AULA 2 TEXTOS LITERÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 2 TEXTOS LITERÁRIOS"

Transcrição

1 AULA 2 TEXTOS LITERÁRIOS POLÍCIA CIVIL de São Paulo Professor Marlus Geronasso

2 Clarice Nasceu na Ucrânia em Contista e romancista da terceira etapa do Modernismo, pós 45. Adepta da prosa intimista. Valoriza mais os estados mentais das personagens, que o enredo e a ação.

3 ESTILO * Técnica do FLUXO DE CONSCIÊNCIA (Deixa fluir o pensamento). * Faz saltos no tempo e no espaço. Quebra seqüência. * Trabalha as inquietações profundas do ser. * Cria simultaneidade de planos narrativos. * Suas personagens passam por momentos de REVELAÇÃO.

4 O LIVRO 24 CONTOS CONTOS FAMOSOS: O ovo e a galinha A legião estrangeira Felicidade clandestina O primeiro beijo Restos do carnaval TEMAS VARIADOS: a amizade, a solidão, o egoísmo, a compreensão da vida, a identidade com o outro, a palavra, a rotina, a solidariedade, a esperança, o início e o fim do amor, a infância, eu e o outro, o gosto pela leitura...

5 Autora paranaense nascida em Professora aposentada. O livro é uma antologia, com a primeira edição em 1989, a segunda em 1995.

6 ESTILO E TEMAS METAPOESIA: tematiza o fazer poético, dando origem divina à linguagem (Verbo = palavra). TEMPO E MORTE: a vida é efêmera e caminhamos para a morte. IDENTIDADE: mostra o ser em mutação. Quem sou? OSCILAÇÃO entre alegria e tristeza, solidão e solidariedade, tédio e desejo, grandioso e mínimo.

7 ESTILO E TEMAS CRÍTICA À TECNOLOGIA: vê o progresso como fator de desumanização. VALOR no autêntico e na vida humilde. RENÚNCIA ao prestígio social. BUSCA ELEVAÇÃO: vôos, escaladas, travessias ascendentes, elevar as mãos, aspirar, alçar, crescer, transpor, erguer, subir, voar...

8 Autor realista. Obra publicada em PERSONAGENS: Bento (D. Casmurro) Capitu (esposa) Escobar (amigo) Sancha (esposa) José Dias (agregado) D. Glória (mãe)

9 ESTILO RUPTURA DA SEQÜÊNCIA LINEAR DO ENREDO. INTERFERÊNCIAS DO NARRADOR. EPISÓDIOS CURTOS ÊNFASE PSICOMORAL ASPECTOS TEMÁTICOS: adultério, hipocrisia (comportamento dúplice da personagem), egoísmo, interesse, mediocridade das vidas, visão cética, pessimista, humor irônico ante a realidade.

10 ENREDO Narrado em primeira pessoa, por Bento, conta a história do amor entre Bentinho e Capitu, sua separação, motivada pela certeza que Bento tinha de que Capitu o havia traído com Escobar. A prova era a semelhança física entre Ezequiel e o suposto pai.

11 INTENÇÕES DE BENTINHO BENTO SE PÔS A NARRAR SUA HISTÓRIA, POIS QUERIA ATAR AS DUAS PONTAS DA VIDA, E RESTAURAR NA VELHICE A ADOLESCÊNCIA, MAS ACABA CONFESSANDO: NÃO CONSEGUI RECOMPOR O QUE FUI.

12 PONTO DE VISTA Do ponto de vista do narrador, houve adultério (Bento se posiciona como vítima, advogado e Juiz de seu caso). Do ponto de vista do enredo, permanece a ambigüidade do comportamento de Capitu, pois não há provas de sua infidelidade.

13 Aurélia: jovem rica Fernando: pobre interesseiro Adelaide: bom partido Torquato: advogado pobre Firmina: acompanhante Lemos: tutor

14 ESTRUTURA: *O preço: compra *Quitação: passado *Posse: senhora *Resgate: final feliz TEMA: Casamento arranjado na sociedade imperial burguesa. DINHEIRO X AMOR PERFIL FEMININO ROMANCE URBANO

15 GÊNERO Teatro Poesia Auto de Natal pernambucano

16 ESTRUTURA SÃO 18 FRAGMENTOS OU CENAS COM MONÓLOGOS E DIÁLOGOS

17 TEMÁTICA UM SEVERINO REPRESENTA MUITOS SEVERINOS QUE VIVEM A A CONDIÇÃO SEVERINA: MISÉRIA, FOME, DESEMPREGO, DOENÇA, MORTE. Retirantes - Portinari

18 TRAJETÓRIA O retirante sai do sertão (limites da Paraíba) e vai em busca de melhores condições de vida no Recife, fugindo da morte de que se morre de velhice, antes dos trinta, de emboscada antes do vinte, e de fome um pouco por dia.

19 FORMAS POÉTICAS Versos de redondilha: sete sílabas Rimas toantes: só com as vogais Rimas em [i ] (espinho, dor)

20 M E U S P O E M A S P R E F E R I D O S

21 HISTÓRICO Nasceu no Recife. Começou parnasianosimbolista. Devia ter sido arquiteto. emana de Arte Moderna (1922):OS SAPOS. Libertinagem (1930): POÉTICA. oucos poemas concretos: a onda. eus Poemas Preferidos: antologia (1967)

22 TEMAS *A própria poesia: Desencanto, Poética *A sua doença: Pneumotórax *A profissão que devia ter sido: Testamento *O sofrimento: Renúncia *As questões humanitárias: O bicho, Meninos carvoeiros *A mulher: Anarina, Adalgisa, Elisa, Jaqueline... *A estrela, a lua: Estrela da manhã, Satélite... *A morte: Consoada

23 ESTILO - Iniciou com rima e métrica (parnasiano). - Lirismo intenso. - Adotou o verso livre, mas valorizou o ritmo. - Todos os temas são poéticos. - Irônico em relação à própria doença. - Explorou a sonoridade: Berimbau, Trem de ferro. - Idealizou o mundo: Pasárgada. - Linguagem moderna: Poética. Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

24 Ofendi-vos, meu Deus, é bem verdade, É verdade, meu Deus, que hei delinqüido, Delinqüido vos tenho, e ofendido, Ofendido vos tem minha maldade. Maldade, que encaminha à vaidade, Vaidade, que todo me tem vencido, Vencido quero ver-me e arrependido, Arrependido a tanta enormidade. Arrependido estou de coração, De coração vos busco, dai-me os braços, Abraços, que me rendem vossa luz. Luz, que claro me mostra a salvação, A salvação pretendo em tais abraços, Misericórdia, amor, Jesus, Jesus!

25 Quando em meu peito rebentar-se a fibra Que o espírito enlaça à dor vivente, Não derramem por mim nem uma lágrima Em pálpebra demente. E nem desfolhem na matéria impura A flor do vale que adormece ao vento: Não quero que uma nota de alegria Se cale por meu triste passamento. Eu deixo a vida como deixa o tédio Do deserto, o poento caminheiro - Como as horas de um longo pesadelo Que se desfaz ao dobre de um sineiro; [...] Descansem o meu leito solitário Na floresta dos homens esquecida, À sombra de uma cruz, e escrevam nela: - Foi poeta sonhou e amou na vida.

26 1. A propósito dos dois textos, responda: (a) Que estilo literário representam? Barroco Romantismo

27 (b) Prove a resposta anterior com aspectos (características) dos textos. Texto 1: oposições corpo x alma (os braços de Jesus, abraços, para salvação da alma). Antropocentrismo x Teocentrismo (dirige-se a Deus para alcançar o pedido que vai beneficiá-lo; Quer o seu bem humano mas centra suas esperanças no divino). Religiosidade: pecado, arrependimento, perdão. (ofendi, delinqüido, vaidade; arrependido, misericórdia; luz, salvação).

28 Texto 2: Sentimentalismo, apelo às emoções: 1 a estrofe. Valorização da natureza: 2 a estrofe. Aconchego à natureza: 4 a estrofe. Vida é sofrimento: 3 a estrofe. Morbidez: todo o texto. Segunda geração romântica.

29 (c) Quais os respectivos autores? Texto 1: Gregório de Matos. Texto 2: Álvares de Azevedo. (d) Qual o período literário que, cronologicamente, se localiza entre os dois que representam os poemas citados? Arcadismo. (e) Em que século e qual a filosofia que fundamenta essa época? Século XVIII Iluminismo.

30 (f) Quais as palavras que melhor representam esse estilo? Razão - emoção Objetividade - subjetividade Gosto pelo clássico - distanciamento do clássico Prolixidade - simplicidade simplicidade Vida urbana - vida campestre vida campestre Pastoralismo - - panteísmo Bucolismo - patriotismo

31 (g) Identifique: - o poeta dos escravos: Castro Alves - o poeta da dúvida: - o poeta da saudade: Álvares Azevedo Casimiro de Abreu Romantismo - o poeta monge: Junqueira Freire - o poeta das estrelas: - o poeta das pombas: - o poeta das palmeiras: Olavo Bilac Raimundo Correia Alberto de Oliveira Parnasianismo

32 SENHORA 1. Dadas as circunstâncias de como Fernando fica finalmente com Aurélia, pode-se afirmar que o livro é realista e que Fernando aplicou um golpe do baú? 2. Fernando é o culpado da relação com Aurélia ter tido tanto desacerto. Ela sempre foi honesta com ele, sempre pôs o amor acima de tudo. 3. A luta de Fernando pela dignidade passa pelo trabalho, coisa que ele sempre detestou, mas que após a verdade da frustrada noite de núpcias, adotou como caminho.

33 Esaú e Jacó 1. Em Terras do sem fim, o feiticeiro Jeremias prediz que a posse da mata será com muito sangue; em Morte e vida severina, as ciganas anunciam as opções de futuro do menino recém-nascido. Esaú e Jacó apresenta algo similar? 2. É função de Flora incentivar a rivalidade entre Pedro e Paulo, e ela o faz consciente desse seu papel, por isso, quando percebe que eles a deixam decidir com quem ficar, ela desiste dos dois, pois sabe que acabou sua utilidade nos propósitos do narrador. 3. Trata-se seguramente de romance também de caráter político, já que além de os irmãos representarem ambos os regimes em questão, o relato divide um número similar de capítulos para cada ideologia, já que a República ocorre no capítulo 60 de 122.

34 Surpreender-se, admirar-se, é começar a entender. (Ortega y Gasset) Baco

Felicidade Clandestina. Clarice Lispector

Felicidade Clandestina. Clarice Lispector Felicidade Clandestina Clarice Lispector FELICIDADE CLANDESTINA Autor: Clarice Lispector Escola literária: Terceira Geração Modernista (1945 / 1960) Principais características: 1. Temática intimista: o

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos Textos para os itens 1 e 2 I. Pálida, à luz da lâmpada sombria Sobre o leito de flores reclinada, como a lua

Leia mais

Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges

Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges Leia a tirinha para responder às próximas questões Disponível em http://lpressurp.wordpress.com/2011/02/14/lista-de-exercicios/

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

As três fases do Romantismo

As três fases do Romantismo As três fases do Romantismo Torna-se imprescindível que antes de aprofundarmos mais os nossos conhecimentos acerca de um determinado assunto em âmbito geral, façamos uma retrospectiva daquilo que já vimos

Leia mais

ROMANTISMO NA ALEMANHA

ROMANTISMO NA ALEMANHA Prof. Luana lemos ROMANTISMO Revolução Gloriosa (Inglaterra 1688-1689) limitação dos poderes do Rei. Revolução Francesa (1789-1799) poder da burguesia liberdade, igualdade e fraternidade. Revolução Industrial

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves EM VERSO E EM PROSA Prosa e Poesia: qual a diferença? A diferença

Leia mais

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Questão 01.O texto abaixo apresenta, basicamente, três partes: a realidade, o sonho

Leia mais

DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série

DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série Possibilitar reflexões de cunho histórico-cultural por meio da literatura, entendendo o processo de formação desta no Brasil e no ocidente. Explorar variedades

Leia mais

Professora: Aíla Rodrigues Especialista em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

Professora: Aíla Rodrigues Especialista em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira. Professora: Aíla Rodrigues Especialista em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira. O Movimento Romântico Movimento estético iniciado na Europa, no final do século XVIII, que durou até meados do século

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

Álvaro de Campos. Ricardo Reis. Alberto Caeiro

Álvaro de Campos. Ricardo Reis. Alberto Caeiro Entre pseudónimos, heterónimos, personagens fictícias e poetas mediúnicos contam-se 72 nomes, destes destacam-se 3 heterónimos Álvaro de Campos Ricardo Reis Alberto Caeiro Álvaro de Campos De entre todos

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

MORTE E VIDA SEVERINA. Auto de Natal de Pernambuco 1954 (João Cabral de Melo Neto)

MORTE E VIDA SEVERINA. Auto de Natal de Pernambuco 1954 (João Cabral de Melo Neto) MORTE E VIDA SEVERINA Auto de Natal de Pernambuco 1954 (João Cabral de Melo Neto) ESTRUTURA DA OBRA Poema dramático dividido em duas partes com 11 quadros; 1º ao 10º quadro a viagem do retirante do sertão

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Considerando oenem 2016, a prova apresentou cerca de 37% dos itens (17 dos 45 propostos na 1ª e na 2ª aplicação) relativos

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 14 DE MARÇO: DIA DA POESIA

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 14 DE MARÇO: DIA DA POESIA 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 14 DE MARÇO: DIA DA POESIA Poesia é a arte de escrever obras em verso. Como arte, ela recria a realidade, ou seja, o artista cria um outro mundo. A poesia ganhou

Leia mais

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: CARLOS AUGUSTO NASCIMENTO SARMENTO-PANTOJA

ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA MODERNA PROFESSOR: CARLOS AUGUSTO NASCIMENTO SARMENTO-PANTOJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ABAETETUBA - CAAB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA LINGUAGEM - FACL CURSO LETRAS LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE CURSO ATIVIDADE CURRICULAR: LITERATURA BRASILEIRA

Leia mais

Falando de amor e ilusão.

Falando de amor e ilusão. Falando de amor e ilusão. Sérgio Batista 2 Falando de amor e ilusão Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 3 Titulo Original Falando de amor e ilusão Primeira Edição Copyright

Leia mais

DESAFIA-TE #FAZERMARAVILHAS #NOPRESÉPIO 2ª FEIRA 12 DE DEZEMBRO ESTRELA A QUE GUIA

DESAFIA-TE #FAZERMARAVILHAS #NOPRESÉPIO 2ª FEIRA 12 DE DEZEMBRO ESTRELA A QUE GUIA 2ª FEIRA 12 DE DEZEMBRO ESTRELA A QUE GUIA DESAFIA-TE #FAZERMARAVILHAS #NOPRESÉPIO Bom dia! Estamos quase a chegar ao último dia de aulas e já ouvimos falar de tantas pessoas que nos ajudam a preparar

Leia mais

P2 2 BIMESTRE. João Cabral de Melo Neto

P2 2 BIMESTRE. João Cabral de Melo Neto Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 3 ano Disciplina: Literatura Data da prova: 17/05/ 2014. P2 2 BIMESTRE O texto seguinte é a primeira parte de

Leia mais

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos Comigo mais poesia Comigo mais poesia Nelson Martins Reflexões e Sentimentos Apresentação A poesia de Nelson Martins conduz o leitor à territorialidade da existência humana, como memória grifada de cada

Leia mais

PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Processo Seletivo Cursos Semipresenciais 00 Edital Nº 0/00 RECURSO ADMINISTRATIVO CONTRA GABARITO/QUESTÃO PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

A Literatura no Ensino Médio

A Literatura no Ensino Médio A Literatura no Ensino Médio Ensino Médio no Brasil Um pouco de história 1-Período colonial e monárquico - formação das classes superiores 2-Primeira metade do século XX - preparação para o ensino superior

Leia mais

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Alunos: Camila de Souza Silva 200720331 Mayara Moreira da Silva 200711846 Renato Graça Duque 200720337 4º Período Apresentação do Projeto O cliente Cátedra UNESCO

Leia mais

Prof. Abimael Luiz de Souza (org.)

Prof. Abimael Luiz de Souza (org.) DICAS ENEM Prof. Abimael Luiz de Souza (org.) abimael@cnsd.com.br Carlos Drummond de Andrade Obras do autor que mais caíram no Enem: "Poema de Sete Faces" e "A Dança e a Alma". Carlos Drummond de Andrade

Leia mais

Coisas da Vida: Poemas.

Coisas da Vida: Poemas. Coisas da Vida: Poemas. LUÍS CARLOS RIBEIRO ALVES Coisas da Vida: Poemas. 1ª edição Pentecoste Edição do autor 2013 Copyright da edição 2012, Luís Carlos R. Alves R. Leopoldo Ramos, 477 Centro / Sebastião

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

HINÁRIO SANTA MISSA. Mestre Irineu. Raimundo Irineu Serra 1. Tema 2012: Flora Brasileira Glória da Manhã

HINÁRIO SANTA MISSA. Mestre Irineu. Raimundo Irineu Serra 1. Tema 2012: Flora Brasileira Glória da Manhã HINÁRIO SANTA MISSA Tema 2012: Flora Brasileira Glória da Manhã Mestre Irineu Raimundo Irineu Serra 1 www.hinarios.org 2 01 SENHOR AMADO Para os tempos que estavas no mundo Mandaram te chamar Na casa da

Leia mais

RENASCIMENTO David de Michelangelo (1504) CLASSICISMO INFLUÊNCIA TRADICIONAL VS INFLUÊNCIA CLÁSSICA OU RENASCENTISTA. A influência / corrente tradicional A influência / corrente clássica CORRENTE TRADICIONAL

Leia mais

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA Romantismo e Modernismo Características; Contexto; Abordagens; Enem. LITERATURA LUQUINHA Características da Literatura Romântica A natureza como expressão do eu; A valorização

Leia mais

Modernismo em Portugal

Modernismo em Portugal Modernismo em Portugal Caeiro Campos Fernando Pessoa Pessoa e seus Reis Heterônimos Fernando Pessoa (1888-1935) Grande parte da crítica considera Fernando Pessoa o maior poeta moderno da Língua Portuguesa.

Leia mais

MELHORES POEMAS MANUEL BANDEIRA. Org. Francisco de Assis Barbosa

MELHORES POEMAS MANUEL BANDEIRA. Org. Francisco de Assis Barbosa MELHORES POEMAS MANUEL BANDEIRA Org. Francisco de Assis Barbosa Para se entender a obra de Manuel Bandeira, é preciso saber um pouco de sua vida. Manuel Bandeira nasceu em Recife em 1886. Ainda muito

Leia mais

Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus

Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus Paróquia de Barco Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus Missa com crianças Entrada: Linda noite, Linda noite Linda noite de Natal (bis) Introdução A imagem de Maria está aqui ao lado, porque hoje celebramos

Leia mais

BARROCO. Vaidade, de Domenico Piola

BARROCO. Vaidade, de Domenico Piola BARROCO Vaidade, de Domenico Piola. HISTORICAMENTE - Realização do Concílio de Trento, entre os anos de 1545 e 1563; - Estabelecimento da divisão da cristandade entre protestantes e católicos; - Reforma

Leia mais

Impressão da Capa: Gráfica São José

Impressão da Capa: Gráfica São José Direitos autorais reservados 2013 Mario de Almeida. 1ª Edição: novembro/2013 Impressão da Capa: Gráfica São José Obras do Autor Lindos Poemas de amor - 2001 Amor em Poesias - 2003 Poemas Proibidos - 2004

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

O P O E T A D O P O V O

O P O E T A D O P O V O O P O E T A D O P O V O Sergio Astete O P O E T A D O P O V O Rio de Janeiro 2009 peregrinoopoeta@yahoo.com.br Copyright 2009 Sergio Astete, Marli de Castro Nenhuma parte deste livro pode ser utilizada

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 14 - Romantismo

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 14 - Romantismo Bárbara da Silva Literatura Aula 14 - Romantismo O Romantismo brasileiro estava repleto de nacionalismo. A independência do Brasil, conquistada em 1822, reforçou a necessidade de afirmação a identidade

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Códigos e Linguagens Disciplina: Ano: 3º Ensino Médio Professora: Ana Lúcia Atividades para Estudos Autônomos Data: 4 / 9 / 2017 Aluno(a): Nº: Turma: ISTRUES Prezado aluno(a),

Leia mais

José Francisco da Rocha

José Francisco da Rocha Saudação a Poesia Biografia José Francisco da Rocha, nasceu no dia 04 de janeiro de 1932 em Cedro de São João SE. Filho de José Francisco da Rocha e Antônia Maria de Santana. Casado com Carmelita Souza

Leia mais

Felicidade. Heinrich Heine

Felicidade. Heinrich Heine Felicidade Heinrich Heine Oh, que dama fácil, a felicidade! Mal se acostuma num lugar, ela já sai... Afaga teu cabelo, cheia de vaidade, beija-te às pressas, bate as asas e se vai. Dona infelicidade, ao

Leia mais

1ª fase modernista ( )

1ª fase modernista ( ) 1ª fase modernista (1922 1930) LIBERDADE DE EXPRESSÃO INCORPORAÇÃO DO COTIDIANO LINGUAGEM COLOQUIAL INOVAÇÕES TÉCNICAS O VERSO LIVRE A DESTRUIÇÃO DOS NEXOS A ENUMERAÇÃO CAÓTICA O FLUXO DE CONSCIÊNCIA A

Leia mais

O primeiro suspiro de um poeta insano!

O primeiro suspiro de um poeta insano! 1 O primeiro suspiro de um poeta insano! 2012 2 O primeiro suspiro de um poeta insano Jonas Martins 1ª.Edição..Poesia Todos os direitos reservados ao autor A reprodução total ou parcial desta obra só é

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Quinta-feira da 3ª Semana do Advento A consciência

Leia mais

1. Considere o poema abaixo:

1. Considere o poema abaixo: 1º EM Literatura Carolina Aval. Subs. / Opt. 19/04/12 1. Considere o poema abaixo: ISTO Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. (Fernando

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 15 - Realismo

Bárbara da Silva. Literatura. Aula 15 - Realismo Bárbara da Silva Literatura Aula 15 - Realismo O Realismo é marcado por uma transição política, social e econômica no Brasil, que ainda era colônia, passando de Segundo Reinado. Neste momento o tráfico

Leia mais

1º dia: Ó Consoladora dos Aflitos

1º dia: Ó Consoladora dos Aflitos NOVENA À NOSSA SENHORA DE CARAVAGGIO 1º dia: Ó Consoladora dos Aflitos Vós que consolastes a pobre Joaneta em meio à sua aflição familiar, concedei a graça que tanto necessito, intercedendo junto a Jesus

Leia mais

GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO

GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO Profª Ivandelma Gabriel Características * abusa de figuras de linguagem; * faz uso do estilo cultista e conceptista, através de jogos de palavras e raciocínios sutis;

Leia mais

01. SENHOR AMADO (GERMANO GUILHERME) PARA OS TEMPOS QUE ESTAVAS NO MUNDO

01. SENHOR AMADO (GERMANO GUILHERME) PARA OS TEMPOS QUE ESTAVAS NO MUNDO 01. SENHOR AMADO (GERMANO GUILHERME) PARA OS TEMPOS QUE ESTAVAS NO MUNDO MANDARAM TE CHAMAR NA CASA DA MÃE SANTÍSSIMA, PARA TI, PARA TI TE APRESENTAR. SENHORA MÃE SANTÍSSIMA, EU VIM ME APRESENTAR. ATENDER

Leia mais

O Pequeno Gigante Poeta

O Pequeno Gigante Poeta O Pequeno Gigante Poeta 1ª Edição, São Paulo, 2014. 1 O Pequeno Gigante Poeta Autor: Dias, Edinei Fernandes Ano: 2014 - São Paulo, Brasil Gênero: Poesia Palavras Chave: Poesia, Poema, Gigante, Edinei Fernandes

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

Altos da Serra - Capítulo Altos da Serra. Novela de Fernando de Oliveira. Escrita por Fernando de Oliveira. Personagens deste Capítulo

Altos da Serra - Capítulo Altos da Serra. Novela de Fernando de Oliveira. Escrita por Fernando de Oliveira. Personagens deste Capítulo Altos da Serra - Capítulo 03 1 Altos da Serra Novela de Fernando de Oliveira Escrita por Fernando de Oliveira Personagens deste Capítulo Altos da Serra - Capítulo 03 2 CENA 01. CAPELA / CASAMENTO. INTERIOR.

Leia mais

PÉTALAS E SANGUE. De: Batista Mendes

PÉTALAS E SANGUE. De: Batista Mendes PÉTALAS E SANGUE De: Batista Mendes 1 Editoração e capa: Batista Mendes Revisão: Batista Mendes Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou armazenada, sob qualquer

Leia mais

( ) A literatura brasileira da fase colonial é autônoma em relação à Metrópole.

( ) A literatura brasileira da fase colonial é autônoma em relação à Metrópole. 3º EM Literatura Carolina Aval. Subs. / Opt. 23/04/12 1. Sobre o Quinhentismo brasileiro, assinale V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, explicite o erro das afirmações julgadas falsas. (Os itens

Leia mais

A tristeza. A tristeza

A tristeza. A tristeza E a leitura continua..."o Principezinho" - quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2013 No capítulo V, o Principezinho demonstra muita tristeza nas suas palavras. Após a leitura, foi proposto aos alunos escreverem

Leia mais

LITERATURA. Prof.: Grijó

LITERATURA. Prof.: Grijó LITERATURA Prof.: Grijó BARROCO No Brasil, século XVII, Bahia. Subjetividade / Lirismo amoroso (mulher é anjo e demônio / dualidade) Antítese (jogo de contrastes) Linguagem rebuscada Uso de hipérbatos

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

OLÉGIO E CURSO MASTER

OLÉGIO E CURSO MASTER CORUJA CORPORATIONS PRESENTS OLÉGIO E CURSO MASTER ROMANTISMO EM PORTUGAL PROFESSOR RENATO TERTULIANO INÍCIO - 1825 - Publicação do poema narrativo Camões, de autoria de Almeida Garrett, que tem como conteúdo

Leia mais

Unidade de Revisão. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Unidade de Revisão. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Old English Period Unidade 1 Os Primeiros Séculos Os primeiros escritos literatura de cunho religioso. Características: textos em versos (caesura e

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Literatura Fransérgio Av. Trimestral 18/06/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

David Livingstone. O Rapaz na Galeria do Orgao. 1a Parte

David Livingstone. O Rapaz na Galeria do Orgao. 1a Parte David Livingstone ~ O Rapaz na Galeria do Orgao 1a Parte Era uma noite de inverno quando o Dr. Robert Moffat, conhecido missionário na África, chegou a uma pequena igreja escocesa para pregar um sermão.

Leia mais

UDESC 2017/2 PORTUGUÊS. Comentário. IV. Incorreta. O elemento que remete a imagens desagradáveis é a expressão ao menos e não a estrutura verbal.

UDESC 2017/2 PORTUGUÊS. Comentário. IV. Incorreta. O elemento que remete a imagens desagradáveis é a expressão ao menos e não a estrutura verbal. PORTUGUÊS IV. Incorreta. O elemento que remete a imagens desagradáveis é a expressão ao menos e não a estrutura verbal. 1 I. Falsa. Apesar de ser um romance narrado em 3 a pessoa, com predominância psicológica

Leia mais

Salão do Bloco A HINÁRIO DE MÚSICAS. Salão do Bloco A HINÁRIO DE MÚSICAS

Salão do Bloco A HINÁRIO DE MÚSICAS. Salão do Bloco A HINÁRIO DE MÚSICAS HINÁRIO DE MÚSICAS Salão do Bloco A HINÁRIO DE MÚSICAS Salão do Bloco A Te Sigo, Senhor! Letra: Psicografada Ainda na carne Sofrido é o caminho Andava sozinho Buscava por ti Perdido, vagava Sem rumo nem

Leia mais

Questão 1 Assinale e explique, no poema, elementos em que se percebe a construção de uma identidade nacional.

Questão 1 Assinale e explique, no poema, elementos em que se percebe a construção de uma identidade nacional. Leia o poema abaixo, de Castro Alves, para responder à questão. Maria Onde vais à tardezinha, Mucama tão bonitinha, Morena flor do sertão? A grama um beijo te furta Por baixo da saia curta, Que a perna

Leia mais

O QUE DEUS PODE FAZER COM OSSOS SECOS. Ezequiel 37:1-14

O QUE DEUS PODE FAZER COM OSSOS SECOS. Ezequiel 37:1-14 O QUE DEUS PODE FAZER COM OSSOS SECOS Ezequiel 37:1-14 A mão do Senhor estava sobre mim, e por seu Espírito ele me levou a um vale cheio de ossos. Ele me levou de um lado para outro, e pude ver que era

Leia mais

Pronomes Relativos, Conjunções e Verbos

Pronomes Relativos, Conjunções e Verbos Exercícios Variados Revisão de Pronomes Relativos, Conjunções e Verbos Exercícios Variados Conjunções e Verbos Revisão de Pronomes Relativos, 1. Leia o fragmento de texto abaixo, de As Três Marias, de

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Julho de 2014 Sumário Rogério Santos Costa... 2 Michele Pereira da Silva... 3 Paulo Soares... 4 Djalma Ferreira... 5 Antenor da

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II AULA 16.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II Segunda Geração: os ultrarromânticos O sentimentalismo, a imaginação e o egocentrismo atingiram seu ponto culminante nesta geração, que experimentou as formas

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Soneto a quatro mãos

Soneto a quatro mãos Soneto a quatro mãos Circus do Suannes "Aonde quer que eu vá, eu descubro que um poeta esteve lá antes de mim". Sigmund Freud Não sou de dar lição a ninguém, pois meu tempo de magistério pertence à História

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: 3 fases da poesia Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: 3 fases da poesia Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: 3 fases da poesia Prof. IBIRÁ Literatura 3 Fases da Poesia Torna-se imprescindível que antes de aprofundarmos mais os nossos conhecimentos acerca de um determinado assunto

Leia mais

Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio.

Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio. Pela beleza que há no amor e na pureza da inspiração que não morre, e que adormece dentro de cada um, despertada no som do silêncio. Que esta passagem por aqui seja alicerçada na harmonia da afeição natural

Leia mais

Prof.ª Kalyne Varela

Prof.ª Kalyne Varela Prof.ª Kalyne Varela O ROMANTISMO, estilo literário do século XIX, é a manifestação artística feita para um público consumidor novo: a burguesia. Brasil: 1808 chegada da família real portuguesa no Brasil;

Leia mais

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3:

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3: 2º EM Literatura Carolina Aval. Mensal 18/05/12 Textos para a questão 1: Texto I OS SAPOS O sapo tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: Meu cancioneiro É bem martelado (...) Brada em um assomo O sapo tanoeiro:

Leia mais

Festa Sagrada Família

Festa Sagrada Família Festa Sagrada Família Homilia para a Família Salesiana (P. J. Rocha Monteiro) Sagrada Família de Jesus, Maria e José 1. No Domingo, dentro da oitava do Natal, celebra-se sempre a festa da Sagrada Família.

Leia mais

Apresento a todos, o início de um trabalho feito. Com muito carinho. São poemas e alguns contos.

Apresento a todos, o início de um trabalho feito. Com muito carinho. São poemas e alguns contos. APRESENTAÇÃO Apresento a todos, o início de um trabalho feito Com muito carinho. São poemas e alguns contos. Para Vocês: VIRTUALMENTE EU USO A MINHA LUZ INTERIOR PARA FALAR AOS CÉUS E A CADA ESTRELA QUE

Leia mais

Romantismo no Brasil. Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra

Romantismo no Brasil. Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra Romantismo no Brasil Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra A segunda geração romântica: uma poesia arrebatada A segunda geração romântica é marcada

Leia mais

LIVRO PARADIDÁTICO: OU ISTO OU AQUILO

LIVRO PARADIDÁTICO: OU ISTO OU AQUILO LIVRO PARADIDÁTICO: OU ISTO OU AQUILO (MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. São Paulo: Global, 2012.) Cantigas de ninar, cantigas de roda, parlendas, adivinhas e trava-línguas originários do folclore

Leia mais

ADMA FAMÍLIA Família no carisma de Dom Bosco

ADMA FAMÍLIA Família no carisma de Dom Bosco ADMA FAMÍLIA Família no carisma de Dom Bosco UM CAMINHO NA MEDIDA DE FAMÍLIA Um caminho na medida de família com particular atenção às famílias jovens, é esta a experiência que se vê no seio da Família

Leia mais

A marca de uma lágrima

A marca de uma lágrima A marca de uma lágrima O autor O livro é uma obra de Pedro Bandeira, o autor responsável pela minha paixão por livros nacionais. É comum encontrarmos leitores com um alto teor de preconceito em relação

Leia mais

TEU ABRAÇO OUTRA VEZ ALGO EM QUE PENSAR

TEU ABRAÇO OUTRA VEZ ALGO EM QUE PENSAR TEU ABRAÇO OUTRA VEZ E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. (Lucas 15:20) ALGO

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito Fabiany Monteiro do Nascimento Amor Perfeito Dedico este livro a... Grandes pessoas que fizeram de minha vida uma fábula de sonhos reais. Primeiro agradeço a Deus, que mesmo nós momentos ruins, nunca me

Leia mais

Quarto de Despejo: Diário de uma favelada

Quarto de Despejo: Diário de uma favelada Quarto de Despejo: Diário de uma favelada Carolina Maria de Jesus Suelen Oliveira Dorneles Carolina Maria de Jesus Nasceu: por volta de 1914 Morreu: 13.02.1977 De Sacramento, MG Imigra para São Paulo em

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Edital 02/2011 - DATA DA PROVA: 22/01/2012 LEIA ESTAS INSTRUÇÕES: 1 Identifique-se na parte inferior desta capa; 2 Você dispõe de três horas para responder todas as questões e preencher o Cartão Resposta;

Leia mais

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Interpretação de textos Avaliação Parcial II Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Verbo ser Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome?

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

Confira esta aula em: Professor Danilo Borges

Confira esta aula em:  Professor Danilo Borges Aula anterior... Os Movimentos Sociais Confira esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor Danilo Borges PARTICIPAÇÃO DO JOVENS NOS MOVIMENTOS SOCIAIS BRASILEIROS SÉCULO XIX

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 21/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Introdução à Literatura

Introdução à Literatura L.E. Semana 3 Sexta Feira Introdução à Literatura Gênero Lírico Gênero Lírico Lírico vem do latim lyricu e quer dizer lira, um instrumento musical grego. Áudio: Musique de la Gréce Antique Épitaphe de

Leia mais

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA GÊNEROS LITERÁRIOS A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA Na Antiguidade Clássica os textos literários dividiam em em três gêneros: GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO

Leia mais

VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU

VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA HORA 2010-2011 P = Presidente: Aquele que preside à oração. Qualquer pessoa o pode fazer, desde que tenha gosto e capacidade para tal.

Leia mais

QUESTÕES OBSERVE, REFLITA E LEIA OS TEXTOS A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES.

QUESTÕES OBSERVE, REFLITA E LEIA OS TEXTOS A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES. 3º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 09/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

A arte de escrever um soneto

A arte de escrever um soneto A arte de escrever um soneto Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais

Leia mais