CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP"

Transcrição

1

2 CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015 Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP

3 BLOCO 1 BLOCO 2 BLOCO 3 BLOCO 4 Arrendamentos em Portos da Região Norte Arrendamentos em Portos da Região Nordeste Arrendamentos em Portos da Região Sudeste Arrendamentos em Portos da Região Sul Belém, Miramar, Outeiro, Santarém e VDC Paranaguá, Aratu, Salvador, São Sebastião Em análise no TCU desde nov./ Porto Áreas passíveis de arrendamento Santos/SP 26 Vila do Conde/PA 7 Santarém/PA 6 Belém, Miramar e Outeiro/PA 13 Total Áreas Bloco 1 52 São Sebastião/SP 1 Salvador/BA 4 Aratu/BA 9 Paranaguá/PR 25 Total Áreas Bloco questões do TCU X 15 respostas da SEP

4

5

6 Em R$ bilhões CENTRO- OESTE SUDESTE SUL Louis Dreyfus Commodities Brasil S.A. São Simão GO ETC R$ 12,2 Caramuru Alimentos S.A. São Simão GO TUP R$ 8,7 Caramuru Alimentos S.A. São Simão GO ETC R$ 4,1 TUP - Estaleiro Brasa Niterói RJ R$ 0,60 Estaleiro São João da TUP - Apoio Flexibras - TUP Technip RJ R$ 0, 142 Barra Off Shore TUP - Apoio Saipem do Brasil Guarujá SP R$ 0,17 Off Shore Intermoor do Brasil. São João da Barra Estaleiro Jurong (Aracruz) Aracruz ES RJ TUP R$ 0, 74 TUP - Estaleiro R$ 0,5 Manabi Logística S.A. Linhares ES TUP R$ 1,5 NOV Flexibles. São João da Barra RJ TUP R$ 0,537 Louis Dreyfus. Pederneiras SP ETC R$ 10,3 SS Naval Comércio e Serviços S.A. Terminais de Granéis de Santa Catarina CMPC Celulose Rio Grandense Ltda. Vila Velha ES TUP R$ 0,05 São Francisco do Sul SC TUP R$ 0, 4 Guaíba RS TUP R$ 0,115 Em R$ bilhões AMAGGI Exp e Imp Ltda Porto Velho RO TUP R$ 0,1 NORTE NORDESTE ETC - RONAV Manaus AM ETC R$ 0,03 Transporte Bertolini Juruti PA ETC R$ 0,01 Transporte Bertolini Manaus AM ETC R$ 0,018 Transporte Bertolini Porto Velho RO ETC R$ 0,033 Mineração Buritirama S.A. Barcarena PA TUP R$ 0,052 TERFRON Itaituba PA ETC R$ 0,0505 Hidrovias do Brasil Barcarena PA TUP R$ 0,505 Hidrovias do Brasil Itaituba PA ETC R$ 0,2 CIANPORT (Itaituba) Mirituba PA ETC R$ 0,043 Ecoporto Praia Norte S.A. Praia Norte TO ETC R$ 0,0164 Ipiranga Manaus AM TUP R$ 0,0098 Amazongás Ltda. Porto Velho RO TUP R$ 0,003 CIANPORT (Amapá) Santana AP TUP R$ 0,137 Estaleiro Enseada do Paraguaçu S.A. BAMIN Ilhéus BA TUP R$ 0,898 Porto Sul Ilhéus BA TUP R$ 2,43 Maragogipe BA TUP R$ 0,085

7 Em R$ bilhões Ultrafértil* Santos SP TUP (expansão)* R$ 2,257 PRUMO LOGÍSTICA (Antiga LLX Açu operações São João da Barra RJ TUP (expansão)* R$ 0,286 portuárias S.A) Saipem do Brasil Guarujá SP TUP (aumento de capacidade)** R$ 0,165 EXPANSÕES Hermasa Navegação da Amazônia S/A Itacoatiara AM TUP (aumento de capacidade)** R$ 0,030 Chibatão Navegação e Comércio Ltda Manaus AM TUP (aumento de capacidade)** R$ 0,113 Itapoá Terminais Portuários S.A. Itapoá SC TUP (expansão)* R$ 0,488 Transporte Bertolini Ltda Porto Velho RO ETC (Expansão)* R$ 0, 24 Fonte: Secretaria de Portos excluí-se o Terminal de Passageiros em SC (R$ 0,01bi)

8 Investimentos Novos investimentos em concessões, arrendamentos e TUPs 54,2 APENAS R$ 4,2 bi Públicos - dragagem R$ 28 bi deveriam ter sido investidos até 2015 Mas APENAS R$ 11,6 bi foram autorizados Bilhões até 2018 Saldo para 2015: R$ 16,4 BILHÕES Licitações em análise no TCU RESTAM MAIS de R$ 38,6 bi até 2018 *Slide extraído apresentação da PR DILMA ROUSSEF em dez/12 adaptado ABTP

9 Unidade da ANVISA de SFS A ANVISA atende as operações portuárias e seus terminais, localizados na margem Sul da Baía da Babitonga. ITAPOÁ + TESC + SFS + Retroáreas Principais Atividades: Analisar os processos que são protocolados na Unidade para a liberação da carga de Importação e Exportação; Realizar inspeção física da Mercadoria (localizadas no pátio dos Terminais e embarcações); Atender os Intervenientes que precisam de esclarecimento sobre alguma fase do processo pertinente ao Órgão. Geralmente os Fiscais realizam as inspeções das mercadorias no período da manhã e no período da tarde procedem com as liberações dos processos/cargas aos Importadores e Exportadores. Além da fiscalização, a agência de SFS ainda é responsável pela inspeção/liberação das embarcações que atracam em todos os terminais daquela região. Em 2014, foram embarcações liberadas. A unidade da Agência possui apenas 05 (cinco) fiscais para inspecionar as cargas e liberar todos os processos de importação e exportação, que somente em 2014 somaram um total de processos/ano. (8.534 por fiscal) Expediente da ANVISA de SFS: Segunda à sexta-feira das 08h às 17h Plantão apenas para atendimento as embarcações, quando solicitado.

10 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento atende as operações portuárias em Itapoá e em São Francisco do Sul, e seus terminais portuários localizados na margem Sul da Baía da Babitonga. Principais atividades: Analisar os processos que são protocolados na Unidade para a liberação da carga de Importação e Exportação; Realizar inspeção física da Mercadoria (localizadas no pátio dos Terminais e embarcações); Atender os Intervenientes que precisam de esclarecimento sobre alguma fase do processo pertinente ao Órgão. Geralmente os Fiscais realizam as inspeções das mercadorias no período da manhã e no período da tarde procedem com as liberações dos processos/cargas aos Importadores e Exportadores.

11 A unidade do MAPA, situada em São Francisco do Sul e que atende também as demandas do Porto Itapoá, possui apenas 05 (cinco) fiscais para realizar inspeção nas cargas (área animal e vegetal) e liberar todos os processos de importação e Exportação, que somente em 2014 somaram um total de área animal e área vegetal processos/ano, oriundos das atividades portuárias nos seguintes recintos: Porto Itapoá; TESC Terminal de Contêineres de Santa Catarina; Porto Público de São Francisco do Sul; Recintos Alfandegados na Retroárea.

12 Por conta da movimentação portuária em Itapoá, foi possível a vinda (no mês de novembro de 2014) de mais 03 (três) Fiscais e 01 (um) Agente de Inspeção para a Unidade do MAPA de SFS, sendo que os Fiscais/Agente de Inspeção mencionados estarão sendo lotados no UVAGRO de Itapoá assim que concretizar a abertura da Unidade. Aguardando a publicação no D.O.U. pertinente autorização para criação do UVARGRO em Itapoá. Importante salientar, mesmo com a vinda dos Fiscais/Agente de Inspeção para atender o UVAGRO de Itapoá, será necessário mais 01 (um) Fiscal da área vegetal, 01 (um) Agente de inspeção área vegetal e 02 (dois) Agentes de inspeção área animal.

13 Expediente da Fiscalização: segunda a sexta-feira, das 08h às 17h. Plantão apenas para atendimento as embarcações, quando solicitado.

14 (55)

LISTA 50 - TUPs. 2 DSN EQUIPEMAR Niterói RJ TUP - Estaleiro Carga Geral. 6 J.A. LEITE NAVEGAÇÃO LTDA Manaus AM ETC Carga geral.

LISTA 50 - TUPs. 2 DSN EQUIPEMAR Niterói RJ TUP - Estaleiro Carga Geral. 6 J.A. LEITE NAVEGAÇÃO LTDA Manaus AM ETC Carga geral. 2 DSN EQUIPEMAR Niterói TUP - Estaleiro 3 ESTALEIRO BRASA - TUP TERMINAL PORTUÁRIO ESTALEIRO BRASA Niterói TUP - Estaleiro 6 J.A. LEITE NAVEGAÇÃO LTDA Manaus AM ETC geral 7 TRANSPORTE BERTOLINI - ETC Bertolini

Leia mais

Brazilian Ports: Institutional overview and Investment opportunities

Brazilian Ports: Institutional overview and Investment opportunities Brazilian Ports: Institutional overview and Investment opportunities Presentation for the World Economic Forum on Latin America Panama City April 2014 MINISTRY OF PORTS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

Relação de TUP s para Autorização (por valor de investimento)

Relação de TUP s para Autorização (por valor de investimento) Relação de TUP s para Autorização (por valor de investimento) SEP/PR 21/02/2014 TUPs já autorizados até 21/02/2014 id Empresa (Razão Social) Município UF Valor de Investimento Data da 1 Estaleiro Brasa

Leia mais

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Programa de Investimentos, Arrendamentos e TUPs, e o Potencial do Pará como novo Corredor de Exportação LUIS CLAUDIO S. MONTENEGRO Diretor de Informações Portuárias SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

INVESTIMENTOS EM PORTOS

INVESTIMENTOS EM PORTOS PORTOS INVESTIMENTOS EM PORTOS A Nova Lei de Portos Permitiu aumento do investimento em terminais privados, sem exigência de carga própria Estabeleceu as diretrizes para a licitação de novos arrendamentos

Leia mais

LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO

LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO PRESIDENTE DIRETOR EXECUTIVO LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO ESTAÇÕES DE TRANSBORDO DE CARGAS E TERMINAIS PORTUÁRIOS (Amazônia) Kleber Menezes Maio-2014 OBJETIVOS ATAP/ATOC PERSEGUIR O USO

Leia mais

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14 Reforma Portuária Breakbulk South America 01.12.14 AGENDA 2 Reforma Portuária Desafios Oportunidades e Decisões das Empresas Expectativas EVOLUÇÃO DO MARCO REGULATÓRIO 3 1990 1993 2001 2007 2008 2013 EXTINÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS SENADO FEDERAL COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões

Leia mais

Portos e Terminais Brasileiros

Portos e Terminais Brasileiros Portos e Terminais Brasileiros Agosto, 2013 ÍNDICE 2 01 02 Principais Portos e Terminais do Brasil Região Sul 03 Região Sudeste 04 Região Norte 05 06 Região Nordeste Projetos Região Nordeste em Desenvolvimento

Leia mais

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza REFORMA DO SETOR PORTUÁRIO Lei n 12.815, de 05 de Junho de 2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

Leia mais

Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária

Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Secretaria de Portos da Presidência da República Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Ministro Leônidas Cristino São Luiz, abril 2011 AGENDA:

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA Novo Marco Regulatório do Setor - Lei n 12.815, de 05/06/2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Audiência Pública Comissão

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

Visão Geral do Programa de Portos

Visão Geral do Programa de Portos Visão Geral do Programa de Portos São Paulo, 3 de setembro de 2013 O que é a EBP? Aporte de capital em partes iguais Um voto cada no Conselho Desenvolvimento de projetos de infraestrutura: Em parceria

Leia mais

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor Panorama Aquaviário Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Volume 4 outubro de 2009 EXPEDIENTE Fernando Antonio Brito Fialho DiretorGeral Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor Tiago

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Setor Portuário Brasileiro Estimativa do aumento da Movimentação nos Portos (em milhões de toneladas) 2.400

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Infraestrutura e Logística do Brasil Bahia Situação atual e perspectivas futuras Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Ministério dos Transportes Dimensão dos Transportes no Brasil/Bahia Malha Rodoviária Federal

Leia mais

Origem, Missão, Objetivos e Pleitos

Origem, Missão, Objetivos e Pleitos Origem, Missão, Objetivos e Pleitos Apresentação à ANUT Associação Nacional dos Usuários de Transporte de Carga Rio de Janeiro, abril de 2011 Importância da ABTP e dos Terminais Portuários Origem da ABTP

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

LANTERNAS PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA

LANTERNAS PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA LANTERNAS PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA = BLEST DO BRASIL - SEGURANÇA AQUAVIÁRIA = FICHA TÉCNICA ATUALIZAÇÃO - JANEIRO 2013 1) FABRICANTE: Razão Social: BLEST COMÉRCIO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS LTDA. Nome

Leia mais

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Antonio Henrique P. Silveira Ministro-Chefe da Secretaria de Portos Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 10/jun/2014 Novo Marco do Setor

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Aspectos Gerais O Novo Marco Portos no Espírito Santo Concessão, arrendamento e Autorização Perspectivas 3 1960 Contexto

Leia mais

1ª Consulta Pública dos Arrendamentos Portuários. Santos e Pará

1ª Consulta Pública dos Arrendamentos Portuários. Santos e Pará 1ª Consulta Pública dos Arrendamentos Portuários Santos e Pará 06/12/2012 16/05/2013 05/06/2013 28/06/2013 04/07/2013 07/08/2013 12/08/2013 Lançamento da MP dos Portos Aprovação da MP pelo Congresso Nacional

Leia mais

OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 9 de outubro de 2013 A g e n d a 2 1. Cenários dos portos no

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

Transporte Aquaviário e Portos

Transporte Aquaviário e Portos Transporte Aquaviário e Portos Arrendamentos operacionais de áreas e instalações portuárias A Constituição Federal de 1988 estabelece que compete à União explorar os portos públicos diretamente ou mediante

Leia mais

COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS

COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de Portos 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura

Leia mais

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS COMISÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM

NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM NORMAM-12 - ANEXO 4-A - RELAÇÃO DAS ZONAS DE PRATICAGEM 1 - ZP-FAZENDINHA (AP) - ITACOATIARA (AM) Esta Zona de Praticagem está compreendida a partir do paralelo 00º 03 S (Fazendinha- AP) para o interior

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 57ª PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL PNE * PROFISSIONAL JÚNIOR ANALISTA DE SISTEMAS - ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO EM ERP

Leia mais

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG Panorama: Logística Portuária Bacharel em Comércio Exterior pela Unicenp (Curitiba/PR) Rodrigo FONSECA rodrigo.fonseca@tcp.com.br +55 41 3420.3334 +55 41

Leia mais

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2. Comissão de Logística ANFAVEA 2.1. Lei dos Portos 2.2. Investe SP AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2.

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 1 CENÁRIO DE CRESCIMENTO E INVESTIMENTO A retomada do crescimento depende de mais investimentos Isso exige: estabilidade macroeconômica previsibilidade regulatória

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento ÓRGÃO: 56000 - Ministério das Cidades UNIDADE: 56101 - Ministério das Cidades ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTAÇÃO) Crédito Suplementar Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00 FUNCIONAL PROGRAMÁTICA

Leia mais

Boas Práticas na prestação de serviços em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados

Boas Práticas na prestação de serviços em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados Reunião Ordinária da Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados - CSPAF Boas Práticas na prestação de serviços em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados Leonardo

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo

Infraestrutura portuária para o Turismo Infraestrutura portuária para o Turismo Senado Federal Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 6 de abril de 2011 Aspectos institucionais

Leia mais

Energia e Infraestrutura

Energia e Infraestrutura 1 33º Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2015 Energia e Infraestrutura Wagner Cardoso Gerente Executivo de Infraestrutura Confederação Nacional da Indústria Joinville, 22 de setembro de 2015 2 SUMÁRIO

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior 1. Programa de modernização portuária 2. Operadores privados alavancam portos públicos

Leia mais

LANTERNA PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA

LANTERNA PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA LANTERNA PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA BLEST DO BRASIL FICHA TÉCNICA ATUALIZAÇÃO - ABRIL 2009 1) FABRICANTE: Razão Social: BLEST COMÉRCIO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS LTDA. Nome Fantasia I: Nome Fantasia II:

Leia mais

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Agenda 1 2 3 4 5 6 Situação Anterior Concepção do PSP Implantação do PSP Resultados e Benefícios Alcançados Dificuldades Encontradas

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA 1 PAC NA BAHIA R$ 49,4 bilhões entre 2015-2018 Eixo R$ bilhões Transportes 5,8 Energia 30,1 Cidade Melhor 9,4 Comunidade Cidadã 0,9 Urbanização* 0,8 Água e Luz para Todos

Leia mais

Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011

Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Hidrovia do Madeira Hidrovia do Paraguai Hidrovia Paraná-Tietê Hidrovia Solimões-Amazonas Hidrovia do Sul Hidrovia Tocantins-Araguaia AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Portos Secos. DF Brasília ALF/A. I. de Brasília Brasília 1.91.32.01-8. MS Corumbá IRF/Corumbá Corumbá 1.93.31.01-0

Portos Secos. DF Brasília ALF/A. I. de Brasília Brasília 1.91.32.01-8. MS Corumbá IRF/Corumbá Corumbá 1.93.31.01-0 Portos Secos RF UF Cidade 1 Unidade de Municípios abrangidos DF Brasília ALF/A. I. de Brasília Brasília 1.91.32.01-8 MS Corumbá IRF/Corumbá Corumbá 1.93.31.01-0 GO Anápolis DRF/Anápolis Anápolis 1.30.32.01-0

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Diagnóstico para Elaboração de Plano de Trabalho 1

Diagnóstico para Elaboração de Plano de Trabalho 1 Diagnóstico para Elaboração de Plano de Trabalho 1 Painel: Logística Portuária Desempenho Logístico Portuário Dr. Rui Carlos Botter Florianópolis, 03 de dezembro de 2015 Diagnóstico para Elaboração de

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES CARGO/ FORMÇÃO ÚLTIMA CLASSIFICAÇÃO CONVOCADA EDITAL 01/2011 PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 51ª

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES CARGO/ FORMÇÃO ÚLTIMA CLASSIFICAÇÃO CONVOCADA EDITAL 01/2011 PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 51ª ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 51ª PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 3ª PCD * PROFISSIONAL JÚNIOR ANALISTA DE SISTEMAS - ÊNFASE EM INFRAESTRUTURA RJ

Leia mais

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. 2. Dados Gerais sobre o FITP 3. 3. Descrição de Objetivos de Metas 5. 4. Indicadores ou Parâmetros de Gestão 6

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. 2. Dados Gerais sobre o FITP 3. 3. Descrição de Objetivos de Metas 5. 4. Indicadores ou Parâmetros de Gestão 6 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2 2. Dados Gerais sobre o FITP 3 2.1 Dados Gerais 3 2.2 Origem dos Recursos 4 2.3 Administração 4 2.4 Fluxo Operacional 4 2.5 Controle 5 2.6 Fiscalização e Auditagem 5 3. Descrição

Leia mais

SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICA TEMA: A QUESTÃO DE SEGURANÇA DOS CONSUMIDORES DE CRUZEIROS MARÍTIMOS NO BRASIL

SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICA TEMA: A QUESTÃO DE SEGURANÇA DOS CONSUMIDORES DE CRUZEIROS MARÍTIMOS NO BRASIL SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA PÚBLICA TEMA: A QUESTÃO DE SEGURANÇA DOS CONSUMIDORES DE CRUZEIROS MARÍTIMOS NO BRASIL COMPETÊNCIAS DA ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Paulo Biancardi Coury Gerente

Leia mais

PROGRAMA: 2074 - Transporte Marítimo

PROGRAMA: 2074 - Transporte Marítimo Filtro selecionado Período: Monitoramento Temático Ano 2014-2º Semestre Listagem por: Programa - Transporte Marítimo Órgão: 68000 - Secretaria de Portos Elementos a serem exibidos: Indicadores; Metas;

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

Logística e Escoamento da Safra

Logística e Escoamento da Safra Logística e Escoamento da Safra Carlos Eduardo Tavares Economista da Superintendência de Logística Operacional da CONAB/MAPA Brasília (DF), outubro de 2015 Contextualização Monitoramento da Safra Agrícola

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 Os avanços e a sustentabilidade da logística brasileira São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 1- A ANTAQ 2- Contexto 3- Portos e Terminais 4- Navegação Marítima e

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ Data: 06/08/2010 Local: Escola Superior de Guerra - CAEPE Fatos Gerais sobre o Brasil

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS 600 Milhões de toneladas 500 400 397 424 433 437 466 479 300 253 275 284 280 295 311 200 144 149 150 157 171 168 100 0 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Porto TUP Movimentação Fonte:

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso. Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira. Fernando Fonseca Diretor

Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso. Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira. Fernando Fonseca Diretor Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira Fernando Fonseca Diretor Rio de Janeiro, 25 de maio de 2015 DADOS GERAIS SOBRE O BRASIL 2

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Apresentação em Recife, 19 de março de 2013 Brian Nicholson, Consultor, Sobratema Associação Brasileira de Tecnologia para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA - CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2014 RELAÇÃO DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA - CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2014 RELAÇÃO DE CANDIDATOS POR VAGA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA - CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2014 RELAÇÃO DE CANDIDATOS POR VAGA Cargo Pólo Trabalho Vagas Candidatos Candidato/Vaga

Leia mais

Impacto na formação de RH nos estaleiros e a curva de aprendizado Apresentação Navalshore 02 de agosto de 2012

Impacto na formação de RH nos estaleiros e a curva de aprendizado Apresentação Navalshore 02 de agosto de 2012 Impacto na formação de RH nos estaleiros e a curva de aprendizado Apresentação Navalshore 02 de agosto de 2012 SINAVAL julho 2012 1 Impacto na formação de Recursos Humanos nos estaleiros e a curva de aprendizado

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS

INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS 27, 28 e 29/10/2015 Workshop Observatório Logístico de Transporte ANTAQ - RAM 1 ROTEIRO 1 CONTEXTO ATUAL DO SETOR 2 SISTEMAS

Leia mais

HIDROVIAS BRASILEIRAS

HIDROVIAS BRASILEIRAS AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO INTERIOR Gerência de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior HIDROVIAS BRASILEIRAS INDICADORES DO TRANSPORTE DE CARGAS:

Leia mais

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000 5. órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 35, DE 08 DE JULHO DE 2004.

DELIBERAÇÃO Nº 35, DE 08 DE JULHO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS CONPORTOS DELIBERAÇÃO Nº 35, DE 08 DE JULHO DE 2004. Os Membros da Comissão Nacional de Segurança Pública

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL

SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DA OFERTA DE VOOS PARA O RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre Março de 2013 RESUMO: O Boletim de Horário Previsto

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Terminais de uso privativo

Terminais de uso privativo Terminais de uso privativo Audiência Pública do Senado Federal, PLS nº 118/2009 Brasília, 23 de maio de 2012 Wilen Manteli Presidente da ABTP Porto da USIMINAS Lei nº 8.630/1993 (Modernização dos Portos)

Leia mais

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010 Posição Nome do Município Estado Região RM, RIDE ou Aglomeração Urbana 1 Salvador BA Nordeste RM Salvador 2 Maceió AL Nordeste RM Maceió 3 Rio de Janeiro RJ Sudeste RM Rio de Janeiro 4 Manaus AM Norte

Leia mais