INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE 3.º CICLO Ano Letivo de 204/205 Modalidade da Prova: Escrita Disciplina: INGLÊS (Língua Estrangeira I) Duração: 90

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro

Leia mais

INGLÊS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA. 1. Objeto de avaliação. 2. Caracterização da prova. Prova 06 2015. 2º Ciclo do Ensino Básico

INGLÊS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA. 1. Objeto de avaliação. 2. Caracterização da prova. Prova 06 2015. 2º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova 06 2015 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características do Exame de Equivalência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

O PAPEL DA ATENÇÃO NA CONEXÃO FORMA E SIGNIFICADO EM L2 *

O PAPEL DA ATENÇÃO NA CONEXÃO FORMA E SIGNIFICADO EM L2 * O PAPEL DA ATENÇÃO NA CONEXÃO FORMA E SIGNIFICADO EM L2 * FIGHERA, A.C.M. (UCPel) & FINGER, I. (UFRGS) ABSTRACT: This article aimed at verifying the relationship between form and meaning in the written

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Programa da Unidade Curricular

Programa da Unidade Curricular Unidade Curricular: ECTS: Carga horária: Ano Lectivo: Semestre(s): Docente(s): O Estudo da Linguagem Humana 6 ECTS 4h/semana 2014-2015 S1 Marina Vigário Objectivos de aprendizagem: Esta disciplina visa

Leia mais

Estrutura argumental preferida: uma análise funcionalista dos padrões de uso dos argumentos dos verbos em narrativas orais e em narrativas escritas

Estrutura argumental preferida: uma análise funcionalista dos padrões de uso dos argumentos dos verbos em narrativas orais e em narrativas escritas Estrutura argumental preferida: uma análise funcionalista dos padrões de uso dos argumentos dos verbos em narrativas orais e em narrativas escritas Juliano Desiderato Antonio Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PRISCILA BARROS DAVID. Escrita e oralidade em diferentes listas de discussão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PRISCILA BARROS DAVID. Escrita e oralidade em diferentes listas de discussão UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PRISCILA BARROS DAVID Escrita e oralidade em diferentes listas de discussão Recife 2004 PRISCILA BARROS DAVID Escrita e oralidade

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia 1º ANO 1º básica Leitura e produção de textos/filosofia Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia Língua Portuguesa I Noções Básicas de Língua Portuguesa A gramática e sua subdivisão As relações

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO CONTABILIDADE

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO CONTABILIDADE CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO CONTABILIDADE DISCIPLINA: INGLÊS ANO LECTIVO: 2013/2014 PLANIFICAÇÃO MÓDULO 8 O MUNDO DO TRABALHO Nº DE AULAS COMPETÊNCIAS GERAIS DO TEMA Pretende-se que o aluno desenvolva

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais