Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano"

Transcrição

1 Unidade: O Romantismo Inglês Poesia Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

2 Contextualização Histórica O período romântico inglês dura cerca de 40 anos e foi influenciado: Pela Revolução Francesa; Pela industrialização ocorrida na Inglaterra. Esses fatos tanto criam novas expectativas quanto ao futuro, quanto geram desencanto e decepção. Disponível em: cfbbca64068f7177a8ada318.jpg Acesso: 31/03/11

3 Estado de evasão; Idealização da figura feminina; Subjetivismo; Senso de mistério e solidão; Simplificação da linguagem. Disponível em: NTNR_9pk/s1600/romantismo.jpg Acesso: 31/03/11

4 William Blake Linguagem Simbólica; Criação de um universo fantástico; Conflito constante entre o bem e o mal; Rejeição à razão; Ênfase na emoção e nos sentidos; Disponível em: Acesso: 31/03/11 Crítica social.

5 London Nas ruas por que passo, escrituradas, Onde o Tâmisa corre, escriturado, Vou reparando as faces maceradas Que a aflição e a moléstia têm marcado. Em cada grito de Homem, ou no grito Do Infante que de medo se lamente, Em cada voz ou em cada interdito Ouço os grilhões forjados na mente. Disponível em: UrizenInChains-Trans292.jpg Acesso: 31/03/11

6 William Wordsworth A linguagem da poesia deve ser a do homem comum; A poesia deve conduzir ao mundo da imaginação; O poeta é um profeta; A natureza é a fonte da felicidade e a representação do divino; As crianças como exemplos da Virtude e da Sabedoria. Disponível em: WQ4EEiuzY/s1600/dedo-de-deus1.jpg Acesso: 31/03/11

7 Lines Written a Few Miles AboveTintern Abbey Uma presença que me perturba com a alegria De pensamentos elevados, um sentido sublime De algo profundamente misturado, Cuja morada é a luz dos sóis poentes, E o oceano em volta e o ar vivo, E o céu azul, e a mente do homem. (versos 94-99)

8 Samuel Taylor Coleridge Valorização do sobrenatural e do misterioso; Cenografia medieval: castelos, florestas sombrias; Fusão do bem e do mal em um mesmo indivíduo; Poemas conversacionais. Disponível em: Acesso: 31/03/11

9 Lord Byron Personificação do poeta rebelde; Presença do herói apaixonado que se situa além do bem e do mal; Poesia satírica: crítica ao indivíduo e à sociedade; Estilo inquieto, pouca preocupação com a criação de imagens e com a profundidade de seus textos. Disponível em: bs_hzyy/s400/lord-byron.jpg Acesso: 31/03/11

10 Don Juan Esta é a época visível das novas invenções Para matar corpos, e salvas almas, Todas propagadas com as melhores intenções; As lanternas de Sir Humphry Davy, com as quais os carvões São extraídos em segurança, pois segundo o que ele diz, As viagens de Tombucto, as expedições aos Pólos, São maneiras de beneficiar a humanidade, tão verdadeiras Talvez, como atirar nela em Waterloo.

11 Percy Bysshe Shelley Grande poeta lírico; Poesia melodiosa, marcada por dualismos: entusiasmo e desencanto; exaltação e depressão; alegria pela vida e ânsia pela morte; Poesia como elemento modificador do mundo. Disponível em: bnfvu/s400/musas+clio,+euterpe+e+t%c3%a1lia+-+eustache+le+sueur.jpg Acesso: 31/03/11

12 John Keats Poemas com tom sensual, musicalidade e rica linguagem; Busca pela Beleza presente nas artes e na natureza; Retomada da antiguidade clássica; A arte pode eternizar todas as coisas; Símbolo do movimento romântico. Disponível em: quot_beauty_truth_truth_beauty_quot_john_keats.jpg Acesso: 31/03/11

13 Ode a um vaso grego Ática forma! Altivo porte! em tua trama Homens de mármore e mulheres emolduras Como galhos de floresta e palmilhada grama: Tu, forma silenciosa, a mente nos torturas Tal como a eternidade: Fria Pastoral! Quando a idade apagar toda a atual grandeza, Tu ficarás, em meio às dores dos demais, Amiga, a redizer o dístico imortal: "A beleza é a verdade, a verdade a beleza" É tudo o que há para saber, e nada mais. Disponível em: hs%20for%20food%20energy%20crises/da%20greekurn.jpg Acesso: 31/03/11

14 Campus Liberdade R. Galvão Bueno, São Paulo SP Brasil Tel: (55 11)

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

ROMANTISMO NA ALEMANHA

ROMANTISMO NA ALEMANHA Prof. Luana lemos ROMANTISMO Revolução Gloriosa (Inglaterra 1688-1689) limitação dos poderes do Rei. Revolução Francesa (1789-1799) poder da burguesia liberdade, igualdade e fraternidade. Revolução Industrial

Leia mais

Prof.ª Kalyne Varela

Prof.ª Kalyne Varela Prof.ª Kalyne Varela O ROMANTISMO, estilo literário do século XIX, é a manifestação artística feita para um público consumidor novo: a burguesia. Brasil: 1808 chegada da família real portuguesa no Brasil;

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO

AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO AULA 09 LITERATURA ROMANTISMO PROFª Edna Prado I - CONTEXTO HISTÓRICO O tema da aula de hoje é a Estética Romântica, é o Romantismo com letra maiúscula. E por que com letra maiúscula? Porque é importante

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos Textos para os itens 1 e 2 I. Pálida, à luz da lâmpada sombria Sobre o leito de flores reclinada, como a lua

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

Síntese da unidade 4

Síntese da unidade 4 Síntese da unidade 4 Influências da lírica camoniana (Século XVI) Medida velha/corrente tradicional TEMAS Influência dos temas da poesia trovadoresca. Tópicos de circunstância; a saudade, o sofrimento

Leia mais

LIÇÃO 3 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO O ARREBATAMENTO DA IGREJA. Prof. Lucas Neto

LIÇÃO 3 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO O ARREBATAMENTO DA IGREJA. Prof. Lucas Neto LIÇÃO 3 A SEGUNDA VINDA DE CRISTO O ARREBATAMENTO DA IGREJA Prof. Lucas Neto A GLÓRIA É DE DEUS INTRODUÇÃO O ARREBATAMENTO DA IGREJA O arrebatamento da igreja do Senhor Jesus, será o mais extraordinário

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO

GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO GREGÓRIO DE MATOS BOCA DO INFERNO Profª Ivandelma Gabriel Características * abusa de figuras de linguagem; * faz uso do estilo cultista e conceptista, através de jogos de palavras e raciocínios sutis;

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA - 2016 Nome: Nº 1ª Série Professores : Danilo / Fernando / Nicolas Nota: I Introdução Caro aluno, Neste ano, você obteve média inferior a 6,0 e, portanto, não

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

seres da natureza quanto os homens são cópias sensíveis de modelos originais inteligíveis. A partir desta teoria Platão

seres da natureza quanto os homens são cópias sensíveis de modelos originais inteligíveis. A partir desta teoria Platão Atividade extra Fascículo 3 Filosofia Unidade 5 Questão 1 Em sua teoria da ideias, Platão divide a realidade em dois universos distintos: o inteligível e o sensível. O primeiro é constituído pelas formas

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 1 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

SER POETA IMAGENS DA METAPOESIA EM FLORBELA ESPANCA 16 André Luiz Alves Caldas Amóra (PUC-Rio)

SER POETA IMAGENS DA METAPOESIA EM FLORBELA ESPANCA 16 André Luiz Alves Caldas Amóra (PUC-Rio) SER POETA IMAGENS DA METAPOESIA EM FLORBELA ESPANCA 16 André Luiz Alves Caldas Amóra (PUC-Rio) Florbela Espanca, poetisa pertencente ao Modernismo português, apresenta em sua poesia uma vertente neo-romântica,

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

Português 2º ano João J. Folhetim

Português 2º ano João J. Folhetim Português 2º ano João J. Folhetim Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito

Leia mais

Coletânea de poemas para reflexão. - Download experimental de ideias -

Coletânea de poemas para reflexão. - Download experimental de ideias - Coletânea de poemas para reflexão - Download experimental de ideias - por Juliana S. Valis "As boas ideias não têm idade, apenas têm futuro." Robert Mallet "A experiência nunca falha, apenas as nossas

Leia mais

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon

A estética de Hegel. Antonio Rodrigues Belon A estética de Hegel Antonio Rodrigues Belon A necessidade universal da arte é, pois, a necessidade racional que o ser humano tem de elevar a uma consciência espiritual o mundo interior e exterior, como

Leia mais

Como decorar com branco

Como decorar com branco Como decorar com branco Diz-se que o branco é o novo preto e a verdade é que a cor mais pura e simples da roda das cores tem tido um protagonismo inigualável na decoração de interiores ao longo dos últimos

Leia mais

Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso

Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso FINAL DO SÉCULO XIX PANORAMA BRASILEIRO Ciclo do café. Decadência da Monarquia. Abolição (1888). Proclamação da República ( 1889). Governo de Deodoro e a

Leia mais

Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes à essência do poema (1735)

Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes à essência do poema (1735) Sumário Apresentação A reflexão ontológica Giambattista Vico Da metafísica poética, que nos dá a origem da poesia (1725) Alexander Gottlieb Baumgarten Meditações filosóficas sobre alguns tópicos referentes

Leia mais

AULA 03 LITERATURA. Classicismo

AULA 03 LITERATURA. Classicismo AULA 03 LITERATURA Classicismo PROFª Edna Prado O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A Era Clássica é formada por

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014

COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014 COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014 Texto I MÚSICA E POESIA Luciano Cavalcanti 10 1 A relação entre música e poesia

Leia mais

1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons

1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 A loucura do Evangelho João 1:1 No princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus, e era Deus. Ele estava com Deus no princípio. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele,

Leia mais

POÉTICAS DO SÉCULO XIX

POÉTICAS DO SÉCULO XIX POÉTICAS DO SÉCULO XIX (3) Origens Precursor Edgar Allan Poe (1809-1849) Origens Charles Baudelaire (1821-1867) B RINDE Nada, esta espuma, virgem verso A não designar mais que a copa; Ao longe se afoga

Leia mais

23 de Abril. Dia Mundial do Livro Venha festejá-lo com palavras, na Biblioteca da FLUP.

23 de Abril. Dia Mundial do Livro Venha festejá-lo com palavras, na Biblioteca da FLUP. 23 de Abril. Dia Mundial do Livro Venha festejá-lo com palavras, na Biblioteca da FLUP. No dia 23 de abril de 2013 a Biblioteca Central pediu aos seus leitores que dedicassem algumas palavras de homenagem

Leia mais

Entre Margens, 12.º ano. Fernando Pessoa. Ortónimo e heterónimos

Entre Margens, 12.º ano. Fernando Pessoa. Ortónimo e heterónimos Fernando Pessoa Ortónimo e heterónimos Motivos poéticos Fernando Pessoa. tensão sinceridade/fingimento, consciência/inconsciência, sentir/pensar;. intelectualização das emoções;. fingimento artístico;.

Leia mais

AMOR Grande, Profundo, Indestrutível...

AMOR Grande, Profundo, Indestrutível... AMOR Grande, Profundo, Indestrutível... 1 DEDICATÓRIA Porque Ele me amou primeiro, dedico a Ele esse livro, em letras cadenciadas, com todo o meu amor, louvor e adoração. Em unidade com o Espírito Santo,

Leia mais

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985. Alfredo Bosi (São Paulo, 26 de agosto de 1936) é um professor universitário, crítico e historiador de literatura brasileira, e também imortal

Leia mais

Inês Carolina Rilho SINTONIA

Inês Carolina Rilho SINTONIA Inês Carolina Rilho Nasceu no Recife-PE. Formou-se em Letras e Direito. Escreve desde os 15 anos. Possui poemas, conto e um romance em fase de conclusão. Tem participado de várias antologias. SINTONIA

Leia mais

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR Expressionismo ALUNOS: EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR DEFINIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Movimento heterogêneo

Leia mais

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos Comigo mais poesia Comigo mais poesia Nelson Martins Reflexões e Sentimentos Apresentação A poesia de Nelson Martins conduz o leitor à territorialidade da existência humana, como memória grifada de cada

Leia mais

LIVRO SEDUÇÃO Autor: Dom Juan Michel

LIVRO SEDUÇÃO Autor: Dom Juan Michel LIVRO SEDUÇÃO ÍNDICE 1 Amar É Desejar 2 Cinderela 3 Desejo Amar Você 4 Eterna Doçura 5 Fica Comigo 6 Luz De Uma Diva 7 Noite De Amor 8 Paixão A Primeira Vista 9 Ritmos De Amor 10- Sonhei Com Você 11- Tudo

Leia mais

NOSSO PRINCÍPIO: O PLANO ORIGINAL DE DEUS PARA O CORPO E A SEXUALIDADE.

NOSSO PRINCÍPIO: O PLANO ORIGINAL DE DEUS PARA O CORPO E A SEXUALIDADE. NOSSO PRINCÍPIO: O PLANO ORIGINAL DE DEUS PARA O CORPO E A SEXUALIDADE. CRISTO NOS REMETE AO PRINCÍPIO Cristo revela o homem a si mesmo e descobrelhe a sua vocação sublime (Gaudium et Spes 22). MATEUS

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

Poemas. Ritmo; Musicalidade; Imagens; Rima; Linguagem figurada, criativa; Imaginação. (entre outras)

Poemas. Ritmo; Musicalidade; Imagens; Rima; Linguagem figurada, criativa; Imaginação. (entre outras) REVISÃO PARCIAL I Poemas Poema é um gênero textual que tem como principal objetivo transmitir os sentimentos e a visão pessoal de um autor sobre o mundo. Assim, qualquer tema que envolva impressões e sentimentos

Leia mais

O começo da história

O começo da história O começo da história Fotografia: Anastácia de Moura Leonardo Koury Martins O começo da história Todos nós temos um começo, um início, uma primeira vez. O importante é que desde este primeiro passo, possamos

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

Relação entre Textos. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier. Professor das Faculdades COC

Relação entre Textos. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier. Professor das Faculdades COC Relação entre Textos Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC RELAÇÕES ENTRE TEXTOS Pode-se falar de um mesmo assunto, um mesmo tema, de forma diferente. Atitude crítica e reflexiva

Leia mais

Um olhar para o narrador Objetivo didático: Sensibilizar os alunos em relação às características da narrativa escrita em primeira pessoa.

Um olhar para o narrador Objetivo didático: Sensibilizar os alunos em relação às características da narrativa escrita em primeira pessoa. FRANKENSTEIN Introdução ao tema Em toda a história da literatura, poucos livros conseguiram abordar tantos assuntos polêmicos e universais como a obra-prima de Mary Shelley. A partir da criatura gerada

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Matéria para a Reunião Geral de Estudo - 30 de março (sáb.)

Matéria para a Reunião Geral de Estudo - 30 de março (sáb.) Matéria para a Reunião Geral de Estudo - 30 de março (sáb.) 1 2 o inferno é a terra da luz tranquila Obs: Os textos desta apostila foram revisados com base na padronização dos termos, princípios e personagens

Leia mais

Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização.

Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização. Monteiro Lobato e Sítio do Picapau Amarelo nas práticas pedagógicas de alfabetização. A Literatura Infantil corresponde a um importante instrumento de construção de aprendizagem, tanto no que se refere

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Abrantes ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 12º ANO LETIVO 2012/2013 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Fernanda Disciplina: L.Portuguesa Turma: 2ª Série E. Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue

Leia mais

Exposição Almandrade INSTALAÇÃO E POEMAS VISUAIS

Exposição Almandrade INSTALAÇÃO E POEMAS VISUAIS Exposição Almandrade INSTALAÇÃO E POEMAS VISUAIS CASA DAS ROSAS Av. Paulista, 37 São Paulo / Sp. (até 27 de abril de 2014) De terça feira a sábado, das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 10h às 18h.

Leia mais

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? -

Leia mais

Mensagem do dia Insistir

Mensagem do dia Insistir Mensagem do dia Insistir Mensagem do Meu Anjo Insistir Por Paulo Roberto Gaefke Para os grandes conflitos da alma, uma tomada de decisão. Para a ausência de soluções, uma nova experiência. Para a desilusão

Leia mais

Mário de Sá-Carneiro

Mário de Sá-Carneiro André Cabral Carina Goulart Poetas do século XX Mário de Sá-Carneiro Débora Melo Joana Costa Quando eu morrer batam em latas, Rompam aos saltos e aos pinotes - Façam estalar no ar chicotes, Chamem palhaços

Leia mais

Material Educativo: Disse o Dicionário

Material Educativo: Disse o Dicionário Material Educativo: Disse o Dicionário Atividade que pensa os sentidos literais e simbólicos de palavras utilizadas em dicionários e poemas escolhidos, para que os participantes criem significados particulares

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

Sheila Ferreira Kuno. Poesias Cotidianas

Sheila Ferreira Kuno. Poesias Cotidianas Poesias Cotidianas Sheila Ferreira Kuno Poesias Cotidianas 1ª. Edição São Paulo - 2013 Copyright@2013 by Sheila Ferreira Kuno Projeto gráfico Sheila Ferreira Kuno Imagem da Capa Foto do jardim da autora

Leia mais

O Renascimento e a Criação Cultural

O Renascimento e a Criação Cultural O Renascimento e a Criação Cultural Contexto Histórico Os séculos XV e XVI foram de renovação cultural em toda a Europa. Essa renovação ocorreu como consequência da abertura da Europa ao Mundo e do maior

Leia mais

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS 1. Forma e conteúdo Todo texto tem forma e conteúdo. O conteúdo é a informação transmitida. A forma é a maneira como a informação é transmitida. Juntos, compõem o sentido do texto. 2. Formas fixas No dia-a-dia

Leia mais

Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA

Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA 1 2 ÚTERO DE PEDRA 3 4 Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA 5 Copyright Alufá-Licutã Oxorongá Direitos desta edição reservados à Alufá-Licutã Oxorongá alufalicuta@hotmail.com Recife Pernambuco - Brasil

Leia mais

Teoria das Cores Cor Pigmento

Teoria das Cores Cor Pigmento Cores Primárias Teoria das Cores Cor Pigmento Cores Secundárias Cores Terciárias Cores Quentes Cores Neutras Cores Frias 1 Cores Complementares Cores Análogas Análogas do amarelo Análogas do verde Análogas

Leia mais

Patricia Aparecida Gonçalves de Faria (Graduanda UNESP/Assis PIBIC/CNPq)

Patricia Aparecida Gonçalves de Faria (Graduanda UNESP/Assis PIBIC/CNPq) II Colóquio da Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 2178-3683 www.assis.unesp.br/coloquioletras coloquiletras@yahoo.com.br AMERICANIDADE EM O CANTO DO ÍNDIO DE GONÇALVES DIAS Patricia Aparecida

Leia mais

José Francisco da Rocha

José Francisco da Rocha Saudação a Poesia Biografia José Francisco da Rocha, nasceu no dia 04 de janeiro de 1932 em Cedro de São João SE. Filho de José Francisco da Rocha e Antônia Maria de Santana. Casado com Carmelita Souza

Leia mais

LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM

LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM LADAINHA LAURETANA OU LADAINHA DA SANTÍSSIMA VIRGEM A palavra ladainha vem do grego e significa súplica. Mas desde o início da Igreja ela foi utilizada para indicar não quaisquer súplicas, mas as que eram

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES DAVID HUME - COMPAIXÃO Nascimento: 7 de maio de 1711 Edimburgo, Reino Unido. Morte: 25 de agosto de 1776 (65 anos) Edimburgo, Reino Unido. Hume nega

Leia mais

Painel 1 : LUZ PAZ CONHECIMENTO

Painel 1 : LUZ PAZ CONHECIMENTO Painel 1 : PAZ LUZ CONHECIMENTO LUZ LUZ QUENTE, LUZ FRIA VISÍVEL E INVISÍVEL COLORIDA, INCOLOR QUE INSPIRA E ILUMINA QUE DÁ VIDA E FAZ VIVER Querem uma Luz Melhor que a do Sol! AH! QUEREM uma luz melhor

Leia mais

Para sensibilidades imprevistas, descolar as retinas das rotinas, até lascar, a pedra dura do olhar.

Para sensibilidades imprevistas, descolar as retinas das rotinas, até lascar, a pedra dura do olhar. Ondeapuranatura Tomo I: ver de novo Repita quanto quiser De novo Sempre vence. A terra e as palavras. Aterra larvas, que subjazem nos recortes, no foco, no enquadre da posição do ser que olha e descobre

Leia mais

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Roteiro de avaliações

Roteiro de avaliações Roteiro de avaliações MATUTINO 6º BRASIL 02/12 Língua Portuguesa Verbo (número/pessoa; modo/tempo); Adverbio; Sentido literal e figurado; Usos dos porquês; Interpretação de textos. 02/12 Ciências Cap.

Leia mais

Invocai o nome de Deus, nosso libertador

Invocai o nome de Deus, nosso libertador Invocai o nome de Deus, nosso libertador www.facebook.com/mensageiro sdeanguera Paz e Fogo, amados irmãos! Chegamos ao capítulo 12 do livro de Isaías, vemos aqui que o profeta louva a Deus pela libertação.

Leia mais

PLANO DE AULA. Série: Séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Data: 01/02/2011 Professor(a): Leandro Freitas Menezes Duração: 20 min.

PLANO DE AULA. Série: Séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Data: 01/02/2011 Professor(a): Leandro Freitas Menezes Duração: 20 min. PLANO DE AULA 1-IDENTIFICAÇÃO Série: Séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Data: 01/02/2011 Professor(a): Leandro Freitas Menezes Duração: 20 min. 2-CONTEÚDO(S) ESPECÍFICO(S) DA AULA Poesia

Leia mais

Mestre Consolus. Um milagre de São Pedro. Segunda metade do século XIII. A caverna confere sensação de profundidade.

Mestre Consolus. Um milagre de São Pedro. Segunda metade do século XIII. A caverna confere sensação de profundidade. Proposta de Leitura: GOMBRICH, 1999, pp. 133-141; 185-195; 201-205. A arte na Idade Média transmite uma verdadeira integração da pintura, escultura e arquitetura marcados pela arte românica no final do

Leia mais

Material Educativo: Disse o Dicionário

Material Educativo: Disse o Dicionário Material Educativo: Disse o Dicionário Atividade que permite pensar sobre os sentidos denotativos e conotativos de palavras existentes em dicionários e presentes em poemas escolhidos, com o objetivo de

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Renascimento Cultural e Escolas Práticas Educação Matemática 2016/2 - Profª. Andréa Cardoso

Leia mais

Meditação Shinsokan para realizar as quatro virtudes infinitas

Meditação Shinsokan para realizar as quatro virtudes infinitas Meditação Shinsokan para realizar as quatro virtudes infinitas Reverências (realizar apenas se tiver Quadro do Jisso) Duas reverências, duas palmas, uma leve curvatura. (Sentar-se voltado para o público)

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas é o último poema da segunda parte de Mensagem: Mar Português ( Possessio Maris ); Os poemas anteriores exaltam a História de Portugal: Portugal feito ser ; A

Leia mais

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa

António Gedeão. Relógio D'Água. Notas Introdutórias de Natália Nunes. A 383134 Obra Completa António Gedeão A 383134 Obra Completa Notas Introdutórias de Natália Nunes Relógio D'Água ÍNDICE Notas Introdutórias de Natália Nunes 19 Poesia POESIAS COMPLETAS (1956-1967) A Poesia de António Gedeão

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

EMENTA OBJETIVO GERAL. Ampliar os conhecimentos gramaticais, utilizando-os de forma apropriada nas práticas de linguagem oral e escrita.

EMENTA OBJETIVO GERAL. Ampliar os conhecimentos gramaticais, utilizando-os de forma apropriada nas práticas de linguagem oral e escrita. Ensino Fundamental II 7º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Língua Portuguesa PROFESSOR Ana Paula dos Santos Cabral CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO TOTAL SEMANAL 7º ano A 2017 1.1 - Gêneros literários: poema

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice Índice Parte I: Introdução................. 9 Parte II: Escolhas difíceis, decisões diárias: como receber a orientação intuitiva da alma.......................... 14 Parte III: Como usar a orientação interior

Leia mais

Solidão... esse sentimento que pode te jogar no caos da depressão, torná-lo um gênio ou levá-lo à loucura.

Solidão... esse sentimento que pode te jogar no caos da depressão, torná-lo um gênio ou levá-lo à loucura. SOLIDÃO E SOLITUDE Solidão... esse sentimento que pode te jogar no caos da depressão, torná-lo um gênio ou levá-lo à loucura. Muitas vezes você quer a fusão de almas, mas não consegue porque, por uma razão

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa Ano: 7 Turma: 71

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa Ano: 7 Turma: 71 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: ARTE Professor (a): JANAINA Ano: 7 Turma: 71 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Literatura Fransérgio Av. Trimestral 18/06/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES VER MAPA E S T A N T E 5 E S T A N T E 4 B E S T A N T E 4 A E S T A N T E 3 B E S T A N T E 3 A E S T A N T E 2 B E S T

Leia mais

J. R. Martins. Volume 1. Romantismo para todos os dias. Pág. 1

J. R. Martins. Volume 1. Romantismo para todos os dias. Pág. 1 J. R. Pág. 1 Martins Romantismo para todos os dias Volume 1 Pág. 2 Copyright by J. R. Martins 2008 Ficha Técnica Revisão Filemon Félix de Moraes Digitadores Edson Júnior Nunes Paulo Correia de Araújo Capa

Leia mais

O Homem é capaz de Deus. Chave da semana

O Homem é capaz de Deus. Chave da semana O Homem é capaz de Deus Chave da semana Catequese com adultos 11-12 Chave de bronze 15-10-2011 DEUS VEM AO ENCONTRO DO HOMEM 22-10-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Quem somos? Revelamo-nos

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas Pedro Sousa Pereira, in Fernando Pessoa Mensagem, Oficina do Livro, novembro de 2006 Entre Margens V I R I A T O Se a alma que sente e faz conhece Só porque lembra

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II AULA 16.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II Segunda Geração: os ultrarromânticos O sentimentalismo, a imaginação e o egocentrismo atingiram seu ponto culminante nesta geração, que experimentou as formas

Leia mais

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS Índice geral 3 Índice geral Módulo 9 Textos líricos POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS 12 CONTRATO DE LEITURA 14 Tábua bibliográfica, 16 FERNANDO PESSOA (ortónimo) 17 Autopsicografia,

Leia mais

Ricardo Reis (Fernando Pessoa)

Ricardo Reis (Fernando Pessoa) Tema: Ricardo Reis (Fernando Pessoa) Trabalho realizado por: Eduardo, Hugo, Miguel Albino, Ricardo, Rui IMSI-16 04/07/2014 Tema: Ricardo Reis, o poeta epicurista, é um dos mais conhecidos heterónimos de

Leia mais

Cartão Postal de Guaíra

Cartão Postal de Guaíra Sete Quedas Foi a maior cachoeira do mundo em volume de água, isso mesmo, foi! Isso porque em 13 de outubro de 1982 as comportas da recém criada Usina Hidrelétrica de Itaipu foram fechadas para a criação

Leia mais

Com Alessandra França.

Com Alessandra França. Com Alessandra França www.auditoriodaalma.com.br Email: auditoriodalma@gmail.com Quando pensamos em Qualidade de Vida, o que vem em nossa mente? No entanto, as coisas não são bem assim... É cada vez maior

Leia mais

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo,

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, * *O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, elevando os heróis à suprema dignidade de, através

Leia mais

Romeu e Julieta PARTE I. Texto 1. A peça

Romeu e Julieta PARTE I. Texto 1. A peça Romeu e Julieta PARTE I Texto 1 A peça Romeu e Julieta deve ter sido escrita entre 1595 e 1596. A primeira vez que apareceu impressa foi em 1597, e uma versão mais completa saiu em 1599. Shakespeare baseou

Leia mais

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO

DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO EU AMO VOCÊ: DEIXA-ME SENTIR TUA ALMA ATRAVÉS DO TEU CALOROSO ABRAÇO Cleber Chaves da Costa 1 O amor é paciente, o amor é benigno, não é invejoso; o amor não é orgulhoso, não se envaidece; não é descortês,

Leia mais