ROMANTISMO NA ALEMANHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROMANTISMO NA ALEMANHA"

Transcrição

1 Prof. Luana lemos

2

3 ROMANTISMO Revolução Gloriosa (Inglaterra ) limitação dos poderes do Rei. Revolução Francesa ( ) poder da burguesia liberdade, igualdade e fraternidade. Revolução Industrial (XVIII XIX) mudança no estilo de vida proletariado. Independência dos Estados Unidos ( 4 de julho de 1776) direitos do homem em uma sociedade democrática 1º manifestação artística do mundo BURGUÊS

4 ROMANTISMO NA ALEMANHA Goethe assinala o início da fase romântica na Alemanha com a publicação de Os sofrimentos do jovem Werther (1774). A Literatura torna-se uma ponte para um mundo estranho, misterioso e invisível. Werther transforma-se numa espécie de paradigma de herói romântico, um jovem apaixonado que suicida-se diante de um amor não correspondido. Goethe

5 ROMANTISMO INGLÊS Na Inglaterra, Walter Scott volta ao passado medieval com Ivanhoé (1819), inaugurando o nacionalismo romântico. Ilustração de Ivanhoé Walter Scott

6 LORD BYRON O poeta inglês LORD BYRON influenciou os jovens poetas românticos com pessimismo, melancolia e mistério, lançando o byronismo, tendência romântica que popularizou-se como o mal do século ou ultra-romantismo.

7 CARACTERÍSTICAS DO ROMANTISMO Rejeição aos ideais clássicos (greco-romanos); Exaltação da natureza e da nacionalidade; Liberdade de criação, aversão à métrica e aos temas preestabelecidos; Sentimentalismo sob diversas manifestações: saudade, melancolia, imaginação, individualismo, religiosidade, nacionalismo,... Subjetividade; Individualismo, egocentrismo; Escapismo

8 CARACTERÍSTICAS DO ROMANTISMO Pessimismo Historicismo Medievalismo Tradição popular Crítica social Idealização da mulher - inspiradora

9 ROMANTISMO NO BRASIL No Brasil, o Romantismo é inaugurado com a publicação de Suspiros Poéticos e Saudades de Gonçalves de Magalhães em 1836, próximo à Proclamação da Independência (1822), num momento de afirmação da identidade nacional. Gonçalves de Magalhães

10 TENDÊNCIAS DO ROMANTISMO BRASILEIRO Indianismo e Nacionalismo valorização do índio e da natureza; Regionalismo ou Sertanismo ênfase no homem do interior; Mal do século ou Byronismo; Condoreirismo a análise política e social centrada nas questões do abolicionismo, das lutas humanitárias, sentimentos de liberdade,... A problemática urbana, surgida a partir da relação indústria-operário.

11 AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS PRIMEIRA GERAÇÃO nacionalista, indianista e religiosa. Gonçalves Dias e Gonçalves de Magalhães. SEGUNDA GERAÇÃO marcada pelo mal do século, apresenta egocentrismo exacerbado, pessimismo, satanismo e atração pela morte. Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e Junqueira Freire. TERCEIRA GERAÇÃO formada pelo grupo condoreiro, desenvolve uma poesia de cunho político e social. A maior expressão deste grupo é Castro Alves.

12 NACIONALISMO INDIANISTA Canção do exílio Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar sozinho, à noite Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que disfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá. De Primeiros cantos (1847) Gonçalves Dias Gonçalves Dias

13 Álvares de Azevedo LEMBRANÇA DE MORRER MAL DO SÉCULO-ULTRA- No more! O never more! SHELLEY ROMANTISMO Quando em meu peito rebentar-se a fibra, Que o espírito enlaça à dor vivente, Não derramem por mim nem uma lágrima Em pálpebra demente. E nem desfolhem na matéria impura A flor do vale que adormece ao vento: Não quero que uma nota de alegria Se cale por meu triste passamento. Eu deixo a vida como deixa o tédio Do deserto o poento caminheiro... Como as horas de um longo pesadelo Que se desfaz ao dobre de um sineiro... (...)

14 A garça triste CONDOREIRISMO Eu sou como a garça triste Que mora à beira do rio, As orvalhadas da noite Me fazem tremer de frio. Me fazem tremer de frio Como os juncos da lagoa; Feliz da araponga errante Que é livre, que livre voa. Que é livre, que livre voa Para as bandas do seu ninho, E nas braúnas à tarde Canta longe do caminho. Castro Alves

15 CONDOREIRISMO Canta longe do caminho. Por onde o vaqueiro trilha, Se quer descansar as asas Tem a palmeira, a baunilha. Tem a palmeira, a baunilha, Tem o brejo, a lavadeira, Tem as campinas, as flores, Tem a relva, a trepadeira, Castro Alves Tem a relva, a trepadeira, Todas têm os seus amores, Eu não tenho mãe nem filhos, Nem irmão, nem lar, nem flores..

16 NAVIO NEGREIRO fragmento Era um sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs!

17 NAVIO NEGREIRO fragmento E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais... Se o velho arqueja, se no chão resvala, Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais... Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri! (...) Castro Alves

18 O ROMANTISMO EM PROSA Com a Independência em 1822, os artistas e intelectuais brasileiros empenharam-se em definir uma identidade cultural ao país. A prosa, muito mais do que a poesia procurou atingir este objetivo, valorizando os espaços nacionais e o típico brasileiro, seja através do Indianismo, do romance regional ou do plano urbano. Em síntese, temos como principais características da prosa romântica: o sentimentalismo; a valorização da natureza; o impasse amoroso; a idealização da mulher e do herói; a linguagem metafórica; as personagens planas;...

19 PÉROLAS DA PROSA ROMÂNTICA

Resumo para o Enem: Poesia do Século XIX

Resumo para o Enem: Poesia do Século XIX Resumo para o Enem: Poesia do Século XIX Texto 1 Canção do exílio Kennst du das Land, wo die Citronen blühn, Im dunkeln Laub die Gold-Oragen Glühn, Kennst du es wohl? Dahin, dahin! Möcht ich ziehn.* (Goethe)

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

As três fases do Romantismo

As três fases do Romantismo As três fases do Romantismo Torna-se imprescindível que antes de aprofundarmos mais os nossos conhecimentos acerca de um determinado assunto em âmbito geral, façamos uma retrospectiva daquilo que já vimos

Leia mais

ROMANTISMO PROFª FLÁVIA ANDRADE

ROMANTISMO PROFª FLÁVIA ANDRADE ROMANTISMO PROFª FLÁVIA ANDRADE CONTEXTO HISTÓRICO Chegada da Família Real (1808) Proclamação da Independência (1822) Capital: Rio de Janeiro Imprensa Nacional 1830 a 1870 CONTEXTO LITERÁRIO Identidade

Leia mais

Prof.ª Kalyne Varela

Prof.ª Kalyne Varela Prof.ª Kalyne Varela O projeto Qualidade e valorização da vida propõe uma reflexão sobre a incidência acentuada de jovens com dependência química na sociedade em geral. A adolescência é um momento especial

Leia mais

Os sentimentos estimulados pelo espetáculo trágico não são removidos de maneira permanente e definitiva... Embora tranquilize durante algum tempo.

Os sentimentos estimulados pelo espetáculo trágico não são removidos de maneira permanente e definitiva... Embora tranquilize durante algum tempo. Os sentimentos estimulados pelo espetáculo trágico não são removidos de maneira permanente e definitiva... Embora tranquilize durante algum tempo. Assim, o teatro oferece uma descarga inofensiva e agradável,

Leia mais

CEM 02/GAMA. O Navio Negreiro (Tragédia no mar Castro Alves)

CEM 02/GAMA. O Navio Negreiro (Tragédia no mar Castro Alves) O Navio Negreiro (Tragédia no mar Castro Alves) ATOR 1 'Stamos em pleno mar... Doido no espaço Brinca o luar dourada borboleta; E as vagas após ele correm... cansam Como turba de infantes inquieta. ATOR

Leia mais

Canção do Exílio (Gonçalves Dias) Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá.

Canção do Exílio (Gonçalves Dias) Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Lições de Língua Portuguesa e História 5º ano Troca do Livro Semana de 24 a 28 de abril 5º A 5º B e C terça-feira quinta-feira Leia o poema a seguir para fazer as lições de Língua Portuguesa. Canção do

Leia mais

A Literatura no Ensino Médio

A Literatura no Ensino Médio A Literatura no Ensino Médio Ensino Médio no Brasil Um pouco de história 1-Período colonial e monárquico - formação das classes superiores 2-Primeira metade do século XX - preparação para o ensino superior

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017. PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS NO BRASIL

AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS NO BRASIL AULA 11 LITERATURA PROFª Edna Prado AS GERAÇÕES ROMÂNTICAS NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO O Romantismo brasileiro é a estética literária que dá início à chamada Era Nacional da nossa Literatura. Veja

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: 3 fases da poesia Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: 3 fases da poesia Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: 3 fases da poesia Prof. IBIRÁ Literatura 3 Fases da Poesia Torna-se imprescindível que antes de aprofundarmos mais os nossos conhecimentos acerca de um determinado assunto

Leia mais

Literatura Fransergio Av. Mensal 26/02/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

Literatura Fransergio Av. Mensal 26/02/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Literatura Fransergio Av. Mensal 26/02/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Romantismo no Brasil. Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra

Romantismo no Brasil. Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra Romantismo no Brasil Segunda geração: idealização, paixão e morte Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra A segunda geração romântica: uma poesia arrebatada A segunda geração romântica é marcada

Leia mais

Prof.ª Kalyne Varela

Prof.ª Kalyne Varela Prof.ª Kalyne Varela O ROMANTISMO, estilo literário do século XIX, é a manifestação artística feita para um público consumidor novo: a burguesia. Brasil: 1808 chegada da família real portuguesa no Brasil;

Leia mais

ROMANTISMO. Exercícios de revisão - Romantismo brasileiro

ROMANTISMO. Exercícios de revisão - Romantismo brasileiro LISTA: 2ª série Ensino Médio Professor(a): Yani Rebouças Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: ROMANTISMO DIA: MÊS: 03 2017 Exercícios de revisão - Romantismo brasileiro Questão 01) Leia o

Leia mais

Orientação de estudos

Orientação de estudos Roteiro de estudos 2º trimestre. Português O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula. Com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos e encontrar dificuldades

Leia mais

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra ROMANTISMO Idealização e arrebatamento Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra CONTEXTO NO BRASIL Em 1822, o Brasil conquista sua independência política, mas não tem definida sua identidade.

Leia mais

7 - Romantismo. Gerações Poéticas do Romantismo

7 - Romantismo. Gerações Poéticas do Romantismo 7 - Romantismo O final do século XVIII foi marcado pela revolução francesa, pela revolução industrial, pela independência dos EUA, enfim, foi um período de intensas transformações que contribuíram para

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Códigos e Linguagens Disciplina: Ano: 2º Ensino Médio Professora: Ana Lúcia Atividade para Estudos Autônomos Data: 8 / 5 / 2017 As pedras no caminho? Vou guardá-las para

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II AULA 16.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II Segunda Geração: os ultrarromânticos O sentimentalismo, a imaginação e o egocentrismo atingiram seu ponto culminante nesta geração, que experimentou as formas

Leia mais

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Questão 01.O texto abaixo apresenta, basicamente, três partes: a realidade, o sonho

Leia mais

PRETO NO BRANCO. ATOR 2 Silva. Jogo Cênico Cômico para 04 atores.

PRETO NO BRANCO. ATOR 2 Silva. Jogo Cênico Cômico para 04 atores. Jogo Cênico Cômico para 04 atores. Silva Seleto, abdicado e respeitável público! Reunimo-nos aqui hoje, numa oportunidade singular, para debater abertamente, algumas questões basilares, sobre uma das mais

Leia mais

Lit. Diogo Mendes (Maria Carolina)

Lit. Diogo Mendes (Maria Carolina) Semana 11 Diogo Mendes (Maria Carolina) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA 07/04

Leia mais

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Unidade: O Romantismo Inglês Poesia Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Contextualização Histórica O período romântico inglês dura cerca de 40 anos e foi influenciado: Pela Revolução Francesa;

Leia mais

Exercícios de Revisão dos Temas

Exercícios de Revisão dos Temas Exercícios de Revisão dos Temas Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP) É sabido que as histórias de Chico Bento são situadas no universo rural brasileiro. a) Explique o recurso utilizado para caracterizar

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Recuperação do 4 Bimestre - disciplina Conteúdo: Texto / verbos Lista de exercícios 1. Complete adequadamente: a) Não... ontem ao cinema com vocês porque já... na

Leia mais

Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração

Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração Minha terra Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá Todos cantam sua terra, Também vou cantar a minha, Nas débeis cordas da lira Hei de fazê-la rainha; Hei de dar-lhe

Leia mais

PRECEDENTE HISTÓRICO. Castro Alves- Navio Negreiro. Negros vindos em navio negreiros.

PRECEDENTE HISTÓRICO. Castro Alves- Navio Negreiro. Negros vindos em navio negreiros. MOVIMENTO NEGRO PRECEDENTE HISTÓRICO Na origem das extremas desigualdades raciais observadas no Brasil está o fato óbvio de que os africanos e muitos dos seus descendentes foram incorporados à sociedade

Leia mais

"Me fazem tremer de frio "Como os juncos da lagoa; "Feliz da araponga errante "Que é livre, que livre voa. "Que é livre, que livre voa "Para as bandas

Me fazem tremer de frio Como os juncos da lagoa; Feliz da araponga errante Que é livre, que livre voa. Que é livre, que livre voa Para as bandas TRAGÉDIA NO LAR (CASTRO ALVES) CENA I NA SENZALA, A MÃE EMBALA O FILHO Na Senzala, úmida, estreita, Brilha a chama da candeia, No sapé se esgueira o vento. E a luz da fogueira ateia. Junto ao fogo, uma

Leia mais

Roteiro de estudos 2º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês. Orientação de estudos

Roteiro de estudos 2º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês. Orientação de estudos Roteiro de estudos 2º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula.com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos

Leia mais

www.colegiomotivo.com.br Uma forma muito usada para expressar as emoções, os sentimentos é extravasar no papel, em forma de Poema, tudo que sufoca, tudo que transborda do íntimo. E isso levou o homem a

Leia mais

Portuguese Poetry / lines HS 5-6

Portuguese Poetry / lines HS 5-6 Ai quem me dera Vinicius de Moraes!" Ai, quem me dera, terminasse a espera #" Retornasse o canto simples e sem fim, $" E ouvindo o canto se chorasse tanto %" Que do mundo o pranto se estancasse enfim &"

Leia mais

Romantismo no Brasil 2ª e 3ª Geração

Romantismo no Brasil 2ª e 3ª Geração Texto I Meus oito anos Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 01/ CONCURSO PÚBLICO VESPERTINO 22/01/2017

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 01/ CONCURSO PÚBLICO VESPERTINO 22/01/2017 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 0/06 - CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA OPÇÃO VESPERTINO /0/07 NÍVEL MÉDIO CARGO TÉCNICO AGRÍCOLA Leia atentamente as INSTRUÇÕES:. Não é permitido ao candidato

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA COORDENADORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS CURSO DE LICENCENCIATURA EM LETRAS À DISTÂNCIA COMPONENTE CURRICULAR: ESTÁGIO SUPERVISIONADO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

LITERATURA, ESTILOS E ÉPOCAS

LITERATURA, ESTILOS E ÉPOCAS LITERATURA, ESTILOS E ÉPOCAS Não é significativo que o que é considerado como o início da literatura brasileira é uma carta escrita por um português? Ali veríeis galantes, pintados de preto e vermelho,

Leia mais

Educaçã. Quanta Ciência há no ensino de Ciências LABORATÓRIO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA ILHA CIÊNCIA DA UNIVERIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Educaçã. Quanta Ciência há no ensino de Ciências LABORATÓRIO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA ILHA CIÊNCIA DA UNIVERIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Educaçã ção o Científica na Região o Nordeste Antonio José Silva Oliveira Laboratório de Divulgação Científica Ilha da Ciência Departamento de Física Universidade Federal do Maranhão E-mail: oliva@ufma.br

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

PARÓDIA E PARÁFRASE. Paráfrase

PARÓDIA E PARÁFRASE. Paráfrase PARÓDIA E PARÁFRASE Prof. Sabrina Moraes Paródia e paráfrase são tipos distintos de intertextualidade. A intertextualidade pode ser definida como as relações que se estabelecem entre textos. Intertextualidade

Leia mais

o NAVIO NEGREIRO (Tragédia 110 Mar)

o NAVIO NEGREIRO (Tragédia 110 Mar) o NAVIO NEGREIRO C A S T R O A L v e s o NAVIO NEGREIRO (Tragédia 110 Mar) EXPO'98 1997, Parque EXPO 'lu, S.A. Com 11111 agradecimento a Jorge Henrique Bastos. o Navio Negreiro foi exlraido do livro Os

Leia mais

ROMANTISMO BRASILEIRO POESIA PROF. PATI

ROMANTISMO BRASILEIRO POESIA PROF. PATI ROMANTISMO BRASILEIRO POESIA PROF. PATI OBRA MARCO NO BRASIL: SUSPIROS POÉTICOS E SAUDADES Gonçalves de Magalhães 1836 Contexto histórico - Mundo Revolução Francesa 1789 absolutismo entra em crise cedendo

Leia mais

Português 2º ano João J. Folhetim

Português 2º ano João J. Folhetim Português 2º ano João J. Folhetim Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito

Leia mais

Romantismo no Brasil 2ª e 3ª Geração

Romantismo no Brasil 2ª e 3ª Geração Texto para as questões 1 e 2. Minha terra Todos cantam sua terra, Também vou cantar a minha, Nas débeis cordas da lira Hei de fazê-la rainha; Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá (Gonçalves Dias)

Leia mais

Aula de recuperação. Ensino Médio

Aula de recuperação. Ensino Médio Ensino Médio Comp. Curricular: LP Data: 05/03/12 1º Período Aluno(a): Nº Turma: Aula de recuperação 1. Leia, a seguir, a letra de uma canção de Chico Buarque inspirada no romance de José de Alencar, "Iracema

Leia mais

Romantismo no Brasil: 1ª geração. Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra

Romantismo no Brasil: 1ª geração. Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra Romantismo no Brasil: 1ª geração Literatura brasileira 2ª EM Prof.: Flávia Guerra O discurso da nacionalidade Na primeira metade do século XIX, várias missões estrangeiras vieram ao Brasil. Foram os estrangeiros

Leia mais

Romantismo. Com o que ficar atento?

Romantismo. Com o que ficar atento? Romantismo O Romantismo é a primeira estética literária a reivindicar uma literatura autenticamente brasileira e inaugura a Era Nacional da literatura. Tendo como grande projeto a construção de uma identidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A POESIA DO OPRIMIDO

REFLEXÕES SOBRE A POESIA DO OPRIMIDO Reflexões sobre a poesia do oprimido, p.115-122 REFLEXÕES SOBRE A POESIA DO OPRIMIDO Thereza da C. A. Domingues (CES/JF) Artigo recebido em: 11/11/2009 Aceito para publicação:21/12/2009 RESUMO Considerações

Leia mais

NAVIO NEGREIRO CASTRO ALVES ADRIANA LETE/ ANA MARIA/ TELMA PAES.

NAVIO NEGREIRO CASTRO ALVES ADRIANA LETE/ ANA MARIA/ TELMA PAES. NAVIO NEGREIRO CASTRO ALVES ADRIANA LETE/ ANA MARIA/ TELMA PAES. Na poesia abolicionista, Castro Alves se apresenta fecundado por sincera adesão a uma causa social e humanitária de caráter atual e dá expansão

Leia mais

PORTUGUÊS - 1 o ANO MÓDULO 55 ROMANTISMO: POESIA PARTE 2

PORTUGUÊS - 1 o ANO MÓDULO 55 ROMANTISMO: POESIA PARTE 2 PORTUGUÊS - 1 o ANO MÓDULO 55 ROMANTISMO: POESIA PARTE 2 Fixação Rosa (fragmento) Tu és divina e graciosa Estátua majestosa do amor Por Deus esculturada E formada com ardor Da alma da mais linda flor,

Leia mais

SIMULADO DE LITERATURA I

SIMULADO DE LITERATURA I SIMULADO DE LITERATURA I Poema Brasileiro No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 01/ CONCURSO PÚBLICO VESPERTINO 22/01/2017

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 01/ CONCURSO PÚBLICO VESPERTINO 22/01/2017 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 0/06 - CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA OPÇÃO VESPERTINO /0/07 NÍVEL MÉDIO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO Leia atentamente as INSTRUÇÕES:. Não é permitido

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 01/ CONCURSO PÚBLICO VESPERTINO 22/01/2017

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 01/ CONCURSO PÚBLICO VESPERTINO 22/01/2017 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TANGUÁ - RJ EDITAL Nº 0/06 - CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA OPÇÃO VESPERTINO /0/07 NÍVEL MÉDIO CARGO: TÉCNICO DE ENFERMAGEM Leia atentamente as INSTRUÇÕES:. Não é permitido

Leia mais

CEM 02/GAMA. Minha terra tem palmeiras. As aves, que aqui gorjeiam, Nosso céu têm mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores,

CEM 02/GAMA. Minha terra tem palmeiras. As aves, que aqui gorjeiam, Nosso céu têm mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, ABERTURA TOCA A INTRODUÇÃO DO HINO NACIONAL. EM SEGUIDA ENTRAM EM CENA ALGUNS ATORES REPRESENTANDO NOSSOS POLÍTICOS Minha terra tem riqueza Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá; As aves, que aqui

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Material de Apoio / 9º ano Professor: Me. Renato Dering Data: / / 2016. De sonhos e conquistas Aluno(a): José de Alencar (1829-1877) foi romancista, dramaturgo, jornalista,

Leia mais

Gêneros Textuais e as Vozes do Texto

Gêneros Textuais e as Vozes do Texto Gêneros Textuais e as Vozes do Texto 1.(ENEM) Analisando-se as informações verbais e a imagem associada a uma cabeça humana, compreendese que a venda: a) representa a amplitude de informações que compõem

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Transferência e Obtenção de Novo Título SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém seis questões,

Leia mais

Lit. Diogo Mendes (Maria Carolina)

Lit. Diogo Mendes (Maria Carolina) Semana 12 Diogo Mendes (Maria Carolina) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA 05/05

Leia mais

2ª Série do Ensino Médio _ TD 10 _ 10 de maio de 2006 LETRA PARA UMA VALSA ROMÂNTICA

2ª Série do Ensino Médio _ TD 10 _ 10 de maio de 2006 LETRA PARA UMA VALSA ROMÂNTICA 2ª Série do Ensino Médio _ TD 10 _ 10 de maio de 2006 Texto I LETRA PARA UMA VALSA ROMÂNTICA A tarde agoniza Ao santo acalanto Da noturna brisa, E eu, que também morro, Morro sem consolo, Se não vens,

Leia mais

Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges

Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 A linguagem nas tirinhas e nas charges Leia a tirinha para responder às próximas questões Disponível em http://lpressurp.wordpress.com/2011/02/14/lista-de-exercicios/

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 2º ano ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 3º BIMESTRE Texto I O poema seguinte foi escrito em 1843, em

Leia mais

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO PROFª Edna Prado I - CONTEXTO HISTÓRICO O tema da aula de hoje é a Estética Romântica, é o Romantismo com letra maiúscula. E por que com letra maiúscula? Porque é importante

Leia mais

QUESTÕES OBSERVE, REFLITA E LEIA OS TEXTOS A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES.

QUESTÕES OBSERVE, REFLITA E LEIA OS TEXTOS A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES. 3º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 09/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

AULA 2 TEXTOS LITERÁRIOS

AULA 2 TEXTOS LITERÁRIOS AULA 2 TEXTOS LITERÁRIOS POLÍCIA CIVIL de São Paulo Professor Marlus Geronasso Clarice Nasceu na Ucrânia em 1920. Contista e romancista da terceira etapa do Modernismo, pós 45. Adepta da prosa intimista.

Leia mais

COLONIZAÇÃO E ECONOMIA AÇUCAREIRA. Prof. Victor Creti Bruzadelli

COLONIZAÇÃO E ECONOMIA AÇUCAREIRA. Prof. Victor Creti Bruzadelli COLONIZAÇÃO E ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Victor Creti Bruzadelli Organizando a colonização Necessidade de colonizar: constante ataque de corsários franceses e crise do comércio nas Índias; Desenvolvimento

Leia mais

4. 1. Na oração Mestre Reginaldo, o impoluto, é uma sumidade no campo das ciências - o termo grifado é:

4. 1. Na oração Mestre Reginaldo, o impoluto, é uma sumidade no campo das ciências - o termo grifado é: Educa teu filho no caminho que deve andar, e quando grande não se desviará dele Prov.22.6 Bateria de Exercícios Data: 18/03/2016 Turma: 2º Ano Área I Português 1.(UM-SP) Os compostos estão corretamente

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA PROVA FINAL/2015

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA PROVA FINAL/2015 ESCOLA ADVENTISTA SANTA EFIGÊNIA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL Rua Prof Guilherme Butler, 792 - Barreirinha - CEP 82.700-000 - Curitiba/PR Fone: (41) 3053-8636 - e-mail: ease.acp@adventistas.org.br

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Um Exemplo de Domicílio Civil com Percy Marcos Fernando Pagani* Estamos em pleno mar... Doudo no espaço Brinca o luar - doirada borboleta - E as vagas após ele correm... cansam Como

Leia mais

No elevador penso na roça, na roça penso no elevador. (Carlos Drummond)

No elevador penso na roça, na roça penso no elevador. (Carlos Drummond) FIGURAS DE LINGUAGEM No elevador penso na roça, na roça penso no elevador. A roda anda e desanda, e não pode parar. Jazem no fundo, as culpas: morrem os justos, no ar. (Cecília Meireles) Ganhei (perdi)

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação final

Roteiro de estudos para recuperação final Roteiro de estudos para recuperação final Disciplina: Professor (a): Literatura Raquel Solange Pinto Conteúdo: Romantismo Poesia romântica: três gerações Prosa romântica. Obras Noite na taverna, Álvares

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a): RODRIGO

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a): RODRIGO COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: HISTÓRIA Professor (a): RODRIGO Ano: 8º. ANO Turma: 8.1 e 8.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Unidade de Revisão. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Unidade de Revisão. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Old English Period Unidade 1 Os Primeiros Séculos Os primeiros escritos literatura de cunho religioso. Características: textos em versos (caesura e

Leia mais

Romantismo Terceira Geração

Romantismo Terceira Geração Romantismo Terceira Geração Geração Condoreira Na Europa, o contexto histórico do Romantismo é a Revolução Francesa e a Revolução Industrial, que marcam o fim do Absolutismo. As palavras de Vitor Hugo,

Leia mais

2ª SÉRIE ENS. MÉDIO MONITORIA DE LITERATURA (OBJ. 2º PERÍODO) EXERCÍCIOS

2ª SÉRIE ENS. MÉDIO MONITORIA DE LITERATURA (OBJ. 2º PERÍODO) EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE ENS. MÉDIO MONITORIA DE LITERATURA (OBJ. 2º PERÍODO) EXERCÍCIOS TEXTO PARA AS QUESTÕES 1 A 3. Sequências e adaptações ganham destaque nos cinemas Isso pode matar a originalidade dos grandes estúdios?

Leia mais

Substantivos sistematização. Atividade 1 1) ILUSTRE, nos retângulos, 5 substantivos concretos presentes na letra de uma música dos Titãs.

Substantivos sistematização. Atividade 1 1) ILUSTRE, nos retângulos, 5 substantivos concretos presentes na letra de uma música dos Titãs. Substantivos sistematização Atividade 1 1) ILUSTRE, nos retângulos, 5 substantivos concretos presentes na letra de uma música dos Titãs. Comida Titãs Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de que?

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 14 DE MARÇO: DIA DA POESIA

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 14 DE MARÇO: DIA DA POESIA 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 14 DE MARÇO: DIA DA POESIA Poesia é a arte de escrever obras em verso. Como arte, ela recria a realidade, ou seja, o artista cria um outro mundo. A poesia ganhou

Leia mais

Histórias do Romantismo

Histórias do Romantismo LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS Material de Apoio / 9º ano Professor: Me. Renato Dering Histórias do Romantismo De sonhos e conquistas 1.0 A Bolsa de Seda Joaquim Manuel de Macedo 1.1 Personagens Escritor

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

2ª e 3ª Gerações Românticas

2ª e 3ª Gerações Românticas Naqueles tempos ditosos Material de apoio para Aula ao Vivo Texto I Meus oito anos Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que

Leia mais

Quais as Vantagens de Ser Romantista?

Quais as Vantagens de Ser Romantista? Quais as Vantagens de Ser Romantista? Sick-lit, a nova e polêmica literatura para adolescentes Sick-lit Sick = doença/enfermidade Lit = sigla para literatura literatura enferma De carona no fenômeno A

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: Língua Portuguesa Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 2º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem Aspectos semânticos Metáfora: transposição de significado com base em semelhanças. Você é um bicho, Fabiano. (Graciliano Ramos) Itabira é apenas um retrato na parede (...) (Drummond)

Leia mais

1. Considere o poema abaixo:

1. Considere o poema abaixo: 1º EM Literatura Carolina Aval. Subs. / Opt. 19/04/12 1. Considere o poema abaixo: ISTO Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. (Fernando

Leia mais

FICHAMENTO DE AULA. PORTUGUÊS Fichamento de aula. Professora: Júnia Andrade 1

FICHAMENTO DE AULA. PORTUGUÊS Fichamento de aula.  Professora: Júnia Andrade 1 FICHAMENTO DE AULA www.pontodosconcursos.com.br 1 Ponto (. ) empregado para finalizar frase declarativa e marcar fim de período. Ex.: fiz minha inscrição no concurso para a área técnica. Mas pretendo também

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Literatura Klaus Av. Trimestral 09/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

a) da recusa do autor de inserir na passagem final o desfecho histórico da Guerra de Canudos: a derrota, a prisão e a morte de Antônio Conselheiro.

a) da recusa do autor de inserir na passagem final o desfecho histórico da Guerra de Canudos: a derrota, a prisão e a morte de Antônio Conselheiro. Questão 1) Os sertões Decididamente era indispensável que a campanha de Canudos tivesse objetivo superior à função estúpida e bem pouco gloriosa de destruir um povoado dos sertões. Havia um inimigo mais

Leia mais

José Francisco da Rocha

José Francisco da Rocha Saudação a Poesia Biografia José Francisco da Rocha, nasceu no dia 04 de janeiro de 1932 em Cedro de São João SE. Filho de José Francisco da Rocha e Antônia Maria de Santana. Casado com Carmelita Souza

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

MINHA TERRA TEM PALMEIRAS : Um olhar sobre Caxias através da poesia de Gonçalves Dias em meados do século XIX

MINHA TERRA TEM PALMEIRAS : Um olhar sobre Caxias através da poesia de Gonçalves Dias em meados do século XIX MINHA TERRA TEM PALMEIRAS : Um olhar sobre Caxias através da poesia de Gonçalves Dias em meados do século XIX Aldeanne Silva de Sousa Francisca Solange Pires de Sousa Introdução O presente trabalho tem

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

As Fadas Verdes. Matilde Rosa Araújo. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho

As Fadas Verdes. Matilde Rosa Araújo. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho As Fadas Verdes Matilde Rosa Araújo Fichas de leitura Criação intelectual: Fátima Patronilho Fichas de leitura Ficha 1 1. Lê os poemas Que o silêncio / verde, A cor do silêncio, A sandália de setembro

Leia mais

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Texto 1. Texto 2. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Texto 3

Texto 1. Texto 2. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Texto 3 LITERATURA Leia os textos abaixo para responder às questões de 1 a 6: Texto 1 Era um sonho dantesco!... o tombadilho, Que das luzernas avermelha o brilho, Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar

Leia mais

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá.

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== Texto 1 Canção

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Literatura Fransérgio Av. Opta./Subs. 18/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2.

Leia mais